< ] ^ ] 

    

[ Página Anterior ][ Versão Chinesa ]

REGIÃO ADMINISTRATIVA ESPECIAL DE MACAU

      Anúncios notariais e outros

第 一 公 證 署

證 明

澳台閩南商會

為公佈的目的,茲證明上述社團的設立章程文本自二零一一年五月十三日起,存放於本署的社團及財團存檔文件內,檔案組1號38/2011。

澳台閩南商會章程

一、定名:澳台閩南商會

二、宗旨:

1. 不斷推動、深化澳門、台灣、福建與大陸其他省市在經貿、旅遊及工商活動等方面的交流與合作。

2. 不斷推動完善澳門與台灣的營商環境,為兩地經濟發展創造更佳條件。

3. 加強澳門與台灣兩地閩南籍工商界人士的團結,並為各地工商界人士的交流、合作積極構建平台;盡力協助會員在澳門、台灣、福建,以至在大陸其他省市拓展商機,並為會員提供相關經貿信息。

三、性質:民間非牟利工商團體。

四、會址:澳門新口岸北京街244-246號澳門金融中心11樓D座。經理事會同意,會址可以遷移至其他地方。

五、組織結構:

會員大會:

1. 為本會最高權力機構,修改本會章程,透過選舉或協商程序產生會長、副會長、理事會及監事會之成員。

2. 每年必須召開一次會員大會,大會之召集須最少提前八日以掛號信或透過簽收方式為之。召集書內須指出會議日期、時間、地點及議程。若屬首次召集,如出席的會員未足半數,不得作任何決議;另外,決議則取決於出席會員之絕對多數票。

3. 會員大會由會長主持,理事會召集。另外,不少於總數五分之一的會員以正當目的提出要求時,亦得召開會員大會。

會長及副會長:

1. 會長一名,對外代表本會,推動理事會全面執行會員大會決議。副會長若干名,協助會長工作。如有需要,可增設常務副會長。常務副會長的職權由內部章程確定。

2. 會長根據會務需要,可決定邀請各地社會知名人士在本會擔任各種榮譽性質之職位。

理事會:

1. 理事會全面落實會員大會制定的方針及決議;同時,可制定各種內部規章。

2. 理事會根據工作需要,可設立多個部門或專責委員會(或工作機構),也可設立諮詢組織,具體運作模式及職能,由內部規章確定。

3. 理事會成員人數不確定,其總數目必須為單數。

4. 理事會設理事長一名,副理事長及理事若干名,秘書長一名。理事長統籌理事會工作,主持理事會會議。如有需要,可設常務副理事長、常務理事或其他職位,具體情況由理事會會議確定。

監事會:

1. 監事會成員人數不確定,其總數目必須為單數。

2. 監事會設監事長一名、副監事長及監事若干名。監事會與理事會成員不得互相兼任。

3. 監事會主要職責為:執行會員大會賦予的工作職能,以及查核本會財產。

會長、副會長、理事會及監事會成員之每屆任期為三年,連選可連任。

會員:

1. 凡認同本會宗旨及願意遵守本會章程的與閩南有直接、間接關聯的工商界人士(或公司、企業),或其他有關人士,經申請獲得理事會批准後,可成為會員。

2. 會員有維護本會聲譽的義務;亦有退出本會的權利。

3. 會員的其他權利、義務,由理事會透過內部規章規範。

六、經費來源:主要來自會費、各種合法資助、捐贈及其他合法收益。

七、本章程解釋權屬會員大會所有;在召開第一次會員大會前,代表本會在註冊文件上簽署的人士,對本章程具有最權威解釋。

八、如要修改章程,須獲出席會員大會的會員四分之三贊同票通過;如要解散本會,須獲全體會員四分之三贊同票通過,方為有效。

九、本章程未規定之條文,依澳門特別行政區現行《民法典》辦理。

二零一一年五月十三日於第一公證署

公證員 盧瑞祥


第 一 公 證 署

證 明

澳台資深化粧品企業商會

為公佈的目的,茲證明上述社團的設立章程文本自二零一一年五月十三日起,存放於本署的社團及財團存檔文件內,檔案組1號38/2011。

澳台資深化粧品企業商會章程

一、定名:澳台資深化粧品企業商會

二、宗旨:

1. 不斷推動、深化澳門與台灣,以至兩岸四地在化粧品業務的交流與合作。

2. 積極為澳門與台灣的化粧品市場及兩地經濟發展增添活力。

3. 加強業內資深企業及其負責人之間的團結與聯繫,並廣泛聯繫業內人士;盡力協助會員在澳門、台灣,以至在兩岸四地拓展商機,為會員提供專業輔助服務及相關市場信息。

三、性質:民間非牟利工商團體。

四、會址:澳門新口岸北京街244-246號澳門金融中心11樓D座。經理事會同意,會址可以遷移至其他地方。

五、組織結構:

會員大會:

1. 為本會最高權力機構,修改本會章程,透過選舉或協商程序產生會長、副會長、理事會及監事會之成員。

2. 每年必須召開一次會員大會,大會之召集須最少提前八日以掛號信或透過簽收方式為之。召集書內須指出會議日期、時間、地點及議程。若屬首次召集,如出席的會員未足半數,不得作任何決議;另外,決議則取決於出席會員之絕對多數票。

3. 會員大會由會長主持,理事會召集。另外,不少於總數五分之一的會員以正當目的提出要求時,亦得召開會員大會。

會長及副會長:

1. 會長一名,對外代表本會,推動理事會全面執行會員大會決議。副會長若干名,協助會長工作。如有需要,可增設常務副會長。常務副會長的職權由內部章程確定。

2. 會長根據會務需要,可決定邀請各地社會知名人士在本會擔任各種榮譽性質之職位。

理事會:

1. 理事會全面落實會員大會制定的方針及決議;同時,可制定各種內部規章。

2. 理事會根據工作需要,可設立多個部門或專責委員會(或工作機構),也可設立諮詢組織,具體運作模式及職能,由內部規章確定。

3. 理事會成員人數不確定,其總數目必須為單數。

4. 理事會設理事長一名,副理事長及理事若干名,秘書長一名。理事長統籌理事會工作,主持理事會會議。如有需要,可設常務副理事長、常務理事或其他職位,具體情況由理事會會議確定。

監事會:

1. 監事會成員人數不確定,其總數目必須為單數。

2. 監事會設監事長一名、副監事長及監事若干名。監事會與理事會成員不得互相兼任。

3. 監事會主要職責為:執行會員大會賦予的工作職能,以及查核本會財產。

會長、副會長、理事會及監事會成員之每屆任期為三年,連選可連任。

會員:

1. 凡認同本會宗旨及願意遵守本會章程的化粧品企業負責人或有關人士(或公司、企業),經申請獲得理事會批准後,可成為會員。

2. 會員有維護本會聲譽的義務;亦有退出本會的權利。

3. 會員的其他權利、義務,由理事會透過內部規章規範。

六、經費來源:主要來自會費、各種合法資助、捐贈及其他合法收益。

七、本章程解釋權屬會員大會所有;在召開第一次會員大會前,代表本會在註冊文件上簽署的人士,對本章程具有最權威解釋。

八、如要修改章程,須獲出席會員大會的會員四分之三贊同票通過;如要解散本會,須獲全體會員四分之三贊同票通過,方為有效。

九、本章程未規定之條文,依澳門特別行政區現行《民法典》辦理。

二零一一年五月十三日於第一公證署

公證員 盧瑞祥


第 一 公 證 署

證 明

澳門巴士迷會

為公佈的目的,茲證明上述社團的設立章程文本自二零一一年五月十八日起,存放於本署的社團及財團存檔文件內,檔案組1號39/2011。

澳門巴士迷會章程

1. 總則

1.1 本會定名為澳門巴士迷會(簡稱“澳門巴迷會”),葡文名為Associação de Fãs Bus de Macau(簡稱AFBM),英文名為Macao Bus Fans Association(簡稱MBFA)。

1.2 會址位於澳門鮑思高圓形地63號海富花園22樓M。

1.3 本會屬非牟利組織,宗旨是聚集對澳門巴士的愛好者,加強本地與世界各地的同好的交流,定期舉辦活動,推廣公交出行。

2. 會員

2.1 所有愛好巴士人士均可申請成為本會會員,但須經過理事會審核和批准。

2.2 會員之權利:

a. 有選舉權和被選舉權;

b. 對本會工作提出批評和建議;

c. 參加本會舉辦之各項活動及享受本會提供福利。

2.3 會員之義務:遵守會章、繳納會費、執行決議、團結會員、發展會務。

2.4 取消會籍:

a. 由會員主動提出的退會申請,須提前十個工作天以書面通知理事會,並繳納所有應繳款項。

b. 凡違反本會章程從而嚴重損害本會聲譽或利益之會員,經理事會通過,可即時被開除會籍。

3. 組織

本會架構由會員大會、會員大會主席團、理事會及監事會組成,後三者的任期為三年,可連任。

3.1 會員大會

a. 會員大會為本會最高權力機構,負責決定會務方針和其他重大事項,以及選舉會長、副會長及秘書各一名、理事會和監事會之成員。

b. 會員大會由會長召集,每年召開一次。在必需的情況下,不少於總數五分之一之社員以正當目的提出要求時亦得召開特別會議,並至少提前八天透過掛號信或簽收方式召集。

c. 修改章程的決議,須獲出席社員四分之三之贊同票。解散法人或延長法人存續期之決議,須獲全體社員四分之三之贊同票。

3.2 理事會

理事會為本會執行組織,設理事長一人、副理事長一人,理事若干名,總人數是單數。負責內外會務管理與執行。每年須向會員大會提交工作報告。

3.3 監事會

監事會為本會監察組織,監事會由監事長一人、副監事長一人,監事若干名,總人數是單數。負責內外會務及財務之監察。

4. 經費

本會經費來自會員會費、私人或公共實體的贊助以及其他集資。

5. 附則

本章程若有未善之處,可由會員大會議決修改。

二零一一年五月十八日於第一公證署

公證員 盧瑞祥


CARTÓRIO NOTARIAL DAS ILHAS

CERTIFICADO

澳門新會大澤同鄉會

為公布的目的,茲證明上述社團的設立章程文本自二零一一年五月十七日起,存放於本署之“2011年社團及財團儲存文件檔案”第1/2011/ASS檔案組第30號,有關條文內容載於附件。

澳門新會大澤同鄉會章程

第一章

總則

第一條——本會中文名稱:澳門新會大澤同鄉會,中文簡稱為“大澤同鄉會”;葡文名稱:Associação dos Conterrâneos de Xinhui Daze de Macau;英文名稱:Macao Xinhui Daze Countrymen Association。

第二條——會址:澳門新口岸北京街126號怡德商業中心10樓。

第三條——宗旨和性質

澳門新會大澤同鄉會是一個不牟利的群體社團,其宗旨是團結在澳門的新會區大澤鎮鄉親,敦睦鄉誼,加強與澳門與家鄉之間的聯繫,為促進兩地的合作和交流,以及兩地各領域的共同發展而努力。

第二章

會員

第四條——會員資格、權利與義務

1)凡新會區大澤鎮旅居澳門的鄉親,承認本會章程,維護本會權益,均可申請成為本會會員。

2)經理事會提議,可推薦有聲望之澳門當地或外地的自然人或法人,擔任本會名譽會長、榮譽會長。

第五條——凡會員違反、不遵守會章及損害本會聲譽及利益,經理事會議決後,得取消其資格。

第六條——本會會員可參加本會所舉辦的活動,可出席會員大會,並具有發言權、提名、被提名及投票權。

第三章

組織、職能與運作

第七條——1) 本會組織機構有:

a) 會員大會;

b) 理事會;

c) 監事會。

2) 本會各組織機構成員由會員大會選舉產生,會員大會設會長一名、副會長若干名,任期三年,並可連選連任。

第八條——1)會員大會每年舉行一次會議,於開會前至少提前8天以掛號信或簽收方式,將開會日期、時間、地點及議程,通知全體會員。第一次召集時,最少一半會員出席;若第一次召集的時間已屆,如法定人數不足,則於半小時後視為第二次召集,屆時則不論出席之會員人數多少均視為有效。會議決議取決於出席會員絕對多數票贊同。

2)修改本會章程,須獲出席會議會員四分之三之贊同票。

3)解散本會,須獲全體會員四分之三贊同票。

第九條——1)理事會設理事長一名、副理事長若干名、理事若干名,組成人員必須為單數。任期三年,並可連選連任。

2)理事會是本會最高執行機構,最少每半年舉行一次例會,負責制定會務、活動計劃、提交每年度工作計劃及財政報告。

第十條——1)監事會負責查核本會帳目及理事工作情況。

2)監事會由三位成員組成,設監事長一名、副監事長一名及監事一名。任期三年,並可連選連任。

第十一條——經費

本會之經費來源是各會員的贊助、社會有關人士及機構資助。

二零一一年五月十七日於海島公證署

二等助理員 何倩茵


CARTÓRIO NOTARIAL DAS ILHAS

CERTIFICADO

澳門品牌發展促進會

為公布的目的,茲證明上述社團的設立章程文本自二零一一年五月十九日起,存放於本署之“2011年社團及財團儲存文件檔案”第1/2011/ASS檔案組第33號,有關條文內容載於附件。

澳門品牌發展促進會章程

(一)名稱、會址:本會定名為“澳門品牌發展促進會”。本會設於澳門畢仕達大馬路26-54B中福商業中心6樓I座,經理事會決議,會址得遷往澳門任何地方。

(二)宗旨:本會為非牟利團體,宗旨如下:A. 協助政府努力創造有利於澳門品牌發展的社會環境;宣傳和推廣澳門原創品牌及產品的知名度及影響力。組織業內人士參加本地及海內外相關展覽和推廣活動,促進澳門本地品牌企業與海內外業界的交流、聯誼和合作,以共同推動澳門優質品牌發展為宗旨。B. 舉辦相關活動,推行澳門中小企品牌發展、研究計劃、培訓項目、觀摩與交流活動,扶持本地具有悠久歷史的優秀老字號、老品牌,加快澳門朝適度多元經濟方向發展的轉型。並協助策劃其他名牌評審與比賽,藉以表彰先進,樹立典範。C. 積極配合政府對品牌相關認證的審核和管理,推行「澳門品牌」和「澳門製造」標識的規範管理。D. 出版《品牌》宣傳刊物及相關影視作品,透過加強公眾宣傳和傳播,增進消費者的品牌意識,培養「重品牌、育品牌」的社會環境。

(三)本會會員:A. 支持和認同本會之宗旨,遵守本會會章者,可加入本會成為會員。B. 會員之資格申請:入會者須填寫入會申請表,經理事會通過方為正式會員。C. 會員之權利義務:1. 有選舉及被選舉權。2. 參與本會舉辦之各項活動。3. 有享受本會所辦之福利、活動之權利。4. 入會自由,退會自由。5. 準時繳交會費。

(四)本會之組織結構包括:會員大會、理事會、監事會。

(五)會員大會權限包括:制定和修改會章;選舉會員大會,理事會及監事會成員;決定本會之會務方針。

(六)會員大會:A. 會員大會由全體所有會員參與組成,設會長一人,副會長若干、秘書一人,任期二年,可連選連任。B. 會員大會每年召開一次會議,日期由上一次會員大會決定。會議召開前,必須最少提前八天以掛號信方式或透過簽收方式通知會員,通知上須註明開會之日期、時間、地點及議程。C. 會員大會由會長主持,如會長缺席,則由副會長主持,修改章程的決議,須獲出席社員四分之三之贊同票。解散法人或延長法人存續期之決議,須獲全體社員四分之三之贊同票。

(七)理事會:A. 本會執行機構為理事會,任期二年,可連續連任。B. 理事會由不少於五名單數成員組成,設理事長一人,副理事長若干,秘書一人,財務一人,其他均為理事。C. 理事會根據大會所制定之方針及決議展開各項工作。D. 理事會可聘請社會適當人士擔任本會榮譽會長、名譽會長、名譽顧問及顧問等,協助推動會務發展。

(八)理事會成員職責:A. 理事長:按本會宗旨及會員大會決議統籌日常工作。B. 副理事長:協助理事長的工作。C. 財務:審理本會財政開支及每年向大會提交財務報告。D. 秘書:落實和跟進本會一切事務。E. 其他理事分工負責學術,對外聯繫等會務。

(九)監事會:監事會由不少於三名單數成員組成,其中設監事長一人,副監事長若干,秘書一人;任期二年,可連續連任。

(十)監事會職責:A. 按法律所賦予之職權,負責監察本會之運作及理事會之工作。B. 對本會財產及帳目進行監察及對理事會之年度報告提供意見。

(十一)經費及運作:A. 本會收入來自會費、向社會籌集及向政府申請。B. 本會所舉辦之各項活動的收入和收益。C. 由會員大會授權理事會運作經費。

二零一一年五月十九日於海島公證署

二等助理員 Chok Seng Mui


2.º CARTÓRIO NOTARIAL DE MACAU

CERTIFICADO

澳門資訊科技數據管理中心

葡文名稱為“Centro da Gerência de Dados de Tecnologia Informática de Macau”

英文名稱為“Macau Information Technology Data Management Center”(Abbreviation: MITDMC)

為公佈之目的,茲證明上述社團的章程之修改文本已於二零一一年五月十三日,存檔於本署之2011/ASS/M2檔案組內,編號為098號,有關條文內容如下:

第十六條——會員大會的召集

會員大會的召集,至少應該於會前八天透過掛號或簽收之方式通知各會員,召集書內須載明會議日期、時刻、地點及議程。

Está conforme.

Segundo Cartório Notarial de Macau, aos treze de Maio de dois mil e onze. — A Ajudante, Fátima Lau Matias.


CARTÓRIO NOTARIAL DAS ILHAS

CERTIFICADO

澳門皮膚與美容學會

為公布的目的,茲證明上述社團修改章程的文本自二零一一年五月十八日起,存放於本署之“2011年社團及財團儲存文件檔案”第1/2011/ASS檔案組第31號,有關條文內容載於附件。

澳門皮膚與美容學會

Associação de Dermatologia e Cosmetologia de Macau

Dermatology & Cosmetology Association of Macau

會名、會徽及全部組織章程修改如下

澳門皮膚激光整形美容醫學會

Associação de Dermatologia, Laser, Cirurgia Plástica e Medicina Estética de Macau

Macao Society of Dermatology, Laser, Plastic Surgery & Aesthetic Medicine

第一章

會名、會址、宗旨

第一條——會名:

(1)中文名稱:澳門皮膚激光整形美容醫學會。

(2)葡文名稱:Associação de Dermatologia, Laser, Cirurgia Plástica e Medicina Estética de Macau;

葡文簡稱:(A.D.L.C.P.M.E.M.);

(3)英文名稱:Macao Society of Dermatology, Laser, Plastic Surgery & Aesthetic Medicine;

英文簡稱:(M.S.D.L.P.S.A.M.);

第二條——會址:澳門白朗古將軍大馬路93號粵發大廈一樓E座。根據本會的需要,經常務理事會批准,可以遷至澳門其它地方。

第三條——宗旨:

(1)本會為非牟利;科學、學術、科技的專業團體。

(2)為促進澳門與中國內地、香港、台灣及世界各地,從事美容醫學、醫學美容、醫療美容(美容皮膚科[皮膚科];激光美容、光子美容、射頻美容、注射美容,醫學抗衰老,整形美容、美容外科,專業美容等專業)的專家、學者及有關人士交流與合作,推動美容醫學、醫學美容、醫療美容事業發展。

(3)愛中國愛澳門,擁護「一國兩制」,支持澳門政府依法施政。為澳門與中國內地的科學、學術、科技事業的發展作出貢獻。

(4)為業界與協助政府相關部門,舉辦美容醫學、醫學美容、醫療美容及與本專業相關的理論、技術、培訓等有關事務,提高業界專業水平。為政府制定業界的相關法律、法規,認證專業資格等事務,提供專業建議。

(5)維護會員和業界的合法權益,為業界向政府有關部門,反應和建議業界的有關問題。

(6)為澳門和中國內地及世界各地醫療衛生事業,為美容醫學、醫學美容、醫療美容事業的發展做出貢獻。

第二章

會員的資格及其權利與義務

第四條——會員的資格:

(1)在澳門從事美容醫學、醫學美容、醫療美容;美容皮膚科[皮膚科]:激光美容、光子美容、射頻美容、注射美容,醫學抗衰老,整形美容、美容外科,專業美容,醫療專業等相關工作的有關人士。

(2)在澳門與中國內地、香港、台灣及世界各地與本專業相關的大學、醫學院、美容醫學院、專業學校畢業者。

(3)經澳門與中國內地、香港、台灣及世界各地本專業團體、機構、學校培訓者。

(4)從事本專業學術、科技、研究、教育和對本專業及對本會有貢獻的有關人士。

(5)具備以上條件者,經本專業團體或本會理事介紹,可申請入會,經常務理事會批准,方可成為會員。

第五條——會員之類別:

(1)本會會員分為創會會員、會員:

a)創會會員:參與創立本會的會員(首次參加創會注冊成員、創辦人);

b)會員:凡符合本會章程第四條者。

(2)除本章程另有規定和限制外,創會會員、會員在本會擁有同等的權利和義務。

第六條——會員之權利與責任:

(1)可參加會員大會,討論其事項與投票選舉或被選任本會的職務;

(2)可參加本會舉辦之活動和享有福利;

(3)遵守澳門的法律、法規,不得以本會名譽參加非法活動。

(4)未經常務理事會批准及書面授權,不得用本會會名、會徽、以及名譽舉辦和參加任何活動及推薦產品、儀器、設備等。若違反本條規定者,按情節輕重而定,依法追究法律責任。

(5)自願退會者應提前30天,書面通知常務理事會,須退回會員證、徽章、選任證書。

第七條——會員之義務:

(1)遵守本會章程及會員大會與理事會之決議;

(2)每年依期繳納會員費,積極參加本會會務活動,促進會務發展及提高本會的社會聲譽。

第八條——會員若犯下列情況者,將被革除會籍:

(1)欠繳會員費超過六個月者:

(2)有任何行為足以損壞本會聲譽及損害信用與利益者。

第三章

領導部門

第九條——本會會務分別由下列組織負責執行:

A. 會員大會,B. 理事會,C. 監事會;每個領導架構成員由會員大會選舉產生,任期三年,連選得連任。以上各領導架構成員其職務任期屆滿後,必須任至新一屆各領導架構成員產生為止。

第十條——選舉方法為不記名投票,以票數最多者入選。

第十一條——會員大會之會議:

(1)會員大會普通會議,每年召開一次。會員選舉大會每三年召開一次;如有必要情況下,應由五分之一的會員,以正當目的提出書面申請,方可召開特別會員大會。

(2)會員大會的召開:至少應於會前八天通知各會員,方式按《澳門民法典》規定。

A. 會員大會:

第十二條——會員大會之權利與職責:

(1)本會最高權力機構為會員大會,由會長負責召集與主持會員大會會議;

(2)會員大會由全體會員組成,經會員大會選舉產生;會長一人、理事長一人、監事長一人、其他領導架構成員由會長、理事長提名,經會員大會選舉產生,任期三年,連選可以連任。

(按會務發展的需要可增設常務副會長若干人)。

(3)會長對外代表本會,對內領導本會及協調工作;

(4)修改章程决議,必須經出席的會員四分之三,以多票數通過為有效。

(5)批核入會基金及會員費;

(6)討論及通過理事會每年工作報告及財政報告;

(7)會長及副會長可以參加常務理事會工作。

B. 理事會:

第十三條——理事會設理事長(主席)一人、副理事長(副主席)、常務理事、理事及各部門成員若干人,由總人數單數組成理事會及常務理事會。任期三年,連選可以連任。

第十四條——理事會之權利與職責:

(1)由理事長負責召集與主持理事會會議,根據會務需要可不定期召開理事會會議,討論安排會務活動;

(2)如有特別事項,可由理事長召集,召開特別會議;

(3)領導本會活動,處理行政工作;

(4)每年應作一次會務活動報告,或根據會務需要可以不定期召開;

第十五條——常務理事會的組成與權利:

(1)由會長或理事長負責召開與主持常務理事會會議,根據會務需要,可以不定期召開常務理事會會議,討論安排會務活動;

(2)常務理事會;由全部常務理事若干人,由總人數單數組成;

(3)常務理事會會議;根據會務活動需要可以不定期召開;

(4)修訂入會基金及會員費;

(5)決定新會員入會事宜及革除會員會籍;

(6)處理與決議本會和附屬機構行政工作及有關事項;

(7)管理和決定本會及附屬機構資產和資金的運用;

(8)決定聘任有關人士擔任本會職務;

(9)常務理事會會議決議,以多票數通過為有效。

C. 監事會:

第十六條——監事會設監事長一人、副監事長及監事若干人,由總人數單數組成。任期三年,連選可以連任。

第十七條——監事會之權利與職責:

(1)由監事長負責召集與主持監事會會議;

(2)監察理事會之行政活動;

(3)查閱帳目及財政收支狀況。

第四章

經費

第十八條——經費來源:由本會成員和社會各界熱心人士、企業及有關機構捐助。

第十九條——本會之收益作為日常辦公經費和會務活動基金。

第五章

附屬機構

第二十條——根據本會發展的需要可設分會及附屬機構,由會長、理事長及常務理事會研究決定。

第六章

附則

第二十一條——本會組織章程由刊登於《澳門特別行政區公報》之日起即生效。本會組織章程解釋權屬於常務理事會;本組織章程未完善之處以《澳門民法典》規定執行 。

第二十二條——(1)由本會會長或理事長代表本會,或由常務理事會會議決議選出代表,可向澳門政府有關部門、中國內地、香港、台灣及世界各地政府有關部門;以及有關機構、銀行、團體辦理各種有關手續及簽署有關文件,所有文件須由會長或理事長簽名及蓋本會公章方可有效。

(2)經創會會員决議,本會創會會員(首次創會注冊人),自然成為本會創會會長或創辦人。

第二十三條——本會可以邀請澳門和中國內地、香港、台灣及世界各地,對本專業和對本會支持與貢獻的有關人士,擔任本會職務。

第二十四條——本會各組織領導成員、會員,和擔任本會任何職務的有關人士及有關團體、企業、機構等無論任何原因,如本會換屆未能繼續任職者或向本會辭職和被開除會籍的會員及與本會解除合作關係者,無權向本會索回以前所捐款和繳交的各項費用。

第二十五條——擔任本會任何職務者和任何個人、團體及機構等,未經常務理事會批准及書面授權,不得用本會的會名、會徽以及名譽,舉辦和參加任何活動及推薦產品、設備等。

第二十六條——附上本會;“澳門皮膚激光整形美容醫學會”會徽。

澳門皮膚激光整形美容醫學會

Associação de Dermatologia, Laser, Cirurgia Plástica e Medicina Estética de Macau

Macao Society of Dermatology, Laser, Plastic Surgery & Aesthetic Medicine

會徽

二零一一年五月十八日於海島公證署

一等助理員 林志堅 Lam Chi Kuen


CARTÓRIO NOTARIAL DAS ILHAS

CERTIFICADO

澳門美學美容科技協會

為公布的目的,茲證明上述社團修改章程的文本自二零一一年五月十八日起,存放於本署之“2011年社團及財團儲存文件檔案”第1/2011/ASS檔案組第32號,有關條文內容載於附件。

澳門美學美容科技協會

Associação de Estética e Cosmetologia e Tecnologia de Macau

Aesthetics & Cosmetology and Technology Association of Macau

會名、會徽及全部組織章程修改如下

中國澳門醫學美容協會

Associação de Medicina Estética de Macau, China

Association of Aesthetic Medicine of Macao, China

第一章

會名、會址、宗旨

第一條——會名:

(1) 中文名稱:中國澳門醫學美容協會;

(2) 葡文名稱:Associação de Medicina Estética de Macau, China,葡文簡稱:A.M.E.M.C.;

(3) 英文名稱:Association of Aesthetic Medicine of Macao, China,英文簡稱:(A.A.M.M.C.);

第二條——會址:澳門白朗古將軍大馬路93號粵發大廈一樓E座。根據本會的需要,經常務理事會批准,可以遷至澳門其它地方。

第三條——宗旨:

(1) 本會為非牟利;科學、學術、科技的專業團體。

(2) 為促進澳門與中國內地、香港、台灣及世界各地,從事美容醫學、醫學美容、醫療美容(美容皮膚科[皮膚科];激光美容、光子美容、射頻美容、注射美容,醫學抗衰老,整形美容、美容外科,專業美容等專業)的專家、學者及有關人士交流與合作,推動美容醫學、醫學美容、醫療美容事業發展。

(3) 愛中國愛澳門,擁護「一國兩制」,支持澳門政府依法施政。為澳門與中國內地的科學、學術、科技事業的發展作出貢獻。

(4) 為業界與協助政府相關部門,舉辦美容醫學、醫學美容、醫療美容及與本專業相關的理論、技術、培訓等有關事務,提高業界專業水平。為政府制定業界的相關法律、法規,認證專業資格等事務,提供專業建議。

(5)維護會員和業界的合法權益,為業界向政府有關部門,反應和建議業界的有關問題。

(6)為澳門和中國內地及世界各地醫療衛生事業,為美容醫學、醫學美容、醫療美容事業的發展做出貢獻。

第二章

會員的資格及其權利與義務

第四條——會員的資格:

(1) 在澳門從事美容醫學、醫學美容、醫療美容;美容皮膚科[皮膚科]:激光美容、光子美容、射頻美容、注射美容,醫學抗衰老,整形美容、美容外科,專業美容,醫療專業等相關工作的有關人士。

(2) 在澳門與中國內地、香港、台灣及世界各地與本專業相關的大學、醫學院、美容醫學院、專業學校畢業者。

(3) 經澳門與中國內地、香港、台灣及世界各地本專業團體、機構、學校培訓者。

(4) 從事本專業學術、科技、研究、教育和對本專業及對本會有貢獻的有關人士。

(5) 具備以上條件者,經本專業團體或本會理事介紹,可申請入會,經常務理事會批准,方可成為會員。

第五條——會員之類別:

(1) 本會會員分為創會會員、會員:

a) 創會會員:參與創立本會的會員(首次參加創會注冊成員、創辦人);

b) 會員:凡符合本會章程第四條者。

(2) 除本章程另有規定和限制外,創會會員、會員在本會擁有同等的權利和義務。

第六條——會員之權利與責任:

(1) 可參加會員大會,討論其事項與投票選舉或被選任本會的職務;

(2) 可參加本會舉辦之活動和享有福利;

(3) 遵守澳門的法律、法規,不得以本會名譽參加非法活動。

(4) 未經常務理事會批准及書面授權,不得用本會會名、會徽、以及名譽舉辦和參加任何活動及推薦產品、儀器、設備等。若違反本條規定者,按情節輕重而定,依法追究法律責任。

(5) 自願退會者應提前30天,書面通知常務理事會,須退回會員證、徽章、選任證書。

第七條——會員之義務:

(1) 遵守本會章程及會員大會與理事會之決議;

(2) 每年依期繳納會員費,積極參加本會會務活動,促進會務發展及提高本會的社會聲譽。

第八條——會員若犯下列情況者,將被革除會籍:

(1) 欠繳會員費超過六個月者:

(2) 有任何行為足以損壞本會聲譽及損害信用與利益者。

第三章

領導部門

第九條——本會會務分別由下列組織負責執行:

A. 會員大會,B. 理事會,C. 監事會;每個領導架構成員由會員大會選舉產生,任期三年,連選得連任。以上各領導架構成員其職務任期屆滿後,必須任至新一屆各領導架構成員產生為止。

第十條——選舉方法為不記名投票,以票數最多者入選。

第十一條——會員大會之會議:

(1) 會員大會普通會議,每年召開一次。會員選舉大會每三年召開一次;如有必要情況下,應由五分之一的會員,以正當目的提出書面申請,方可召開特別會員大會。

(2) 會員大會的召開:至少應於會前八天通知各會員,方式按《澳門民法典》規定。

A. 會員大會:

第十二條——會員大會之權利與職責:

(1) 本會最高權力機構為會員大會,由會長負責召集與主持會員大會會議;

(2) 會員大會由全體會員組成,經會員大會選舉產生;會長一人、理事長一人、監事長一人、其他領導架構成員由會長、理事長提名,經會員大會選舉產生,任期三年,連選可以連任。

(按會務發展的需要可增設常務副會長若干人)。

(3) 會長對外代表本會,對內領導本會及協調工作;

(4) 修改章程决議,必須經出席的會員四分之三,以多票數通過為有效。

(5) 批核入會基金及會員費;

(6)討論及通過理事會每年工作報告及財政報告;

(7)會長及副會長可以參加常務理事會工作。

B. 理事會:

第十三條——理事會設理事長(主席)一人、副理事長(副主席)、常務理事、理事及各部門成員若干人,由總人數單數組成理事會及常務理事會。任期三年,連選可以連任。

第十四條——理事會之權利與職責:

(1) 由理事長負責召集與主持理事會會議,根據會務需要可不定期召開理事會會議,討論安排會務活動;

(2) 如有特別事項,可由理事長召集,召開特別會議;

(3) 領導本會活動,處理行政工作;

(4) 每年應作一次會務活動報告,或根據會務需要可以不定期召開;

第十五條——常務理事會的組成與權利:

(1) 由會長或理事長負責召開與主持常務理事會會議,根據會務需要,可以不定期召開常務理事會會議,討論安排會務活動;

(2) 常務理事會;由全部常務理事若干人,由總人數單數組成;

(3) 常務理事會會議;根據會務活動需要可以不定期召開;

(4) 修訂入會基金及會員費;

(5) 決定新會員入會事宜及革除會員會籍;

(6) 處理與決議本會和附屬機構行政工作及有關事項;

(7) 管理和決定本會及附屬機構資產和資金的運用;

(8) 決定聘任有關人士擔任本會職務;

(9) 常務理事會會議決議,以多票數通過為有效。

C. 監事會:

第十六條——監事會設監事長一人、副監事長及監事若干人,由總人數單數組成。任期三年,連選可以連任。

第十七條——監事會之權利與職責:

(1) 由監事長負責召集與主持監事會會議;

(2) 監察理事會之行政活動;

(3) 查閱帳目及財政收支狀況。

第四章

經費

第十八條——經費來源:由本會成員和社會各界熱心人士、企業及有關機構捐助。

第十九條——本會之收益作為日常辦公經費和會務活動基金。

第五章

附屬機構

第二十條——根據本會發展的需要可設分會及附屬機構,由會長、理事長及常務理事會研究決定。

第六章

附則

第二十一條——本會組織章程由刊登於《澳門特別行政區公報》之日起即生效。本會組織章程解釋權屬於常務理事會;本組織章程未完善之處以《澳門民法典》規定執行。

第二十二條——(1)由本會會長或理事長代表本會,或由常務理事會會議決議選出代表,可向澳門政府有關部門、中國內地、香港、台灣及世界各地政府有關部門;以及有關機構、銀行、團體辦理各種有關手續及簽署有關文件,所有文件須由會長或理事長簽名及蓋本會公章方可有效。

(2)經創會會員决議,本會創會會員(首次創會注冊人),自然成為本會創會會長或創辦人。

第二十三條——本會可以邀請澳門和中國內地、香港、台灣及世界各地,對本專業和對本會支持與貢獻的有關人士,擔任本會職務。

第二十四條——本會各組織領導成員、會員,和擔任本會任何職務的有關人士及有關團體、企業、機構等無論任何原因,如本會換屆未能繼續任職者或向本會辭職和被開除會籍的會員及與本會解除合作關係者,無權向本會索回以前所捐款和繳交的各項費用。

第二十五條——擔任本會任何職務者和任何個人、團體及機構等,未經常務理事會批准及書面授權,不得用本會的會名、會徽以及名譽,舉辦和參加任何活動及推薦產品、設備等。

第二十六條——附上本會;“中國澳門醫學美容協會”會徽。

中國澳門醫學美容協會

Associação de Medicina Estética de Macau, China

Association of Aesthetic Medicine of Macao, China

會徽

二零一一年五月十八日於海島公證署

一等助理員 林志堅 Lam Chi Kuen


2.º CARTÓRIO NOTARIAL DE MACAU

更 正

因本署刊登於二零一一年五月十一日《澳門特別行政區公報》第十九期第二組第5266頁內的關於“澳門大學工商管理學院校友會”,中文簡稱為“澳大商學院校友會”,葡文名稱為“Associação de Antigos Alunos da Faculdade de Gestão de Empresas da Universidade de Macau”,英文名稱為“University of Macau Faculty of Business Administration Alumni Association”,英文簡稱為“UM-FBA-AA”社團設立的證明書內容有誤,現更正如下:

原文為:“為公佈之目的,茲證明上述社團的章程之修改文本已於二零一一年四月二十八日,存檔於本署之2011/ASS/M2檔案組內,編號為088號,有關修改之條文內容如下:”

應改為:“為公佈之目的,茲證明上述社團之章程已於二零一一年四月二十八日,存檔於本署之2011/ASS/M2檔案組內,編號為088號,有關條文內容如下:”

二零一一年五月十六日於第二公證署

公證員 羅靖儀


2.º CARTÓRIO NOTARIAL DE MACAU

更 正

因本署刊登於二零一一年五月十一日《澳門特別行政區公報》第十九期第二組第5265頁內的關於“澳門健康之家員工協會”,中文簡稱為“健康之家”社團設立的證明書內容有誤,現更正如下:

原文為:“為公佈之目的,茲證明上述社團的章程之修改文本已於二零一一年四月二十八日,存檔於本署之2011/ASS/M2檔案組內,編號為087號,有關修改之條文內容如下:”

應改為:“為公佈之目的,茲證明上述社團之章程已於二零一一年四月二十八日,存檔於本署之2011/ASS/M2檔案組內,編號為087號,有關條文內容如下:”

二零一一年五月十六日於第二公證署

公證員 羅靖儀


Balanço anual em 31 de Dezembro de 2010

MOP

MOP

Demonstração de resultados do exercício de 2010

Conta de exploração

MOP

Conta de lucros e perdas

MOP

A Comissão Administrativa: Lau Wai Meng, Chiu Chan Cheong, Van Mei Lin, Pedro Miguel Rodrigues Cardoso das Neves.

A Chefe da Contabilidade: Lei Ka Kei.

Síntese do relatório de actividades — 2010

Até finais de 2010, o total de depósitos captados foi cerca de 682 milhões de patacas, havendo um aumento de 17% em relação ao ano anterior.

O montante de novos empréstimos concedidos durante o ano foi igual ao do ano anterior, e o montante, líquido de imparidade, mutuado em circulação, no final do ano, era cerca de 149 milhões de patacas.

A margem financeira e os resultados de serviços e de comissões foram, respectivamente, de 18,5 milhões e de 5,5 milhões de patacas, sendo os custos de exploração cerca de 12,2 milhões de patacas.

Os resultados de 2010, no valor de 12 milhões de patacas, traduzem um decréscimo de 11%, relativamente a 2009.

Composição da Comissão Administrativa durante 2010

Presidente — Carlos Alberto Roldão Lopes (até 17/1/2010)
  — Lau Wai Meng (a partir de 18/1/2010)
Vogal — Chiu Chan Cheong (a partir de 1/8/2010)
Vogal — Van Mei Lin
Representante dos Serviços de Finanças — Pedro Miguel Rodrigues Cardoso das Neves

Parecer do representante dos Serviços de Finanças Exercício de 2010

No exercício das competências previstas no artigo 24.º do Regime Financeiro dos Serviços de Correios, aprovado pelo Decreto--Lei n.º 50/99/M, de 27 de Setembro, e alterado pelo Regulamento Administrativo n.º 10/2010 e no artigo 7.º do Regulamento da Caixa Económica Postal aprovado pelo Decreto-Lei n.º 24/85/M, de 30 de Março, acompanhei o desenvolvimento da actividade da Caixa Económica Postal ao longo do exercício económico de 2010.

Tendo em atenção a análise efectuada aos documentos contabilísticos reportados a 31 de Dezembro de 2010, sou de parecer e considero que:

— São claros e elucidativos os elementos contabilísticos referentes ao balanço em 31 de Dezembro de 2010 e à demonstração de resultados para este ano;
— As contas relativas ao ano económico de 2010 mostram a situação financeira real em 31 de Dezembro de 2010 e estão em condições de ser aprovadas.

Macau, aos 23 de Março de 2011.

Representante dos Serviços de Finanças, Pedro Miguel Rodrigues Cardoso das Neves.

Síntese do parecer dos auditores externos

Para a Comissão Administrativa da Caixa Económica Postal

Procedemos à auditoria das demonstrações financeiras da Caixa Económica Postal («CEP») relativas ao ano de 2010, nos termos das Normas de Auditoria e Normas Técnicas de Auditoria da Região Administrativa Especial de Macau. No nosso relatório, datado de 23 de Março de 2011, expressámos uma opinião sem reservas relativamente às demonstrações financeiras das quais as presentes constituem um resumo.

As demonstrações financeiras a que acima se alude compreendem o balanço, à data de 31 de Dezembro de 2010, a demonstração de resultados, a demonstração de alterações no capital próprio e a demonstração de fluxos de caixa relativas ao ano findo, assim como um resumo das políticas contabilísticas relevantes e outras notas explicativas.

As demonstrações financeiras resumidas preparadas pela gerência resultam das demonstrações financeiras anuais auditadas e dos livros e registos da CEP. Em nossa opinião, as demonstrações financeiras resumidas são consistentes, em todos os aspectos materiais, com as demonstrações financeiras auditadas e os livros e registos da CEP.

Para a melhor compreensão da posição financeira da CEP e dos resultados das suas operações, no período e âmbito abrangido pela nossa auditoria, as demonstrações financeiras resumidas devem ser lidas conjuntamente com as demonstrações financeiras das quais as mesmas resultam e com o respectivo relatório de auditoria.

Lei Iun Mei, Auditor de Contas.
KPMG

Macau, aos 23 de Março de 2011.


BANCO DE CONSTRUÇÃO DA CHINA (MACAU), S.A.

(Publicações ao abrigo do artigo 75.º do RJSF, aprovado pelo Decreto-Lei n.º 32/93/M, de 5 de Julho)

Balanço anual em 31 de Dezembro de 2010

MOP

MOP

MOP

Demonstração de resultados do exercício de 2010

Conta de exploração

MOP

Conta de lucros e perdas

MOP

O Administrador, O Chefe da Contabilidade,
Cheong Kin Hong Lau Chi Keung

Macau, 11 de Março de 2011

Parecer do Conselho Fiscal

O balanço e a demonstração de resultados deste Banco respeitantes ao exercício findo em 31 de Dezembro de 2010, elaborados nos termos das leis de Macau e auditados pela Sociedade de Auditores KPMG, são documentos suficientes para mostrar a real situação financeira deste Banco em 31 de Dezembro de 2010 e o lucro apurado do exercício que terminou nesta data.

O Presidente do Conselho Fiscal,
Yiu Wing Fai

Macau, aos 11 de Março de 2011.

Relatório do Conselho de Administração

O Conselho de Administração do Banco de Construção da China (Macau), S.A. tem o prazer em submeter aos accionistas o seguinte resultado do exercício respeitante ao ano findo em 31 de Dezembro de 2010:

 

MOP

Lucro de exploração (líquido de todas as despesas, amortizações e provisões diversas) 31 678 707,47
Dotações para imposto complementar (a deduzir) 4 419 445,00
Resultado do exercício 27 259 262,47
Lucros relativos a exercícios anteriores 241 335 311,76
Totais 268 594 574,23
O Conselho de Administração propôs a seguinte distribuição:  
Para reserva legal 5 500 000,00
Lucros não distribuídos a transitar para o exercício seguinte 263 094 574,23

Síntese do Relatório de Actividades

Beneficiando com a melhoria do clima económico global e de vários factores impulsivos, tais como o acelerado crescimento económico da China, próspera indústria turística, contínua expansão do sector hoteleiro e de jogos de Macau, o exercício do nosso Banco registou um crescimento satisfatório no ano de 2010. Com o crescimento ideal dos créditos, foi registado um acréscimo de 41% na receita líquida de juros em relação ao ano anterior. Contudo, a receita operacional não proveniente de juros registou apenas um aumento de 0,2% devida à influência desfavorável do clima de investimento. Com o aumento do custo de exploração na expansão da rede de sucursais e no desenvolvimento das actividades, foi registado um acréscimo de 16% nas despesas operacionais em relação a igual período do exercício anterior. Foi registado ainda um acréscimo de 14,6% nos lucros apurados após os impostos, 29% nos créditos concedidos, e 26% nos depósitos recebidos em relação ao ano de 2009, tendo-se a qualidade dos créditos mantido a um muito bom nível.

Prevemos que, a construção da Ponte HongKong-Zhuhai-Macau e da ferrovia entre-cidades do Delta Pearl River, bem como o desenvolvimento da Ilha Hengqin poderão apoiar e facilitar o desenvolvimento da indústria de turismo de Macau. Por outro lado, o Plano «12.5» do Estado e o protocolo de «Quadro de Cooperação de Guangdong e Macau» tornam mais clara a direcção positiva de desenvolvimento de Macau. Face aos factores acima referidos, o nosso Banco está confiante com o futuro desenvolvimento económico de Macau e continuará a prestar inovados e mais convenientes serviços financeiros aos actuais e novos clientes. Com a entrada em funcionamento da sucursal da Estrada de Coelho do Amaral em finais do ano passado, o nosso Banco já tem nove agências em Macau. Para acompanhar o futuro desenvolvimento, o nosso Banco vai desenvolver mais produtos e serviços que sejam necessários para os clientes, que nos têm vindo a prestar seus valiosos apoios.

A Presidente do Conselho de Administração,
Kwok Pui Fong, Miranda.

Macau, aos 11 de Março de 2011.

Síntese do parecer dos auditores externos

Para os accionistas do Banco de Construção da China (Macau), S.A.
(Banco comercial de responsabilidade limitada, incorporado em Macau)

Procedemos à auditoria das demonstrações financeiras do Banco de Construção da China (Macau), S.A. relativas ao ano de 2010, nos termos das Normas de Auditoria e Normas Técnicas de Auditoria da Região Administrativa Especial de Macau. No nosso relatório, datado de 11 de Março de 2011, expressámos uma opinião sem reservas relativamente às demonstrações financeiras das quais as presentes constituem um resumo.

As demonstrações financeiras a que acima se alude compreendem o balanço, à data de 31 de Dezembro de 2010, a demonstração de resultados, a demonstração de alterações no capital próprio e a demonstração de fluxos de caixa relativas ao ano findo, assim como um resumo das políticas contabilísticas relevantes e outras notas explicativas.

As demonstrações financeiras resumidas preparadas pela gerência resultam das demonstrações financeiras anuais auditadas e dos livros e registos do banco. Em nossa opinião, as demonstrações financeiras resumidas são consistentes, em todos os aspectos materiais, com as demonstrações financeiras auditadas e os livros e registos do banco.

Para a melhor compreensão da posição financeira do banco e dos resultados das suas operações, no período e âmbito abrangido pela nossa auditoria, as demonstrações financeiras resumidas devem ser lidas conjuntamente com as demonstrações financeiras das quais as mesmas resultam e com o respectivo relatório de auditoria.

Lei Iun Mei, Auditor de Contas.
KPMG

Macau, aos 11 de Março de 2011.

Instituições em que detém participação superior a 5% do respectivo capital ou superior a 5% dos seus fundos próprios:

Nenhuma.

Lista dos accionistas qualificados:
China Construction Bank (Asia) Corporation Ltd.

Constituída em Hong Kong

Nomes dos titulares dos órgãos sociais:
Conselho de Administração:  
Sr.ª Kwok Pui Fong, Miranda Presidente
Sr. Hong Yiu Wai Administrador
Sr. Huang Tao Administrador
Sr.ª Lee Wai Meng aliás Lee Pou No Administradora
Sr. Cheong Kin Hong Administrador e Gerente-Geral
   
Conselho Fiscal:  
Sr. Yiu Wing Fai Presidente
Sr.ª Lau Mei Yuk, Fonnie Vogal
Sr.ª Ho Mei Va Vogal — Auditora
   
Mesa da Assembleia Geral:  
Sr.ª Kwok Pui Fong, Miranda Presidente
Sr.ª Cheng Pui Ling, Cathy Secretária
   
Sr.ª Cheng Pui Ling, Cathy Secretária

BANCO TAI FUNG, S.A.R.L.

Balanço anual em 31 de Dezembro de 2010

MOP

MOP

MOP

Demonstração de resultados do exercício de 2010

Conta de exploração

MOP

Conta de lucros e perdas

MOP

O Presidente, O Chefe da Contabilidade,
 Liu Daguo Kong Meng Hon

Relatório do Conselho de Administração

Este Conselho apresenta, a seguir, o relatório e o balanço em 31 de Dezembro de 2010 à apreciação dos accionistas.

Síntese do relatório de actividade

No ano de 2010, não obstante os altos e baixos da conjuntura económica internacional no que diz respeito aos níveis de recuperação dos diferentes países, Macau registou boa recuperação económica, graças ao rápido desenvolvimento económico da República Popular da China.

Com a política monetária internacional de “quantitative easing”, a taxa de juros tem-se mantida em baixo nível. Apesar das dificuldades e desafios verificados na sequência de maior concorrência no sector financeiro de Macau, este Banco tem acelerado segura e ordeiramente a reforma impulsionando o desenvolvimento das suas actividades. Persistindo, como sempre, nos princípios válidos de gestão financeira e de riscos em segurança, o Banco soube aproveitar as oportunidades surgidas no mercado visando o crescimento e o desenvolvimento das actividades. Registou, assim, bons progressos nos resultados dos diversos tipos de operações e forte crescimento no respeitante ao activo total, o qual tem mantido a sua boa qualidade. Em termos de depósitos recebidos, foi apurado, no fim do exercício de 2010, um crescimento de 5,727 mil milhões de Patacas, ou seja mais 17,49% em comparação com igual período do ano anterior. Quanto aos créditos concedidos, foi registado um aumento de 7,339 mil milhões de Patacas no fim do período, ou seja, mais 40,68% face ao igual período do exercício anterior. Os lucros do exercício apurados depois do imposto foram de 411 milhões de Patacas. A taxa de rendimentos de capital dos accionistas foi de 11,40%. Estes resultados foram obtidos graças, por um lado, ao apoio que os clientes e os mais variados sectores sociais sempre nos têm dispensado, e, por outro, à dedicação e empenho do nosso pessoal não obstante as dificuldades. A todos aproveitamos o ensejo para agradecer penhoradamente.

Prevê-se que no ano de 2011 a economia mundial continuará a recuperar e crescer, não obstante os diversos factores incertos e instáveis. No entanto, a República Popular da China prosseguirá na sua senda de rápido crescimento económico e Macau irá manter boas bases, em termos gerais, para desenvolver a sua economia. No exercício que vem, o Banco aproveitando a boa situação resultante da reestruturação e reforma dos seus serviços empenhará na consolidação das relações com os clientes e a sociedade, melhoramento dos serviços e reforço do seu posicionamento no mercado local por forma a captar todas as oportunidades propícias ao desenvolvimento de actividades, criando novos valores para os seus accionistas, clientes e trabalhadores e contribuindo para a prosperidade e estabilidade de Macau.

Resultado e distribuição

Lucro de exploração MOP$ 441 839 184,14
Dotações para imposto complementar 31 300 000,00
Resultado de exercício 410 539 184,14
Lucros relativos a exercícios anteriores 168 422 382,90
Total disponível MOP$ 578 961 567,04
O Conselho de Administração propôs a seguinte distribuição:  
Para reservas MOP$ 41 100 000,00
Para dividendos 120 000 000,00
A transportar para o próximo ano 417 861 567,04
  MOP$ 578 961 567,04

Accionistas qualificados

De acordo com os registos do LIVRO DOS ACCIONISTAS DO BANCO, os accionistas, detentores de participações superior a 10% do capital social do Banco, em 31 de Dezembro de 2010 foram os seguintes:

Banco da China
Família de Ho Yin

Titulares dos órgãos sociais

Mesa da Assembleia Geral:    
  Presidente: Chan King
  Vice-Presidente: Banco da China
  Secretário: Chan Kim Peng
Conselho de Administração:    
  Presidente: Ho Hao Tong
  Vice-Presidente: Ye Yixin
  Administradores Permanentes: Ho Hao Hang
    Liu Daguo
    Sio Ng Kan (aliás Lok Weng Kan)
  Administradores: Ho Hao Veng
    Fu Iat Kong
    Ho Kevin King Lun
    Ma Sao Lap
    Fang Yanmin
    Chui Kai Cheong
Conselho Fiscal:    
  Presidente: Ho Chor Ying
  Membros: Wang Lijie
    Iong Weng Ian
Secretário da sociedade: Chan Kim Peng  

O Presidente do Conselho de Administração,
Ho Hao Tong

Macau, 23 de Fevereiro de 2011.

Parecer do Conselho Fiscal

Nos termos da lei dos Estatutos do Banco Tai Fung, S.A.R.L., compete ao Conselho Fiscal fiscalizar as actividades e a administração do Banco e emitir parecer sobre as contas, proposta de distribuição de dividendos e o relatório financeiro de cada exercício, apresentados pelo Conselho de Administração.

No exercício de 2010, o Conselho Fiscal no uso das suas competências procedeu ao que considerava necessário e examinou as contas do Banco auditadas pela Sociedade de Auditores Lowe Bingham & Mathews – PricewaterhouseCoopers, sobre as quais esta Sociedade expressou as suas opiniões sem reservas.

Este Conselho é de parecer que as contas examinadas demonstram, nitidamente e com rigor, a real situação financeira do Banco em 31 de Dezembro de 2010 e o resultado do exercício findo em 31 de Dezembro de 2010, sendo as demonstrações financeiras referentes ao exercício, a proposta para a distribuição de dividendos e o relatório financeiro apresentados pelo Conselho de Administração apropriados para serem submetidos à aprovação dos accionistas na Assembleia Geral.

A Presidente do Conselho Fiscal,
Ho Chor Ying

Macau, 8 de Março de 2011.

Síntese do parecer dos auditores externos

Para os accionistas do Banco Tai Fung, S.A.R.L.
(Constituído em Macau como sociedade anónima de responsabilidade limitada)

As demonstrações financeiras resumidas anexas do Banco Tai Fung, S.A.R.L. (o Banco) referentes ao exercício findo em 31 de Dezembro de 2010 resultam das demonstrações financeiras auditadas e dos registos contabilísticos referentes ao exercício findo naquela data. Estas demonstrações financeiras resumidas, as quais compreendem o balanço em 31 de Dezembro de 2010 e a demonstração dos resultados do exercício findo naquela data, são da responsabilidade do Conselho de Administração do Banco. A nossa responsabilidade consiste em expressar uma opinião, unicamente dirigida a V. Ex.as enquanto accionistas, sobre se as demonstrações financeiras resumidas são consistentes, em todos os aspectos materiais, com as demonstrações financeiras auditadas e com os registos contabilísticos do Banco, e sem qualquer outra finalidade. Não assumimos responsabilidade nem aceitamos obrigações perante terceiros pelo conteúdo deste relatório.

Auditámos as demonstrações financeiras do Banco referentes ao exercício findo em 31 de Dezembro de 2010 de acordo com as Normas de Auditoria e Normas Técnicas de Auditoria emitidas pelo Governo da Região Administrativa Especial de Macau, e expressámos a nossa opinião sem reservas sobre estas demonstrações financeiras, no relatório de 23 de Fevereiro de 2011.

As demonstrações financeiras auditadas compreendem o balanço em 31 de Dezembro de 2010, a demonstração dos resultados, a demonstração de alterações no capital próprio e a demonstração dos fluxos de caixa do exercício findo naquela data, e um resumo das principais políticas contabilísticas e outras notas explicativas.

Em nossa opinião, as demonstrações financeiras resumidas são consistentes, em todos os aspectos materiais, com as demonstrações financeiras auditadas e com os registos contabilísticos do Banco.

Para uma melhor compreensão da posição financeira do Banco, dos resultados das suas operações e do âmbito da nossa auditoria, as demonstrações financeiras resumidas em anexo devem ser lidas em conjunto com as demonstrações financeiras auditadas e com o respectivo relatório do auditor independente.

Tsang Cheong Wai
Auditor de contas
PricewaterhouseCoopers

Macau, 14 de Abril de 2011.

Lista das empresas em cujo capital social o nosso Banco tem uma participação superior a 5%:

Sociedade de Fomento Predial Tak Kei Lda. 98,00%
Companhia de Investimento Predial Triumph, Limitada 76,66%
Companhia de Seguros Luen Fung Hang, S.A.R.L. 38,10%
Companhia de Seguros Luen Fung Hang-Vida, S.A. 28,58%

O Presidente,
Liu Daguo.

23 de Fevereiro de 2011.


STANDARD CHARTERED BANK — SUCURSAL DE MACAU

Balanço anual em 31 de Dezembro de 2010

MOP

MOP

1. As Outras Reservas incluem uma reserva obrigatória no montante de 26 736 389,52 Patacas. Porque a sucursal adopta as Macau Financial Reporting Standards («MFRS») na preparação das suas demonstrações financeiras anuais, as perdas de imparidade com base nas MFRS podem ser inferiores ao nível mínimo de provisões genéricas calculadas de acordo com o Aviso n.º 18/93 da AMCM (o nível mínimo). A referida reserva obrigatória representa, pois, a diferença entre o nível mínimo e as perdas de imparidade nos termos das MFRS (antes dos impostos diferidos de 3 645 871,00 Patacas). Este mesmo montante, inscrito na linha «Dotações adicionais para provisões conforme RJSF» da Conta de Lucros e Perdas das contas resumidas, está reconciliado entre o «Lucro depois de impostos» e os «Resultados do ano» de acordo com as regras da AMCM na Conta de exploração das demonstrações financeiras auditadas anuais.

Demonstração de resultados do exercício de 2010

Conta de exploração

MOP

MOP

Conta de lucros e perdas

MOP

O Gerente da Sucursal de Macau, A Chefe da Contabilidade,
Wong Wai Hing, Simon Lou Kam Hong, Winnie

Sumário do relatório de actividades

Tenho o prazer de informar que conseguimos um bom resultado no desenvolvimento de todas as actividades do ano de 2010, em relação ao qual o lucro do exercício foi MOP 69 930 144, o que, em comparação com o ano transacto, corresponde a um aumento de 58%.

Assim, quero agradecer sinceramente aos nossos clientes, às autoridades de fiscalização e a todos os colegas deste Banco e de todo o Grupo termos alcançado este resultado brilhante devido ao suporte de todos vós.

Nesta perspectiva, o nosso Banco continuará a esforçar-se por prestar os melhores serviços aos nossos clientes e, simultaneamente, manterá a gestão do risco e os serviços de alta qualidade, de forma a desenvolver as actividades do sector financeiro e contribuir para a prosperidade e estabilidade social.

Standard Chartered Bank
Director da Sucursal de Macau,
Simon Wong.

Aos 6 de Maio de 2011.

Síntese do parecer dos auditores externos

Para o gerente-geral do Standard Chartered Bank, Sucursal de Macau
(Sucursal de um banco comercial de responsabilidade limitada, incorporado no Reino Unido)

Procedemos à auditoria das demonstrações financeiras do Standard Chartered Bank, Sucursal de Macau relativas ao ano de 2010, nos termos das Normas de Auditoria e Normas Técnicas de Auditoria da Região Administrativa Especial de Macau. No nosso relatório, datado de 6 de Maio de 2011, expressámos uma opinião sem reservas relativamente às demonstrações financeiras das quais as presentes constituem um resumo.

As demonstrações financeiras a que acima se alude compreendem o balanço, à data de 31 de Dezembro de 2010, a demonstração de resultados, a demonstração de alterações nas reservas e a demonstração de fluxos de caixa relativas ao ano findo, assim como um resumo das políticas contabilísticas relevantes e outras notas explicativas.

As demonstrações financeiras resumidas preparadas pela gerência resultam das demonstrações financeiras anuais auditadas e dos livros e registos da sucursal. Em nossa opinião, as demonstrações financeiras resumidas são consistentes, em todos os aspectos materiais, com as demonstrações financeiras auditadas e os livros e registos da sucursal.

Para a melhor compreensão da posição financeira da sucursal e dos resultados das suas operações, no período e âmbito abrangido pela nossa auditoria, as demonstrações financeiras resumidas devem ser lidas conjuntamente com as demonstrações financeiras das quais as mesmas resultam e com o respectivo relatório de auditoria.

Lei Iun Mei, Auditor de Contas
KPMG

Macau, aos 6 de Maio de 2011.


BANCO WENG HANG, S.A., MACAU

Balanço anual em 31 de Dezembro de 2010

MOP

MOP

* As Outras Reservas incluem uma reserva obrigatória no montante de 112 302 109 Patacas. Porque o Banco adopta as Normas de Relato Financeiro de Macau na preparação das suas demonstrações financeiras anuais, as perdas de imparidade com base nas NIRF podem ser inferiores ao nível mínimo de provisões genéricas calculadas de acordo com o Aviso n.º 18/93 da AMCM (o nível mínimo). A referida reserva obrigatória representa, pois, a diferença entre o nível mínimo e as perdas de imparidade nos termos das NIRF (antes dos impostos diferidos de 15 313 926 Patacas). Este mesmo montante, inscrito na linha «Dotações adicionais para provisões conforme RJSF» da Conta de Lucros e Perdas das contas resumidas, está reconciliado entre o «Lucro depois de impostos» e os «Resultados do ano» de acordo com as regras da AMCM na Conta de exploração das demonstrações financeiras auditadas anuais.

MOP

Demonstração de resultados do exercício de 2010

Conta de exploração

MOP

Conta de lucros e perdas

MOP

O Director e Gerente-Geral, O Chefe da Contabilidade,
Lee Tak Lim Lou Pou Hong

Inventário de participações financeiras

em 31 de Dezembro de 2010

Quadro a publicar ao abrigo do artigo 75.º do R.J.S.F.

Síntese do relatório das actividades

O sólido crescimento económico da China continuou a beneficiar a indústria do turismo em Macau. O Produto Interno Bruto real cresceu 26,2% em 2010. Aproveitando este crescimento económico, os resultados do Banco registaram um forte aumento no meio de um desafiante cenário competitivo. O lucro nas operações aumentou 4% para MOP273 milhões comparados com os MOP262 milhões registados em 2009. O total dos activos cresceu 2,2% para MOP20,4 biliões enquanto os fundos dos accionistas cresceram 1,9% para MOP1,6 biliões. A rentabilidade média dos activos e dos fundos dos accionistas foi de 1,1% e 14,1%, respectivamente.

Em relação ao seu desempenho, o Banco registou um satisfatório crescimento de empréstimos de mais de 20% para MOP13,3 biliões. Em particular, o Banco deu assistência aos clientes com a sua vasta experiência na solicitação do Regime de Bonificação de Juros de Crédito do Governo. O nosso eficiente serviço resultou na conquista de uma quota de mercado acima da média ao abrigo deste Regime. Após o Regime ter findado no segundo semestre do ano, o Banco aproveitou o momento e continuou a satisfazer as necessidades de clientes individuais relativas a empréstimos com hipotecas para habitação. Em consequência, o Banco alcançou um crescimento de 44% nos seus empréstimos hipotecários. Além disso, o forte mercado de trabalho e rendimentos familiares mais elevados aumentaram a procura de empréstimos para produtos de consumo. O Banco foi célere em aproveitar esta oportunidade lançando com êxito vários produtos financeiros para aquisição de automóveis e artigos de consumo os quais tiveram bom acolhimento. Em resultado disso, os empréstimos aos consumidores registaram um crescimento de 26%. E dada a estrita aderência do Banco às suas prudentes práticas de crédito, a qualidade da carteira do Banco mantém-se sólida. No final de 2010, a razão de empréstimos mal parados para o total de empréstimos manteve-se a um nível relativamente baixo de 0,20%. Levantamentos por sociedades comerciais nossas clientes para fazer face a necessidades de negócio durante a melhoria económica conduziram a uma ligeira descida de 1,2% nos depósitos totais dos clientes.

Na área de rendimentos sem juros, beneficiando da viva procura de empréstimos imobiliários, as receitas resultantes de seguros relacionados com hipotecas cresceram mais de 30%. Uma forte procura dos consumidores e um aumento dos gastos dos turistas levou a um aumento de mais de 10% nas receitas com cartões de crédito. Por outro lado, o volátil mercado de acções de Hong Kong durante 2010 esmoreceu a vontade de investir de investidores não-institucionais. Em consequência disso, o Banco experimentou uma ligeira descida nas receitas de corretagem de acções. Por outro lado, o nosso serviço de gestão de riqueza atingiu um crescimento de mais do que 20% durante o ano. Nós acreditamos que ainda existe uma grande margem de crescimento do nosso serviço de gestão de riqueza perante um cenário de baixas taxas de juro. Além de melhorarmos a plataforma da Internet, o Banco visa lançar a sua plataforma de comércio via telefone inteligente em 2011 para prestar serviços de corretagem de acções mais eficientes, convenientes e de qualidade aos nossos clientes.

A combinação dum rápido crescimento económico e taxas de juro baixas continuou a fazer subir os preços dos imóveis. Isto levou o Governo a introduzir directrizes para os empréstimos imobiliários bancários em 1 de Dezembro para conter a especulação. Estas directrizes deveriam ajudar a controlar o risco sistemático do sistema bancário. No entanto, as medidas que deverão ter um impacto mais directo nos preços dos imóveis talvez venham das políticas do Governo do lado da oferta, em particular a promessa do Governo de completar faseadamente 19 000 fracções de habitação social no prazo de dois anos.

Actualmente, o Banco tem 12 agências. No fim de Dezembro de 2010, o Banco empregava 433 pessoas em Macau, enquanto o Grupo empregava um total de 3 241 pessoas.

A sociedade dominante do Banco, Weng Hang Bank, Hong Kong, constituiu uma subsidiária controlada integralmente, o Weng Hang Bank (China) Limited («WHBCL») em 2007. Com sede em Shenzhen e centro de interesse geográfico no Rio das Pérolas, o WHBCL oferece uma gama completa de serviços em Renminbi na China. Beneficiando do Acordo CEPA VI, a primeira subsucursal de localização cruzada do Grupo foi aberta em Março de 2010 em Foshan. O WHBCL tem actualmente uma rede total de 10 sucursais e subsucursais na China Continental, cobrindo Shenzhen, Guangzhou, Xangai e Zhuhai. A abertura da Sucursal de Pequim está prevista para o segundo trimestre sujeita à aprovação final da CBRC. O Banco continuará a desenvolver oportunidades a longo prazo para expandir negócios relacionados com o RMB em Macau. Os clientes poderão aproveitar a nossa presença na China para desfrutar serviços mais eficientes e polivalentes.

Sendo uma instituição financeira bem estabelecida com uma longa história em Macau, o Banco tem um enorme empenho em desenvolver uma responsabilidade social colectiva («RSC»). Uma Comissão RSC foi criada durante o ano para desenvolver estratégias, políticas e directrizes. Em 2010, a poupança de energia, redução de consumo de papel e reciclagem de lixo, resultaram numa redução total de emissão de carbono equivalente a 133 toneladas. Em Junho foi formada uma Equipa de Serviço Social para prestar serviços comunitários. Nos sete meses desde a sua formação, a Equipa de Serviço Social dedicou umas encorajadoras 1 494 horas a trabalho de voluntariado. Na realidade, o Banco há anos que se empenha em contribuir para a comunidade através de apoio e participação nas actividades de diversas organizações de beneficência, como a ORBIS e a Caritas de Macau. O Banco também zela pela saúde física e mental dos seus funcionários. Durante o Programa de Semanas de Apoio ao Pessoal, o Banco organizou aulas de assuntos de interesse, cuidados parentais e actividades noutros sectores. Visamos fomentar entre o pessoal uma melhor compreensão da importância da saúde, da família e do equilíbrio entre o trabalho e a vida. O Banco irá desenvolver este primeiro bom passo e continuará a dedicar recursos e esforços para levar a cabo o nosso empenho nos vários aspectos da RSC no futuro.

Em relação ao futuro, o ambiente de operações continuará a representar um desafio em 2011. A crescente inflação levou os bancos centrais a considerar o aperto de políticas monetárias. Se a subida da taxa de juro despoletar a inversão de fluxos de capitais, isso poderá levar a uma correcção nos mercados de valores e um aumento de volatilidade. A prolongada crise de débito soberano na Europa e agitação nas regiões do Médio Oriente e Norte de África aumentaram a incerteza quanto à recuperação económica global. No entanto, Macau beneficiará da integração contínua do Delta do Rio das Pérolas ao abrigo no novo 12.º Plano Quinquenal do Governo Chinês. A construção da ponte Hong Kong-Zhuhai-Macau e as ligações ferroviárias do Delta do Rio das Pérolas, bem como o desenvolvimento da Ilha da Montanha, criam condições favoráveis em termos de transportes externos, expansão de terras e outros recursos para o futuro desenvolvimento de Macau. Consideramos que a economia de Macau continuará a crescer em tal ambiente estável.

Finalmente, queria aproveitar esta oportunidade para expressar a minha maior gratidão e agradecimento aos nossos colegas pelos seus denodados esforços durante o exercício. E queria também agradecer em nome do Conselho de Administração a todos os nossos clientes pelo seu continuado apoio e patrocínio.

O Presidente do Conselho de Administração,
Fung Yuk Bun Patrick.

Aos 21 de Março de 2011.

Síntese do parecer dos auditores externos

Para os accionistas do Banco Weng Hang, S.A.
(Sociedade anónima constituída em Macau)

Procedemos à auditoria das demonstrações financeiras do Banco Weng Hang, S.A. relativas ao ano de 2010, nos termos das Normas de Auditoria e Normas Técnicas de Auditoria da Região Administrativa Especial de Macau. No nosso relatório, datado de 18 de Março de 2011, expressámos uma opinião sem reservas relativamente às demonstrações financeiras das quais as presentes constituem um resumo.

As demonstrações financeiras a que acima se alude compreendem o balanço, à data de 31 de Dezembro de 2010, a demonstração de resultados, a demonstração de alterações no capital próprio e a demonstração de fluxos de caixa relativas ao ano findo, assim como um resumo das políticas contabilísticas relevantes e outras notas explicativas.

As demonstrações financeiras resumidas preparadas pela gerência resultam das demonstrações financeiras anuais auditadas e dos livros e registos do banco. Em nossa opinião, as demonstrações financeiras resumidas são consistentes, em todos os aspectos materiais, com as demonstrações financeiras auditadas e os livros e registos do banco.

Para a melhor compreensão da posicão financeira do banco e dos resultados das suas operações, no período e âmbito abrangido pela nossa auditoria, as demonstrações financeiras resumidas devem ser lidas conjuntamente com as demonstrações financeiras das quais as mesmas resultam e com o respectivo relatório de auditoria.

Lei Iun Mei, Auditor de Contas.
KPMG

Macau, aos 21 de Março de 2011.

Parecer do Conselho Fiscal

O balanço, a demonstração de resultados e a conta de exploração e lucros e perdas deste Banco, respeitantes ao exercício do ano findo em 31 de Dezembro de 2010, foram elaborados nos termos da lei bancária e auditados pela KPMG e segundo o nosso Parecer, as mesmas corresponderam às regras de contabilidade bancária, sendo, portanto, documentos suficientes para mostrar a situação financeira real deste Banco até 31 de Dezembro de 2010, e o lucro apurado do exercício que terminou nesta data.

A Presidente do Conselho Fiscal,
Lo Wai Ching Maggie.

Macau, aos 21 de Março de 2011.

BANCO WENG HANG, S.A., MACAU

Lista dos accionistas qualificados:

Wing Hang Bank Ltd.
Constituída em Hong Kong

Nomes dos titulares dos órgãos sociais:

Conselho de Administração

Sr. Fung Yuk-Bun Patrick, presidente
Sr. Frank John Wang, administrador
Sr. Fung Yuk-Sing Michael, administrador
Sr. Ho, Louis Chi-Wai, administrador
Sr. Lee Tak-Lim, administrador
Sr. Yuen Sui-Chi Stanley, administrador
Sr. Leung Chiu-Wah, administrador

Conselho Fiscal

Sr.ª Lo Wai-Ching Maggie, presidente
Sr. Wong Chun-Kau Stephen, membro
Sr. Tse Hau-Yin, membro

Assembleia Geral

Sr. Kwok Man-Cheung, presidente
Sr. Lee Tak-Lim, vice-presidente
Sr. Ho, Louis Chi-Wai, secretário
Sr. Yuen Sui-Chi Stanley, secretário
Sr. Fung Yuk-Sing, Michael, vice-secretário
Sr. Leung Chiu-Wah, vice-secretário

BANK OF CHINA LIMITED — SUCURSAL DE MACAU

Balanço anual em 31 de Dezembro de 2010

PATACAS

PATACAS

PATACAS

Demonstração de resultados do exercício de 2010

Conta de exploração

PATACAS

Conta de lucros e perdas

PATACAS

Director-Geral, O Chefe da Contabilidade,
Ye Yi-Xin Leong Iok Kit

Síntese do relatório do desenvolvimento de actividades

No ano de 2010, a entidade económica da Europa e dos Estados Unidos de América etc. ficava na fase de restauração lenta. Sob o impulso do crescimento económico de rapidez relativa da indústria do turismo sintético, a economia de Macau registou uma relativamente elevada taxa de crescimento real. Neste ano, no que toca à quantidade de entrada de turistas para Macau, registou-se um crescimento de escala alta. Todas as indústrias em Macau estavam a desenvolver-se estavelmente.

O ano de 2010 foi um ano em que a Sucursal de Macau do Banco da China fez o seu sexagésimo aniversário de «Radicar-se em Macau, servir em prol de Macau». Coadjuvando a concepção do «desenvolvimento concertado e progresso harmonioso» do Governo da Região Administrativa Especial de Macau (RAEM), este Banco apoiava Macau a concretizar o são desenvolvimento longo e estável. Adoptando a estratégia de gestão pragmática e agressiva, e prosseguindo a filosofia de serviços de «persistir em tratar seus clientes como o alvo de atenções e considerações», este banco activamente estabeleceu as relações de cooperação com as empresas maiores e apoiou o crescimento das empresas médias e pequenas, lançando pela primeira vez em Macau os novos serviços, tais como, «Cross-bank Deposit and Transfer Service, Cross-boder Trade Link, e BOCNET (pessoal)» de versão nova e bem como uma série de produtos de inovação. Contando com o amor e apoio dispensado pelos clientes e em comunhão de esforços dos trabalhadores deste banco, o resultado de exploração deste banco foi ideal neste ano, representando um crescimento de dois algarismos de depósitos, empréstimos, activos totais e lucros. A qualidade de activos ficava no nível de melhores.

Enquanto procurando fornecer aos clientes os serviços financeiros plenos de qualidade, este banco, activamente, tomou ainda mais as responsabilidades sociais. Dentro deste ano, este banco assinou os diversos acordos de cooperação com as diversas universidades e institutos em Macau no sentido de apoiar a educação superior local em via de desenvolvimento; lançou um pleno novo serviço da doação benéfica de forma automática, abrindo assim um novo canal de doação rápida para os clientes; este banco desenvolve as propagações dos amores e ama a sociedade através da Fundação de Beneficência do Banco da China Macau e «Bank of China Macau Youth Association», e bem como, da participação de bem-estar público diverso.

Por ocasião de celebrar o 60.º aniversário da Sucursal de Macau do Banco da China, foi-lhe impôs a «Medalha de Mérito de Valor» pelo Governo da RAEM. Esta glória excepcional carrega com o cheio reconhecimento e a aceitação dos trabalhos e serviços deste banco pelo Governo da RAEM e por clientes, e bem como, os esforços ininteruptos de gerações deste banco. À frente desta glória, os trabalhadores deste banco sentem-se muito feliz. Nós consideramos isso como um novo começo, continuando a trabalhar e viver em conjunto com Macau para o desenvolvimento comun, fornecendo aos clientes os serviços bancários de qualidade e de eficaz alta, com o fim de dar sua responsabilidade social.

No ano de 2011, este banco participará activamente nos projectos públicos e nos projectos comerciais locais; envidaremos todos os esforços para impulsionar as operações individualizadas e as transacções comerciais transfronteiriços em reminbi; positivamente criará os novos serviços financeiros e os produtos financeiros para satisfazer as necessidades de cidadãos e dos clientes; planificará as áreas novas de inovação por aproveitar a ocasião de exploração de Hengqin e de cooperação de Guangdong e Macau; enquanto marchando ao são desenvolvimento sustendado e longo, este banco continuará a procurar a sua excelência, a apoiar o Governo da RAEM no sentido de executar a administração por ciência e a planear o programa para desenvolvimento, dando a maior contribuição a hoje de Macau e ao seu futuro.

Director-Geral,
Ye Yi-Xin

Relatório de auditor independente sobre demonstrações financeiras resumidas

Para o gerente geral do Bank of China Limited, Sucursal de Macau
(Sucursal de um banco comercial de responsabilidade limitada, incorporado na República Popular da China)

Procedemos à auditoria das demonstrações financeiras do Bank of China Limited, Sucursal de Macau relativas ao ano de 2010, nos termos das Normas de Auditoria e Normas Técnicas de Auditoria da Região Administrativa Especial de Macau. No nosso relatório, expressámos uma opinião sem reservas relativamente às demonstrações financeiras das quais as presentes constituem um resumo, datado de 29 de Março de 2011.

As demonstrações financeiras a que acima se alude compreendem o balanço, à data de 31 de Dezembro de 2010, a demonstração de resultados, a demonstração de reconhecido pagamento e gastos e a demonstração de fluxos de caixa relativos ao ano findo, e o resumo das politícas contabilísticas relevantes e outras notas explicativas.

As demonstrações financeiras resumidas preparadas pela gerência resultam das demonstrações financeiras anuais auditadas e dos livros e registos da sucursal. Em nossa opinião, as demonstrações financeiras resumidas são consistentes, em todos os aspectos materiais, com as demonstrações financeiras auditadas e os livros e registos da sucursal.

Para a melhor compreensão da posicão de negócios da sucursal e dos resultados das suas operações, no período e âmbito abrangido pela nossa auditoria, as demonstrações financeiras resumidas devem ser lidas conjuntamente com as demonstrações financeiras das quais as mesmas resultam e com o respectivo relatório de auditoria.

Lei Iun Mei, Auditor de Contas
KPMG

Macau, aos 29 de Março de 2011.


CHONG HING BANK LTD., SUCURSAL DE MACAU

Balanço anual em 31 de Dezembro de 2010

MOP

MOP

* Nota

Em Outras Reservas representa uma reserva regulamentar no montante de 862 365,44 patacas. Porque a sucursal adopta as Normas de Relato Financeiro da RAEM na preparação das suas demonstrações financeiras anuais e as provisões para as perdas de imparidade dos créditos concedidos, podem estes serem inferiores ao nível mínimo de provisões genéricas calculadas de acordo com o Aviso n.º 18/93 da AMCM (o nível mínimo). A Sucursal na referida reserva regulamentar representa a diferença entre a provisão genérica as perdas de imparidade do crédito concedido. Este mesmo montante, inscrito na linha «Dotações adicionais para provisões conforme RJSF» da Conta de Lucros e Perdas das contas resumidas.

Demonstração de resultados do exercício de 2010

Conta de exploração

MOP

MOP

Conta de lucros e perdas

MOP

O Gerente, A Chefe da Contabilidade,
Lam Man King Choi Ka Ching, Cherry

Síntese do relatório de actividade

Com o desvanecimento da crise financeira mundial em 2010, apesar do processo de recuperação das indústrias de Macau que ainda não está sincronizada, a perspectiva da recuperação económica no seu todo encontra-se lúcida. Todas as indústrias entraram no novo boom, a indústria bancária pôde beneficiar da implementação de uma série de projectos de obras públicas, através de financiamentos em empresas e hipotecários. Durante o ano, o nosso Banco apanhou as oportunidades surgidas por um lado no mercado e por outro lado pela expansão de recursos humanos, optimizando operações internas para satisfazer as flutuações da taxa de juros hipotecários e desenvolver outras linhas de negócios no sentido de lançar as bases das fundações para os próximos anos.

No ano findo em 31 de Dezembro de 2010, o nosso Banco teve um proveito operacional total de MOP7,41 milhões, representando um decréscimo de 15%, com um lucro após impostos de MOP640 mil representando um decréscimo de 86%, com o total de depósitos dos clientes de MOP480 milhões, representando um decréscimo de 22%, com empréstimos a clientes de MOP73,06 milhões, representando um aumento de 15% e um total de activo líquido de MOP600 milhões representando um decréscimo de 18%.

Olhando para o futuro imediato, previmos uma visão optimista para a economia de Macau quando comparado com o ano anterior, resultando de esforços conjuntos do Governo e da população da Região Administrativa Especial de Macau além de vários factores externos com desenvolvimento do meio económico envolvente, a prosperidade da China no plano de desenvolvimento económico «12.5» constituem um factor de grande contribuição. No próximo ano, o nosso Banco oferecerá aos clientes um serviço de melhor qualidade com alta eficiência e conveniência para obter maior apoio dos cidadãos de Macau.

O Gerente,
Lam Man King

Síntese do parecer dos auditores externos

Ao Gerente da Sucursal do Chong Hing Bank Limited — Sucursal de Macau

Procedemos à auditoria das demonstrações financeiras do Chong Hing Bank Limited — Sucursal de Macau relativas ao ano de 31 de Dezembro de 2010, nos termos das Normas de Auditoria e Normas Técnicas de Auditoria da Região Administrativa Especial de Macau. No nosso relatório datado de 6 de Maio de 2011, expressámos uma opinião sem reservas relativamente às demonstrações financeiras das quais as presentes constituem um resumo.

As demonstrações financeiras a que acima se alude compreendem o balanço, à data de 31 de Dezembro de 2010, a demonstração de resultados, a demonstração de movimento de capitais e a demonstração de fluxos de caixa relativas ao ano findo, assim como um resumo das políticas contabilísticas relevantes e outras notas explicativas.

As demonstrações financeiras resumidas preparadas pela gerência resultam das demonstrações financeiras anuais auditadas a que acima se faz referência, a Sucursal criou a provisão genérica para crédito concedido de acordo com o Aviso n.º 18/93-AMCM da Autoridade Monetária de Macau. Esta provisão genérica é apresentada como «Dotações adicionais para provisões conforme RJSF» nas acompanhadas Conta de Lucros e Perdas publicadas como ajustamento da conta da resultado do exercício. A «Reserva Regulamentar» representa a diferença entre a provisão genérica as perdas de imparidade do crédito concedido apresentada na demonstração de movimento de capitais das demonstrações financeiras para o ano findo. Excepto o acima citado, em nossa opinião, as demonstrações financeiras resumidas são consistentes, em todos os aspectos materiais, com as demonstrações financeiras auditadas.

Para a melhor compreensão da posição financeira do Chong Hing Bank Limited — Sucursal de Macau e dos resultados das suas operações, no período e âmbito abrangido pela nossa auditoria, as demonstrações financeiras resumidas devem ser lidas conjuntamente com as demonstrações financeiras das quais as mesmas resultam e com o respectivo relatório de auditoria.

Quin Va
Auditor de Contas
Deloitte Touche Tohmatsu — Sociedade de Auditores

Macau, aos 6 de Maio de 2011.


BANCO NACIONAL ULTRAMARINO, S.A.

Balanço anual em 31 de Dezembro de 2010

MOP

MOP

MOP

Demonstração de resultados do exercício de 2010

Conta de exploração

MOP

Conta de lucros e perdas

MOP

A Responsável pela Contabilidade, O Presidente da Comissão Executiva,
Maria Clara Fong Artur Jorge Teixeira Santos

Síntese do relatório de actividade do Banco Nacional Ultramarino, S.A.

Dando continuidade à função de banco emissor, foi assinado, em 6 de Setembro de 2010, um novo contrato de agenciamento para a emissão de notas com curso legal entre a Região Administrativa Especial de Macau e o Banco Nacional Ultramarino, S.A., o qual tem início em 16 de Outubro de 2010 e termina passados dez anos, podendo ser revisto ou renovado, ou celebrado novo contrato, de acordo com a Lei Básica da RAEM e disposições legais aplicáveis.

A economia de Macau registou em 2010 um elevado crescimento, tendo o produto interno bruto aumentado 26,2 por cento, depois de em 2009 ter expandido em 1,5 por cento, ultrapassando, de uma forma sustentada, os efeitos da crise financeira internacional.

Para o crescimento da economia foi determinante a evolução muito positiva do sector do turismo e do jogo, registando as economias da China Continental e de Hong Kong, principais mercados emissores dos turistas que visitam Macau, índices de crescimento elevados.

O número de visitantes registou um acréscimo de 14,8 por cento, contribuindo para uma elevada taxa de ocupação do parque hoteleiro e das vendas a retalho, enquanto as receitas do jogo registaram um acréscimo de 57,8 por cento atingindo um novo recorde.

O investimento privado em capital fixo situou-se num nível inferior a 2009, por força do adiamento e da suspensão de vários projectos de investimento nos dois últimos anos, em particular no sector da hotelaria e do jogo que, entretanto, foram retomados.

O consumo privado registou, por outro lado, um crescimento de 6,4 por cento em 2010 reflectindo, nomeadamente, o aumento dos salários e a redução da taxa de desemprego para níveis inferiores a 3 por cento.

O Índice de Preços no Consumidor aumentou 3,9 por cento em 2010, após ter subido 1,2 por cento no ano anterior, para o que contribuiu sobretudo o aumento dos preços de bens importados, nomeadamente de produtos alimentares e da energia.

A actividade bancária em Macau foi influenciada muito positivamente pela retoma económica iniciada no segundo semestre de 2009 e que, ao longo de 2010, se acentuou e pela recuperação do sector imobiliário, levando ao aumento da procura de crédito.

Por outro lado, verificou-se uma intensificação da concorrência, quer na captação de recursos quer na área de concessão de crédito.

O Activo Líquido do Banco, que era de 31,708 mil milhões de patacas em 31 de Dezembro de 2010, registou um aumento de 4,4 por cento, tendo contribuído para esta evolução um aumento das aplicações nas instituições de crédito e na AMCM, que se cifrou em 10,6 por cento.

O Crédito a Clientes registou uma redução de 0,9 por cento, enquanto os Depósitos de Clientes em Macau sofreram um acréscimo de 4,6 por cento.

O Resultado Líquido alcançado em 2010, que foi de 373,1 milhões de patacas e que corresponde a um aumento de 16,6 por cento face aos 320,1 milhões de patacas apurados em 2009, foi influenciado, sobretudo, por uma significativa redução das provisões líquidas constituídas.

A taxa de rendibilidade dos capitais próprios médios situou-se em 15,6 por cento e o rácio de solvabilidade, calculado de acordo com as normas estabelecidas pela AMCM, em 16,6 por cento.

O Banco Nacional Ultramarino, S.A. expressa os seus sinceros agradecimentos a todos os clientes pela confiança depositada e a todos os colaboradores pelo trabalho realizado e por toda a sua dedicação e ao nosso accionista, a Caixa Geral de Depósitos, pelo apoio e confiança demonstrados.

O Banco Nacional Ultramarino, S.A. agradece às Autoridades de Macau, e em particular à Autoridade Monetária e Cambial de Macau, todo o apoio e colaboração prestados.

Macau, aos 22 de Março de 2011.

Artur Jorge Teixeira Santos
Presidente da Comissão Executiva

Síntese do parecer dos auditores externos

Para os accionistas do Banco Nacional Ultramarino, S.A.

Procedemos à auditoria das demonstrações financeiras do Banco Nacional Ultramarino, S.A. relativas ao ano de 31 de Dezembro de 2010, nos termos das Normas de Auditoria e Normas Técnicas de Auditoria da Região Administrativa Especial de Macau. No nosso relatório, datado de 17 de Março de 2011, expressámos uma opinião sem reservas relativamente às demonstrações financeiras das quais as presentes constituem um resumo.

As demonstrações financeiras a que acima se alude compreendem o balanço, à data de 31 de Dezembro de 2010, a demonstração de resultados, a demonstração de alterações no capital próprio e a demonstração de fluxos de caixa relativas ao ano findo, assim como um resumo das políticas contabilísticas relevantes e outras notas explicativas.

As demonstrações financeiras resumidas preparadas pela gerência resultam das demonstrações financeiras anuais auditadas a que acima se faz referência. Em nossa opinião, as demonstrações financeiras resumidas são consistentes, em todos os aspectos materiais, com as demonstrações financeiras auditadas.

Para a melhor compreensão da posição financeira do Banco Nacional Ultramarino, S.A. e dos resultados das suas operações, no período e âmbito abrangido pela nossa auditoria, as demonstrações financeiras resumidas devem ser lidas conjuntamente com as demonstrações financeiras das quais as mesmas resultam e com o respectivo relatório de auditoria.

Quin Va
Auditor de Contas
Deloitte Touche Tohmatsu — Sociedade de Auditores

Macau, aos 17 de Março de 2011.

Parecer do Fiscal Único do Banco Nacional Ultramarino, S.A.

Senhores Accionistas:

O Conselho de Administração do Banco Nacional Ultramarino, S.A., submeteu ao Fiscal Único, nos termos e para efeitos da alínea e) do artº. 32 dos Estatutos, para emissão de parecer, o Balanço, as Contas e o Relatório Anual respeitantes ao exercício de 2010. Complementarmente foi também enviado o Relatório dos Auditores Externos «Deloitte Touche Tohmatsu», sobre as contas do Banco Nacional Ultramarino, S.A., relativas àquele mesmo exercício.

O Fiscal Único acompanhou, ao longo do ano, a actividade do Banco, tendo mantido contacto regular com a Administração e dela recebido sempre e em tempo a adequada colaboração e esclarecimentos.

Analisados os documentos remetidos para parecer, constata-se que os mesmos são suficientemente claros, reflectindo a situação patrimonial e económica-financeira do Banco.

O Relatório do Conselho de Administração traduz de forma clara o desenvolvimento das actividades do Banco no decurso do exercício em apreciação.

O Relatório dos Auditores Externos, tido em devida conta pelo Fiscal Único, refere que os documentos de prestação de contas apresentados evidenciam de forma verdadeira e apropriada a situação financeira do Balanço em 31 de Dezembro de 2010, bem como os resultados das operações referentes ao exercício findo naquela data, com observância dos princípios contabilísticos da actividade Bancária.

Face ao exposto, o Fiscal Único decidiu dar parecer favorável à aprovação do:

1. Balanço e Demonstração de Resultados;

2. Relatório Anual do Conselho de Administração.

Macau, aos 23 de Março de 2011.

O Fiscal Único,
Chui Sai Cheong.

Banco Nacional Ultramarino, S.A.

Instituições em que detém participação superior a 5% do respectivo capital ou superior a 5% dos seus fundos próprios:

Nada consta.

Lista dos Accionistas Qualificados

• Caixa Geral de Depósitos, S.A. 97,13%

Órgãos Sociais

Mesa da Assembleia Geral  
  Presidente : Joaquim Jorge Perestrelo Neto Valente
  Vice-presidente : Liu Chak Wan
  Secretário : Maria de Lurdes Nunes Mendes da Costa
Conselho de Administração  
  Presidente : CAIXA GERAL DE DEPÓSITOS, S.A.,
      representada por Rodolfo Vasco Castro Gomes Mascarenhas Lavrador
  Vice-presidente : Herculano Jorge de Sousa até 30 de Junho de 2010
      António Luís Neto até 30 de Junho de 2010
      Artur Jorge Teixeira Santos a partir de 1 de Julho de 2010
      Pedro Manuel de Oliveira Cardoso a partir de 1 de Julho de 2010
  Administradores : Artur Jorge Teixeira Santos até 30 de Junho de 2010
      Kan Cheok Kuan
      Herculano Jorge de Sousa a partir de 1 de Julho de 2010
      António Luís Neto a partir de 1 de Julho de 2010
      Emílio Carlos Monteiro Nunes de Castro a partir de 1 de Julho de 2010
Comissão Executiva  
  Presidente : Herculano Jorge de Sousa até 30 de Junho de 2010
      Artur Jorge Teixeira Santos a partir de 1 de Julho de 2010
  Vice-presidente : Artur Jorge Teixeira Santos até 30 de Junho de 2010
  Membro : Kan Cheok Kuan
      Emílio Carlos Monteiro Nunes de Castro a partir de 1 de Julho de 2010
Fiscal Único : Chui Sai Cheong

THE BANK OF EAST ASIA, LIMITED, SUCURSAL DE MACAU

Balanço anual em 31 de Dezembro de 2010

MOP

MOP

* As Outras Reservas incluem uma reserva obrigatória no montante de 27 708 332,92 patacas. Porque a sucursal adopta as Macau Financial Reporting Standards («MFRS») na preparação das suas demonstrações financeiras anuais, as perdas de imparidade com base nas MFRS podem ser inferiores ao nível mínimo de provisões genéricas calculadas de acordo com o Aviso n.º 18/93 da AMCM (o nível mínimo). A referida reserva obrigatória representa, pois, a diferença entre o nível mínimo e as perdas de imparidade nos termos das MFRS (antes dos impostos diferidos de 3 778 409 patacas). Este mesmo montante, inscrito na linha «Dotações adicionais para provisões conforme RJSF» da Conta de Lucros e Perdas das contas resumidas, está reconciliado entre o «Lucro depois de impostos» e os «Resultados do ano de acordo com as regras da AMCM» na Conta de exploração das demonstrações financeiras auditadas anuais.

MOP

Demonstração de resultados do exercício de 2010

Conta de exploração

MOP

Conta de lucros e perdas

MOP

O Gerente-Geral da Sucursal de Macau, O Chefe da Contabilidade,
Wong Chun Kwan Kong Chi Wai

Síntese do relatório de actividade

Durante o ano 2010, o Banco da East Asia Limitada, Sucursal de Macau, foi beneficiado pela estabilidade da economica de Macau e pelo crescimento de propriedades no mercado. No ano findo de 31 de Dezembro de 2010, a sucursal de Macau foi registado um aumento de 98% de lucros, 23% de aumento de empréstimos e 22% de aumentos derivados de depósitos dos clientes. A fim de aumentar e expandir os serviços de Personal Banking em Macau, foi aberta a quinta sucursal na Areia Preta em Setembro de 2010.

Para o ano de 2011, a sucursal de Macau vai continuar a expandir com a economia de Macau e aproveitando as oportunidades oferecidas pelas economias entre Hong Kong, Zhuhai e Macau. Produtos de investimentos vão ser um dos mais importantes produtos lançados durante 2011 incluindo o  lançado de Linked Investment Products and Unit Trust em Abril de 2011. Por outro lado, a sucursal de Macau vai fortificar a sua ligação com o Grupo do Banco da East Asia em Hong Kong, China e outras sucursais no estrangeiro, na América do Norte, Inglaterra e outros países no Sudeste da Ásia a fim de prover melhor produto e serviços aos clientes.

The Bank of East Asia, Limited, Sucursal de Macau.
O Gerente-Geral,
Wong Chun Kwan

Síntese do parecer dos auditores externos

Para a gerência do Banco da East Asia, Limitada — Sucursal de Macau
(Sucursal de um banco comercial de responsabilidade limitada, incorporado na Região Administrativa Especial de Hong Kong)

Procedemos à auditoria das demonstrações financeiras do Banco da East Asia, Limitada — Sucursal de Macau relativas ao ano de 2010, nos termos das Normas de Auditoria e Normas Técnicas de Auditoria da Região Administrativa Especial de Macau. No nosso relatório, datado de 5 de Maio de 2011, expressámos uma opinião sem reservas relativamente às demonstrações financeiras das quais as presentes constituem um resumo.

As demonstrações financeiras a que acima se alude compreendem o balanço, à data de 31 de Dezembro de 2010, a demonstração de resultados, a demonstração de alterações nas reservas e a demonstração de fluxos de caixa relativas ao ano findo, assim como um resumo das políticas contabilísticas relevantes e outras notas explicativas.

As demonstrações financeiras resumidas preparadas pela gerência resultam das demonstrações financeiras anuais auditadas e dos livros e registos da sucursal. Em nossa opinião, as demonstrações financeiras resumidas são consistentes, em todos os aspectos materiais, com as demonstrações financeiras auditadas e os livros e registos da sucursal.

Para a melhor compreensão da posição financeira da sucursal e dos resultados das suas operações, no período e âmbito abrangido pela nossa auditoria, as demonstrações financeiras resumidas devem ser lidas conjuntamente com as demonstrações financeiras das quais as mesmas resultam e com o respectivo relatório de auditoria.

Lei Iun Mei, Auditor de Contas
KPMG

Macau, aos 5 de Maio de 2011.


HANG SENG BANK LIMITED — SUCURSAL DE MACAU

(Publicações ao abrigo do artigo 76.º do RJSF, aprovado pelo Decreto-Lei n.º 32/93/M, de 5 de Julho)

Balanço anual em 31 de Dezembro de 2010

(Em patacas)

(Em patacas)

As Outras Reservas incluem uma reserva genérica de 24 057 866,58 patacas e uma reserva específica de 9 657 741 patacas. Porque a sucursal adopta as Financial Reporting Standards of the Macau SAR («MFRS») na preparação das suas demonstrações financeiras anuais, as perdas de imparidade com base nas MFRS podem ser inferiores ao nível mínimo de provisões genéricas e provisões específicas calculadas de acordo com o Aviso n.º 18/93 da AMCM (o nível mínimo). A referida reserva obrigatória representa, pois, a diferença entre o nível mínimo e as perdas de imparidade nos termos das MFRS (antes dos impostos diferidos de 4 599 375,91 Patacas). Este mesmo montante, inscrito na linha «Dotações adicionais para provisões conforme RJSF» da Conta de Lucros e Perdas das contas resumidas, está reconciliado entre o «Lucro depois de impostos» e os «Resultados do ano de acordo com as regras da AMCM» na Conta de exploração das demonstrações financeiras auditadas anuais.

(Em patacas)

Demonstração de resultados do exercício de 2010

Conta de exploração

(Em patacas)

Conta de lucros e perdas

(Em patacas)

O Gerente da Sucursal de Macau, A Chefe da Contabilidade,
Isidorus Fong Ben Lee

Extracto do resultado do exercício

No ano de 2010, fizemos investimentos com recursos adicionais, promovendo a liquidação de operações externas em renmimbi e desenvolvendo todos os tipos de actividades bancárias, prestando aos nossos clientes serviços de boa qualidade.

As actividades principais exercidas pelo Banco, no ano de 2010, no âmbito dos serviços bancários prestados aos empresários e clientes individuais, consistiram na prestação de todos os tipos de serviços relacionados com operações de comércio e de financiamento, empréstimos para comércio, empréstimos garantidos por hipoteca sobre imóveis, contas bancárias para depósito de divisas estrangeiras, transferências e operações cambiais, custódia de títulos, serviços bancários electrónicos, aparelhos de serviço automático e agenciamento de seguros, entre outros. No dia do encerramento do exercício anual, registamos como depósitos e empréstimos, respectivamente, mil quinhentos e quarenta e nove milhões de patacas, e três mil trezentos e um milhões de patacas, sendo o lucro, deduzido do imposto anual, dezoito milhões de patacas.

Relativamente a 2011, esperamos aperfeiçoar os serviços de liquidação de operações externas em renmimbi, bem como, à semelhança dos anos anteriores, continuaremos a desenvolver e promover os diversos tipos de produtos bancários, tendo como objectivo fortalecer a expansão das nossas actividades e diversificação dos serviços prestados.

Agradecemos aos Serviços Públicos da Administração de Macau, clientes, colegas e funcionários do Banco e seus familiares, o apoio que nos prestaram.

Hang Seng Bank Limited — Sucursal de Macau
O Director da Sucursal,
Fong Chi Cheng.

Síntese do parecer dos auditores externos

Para o gerente-geral do Hang Seng Bank Limited — Sucursal de Macau
(Sucursal de um banco comercial de responsabilidade limitada, incorporado em Hong Kong)

Procedemos à auditoria das demonstrações financeiras do Hang Seng Bank Limited — Sucursal de Macau relativas ao ano de 2010, nos termos das Normas de Auditoria e Normas Técnicas de Auditoria da Região Administrativa Especial de Macau. No nosso relatório, datado de 12 de Maio de 2011, expressámos uma opinião sem reservas relativamente às demonstrações financeiras das quais as presentes constituem um resumo.

As demonstrações financeiras a que acima se alude compreendem o balanço, à data de 31 de Dezembro de 2010, a demonstração de resultados, a demonstração de alterações nas reservas e a demonstração de fluxos de caixa relativas ao ano findo, assim como um resumo das políticas contabilísticas relevantes e outras notas explicativas.

As demonstrações financeiras resumidas preparadas pela gerência resultam das demonstrações financeiras anuais auditadas e dos livros e registos da sucursal. Em nossa opinião, as demonstrações financeiras resumidas são consistentes, em todos os aspectos materiais, com as demonstrações financeiras auditadas e os livros e registos da sucursal.

Para a melhor compreensão da posição financeira do Hang Seng Bank Limited — Sucursal de Macau e dos resultados das suas operações, no período e âmbito abrangido pela nossa auditoria, as demonstrações financeiras resumidas devem ser lidas conjuntamente com as demonstrações financeiras das quais as mesmas resultam e com o respectivo relatório de auditoria.

Lei Iun Mei, Auditor de Contas
KPMG

Macau, aos 12 de Maio de 2011.


BANCO COMERCIAL PORTUGUÊS, S.A. SUCURSAL DE MACAU

Balanço anual em 31 de Dezembro de 2010

MOP

MOP

MOP

Demonstração de resultados do exercício de 2010

Conta de exploração

MOP

Conta de lucros e perdas

MOP

O Técnico de Contas, O Director Geral,
António Lau José João Pãosinho

Síntese do parecer dos auditores externos

Para a gerência do Banco Comercial Português, S.A. — Sucursal de Macau
(Sucursal de um banco comercial de responsabilidade limitada, incorporado em Portugal)

Procedemos à auditoria das demonstrações financeiras do Banco Comercial Português, S.A. — Sucursal de Macau relativas ao período de 11 de Maio de 2010 a 31 de Dezembro de 2010, nos termos das Normas de Auditoria e Normas Técnicas de Auditoria da Região Administrativa Especial de Macau. No nosso relatório, datado de 29 de Abril de 2011, expressámos uma opinião sem reservas relativamente às demonstrações financeiras das quais as presentes constituem um resumo.

As demonstrações financeiras a que acima se alude compreendem o balanço, ao período de 11 de Maio de 2010 a 31 de Dezembro de 2010, a demonstração de resultados e a demonstração de fluxos de caixa relativas ao período acima referido, assim como um resumo das políticas contabilísticas relevantes e outras notas explicativas.

As demonstrações financeiras resumidas preparadas pelo Conselho de Administração do Banco resultam das demonstrações financeiras anuais auditadas e dos livros e registos da sucursal. Em nossa opinião, as demonstrações financeiras resumidas são consistentes, em todos os aspectos materiais, com as demonstrações financeiras auditadas e os livros e registos da sucursal.

Para a melhor compreensão da posição financeira da sucursal e dos resultados das suas operações, no período e âmbito abrangido pela nossa auditoria, as demonstrações financeiras resumidas devem ser lidas conjuntamente com as demonstrações financeiras das quais as mesmas resultam e com o respectivo relatório de auditoria.

Lei Iun Mei, Auditor de Contas
KPMG

Macau, aos 29 de Abril de 2011.

Síntese do relatório de actividade do exercício entre 11 de Maio de 2010 e 31 de Dezembro de 2010

O Banco Comercial Português, S.A. foi autorizado pelo Governo da RAE de Macau através da Ordem Executiva n.º 31/2010 a abrir uma Sucursal com Licença Bancária Plena, efectiva a partir de 11 de Maio de 2010, procedendo ao consequente encerramento da Sucursal Offshore de Macau em actividade no Território desde 1993.

Com a alteração do tipo de licença bancária, a Sucursal de Macau do BCP alargou o âmbito da sua actividade à RAEM passando a realizar operações bancárias com residentes de Macau. Tal permitiu a expansão da carteira de depósitos e a recomposição da carteira de crédito o que em conjunto com uma política selectiva de crédito orientada para a região Ásia-Pacífico esteve na base dos resultados obtidos.

As linhas estratégicas de orientação ao longo do ano de 2010 continuaram centradas na prestação de serviços aos clientes residentes em Macau e aos clientes das redes do Mbcp em torno da dinamização do papel da Sucursal como plataforma de negócios China-Macau-África.

Em 31 de Dezembro de 2010, o total do Activo Líquido atingia o valor de MOP4.488,9 milhões, a Carteira Crédito cifrava-se em MOP2.632,2 milhões e a Carteira de Depósitos de Clientes atingia MOP1.576,5 milhões.

Os resultados da actividade do Banco Comercial Português, S.A., em Macau durante o ano de 2010 considerando os dois tipos de licença foram os seguintes (MOP milhões):

  Onshore Offshore Total
  (11/5/2010-31/12/2010) (1/1/2010-10/5/2010) 2010
Resultados do exercício: 55,1 15,9 71,0
Cash Flow: 62,8 16,0 78,8
Custos Operacionais: 5,5 2,3 7,8

Apesar de se prever um estreitamento dos spreads das taxas de juro nas operações de crédito durante o ano de 2011, perspectiva-se que a actividade da Sucursal continuará a sua trajectória de crescimento face às expectativas favoráveis sobre um bom desempenho da economia de Macau.

Por último, desejamos agradecer aos nossos Clientes, aos Colaboradores da Sucursal e às competentes Autoridades de Macau a confiança depositada na Sucursal de Macau do Banco Comercial Português, S.A.

A Direcção da Sucursal de Macau
do Banco Comercial Português, S.A.
José Pãosinho
Director Geral


MACAU PASS S.A.

(Publicações ao abrigo do artigo 75.º do RJSF, aprovado pelo Decreto-Lei n.º 32/93/M, de 5 de Julho)

Balanço anual em 31 de Dezembro de 2010

(Patacas)

(Patacas)

Demonstração de resultados do exercício de 2010

Conta de exploração

(Patacas)

Conta de lucros e perdas

(Patacas)

Administrador, Chefe da Contabilidade,
Ko Yan Fat Wai Tak Kuan

(Patacas)

Relatório do Conselho de Administração do ano 2010

No ano 2010 houve um desenvolvimento sustentável dos negócios da Companhia. Neste ano, a Companhia dedicou-se ao desenvolvimento no âmbito de aplicação dos serviços de pagamento através do «MacauPass», além dos pagamentos nos autocarros, nas cadeias de supermercados, nas máquinas de venda automática, continuou a desenvolver as seguintes áreas de serviço: nas escolas, nos hospitais, nas instituições de ensino superior, nos parques de estacionamento, nos acessos residenciais, nas associações e organizações. Até o final de 2010, trabalhávamos com cerca de 40 empresas; com uma circulação de 618 000 cartões de «MacauPass», em relação ao ano passado houve um aumento de 22,8%; a capacidade de processamento de dados anual é de 114 milhões de vezes. Registou um lucro de MOP 1 931 754,46 no período indicado no relatório.

No ano 2010, de acordo com os requisitos da Autoridade Monetária de Macau, a Empresa reforçou a auditoria interna e o mecanismo de gestão de riscos, supervisionando o sistema operacional da empresa com alto padrão, a fim de garantir a alta segurança dos dados e operação do sistema.

A Perspectiva do Ano 2011

A Companhia irá continuar o aumento do desenvolvimento no âmbito de aplicação. Os objectivos de desenvolvimento incluem as seguintes áreas de aplicação: escolas, parques de estacionamento, restaurantes, instalações desportivas e recreativas públicas e serviços públicos, fusão de pagamento de transportes do Delta do Rio das Pérolas; aplicação de moeda electrónica fora do território, etc..

No ano 2011, está previsto um aumento maior de investimento em capital, principalmente na continuação do aumento de investimento no desenvolvimento de equipamentos e sistemas, incluindo a actualização global do sistema de hardware e software de cobrança electrónica de tarifas de autocarros; reforçando a capacidade de apoio do exterior e interior do sistema; reforçando a gestão de risco; desenvolvendo constantemente novos produtos e áreas de aplicação, esforçando-se para aumentar e melhorar a qualidade de serviço, a fim de servir a população de Macau.

Pelo Conselho de Administração, Ko Yan Fat.

Macau, aos 30 de Março de 2011.

Parecer do Fiscal Único

Nos termos do Código Comercial e dos Estatutos da Companhia, o Fiscal Único supervisionou a administração da MACAU PASS S.A. ao longo do ano de 2010 até dia 31 de Dezembro, acompanhou a actividade da Companhia, e obteve todas as informações e esclarecimentos que considerou necessários. O Fiscal Único considera que as demonstrações financeiras e relatório de actividade estão correctos e completos, explicando de forma breve e clara a situação financeira da Companhia, o desenvolvimento das suas actividades e os resultados das operações referentes ao exercício do ano 2010. O Fiscal Único não verificou qualquer irregularidade nem acto ilícito.

Proponho à Assembleia Geral a aprovação do relatório das actividades financeiras do ano até ao dia 31 de Dezembro de 2010, submetido pelo Conselho de Administração.

O Fiscal Único, Wu Chun Sang, Auditor Registado.

Macau, aos 30 de Março de 2011.

Síntese do parecer dos auditores exteriores

Aos accionistas da MACAU PASS S.A.

Auditámos as demonstrações financeiras da MACAU PASS S.A. referentes ao exercício findo em 31 de Dezembro de 2010, de acordo com as Normas de Auditoria de Macau, e expressámos a nossa opinião sem reservas, no relatório de 30 de Março de 2011.

Em nossa opinião, as contas resumidas estão de acordo com as demonstrações financeiras atrás referidas das quais elas resultaram.

Para uma melhor compreensão da situação financeira da Companhia e dos resultados das suas operações, as demonstrações financeiras resumidas devem ser analisadas em conjunto com as demonstrações financeiras auditadas.

Baker Tilly (Macau) — Sociedade de Auditores.

Macau, aos 30 de Março de 2011.

Lista das instituições que detém participação superior a 5% do respectivo capital social ou superior a 5% dos seus fundos próprios:

Nenhuma.

Lista dos principais accionistas Mesa da Assembleia Geral
Liu Chak Wan Presidente: Liu Chak Wan
Liu Hei Wan Secretário: Vong Chak Kin
Vong Chak Kin Fiscal Único: Wu Chun Sang
  Secretário da Companhia: Vong Chak Kin

Órgãos Sociais

Conselho de Administração
Administrador : Liu Chak Wan
Administrador : Liu Hei Wan
Administrador : Ko Yan Fat

Macau, aos 30 de Março de 2011.


BANCO COMERCIAL DE MACAU, S.A.

Balanço anual em 31 de Dezembro de 2010

Valores em Patacas

Valores em Patacas

Valores em Patacas

Demonstração de resultados do exercício de 2010

Conta de exploração

Valores em Patacas

Conta de lucros e perdas

Valores em Patacas

O Director da Contabilidade, Pelo Conselho de Administração,
Ng Kai Man Lung-Man Chiu (John Chiu)
  Sou-Chao Chan, (Kenneth Chan)
  Alick Yuk-Fai Chiu

Síntese do Relatório de Actividade em 2010

A recuperação económica mundial tem sido lenta, não obstante a segunda ronda de «Quantitative Easing» (QE2) praticada por alguns países, nomeadamente da Europa e da América, constatando-se ainda algumas incertezas no mercado financeiro, onde a taxa de juros tem permanecido no baixo nível devido à presença de «dinheiro quente». A «bolha» especulativa ligada aos activos reapareceu nalgumas regiões. Apesar de tudo, a economia de Macau é beneficiada do crescimento económico de 10% conseguido pela China.

A Região Administrativa Especial de Macau, afastando-se do espectro da crise financeira internacional, registou um crescimento de 26% na sua economia, graças particularmente a um crescimento assinalável dos sectores de jogo e de turismo. No ano em apreço, o número de visitantes cresceu 15% enquanto o número e os preços dos imóveis transaccionados registaram também uma subida significativa.

No exercício em apreço, continuava forte a concorrência no sector financeiro, especialmente em termos de depósitos. No que respeita às operações em Renminbi, assistiu-se um progresso acelerado.

O total de activos líquidos do Banco Comercial de Macau, que sempre procura promover serviços e aumentar produtos para satisfazer as necessidades dos seus clientes, atingiu os 11,9 mil milhões de patacas em 31 de Dezembro de 2010, um crescimento de 9% em relação ao ano anterior. Os créditos concedidos e os depósitos recebidos aumentaram 26% e 9% respectivamente. Do crescimento significativo dos créditos concedidos resultaram maior dotação de provisões e menor margem de juros, de modo que os lucros decresceram de 85,3 milhões, registados no exercício de 2009, para os 64,3 milhões de patacas.

Em termos de futuro, estando confiante de que com o crescimento duradoiro dos sectores de jogo e de turismo local, melhoramento da conjuntura económica internacional e progresso saudável da economia da China, o ambiente de negócios no sector financeiro de Macau continuará promissor e este Banco prosseguirá na criação de novos produtos e elevação da qualidade dos produtos e serviços financeiros oferecidos à clientela.

Parecer do Conselho Fiscal

Aos Accionistas do Banco Comercial de Macau, S.A.

Nos termos do Código Comercial de Macau e dos estatutos do Banco Comercial de Macau, S.A. («BCM»), o Conselho Fiscal do BCM emite parecer sobre o relatório, os documentos de relato financeiro e a proposta de afectação dos resultados apresentados pelo Conselho de Administração relativamente ao exercício findo em 31 de Dezembro de 2010.

O Conselho Fiscal do BCM verificou as transacções e a gestão do Banco durante o ano de 2010. As suas competências incluem a supervisão da gestão do Banco; o exame dos livros e registos e sua actualização; a verificação dos activos; a análise dos critérios contabilísticos e o respectivo impacto nos resultados do exercício; o exame dos documentos de relato financeiro anuais, bem como outras verificações previstas na lei e nos estatutos.

O Conselho Fiscal analisou a informação contabilística preparada pelo Banco durante o ano e submetida regularmente à Autoridade Monetária e Cambial de Macau («AMCM»), e seguiu outros procedimentos considerados adequados para as circunstâncias, incluindo o exame do relatório e da opinião do auditor independente.

Analisámos o relatório emitido pelo auditor independente PricewaterhouseCoopers datado de 23 de Fevereiro de 2011, o qual expressa uma opinião sem reservas sobre os documentos de relato financeiro do Banco relativos ao ano findo em 31 de Dezembro de 2010.

Obtivémos todas as informações e explicações consideradas necessárias para efeitos das nossas verificações e, com base no trabalho efectuado, somos de opinião de que:

(a) O relatório, bem como os documentos de relato financeiro, apresentados pelo Conselho de Administração reflectem fielmente a situação financeira do Banco em 31 de Dezembro de 2010 e estão em conformidade com o estabelecido no Código Comercial de Macau, com as Normas de Relato Financeiro e com os estatutos do banco;

(b) Os princípios contabilísticos e os critérios utilizados nas estimativas adoptadas pelo Conselho de Administração na preparação dos documentos de relato financeiro apresentados foram os apropriados atendendo às circunstâncias;

(c) O relatório, bem como os documentos de relato financeiro, apresentados pelo Conselho de Administração não necessitam de quaisquer alterações.

OPINIÃO

Em conclusão, somos de parecer de que o relatório e os documentos de relato financeiro apresentados pelo Conselho de Administração relativamente ao ano findo em 31 de Dezembro de 2010, assim como a sua proposta de afectação de resultados, sejam aprovados na próxima Assembleia Geral Ordinária de Accionistas, em 28 de Março 2011.

Macau, aos 18 de Março de 2011.

O Conselho Fiscal,
- Presidente e Auditor Registado (0186) — da Conceição Reisinho, Fernando Manuel
- Vice-Presidente — Anderson, Roderick Stuart
- Vogal — Yuen Leung Kui Kennith

Síntese do parecer dos auditores externos

Para os accionistas do Banco Comercial de Macau, S.A.
(Constituído em Macau como sociedade anónima de responsabilidade limitada)

As demonstrações financeiras resumidas anexas do Banco Comercial de Macau, S.A. (o «Banco») referentes ao exercício findo em 31 de Dezembro de 2010 resultam das demonstrações financeiras auditadas e dos registos contabilísticos referentes ao exercício findo naquela data. Estas demonstrações financeiras resumidas, as quais compreendem o balanço em 31 de Dezembro de 2010 e a demonstração dos resultados do exercício findo naquela data, são da responsabilidade do Conselho de Administração do Banco. A nossa responsabilidade consiste em expressar uma opinião, unicamente dirigida a V. Ex.as, enquanto accionistas, sobre se as demonstrações financeiras resumidas são consistentes, em todos os aspectos materiais, com as demonstrações financeiras auditadas e com os registos contabilísticos do Banco, e sem qualquer outra finalidade. Não assumimos responsabilidade nem aceitamos obrigações perante terceiros pelo conteúdo deste relatório.

Auditámos as demonstrações financeiras do Banco referentes ao exercício findo em 31 de Dezembro de 2010 de acordo com as Normas de Auditoria e Normas Técnicas de Auditoria emitidas pelo Governo da Região Administrativa Especial de Macau, e expressámos a nossa opinião sem reservas sobre estas demonstrações financeiras, no relatório de 23 de Fevereiro de 2011.

As demonstrações financeiras auditadas compreendem o balanço em 31 de Dezembro de 2010, e a demonstração dos resultados, a demonstração de alterações no capital próprio e a demonstração dos fluxos de caixa do exercício findo naquela data, e um resumo das principais políticas contabilísticas e outras notas explicativas.

Em nossa opinião, as demonstrações financeiras resumidas são consistentes, em todos os aspectos materiais, com as demonstrações financeiras auditadas e com os registos contabilísticos do Banco.

Para uma melhor compreensão da posição financeira do Banco, dos resultados das suas operações e do âmbito da nossa auditoria, as demonstrações financeiras resumidas em anexo devem ser lidas em conjunto com as demonstrações financeiras auditadas e com o respectivo relatório do auditor independente.

Cheung Pui Peng Grace
Auditor de contas
PricewaterhouseCoopers

Macau, aos 12 de Maio de 2011.

Instituições em que o Banco detém participações superiores a 5% do respectivo capital ou superiores a 5% dos seus fundos próprios

NOME DAS INSTITUIÇÕES PERCENTAGEM
Nenhuma. -

 

ACCIONISTAS QUALIFICADOS    
NOME DO ACCIONISTA NÚMERO DE ACÇÕES PERCENTAGEM
Dah Sing Bank, Limited 702,000 78%
DSB BCM (1), Limited 99,000 11%
DSB BCM (2), Limited 99,000 11%

 

ÓRGÃOS SOCIAIS  
MESA DA ASSEMBLEIA GERAL  
Leonel Alberto Alves Presidente
Liu Chak Wan Secretário
Ma Iao Lai Secretário
CONSELHO FISCAL  
Fernando Manuel da Conceição Reisinho Presidente
Anderson, Roderick Stuart Vice-Presidente
Yuen Leung Kui Kennith Vogal
CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO  
David Shou-Yeh Wong Presidente
Hon-Hing Wong (Derek Wong) Membro
Gary Pak-Ling Wang Membro
Harold Tsu-Hing Wong Membro
Lung-Man Chiu (John Chiu) Membro
Sou-Chao Chan (Kenneth Chan) Membro
António Candeias Castilho Modesto Membro
Alick Yuk-Fai Chiu Membro

(a) exonerado em 29/3/2010.

(b) nomeação mudada em 16/9/2010.


[ Página Anterior ][ Versão Chinesa ]

   

 < ] ^ ] 

    

Versão PDF optimizada para Adobe Reader 7.0 ou superior.
Get Adobe Reader