Número 22
II
SÉRIE

Quarta-feira, 30 de Maio de 2012

REGIÃO ADMINISTRATIVA ESPECIAL DE MACAU

      Anúncios notariais e outros

2.º CARTÓRIO NOTARIAL DE MACAU

CERTIFICADO

澳門孔雀藝術中心

為公佈之目的,茲證明上述社團之章程已於二零一二年五月十八日,存檔於本署之2012/ASS/M2檔案組內,編號為117號,有關條文內容如下:

澳門孔雀藝術中心

章程

第一章

名稱、會址、宗旨

第一條——本會名稱為澳門孔雀藝術中心,(以下簡稱本會)。會址位於澳門鏡湖馬路13號協興樓4B,會址經會員大會議決後可遷往其他地點。

第二條——本會為一個非牟利的團體。

第三條——本會以擁護“一國兩制”,愛國、愛澳門,發揚中華文化藝術,推廣和發展藝術活動,促進與各地藝術團體聯繫,增進互相了解地方藝術和友誼,為澳門特別行政區的社會安定而努力,促進兩岸四地文化藝術聯繫,同時積極參與社會事務為宗旨。

第二章

會員資格 ,權利與義務

第四條——凡有意參與推廣及加深認識各種文化的人士、認同本會宗旨並願意遵守本會章程者,經本會理事會審核批准即可成為本會會員。會員有下列權利和義務:

(1)維護及宣傳本會之宗旨,積極參與會務;不作損害本中心聲譽之行為;

(2)遵守本會章程、內部規章、會員大會及理事會各項決議;

(3)按時繳交由會員大會訂定之年度會費。

第三章

本會架構

第五條——會員大會為本會最高權力機關,會員大會設會長一人,副會長兩人,其職權如下:

(1)選舉理事會及監事會成員;

(2)決定活動工作方針及計劃;

(3)制定或修改會章。

第六條——理事會為本會執行機關,其職權如下:

(1)召開會員大會;

(2)執行會員大會之決議,向會員大會報告工作及提出建議;

(3)理事會設理事長一人,副理事長一人,理事若干人(總人數必為單數),任期三年,可連任。 理事會視工作需要,可增聘名譽會長及顧問。

第七條——監事會職權負責稽查、監核和督促理事會各項基本任務,監事會由三人或以上組成(總人數必為單數),其中一位為監事長,任期三年 ,可連任。

第四章

會員大會會議

第八條——會員大會每年召開一次,大會之召集須最少提前八日以掛號信方式為之,或最少提前八日透過簽收方式而為之,召集書內應指出會議之日期、時間、地點及會議內容。會員大會決議取決於出席會員之多數票通過生效。

第九條——修改章程的決議,須獲出席會員四分之三贊同票通過生效。

第十條——解散法人或延長法人存續期之決議,須獲全體會員四分之三之贊同票通過生效。

第五章

經費

第十一條——本會的收入包括會費、捐贈、籌募、政府機構或其他社會團體資助以及任何在理事會權限範圍內的收入。

第六章

第十二條——本會章程解釋權屬會員大會。

第十三條——本會章程如有未盡善處,得由理事會提請會員大會修改。

Está conforme.

Segundo Cartório Notarial de Macau, aos dezoito de Maio de dois mil e doze. — A Ajudante, Graciete Margarida Anok da Silva Pedruco Chang.


2.º CARTÓRIO NOTARIAL DE MACAU

CERTIFICADO

澳門家庭團聚互助會

英文名稱為“Macao Family Reunification Mutual Association”

為公佈之目的,茲證明上述社團之章程已於二零一二年五月十八日,存檔於本署之2012/ASS/M2檔案組內,編號為118號,有關條文內容如下:

第一章

總則

第一條——本會中文名為:澳門家庭團聚互助會;

英文名為:Macao Family Reunification Mutual Association;

會址:澳門馬場海邊馬路73-97號麗華新邨第二座地下304室。

第二條——本會為非牟利性社會服務團體。

第三條——宗旨:本會以自願、奉獻、友愛、互助、進步為宗旨,提倡團結友愛、助人為樂、無私奉獻,通過開展社會服務,促進社會和諧發展。

第四條——本會的服務範圍:

1. 為公益事業、大型社會活動等提供志願服務;

2. 為需要幫助的社會人士和團體提供志願服務。

第二章

會員

第五條——本會會員均為個人會員。

第六條——加入本會的會員,必須具備下列條件:

1. 承認本會章程;

2. 熱愛公益事業,熱心社會服務,甘於奉獻;

3. 能夠堅持參加志願服務工作。

第七條——本會會員享有下列權利:

1. 有表決權、選舉權和被選舉權;

2. 有參加本會組織的各種志願服務活動的權利;

3. 有對本會會務工作提出建議、批評和進行監督的權利;

4. 有向本會推薦會員的權利。

第八條——本會會員應履行下列義務:

1. 有遵守本會章程、執行本會決議的義務;

2. 有宣傳本會宗旨、維護本會聲譽的義務;

3. 有參加本會要求參加的活動、完成所承擔工作任務的義務。

第九條——本會實行入會和退會自願的原則。

第三章

組織架構

第十條——會員大會為本會最高權力機構,設會長一名,副會長二名。

第十一條——會員大會每年至少召開一次,須有三分之二以上的會員出席,每次開會前的8天以掛號信或簽收的形式召集所有會員。

第十二條——會員大會行使下列職權:

1. 審議通過會務工作報告;

2. 審查財務預算、決算報告;

3. 制定、修改本會章程;

4. 決定其他重大事宜。

第十三條——本會所有的領導架構成員,由會員大會選舉產生,每屆任期為三年,成員可以連選連任,會長任期最長不得超過三屆。

第十四條——本會設理事會作為常設機構,理事會由理事長一名、副理事長三至五名、秘書長一名、副秘書長三至五名組成,總人數必須為單數,具體執行會員大會的各項決議,組織和開展各項會務工作。

第十五條——監事會設監事長一名,副監事長二名,監事若干名,監事會人數必須為單數,監督理事會開展各項會務工作,審查每年的財務報告。

第十六條——根據需要,理事會可以聘請社會人士擔任本會的名譽職務。

第十七條——會長為本會法定代表人,負責召集理事會議,對外代表本會,對內領導本會工作。副會長協助會長工作。

第十八條——本會第一屆領導架構成員由籌委會協商產生。

第四章

經費來源

第十九條——本會的日常運作和活動經費主要來源於社會人士資助;本會也接受其他公益組織、基金會、政府和社團的資助。

第五章

附則

第二十條——本章程的解釋權屬本會理事會。

第二十一條——本會修改章程須獲出席會員大會四分之三的會員贊同方能通過。

第二十二條——解散本會,須獲全體會員四分之三的贊同方能通過。

Está conforme.

Segundo Cartório Notarial de Macau, aos dezoito de Maio de dois mil e doze. — A Ajudante, Graciete Margarida Anok da Silva Pedruco Chang.


2.º CARTÓRIO NOTARIAL DE MACAU

CERTIFICADO

澳門專業美甲師協會

英文名稱為“Macau Professional Nailist Association”

為公佈之目的,茲證明上述社團之章程已於二零一二年五月十七日,存檔於本署之2012/ASS/M2檔案組內,編號為116號,有關條文內容如下:

澳門專業美甲師協會

組織章程

第一章

名稱、會址和宗旨

第一條——名稱

1. 中文名稱:澳門專業美甲師協會。

2. 英文名稱:Macau Professional Nailist Association。

第二條——會址

1. 本會會址設於澳門高地烏街50號C利華閣14樓I座。經理事會決議,本會會址可遷往本澳任何地方。

2. 經理事會決議後,可按照會務的發展,增加必需的分會、辦事處及其他形式的代表機構。

第三條——組織性質及宗旨

本會為一非牟利團體,其宗旨為:

1. 提升澳門美甲專業技術之國際化;

2. 促進澳門美甲師之間的美甲交流、研究與創新;

3. 舉辦及參與會議、比賽、研討會、技術研究組織及其它一般文化或康樂活動;

4. 團結全澳美甲從業員,維護行業的正當權益,促進及參與澳門社會經濟發展。

第二章

會員及會員之權利、義務及守則

第四條——會員、入會資格及手續

1. 凡對美甲有興趣,並願意為本會作出貢獻及接受本會章程者皆可申請成為會員;

2. 申請者必須填寫特定的申請表、遞交一吋正面半身近照兩張、有效身份證明文件副本一張連同兩位會員之推薦,由理事會按照入會規章作出決定;

3. 經理事會批准後,繳交協會基金澳門幣壹佰元正及一年之會費澳門幣壹佰元正(合共澳門幣貳佰元正)方為正式會員;

4. 本會設永久會員制,具體辦法由理事會制定,永久會員費用,澳門幣伍佰元正;

5. 本會之會員包括正式會員或榮譽會員;

6. 經理事會提交建議書,證實其對本會或對美甲技術的發展作出貢獻者,可經會員大會決定成為本會顧問、榮譽領導職位或成為本會榮譽會員;

7. 榮譽會員可成為正式會員,保留原有的權利及榮譽,並執行新職級之義務。

第五條——會員權利

正式會員之權利:

1. 參與由本會所舉辦之活動;

2. 根據本會之規章提供勞務及接受利益;

3. 參與會員大會的會議,在會員大會上有討論權、投票權;

4. 有參選及被票選擔任會務工作的權利。

第六條——會員義務及守則

正式會員之義務及守則:

1. 尊重及遵守章程內的法則及規章;

2. 服從經由會員大會或理事會通過之決議;

3. 發展本會之宗旨,全力協助及維護協會的利益;

4. 不得作出有損本協會聲譽之任何行為及活動;

5. 在未獲得理事會決議同意下,不得以本會之名義組織任何活動;

6. 出席會員大會或所屬小組會議。

第七條——違規處理

1. 會員如欠交會費一年者,本會得有權停止其享受一切福利和權利(仍可暫時保留會籍),待清繳會費30天後,才能恢復享受一切福利和權利。

2. 當發現會員有作出違規行為之事實,得由理事會臨時中止其會籍,其後提交會員大會或會員緊急大會決議,理事會得因應違規情況作出下列處罰:

A. 輕微違規——發出警告信;

B. 一般違規——停止參與會員活動一段時間;

C. 嚴重違規——開除會籍。

本會會員如觸犯下列行為之一者,視為嚴重違規:

I. 違反本會章程者;

II. 被法庭判決違反刑事法律;

III. 多次違反會員大會或理事會之決議、公約或守則;

IV. 經營違法業務者;

V. 不履行繳交會費義務超過二年。

第三章

協會架構

第八條——概述

澳門專業美甲師協會的組成分為:

1. 會員大會

2. 理事會

3. 監事會

第九條——會員大會

1. 會員大會是澳門專業美甲師協會之最高機關,由所有正式會員按其規章權利直接組成,所舉行的會議必須由會長、副會長及秘書主持。

2. 會員大會由會長召集,每年舉行平常會議一次,在必要時,可提前或延期舉行。

3. 如有需要(只在緊急情況下),可以召開會員緊急大會,而會員緊急大會必需由會長召開,或應最少10名正式會員聯名提案,然後由理事會通過方可召開,否則不予承認召開的資格。

4. 會員大會召開當日前最少十五日以掛號信形式作書面通知;而會員緊急大會召開當日前最少八日以掛號信形式作書面通知,以示公告各會員。

5. 出席會員大會之法定人數為多於全體會員人數之二分之一,達法定人數後始得召開;若第一次召開無法達到要求之法定人數,得於半小時後再次召集,而第二次召集後無論是否達到法定人數,亦可召開會議,但法律另有規定除外。

6. 所有表決必須經過會議召開人數的過半數以上人數的贊成相關的方案、提案等方為正式通過,否則視為無效。

7. 會長、副會長、秘書、理事會和監事會通過會員大會選舉產生,任期三年,連選得連任。

會員大會之職權範圍:

A. 會員大會主席、理事會或由出席會員大會過半數以上人數會員聯名,均可在會員大會上提出議案;

B. 訂定本會行為之指引及指導,決議所有有關事項,依章程所定義而職權屬理事會及監事會的事項除外;

C. 審議理事會及監事會之工作報告、財政報告及本年度之活動計劃、發展方針、政策及財政預算;

D. 選舉或罷免理事會及監事會之成員;

E. 修改會章、本會的章程及條例、罷免當屆理事會或監事會之成員及推翻以往會員大會之決議,均須由出席會員大會之四分之三會員贊同票;

F. 批准傑出人士擔任榮譽會員;

G. 確保接納及增選新會員;根據規章追認會員退會或除名之批示。

第十條——理事會

1. 理事會由五名或以上理事所組成(理事會成員必須為單數),通過會員大會選舉產生;

2. 本會的理事會是一個管理及行政組織,由理事長一名、副理事長一名、理事及秘書若干名組成,經理事會員互選產生,三年選舉一次,連選得連任;

3. 根據會務發展需要,經理事會決議,理事會可設立不同職能部門,各部門負責人經理事會成員互選產生;

4. 理事會每月舉行平常會議一次,特別會議由理事長審批後可召集舉行;會議須有過半數理事出席方為有效;若有關理事因故未能出席者,可通過書面授權方式由其他理事代為行使其職能;在理事會的提案,須獲出席會議理事的過半數以上人數投票贊成,方能通過;

5. 理事會之空缺可由正式會員填補,並經會員大會確認,替代者需完成原有的任期及職務;

理事會之職權範圍:

A. 執行及命令執行組織章程、規章、處理日常會務及會員大會之決議,並可根據大會制定的方針,以及理事會的決議,開展各項會務活動;

B. 向會員大會提議修改組織章程、審批規章、報告及推廣和支持本會之活動計劃;

C. 分配理事會成員之職務,管理財產,處理收支,安排人員以確保本會之會務可正常執行;

D. 經理事會通過,本會可聘請對本會有傑出貢獻者或本澳知名人士,擔任本會名譽顧問或顧問;

E. 構成本會責任的文件,必須由理事長及一名理事會成員聯合簽署,但一般文書可由一名理事會成員簽署;

F. 除理事長或由理事長授權外,任何會員不得以本會名義對外發表意見。

第十一條——監事會

1. 監事會由三名或以上成員所組成(總成員必須為單數),通過會員大會選舉產生;

2. 監事會是一個監察本會之行政管理之組織,由監事長一名,副監事長一名及秘書組成,三年選舉一次,連選得連任;

3. 監事會每季舉行平常會議一次,並可由監事長在具有合理解釋下召開特別會議;

4. 監事會之空缺可由正式會員填補,並經會員大會確認,替代者需完成原有的任期及職務;

監事會之職權範圍:

A. 負責監察理事會會務工作之行政行為及其財務運用,並需向會員大會提交監察報告;

B. 監事會得要求理事會提供必要或適當之資源及方法,嚴格審查會計帳目及財務報告,以履行其職務;

C. 對理事會之報告書及帳目結算作出意見書。

第四章

經費

第十二條——經費

本會收入包括:

1. 會員入會費及年費;

2. 本身資產及其活動之收益;

3. 來自會員及第三者之津貼,捐贈及遺贈;

4. 在本會舉辦活動時,如有需要,經理事會決議通過,可向本會會員、社會人士、政府及團體機構等籌集之。

第五章

附則

第十三條——附則

1. 本章程如有未盡完善之處及事宜,由理事會提請全體會員大會修改之;

2. 所有附屬於本會的規則等在不抵觸本章程原則下,可以制定相關或延伸規則。

第六章

解散

第十四條——解散

本會可依法解散。其解散只可由為此目的而召開的特別大會,須全體會員出席,並經多於四分三的全體會員贊成方可通過,並應因此而委任由至少三位正式會員組成清算委員會。

Está conforme.

Segundo Cartório Notarial de Macau, aos dezassete de Maio de dois mil e doze. — A Ajudante, Graciete Margarida Anok da Silva Pedruco Chang.


2.º CARTÓRIO NOTARIAL DE MACAU

CERTIFICADO

華夏文明珍品研究會

中文簡稱為“華夏珍研會”

英文名稱為“Wa Ha Civilization Treasures Research Association”

英文簡稱為“WHCTRA”

為公佈之目的,茲證明上述社團之章程已於二零一二年五月十七日,存檔於本署之2012/ASS/M2檔案組內,編號為115號,有關條文內容如下:

第一章

總則

第一條——本會中文名稱為:“華夏文明珍品研究會”,中文簡稱:“華夏珍研會”,英文名稱為:“Wa Ha Civilization Treasures Research Association”,英文簡稱為 “WHCTRA”。

第二條——本會為非牟利團體,以團結對“華夏文明”文化、藝術有興趣人士,向各地區(海內外)推廣、交流與“華夏文明”文化、古藝術品相關之活動;並提昇居民對華夏文化歷史藝術品的認識與欣賞能力為宗旨。

第三條——本會會址設於澳門祐漢新村第四街38-46號祐成工業大廈第二期10樓DC室,經理事會通過後,會址可遷移至澳門特別行政區內之任何地點。

第二章

組織

第四條——會員大會為本會的最高權力機構;選舉理事會、監事會及各管理機構之成員;修改本會章程及內容規章。審議理事會的工作報告和財務報告;以及監事會的相關意見書;決定本會會務方針及作出相應決議。會員大會須至少提前八日以掛號信或透過簽收方式召集,召集書內應指出會議之日期、時間、地點及議程。

第五條——本會設會長一人,副會長二人,參與會務,領導本會;正、副會長任期三年,可連選連任。

第六條——理事會為本會最高執行機構,每年召開會員大會;執行會員大會決議、處理一切有關會務;本會設理事長一人、副理事長二人;下設秘書、財務等部門,由單數成員組成,正、副理事長及各部門理事任期三年,可連選連任。

第七條——監事會設監事長一人、監事二人;監事長由互選產生,任期三年可連選連任。

監事會監察理事會的所有行政決策、定期審核會計賬目;就監察活動編制年度報告。

第八條——理事會每一個月舉行會議一次,由理事長召集;會議人數需要過半數理事會成員出席及簽到方可作出決議。

第九條——鑑於本會專業特性,下設三人鑒定小組。

第十條——本會設立教育培訓部門,敦請資深專業人士作定期及不定期之講座與研討,以提昇業界相關之收藏文化。

第十一條——本會根據實際情況,可向社會聘請有識之熱心人士擔任名譽會長或顧問等,以指導會務發展。

第三章

會員

第十二條——凡參加本會第一次會員大會者皆為創會會員;以後凡有興趣參與者,承認本會章程;由兩位會員推介,經理事會通過,辦妥入會手續,即成為本會會員。

第十三條——會員之權利

A. 有選舉權,被選舉權及罷免權。

B. 有對本會工作提出批評權及建議權。

C. 參與本會舉辦之各項活動。

D. 經合法程序,會員有權申請退會。

第十四條——會員之義務

A. 遵守本會章程及各項決議。

B. 團結會員,支持會務活動。

C. 繳納基金或按期繳交會費。

D. 如有違反本會章程、損害本會名譽或利益者,經規勸無效,由監、理事會聯席會議通過;會長、理事長簽署確認,可勒令其退會或開除會籍。

E. 會員應守法,若有犯法行為,一經發現立即報官究辦,並同時喪失會員資格。

第四章

經費

第十五條——本會經費來源

A. 會員入會時繳納之基金或按期繳交之會費。

B. 接受會員及各界熱心人士之捐贈或贊助。

C. 接受政府機構資助。

第五章

附則

第十六條——本會章程解釋權屬理事會。

第十七條——本會章程如有未盡善處,自會員大會議決修改章程。修改章程的決議,須獲出席會員四分之三之贊同票。解散法人或延長法人存續期之決議,須獲全體會員四分之三之贊同票。

Está conforme.

Segundo Cartório Notarial de Macau, aos dezassete de Maio de dois mil e doze. — A Ajudante, Graciete Margarida Anok da Silva Pedruco Chang.


2.º CARTÓRIO NOTARIAL DE MACAU

CERTIFICADO

澳門世界城市世界企業研究會

葡文名稱為“Macau Mundo Cidade e Mundo Empresa de Pesquisa Associação”

英文名稱為“Macau World City and World Enterprise Reseach Association”

英文簡稱為“WWRA”

為公佈之目的,茲證明上述社團之章程已於二零一二年五月十六日,存檔於本署之2012/ASS/M2檔案組內,編號為114號,有關條文內容如下:

澳門世界城市世界企業研究會

組織章程

第一章 名稱、住所、宗旨

第二章 整體工作範圍

第三章 組織期限和經費

第四章 會員資格

第五章 名譽職銜

第六章 會員的權利

第七章 會員的義務

第八章 組織架構

第九章 會員大會

第十章 主席、副主席

第十一章 理事會

第十二章 監事會

澳門世界城市世界企業研究會

葡文名稱為“Macau Mundo Cidade e Mundo Empresa de Pesquisa Associação”

英文名稱為“Macau World City and World Enterprise Research Association”

英文簡稱為“WWRA”

第一章

名稱、住所、宗旨

第一條——本會中文名稱定為“澳門世界城市世界企業研究會”,葡文名稱為“Macau Mundo Cidade e Mundo Empresa de Pesquisa Associação”,英文名稱為“Macau World City and World Enterprise Research Association”,英文簡稱為“WWRA”。會址設於澳門宋玉生廣場181-187號光輝集團商業中心21樓K單位。

第二條——本會宗旨:本會是一個以專家學者、工商界人士、社會活動家、世界城市世界企業管理者、支持澳門社會公益事業的熱心人士為主體的自願組合,從事“推動與世界城市世界企業多元化戰略合作、促進與世界城市世界企業共同發展,促進地區經濟持續增長、社會繁榮、和諧健康繁榮發展”的不牟利民間國際級非政府組織研究性團體。創會之主要目標是:“推動與世界城市世界企業多元化戰略合作、促進與世界城市世界企業共同發展,促進地區經濟持續增長、社會繁榮、和諧健康繁榮發展”。

第二章

整體工作範圍

第三條——積極推動與“世界城市世界企業多元化戰略合作、促進與世界城市世界企業共同發展,促進地區經濟持續增長、社會繁榮、和諧健康繁榮發展”有關的一切研究活動,組織專題調研、組織專題會議和組織專家撰寫專題報告。本會成員自覺承擔和履行澳門社會公益事業的公民責任和義務,並將上述共識作為會員參與社會服務的行動指導。

第四條——基於第三條之共識,本會將制定長時間(5至30年)重大課題研究規劃和專案,本會將制定近期(1至10年)的重大課題研究規劃和專案。上述所指長時間“重大課題研究規劃和專案”的內涵於第五條表述,所指近期“重大課題研究規劃和專案”的內涵於第六條表述。

第五條——本會長時間之重大課題研究規劃和專案以“推動與世界城市世界企業多元化戰略合作、促進與世界城市世界企業共同發展,促進地區經濟持續增長、社會繁榮、和諧健康繁榮發展”為宗旨確定。

第六條——本會近期重大課題研究規劃和專案以有利於“推動與世界城市世界企業多元化戰略合作、促進與世界城市世界企業共同發展,促進地區經濟持續增長、社會繁榮、和諧健康繁榮發展”的專題調研、參觀考察、會議活動實際需要確定。本會成員依據共同促進與世界城市世界企業共同發展的願景與個人的發展意向,自願選擇參與本會的組織活動。本會作為民間國際級非政府組織研究性團體,將經常性地參與相關的國際性或區域性學術研討會,舉辦專題講座,組織研究會議交流活動,積極投入社會公益活動,鼓勵和協助會員舉行相關的專題、科研、創作、表演、展覽、展示、出版等研究會議活動。

第七條——爭取創建“世界城市企業研究院”。創建此專業性研究機構的設想乃基於世界城市世界企業戰略合作發展研究的需要。為此,本會將盡力呼籲澳門社會各界人士包括政府部門和公益機構支持創建此項“具有規劃城市未來、構建可持續戰略合作平臺”的規劃城市未來研究院。

第八條——為了實現共同促進與世界城市世界企業共同發展的共同願景,創造一個與世界城市世界企業戰略合作發展平臺,使澳門獲得更好的可持續發展的未來,本會將呼籲和促進澳門社會爭取設立“世界城市世界企業發展基金”,為推動澳門爭取成為“最受世界城市世界企業關注的世界旅遊名城”而努力。

第三章

組織期限和經費

第九條——本會向澳門特別行政區政府正式註冊確認為澳門的一個合法的民間國際級非政府組織研究性社團,它的存在將是永久性的。

第十條——經費來源:本會為不牟利的民間國際級非政府組織研究性社團,所有經費來自會員按規定繳交的會費、社會人士的捐贈、澳門政府和公益機構的贊助以及本會投入社會服務可能獲得的回報等。

第四章

會員資格

第十一條——本會會員主體為專家學者、工商界人士、世界城市世界企業管理者、社會活動家與支援澳門社會公益事業的熱心人士。

第十二條——本會由創會會員和申請入會的普通會員組成。

第十三條——申請入會者須由兩名會員推薦並經理事會、監事會審批方有資格成為本會的正式會員。

第五章

名譽職銜

第十四條——本會為了擴大對外交流活動之需要,可適當增設名譽主席、名譽顧問、名譽研究員、特聘專家、特聘教授、學術及翻譯等專業方面的顧問等榮銜。此種榮銜之授予須經理事會、監事會通過並由主席任命方屬有效。

第六章

會員的權利

第十五條——會員有選舉和被選舉為理事會、監事會成員的權利。

第十六條——會員有參與本會組織的各項公開學術活動的權利。

第十七條——會員有向理事會推薦新會員申請入會的權利。

第十八條——會員有監督會務發展並作出個人建議的權利。

第十九條——會員有在會內同全體成員享受學術平等和人格平等的權利。

第二十條——會員有權向理事會、監事會聲明自願退會的權利。

第七章

會員的義務

第二十一條——會員有遵守本會組織章程的義務。

第二十二條——會員有執行全體會員大會所作決議和理事會、監事會會議所作決策的義務。

第二十三條——會員有遵守當屆會員大會有關決議按時繳交會費的義務。

第二十四條——會員有推薦新會員入會以促進會務發展的義務。

第二十五條——會員有維護本會社會聲譽的義務。

第八章

組織架構

第二十六條——本會組織架構由全體會員大會、理事會、監事會三部份組成。

第九章

會員大會

第二十七條——每次會員大會首先經不記名投票選出得票數最多者就任大會主席,得票其次者就任大會副主席,並公推大會主席和副主席之外的一人出任大會秘書長處理大會的事務工作。

第二十八條——由大會主席(或授權副主席)主持會員大會,通過不記名投票方式選出理事會、監事會成員。

第二十九條——上述所選之理事會、監事會成員必須得到全部選票之過半數方為有效。

第三十條——會員大會每年舉行一次,倘遇特殊情況可由過半數會員同意召開臨時會員大會。

第三十一條——會員大會為本會決策的民主權威,可確定本會的工作方向、修改會章、改選理事會、監事會或對理事會、監事會連任加以確認。

第十章

主席、副主席

第三十二條——會員大會結束後即由當選理事成員推選其中二人分別擔任主席、副主席職務,任期三年。當選主席、副主席者依次有權領導理事會制定本會工作的整體規劃,督促理事會成員執行之。

第三十三條——主席有權任命一位理事會成員兼任本會秘書處工作,擔任相當於主席助理的職責,協助處理日常事務工作。

第十一章

理事會

第三十四條——理事會之許可權為:管理法人,提交年度管理報告,以及履行法律及章程所載之其他義務。

第三十五條——理事會成員名額定為三至五名,總人數須為單數,由互相推選方式選出兩人任正、副理事長。理事長負責協調全體理事成員進行工作,副理事長協助理事長開展會務工作,理事會成員任期三年,連選可連任。

第三十六條——如有三分之二以上的理事成員對理事會分工方式持異議,則可召開理事會重新推選正、副理事長,但此項程式須在主席的領導下進行。

第十二章

監事會

第三十七條——監事會成員名額定為三名,總人數須為單數,由互相推選方式選出一人任監事長,監事會成員任期三年,連選可連任。

第三十八條——監事長和監事監督會務工作,直接對主席負責。

第三十九條——監事會須就其監察活動編制年度報告,有權審查會務賬目並向理事長提出質詢,履行法律及章程所載之其他義務。凡是無法在理事會、監事會之間協調解決的問題須提交會員大會討論,由會員大會作最高仲裁。

第四十條——根據《民法典》第161條“大會之召集須最少提前八日以掛號信方式為之,或最少提前八日透過簽收方式而為之,召集書內應指出會議之日期、時間、地點及議程”、《民法典》第163條第3款及第4款,“修改章程的決議,須獲出席社員四分之三之贊同票。解散法人或延長法人存續期之決議,須獲全體社員四分之三之贊同票”。

Está conforme.

Segundo Cartório Notarial de Macau, aos dezassete de Maio de dois mil e doze. — A Ajudante, Wong Wai Wa.


2.º CARTÓRIO NOTARIAL DE MACAU

CERTIFICADO

Associação dos Trabalhadores da Língua Lusófona da Função Pública de Macau, e em chinês

澳門公職葡語系協會

Certifico, para efeitos de publicação, que se encontra arquivado, neste Cartório, desde dezasseis de Maio de dois mil e doze, no Maço número dois mil e doze barra ASS barra M2, sob o número cento e treze, um exemplar dos estatutos da associação em epígrafe, do teor seguinte.

Associação dos Trabalhadores da Língua Lusófona da Função Pública de Macau

Artigo primeiro

A associação tem a denominação de «Associação dos Trabalhadores da Língua Lusófona da Função Pública de Macau» em chinês “澳門公職葡語系協會”, e tem a sua sede na Rua de Paris, n.º 94, Edf. Fu Tat Gdn, 14.º andar X, Macau.

Artigo segundo

A Associação tem duração ilimitada.

Artigo terceiro

A Associação é uma instituição sem fins lucrativos que se propõe estabelecer e promover a solidariedade entre os trabalhadores da língua lusófona da função pública de Macau, defender a identidade cultural e dignificar a presença da comunidade lusófona da RAEM, bem como a realização de acções de beneficência. Promover na comunidade a importância da língua lusófona.

Artigo quarto

Um. Podem inscrever-se como sócios efectivos todos os que se identifiquem com os princípios e os ideais que a Associação se propõe realizar e que sejam amigos da cultura, tradições e costumes dos trabalhadores da língua lusófona da função pública de Macau.

Dois. A admissão como sócio depende de proposta de dois sócios e de aprovação pela Direcção.

Artigo quinto

São direitos dos sócios:

a) Participar nas assembleias gerais, votar, eleger e ser eleitos para os órgãos sociais;

b) Participar nas iniciativas da Associação e gozar de quaisquer direitos e regalias que lhes sejam concedidos pela Assembleia Geral, pela Direcção ou pelos regulamentos internos;

c) Apresentar à Direcção as sugestões que entendam de interesse para a Associação;

d) Propor novos sócios; e

e) Os demais direitos conferidos pelos presentes estatutos, pelos regulamentos internos e pelas deliberações da Assembleia Geral ou da Direcção.

Artigo sexto

São deveres dos sócios:

a) Respeitar e cumprir os presentes estatutos, os regulamentos internos e as deliberações dos órgãos sociais;

b) Desempenhar os cargos para que forem designados;

c) Contribuir, com todos os meios ao seu alcance, para a prossecução dos objectivos, progresso e prestígio da Associação; e

d) Pagar, com pontualidade, as quotizações e outros encargos que forem aprovados pelos órgãos competentes da Associação.

Artigo sétimo

Um. Aos sócios que infringirem os estatutos ou praticarem actos que desprestigiem a Associação serão aplicadas, de acordo com a deliberação da Direcção, as seguintes sanções:

a) Advertência;

b) Censura por escrito; e

c) Expulsão.

Dois. A aplicação das sanções referidas no número anterior será precedida de processo próprio, promovido pela Direcção.

Três. Das decisões da Direcção que aplicarem sanções cabe recurso para a Assembleia Geral.

Artigo oitavo

São órgãos da Associação:

a) Assembleia Geral;

b) Direcção; e

c) Conselho Fiscal.

Artigo nono

Um. A Assembleia Geral é o órgão supremo da Associação, sendo constituída por todos os sócios no pleno gozo dos seus direitos, competindo-lhe em exclusivo:

a) Aprovar alterações aos estatutos;

b) Eleger e destituir os titulares dos órgãos sociais;

c) Definir as directivas de actuação da Associação;

d) Deliberar sobre a aplicação dos bens da Associação; e

e) Apreciar e aprovar o plano de actividades e os orçamentos anuais da Associação.

Dois. A competência da Assembleia Geral abrange todas as matérias que não caibam na competência exclusiva dos restantes órgãos sociais.

Artigo décimo

A Mesa da Assembleia Geral é constituída por um presidente e dois secretários, eleitos de entre todos os sócios no pleno gozo dos seus direitos, por mandato de dois anos.

Artigo décimo primeiro

Um. A Assembleia Geral reúne-se uma vez por ano, em sessão ordinária para apreciação do relatório de actividades e respectivo orçamento do ano seguinte.

Dois. Pode a Assembleia ser extraordinariamente convocada pela Direcção ou por um número não inferior a um terço dos sócios.

Três. A Assembleia Geral é convocada por meio de carta registada, enviada com a antecedência mínima de 8 dias, ou mediante protocolo efectuado com a mesma antecedência; na convocatória indicar-se-á o dia, hora e local da reunião e a respectiva ordem de trabalhos.

Artigo décimo segundo

Um. A Assembleia Geral não pode deliberar, em primeira convocação, sem a presença de, pelo menos, metade dos seus associados.

Dois. Na falta de quórum, a Assembleia Geral voltará a reunir-se, mediante nova convocação, dentro de um prazo não inferior a quinze dias, caso em que deliberará com qualquer número de sócios presentes.

Três. Sem prejuízo do que vem disposto nos números seguintes, as deliberações são tomadas por maioria absoluta dos sócios presentes.

Quatro. As deliberações sobre a alteração dos estatutos exigem o voto favorável de quatro quintos dos sócios presentes.

Cinco. As deliberações sobre a dissolução da Associação requerem o voto favorável de quatro quintos de todos os sócios.

Artigo décimo terceiro

À Direcção compete:

a) Cumprir e fazer cumprir os presentes estatutos, os regulamentos internos e as deliberações dos demais órgãos sociais;

b) Representar a Associação, em juízo ou fora dele, activa ou passivamente, nos actos e contratos;

c) Assegurar a gestão e o funcionamento da Associação;

d) Elaborar e submeter à Assembleia Geral, para aprovação, o relatório e contas anuais do exercício, bem como os planos de actividades e orçamentos anuais;

e) Elaborar e propor à Assembleia Geral, para aprovação, os regulamentos internos e respectivas alterações;

f) Deliberar sobre a admissão de sócios; e

g) Desempenhar outras tarefas que lhe sejam cometidas pela Assembleia Geral.

Artigo décimo quarto

Um. A Direcção é constituída por um presidente, dois vice-presidentes, um secretário e um tesoureiro, eleitos pela Assembleia Geral, para um mandato de dois anos.

Dois. Para além das competências legais e deferidas no presente estatuto, compete à Direcção a gestão da vida corrente da Associação.

Três. Nas faltas e impedimentos do presidente, este será substituído por um dos vice-presidentes que o presidente designar para o efeito.

Artigo décimo quinto

Compete a um dos vice-presidentes da Direcção substituir o presidente nas suas faltas ou impedimentos.

Artigo décimo sexto

Um. O Conselho Fiscal é constituído por um presidente e dois vogais, eleitos pela Assembleia Geral, por mandato de dois anos.

Dois. São atribuições do Conselho Fiscal supervisionar a actividade da Direcção e dar parecer sobre o relatório e contas anuais, bem como pronunciar-se sobre quaisquer assuntos que lhe sejam cometidos pelos restantes órgãos sociais.

Artigo décimo sétimo

Um. O património da Associação é constituído por todos os bens móveis e imóveis que por qualquer título venha a adquirir.

Dois. São rendimentos da Associação os provenientes das quotizações e quaisquer donativos e contribuições.

Três. Em caso de dissolução da Associação, a Assembleia Geral promoverá a liquidação do património, sendo o produto entregue a instituições de solidariedade social designadas pela Assembleia Geral.

Está conforme.

Segundo Cartório Notarial de Macau, aos dezassete de Maio de dois mil e doze. — A Ajudante, Wong Wai Wa.


CARTÓRIO PRIVADO

MACAU

CERTIFICADO

Associação Sport Comércio e Bigode com nome abreviado

em português «ASCB»

Certifico, para efeitos de publicação, que, por Termo de Autenticação outorgado em dezassete de Maio de dois mil e doze, arquivado neste Cartório e registado sob o número um barra dois mil e doze no Livro de Registo de Instrumentos Avulsos e de Outros Documentos, foi constituída a associação com a denominação em epígrafe, que passa a reger-se pelos Estatutos em anexo e que vai conforme ao original a que me reporto.

Associação Sport Comércio e Bigode

ESTATUTOS

Artigo primeiro

A Associação adopta a denominação, em português, «Associação Sport Comércio e Bigode», em chinês, “鬍鬚體育商業協會” com nome abreviado em português «ASCB» e em chinês “鬍鬚體商協” e tem a sua sede em Macau, na Avenida da Amizade, 555, Macau Landmark, Office Tower, 23.º, Salas 2301-04 («Associação»), a qual pode ser alterada por simples deliberação da Direcção.

Artigo segundo

A Associação tem por fins a prática desportiva, em especial, o futebol e a promoção de relações de solidariedade e convívio social, incluindo as de cariz cultural, artístico, desportivo e recreativo e, bem assim: (1) contribuir localmente para o fomento da prática desportiva junto das camadas mais jovens das diferentes comunidades residentes na Região Administrativa Especial de Macau («RAEM») e no Delta do Rio das Pérolas; (2) promover e dinamizar eventos de cariz cultural, artístico, desportivo e recreativo na RAEM e no Delta do Rio das Pérolas; (3) promover e fomentar o uso de adereços capilares, naturais ou artificiais, com especial ênfase na pilosidade supra labial — vulgo bigode — pelos seus membros e pela população em geral; e (4) promover e desenvolver relações de intercâmbio e cooperação com outras associações congéneres sediadas na RAEM e no exterior.

Artigo terceiro

São órgãos da Associação a Assembleia Geral, a Direcção e o Conselho Fiscal, cuja primeira composição é estabelecida nos presentes estatutos, podendo ser criadas secções para coadjuvar a Direcção, sendo cada um daqueles órgãos constituído por número ímpar de elementos.

Único. A Direcção, composta por três a cinco membros, é o órgão colegial de administração, que é presidido pelo presidente, o qual é coadjuvado nas suas funções por um vice-presidente.

Artigo quarto

A Associação é representada pela Direcção, eleita em Assembleia Geral, excepto a designada nestes Estatutos, cujo presidente tem função coordenadora e a ele compete a iniciativa e superintentência de todas as suas actividades.

Único. A Associação obriga-se com a assinatura do presidente ou do vice-presidente, ou com a assinatura de quaisquer outros dois membros da Direcção.

Artigo quinto

Internamente, a Assembleia Geral é soberana e perante ela responde a Direcção.

Artigo Sexto

Constituem património da Associação as receitas da quotização mensal dos associados efectivos, as receitas provenientes da sua actividade, bem como subsídios e dotações e, mediante deliberação da Assembeia Geral, quaisquer bens aceites por doação ou deixa testamentária ou adquiridos a título oneroso.

Artigo sétimo

A Associação durará por tempo indeterminado e, no caso de se dissolver pelos motivos previstos na lei, o seu património reverterá a favor de qualquer entidade, conforme deliberação da Assembleia Geral.

Artigo oitavo

Um. Qualquer pessoa singular pode solicitar a sua admissão como associado da associação sob proposta de um associado, com excepção das que se encontrem nas seguintes situações: (1) terem contribuído de forma condenável para o desprestígio da Associação; (2) terem sido afastadas de qualquer instituição desportiva, cultural ou recreativa, por motivos que se considerem indignos.

Dois. Cabe à Direcção decidir sob a admissão de associados, cumpridas as formalidades definidas em regulamento próprio a aprovar em Assembleia Geral.

Artigo nono

A Associação rege-se pelos presentes Estatutos, pelo Regulamento Geral Interno, cuja aprovação compete à Assembleia Geral, e nos termos da lei.

Artigo décimo

São, desde já, designados os seguintes membros dos órgãos sociais:

Mesa da Assembleia Geral

Presidente – Dr. Frederico José Estanislau Coutinho Rato

Vice-Presidente – Dr. Daniel da Silva e Melo

Secretário – Dr. Bernardo Manuel Branco Grosso

Conselho Fiscal

Presidente – Dr. Victor Manuel Carvalho Coelho

Vice-Presidente – Dr. Óscar Alberto Correia da Costa Madureira

Vogal – Dr. Vasco Pinto Basto Félix Henriques

Direcção

Presidente – Dr. Pedro Manuel Loureiro da Nazaré Cortés Fernández

Vice-Presidente – Eng. Rui Miguel Muralha Barbosa

Vice-Presidente – Dr. Carlos Eduardo Montezuma de Carvalho Coelho

Vogal – Dr. Victor Emanuel Carvalho Gomes Osório Castro

Vogal – Dr. Bruno António Beato da Ascenção

Cartório Privado, em Macau, aos dezoito de Maio de dois mil e doze. — A Notária, Paula Ling.


第 一 公 證 署

證 明

澳門飲食業聯合商會

為公佈的目的,茲證明上述社團修改後之章程全文自二零一二年五月二十二日起,存放於本署的社團及財團存檔文件內,檔案組1號49/2012。本次修改之條文為第一章第一條、第二條,第二章第四條第一項,第三章第十二條第二項。

澳門餐飲業聯合商會

修改文本(2012.4.16)

第一章

總則

第一條——本會定名為「澳門餐飲業聯合商會」。

英文:The United Association of Food and Beverage Merchants of Macao

葡文:União das Associações dos Proprietários de Estabelecimentos de Restauração e Bebidas de Macau

第二條——本會宗旨:熱愛祖國,擁護「一國兩制」、熱愛澳門、團結餐飲業同業、維護同業正當權益。促進業界在澳門及與外地的商業交流和聯繫,為澳門特別行政區的繁榮進步和發展而努力。

第三條——本會會址設在澳門宋玉生廣場335-341號獲多利大廈8樓R、S、T室,在需要時可遷往本澳其他地方。

第二章

會員

第四條——本會會員分商號會員及個人會員兩種,其入會資格如下:

1. 商號會員

凡具澳門特別行政區政府旅遊局、民政總署發出的餐飲各類牌照之餐飲業商號,可加入本會為商號會員,每商號會員指定一人為代表;如商號代表人有變更時,應由商號具函申請改換代表人。

商號會員分為甲級和乙級。凡持旅遊局所發的餐飲牌照者為甲級會員,持其他餐飲牌照者為乙級會員。

2. 個人會員

凡具上款所指澳門政府部門發出經營牌照之商號資方負責人,如股東、董事、經理、高級職員等,可加入本會為個人會員。

第五條——會員申請入會,須由會員一人介紹,經理事會通過,方得為正式會員。

第六條——本會會員有下列權利:

1. 選舉權及被選舉權;

2. 參與本會舉辦之活動;

3. 享受本會之康樂、福利等權利。

第七條——本會會員有下列義務:

1. 遵守本會會章及決議,維護本會權益;

2. 推動會務及發展會員之間的互助合作;

3. 繳納入會基金及會費。

第八條——會員欠會費超過六個月,經催收仍不繳者,停止享受本會會員之一切權利;如再超過六個月仍不繳交者,作自動退會論,其前交之基金及費用概不發還。

第九條——會員如有違反本會章程,破壞本會聲譽之行為者,得由理事會視其情節輕重,分別予以勸告、警告或開除會籍之處分。如被開除會籍,其前所繳之基金及費用,概不發還。

第三章

組織

第十條——會員大會為本會最高權力機構,設會長一人,副會長若干人。會長為本會最高領導人,對外代表本會,副會長協助會長工作。正、副會長可出席常務理事會議,理事會議,理、監事聯席會議,有發言權及表決權。會員大會職權如下:

1. 制定或修改會章;

2. 選舉會長及理事會、監事會成員;

3. 決定工作方針、任務及工作計劃;

4. 審核及批准會務報告;

5. 本會房產如需要售出,必須經會員大會四分之三會員同意方可執行。

第十一條——本會執行機構為理事會,由理事長一人,副理事長若干人,理事若干人組成之,總人數必須為單數,由會員大會選舉產生,其職權如下:

1. 執行會員大會決議;

2. 計劃發展會務;

3. 向會員大會報告工作及提出建議。

第十二條——理事會設常務理事若干人,總人數必須為單數。處理日常會務,除正、副理事長及各常設部門之首負責人為當然常務理事外,其餘者,由理事會推選。各部門職權如下:

1. 理事長協助會長處理對外事務,對內召集、主持各項會議,負責主理會務各項工作。副理事長協助理事長工作,理事長缺席,依次序由副理事長代行職務。

2. 常務理事會內設總務、勞資關係、聯絡、康體、福利、財務、會籍、法律、公關、青委、婦女、廚藝研發等部。由正、副理事長、常務理事及理事分工負責;各部設部長一人,副部長及委員若干人。理事會得視工作需要,聘請顧問若干人;聘用受薪秘書及職員若干人。

第十三條——本會屬具法人資格組織,凡需與澳門特別行政區或各有關機構簽署文件時,得由會長或理事長代表;或經由會議決定推派代表簽署。

第十四條——本會監察機構為監事會,由監事長一人、副監事長二人、監事若干人組成之,其總人數必為單數。其職權如下:

1. 監察理事會執行會員大會之決議;

2. 定期審查帳目;

3. 審核有關年報及就監察活動編制年度報告呈交會員大會。

第十五條——本會領導架構成員之任期為三年,連選得連任。

第十六條——本會可聘請社會知名人士任名譽會長、榮譽會長、顧問等職位。

第四章

會議

第十七條——會員大會每年召開一次,由理事會依章召集之,如理事會認為必要時,或三分之一以上會員聯署請求時,得召開特別會員大會。會員大會之召集,須於開會前八天通知,如屬首次召集須有全體會員一半或以上人數出席,方得開會,如法定人數不足,會員大會將於超過通知書上指定時間三十分鐘後作第二次召集,屆時不論出席人數多寡,會員大會均得開會。

第十八條——理事會議或理、監事聯席會議每月召開一次,會長會議、常務理事會議及監事會議,於需要時召開,分別由會長、理事長、監事長召集,會長、理事長、監事長認為必要時,得召開臨時會議,每次會議均須有三分之一以上人數出席,方得開會。

第十九條——本會各種會議均須經出席人數半數以上同意,始得通過決議。

第五章

經費

第二十條——會員在入會時須繳交基金,每月須繳交會費,入會基金和會費之標準,由理事會會議決定後通知會員執行。

第二十一條——理事會認為必要時可接受政府、機構、社團或個人之贊助。

第六章

附則

第二十二條——本章程經過會員大會通過後施行。

第二十三條——本章程之修改權屬會員大會。

二零一二年五月二十二日於第一公證署

公證員 盧瑞祥


THE HONGKONG AND SHANGHAI BANKING CORPORATION LIMITED

Sucursal de Macau

Incorporated in the Hong Kong SAR with limited liability

Balanço anual em 31 de Dezembro de 2011

MOP

MOP

* Nota

As Outras Reservas incluem uma reserva obrigatória no montante de 99,129,663.08 Patacas. Porque a sucursal adopta as International Financial Reporting Standards («IFRSs») na preparação das suas demonstrações financeiras anuais, as perdas de imparidade com base nas IFRSs podem ser inferiores ao nível mínimo de provisões genéricas calculadas de acordo com o Aviso n.º 18/93 da AMCM (o nível mínimo). A referida reserva obrigatória representa, pois, a diferença entre o nível mínimo e as perdas de imparidade nos termos das IFRSs. Este mesmo montante, inscrito na linha «Dotações adicionais para provisões conforme RJSF» da Conta de Lucros e Perdas das contas resumidas, está reconciliado entre o «Lucro depois de impostos» e os «Resultados do ano de acordo com as regras da AMCM» na Conta de exploração das demonstrações financeiras auditadas anuais.

MOP

Demonstração de resultados do exercício de 2011

Conta de exploração

MOP

Conta de lucros e perdas

MOP

Chief Executive Officer Macau,
Kwong, Tat Tak Teddy

Chief Executive Officer Macau,
Kenny Wong

Síntese do Relatório de Actividade — 2011

Lucros antes de impostos crescem 23 por cento para MOP 246.8 milhões (MOP 200.9 milhões em 2010).

Activos crescem 2 por cento para MOP 15 526 milhões (MOP 15 210 milhões em 2010).

Em conjuntura de baixas taxas de juro e fragilidade do mercado financeiro, a Sucursal de Macau do HSBC registou em 2011 lucros antes de impostos no montante de MOP 246.8 milhões, mais MOP 45.9 milhões que em 2010. A apertada margem de juro líquida que resulta da agressiva competição por depósitos de clientes, condicionou o nosso desempenho, mas o crescimento dos saldos nas contas de empréstimos a clientes, das comissões e dos proveitos de intermediação compensou o impacto da baixa margem de juro líquida e traduziu-se num crescimento de 21% nos Proveitos Totais de Operação, relativamente a 2010. Reduziram-se os valores cobrados em novas situações de incumprimento de obrigações contratuais, por força da estrita gestão da carteira de activos bem como da qualidade dos empréstimos a clientes, tendo havido recuperação de crédito mal parado. O controlo de custos foi efectivo na contenção do crescimento dos custos abaixo do crescimento dos proveitos, na linha da nossa estratégia comercial.

Em 2011, os adiantamentos a clientes aumentaram em 55% nos diversos sectores de actividade devido à boa prestação da economia de Macau. Os depósitos de clientes cresceram ligeiramente em 2%, não obstante a acesa competição no mercado local.

Em 2011 melhoraram os serviços bancários e expandiu-se a nossa rede ATM para servir clientes individuais e empresas.

Finalmente, aproveitamos esta oportunidade para agradecer aos nossos estimados clientes o seu apoio leal, e ao nosso pessoal o seu dedicado empenhamento.

Kwong, Tat Tak Teddy

Director Executivo — Macau

Síntese do Parecer dos Auditores Externos

Para o Director Executivo do The Hongkong and Shanghai Banking Corporation Limited — Sucursal de Macau
(Sucursal de um banco comercial de responsabilidade limitada, incorporado em Região Administrativa Especial de Hong Kong)

Procedemos à auditoria das demonstrações financeiras do The Hongkong and Shanghai Banking Corporation Limited — Sucursal de Macau relativas ao ano de 2011, nos termos das Normas de Auditoria e Normas Técnicas de Auditoria da Região Administrativa Especial de Macau. No nosso relatório, datado de 15 de Maio de 2012, expressámos uma opinião sem reservas relativamente às demonstrações financeiras das quais as presentes constituem um resumo.

As demonstrações financeiras a que acima se alude compreendem o balanço, à data de 31 de Dezembro de 2011, a demonstração de resultados, a demonstração de reconhecido pagamento e gastos e a demonstração de fluxos de caixa relativas ao ano findo, e o resumo das políticas contabilísticas relevantes e outras notas explicativas.

As demonstrações financeiras resumidas preparadas pela gerência resultam das demonstrações financeiras anuais auditadas e dos livros e registos da sucursal. Em nossa opinião, as demonstrações financeiras resumidas são consistentes, em todos os aspectos materiais, com as demonstrações financeiras auditadas e os livros e registos da sucursal.

Para a melhor compreensão da posição financeira da sucursal e dos resultados das suas operações, no período e âmbito abrangido pela nossa auditoria, as demonstrações financeiras resumidas devem ser lidas conjuntamente com as demonstrações financeiras das quais as mesmas resultam e com o respectivo relatório de auditoria.

Lei Iun Mei, Auditor de Contas.

KPMG

Macau, aos 15 de Maio de 2012.


HANG SENG BANK LIMITED — SUCURSAL DE MACAU

(Publicações ao abrigo do artigo 76.º do RJSF, aprovado pelo Decreto-Lei n.º 32/93/M, de 5 de Julho)

Balanço anual em 31 de Dezembro de 2011

(Em patacas)

(Em patacas)

As Outras Reservas incluem uma reserva genérica de 38 103 929,99 Patacas e uma reserva específica de 63 754,01 Patacas. Porque a Sucursal adopta as Financial Reporting Standards of the Macau SAR («MFRS») na preparação das suas demonstrações financeiras anuais, as perdas de imparidade com base nas MFRS podem ser inferiores ao nível mínimo de provisões genéricas e provisões específicas calculadas de acordo com o Aviso n.º 18/93 da AMCM (o nível mínimo). A referida reserva obrigatória representa, pois, a diferença entre o nível mínimo e as perdas de imparidade nos termos das MFRS (antes dos impostos diferidos de 5 204 684,78 Patacas). Este mesmo montante, inscrito na linha «Dotações adicionais para provisões conforme RJSF» da Conta de Lucros e Perdas das contas resumidas, está reconciliado entre o «Lucro depois de impostos» e os «Resultados do ano de acordo com as regras da AMCM» na Conta de exploração das demonstrações financeiras auditadas anuais.

(Em patacas)

Demonstração de resultados do exercício de 2011

Conta de exploração

(Em patacas)

Conta de lucros e perdas

(Em patacas)

O Gerente da Sucursal de Macau, O Chefe da Contabilidade,
Isidorus Fong Ben Lee

Resumo do relatório de actividades do exercício

No ano de 2011, em virtude da crise originada pelo endividamento na Europa, e em resultado da lenta recuperação da economia dos Estados Unidos da América, o exercício da actividade bancária enfrentou desafios. Contudo, dado que o Banco tem uma estratégia estável e serviços diversificados, durante este período promoveram-se diversas operações de boa qualidade, através de investimentos com recursos adicionais, a fim de se manter a par do desenvolvimento económico de Macau. Portanto, superando situações de dificuldade diversa, o Banco manteve um aumento estável dos seus negócios.

As actividades principais exercidas pelo Banco, no ano de 2011, no âmbito dos serviços bancários disponibilizados a empresários e clientes individuais, consistiram na prestação de todos os tipos de serviços relacionados com operações de comércio internacional e de financiamento, serviços comerciais transfronteiriços em renmimbi, empréstimos garantidos por hipoteca sobre imóveis, empréstimos para actividade comercial, contas bancárias para depósito de divisas estrangeiras, transferências e operações cambiais, custódia de títulos, serviços bancários electrónicos, terminais de serviço automático e agenciamento de seguros, entre outros. No dia do encerramento do exercício anual, registamos como depósitos e empréstimos, respectivamente, mil seiscentos e cinquenta e três milhões de patacas, e cinco mil e sessenta e dois milhões de patacas, sendo o lucro, deduzido do imposto anual, sessenta milhões de patacas.

Relativamente a 2012, continuaremos a aperfeiçoar os diversos tipos de serviços prestados às empresas e aos clientes individuais, acompanhando a expansão rápida da economia de Macau, para que o Banco seja uma das instituições financeiras de confiança dos residentes de Macau.

Agradecemos aos Serviços Públicos da Administração de Macau, clientes, colegas e funcionários do Banco e seus familiares, o apoio que nos prestaram.

Hang Seng Bank Limited — Sucursal de Macau

O Director da Sucursal,
Fong Chi Cheng

Síntese do parecer dos auditores externos

Para o gerente-geral do Hang Seng Bank Limited — Sucursal de Macau
(Sucursal de um banco comercial de responsabilidade limitada, incorporado na Região Administrativa Especial de Hong Kong)

Procedemos à auditoria das demonstrações financeiras do Hang Seng Bank Limited — Sucursal de Macau relativas ao ano de 2011, nos termos das Normas de Auditoria e Normas Técnicas de Auditoria da Região Administrativa Especial de Macau. No nosso relatório, datado de 14 de Maio de 2012, expressámos uma opinião sem reservas relativamente às demonstrações financeiras das quais as presentes constituem um resumo.

As demonstrações financeiras a que acima se alude compreendem o balanço, à data de 31 de Dezembro de 2011, a demonstração de resultados, a demonstração de alterações nas reservas e a demonstração de fluxos de caixa relativas ao ano findo, assim como um resumo das políticas contabilísticas relevantes e outras notas explicativas.

As demonstrações financeiras resumidas preparadas pela gerência resultam das demonstrações financeiras anuais auditadas e dos livros e registos da sucursal. Em nossa opinião, as demonstrações financeiras resumidas são consistentes, em todos os aspectos materiais, com as demonstrações financeiras auditadas e os livros e registos da sucursal.

Para a melhor compreensão da posição financeira do Hang Seng Bank Limited — Sucursal de Macau e dos resultados das suas operações, no período e âmbito abrangido pela nossa auditoria, as demonstrações financeiras resumidas devem ser lidas conjuntamente com as demonstrações financeiras das quais as mesmas resultam e com o respectivo relatório de auditoria.

Lei Iun Mei, Auditor de Contas.
KPMG

Macau, aos 14 de Maio de 2012.


MACAU PASS, S.A.

(Publicações ao abrigo do artigo 75.º do RJSF, aprovado pelo Decreto-Lei n.º 32/93/M, de 5 de Julho)

Balanço anual em 31 de Dezembro de 2011

(Patacas)

(Patacas)

Demonstração de resultados do exercício de 2011

Conta de exploração

(Patacas)

Conta de lucros e perdas

(Patacas)

Administrador, Chefe da Contabilidade,
Ko Yan Fat Wong Wai Ngon

(Patacas)

Relatório do Conselho de Administração do ano 2011

As actividades económicas da Empresa do ano de 2011 mantinha a crescer, tendo vindo a expandir o âmbito aplicável do pagamento de serviços por «Macau pass», para além dos serviços de venda a retalho nas cadeias de supermercados, lojas de conveniência e máquinas de venda automática, continuava a alargar para outras áreas de serviços governamentais e universitários, de parques de estacionamento, ainda como de acesso residencial. No segundo semestre, mais dois parques de estacionamento aceitaram o «Macau pass» como meios de pagamento, facultando mais conveniência pública e elevando a eficiência da circulação de estacionamento. Em simultâneo, a Empresa lançou, fora do Território, o primeiro cartão «Cartão de pagamento» rápido com dinheiro electrónico em duas moedas que possui a função de «Union Pay» e o seu uso nos meios de transporte entre Macau e a Província de Guangdong, alcançando um novo futuro desenvolvimento do «Macau pass».

Em 2011, o número de lojas que aderiram para o programa de «Macau pass» aumentou 10%, o fluxo de circulação deste cartão 23,3% e o processamento dos seus dados de transacções 11% em relação ao período homólogo do ano anterior. A empresa continuou a reforçar os mecanismos da auditoria interna e de gestão de risco, a fim de garantir uma alta segurança dos dados e do funcionamento do Sistema. Em 2011 a empresa ainda está na fase do desenvolvimento de investimento e o investimento de capital aumentou cerca de 7,6 vezes face ao ano precedente, registando um lucro de 138 773 Patacas no ano em análise.

Perspectivas para 2012

Em 2012 a empresa vai continuar a expandir o âmbito de pagamento electrónico de montante pequeno das despesas de consumo, incluindo escolas, parques de estacionamento, estabelecimentos de restauração, instalações de lazer e serviços públicos, bem como a integração no pagamento dos meios transporte no Delta do Rio das Pérolas e a aplicação de dinheiro electrónico inter-regionais.

Prevê-se que aplica mais investimento de capital em 2012 e concentra-se na aquisição de mais equipamentos e exploração do Sistema, nomeadamente a aquisição de equipamentos da leitura de cartões que satisfazem os requisitos de cartões financeiros da China e reforçar o Sistema de apoio, incluindo a actualização completa do software e do hardware do sistema de cobrança electrónica de tarifas nos autocarros

Em 2012, a empresa vai consolidar ainda mais recursos, melhorar a gestão de riscos, elevar a eficiência operacional e o lucro da exploração de negócio. Continuar a desenvolver novos produtos e áreas de aplicação, elevar e aperfeiçoar a qualidade dos serviços prestados, no sentido de servir o povo de Macau e reforçar os benefícios sociais.

Presidente do Conselho,

Liu Hei Wan

Aos 30 de Março de 2012.

Parecer do Fiscal Único

Nos termos do Código Comercial e dos Estatutos da Companhia, o Fiscal Único supervisionou a administração da MACAU PASS S.A. ao longo do ano de 2011 até dia 31 de Dezembro, acompanhou a actividade da Companhia, e obteve todas as informações e esclarecimentos que considerou necessários. O Fiscal Único considera que as demonstrações financeiras e relatório de actividade estão correctos e completos, explicando de forma breve e clara a situação financeira da Companhia, o desenvolvimento das suas actividades e os resultados das operações referentes ao exercício do ano 2011. O Fiscal Único não verificou qualquer irregularidade nem acto ilícito.

Proponho à Assembleia Geral a aprovação do relatório das actividades financeiras do ano até ao dia 31 de Dezembro de 2011, submetido pelo Conselho de Administração.

O Fiscal Único, Wu Chun Sang, Auditor Registado.

Macau, aos 30 de Março de 2012.

Síntese do parecer dos auditores exteriores

Aos accionistas da MACAU PASS S.A.

Auditámos as demonstrações financeiras da MACAU PASS S.A. referentes ao exercício findo em 31 de Dezembro de 2011, de acordo com as Normas de Auditoria de Macau, e expressámos a nossa opinião sem reservas, no relatório de 30 de Março de 2012.

Em nossa opinião, as contas resumidas estão de acordo com as demonstrações financeiras atrás referidas das quais elas resultaram.

Para uma melhor compreensão da situação financeira da Companhia e dos resultados das suas operações, as demonstrações financeiras resumidas devem ser analisadas em conjunto com as demonstrações financeiras auditadas.

Baker Tilly (Macau) — Sociedade de Auditores.

Macau, aos 30 de Março de 2012.

Lista das instituições que detém participação superior a 5% do respectivo capital social ou superior a 5% dos seus fundos próprios:

Nenhuma.

Lista dos principais accionistas

Liu Hei Wan

Liu Chak Wan

Vong Chak Kin

Mesa da Assembleia Geral

Presidente: Liu Hei Wan

Secretário: Vong Chak Kin

Fiscal Único: Wu Chun Sang

Secretário da Companhia: Vong Chak Kin

Órgãos Sociais

Conselho de Administração

Administrador: Liu Chak Wan (Data do termo da comissão: 17 de Agosto de 2011)

Administrador: Liu Hei Wan

Administrador: Ko Yan Fat

Administrador: Chan Hio Ieong (Data de início da comissão: 16 de Setembro de 2011)

Administrador: Tse Ka Ming (Data de início da comissão: 16 de Setembro de 2011)

Administrador: Liu Cheuk Yin (Data de início da comissão: 16 de Setembro de 2011)

Macau, aos 30 de Março de 2012.


CHONG HING BANK LIMITED., SUCURSAL DE MACAU

Balanço anual em 31 de Dezembro de 2011

MOP

MOP

* Nota

Em Outras Reservas representa uma reserva regulamentar no montante de 865 379,00 Patacas. Porque a Sucursal adopta as Normas de Relato Financeiro da RAEM na preparação das suas demonstrações financeiras anuais e as provisões para as perdas de imparidade dos créditos concedidos, podem estes ser inferiores ao nível mínimo de provisões genéricas calculadas de acordo com o Aviso n.º 18/93 da AMCM (o nível mínimo). A Sucursal na referida reserva regulamentar representa a diferença entre a provisão genérica e as perdas de imparidade do crédito concedido. Este mesmo montante, inscrito na linha «Dotações adicionais para provisões conforme RJSF» da Conta de Lucros e Perdas das contas resumidas.

Demonstração de resultados do exercício de 2011

Conta de exploração

MOP

MOP

Conta de lucros e perdas

MOP

O Gerente, A Chefe da Contabilidade,
Lau Hing Keung Choi Ka Ching

Síntese do relatório de actividade

Em 2011, apesar de em recuperação, a economia global estava cheia de incertezas e o impacto na crise financeira global continua a prevalecer. Neste complexo envolvimento de economia global e turbulento, apenas os mercados emergentes estão a recuperar gradualmente e o clima económico de Macau está a crescer em paralelo. Em Macau, beneficiando do efeito do início do novo desenvolvimento em várias indústrias, novas oportunidades surgem no sector bancário. Nós devemos manter na expansão da nossa actividade activamente, com o lançamento de novos produtos e serviços para cobrir com o crescimento do mercado.

Para o ano findo em 31 de Dezembro de 2011, o nosso Banco teve um proveito operacional total de MOP7.43 milhões, um aumento de 0,2% em comparação com o ano anterior. O lucro após impostos foi de MOP1.33 milhões, representando um aumento substancial de 107%. O total de depósitos dos clientes foi de MOP290 milhões, representando um decréscimo de 39%. O total de empréstimos a clientes foi de MOP68.86 milhões, representando um decréscimo ligeiro de 6%. O total de activo líquido foi de MOP400 milhões representando um decréscimo de 30%.

No próximo ano, espera-se que a economia de Macau continuará a desenvolver com uma apropriada diversificação, fortalecimento de cooperação regional e construção de resorts e outras infra-estruturas de lazer. A estratégia do nosso País demonstrou um tremendo apoio à economia de Macau e desta forma estendeu o momento para a economia de Macau. Nós iremos continuar fortalecer a nossa gestão interna, desenvolver mais produtos e serviços de alta qualidade para ir ao encontro das necessidades dos clientes retribuindo à comunidade de Macau pela sua confiança e apoio.

O Gerente,

Lau Hing Keung

Síntese do parecer dos auditores externos

Ao Gerente da Sucursal do Chong Hing Bank Limited — Sucursal de Macau

Procedemos à auditoria das demonstrações financeiras do Chong Hing Bank Limited — Sucursal de Macau relativas ao ano de 2011, nos termos das Normas de Auditoria e Normas Técnicas de Auditoria da Região Administrativa Especial de Macau. No nosso relatório datado de 9 de Maio de 2012, expressámos uma opinião sem reservas relativamente às demonstrações financeiras das quais as presentes constituem um resumo.

As demonstrações financeiras a que acima se alude compreendem o balanço, à data de 31 de Dezembro de 2011, a demonstração de resultados, a demonstração de alterações da conta corrente com a sede e reserva e a demonstração de fluxos de caixa relativas ao ano findo, assim como um resumo das políticas contabilísticas relevantes e outras notas explicativas.

As demonstrações financeiras resumidas preparadas pela gerência resultam das demonstrações financeiras anuais auditadas a que acima se faz referência, a Sucursal criou a provisão genérica para crédito concedido de acordo com o Aviso n.º 18/93-AMCM da Autoridade Monetária de Macau. Esta provisão genérica é apresentada como «Dotações adicionais para provisões conforme RJSF» nas acompanhadas Conta de Lucros e Perdas publicadas como ajustamento da conta do resultado do exercício. A «Reserva Regulamentar» representa a diferença entre a provisão genérica as perdas de imparidade do crédito concedido apresentada na demonstração de alterações da conta corrente com a sede e reserva das demonstrações financeiras para o ano findo. Excepto o acima citado, em nossa opinião, as demonstrações financeiras resumidas são consistentes, em todos os aspectos materiais, com as demonstrações financeiras auditadas.

Para a melhor compreensão da posição financeira do Chong Hing Bank Limited — Sucursal de Macau e dos resultados das suas operações, no período e âmbito abrangido pela nossa auditoria, as demonstrações financeiras resumidas devem ser lidas conjuntamente com as demonstrações financeiras das quais as mesmas resultam e com o respectivo relatório de auditoria.

Quin Va

Auditor de Contas

Deloitte Touche Tohmatsu — Sociedade de Auditores

Macau, aos 9 de Maio de 2012.


THE BANK OF EAST ASIA, LIMITED, SUCURSAL DE MACAU

Balanço anual em 31 de Dezembro de 2011

MOP

MOP

* As Outras Reservas incluem uma reserva obrigatória no montante de 29 830 912,78 patacas. Porque a sucursal adopta as Macau Financial Reporting Standards («MFRS») na preparação das suas demonstrações financeiras anuais, as perdas de imparidade com base nas MFRS podem ser inferiores ao nível mínimo de provisões genéricas calculadas de acordo com o Aviso n.º 18/93 da AMCM (o nível mínimo). A referida reserva obrigatória representa, pois, a diferença entre o nível mínimo e as perdas de imparidade nos termos das MFRS (antes dos impostos diferidos de 4 067 851,74 patacas). Este mesmo montante, inscrito na linha «Dotações adicionais para provisões conforme RJSF» da Conta de Lucros e Perdas das contas resumidas, está reconciliado entre o «Lucro depois de impostos» e os «Resultados do ano de acordo com as regras da AMCM» na Conta de exploração das demonstrações financeiras auditadas anuais.

MOP

Demonstração de resultados do exercício de 2011

Conta de exploração

MOP

Conta de lucros e perdas

MOP

O Gerente-geral da Sucursal de Macau, O Chefe da Contabilidade,
Wong Chun Kwan Kong Chi Wai

Síntese do relatório de actividade

Beneficiando do crescimento económico de Macau, o Bank of East Asia Limited, Sucursal de Macau («Sucursal») obteve no ano de 2011 excelentes resultados, tendo o lucro líquido anual crescido 112% em relação ao ano de 2010. A Sucursal tem procurado aumentar o seu leque de produtos financeiros, em 2011 lançou «aplicações financeiras indexado» e «fundos de investimento estruturado» e obteve bastante sucesso junto dos seus clientes.

Esperamos que no ano de 2012, o Banco consiga oferecer ainda mais produtos financeiros, tornando-se num banco mais completo em termos de prestação de serviços. Especialmente na área de banca pessoal, a Sucursal pretende lançar novos produtos e serviços no presente ano, satisfazendo assim diferentes necessidades dos seus clientes. O Bank of East Asia espera caminhar ao lado de Macau criando em conjunto um futuro mais brilhante.

Sucursal de Macau do Banco de East Asia

O Gerente-geral,
Wong Chun Kwan

Síntese do parecer dos auditores externos

Para a gerência do Banco da East Asia, Limitada — Sucursal de Macau
(Sucursal de um banco comercial de responsabilidade limitada, incorporada na Região Administrativa Especial de Hong Kong)

Procedemos à auditoria das demonstrações financeiras do Banco da East Asia, Limitada — Sucursal de Macau relativas ao ano de 2011, nos termos das Normas de Auditoria e Normas Técnicas de Auditoria da Região Administrativa Especial de Macau. No nosso relatório, datado de 10 de Maio de 2012, expressámos uma opinião sem reservas relativamente às demonstrações financeiras das quais as presentes constituem um resumo.

As demonstrações financeiras a que se acima se alude compreendem o balanço, à data de 31 de Dezembro de 2011, a demonstração de resultados, a demonstração de alterações nas reservas e a demonstração de fluxos de caixa relativas ao ano findo, assim como um resumo das políticas contabilísticas relevantes e outras notas explicativas.

As demonstrações financeiras resumidas preparadas pela gerência resultam das demonstrações financeiras anuais auditadas e dos livros e registos da Sucursal. Em nossa opinião, as demonstrações financeiras resumidas são consistentes, em todos os aspectos materiais, com as demonstrações financeiras auditadas e os livros e registos da Sucursal.

Para a melhor compreensão da posição financeira da Sucursal e dos resultados das suas operações, no período e âmbito abrangido pela nossa auditoria, as demonstrações financeiras resumidas devem ser lidas conjuntamente com as demonstrações financeiras das quais as mesmas resultam e com o respectivo relatório de auditoria.

Lei Iun Mei, Auditor de Contas.

KPMG

Macau, aos 10 de Maio de 2012.


FIRST COMMERCIAL BANK LIMITADA — Sucursal de Macau

Balanço anual em 31 de Dezembro de 2011

MOP

MOP

MOP

Demonstração de resultados do exercício de 2011

Conta de exploração

MOP

Conta de lucros e perdas

MOP

Gerente-Geral, O Chefe da Contabilidade,
Mico Lin Max Liao

Síntese do relatório de actividade

Banco Comercial Primeiro, S.A., fundado em 1899, tem operado mais de cem anos. Em 2011, a sucursal tem-se desenvolvido de forma estável, alcançando o grande sucesso previsto.

Em 2012, a sucursal irá, insistir na prossecução do conceito «Cliente Preferencial, Serviço de Primeira», procurando, expandir activamente os negócios e oferecer aos clientes diversos serviços com a melhor qualidade.

Gerente-geral,

Mico Lin

Síntese do parecer dos auditores externos

First Commercial Bank Limitada – Sucursal de Macau
(Constituído em Macau como sociedade anónima de responsabilidade limitada)

As demonstrações financeiras resumidas anexas do First Commercial Bank Limitada — Sucursal de Macau (a Sucursal) referentes ao exercício findo em 31 de Dezembro de 2011 resultam das demonstrações financeiras auditadas e dos registos contabilísticos da Sucursal referentes ao exercício findo naquela data. Estas demonstrações financeiras resumidas, as quais compreendem o balanço em 31 de Dezembro de 2011 e a demonstração dos resultados do exercício findo naquela data, são da responsabilidade da Gerência da Sucursal. A nossa responsabilidade consiste em expressar uma opinião, unicamente dirigida a V. Ex.as enquanto Gerência, sobre se as demonstrações financeiras resumidas são consistentes, em todos os aspectos materiais, com as demonstrações financeiras auditadas e com os registos contabilísticos da Sucursal, e sem qualquer outra finalidade. Não assumimos responsabilidade nem aceitamos obrigações perante terceiros pelo conteúdo deste relatório.

Auditámos as demonstrações financeiras da Sucursal referentes ao exercício findo em 31 de Dezembro de 2011, de acordo com as Normas de Auditoria e Normas Técnicas de Auditoria emitidas pelo Governo da Região Administrativa Especial de Macau e expressámos a nossa opinião sem reservas sobre estas demonstrações financeiras, no relatório de 30 de Abril de 2012.

As demonstrações financeiras auditadas compreendem o balanço em 31 de Dezembro de 2011, a demonstração dos resultados, a demonstração de alterações nas reservas e a demonstração dos fluxos de caixa do exercício findo naquela data e um resumo das principais políticas contabilísticas e outras notas explicativas.

Em nossa opinião, as demonstrações financeiras resumidas são consistentes, em todos os aspectos materiais, com as demonstrações financeiras auditadas e com os registos contabilísticos da Sucursal.

Para uma melhor compreensão da posição financeira da Sucursal, dos resultados das suas operações e do âmbito da nossa auditoria, as demonstrações financeiras resumidas em anexo devem ser lidas em conjunto com as demonstrações financeiras auditadas e com o respectivo relatório do auditor independente.

Cheung Pui Peng

Auditor de contas

PricewaterhouseCoopers

Macau, aos 18 de Maio de 2012.


BANCO ESPÍRITO SANTO DO ORIENTE, S.A.

(Publicações ao abrigo do artigo 75.º do RJSF, aprovado pelo Decreto-Lei n.º 32/93/M, de 5 de Julho)

Balanço anual em 31 de Dezembro de 2011

 MOP

 MOP

 MOP

Demonstração de resultados do exercício de 2011

Conta de exploração

 MOP

Conta de lucros e perdas

 MOP

O Presidente da Comissão Executiva, O Chefe da Contabilidade,
José Morgado Francisco F. Frederico

Macau, aos 12 de Março de 2012.

Síntese do relatório de actividade

Zona Euro

O ano de 2011 ficou marcado, sobretudo, pelas dificuldades em torno da crise da dívida da Zona Euro. Para além dos receios em torno de um default por parte da Grécia, foi visível um contágio a economias da periferia como Espanha e Itália. A quebra de confiança e o aumento da aversão ao risco, associados à instabilidade financeira na Zona Euro, resultaram numa secagem de liquidez nos mercados monetário e de crédito, um efeito particularmente visível a partir de Setembro. Neste contexto, os líderes da UE acordaram, já no final do ano, um reforço das regras de consolidação e controlo orçamentais. Por outro lado, o BCE, após ter elevado a principal taxa de juro directora de 1% para 1,5%, inverteu o sentido da política monetária e reduziu de novo os juros de referência para 1%, com dois cortes de 25 bps no 4.º trimestre. Ao mesmo tempo reforçou, significativamente, as injecções de liquidez no sistema financeiro, abrandou as exigências relativas aos colaterais e reduziu o rácio de reservas obrigatórias dos bancos. A aversão ao risco levou a rendibilidade dos Bunds a 10 anos a cair de 2,963% para 1,829% em 2011. O euro depreciou-se cerca de 3% face ao dólar no conjunto do ano, com a respectiva cotação a descer de EUR/USD 1,3366 para EUR/USD 1,296. Este movimento foi mais visível na parte final do ano.

Os receios de contágio da crise da dívida, sobretudo ao nível do sector financeiro, reflectiram-se também nos mercados accionistas, com quedas significativas nos principais índices europeus. Os índices accionistas DAX, CAC40, IBEX e PSI20 registaram quedas anuais de 14,69%, 16,95%, 13,11% e 27,6%, respectivamente.

R.P. da China

O PIB chinês cresceu 9,2% no conjunto de 2011, valor que compara com os 10,3% registados no ano anterior, revelando uma desaceleração suave («soft landing») da economia. Analisando o crescimento intra-anual do produto verifica-se que este foi abrandando ao longo do ano, com o PIB a crescer 9,7% y-o-y no primeiro trimestre do ano e a desacelerar deste então, descendo para 9,5% y-o-y no segundo e 9,1% y-o-y no terceiro trimestre, até atingir um crescimento de 8,9% y-o-y no último quarto do ano. Na base deste abrandamento da economia encontram-se diversos factores, como o arrefecimento da procura externa, motivado pela degradação da conjuntura mundial e agravada pela crise da dívida soberana na Zona Euro. Após um período de forte crescimento económico na China impulsionada por uma política monetária claramente expansionista, que se traduziu na abundância de liquidez na economia e na aceleração dos preços, os policy makers adoptaram medidas ao longo do ano 2011 com vista a uma mudança do padrão de crescimento da economia para um modelo mais assente no consumo privado e nos serviços, no lugar do investimento em capital e na indústria. De entre as diversas medidas, o fim de estímulos fiscais, um maior escrutínio do Governo Central sobre as finanças e investimentos regionais e o aperto monetário continuado pelo PBoC (com a inversão do movimento de injecção de liquidez e subida do coeficiente de reservas obrigatórias para os grandes bancos) traduziram-se num menor dinamismo do investimento, o qual terá penalizado, igualmente, o crescimento da economia. Não obstante a desaceleração registada, e de terem surgido alguns receios de que a economia chinesa entrasse em «hard landing», o PIB revelou uma trajectória de abrandamento consistente com a meta de crescimento de 7% traçada para o período 2011-2015 no 12.º Plano Quinquenal.

O crescimento dos rendimentos das famílias e a abundância de liquidez, aliados ao impulso dos preços dos elevados bens alimentares e energéticos, prolongaram a tendência de aceleração dos preços na primeira metade do ano, levando a inflação homóloga a atingir um pico de 6,5% em Julho de 2011. O relaxamento da política monetária e a gradual apreciação do renmimbi permitiram o alívio das pressões inflacionistas e a aproximação, no final do ano, da taxa de inflação ao target de 4% fixado para 2011. Apesar dos esforços, os preços cresceram uma média de 5,3% ao longo do ano. Não obstante, a descida da inflação observada no final do ano permitiu um maior suporte da política monetária à actividade económica, reduzindo as preocupações em torno de uma queda mais abrupta do crescimento desta economia.

R.A.E. Macau

De acordo com a AMCM, a economia local registou um crescimento real de 20,7% em 2011, principalmente fruto do crescimento dos sectores do Jogo/Entretenimento e do Turismo, que continuam a ser os pilares da economia de Macau. Embora o desenvolvimento do PIB evidencie um forte dinamismo da actividade económica, este demonstra um leve abrandamento face ao crescimento de 27% do ano anterior. Impulsionado pelo consumo privado, investimento e exportações de serviços, Macau resistiu à degradação da conjuntura económica mundial e à desaceleração dos principais mercados asiáticos. Com o enfraquecimento da procura norte-americana e da Zona Euro, as exportações de bens registaram uma queda acentuada face ao ano anterior. Esta queda foi ainda mais expressiva na segunda metade do ano, com o agravamento da crise da dívida soberana na Zona Euro e com os receios sobre a performance da economia global. Contrariando a tendência da venda de mercadorias ao exterior, as receitas do Jogo e Despesas dos Visitantes, principais componentes das exportações de serviços, apresentaram um forte dinamismo, superando as expectativas, de certos analistas, que o sector abrandasse o seu crescimento ao entrar numa fase mais madura, mostrando, ao invés, que este sector ainda se encontra numa fase de expansão.

A manutenção de uma baixa taxa de desemprego, que se situou nos 2,6% da população activa, e a subida generalizada dos salários também contribuíram para a melhoria do rendimento disponível das famílias, o que impulsionou o consumo privado e estimulou as importações. No plano dos preços, a expansão da procura interna e a subida do custo das mercadorias, dos bens alimentares, do custo de habitação e dos produtos energéticos levaram a uma subida da taxa de inflação para um nível de 5,81%. Face à subida do custo de vida, a tendência ascendente dos salários veio parcialmente proteger os consumidores da perda de poder de compra.

Estão a ser desenvolvidas e implementadas medidas de ajuste ao crescimento registado e esperado. Estas medidas apontam para uma maior diversificação da economia de Macau, entre outras, através de uma integração mais acentuada com as restantes cidades na Região do Delta do Rio das Pérolas e ao aprofundamento do papel de Macau como plataforma preferencial no relacionamento entre a R. P. da China e os Países de Língua Portuguesa, papel reiterado no 12.º Plano Quinquenal da RPC (2011-2015), que pela primeira vez integra medidas de apoio às RAEs. Acreditamos que esta tendência irá trazer a Macau um leque de oportunidades adicionais que irão também ser positivas para as empresas e a população em geral de Macau.

Em 2011, o Banco Espírito Santo do Oriente, S.A. (BESOR) registou um acréscimo dos Lucros Líquidos de mais de 93%, em grande parte devido à dinamização da actividade de Corporate/Trade Finance, associada a importantes fluxos comerciais entre a R.P. da China e os países onde a presença estratégica do GBES é determinante, nomeadamente em África, na América Latina, na Europa, utilizando Macau como Plataforma de negócio entre a R.P. da China e os Países de Língua Portuguesa.

Também a fidelização e o crescimento da base de depósitos ao longo dos últimos anos, por força de uma oferta ajustada, continuam a assumir particular relevância no contexto actual, tendo o BESOR desenvolvido iniciativas comerciais junto dos vários segmentos de clientes que permitiram registar um aumento dos Depósitos de 4,9% comparativamente a 2010.

Em 2011, o BESOR apresentou uma evolução positiva dos seus principais Indicadores de Gestão, com o total do Activo Líquido a atingir o valor de MOP 2 608 087 046,02.

O aumento do Resultado Financeiro de 24,55%, por via do efeito margem, reflectiu-se positivamente na rendibilidade do BESOR, tendo o rácio Produto Bancário/Activos Financeiros apresentado um valor de 2,12% em 2011, registando um aumento de 37,66% face a 2010.

Proposta de Aplicação de Resultados

Nos termos legais e estatutários o Conselho de Administração propõe, para aprovação da Assembleia Geral, que o resultado do exercício findo em 31 de Dezembro de 2011 que se apura em MOP 32 891 587,31 (trinta e dois milhões, oitocentas e noventa e uma mil, quinhentas e oitenta e sete patacas e trinta e um avos) seja aplicado da seguinte forma:

Para Reserva Legal (a)    MOP 6 578 317,46

Para Resultados Transitados  MOP 26 313 269,85

(a) correspondente a 20% do Resultado Líquido nos termos da legislação aplicável.

Macau, aos 12 de Março de 2012.

O Conselho de Administração.

Parecer do Conselho Fiscal

Nos termos da lei e do mandato que nos conferiram vimos submeter à Vossa apreciação o Relatório sobre a actividade fiscalizadora desenvolvida e dar o Parecer sobre o Relatório do Conselho de Administração, o Balanço e a Demonstração de Resultados do BANCO ESPÍRITO SANTO DO ORIENTE. S.A., relativamente ao exercício findo em 31 de Dezembro de 2011.

O Relatório do Conselho de Administração evidencia de maneira clara a situação económica e financeira e a evolução da actividade do Banco durante o exercício de 2011.

Verificámos a regularidade da escrituração contabilística, não tendo tomado conhecimento de qualquer violação da lei ou do contrato de sociedade.

Em resultado dos exames efectuados, é nossa convicção que o Relatório do Conselho de Administração é suficientemente esclarecedor da actividade do Banco e que os demais documentos apresentados satisfazem as disposições legais e estatutárias.

Com base nas verificações e conclusões referidas, somos de Parecer que:

1. Sejam aprovados o Relatório do Conselho de Administração, o Balanço e a Demonstração de Resultados;

2. Seja aprovada a proposta de aplicação de resultados.

Macau, aos 19 de Março de 2012.

O Conselho Fiscal.

Órgãos Sociais

Mesa da Assembleia Geral

Joaquim Jorge Perestrelo Neto Valente — Presidente

Maria de Lurdes Nunes Mendes da Costa — 1.º Secretário

Rui Luís Cabral de Sousa — 2.º Secretário

Conselho de Administração

Pedro José de Sousa Fernandes Homem — Presidente

José Manuel Trindade Morgado

Carlos José Nascimento Magalhães Freire

Jorge Manuel da Conceição Góis

Manuel Alexandre da Rocha Barreto

Rui Manuel Fernandes Pires Guerra

Paulo Jorge Carrageta Ferreira

Amílcar Carlos Ferreira de Morais Pires

Pedro Manuel de Castro Simões Ferreira Neto (renunciou o cargo com efeitos a partir de 26/09/2011)

Paulo Jorge Gonçalves Dias Afonso (nomeado em 26/09/2011)

Comissão Executiva

José Manuel Trindade Morgado — Presidente

Carlos José Nascimento Magalhães Freire — Vice-Presidente

Jorge Manuel da Conceição Góis

Manuel Alexandre da Rocha Barreto

Rui Manuel Fernandes Pires Guerra

Paulo Jorge Carrageta Ferreira

Pedro Manuel de Castro Simões Ferreira Neto (renunciou o cargo com efeitos a partir de 26/09/2011)

Paulo Jorge Gonçalves Dias Afonso (nomeado em 26/09/2011)

Conselho Fiscal

Ricardo Abecassis Espírito Santo Silva – Presidente

José Manuel Macedo Pereira

Rui Boavida Viegas Vaz

Instituições em que detém participação superior a 5% do respectivo capital ou superior a 5% dos seus fundos próprios

Europ Assistance (Macau) — Serviços de Assistência Personalizados, Limitada 25%
Espírito Santo do Oriente — Estudos Financeiros e de Mercado de Capitais, Limitada 90%

Accionistas com participação qualificada

Nome Acções detidas (n.º) Valor percentual (%)
Banco Espírito Santo, S.A. 199 500 99,75

Síntese do Parecer dos Auditores Externos

Aos accionistas do Banco Espírito Santo do Oriente, S.A.
(Sociedade anónima constituída em Macau)

Procedemos à auditoria das demonstrações financeiras do Banco Espírito Santo do Oriente, S.A. relativas ao ano 2011, nos termos das Normas de Auditoria e Normas Técnicas de Auditoria da Região Administrativa Especial de Macau. No nosso relatório, datado de 29 de Fevereiro de 2012, expressámos uma opinião sem reservas relativamente às demonstrações financeiras das quais as presentes constituem um resumo.

As demonstrações financeiras a que acima se alude compreendem o balanço, à data de 31 de Dezembro de 2011, a demonstração de resultados, a demonstração de alterações no capital próprio e a demonstração de fluxos de caixa relativas ao ano findo, assim como um resumo das políticas contabilísticas relevantes e outras notas explicativas.

As demonstrações financeiras resumidas preparadas pela gerência resultam das demonstrações financeiras anuais auditadas e dos livros e registos do Banco. Em nossa opinião, as demonstrações financeiras resumidas são consistentes, em todos os aspectos materiais, com as demonstrações financeiras auditadas e os livros e registos do Banco.

Para a melhor compreensão da posição financeira do Banco e dos resultados das suas operações, no período e âmbito abrangido pela nossa auditoria, as demonstrações financeiras resumidas devem ser lidas conjuntamente com as demonstrações financeiras das quais as mesmas resultam e com o respectivo relatório de auditoria.

Lei Iun Mei, Auditora de Contas.

KPMG

Macau, aos 29 de Fevereiro de 2012.


BANCO DE GUANGFA DA CHINA, S. A., SUCURSAL DE MACAU

Publicações ao abrigo do artigo 76.º do Decreto-Lei n.º 32/93/M, de 5 de Julho

Balanço anual em 31 de Dezembro de 2011

 MOP

 MOP

As Outras Reservas incluem uma reserva obrigatória no montante do 41 272 000 Patacas. Porque a sucursal adopta as Normas de Relato Financeiro («NRF») na preparação das suas demonstrações financeiras anuais, as perdas de imparidade com base nas NRF podem ser inferiores ao nível mínimo de provisões genéricas calculadas de acordo com o Aviso n.º 18/93 da AMCM (o nível mínimo). A referida reserva obrigatória representa, pois, a diferença entre o nível mínimo e as perdas de imparidade nos termos das NRF (antes dos impostos diferidos de 5 628 000 Patacas). Este mesmo montante, inscrito na linha «Dotações adicionais para provisões conforme RJSF» da Conta de Lucros e Perdas das contas resumidas, está reconciliado entre o «Lucro depois de impostos» e os «Resultados do ano de acordo com as regras da AMCM» na Conta de exploração das demonstrações financeiras auditadas anuais.

MOP

Demonstração de resultados do exercício de 2011

Conta de exploração

MOP

Conta de lucros e perdas

MOP

Presidente, O Chefe da Contabilidade,
Hu Min Fan Benyi

Macau, aos 15 de Maio de 2012.

Nota: O Balanço Anual e a Demonstração de Resultados do Exercício foram preparados a partir dos registos contabilísticos auditados.

Síntese do relatório de actividades

Em 2011, o Banco de Guangfa da China, S.A., Sucursal de Macau desenvolveu-se em conformidade com as suas estratégias de desenvolvimento: «a prestação do melhor serviço à população, a reorganização das estruturas, a melhoria dos processos, a criação de novos produtos, a potencialização das características e a concretização do desenvolvimento simultâneo das actividades locais e off-shore», tendo capturado bem as oportunidades proporcionadas pelo mercado através da concentração num elevado nível de gestão que levaram a um crescimento significativo nos resultados das operações.

Em 2011, o nosso Banco continuou a desenvolver-se a um ritmo acelerado, os lucros, após deduzidos os impostos, atingiram de 76 544 000,00 de patacas, o que representa um crescimento de 120%, comparado com o ano transacto; os depósitos de variados tipos cresceram 58% face ao início do ano. A par do desenvolvimento estável das actividades de empréstimo, a qualidade dos activos tem aumentado continuamente e a sua estrutura tornou-se cada vez mais regular, sendo de esperar um desenvolvimento positivo.

Em 8 de Abril de 2011, o Banco de Guangfa mudou oficialmente a sua designação e o seu logotipo. Assim, para informar o público sobre essas mudanças bem como para celebrar o 18.º aniversário do estabelecimento da sucursal de Macau, o nosso Banco fez grandes renovações nas redes de operação, dividindo-as em sector monetário e sector não monetário. Criámos, pela primeira vez, postos de gerentes de recepção para proporcionar serviços de qualidade aos clientes, elevando deste modo a boa reputação e o prestígio do Banco. Por outro lado, tomámos uma atitude activa na nossa exploração, agarrando bem as oportunidades de crescimento do mercado financeiro em Renminbi, iniciando as actividades de crédito em Renminbi. Os depósitos em moeda nacional chinesa registaram um crescimento significativo. De notar que as actividades da ligação transfronteiriça também se desenvolveram bastante. Após a chegada do tsunami financeiro e da crise da dívida na Europa, temos vindo a reforçar a gestão de riscos da flexibilização do capital e do crédito, concentrando mais nos serviços bancários tradicionais, aperfeiçoando o regime de gestão de riscos, gerindo os negócios em conformidade com a regulamentação do sector, garantindo assim a segurança do capital dos clientes e uma boa qualidade dos activos. Participámos por iniciativa própria nos projectos de empréstimo para amortização de imóveis, assumindo assim as nossas responsabilidades sociais. Ao mesmo tempo, valorizámos os nossos trabalhadores, dando a devida importância à sua formação e aumentando o seu sentido de pertença.

Ao longo do ano passado, recebemos cumprimentos calorosos dos diversos sectores da sociedade e aproveito aqui esta ocasião para manifestar, em representação do Banco de Guangfa da China, S.A., Sucursal de Macau, sinceros agradecimentos ao Governo da Região Administrativa Especial de Macau, organismos fiscais, colegas da indústria, clientes e a todos os trabalhadores, pelo apoio contínuo ao nosso desenvolvimento! Neste novo ano, iremos retribuir à sociedade com uma maior dedicação no trabalho, melhores serviços financeiros e excelentes resultados.

Gerente Geral, Hu Min.

Aos 15 de Maio de 2012.

Síntese do parecer dos auditores externos

Para o presidente do Banco de Guangfa da China, S.A., Sucursal de Macau
(Sucursal de um banco comercial de responsabilidade limitada, incorporado na República Popular da China)

Procedemos à auditoria das demonstrações financeiras do Banco de Guangfa da China, S.A., Sucursal de Macau relativas ao ano de 2011, nos termos das Normas de Auditoria e Normas Técnicas de Auditoria da Região Administrativa Especial de Macau. No nosso relatório, datado de 15 de Maio de 2012, expressámos uma opinião sem reservas relativamente às demonstrações financeiras das quais as presentes constituem um resumo.

As demonstrações financeiras a que acima se alude compreendem o balanço, à data de 31 de Dezembro de 2011, a demonstração de resultados, a demonstração de alterações nas reservas e a demonstração de fluxos de caixa relativas ao ano findo, assim como um resumo das políticas contabilísticas relevantes e outras notas explicativas.

As demonstrações financeiras resumidas preparadas pela gerência resultam das demonstrações financeiras anuais auditadas e dos livros e registos da sucursal. Em nossa opinião, as demonstrações financeiras resumidas são consistentes, em todos os aspectos materiais, com as demonstrações financeiras auditadas e os livros e registos da sucursal.

Para a melhor compreensão da posição financeira do Banco de Guangfa da China, S.A., Sucursal de Macau e dos resultados das suas operações, no período e âmbito abrangido pela nossa auditoria, as demonstrações financeiras resumidas devem ser lidas conjuntamente com as demonstrações financeiras das quais as mesmas resultam e com o respectivo relatório de auditoria.

Lei Iun Mei, Auditor de Contas.

KPMG

Macau, aos 15 de Maio de 2012.


BANCO WING LUNG LIMITED, MACAU BRANCH

Balanço anual em 31 de Dezembro de 2011

Demonstração de resultados do exercício de 2011

Conta de exploração

Conta de lucros e perdas

Gerente-geral, A Chefe da Contabilidade,
Guo Zhihang Edith Tang

CITIC BANK INTERNATIONAL LIMITED — SUCURSAL DE MACAU

(Publicações ao abrigo do artigo 76.º do RJSF, aprovado pelo Decreto-Lei n.º 32/93/M, de 5 de Julho)

Balanço anual em 31 de Dezembro de 2011

MOP

MOP

MOP

Demonstração de resultados do exercício de 2011

Conta de exploração

MOP

Conta de lucros e perdas

MOP

O Gerente-geral, Sucursal de Macau, A Chefe da Contabilidade,
Eugene Iu Emily Sio

Síntese do relatório de actividade

Até 31 de Dezembro de 2011, os activos dos empréstimos tinham aumentado 34% em relação ao ano passado, de MOP709 milhões para MOP947 milhões e os depósitos de clientes aumentaram de MOP300 milhões no ano passado para MOP707 milhões. Os lucros antes de juros, impostos e amortização aumentaram 58%, de MOP15,2 milhões para MOP24,1 milhões. Não houve nova provisão para crédito mal parado individual em 2011 e foram registadas recuperações de abatimentos de crédito (write-back) totais de MOP549 222. O aumento na carteira de empréstimos levou a uma provisão geral baseada nas perdas históricas registadas. Consequentemente reportámos perdas de MOP6,9 milhões para 2011, em comparação com os lucros de MOP5,7 milhões registados em 2010.

Como a economia de Macau continua a expandir com o apoio do Governo Central, vamos continuar a concentrar-nos na área da Banca Comercial, nomeadamente no financiamento comercial, empréstimos comerciais, financiamento hipotecário, financiamento de projectos, bem como na Liquidação em RMB do Comércio Transfronteiriço. Para além disso, vamos continuar a colaborar estreitamente com as nossas sucursais em Hong Kong e no exterior, bem como as sucursais do nosso banco-mãe no Interior da China para proporcionar serviços eficientes e de alta qualidade a todos os nossos clientes locais e no exterior.

Por fim, a direcção gostava de aproveitar esta oportunidade para agradecer ao Governo da Região Administrativa Especial de Macau pelo seu apoio continuado, bem como aos nossos clientes, instituições financeiras parceiras e pessoal pelos seus esforços durante o ano passado.

Director-geral,

Eugene Iu

Síntese do parecer dos auditores externos

Para a gerência do CITIC Bank International Limited, Sucursal de Macau
(Sucursal de um banco comercial de responsabilidade limitada, incorporado na Região Administrativa Especial de Hong Kong)

Procedemos à auditoria das demonstrações financeiras do CITIC Bank International Limited, Sucursal de Macau, relativas ao ano de 2011, nos termos das Normas de Auditoria e Normas Técnicas de Auditoria da Região Administrativa Especial de Macau. No nosso relatório, datado de 11 de Maio de 2012, expressámos uma opinião sem reservas relativamente às demonstrações financeiras das quais as presentes constituem um resumo.

As demonstrações financeiras a que se acima se alude compreendem o balanço, à data de 31 de Dezembro de 2011, a demonstração de resultados, a demonstração de alterações na conta da sede e a demonstração de fluxos de caixa relativas ao ano findo, assim como um resumo das políticas contabilísticas relevantes e outras notas explicativas.

As demonstrações financeiras resumidas preparadas pela gerência resultam das demonstrações financeiras anuais auditadas e dos livros e registos da sucursal. Em nossa opinião, as demonstrações financeiras resumidas são consistentes, em todos os aspectos materiais, com as demonstrações financeiras auditadas e os livros e registos da sucursal.

Para a melhor compreensão da posição financeira da sucursal e dos resultados das suas operações, no período e âmbito abrangido pela nossa auditoria, as demonstrações financeiras resumidas devem ser lidas conjuntamente com as demonstrações financeiras das quais as mesmas resultam e com o respectivo relatório de auditoria.

Lei Iun Mei, Auditor de Contas.

KPMG

Macau, aos 11 de Maio de 2012.


Balanço anual em 31 de Dezembro de 2011

MOP

MOP

* As Outras Reservas incluem uma reserva obrigatória no montante de 1 151 165,86 patacas. Como a Caixa Económica Postal adopta as «Macau Financial Reporting Standards» (MFRS) na preparação das suas demonstrações financeiras anuais e das provisões para as perdas de imparidade dos créditos concedidos, estas poderão ser inferiores ao nível mínimo de provisões genéricas calculadas de acordo com o Aviso n.º 18/93 da AMCM (nível mínimo). A referida reserva obrigatória representa, pois, a diferença entre o nível mínimo e as perdas de imparidade nos termos das MFRS. Este mesmo montante, inscrito na linha «Dotações adicionais para provisões conforme RJSF» da Conta de Lucros e Perdas das contas resumidas.

Demonstração de resultados do exercício de 2011

Conta de exploração

MOP

Conta de lucros e perdas

MOP

A Comissão Administrativa: Lau Wai Meng, Chiu Chan Cheong, Van Mei Lin, Pedro Miguel Rodrigues Cardoso das Neves.

A Chefe da Contabilidade: Lei Ka Kei.

Síntese do relatório de actividades — 2011

Até finais de 2011, o total de depósitos captados foi cerca de 972 milhões de patacas, havendo um aumento de 42% em relação ao ano anterior.

O montante de novos empréstimos concedidos durante o ano de 2011 traduzem um aumento de 9% relativamente a 2010, e o montante, líquido de imparidade, mutuado em circulação, no final do ano, era cerca de 159 milhões de patacas.

A margem financeira e os resultados de serviços e de comissões foram, respectivamente, de 22 milhões e de 5,8 milhões de patacas, sendo os custos de exploração cerca de 13,1 milhões de patacas.

Os resultados de 2011, no valor de 14,5 milhões de patacas, traduzem um aumento de 18%, relativamente a 2010.

Composição da Comissão Administrativa durante 2011

Presidente — Lau Wai Meng
Vogal — Chiu Chan Cheong
Vogal — Van Mei Lin
Representante dos Serviços de Finanças — Pedro Miguel Rodrigues Cardoso das Neves

Parecer do representante dos Serviços de Finanças

Exercício de 2011

No exercício das competências previstas no artigo 24.º do Regime Financeiro dos Serviços de Correios, aprovado pelo Decreto-Lei n.º 50/99/M, de 27 de Setembro, e alterado pelo Regulamento Administrativo n.º 10/2010 e no artigo 7.º do Regulamento da Caixa Económica Postal aprovado pelo Decreto-Lei n.º 24/85/M, de 30 de Março, acompanhei o desenvolvimento da actividade da Caixa Económica Postal ao longo do exercício económico de 2011.

Tendo em atenção a análise efectuada aos documentos contabilísticos reportados a 31 de Dezembro de 2011, sou de parecer e considero que:

— São claros e elucidativos os elementos contabilísticos referentes ao balanço em 31 de Dezembro de 2011 e à demonstração de resultados para este ano;

— As contas relativas ao ano económico de 2011 mostram a real situação financeira em 31 de Dezembro de 2011 e estão em condições de ser aprovadas.

Macau, aos 28 de Março de 2012.

Representante dos Serviços de Finanças, Pedro Miguel Rodrigues Cardoso das Neves.

Síntese do parecer dos auditores externos

Para a Comissão Administrativa da Caixa Económica Postal

Procedemos à auditoria das demonstrações financeiras da Caixa Económica Postal («CEP») relativas ao ano de 2011, nos termos das Normas de Auditoria e Normas Técnicas de Auditoria da Região Administrativa Especial de Macau. No nosso relatório, datado de 28 de Março de 2012, expressámos uma opinião sem reservas relativamente às demonstrações financeiras das quais as presentes constituem um resumo.

As demonstrações financeiras a que acima se alude compreendem o balanço, à data de 31 de Dezembro de 2011, a demonstração de resultados, a demonstração de alterações no capital próprio e a demonstração de fluxos de caixa relativas ao ano findo, assim como um resumo das políticas contabilísticas relevantes e outras notas explicativas.

As demonstrações financeiras resumidas preparadas pela gerência resultam das demonstrações financeiras anuais auditadas e dos livros e registos da CEP. Em nossa opinião, as demonstrações financeiras resumidas são consistentes, em todos os aspectos materiais, com as demonstrações financeiras auditadas e os livros e registos da CEP.

Para a melhor compreensão da posicão financeira da CEP e dos resultados das suas operações, no período e âmbito abrangido pela nossa auditoria, as demonstrações financeiras resumidas devem ser lidas conjuntamente com as demonstrações financeiras das quais as mesmas resultam e com o respectivo relatório de auditoria.

Lei Iun Mei, Auditor de Contas.

KPMG

Macau, aos 28 de Março de 2012.


BANCO DE CONSTRUÇÃO DA CHINA (MACAU), S.A.

(Publicações ao abrigo do artigo 75.º do RJSF, aprovado pelo Decreto-Lei n.º 32/93/M, de 5 de Julho)

Balanço anual em 31 de Dezembro de 2011

MOP

MOP

MOP

Demonstração de resultados do exercício de 2011

Conta de exploração

MOP

Conta de lucros e perdas

MOP

O Administrador, O Chefe da Contabilidade,
Cheong Kin Hong Lau Chi Keung

Macau, aos 26 de Abril de 2012.

Parecer do Conselho Fiscal

O balanço e a demonstração de resultados deste Banco respeitantes ao exercício findo em 31 de Dezembro de 2011, elaborados nos termos das leis de Macau e auditados pela Sociedade de Auditores PricewaterhouseCoopers, são documentos suficientes para mostrar a real situação financeira deste Banco em 31 de Dezembro de 2011 e o lucro apurado do exercício que terminou nesta data.

O Presidente do Conselho Fiscal,

Yiu Wing Fai

Macau, aos 26 de Abril de 2012.

Relatório do Conselho de Administração

O Conselho de Administração do Banco de Construção da China (Macau), S.A. tem o prazer em submeter aos accionistas o seguinte resultado do exercício respeitante ao ano findo em 31 de Dezembro de 2011:

Síntese das actividades do exercício

Devido à instável economia global em 2011, e aos factores negativos resultantes do abaixamento da classificação de crédito soberano dos EUA e agravamento de crise da dívida soberana da Zona de Euro que causaram flutuação do mercado financeiro e incerteza na perspectiva de investimento, acrescida da inflação contínua de diversos países, o crescimento económico mundial abrandou-se. Mesmo assim, a conomia de Macau, beneficiada com o desenvolvimento sustentável do sector turístico, hoteleiro e dos jogos, tem vindo a manter-se num forte crescimento, tendo o exercício do nosso Banco registado também um crescimento satisfatório em 2011. Com o crescimento ideal dos créditos, foi registado um acréscimo cerca de 10% na receita líquida de juros, e a receita operacional não proveniente de juros registou um aumento de 6% em relação ao ano anterior. Quanto às despesas, devido ao desenvolvimento das actividades e ao aumento do custo de exploração, foi registado um acréscimo de 10% nas despesas operacionais em relação ao igual período do exercício anterior. Foi registado ainda um acréscimo de 11% nos lucros apurados após os impostos, 21% nos créditos concedidos e 6% nos depósitos recebidos em relação ao ano 2010, tendo-se a qualidade dos créditos mantido a um muito bom nível.

Prevemos que, incertezas económicas globais permaneçam no próximo ano e a economia do território ficará inevitavelmente afectada. Contudo, com o melhoramento das instalações turísticas e iniciação de vários grandes empreendimentos, o sector de turismo e jogos manter-se-á num estável crescimento, e o nosso Banco continua ser optimista para com a perspectiva de Macau. Para acompanhar o futuro desenvolvimento, o nosso Banco vai desenvolver mais produtos e serviços que sejam necessários para os clientes, de forma a responder aos apoios por eles prestados.

A Presidente do Conselho de Administração,

Kwok Pui Fong, Miranda

Aos 26 de Abril de 2012.

Síntese do parecer dos auditores externos

Para os accionistas do Banco de Construção da China (Macau), S.A.
(Constituído em Macau como sociedade anónima de responsabilidade limitada)

As demonstrações financeiras resumidas anexas do Banco de Construção da China (Macau), S.A. (o Banco) referentes ao exercício findo em 31 de Dezembro de 2011 resultam das demonstrações financeiras auditadas e dos registos contabilísticos referentes ao exercício findo naquela data. Estas demonstrações financeiras resumidas, as quais compreendem o balanço em 31 de Dezembro de 2011 e a demonstração dos resultados do exercício findo naquela data, são da responsabilidade do Conselho de Administração do Banco. A nossa responsabilidade consiste em expressar uma opinião, unicamente dirigida a V. Ex.as enquanto accionistas, sobre se as demonstrações financeiras resumidas são consistentes, em todos os aspectos materiais, com as demonstrações financeiras auditadas e com os registos contabilísticos do Banco, e sem qualquer outra finalidade. Não assumimos responsabilidades nem aceitamos obrigações perante terceiros pelo conteúdo deste relatório.

Auditámos as demonstrações financeiras do Banco referentes ao exercício findo em 31 de Dezembro de 2011 de acordo com as Normas de Auditoria e Normas Técnicas de Auditoria emitidas pelo Governo da Região Administrativa Especial de Macau, e expressámos a nossa opinião sem reservas sobre estas demonstrações financeiras, no relatório de 30 de Março de 2012.

As demonstrações financeiras auditadas compreendem o balanço em 31 de Dezembro de 2011, a demonstração dos resultados, a demonstração de alterações no capital próprio e a demonstração dos fluxos de caixa do exercício findo naquela data, e um resumo das principais políticas contabilísticas e outras notas explicativas.

Em nossa opinião, as demonstrações financeiras resumidas são consistentes, em todos os aspectos materiais, com as demonstrações financeiras auditadas e com os registos contabilísticos do Banco.

Para uma melhor compreensão da posição financeira do Banco, dos resultados das suas operações e do âmbito da nossa auditoria, as demonstrações financeiras resumidas em anexo devem ser lidas em conjunto com as demonstrações financeiras auditadas e com o respectivo relatório do auditor independente.

Cheung Pui Peng Grace

Auditor de contas

PricewaterhouseCoopers

Macau, aos 26 de Abril de 2012.

Instituições em que detém participação superior a 5% do respectivo capital ou superior a 5% dos seus fundos próprios:

Nenhuma.

Lista dos accionistas qualificados:
China Construction Bank (Asia) Corporation Ltd.
Constituída em Hong Kong
Nomes dos titulares dos órgãos sociais
Conselho de Administração:
Sr.ª Kwok Pui Fong, Miranda Presidente
Sr. Huang Tao Administrador
Sr. Ma Chan Chi Administrador
Sr.ª Lee Wai Meng Administradora
Sr. Cheong Kin Hong Administrador e Gerente-Geral
Conselho Fiscal:
Sr. Yiu Wing Fai Presidente
Sr.ª Lau Mei Yuk, Fonnie Vogal
Sr.ª Ho Mei Va Vogal – Auditora
Mesa da Assembleia Geral:
Sr.ª Kwok Pui Fong, Miranda Presidente
Sr.ª Cheng Pui Ling, Cathy Secretária
Sr.ª Cheng Pui Ling, Cathy Secretária

STANDARD CHARTERED BANK — SUCURSAL DE MACAU

Balanço anual em 31 de Dezembro de 2011

MOP

MOP

1. As Outras Reservas incluem uma reserva obrigatória no montante de 27 354 604,76 Patacas. Porque a sucursal adopta as Macau Financial Reporting Standards («MFRS») na preparação das suas demonstrações financeiras anuais, as perdas de imparidade com base nas MFRS podem ser inferiores ao nível mínimo de provisões genéricas calculadas de acordo com o Aviso n.º 18/93 da AMCM (o nível mínimo). A referida reserva obrigatória representa, pois, a diferença entre o nível mínimo e as perdas de imparidade nos termos das MFRS (antes dos impostos diferidos de 2 823 999,00 Patacas). Este mesmo montante, inscrito na linha «Dotações adicionais para provisões conforme RJSF» da Conta de Lucros e Perdas das contas resumidas, está reconciliado entre o «Lucro depois de impostos» e os «Resultados do ano» de acordo com as regras da AMCM na Conta de exploração das demonstrações financeiras auditadas anuais.

Demonstração de resultados do exercício de 2011

Conta de exploração

MOP

MOP

Conta de lucros e perdas

MOP

O Gerente da Sucursal de Macau, O Chefe da Contabilidade,
Wong Wai Hing, Simon Kan, Cheok Lam

Síntese do relatório de actividades

O Banco Standard Chartered registou um firme desenvolvimento no ano 2011, contando com um acréscimo de 15% no rendimento das suas actividades. Registou-se um lucro líquido de MOP61 878 448,18 após ter deduzido as despesas e amortizado alguns créditos mal parados, dando um aumento de 12% em relação ao ano transacto.

Como habitualmente, o Banco Standard Chartered agradece muito aos seus clientes, às autoridades de supervisão e aos colaboradores do Grupo pelos constantes apoios, aos quais se devem as actividades e operações bem sucedidas e aos mesmos gostaria de expressar pessoalmente os mais sinceros agradecimentos.

Prevemos, para o futuro, um crescimento do negócio a par da permanência dos serviços bancários e de gestão de risco qualificados a fim de melhor servir a sociedade.

O Chefe do Banco Standard Chartered, Sucursal de Macau,

Wong Wai Hing, Simon

Aos 14 de Maio de 2012.

Síntese do parecer dos auditores externos

Para o gerente-geral do Standard Chartered Bank, Sucursal de Macau
(Sucursal de um banco comercial de responsabilidade limitada, incorporado no Reino Unido)

Procedemos à auditoria das demonstrações financeiras do Standard Chartered Bank, Sucursal de Macau relativas ao ano de 2011, nos termos das Normas de Auditoria e Normas Técnicas de Auditoria da Região Administrativa Especial de Macau. No nosso relatório, datado de 10 de Maio de 2012, expressámos uma opinião sem reservas relativamente às demonstrações financeiras das quais as presentes constituem um resumo.

As demonstrações financeiras a que acima se alude compreendem o balanço, à data de 31 de Dezembro de 2011, a demonstração de resultados, a demonstração de alterações nas reservas e a demonstração de fluxos de caixa relativas ao ano findo, assim como um resumo das políticas contabilísticas relevantes e outras notas explicativas.

As demonstrações financeiras resumidas preparadas pela gerência resultam das demonstrações financeiras anuais auditadas e dos livros e registos da sucursal. Em nossa opinião, as demonstrações financeiras resumidas são consistentes, em todos os aspectos materiais, com as demonstrações financeiras auditadas e os livros e registos da sucursal.

Para a melhor compreensão da posição financeira da sucursal e dos resultados das suas operações, no período e âmbito abrangido pela nossa auditoria, as demonstrações financeiras resumidas devem ser lidas conjuntamente com as demonstrações financeiras das quais as mesmas resultam e com o respectivo relatório de auditoria.

Lei Iun Mei, Auditor de Contas.

KPMG

Macau, aos 10 de Maio de 2012.


HONGKONG MACAO HYDROFOIL COMPANY, LIMITED

Balanço em 31 de Dezembro de 2011

Relatório das actividades

Operação em 2011

Durante o ano, o volume de passageiros da Companhia, da rota entre Hong Kong e Macau aumentou com o crescimento do mercado global. Apesar de o Governo ter aprovado o aumento de tarifa no segundo semestre e o rendimento na venda de bilhetes cresceu juntamente com os contínuos melhoramentos na eficiência operacional, isso foi insuficiente para compensar os impactos resultantes da subida do preço do combustível até 40% e de outros aumentos nos custos operacionais. Além disso, o decréscimo na quota de mercado na rota entre Aeroporto Internacional de Hong Kong e Macau, devido à intensa concorrência entre outras companhias de transportes marítimos, o volume de passageiros reduziu e os horários de viagens tiveram que ser ajustados. Devido aos referidos factores, a Companhia registou um aumento de prejuízos neste exercício.

Perspectivas para 2012

Apesar de a Companhia continuar a enfrentar, no futuro, diversos desafios no mercado, a Companhia tem em vista proporcionar serviços de alta qualidade, controlar custos, melhorar a eficiência operacional e promover o negócio activamente, a fim de atrair mais passageiros a utilizar os serviços de transportes marítimos.

Directora,

Ho Chiu King Pansy Catilina

Macau, aos 26 de Março de 2012.

Relatório do auditor independente sobre demonstrações financeiras resumidas

Para os sócios da Hongkong Macao Hydrofoil Company, Limited
(Companhia de responsabilidade limitada, constituída em Hong Kong)

Procedi à revisão das demonstrações financeiras auditadas da Hongkong Macao Hydrofoil Company, Limited, referentes ao exercício findo em 31 de Dezembro de 2011, em conformidade com as Normas de Auditoria vigentes em Macau, R.A.E.

Em minha opinião, as demonstrações financeiras resumidas estão consistentes, em todos os aspectos materiais, com as demonstrações financeiras auditadas, sobre as quais foi emitida uma opinião de auditoria sem reservas.

Watt Hung Chow

Auditor Registado, Macau.

Macau, aos 26 de Março de 2012.


SHUN TAK CHINA TRAVEL

COMPANHIA DE GESTÃO DE EMBARCAÇÕES (MACAU), LIMITADA

Balanço em 31 de Dezembro de 2011

Relatório das actividades

Situação da operação em 2011

O volume de passageiros, na rota entre Macau e Shekou, registou um crescimento satisfatório durante o ano e o resultado do desempenho da Companhia foi satisfatório.

Perspectivas para 2012

A Companhia continuará activamente a promover o seu negócio, a fim de atrair mais passageiros na Região do Delta do Rio das Pérolas e manter o seu lucro.

Directora,

Ho Chiu King Pansy Catilina

Aos 5 de Março de 2012.

Relatório do auditor independente sobre demonstrações financeiras resumidas

Para os sócios da Shun Tak China Travel — Companhia de Gestão de Embarcações (Macau), Limitada
(Sociedade de responsabilidade limitada, constituída em Macau)

Procedi à auditoria das demonstrações financeiras da Shun Tak China Travel — Companhia de Gestão de Embarcações (Macau), Limitada, referentes ao exercício findo em 31 de Dezembro de 2011, em conformidade com as Normas de Auditoria de Hong Kong* emitidas por Hong Kong Institute of Certified Public Accountants, e sobre essas demonstrações financeiras expressei a minha opinião, sem reservas, no meu relatório datado de 5 de Março de 2012.

Em minha opinião, as demonstrações financeiras resumidas estão consistentes, em todos os aspectos materiais, com as demonstrações financeiras auditadas.

Para melhor compreensão da posição financeira da Companhia em 31 de Dezembro de 2011, as demonstrações financeiras resumidas devem ser lidas conjuntamente com as demonstrações financeiras auditadas.

* As normas de auditoria de Hong Kong também se conformam às normas de auditoria de Macau.

Watt Hung Chow

Auditor Registado, Macau.

Macau, aos 5 de Março de 2012.


SHUN TAK — CHINA TRAVEL MACAU FERRIES LIMITED

(Anteriormente denominada New World First Ferry Services (Macau) Limited)

(Companhia de responsabilidade limitada, constituída nas Ilhas Virgens Britânicas)

Balanço em 31 de Dezembro de 2011

Nota:

Shun Tak – China Travel Macau Ferries Limited (a «Companhia») é uma companhia de responsabilidade limitada, constituída nas Ilhas Virgens Britânicas, e tem um estabelecimento em Macau. STCT Ferry Services (Macau) Limitada («STCTFS») (anteriormente denominada «New Ferry — Marine Transportation of Passengers (Macau) Limited»), uma co-subsidiária da Companhia, detém a concessão para a operação dos serviços de transporte marítimo de passageiros entre Macau (Porto Exterior) e Hong Kong. Por conseguinte, a posição financeira relativa à operação dos serviços de transporte marítimo de passageiros encontra-se reflectida nas contas da Companhia.

Relatório das actividades

Shun Tak — China Travel Macau Ferries Limited (anteriormente denominada «New World First Ferry Services (Macau) Limited») presta serviços de transporte marítimo transfronteiriço de passageiros entre Hong Kong (Tsim Sha Tsui) e Macau, desde o ano 2000, consistindo o objectivo principal da Companhia em oferecer um serviço rápido e confortável, e de alta qualidade, para transporte de passageiros.

Durante o ano anterior, embora a economia global tivesse mantido volátil, o elevado custo de combustível e o ambiente competitivo do mercado, a Companhia, tal como no passado, reforçou activamente a sua frota e melhorou os níveis de serviços. Devido aos esforços da sua equipa de trabalho e das estratégias comerciais em tempo oportuno, foi possível, de certo modo, reduzir o seu défice.

Estando o desenvolvimento de Macau direccionado para se firmar como um centro de turismo e lazer, a Companhia continuará a lidar com empenho na optimização contínua da qualidade de serviços e equipamentos da frota, de molde a contribuir para o estabelecimento em Macau de um centro de lazer de classe mundial.

Directora,

Ho Chiu King Pansy Catilina

Aos 26 de Março de 2012.


BANCO INDUSTRIAL E COMERCIAL DA CHINA (MACAU), S.A.

Balanço anual em 31 de Dezembro de 2011

Observação: Em «Outras Reservas» estão incluídas as provisões adicionais, no montante total de MOP514,060,000.19, constituídas ao abrigo do disposto no Regime Jurídico do Sistema Financeiro.

Demonstração de resultados do exercício de 2011

Conta de exploração

Conta de lucros e perdas

Presidente, Administrador-delegado e Administrador-Executivo,
Zhu Xiaoping
Vice-presidente — Administrador-Executivo,
Huen Wing Ming Patrick

Balanço anual em 31 de Dezembro de 2011 (consolidado)

Observação: Em «Outras Reservas» estão incluídas as provisões adicionais, no montante total de MOP514,060,000.19, constituídas ao abrigo do disposto no Regime Jurídico do Sistema Financeiro.

Demonstração de resultados do exercício de 2011

Conta de exploração (consolidado)

Conta de lucros e perdas (consolidado)

Presidente, Administrador-delegado e Administrador-Executivo,
Zhu Xiaoping
Vice-presidente — Administrador-Executivo,
Huen Wing Ming Patrick

Síntese do relatório de actividades

O ano de 2011 foi um ano decisivo para a consolidação da base de desenvolvimento do ICBC (Macau), bem como para a aceleração do seu ritmo de crescimento e a correspondente expansão dos resultados. Aproveitando a oportunidade histórica propiciada pelo planeamento «Doze Cinco», promovido pela Mãe-Pátria, no ano de arranque desse planeamento, e, actuando em conformidade com as políticas de governação desta Região Especial, assim como, tendo em conta a estratégia geral de crescimento no exterior implantada pela sociedade-mãe, promovemos, sob um modelo de desenvolvimento científico, o crescimento rápido do activo e da actividade de intermediação, em harmonia com a evolução do passivo, a consolidação da gestão global do risco, a manutenção e o desenvolvimento da liderança nas principais áreas de actividade e o fortalecimento da base de competitividade, graças ao que nós tornámos num banco de excelência, ao nível mais elevado, em Macau.

Até ao final do ano de 2011, o activo total líquido do Grupo ascendia a oitenta e nove mil milhões de patacas, o que representou um acréscimo de dezassete mil e trezentos milhões de patacas em comparação com o ano transacto, correspondente a um aumento de 24,10%. O total de dívidas ascendia a oitenta e um mil e seiscentos milhões de patacas, o que representou um acréscimo de dezasseis mil e quatrocentos milhões de patacas em comparação com o ano transacto, correspondente a um aumento de 25,24%. O saldo de depósitos (incluindo os depósitos de entidades públicas) avaliou-se em setenta e um mil e duzentos milhões de patacas, o que representou um acréscimo de treze mil e setecentos milhões de patacas em comparação com o ano transacto, correspondente a um aumento de 23,88%. O saldo dos diversos créditos concedidos avaliou-se em cinquenta e oito mil e quatrocentos milhões de patacas, o que representou um acréscimo de dez mil e setecentos milhões de patacas em comparação com o ano transacto, correspondente a um aumento de 22,52%. O saldo e o rácio dos créditos de má qualidade mantiveram-se num nível reduzido, as provisões mantiveram-se suficientes, o que reforçou a capacidade para enfrentar qualquer risco.

De acordo com as «Normas Internacionais de Relato Financeiro», este Grupo conseguiu em 2011 um lucro que, após a dedução de impostos, se avaliou em oitocentos e noventa milhões de patacas. A taxa média ponderada de retribuição do capital e a taxa média de retribuição do activo total eram, respectivamente, de 12,85% e 1,09%. Até ao final do ano de 2011, as demonstrações financeiras deste grupo, já auditadas, foram elaboradas de acordo com as «Normas Internacionais de Relato Financeiro». Se atendermos ao reforço de provisões previsto no «Regime Jurídico do Sistema Financeiro», o lucro passará a ser de setecentos e noventa e nove milhões de patacas, depois de feito o necessário ajustamento.

A contínua manutenção de resultados positivos de exploração por parte do Grupo, tem granjeado uma boa apreciação por parte da comunicação social especializada em assuntos económicos e financeiros com prestígio mundial, tendo as publicações «Global Finance (US)» e «The Banker (UK)» atribuído, em 2011, ao ICBC (Macau), pelo terceiro ano consecutivo, o prémio de melhor banco em Macau.

O ICBC (Macau) pretende enraizar-se mais profundamente em Macau. Em conformidade com o planeamento global do Governo da Região Administrativa Especial de Macau, o ICBC (Macau) reforçará os seus serviços no âmbito de construção de infra-estruturas, de projectos fulcrais para a região, bem como no que diz respeito aos serviços sociais a ser prestados aos residentes locais, a fim de promover a reestruturação económica e o ajustamento estrutural de Macau, apoiando e contribuindo para o desenvolvimento económico e prosperidade social da Região Administrativa Especial de Macau.

Macau, aos 29 de Março de 2012.

Zhu Xiaoping
O Presidente do Conselho de Administração

Relatório de auditor independente sobre demonstrações financeiras consolidadas resumidas

Para os accionistas do Banco Industrial e Comercial da China (Macau), S.A.
(Sociedade por acções de responsabilidade limitada, registada em Macau)

Procedemos à auditoria das demonstrações financeiras consolidadas do Banco Industrial e Comercial da China (Macau), S.A. relativas ao ano de 2011, nos termos das Normas de Auditoria e Normas Técnicas de Auditoria da Região Administrativa Especial de Macau. No nosso relatório, datado de 28 de Março de 2012, expressámos uma opinião sem reservas relativamente às demonstrações financeiras consolidadas das quais as presentes constituem um resumo.

As demonstrações financeiras consolidadas a que acima se alude compreendem o balanço consolidadas, à data de 31 de Dezembro de 2011, a demonstração de resultados consolidadas, a demonstração de rendimento integral consolidadas, a demonstração consolidadas de alterações no capital próprio e a demonstração consolidadas de fluxos de caixa relativas ao ano findo, assim como um resumo das políticas contabilísticas relevantes e outras notas explicativas.

As demonstrações financeiras consolidadas resumidas preparadas pela gerência resultam das demonstrações financeiras consolidadas anuais auditadas a que acima se faz referência. Em nossa opinião, as demonstrações financeiras consolidadas resumidas são consistentes, em todos os aspectos materiais, com as demonstrações financeiras consolidadas auditadas.

Para a melhor compreensão da posição financeira do Banco Industrial e Comercial da China (Macau), S.A. e dos resultados das suas operações, no período e âmbito abrangido pela nossa auditoria, as demonstrações financeiras consolidadas resumidas devem ser lidas conjuntamente com as demonstrações financeiras consolidadas das quais as mesmas resultam e com o respectivo relatório de auditoria.

Chau Suet Fung Dilys, Auditor de Contas.

Ernst & Young — Auditores
Aos 28 de Março de 2012.

Parecer do Fiscal Único

Nos termos do disposto na alínea e) do artigo 25.º dos Estatutos e para o efeito previsto na mesma disposição legal, o Conselho de Administração do Banco Industrial e Comercial da China (Macau), S.A. entregou a este escritório de auditoria o relatório das actividades e contas já auditadas do exercício de 2011, para efeito de parecer.

Depois de examinados os documentos entregues a este escritório, para efeito de emissão do parecer, conclui-se que os referidos documentos reflectem, de forma clara, não só a situação patrimonial, mas também a situação financeira e económica do Banco.

O relatório do Conselho de Administração reflecte, de forma precisa, as actividades promovidas e desenvolvidas pelo Banco no ano de exercício ora em apreço.

Tendo em atenção o relatório apresentado pelo auditor externo, este escritório concorda com o exposto no referido relatório, sendo que os documentos que serviram de base à elaboração das contas reflectem, de uma forma correcta e real, a situação financeira demonstrada no balanço com data de 31 de Dezembro de 2011, bem como o resultado financeiro do exercício findo em 31 de Dezembro de 2011.

Recapitulando o acima exposto, é de nosso parecer a aprovação do referido relatório de actividades e contas do Conselho de Administração.

Macau, aos 28 de Março de 2012.

CSC & Associados — Sociedade de Auditores
(Representada por Chui Sai Cheong)
Fiscal Único

Lista das instituições em que detenham participação superior a 5% do capital e respectivo valor percentual
Sociedade Financeira ICBC (Macau) Capital, S.A.  100%
Sociedade Gestora de Fundos de Pensões
ICBC (Macau), S.A.
 100%
Seng Heng Development Company Limited
(Incorporado em Hong Kong)
 100%
Authosis, Inc.  11%
(Incorporado em Cayman Islands)  
Companhia de Seguros Luen Fung Hang, S.A.R.L.  6%
Lista dos accionistas qualificados  
Industrial and Commercial Bank of China Limited  
Sr. Huen Wing Ming, Patrick  
Órgãos Sociais  
Conselho de Administração  
Sr. Zhu Xiaoping Presidente, Administrador-delegado e Administrador-Executivo
Sr. Shen Xiaoqi Vice-Presidente, Director-Geral e Administrador-Executivo
Sr. Huen Wing Ming, Patrick Vice-Presidente e Administrador-Executivo
Sr. Wu Hongbo Administrador
  (Nomeado em 18 de Novembro de 2011)
Sr. Zhu Wenxin Administrador
  (Nomeado em 18 de Novembro de 2011)
Sr.ª Nie Changwen Administradora
Sr. Tong Chi Kin Administrador
Sr. Liu Yagan Administrador
  (Renunciou em 18 de Novembro de 2011)
Sr. Ji Jingyu Administrador
  (Renunciou em 18 de Novembro de 2011)
Mesa da Assembleia  
Sr. Zhu Xiaoping Presidente
Sr. Zheng Kai Secretário
Fiscal Único  
CSC & Associados — Sociedade de Auditores  
(Representada por Sr. Chui Sai Cheong)  
Secretário de Sociedade  
Sr. Zheng Kai  

SOCIEDADE FINANCEIRA ICBC (MACAU) CAPITAL, S.A.

Balanço anual em 31 de Dezembro de 2011

Demonstração de resultados do exercício de 2011

Conta de exploração

Conta de lucros e perdas

O Administrador,
Huen Wing Ming Patrick
O Administrador,
Yung Chun Fai Dickie

Síntese do relatório de actividades

No ano de dois mil e onze, a Sociedade Financeira ICBC (Macau) Capital, S.A., além de manter a tendência para um desenvolvimento saudável, atingiu lucros avaliados em três milhões quatrocentas e sessenta mil patacas, após a dedução de impostos. Até ao final do ano de 2011, o activo total desta Sociedade ascendeu a oitenta e nove milhões cento e vinte mil patacas, o que representa um acréscimo de 4,2%.

Após o estabelecimento da nossa Sociedade, a mesma, norteando-se pela estratégia global de desenvolvimento implementada pelo Banco Industrial e Comercial da China (Macau), S.A., e graças à rede, à marca, aos recursos financeiros e à tecnologia avançada do «Industrial and Commercial Bank of China Limited», empenhou-se em transformar-se numa instituição financeira com um crescimento económico dos seus activos sustentável, fortalecendo continuamente o controlo do risco, assegurando aos seus clientes uma retribuição mais estável e forte dos seus investimentos.

Macau, aos 29 de Março de 2012.

Shen Xiaoqi
O Presidente do Conselho de Administração

Relatório de auditor independente sobre demonstrações financeiras resumidas

Para os accionistas da Sociedade Financeira ICBC (Macau) Capital, S.A.
(Sociedade por acções de responsabilidade limitada, registada em Macau)

Procedemos à auditoria das demonstrações financeiras da Sociedade Financeira ICBC (Macau) Capital, S.A. relativas ao ano de 2011, nos termos das Normas de Auditoria e Normas Técnicas de Auditoria da Região Administrativa Especial de Macau. No nosso relatório, datado de 28 de Março de 2012, expressámos uma opinião sem reservas relativamente às demonstrações financeiras das quais as presentes constituem um resumo.

As demonstrações financeiras a que acima se alude compreendem o balanço, à data de 31 de Dezembro de 2011, a demonstração de resultados, a demonstração de rendimento integral, a demonstração de alterações no capital próprio e a demonstração de fluxos de caixa relativas ao ano findo, assim como um resumo das políticas contabilísticas relevantes e outras notas explicativas.

As demonstrações financeiras resumidas preparadas pela gerência resultam das demonstrações financeiras anuais auditadas a que acima se faz referência. Em nossa opinião, as demonstrações financeiras resumidas são consistentes, em todos os aspectos materiais, com as demonstrações financeiras auditadas.

Para a melhor compreensão da posição financeira da Sociedade Financeira ICBC (Macau) Capital, S.A. e dos resultados das suas operações, no período e âmbito abrangido pela nossa auditoria, as demonstrações financeiras resumidas devem ser lidas conjuntamente com as demonstrações financeiras das quais as mesmas resultam e com o respectivo relatório de auditoria.

Chau Suet Fung Dilys, Auditor de Contas.

Ernst & Young – Auditores

Aos 28 de Março de 2012.

Parecer do Fiscal Único

Nos termos do disposto na alínea e) do artigo 23.º dos Estatutos e para o efeito previsto na mesma disposição legal, o Conselho de Administração da Sociedade Financeira ICBC (Macau) Capital, S.A. entregou a este escritório de auditoria o relatório das actividades e contas já auditadas do exercício de 2011, para efeito de parecer.

Depois de examinados os documentos entregues a este escritório, para efeito de emissão do parecer, conclui-se que os referidos documentos reflectem, de forma clara, não só a situação patrimonial, mas também a situação financeira e económica da referida Sociedade.

O relatório do Conselho de Administração reflecte, de forma precisa, as actividades promovidas e desenvolvidas pela Sociedade no ano de exercício ora em apreço.

Tendo em atenção o relatório apresentado pelo auditor externo, este escritório concorda com o exposto no referido relatório, sendo que os documentos que serviram de base à elaboração das contas reflectem, de forma correcta e real, a situação financeira demonstrada no balanço com data de 31 de Dezembro de 2011, bem como o resultado financeiro do exercício findo em 31 de Dezembro de 2011.

Recapitulando o acima exposto, é de nosso parecer a aprovação do referido relatório de actividades e contas do Conselho de Administração.

Macau, aos 28 de Março de 2012.

CSC & Associados — Sociedade de Auditores
(Representada por Chui Sai Cheong)
Fiscal Único

Lista das instituições em que detenham participação superior a 5% do capital  
Não.  
Lista dos accionistas qualificados  
Banco Industrial e Comercial da China (Macau), S.A.  
Órgãos Sociais  
Conselho de Administração  
Sr. Shen Xiaoqi Presidente
Sr. Huen Wing Ming, Patrick Administrador
Sr. Yung Chun Fai, Dickie Administrador
Mesa da Assembleia  
Sr. Zhu Xiaoping Presidente
Sr. Huen Chung Yuen, Ian Vice-Presidente
Sr. Zheng Kai Secretário
Fiscal Único  
CSC & Associados — Sociedade de Auditores
(Representada por Sr. Chui Sai Cheong)
 
Secretário de Sociedade  
Sr. Zheng Kai Secretário

SOCIEDADE GESTORA DE FUNDOS DE PENSÕES ICBC (MACAU), S.A.

Balanço anual em 31 de Dezembro de 2011

Patacas

Conta de exploração do exercício de 2011

Patacas

Conta de ganhos e perdas do exercício de 2011

Patacas

O Administrador,
Huen Wing Ming Patrick
O Administrador,
Yung Chun Fai Dickie

Síntese do relatório de actividades

No ano de dois mil e onze, a Sociedade Gestora de Fundos de Pensões ICBC (Macau), S.A., além de manter a tendência para um desenvolvimento saudável, atingiu lucros avaliados em três milhões e quinhentas e quarenta mil patacas, após a dedução de impostos. Até ao final do ano de 2011, o activo total desta Sociedade ascendeu a sessenta e três milhões e setecentas e quarenta mil patacas, o que representa um acréscimo de 22,26%.

O valor de mercado dos activos sob gestão desta Sociedade foi calculado em mais de setecentos e sessenta milhões de patacas, o que traduziu um aumento na ordem de 10,33% em relação ao ano transacto.

Após o seu estabelecimento, com a mesma estratégia global de desenvolvimento implementada pelo Banco Industrial e Comercial da China (Macau), S.A., e graças à rede, à marca, aos recursos financeiros e à tecnologia avançada do «Industrial and Commercial Bank of China Limited», a nossa Sociedade empenhou-se em transformar-se numa sociedade gestora de fundos de pensões com excelentes resultados, sendo a mais procurada por clientes de Macau e prestando aos seus clientes serviços de gestão de fundos de pensões cada vez mais seguros e de acesso fácil e rápido.

Macau, aos 29 de Março de 2012.

Shen Xiaoqi
O Presidente do Conselho de Administração

Relatório de auditor independente sobre demonstrações financeiras resumidas

Para os accionistas da Sociedade Gestora de Fundos de Pensões ICBC (Macau), S.A.
(Sociedade por acções de responsabilidade limitada, registada em Macau)

Procedemos à auditoria das demonstrações financeiras da Sociedade Gestora de Fundos de Pensões ICBC (Macau), S.A. relativas ao ano de 2011, nos termos das Normas de Auditoria e Normas Técnicas de Auditoria da Região Administrativa Especial de Macau. No nosso relatório, datado de 28 de Março de 2012, expressámos uma opinião sem reservas relativamente às demonstrações financeiras das quais as presentes constituem um resumo.

As demonstrações financeiras a que acima se alude compreendem o balanço, à data de 31 de Dezembro de 2011, a demonstração de resultados, a demonstração de rendimento integral, a demonstração de alterações no capital próprio e a demonstração de fluxos de caixa relativas ao ano findo, assim como um resumo das políticas contabilísticas relevantes e outras notas explicativas.

As demonstrações financeiras resumidas preparadas pela gerência resultam das demonstrações financeiras anuais auditadas a que acima se faz referência. Em nossa opinião, as demonstrações financeiras resumidas são consistentes, em todos os aspectos materiais, com as demonstrações financeiras auditadas.

Para a melhor compreensão da posição financeira da Sociedade Gestora de Fundos de Pensões ICBC (Macau), S.A. e dos resultados das suas operações, no período e âmbito abrangido pela nossa auditoria, as demonstrações financeiras resumidas devem ser lidas conjuntamente com as demonstrações financeiras das quais as mesmas resultam e com o respectivo relatório de auditoria.

Chau Suet Fung Dilys, Auditor de Contas.

Ernst & Young — Auditores

Aos 28 de Março de 2012.

Parecer do Fiscal Único

Nos termos do disposto na alínea e) do artigo 24.º dos Estatutos e para o efeito previsto na mesma disposição legal, o Conselho de Administração da Sociedade Gestora de Fundos de Pensões ICBC (Macau), S.A. entregou a este escritório de auditoria o relatório das actividades e contas já auditadas do exercício de 2011, para efeito de parecer.

Depois de examinados os documentos entregues a este escritório, para efeito de emissão de parecer, conclui-se que os referidos documentos reflectem, de forma clara, não só a situação patrimonial, mas também a situação financeira e económica da referida Sociedade.

O relatório do Conselho de Administração reflecte, de forma precisa, as actividades promovidas e desenvolvidas pela Sociedade no ano do exercício ora em apreço.

Tendo em atenção o relatório apresentado pelo auditor externo, este escritório concorda com o exposto no referido relatório, sendo que os documentos que serviram de base à elaboração das contas reflectem, de forma correcta e real, a situação financeira demonstrada no balanço com data de 31 de Dezembro de 2011, bem como o resultado financeiro do exercício findo em 31 de Dezembro de 2011.

Recapitulado o acima exposto, é de nosso parecer a aprovação do referido relatório de actividades e contas do Conselho de Administração.

Macau, aos 28 de Março de 2012.

CSC & Associados — Sociedade de Auditores
(representada por Chui Sai Cheong)
Fiscal Único

Lista das instituições em que detenham participação superior a 5% do capital  
Não.  
Lista dos accionistas qualificados  
Banco Industrial e Comercial da China (Macau), S.A.  
Órgãos Sociais  
Conselho de Administração  
Sr. Shen Xiaoqi Presidente
Sr. Huen Wing Ming, Patrick Administrador
Sr. Cheng Wing Fai Administrador
Sr. Yung Chun Fai, Dickie Administrador
Mesa da Assembleia  
Sr. Zhu Xiaoping Presidente
Sr. Zheng Kai Secretário
Fiscal Único  
CSC & Associados — Sociedade de Auditores
(Representada por Sr. Chui Sai Cheong)
 
Secretário de Sociedade  
Sr. Zheng Kai Secretário

    

Versão PDF optimizada para Adobe Reader 7.0 ou superior.
Get Adobe Reader