Nϊmero 22
II
SΙRIE

Quarta-feira, 30 de Maio de 2018

REGIΓO ADMINISTRATIVA ESPECIAL DE MACAU

      Anúncios notariais e outros

第 一 公 證 署

證 明

澳門紋身教育協會

為公佈的目的,茲證明上述社團的設立章程文本自二零一八年五月二十三日起,存放於本署的社團及財團存檔文件內,檔案組2號67/2018號。

澳門紋身教育協會

章程

第一章

總則

第一條

名稱

本會中文名稱為“澳門紋身教育協會”;葡文名稱為“Associação de Tatuagem Educação de Macau”,葡文簡稱為“ATEM”;英文名稱為“Macau Tattoo Education Association”,英文簡稱為“MTEA”。

第二條

宗旨

本會為非牟利團體。宗旨為紋身文化藝術教育傳播組織,以推動澳門紋身文化與內地及國際紋身藝術接軌和合作,舉辦紋身藝術教育課程為主旨。將紋身文化創意與澳門文化產業結合,舉辦各種學術交流,會議、展覽、研討和文創活動,開發紋身文化周邊產品,推廣及發展澳門本地紋身文化與教育。

第三條

會址

本會設於澳門和隆街42-A號新禧閣地下A座。

第二章

會員

第四條

會員資格

凡贊成本會宗旨及認同本會章程者,均可申請為本會會員。經本會理事會批准後,便可成為會員。

第五條

會員權利及義務

(一)會員有選舉權及被選舉權,享有本會舉辦一切活動和福利的權利。

(二)會員有遵守會章和決議,以及繳交會費的義務。

第三章

組織架構

第六條

機構

本會組織機構包括會員大會、理事會、監事會。

第七條

會員大會

(一)會員大會為本會最高權力機構,負責制定或修改會章;選舉會員大會主席、副主席、秘書和理事會、監事會成員;決定會務方針,審查和批准理事會工作報告。

(二)會員大會設主席一名,副主席一名及秘書一名。每屆任期為三年,可連選連任。

(三)會員大會每年舉行一次,至少提前八天透過掛號信或簽收之方式召集,通知書內須註明會議之日期、時間、地點和議程,如遇重大或特別事項得召開特別會員大會。

(四)修改本會章程之決議,須獲出席會員大會四分之三的贊同票;解散本會的決議,須獲全體會員四分之三的贊同票。

第八條

理事會

(一)理事會為本會的行政管理機構,負責執行會員大會決議和管理法人。

(二)理事會由最少三名或以上單數成員組成,設理事長、副理事長各一名及理事若干名。每屆任期為三年,可連選連任。

(三)理事會會議每三個月召開一次。會議在有過半數理事會成員出席時,方可議決事宜,決議須獲出席成員的絕對多數贊成票方為有效。

第九條

監事會

(一)監事會為本會監察機構,負責監察理事會日常會務運作和財政支出。

(二)監事會由最少三名或以上單數成員組成,設監事長、副監事長各一名及監事若干名。每屆任期為三年,可連選連任。

(三)監事會會議每三個月召開一次。會議在有過半數監事會成員出席時,方可議決事宜,決議須獲出席成員的絕對多數贊成票方為有效。

第十條

使本會負責之方式

本會所有行為、合約及文件須理事會理事長和副理事長共同簽署。

第四章

經費

第十一條

經費

本會經費源於會員會費及各界人士贊助,尚有不敷或特別需用款時,得由理事會決定籌募之。

二零一八年五月二十三日於第一公證署

公證員 盧瑞祥


第 一 公 證 署

證 明

悅膳會

為公佈的目的,茲證明上述社團的設立章程文本自二零一八年五月二十四日起,存放於本署的社團及財團存檔文件內,檔案組2號68/2018號。

悅膳會章程

第一章

總則

第一條——會名:

(一)中文名稱:“悅膳會”(以下簡稱本會);

(二)葡文名稱:Associação Ut Sin;

(三)英文名稱:Ut Sin Association。

第二條——會址:澳門關閘馬路利達新村第二期23樓X,透過會員大會決議可將會址遷往澳門其他地方。

第三條——宗旨:本會為非牟利機構,透過食物分享加強市民珍惜食物的自我意識,減少糧食浪費,倡導綠色飲食文化,傳播關懷,以愛聯繫社會。

第四條——工作語文:本會工作語文使用澳門特別行政區正式語文,若本會之一切有任何歧異,一切則以中文為準。

第五條——年度:本會之財政及行政年度由每年一月一日開始,至翌年的十二月三十一日完結。

第二章

會員權利與義務

第六條——會員資格:凡認同本會章程,年滿十八周歲,有興趣投入社會基層服務之人士,均可申請為會員。

第七條——申辦會員的程序:由本會兩名會員介紹,經本會理事會審核批准及繳納倘有之會費,方可成為會員。

第八條——會員權利:

(一)享受本會提供的服務及福利;

(二)參加本會舉辦的交流及活動;

(三)會內有表決權、選舉權及被選舉權。

第九條——會員義務:

(一)出席會員大會及有關活動;

(二)遵守會章;

(三)執行決議;

(四)繳納會費;

(五)維護本會聲譽,不得作出損壞本會名聲及利益的行為。

第十條——紀律程序:會員如有違反本章程的行為,先予以口頭及書面警告。屢犯者由理事會決議,經會員大會通過後,將被永久終止會員資格。本會保留事件法律追究權利。

第三章

組織及功能

第十一條——架構:本會由下列機構組成:會員大會、理事會及監事會。

第十二條——任期:理、監事會之成員任期各為三年,連選得連任,並必須是本會有被選舉權之會員。

第十三條——會員大會:

(一)會員大會為本會最高權力機構;

(二)設會長一人、副會長若干人,由會員大會選舉產生,任期為三年,連選得連任;

(三)會員大會每年至少召開一次,由理事長召開,由會長主持;

(四)召集會員大會方式之通知,得至少提前八天透過掛號信或簽收之方式為之。通知內須載有會議程序、舉行日期、時間及地點;

(五)經第一次召集後,最少有一半全體會員出席,方可議決;如法定人數不足,會員大會將於超過通知書上指定時間三十分鐘後作第二次召集,經第二次召集後,只須有會員出席,即可議決。選舉時,會員如因事不能到場,可委託其他會員代為投票;

(六)會員大會之決議由出席會員以絕對多數票通過,但法律另有規定除外;若贊成票與反對票之票數相等,會員大會主席有權投決定性一票;

(七)會員大會職能包括:

1. 選舉或罷免會長、副會長、理事會及監事會成員;

2. 審批修改本會章程;

3. 制定本會方針;

4. 根據會務進展需要聘請社會人士擔任本會的名譽職務;

5. 實施其他權限,該權限在法律及本章程內並無授予會內其它機構的;

6. 審批理事會年度工作報告書和年度財政報告書;

7. 討論及表決任何與本會有關之重大事項;

8. 討論及通過理事會提出之內部細則。

第十四條——理事會:

(一)理事會為本會最高執行機構;

(二)理事會由會員大會選出單數(三至若干人)組成,互選理事長一人、副理事長及理事若干人;

(三)理事會議每年至少召開三次。當有需要時,亦可隨時召開會議,所作決議須載於會議記錄冊內;

(四)任何議案,在有過半數理事會成員出席時方可議決,且需經過半數或以上出席之理事會成員同意才能通過;

(五)理事會職能包括:

1. 對外代表本會;

2. 履行會員大會之決議;

3. 制訂及提交年度工作報告及財政報告,以及制訂年度的工作計劃及財務預算案;

4. 編寫內部規章;

5. 籌劃、組織及協調本會及外界邀請之所有活動;

6. 批准會員入會及接受會員之退會申請;

7. 開設銀行帳戶,包括進行一切有關帳戶之運作;

8. 履行一切法律、會章及內部規章所賦予之權限;

9. 按會務發展需要,理事會得聘請名譽主席、會長、顧問或會員。

(六)理事會成員職能包括:

1. 理事長負責協調工作,在理事會會議中有決定性投票權,並具全權對外代表本會,包括簽署一般行政文件、私文書或公證書;

2. 副理事長負責協助理事長工作,並在理事長不能視事時擔任代理事長;

3. 秘書負責繕寫會議記錄及報告,派發及公佈理事會會議召集通知;

4. 財務長負責收取會費,編制本會收入和支出的會計帳目,以及編寫財政報告及財務預算案,財政獨立且不受干涉;

5. 理事負責輔助理事長及副理事長工作。

第十五條——監事會:

(一)監事會為本會最高監督機構;

(二)監事會由會員大會選出單數(三至若干人)組成,監事會互選監事長一人、副監事長及監事若干人;

(三)監事會至少每一年召開一次會議。當有需要時,亦可隨時召開會議,所作決議需記載於會議記錄冊內;

(四)監事會職能包括:

1. 對理事會之年度報告及財務報告等作出意見及監察會務運作;

2. 有權列席理事會會議,但其成員在會議中無表決權;

3. 負責監督理事會工作及稽核理事會財政報告或其他事項提出書面意見。

第四章

經費

第十六條——經費來源:

(一)會費收入;

(二)接受團體或個人贊助及捐贈;

(三)政府資助;

(四)任何方式獲得的合法收入或理事會在其權限範圍內獲取的收入。

第十七條——會費:

(一)會費的額度和交納方法由理事會規定。

(二)本會對已繳交之會費及捐款均不予退還。

第五章

其他條例

第十八條——會章修訂:本會會章經會員大會通過生效。如有未盡善事宜,由理事會提請會員大會補充修訂。修改章程之決議,須獲出席會員四分之三之贊同票。

第十九條——解釋:當會章沒有適當資料提供以資參考時,則以理事會的決定為解釋會章的最高準則。解散法人或延長法人存續期之決議,須獲全體會員四分之三之贊同票。

二零一八年五月二十四日於第一公證署

公證員 盧瑞祥


2.º CARTÓRIO NOTARIAL DE MACAU

CERTIFICADO

澳門美食協會

為公佈的目的,茲證明上述社團的設立章程文本已於二零一八年五月十七日存檔於本署2018/ASS/M3檔案組內,編號為141號。該設立章程文本如下:

澳門美食協會

章程

第一章

總則

第一條

名稱,性質及期限

本會名稱為“澳門美食協會”,葡文名稱:“Associação de Gastronomia de Macau”,英文名稱:“Macau Association of Gastronomy”(以下簡稱“本會”),屬具有法人地位的非牟利社團,受本章程及澳門現行有關法律條款管轄;其存續不設期限。

第二條

住所及辦事處

本會設於澳門美副將大馬路48號萬基工業大廈7樓B,可根據需要設立辦事處。經會員大會批准,本會會址可遷至澳門任何其他地方。

第三條

宗旨

本會宗旨為“澳門美食文化的傳承與創新,向世界各地推廣澳門美食‘多元’、‘創意’、‘獨特’的文化底蘊,拓展美食文化國際性交流合作,為弘揚澳門美食文化作出貢獻。”

第四條

活動

本會主要從事以下活動:

(一)開展符合宗旨要求的學術研究;

(二)舉辦或參加符合宗旨要求的展覽、比賽、工作坊、參觀訪問等活動;

(三)接受個人、社團、政府部門的委託,承擔、組織與宗旨相符的研究任務和各項交流活動。

第二章

會員

第五條

會員

一、本會會員以個人或團體身份參加;

二、凡認同本會宗旨及願意遵守本會章程的自然人,填妥入會表格及繳納會費後,均可成為會員;

三、會員有退出本會的自由,但須向理事會作出書面通知。

第六條

會員權利

一、參加會員大會;

二、選舉權及被選舉權;

三、對本會會務提建議及意見;

四、參與本會舉辦的一切活動;

五、退出本會。

第七條

會員義務

一、遵守本會章程並執行本會的決議;

二、推動本會會務開展;

三、參與、支持及協助本會舉辦之各項活動;

四、按時繳納會費及其他應付費用;

五、不得作出任何有損本會聲譽的行動。

第八條

處分

凡違反本會章程、內部規章之條款及參與損害本會聲譽或利益活動的會員將由理事會作出處分。

第三章

組織機構

第九條

組織架構

一、會員大會;

二、理事會;

三、監事會。

第十條

會員大會

一、會員大會為本會最高權力機構,由會員大會主席團主持工作。

二、會員大會每年召開一次平常會議;在必要的情況下應理事會或不少於二分之一會員以正當目的提出之要求,亦得召開特別會議。

三、會員大會主席團設會長一名、副會長若干名,任期各為三年,連選得連任。

四、會員大會由會長負責主持;若會長不能視事時,由副會長代任。

五、召集須以掛號信的形式提前至少8天寄往會員的住所或透過由會員簽收之方式代替,該召集書內應註明會議召開的日期、時間、地點和議程。

(1)第一次召集時,需有四分之三會員出席,才能作出任何決議;

(2)召集通知書內可訂定若第一次召集的時間已屆,法定人數不足,則於半小時後視為第二次召集,屆時則不論出席之會員人數多少均視為有效。

六、修改章程之決議,須獲出席會員四分之三的贊同票;解散本會之決議,須獲全體會員四分之三的贊同票。

第十一條

會員大會職權

一、修改本會章程及內部規章;

二、選舉會員大會主席團、理事會、監事會之成員;

三、審議理事會的工作報告和財務報告,以及監事會的相關意見書;

四、決定本會會務方針及作出相應決議;

五、通過翌年度的活動計劃及預算。

第十二條

理事會

一、理事會成員由會員大會選出,成員人數不確定,其總數目必須為單數;

二、理事會設理事長一名、副理事長及理事若干人,司庫及秘書長各一名;任期三年,連選得連任;

三、理事會下設常務理事會,以便執行理事會決議及處理本會日常會務。

第十三條

理事會職權

一、執行會員大會決議;

二、主持及處理各項會務工作;

三、向會員大會提交工作報告;

四、聘請國內外有卓越貢獻人士、社會知名人士或權威專業人士擔任榮譽會長、名譽會長、名譽顧問、名譽學術顧問、名譽會員、顧問、學術顧問、特約研究員、法律顧問等;

五、在法庭內外代表本會;

六、根據工作需要,決定設立專門委員會及工作機構,並任免其領導成員;

七、常務理事會由理事長、副理事長及理事會議決之若干名理事會成員組成,成員人數必為單數;

八、除本章程規定的其他權限外,常務理事會亦負責本會日常行政事務、接納及按理事會之決議開除會員。

第十四條

本會的簽名方式

關於具法律效力之行為及文件,由理事長與理事會授權之任何一名其他常務理事會成員之共同簽名代表本會,但不妨礙理事會可議決指定文件之簽署方式。

第十五條

監事會

一、監事會由大會選出,成員人數不確定,其數目必須為單數;

二、監事會設監事長一名、副監事長及監事若干人,任期三年,連選得連任。

第十六條

監事會職權

一、監察會員大會的決議的執行;監督理事會的運作及查核本會之財產;

二、監督各項會務工作的進展;就其監察活動編制年度報告;

三、向會員大會報告工作。

第四章

經費

第十七條

經費來源

一、會費;

二、政府機關和海內外各界人士和團體的捐助;

三、其他。

二零一八年五月十七日於第二公證署

一等助理員 Graciete Margarida Anok da Silva Pedruco Chang


2.º CARTÓRIO NOTARIAL DE MACAU

CERTIFICADO

澳門STEM教育協會

為公佈的目的,茲證明上述社團的設 立章程文本已於二零一八年五月十八日存檔於本署2018/ASS/M3檔案組內,編號為145號。該設立章程文本如下:

澳門STEM教育協會章程

第一章

名稱、會址及宗旨

第一條——名稱

中文名稱為“澳門STEM教育協會”,英文為“Macau STEM Education Association”,英文簡稱為“STEM”,葡文為“Associação Educativa da STEM de Macau”(以下稱協會)。

第二條——會址

會址設於澳門新口岸上海街175號中華總商會大廈16樓D,為實現宗旨,協會可在認可適宜及有需要時,設立代表處或任何其他形式的代表機構或將會址遷至澳門其他地方。

第三條——宗旨

協會為非牟利社團,宗旨是致力於澳門推廣STEM教育【STEM是科學(Science)、技術(Technology)、工程(Engineering)及數學(Mathematics)四個學科的首字母縮寫】,主張以「親身體驗,動手實踐」,鼓勵動手參與,從動手中,引發探討的興趣;從設計中,鑽研部件的搭配;從活動中,學得科學的知識;從交流考察中,探索大自然和人類科學的奧秘。藉著體驗來培訓邏輯思維及解決能力。並提供會員上課及模擬練習場地。

第二章

會員

第四條——凡認同協會宗旨的個人及團體,均可申請加入本會。會員可優先參加本會組織的各項課程及活動;有選舉權及被選舉權;入會自願,退會自由。

第五條——會員需遵守本會規章、章程及決議;繳納會費;任何時候不得損害本會的名譽和利益。

第六條——會員權利

A. 可優先參與本會舉辦的各項綜合性公開活動;

B. 參與本會舉辦的所有課程和活動;

C. 會員大會中有投票權、選舉或被選舉權;

D. 每年參與會員大會;

E. 推薦新會員加入本協會。

第七條——協會會員具下列義務

A. 遵守本會章程的合法決議;

B. 熱心執行協會指派的任務;

C. 促進協會與其他機構之間的交往;

D. 繳納會費。

第八條——退會

A. 如遇下列情況即喪失會員資格:

a)書面向理事會要求退會;

b)其行為有損協會聲譽及形象者。

B. 經理事會提出由理事會決定,任何違反法律和章程條例、損害會員形象,或不遵守會員大會和理事會的議案的會員,視情節輕重,理事會可能會對其給予不同程度的警告、暫停會員資格或開除會籍。此決定需由理事會半數以上成員通過。有關會員有權於通過後十日內向理事會提交書面上訴,如不提交者作棄權論。

C. 會員大會通過的開除決議為最後決議。

第三章

協會之組織機關

第一節

組織機關

第九條——協會的組織機關包括:會員大會、理事會和監事會。

第二節

會員大會

第十條——會員大會由所有有選舉權之會員組成,其決議在法定範圍內具有最高權力。

第十一條——會員大會主席團有會長一人,副會長一人及秘書長一人組成,任期三年。

A. 會長之權限為領導大會的工作和主持大會。

B. 根據被選的順序,副會長之權限為當會長缺席或不能視事時代行會長職務。

C. 繕錄大會之會議記錄屬秘書長的權限。

第十二條——會員大會一年之首季舉行。具體時間、地點由主席團決定。

上述之會員大會名為周年會員大會,其議程須審核與核准由理事會提交並附有監事會意見的“年度會務報告”和“財務報告”。

第十三條——特別會員大會須應會員大會會長召集或應理事會、監事會之要求或不少於五分之三有投票權之會員之要求,而該要求須涉及某項特殊性質事務而舉行。

第十四條——會員大會須由理事長在最少八天前以掛號信或透過簽收方式通知會員。召集書應具有會議之確定日期、時間、地點及會議議程。

第十五條——每次會員大會之法定人數應有不少於半數有選舉權之會員所組成。

A. 到開會時間,開會者少於法定人數,會員大會須延後舉行。

B. 大會的決議以出席會員的過半多數票通過。倘贊成票與反對票相等,會長有權投決定性之一票。

第十六條——會員大會會長和副會長為協會擔任代表的職務。

第十七條——凡推行會務並為協會提供經濟上或其他性質的重大支持者可授予“永遠名譽會長”、“名譽會長”;如對本協會有貢獻者可授予“永遠榮譽會長”、“榮譽會長”、“榮譽顧問”和“顧問”的職銜。以上職銜具有會員大會的投票權。

以上職銜是由二位組織架構成員提名,並須會員大會的多數票通過授予。

第十八條——會員大會特別具有以下權限:

A. 以不記名投票選出會員大會會長、副會長、秘書長和理事會、監事會各成員;

B. 制訂協會指導方針;

C. 討論、表決和核准修改協會章程和內部規例;

D. 議決將“永遠名譽會長”、“名譽會長”或“永遠榮譽會長”、“榮譽會長”、“榮譽顧問”和“顧問”名銜頒予對協會做出傑出貢獻的人士;

E. 審議與核准由理事會提交並附有監事會意見的“年度會務報告”和“財務報告”。

第三節

理事會

第十九條——協會的工作由理事會負責管理,其成員包括理事長、副理事長、理事若干名,其組成人數須為單數,任期三年。各成員的委任方式為:在會員大會上,從有選舉權之會員中選出若干名。

第二十條——理事會大會須每三個月舉行一次。特別會議可由理事長召集而舉行。

A. 決議須由半數以上票數確定,倘贊成票與反對票相等,理事長有權投決定性之一票。

B. 出席決議之法定人數不得少於理事會成員之過半數。

C. 理事會可邀請對有專業知識或貢獻之協會會員或非會員以諮詢資格參加會議。

第二十一條——理事會之權限為創造條件實現本會之宗旨。

理事會特別具有以下權限:

a)通過協會之內部規章;

b)簽訂協會所需之合約及各項文件;

c)制定及向周年會員大會提交周年報告、財政報告及下一年度之活動計劃;

d)進行各類必須的和適當的工作以推動協會的宗旨;

e)在法庭內外擔當協會代表;

f)執行會員大會的決議;

g)管理協會的財物;

h)領導和組織協會的活動;

i)對入會申請和開除會員會籍等事項進行表決;

j)當需要時要求召開會員大會;

k)任命及協調各委員會和工作小組;

l)確定會員之入會費及年費;

m)對協會加入本地、區域或國際相同性質之組織作出決議;

n)接受津貼、捐贈或遺贈;

o)在會內設立各類部門。

第四節

監事會

第二十二條——監事會的權限為監督協會的工作,監事會由若干名會員組成,分別為監事長一名,副監事長一名及監事若干名組成,總數須為單數,任期3年。

監事會之成員應由會員大會從有選舉權之會員選出。

第二十三條——監事會應每年召開二次會議。特別會議可由監事長召開。

決議應由半數以上票數確定,倘贊成票與反對票相等,監事長有權投決定性一票。

第二十四條——監事會之權限為熱誠地按法律及章程執行監察。

監事會特別具有以下權限:

a)對理事會之報告、財政報告及其他事項提出書面意見;

b)如四分之三成員要求,可召開特別會員大會;

c)參加會員大會、理事會,但其成員在理事會中無表決權;

d)在適當時檢查本會帳目及證實資金平衡。

第五節

財政

第二十五條——協會之經費可有經常性收入及非經常性收入負擔。

A. 經常性收入:

a)會員入會費及其他會員捐贈。

b)銀行存款利息及本會之一切服務收費。

B. 非經常性收入:

a)對協會的輔助金;

b)其他收入,如協會獲得之捐贈或遺贈。

C. 協會之基金用途只能作為擴展及執行本會之宗旨,此外,不能將資金任何部分直接或間接以股息,獎金,或其他形式轉交予協會會員。

D. 上款不包括支付薪金給予為協會服務之職員,雜務員及會員,並不能阻止歸還經雙方同意之合理利息予暫借款項給協會之人士。

第二十六條——本會開支,必須經由理事會審議通過。

第二十七條——理事會須以協會名義在銀行開設戶口,此戶口之使用,須由會長、理事長或監事長其中二人簽署。

第二十八條——協會有需要可聘用專家核數師。該核數師之報告書將由監事會呈交每年之會員大會公佈。

第四章

附則

第二十九條——倘對本章程或內部規章的適用有任何疑問,則以理事會之決定為最高準則。

第三十條——修改本會章程需在會員大會中進行。

上款所述的大會決議必須獲具投票權的出席會員之四分之三或以上通過方為有效。

第三十一條——解散本會的決議需在會員大會中進行。

A. 上款所述的大會決議必須獲全體會員之四分之三或以上通過方為有效。

B. 本會經社團登記管理機關辦理註銷登記手續後即為解散。

第三十二條——《民法典》第170條列出的任何一種原因,均可稱為消滅協會的理由。

在消滅時,仍在任職的理事會成員充當協會結算人。

第三十三條——本章程所未規範事宜,概依澳門現行法律執行。

二零一八年五月十八日於第二公證署

一等助理員 Graciete Margarida Anok da Silva Pedruco Chang


2.º CARTÓRIO NOTARIAL DE MACAU

CERTIFICADO

澳門忠藝太極會

為公佈的目的,茲證明上述社團的設立章程文本已於二零一八年五月十八日存檔於本署2018/ASS/M3檔案組內,編號為144號。該設立章程文本如下:

“澳門忠藝太極會”章程

第一章

總則

1. 本會定名為“澳門忠藝太極會”。

2. 宗旨:本會為非牟利團體,宗旨為弘揚及推廣太極文化,團結澳門熱愛太極的各界人士。支持澳門特別行政區施政,愛國愛澳,為傳承太極技藝作貢獻。

3. 本會地址:澳門氹仔基馬拉斯大馬路37G號美景花園美麗閣十一樓A室。經會員大會同意可作更改。

第二章

會員

4. 凡對太極有興趣之人士,願意遵守會章,經本會會員介紹,經理事會通過,可成為正式會員。

5. 會員權利及議務:

(1)選舉權與被選權;

(2)批評及建議;

(3)遵守會章及決議;

(4)繳納會費。

6. 會員如有違反會章或有損本會聲譽者,經理事會通過,可取消其會員資格。

第三章

組織架構

7. 會員大會為本會最高權力機構,設會長一名、副會長一名及秘書長一名,任期三年,並可設名譽主席若干名,由應屆理事會邀請,任期與應理事會一致。

會員大會的職權如下:

(1)制定或修改會章;

(2)選舉會員大會會長、副會長、秘書長、理事會及監事會成員;

(3)決定會務方向。

8. 理事會為本會執行機關,其職權如下:

(1)籌備召開會員代表大會:

(2)執行會員大會決議;

(3)向會員大會報告工作和財務狀況。

9. 理事會設理事長一名、副理事長一名或多名、理事一名或多名(總人數必須為單數),每層任期三年。

10. 監事會負責稽核及督促理事會各項工作,設監事長一名、副監事長一名或多名、監事一名或多名(總人數必須為單數),每屆任期三年。

第四章

會議

11. 會員大會每年召開一次,最少提前八日以簽收或掛號方式郵寄通知會員,召集書內載明會議日期、時間、地點及議程。如有需要,會長可召開會員大會。另外,如有三分之一理事會成員或有三分之二基本會員聯名要求,便可召開特別會員大會。

12. 理事會、監事會每年召開一次,如有特殊情況可臨時召開。

13. 運作:

(1)首次召開大會必須要半數以上會員參加,方可作出決議;

(2)決議取決於會員之絕對多數票。但不影響以下各款規定之適用;

(3)修改章程之決議,須獲出席會員四分之三之贊同票;

(4)解散恊會或延長協會存續期之決議,須獲全體會員四分之三之贊同票。

第五章

經費

14. 會員會費或得到理事會同意接受的其他合法贊助。

第六章

附則

15. 本章程之解釋權屬理事會。

二零一八年五月十八日於第二公證署

一等助理員 Graciete Margarida Anok da Silva Pedruco Chang


2.º CARTÓRIO NOTARIAL DE MACAU

CERTIFICADO

婦聯之友康體協會

為公佈的目的,茲證明上述社團的設立章程文本已於二零一八年五月十七日存檔於本署2018/ASS/M3檔案組內,編號為140號。該設立章程文本如下:

婦聯之友康體協會章程

第一章

協會名稱、會址及宗旨

第一條——本會定名為“婦聯之友康體協會”。

會址:澳門水坑尾街202號婦聯大廈8樓。

第二條——協會無存續期之限制。

第三條——協會為非牟利體育團體,宗旨推動關心社會、服務社群,促進和諧家庭、和諧社會的建設。同時透過康體活動,關心青少年體育發展,為本澳體育事業出一分力。

第二章

會員

第四條——會員有以下權利:

一、出席會員大會,有表決權、選舉權和被選舉權;

二、推薦新人入會;

三、參與協會推廣的各項活動,並享受由會員大會或理事會賦予的任何其他福利。

第五條——會員有以下義務:

一、遵守本協會章程及其他守則;

二、服從協會架構的決議;

三、對協會的聲譽和發展作出貢獻;

四、交納應付的費用。

第六條——一、倘會員違反協會在本規章及守則內訂立的義務,將會按照違章的輕重受到以下處分:

a)警告;

b)暫時中止會籍;

c)開除會籍。

二、上款a)項規定的處分是由理事會執行,而b)和c)項的處分則經理事會建議,由會員大會執行。

三、除警告外,在沒有預先聽取假定的違規者意見前,不得執行任何其他一種處分。

第七條——其他:本會有權聘請社會知名人士及資深會員為永遠榮譽會長、榮譽會長、名譽會長、名譽顧問、會務顧問、顧問等。

第三章

協會架構

第八條——本會領袖架構包括會員大會、理事會和監事會。架構成員包括正副會長、正副理事長、正副監事長、秘書長。

第九條——會員大會由所有具完全享受會員權利之會員組成,每年至少舉行一次。

一、 會員大會為本會最高權力機構,會員大會架構成員人數由三人或以上單數成員組成,其中必須包含會長一名,副會長若干名,每屆任期為兩年,可連選連任。

二、 理事會成員人數由三人或以上單數成員組成,其中必須包含一名理事長、副理事長若干名、秘書長,由理事會互選選出,每屆任期為兩年,可連選連任。

三、 監事會成員人數由三人或以上單數成員組成,設一名監事長、副監事長若干名,每屆任期為兩年,可連選連任,選舉方式依據上款進行。

四、 會員大會由理事會召集,第一次召集時,最少一半會員出席;第一次召集的時間已屆,如法定人數不足,則於半小時後視為第二次召集,屆時則不論出席之會員人數多少均視為有效。

五、 選舉協會架構成員是在常年大會中舉行。

六、 召集會員大會,須最少提前八日以掛號信或簽收方式而為之,該召集書內應註明會議的日期、時間、地點及議程。

七、 修改本章程的決議,須獲得出席會員四分之三的贊同票;解散本會的決議,須獲全體會員四分之三的贊同票。

第四章

協會經費收入

第十條——協會經費收入來自會員會費、個人捐贈及社會捐贈。

二零一八年五月十七日於第二公證署

一等助理員 Graciete Margarida Anok da Silva Pedruco Chang


2.º CARTÓRIO NOTARIAL DE MACAU

CERTIFICADO

婦聯文娛康體會

為公佈的目的,茲證明上述社團的設立章程文本已於二零一八年五月十七日存檔於本署2018/ASS/M3檔案組內,編號為142號。該設立章程文本如下:

婦聯文娛康體會章程

第一章

協會名稱、會址及宗旨

第一條——本會定名為“婦聯文娛康體會”。

會址:澳門水坑尾街202號婦聯大廈8樓。

第二條——協會無存續期之限制。

第三條——協會為非牟利體育團體,宗旨是關心青少年成長,發展青少年五育理念的德智體群美中體和群之精神,促進親子及團體間溝通,並通過推廣文娛康體活動,發揮青少年潛能,增強青少年群體生活及為學校培育體育運動人才。

第二章

會員

第四條——會員有以下權利:

一、出席會員大會,有表決權、選舉權和被選舉權;

二、推薦新人入會;

三、參與協會推廣的各項活動,並享受由會員大會或理事會賦予的任何其他福利。

第五條——會員有以下義務:

一、遵守本協會章程及其他守則;

二、服從協會架構的決議;

三、對協會的聲譽和發展作出貢獻;

四、交納應付的費用。

第六條——一、倘會員違反協會在本規章及守則內訂立的義務,將會按照違章的輕重受到以下處分:

a)警告;

b)暫時中止會藉;

c)開除會籍。

二、上款a)項規定的處分是由理事會執行,而b)和c)項的處分則經理事會建議,由會員大會執行。

三、除警告外,在沒有預先聽取假定的違規者意見前,不得執行任何其他一種處分。

第七條——其他:本會有權聘請社會知名人士及資深會員為永遠榮譽會長、榮譽會長、名譽會長、名譽顧問、會務顧問、顧問等。

第三章

協會架構

第八條——本會領袖架構包括會員大會、理事會和監事會。架構成員包括正副會長、正副理事長、正副監事長、秘書長。

第九條——會員大會由所有具完全享受會員權利之會員組成,每年至少舉行一次。

一、 會員大會為本會最高權力機構,會員大會架構成員人數由三人或以上單數成員組成,其中必須包含會長一名,副會長若干名,每屆任期為兩年,可連選連任。

二、 理事會成員人數由三人或以上單數成員組成,其中必須包含一名理事長、副理事長若干名、秘書長,由理事會互選選出,每屆任期為兩年,可連選連任。

三、 監事會成員人數由三人或以上單數成員組成,設一名監事長、副監事長若干名,每屆任期為兩年,可連選連任,選舉方式依據上款進行。

四、 會員大會由理事會召集,第一次召集時,最少一半會員出席;第一次召集的時間已屆,如法定人數不足,則於半小時後視為第二次召集,屆時則不論出席之會員人數多少均視為有效。

五、 選舉協會架構成員是在常年大會中舉行。

六、 召集會員大會,須最少提前八日以掛號信或簽收方式而為之,該召集書內應註明會議的日期、時間、地點及議程。

七、 修改本章程的決議,須獲得出席會員四分之三的贊同票;解散本會的決議,須獲全體會員四分之三的贊同票。

第四章

協會經費收入

第十條——協會經費收入來自會員會費、個人捐贈及社會捐贈。

二零一八年五月十七日於第二公證署

一等助理員 Graciete Margarida Anok da Silva Pedruco Chang


CARTÓRIO NOTARIAL DAS ILHAS

CERTIFICADO

澳門城市發展研究學會

為公佈的目的,茲證明上述社團的設立章程文本自二零一八年五月十六日起,存放於本署之“2018年社團及財團儲存文件檔案”第1/2018/ASS檔案組第39號,有關條文內容載於附件。

澳門城市發展研究學會

章程

第一章

總則

第一條

名稱

本會中文名稱為“澳門城市發展研究學會”,中文簡稱為“城研會”,英文名稱為“City Development Research Association (Macau)”,英文簡稱為“CDRA”。

第二條

宗旨

本會為非牟利團體。宗旨為促進澳門及鄰近區域城市發展;培育澳門及鄰近區域的專業人才;與教育部門和其他專業機構合作;進行調查和研究,以爲城市發展和社會進步出謀獻策;出版相關刊物;召開定期會議,通過會議、論壇、研討會、研習論文、訪問和其他活動以作出交流意見;舉辦相關之會議、展覽、活動及研討會;協助澳門及鄰近地區之研究及參加各種社會事務。

第三條

會址

本會會址設於澳門氹仔成都街447號濠景花園27座牡丹苑16樓F室。經本會理事會批准後,會址可遷至澳門任何地方。

第二章

會員

第四條

會員資格

凡贊成本會宗旨及認同本會章程者,均可申請為本會會員。經本會理事會批准後,便可成爲會員。本會會員分為:個人會員及法人會員。

(一)個人會員:填妥入會申請書,符合相關資格,並繳納入會費及常年會費後,可成為個人會員。個人會員有以下四級別:

1. 學生會員(Student),須年滿十八歲;

2. 會員(Member,縮寫:MCDRA);

3. 高級會員(Senior Member,縮寫:SMCDRA);

4. 資深會員(Fellow,縮寫:FCDRA)。

(二)法人會員需符合以下條件:在澳門、中國內地、香港或臺灣註冊的公司和組織,僱員在10人或以上,並積極參與下列業務:

1. 城市建設、管理、設計、規劃、發展等經營業務;

2. 與城市發展有關的諮詢服務;

3. 與城市發展有關的研究和開發業務;

4. 其他與城市發展有關的業務。

第五條

會員權利及義務

(一)會員有選舉權及被選舉權,享有本會舉辦一切活動和福利的權利。

(二)會員有遵守會章和決議,以及繳交會費的義務。

第三章

組織結構

第六條

機構

本會組織機構包括會員大會、理事會、監事會。

第七條

會員大會

(一)本會最高權力機構為會員大會,負責制定或修改會章;選舉會員大會會長、副會長、秘書和理事會、監事會成員;決定會務方針;審查和批准理事會工作報告。

(二)會員大會設會長一名、副會長若干名及秘書一名。每屆任期為三年,可連選連任。

(三)會員大會每年舉行一次,至少提前八天透過掛號信或簽收之方式召集,通知書內須註明會議之日期、時間、地點和議程,如遇重大或特別事項得召開特別會員大會。

(四)每次會員大會之法定人數應由不少於三分之一的會員所組成。

(五)若開會時間已屆,法定人數不足,則於一小時後視為第二次召集,屆時則不論出席之會員人數多少均視為有效。

(六)除特別規定外,決議應由半數以上出席會員的絕對多數贊同票決定。倘贊成與反對票數相等時,會長有權投決定性之一票。

(七)修改本會章程之決議,須獲出席會員四分之三的贊同票;解散本會的決議,須獲全體會員四分之三的贊同票。

(八)本會按會務發展需要得聘請社會人士擔任執行會長及名譽會長之職務。

第八條

理事會

(一)本會執行機構為理事會,負責執行會員大會決議和日常具體會務。

(二)理事會由最少五名或以上單數成員組成,設理事長一名、常務副理事長一名、副理事長及理事各若干名。每屆任期為三年,可連選連任。

(三)理事會議每三個月召開一次。會議在有過半數理事會成員出席時,方可議決事宜,決議須獲出席成員的絕對多數贊同票方為有效。

第九條

監事會

(一)本會監察機構為監事會,負責監察理事會日常會務運作和財政收支。

(二)監事會由最少三名或以上單數成員組成,設監事長一名、副監事長一名及監事若干名。每屆任期為三年,可連選連任。

(三)監事會議每三個月召開一次。會議在有過半數監事會成員出席時,方可議決事宜,決議須獲出席成員的絕對多數贊同票方為有效。

第四章

經費

第十條

經費

本會經費可從以下來源獲得:

(一)會員之會費及捐贈。

(二)本會獲得之津貼、捐贈、遺產、遺贈及出資。

(三)公共或私人實體給予之津貼或資助。

(四)本身財產及資本之收益。

(五)其他合法收益。

(六)倘有不敷或特別需用款時,得由理事會決定籌募之。

第五章

會徽

第十一條

會徽

會徽:

(一)彩色:由綠色一種顔色組成。

(二)單色:黑色組成。

二零一八年五月十六日於海島公證署

二等助理員 林潔如


CARTÓRIO NOTARIAL DAS ILHAS

CERTIFICADO

澳門葡萄酒品鑒家協會

為公佈的目的,茲證明上述社團的設立章程文本自二零一八年五月二十一日起,存放於本署之“2018年社團及財團儲存文件檔案”第1/2018/ASS檔案組第40號,有關條文內容載於附件。

澳門葡萄酒品鑒家協會

章程

第一章

總則

第一條

名稱

本會中文名稱“澳門葡萄酒品鑒家協會”,葡文名稱為“Associação do Apreciadores de Vinho de Macau”,葡文簡稱為“AAVM”,英文名稱為“Wine Appreciators Association of Macao”,英文簡稱為“WAAM”。

第二條

宗旨

本會為非牟利團體。宗旨為:為中外葡萄酒愛好者、從業員、酒商、酒莊和業界人士提供一個廣闊的交流平臺。推廣葡萄酒文化以輕鬆的培訓方式灌輸正確、全面及深入的葡萄酒知識,希望藉著文化交流融入國家“一帶一路”的偉大策略。

第三條

會址

本會會址位於澳門馬交石斜坡13號新益花園第三座地下M舖。

第二章

會員

第四條

會員資格

凡贊成本會宗旨及認同本會章程者,均可申請成為本會會員。經本會理事會批准後,便可成為會員。

第五條

會員權利及義務

(一)會員有選舉權及被選舉權,享有參與本會舉辦的一切活動和福利的權利。

(二)會員有遵守會章和決議,以及繳交會費的義務。

第三章

組織機構

第六條

機構

本會組織機構包括會員大會、理事會、監事會。

第七條

會員大會

(一)本會最高權力機構為會員大會,負責制定或修改會章;選舉會員大會主席、副主席、秘書和理事會、監事會成員,決定會務方針,審查和批准理事會工作報告。

(二)會員大會設主席一名、副主席一名及秘書一名。每屆任期三年,可連選連任。

(三)會員大會每年舉行一次,至少提前八天透過掛號信或簽收之方式召集,通知書內須注明會議之日期、時間、地點和議程,如遇重大或特別事項得召開特別會員大會。

(四)修改本會章程之決議,須獲出席會員四分之三的贊同票,解散本會的決議,須獲全體會員四分之三的贊同票。

第八條

理事會

(一)本會執行機構為理事會,負責執行會員大會決議和日常具體會務。

(二)理事會由最少三名或以上單數成員組成,設理事長、副理事長及理事各一名。每屆任期三年,可連選連任。

(三)理事會議每三個月召開一次。會議在有過半數理事會成員出席時,方可議決事宜,決議須獲出席成員的絕對多數贊同票方為有效。

第九條

監事會

(一)本會監察機構為監事會,負責監察理事會日常會務運作和財政收入。

(二)監事會由最少三名或以上單數成員組成,設監事長、副監事長及監事各一名。每屆任期三年,可連選連任。

(三)監事會議每年召開一次。會議在有過半數監事會成員出席時,方可議決事宜,決議須獲出席成員的絕對多數贊同票方為有效。

第四章

附則

第十條

經費

本會經費源於會員會費及各界人士贊助,倘有不敷或特別需要用款時,得由理事會籌募之。

第十一條

會徽

二零一八年五月二十一日於海島公證署

二等助理員 林潔如


CARTÓRIO PRIVADO

MACAU

CERTIFICADO

澳門中華人工智能協會

為公佈之目的,茲證明上述組織社團之章程文本自二零一八年五月十四日起,存放於本署7/2018號檔案組內,並登記於第1號“獨立文書及其他文件之登記簿冊”內,編號為18號,該組織章程內容載於附件之證明書內並與原件一式無訛。

澳門中華人工智能協會

章程

第一章

總則

第一條

名稱

本會中文名稱為“澳門中華人工智能協會”,英文名稱為“Macau Chinese Association for Artificial Intelligence”,英文簡稱為“MCAAI”。

第二條

宗旨

本會為非牟利團體。宗旨為:

(一)竭誠協助提升會員對人工智能的認知及應用,參與教育、文化交流與合作;

(二)加強澳門與國內以及大中華地區人工智能團體的交流與合作;

(三)團結國內外電腦界、教育界、人工智能專業人士等參與本會不定期主辦或合辦人工智能活動推廣;

(四)堅持愛祖國、愛澳門,積極關心社群,為澳門特別行政區的社會安定、經濟繁榮而努力。

第三條

會址

本會會址設於澳門宋玉生廣場398 號大豐廣場中航大廈8樓H座。在需要時可遷往本澳其他地方,及設立分區辦事處。

第二章

會員

第四條

會員資格

凡贊成本會宗旨及認同本會章程者,均可申請為本會會員。經本會理事會批准後,便可成為會員。

第五條

會員權利及義務

(一)會員有選舉權及被選舉權,享有本會舉辦一切活動和福利的權利。

(二)會員有遵守會章和決議,以及繳交會費的義務。

第三章

組織結構

第六條

機構

本會組織機構包括會員大會、理事會、監事會。

第七條

會員大會

(一)本會最高權力機構為會員大會,負責制定或修改會章;選舉會員大會主席、副主席、秘書和理事會、監事會成員;決定會務方針;審查和批准理事會工作報告。

(二)會員大會設主席一名,副主席一名及秘書一名。每屆任期為三年,可連選連任。

(三)會員大會每年舉行一次,至少提前八天通過掛號信或簽收之方式召集,通知書內需註明會議之日期、時間、地點和議程,如遇重大或特別事項得召開特別會員大會。

(四)修改本會章程之決議,須獲出席會員四分之三的贊成票;解散本會的決議,須獲全體會員四分之三的贊同票。

第八條

理事會

(一)本會執行機構為理事會,負責執行會員大會決議和日常具體會務。

(二)理事會由最少三名或以上單數成員組成,設理事長、副理事長及理事各一名。每屆任期為三年,可連選連任。

(三)理事會議每三個月召開一次。會議在有過半數理事會成員出席時,方可議決事宜,決議須獲出席成員的絕對多數贊同票方為有效。

第九條

監事會

(一)本會監察機構為監事會,負責監察理事會日常會務運作和財政收支。

(二)監事會由最少三名或以上單數成員組成,設監事長、副監事長及監事各一名。每屆任期為三年,可連選連任。

(三)監事會議每三個月召開一次。會議在有過半數監事會成員出席時,方可議決事宜,決議須獲出席成員的絕對多數贊同票方為有效。

第四章

經費

第十條

經費

本會經費源於會員會費及各界人士贊助,倘有不敷或特別需用款時,得由理事會決定籌募之。

第五章

附則

第十一條

澳門法律

本章程如有未盡之處,均按澳門法律辦理。

二零一八年五月十四日於澳門特別行政區

私人公證員 林笑雲


CARTÓRIO PRIVADO

MACAU

CERTIFICADO

«Associação União de Empreendedores Sino-portugueses de Macau»

Certifico, para efeitos de publicação, que se encontra arquivado em 14 de Maio de 2018 no maço de documentos autenticados de constituição de associações e de instituição de fundações ASS/2018 sob o documento n.º 1 deste Cartório, o documento autenticado de constituição da associação assinalada em epígrafe, cujos estatutos se seguem:

Estatutos

CAPÍTULO I

Denominação, Duração e Sede

Artigo 1.º

A Associação denomina-se «Associação União de Empreendedores Sino-portugueses de Macau», em chinês “澳門中葡企業家聯合會” e em inglês «Macao Chinese and Portuguese Entrepreneurs Union Association», é uma associação de direito privado, sem fins lucrativos, constituída por tempo indeterminado e com início na data da sua constituição.

Artigo 2.º

1. A Associação tem a sua sede em Macau, na Alameda Dr. Carlos D’Assumpção, n.º 263, Edifício Civil China Plaza, 19.º andar.

2. Por deliberação da Direcção a sede poderá ser deslocada dentro de Macau.

Capítulo II

Objecto

Artigo 3.º

A Associação tem por objecto promover o intercâmbio e cooperação entre associações, empresas e empresários de Macau e o intercâmbio e cooperação entre estes e entidades públicas e privadas, nomeadamente organizações, federações e confederações, com vista ao desenvolvimento da sua rede de negócios, a promoção do desenvolvimento de Macau como plataforma de serviços de cooperação comercial entre a China e os Países de língua portuguesa, bem como defender os seus interesses.

Capítulo III

Artigo 4.º

Associados

1. Podem ser associados as associações de Macau admitidas pela Direcção.

2. São associados fundadores as associações que constituíram a Associação e bem assim associações que activamente participaram nos trabalhos para a constituição da Associação.

Artigo 5.º

Direitos dos Associados

1. São direitos dos associados:

a) participar e votar na Assembleia Geral;

b) participar nas eleições para os órgãos da Associação;

c) fazer parte das comissões ou grupos de trabalho, nos termos que venham a ser fixados pela Direcção;

d) participar nas actividades organizadas pela Associação;

e) propor à Direcção sugestões ou medidas para o desenvolvimento e melhoria do objectivo associativo e das actividades da Associação.

2. São deveres dos associados:

a) cumprir os estatutos e regulamentos da Associação e das organizações ou federações de que a Associação vier a fazer parte;

b) cumprir as deliberações da Assembleia Geral e as decisões dos restantes órgãos e seus departamentos;

c) cooperar para a promoção e o desenvolvimento do objecto e actividades da Associação;

d) pagar pontualmente as quotas anuais e despesas que vierem a ser necessárias para as actividades organizadas pela Direcção.

Capítulo IV

Órgão da Associação

Artigo 6.º

1. São órgãos da Associação, a Assembleia Geral, a Direcção e o Conselho Fiscal, eleitos em Assembleia Geral e compostos por um número ímpar de membros.

2. Podem ser membros dos órgãos da Associação, empresas e empresários, bastando, sendo empresas, a comunicação à Direcção, por simples carta, da pessoa singular para exercer o cargo em sua representação.

3. O mandato dos membros dos órgãos da Associação tem a duração de 3 anos, os quais são eleitos por voto secreto em reunião da Assembleia Geral, podendo ser reeleitos uma ou mais vezes.

4. Os membros dos órgãos da Associação não são remunerados.

Secção I

Assembleia Geral

Artigo 7.º

Composição da Assembleia Geral

1. A Mesa da Assembleia Geral é constituída por um Presidente e no mínimo por um Vice-Presidente e por um Secretário, os quais, em caso de falta ou impedimento, serão substituídos por quaisquer associados eleitos em assembleia geral, que não exerçam cargos noutros órgãos.

2. As reuniões da Assembleia Geral são convocadas pela Direcção.

3. A assembleia geral é convocada por meio de carta registada, enviada com a antecedência mínima de 8 dias, ou mediante protocolo efectuado com a mesma antecedência; na convocatória indicar-se-á o dia, hora e local da reunião e a respectiva ordem de trabalhos.

Artigo 8.º

Funcionamento da Assembleia Geral

1. A Assembleia Geral reúne-se ordinariamente uma vez por ano, nos 3 meses subsequentes ao termo do exercício associativo, para aprovação do balanço e respectivo relatório apresentados pela Direcção, do relatório anual do Conselho Fiscal e demais assuntos constantes da ordem de trabalhos.

2. A Assembleia Geral reúne-se extraordinariamente a pedido da Direcção, do Conselho Fiscal ou por um número de associados que perfaçam 1/5 do número total destes.

3. As reuniões da Assembleia Geral realizam-se na sede ou, quando a mesa da assembleia geral entenda conveniente, em qualquer outro local de Macau, desde que devidamente identificado no aviso convocatório, ou em local fora de Macau fixado por acordo unânime dos associados.

4. Os associados podem fazer-se representar nas reuniões da Assembleia Geral por qualquer associado, mediante carta dirigida à Mesa da Assembleia Geral, e relativamente a associados-empresas, bastando comunicação à Direcção, por simples carta, da pessoa singular para os representar nas reuniões.

5. A Assembleia Geral considera-se validamente constituída em primeira convocação com a presença, de pelo menos, metade dos associados presentes ou representados. Decorridos 30 minutos sobre a hora marcada, sem que esteja presente metade dos associados, a Assembleia Geral deliberará com a presença de qualquer número de associados presentes ou representados.

6. As deliberações da Assembleia Geral são tomadas por maioria absoluta dos votos dos associados presentes ou representados. As deliberações sobre alteração dos estatutos e dissolução da Associação, porém, exigem o voto favorável de 3/4 dos associados presentes ou representados e de todos os associados, respectivamente, e as sobre a exclusão de associados exigem o voto favorável de 2/3 dos associados presentes ou representados, tendo o presidente ou seu substituto, para além do seu voto, o voto de qualidade em caso de empate.

Artigo 9.º

Competência da Assembleia Geral

São da competência da Assembleia Geral:

a) alterar os presentes estatutos;

b) admitir personalidades para serem associados honorários, os quais não têm direito de voto e não pagam jóia de inscrição e quotas anuais;

c) exonerar os membros dos órgãos sociais;

d) aprovar os relatórios anuais de actividades da Direcção e do Conselho Fiscal, as propostas de orçamento, bem como outros assuntos que lhe sejam apresentados pelos outros órgãos;

e) aprovar a exclusão de associados;

f) deliberar sobre a dissolução da Associação; e

g) exercer todas as demais competências não compreendidas nas atribuições legais ou estatutárias aos outros órgãos.

Secção II

Direcção

Artigo 10.º

Composição da Direcção

1. A Direcção é composta por um número ímpar de titulares, dos quais um será presidente.

2. Nas suas faltas ou impedimentos, o presidente é substituído por um vice-presidente.

Artigo 11.º

Funcionamento da Direcção

1. A Direcção reúne-se ordinariamente uma vez por ano, nos 3 meses subsequentes ao termo do exercício associativo, para a elaboração do balanço e respectivo relatório para serem apresentados à Assembleia Geral e reúne-se sempre que seja convocado pelo seu presidente.

2. As reuniões da Direcção são convocadas com o prazo de antecedência e formalidades de convocação fixados pela Direcção, mas a comparência de todos os membros sana quaisquer irregularidades, incluindo a falta de convocação, podendo deliberar sobre quaisquer assuntos.

3. As reuniões da Direcção realizam-se na sede ou, quando o seu presidente entenda conveniente, em qualquer outro local de Macau, desde que devidamente identificado no aviso convocatório, ou em local fora de Macau fixado por acordo unânime dos membros.

4. Os membros da Direcção podem fazer-se representar nas reuniões por outro membro, mediante carta dirigida ao seu presidente, e relativamente a associados-empresas, basta a comunicação ao presidente por simples carta, da pessoa singular para os representar na reunião.

5. A Direcção reúne-se com a presença da maioria dos seus membros, sendo as reuniões presididas pelo seu presidente ou, na sua falta ou impedimento, por qualquer vice-presidente.

6. As deliberações são tomadas por maioria dos votos dos membros presentes ou representados nas reuniões, tendo o seu presidente ou quem o substitua, para além do seu voto, o voto de qualidade em caso de empate.

Artigo 12.º

Competência da Direcção

1. São da competência da Direcção:

a) gerir a Associação;

b) representar a Associação, em juízo e fora dele;

c) elaborar e alterar os regulamentos internos;

d) admitir associados;

e) alterar o valor da jóia de inscrição e das quotas anuais e fixar o valor das inscrições pela participação dos associados em actividades por si organizadas;

f) organizar actividades ou iniciativas que contribuam ou que sejam necessários para o desenvolvimento do objecto associativo;

g) elaborar o relatório anual de exercício para ser apresentado à Assembleia Geral;

h) aprovar contratos;

i) criar e extiguir departamentos, grupos e comissões de trabalho;

j) adquirir móveis e imóveis e tomar de arrendamento imóveis;

k) constituir procuradores através de instrumento público;

l) nomear auxiliares através de acta de reunião;

m) aprovar e alterar o logótipo e emblema da Associação;

n) aceitar doações e subvenções;

o) aprovar a filiação da Associação, por qualquer modo, em organizações e federações;

p) cumprir e fazer cumprir os estatutos e regulamentos internos da Associação e as deliberações dos seus órgãos, bem como os das organizações e federações de que esta vier a fazer parte; e

q) exercer todas as demais competências não compreendidas nas atribuições legais ou estatutárias aos outros órgãos.

2. A Associação obriga-se pelas seguintes formas:

a) pela assinatura do presidente da Direcção;

b) pelas assinaturas conjuntas de dois membros da Direcção;

c) pela assinatura de membro da Direcção no uso de delegações de poderes; ou

d) pela assinatura de procurador ou auxiliar.

Secção III

Conselho Fiscal

Artigo 13.º

Composição do Conselho Fiscal

1. Conselho Fiscal é composto por um número ímpar de titulares, dos quais um será presidente.

2. Nas suas faltas ou impedimentos, o presidente é substituído por um vice-presidente.

Artigo 14.º

Funcionamento do Conselho Fiscal

1. O Conselho Fiscal reúne-se ordinariamente uma vez por ano, nos 3 meses subsequentes ao termo do exercício associativo, para discutir o relatório anual para ser apresentado à Assembleia Geral e reúne-se sempre que seja convocado pelo seu presidente.

2. As reuniões do Conselho Fiscal são convocadas com o prazo de antecedência e formalidades de convocação fixados pelo Conselho Fiscal, mas a comparência de todos os membros sana quaisquer irregularidades, incluindo a falta de convocação, podendo deliberar sobre quaisquer assuntos.

3. As reuniões do Conselho Fiscal realizam-se na sede ou, quando o seu presidente entenda conveniente, em qualquer outro local de Macau, desde que devidamente identificado no aviso convocatório, ou em local fora de Macau fixado por acordo unânime dos membros.

4. Os membros do Conselho Fiscal podem fazer-se representar nas reuniões por outro membro, mediante carta dirigida ao seu presidente, e relativamente a associados-empresas, basta a comunicação ao presidente por simples carta, da pessoa singular para os representar na reunião.

5. O Conselho Fiscal reúne-se com a presença da maioria dos seus membros ou representados, sendo as reuniões presididas pelo seu presidente ou, na sua falta ou impedimento por qualquer vice-presidente.

6. As deliberações são tomadas por maioria dos votos dos membros presentes ou representados nas reuniões, tendo o presidente ou o seu substituto, para além do seu voto, o voto de qualidade em caso de empate.

Artigo 15.º

Competência do Conselho Fiscal

Compete ao Conselho Fiscal fiscalizar a actuação da Direcção, verificar o património da Associação e elaborar o relatório anual sobre a sua acção fiscalizadora e cumprir as demais obrigações constantes da lei ou dos estatutos.

Capítulo V

Receitas

Artigo 16.º

Constituem receitas da Associação:

a) jóia de inscrição de filiação e quotas dos associados;

b) receitas provenientes da organização de actividades pela Direcção;

c) doações e subvenções; e

d) quaisquer outras receitas legalmente permitidas.

Capítulo VI

Extinção

Artigo 17.º

A Associação extingue-se por deliberação da Assembleia Geral e nos termos legais.

Capítulo VII

Logótipo e emblema

Artigo 18.º

Logótipo e emblemas da Associação serão decididas pela Direcção.

Capítulo VIII

Disposições finais

A jóia de inscrição e as quotas anuais dos associados é de trinta mil patacas e de mil patacas, respectivamente, devendo serem pagos por todos os associados, incluindo fundadores, com exclusão dos associados honorários.

私人公證員 高願嘗

Cartório Privado, em Macau, aos 21 de Maio de 2018. — A Notária, Elisa Costa.


CARTÓRIO PRIVADO

MACAU

CERTIFICADO

澳門廟宇節慶文化促進會

Macau Temple Festival Cultural Promotion Association

Certifico, para efeitos de publicação no Boletim Oficial da Região Administrativa Especial de Macau, que, foi constituída a Associação com a denominação acima referida, conforme consta do documento, assinado em 14 de Maio de 2018, arquivado neste Cartório sob o n.º 8/2018, no maço a que se refere a alínea f) do n.º 2 do artigo 45.º do Código do Notariado:

澳門廟宇節慶文化促進會

章程

第一章

總則

第一條

名稱

本會中文名稱定名為“澳門廟宇節慶文化促進會”,英文為Macau Temple Festival Cultural Promotion Association。

第二條

宗旨

本會為非牟利團體。旨在聯合澳門各廟宇或廟宇團體、促進廟宇文化傳承,組織與其他地區的社團進行交流,以宣揚澳門的廟宇文化。

第三條

會址

本會會址設於澳門掙匠巷10-10A號,在需要時刻遷往本澳其他地方,及設立分區辦事處。

第二章

會員

第四條

會員資格

凡贊成本會宗旨及認同本會章程者,均可申請為本會會員。所有申請者均需經理事會會議通過,繳交會費,方得為正式會員。

第五條

會員權利及義務

一、選舉權及被選舉權;

二、批評及建議權;

三、享受本會舉辦一切活動和福利的權利。

第六條

會員義務

一、遵守會章,執行本會各項決議;

二、推動會務發展及促進會員之互助合作;

三、繳納入會基金及會費。

第七條

會費繳納

一、會員之會費應於本會該財政年度(本會財政年度訂公曆十二月三十一日為結算日)內繳交,逾期時,本會得以掛號函催繳之。再三十天後,倘仍未清繳者,則作自動退會。

二、經本會查明身故之個人會員,其會員資格即告喪失。

三、自動退會,或停止會籍,或被開除會籍,或會員資格喪失者,除不得再享受本會一切權利之外,其所交之基金及各費用概不發還。

第八條

會員違規處理

會員如有違反會章,破壞本會之行為者,得由理事會視其情節輕重,分別予以勸告、警告或開除會籍之處分。

第三章

組織機構

第九條

機關

澳門廟宇節慶文化促進會的機關包括會員大會、理事會及監事會。

第十條

會員大會

一、會員大會為本會最高權力機構,負責制定、修改及解釋會章,選舉會員大會會長、副主席、秘書和理事會、監事會成員;決定會務方針;審查和批准理事會工作報告、財務賬目及監事會之意見書。

二、會員大會主席團設會長一名,副會長若干名。每屆任期三年,可連選連任。

三、會員大會每年召開一次會議,以通過資產負債表,由會員大會會長或任何一名副會長召集;在不少於總數五分之一的會員以正當目的提出要求時,亦可召開大會。

四、會員大會之召集須最少提前八日以掛號信方式為之,或最少提前八日透過簽收方式為之,召集書內須載明會議的日期、時間、地點及議程。每次會員大會如法定人數不足,則於超過通知書上指定時間三十分鐘後作第二次召集,屆時不論出席人數多寡,會員大會均得開會。

五、修改本會章程之決議,須獲出席會員四分之三的贊同票;解散本會的決議,須獲全體會員四分之三的贊同票。

第十一條

理事會

一、理事會為本會的行政管理機構,負責執行會員大會的決策和管理法人。

二、理事會由最少三名或以上單數成員組成,設理事長一人,副理事長若干人、理事若干人。每屆任期為三年,可連選連任。會員大會閉會期間,理事會為最高執行機構。

三、理事會議每年至少召開一次。在有過半數理事會成員出席時,方可議決事宜,決議須獲出席成員的過半數贊同票,始得通過決議。

四、本會因需要而設的其他職能機構,其工作範圍由理事會界定。

第十二條

理事會的權限

一、策劃及領導本會的活動;

二、遵守及執行章程及會員大會的決議;

三、對錄取新會員作出決定;

四、以任何方式取得、頂讓、出租、管理、處分、轉讓及以任何形式在動產或不動產上設定負擔;及

五、可作所有不屬其他機關的權限所包含的事宜,而該等事宜必須符合本會的目標及目的。

第十三條

監事會

一、監事會為本會監察機構,負責監察理事會日常會務運作和財政收支。

二、監事會設監事長一人、副監事長若干人,監事若干人,總人數須為單數,負責檢查理事會日常會務運作和財政開支。每屆任期三年,可連選連任。

三、監事會議每年至少召開一次。監事會議在有過半數監事會成員出席時,方可議決事宜,決議須獲出席成員的半數以上贊同票,始得通過決議。

四、監事會成員不兼任會內其他職務。

第十四條

監事會的權限

一、監察理事會的活動;

二、定期檢查和監察本會的賬目;及

三、對理事會的年度報告及賬目擬定意見書。

第十五條

秘書處

本會設秘書處處理日常具體事務,其工作向理事會及監事會負責。

第四章

經費及賬目

第十六條

經費

本會經費源於會員會費、由政府及各界人士的捐贈、贊助及遺產組成,倘有不敷或有特別需用款時,得以理事會決定籌募之。

第十七條

帳目

本會收支必須經財務記賬,編製財務報告,提交監事會審核。

第五章

附則

第十八條

代表

本會一切責任之承擔,包括法庭內外,必須由會員大會會長或其合法代理人和一名理事會成員聯名簽署方為有效。一般的文書交收事宜例外。

私人公證員 H. Miguel de Senna Fernandes

Cartório Privado, em Macau, aos 14 de Maio de 2018. — O Notário, H. Miguel de Senna Fernandes.


第 一 公 證 署

證 明

中國漢唐古典舞蹈學會

為公佈的目的,茲證明上述社團的修改章程文本自二零一八年五月十七日起,存放於本署的社團及財團存檔文件內,檔案組2號64/2018。

中國漢唐古典舞蹈學會章程

第一條

(名稱及法人住所)

本會定名為《中國漢唐古典舞蹈學會》,簡稱《漢唐舞蹈學會》,法人住所位於澳門牧場街61號新城巿工業大廈4樓L。

二零一八年五月十七日於第一公證署

公證員 盧瑞祥


第 一 公 證 署

證 明

澳門威勝體育會

為公佈的目的,茲證明上述社團的修改章程文本自二零一八年五月二十一日起,存放於本署的社團及財團存檔文件內,檔案組2號66/2018。

澳門威勝體育會

第三條

會址

設於“澳門黑沙環第二街文豐樓地下A鋪”。

二零一八年五月二十一日於第一公證署

公證員 盧瑞祥


第 一 公 證 署

證 明

澳門基督教服務業團契

為公佈的目的,茲證明上述社團的修改章程文本自二零一八年五月二十一日起,存放於本署的社團及財團存檔文件內,檔案組2號65/2018號。

澳門基督教服務業團契

章程

第一章

第三條——本會會址設於澳門馬場海邊馬路新美安大廈第一期1樓BI。

因應會務需要,會員大會可在任何時間決議把會址遷往澳門其他地方。

二零一八年五月二十一日於第一公證署

公證員 盧瑞祥


2.º CARTÓRIO NOTARIAL DE MACAU

CERTIFICADO

澳門演藝人協會

為公佈的目的,茲證明上述社團的修改章程文本已於二零一八年五月十八日存檔於本署2018/ASS/M3檔案組內,編號為143號。該修改章程文本如下:

第三條

會址

本會會址設於澳門上海街175號中華總商會大廈17樓D座,為實現宗旨,理事會可在認為適宜及有需要時,透過決議設立代表或任何其他形式的代表機構。而會員大會認為有需要時,可將總址遷至澳門其他地方。

第五條

會員權利及義務

(一)會員有選舉權及被選舉權,享有本會舉辦一切活動和福利的權利。

(二)會員負有義務遵守會章、決議、內部規章、守則及指引,維護本會聲譽和合法權益且不作出任何損害本會聲譽與利益的行為,並負有繳交會費的義務。

第七條

會員大會

(一)會員大會為本會最高權力機構,負責制定或修改會章;選舉會員大會會長、副會長、秘書和理事會、監事會成員;決定會務方針;審查和批准理事會工作報告。

(二)會員大會設會長一名、副會長十七名及秘書長一名。每屆任期二年,可連選連任。

(三)會員大會每年舉行一次,至少提前八天透過掛號信或簽收之方式召集,通知內容須註明會議之日期、時間、地點和議程,如遇重大或特別事項得召開特別會員大會。

(四)修改本會章程之決議,須獲出席會員四分之三的贊同票;解散本會的決議,須獲全體會員四分之三的贊同票。

第八條

理事會

(一)理事會為本會的行政管理機構,負責執行會員大會決議、制定會務發展工作計劃、管理法人,並得制定、修改並通過本會各組織機構的內部規章、守則及指引。

(二)理事會設理事長一名、副理事長十五名及秘書一名。每屆任期二年,可連選連任。

第九條

監事會

(一)監事會為本會監察機構,負責監察理事會日常會務運作和財政收支。

(二)監事會設監事長一名、副監事長六名。每屆任期為二年,可連選連任。

第五章

附則

第十一條

內部規章、守則及指引

本會得設內部規章、守則及指引,規範轄下各組織機構的運作細則,以及相關據位人和成員之權利義務及紀律操守等事項,相關條文由理事會制定、修改及通過。

二零一八年五月十八日於第二公證署

一等助理員 Graciete Margarida Anok da Silva Pedruco Chang


CARTÓRIO PRIVADO

MACAU

CERTIFICADO

Certifico que o presente documento de 6 folhas, está conforme o original do exemplar dos estatutos da associação denominada «Clube Internacional de Senhoras de Macau», depositado neste Cartório, sob o n.º 3 no maço n.º 1/2018 de documentos de associações e fundações do ano de 2018.

Anexo

Novos Estatutos do Clube

Internacional de Senhoras de Macau

Artigo 3

d) Participar em projectos de angariação de fundos para apoiar instituições de caridade locais ou em caso de uma catástrofe internacional ou local.

Artigo 4

Sócios e representantes de pessoas colectivas são Sócios Ordinários com direito de voto e podem ser nomeados para cargos dos corpos sociais. Sem prejuízo do género, todos os sócios têm os mesmos direitos e benefícios, incluindo, o direito de nomear quaisquer sócios, candidatar ou aceitar quaisquer cargos dos órgãos sociais ou de aceitar a nomeação como presidente ou membro dos órgãos sociais da Associação.

Cartório Privado, em Macau, aos 7 de Maio de 2018. — O Notário, João Encarnação.


CARTÓRIO PRIVADO

MACAU

CERTIFICADO

澳門電腦商會

Certifico, para publicação, que se encontra depositado neste Cartório desde 24 de Maio de 2018, sob o número um, a folhas 1 do Maço de documentos referentes a Associações e Fundações do ano 2018, um documento contendo os Estatutos alterados da Associação em epígrafe, do teor seguinte:

澳門電腦商會章程

第一章

總則

第一條——本會定名中文為“澳門電腦商會”。

葡文為“Associação Comercial de Computador de Macau”。

英文為“Computer Chamber of Macau”。

第二條——本會宗旨:本會為一非牟利之組織,以擁護澳門基本法,促進本澳資訊業界,團結互助,維護同業之利益;拓展與外地資訊業之聯繫,促進資訊業可持續發展及應用為宗旨。

第三條——本會會址設於澳門沙嘉都喇賈罷麗街68號地下。

第二章

會員

第四條——本會會員分商號會員及個人會員二種,其入會資格如下:

1)商號會員:凡在本澳經營電腦資訊或相關行業,擁有合法商業登記的商號,均可加入本會成為會員,每商號指定一人為代表,如代表有變更時,應由該商號具函申請改換代表人。

2)個人會員:凡在本澳經營電腦資訊或相關行業的僱主或其合法代表,均可加入本會成為會員。

第五條——入會需填寫「入會申請表」,由不少於二個會員推薦,經本會理事會通過批准始能成為會員。

第六條——本會實行入會自願,退會自由,可同時參加其他工商經濟組織。如會員有損害本會權益或結業,經理事會通過可取消其會籍,其所繳會費概不退還。

第七條——本會會員有下列權利:

1)會員有表決權、選舉權及被選舉權;

2)對會務有反映意見、要求、批評和建議權;

3)享有本會之福利及各項活動權;

4)出席會員大會。

第八條——本會會員有下列義務:

1)遵守會章;

2)執行決議;

3)繳納會費;

4)維護本會合法權益,推動會務及促進同業間之團結互助。

第三章

組織

第九條——本會最高權力機構為會員大會,所有會員均可參與。由會長會同理監事聯席會議通過由會長召開,開會日期必需提前不少於十四天通知各會員。在特殊情況下可提前或延期。會員大會平常每年召開一次,其職權如下:

1)制定或修改會章;

2)選舉正副會長及理監事成員;

3)決定商會工作方針、計劃及重大事項;

4)審核理監事會工作報告。

第十條——本會正副會長及各理監事成員由會員大會選舉產生。

第十一條——理監事聯席會議為會員大會後之最高權力執行機構。管理架構由正副會長、正副理事長、常務理事及正副監事長聯合組成執行。

第十二條——本會設會長一名,不少於二名副會長,會長負責領導會務,負責對外代表本會,參與理事會工作。副會長協助會長工作及會長出缺時代行其職務。

理事長一名,副理事長不少於二名,理事會負責日常會務,執行會員大會決議;惟理事會人數必須為單數。

監事長一名,副監事長不少於二名,監事會負責檢查日常會務工作及監督財務;惟監事會人數必須為單數。

秘書長一名及副秘書長不少於一名。

管理架構由會員大會選舉產生,每屆任期三年,連選得連任。在會長領導下分配工作及處理日常事務。

本會榮譽職務包括:榮譽會長、名譽會長、法律顧問、顧問等。

第十三條——會章修訂:本會會章經會員大會通過生效,解釋權屬本會理事會,未盡事宜,由會員大會補充修訂,修章需由理事會提出,經理監事聯議通過,書面通知會員召開會員大會,會員大會舉行時,出席人數必須多於會員半數始可進行,如遇不足此數則可按召開時間順延半小時,如仍不足,則可作合法舉行正常討論,如遇有表決問題時,則需有出席人數四分之三通過方為有效。

第十四條——特別會員大會:如有過半數會員聯名提交書面要求或理監事成員超過合半數以上的理監事聯名提交書面要求召開特別會員大會,經理事會召開特別會員大會,特別會員大會舉行時,出席人數必須多於會員半數始可進行。

第四章

會議

第十五條——理監事聯席會議:每季舉行例會不少於一次,由理事長召開,每次會議需有半數以上管理架構成員出席,表決方為有效;

常務理事會會議:有需要時,由理事長召開,每次會議需有半數以上理事成員出席,表決方為有效;

監事會:每年不少於一次,由監事長召開,每次會議需有半數以上監事會成員出席,表決方為有效。

第五章

經費

第十六條——經費來源:

1)會費收入;

2)接受贊助或捐贈;

3)其他合法收入。

第十七條——如會員欠會費逾二年,經理監事聯席會議討論通過,可取消其會籍。

第六章

附則

第十八條——本會會章如有未盡之處,得由理監事聯席會議修正,呈會員大 會通過。

私人公證員 許輝年

Está conforme.

Cartório Privado, em Macau, aos 24 de Maio de 2018. — O Notário, Philip Xavier.


BALANÇO ANUAL EM 31 DE DEZEMBRO DE 2017

MOP

MOP

* A Outra Reserva é uma reserva obrigatória no montante de 1.612.809,90 patacas. Como a Caixa Económica Postal adopta as “Macau Financial Reporting Standards” (MFRS) na preparação das suas demonstrações financeiras anuais e das provisões para as perdas de imparidade dos créditos concedidos, estas poderão ser inferiores ao nível mínimo de provisões genéricas calculadas de acordo com o Aviso n.º 18/93 da AMCM. A referida reserva obrigatória representa, pois, a diferença entre o nível mínimo e as perdas de imparidade nos termos das MFRS. Este mesmo montante, inscrito na linha «Dotações adicionais/redução para provisões conforme RJSF» da Conta de Lucros e Perdas das contas resumidas.

DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS DO EXERCÍCIO DE 2017

CONTA DE EXPLORAÇÃO

MOP

CONTA DE LUCROS E PERDAS

MOP

A Comissão Administrativa: Lau Wai Meng, Van Mei Lin, Tam Van Iu, Pedro Miguel Rodrigues Cardoso das Neves

A Chefe da Contabilidade: Lam Wai San

SÍNTESE DO RELATÓRIO DE ACTIVIDADES — 2017

Até finais de 2017, o total de depósitos captados pela CEP foi de cerca de 1095 milhões de patacas, representando um aumento de 28% em relação ao ano anterior.

O montante de novos empréstimos concedidos durante o ano de 2017 traduz um aumento de cerca 1% relativamente ao ano anterior, e o saldo em dívida, líquido de imparidade, no final do ano, era de cerca de 210 milhões de patacas.

A margem financeira e os resultados de serviços e de comissões foram, respectivamente, de 30 milhões e de 8 milhões de patacas, sendo os custos de exploração de cerca de 23 milhões de patacas.

Os resultados de 2017, no valor de cerca de 16 milhões de patacas, traduzem um decréscimo de 9%, relativamente a 2016.

COMPOSIÇÃO DA COMISSÃO ADMINISTRATIVA

DURANTE 2017

Presidente

- Lau Wai Meng

Vogal

- Chan Nim Chi

Vogal

- Van Mei Lin

Representante dos Serviços de Finanças

- Pedro Miguel Rodrigues Cardoso das Neves

PARECER DO REPRESENTANTE DOS SERVIÇOS DE FINANÇAS EXERCÍCIO DE 2017

No exercício das competências previstas no artigo 24.º do Regime Financeiro dos Serviços de Correios, aprovado pelo Decreto-Lei n.º 50/99/M de 27 de Setembro, e alterado pelo Regulamento Administrativo n.º 10/2010 e no artigo 7.º do Regulamento da Caixa Económica Postal aprovado pelo Decreto-Lei n.º 24/85/M, de 30 de Março, acompanhei o desenvolvimento da actividade da Caixa Económica Postal ao longo do exercício económico de 2017.

Tendo em atenção a análise efectuada aos documentos contabilísticos reportados a 31 de Dezembro de 2017, sou de parecer e considero que:

— São claros e elucidativos os elementos contabilísticos referentes ao balanço em 31 de Dezembro de 2017 e à demonstração de resultados para este ano;
— As contas relativas ao ano económico de 2017 mostram a real situação financeira em 31 de Dezembro de 2017 e estão em condições de ser aprovadas.

Macau, aos 14 de Março de 2018.

Representante dos Serviços de Finanças, Pedro Miguel Rodrigues Cardoso das Neves

Síntese do parecer dos auditores externos

Para a Comissão Administrativa da Caixa Económica Postal

Procedemos à auditoria das demonstrações financeiras da Caixa Económica Postal (“CEP”) relativas ao ano de 2017, nos termos das Normas de Auditoria e Normas Técnicas de Auditoria da Região Administrativa Especial de Macau. No nosso relatório, datado de 11 de Abril de 2018, expressámos uma opinião sem reservas relativamente às demonstrações financeiras das quais as presentes constituem um resumo.

As demonstrações financeiras a que se acima se alude compreendem o balanço, à data de 31 de Dezembro de 2017, a demonstração de resultados, a demonstração de alterações no capital próprio e a demonstração de fluxos de caixa relativas ao ano findo, assim como um resumo das politícas contabilísticas relevantes e outras notas explicativas.

As demonstrações financeiras resumidas preparadas pela gerência resultam das demonstrações financeiras anuais auditadas e dos livros e registos da CEP. Em nossa opinião, as demonstrações financeiras resumidas são consistentes, em todos os aspectos materiais, com as demonstrações financeiras auditadas e os livros e registos da CEP.

Para a melhor compreensão da posicão financeira da CEP e dos resultados das suas operações, no período e âmbito abrangido pela nossa auditoria, as demonstrações financeiras resumidas devem ser lidas conjuntamente com as demonstrações financeiras das quais as mesmas resultam e com o respectivo relatório de auditoria.

Ieong Lai Kun, Auditor de Contas
KPMG
Macau, 11 de Abril de 2018


THE HONGKONG AND SHANGHAI BANKING CORPORATION LIMITED

Sucursal de Macau

Incorporated in the Hong Kong SAR with limited liability

(Publicações ao abrigo do artigo 76 do RJSF aprovado pelo Decreto-Lei n.º 32/93/M, de 5 de Julho)

Balanço anual em 31 de Dezembro de 2017

(Em Patacas)

(Em Patacas)

(Em Patacas)

Demonstração de resultados do exercício de 2017

Conta de exploração

(Em Patacas)

Conta de lucros e perdas

(Em Patacas)

Director Executivo — Macau,

Gerente de Finanças,

Lau Pak Hung

Tam Pui Si

Macau, 27 de Abril de 2018.

Síntese dos resultados de 2017

As Receitas cresceram 10.5% para MOP722 milhões e o Lucro Antes de Impostos aumentou 6.7% para MOP344 milhões.

O Resultado Líquido de Juros cresceu 11.4% e os Adiantamentos a Clientes expandiram 9.5% para MOP17,533 milhões. Os resultados em operações financeiras aumentaram 8.1%.

Em 2017, continuámos a nossa estratégia para ser o principal banco internacional em Macau. Todas as áreas de negócio, em especial a banca comercial e mercados globais registaram um desempenho notável. O total de receitas e os lucros antes de impostos cresceram 10.5% e 6.7%, respectivamente. Os empréstimos e adiantamentos a clientes aumentaram 9.5%, o que em conjunto com uma melhoria nas margens de juro líquidas, contribuiram para um aumento do resultado líquido de juros de 11.4%. Os depósitos de clientes cresceram 6.8%. E, enquanto captámos oportunidades de negócio na volatilidade do mercado cambial, os resultados em operações financeiras aumentaram 8.1%.

Continuando a tirar partido da dinâmica internacionalização do RMB bem como da iniciativa “Um cinto, uma estrada”, organizámos vários foruns e seminários com os nossos clientes por forma a fortaceler as nossa colaboração com o HSBC China, em especial na Area da Grande Baía, por forma a prestar aos nossos clientes soluções transfronteiriças e eficientes relacionadas com esta moeda.

No tocante aos serviços, acelerámos o lançamento da nossa plataforma online HSBC Evolve bem como o app HSBC Research. Para que os nossos clientes possam aceder 24 horas e todos os dias da semana, o nosso centro de apoio ao cliente implementou um novo sistema interactivo de resposta de voz. Outras iniciativas, tais como cheques com o código QR, formulários de pagamento online bem como a introdução de Actionable Intelligence contribuiram para uma melhoria na experiência do cliente tanto nos pagamentos locais como transfronteiriços e permitiram, ainda, uma gestão ao cliente mais focada nas suas necessidades. Fortalecemos, também, os nossos serviços a retalho com o upgrade das nossas máquinas de depósito de dinheiro e do pacote de incentivos dos nossos cartões de crédito.

Já no tocante à implementação dos nossos Padrões Globais, continuámos o reforço dos nossos sistemas de Combate ao Crime Financeiro e de Gestão de Risco, incluindo o lançamento do Sistema Comum de Reporte (Common Reporting Standard) por forma a dar um contínuo apoio à luta contra a evasão fiscal e, assim, proteger a integridade do sistema fiscal. Acresce ainda que, continuámos a estabelecer progressos no nosso Programa de “Customer Due Diligence”, permitindo-nos ter um melhor conhecimento dos nossos clientes.

Relativamente aos recursos humanos, temos continuado construir a equipa de gestão, trazendo talentos com conhecimentos e experiências diversificados. Esforçámo-nos fortemente em recrutar, manter e empenhar os nossos trabalhadores. Foi constituído ainda um Grupo de Trabalho para a participação e empenho dos nossos trabalhadores o que gerou diversas iniciativas que visam transformar o HSBC Macau num melhor sitio para se trabalhar. Os benefícios dados aos nossos trabalhadores sofreram constantes alterações. Em 2017, melhorámos a politica de licenças de maternidade e de paternidade, por forma a permitir que todos os nossos trabalhadores possam prestar mais atenção aos seus bébés recém nascidos.

Gostaria de aproveitar ainda esta oportunidade para agradecer aos nossos estimados clientes o seu apoio constante e à nossa equipa o seu leal e dedicado empenho.

Lau Pak Hung
Director Executivo — Macau

Relatório dos Auditores Externos Sobre as Demonstrações Financeiras Resumidas

Para a Gerência do The Hongkong and Shanghai Banking Corporation Limited — Sucursal de Macau

As demonstrações financeiras resumidas anexas do The Hongkong and Shanghai Banking Corporation Limited — Sucursal de Macau (a Sucursal) referentes ao exercício findo em 31 de Dezembro de 2017 resultam das demonstrações financeiras auditadas e dos registos contabilísticos da Sucursal referentes ao exercício findo naquela data. Estas demonstrações financeiras resumidas, as quais compreendem o balanço em 31 de Dezembro de 2017 e a demonstração dos resultados do exercício findo naquela data, são da responsabilidade da Gerência da Sucursal. A nossa responsabilidade consiste em expressar uma opinião, unicamente dirigida a V. Exas. enquanto Gerência, sobre se as demonstrações financeiras resumidas são consistentes, em todos os aspectos materiais, com as demonstrações financeiras auditadas e com os registos contabilísticos da Sucursal, e sem qualquer outra finalidade. Não assumimos responsabilidade nem aceitamos obrigações perante terceiros pelo conteúdo deste relatório.

Auditámos as demonstrações financeiras da Sucursal referentes ao exercício findo em 31 de Dezembro de 2017 de acordo com as Normas de Auditoria e Normas Técnicas de Auditoria emitidas pelo Governo da Região Administrativa Especial de Macau, e expressámos a nossa opinião sem reservas sobre estas demonstrações financeiras, no relatório de 27 de Abril de 2018.

As demonstrações financeiras auditadas compreendem o balanço em 31 de Dezembro de 2017, a demonstração dos resultados e de outro rendimento integral, a demonstração de alterações nas reservas e a demonstração dos fluxos de caixa do exercício findo naquela data, e um resumo das principais políticas contabilísticas e outras notas explicativas.

Em nossa opinião, as demonstrações financeiras resumidas são consistentes, em todos os aspectos materiais, com as demonstrações financeiras auditadas e com os registos contabilísticos da Sucursal.

Para uma melhor compreensão da posição financeira da Sucursal, dos resultados das suas operações e do âmbito da nossa auditoria, as demonstrações financeiras resumidas em anexo devem ser lidas em conjunto com as demonstrações financeiras auditadas e com o respectivo relatório do auditor independente.

Cheung Pui Peng Grace
Auditor de contas
PricewaterhouseCoopers

Macau, 27 de Abril de 2018


BANCO CHINÊS DE MACAU, S.A.

(Publicação ao abrigo do artigo 75.º do RJSF, aprovado pelo Decreto-Lei n.º 32/93/M, de 5 de Julho)

Balanço anual em 31 de Dezembro de 2017

MOP

MOP

Nota: A rubrica «Outras Reservas» está incluído um valor de MOP 25,530,828 de provisões genéricas adicionais constituídas em cumprimento das regras do Aviso n.º 18/93-AMCM.

MOP

Profit and loss account for the year 31st December 2017

MOP

Profit and loss account for the year 31st December 2017 (continued)

MOP

邱慧珠

葉夢冰

O Presidente

O Chefe da Finanças

Macau, aos 29 de Março de 2018.

Nota: O balanço anual e a demonstração de resultados do exercício foram preparados a partir dos registos contabilísticos auditados.

Resumo do Relatório Empresarial

Apesar de vários países principais registarem crescimento económico em 2017, o mercado financeiro continua a estar em constante mudança, sob a influência de ocorrência frequente de factores de incerteza na economia global e o risco geopolítico. Perante os factores externos não estáveis e a concorrência cada vez mais feroz no mercado, o Banco Chinês de Macau insiste em “gestão rigorosa, valorização de talentos, promoção de ciência e tecnologia, aperfeiçoamento de serviço” como estratégia de gestão, expandindo activamente o espaço de desenvolvimento e conseguindo resultados excelentes, designadamente a duplicação do activo total e o crescimento considerável de lucros, com o apoio forte de pessoas de todos os quadrantes e o esforço cooperativo de todos os empregados do Banco. Venho aqui, em representação dos membros do Conselho de Administração, apresentar agradecimentos sinceros à Autoridade Monetária de Macau e às pessoas de todos os sectores sociais que apoiam o desenvolvimento do nosso Banco, aos parceiros sinceros de negócio, aos clientes e todos os empregados diligentes e responsáveis!

Em 2017, o Banco dedicou-se à construção do sistema exausto de comercialização e serviço em Macau de modo a melhorar efetivamente a experiência de clientes. Com base na consolidação constante dos serviços tradicionais locais e do desenvolvimento dos serviços de sindicato em Hong Kong e Macau, o Banco desenvolveu activamente serviços financeiros transfronteiriços no interior da China com prudência, planejando activamente e seguindo firmemente a direcção do desenvolvimento da “Going out”. Agindo em conformidade com a estratégia do desenvolvimento da “Uma Faixa Uma Rota” do nosso país, continuou a abrir canais diversificados para a utilização dos fundos a fim de acelerar o processo da construção de rede global do sector bancário. Aderindo à filosofia prudente de gestão, continuou a reforçar a prevenção e controlo de risco por via de trabalhos básicos como aperfeiçoamento do sistema de TI, melhoramento constante de sistema e formação de equipa de talentos para lidar com o rápido desenvolvimento de negócio e promover o desenvolvimento sustentável de negócios do nosso Banco.

Em 2018, o Banco Chinês de Macau irá, com base na continuidade do aperfeiçoamento da experiência de cliente, acelerar o investimento e o funcionamento da tecnologia financeira, construir uma boa identidade empresarial, responder activamente a estratégia do desenvolvimento da iniciativa “Uma Faixa Uma Rota” e da área de Grande Baía Guangdong-Hong Kong-Macau, promover o desenvolvimento do sector financeiro de Macau com características próprias e trazer maior valor aos accionistas e à sociedade.

Ye Shaokun
Presidente do Conselho de Administração.

Macau, aos 29 de Março de 2018.

Parecer do Conselho Fiscal de 2017

Durante 2017, o Conselho Fiscal seguiu atentamente as actividades do Banco. Ao manter um estreito e frequente contacto com o Conselho de Administração, o Conselho Fiscal obteve a melhor cooperação e informação do Conselho de Administração que lhe permitiu executar as suas tarefas e responsabilidades eficaz e eficientemente.

Após rever e analisar os documentos que lhe foram apresentados, o Conselho Fiscal é de opinião que esses documentos reflectem clara e verdadeiramente os bens e a situação económica e financeira do Banco.

Portanto, o Conselho Fiscal considera que as contas e relatório financeiros para o exercício de 2017 submetidos pelo Conselho de Administração deveriam ser apresentados à Assembleia Geral de Accionistas para aprovação.

Presidente do Conselho Fiscal
Tang Yuhong

29 de Março de 2018.

Relatório de Auditor Independente sobre Demonstrações Financeiras Resumidas

Para os accionistas do Banco Chinês de Macau, S.A.
(sociedade por acções de responsabilidade limitada, registada em Macau)

Procedemos à auditoria das demonstrações financeiras do Banco Chinês de Macau, S.A. relativas ao ano de 2017, nos termos das Normas de Auditoria e Normas Técnicas de Auditoria da Região Administrativa Especial de Macau. No nosso relatório, datado de 29 de Março de 2018, expressámos uma opinião sem reservas relativamente às demonstrações financeiras das quais as presentes constituem um resumo.

As demonstrações financeiras a que acima se alude compreendem a demonstração da posição financeira, à data de 31 de Dezembro de 2017, a demonstração de resultados, a demonstração de alterações no capital próprio e a demonstração de fluxos de caixa relativas ao ano findo, assim como um resumo das políticas contabilísticas relevantes e outras notas explicativas.

As demonstrações financeiras resumidas preparadas pela gerência resultam das demonstrações financeiras anuais auditadas a que acima se faz referência. Em nossa opinião, as demonstrações financeiras resumidas são consistentes, em todos os aspectos materiais, com as demonstrações financeiras auditadas.

Para a melhor compreensão da posição financeira do Banco Chinês de Macau, S.A. e dos resultados das suas operações, no período e âmbito abrangido pela nossa auditoria, as demonstrações financeiras resumidas devem ser lidas conjuntamente com as demonstrações financeiras das quais as mesmas resultam e com o respectivo relatório de auditoria.

Bao, King To
Auditor de Contas
Ernst & Young — Auditores

Macau, 29 de Março de 2018.

Instituições em que detem participação superior a 5% do respectivo capital ou superior a 5% dos seus fundos próprios:

Nenhuma

Accionistas qualificados:

Agência Comercial e Industrial Nam Yue, Limitada (Constituída em Macau)

Winwise Holdings Ltd. (Constituída em Hong Kong)

Wong Garrick Jorge Kar Ho

Yang Jun

Nomes dos titulares dos orgãos sociais:

Mesa da Assembleia Geral

Vogal

:

Zhou Xingting (Agência Comercial e Industrial Nam Yue, Limitada)

Lee Luen Wai, John (Winwise Holdings Ltd.)

Wong Garrick Jorge Kar Ho (Nomeação em 3 de Novembro de 2017)

Yang Jun

Secretário

:

Yau Wai Chu

Conselho Fiscal

Presidente

:

Wang Yanping (Resignação em 20 de Junho de 2017)

Tang Yuhong (Nomeação em 20 de Junho de 2017)

Vogal

:

Chan Nim Leung, Leon

Chui Sai Cheong

Conselho de Administração

Presidente

:

Ye Shaokun (Nomeação em 20 de Junho de 2017)

Administradora

Executiva

:

Yau Wai Chu

Administrador

:

Chan Tat Kong

Ng Tai Chiu, David

Yang Jun

Cheng Sai Chong (Nomeação em 20 de Junho de 2017)

Macau, 29 de Março de 2018.


CITIBANK N. A., SUCURSAL DE MACAU

Balanço anual em 31 de Dezembro de 2017

Patacas (’000)

Patacas (’000)

Patacas (’000)

Demonstração de resultados do exercício de 2017

Conta de exploração

Patacas (’000)

Conta de lucros e perdas

Patacas (’000)

O Gerente da Sucursal de Macau,

O Chefe da Contabilidade,

John Choi

Vishal Khandel Wal

Síntese do Relatório de Actividade da Sucursal de Macau do Citibank

A Administração tem o prazer de anunciar os resultados financeiros auditados do Citibank NA, SUCURSAL DE MACAU (a “SUCURSAL”) para o exercício findo em 31 de Dezembro de 2017.

Referente aos resultados do Ano de 2017, o lucro antes de impostos foi de MOP31.327(Mil). O ativo total foi MOP4.530.652(Mil). Depósitos de clientes ascenderam a MOP2.427.574(Mil).

Em nome da Administração do Citibank, eu gostaria de aproveitar esta oportunidade para prestar homenagem à Comunidade de Macau e, especificamente, para nossos clientes de prestígio. Estamos empenhados em prestar serviços de qualidade a todos os clientes e manter contribuir para a sociedade de Macau.

Sr. John CK Choi
Gerente da Sucursal de Macau do Citibank NA

Síntese do Parecer dos Auditores Externos

Para o gerência do
Citibank N.A. — Sucursal de Macau
(Sucursal de um banco comercial de responsabilidade limitada, incorporado nos Estados Unidos da América)

Procedemos à auditoria das demonstrações financeiras do Citibank N.A. — Sucursal de Macau relativas ao ano de 2017, nos termos das Normas de Auditoria e Normas Técnicas de Auditoria da Região Administrativa Especial de Macau. No nosso relatório, datado de 14 de Maio de 2018, expressámos uma opinião sem reservas relativamente às demonstrações financeiras das quais as presentes constituem um resumo.

As demonstrações financeiras a que se acima se alude compreendem o balanço, à data de 31 de Dezembro de 2017, a demonstração de resultados, a demonstração de alterações nas reservas e a demonstração de fluxos de caixa relativas ao ano findo, assim como um resumo das políticas contabilísticas relevantes e outras notas explicativas.

As demonstrações financeiras resumidas preparadas pela gerência resultam das demonstrações financeiras anuais auditadas e dos livros e registos da sucursal. Em nossa opinião, as demonstrações financeiras resumidas são consistentes, em todos os aspectos materiais, com as demonstrações financeiras auditadas e os livros e registos do Sucursal.

Para a melhor compreensão da posição financeira do Citibank N.A. — Sucursal de Macau e dos resultados das suas operações, no período e âmbito abrangido pela nossa auditoria, as demonstrações financeiras resumidas devem ser lidas conjuntamente com as demonstrações financeiras das quais as mesmas resultam e com o respectivo relatório de auditoria.

Chang Suet Yi, Auditor de Contas
KPMG

Macau, aos 14 de Maio de 2018.


BANCO COMERCIAL DE MACAU, S.A.

(Publicações ao abrigo do artigo 75 do RJSF aprovado pelo Decreto-Lei n.º 32/93M, de 5 de Julho)

BALANÇO ANUAL EM 31 DE DEZEMBRO DE 2017

Valores em Patacas

Valores em Patacas

DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS DO EXERCÍCIO DE 2017

Conta de Exploração

Valores em Patacas

Conta de Lucroseperdas

Valores em Patacas

O CHEFE DA CONTABILIDADE

Chit-Kwan Wong (Vincent Wong)

PELO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO

Yiu-Fai Kong (Eddie Kong)

Alick Yuk-Fai Chiu

Macau, 9 de Maio de 2018.

Banco Comercial de Macau, S.A.

Visão Geral de Negócios de 2017

Em 2017, o PIB atingiu 404,2 mil milhões patacas, tendo-se verificado um crescimento de 9,1% em relação ao ano passado. Nesse período, a indústria do jogo e a de outros serviços de turismo aumentaram, respectivamente, de 16,4% e 15,4%, e o crescimento anual do investimento em capital fixo diminuiu para 10,0%; após um período de ajuste, outros sectores da economia estavam numa fase de subida, invertendo a tendência decrescente, o consumo privado subiu 1,6% e os gastos finais do Governo subiram 1,7%; a exportação de mercadorias aumentou 15,3% e as importações aumentaram 2,8%. O PIB per capita de Macau atingiu 622,803 patacas, verificando-se um crescimento de 8,6%. Neste período, as empresas de Macau tiveram maior desenvolvimento nas actividades não ligadas ao jogo; a promoção da diversificação económica também trouxe novas oportunidades para o sector financeiro, tendo este Banco mantido um crescimento sólido neste ano.

Em 31 de Dezembro de 2017, o Banco registou um lucro líquido de 246,5 milhões patacas, representando um aumento de 20,7% em relação ao ano passado. O activo líquido atingiu 20,9 mil milhões de patacas, o que representa um aumento de 7,3%. Além disso, o total de empréstimos foi de 13,2 mil milhões de patacas, representando um aumento anual de 2,6%. Entretanto, o total de depósitos atingiu 17,9 mil milhões de patacas, tendo-se registado um aumento de 5,4%.

Olhando para o ano de 2018, a situação geopolítica é mais perigosa e incerta do que nunca, enquanto o unilateralismo dos Estados Unidos continua a exasperar e a guerra comercial entre os Estados Unidos e a China está no horizonte, e é improvável que os aliados dos Estados Unidos e a União Europeia estejam fora desta questão; Os Estados Unidos, o Reino Unido e a França bombardearam conjuntamente a Síria, e a situação ficou mais tensa no Médio Oriente;

A boa notícia é que a Coreia do Norte e a Coreia do Sul realizaram um encontro histórico, anunciando o encerramento do local dos testes nucleares de Punggye-ri. Os Estados Unidos e a Coreia do Norte começaram a preparar um encontro entre os dois líderes. A situação internacional em constante mutação está a afectar profundamente o desenvolvimento económico global, sendo necessário que os empresários de Macau reforçem a prevenção e o controlo dos riscos. Como membro da Grande Área da Baía de Guangdong-Hong Kong-Macau, Macau seguramente confiará na pátria para reforçar a integração, aproveitará ao máximo as vantagens únicas de Macau, promoverá a cooperação económica e comercial e os intercâmbios entre a Grande Área da Baía de Guangdong-Hong Kong-Macau e os países de língua portuguesa, contribuindo para a diversidade económica de Macau e ajudando a estratégia nacional “Uma Faixa, Uma Rota”.

A economia geral de Macau é boa, o Fundo Monetário Internacional (FMI) subiu a previsão do crescimento económico global deste ano e do próximo, respectivamente, para 7,0% e 6,1%, que é superior à previsão do crescimento económico mundial, com a mesma percentagem de 3,9%.

Este Banco encara com um optimismo cauteloso a perspectiva de Macau, continua a apoiar o desenvolvimento sustentável das indústrias locais, fazendo grande inovação, atender ao desenvolvimento da diversificação moderada da economia, e comprometer-se com o desenvolvimento financeiro com características próprias de Macau, para mostrar as vantagens sobre “Um País, Dois Sistemas”, aproveitar a oportunidade para ajudar a estratégia nacional “Uma Faixa, Uma Rota”. Às estradas de amanhã, vamos caminhar juntos com o povo de Macau.

Tenho a honra de expressar aqui a minha sincera gratidão aos esforços incansáveis de todos os meus colegas. Eu também, em nome do Conselho de Administração, gostaria de apresentar os meus sinceros agradecimentos aos apoios e orientações dos nossos clientes.

Yiu-Fai Kong
Presidente da
Comissão Executiva

16 de Maio de 2018.

PARECER DO CONSELHO FISCAL

Aos Accionistas do Banco Comercial de Macau, S. A.

Nos termos do Código Comercial de Macau e dos estatutos do Banco Comercial de Macau, S. A. (“BCM”), o Conselho Fiscal do BCM emite parecer sobre o relatório, os documentos de relato financeiro e a proposta de afectação dos resultados apresentados pelo Conselho de Administração relativamente ao exercício findo em 31 de Dezembro de 2017.

O Conselho Fiscal do BCM verificou as transacções e a gestão do Banco durante o ano de 2017. As suas competências incluem a supervisão da gestão do Banco; o exame dos livros e registos e sua actualização; a verificação dos activos; a análise dos critérios contabilísticos e o respectivo impacto nos resultados do exercício; o exame dos documentos de relato financeiro anuais, bem como outras verificações previstas na lei e nos estatutos.

O Conselho Fiscal analisou a informação contabilística preparada pelo Banco durante o ano e submetida regularmente à Autoridade Monetária de Macau (“AMCM”), e seguiu outros procedimentos considerados adequados para as circunstâncias, incluindo o exame ao relatório do auditor independente.

Analisámos o relatório emitido pelo auditor independente PricewaterhouseCoopers, datado de 21 de Fevereiro de 2018, o qual expressa uma opinião sem reservas sobre os documentos de relato financeiro do Banco, relativos ao ano findo em 31 de Dezembro de 2017.

Obtivémos todas as informações e explicações consideradas necessárias para efeitos das nossas verificações e, com base no trabalho efectuado, somos de opinião de que:

(a) O relatório, bem como os documentos de relato financeiro, apresentados pelo Conselho de Administração reflectem fielmente a situação financeira do Banco em 31 de Dezembro 2017 e estão em conformidade com o estabelecido no Código Comercial de Macau, com as Normas de Relato Financeiro e com os estatutos do banco;

(b) Os princípios contabilísticos e os critérios utilizados nas estimativas adoptadas pelo Conselho de Administração na preparação dos documentos de relato financeiro apresentados foram os apropriados atendendo às circunstâncias;

(c) O relatório, bem como os documentos de relato financeiro, apresentados pelo Conselho de Administração não necessitam de quaisquer alterações.

OPINIÃO

Em conclusão, somos de parecer de que o relatório e os documentos de relato financeiro apresentados pelo Conselho de Administração relativamente ao ano findo em 31 de Dezembro de 2017, assim como a sua proposta de afectação de resultados, sejam aprovados na próxima Assembleia Geral Ordinária de Accionistas, em 22 de Março 2018.

Macau, 16 de Março de 2018

O Conselho Fiscal

- Presidente - da Conceição Reisinho, Fernando Manuel
- Vice-Presidente – Mayhew, Nicholas John
- Vogal – So Po Fung

Relatório dos auditores externos sobre as demonstrações financeiras resumidas

PARA OS ACCIONISTAS DO BANCO COMERCIAL DE MACAU, S.A.

(Constituido em Macau como sociedade anonima)

As demonstrações financeiras resumidas anexas do Banco Comercial de Macau, S.A. (o “Banco”) referentes ao exercício findo em 31 de Dezembro de 2017 resultam das demonstrações financeiras auditadas e dos registos contabilísticos referentes ao exercício findo naquela data. Estas demonstrações financeiras resumidas, as quais compreendem o balanço em 31 de Dezembro de 2017 e a demonstração dos resultados do exercício findo naquela data, são da responsabilidade do Conselho de Administração do Banco. A nossa responsabilidade consiste em expressar uma opinião, unicamente dirigida a V. Exas. enquanto accionistas, sobre se as demonstrações financeiras resumidas são consistentes, em todos os aspectos materiais, com as demonstrações financeiras auditadas e com os registos contabilísticos do Banco, e sem qualquer outra finalidade. Não assumimos responsabilidade nem aceitamos obrigações perante terceiros pelo conteúdo deste relatório.

Auditámos as demonstrações financeiras do Banco referentes ao exercício findo em 31 de Dezembro de 2017 de acordo com as Normas de Auditoria e Normas Técnicas de Auditoria emitidas pelo Governo da Região Administrativa Especial de Macau, e expressámos a nossa opinião sem reservas sobre estas demonstrações financeiras no relatório de 21 de Fevereiro de 2018.

As demonstrações financeiras auditadas compreendem o balanço em 31 de Dezembro de 2017, a demonstração dos resultados, a demonstração de alterações no capital próprio e a demonstração dos fluxos de caixa do exercício findo naquela data, e um resumo das principais políticas contabilísticas e outras notas explicativas.

Em nossa opinião, as demonstrações financeiras resumidas são consistentes, em todos os aspectos materiais, com as demonstrações financeiras auditadas e com os registos contabilísticos do Banco.

Para uma melhor compreensão da posição financeira do Banco, dos resultados das suas operações e do âmbito da nossa auditoria, as demonstrações financeiras resumidas em anexo devem ser lidas em conjunto com as demonstrações financeiras auditadas e com o respectivo relatório do auditor independente.

Cheung Pui Peng Grace
Auditor de contas
PricewaterhouseCoopers

Macau, 9 de Maio de 2018.

INSTITUIÇÕES EM QUE O BANCO DETÉM PARTICIPAÇÕES SUPERIORES A 5% DO RESPECTIVO CAPITAL OU SUPERIORES A 5% DOS SEUS FUNDOS PRÓPRIOS:

NOME DAS INSTITUIÇÕES

PERCENTAGEM

Nenhuma

-

ACCIONISTAS QUALIFICADOS:

NOME DO ACCIONISTA

NÚMERO DE ACÇÕES

PERCENTAGEM

Dah Sing Bank, Limited

702,000

78%

DSB BCM (1) Limited

99,000

11%

DSB BCM (2) Limited

99,000

11%

ÓRGÃOS SOCIAIS:

MESA DA ASSEMBLEIA GERAL

Leonel Alberto Alves

Presidente

Liu Chak Wan

Secretário

Ma Iao Lai

Secretário

CONSELHO FISCAL

da Conceição Reisinho, Fernando Manuel

Presidente

Mayhew, Nicholas John

Vice-Presidente

So Po Fung (Francesca So)

Vogal

CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO

David Shou-Yeh Wong

Presidente

Hon-Hing Wong (Derek Wong)

Membro

Harold Tsu-Hing Wong

Membro

Gary Pak-Ling Wang

Membro

Yiu-Fai Kong (Eddie Kong)

Membro

Sou-Chao Chan (Kenneth Chan)

Membro *

Alick Yuk-Fai Chiu

Membro

* Cessou funções em 15/08/2017


MACAU PASS S.A.

(Publicações ao abrigo do artigo 75.º do R.J.S.F., aprovado pelo Decreto-Lei n.º 32/93/M, de 5 de Julho)

Balanço anual em 31 de Dezembro de 2017

(MOP)

(MOP)

Demonstração de resultados do exercício de 2017

Conta de exploração

(MOP)

Conta de lucros e perdas

(MOP)

(MOP)

Administrador,

Chefe da Contabilidade,

Zhang Zhihua

Wong Wai Ngon

Relatório do Conselho de Administração 2017

Resumo das Actividades

Em 2017, as actividades da empresa desenvolveram-se de forma cada vez mais diversificada. A sociedade, para além de explorar as actividades online e offline relativas a negócios de estabelecimento comercial, procedeu à promoção constante do serviço de pagamento móvel por Internet+. Por outro lado, dedicou-se ao fomento à aplicação mais ampla do pagamento móvel com a utilização de MacauPay, por meio de participação em várias actividades de promoção e de compras em grande escala, tendo como objectivo oferecer, aos cidadãos, diversas formas de pagamento, tanto em plataformas de compras online e supermercados que se integram numa cadeia de grande dimensão, como em lojas de conveniência, pontos de venda de comida e bebida, e ainda lojas de cosméticos, etc.. Para além disso, as actividades agora estão desenvolvendo até ao âmbito atinente ao serviço público e a parque de estacionamento, entre outras indústrias, proporcionando assim, ao povo de Macau, novas experiências de pagamento multicanal e mais conveniente.

Até o final de 2017, já estavam em circulação mais de 1,7 milhões de cartões, e o número de utilizadores registados em MacauPay ultrapassou 87 mil. Face ao período homólogo do ano passado, o valor total das transacções aumentou 84%, entre o qual o de Macau Pass registou um aumento de 34% e o de MacauPay multiplicou-se por mais de 5 vezes. E a receita total registou um aumento de 27%, em comparação com o período transacto.

Com o constante desenvolvimento das actividades, o investimento em activos imobilizados, durante o ano, aumentou 34% em relação ao período homólogo do ano anterior, enquanto o custo total subiu quase 16%.

Até 31 de Dezembro de 2017, o lucro anual registado antes da dedução de impostos foi de 12.791.139 patacas.

Perspectivas para 2018

Em 2018, aproveitando bem as oportunidades resultantes dos objectivos do Governo da Região Administrativa Especial de Macau relativos à constituição de cidade inteligente, à participação na cooperação estratégica da zona da Grande Baía e ao incentivo ao desenvolvimento de pagamento electrónico diversificado, a empresa vai continuar a investir mais recursos no desenvolvimento do serviço de pagamento móvel por Internet+, reforçar a segurança da internet, a monitorização de dados e o controlo de riscos e melhorar os processos das actividades, com a intuição de prestar serviços de pagamento mais estáveis e céleres. Por outro lado, cooperará plenamente com o governo da RAEM no sentido de desenvolver serviços de comércio e pagamento electrónicos diversificados, a fim de fornecer aos cidadãos de Macau e a visitantes uma experiência excelente de pagamento conveniente na vida.

Presidente do Conselho de Administração
Liu Hei Wan

Macau, aos 29 de Março de 2018.

Parecer do Fiscal Único

Nos termos do Código Comercial e dos Estatutos da Companhia, o Fiscal Único supervisionou a administração da MACAU PASS S.A. ao longo do ano de 2017 até dia 31 de Dezembro, acompanhou a actividade da Companhia, e obteve todas as informações e esclarecimentos que considerou necessários. O Fiscal Único considera que as demonstrações financeiras e relatório de actividade estão correctos e completos, explicando de forma breve e clara a situação financeira da Companhia, o desenvolvimento das suas actividades e os resultados das operações referentes ao exercício do ano 2017. O Fiscal Único não verificou qualquer irregularidade nem acto ilícito.

Proponho à Assembleia Geral a aprovação do relatório das actividades financeiras do ano até ao dia 31 de Dezembro de 2017, submetido pelo Conselho de Administração.

O Fiscal Único, Wu Chun Sang, Auditor Registado.

Macau, aos 29 de Março de 2018.

RELATÓRIO DO AUDITOR EXTERNOS SOBRE AS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS RESUMIDAS

PARA OS ACCIONISTAS DO MACAU PASS S.A.
(constituída em Macau com sociedade anónima)

As demonstrações financeiras resumidas anexas da Macau Pass S.A. (a Sociedade) referentes ao exercício findo em 31 de Dezembro de 2017 resultam das demonstrações financeiras auditadas e dos registos contabilísticos da sociedade referentes ao exercício findo naquela data. Estas demonstrações financeiras resumidas, as quais compreendem o balanço em 31 de Dezembro de 2017 e a demonstração dos resultados do exercício findo naquela data, são da responsabilidade do Conselho de Administração da Sociedade. A nossa responsabilidade consiste em expressar uma opinião, unicamente dirigida a V. Exas. enquanto accionistas, sobre se as demonstrações financeiras resumidas são consistentes, em todos os aspectos materiais, com as demonstrações financeiras auditadas e com os registos contabilísticos da sociedade, e sem qualquer outra finalidade. Não assumimos responsabilidade nem aceitamos obrigações perante terceiros pelo conteúdo deste relatório.

Auditámos as demonstrações financeiras da Sociedade referentes ao exercício findo em 31 de Dezembro de 2017 de acordo com as Normas de Auditoria e Normas Técnicas de Auditoria emitidas pelo Governo da Região Administrativa Especial de Macau, e expressámos a nossa opinião sem reservas sobre estas demonstrações financeiras, no relatório de 29 de Março de 2018.

As demonstrações financeiras auditadas compreendem o balanço em 31 de Dezembro de 2017, a demonstração dos resultados, a demonstração de alterações no capital próprio e a demonstração dos fluxos de caixa do exercício findo naquela data, e um resumo das principais políticas contabilísticas e outras notas explicativas.

Em nossa opinião, as demonstrações financeiras resumidas são consistentes, em todos os aspectos materiais, com as demonstrações financeiras auditadas e com os registos contabilísticos da sociedade.

Para uma melhor compreensão da posição financeira da Sociedade, dos resultados das suas operações e do âmbito da nossa auditoria, as demonstrações financeiras resumidas em anexo devem ser lidas em conjunto com as demonstrações financeiras auditadas e com o respectivo relatório do auditor independente.

Cheung Pui Peng, Grace
Auditor de contas PricewaterhouseCoopers

Macau, 4 de Maio de 2018.

Lista das instituições que detém participação superior a 5% do respectivo capital social ou superior a 5% dos seus fundos próprios:

Nenhuma

Lista dos accionistas qualificados

Mesa da Assembleia Geral

Liu Hei Wan

Presidente: Liu Hei Wan

Lao Kin Keong

Secretário: Wong Wai Ngon

Vong Chak Kin

ORGÃOS SOCIAIS

Conselho Fiscal

Fiscal Único: Wu Chun Sang

Conselho de Administração

Presidente: Liu Hei Wan

Administrador: Law Suet Yi

Administrador: Liu Cheuk Yin

Administrador: Zhang Zhihua

Administrador: Cheung Chi Leung

Secretário da Companhia: Wong Wai Ngon

Macau, aos 29 de Março de 2018.


HANG SENG BANK LIMITED — SUCURSAL DE MACAU

Balanço anual em 31 de Dezembro de 2017

(Publicações ao abrigo do artigo 76.º do RJSF, aprovado pelo Decreto-Lei n.º 32/93/M, de 5 de Julho)

(Em patacas)

(Em patacas)

(Em patacas)

Demonstração de resultados do exercício de 2017

Conta de exploração

(Em patacas)

Conta de lucros e perdas

(Em patacas)

O Gerente da Sucursal de Macau,

O Subgerente da Sucursal de Macau,

Isidorus Fong

Felix Chan

Macau, 27 de Abril de 2018

Hang Seng Bank Limited, Sucursal de Macau

Resumo de Resultados Operacionais

A economia mundial recuperou dinamismo em 2017. Não obstante, o impacto da transição económica em curso na China Continental e a incerteza relativamente às políticas de comércio internacional futuras continuaram a criar desafios para a indústria bancária de Macau. Tendo em conta este contexto, a Sucursal de Macau (Sucursal) continuou a seguir a estratégia a longo prazo de crescimento sustentável do Banco Hang Seng capitalizando nos seus fortes princípios financeiros fundamentais, no seu posicionamento único no mercado e na sua cultura de excelência dos serviços prestados. A Sucursal manteve ainda princípios de gestão prudente dos riscos de crédito, por forma a preservar uma qualidade satisfatória dos activos dos seus portfolios de financiamento e investimento.

As principais actividades da sucursal no ano de 2017 consistiram na prestação de serviços bancários a clientes pessoais e comerciais, incluindo uma gama diversificada de serviços de depósito e de serviços financeiros comerciais, serviços comerciais transfronteiriços denominados em Renminbi, empréstimos hipotecários, financiamentos comerciais, serviços de transferências e de câmbio, serviços de cobrança e de agenciamento de seguros. À data de 31 de Dezembro de 2017, os depósitos e empréstimos de clientes da sucursal cifraram-se em MOP2,833 milhões e MOP13,019 milhões, respectivamente. O lucro apurado após impostos cifrou-se em MOP165 milhões para o ano de 2017.

Olhando para o futuro, a Sucursal irá continuar a aperfeiçoar a sua estratégia de segmentação de clientes e reforçar o seu relacionamento com estes, apostando no desenvolvimento de produtos e serviços que se coadunem com a evolução dos estilos e necessidades dos seus clientes dos diversos segmentos, assegurando, ao mesmo tempo, elevados padrões de corporate governance que sejam do melhor interesse dos nossos clientes, accionistas e de outras partes interessadas.

A sucursal gostaria de aproveitar esta oportunidade para expressar a sua sincera gratidão pelo contínuo apoio que recebe de várias autoridades Governamentais, clientes, colegas do sector em Macau e staff.

Isidorus Fong
Administrador da Sucursal
Hang Seng Bank Limited, Sucursal de Macau

Relatório dos auditores externos sobre as demonstrações financeiras resumidas

Hang Seng Bank Limited – Sucursal de Macau

As demonstrações financeiras resumidas anexas do Hang Seng Bank Limited — Sucursal de Macau (a Sucursal) referentes ao exercício findo em 31 de Dezembro de 2017 resultam das demonstrações financeiras auditadas e dos registos contabilísticos da Sucursal referentes ao exercício findo naquela data. Estas demonstrações financeiras resumidas, as quais compreendem o balanço em 31 de Dezembro de 2017 e a demonstração dos resultados do exercício findo naquela data, são da responsabilidade da Gerência da Sucursal. A nossa responsabilidade consiste em expressar uma opinião, unicamente dirigida a V. Exas. enquanto Gerência, sobre se as demonstrações financeiras resumidas são consistentes, em todos os aspectos materiais, com as demonstrações financeiras auditadas e com os registos contabilísticos da Sucursal, e sem qualquer outra finalidade. Não assumimos responsabilidade nem aceitamos obrigações perante terceiros pelo conteúdo deste relatório.

Auditámos as demonstrações financeiras da Sucursal referentes ao exercício findo em 31 de Dezembro de 2017 de acordo com as Normas de Auditoria e Normas Técnicas de Auditoria emitidas pelo Governo da Região Administrativa Especial de Macau, e expressámos a nossa opinião sem reservas sobre estas demonstrações financeiras, no relatório de 27 de Abril de 2018.

As demonstrações financeiras auditadas compreendem o balanço em 31 de Dezembro de 2017, a demonstração dos resultados, a demonstração de alterações nas reservas e a demonstração dos fluxos de caixa do exercício findo naquela data, e um resumo das principais políticas contabilísticas e outras notas explicativas.

Em nossa opinião, as demonstrações financeiras resumidas são consistentes, em todos os aspectos materiais, com as demonstrações financeiras auditadas e com os registos contabilísticos da Sucursal.

Para uma melhor compreensão da posição financeira da Sucursal, dos resultados das suas operações e do âmbito da nossa auditoria, as demonstrações financeiras resumidas em anexo devem ser lidas em conjunto com as demonstrações financeiras auditadas e com o respectivo relatório do auditor independente.

Cheung Pui Peng Grace
Auditor de contas
PricewaterhouseCoopers

Macau, 27 de Abril de 2018.


Bank Sinopac Company Limited

Sucursal de Macau

Balanço anual em 31 de Dezembro de 2017

Patacas

Patacas

Demonstração de resultados do exercício de 2017

Conta de Exploração

Pataca

Conta de Lucros e Perdas

Pataca

O Gerente da Sucursal, Macau
David Chen

O Chefe da Contabilidade
Cecilia Lo

Síntese do relatório de actividade

No ano 2017 todos os ramos do Banco atingiram um crescimento estável em relação ao ano anterior. A qualidade dos ativos continuou boa, os depósitos e os créditos aumentaram 7% e 37%, respectivamente, em relação ao ano anterior. O superávit após os impostos foi menor do que no ano anterior, principalmente devido ao aumento no volume de créditos o que levou ao aumento da provisão geral de empréstimos, se calcularmos o excedente antes da provisão geral de empréstimos, o lucro é mais 16% do ano anterior e a rentabilidade geral é boa. Neste agradecimento especial a todos os clientes pelo apoio e pelos resultados concretos de todos os colegas.

Olhando para o futuro, a nossa Sucursal continuará a cumprir com as regras e regulamentos impostas pelas autoridades de Macau. Adicionalmente, iremos implementar estratégias de gestão financeira e promover os valores e visão da Sede. Iremos trabalhar para reforçar a qualidade contínua dos nossos serviços e contribuir para a prosperidade económica e desenvolvimento de Macau.

O Gerente da Sucursal, Macau
David Chen

Síntese do parecer dos auditores externos

Para o Gerente-geral do Bank SinoPac Company Limited - Sucursal de Macau

Procedemos à auditoria das demonstrações financeiras do Bank SinoPac Company Limited - Sucursal de Macau relativas ao ano de 2017, nos termos das Normas de Auditoria e Normas Técnicas de Auditoria da Região Administrativa Especial de Macau. No nosso relatório, datado de 10 de Março de 2018, expressámos uma opinião sem reservas relativamente às demonstrações financeiras das quais as presentes constituem um resumo.

As demonstrações financeiras a que se acima se alude compreendem o balanço, à data de 31 de Dezembro de 2017, a demonstração de resultados, a demonstração de alterações da conta corrente com a sede e a demonstração de fluxos de caixa relativas ao ano findo, assim como um resumo das políticas contabilísticas relevantes e outras notas explicativas.

As demonstrações financeiras resumidas preparadas pela gerência resultam das demonstrações financeiras anuais auditadas a que acima se faz referência. Em nossa opinião, as demonstrações financeiras resumidas são consistentes, em todos os aspectos materiais, com as demonstrações financeiras auditadas.

Para a melhor compreensão da posição financeira do Bank SinoPac Company Limited - Sucursal de Macau e dos resultados das suas operações, no período e âmbito abrangido pela nossa auditoria, as demonstrações financeiras resumidas devem ser lidas conjuntamente com as demonstrações financeiras das quais as mesmas resultam e com o respectivo relatório de auditoria.

Kwok Sze Man
Auditor de Contas
Deloitte Touche Tohmatsu - Sociedade de Auditores

Macau, aos 10 de Março de 2018.


FIRST COMMERCIAL BANK LIMITADA – Sucursal de Macau

(Publicações ao abrigo do artigo 76.º do RJSF aprovado pelo Decreto-Lei n.º 32/93M, de 5 de Julho)

Balanço anual em 31 de Dezembro de 2017

MOP

MOP

MOP

Demonstração de resultados do exercício de 2017

Conta de exploração

MOP

Conta de lucros e perdas

MOP

Gerente Geral
Tschang Chih-Chung

O Chefe da Contabilidade
Su Lung-Chuan

Síntese do relatório de actividade

Banco Comercial Primeiro,S.A., fundado em 1899, tem operado mais de cem anos. Em 2017, a sucursal tem-se desenvolvido de forma estável, alcançando o grande sucesso previsto.

Em 2018, a sucursal irá, insistir na prossecução do conceito «Cliente Preferencial, Serviço de Primeira», procurando, expandir activamente os negócios e oferecer aos clientes diversos serviços com a melhor qualidade.

Gerente-Geral
Tschang Chih-Chung

Síntese do parecer dos auditores externos

Para a Gerência do First Commercial Bank Limitda — Sucursal de Macau

As demonstrações financeiras resumidas anexas do First Commercial Bank Limitada - Sucursal de Macau (a Sucursal) referentes ao exercício findo em 31 de Dezembro de 2017 resultam das demonstrações financeiras auditadas e dos registos contabilísticos da Sucursal referentes ao exercício findo naquela data. Estas demonstrações financeiras resumidas, as quais compreendem o balanço em 31 de Dezembro de 2017 e a demonstração dos resultados do exercício findo naquela data, são da responsabilidade da Gerência da Sucursal. A nossa responsabilidade consiste em expressar uma opinião, unicamente dirigida a V. Exas. enquanto Gerência, sobre se as demonstrações financeiras resumidas são consistentes, em todos os aspectos materiais, com as demonstrações financeiras auditadas e com os registos contabilísticos da Sucursal, e sem qualquer outra finalidade. Não assumimos responsabilidade nem aceitamos obrigações perante terceiros pelo conteúdo deste relatório.

Auditámos as demonstrações financeiras da Sucursal referentes ao exercício findo em 31 de Dezembro de 2017 de acordo com as Normas de Auditoria e Normas Técnicas de Auditoria emitidas pelo Governo da Região Administrativa Especial de Macau, e expressámos a nossa opinião sem reservas sobre estas demonstrações financeiras, no relatório de 21 de Março de 2018.

As demonstrações financeiras auditadas compreendem o balanço em 31 de Dezembro de 2017, a demonstração dos resultados, a demonstração de alterações nas reservas e a demonstração dos fluxos de caixa do exercício findo naquela data, e um resumo das principais políticas contabilísticas e outras notas explicativas.

Em nossa opinião, as demonstrações financeiras resumidas são consistentes, em todos os aspectos materiais, com as demonstrações financeiras auditadas e com os registos contabilísticos da Sucursal.

Para uma melhor compreensão da posição financeira da Sucursal, dos resultados das suas operações e do âmbito da nossa auditoria, as demonstrações financeiras resumidas em anexo devem ser lidas em conjunto com as demonstrações financeiras auditadas e com o respectivo relatório do auditor independente.

Cheung Pui Peng Grace
Auditor de contas
PricewaterhouseCoopers

Macau, 3 de Maio de 2018.


BANCO COMERCIAL PORTUGUÊS, S.A. SUCURSAL DE MACAU

Balanço anual em 31 de Dezembro de 2017

MOP

MOP

MOP

Demonstração de resultados do exercício de 2017

Conta de exploração

MOP

Conta de lucros e perdas

MOP

O Técnico de Contas,

O Director Geral,

Chan Fong Mei

José João Pãosinho

Síntese do Relatório de Actividade do Exercício entre 1 de Janeiro de 2017 e 31 de Dezembro de 2017

No panorama internacional, o ano de 2017 ficou marcado pelo bom desempenho da economia dos EUA, pela aceleração do crescimento económico dos países da União Europeia, pelo crescimento da economia da China em linha com os anos anteriores e pela persistência de um conjunto de incertezas em torno de potenciais conflitos no comércio internacional. As economias emergentes continuaram sujeitas a pressões originadas pelas incertezas dos movimentos de capitais consubstanciadas em alterações do destino dos fluxos de investimento estrangeiro dirigidos às economias menos desenvolvidas.

A China continuou a pautar a sua estratégia de afirmação no panorama internacional através de um vasto conjunto de iniciativas centradas no comércio externo e investimentos em infraestruturas via parecerias internacionais apesar de algumas pressões dos EUA em matéria de trocas comerciais. No plano interno e com impactos para Macau, a China continuou a promover o seu plano de integração das cidades do Delta através do projecto “Grande Baía” o que poderá representar um conjunto de novas oportunidades para os agentes económicos de Macau.

Em 2017 e apesar dos impactos bastante negativos do Tufão Hato, a economia de Macau teve um bom desempenho tendo o crescimento real do PIB atingido 9,1% evidenciando uma recuperação significativa face aos anos anteriores confirmando, assim, o final do ciclo de crise a que esteve sujeita nos 3 anos anteriores. O bom desempenho da economia deve-se, fundamentalmente, ao excelente desempenho do Sector do Jogo, Turismo e Entretenimento, o qual evidenciou um crescimento homólogo de 19,1% confirmando em absoluto a recuperação iniciada em Agosto de 2016. O comportamento do Imobiliário (preços e rendas) evidenciou já sinais de sobreaquecimento induzido pela performance global da economia embora a taxa de inflação tenha continuado a um nível moderado.

Ao longo do ano de 2017 a Sucursal de Macau do BCP continuou a desenvolver a sua actividade enquadrada pela estratégia de plataforma de negócios através da oferta de serviços e de produtos aos clientes das redes do Grupo BCP, participação activa em alguns dos vários projectos relevantes em Macau, oferta estruturada de serviços de apoio ao investimento em Portugal de cidadãos chineses no âmbito do programa “Golden Visa” e apoio às operações de comércio externo entre empresas portuguesas e empresas chinesas. Contudo, as incertezas nalgumas das economias dos países de expressão portuguesa, com destaque para Angola e Brasil, condicionaram o nível de actividade das operações de comércio externo.

A persistência de algumas incertezas no panorama internacional em torno de potenciais confrontos no comércio internacional, a persistência de dúvidas sobre o comportamento dos sector imobiliário e o fraco desempenho de algumas das economias dos países africanos de expressão portuguesa estiveram na base da estratégia defensiva adoptada pela Sucursal em operações de crédito tendo reduzido, de forma significativa, o seu volume e grau de risco.

No ano em análise, a Sucursal de Macau obteve um lucro de MOP108,2 milhões (-34,7%), a carteira de depósitos atingiu MOP6.200,7 milhões (-31,1%) e a carteira de crédito atingiu MOP3.133,5 milhões (-13,5%). Os custos operacionais cifraram-se em MOP17,5 milhões (+0,1%).

Embora se perspective a continuação do bom desempenho da economia da RAEM em 2018 decorrente da actividade do Sector do Turismo, Jogo e Entretenimento, a incerteza no plano internacional relativa ao comércio internacional e consequentes impactos potenciais em Macau, a esperada redução do investimento em Hotéis\Resorts em Macau e, em combinação com as incógnitas sobre o desempenho de algumas das economias dos países de língua oficial portuguesa, levam a que a Sucursal continue a adoptar uma estratégia de negócios para 2018 fortemente defensiva centrada, sobretudo, na minimização de riscos.

Por último, desejamos agradecer aos nossos Clientes, aos Colaboradores da Sucursal e às competentes Autoridades de Macau a confiança depositada na Sucursal de Macau do Banco Comercial Português, S.A..

A Direcção da Sucursal de Macau
do Banco Comercial Português, S.A.
José Pãosinho
Director Geral

Síntese do parecer dos auditores externos

Para o Gerente-geral do Banco Comercial Português, S.A. — Sucursal de Macau

Procedemos à auditoria das demonstrações financeiras do Banco Comercial Português, S.A. — Sucursal de Macau relativas ao ano de 2017, nos termos das Normas de Auditoria e Normas Técnicas de Auditoria da Região Administrativa Especial de Macau. No nosso relatório, datado de 16 de Maio de 2018, expressámos uma opinião sem reservas relativamente às demonstrações financeiras das quais as presentes constituem um resumo.

As demonstrações financeiras a que acima se alude compreendem o balanço, à data de 31 de Dezembro de 2017, a demonstração de resultados, a demonstração de alterações da conta corrente com a sede e a demonstração de fluxos de caixa relativas ao ano findo, assim como um resumo das políticas contabilísticas relevante e outras notas explicativas.

As demonstrações financeiras resumidas preparadas pela gerência resultam das demonstrações financeiras anuais auditadas a que acima se faz referência. Em nossa opinião, as demonstrações financeiras resumidas são consistentes, em todos os aspectos materiais, com as demonstrações financeiras auditadas.

Para a melhor compreensão da posição financeira do Banco Comercial Português, S.A. — Sucursal de Macau e dos resultados das suas operações, no período e âmbito abrangido pela nossa auditoria, as demonstrações financeiras resumidas devem ser lidas conjuntamente com as demonstrações financeiras das quais as mesmas resultam e com o respectivo relatório de auditoria.

Kwok Sze Man
Auditor de Contas
Deloitte Touche Tohmatsu — Sociedade de Auditores

Macau, 16 de Maio de 2018.


Banco CITIC Internacional (China) Limitada Sucursal de Macau

(Publicações ao abrigo do artigo 76.º do RJSF, aprovado pelo Decreto-Lei n.º 32/93/M, de 5 de Julho)

Balanço anual em 31 de Dezembro de 2017

MOP

Para informações financeiras consulte a nossa página web da nossa Sede: www.cncbinternational.com

MOP

Demonstração de Resultados do Exercicio de 2017

Conta de Exploração

MOP

Conta de Lucros e Perdas

MOP

MOP

Gerente da Sucursal, Sucursal de Macau
Olivia Ding

O Chefe da Contabilidade
Emily Sio

Resumo das actividades de negócios

Devido à flutuação sazonal, a 31 de Dezembro de 2017 os activos dos empréstimos fixaram-se em 1.092 milhões de patacas, apresentando uma diminuição face aos 2.003 milhões de patacas registados a 31 de Dezembro de 2016. Por outro lado, os depósitos dos clientes aumentaram 1.304 milhões de patacas, representando um crescimento anual de 120% dos 1.090 milhões de 2016 para 2.394 milhões de patacas de 2017. Os resultados operacionais antes da imparidade foram de 26 milhões de patacas no ano transacto, sendo que em 2016 foram de 56 milhões. Com uma boa gestão e controlo do crédito, não se registou nenhum caso de imparidade a nível individual em 2017. Pelo contrário, registou-se uma recuperação de dívidas de cobrança duvidosa no valor de 3 milhões de patacas. Como resultado, em 2017, os lucros antes da cobrança dos impostos foram de 41 milhões de patacas.

Com o apoio do Governo Central da República Popular da China, esperamos que a economia de Macau se mantenha estável nos próximos anos. Em 2018, vamos continuar a focar-nos nos serviços bancários para empresas, incluindo financiamento do comércio, empréstimos comerciais, crédito hipotecário, financiamento imobiliário, financiamento de fusões e aquisições, bem como empréstimos transfronteiriços, entre outros. Ao mesmo tempo, vamos reforçar a colaboração com a nossa sede em Hong Kong, com sucursais no estrangeiro e com a empresa mãe, a China CITIC Bank na China Continental, para oferecermos um serviço eficiente e de qualidade a todos os nossos clientes onshore e offshore.

Por fim, a gestão gostaria de aproveitar esta oportunidade para agradecer ao Governo da Região Administrativa Especial de Macau o apoio contínuo durante este ano. O mesmo agradecimento estende-se aos nossos clientes, instituições financeiras parceiras e funcionários.

Olivia Ding
Gerente da Sucursal

RELATÓRIO DO AUDITOR EXTERNOS SOBRE AS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS RESUMIDOS

PARA A GERÊNCIA DO BANCO CITIC INTERNACIONAL (CHINA) LIMITADA, SUCURSAL DE MACAU

As demonstrações financeiras resumidas anexas do Banco CITIC Internacional (China) Limitada, Sucursal de Macau (a Sucursal) referentes ao exercício findo em 31 de Dezembro de 2017 resultam das demonstrações financeiras auditadas e dos registos contabilísticos da Sucursal referentes ao exercício findo naquela data. Estas demonstrações financeiras resumidas, as quais compreendem o balanço em 31 de Dezembro de 2017 e a demonstração dos resultados do exercício findo naquela data, são da responsabilidade da Gerência da Sucursal. A nossa responsabilidade consiste em expressar uma opinião, unicamente dirigida a V. Exas. enquanto Gerência, sobre se as demonstrações financeiras resumidas são consistentes, em todos os aspectos materiais, com as demonstrações financeiras auditadas e com os registos contabilísticos da Sucursal, e sem qualquer outra finalidade. Não assumimos responsabilidade nem aceitamos obrigações perante terceiros pelo conteúdo deste relatório.

Auditámos as demonstrações financeiras da Sucursal referentes ao exercício findo em 31 de Dezembro de 2017 de acordo com as Normas de Auditoria e Normas Técnicas de Auditoria emitidas pelo Governo da Região Administrativa Especial de Macau, e expressámos a nossa opinião sem reservas sobre estas demonstrações financeiras, no relatório de 27 de Abril de 2018.

As demonstrações financeiras auditadas compreendem o balanço em 31 de Dezembro de 2017, a demonstração dos resultados, a demonstração de alterações nas reservas e a demonstração dos fluxos de caixa do exercício findo naquela data, e um resumo das principais políticas contabilísticas e outras notas explicativas.

Em nossa opinião, as demonstrações financeiras resumidas são consistentes, em todos os aspectos materiais, com as demonstrações financeiras auditadas e com os registos contabilísticos da Sucursal.

Para uma melhor compreensão da posição financeira da Sucursal, dos resultados das suas operações e do âmbito da nossa auditoria, as demonstrações financeiras resumidas em anexo devem ser lidas em conjunto com as demonstrações financeiras auditadas e com o respectivo relatório do auditor independente.

Cheung Pui Peng Grace
Auditor de contas
PricewaterhouseCoopers

Macau, 27 de Abril de 2018.


BANCO WELL LINK S.A.

(Publicações ao abrigo do artigo 75.º do RJSF, aprovado pelo Decreto-Lei n.º 32/93/M, de 5 de Julho)

Balanço anual em 31 de Dezembro de 2017

MOP

MOP

MOP

Demonstração de resultados do exercício de 2017

Conta de exploração

MOP

Conta de lucros e perdas

MOP

PRESIDENTE DA COMISSÃO EXECUTIVA,

DIRECTORA DE OPERAÇÕES,

Zhang Chen

Wang Lu

Macau, 7 de Maio de 2018.

Resumo do Relatório do Conselho de Administração

Estatísticas Económicas de Macau

A economia de Macau cresceu 9,1% em 2017, terminando a contracção económica dos últimos três anos. Em 2017, o PIB de Macau foi de 404,2 mil milhões de patacas, com um PIB per capita de 0,62 milhões de patacas. A inflação diminuiu para 1,23% e a taxa de desemprego permaneceu estável nos 2%.

Apesar da recuperação económica, a procura interna em Macau permaneceu fraca e desceu 2,7% em 2017. Por outro lado, o consumo privado e o consumo final do governo subiu 1,6% e 1,7% respectivamente, ao passo que o investimento em capital fixo caiu 10% em termos homólogos.

O número de visitantes e o consumo dos mesmos aumentaram, fazendo com que a exportação de serviços global aumentasse 15,4%. A exportação de serviços de jogos de fortuna ou azar e de outros serviços relacionados com turismo subiram 16,4% e 15,4% respectivamente, enquanto a exportação de bens aumentou 12,3%.

Resumo de Actividades do Banco

O ano de 2017 foi um marco importante na história do Banco, já que marca duas décadas de existência e a mudança de controlo para um consórcio de investidores regionais liderados pelo Well Link Holdings Limited, o qual adquiriu uma participação de 75% no Novo Banco Ásia S.A. em Maio de 2017 e alterou a sua denominação para Banco Well Link, S.A.

A actividade do Banco em 2017 foi consideravelmente afectada por um conjunto de factores extraordinários. Em primeiro lugar, dado o Banco ainda estar sob um processo de venda durante a maior parte do primeiro semestre de 2017, foram adoptados critérios de concessão de crédito mais rigorosos e assim a actividade comercial diminuiu.

No segundo semestre de 2017, após a conclusão e autorização do processo de venda pela Autoridade Monetária de Macau (AMCM), o Banco iniciou um processo de transformação com o objectivo de criar bases fortes para a sua expansão futura. Este processo de mudança traduziu-se em custos operacionais mais elevados, devido à substituição do sistema informático central, ao aluguer de espaços para serem futuros balcões, à publicidade destinada a promover o novo nome do Banco e a sua marca no mercado, assim como às novas contratações e expansão da equipa.

Desde a entrada em funções da nova direcção, o Banco adoptou um conjunto de medidas que têm como objectivo reter e motivar colaboradores-chave, aumentar o seu volume de negócios sob a premissa de assegurar um serviço de excelência aos clientes, preparar a abertura de sucursais e o lançamento de serviços de online banking.

Adicionalmente, a inversão da tendência da diminuição do balanço dos anos anteriores foi conseguida desde Setembro de 2017, com os depósitos e o crédito a crescerem de forma estável e os principais indicadores de supervisão a registarem bons níveis.

Após o aumento de capital de 300 milhões de patacas que teve lugar em Janeiro de 2018, o Banco pretende abrir a primeira sucursal em meados de 2018 e prestar serviços bancários mais diversificados e eficientes, a fim de que, tirando partido da Plataforma de Serviços para a Cooperação Económica e Comercial entre a China e os Países de Língua Portuguesa (Macau) e das oportunidades criadas pelo crescimento económico chinês, possa tornar-se num banco regional que forneça serviços financeiros aos residentes e pequenas e médias empresas de Macau e da Grande Baía Guangdong-Hong Kong-Macau.

Resultados do Banco em 2017

Registou-se uma contracção significativa do portfólio de crédito do Banco nos últimos dois anos, devido à reestruturação do Novo Banco, S.A. e à venda do próprio Banco em 2017. Paralelamente, a substituição do sistema informático e o reforço do esforço de marketing e de contratação também contribuíram para um prejuízo de 45,92 milhões de patacas no ano de 2017.

De facto, no segundo semestre de 2017, o crédito cresceu 4% para 368 milhões de patacas, sendo que os depósitos de clientes também registaram um crescimento homólogo de 13,5% para 582,6 milhões de patacas, o que levou o rácio empréstimos/depósitos do Banco para 63% no final do ano.

Como consequência da estagnação do crédito, os depósitos interbancários do Banco permaneceram elevados, em 430,6 milhões de patacas, assegurando uma liquidez satisfatória.

O baixo volume de crédito mencionado anteriormente e as taxas de juro historicamente baixas levaram a um declínio na margem financeira (13,42 milhões de patacas) e nas comissões (3,96 milhões de patacas), influenciando o resultado operacional.

Os custos operacionais subiram 22% para 39,81 milhões de patacas, reflectindo o aumento das despesas associadas com a preparação de várias iniciativas que irão sustentar o crescimento vindouro.

Por fim, a instalação de uma nova infraestrutura informática, que serve para suportar a oferta de produtos e serviços diversificada que será disponibilizada em 2018 e em diante, implicou o write-off do investimento informático anterior de 18,9 milhões de patacas, penalizando assim ainda mais os resultados do Banco em 2017.

Como conclusão, os resultados de 2017 traduziram o impacto de eventos relacionados com a anterior situação de impasse do Banco e a mudança de sistema informático. Contudo, a nova direcção já começou a definir novas estratégias. Com base na boa posição de liquidez do Banco, na capacidade financeira dos seus accionistas e no aumento dos depósitos de forma constante e estável, o Banco irá continuar a avançar com a implementação de diversas estratégias e planos de negócios, assegurando o regresso aos lucros.

O Conselho de Administração

Macau, 27 de Abril de 2018

RELATÓRIO E PARECER DO CONSELHO FISCAL

Nos termos da lei, do mandato que nos conferiram e dos Estatutos da Sociedade, vimos submeter à Vossa apreciação o Relatório sobre a actividade fiscalizadora desenvolvida e dar o Parecer sobre o Relatório do Conselho de Administração, o Balanço e a Demonstração de Resultados do Banco Well Link, S.A., relativamente ao exercício findo em 31 de Dezembro de 2017.

O Relatório do Conselho de Administração evidencia de maneira clara a situação económica e financeira e a evolução da actividade do Banco durante o exercício de 2017.

Verificámos a regularidade da escrituração contabilística, não tendo tomado conhecimento de qualquer violação da lei ou do contrato de sociedade.

Em resultado dos exames efectuados, é nossa convicção que o Relatório do Conselho de Administração é suficientemente esclarecedor da actividade do Banco e que os demais documentos apresentados satisfazem as disposições legais e estatutárias.

Com base nas verificações e conclusões referidas, somos de Parecer que:

1. Sejam aprovadas as Demonstrações Financeiras Auditadas pela PricewaterhouseCoopers; e,

2. Seja aprovado o Relatório do Conselho de Administração, o Balanço e a Demonstração de Resultados para submissão à Assembleia Geral para aprovação.

Macau, 27 de Abril de 2017

O Conselho Fiscal

RELATÓRIO DOS AUDITORES EXTERNOS SOBRE AS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS RESUMIDAS

PARA OS ACCIONISTAS DO BANCO WELL LINK, S.A.
(constituído em Macau como sociedade anónima)

As demonstrações financeiras resumidas anexas do Banco Well Link, S.A. (o Banco) referentes ao exercício findo em 31 de Dezembro de 2017 resultam das demonstrações financeiras auditadas e dos registos contabilísticos do Banco referentes ao exercício findo naquela data. Estas demonstrações financeiras resumidas, as quais compreendem o balanço em 31 de Dezembro de 2017 e a demonstração dos resultados do exercício findo naquela data, são da responsabilidade do Conselho de Administração do Banco. A nossa responsabilidade consiste em expressar uma opinião, unicamente dirigida a V. Ex.as enquanto accionistas, sobre se as demonstrações financeiras resumidas são consistentes, em todos os aspectos materiais, com as demonstrações financeiras auditadas e com os registos contabilísticos do Banco, e sem qualquer outra finalidade. Não assumimos responsabilidade nem aceitamos obrigações perante terceiros pelo conteúdo deste relatório.

Auditámos as demonstrações financeiras do Banco referentes ao exercício findo em 31 de Dezembro de 2017 de acordo com as Normas de Auditoria e Normas Técnicas de Auditoria emitidas pelo Governo da Região Administrativa Especial de Macau, e expressámos a nossa opinião sem reservas sobre estas demonstrações financeiras, no relatório de 27 de Abril de 2018.

As demonstrações financeiras auditadas compreendem o balanço em 31 de Dezembro de 2017, a demonstração dos resultados, a demonstração de alterações no capital próprio e a demonstração dos fluxos de caixa do exercício findo naquela data, e um resumo das principais políticas contabilísticas e outras notas explicativas.

Em nossa opinião, as demonstrações financeiras resumidas são consistentes, em todos os aspectos materiais, com as demonstrações financeiras auditadas e com os registos contabilísticos do Banco.

Para uma melhor compreensão da posição financeira do Banco, dos resultados das suas operações e do âmbito da nossa auditoria, as demonstrações financeiras resumidas em anexo devem ser lidas em conjunto com as demonstrações financeiras auditadas e com o respectivo relatório do auditor independente.

Cheung Pui Peng Grace
Auditor de contas
PricewaterhouseCoopers

Macau, 7 de Maio de 2018

ÓRGÃOS SOCIAIS

Mesa da Assembleia Geral

Xu Chujia (Presidente da Mesa da Assembleia Geral - nomeado em 4.7.2017)

Yeung Chi Shing (Secretário da Mesa da Assembleia Geral - nomeado em 4.7.2017)

Wang Lu (Secretário da Mesa da Assembleia Geral - nomeado em 4.7.2017)

Maria de Lourdes Nunes Mendes da Costa (Presidente da Mesa da Assembleia Geral - resignou em 4.7.2017)

Rui Luís Cabral de Sousa (Secretário da Mesa da Assembleia Geral - resignou em 4.7.2017)

Conselho de Administração

Zhang ShengMan

(Presidente do Conselho de Administração - nomeado em 11.8.2017)

José Manuel Trindade Morgado

(Administrador)

Paulo Jorge Fernandes Franco

(Administrador)

Zhang Chen

(Administrador - nomeado em 11.8.2017)

Wang Lu

(Administrador - nomeado em 11.8.2017)

Xu Chujia

(Administrador - nomeado em 11.8.2017)

Ngan Yuen Ming

(Administrador - nomeado em 11.8.2017)

Chen Hua

(Administrador - nomeado em 11.8.2017)

Huang Guanghai

(Administrador - nomeado em 11.8.2017)

Lin Wenjie

(Administrador - nomeado em 11.8.2017)

Vitor Manuel Lopes Fernandes

(Administrador - resignou em 7.6.2017)

Rui Manuel Fernandes Pires Guerra

(Administrador - resignou em 7.6.2017)

Paulo Jorge Carrageta Ferreira

(Administrador - resignou em 7.6.2017)

Sio Chi Wai

(Administrador - resignou em 7.6.2017)

Comissão Executiva

Zhang Chen

(Membro da Comissão Executiva - nomeado em 11.8.2017)

Wang Lu

(Membro da Comissão Executiva - nomeado em 11.8.2017)

Paulo Jorge Fernandes Franco

(Membro da Comissão Executiva - resignou em 7.6.2017)

José Manuel Trindade Morgado

(Membro da Comissão Executiva - 11.8.2017)

Conselho Fiscal

Chen Xiao Chun

(Presidente do Conselho Fiscal, nomeado em 11.8.2017)

Vong Hin Fai

(Membro do Conselho Fiscal - nomeado em 11.8.2017)

CSC & Associados - Sociedade de Auditores

(Representado por Mok Chi Meng; Membro do Conselho Fiscal - nomeado em 11.8.2017)

Joaquim Jorge Perestrelo Neto Valente

(Membro do Conselho Fiscal - resignou em 7.6.2017)

José Manuel Macedo Pereira

(Membro do Conselho Fiscal - resignou em 7.6.2017)

Vitor Tang Chon In

(Membro do Conselho Fiscal - resignou em 7.6.2017)

Instituições em que detém participação superior a 5% do respectivo capital ou superior a 5% dos seus fundos próprios

Valor

Acções
detidas (n.º)

percentual
(%)

Europ Assistance (Macau) — Serviços de Assistência Personalizados, Lda.

400

25%

Accionistas do Banco    
Gestão de Participações Well Link Limitada 26%  
Novo Banco, S.A. 25%  
Gestão de Participações de Kingyin (Macau), Sociedade Unipessoal Limitada 15%  
Companhia de Investimento Trillion Limitada 15%  
Companhia de Investimento Shengman Sociedade Unipessoal Limitada 10%  

營業賬目(修訂)

於二零一七年十二月三十一日

行政總裁

首席營運官

張晨

王露


CSR Macau — Companhia de Sistemas de Resíduos, Limitada

(Publicação ao abrigo do n.º 1 do artigo 1.º da Lei n.º 14/96/M, de 12 de Agosto)

Demonstração da posição financeira em 31 de Dezembro de 2017

O Presidente do Conselho de Administração,

O Chefe da Contabilidade,

Antoine Evrard Grange

Ng Weng Tong

Macau, aos 29 de Março de 2018.

CSR MACAU – COMPANHIA DE SISTEMAS DE RESÍDUOS, LIMITADA

RELATÓRIO ANUAL DA ADMINISTRAÇÃO – 2017

A Sociedade vem prestando, ininterruptamente e desde há muito tempo, serviços de limpeza urbana, recolha e transporte de resíduos da RAEM em todo o território da Região Administrativa Especial de Macau (“RAEM”).

DESEMPENHO GERAL

Apesar das alterações verificadas no ambiente económico internacional e das condições negociais ao nível local, a Sociedade manteve e conseguiu atingir os objectivos financeiros estabelecidos, ao longo de todo o ano, através de várias medidas efectivas de melhoramento.

Estamos satisfeitos com os bons resultados continuamente apresentados pela Sociedade durante o ano de 2017. Os resultados e bom desempenho da Sociedade devem-se directamente à qualidade dos serviços prestados à RAEM durante o ano transacto.

Estamos confiantes de que a Sociedade estará apta a prosseguir a prestação destes serviços de alta qualidade no futuro, assim contribuindo para a contínua melhoria do meio ambiente de Macau.

Aproveitamos esta oportunidade para expressar o nosso agradecimento e apreço a todos os funcionários pelo seu árduo trabalho e aos cidadãos de Macau pelo seu contínuo apoio.

Antoine Evrard GRANGE

NG Wai Hong

Presidente

Administradora

WONG Ka Lok

CHENG Wing Kin

Administrador

Administrador

LEI Man Sao
Administrador

Macau, aos 29 de Março de 2018.

Relatório de Auditor Independente sobre Demonstrações Financeiras Resumidas

Para os accionistas da CSR Macau – Companhia de Sistemas de Resíduos, Limitada
(sociedade de responsabilidade limitada, registada em Macau)

Procedemos à auditoria das demonstrações financeiras da CSR Macau – Companhia de Sistemas de Resíduos, Limitada (a «Sociedade») relativas ao ano de 2017, nos termos das Normas de Auditoria e Normas Técnicas de Auditoria da Região Administrativa Especial de Macau. No nosso relatório, datado de 29 de Março de 2018, expressámos uma opinião sem reservas relativamente às demonstrações financeiras das quais as presentes constituem um resumo.

As demonstrações financeiras a que se acima se alude compreendem a demonstração de posição financeira, à data de 31 de Dezembro de 2017, a demonstração de resultados, a demonstração de alterações no capital próprio e a demonstração de fluxos de caixa relativas ao ano findo, assim como um resumo das políticas contabilísticas relevantes e outras notas explicativas.

As demonstrações financeiras resumidas preparadas pela gerência resultam das demonstrações financeiras anuais auditadas a que acima se faz referência. Em nossa opinião, as demonstrações financeiras resumidas são consistentes, em todos os aspectos materiais, com as demonstrações financeiras auditadas.

Para a melhor compreensão da posição financeira da Sociedade e dos resultados das suas operações, no período e âmbito abrangido pela nossa auditoria, as demonstrações financeiras resumidas devem ser lidas conjuntamente com as demonstrações financeiras das quais as mesmas resultam e com o respectivo relatório de auditoria.

Bao, King To
Auditor de Contas
Ernst & Young - Auditores

Macau, aos 29 de Março de 2018.


STANDARD CHARTERED BANK — SUCURSAL DE MACAU

Balanço anual em 31 de Dezembro de 2017

MOP

MOP

1. As Outras Reservas incluem uma reserva genérica de 29,276,473.99 Patacas. Porque a Sucursal adopta as Financial Reporting Standards of the Macau SAR («MFRS») na preparação das suas demonstrações financeiras anuais, as perdas de imparidade com base nas MFRS podem ser inferiores ao nível mínimo de provisões genéricas e provisões específicas calculadas de acordo com o Aviso n.º 18/93 da AMCM (o nível mínimo), A referida reserva obrigatória representa, pois, a diferença entre o nível mínimo e as perdas de imparidade nos termos das MFRS (antes dos impostos diferidos de 3,513,304.21 Patacas). Este mesmo montante, inscrito na linha «Dotações adicionais para provisões conforme RJSF» da Conta de Lucros e Perdas das contas resumidas, está reconciliado entre o «Lucro depois de impostos» e os «Resultados do ano de acordo com as regras da AMCM» na Conta de exploração das demonstrações financeiras auditadas anuais.

Demonstração de resultados do exercício de 2017

Conta de exploração

MOP

MOP

Contas de lucros e perdas

MOP

A Gerente da Sucursal de Macau
Vu Kit Na, Candy

A Chefe da Contabilidade
Leung Lai Kei, Alice

Relatório de Gestão de 2017

A direcção tem o prazer de anunciar os resultados da Sucursal de Macau do Standard Chartered Bank (“A Sucursal”) relativos ao exercício findo a 31 de Dezembro de 2017.

Actividades Principais

A Sucursal faz parte do Standard Chartered Bank, um banco constituído no Reino Unido e registado em Inglaterra e no País de Gales. As principais actividades da Sucursal são a prestação de serviços de banca comercial e serviços financeiros relacionados.

Resultados de 2017

Os lucros antes de impostos aumentaram em 16,96%, de 34,647 milhões de Patacas para 40,522 milhões de Patacas. A receita dos juros líquidos aumentou em 56,34% para 37,103 milhões de Patacas. Outras receitas, incluindo receitas de taxas e comissões, diminuíram em 14,11% relativamente a 2016. O total das receitas operacionais aumentou em 15,78% para 56,657 milhões de Patacas.

As despesas operacionais aumentaram 2,86% em 2017 para 15,584 milhões de Patacas. A imparidade em empréstimos e adiantamentos foi de 0,551 milhões de Patacas em 2017, em comparação com a recuperação por imparidade em empréstimos e adiantamentos foi de 0,862 milhões de Patacas em 2016. Os lucros depois de impostos foram de 35,703 milhões de Patacas, correspondentes a um aumento de 5,167 milhões de Patacas relativamente aos 30,536 milhões de Patacas registados em 2016.

O resultado da exploração do exercício calculado em conformidade com o regulamento da Autoridade Monetária de Macau apresenta um lucro de 27,540 milhões de Patacas, correspondendo a um aumento de 0,558 milhões de Patacas em comparação com os 26,982 milhões de Patacas registados no ano de 2016.

A Directora da Sucursal
Standard Chartered Bank
Sucursal de Macau
Candy Vu

Síntese do Parecer dos Auditores Externos

Para o gerente-geral do Standard Chartered Bank, Sucursal de Macau
(Sucursal de um banco comercial de responsabilidade limitada, incorporada no Reino Unido)

Procedemos à auditoria das demonstrações financeiras do Standard Chartered Bank, Sucursal de Macau relativas ao ano de 2017, nos termos das Normas de Auditoria e Normas Técnicas de Auditoria da Região Administrativa Especial de Macau. No nosso relatório, datado de 4 de Maio de 2018, expressámos uma opinião sem reservas relativamente às demonstrações financeiras das quais as presentes constituem um resumo.

As demonstrações financeiras a que acima se alude compreendem o balanço, à data de 31 de Dezembro de 2017, a demonstração de resultados, a demonstração de alterações nas reservas e a demonstração de fluxos de caixa relativas ao ano findo, assim como um resumo das políticas contabilísticas relevantes e outras notas explicativas.

As demonstrações financeiras resumidas preparadas pela gerência resultam das demonstrações financeiras anuais auditadas e dos li- vros e registos da sucursal. Em nossa opinião, as demonstrações financeiras resumidas são consistentes, em todos os aspectos materiais, com as demonstrações financeiras auditadas e os livros e registos da sucursal.

Para a melhor compreensão da posição financeira da sucursal e dos resultados das suas operações, no período e âmbito abrangidos pela nossa auditoria, as demonstrações financeiras resumidas devem ser lidas conjuntamente com as demonstrações financeiras das quais as mesmas resultam e com o respectivo relatório de auditoria.

Ieong Lai Kun, Auditor de Contas
KPMG

Macau, aos 4 de Maio de 2018.


BANCO INDUSTRIAL E COMERCIAL DA CHINA (MACAU), S.A.

Balanço anual em 31 de Dezembro de 2017 (consolidado)

PATACAS

PATACAS

Observação: Na rúbrica «Outras Reservas» estão incluídas provisões adicionais constituídas ao abrigo do disposto no Regime Jurídico do Sistema Financeiro, referentes ao redinmento líquido após dedução dos impostos diferidos, no montante total de MOP1.302.320.800,00

PATACAS

Demonstração de resultados do exercício de 2017

Conta de exploração (consolidado)

PATACAS

PATACAS

Vice-Presidente, Director-Geral e Administrador Executivo
Wu Long

Vice-Presidente e Administrador Executivo
Huen Wing Ming Patrick

Balanço anual em 31 de Dezembro de 2017

PATACAS

PATACAS

Observação: Na rúbrica «Outras Reservas» estão incluídas provisões adicionais constituídas ao abrigo do disposto no Regime Jurídico do Sistema Financeiro, referentes ao redinmento líquido após dedução dos impostos diferidos, no montante total de MOP1.302.320.800,00

PATACAS

Demonstração de resultados do exercício de 2017

Conta de exploração

PATACAS

Conta de lucros e perdas

PATACAS

Vice-Presidente, Director-Geral e Administrador Executivo
Wu Long

Vice-Presidente e Administrador Executivo
Huen Wing Ming Patrick

Síntese do relatório de actividades

No ano de 2017, devido a uma conjuntura externa complicada, o ICBC (Macau) insistiu sinceramente pela implementação das estratégias de desenvolvimento estabelecidas pelo Grupo ICBC para as suas participadas no exterior, promovendo a localização da sua gestão e melhorando em permanência as suas competências de concorrência no mercado, reforma e inovação, desenvolvimento sustentável e o nível de gestão global do risco. Paralelamente, procurou-se acelerar o desenvolvimento saudável e coordenado do activo, passivo e actividades de intermediação, aumentando efectivamente a sua vantagem comparativa nas principais áreas de atividade, consolidando a posição maioritária no mercado na sua atividade nuclear, tornando-se progressivamente um banco de excelência local para a população da RAEM e vanguarda intelectualizada, localizável, com diversificação. .

Até ao final do ano de 2017, o activo total líquido do Banco ascendia a duzentos e trinta e um mil e quatrocentos milhões de Patacas, o que representou um acréscimo de vinte e um mil e oitocentos milhões de Patacas em comparação com o ano transacto, correspondente a uma taxa de crescimento de 10,42%. O passivo total ascendia a duzentos e dez mil e setecentos milhões de Patacas, o que representou um acréscimo de dezenove mil e novecentos milhões de Patacas comparativamente com o ano transacto e corresponde a um aumento de 10,41%. O saldo dos depósitos (incluindo entidades públicas) avaliou-se em cento e oitenta e cinco mil e setecentos milhões de Patacas, o que representou um acréscimo de vinte mil e cem milhões de Patacas em comparação com o ano anterior, correspondente a um aumento de 12,16%. O saldo dos diversos créditos concedidos ascendia a cento e sessenta e dois mil e quatrocentos milhões de Patacas, representando um acréscimo de vinte e sete mil e cem milhões de Patacas em comparação com o ano transacto, equivalente a uma taxa de crescimento de 20,08%. O saldo do rácio de créditos de cobrança duvidosa manteve-se num nível reduzido e as provisões mantiveram-se suficientes, o que reforçou ainda mais a capacidade para enfrentar qualquer risco.

De acordo com as “Normas de Relato Financeiro de Macau”, o Banco conseguiu em 2017 um lucro líquido, após dedução de impostos, avaliado em dois mil e trecentos e treze milhões de Patacas, com uma taxa média ponderada de retribuição do capital e taxa média de retribuição do activo total de, respectivamente, 11,79% e 1,07%. As demonstrações financeiras do Banco, já auditadas e relativas ano findo em 2017, foram elaboradas de acordo com as “Normas de Relato Financeiro de Macau”. Se atendermos ao reforço de provisões previsto no “Regime Jurídico do Sistema Financeiro”, o lucro passará a ser de dois mil e trinta e sete milhões de Patacas, depois de feito o necessário ajustamento.

O bom comportamento negocial e os resultados positivos de exploração continuamente alcançados pelo Banco granjearam elogios e reconhecimento generalizado no seu sector e por parte da comunicação social especializada em assuntos económicos e financeiros com prestígio mundial, tendo as publicações “Global Finance” (EUA), “The Banker” e “World Finance” (Reino Unido) atribuído em 2017, ao ICBC (Macau), pelo nono ano consecutivo, o prémio de melhor banco em Macau, tendo este entrado ainda nos últimos três anos consecutivos nos três melhores lugares da lista “Asia Pacific’s 500 strongest banks” promovida pelo “The Asian Banker”, sendo assim reconhecido amplamente pela indústria bancária.

No futuro, o ICBC (Macau) continuará a enraizar-se localmenteem Macau, expandindo ainda as suas operações nas regiões vizinhas. O ICBC (Macau) reforçará os seus serviços no âmbito de construção de infra-estruturas, de projectos fulcrais para a Região, bem como no que diz respeito aos serviços sociais a serem prestados aos residentes locais, a fim de promover o desenvolvimento da diversificação adequada da economia de Macau; acelerará mais ainda as inovações e reformas, para promover a transformação do seu negócio, apoiando e contribuindo para o desenvolvimento económico e prosperidade da região.

Macau, aos 21 de Março de 2018.

Wu Long
Vice-Presidente

Relatório de Auditor Independente sobre Demonstrações Financeiras Consolidadas Resumidas

Para os accionistas da Banco Industrial e Comercial da China (Macau), S.A.
(Sociedade Anónima constituída em Macau)

Procedemos à auditoria das demonstrações financeiras consolidadas da Banco Industrial E Comercial Da China (Macau), S.A. (o "Banco") e suas subsidiárias relativas ao ano de 2017, nos termos das Normas de Auditoria e Normas Técnicas de Auditoria da Região Administrativa Especial de Macau. No nosso relatório, datado de 21 de Março de 2018, expressámos uma opinião sem reservas relativamente às demonstrações financeiras consolidadas das quais as presentes constituem um resumo.

As demonstrações financeiras consolidadas a que se acima se alude compreendem o balanço consolidado e do banco, à data de 31 de Dezembro de 2017, a demonstração de resultados consolidados e do banco, a demonstração de alterações no capital próprio consolidado e do banco e a demonstração de fluxos de caixa consolidados e do banco relativas ao ano findo, assim como um resumo das politícas contabilísticas relevantes e outras notas explicativas.

As demonstrações financeiras consolidadas resumidas preparadas pela gerência resultam das demonstrações financeiras consolidadas anuais auditadas e dos livros e registos do banco. Em nossa opinião, as demonstrações financeiras consolidadas resumidas são consistentes, em todos os aspectos materiais, com as demonstrações financeiras consolidadas auditadas e os livros e registos do banco.

Para a melhor compreensão da posicão financeira do banco e dos resultados das suas operações, no período e âmbito abrangido pela nossa auditoria, as demonstrações financeiras consolidadas resumidas devem ser lidas conjuntamente com as demonstrações financeiras consolidadas das quais as mesmas resultam e com o respectivo relatório de auditoria.

Lei Iun Mei, Auditor de Contas
KPMG

Macau, 21 de Março de 2018.

Parecer do Fiscal Único

Nos termos do disposto na alínea e) do artigo 25.º dos Estatutos e para os efeitos previstos na mesma disposição legal, o Conselho de Administração do Banco Industrial e Comercial da China (Macau), S.A., entregou a esta sociedade de auditores o relatório de actividades e contas auditado e referente ao exercício de 2017, para efeito de parecer.

Depois de examinados os documentos entregues a esta sociedade, para efeitos de emissão do parecer, concluímos que os referidos documentos reflectem, de forma clara, não só a situação patrimonial, mas também a situação financeira e económica do Banco.

O relatório do Conselho de Administração reflecte, de forma precisa, as actividades promovidas e desenvolvidas pelo Banco no ano de exercício ora em apreço.

Tendo em atenção o relatório apresentado pelo auditor externo, esta sociedade concorda com o exposto no referido relatório, sendo que os documentos que serviram de base à elaboração das contas reflectem, de uma forma correcta e real, a situação financeira demonstrada no balanço com data de 31 de Dezembro de 2017, bem como o resultado financeiro do exercício findo em 31 de Dezembro de 2017.

Recapitulando o acima exposto, decidimos aprovar o referido relatório de actividades e contas do Conselho de Administração.

Macau, aos 21 de Março de 2018.

CSC & Associados – Sociedade de Auditores
(Representada por Chui Sai Cheong)
Fiscal Único

Lista das instituições em que o Banco detém participações superiores a 5% do respectivo capital e indicação do valor percentual

Sociedade Financeira ICBC (Macau) Capital, S.A.

100%

Sociedade Gestora de Fundos de Pensões ICBC (Macau), S.A.

100%

Seng Heng Development Company Limited

100%

(Incorporado em Hong Kong)

Authosis, Inc.

11%

(Incorporado em Cayman Islands)

Companhia de Seguros Luen Fung Hang, S.A.R.L.

6%

Lista dos accionistas qualificados

Industrial and Commercial Bank of China Limited

Sr. Huen Wing Ming, Patrick

Órgãos Sociais

Conselho de Administração

Sr. Zhu Xiaoping

Presidente, Administrador-Delegado e Administrador Executivo

Sr. Wu Long

Vice-Presidente, Director-Geral e Administrador Executivo

Sr. Huen Wing Ming, Patrick

Vice-Presidente e Administrador Executivo

Sra. Chen Xiaoyan

Administradora

Sra. Wang Yixin

Administradora

Sr. Shang Jun

Administrador (Nomeado em 11 de Outubro de 2017)

Sr. Ma Xiangjun

Administrador (Renunciou em 11 de Outubro de 2017)

Sr. Tong Chi Kin

Administrador

Mesa da Assembleia

Sr. Zhu Xiaoping

Presidente

Sr. Zheng Kai

Secretário

Fiscal Único

CSC & Associados – Sociedade de Auditores (Representada por Sr. Chui Sai Cheong)

Secretário de Sociedade

Sr. Zheng Kai


Sociedade Gestora de Fundos de Pensões ICBC (MACAU), S.A.

Balanço em 31 de Dezembro de 2017

Patacas

Conta de exploração do exercício de 2017

Patacas

Conta de ganhos e perdas do exercício de 2017

Patacas

O Presidente do Consclho de Administração,
Wu Long

Síntese do Relatório de Actividades

No ano de dois mil e dezassete, a Sociedade Gestora de Fundos de Pensões ICBC (Macau), S.A., perante um ambiente económico externo complicado, continuou a seguir a tendência para um desenvolvimento sustentável, tendo atingido lucros avaliados em quinze milhões e duzentas e dez mil Patacas, após a dedução de impostos, o que representa um crescimento de 16,47%. Até ao final do ano de 2017, o activo total desta Sociedade ascendia a cento e trinta e sete milhões de Patacas. O valor de mercado dos activos sob gestão desta Sociedade foi calculado em mais de dois mil oitocentos e trinta milhões de Patacas.

Norteando-se pela estratégia global de desenvolvimento implementada pelo Banco Industrial e Comercial da China (Macau), S.A., a Sociedade, no futuro, retirando vantagens da marca, rede, recursos técnicos e financeiros do Grupo ICBC, irá promover activamente o desenvolvimento da previdência central e optimizar nomeadamente o sistema de internet e os seus activos e receitas, tornando-se a líder de mercado, com excelente desempenho da actividade gestora de fundos de pensões, mais procurada por clientes de Macau, a quem presta serviços de gestão de fundos de pensões cada vez mais seguros e de acesso fácil e rápido, servindo a sociedade de Macau.

Macau, aos 21 de Março de 2018.

Wu Long
Presidente do Conselho de Administração

Relatório de Auditor Independente sobre Demonstrações Financeiras Resumidas

Para os accionistas da Sociedade Gestora de Fundos de Pensões ICBC (Macau), S.A.
(Sociedade Anónima constituída em Macau)

Procedemos à auditoria das demonstrações financeiras da Sociedade Gestora de Fundos de Pensões ICBC (Macau), S.A. relativas ao ano de 2017, nos termos das Normas de Auditoria e Normas Técnicas de Auditoria da Região Administrativa Especial de Macau. No nosso relatório, datado de 21 de Março de 2018, expressámos uma opinião sem reservas relativamente às demonstrações financeiras das quais as presentes constituem um resumo.

As demonstrações financeiras a que se acima se alude compreendem o balanço, à data de 31 de Dezembro de 2017, a demonstração de resultados, a demonstração de alterações no capital próprio e a demonstração de fluxos de caixa relativas ao ano findo, assim como um resumo das politícas contabilísticas relevantes e outras notas explicativas.

As demonstrações financeiras resumidas preparadas pela gerência resultam das demonstrações financeiras anuais auditadas e dos livros e registos do sociedade. Em nossa opinião, as demonstrações financeiras resumidas são consistentes, em todos os aspectos materiais, com as demonstrações financeiras auditadas e os livros e registos do sociedade.

Para a melhor compreensão da posicão financeira do sociedade e dos resultados das suas operações, no período e âmbito abrangido pela nossa auditoria, as demonstrações financeiras resumidas devem ser lidas conjuntamente com as demonstrações financeiras das quais as mesmas resultam e com o respectivo relatório de auditoria.

Lei Iun Mei, Auditor de Contas
KPMG

Macau, 21 de Março de 2018.

Parecer do Fiscal Único

Nos termos do disposto na alínea e) do artigo 24.º dos Estatutos e para os efeitos previstos na mesma disposição legal, o Conselho de Administração da Sociedade Gestora de Fundos de Pensões ICBC (Macau), S.A. entregou a esta sociedade de auditores o relatório de actividades e contas auditado e referente ao exercício de 2017, para efeito de parecer.

Depois de examinados os documentos entregues a esta sociedade, para efeito de emissão de parecer, concluímos que os referidos documentos reflectem, de forma clara, não só a situação patrimonial, mas também a situação financeira e económica da referida Sociedade.

O relatório do Conselho de Administração reflecte, de forma precisa, as actividades promovidas e desenvolvidas pela Sociedade no ano de exercício ora em apreço.

Tendo em atenção o relatório apresentado pelo auditor externo, esta sociedade concorda com o exposto no referido relatório, sendo que os documentos que serviram de base à elaboração das contas reflectem, de forma correcta e real, a situação financeira demonstrada no balanço com data de 31 de Dezembro de 2017, bem como o resultado financeiro do exercício findo em 31 de Dezembro de 2017.

Recapitulado o acima exposto, decidimos aprovar o referido relatório de actividades e contas do Conselho de Administração.

Macau, aos 21 de Março de 2018.

CSC & Associados — Sociedade de Auditores
(representada por Chui Sai Cheong)
Fiscal Único

Lista das instituições em que a Sociedade detém participações superiores a 5% do respectivo capital

N/A

Lista dos accionistas qualificados

Banco Industrial e Comercial da China (Macau), S.A.

Órgãos Sociais

Conselho de Administração

Sr. Wu Long

Presidente

Sr. Huen Wing Ming, Patrick

Administrador

Sr. Cheng Wing Fai, Patrick

Administrador

Sr. Chan Kam Lun

Administrador

Mesa da Assembleia

Sr. Zhu Xiaoping

Presidente

Sr. Zheng Kai

Secretário

Fiscal Único

CSC & Associados — Sociedade de Auditores

(Representada por Sr. Chui Sai Cheong)

Secretário de Sociedade

Sr. Zheng Kai

Secretário


SOCIEDADE FINANCEIRA ICBC (MACAU) CAPITAL, S.A.

Balanço anual em 31 de Dezembro de 2017

Patacas

Patacas

Patacas

Demonstração de resultados do exercício de 2017

Conta de exploração

Patacas

Conta de lucros e perdas

Patacas

O Presidente do Conselho de Administração

Wu Long

Síntese do Relatório de Actividades

No ano de dois mil e dezassete, a Sociedade Financeira ICBC (Macau) Capital, S.A., perante um ambiente económico externo complicado, continuou a seguir a tendência para um desenvolvimento sustentável, tendo atingido lucros avaliados em oito milhões, trezentas e vinte mil Patacass, após a dedução de impostos, o que representa um aumento de 75,01% em relação ao ano transacto. Até ao final do ano de 2017, o activo total da Sociedade ascendia a cento e vinte e três milhões de Patacass, o que representa um crescimento de 7,37% em relação ao ano transacto.

Norteando-se pela estratégia global de desenvolvimento implementada pelo Banco Industrial e Comercial da China (Macau), S.A. e pelo plano de desenvolvimento do sector financeiro com características próprias de Macau, a Sociedade, no futuro, retirando vantagens da rede, marca, recursos financeiros e técnicos do Grupo ICBC, irá dar grande contributo nas áreas de negócios recíprocos de investimento transfronteiriço, investimento nas reservas orçamentais do Governo e crescimento financeiro dos residentes, empenhando-se no crescimento financeiro sustentável dos seus activos, fortalecendo continuamente o controlo do risco e assegurando aos seus clientes uma retribuição mais estável e forte dos seus investimentos, dando mais impulso ao desenvolvimento económico e social de Macau e do sector financeiro com características próprias de Macau.

Macau, aos 21 de Março de 2018.

Wu Long
Presidente do Conselho de Administração

Relatório de Auditor Independente sobre Demonstrações Financeiras Resumidas

Para os accionistas da Sociedade Financeira ICBC (Macau) Capital, S.A.
(Sociedade Anónima constituída em Macau)

Procedemos à auditoria das demonstrações financeiras da Sociedade Financeira ICBC (Macau) Capital, S.A. relativas ao ano de 2017, nos termos das Normas de Auditoria e Normas Técnicas de Auditoria da Região Administrativa Especial de Macau. No nosso relatório, datado de 21 de Março de 2018, expressámos uma opinião sem reservas relativamente às demonstrações financeiras das quais as presentes constituem um resumo.

As demonstrações financeiras a que se acima se alude compreendem o balanço, à data de 31 de Dezembro de 2017, a demonstração de resultados, a demonstração de alterações no capital próprio e a demonstração de fluxos de caixa relativas ao ano findo, assim como um resumo das politícas contabilísticas relevantes e outras notas explicativas.

As demonstrações financeiras resumidas preparadas pela gerência resultam das demonstrações financeiras anuais auditadas e dos livros e registos do sociedade. Em nossa opinião, as demonstrações financeiras resumidas são consistentes, em todos os aspectos materiais, com as demonstrações financeiras auditadas e os livros e registos do sociedade.

Para a melhor compreensão da posicão financeira do sociedade e dos resultados das suas operações, no período e âmbito abrangido pela nossa auditoria, as demonstrações financeiras resumidas devem ser lidas conjuntamente com as demonstrações financeiras das quais as mesmas resultam e com o respectivo relatório de auditoria.

Lei Iun Mei, Auditor de Contas
KPMG

Macau, 21 de Março de 2018

Parecer do Fiscal Único

Nos termos do disposto na alínea e) do artigo 23.º dos Estatutos e para os efeitos previstos na mesma disposição legal, o Conselho de Administração da Sociedade Financeira ICBC (Macau) Capital, S.A. entregou a esta sociedade de auditores o relatório de actividades e contas auditado e referente ao exercício de 2017, para efeito de parecer.

Depois de examinados os documentos entregues a esta sociedade, para efeitos de emissão do parecer, concluímos que os referidos documentos reflectem, de forma clara, não só a situação patrimonial, mas também a situação financeira e económica da referida Sociedade.

O relatório do Conselho de Administração reflecte, de forma precisa, as actividades promovidas e desenvolvidas pela Sociedade no ano de exercício ora em apreço.

Tendo em atenção o relatório apresentado pelo auditor externo, esta sociedade concorda com o exposto no referido relatório, sendo que os documentos que serviram de base à elaboração das contas reflectem, de forma correcta e real, a situação financeira demonstrada no balanço com data de 31 de Dezembro de 2017, bem como o resultado financeiro do exercício findo em 31 de Dezembro de 2017.

Recapitulando o acima exposto, decidimos aprovar o referido relatório de actividades e contas do Conselho de Administração.

Macau, aos 21 de Março de 2018.

CSC & Associados – Sociedade de Auditores
(Representada por Chui Sai Cheong)
Fiscal Único

Lista das instituições em que a Sociedade detém participações superiores a 5% do respectivo capital

N/A

Lista dos accionistas qualificados

Banco Industrial e Comercial da China (Macau), S.A.

Órgãos Sociais

Conselho de Administração

Sr. Wu Long

Presidente

Sr. Huen Wing Ming, Patrick

Administrador

Sr. Cheng Wing Fai, Patrick

Administrador

Sra. Lin Zi

Administradora

Mesa da Assembleia

Sr. Zhu Xiaoping

Presidente

Sr. Huen Chung Yuen, Ian

Vice-Presidente

Sr. Zheng Kai

Secretário

Fiscal Único

CSC & Associados – Sociedade de Auditores

(Representada por Sr. Chui Sai Cheong)

Secretário de Sociedade

Sr. Zheng Kai

Secretário


    

Versγo PDF optimizada para Adobe Reader 7.0 ou superior.
Get Adobe Reader