Número 21
II
SÉRIE

Quarta-feira, 25 de Maio de 2016

REGIÃO ADMINISTRATIVA ESPECIAL DE MACAU

      Anúncios notariais e outros

第 一 公 證 署

證 明

綠野之友協會

為公佈的目的,茲證明上述社團的設立章程文本自二零一六年五月十三日起,存放於本署的社團及財團存檔文件內,檔案組2號070/2016。

綠野之友協會章程

(一)宗旨

1. 本會中文名稱為﹕“綠野之友協會”,中文簡稱為“ 綠野之友”,英文名稱為:“Greenfriends Association”,英文簡稱為:“GA”。

2. 本會為非牟利團體,目的是透過行山、野餐、露營、參觀、種植農作物、淨山、淨灘等郊野活動,認識大自然多姿多彩的生態系統,宣揚大自然一草一木皆為人類的好朋友,要好好守護及相互共存。另外舉辦淨山、淨灘、環保、自然教育等活動向下一代教育保護大自然的重要性,讓都市小孩尋找跟山野之間的連結,培養小孩的勇氣、智慧及善良的品德。

3. 本會地址:澳門新勝街3A地下。經本會會員大會決議,本會會址可遷往澳門任何地方。

(二)會員資格、權利與義務

4. 凡本澳守護大自然及喜愛戶外郊野活動者,願遵守會章,經理事會通過,便成會員。

5. 會員有下列權利和義務:

(1)選舉權與被選舉權;

(2)可對會務提出批評及建議;

(3)參加本會各項活動;

(4)遵守會章及決議;

(5)繳納會費。

6. 會員如違反會章或損害本會聲譽,經理事會通過,可取消其資格。

(三)組織架構

7. 會員大會為本會最高權力機構,設會長一人主持大會,任期三年。會員大會職權如下:

(1)制定或修改會章;修改章程之決議,必須獲出席會員四分三之贊同票。

(2)選舉或罷免會員大會及理監事會成員;

(3)決定會務及發展方向。

8. 理事會為本會執行機關,設理事長一人,副理事長一人、理事若干(總人數必為單數),任期三年;

其職權如下:

(1)籌備召開會員大會;

(2)執行會員大會決議;

(3)向會員大會報告工作和財務狀況;

(4)決定會員的接納或除名。

9. 監事會為本會監察機構,負責稽核及督促理事會各項工作,設監事長一人,副監事長一人,監事若干(總人數必為單數),任期三年。

(四)會議

10. 會員大會每年最少召開一次,如有需要,理事會可召開會員大會,而大會決議取決於出席會員之絕對多數票方得通過;但法律另有規定者除外。大會之召集須最少提前八日以掛號信或簽收之方式,召集書內應指出會議之日期、時間、地點及議程。

11. 理事會、監事會每四個月召開一次會議,如有特殊情況可臨時召開。

12. 解散或延長本會存續期之決議,必須獲全體會員四分三之贊同票。

(五)經費

13. 社會贊助及會費。

二零一六年五月十三日於第一公證署

公證員 盧瑞祥


2.º CARTÓRIO NOTARIAL DE MACAU

CERTIFICADO

澳門中山國際青年商會

為公佈的目的,茲證明上述社團的設立章程文本已於二零一六年五月十二日存檔於本署2016/ASS/M3檔案組內,編號為132號。該設立章程文本如下:

澳門中山國際青年商會章程

第一章

總則

第一條──本會中文名稱為:「澳門中山國際青年商會」,簡稱:「澳中青商」;英文名稱為:「Macau Zhongshan International Junior Chamber of Commerce」,簡稱:「MZIJCC」。本章程以下簡稱:「本會」。

第二條──本會宗旨:立足澳門,背靠中山,聯動全球。聚集各界不同範疇的愛國愛澳青年專業人士,推動澳門、中山聯動全球經貿商業活動發展。

第三條──本會會址設於澳門南灣湖景大馬路796-818號財神商業中心16樓A。於有需要時可遷往本澳其他地區。

第二章

會員

第四條──凡有意或已於澳門或中山從事商務活動,並認同本會宗旨,且年齡介乎於十八至五十歲之間的人士,皆有條件提出入會申請;有關之入會申請,應以書面形式向本會提交,經本會議決並同意通過後,皆可成為會員。

第五條──會員退會,應提前一個月以書面形式向理事會申請,並繳清欠交本會的款項,經理事會批准方為有效。

第三章

權利及義務

第六條──凡本會會員可享有以下權利:

1. 選舉、被選舉權及罷免權;

2. 使用本會提供的設施及褔利;

3. 對本會工作提出讚揚、批評及建議;

4. 出席會員大會,享有提案權和投票權;

5. 參與本會舉辦的各項活動;

6. 法律、章程及內部規章賦予的其他權利。

第七條──會員有下列之義務:

1. 遵守本會章程、內部規章及會員大會、理事會、監事會之各項決議;

2. 須按章繳納基金及會費;

3. 積極參加本會各項活動,推動會務發展及促進會員間的互相合作;

4. 為本會的發展和聲譽作出貢獻;

5. 不得作出破壞本會聲譽及損害本會利益的行為;

6. 法律、章程及內部規章賦予的其他義務。

第四章

組織

第八條──本會最高權力機關為會員大會,其職權如下:

1. 修改及解釋章程;

2. 制定、審議及通過內部規章;

3. 選舉會長、理事會及監事會成員;

4. 決定本會工作方針、計劃及重大事項;

5. 審議及通過理事會提交之各項議案、工作報告及年度帳目;

6. 審議及通過監事會提交的工作報告及意見書;

7. 任免會員大會主席團、理事會及監事會成員;

8. 討論和議決附屬組織成立之申請;

9. 審核附屬組織章程及補充規則;

10. 法律、章程和內部規章所賦予之其他權限。

第九條──會員大會由所有會員組成,並設主席團。主席團設會長一人,常務副會長及或副會長若干人,由會員大會選舉產生,任期三年,連選得連任。會長為本會會務最高負責人,主持會員大會,對外代表本會。

第十條──常務委員會為會員大會的常設機關,對會員大會負責。常務委員會由主席、副主席、理事長、監事長及其他主要成員組成,並由會長兼任委員會主席,常務副會長或副會長兼任委員會副主席,其餘者均為委員,任期三年,連選得連任。常務委員會可出席理事會會議,常務理事會議,監事會會議,並有發言權和表決權。常務委員會在會員大會休會期間處理其日常事宜,負責統籌本會的日常運作,並在必要時參與理事會工作。

常務委員會職權如下:

1. 除第八條第1項、第3項、第5項、第6項及第7項之權限為會員大會專屬外,第八條其餘所指的權限,在會員大會休會期間亦屬常務委員會的權限;

2. 理事會或監事會制定與法律、本章程或會員大會決議相抵觸的規則和決定時,將其發還予理事會或監事會重議而使其失效;

3. 處理對理事會、監事會及專項委員會的決定所提起之上訴;

4. 議決成立專項委員會,並任免有關委員;

5. 聽取理事會、監事會及專項委員會的工作報告,並由有關機關或委員會跟進處理;

6. 法律、章程和內部規章所賦予之其他權限。

第十一條──理事會為本會的行政管理機關,對會員大會負責。由會員大會選舉產生組成,理事會設理事長一人,常務副理事長及或副理事長若干人,理事若干人,理事會任期三年,連選得連任。理事會總人數須為單數,理事長協助會長處理本會事務及領導理事會處理本會各項會務工作,如理事長因事未能處理會務及未能主持理事會議則由常務副理事長或副理事長代之。

理事會職權如下:

1. 執行會員大會及常務委員會之決議;

2. 向會員大會報告工作及提出建議;

3. 制定本會之內部規章草案,並送交會員大會審議;

4. 制定本會之行政規則,並送交會員大會備案;

5. 組織各部門,協調及籌辦活動;

6. 編製年度工作計劃及年度財政預算,提交予監事會給予意見,並提交予會員大會審議;

7. 編製年度工作報告及年度財政報告,提交予監事會給予意見,並提交予會員大會審議;

8. 組織工作委員會,統籌有關工作;

9. 履行法律、章程及內部規章賦予之其他權限。

第十二條──本會屬具法人資格組織,凡需與特區政府各有關機構簽署文件時,得由會長或理事長代表,或經由理事會議決定推派代表簽署。

第十三條──監事會為本會監察機關,對會員大會負責。由會員大會選舉產生組成,監事會任期三年,連選得連任。監事會總人數須為單數,監事會設:監事長一人,副監事長若干人,監事若干人。

監事會職權如下:

1. 執行會員大會及常務委員會之決議;

2. 監督本會理事會的運作,查核本會之財產,並就有關事項提出書面意見;

3. 處理對本會作出的建議及投訴;

4. 制定本會之內部規章草案,並送交常務委員會審議;

5. 對理事會工作報告及財政報告制訂意見書,提交會員大會審議;

6. 履行法律、章程及內部規章所載之其他權限。

第十四條──本會視工作需要,經常務委員會通過後,得聘請社會人士及對本會有卓越貢獻之人士為包括但不限於榮譽、名譽會長,名譽顧問,會務顧問,法律顧問,醫事顧問。

第四章

會議

第十五條──會員大會須每年最少舉行一次,由理事會召集,每次召開會員大會最少於開會八天前以掛號信或透過簽收之方式通知並發出具有會議日期、時間、地點及議程的召集書。出席人數以超過會員總人數一半方為有效。如出席人數不足會員總人數一半時,於通知書指定時間三十分鐘後再作召集,屆時不論出席人數多寡,會員大會均得召開,未能出席之會員不可以授權方式委托其他會員代為投票表決。如有三分之二以上會員聯署時得召開特別會員大會。修改章程之決議,須獲出席會員四分之三之贊成票方能通過。解散法人或延長法人存續期之決議,須獲全體會員四分之三之贊成票方能通過。

第十六條──理事會每年最少一次例會,會議人數需超過理事會一半人數出席方可召開。監事會於有需要時隨時召開,會議人數需超過監事會一半人數出席方可召開。

第五章

經費

第十七條──會員入會時繳交會費,會費由本會內部規章訂定。

第十八條──本會經費來源得接受社會各界人士及會員之捐獻。

第十九條──本會經費收支,須由理事會作出結算並製定報告,經會員大會或常務委員會通過。

第二十條──本章程未有列明之處,概由會員大會或常務委員會制定之內部規章施行,並受澳門特別行政區現行法規規範。

二零一六年五月十二日於第二公證署

一等助理員 黃慧華Wong Wai Wa


2.º CARTÓRIO NOTARIAL DE MACAU

CERTIFICADO

澳門休閒餐飲文化協會

為公佈的目的,茲證明上述社團的設立章程文本已於二零一六年五月十三日存檔於本署2016/ASS/M3檔案組內,編號為138號。該設立章程文本如下:

澳門休閒餐飲文化協會

第一章

總則

第一條

名稱

中文:“澳門休閒餐飲文化協會”。葡文名:“Associação Cultural de Jantar Casual de Macau”。英文名:“Macao Casual Dining Culture Association”。

第二條

會址

澳門馬濟時總督大馬路361及365號地下M,N座。經理事會決議,會址得遷往任何地方。

第三條

宗旨

本會為非牟利團體,宗旨是以促進及推廣澳門休閒餐飲文化發展,加強與世界各地休閒餐飲文化交流;致力團結對休閒飲食文化有興趣的人士,培育相關人才;並參與對澳門有貢獻之活動。

第二章

會員

第四條

會員資格

凡認同本會宗旨及具有法律行為能力的自然人,可自薦或由本會會員推薦,經理事會批准,均可成為正式會員。

第五條

會員的義務

1. 遵守本會章程、會員大會及理事會的決議等;

2. 貫徹本會宗旨,支持及協助有關會務工作及發展;

3. 協助推動本會的發展及促進會員間之合作;

4. 維護本會的合法權益和尊嚴。

第六條

會員的權利

1. 有會員大會投票權;

2. 有本會領導機關成員選舉和被選舉權;

3. 有提出建議及異議的權利;

4. 有參與本會活動及享受本會的福利的權利;

5. 有退出本會的權利和自由。

第三章

組織

第七條

領導機關

1. 會員大會;

2. 理事會;

3. 監事會。

第八條

會員大會的組成、運作、權限及解散

1. 會員大會為本會最高權力機構,由全體會員組成,每年至少召開一次平常全體會議;

2. 會員大會領導層成員必須為單數,設會長一人,副會長若干人,任期三年;

3. 會員大會會議由會長主持;

4. 會員大會由理事會召集,會員大會領導層可主動、或應監事會、或應不少於三分之一會員的請求召開會員大會,會員大會的召集須最少提前八日以掛號信方式為之,或最少提前八日透過簽收方式而為之,召集書內須載明會議的日期、時間、地點和議程;

5. 審議由理事會提交的修改章程議案,該修改章程的決議,須獲出席會員四分之三之贊同票;而解散法人或延長法人存續期之決議,須獲全體會員四分之三之贊同票;

6. 選舉會員大會領導層成員、理事會及監事會成員;

7. 審議理事會的年度工作報告及賬目、監事會的意見書。

第九條

理事會的組成、運作及權限

1. 理事會是本會的執行機構,直接向會員大會負責。在會員大會閉會期間,理事會需執行會員大會通過的決議,並以理事會決議的方式,開展各項會務活動;

2. 理事會設理事長一人、副理事長二人、秘書長一人及理事若干人,但成員總數必須為單數;任期與會員大會領導層任期相同;

3. 理事長主持理事會日常會務,副理事長協助;理事長因故不能視事或出缺時,由理事長指定一名副理事長或秘書長代理其職務;

4. 編制年度工作報告及賬目,並將之提交會員大會審議;

5. 制定本會機構成員的內部規章,並給予會員大會備案;

6. 理事會視乎需要定期召開會議處理事務。

第十條

監事會的組成、運作及權限

1. 監事會是本會的監督機構,其職權為監督理事會開展的工作,並向會員大會撰寫意見書;

2. 監事會設監事長一人,副監事長,監事若干人,但成員總數必須為單數;任期與會員大會領導層任期相同;

3. 監事會可視乎需要,定期召開會議。

第十一條

其他職位

為了推進會務,經理事會建議,及會員大會備案,可聘請社會人士擔任榮譽會長、名譽會長或顧問,任期與會員大會領導層任期相同。

第四章

經費

第十二條

經費

本會為非牟利團體,收入來自會員繳納的會費,或舉辦活動所獲得的資助或收入,本會得接受政府或其他機構撥款資助,還可接受不附帶條件的捐贈、資助等。

第五章

其他

第十三條

補充法律

本章程未有規定的,補充適用澳門特別行政區現行法律。

二零一六年五月十三日於第二公證署

一等助理員 黃慧華Wong Wai Wa


CARTÓRIO NOTARIAL DAS ILHAS

CERTIFICADO

中國延安幹部學院澳門校友會

為公佈的目的,茲證明上述社團的設立章程文本自二零一六年五月十一日起,存放於本署之“2016年社團及財團儲存文件檔案”第1/2016/ASS檔案組第29號,有關條文內容載於附件。

中國延安幹部學院澳門校友會

章程

第一章

總則

第一條——本會中文名稱為“中國延安幹部學院澳門校友會”。英文名稱為“Macau Alumni Association of China Executive Leadership Academy of Yan’an”。

第二條——本會宗旨:

1. 宣揚愛國愛澳及延安精神;

2. 是遵守澳門特別行政區法律、法規和國家政策,遵守社會道德風尚;

3. 增進澳門與內地之間的交流與合作,促進澳門社會經濟發展;

4. 繼承和發揚中國延安幹部學院的優良傳統,聯絡和服務校友,增進校友之間的交流和合作,促進校友和學院的共同發展。

第三條——本會是非牟利社團,其存續不設期限。

第四條——本會會址設於澳門羅理基博士大馬路第一國際商業中心6樓608室,經理事會同意可以遷址澳門任何地方。

第二章

會員

第五條——凡贊同本章程,曾參加中國延安幹部學院學習培訓的澳門居民,均可申請,經本會理事會批准即可成為會員。

第六條——會員可享有下列權利:

1. 出席會員大會,提出意見或建議;

2. 選舉權及被選舉權;

3. 參與本會組織之各項研究及活動;

4. 享受本會一切福利。

第七條——會員應遵守以下義務:

1. 遵守本會章程及會員大會和理事會之決議;

2. 協助推動本會之發展及促進會員間之交流合作;

3. 若當選為本會機構成員,須履行任內之職責;

4. 維護本會聲譽,不得作出有損本會聲譽之行為。

第三章

組織

第八條——本會組織機構包括:會員大會、理事會及監事會。

第九條——本會機構之各成員由會員大會選舉產生,每屆任期三年,連選得連任;唯理事長及監事長只可連選連任一次。

第十條——會員大會

1. 會員大會是本會的最高權力機構,由全體會員參與組成;

2. 會員大會主席團設會長一名、副會長若干名及秘書一名;

3. 會員大會負責制訂和修改本會章程,並履行法律所賦與的一切權力;

4. 會員大會每年召開至少一次,由理事會召集;

5. 大會之召集須最少提前八日以掛號信或簽收之方式而為之,召集書內應指出會議之日期、時間、地點及議程;

6. 修改本會章程之決議,須獲出席會員四分之三的贊同票;

7. 解散或延長本會存續期之決議,須獲全體會員四分之三的贊同票。

第十一條——理事會

1. 理事會為本會執行機構,負責執行會員大會的決議,處理日常會務,召集會員大會並向會員大會會報;

2. 理事會設理事長一名、副理事長若干名、秘書長一名、司庫一名及理事若干名,其組成人數必須為單數;

3. 理事會可根據工作需要而設立若干工作部門以助會務發展;

4. 理事會定期召開會議,必要時理事長可召開特別會議。

第十二條——監事會

1. 監事會設監事長一名、副監事長及監事若干名,其組成人數必須為單數;

2. 監事會負責監督理事會一切行政執行及運作;查核本會之財產;監督各項會務工作之進展,就其監察活動編制年度報告並向會員大會會報。

第十三條——榮譽及名譽職銜

經理事會提名及符合條件的社會知名人士,得聘請為本會榮譽會長、名譽會長或顧問以指導本會工作,任期不可超越該屆理事會之期限。

第十四條——主要會務

1. 聯繫本地校友,舉辦各種聯誼活動;

2. 每年校慶前後,舉辦大型紀念活動,增強校友對母校之思念和校友之間的感情溝通;

3. 加強與母校校友總會之聯絡和服務當地校友;

4. 進行有關延安精神的學術研討和交流。

第十五條——經費

1. 本會經費主要來源:會費、政府或企業資助、其他合法收入;本會亦可接受不附帶任何條件的捐獻;

2. 本會舉辦之活動,如有需要時,經理事會通過,可向本會會員、社會人士、政府及團體機構等籌集之。

第十六條——附則

本章程經會員大會討論通過後,公布施行。如有未盡事宜,得由會員大會通過並修改。

二零一六年五月十一日於海島公證署

二等助理員 林潔如


CARTÓRIO NOTARIAL DAS ILHAS

CERTIFICADO

澳門內蒙古商會

為公佈的目的,茲證明上述社團的設立章程文本自二零一六年五月十二日起,存放於本署之“2016年社團及財團儲存文件檔案”第1/2016/ASS檔案組第31號,有關條文內容載於附件。

澳門內蒙古商會

章程

第一條

名稱和會址

(一)本會中文名稱為“澳門內蒙古商會”,葡文名稱為“Associação de Comércio de Mongólia Interior de Macau”,英文名稱為:“Chamber of Commerce of Inner Mongolia (Macau)”。

(二)本會會址設於澳門區華利街1號廣利大廈AN至AU舖,透過理事會決議可將會址遷往澳門任何地方。

第二條

宗旨

本會是一個非牟利的群體社團,宗旨是促進居澳的內蒙古鄉親愛國愛澳愛鄉,維護一國兩制方針;創建公平貿易平臺,發展商機、加強經貿合作、聯絡兩地從事商貿的居民,促進所經營合法性行業;積極支持及參與社會公益事務活動;促進澳門、內蒙古兩地的交流與合作,為兩地的社會繁榮作出貢獻。

第三條

會員資格

凡從事兩地商貿的居民或內蒙古鄉親,認同本會宗旨及願意遵守本會章程,均可申請,申請人必須填妥入會申請表,提交有效證件副本連同照片一張交回理事會。經理事會審核通過,繳納入會會費後,即可成為本會會員;會員有退出本會的自由,但應先向理事會提出書面申請。

第四條

會員的權利

本會會員享有以下權利:

(一)選舉權及被選舉權。

(二)參加會員大會及表決。

(三)按照會章規定請求召開會員大會。

(四)參與本會舉辦的一切活動及享有本會的各項福利。

第五條

會員的義務

本會會員負有以下義務:

(一)遵守會章、內部規章及執行決議。

(二)貫徹本會宗旨,促進會務發展。

(三)參加會務活動和所屬機關的會議。

第六條

紀律

凡違反或不遵守會章,甚至作出任何有損本會聲譽及利益之言行者,經理事會決議後,得取消其會員資格。

第七條

機構及任期

本會組織機構包括會員大會、理事會及監事會。各機構成員每屆任期三年,連選得連任。

第八條

會員大會

(一)會員大會為最高決議機關,決定會務;選舉會員大會、理事會及監事會各成員,修改章程。

(二)會員大會由全體會員組成,設會長一名、常務副會長兩名及副會長若干名。

(三)會長負責主持會員大會和對外代表本會,並協調本會工作。常務副會長及副會長協助會長工作。倘若會長缺席或不能視事時,經會長授權,由常務副會長代行其職務。會長及常務副會長可出席理、監事會議,出席時有發言權及投票權。

(四)會員大會每年召開一次平常會議,討論及通過理事會所提交的工作報告、年度帳目。會員大會須最少提前八日以掛號信或簽收方式通知,通知書內須載明會議日期、時間、地點及議程。

(五)會員大會可在會長、理事會、監事會或不少於四分之一的會員以正當目的提出,而召開特別會員大會。

(六)第一次召集會議,須過半數會員出席方可議決;否則,會議順延半小時召開,屆時不論出席人數多寡,會議均為有效。任何決議需獲出席會員之絕對多數贊同票通過,但法律規定特定多數者除外。

第九條

代理

會員得委託其他會員出席會員大會;為此,受託人須出示一份由委託人簽署的文書作為憑證。

第十條

理事會

(一)理事會是本會行政管理機關,負責執行會員大會決議及處理日常會務。

(二)由五名或以上單數成員組成,設理事長一名、副理事長、常務理事及理事各若干名。

(三)理事會在過半數理事會成員出席時方可議決。如表決票數相同,以會長的一票作為決定票。

(四)配合會務發展,經理事會決議可邀請社會賢達擔任榮譽或名譽會長、顧問及外地顧問,並由會長發出聘書。

(五)修改及通過內部規章。

第十一條

監事會

監事會是本會監察機關,負責監督行政機關運作,由三名或以上單數成員組成,設監事長一名、副監事長及監事各若干名。

第十二條

收入

本會收入包括會員會費及社會各界捐助。

第十三條

附則

(一)本章程經會員大會通過後執行。

(二)本章程之修改權屬於會員大會,修改章程之決議,須獲出席會員四分之三的贊同票。解散法人之決議,須獲全體會員四分之三的贊同票。

二零一六年五月十二日於海島公證署

二等助理員 林潔如


CARTÓRIO NOTARIAL DAS ILHAS

CERTIFICADO

澳門內蒙古文化交流促進會

為公佈的目的,茲證明上述社團的設立章程文本自二零一六年五月十二日起,存放於本署之“2016年社團及財團儲存文件檔案”第1/2016/ASS檔案組第30號,有關條文內容載於附件。

澳門內蒙古文化交流促進會

章程

第一條

名稱、性質及期限

本會中文名稱為“澳門內蒙古文化交流促進會”,葡文名稱為:“Associação de Promoçao Intercâmbio e Cultural de Mongólia Interior de Macau”,﹝以下簡稱“本會”﹞,本會屬非牟利社團。其存續不設期限。本會受本章程及澳門現行適用法律規管。

第二條

會址

本會設於澳門區華利街廣利大廈1號AN至AU舖,經理事會建議,監事會批准,會址可遷至澳門任何地方。

第三條

宗旨

促進澳門特區與中國內蒙古的文化與藝術交流;加強兩地愛國愛澳人士的聯繫和合作;開展各類型建設活動。

第四條

會員

凡申請加入本會者須具備以下任一條件:

(一)認同本會宗旨及願意遵守本會章程者,經申請獲理事會接納、監事會同意、主席團批准後,繳納入會費,方可成為會員。

(二)現任或原任內蒙古澳區人大代表及政協委員、內蒙古各地級市澳區人大代表及政協委員、青聯委員或與內蒙古有聯繫的澳門居民,經本會申請或邀請,主席團確認、監事會同意後均可成為創會會員。

(三)對內蒙古社會、教育、經濟、文化及學術等領域有貢獻的澳門居民,經申請獲理事會接納、主席團確認、監事會同意後,繳納入會費,亦可成為會員。

第五條

會員權利

會員均享有以下權利:

(一)參加會員大會。

(二)選舉權及被選舉權。

(三)對本會會務提建議及意見。

(四)參與本會舉辦的一切活動。

(五)退出本會。

第六條

會員義務

會員須履行以下義務:

(一)遵守本會章程並執行本會的決議。

(二)推動本會會務發展。

(三)參與、支持及協助本會舉辦的活動。

(四)按期繳納會費。

(五)不作出任何有損本會聲譽之言行。

第七條

處分

凡違反本會章程、內部規章及甚至作出任何有損本會聲譽或利益之行為者,將由理事會向會員大會建議,按情節輕重作出警告、嚴重警告或開除會籍等處分;受處分者的上訴權獲保障。

第八條

組織機關

本會的管理機關為:

(一)會員大會。

(二)理事會。

(三)監事會。

第九條

會員大會

(一)會員大會為本會最高權力機構。

(二)會員大會由大會主席團主持,主席團由一名會長、若干名副會長和一名秘書組成,組成人數須為單數。每屆任期三年,連選得連任;如需屆中改選主席團成員,由會員大會決定並制定有關辦法。

(三)會員大會休會期間,會長對外代表本會、對內指導各項會務;副會長負責輔助會長、當會長因故不能視事時,代行會長職務。秘書負責協助會長及副會長工作,並編列會議記錄。

第十條

會員大會的運作

(一)會員大會每年召開一次平常會議;在必要情況下,應會員大會半數會員請求,亦得召開特別會員大會。

(二)會員大會至少提前八天以掛號信或簽收的方式召集,召集書內應註明會議召開的日期、時間、地點和議程。

(1)第一次召集時,最少二分之一會員出席;

(2)第一次召集的時間已屆,如法定人數不足,則於半小時後視為第二次召集,屆時則不論出席的會員人數多少,均視為有效會議。

第十一條

會員大會職權

會員大會職權如下:

(一)修改本會章程及內部規章。

(二)選舉會員大會主席團、理事會及監事會各成員。

(三)審議理事會的工作報告、財務報告及監事會的相關意見書。

(四)通過本會會務方針及作出相應決議。

(五)通過及修訂年度活動計劃及預算。

第十二條

理事會

理事會由三名或以上單數成員組成,設理事長一人、副理事長及理事若干人,每屆任期為三年,連選得連任。

第十三條

理事會職權

理事會為本會會務執行機構,其職權如下:

(一)執行會員大會決議。

(二)處理各項會務工作。

(三)向會員大會提交年度活動計劃及預算報告。

(四)設立項目小組,並任免其成員。

(五)履行法律及章程所賦予之其他義務。

第十四條

監事會

監事會由三名或以上單數成員組成,設監事長一人、副監事長及監事若干人,每屆任期為三年,連選得連任。

第十五條

監事會職權

監事會為本會的監察機構,其職權如下:

(一)監察會員大會決議的執行情況。

(二)監督理事會的運作及各項會務工作的進展。

(三)審議理事會編製的年度工作報告及財務報告。

(四)向會員大會報告工作。

(五)履行法律及章程所賦予之其他義務。

第十六條

經費來源

本會經費來源:

(一)會費。

(二)政府機關、公務法人和社會各界人士和團體的捐助。

(三)其他合法收入。

第十七條

名譽職位

因會務所需,經理事長建議、會長認為適宜、監事會同意後,可敦聘社會人士擔任本會榮譽會長、名譽會長、名譽顧問及顧問等職務,以指導會務發展。

第十八條‭‬

附則

(一)修改本會章程的決議,須獲出席會員四分之三的贊同票。

(二)解散本會的決議,須獲全體會員四分之三的贊同票。

(三)其他本章程尚未列明事項,概按澳門特區現行適用法律處理。

二零一六年五月十二日於海島公證署

二等助理員 林潔如


2.º CARTÓRIO NOTARIAL DE MACAU

CERTIFICADO

澳門望廈青年義務工作者協會

為公佈的目的,茲證明上述社團的修改章程文本已於二零一六年五月十三日存檔於本署2016/ASS/M3檔案組內,編號為137號。該修改章程文本如下:

澳門望廈青年義務工作者協會

會章

第一章

總則

第一條——定義

一、本組織定名為「澳門望廈青年義務工作者協會」,以下稱「本會」。

二、本會葡文全稱為「Associação dos Jovens Voluntários do Mong-Ha de Macau」。

三、本會英文全稱為「Macao Mong Ha Youth Volunteers Association」。

第二條——性質

本會是一個行政自治,由本會協調員直接監督指導的非牟利慈善服務組織。

第三條——宗旨

培養青年人的自治精神、領導及組織能力和公民意識,弘揚愛國愛澳的義工服務精神,關心青年健康成長,發揮義工的合作精神。

第四條——會址

本會會址設於澳門黑沙環東北大馬路445號廣華新村十四座D舖,澳門街坊會聯合總會黑沙環社區服務中心會址內,隨中心會址搬遷而遷往澳門任何地方。

第二章

會員

第五條——會員的資格

凡年滿15至45周歲之本澳青年,認同本會會章者,均可填表申請入會,經理事會審批,即可成為本會會員。

第六條——會員的權利

一、享有選舉權及被選舉權。

二、參加本會舉辦之活動。

三、享有本會提供之福利。

四、可向本會提出批評、表揚和建議。

第七條——會員的義務

一、必須遵守本會的規定及決議。

二、繳納會費。

三、積極支持及參與本會活動。

四、為本會的發展和聲譽作出貢獻。

第八條——會員資格的喪失

於下列任一情況下會員將喪失其資格:

(一)不履行規章制定之義務或違犯本會組織機關作出之有效決議;

(二)被本會開除會籍。

第三章

第一節

第九條——組織及職權

一、會員大會為本會最高權力機構,由所有會員組成,設會員大會會長一名、副會長一名、秘書長一名。

二、會員大會的職權:

(一)制定本會活動的方向。

(二)審批收及修改本會章程。

第十條——產生及任期

會員大會會長、副會長、秘書長及理監事會成員由全體會員投票產生,任期三年,可連任一次。

第十一條——會議

四、會員大會最少每六個月由理事會召集並由會員大會會長主持,會議具體日期、時間、議程和地點由會員大會會長決定,並至少提前兩周以掛號信或簽收方式召集,通知書內須說明會議之日期、時間、地點和議程。

五、一般議案之表決均以舉手及不記名方式作出,表決設贊成、反對及棄權,凡不表示贊成或反對者均當棄權論。

六、一般議案表決時,須有出席者的過半數贊成票才可通過,會員大會會長除本身之票外,遇票數相同時,有權再投一票。

第二節

理事會

第十二條——定義及權力

一、理事會為本會最高執行機關,由理事長、副理事長、秘書長及各部門部長組成,(總人數為單數)。

二、理事會具有下述的權力:

(一)制定年度計劃;

(二)執行會員大會之決議;

(三)每年提交年度工作報告及財務報告。

第十三條——組織及職權

一、理事會設理事長一名、副理事長二名、秘書長一名、幹事若干名。

二、理事長具有下述的職權:

(一)領導理事會工作;

(二)在職權範圍內作出決策及簽署文件;

(三)於理事會上具有發言權及投票權。

三、副理事長具有下述的職權:

(一)協助理事長處理一切事宜;

(二)行使理事長所轉授予的職權;

(三)於理事會上具有發言權及投票權;

(四)理事長未能履行職務或出缺時擔任代理事長。

四、秘書長具下述的職權:

(一)處理該會文件及書信往來;

(二)行使上級所授予的其他職權;

(三)於理事會上具有發言權及投票權;

(四)副理事長未能履行職務或出缺時擔任代副理事長。

第十四條——產生及任期

理事會的所有理事之產生及任期均依據第十條各款所規定。

第十五條——會議

一、理事會會議須每三個月最少召開一次,有該會的二分之一以上全體成員出席方可召開,如未達上述人數,理事長須另定日期重新召開。

二、一般議案之表決均以舉手及不記名方式作出,表決設贊成、反對及棄權,凡不表示贊成或反對者,均當棄權論。

第四節

監事會

第十六條——定義及權力

一、監事會為本會監察會務的機關。

二、監事會具有下述的權力:

(一)監督理事會工作;

(二)對會員大會及理事會的不適當行為提出譴責;

(三)就會員大會及理事會的年度報告及賬目提出意見;

(四)參加會員大會及理事會之會議,且有發言權,但無投票權。

第十七條——組織及職權

一、監事會設監事長一名,副監事長二名。

二、監事長具有下述的職權:

(一)領導監事會工作;

(二)在職權範圍內作出決策及簽署文件。

三、副監事長具有下述的職權:

(一)協助監事長處理一切事宜;

(二)行使監事長所轉授予的職權;

(三)監事長未能履行職務或出缺時擔任代監事長。

第十八條——任期

監事會的所有理事之產生及任期均依據第十條各款規定。

第四章

附則

第十九條——會徽

本會的會徽載於本規章附件,且成為本規章的組成部分。

第二十條——修改本會章程之決議,需獲出席會員四分之三贊同票;解散本會的決議,須獲全體會員四分之三的贊同票。

本章程如有未盡善處,由會員大會修改或按澳門現行有關法例處理。

第二十一條——本會經費源於會員會費、政府及社會機構的贊助。

二零一六年五月十三日於第二公證署

一等助理員 黃慧華Wong Wai Wa


2.º CARTÓRIO NOTARIAL DE MACAU

CERTIFICADO

澳門福建體育會

為公佈的目的,茲證明上述社團的修改章程文本已於二零一六年五月十三日存檔於本署之2016/ASS/M3檔案組內,編號為135號。該修改章程文本如下:

第一章

名稱、會址和宗旨

第一條

本會中文名稱現為:澳門福建體育總會。

葡文名現為:Associação Geral Desportiva dos Naturais Fukien de Macau。

現會址:澳門馬場北大馬路67-71號海景園地下L.M舖。

二零一六年五月十三日於第二公證署

一等助理員 黃慧華Wong Wai Wa


2.º CARTÓRIO NOTARIAL DE MACAU

CERTIFICADO

澳門聲韻曲苑

為公佈的目的,茲證明上述社團的修改章程文本已於二零一六年五月十三日存檔於本署2016/ASS/M3檔案組內,編號為136號。該修改章程文本如下:

第一章第二條——本會會址設於澳門新埗頭街41號地下。

二零一六年五月十三日於第二公證署

一等助理員 黃慧華Wong Wai Wa


2.º CARTÓRIO NOTARIAL DE MACAU

CERTIFICADO

澳門足球星協會

為公佈的目的,茲證明上述社團的修改章程文本已於二零一六年五月十二日存檔於本署2016/ASS/M3檔案組內,編號為133號。該修改章程文本如下:

第二章

會員

第四條

會員資格

認同本會章程者,均可申請入會。

1. 提交入會申請書,經本會理事會討論通過。

2. (一)由本會理事會或授權的機構發給會員證。

(二)理事會成員可兼任會內其他職務。

第五條

會員權利及義務

1. 會員有選舉權及被選舉權,享有本會舉辦一切活動和福利的權利。

2. 會員有遵守會章和決議,以及繳交會費的義務。

第三章

組織機關

第七條

會員大會主席團

(一)會員大會主席團為本會最高權力機構,負責制定或修改會章;選舉會員大會主席團會長、副會長、秘書和理事會、監事會成員;決定會務方針;審查和批准理事會工作報告。

(二)會員大會主席團設會長一名、副會長一名及秘書一名。每屆任期為三年,可連選連任。

(三)會員大會每年舉行一次,至少提前八天透過掛號信或簽收之方式召集,通知書內須註明會議之日期、時間、地點和議程,如遇到重大或特別事項得召開特別會員大會。

第八條

理事會

(一)理事會為本會的行政管理機構,負責執行會員大會決議和管理法人。

(二)理事會由最少三名或以上單數成員組成,設理事長及副理事長各一名。每屆任期為三年,可連選連任。

(三)理事會議每三個月召開一次。會議在有過半數理事會成員出席時,方可議決事宜,決議須獲出席成員的絕對多數贊同票方為有效。

第九條

監事會

(一)監事會為本會監察機構,負責監察理事日常會務運作和財政收支。

(二)監事會由最少三名或以上單數成員組成,設監事長、副監事長各一名。每屆任期為三年,可連選連任。

(三)監事會議每三個月召開一次。會議在有過半數理事會成員出席時,方可議決事宜,決議須獲出席成員的絕對多數贊同票方為有效。

二零一六年五月十二日於第二公證署

一等助理員 黃慧華Wong Wai Wa


2.º CARTÓRIO NOTARIAL DE MACAU

CERTIFICADO

澳門籃球星協會

為公佈的目的,茲證明上述社團的修改章程文本已於二零一六年五月十二日存檔於本署2016/ASS/M3檔案組內,編號為134號。該修改章程文本如下:

第二章

會員

第四條

會員資格

認同本會章程者,均可申請入會。

1. 提交入會申請書,經本會理事會討論通過。

2.(一)由本會理事會或授權的機構發給會員證。

(二)理事會成員可兼任會內其他職務。

第五條

會員權利及義務

1. 會員有選舉權及被選舉權,享有本會舉辦一切活動和福利的權利。

2. 會員有遵守會章和決議,以及繳交會費的義務。

第三章

組織機關

第七條

會員大會主席團

(一)會員大會主席團為本會最高權力機構,負責制定或修改會章;選舉會員大會主席團會長、副會長、秘書和理事會、監事會成員;決定會務方針;審查和批准理事會工作報告。

(二)會員大會主席團設會長一名、副會長一名及秘書一名。每屆任期為三年,可連選連任。

(三)會員大會每年舉行一次,至少提前八天透過掛號信或簽收之方式召集,通知書內須註明會議之日期、時間、地點和議程,如遇到重大或特別事項得召開特別會員大會。

第八條

理事會

(一)理事會為本會的行政管理機構,負責執行會員大會決議和管理法人。

(二)理事會由最少三名或以上單數成員組成,設理事長及副理事長各一名。每屆任期為三年,可連選連任。

(三)理事會議每三個月召開一次。會議在有過半數理事會成員出席時,方可議決事宜,決議須獲出席成員的絕對多數贊同票方為有效。

第九條

監事會

(一)監事會為本會監察機構,負責監察理事日常會務運作和財政收支。

(二)監事會由最少三名或以上單數成員組成,設監事長、副監事長各一名。每屆任期為三年,可連選連任。

(三)監事會議每三個月召開一次。會議在有過半數理事會成員出席時,方可議決事宜,決議須獲出席成員的絕對多數贊同票方為有效。

二零一六年五月十二日於第二公證署

一等助理員 黃慧華Wong Wai Wa


BANCO OCBC WENG HANG, S.A.

Balanço anual em 31 de Dezembro de 2015

MOP

MOP

* As Outras Reservas incluem uma reserva obrigatória no montante de 190,860,863 Patacas. Porque o Banco adopta as Normas de Relato Financeiro de Macau na preparação das suas demonstrações financeiras anuais, as perdas de imparidade com base nas NRFM podem ser inferiores ao nível mínimo de provisões genéricas calculadas de acordo com o Aviso 18/93 da AMCM (o nível mínimo). A referida reserva obrigatória representa, pois, a diferença entre o nível mínimo e as perdas de imparidade nos termos das NRFM (antes dos impostos diferidos de 23,225,562 Patacas). Este mesmo montante, inscrito na linha «Dotações adicionais para provisões conforme RJSF» da Conta de Lucros e Perdas das contas resumidas, está reconciliado entre o «Lucro depois de impostos» e os «Resultados do ano» de acordo com as regras da RJSF na Conta de exploração das demonstrações financeiras auditadas anuais.

MOP

Demonstração de resultados do exercício de 2015

Conta de exploração

MOP

Conta de lucros e perdas

澳門幣

MOP

O Gerente-Geral, O Chefe da Contabilidade,
Lee Tak Lim Lou Pou Hong

Inventário de participações financeiras

em 31 de Dezembro de 2015

Quadro a publicar ao abrigo do artigo 75.º do R.J.S.F.

SÍNTESE DO RELATÓRIO DAS ACTIVIDADES

A economia de Macau registou um período difícil em 2015 devido às receitas anuais do jogo terem decrescido nos últimos dezanove meses, e o Produto Interno Bruto real teve uma redução de 20,3% no ano transacto. Porém, apesar do difícil ambiente económico, o Banco conseguiu um crescimento satisfatório em todas as divisões de negócios. Não obstante a fraca procura de empréstimos em geral, o Banco registou um aumento de 1% no valor global dos empréstimos, e apesar da forte quebra das transacções de imóveis, o Banco conseguiu um crescimento satisfatório nas actividades de hipoteca, em resultado da oferta de pacotes de empréstimo personalizados aos clientes-alvo. O Banco continuou a fortalecer a sua posição na área de financiamento automóvel e de consumo, tendo registado um crescimento de 15% neste âmbito. A margem financeira líquida melhorou com a execução de uma estratégia eficaz de gestão de activos e passivos, e o rácio empréstimos/depósitos manteve-se a um nível saudável de 77%. Com uma política prudente de concessão de empréstimos, a qualidade dos activos do Banco mantém-se sólida. A proporção de empréstimos malparados para o total de empréstimos foi mantida ao baixo nível de 0,12%, até ao final de 2015.

No que respeita a rendimentos sem incidência de juros, o Banco registou um crescimento satisfatório nas áreas principais como cartões de crédito, corretagem de títulos, seguros e gestão de património. No primeiro trimestre de 2015, o Banco adicionou várias funções à sua plataforma de transação de títulos on-line para satisfazer as necessidades dos clientes. A gestão de património produziu resultados satisfatórios em consequência da capitalização do Banco na ampla gama de produtos e na experiência do Grupo OCBC em providenciar produtos de gestão de património de excelência aos nossos clientes.

Graças ao forte apoio e confiança da clientela, os lucros operacionais obtidos pelo Banco aumentaram 12,4% num valor recorde de 433 milhões de Patacas comparados com o valor de 385 milhões de Patacas em 2014. O total do fundo dos accionistas totalizou 3.430 milhões de Patacas representando um crescimento de 10,7% em relação ao valor de 2014. As rentabilidades médias no fundo dos accionistas foram 11,6%. Até ao final de 2015, o rácio de adequação de fundos próprios do Banco manteve-se ao nível saudável de 13,7%.

Olhando para o futuro, o ambiente de exploração de actividades continuará repleto de desafios. Enquanto acompanhamos de perto a nossa carteira de créditos durante o declínio económico, acreditamos que a nossa política prudente de concessão de empréstimos significa que a actual carteira de créditos se mantém forte. O Banco continuará atento aos eventuais riscos da recessão económica. Com o apoio contínuo dos clientes, mais os esforços dos nossos colegas e o forte apoio do Grupo OCBC, estamos confiantes na manutenção da competitividade do Banco no mercado.

Por fim, gostaria de aproveitar desta oportunidade para agradecer a todos os clientes pelo contínuo apoio e confiança. Gostaria também de agradecer a todo o pessoal pelo alto padrão de serviço prestado aos clientes e pelos esforços que produziram bons resultados ao Banco em 2015.

Parecer do Conselho Fiscal

O balanço, a demonstração de resultados e a conta de exploração e lucros e perdas deste Banco, respeitantes ao exercício do ano findo em 31 de Dezembro de 2015, foram elaborados nos termos da lei bancária e auditados pela KPMG e segundo o nosso Parecer, as mesmas corresponderam às regras de contabilidade bancária, sendo, portanto, documentos suficientes para mostrar a real situação financeira deste Banco até 31 de Dezembro de 2015, e o lucro apurado do exercício que terminou nesta data.

O Presidente do Conselho Fiscal
Lo Wai Ching Maggie.

Macau, 15 de Março de 2016.

Síntese do Parecer dos Auditores Externos

Para os accionistas do Banco OCBC Weng Hang, S.A.
(Sociedade Anónima constituída em Macau)

Procedemos à auditoria das demonstrações financeiras do Banco OCBC Weng Hang, S.A. relativas ao ano de 2015, nos termos das Normas de Auditoria e Normas Técnicas de Auditoria da Região Administrativa Especial de Macau. No nosso relatório, datado de 15 de Março de 2016, expressámos uma opinião sem reservas relativamente às demonstrações financeiras das quais as presentes constituem um resumo.

As demonstrações financeiras a que acima se alude compreendem o balanço, à data de 31 de Dezembro de 2015, a demonstração de resultados, a demonstração de alterações no capital próprio e a demonstração de fluxos de caixa relativas ao ano findo, assim como um resumo das políticas contabilísticas relevantes e outras notas explicativas.

As demonstrações financeiras resumidas preparadas pela gerência resultam das demonstrações financeiras anuais auditadas e dos livros e registos do banco. Em nossa opinião, as demonstrações financeiras resumidas são consistentes, em todos os aspectos materiais, com as demonstrações financeiras auditadas e os livros e registos do banco.

Para a melhor compreensão da posição financeira do banco e dos resultados das suas operações, no período e âmbito abrangido pela nossa auditoria, as demonstrações financeiras resumidas devem ser lidas conjuntamente com as demonstrações financeiras das quais as mesmas resultam e com o respectivo relatório de auditoria.

Ieong Lai Kun, Auditor de Contas.
KPMG.

Macau, 15 de Março de 2016.

BANCO OCBC WENG HANG, S.A.
 
Lista dos accionistas qualificados
OCBC WING HANG BANK LIMITED
CONSTITUÍDA EM HONG KONG
Nomes dos titulares dos órgãos sociais:
Conselho de Administração
Sr. NA WU-BENG, presidente
Sr.ª KNG HWEE-TIN, administradora
Sr. FRANK JOHN WANG, administrador
Sr. LEE TAK-LIM, administrador
Sr. YUEN SUI-CHI STANLEY, administrador
Sr. WONG CHUN-KAU STEPHEN, administrador
Sr. CHAN HAN-WO, administrador
Sr. FUNG YUK SING MICHAEL, administrador
Conselho Fiscal
Sr.ª LO WAI-CHING MAGGIE, presidente
Sr. TSE HAU-YIN, membro
Sr. LEUNG CHIU-WAH, membro
Assembleia Geral
Sr. LEE TAK-LIM, presidente
Sr. FRANK JOHN WANG, vice-presidente
Sr. YUEN SUI-CHI STANLEY, secretário
 

CHONG HING BANK LIMITED, SUCURSAL DE MACAU
Balanço anual em 31 de Dezembro de 2015

MOP

MOP

Demonstração de resultados do exercício de 2015

Conta de exploração

MOP

MOP

Contas de lucros e perdas

MOP

O Gerente, A Chefe da Contabilidade,
Lau Hing Keung Choi Ka Ching

Síntese do relatório de actividades

O mercado financeiro mundial está cada vez mais complexo, embora a conjuntura de exploração em 2015 tinha muitos desafios. Temos prosseguido desde sempre o conceito de “servir em primeiro lugar os clientes” e “prestar um serviço profissional” de Chong Hing Bank, persistindo em desenvolver operações através da gestão de risco com prudência, e este ano as actividades do banco desenvolveram-se sem grandes problemas e os resultados operacionais foram excelentes.

Até 31 de Dezembro de 2015, este banco teve em termos operacionais receita líquida no valor de 53,34 milhões patacas (doravante, a mesma moeda monetária), com um aumento de 115%, em comparação com o ano transacto, e o lucro anual deduzido de impostos foi de 27,02 milhões, registando um aumento substancial de 176%. O total de depósitos dos clientes foi de 240 milhões, representando um aumento de 10%. O total de empréstimos aos clientes atingiu o valor de 2.450 milhões, registando um aumento substancial de 107% e o total dos activos situou-se em 2.710 milhões, registando um aumento de 97%.

Para o ano de 2016, este banco vai continuar a aproveitar as oportunidades existentes, e com o grande apoio da Sede, empenhar-se-á em elevar a competitividade inovadora, garantindo proporcionar aos clientes produtos e serviços de melhor qualidade, retribuindo aos cidadãos de Macau em virtude da confiança e do apoio demonstrado.

Gerente: Lau Hing Keung

RELATÓRIO DO AUDITOR EXTERNOS SOBRE AS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS RESUMIDOS

PARA A GERÊNCIA DO CHONG HING BANK LIMITED, SUCURSAL DE MACAU

As demonstrações financeiras resumidas anexas do Chong Hing Bank Limited, Sucursal de Macau (a Sucursal) referentes ao exercício findo em 31 de Dezembro de 2015 resultam das demonstrações financeiras auditadas e dos registos contabilísticos da Sucursal referentes ao exercício findo naquela data. Estas demonstrações financeiras resumidas, as quais compreendem o balanço em 31 de Dezembro de 2015 e a demonstração dos resultados do exercício findo naquela data, são da responsabilidade da Gerência da Sucursal. A nossa responsabilidade consiste em expressar uma opinião, unicamente dirigida a V. Exas. enquanto Gerência, sobre se as demonstrações financeiras resumidas são consistentes, em todos os aspectos materiais, com as demonstrações financeiras auditadas e com os registos contabilísticos da Sucursal, e sem qualquer outra finalidade. Não assumimos responsabilidade nem aceitamos obrigações perante terceiros pelo conteúdo deste relatório.

Auditámos as demonstrações financeiras da Sucursal referentes ao exercício findo em 31 de Dezembro de 2015 de acordo com as Normas de Auditoria e Normas Técnicas de Auditoria emitidas pelo Governo da Região Administrativa Especial de Macau, e expressámos a nossa opinião sem reservas sobre estas demonstrações financeiras, no relatório de 25 de Abril de 2016.

As demonstrações financeiras auditadas compreendem o balanço em 31 de Dezembro de 2015, a demonstração dos resultados, a demonstração de alterações nas reservas e a demonstração dos fluxos de caixa do exercício findo naquela data, e um resumo das principais políticas contabilísticas e outras notas explicativas.

Em nossa opinião, as demonstrações financeiras resumidas são consistentes, em todos os aspectos materiais, com as demonstrações financeiras auditadas e com os registos contabilísticos da Sucursal.

Para uma melhor compreensão da posição financeira da Sucursal, dos resultados das suas operações e do âmbito da nossa auditoria, as demonstrações financeiras resumidas em anexo devem ser lidas em conjunto com as demonstrações financeiras auditadas e com o respectivo relatório do auditor independente.

Cheung Pui Peng Grace
Auditor de contas
PricewaterhouseCoopers

Macau, 25 de Abril de 2016


BANCO COMERCIAL DE MACAU, S.A.

(Publicações ao abrigo do artigo 75 do RJSF aprovado pelo Decreto-Lei n.º 32/93M, de 5 de Julho)

Balanço anual em 31 de Dezembro de 2015

Valores em Patacas

Valores em Patacas

Demonstração de resultados do exercício de 2015

Conta de exploração

Valores em Patacas

Conta de lucros e perdas

Valores em Patacas

O Chefe da Contabilidade, Pelo Conselho de Administração,
Chit-Kwan Wong (Vincent Wong) Yiu-Fai Kong (Eddie Kong)
Sou-Chao Chan (Kenneth Chan)
Alick Yuk-Fai Chiu

Macau, aos 11 de Maio de 2016.

Banco Comercial de Macau, S.A.

Visão Geral de Negócios de 2015

Com o desenvolvimento cada vez mais diversificado de Macau, em 2015, o PIB atingiu 368.7 mil milhões patacas, tendo-se verificado uma quebra de 20,3% em relação ao ano passado. Nesse período, a indústria do jogo diminuiu 33,4% e a de outros serviços de turismo registou uma diminuição de 11,6%; outros sectores da economia tiveram um desempenho lento, entre os quais o crescimento anual do investimento em capital fixo abrandou para 0,9%; o consumo privado e os gastos finais do Governo subiram 2,4% e 4,2%, respectivamente; a exportação de mercadorias aumentou 10,2% e as importações aumentaram 0,1%. O PIB per capita de Macau atingiu 574,790 patacas, verificando-se um decréscimo de 22,8%. Neste período, as empresas de Macau tiveram maior desenvolvimento nas actividades não ligadas ao jogo; a promoção da diversificação económica também trouxe novas oportunidades para o sector financeiro, tendo este Banco atingido mais uma vez um sucesso histórico neste ano.

Em 31 de Dezembro de 2015, o Banco registou um lucro líquido de 198 milhões patacas, representando um aumento de 23% em relação ao ano passado. O activo líquido atingiu 18.5 mil milhões patacas, o que representa um aumento de 7,4%. Além disso, o total de empréstimos foi de 12.2 mil milhões de patacas, representando um aumento anual de 5,2%. Entretanto, o total de depósitos atingiu 16.4 mil milhões de patacas, tendo-se registado um aumento de 7,4%.

Olhando para o ano de 2016, a procura externa mostra debilidade contínua, pelo que a sustentabilidade da recuperação da economia dos EUA espera a ser confirmada, e os outros países adoptam políticas monetárias acomodatícias para combater a contracção económica, bem como as tensões geopolíticas e os riscos de deterioração da economia global permanecem. Embora o ambiente económico se torne mais grave nos últimos anos e Macau enfrente a pressão de ajustamento da estrutura industrial, mas com a sua singularidade económica na zona e o seu papel de ser uma «ponte» entre a China e os países de língua portuguesa, Macau vai continuar a melhorar, promover e aprofundar a plataforma de serviços para a cooperação comercial sino-portuguesa, bem como participar nas iniciativas e construção do planeamento nacional «Uma Faixa, Uma Rota». Macau irá também enfrentar com firmeza as dificuldades, aproveitar suas vantagens no princípio «um País, dois sistemas» e no posicionamento da economia regional, agarrar oportunidades e continuar a desenvolver. O Banco Comercial de Macau continuará a fornecer um forte apoio para o desenvolvimento sustentável de Macau; durante o ano, continuar-se-á a melhorar a plataforma de serviços e lançar produtos inovadores, baseado na busca de excelência para servir as empresas e o público em geral.

Tenho a honra de expressar aqui a minha sincera gratidão aos esforços incansáveis de todos os meus colegas. Eu também, em nome do Conselho de Administração, gostaria de apresentar os meus sinceros agradecimentos aos apoios e orientações dos nossos clientes.

Yiu-Fai Kong
Presidente da Comissão Executiva.

22 de Março de 2016.

Parecer do Conselho Fiscal

Aos Accionistas do Banco Comercial de Macau, S.A.

Nos termos do Código Comercial de Macau e dos estatutos do Banco Comercial de Macau, S.A. (“BCM”), o Conselho Fiscal do BCM emite parecer sobre o relatório, os documentos de relato financeiro e a proposta de afectação dos resultados apresentados pelo Conselho de Administração relativamente ao exercício findo em 31 de Dezembro de 2015.

O Conselho Fiscal do BCM verificou as transacções e a gestão do Banco durante o ano de 2015. As suas competências incluem a supervisão da gestão do Banco; o exame dos livros e registos e sua actualização; a verificação dos activos; a análise dos critérios contabilísticos e o respectivo impacto nos resultados do exercício; o exame dos documentos de relato financeiro anuais, bem como outras verificações previstas na lei e nos estatutos.

O Conselho Fiscal analisou a informação contabilística preparada pelo Banco durante o ano e submetida regularmente à Autoridade Monetária de Macau (“AMCM”), e seguiu outros procedimentos considerados adequados para as circunstâncias, incluindo o exame ao relatório do auditor independente.

Analisámos o relatório emitido pelo auditor independente PricewaterhouseCoopers, datado de 19 de Fevereiro de 2016, o qual expressa uma opinião sem reservas sobre os documentos de relato financeiro do Banco, relativos ao ano findo em 31 de Dezembro de 2015.

Obtivémos todas as informações e explicações consideradas necessárias para efeitos das nossas verificações e, com base no trabalho efectuado, somos de opinião de que:

(a) O relatório, bem como os documentos de relato financeiro, apresentados pelo Conselho de Administração reflectem fielmente a situação financeira do Banco em 31 de Dezembro 2015 e estão em conformidade com o estabelecido no Código Comercial de Macau, com as Normas de Relato Financeiro e com os estatutos do banco;

(b) Os princípios contabilísticos e os critérios utilizados nas estimativas adoptadas pelo Conselho de Administração na preparação dos documentos de relato financeiro apresentados foram os apropriados atendendo às circunstâncias;

(c) O relatório, bem como os documentos de relato financeiro, apresentados pelo Conselho de Administração não necessitam de quaisquer alterações.

OPINIÃO

Em conclusão, somos de parecer de que o relatório e os documentos de relato financeiro apresentados pelo Conselho de Administração relativamente ao ano findo em 31 de Dezembro de 2015, assim como a sua proposta de afectação de resultados, sejam aprovados na próxima Assembleia Geral Ordinária de Accionistas, em 22 de Março 2016.

Macau, aos 9 de Março de 2016.

O Conselho Fiscal
Presidente — da Conceição Reisinho, Fernando Manuel.
Vice-Presidente — Mayhew, Nicholas John.
Vogal — So Po Fung.

Relatório dos auditores externos sobre as demonstrações financeiras resumidas

Para os Accionistas do Banco Comercial de Macau, S.A.
(Constituído em Macau como sociedade anónima)

As demonstrações financeiras resumidas anexas do Banco Comercial de Macau, S.A. (o “Banco”) referentes ao exercício findo em 31 de Dezembro de 2015 resultam das demonstrações financeiras auditadas e dos registos contabilísticos referentes ao exercício findo naquela data. Estas demonstrações financeiras resumidas, as quais compreendem o balanço em 31 de Dezembro de 2015 e a demonstração dos resultados do exercício findo naquela data, são da responsabilidade do Conselho de Administração do Banco. A nossa responsabilidade consiste em expressar uma opinião, unicamente dirigida a V. Ex.as enquanto accionistas, sobre se as demonstrações financeiras resumidas são consistentes, em todos os aspectos materiais, com as demonstrações financeiras auditadas e com os registos contabilísticos do Banco, e sem qualquer outra finalidade. Não assumimos responsabilidade nem aceitamos obrigações perante terceiros pelo conteúdo deste relatório.

Auditámos as demonstrações financeiras do Banco referentes ao exercício findo em 31 de Dezembro de 2015 de acordo com as Normas de Auditoria e Normas Técnicas de Auditoria emitidas pelo Governo da Região Administrativa Especial de Macau, e expressámos a nossa opinião sem reservas sobre estas demonstrações financeiras no relatório de 19 de Fevereiro de 2016.

As demonstrações financeiras auditadas compreendem o balanço em 31 de Dezembro de 2015, a demonstração dos resultados, a demonstração de alterações no capital próprio e a demonstração dos fluxos de caixa do exercício findo naquela data, e um resumo das principais políticas contabilísticas e outras notas explicativas.

Em nossa opinião, as demonstrações financeiras resumidas são consistentes, em todos os aspectos materiais, com as demonstrações financeiras auditadas e com os registos contabilísticos do Banco.

Para uma melhor compreensão da posição financeira do Banco, dos resultados das suas operações e do âmbito da nossa auditoria, as demonstrações financeiras resumidas em anexo devem ser lidas em conjunto com as demonstrações financeiras auditadas e com o respectivo relatório do auditor independente.

Cheung Pui Peng Grace
Auditor de contas
PricewaterhouseCoopers

Macau, aos 11 de Maio de 2016.

Instituições em que o Banco detém participações superiores a 5% do respectivo capital ou superiores a 5% dos seus fundos

próprios:

nome das Instituições Percentagem
Nenhuma -
   

Accionistas qualificados:

Nome do accionista Número de acções Percentagem
Dah Sing Bank, Limited 702,000 78%
DSB BCM (1) Limited 99,000 11%
DSB BCM (2) Limited 99,000 11%

Órgãos sociais:

Mesa da Assembleia Geral

Leonel Alberto Alves Presidente
Liu Chak Wan Secretário
Ma Iao Lai Secretário

Conselho Fiscal

Fernando Manuel da Conceição Reisinho Presidente
Mayhew, Nicholas John Vice-Presidente
So Po Fung (Francesca So) Vogal

Conselho de Administração

David Shou-Yeh Wong Presidente
Hon-Hing Wong (Derek Wong) Membro
Gary Pak-Ling Wang Membro
Harold Tsu-Hing Wong Membro
Yiu-Fai Kong (Eddie Kong) Membro
Sou-Chao Chan (Kenneth Chan) Membro
Alick Yuk-Fai Chiu Membro

BANK SINOPAC COMPANY LIMITED

SUCURSAL DE MACAU

Balanço anual em 31 de Dezembro de 2015

PATACAS

PATACAS

PATACAS

Demonstração de resultados do exercício de 2015

Conta de exploração

PATACAS

Conta de lucros e perdas

PATACAS

O Gerente da Sucursal, Macau, O Chefe da Contabilidade,
David Chen Cecilia Lo

Síntese do relatório de actividade

No ano de 2015, a Sucursal de Macau teve negócios sustentáveis e a nossa qualidade de activo manteve em boas condições. Embora os depósitos e empréstimos diminuíram 14% e 18%, respectivamente, em comparação com o ano anterior, os lucros depois de impostos atingiram 59,63 milhões de patacas, sendo praticamente o mesmo no ano anterior. Gostaríamos de aproveitar esta oportunidade para exprimir a nossa apreciação a todos os nossos clientes pelo seu apoio e a todos os colegas no seu compromisso e esforço efectuados durante o ano de 2015.

Olhando para o futuro, a nossa Sucursal continuará a cumprir com as regras e regulamentos impostas pelas autoridades de Macau. Adicionalmente, iremos implementar estratégias de gestão financeira e promover os valores e visão da Sede. Iremos trabalhar para reforçar a qualidade contínua dos nossos serviços e contribuir para a prosperidade econômica e desenvolvimento de Macau.

O Gerente da Sucursal, Macau
David Chen

Síntese do parecer dos auditores externos

Para o Gerente-geral do Bank SinoPac Company Limited — Sucursal de Macau

Procedemos à auditoria das demonstrações financeiras do Bank SinoPac Company Limited — Sucursal de Macau relativas ao ano de 2015, nos termos das Normas de Auditoria e Normas Técnicas de Auditoria da Região Administrativa Especial de Macau. No nosso relatório, datado de 10 de Março de 2016, expressámos uma opinião sem reservas relativamente às demonstrações financeiras das quais as presentes constituem um resumo.

As demonstrações financeiras a que se acima se alude compreendem o balanço, à data de 31 de Dezembro de 2015, a demonstração de resultados, a demonstração de alterações da conta corrente com a sede e a demonstração de fluxos de caixa relativas ao ano findo, assim como um resumo das políticas contabilísticas relevantes e outras notas explicativas.

As demonstrações financeiras resumidas preparadas pela gerência resultam das demonstrações financeiras anuais auditadas a que acima se faz referência. Em nossa opinião, as demonstrações financeiras resumidas são consistentes, em todos os aspectos materiais, com as demonstrações financeiras auditadas.

Para a melhor compreensão da posição financeira do Bank SinoPac Company Limited — Sucursal de Macau e dos resultados das suas operações, no período e âmbito abrangido pela nossa auditoria, as demonstrações financeiras resumidas devem ser lidas conjuntamente com as demonstrações financeiras das quais as mesmas resultam e com o respectivo relatório de auditoria.

Kwok Sze Man
Auditor de Contas
Deloitte Touche Tohmatsu — Sociedade de Auditores

Macau, aos 10 de Março de 2016.


THE HONGKONG AND SHANGHAI BANKING CORPORATION LIMITED

Sucursal de Macau

Incorporated in the Hong Kong SAR with limited liability

(Publicações ao abrigo do artigo 76 do RJSF aprovado pelo Decreto-Lei n.º 32/93/M, de 5 de Julho)

Balanço anual em 31 de Dezembro de 2015

MOP

MOP

MOP

Demonstração de resultados do exercício de 2015

Conta de exploração

MOP

Conta de lucros e perdas

MOP

Director Execetivo — Macau, Gerente de Finanças,
Lau Pak Hung Tam Pui Si

Macau, 13 de Maio de 2016.

Síntese dos resultados de 2015

As Receitas cresceram 9% para MOP 615 milhões e o Lucro Antes de Impostos aumentou 2% para MOP 294 milhões.

Os Adiantamentos a Clientes expandiram 18% para MOP 14,679 milhões e a margem financeira aumentou 9%.

Em 2015, em linha com a nossa estratégia global de construção de um modelo de negócio diferenciado e sustentável, conseguimos alcançar um crescimento de 18% relativo a adiantamentos a clientes. Receitas e lucros antes de impostos cresceram 9% e 2% respectivamente. O rendimento liquído de juros aumentou 9%, sustentado pelo crescimento dos adiantamentos a clientes, e os encargos relativos à imparidade dos empréstimos mantiveram-se sob controlo em consequência da nossa rigorosa gestão do risco de crédito de que resultou uma boa qualidade de activos. Os custos também foram geridos de forma eficaz, apesar do nosso investimento continuado em sistemas e recursos humanos de combate ao crime financeiro.

A acrescentar ao desempenho financeiro positivo, alcançámos também progressos positivos no âmbito da implementação dos nossos Padrões Globais no HSBC em Macau e na implementação dos requisitos impostos pelo FATCA. Estes esforços ajudar-nos-ão a alcançar o obejctivo “Mais seguros hoje, mais fortes amanhã”.

Para reforçar a nossa dedicação ao negócio em Macau, iniciamos um projecto de renovação da sucursal e dos escritórios no final de 2015, com a intenção de melhorar as nossas infra estruturas para os clientes e simultaneamente melhorar as condiçoes e espaço de trabalho dos nossos colaboradores. Espera-se que o projecto de renovação esteja finalizado em meados de 2016, altura em que esperamos poder usufruir de uma das mais modernas infraestruturas e escritórios em Macau.

Relativamente aos recursos humanos, conseguimos manter a nossa taxa de substituição do pessoal flat com 2014, que foi a mais baixa em muitos anos. Temos continuado a focar-nos nos nossos colaboradores e na nossa estratégia de recursos humanos com o propósito de identificar talentos no Banco e construir uma equipa de gestão e chefia forte com vista ao crescimento sustentado do negócio no futuro.

Aproveito ainda esta oportunidade para agradecer aos nossos estimados clientes o seu apoio constante e à nossa equipa o seu leal e dedicado empenho.

Lau Pak Hung
Director Executivo — Macau

Síntese do Parecer dos Auditores Externos

Para A Gerência do The Hongkong and Shanghai Banking Corporation Limited — Sucursal de Macau

As demonstrações financeiras resumidas anexas do The Hongkong and Shanghai Banking Corporation Limited - Sucursal de Macau (a Sucursal) referentes ao exercício findo em 31 de Dezembro de 2015 resultam das demonstrações financeiras auditadas e dos registos contabilísticos da Sucursal referentes ao exercício findo naquela data. Estas demonstrações financeiras resumidas, as quais compreendem o balanço em 31 de Dezembro de 2015 e a demonstração dos resultados do exercício findo naquela data, são da responsabilidade da Gerência da Sucursal. A nossa responsabilidade consiste em expressar uma opinião, unicamente dirigida a V. Exas. enquanto Gerência, sobre se as demonstrações financeiras resumidas são consistentes, em todos os aspectos materiais, com as demonstrações financeiras auditadas e com os registos contabilísticos da Sucursal, e sem qualquer outra finalidade. Não assumimos responsabilidade nem aceitamos obrigações perante terceiros pelo conteúdo deste relatório.

Auditámos as demonstrações financeiras da Sucursal referentes ao exercício findo em 31 de Dezembro de 2015 de acordo com as Normas de Auditoria e Normas Técnicas de Auditoria emitidas pelo Governo da Região Administrativa Especial de Macau, e expressámos a nossa opinião sem reservas sobre estas demonstrações financeiras, no relatório de 13 de Maio de 2016.

As demonstrações financeiras auditadas compreendem a demonstração da posição financeira em 31 de Dezembro de 2015, a demonstração dos resultados e do rendimento integral, a demonstração das alterações no capital próprio e a demonstração dos fluxos de caixa do exercício findo naquela data, e um resumo das principais políticas contabilísticas e outras notas explicativas.

Em nossa opinião, as demonstrações financeiras resumidas são consistentes, em todos os aspectos materiais, com as demonstrações financeiras auditadas e com os registos contabilísticos da Sucursal.

Para uma melhor compreensão da posição financeira da Sucursal, dos resultados das suas operações e do âmbito da nossa auditoria, as demonstrações financeiras resumidas em anexo devem ser lidas em conjunto com as demonstrações financeiras auditadas e com o respectivo relatório do auditor independente.

Cheung Pui Peng Grace
Auditor de Contas
PricewaterhouseCoopers

Macau, 13 de Maio de 2016.


THE BANK OF EAST ASIA, LIMITED, SUCURSAL DE MACAU

Balanço anual em 31 de Dezembro de 2015

MOP

MOP

MOP

Demonstração de resultados do exercício de 2015

Conta de exploração

MOP

Conta de lucros e perdas

澳門元

MOP

O Gerente-geral da Sucursal de Macau, Sub Gerente Geral,
Wong Chun Kwan Leong Wai Kun

Síntese do relatório de actividades de 2015

Embora o ritmo de crescimento económico tenha desacelerado no ano de 2015, o desempenho das actividades do BANCO DA EAST ASIA, LIMITADA, SUCURSAL DE MACAU (東亞銀行有限公司——澳門分行) revelou-se estável. Durante esse período de tempo, a qualidade dos activos de crédito da sucursal de Macau manteve-se boa.

Com o objectivo de prestar serviços de melhor qualidade aos clientes, em Março de 2015, a agência da Taipa da sucursal de Macau passou a funcionar num novo local e, em Julho de 2015, a sucursal de Macau transferiu vários serviços logísticos para as novas instalações para satisfazer as necessidades do crescimento das actividades.

Perspectivando o futuro, a sucursal de Macau, vai centrar-se no desenvolvimento de nossos clientes, designadamente os profissionais do território, de modo a alargar a base de clientes, bem como continuará a manter uma estreita colaboração com o Banco da East Asia (China), Limitada, subsidiária com capital total do Banco da East Asia, Limitada, no Interior da China, para aproveitar as oportunidades das actividades transfronteiriças.

Banco da East Asia, Limitada, Sucursal de Macau

O Gerente — Geral
Wong Chun Kwan

Síntese do parecer dos auditores externos

Para a gerência do Banco da East Asia, Limitada — Sucursal de Macau
(Sucursal de um banco comercial de responsabilidade limitada, incorporado na Região Administrativa Especial de Hong Kong)

Procedemos à auditoria das demonstrações financeiras do Banco da East Asia, Limitada — Sucursal de Macau relativas ao ano de 2015, nos termos das Normas de Auditoria e Normas Técnicas de Auditoria da Região Administrativa Especial de Macau. No nosso relatório, datado de 13 de Abril de 2016, expressámos uma opinião sem reservas relativamente às demonstrações financeiras das quais as presentes constituem um resumo.

As demonstrações financeiras a que se acima se alude compreendem o balanço, à data de 31 de Dezembro de 2015, a demonstração de resultados, a demonstração de alterações nas reservas e a demonstração de fluxos de caixa relativas ao ano findo, assim como um resumo das políticas contabilísticas relevantes e outras notas explicativas.

As demonstrações frnanceiras resumidas preparadas pela gerência resultam das demonstrações financeiras anuais auditadas e dos livros e registos da Sucursal. Em nossa opinião, as demonstrações financeiras resumidas são consistentes, em todos os aspectos materiais, com as demonstrações financeiras auditadas e os livros e registos da Sucursal.

Para a melhor compreensão da posição financeira da Sucursal e dos resultados das suas operações, no período e âmbito abrangido pela nossa auditoria, as demonstrações financeiras resumidas devem ser lidas conjuntamente com as demonstrações financeiras das quais as mesmas resultam e com o respectivo relatório de auditoria.

Chang Suet Yi, Auditor de Contas.
KPMG

Macau, aos 13 de Abril de 2016.


HANG SENG BANK LIMITED — SUCURSAL DE MACAU

(Publicações ao abrigo do artigo 76.º do RJSF, aprovado pelo Decreto-Lei n.º 32/93/M, de 5 de Julho)

Balanço anual em 31 de Dezembro de 2015

(Em patacas)

(Em patacas)

(Em patacas)

二零一五年營業結果演算

營業賬目

(以澳門元為單位)

損益計算表

(以澳門元為單位)

O Gerente da Sucursal de Macau, O Subgerente da Sucursal de Macau,
Isidorus Fong Felix Chan

Sucursal de Macau

Resumo de Operações e Resultados referentes ao Exercício Financeiro de 2015

A contínua incerteza sobre a economia global reflectiu-se no ritmo mais lento da actividade económica na China Continental e em Macau no ano de 2015. Em conjunto com as reformas em curso na China Continental, o abrandamento criou muitos desafios para o sector bancário em Macau.

Neste difícil ambiente operacional, mantivemos a nossa estratégia de crescimento sustentável centrada no cliente, com foco contínuo na liderança, gestão e formação de relacionamento com clientes para melhorar ainda mais as nossas capacidades de prestação de serviços e aprofundar o relacionamento com os clientes. Continuamos igualmente a fortalecer a gestão do risco de crédito e manter elevados padrões de corporate governance.

As principais actividades da Sucursal de Macau durante o ano de 2015 consistiram na prestação de serviços bancários a clientes comerciais e pessoais, incluindo uma gama diversificada de serviços de depósito e de serviços financeiros comerciais, serviços comerciais transfronteiriços em Renminbi, empréstimos hipotecários, empréstimos comerciais, serviços de remessa e de câmbio, serviços de cobrança e serviços de agenciamento de seguros. No final do exercício financeiro de 2015, os depósitos de clientes e os empréstimos a clientes da Sucursal cifraram-se em MOP 2,990 milhões e MOP 11,502 milhões, respectivamente. O lucro apurado após impostos cifrou-se em MOP 136 milhões.

A Sucursal gostaria de aproveitar esta oportunidade para expressar a sua sincera gratidão pelo contínuo contributo do staff e pelo apoio que recebe de várias autoridades governamentais, clientes e colegas do sector em Macau.

Isidorus Fong
Administrador da Sucursal
Hang Seng Bank Limited, Sucursal de Macau

Relatório dos auditores externos sobre as demonstrações financeiras resumidas

Para a gerência do Hang Seng Bank Limited – Sucursal de Macau

As demonstrações financeiras resumidas anexas do Hang Seng Bank Limited — Sucursal de Macau (a Sucursal) referentes ao exercício findo em 31 de Dezembro de 2015 resultam das demonstrações financeiras auditadas e dos registos contabilísticos da Sucursal referentes ao exercício findo naquela data. Estas demonstrações financeiras resumidas, as quais compreendem o balanço em 31 de Dezembro de 2015 e a demonstração dos resultados do exercício findo naquela data, são da responsabilidade da Gerência da Sucursal. A nossa responsabilidade consiste em expressar uma opinião, unicamente dirigida a V. Exas. enquanto Gerência, sobre se as demonstrações financeiras resumidas são consistentes, em todos os aspectos materiais, com as demonstrações financeiras auditadas e com os registos contabilísticos da Sucursal, e sem qualquer outra finalidade. Não assumimos responsabilidade nem aceitamos obrigações perante terceiros pelo conteúdo deste relatório.

Auditámos as demonstrações financeiras da Sucursal referentes ao exercício findo em 31 de Dezembro de 2015 de acordo com as Normas de Auditoria e Normas Técnicas de Auditoria emitidas pelo Governo da Região Administrativa Especial de Macau, e expressámos a nossa opinião sem reservas sobre estas demonstrações financeiras, no relatório de 11 de Maio de 2016.

As demonstrações financeiras auditadas compreendem o balanço em 31 de Dezembro de 2015, a demonstração dos resultados, a demonstração de alterações nas reservas e a demonstração dos fluxos de caixa do exercício findo naquela data, e um resumo das principais políticas contabilísticas e outras notas explicativas.

Em nossa opinião, as demonstrações financeiras resumidas são consistentes, em todos os aspectos materiais, com as demonstrações financeiras auditadas e com os registos contabilísticos da Sucursal.

Para uma melhor compreensão da posição financeira da Sucursal, dos resultados das suas operações e do âmbito da nossa auditoria, as demonstrações financeiras resumidas em anexo devem ser lidas em conjunto com as demonstrações financeiras auditadas e com o respectivo relatório do auditor independente.

Cheung Pui Peng Grace
Auditor de contas
PricewaterhouseCoopers

Macau, 11 de Maio de 2016.


BANCO DE CONSTRUÇÃO DA CHINA, S.A., SUCURSAL DE MACAU

(Publicações ao abrigo do artigo 75.º do RJSF, aprovado pelo Decreto-Lei n.º 32/93/M, de 5 de Julho)

Balanço anual em 31 de Dezembro de 2015

MOP

MOP

MOP

Demonstração resultados do exercício Desde Em 31 de Dezembro de 2015

Conta de exploração

MOP

Conta de lucros e perdas

澳門幣

MOP

O Gerente Geral, O Chefe da Contabilidade,
Hou Wei Rong Cheng Xiao Dong

Macau, aos 11 de Maio de 2016.

Síntese das actividades desenvolvidas

Em 2015, o Banco de Construção da China, S.A. Sucursal de Macau ultrapassou as dificuldades geradas pelas alterações do ambiente económico, enquanto se mantinha um desenvolvimento estável, empenhou-se em ajustar a proporção de activos e passivos, tendo alcançado resultados de que orgulhamos em relação a lucro, desenvolvimento de actividades, expansão de clientela, gestão interna etc.; e elevou-se a capacidade de gerar lucro e desenvolvimento sustentável. Segue-se a demonstração dos resultados:

1. Aumento contínuo do activo geral, o volume total de actividades de empréstimo aumentou bem como a estrutura foi aperfeiçoada; diversificações das fontes de passivos, registo de um crescimento de depósitos, nomeadamente um crescimento substancial dos depósitos em Renminbi.

A Sucursal tem-se esforçado em expandir as actividades de empréstimo local e acelerar a mudança das actividades transfronteiriças. Até finais do ano de 2015, os activos e os empréstimos aumentaram, substancialmente, comparativamente; tendo registado um crescimento contínuo dos empréstimos sindicado, bilateral e com hipoteca pessoal, cuja proporção foi aumentada.

Por outro lado, com o início do plano de certificado de depósito e o aperfeiçoamento da construção da rede dos movimentos dos fundos interbancários, a Sucursal alcançou resultados notáveis com a estratégia de diversificação das fontes de passivos, tendo diminuído a taxa dos custos dos passivos em geral. Ao mesmo tempo, para se adaptar às alterações, a estratégia dos depósitos em Renminbi foi ajustada atempadamente, possibilitando rapidamente um crescimento das actividades de depósito; de modo que as actividades de Renminbi entraram numa nova etapa, registando um montante de liquidação transfronteiriça de Renminbi superior a 20 mil milhões.

2. Empenho no desenvolvimento de actividades do mercado financeiro, incluindo as actividades interbancárias congéneres, aproveitando as oportunidades de actividades em mercados e câmbios diferentes, cooperando com as congéneres locais e estrangeiras; tem elevado o nível de gestão das relações com a clientela e registou-se aumento acelerado dos montantes e do número de contas, assegurando uma melhor base de clientela.

À medida em que se desenvolvia com empenho as actividades de depósitos e empréstimos, a Sucursal tem desenvolvido gradualmente, as actividades do mercado financeiro, a partir de raiz, tendo contribuído substancialmente para o aumento de receitas e de lucros das actividades principais da Sucursal e foram aperfeiçoadas com eficácia as estruturas de actividades e dos lucros.

Para aperfeiçoar o serviço prestado à clientela, a Sucursal introduziu, ao longo do ano em vários períodos, diferentes tipos de regalias, abrangendo actividades de promoção como desenvolvimento de serviços financeiros, recomendação de novos clientes e serviço de cartão de débito etc., e ao centrar-se na promoção das actividades, ao mesmo tempo, melhorou-se o nome e a imagem do banco; persistindo em contacto e venda de produtos destinados a clientes importantes, clientes com potencialidades, e clientes específicos, aumentando a taxa de utilização de produtos e contributo geral da clientela; ao mesmo tempo, aproveitámos bem o serviço de liquidação, tendo alargado o tipo de clientela de liquidação.

3. Maior diversificação e aperfeiçoamento das funções do sistema de actividades e dos tipos de produtos, para manter a satisfação das necessidades de actividades dos diversos tipos de clientela.

A Sucursal tem dado muita importância à inovação de produtos e aos procedimentos, por um lado tem enriquecido as linhas de produtos, procurando um desenvolvimento criativo; concedeu o primeiro empréstimo transfronteiriço directo e emitiu o primeiro cartão de crédito desta Sucursal na zona de comércio livre de Hengqin; introduzimos o empréstimo com hipoteca a imóveis do Interior da China abrangendo imóveis na zona nova de Hengqin, área de Gongbei, área Shizhimen de Wanzai e etc.,; fortaleceu a cooperação com os bancos locais, compartilhando o fruto das actividades transfronteiriças na forma de participação de risco; por outro lado, lançaram-se as actividades como conta aberta com atestação individual, atestação de outra instituição estrangeira delegada por empresa e etc., tendo aperfeiçoados e simplificados os procedimentos e as formalidades, e a taxa de eficácia do tratamento das actividades subiu; o serviço de banco empresarial online no exterior entrou em funcionamento, expandindo os meios dos serviços destinados à clientela.

4. Aumento do nível de gestão e controlo internos e reforço da expansão da clientela de actividades, empenho no cumprimento da responsabilidade social.

A Sucursal tem reforçado a gestão interna e a construção do regime, aperfeiçoado ainda mais o controlo interno e o quadro de gestão para prestar apoio e garantia sólidas ao desenvolvimento das actividades de balcão. Para manter a estabilidade da equipa de trabalhadores, temos proporcionado mais possibilidades e oportunidades de desenvolvimento profissional, nomeadamente para os trabalhadores locais, criando um ambiente empresarial com harmonia. Ao mesmo tempo, empenhámo-nos na participação em actividades sociais, demostrando preocupação e participação nas associações de caridade social.

Para 2016, a Sucursal continuará com a estratégia adoptada de fixar as raízes em Macau e aprofundar as actividades locais, dar importância a clientela e actividades locais, contribuir para o desenvolvimento social e empresarial de Macau; irá esforçar para atingir a meta de “elevar a eficiência” das três metas do desenvolvimento estratégico “ alargamento da dimensão, ajustamento da estrutura e aumento da eficiência”. Simultaneamente, em articulação com a política nacional “Uma Faixa, Uma Rota” e a construção de “um centro e uma plataforma” do governo da RAEM, continuaremos a dar o nosso modesto contributo para o desenvolvimento da diversificação adequada da economia de Macau, prosperidade, estabilidade da sociedade.

Banco de Construção da China, S.A. Sucursal de Macau
Hou Wei Rong

11 de Maio de 2016

Síntese do parecer dos auditores externos

Para os accionistas do Banco de Construção da China, S.A. Sucursal de Macau

As demonstrações financeiras resumidas anexas do Banco de Construção da China, S.A. Sucursal de Macau (a Sucursal) referentes ao exercício findo em 31 de Dezembro de 2015 resultam das demonstrações financeiras auditadas e dos registos contabilísticos da Sucursal referentes ao exercício findo naquela data. Estas demonstrações financeiras resumidas, as quais compreendem o balanço em 31 de Dezembro de 2015 e a demonstração dos resultados do exercício findo naquela data, são da responsabilidade da Gerência da Sucursal. A nossa responsabilidade consiste em expressar uma opinião, unicamente dirigida a V. Exas. enquanto Gerência, sobre se as demonstrações financeiras resumidas são consistentes, em todos os aspectos materiais, com as demonstrações financeiras auditadas e com os registos contabilísticos da Sucursal, e sem qualquer outra finalidade. Não assumimos responsabilidade nem aceitamos obrigações perante terceiros pelo conteúdo deste relatório.

Auditámos as demonstrações financeiras da Sucursal referentes ao exercício findo em 31 de Dezembro de 2015 de acordo com as Normas de Auditoria e Normas Técnicas de Auditoria emitidas pelo Governo da Região Administrativa Especial de Macau, e expressámos a nossa opinião sem reservas sobre estas demonstrações financeiras, no relatório de 11 de Maio de 2016.

As demonstrações financeiras auditadas compreendem o balanço em 31 de Dezembro de 2015, a demonstração dos resultados, a demonstração de alterações nas reservas e a demonstração dos fluxos de caixa do exercício findo naquela data, e um resumo das principais políticas contabilísticas e outras notas explicativas.

Em nossa opinião, as demonstrações financeiras resumidas são consistentes, em todos os aspectos materiais, com as demonstrações financeiras auditadas e com os registos contabilísticos da Sucursal.

Para uma melhor compreensão da posição financeira da Sucursal, dos resultados das suas operações e do âmbito da nossa auditoria, as demonstrações financeiras resumidas em anexo devem ser lidas em conjunto com as demonstrações financeiras auditadas e com o respectivo relatório do auditor independente.

Cheung Pui Peng Grace
Auditor de contas
PricewaterhouseCoopers

Macau, 11 de Maio de 2016.


華南商業銀行股份有限公司澳門分行

(根據七月五日法令第32/93/M號核准之金融體系法律制度第七十六條公告)

資產負債表於二零一五年十二月三十一日

澳門幣

澳門幣

澳門幣

二零一五年營業結果演算

營業賬目

澳門幣

損益計算表

澳門幣

總經理 會計主任
蕭雅琴 謝櫻敏

二零一六年四月十五日於澳門

業務報告之概要

華南商業銀行股份有限公司創立於西元一九一九年,總行設於臺灣臺北市,現有資本額為新台幣710.76億元。華南銀行澳門分行於二零一二年五月十六日開業,開業以來在同仁的努力下各項業務穩建成長,2015年度稅後盈餘為澳門幣1,666萬元,較上一年度成長84%,資產品質良好。

展望二零一六年,雖然受景氣趨緩影響今年業務成長,本分行將遵循澳門主管機關及本行總行規範,並持續秉持著我們【信賴、熱誠、創新】的核心價值拓展業務,為客戶帶來更多元及優質的服務。

華南商業銀行股份有限公司 澳門分行
總經理 蕭雅琴

二零一六年五月十二日

摘要財務報表的外部核數師報告

致華南商業銀行股份有限公司澳門分行管理層:

華南商業銀行股份有限公司澳門分行(「貴分行」)截至二零一五年十二月三十一日止年度隨附的摘要財務報表乃撮錄自 貴分行截至同日止年度的已審核財務報表及 貴分行的賬冊和記錄。摘要財務報表由二零一五年十二月三十一日的資產負債表以及截至該日止年度的損益表組成,管理層須對該等摘要財務報表負責。我們的責任是對摘要財務報表是否在所有重要方面均與已審核財務報表及 貴分行的賬冊和記錄符合一致,發表意見,僅向管理層報告,除此之外本報告別無其他目的。我們不會就本報告的內容向任何其他人士負上或承擔任何責任。

我們按照澳門特別行政區政府頒布的《核數準則》和《核數實務準則》審核了 貴分行截至二零一五年十二月三十一日止年度的財務報表,並已於二零一六年三月二十四日就該財務報表發表了無保留意見的核數師報告。

上述已審核的財務報表由二零一五年十二月三十一日的資產負債表以及截至該日止年度的損益表、儲備金變動表和現金流量表組成,亦包括重大會計政策的摘要和解釋附註。

我們認為,摘要財務報表在所有重要方面,均與上述已審核的財務報表及 貴分行的賬冊和記錄符合一致。

為更全面了解 貴分行的財務狀況和經營結果以及核數工作的範圍,隨附的摘要財務報表應與已審核的財務報表以及獨立核數師報告一併閱讀。

張佩萍
註冊核數師
羅兵咸永道會計師事務所

澳門,二零一六年四月十五日


BANCO TAI FUNG, S.A.

Balanço anual em 31 de Dezembro de 2015

MOP

MOP

Demonstração de resultados do exercício de 2015

Conta de exploração

MOP

MOP

Conta de lucros e perdas

MOP

O Presidente, O Chefe da Contabilidade,
Zhou Peng Chan Chung Wai

Relatório do conselho de administração

O Conselho de Administração apresenta o relatório e as contas auditadas referente ao exercício findo em 31 de Dezembro de 2015.

Síntese do relatório de actividade

Graças ao apoio dinâmico do País e à competitividade do sistema local, a económica de Macau manteve, no ano de 2015, um desenvolvimento estável e progressivo, para o qual o sector bancário contribuía positivamente. De acordo com as Normas de Relato Financeiro da RAEM, os lucros do Banco antes do imposto, apurados no fim do exercício de 2015, foram de 1,205 mil milhões de patacas, um crescimento de 38,3% em relação ao exercício de 2014. Em termos de lucros depois do imposto, a taxa de rendimentos de capital dos accionistas foi de 10,43% e a taxa de rentabilidade dos activos foi de 1,02%. O rácio de adequação dos fundos próprios situou-se em 13,29%, o rácio de empréstimos mal parados em 0,04% e o rácio de eficiência em 31,53%. No final do exercício de 2015, os activos do Banco totalizavam 121,7 mil milhões de patacas, representando um crescimento de 40% em relação ao exercício anterior.

Como corolário do desenvolvimento estável e saudável das suas actividades estrategicamente planeadas para melhor servir a economia real local e assegurar uma boa gestão dos riscos de harmonia com as linhas orientadoras do País e do Governo da RAEM e em face das situações complexas do exterior, o Banco alcançou bons resultados de exercício e benefícios sociais, tendo registado o melhor recorde de sempre em termos de lucros das diversas vertentes.

Prevê-se que no ano vindouro a economia mundial dificilmente terá um melhoramento significativo em termos de recuperação e o cenário de individualização regional se manterá. Persistindo nos princípios de “integridade, inovação e excelência”, envidamos esforços ainda maiores na transformação estratégica, optimizando e reajustando constantemente a estrutura operacional, reforçando a gestão da qualidade dos activos e elevando a rentabilidade, por forma a concretizar a optimização e reforma do modelo das actividades tradicionais, consolidando a inabalável competitividade do Banco.

O sucesso que o Banco tem alcançado ao longo dos anos, foi obtido graças, por um lado, à dedicação e empenho do nosso pessoal e, por outro, ao apoio e atenção que os accionistas, os clientes e os mais variados sectores sociais sempre nos têm dispensado. A todos o Conselho de Administração aproveita o ensejo para agradecer penhoradamente. No ano vindouro, o Conselho de Administração continuará a cumprir fielmente a sua missão, procurando criar maior valor para os accionistas, proporcionar melhores condições de trabalho para os funcionários e prestar serviços bancários mais variantes para o desenvolvimento social.

Resultado e distribuição

  MOP$
Lucro de exploração antes do imposto 1.205.457.046,29
Dotações para imposto complementar 146.000.000,00
Resultado de exercício 1.059.457.046,29
Lucros relativos a exercícios anteriores 2.477.532.018,96
Total disponível 3.536.989.065,25
O Conselho de Administração propôs a seguinte distribuição:  
Para reservas 106.000.000,00
Para dividendos (acções ordinárias) 90.000.000,00
Para dividendos (acções preferenciais) 165.750.000,00
A transportar para o próximo ano 3.175.239.065,25
  3.536.989.065,25

Accionistas qualificados

De acordo com os registos do LIVRO DOS ACCIONISTAS DO BANCO, os accionistas, detentores de participações superiores a 10% do capital de acções ordinárias do Banco, em 31 de Dezembro de 2015 eram os seguintes:

BANCO DA CHINA
FAMÍLIA DE HO YIN

TITULARES DOS ÓRGÃOS SOCIAIS

MESA DA ASSEMBLEIA GERAL:  
Presidente: Chan King
Vice-Presidente: Banco da China
Secretário: So Kwok Wah
CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO:  
Presidente: Ho Hao Tong
Vice-Presidente: Ye Yixin
Administradores Permanentes: Howard H.H.Ho
  Zhou Peng
  Chui Kai Cheong
Administradores: Ho Hao Veng
  Fu Hau Chak
  Qin Liru
  Ip Sio Kai
  Ho Kevin King Lun
  Fang Yanmin
  Au Ieong Iu Kong
  Ho King Man Justin
CONSELHO FISCAL:  
Presidente: Iong Weng Ian
Membros: Wang Lijie
  Jiang Yidao
SECRETÁRIO DA SOCIEDADE: So Kwok Wah
   

O Presidente do Conselho de Administração,
Ho Hao Tong

Macau, 18 de Fevereiro de 2016.

Parecer do Conselho Fiscal

Nos termos da lei e dos Estatutos do Banco Tai Fung, S.A., compete ao Conselho Fiscal fiscalizar as actividades e a administração do Banco e emitir parecer sobre as contas, proposta de distribuição de dividendos e o relatório financeiro de cada exercício, apresentados pelo Conselho de Administração.

No exercício de 2015, o Conselho Fiscal no uso das suas competências procedeu ao que considerava necessário e examinou as contas do Banco auditadas pela Sociedade de Auditores Lowe Bingham & Mathews – PricewaterhouseCoopers, sobre as quais esta Sociedade expressou as suas opiniões sem reservas.

Este Conselho é de parecer que as contas examinadas demonstram, nitidamente e com rigor, a real situação financeira do Banco em 31 de Dezembro de 2015 e o resultado do exercício findo em 31 de Dezembro de 2015, sendo as demonstrações financeiras referentes ao exercício, a proposta para a distribuição de dividendos e o relatório financeiro apresentados pelo Conselho de Administração apropriados para serem submetidos à aprovação dos accionistas na Assembleia Geral.

A Presidente do Conselho Fiscal,

Iong Weng Ian

Macau, 26 de Fevereiro de 2016

Síntese do parecer dos auditores externos

Para os accionistas do Banco Tai Fung, S.A.
(constituído em Macau como sociedade anónima)

As demonstrações financeiras resumidas anexas do Banco Tai Fung, S.A. (o Banco) referentes ao exercício findo em 31 de Dezembro de 2015 resultam das demonstrações financeiras auditadas e dos registos contabilísticos do Banco referentes ao exercício findo naquela data. Estas demonstrações financeiras resumidas, as quais compreendem o balanço em 31 de Dezembro de 2015 e a demonstração dos resultados do exercício findo naquela data, são da responsabilidade do Conselho de Administração do Banco. A nossa responsabilidade consiste em expressar uma opinião, unicamente dirigida a V. Exas. enquanto accionistas, sobre se as demonstrações financeiras resumidas são consistentes, em todos os aspectos materiais, com as demonstrações financeiras auditadas e com os registos contabilísticos do Banco, e sem qualquer outra finalidade. Não assumimos responsabilidade nem aceitamos obrigações perante terceiros pelo conteúdo deste relatório.

Auditámos as demonstrações financeiras do Banco referentes ao exercício findo em 31 de Dezembro de 2015 de acordo com as Normas de Auditoria e Normas Técnicas de Auditoria emitidas pelo Governo da Região Administrativa Especial de Macau, e expressámos a nossa opinião sem reservas sobre estas demonstrações financeiras, no relatório de 18 de Fevereiro de 2016.

As demonstrações financeiras auditadas compreendem o balanço em 31 de Dezembro de 2015, a demonstração dos resultados, a demonstração de alterações no capital próprio e a demonstração dos fluxos de caixa do exercício findo naquela data, e um resumo das principais políticas contabilísticas e outras notas explicativas.

Em nossa opinião, as demonstrações financeiras resumidas são consistentes, em todos os aspectos materiais, com as demonstrações financeiras auditadas e com os registos contabilísticos do Banco.

Para uma melhor compreensão da posição financeira do Banco, dos resultados das suas operações e do âmbito da nossa auditoria, as demonstrações financeiras resumidas em anexo devem ser lidas em conjunto com as demonstrações financeiras auditadas e com o respectivo relatório do auditor independente.

Cheung Pui Peng, Grace
Auditor de contas
PricewaterhouseCoopers

Macau, 12 de Abril de 2016

Lista das empresas cuja capital social o nosso Banco tem uma participação superior a 5%:

Sociedade de Fomento Predial Tak Kei Lda. 98,00%
Companhia de Investimento Predial Triumph, Limitada 76,66%
Companhia de Seguros Luen Fung Hang, S.A.R.L. 38,10%
Companhia de Seguros Luen Fung Hang-Vida, S.A. 28,58%
Tai Fung (Hong Kong) Finance Company Limited 35,00%
Companhia de Locação Fianceira Internacioal Land Tai Fung (Macau), S.A. 11,82%

BANCO INDUSTRIAL E COMERCIAL DA CHINA (MACAU), S.A.

Balanço anual em 31 de Dezembro de 2015 (consolidado)

PATACAS

PATACAS

PATACAS

Demonstração de resultados do exercício de 2015

Conta de exploração (consolidado)

PATACAS

Conta de lucros e perdas (consolidado)

PATACAS

Presidente, Administrador-delegado e Administrador-Executivo Vice-Presidente, Director-geral e Administrador Executivo
Zhu Xiaoping Wu Long

Balanço anual em 31 de Dezembro de 2015

PATACAS

PATACAS

PATACAS

Demonstração de resultados do exercício de 2015

Conta de exploração

PATACAS

Conta de lucros e perdas

PATACAS

澳門元

Presidente, Administrador-delegado e Administrador-Executivo Vice-Presidente, Director-geral e Administrador Executivo
Zhu Xiaoping Wu Long

Síntese do relatório de actividades

No ano de 2015, devido a uma conjuntura externa complicada, o ICBC (Macau) insistiu pelo cumprimento das directivas estabelecidas pela sociedade-mãe para as suas participadas no exterior, relativas a uma estratégia de desenvolvimento, promovendo a localização da sua gestão e melhorando em permanência as suas competências de concorrência no mercado, reforma e inovação e desenvolvimento sustentável. Paralelamente, procurou-se o desenvolvimento célere e coordenado do activo, passivo e actividades de intermediação, aprofundando uma gestão global do risco, a manutenção e o desenvolvimento da liderança nas principais áreas de actividade, criando um banco de excelência local para a população da RAEM.

Até ao final do ano de 2015, o activo total líquido do Grupo ascendia a cento e noventa e dois mil e cem milhões de Patacas, o que representou um acréscimo de catorze mil e seiscentos milhões de Patacas em comparação com o ano transacto, correspondente a uma taxa de crescimento de 8,25%. O passivo total ascendia a cento e setenta e cinco mil e duzentos milhões de Patacas, o que representou um acréscimo de nove mil e trezentos milhões de Patacas comparativamente com o ano transacto e corresponde a um aumento de 5,63%. O saldo dos depósitos (incluindo entidades públicas) avaliou-se em cento e cinquenta e um mil e quatrocentos milhões de Patacas, o que representou um acréscimo de três mil e trezentos milhões de Patacas em comparação com o ano anterior, correspondente a um aumento de 2,20%. O saldo dos diversos créditos concedidos ascendia a cento e vinte e três mil e quinhentos milhões de Patacas, representando um acréscimo de seis mil milhões de Patacas em comparação com o ano transacto, equivalente a uma taxa de crescimento de 5,12%. O saldo do rácio de créditos de cobrança duvidosa manteve-se num nível reduzido e as provisões mantiveram-se suficientes, o que reforçou a capacidade para enfrentar qualquer risco.

De acordo com as “Normas de Relato Financeiro de Macau”, o Grupo conseguiu em 2015 um lucro, após dedução de impostos, avaliado em dois mil e cento e dezassete milhões de Patacas, com uma taxa média ponderada de retribuição do capital e taxa média de retribuição do activo total de, respectivamente, 15,65% e 1,11%. As demonstrações financeiras do Grupo, já auditadas e relativas ano findo em 2015, foram elaboradas de acordo com as “Normas de Relato Financeiro de Macau”. Se atendermos ao reforço de provisões previsto no “Regime Jurídico do Sistema Financeiro”, o lucro passará a ser de dois mil e vinte e seis milhões de Patacas, depois de feito o necessário ajustamento.

O bom comportamento negocial e os resultados positivos de exploração continuamente alcançados pelo Grupo granjearam uma boa apreciação por parte da comunicação social especializada em assuntos económicos e financeiros com prestígio mundial, tendo as publicações “Global Finance” (EUA) e “The Banker” (Reino Unido) atribuído em 2015, ao ICBC (Macau), pelo sétimo ano consecutivo, o prémio de melhor banco em Macau.

O ICBC (Macau) pretende enraizar-se mais profundamente em Macau. Em conformidade com o planeamento global do Governo da Região Administrativa Especial de Macau, o ICBC (Macau) reforçará os seus serviços no âmbito de construção de infra-estruturas, de projectos fulcrais para a Região, bem como no que diz respeito aos serviços sociais a serem prestados aos residentes locais, a fim de promover o desenvolvimento da diversificação adequada da economia de Macau, apoiando e contribuindo para o desenvolvimento económico e prosperidade social da Região Administrativa Especial de Macau.

Macau, aos 22 de Março de 2016.

Zhu Xiaoping

Presidente do Conselho de Administração

Relatório de Auditor Independente sobre Demonstrações Financeiras Consolidadas Resumidas

Para os accionistas da Banco Industrial e Comercial da China (Macau), S.A.
(Sociedade Anónima constituída em Macau)

Procedemos à auditoria das demonstrações financeiras consolidadas da Banco Industrial E Comercial Da China (Macau), S.A. (o “Banco”) e suas subsidiárias relativas ao ano de 2015, nos termos das Normas de Auditoria e Normas Técnicas de Auditoria da Região Administrativa Especial de Macau. No nosso relatório, datado de 22 de Março de 2016, expressámos uma opinião sem reservas relativamente às demonstrações financeiras consolidadas das quais as presentes constituem um resumo.

As demonstrações financeiras consolidadas a que se acima se alude compreendem o balanço consolidado e do banco, à data de 31 de Dezembro de 2015, a demonstração de resultados consolidados e do banco, a demonstração de alterações no capital próprio consolidado e do banco e a demonstração de fluxos de caixa consolidados e do banco relativas ao ano findo, assim como um resumo das politícas contabilísticas relevantes e outras notas explicativas.

As demonstrações financeiras consolidadas resumidas preparadas pela gerência resultam das demonstrações financeiras consolidadas anuais auditadas e dos livros e registos do banco. Em nossa opinião, as demonstrações financeiras consolidadas resumidas são consistentes, em todos os aspectos materiais, com as demonstrações financeiras consolidadas auditadas e os livros e registos do banco.

Para a melhor compreensão da posicão financeira do banco e dos resultados das suas operações, no período e âmbito abrangido pela nossa auditoria, as demonstrações financeiras consolidadas resumidas devem ser lidas conjuntamente com as demonstrações financeiras consolidadas das quais as mesmas resultam e com o respectivo relatório de auditoria.

Lei Iun Mei, Auditor de Contas
KPMG

Macau, 22 de Março de 2016.

Parecer do Fiscal Único

Nos termos do disposto na alínea e) do artigo 25.º dos Estatutos e para os efeitos previstos na mesma disposição legal, o Conselho de Administração do Banco Industrial e Comercial da China (Macau), S.A., entregou a esta sociedade de auditores o relatório de actividades e contas auditado e referente ao exercício de 2015, para efeito de parecer.

Depois de examinados os documentos entregues a esta sociedade, para efeitos de emissão do parecer, concluímos que os referidos documentos reflectem, de forma clara, não só a situação patrimonial, mas também a situação financeira e económica do Banco.

O relatório do Conselho de Administração reflecte, de forma precisa, as actividades promovidas e desenvolvidas pelo Banco no ano de exercício ora em apreço.

Tendo em atenção o relatório apresentado pelo auditor externo, esta sociedade concorda com o exposto no referido relatório, sendo que os documentos que serviram de base à elaboração das contas reflectem, de uma forma correcta e real, a situação financeira demonstrada no balanço com data de 31 de Dezembro de 2015, bem como o resultado financeiro do exercício findo em 31 de Dezembro de 2015.

Recapitulando o acima exposto, decidimos aprovar o referido relatório de actividades e contas do Conselho de Administração.

Macau, aos 22 de Março de 2016.

CSC & Associados — Sociedade de Auditores
(Representada por Chui Sai Cheong)
Fiscal Único

Lista das instituições em que o Banco detém participações superiores a 5% do respectivo capital e indicação do valor percentual

Sociedade Financeira ICBC (Macau) Capital, S.A. 100%
Sociedade Gestora de Fundos de Pensões ICBC (Macau), S.A. 100%
Seng Heng Development Company Limited
(Incorporado em Hong Kong)
100%
Authosis, Inc.
(Incorporado em Cayman Islands)
11%
Companhia de Seguros Luen Fung Hang, S.A.R.L. 6%

 

Lista dos accionistas qualificados

Industrial and Commercial Bank of China Limited

Sr. Huen Wing Ming, Patrick
Órgãos Sociais
Conselho de Administração
Sr. Zhu Xiaoping Presidente, Administrador-Delegado e Administrador Executivo

Sr. Wu Long
(Nomeado em 6 de Janeiro de 2016)

Vice-Presidente, Director-Geral e Administrador Executivo

Sr. Jiang Yisheng
(Renunciou em 6 de Janeiro de 2016)

Vice-Presidente, Director-Geral e Administrador Executivo
Sr. Huen Wing Ming, Patrick Vice-Presidente e Administrador Executivo

Sra. Chen Xiaoyan
(Nomeado em 30 de Março de 2015)

Administradora

Sr. Zhu Wenxin
(Renunciou em 30 de Março de 2015)

Administrador

Sra. Wang Yixin
(Nomeado em 30 de Março de 2015)

Administradora

Sr. Cui Jiqian
(Renunciou em 30 de Março de 2015)

Administrador

Sr. Ma Xiangjun
(Nomeado em 17 de Agosto de 2015)

Administrador

Sr. Wu Hongbo
(Renunciou em 17 de Agosto de 2015)

Administrador
Sr. Tong Chi Kin Administrador
Mesa da Assembleia
Sr. Zhu Xiaoping Presidente
Sr. Zheng Kai Secretário
Fiscal Único  

CSC & Associados — Sociedade de Auditores
(Representada por Sr. Chui Sai Cheong)

Secretário de Sociedade
Sr. Zheng Kai

 


SOCIEDADE FINANCEIRA ICBC (MACAU) CAPITAL, S.A.

Balanço anual em 31 de Dezembro de 2015

Pataca

Pataca

Pataca

Demonstração de resultados do exercício de 2015

Conta de exploração

Pataca

Conta de lucros e perdas

澳門元

Pataca

O Presidente do Conselho de Administração

Wu Long

Síntese do Relatório de Actividades

No ano de dois mil e quinze, a Sociedade Financeira ICBC (Macau) Capital, S.A., manteve a tendência para um desenvolvimento sustentável, tendo atingido lucros avaliados em seis milhões e tinta mil Patacas, após a dedução de impostos. Até ao final do ano de 2015, o activo total da Sociedade ascendia a cento e oito milhões de Patacas, o que representa um crescimento de 6,86%.

Desde o seu estabelecimento, e norteando-se pela estratégia global de desenvolvimento implementada pelo Banco Industrial e Comercial da China (Macau), S.A., e retirando vantagens da rede, marca, recursos financeiros e técnicos do “Industrial and Commercial Bank of China Limited”, a sociedade empenhou-se no crescimento financeiro sustentável dos seus activos, fortalecendo continuamente o controlo do risco e assegurando aos seus clientes uma retribuição mais estável e forte dos seus investimentos.

Macau, ao 22 de Março de 2016.

Wu Long
Presidente do Conselho de Administração

Relatório de Auditor Independente sobre Demonstrações Financeiras Resumidas

Para os accionistas da Sociedade Financeira ICBC (Macau) Capital, S.A.
(Sociedade Anónima constituída em Macau)

Procedemos à auditoria das demonstrações financeiras da Sociedade Financeira ICBC (Macau) Capital, S.A. relativas ao ano de 2015, nos termos das Normas de Auditoria e Normas Técnicas de Auditoria da Região Administrativa Especial de Macau. No nosso relatório, datado de 30 de Março de 2016, expressámos uma opinião sem reservas relativamente às demonstrações financeiras das quais as presentes constituem um resumo.

As demonstrações financeiras a que se acima se alude compreendem o balanço, à data de 31 de Dezembro de 2015, a demonstração de resultados, a demonstração de alterações no capital próprio e a demonstração de fluxos de caixa relativas ao ano findo, assim como um resumo das politícas contabilísticas relevantes e outras notas explicativas.

As demonstrações financeiras resumidas preparadas pela gerência resultam das demonstrações financeiras anuais auditadas e dos livros e registos do sociedade. Em nossa opinião, as demonstrações financeiras resumidas são consistentes, em todos os aspectos materiais, com as demonstrações financeiras auditadas e os livros e registos do sociedade.

Para a melhor compreensão da posicão financeira do sociedade e dos resultados das suas operações, no período e âmbito abrangido pela nossa auditoria, as demonstrações financeiras resumidas devem ser lidas conjuntamente com as demonstrações financeiras das quais as mesmas resultam e com o respectivo relatório de auditoria.

Lei Iun Mei, Auditor de Contas
KPMG

Macau, 30 de Março de 2016.

Parecer do Fiscal Único

Nos termos do disposto na alínea e) do artigo 23.º dos Estatutos e para os efeitos previstos na mesma disposição legal, o Conselho de Administração da Sociedade Financeira ICBC (Macau) Capital, S.A. entregou a esta sociedade de auditores o relatório de actividades e contas auditado e referente ao exercício de 2015, para efeito de parecer.

Depois de examinados os documentos entregues a esta sociedade, para efeitos de emissão do parecer, concluímos que os referidos documentos reflectem, de forma clara, não só a situação patrimonial, mas também a situação financeira e económica da referida Sociedade.

O relatório do Conselho de Administração reflecte, de forma precisa, as actividades promovidas e desenvolvidas pela Sociedade no ano de exercício ora em apreço.

Tendo em atenção o relatório apresentado pelo auditor externo, esta sociedade concorda com o exposto no referido relatório, sendo que os documentos que serviram de base à elaboração das contas reflectem, de forma correcta e real, a situação financeira demonstrada no balanço com data de 31 de Dezembro de 2015, bem como o resultado financeiro do exercício findo em 31 de Dezembro de 2015.

Recapitulando o acima exposto, decidimos aprovar o referido relatório de actividades e contas do Conselho de Administração.

Macau, aos 22 de Março de 2016.

CSC & Associados – Sociedade de Auditores
(Representada por Chui Sai Cheong)
Fiscal Único

Lista das instituições em que a Sociedade detém participações superiores a 5% do respectivo capital

N/A

Lista dos accionistas qualificados  
Banco Industrial e Comercial da China (Macau), S.A.  
Órgãos Sociais  
Conselho de Administração  
Sr. Wu Long Presidente
(Nomeado em 7 de Março de 2016)  
Sr. Jiang Yisheng Presidente
(Renunciou em 7 de Março de 2016)  
Sr. Huen Wing Ming, Patrick Administrador
Sr. Cheng Wing Fai, Patrick Administrador
Sra. Lin Zi Administradora
(Nomeado em 7 de Março de 2016)  
Mesa da Assembleia  
Sr. Zhu Xiaoping Presidente
Sr. Huen Chung Yuen, Ian Vice-Presidente
Sr. Zheng Kai Secretário
Fiscal Único  
CSC & Associados – Sociedade de Auditores  
(Representada por Sr. Chui Sai Cheong)  
Secretário de Sociedade  
Sr. Zheng Kai Secretário
   

SOCIEDADE GESTORA DE FUNDOS DE PENSÕES ICBC (MACAU), S.A.

Balanço em 31 de Dezembro de 2015

Patacas

Conta de exploração do exercício de 2015

Patacas

Conta de ganhos e perdas do exercício de 2015

Patacas

O Presidente do Consclho de Administração,
Wu Long

Síntese do Relatório de Actividades

No ano de dois mil e quinze, a Sociedade Gestora de Fundos de Pensões ICBC (Macau), S.A., manteve a tendência para um desenvolvimento sustentável, tendo atingido lucros avaliados em nove milhões, quinhentas e vinte mil Patacas, após a dedução de impostos. Até ao final do ano de 2015, o activo total desta Sociedade ascendia a setecentas e trinta e cinco milhões Patacas, o que representa um crescimento de 543,91%.

O valor de mercado dos activos sob gestão desta Sociedade foi calculado em mais de mil setecentos e setenta milhões de Patacas, o que traduziu um aumento na ordem de 34,73% em relação ao ano transacto.

Desde o seu estabelecimento, e norteando-se pela estratégia global de desenvolvimento implementada pelo Banco Industrial e Comercial da China (Macau), S.A., e retirando vantagens da marca, rede, recursos técnicos e financeiros do “Industrial and Commercial Bank of China Limited”, a Sociedade empenhou-se em ascender a líder de mercado e da actividade gestora de fundos de pensões, sendo a mais procurada por clientes de Macau, a quem presta serviços de gestão de fundos de pensões cada vez mais seguros e de acesso fácil e rápido.

Macau, aos 22 de Março de 2016.

Wu Long
Presidente do Conselho de Administração

Relatório de Auditor Independente sobre Demonstrações Financeiras Resumidas

Para os accionistas da Sociedade Gestora de Fundos de Pensões ICBC (Macau), S.A.
(Sociedade Anónima constituída em Macau)

Procedemos à auditoria das demonstrações financeiras da Sociedade Gestora de Fundos de Pensões ICBC (Macau), S.A. relativas ao ano de 2015, nos termos das Normas de Auditoria e Normas Técnicas de Auditoria da Região Administrativa Especial de Macau. No nosso relatório, datado de 30 de Março de 2016, expressámos uma opinião sem reservas relativamente às demonstrações financeiras das quais as presentes constituem um resumo.

As demonstrações financeiras a que se acima se alude compreendem o balanço, à data de 31 de Dezembro de 2015, a demonstração de resultados, a demonstração de alterações no capital próprio e a demonstração de fluxos de caixa relativas ao ano findo, assim como um resumo das politícas contabilísticas relevantes e outras notas explicativas.

As demonstrações financeiras resumidas preparadas pela gerência resultam das demonstrações financeiras anuais auditadas e dos livros e registos do sociedade. Em nossa opinião, as demonstrações financeiras resumidas são consistentes, em todos os aspectos materiais, com as demonstrações financeiras auditadas e os livros e registos do sociedade.

Para a melhor compreensão da posicão financeira do sociedade e dos resultados das suas operações, no período e âmbito abrangido pela nossa auditoria, as demonstrações financeiras resumidas devem ser lidas conjuntamente com as demonstrações financeiras das quais as mesmas resultam e com o respectivo relatório de auditoria.

Lei Iun Mei, Auditor de Contas
KPMG

Macau, 30 de Março de 2016.

Parecer do Fiscal Único

Nos termos do disposto na alínea e) do artigo 24.º dos Estatutos e para os efeitos previstos na mesma disposição legal, o Conselho de Administração da Sociedade Gestora de Fundos de Pensões ICBC (Macau), S.A. entregou a esta sociedade de auditores o relatório de actividades e contas auditado e referente ao exercício de 2015, para efeito de parecer.

Depois de examinados os documentos entregues a esta sociedade, para efeito de emissão de parecer, concluímos que os referidos documentos reflectem, de forma clara, não só a situação patrimonial, mas também a situação financeira e económica da referida Sociedade.

O relatório do Conselho de Administração reflecte, de forma precisa, as actividades promovidas e desenvolvidas pela Sociedade no ano de exercício ora em apreço.

Tendo em atenção o relatório apresentado pelo auditor externo, esta sociedade concorda com o exposto no referido relatório, sendo que os documentos que serviram de base à elaboração das contas reflectem, de forma correcta e real, a situação financeira demonstrada no balanço com data de 31 de Dezembro de 2015, bem como o resultado financeiro do exercício findo em 31 de Dezembro de 2015.

Recapitulado o acima exposto, decidimos aprovar o referido relatório de actividades e contas do Conselho de Administração.

Macau, aos 22 de Março de 2016.

CSC & Associados – Sociedade de Auditores
(representada por Chui Sai Cheong)
Fiscal Único

Lista das instituições em que a Sociedade detém participações superiores a 5% do respectivo capital
N/A
Lista dos accionistas qualificados
Banco Industrial e Comercial da China (Macau), S.A.
Órgãos Sociais
Conselho de Administração
Sr. Wu Long Presidente (Nomeado em 7 de Março de 2016)

Sr. Jiang Yisheng Presidente

(Renunciou em 7 de Março de 2016)

Sr. Huen Wing Ming, Patrick Administrador
Sr. Cheng Wing Fai, Patrick Administrador
Sr. Chan Kam Lun Administrador (Nomeado em 7 de Março de 2016)
Mesa da Assembleia
Sr. Zhu Xiaoping Presidente
Sr. Zheng Kai Secretário
Fiscal Único
CSC & Associados – Sociedade de Auditores (Representada por Sr. Chui Sai Cheong)
Secretário de Sociedade
Sr. Zheng Kai Secretário

Balanço anual em 31 de Dezembro de 2015

MOP

MOP

* As Outras Reservas incluem uma reserva obrigatória no montante de 1.608.371,22 patacas. Como a Caixa Económica Postal adopta as “Macau Financial Reporting Standards” (MFRS) na preparação das suas demonstrações financeiras anuais e das provisões para as perdas de imparidade dos créditos concedidos, estas poderão ser inferiores ao nível mínimo de provisões genéricas calculadas de acordo com o Aviso n.º 18/93 da AMCM. A referida reserva obrigatória representa, pois, a diferença entre o nível mínimo e as perdas de imparidade nos termos das MFRS. Este mesmo montante, inscrito na linha «Dotações adicionais para provisões conforme RJSF» da Conta de Lucros e Perdas das contas resumidas.

Demonstração de resultados do exercício de 2015

Conta de exploração

MOP

Conta de lucros e perdas

MOP

A Comissão Administrativa: Lau Wai Meng, Chan Nim Chi, Van Mei Lin, Pedro Miguel Rodrigues Cardoso das Neves

A Chefe da Contabilidade: Lam Wai San.

SÍNTESE DO RELATÓRIO DE ACTIVIDADES - 2015

Até finais de 2015, o total de depósitos captados pela CEP foi de cerca de 738 milhões de patacas, representando um decréscimo de 4% em relação ao ano anterior.

O montante de novos empréstimos concedidos durante o ano de 2015 traduz um aumento de 12% relativamente ao ano anterior, e o saldo em dívida, líquido de imparidade, no final do ano, era de cerca de 204 milhões de patacas.

A margem financeira e os resultados de serviços e de comissões foram, respectivamente, de 29,46 milhões e de 7,62 milhões de patacas, sendo os custos de exploração de cerca de 19,73 milhões de patacas.

Os lucros de 2015 foram de 98,21 milhões de patacas, a maior parte proveniente da transferência de imóveis para a DSC. O resultado das actividades bancárias aumentou 5,2% relativamente a 2014.

COMPOSIÇÃO DA COMISSÃO ADMINISTRATIVA DURANTE 2014

Presidente - Lau Wai Meng
Vogal - Chan Nim Chi
Vogal - Van Mei Lin
Representante dos Serviços de Finanças - Pedro Miguel Rodrigues Cardoso das Neves

PARECER DO REPRESENTANTE DOS SERVIÇOS DE FINANÇAS EXERCÍCIO DE 2015

No exercício das competências previstas no artigo 24.º do Regime Financeiro dos Serviços de Correios, aprovado pelo Decreto-Lei n.º 50/99/M de 27 de Setembro, e alterado pelo Regulamento Administrativo n.º 10/2010 e no artigo 7.º do Regulamento da Caixa Económica Postal aprovado pelo Decreto-Lei n.º 24/85/M, de 30 de Março, acompanhei o desenvolvimento da actividade da Caixa Económica Postal ao longo do exercício económico de 2015.

Tendo em atenção a análise efectuada aos documentos contabilísticos reportados a 31 de Dezembro de 2015, sou de parecer e considero que:

- São claros e elucidativos os elementos contabilísticos referentes ao balanço em 31 de Dezembro de 2015 e à demonstração de resultados para este ano;

- As contas relativas ao ano económico de 2015 mostram a real situação financeira em 31 de Dezembro de 2015 e estão em condições de ser aprovadas.

Macau, aos 24 de Março de 2016.

Representante dos Serviços de Finanças, Pedro Miguel Rodrigues Cardoso das Neves

Síntese do parecer dos auditores externos

Para a Comissão Administrativa da Caixa Económica Postal

Procedemos à auditoria das demonstrações financeiras da Caixa Económica Postal (“CEP”) relativas ao ano de 2015, nos termos das Normas de Auditoria e Normas Técnicas de Auditoria da Região Administrativa Especial de Macau. No nosso relatório, datado de 1 de Abril de 2016, expressámos uma opinião sem reservas relativamente às demonstrações financeiras das quais as presentes constituem um resumo.

As demonstrações financeiras a que se acima se alude compreendem o balanço, à data de 31 de Dezembro de 2015, a demonstração de resultados, a demonstração de alterações no capital próprio e a demonstração de fluxos de caixa relativas ao ano findo, assim como um resumo das politícas contabilísticas relevantes e outras notas explicativas.

As demonstrações financeiras resumidas preparadas pela gerência resultam das demonstrações financeiras anuais auditadas e dos livros e registos da CEP. Em nossa opinião, as demonstrações financeiras resumidas são consistentes, em todos os aspectos materiais, com as demonstrações financeiras auditadas e os livros e registos da CEP.

Para a melhor compreensão da posição financeira da CEP e dos resultados das suas operações, no período e âmbito abrangido pela nossa auditoria, as demonstrações financeiras resumidas devem ser lidas conjuntamente com as demonstrações financeiras das quais as mesmas resultam e com o respectivo relatório de auditoria.

Ieong Lai Kun, Auditor de Contas
KPMG

Macau, 1 de Abril de 2016


CSR Macau — Companhia de Sistemas de Resíduos, Limitada

(Publicações ao abrigo n.º 1 do artigo 1.º da Lei n.º 14/96/M, de 12 de Agosto 1996)

Demonstração da posição financeira em 31 de Dezembro de 2015

O Presidente do Conselho de Administração, O Chefe da Contabilidade,
Antoine Evrard Grange Ng Weng Tong, Victor

Macau, aos 18 de Março de 2016.

CSR MACAU — Companhia de Sistemas de Resíduos, Limitada

Relatório anual da administração — 2015

A Sociedade vem prestando, ininterruptamente, serviços de limpeza urbana, recolha e transporte de resíduos da RAEM em todo o território da Região Administrativa Especial de Macau (“RAEM”), desde 1992.

DESEMPENHO GERAL

Apesar das condições económicas adversas, tanto a nível local como internacional, a Sociedade manteve uma actividade operacional lucrativa, conseguida através da implementação de vários programas de poupança de custos e melhoria de eficiência.

Estamos satisfeitos com o bom desempenho contínuo apresentado pela Sociedade durante o ano de 2015. Os resultados e bom desempenho da Sociedade devem-se directamente à qualidade dos serviços prestados à RAEM durante o ano transacto.

Estamos confiantes de que a Sociedade estará apta a prosseguir a prestação destes serviços de alta qualidade no futuro, assim contribuindo para a contínua melhoria do meio ambiente de Macau.

Aproveitamos esta oportunidade para expressar o nosso agradecimento e apreço a todos os funcionários pelo seu árduo trabalho e aos cidadãos de Macau pelo seu contínuo apoio.

Antoine Evrard GRANGE NG Wai Hong
Presidente Administradora
WONG Ka Lok CHENG Wing Kin
Administrador Administrador

LEI Man Sao
Administrador

Macau, aos 18 de Março de 2016.

Relatório de Auditor Independente sobre Demonstrações Financeiras Resumidas

Para os accionistas da CSR Macau – Companhia de Sistemas de Resíduos, Limitada
(sociedade de responsabilidade limitada, registada em Macau)

Procedemos à auditoria das demonstrações financeiras da CSR Macau – Companhia de Sistemas de Resíduos, Limitada (a «Sociedade») relativas ao ano de 2015, nos termos das Normas de Auditoria e Normas Técnicas de Auditoria da Região Administrativa Especial de Macau. No nosso relatório, datado de 18 de Março de 2016, expressámos uma opinião sem reservas relativamente às demonstrações financeiras das quais as presentes constituem um resumo.

As demonstrações financeiras a que se acima se alude compreendem a demonstração de posição financeira, à data de 31 de Dezembro de 2015, a demonstração de resultados, a demonstração de alterações no capital próprio e a demonstração de fluxos de caixa relativas ao ano findo, assim como um resumo das políticas contabilísticas relevantes e outras notas explicativas.

As demonstrações financeiras resumidas preparadas pela gerência resultam das demonstrações financeiras anuais auditadas a que acima se faz referência. Em nossa opinião, as demonstrações financeiras resumidas são consistentes, em todos os aspectos materiais, com as demonstrações financeiras auditadas.

Para a melhor compreensão da posição financeira da Sociedade e dos resultados das suas operações, no período e âmbito abrangido pela nossa auditoria, as demonstrações financeiras resumidas devem ser lidas conjuntamente com as demonstrações financeiras das quais as mesmas resultam e com o respectivo relatório de auditoria.

Bao, King To
Auditor de Contas
Ernst & Young — Auditores

Macau, aos 18 de Março de 2016.


MACAU PASS, S.A.

(Publicações ao abrigo do artigo 75.º do RJSF, aprovado pelo Decreto-Lei n.º 32/93/M, de 5 de Julho)

Balanço anual em 31 de Dezembro de 2015

(MOP)

(MOP)

Demonstração de resultados do exercício de 2015

Conta de exploração

(MOP)

Conta de lucros e perdas

(MOP)

Administrador, Chefe da Contabilidade,
Zhang Zhihua Wong Wai Ngon

(MOP)

Relatório do Conselho de Administração 2015

Em 2015, as actividades tiveram um crescimento constante e estável. A empresa, além de aceitar a aplicação de Cartão Cidade no sector de transportes públicos, explorou centros comerciais de grande dimensão e centros de gastronomia, acrescentando a respectiva aplicação em lojas de prendas, de cosméticos, de medicamentos e no sector do comércio a retalho de vestuários, a fim de proporcionar um meio de pagamento e aplicação mais amplo aos cidadãos de Macau. Até o final do ano, foram emitidos mais de 2,1 milhões cartões electrónicos, registou-se um aumento de 24% face ao período homólogo do ano passado, o montante de carregamento aumentou 24% em comparação com o período homólogo, o valor total das transacções de Macau Pass aumentou 13% e a receita total registou um aumento de 49%.

Face ao aumento de negócios, o investimento em activos imobilizados da anualidade aumentou 27% em relação ao período homólogo do ano passado. Além disso, o custo do pessoal aumentou 23% face ao seu período homólogo, e o custo total subiu quase 26%.

Até 31 de Dezembro de 2015, o lucro anual registado foi de 8.274.816 patacas.

Perspectivas para 2016

Em 2016, com o rápido desenvolvimento da Internet, a empresa vai investir recursos no desenvolvimento da actividade online, consolidar e integrar o serviço offline, reforçar o controlo interno e elevar a eficiência de funcionamento, fazendo com que o serviço de pagamentos electrónicos entre numa nova área, oferecendo uma vida de pagamento mais conveniente aos cidadãos e visitantes de Macau.

Presidente do Conselho de Administração
Liu Hei Wan

Macau, aos 31 de Março de 2016

Parecer do Fiscal Único

Nos termos do Código Comercial e dos Estatutos da Companhia, o Fiscal Único supervisionou a administração da MACAU PASS S.A. ao longo do ano de 2015 até dia 31 de Dezembro, acompanhou a actividade da Companhia, e obteve todas as informações e esclarecimentos que considerou necessários. O Fiscal Único considera que as demonstrações financeiras e relatório de actividade estão correctos e completos, explicando de forma breve e clara a situação financeira da Companhia, o desenvolvimento das suas actividades e os resultados das operações referentes ao exercício do ano 2015. O Fiscal Único não verificou qualquer irregularidade nem acto ilícito.

Proponho à Assembleia Geral a aprovação do relatório das actividades financeiras do ano até ao dia 31 de Dezembro de 2015, submetido pelo Conselho de Administração.

O Fiscal Único, Wu Chun Sang, Auditor Registado.

Macau, aos 31 de Março de 2016.

RELATÓRIO DO AUDITOR EXTERNOS SOBRE AS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS RESUMIDAS

PARA OS ACCIONISTAS DO MACAU PASS S.A.
(constituída em Macau com sociedade anónima)

As demonstrações financeiras resumidas anexas da Macau Pass S.A. (a Sociedade) referentes ao exercício findo em 31 de Dezembro de 2015 resultam das demonstrações financeiras auditadas e dos registos

contabilísticos da sociedade referentes ao exercício findo naquela data. Estas demonstrações financeiras resumidas, as quais compreendem o balanço em 31 de Dezembro de 2015 e a demonstração dos resultados do exercício findo naquela data, são da responsabilidade do Conselho de Administração da Sociedade. A nossa responsabilidade consiste em expressar uma opinião, unicamente dirigida a V. Exas. enquanto accionistas, sobre se as demonstrações financeiras resumidas são consistentes, em todos os aspectos materiais, com as demonstrações financeiras auditadas e com os registos contabilísticos da sociedade, e sem qualquer outra finalidade. Não assumimos responsabilidade nem aceitamos obrigações perante terceiros pelo conteúdo deste relatório.

Auditámos as demonstrações financeiras da Sociedade referentes ao exercício findo em 31 de Dezembro de 2015 de acordo com as Normas de Auditoria e Normas Técnicas de Auditoria emitidas pelo Governo da Região Administrativa Especial de Macau, e expressámos a nossa opinião sem reservas sobre estas demonstrações financeiras, no relatório de 31 de Março de 2016.

As demonstrações financeiras auditadas compreendem o balanço em 31 de Dezembro de 2015, a demonstração dos resultados, a demonstração de alterações no capital próprio e a demonstração dos fluxos de caixa do exercício findo naquela data, e um resumo das principais políticas contabilísticas e outras notas explicativas.

Em nossa opinião, as demonstrações financeiras resumidas são consistentes, em todos os aspectos materiais, com as demonstrações financeiras auditadas e com os registos contabilísticos da sociedade.

Para uma melhor compreensão da posição financeira da Sociedade, dos resultados das suas operações e do âmbito da nossa auditoria, as demonstrações financeiras resumidas em anexo devem ser lidas em conjunto com as demonstrações financeiras auditadas e com o respectivo relatório do auditor independente.

Cheung Pui Peng, Grace
Auditor de contas PricewaterhouseCoopers

Macau, 7 de Maio de 2016.

Lista das instituições que detém participação superior a 5% do respectivo capital social ou superior a 5% dos seus fundos próprios:

Nenhuma

Lista dos accionistas qualificados Mesa da Assembleia Geral
Liu Hei Wan Presidente: Liu Hei Wan
Lao Kin Keong Secretário: Wong Wai Ngon
Vong Chak Kin  
Orgãos Sociais  
Conselho Fiscal  
Fiscal Único: Wu Chun Sang  
Conselho de Administração  
Presidente : Liu Hei Wan  
Administrador : Law Suet Yi  
Administrador : Liu Cheuk Yin  
Administrador : Chan Hio Ieong  
Administrador : Zhang Zhihua  
Macau, aos 31 de Março de 2016.  
Secretário da Companhia: Wong Wai Ngon  

BANCO COMERCIAL PORTUGUÊS, S.A. SUCURSAL DE MACAU

Balanço anual em 31 de Dezembro de 2015

MOP

MOP

MOP

Demonstração de resultados do exercício de 2015

Conta de exploração

MOP

Conta de lucros e perdas

MOP

O Técnico de Contas, O Director Geral,
António Lau José João Pãosinho

Síntese do Relatório de Actividade do Exercício entre 1 de Janeiro de 2015 e 31 de Dezembro de 2015

O ano de 2015 caracterizou-se por uma turbulência significativa das economias emergentes com destaque para os BRICs, por uma quebra significativa do preços das matérias-primas e do preço do petróleo, pela continuação da recuperação da economia dos EUA e por uma volatilidade acentuada nas Bolsas de Valores onde merece destaque o comportamento da Bolsa de Shangai.

No panorama internacional e apesar do abrandamento do crescimento da economia chinesa, a RPC continuou a desenvolver a sua estratégia de afirmação como potência económica do século XXI através de várias iniciativas das quais merecem destaque a criação do Banco Asiático de Investimento em Infraestruturas, o programa de investimentos directos “uma faixa uma rota” e a crescente internacionalização do Yuan.

Em 2015 a economia de Macau foi sujeita a um choque significativo traduzido numa queda do PIB em 20% resultante, sobretudo, da forte contracção do Sector Jogo, Turismo e Entretenimento. Esta conjuntura económica acabou por transmitir os sinais necessários aos agentes económicos contribuindo, assim, para o início de um processo de arrefecimento das expectativas inflacionistas. Esta alteração na percepção da economia poderá estar na base de um ciclo de correcção dos preços no mercado imobiliário contribuindo para uma trajectória mais sustentável do desempenho da economia, nomeadamente, ao colocar pressão conducente à sua diversificação. Apesar da conjuntura de 2015 ter sido caracterizada por alguns aspectos fortemente negativos, poder-se-á afirmar que o enquadramento para a actividade do sector bancário foi, ainda, globalmente positivo.

No ano de 2015 a Sucursal de Macau do BCP continuou a desenvolver a sua actividade enquadrada pela estratégia de plataforma de negócios através da oferta de serviços e de produtos aos clientes das redes do Grupo BCP, participação activa em alguns dos vários projectos relevantes em Macau, oferta estruturada de serviços de apoio ao investimento em Portugal de cidadãos chineses no âmbito do programa “Golden Visa” e apoio às operações de comércio externo entre empresas portuguesas e empresas chinesas. Contudo, salienta-se que ao longo do ano em análise e face a uma conjuntura recessiva em Macau e a incerteza no panorama da economia internacional, a Sucursal adoptou uma estratégia defensiva tendo reduzido de forma significativa o seu rácio de transformação e mantido um apertado controlo dos seus custos operacionais.

No âmbito da estratégia de modernização da sua plataforma tecnológica a Sucursal continuou a desenvolver um conjunto de iniciativas para suporte ao alargamento da oferta de serviços aos seus clientes onde destacamos o lançamento de uma solução de internet banking para Empresas e Particulares a qual, certamente, será mais um elemento dinamizador da relação comercial com Clientes contribuindo, assim, para a consolidação e alargamento da carteira de negócios.

No ano em análise, a Sucursal de Macau obteve um lucro de MOP201,0 milhões, a carteira de depósitos atingiu MOP8.841,3 milhões e a carteira de crédito atingiu MOP5.252,9 milhões. Os custos operacionais cifraram-se em MOP17,2 milhões.

As perspectivas para 2016 apontam para a continuação dos impactos negativos sobre a economia da RAEM resultantes do abrandamento da economia chinesa e das medidas de controlo dos fluxos financeiros adoptadas por Pequim com reflexos no sector do Turismo e Entretenimento e no sector do Imobiliário. Contudo, parece existir um consenso que o sector Turismo e Entretenimento encetará uma recuperação, embora moderada na 2ª. metade de 2016. Em paralelo não se antecipa que venha a ocorrer em 2016 uma recuperação do sector do Imobiliário bem como no sector do comércio pelo que a Sucursal irá continuar a adoptar um posicionamento defensivo.

A Sucursal de Macau do BCP continuará, no âmbito da sua estratégia, a pugnar pelo reforço do seu papel de plataforma de negócios dos Clientes do Grupo BCP no triângulo China – Macau - Países Lusófonos e pela estabilidade da sua carteira de negócios embora de forma defensiva tal como no ano de 2015

Por último, desejamos agradecer aos nossos Clientes, aos Colaboradores da Sucursal e às competentes Autoridades de Macau a confiança depositada na Sucursal de Macau do Banco Comercial Português, S.A..

A Direcção da Sucursal de Macau
do Banco Comercial Português, S.A.
José Pãosinho
Director Geral

Síntese do Parecer dos Auditores Externos

Para a gerência do Banco Comercial Português, S.A. - Sucursal de Macau
(Sucursal de um banco comercial de responsabilidade limitada, incorporado em Portugal)

Procedemos à auditoria das demonstrações financeiras do Banco Comercial Português, S.A. - Sucursal de Macau relativas ao ano de 2015, nos termos das Normas de Auditoria e Normas Técnicas de Auditoria da Região Administrativa Especial de Macau. No nosso relatório, datado de 12 de Maio de 2016, expressámos uma opinião sem reservas relativamente às demonstrações financeiras das quais as presentes constituem um resumo.

As demonstrações financeiras a que se acima se alude compreendem o balanço, à data de 31 de Dezembro de 2015, a demonstração de resultados, a demonstração de alterações nas reservas e a demonstração de fluxos de caixa relativas ao ano findo, assim como um resumo das políticas contabilísticas relevantes e outras notas explicativas.

As demonstrações financeiras resumidas preparadas pela gerência resultam das demonstrações financeiras anuais auditadas e dos livros e registos da Sucursal. Em nossa opinião, as demonstrações financeiras resumidas são consistentes, em todos os aspectos materiais, com as demonstrações financeiras auditadas e os livros e registos da Sucursal.

Para a melhor compreensão da posição financeira da Sucursal e dos resultados das suas operações, no período e âmbito abrangido pela nossa auditoria, as demonstrações financeiras resumidas devem ser lidas conjuntamente com as demonstrações financeiras das quais as mesmas resultam e com o respectivo relatório de auditoria.

Ieong Lai Kun, Auditor de Contas
KPMG

Macau, 12 de Maio de 2016.


BANCO WING LUNG, LIMITADA, SUCURSAL DE MACAU

Balanço anual em 31 de Dezembro de 2015

貨幣單位:MOP

貨幣單位:MOP

貨幣單位:MOP

Demonstração de resultados do exercício de 2015

Conta de exploração

貨幣單位:MOP

Conta de lucros e perdas

貨幣單位:MOP

O Gerente-geral, A Chefe da Contabilidade,
Guo Zhihang Tang Ying

業務報告之概要

過去一年,國際金融市場總體表現平穩,值得注意的兩點是美國聯邦儲備局已啟動加息政策,但因受到實體經濟下滑的影響並未進入快速軌道;另外一點是中國人民幣較大幅度的貶值在引起市場恐慌後得到有效的控制,並未產生連鎖反應。本行高度關注市場變化帶來的金融風險,對因匯率和利率波動產生的風險敝口主動採取避免措施,始終秉承「進展不忘穩健,服務必盡忠誠」之經營理念,故此2015年銀行管理及整體業務發展保持平穩,利潤有所增加。

今年以來,全球經濟發展前景並不明朗,較大的市場風險因素依然存在。銀行支持企業發展首先要自身穩健,本行將著力依法合規經營,提升科技支援業務發展能力,為客戶量身訂制金融服務產品,依靠香港總行和招商銀行集團的整體優勢,增加銀行競爭力和盈利能力。

在此,本人對一貫支持本行業務發展的社會各界人士表示衷心感謝!

永隆銀行澳門分行
總經理 郭志航

二零一六年五月九日

摘要財務報表之獨立核數報告

致 永隆銀行有限公司澳門分行總經理
(於香港特別行政區註冊成立的商業銀行有限公司之分行)

我們按照澳門特別行政區之《核數準則》和《核數實務準則》審核了永隆銀行有限公司澳門分行二零一五年度的財務報表,並已於二零一六年五月十二日就該財務報表發表了無保留意見的核數師報告。

上述已審核的財務報表由二零一五年十二月三十一日的資產負債表以及截至該日止年度的損益表、儲備變動表和現金流量表組成,亦包括重大會計政策的摘要和解釋附注。

隨附由管理層編制的摘要財務報表是上述已審核財務報表和相關會計賬目及簿冊的撮要內容。我們認為,摘要財務報表的內容,在所有重要方面,與已審核財務報表和相關會計賬目及簿冊的內容一致。

為更全面了解永隆銀行有限公司澳門分行的財務狀況和經營結果以及核數工作的範圍,隨附的摘要財務報表應與已審核的財務報表以及獨立核數師報告一併閱讀。

張雪儀註冊核數師
畢馬威會計師事務所

二零一六年五月十二日,於澳門


    

Versão PDF optimizada para Adobe Reader 7.0 ou superior.
Get Adobe Reader