< ] ^ ] 

    

[ Página Anterior ][ Versão Chinesa ]

REGIÃO ADMINISTRATIVA ESPECIAL DE MACAU

      Anúncios notariais e outros

2.º CARTÓRIO NOTARIAL DE MACAU

CERTIFICADO

二龍喉健身會

為公佈之目的,茲證明上述社團之章程已於二零零七年五月二十三日,存檔於本署之2007/ASS/M1檔案組內,編號為70號,有關條文內容如下:

會名、地址及宗旨

1. 名稱:本會定名為【二龍喉健身會】。

2. 會址設在:澳門高士德大馬路康樂村94號P地下,或理事會通過之辦事處。

3. 本會為非牟利團體。

4. 宗旨:發揚中華武術,推廣和發展武術體育活動,促進廣大市民對體育運動的興趣,參與官方或民間社團舉辦的武術體育賽事,同時開展文化及康樂活動。

會員

1. 凡本澳愛好運動及支持參與者,願意遵守會章,經申請獲理事會通過,方為會員。

2. 會員有下列權利和義務:

(1)選舉權與被選舉權;

(2)參與本會各項活動;

(3)遵守會章及決議;

(4)繳納會費;

(5)退會。

3. 會員如有違反會章或有損本會聲譽者,經理事會通過,可取消其會員資格。

組織架構

1. 會員大會為本會最高權力機構,設會長一人,副會長及秘書,總人數為單數,由會員大會選出,任期三年,可連選連任。另可選聘榮譽性質之會長、顧問協助會務發展。會員大會職權如下。

(1)制定或修改會章;

(2)選舉理監事會領導人員;

(3)決定工作方針及計劃。

2. 理事會設理事長一人,及其他理事,總人數為單數,任期三年,可連選連任。理事會為本會執行機關,其職權如下:

(1)執行會員大會決議;

(2)向會員大會報告工作和財務狀況;

(3)決定會員的接納或除名。

3.監事會設監事長一人,及其他監事,總人數為單數,任期三年,可連選連任。監事會負責審查監督本會行政及財務狀況等有關的事務。

4. 會員大會每年最少召開一次。如有需要,可召開特別會議,按現行法規通知召開會議,而決議取於出席會員票數通過。

5. 解散應有四分之三全體會員通過,視為有效。

經費

1. 社會贊助,饋贈,利息及會費。

活動

1. 舉辦及參與太極拳、柔力球、元極舞、木蘭拳、健身操等活動。

註:本章程未及詳盡之處,將按「民法典」執行,及由理事會另訂細則補充。

Está conforme.

Segundo Cartório Notarial de Macau, aos vinte e três de Maio de dois mil e sete. — A Ajudante, Wong Wai Wa.


2.º CARTÓRIO NOTARIAL DE MACAU

CERTIFICADO

澳門機電從業員協會

葡文名稱為“Associação dos Profissionais de Electromecânica de Macau”

英文名稱為“Macau Electrical & Mechanical Professionals Association”

為公佈之目的,茲證明上述社團之章程已於二零零七年五月二十一日,存檔於本署之2007/ASS/M1檔案組內,編號為69號,有關條文內容如下:

第一章

名稱、地址及宗旨

第一條—— 名稱:本會名為“澳門機電從業員協會”;中文名是“澳門機電從業員協會”;葡文名是“Associação dos Profissionais de Electromecânica de Macau”;英文名是“Macau Electrical & Mechanical Professionals Association”。

第二條—— 地址:

1. 本會地址設於澳門羅神父街27號華業大廈5樓A-B座。

2. 經理事會批准,會址可遷至本澳任何地方。

第三條—— 宗旨:

1. 聯繫本澳地區從事與機電有關行業的人士,藉以增進友誼,促進對本澳社會的參與和貢獻;

2. 提高本行從業員的專業知識,開辦技術進修班,舉辦專題講座,出版刊物,報導本行業於社會的發展最新動態;

3. 通過旅遊參觀訪問,加強與內地及其他鄰近地區本行業人士聯繫交流與合作,共同促進各該地區的發展活動。

第二章

會員資格、權利及義務

第四條—— 會員資格:

1. 凡本澳居民,年滿18歲而從事與機電(包括:電氣、供排水、消防、空調、弱電等系統之工程設計、承裝工程、材料供應等公司的僱主或僱員)有關行業的從業員,均可申請入會。

2. 外地名譽會員,而入會條件(1)由一名現任理事推薦;(2)提供當地專業資格證明,而供應商要具備公司資料。

3. 而成為本會名譽會員,將有權參與本會所舉辦之活動及享受會員應有福利,但沒有選舉權及被選舉權,而本會不向其提供本地專業資格証明。

第五條—— 會員:本會會員分為三種:

1.創會會員:凡在籌備成立本會期間,擔任籌委會委員的成員,均成為本會創會會員;

2.永遠會員:凡在本會成立期間入會,而一次繳交由籌委會通過指定之入會費,均為本會永遠會員,當選出理監事時,該項入會費,由理事會厘定應為若干。當成為永遠會員,以後再不需繳付任何年費;

3. 會員:凡符合第四條所指的從業員,可申請入會,經常務理事會核對資格後,均成為本會會員。

第六條—— 會員(包括創會會員、永遠會員、會員)之權利:

1. 有選舉權及被選權:新會員入會需滿3月才享有選舉權,而入會滿12個月才享有被選舉權。

2. 參加本會舉辦之各項活動,及享受本會所有之一切設備的權利。新入會會員即可參加本會舉辦之各項活動,而滿3個月,才可享有本會會員之各項福利。

3.對本會工作提出批評或建議的權利。

第七條—— 會員之義務:

1. 遵守本會章程及執行本會理事會之決議;

2. 維護本會名譽及合法權益;

3. 積極參與及協助支持本會所舉辦之各項活動;

4.會員必須有義務繳交會員年費。(永遠會員除外)

第八條—— 會員資格之喪失:

1. 由其本人書面向理事會通知退會;

2. 其行為有損害本會聲譽及利益時,經常務理事會決議後;

3. 除理事會接受其解釋,任何會員欠繳或拒繳年費兩次或以上者。

第三章

本會之組織架構

第九條—— 本會組織架構包括:

1. 會員大會;

2. 理事會;

3. 監事會。

第十條—— 組織架構之產生:

1. 經會員大會通過投票選舉產生:正副會長及理監事名額上限為35名,下限為23名(視參選人數多少而定,取其最大之當選單數為基準)。

2. 在應屆當選理事中互選產生:

A. 會長一名,副會長四名;

B. 理事會理事21名至27名(視當選人數而定且須為單數),其中常務理事十一名(包括理事長一名,副理事長四名,秘書壹名,財政壹名);

C. 監事會監事五名:其中監事長一名,副監事長二名,監事二名。

3. 上述2點之理監事成員每屆任期三年,連選得連任。

第十一條—— 會員大會:

1.會員大會由所有選舉權之會員組成,其決議在法定範圍內具有最高權力。其職權為:

A. 選出大會主席團成員;

B. 討論及通過理事會之會務報告及財務報告;

C. 對修改會章建議作出決議;

D. 對本會之解散作出決議。

2. 會員大會之法定人數應由不少於二分之一有選舉權之會員組成,但到開會時,到會者少於法定人數,大會須延遲半小時後舉行,到時人數不論多少,可視作法定人數。

3. 會長之職責:

A. 代表本會;

B. 召開及主持會員大會。(當會長缺席時由副會長中互選一名代替)

C. 會員大會之決議,倘贊成與反對票相同時,會長有權投決定性之一票。

第十二條—— 理事會:

1. 會員大會休會期間,會務工作由理事會執行其職責:

A. 於每年召開之會員大會上,出示周年會務報告,財政報告及下年度之活動計劃,以便會員大會通過;

B. 制定第五條2、3點中之會員入會費及年費;

C. 按會務需要,向會員大會建議修改會章;

D. 可聘請對本會有貢獻之人士或社會知名人士為本會名譽會長及擔任顧問。

2. 理事會之決議,須由理事會成員半數以上票數確定,倘贊成與反對票相等,理事長有權投決定性之一票;

3. 理事長之職責:

A. 召開及主持理事會;

B. 領導理事會處理本會會務工作;

C. 簽署本會會務所需及有關財務收支之一切文件。

4. 副理事長之職責:副理事長之主要職責在協助理事長及當理事長缺席時互選一名代替;

5. 理事會秘書之職責:

A. 登記會員之註冊入檔案;

B. 作會員大會及理事會之會議記錄。

▲註:按會務需要秘書一職可向外聘請,但該秘書在會議上無投票權。▲

6. 理事會財政之職責:

A. 處理本會之帳戶及整理有關收據;

B. 支付本會之開銷;

C. 在理事會或監事會之要求下,出示有關本會財政狀況。

第十三條—— 監事會:

1. 監事會之職責:

A. 對理事會之會務報告,財政報告及其它事項提出書面意見;

B. 參加理事會議,但在會上無表決權。

2. 監事長之職責:

A. 召開及主持監事會;

B. 在監事會決議時,倘贊成與反對票相等時,監事長有權投票決定性之一票。

3. 副監事長之職責:監事長缺席時互選一名代替。

第四章

財政

第十四條—— 經費來源:

1. 會員入會會費,及每年年費;

2. 會員及熱心人士的捐助;

3. 接受政府的贊助;

4. 舉辦各活動及服務的收益。

第十五條—— 經費支出:

1. 本會的日常開支,及舉辦活動之一切開支;(須經理事長或副理事長簽署)。

2. 理事會須以本會名義在銀行開設戶口,戶口之使用,須最少兩名理事簽署,而該兩名理事,必須一名為財政,而另一名為本會理事長或副理事長。

第五章

會章之修改及解釋

第十六條—— 會章之解釋:本會之會章若有任何疑問發生,而沒有適當資料以供參考時,則以理事會之決定為最高準則。

第十七條—— 會章之修改:修改會章需在會員大會中進行,如會議進行時少於半數有投票權之會員出席,則會員大會須延遲半小時後舉行,到時人數不論,而出席之會員人數,可成為法定人數。

Está conforme.

Segundo Cartório Notarial de Macau, aos vinte e um de Maio de dois mil e sete. — A Ajudante, Wong Wai Wa.


2.º CARTÓRIO NOTARIAL DE MACAU

CERTIFICADO

聯薪廣場業主會

葡文名稱為“Associação do Condomínio do Luen San Plaza”

為公佈之目的,茲證明上述社團之章程已於二零零七年五月十七日,存檔於本署之2007/ASS/M1檔案組內,編號為67號,有關條文內容如下:

聯薪廣場業主會章程

第一條

會址與目標

一.本會名稱為“聯薪廣場業主會”,葡文名稱為“Associação do Condomínio do Luen San Plaza”。

二.本會會址設於澳門沙梨頭新街22號聯薪廣場第三座29樓R座,經理事會決議,本會會址可遷往本澳任何地方。

三.本會目的是在澳門特別行政區法律制度下,保障業主的合法權益,以利業主安居樂業。本會為非牟利團體。

四.聯薪廣場業主或租賃人均為本會之當然成員。

第二條

會員的權利與義務

一.會員的權利:

甲.參加全體會員大會;

乙.有選舉權和被選舉權;

丙.參加本會舉辦之活動。

二.會員的義務:

甲.遵守本會章程和決議。

乙.向本會及其常設執行委員會提供聯絡資料(資料保密)。

丙.建立睦鄰互助關係。

第三條

全體會員大會

一.會員大會是本會最高權力機構,由本大廈所有業主組成。會員大會每年召開一次,至少提前十日通知召集。開會時,如人數不足半數,則順延一小時舉行,屆時不論人數多寡,會議如期舉行,決議則以出席者之多數票通過而作實。

二.經半數以上理事會成員或經十分之一的業主聯名要求,亦可召開大會。

三.全體會員大會的職能:

甲.審議理事會的年度報告;

乙.選舉產生理事會和監事會;

丙.修改業主會章程。

第四條

理事會

一.理事會由五人或以上單數成員組成,任期為二年,由會員大會選出,可連選連任。由理事會互選出主席團,負責召開會議,主持會議和編寫會議記錄,並代表出席大會之業主簽署會議記錄等工作。主席團設主席一名,各職能理事互選產生。

二.理事會成員在任職期間若將其單位出售,而該理事已不是本大廈之業主時,其職位即被罷免。而其職位可由會員大會,開會決議通過,另邀一名業主填補。

三.理事會如有需要時,由主席召開會議。會議在有過半數理事出席時,方可議決事宜,決議需經各出席理事委員之多數通過,票數相同時,主席之投票具有決定性。

四.職能:

甲.執行全體會員大會的決議,決議以多數人的意見通過;

乙.管理業主會的事務及發表工作報告;

丙.召開全體會員大會;

丁.在全體會員大會閉會期間,代表業主執行大會決議及處理大廈相關事務;

戊.於會員大會舉行前十天發出會議議程及於會員大會後十五天內張貼會議記錄於本廈大堂。

第五條

監事會

一.監事會由三名成員或以上單數成員組成,任期為二年,由會員大會選出,可連選連任。監事會互選產生一名監事長。

二.監事會成員在任職期間若將其單位出售,而該監事已不是本大廈之業主時,其職位即被罷免。而其職位可由會員大會,開會決議通過,另邀一名業主填補。

三.職能:

甲.審核理事會的工作報告。

乙.審核財務報告。

四.監管業主會的收支。

第六條

附則

以上未有列明之處,概以《民法典》有關規定為依據而處理。

Está conforme.

Segundo Cartório Notarial de Macau, aos dezassete de Maio de dois mil e sete. — A Ajudante, Graciete Margarida Anok da Silva Pedruco Chang.


2.º CARTÓRIO NOTARIAL DE MACAU

CERTIFICADO

澳門菁英高爾夫球協會

英文名稱為“Macau Elite Golf Association”

英文簡稱為“M.E.G.A. ”

為公佈之目的,茲證明上述社團之章程已於二零零七年五月十七日,存檔於本署之2007/ASS/M1檔案組內,編號為68號,有關條文內容如下:

澳門菁英高爾夫球協會

第一章

總則

第一條——本會之中文名稱為“澳門菁英高爾夫球協會”,英文名稱為“Macau Elite Golf Association” ,英文簡稱為“M.E.G.A.”。

第二條——本會會址設於澳門冼星海大馬路布魯塞爾街南岸花園159號V舖。

第三條——本會宗旨:“澳門菁英高爾夫球協會”為非牟利組織,其宗旨是團結澳門從事高爾夫球運動之人士,技術交流,提升本地運動員之競技水準,並推廣本澳與外地高爾夫球運動之交流與發展。

第二章

會員

第一條——凡對高爾夫球運動有興趣之人士且願意接受本會之章程,均可加入本會,及參加本會舉辦之一切活動,享有本會一切福利與權益及應盡之義務。

第二條——會員之權益:

1. 可參加本會之會員大會;

2. 有選舉與被選舉權;

3. 有對會務做出建議及批評之權;

4. 可參與本會所舉辦之任何活動。

第三條——會員之義務:

1. 遵守本會之章程及會員大會通過之決議案;

2. 如期繳納會員費;

3. 積極參與本會所舉辦之任何活動,維護本會的聲譽,促進本會之進步與發展。

第四條——凡會員違反會章,損害本會聲譽及利益者,經理事會決議,予以取消其會員之資格。

第三章

組織

第一條——本會之組織架構包括:會員大會,理事會及監事會組成,理事會及監事會各領導成員均由會員大會中選出,任期為三年,連選得連任,選舉形式是以不記名投票進行。

第二條——會員大會由所有會員組成,為本會的最高權力機構,其職權如下:

1. 通過及修改會員章程,章程之修改須有四分之三出席之會員同意方可;

2. 選舉理事會及監事會成員或革除其職務;

3. 討論及通過理事會之年度工作報告及財務報告,及其他重要事項;

4. 會員大會設會長一名,副會長四名,負責大會的主持及召開;

5. 會員大會,例行大會每年舉行一次,由會長召集,而特別會員大會由理事會視需求召集,或因應不少於五分之一全體會員要求下而召開,並於會議召開前八天以郵寄或電話及簡訊通知各會員,並說明日期,時間,地點,及議程。

第三條——理事會是本會行政及執行機構,設理事長一名,秘書長一名,副理事長及秘書一名或以上所組成(但必須為單數),理事會成員由會員大會選舉產生,其職責如下:

1. 領導本會,處理其行政工作及所有相關活動;

2. 決定及辦理新會員入會及革除會籍之事宜;

3. 決定及辦理對本會有特殊貢獻之人士給予名譽會籍;

4. 在會員大會做會務報告及財務報告;

5. 理事長對外依照本會宗旨代表本會。

第四條——監事會成員由會員大會選舉產生,包括監事長一名和監事兩名,其職責如下:

1. 監察理事會之行政活動;

2. 查核本會之財務及收支狀況。

第四章

財政收支

第一條——本會之收益作為本會活動之經費。

第二條——本會所有支出須由理事會協商決定。

第三條——理事會認為有必要時可對外募捐。

第五章

本協會之會徽

Está conforme.

Segundo Cartório Notarial de Macau, aos dezassete de Maio de dois mil e sete. — A Ajudante, Graciete Margarida Anok da Silva Pedruco Chang.


CARTÓRIO NOTARIAL DAS ILHAS

CERTIFICADO

領攀會

Clube de Escalada «Lider»

為公布的目的,茲證明上述社團的設立章程文本自二零零七年五月二十一日起,存放於本署之“2007年社團及財團儲存文件檔案”第1/2007/ASS檔案組第13號,有關條文內容載於附件。

領攀會

Clube de Escalada «Lider»

(設立章程)

(一)宗旨

1. 本會中文名稱定為“領攀會”,葡文名稱為“Clube de Escalada «Lider»”。

2. 本會為非牟利團體,全力推動澳門攀登運動之發展;培訓人才(包括:運動員,裁判員,教練等);讓青少年通過這項有益身心之運動,建立正確的人生觀。

3. 本會地址:美的路主教街十號同益大廈五樓A座。

(二)會員資格、權利與義務

4. 凡本澳愛好攀登運動,積極參加該活動者,願意遵守會章,經理事會通過,方為會員。

5. 會員有下列權利和義務:

(1)選舉權與被選舉權;

(2)批評及建議;

(3)參加本會各項活動;

(4)遵守會章及決議;

(5)繳納會費。

6. 會員如有違反會章或有損本會聲譽者,經理事會通過,可取消其會員資格。

(三)組織機構

7. 會員大會為本會最高權力機構,設會長壹人、副會長壹人、秘書壹人,任期三年。會員大會職權如下:

(1)制定或修改會章;

(2)選舉理事會及監事會成員;

(3)決定工作方針、任務及計劃。

8. 理事會為本會執行機關,其職權如下:

(1)籌備召開會員大會;

(2)執行會員大會決議;

(3)向會員大會報告工作和財務狀況;

(4)決定會員的接納或除名。

9. 理事會設理事長壹人、副理事長壹人、秘書壹人、理事若干人(總人數必為單數),任期三年;理事會視工作需要,可增聘名譽會長、顧問。

10. 監事會負責稽核及督促理事會各項工作,設監事長壹人、副監事長壹人,監事若干人(總人數必為單數),任期三年。

(四)會議

11. 會員大會每年最少召開一次,如有需要,會長可召開會員大會,而大會決議須為出席會員之絕對多數票方得通過;但法律另有規定者除外。

12. 理事會及監事會每兩個月召開一次,如有特殊情況可臨時召開。

13. 每季度舉行一次會員體育活動。

(五)經費

14. 社會贊助,會費。

二零零七年五月二十一日於海島公證署

二等助理員 林志堅 Lam Chi Kuen


CARTÓRIO NOTARIAL DAS ILHAS

CERTIFICADO

澳門攀族會

Associação do Tribo de Escalada de Macau

為公布的目的,茲證明上述社團的設立章程文本自二零零七年五月二十一日起,存放於本署之“2007年社團及財團儲存文件檔案”第1/2007/ASS檔案組第12號,有關條文內容載於附件。

澳門攀族會

Associação do Tribo de Escalada de Macau

(設立章程)

(一)宗旨

1. 本會中文名稱定為“澳門攀族會”,葡文名稱為“Associação do Tribo de Escalada de Macau”。

2. 本會為非牟利團體,全力推動澳門攀登運動之發展;培訓人才(包括:運動員,裁判員,教練等);讓青少年通過這項有益身心之運動,建立正確的人生觀。

3. 本會地址:澳門俾利喇街14號國成大廈五樓A座。

(二)會員資格、權利與義務

4. 凡本澳愛好攀登運動,積極參加該活動者,願意遵守會章,經理事會通過,方為會員。

5. 會員有下列權利和義務:

(1)選舉權與被選舉權;

(2)批評及建議;

(3)參加本會各項活動;

(4)遵守會章及決議;

(5)繳納會費。

6. 會員如有違反會章或有損本會聲譽者,經理事會通過,可取消其會員資格。

(三)組織機構

7. 會員大會為本會最高權力機構,設會長壹人、副會長壹人、秘書壹人,任期三年。會員大會職權如下:

(1)制定或修改會章;

(2)選舉理事會及監事會成員;

(3)決定工作方針、任務及計劃。

8. 理事會為本會執行機關,其職權如下:

(1)籌備召開會員大會;

(2)執行會員大會決議;

(3)向會員大會報告工作和財務狀況;

(4)決定會員的接納或除名。

9. 理事會設理事長壹人、副理事長壹人、秘書壹人、理事若干人(總人數必為單數),任期三年;理事會視工作需要,可增聘名譽會長、顧問。

10. 監事會負責稽核及督促理事會各項工作,設監事長壹人、副監事長壹人,監事若干人(總人數必為單數),任期三年。

(四)會議

11. 會員大會每年最少召開一次,如有需要,會長可召開會員大會,而大會決議須為出席會員之絕對多數票方得通過;但法律另有規定者除外。

12. 理事會及監事會每兩個月召開一次,如有特殊情況可臨時召開。

13. 每季度舉行一次會員體育活動。

(五)經費

14. 社會贊助,會費。

二零零七年五月二十一日於海島公證署

二等助理員 林志堅Lam Chi Kuen


CARTÓRIO NOTARIAL DAS ILHAS

CERTIFICADO

澳門克柔術協會

為公布的目的,茲證明上述社團的設立章程文本自二零零七年五月二十二日起,存放於本署之“2007年社團及財團儲存文件檔案”第1/2007/ASS檔案組第15號,有關條文內容載於附件。

澳門克柔術協會章程

第一章

名稱,會址及宗旨

第一條——本會定名為“澳門克柔術協會”,葡文名為“Associação de Kurash de Macau”,英文名為“Macau Kurash Association”。

第二條——本會會址設於澳門馬交石炮台馬路1A號建設花園地下B舖,經會員大會通過後,會址可遷移至澳門特別行政區內之任何地點。

第三條——本會的宗旨如下:

(1)在澳門推廣克柔術運動;

(2)加入亞洲及國際克柔術(KURASH)總會,參與及舉辦各類型之國際及地區性克柔術活動及比賽,提高澳門克柔術運動水平;

(3)協助會員培訓運動員及組隊代表澳門參加國際比賽;

(4)參與社會工作,服務社群。

第二章

會員

第四條——壹、凡在澳門依法成立及在體育發展局具登記之社團可獲接納成為會員。

貳、申請成為會員,必須填寫入會申請表,由一名會員推薦再經理事會批准。

第五條——會員的義務:

1)遵守本會章程並參加本會舉辦的各種會務工作;

2)接受本會委託事項並服從本會決議;及

3)按期繳納會費。

第六條——會員的權利:

1)參加會員大會及享有投票權;

2)參加本會所舉辦之各項活動;

3)享有選舉及被選舉權;及

4)對本會的一切工作及各種措施有建議、監督及批評之權利。

第七條——壹、會員如違反其應遵義務或損害本會聲譽及利益,通過理事會議決及按其情節輕重可對其作出以下處分:

1)書面申誡;

2)停止會籍最高至九十天;及

3)開除會籍。

貳、除書面申誡外,其餘任何一項處分均須提請會員大會追認。

叁、被處以上一款2)及/或3)處分的會員有權在收到理事會所發出的通知日起計算,在三十天內向會員大會提出上訴。

第三章

管理機關

第一節

總則

第八條——會員大會,理事會及監事會為本會之管理機關。

壹、各管理機關之成員由會員大會投票選出。

貳、各管理機關之成員之任期為兩年,連選得連任。

第二節

會員大會

第九條——壹、會員大會由全體會員所組成,為本會最高權力機構;

貳、會員大會於每年首季召開一次並由會員大會主席依法召集,以便審核及通過由理事會所提交的上年度之工作及財務報告,由監事會所提交的有關監察報告及意見書,及議決在議程內所列出之任何其他的事項。

叁、特別會員大會可於任何時候由會長,理事會,監事會或過半數會員依法召開。

第十條——會員大會設會長一名、副會長二名及秘書一名。

第十一條——會員大會的職權如下:

1)選舉各管理機關之成員;

2)通過及修改會章;

3)通過理事會及監事會之報告及意見;

4)討論及通過由理事會所提出的決議案;

5)對向其提起之上訴作出裁決;

6)解散本會。

第三節

理事會

第十二條——壹、理事會由9位成員組成,設理事長一名、副理事長二名、秘書一名、司庫一名、理事四名。

貳、理事會每月召開平常會議一次、當理事長認為有需要時、可於任何時間召開特別會議。

第十三條——理事會的職權如下:

1)執行會員大會所通過之決議;

2)對外代表澳門克柔術協會;

3)負責處理日常會務;

4)接納及開除會員;

5)製作財務及工作報告;及

6)按第八條所規定執行處分。

第四節

監事會

第十四條——壹、監事會由3位成員組成,設監事長一名及監事二名。

第十五條——監事會的職權如下:

1)監察理事會的所有行為;

2)審核會計帳目;及

3)對理事會之每年工作及財務報告提出意見。

第四章

經費

第十六條——澳門克柔術協會為一不牟利機構,其經費來源來自會員所繳付的會費及任何形式的捐助。

二零零七年五月二十二日於海島公證署

二等助理員 束承玫Chok Seng Mui


CARTÓRIO NOTARIAL DAS ILHAS

CERTIFICADO

中華炎黃文化澳門促進會

為公佈的目的,茲證明上述社團的設立章程文本自二零零七年五月二十二日起,存放於本署之“2007年社團及財團儲存文件檔案”第1/2007/ASS檔案組第14號,有關條文內容載於附件。

中華炎黃文化澳門促進會章程

第一章

名稱,會址及宗旨

第一條——本會定名為“中華炎黃文化澳門促進會”,葡文名為“Associação de Promoção da Cultura Chinesa Yan Huang de Macau”,英文名為“Macau Association of Promotion of Yan Huang Culture of China”。

第二條——本會會址設於澳門馬交石炮台馬路1A號建設花園地下B舖,經理事會通過後,會址可遷移至澳門特別行政區內之任何地點。

第三條——本會的宗旨如下:

(一)堅持先進文化的前進方向,貫徹以人為本、全面協調、可持續的科學發展觀,弘揚中華民族優秀文化,振奮民族精神,廣泛聯繫和團結海內外炎黃子孫,為構建社會主義和諧社會,推進現代化建設,完成祖國和平統一,實現中華民族偉大復興做貢獻。

(二)遵守澳門特別行政區基本法、法律、法規、國家和澳門特別行政區政策,遵守社會道德風尚。

(三)加入國際/世界總會,參與及舉辦各類型之國際及地區性中華炎黃文化活動。

(四)參與社會工作,服務社群。

第二章

會務範圍

第四條——本會的會務範圍包括:

(一)開展弘揚中華民族優秀文化的學術活動,特別著重組織並推動關於中華文化面向二十一世紀的學術研究。

(二)收集、整理炎黃文化史料,編輯、出版有關中華優秀文化的專刊、音像制品和電子出版物;舉辦普及中華優秀文化知識的各類講座。

(三)支持有關部門和團體進行歷史文化遺跡、文物的整修和保護。

(四)在有關部門批准或委託授權下,組織開展紀念我國重大節日、重大歷史事件和重要歷史文化名人的活動。

(五)廣泛開展與海內外有關社會團體和人士的文化交流與合作。

(六)為社會各界弘揚中華民族優秀文化活動提供咨詢服務,承辦科研成果推廣和文化產品項目開發。

第三章

會員

第五條——壹.本會的會員分為團體會員和個人會員。

貳.凡承認本會章程的專家、學者、社會活動家、企業家及熱心研究和弘揚炎黃文化的各界人士可申請成為本會個人會員。

叁.申請成為會員,必須填寫入會申請表,由一名會員推薦再經理事會批准。

肆.凡在澳門依法成立之社團,由該社團申請,經理事會批准,可獲接納成為本會團體會員。

第六條——會員的權利:

(一)參加會員大會及享有投票權;

(二)參加本會所舉辦之各項活動;

(三)優惠獲得本會出版書刊資料的權利;

(四)享有選舉及被選舉權;

(五)對本會的一切工作及各種措施有建議、監督及批評之權利;

(六)入會自願,退會自由。

第七條——會員的義務:

(一)遵守本會章程;

(二)積極參加本會舉辦的各種會務工作和活動;

(三)接受本會委託事項並服從本會決議;

(四)維護本會合法權益;

(五)按規定繳納會費。

第八條——會員退會要書面通知本會,並交回會員證書。

第九條——壹.會員如有嚴重違反本章程或損害本會聲譽及利益的行為,經理事會議決通過,按其情節輕重可對其作出以下處分:

(一)書面申誡;

(二)停止會籍最高至九十天;

(三)開除會籍。

貳.除書面申誡外,其餘任何一項處分均須提請會員大會追認。

叁.被處以上一款(二)及/或(三)處分的會員有權在收到理事會所發出的通知日起計算,在三十天內向會員大會提出上訴。

第四章

管理機關

第一節

總則

第十條——會員大會,理事會及監事會為本會之管理機關。

壹.各管理機關之成員由會員大會投票選出。

貳.各管理機關之成員之任期為三年,連選得連任。

第二節

會員大會

第十一條——壹.會員大會由全體會員所組成,為本會最高權力機構;

貳.會員大會於每年首季召開一次並由會員大會主席依法召集,以便審核及通過由理事會所提交的上年度之工作及財務報告,由監事會所提交的有關監察報告及意見書,及議決在議程內所列出之任何其他的事項。

叁.特別會員大會可於任何時候由會長,理事會,監事會或會員依法召開。

第十二條——會員大會設會長一名,副會長二名或以上及秘書長一名。

第十三條——會員大會的職權如下:

(一)選舉各管理機關之成員;

(二)通過及修改會章;

(三)通過理事會及監事會之報告及意見;

(四)審議及通過由理事會所提出的決議案;

(五)對向其提起之上訴作出裁決;

(六)決定本會終止事宜;

(七)決定本會其他重大事項。

第三節

理事會

第十四條——壹.理事會是會員大會的執行機構,領導本會開展經常性工作,對會員大會負責。

貳.理事會由7位或以上成員組成,總人數須為單數,設理事長一名、副理事長二名、秘書長一名、司庫一名、其餘成員為理事。

叁.理事會每月召開平常會議一次,當理事長認為有需要時,可於任何時間召開特別會議。

第十五條——理事會的職權如下:

(一)執行會員大會所通過之決議;

(二)對外代表“中華炎黃文化澳門促進會”;

(三)負責處理日常會務;

(四)接納及開除會員;

(五)製作財務及工作報告;

(六)按第九條規定執行處分。

第四節

監事會

第十六條——壹.監事會由5位或以上成員組成,總人數須為單數,設監事長一名,副監事長二名及其餘為監事。

第十七條——監事會的職權如下:

(一)監察理事會的所有行為;

(二)審核會計帳目;

(三)對理事會之每年工作及財務報告提出意見。

第五節

名譽職位和榮譽稱號

第十八條——本會設名譽會長、名譽顧問、顧問、名譽理事,由理事會聘請。

第十九條——根據需要,由理事會決定,授予對於炎黃文化事業做出突出貢獻的海內外人士榮譽稱號。

第五章

經費

第二十條——“中華炎黃文化澳門促進會”為一不牟利機構,其經費來源:

(一)會費;

(二)捐贈;

(三)其他合法收入。

第六章

章程的修改程序

第二十一條——對本會章程的修改,須經理事會通過後報會員大會審議通過。

二零零七年五月二十二日於海島公證署

二等助理員 束承玫Chok Seng Mui


CARTÓRIO PRIVADO

MACAU

CERTIFICADO

澳門酒店旅業商會

Certifico, para publicação, que se encontra depositado neste Cartório desde vinte e dois de Maio de dois mil e sete sob o número dois no Maço de documentos referentes a Associações e Fundações do ano 2007, um exemplar dos Estatutos alterados da Associação em epígrafe, do teor seguinte:

澳門酒店旅業商會章程

第一章

總則

第一條——本會定名為:「澳門酒店旅業商會」。

葡文:Associação dos Hoteleiros de Macau。

英文:Macau Hoteliers & Innkeepers Association。

本會以團結互助,促進業務,辦好福利為宗旨。

第二條——本會屬非牟利社團組織,受澳門現行法例規範。

第三條——本會宗旨如下:

(一):推動澳門酒店旅業的發展;

(二):維護澳門酒店旅業的合法權益;

(三):促進和加強澳門酒店旅業同業之間的團結和聯繫;

(四):促進同業與其他行業之間的和諧關係;

(五):促進與鄰近地區同業之間的交流與合作;

(六):積極支持社會發展及公益事業。

第四條——本會自置會址:澳門南灣巷十號雅苑閣B座二樓。

第二章

組織

第五條——商會實行會長制,下設理、監事會,任期三年,連選連任。

第六條——會員大會為本會最高權力機構。會員大會由所有擁有投票權的會員組成。會員大會閉會期間,以會長及其所領導之理、監事會作為執行決策機構。

第七條——本會設會長一名,副會長二至十名,理事長一名,副理事長二名至十名,常務理事五至十五名,理事二至十六名。監事長一名,副監事長二名。理事會可增補或調整理事會成員組成,理事會通過上述增補或調整理事會成員議案後,報會長審批同意後生效。

第八條——正副會長及理、監事成員各職銜由當選人互選產生。榮譽會長、名譽會長及顧問則由理、監事會推舉呈會長決定聘任之。

第九條——理事會下設:總務、財務、交際、福利、聯絡、康樂、稽核等七組,每組設正主任一人,副主任一至二人,由理事互選兼任之;有需要時則另聘幹事若干人,協助各組工作。

第十條——本會聘秘書一人,職工一至三人,處理文書及日常雜務,由理、監事會負責聘任。

第三章

權限

第十一條——會員大會權限:

(一)選出會長成員;

(二)選出理、監事會;

(三)審議和表決本會領導層提交的工作報告、財務報告;

(四)審核和修改本會章程及擁有最終表決權;

(五)裁定會員提出的上訴;

(六)決定其他任何關乎本會整體利益的重大事項。

第十二條——會長權限:

(一)對外代表本會,對內領導會務。參加會議及有表決權;

(二)代表本會簽署對外、對內的相關文件;

(三)代表本會參與社會有關活動;

(四)出現贊成和反對各半的情況時,有權作出最後裁決;

(五)領導理事會執行議決的有關工作。

第十三條——理事長權限:

(一)在會長領導下處理和管理本會會務;

(二)遵守和執行本會章程及會員大會決議;

(三)制訂內部規章和擬訂修改本會章程的建議書;

(四)編制向會員大會提交的工作報告和財務報表;

(五)按照本會章程規定,聘請或解僱受薪員工;

(六)在會員大會閉會期間,討論和處理其他任何一切緊急事項。

第十四條——監事會權限:

(一)對理事會日常工作進行監督;

(二)設立內部稽核制度,對本會賬目進行審核。

第四章

會員及入會之申請

第十五條——本會會員分為店號和個人會員:

(一)店號會員

持有營業牌照的本澳酒店、賓館、別墅、旅館等商號,均可申請加入本會成為店號會員。符合入會資格的申請店號,須由本會會員介紹,填具入會申請表,並經理、監事會審核通過,呈會長批准成為店號會員。

(二)個人會員

曾受聘為本會顧問或曾任理、監事暨對本會曾作出貢獻的人士,經理、監事會審核通過,呈會長批准成為本會個人會員。

第五章

權利與義務

第十六條——本會會員享有以下權利:

(一)有選舉權,被選舉權;

(二)在會員大會有建議及表決之權利;

(三)如遇業務發生困難,可向本會提出,在合理合法原則下及可能範圍內予以協助解決;

(四)享受本會一切福利之權利。

第十七條——本會會員應負下列義務:

(一)遵守本會章程、內部規章及履行一切決議案的義務;

(二)有按時全額繳納會費及其他費用之義務;

(三)有維護本會會譽及支持會務之義務。

第六章

違章處理

第十八條——本會會員觸犯下列情況之一者,理、監事會有權根據情況予以譴責,必要時可終止其會籍:

(一)違反本會章程;

(二)拒絕或拖延繳納會費;

(三)藉本會名義在外招搖撞騙;

(四)作出破壞本會名義及利益的言行。

第十九條——會員如對譴責或終止會籍有異議,可在收到處理通知之日起十五天限期之內向理、監事會作出書面申訴。

第二十條——凡主動退會或被終止其會籍的會員,其已繳納的基金費及會費概不發還。

第七章

會議

第二十一條——本會會員大會每年召開一次,如有半數會員聯名請求或理、監事會或會長認為必要時,得召開臨時會員大會。會員大會(或臨時會員大會)須有三分一會員出席,方能開會,並有出席過半數人同意,方得通過決議。

第二十二條——理事會原則上每月召開會議一次,以過半數理事出席方能召開,並須出席會議的過半數同意,方能通過決議。

第二十三條——監事會原則上每月召開會議一次,以過半數出席方能開會。

第二十四條——凡會議應有會議紀錄,紀錄應有會議主持及出席者的簽名。

第八章

經費

第二十五條——本會主要經費來源為會員繳交的基金或會費,亦接受資助、捐贈等,遇有特殊需要或經費不足時,由理、監事會通過後籌募。

第二十六條——本會經費項目如下:

(一)基金:

A.店號會員:甲等(三星級或以上酒店)五佰元;乙等(一、二星級酒店)貳佰伍拾元;丙等(除甲等、乙等的其他店號)壹佰元;

B.個人會員:壹佰元。

(二)月費:

A.店號會員每月繳納會費:甲等壹佰元;乙等捌拾元;丙等陸拾元;丁等肆拾元;戊等貳拾元。

B.個人會員每月繳納會費貳拾元。

第二十七條——基金作為本會之儲備,主要用於為完成本會宗旨的各種專項用途。會費則主要用於本會的日常維持開支。每年度剩餘之會費劃歸基金。基金及會費分開兩個賬戶。

第二十八條——會員積欠會費三個月以上者,停止享受一切權利,六個月以上作自動退會論。

第九章

附則

第二十九條——本會始創於一九六五年,並於一九六七年七月八日在政府登記注冊,原名為「澳門旅業商會」。為發展會務及因應形勢需要,經第十七屆理、監事會提案,更改會名為「澳門酒店旅業商會」,在第十七次會員大會確認。

第三十條——本章程經會員大會通過施行。

第三十一條——理、監事會可根據本章程擬定內部章程,規定章程中沒有列明的其他事項同。

第三十二條——本章程如有未盡之處,可由會員大會修改之。

二零零七年五月二十二日

私人公證員 許輝年

Está conforme.

Cartório Privado, em Macau, aos vinte e dois de Maio de dois mil e sete. — O Notário, Philip Xavier.


第 一 公 證 署

證 明

澳門三灶同鄉會

為公佈的目的,茲證明上述社團的修改章程文本自二零零七年五月二十三日起,存放於本署的社團及財團存檔文件內,檔案組1號41/2007。

澳門三灶同鄉會章程

第一章

總則

第一條——本會中文名為“澳門三灶同鄉會”,葡文名為“Associação dos Naturais de Sam Chou, de Macau”。

第二條——本會設於澳門巴素打爾古街201號3樓D座。

第三條——本會宗旨愛國愛澳門愛家鄉,團結互助旅澳鄉親,加強與家鄉密切聯繫,關懷會員在鄉家屬,加強海外同鄉社團聯繫,保持與澳門各社團友好關係,為兩地繁榮發展作出貢獻。

第二章

會員

第四條——凡居澳門之三灶居民及家屬和關心三灶澳門兩地交往的熱心人士,均可申請入會,經理事會批准後,可成為會員。

第五條——會員之權利:

(1)可參加本會會員大會。

(2)有選舉權與被選舉權。

(3)有對會務作出建議及批評之權利。

(4)可參加本會舉辦之任何活動及享受會員福利。

第六條——會員之義務:

(1)遵守本會章程及會員大會通過之決議案。

(2)積極參加本會各項會務及活動。

(3)依期繳付會費。

第七條——凡會員違反會章,破壞本會名譽或損害本會信用與利益,經理事會調查屬實,按情節輕重分別給予勸告,警告,革除會籍之處分,情節嚴重者按法例處理。

第三章

組織

第八條——本會的組織架構包括:會員大會,理事會及監事會,各領導成員由會員大會中選出,任期為三年,可以繼續連任。

第九條——會員大會由所有會員組成,為本會最高權力機構,其職權如下:

(1)負責選舉各領導部門之成員及革除其職務。

(2)討論及通過理事會之每年工作報告及財務報告。

(3)修訂會費。

第十條——會員大會每年舉行一次,由會長召集,特別會員大會可由理事會臨時召集之。

第十一條——本會設會長一人及副會長若干人,會長對外依照章程代表本會。

第十二條——理事會設理事長一名,副理事長,理事和秘書若干人組成,成員必需為單數,職權如下:

(1)領導本會,處理行政工作及維持其所有活動。

(2)決定新會員入會事宜及革除會員之會籍。

(3)對本會有特殊貢獻之人士給予榮譽或名譽會籍。

(4)在會員大會作會務活動報告及財務報告。

第十三條——監事會設監事長一名及監事二名組成,職權如下:

(1)監察理事會之行政活動。

(2)查閱賬目及財政收支狀況。

第四章

財政收支

第十四條——本會之收益作為本會活動基金及會員福利。

第十五條——本會接受政府資助,社團及各界人士的贊助和捐贈,會費收入。

第十六條——所有支出須由理事會議協商決定。

第五章

附則

第十七條——章程得由會員大會按現行法例討論修改。

第十八條——會徽:

二零零七年五月二十三日於第一公證署

代公證員 袁嘉慧(二等助理員)


第 一 公 證 署

證 明

澳門順勢療法醫學會

為公佈的目的,茲證明上述社團的修改章程文本自二零零七年五月二十三日起,存放於本署的社團及財團存檔文件內,檔案組1號40/2007。

澳門順勢療法醫學會

修改會章

第八條——會員權利:

1. (不變)

a. 專業會員入會一年後(創會會員除外)方具被選舉為會長選舉或出任理監事會中任何職務。

b. (不變)

c. (不變)

2. (不變)

3. 凡普通會員於召集之會議列席時,不具有投票、選舉及被選舉之權利,不可出任理監事會中的任何職務。

4. 會長只能由專業會員出任。

第九條——會員義務:

1. (不變)

2. (不變)

3. (不變)

4. (不變)

5. 繳納入會費及年費。會員批准入會時即繳交入會費及當年度會費,以後每年於會員證上蓋之有效日期前繳交年度會費;逾期者本會以信函或電話等方式催促之,到期日起計三個月仍不繳交者,視作不履行會員義務,按本會會章第十條中之規定進行處理。

第十條——會員退會:

1. (不變)

2. (不變)

3. (不變)

4. 以上名項所列之情況,若具特殊理由,經會長、副會長及理監事會全體成員過半數同意,並於退會後壹年(365日),可重新申請加入本醫學會。

第十四條——會員大會召開:

1. (不變)

2. (不變)

3. 召開會員大會,須於會期前最少八日,以書面或通告等方式通知;召開會員大會通知應列明:會期、時間、地點及議程。

4. (不變)

5. 專業會員若因事未能出席會員大會,需於會議舉行前48小時,以書面形式向理事會遞交授權書,經理事會審批後方可委派指定代表人出席會員大會,代其行使投票權,否則,會被視為放棄該次會員大會之投票權及出席。並視作不履行會員義務,按本會相關會章之規定進行處理。

6. 在任的會長、副會長及理監事會等會員,若無故缺席年度會員大會或特別會員大會時,視作違反本會會章第九條,會員大會有權對該名會員是否有資格繼續出任相關職務進行表決,經四分三出席的專業會員同意下,可罷免其相關職務,並進行補選。

7. 任何人士出席年度會員大會或特別會員大會時,只能代表一個投票權。專業會員不能以行使他人的投票權身份出席大會。代表人之資格需不違反法律中規定方可生效。

二零零七年五月二十三日於第一公證署

代公證員 袁嘉慧(二等助理員)


2.º CARTÓRIO NOTARIAL DE MACAU

CERTIFICADO

澳門商舖互助會

為公佈之目的,茲證明上述社團的章程之修改文本已於二零零七年五月十七日,存檔於本署之2007/ASS/M1檔案組內,編號為65號,有關修改之條文內容如下:

第二條——本會會址設於澳門提督馬路81 號新都大廈11 樓C座。

Está conforme.

Segundo Cartório Notarial de Macau, aos dezassete de Maio de dois mil e sete. — A Ajudante, Graciete Margarida Anok da Silva Pedruco Chang.


2.º CARTÓRIO NOTARIAL DE MACAU

CERTIFICADO

中國澳門羽毛球總會

葡文名稱為«Federação de Badminton de Macau, China»

英文名稱為«Badminton Federation of Macau, China»

為公佈之目的,茲證明上述社團的章程之修改文本已於二零零七年五月十七日,存檔於本署之2007/ASS/M1檔案組內,編號為66號,有關修改之條文內容如下:

CAPÍTULO I

Denominação, sede e fins

Artigo primeiro

A «Federaçâo de Badminton de Macau», em chinês “澳門羽毛球總會” e em inglês «Badminton Federation of Macau» é o mais alto organismo desta modalidade desportiva em Macau, tem a sua sede obrigatória na cidade de Macau e exerce a sua actividade e jurisdição em todo o Território.

CAPÍTULO III

Direcção

Artigo vigésimo sexto

A Direcção da Associação de Badminton de Macau será constituída por nove membros: presidente, dois vice-presidentes, dois secretários (um de língua portuguesa e outro de língua chinesa), tesoureiro e cinco vogais, todos eleitos em reuniões plenárias da Assembleia Geral e em conformidade com o disposto no parágrafo 1.º do artigo 7.º

Parágrafo primeiro

Os titulares dos lugares deverão ter a sua residência permanente neste território.

Parágrafo segundo

O 1.º vice-presidente substituirá o presidente em todos os seus impedimentos e na falta daquele o 2.º

Artigo vigésimo nono

A Direcção não poderá reunir-se com um número inferior a seis dos seus componentes.

Parágrafo único

As suas deliberações serão tomadas por maioria, tendo o presidente ou quem suas vezes fizer, voto de desem-pate, e constarão dos respectivos livros de actas.

Está conforme.

Segundo Cartório Notarial de Macau, aos dezassete de Maio de dois mil e sete. — A Ajudante, Graciete Margarida Anok da Silva Pedruco Chang.


CARTÓRIO PRIVADO

MACAU

CERTIFICADO

澳門旅遊商會

Certifico, para publicação, que se encontra depositado, neste Cartório, desde vinte e dois de Maio de dois mil e sete sob o número três no maço de documentos referentes a Associações e Fundações do ano dois mil e sete, um exemplar dos Estatutos alterados da Associação em epígrafe, do teor seguinte:

澳門旅遊商會章程

第一章

總則

第一條——名稱:本會定名為“ 澳門旅遊商會”(下稱本會),葡文為“Associação das Agências de Turismo de Macau”,英文為“Association of Macao Tourist Agents”,也可用縮寫名稱“AMTA”代替人。

第二條——會址:本會的會址設於澳門羅理基博士大馬路富豪酒店三樓、倘有必要和適當時,經本會會董會通過,得另遷別址。

第三條——本會是一個具有法人資格的團體。本會的法人代表為本會的會董會,主要是本會的會長。

第四條——宗旨

一、促進發展澳門的旅遊業。

二、促進本澳以外之其他國家或地區的旅遊代理商及旅遊商會與澳門之間的旅遊交往和維持密切聯繫,以利澳門旅遊業的發展。

三、促進本會會員之間的合作及聯繫。

四、增進及維護本會會員的正當權益。

五、協調經營行動。鼓勵及協助會員用和解方式處理商業上的爭議。協調各會員共同遵守行業內議定的價格原則。

六、代表會員向在澳門、本澳以外之其他國家或地區的政府部門和其他團體或機構反映及表達其有關旅遊共同關注的事項之意見。

七、支持或反對任何可能增進或影響本會會員正當利益和本會宗旨的法例或政府施行方案。

八、對本會宗旨有促進意義的活動,如研討會、講座、展覽或報章、期刊、書籍等,本會給予支持,並將會自行或與其他人或團體合辦或聯手進行推廣,舉辦印刷、出版。

九、定期或不定期編寫並給各會員提供有關旅遊業的資料和信息。

十、進行其他有助於促進本會宗旨的合法活動。

第二章

會員

第五條——本會會員分為兩種:

一、商號會員。

二、名譽會員。

第六條——商號會員。凡持有澳門旅遊司發給的營業許可證的旅行社、旅遊社、旅行兼旅遊社及在澳門政府注冊的航空公司代理商,均可申請加入本會為商號會員。每商號會員須指派一人為其代表。

第七條——名譽會員。凡對本會有特殊貢獻的人士。並經會董會通過,可聘為名譽會員。

第八條——會員的權利與義務。

一、會員的權利:

1. 有選舉權和被選舉權。

2. 有批評、建議、質詢有關本會事宜之權。

3. 出席會員大會及參加討論與表決。

4. 審閱和領取本會各類書籍、刊物和文件。

5. 要求召開全體大會。

6. 經會董會同意,舉行有關旅遊業或本會事務有關的座談會。

7. 介紹新會員入會。

二、會員的義務:

1. 遵守本會章程,執行本會會董會和會員大會會議的各項決議。

2. 關心本會的發展,推動會務及促進本會會員之間的合作。

3. 向本會提供信息和情況。

4. 按期繳納入會費及週年會費。

第九條——除選舉權及被選舉權外,名譽會員得享受與商號會員相同之權益。

第十條——招收會員。除了本會發起人按照章程自動成為會員外,招收會員事宜將由會董會全權決定。會董會有權接納或否決入會申請而無須交待原因。凡要求加入本會的商號,必須由最少一名會員提名建議。建議書應寫明被提名者的商號、營業地點、負責人姓名,並附有旅遊司批准的營業許可證副本。

第十一條——會員退會。應提前一個月書面通知會董會,並繳清所欠款項。

第十二條——取消會籍。如有下列情形之一者,經會董會四分三多數決議可被取消會員會籍。

一、違本會章程,嚴重損害本會聲譽及利益者。

二、商號停業、破產、被吊銷牌照、合併者。

被取消會籍的會員,除不再享受本會任何權利外,還須負責償還所欠本會會費。

第三章

組織機構

第十三條——本會的組織機構如下:

一、會員大會。

二、會董會。

三、監事會。

第十四條——會員大會

一、本會的最高權力機構為會員大會,每年一月舉行一次,由會董會召集之。

二、會員大會職權如下:

1. 討論及表決上年度工作報告及財務帳目。

2. 選舉會董會及監事會成員。

3. 制定或修改會章。

三、會員大會召開之通知,應於會前八天以郵寄、傳真或直接派發等方式通知各會員。通知內須載明會議議程。

四、會員大會召開時,須有半數以上會員出席,大會方為合法。倘法定人數不足,會員大會將於通告指定之時間三十分鐘後舉行,屆時不論出席人數多寡,會員大會均視為合法。

五、每一會員有一表決權,議決係以出席者過半票數取決,但法律另有規定者除外。

六、商號會員的指定代表如遇非常情況,本人不能參加大會則可委托有關人士作為其代表出席會議及投票。上述委托均須以委托書形式,在會議召開不少於二十四小時前呈交予本會,否則該委托將被視為無效。

七、遇有下列情況時,得舉行會員特別會議:

1. 會董會認為必要時。

2. 不少於半數會員聯名向會董會提出書面申請,申請中要說明開會目的。

第十五條——會董會

一、會董會為本會的最高執行機構。會董由會員大會在會員中選出,會董會由十五名會董組成。會董會由會董組成。會董任期三年,任滿連選得連任。

二、會董會設會長一人,對外代表本會,負責本會全面工作;副會長二至六人,協助會長工作;下設財務部、康樂部、信息研究部及市場推廣部等部門。會長、副會長及各部門之負責人選,由會董會互選產生。

三、會董會設常務會董二至十名,設會董二至二十名。正、副會長及各常設部門之為首負責人為當然常務會董。如有不足之數,由會董會推選。

四、會董會常設機構為秘書處。秘書處主要負責本會文書、公共關係及諮詢服務等日常事務工作。

五、會董會之職權:

1. 執行會員大會之決議。

2. 依法代表本會行使本會擁有的一切權力。

3. 處理本會日常會務。

4. 提出當年工作報告與財務決算,並提出下年度工作計劃及財務預算。

5. 核准會員入會、退會及取消會員會籍。

6. 編配工作、僱用人員、籌措經費。

7. 在必要時,可組織任何特別工作委員會。

8. 聘請名譽會長、名譽副會長和各名譽顧問。

9.聘請法律顧問和核數師及特邀顧問。

六、會董會議通常每月召開一次。倘若會長認為必要或經會董兩人以上提出請求時,可召開常務會董及會董特別會議。會董會開會時,倘出席者不足半數,不得通過任何事項。會董會之任何議票,須有出席之會董過半數贊成方得通過。

第十六條——監事會

一、監事會為本會的監察機構。由會員大會在會員中選出監事三人組成。任期與會董任期相同,連選得連任。

二、監事會設監事長一名,副監事長一名,監事一名。監事長及副監事長由當選監事推選產生。

三、監事會職權如下:

1. 監察會董會執行會員大會決議之情況。

2.定期審查本會帳目,核對本會財產。

3. 對有關年報及帳目制定意見書呈交會員大會。

4. 監事會監事長可列席會董會議。

四、監事會會議由監事長根據需要召集。每次會議均須三分之二以上人數參加方得開會。

第四章

經費

第十七條——本會收入:

一、入會費。

二、週年會費。

三、捐款或其他收入。

第十八條——本會會員應繳費用如下:

一、商號會員入會費為葡幣伍佰元,在入會時繳付。

二、週年會費為葡幣叁仟元,於每年一月份一次繳付。新入會會員的當年會費於入會時繳付。

三、名譽會員無需繳付會費。

第十九條——本會根據自身的發展及需要,並經會董會的議決,可修改會費的規定。本會經費如有不敷或有特別需要時,得由會董會議決籌募之。本會對於已繳交會費及捐款在任何情況下都不予退還。

第二十條——本會須設財務開支帳簿。上述帳簿每年一次呈交本會的核數師核對。

第二十一條——會董會可代表本會與銀行作出任何適當之安排,但在開戶指示中,必須規定任何本會開出的支票及本會戶口之運作,須由不少於兩位會董聯署,方可有效。

第五章

附則

第二十二條——本會為永久性組織。

第二十三條——本會章程任何條款之解釋權歸會董會。

第二十四條——本章程之修改權屬於會員大會。

第二十五條——本章程經會員大會通過後生效執行。

二零零七年五月二十二日

私人公證員 許輝年

Está conforme.

Cartório Privado, em Macau, aos vinte e dois de Maio de dois mil e sete. — O Notário, Philip Xavier.


STANDARD CHARTERED BANK, MACAU BRANCH

Balancete do razão em 31 de Março de 2007

O Gerente-Geral, O Chefe de Contabilidade,
Simon Wong Winnie Lou

DBS BANK (HONG KONG) LTD., SUCURSAL DE MACAU

Balanço anual em 31 de Dezembro de 2006

MOP

MOP

MOP

Demonstração de resultados do exercício de 2006

Conta de exploração

MOP

Conta de lucros e perdas

MOP

O Representante Principal, A Gerente,
Stanley Ku Carolina Vong

(Publicações ao abrigo do artigo 76.º do RJSF, aprovado pelo Decreto-Lei n.º 32/93/M, de 5 de Julho)

Síntese do relatório de actividade

Em virtude do crescimento forte da economia de Macau no ano passado e da sustentação dos clientes, o nosso Banco obteve no ano de 2006 o lucro de trinta e dois milhões de patacas (MOP 32 000 000,00), com crescimento de 2,8 vezes em comparação com o ano anterior ao ano passado; o montante integral do empréstimo atingiu um bilhão, quinhentos e noventa milhões de patacas (MOP 1 590 000 000,00), com crescimento de 88%; o montante do depósito dos clientes atingiu dois bilhões, seiscentos e sessenta milhões de patacas (MOP 2 660 000 000,00), com o crescimento de 54%; o activo geral atingiu proporcionalmente dois bilhões, setecentos e oitenta milhões de patacas (MOP 2 780 000 000,00), com o crescimento de 45%.

Na perspectiva do futuro, o nosso Banco fará o esforço para melhorar a qualidade do serviço, prestará os serviços financeiros aperfeiçoados e múltiplos para satisfazer os pedidos dos clientes e continuará a dar contribuições à prosperidade da economia e do desenvolvimento de Macau.

DBS Bank (Hong Kong) Limited
Sucursal de Macau.

Síntese do parecer dos auditores externos

À DBS Bank (Hong Kong) Limited — Sucursal de Macau

Examinámos, de acordo com as Normas de Auditoria, aprovadas pelo Regulamento Administrativo n.º 23/2004 da RAEM e as Normas Técnicas de Auditoria, aprovadas pelo Despacho n.º 68/2004 do Secretário para a Economia e Finanças, as demonstrações financeiras do DBS Bank (Hong Kong) Limited — Sucursal de Macau referentes ao exercício findo em 31 de Dezembro de 2006, e a nossa opinião sobre as demonstrações financeiras está expressa, sem reservas, no nosso relatório datado de 31 de Março de 2007.

Em nossa opinião, as contas financeiras resumidas estão de acordo com as demonstrações financeiras atrás referidas das quais elas resultaram.

Para uma melhor compreensão da situação financeira da Sucursal e dos resultados das suas operações, as demonstrações financeiras resumidas devem ser analisadas em conjunto com as demonstrações financeiras auditadas.

Ernst & Young Auditores

Macau, aos 31 de Março de 2007.


 

Balanço anual em 31 de Dezembro de 2006

MOP

MOP

Demonstração de resultados do exercício de 2006

Conta de exploração

MOP

Conta de lucros e perdas

MOP

A Comissão Administrativa: Carlos Alberto Roldão Lopes, Lau Wai Meng, Van Mei Lin, Vitória Alice Maria da Conceição.

O Chefe da Contabilidade: Lam Kuan Pui.

Síntese do relatório de actividades — 2006

O número de novos empréstimos concedidos em 2006 foi inferior ao do ano anterior e o montante mutuado em circulação no final do ano foi de cerca de 149 milhões de patacas.

No final de 2006, o total dos depósitos foi de cerca de 809 milhões de patacas, registando-se um aumento de 0,7% em relação ao ano anterior.

O resultado do ano foi de cerca de 39 milhões de patacas, sendo de cerca de 24 de milhões o resultado da operação bancária, e cerca de 15 milhões a receita da venda de imóveis.

A partir de 1 de Janeiro de 2006, a CEP adopta uma nova política contabilística para o apuramento da Provisão Genérica para Riscos de Crédito. A adopção da nova política contabilística foi efectuada desde o início de 2006, fazendo com que o valor dos Resultados Transitados de Exercícios Anteriores tenha aumentado MOP 16 600 000,00

Composição da Comissão Administrativa durante 2006

Presidente — Carlos Alberto Roldão Lopes
Vogal — Lau Wai Meng
Vogal — Van Mei Lin
Representante dos Serviços  
de Finanças — Vitória Alice Maria da Conceição

Parecer do representante dos Serviços de Finanças

Exercício de 2006

No exercício das competências previstas no artigo 24.º do Regime Financeiro dos Serviços de Correios, aprovado pelo Decreto-Lei n.º 50/99/M, de 27 de Setembro, e no artigo 7.º do Regulamento da Caixa Económica Postal, aprovado pelo Decreto-Lei n.º 24/85/M, de 30 de Março, acompanhei o desenvolvimento da actividade da Caixa Económica Postal ao longo do exercício económico de 2006.

Tendo em atenção a análise efectuada aos documentos contabilísticos reportados a 31 de Dezembro de 2006, sou de parecer e considero que:

— São claros e elucidativos os elementos contabilísticos referentes ao balanço em 31 de Dezembro de 2006 e à demonstração de resultados para este ano;
— As contas relativas ao ano económico de 2006 mostram a real situação financeira em 31 de Dezembro de 2006 e estão em condições de ser aprovadas.

Macau, aos 7 de Março de 2007.

Representante dos Serviços de Finanças,
Vitória Alice Maria da Conceição.

Síntese do relatório dos auditores externos

para a Comissão Administrativa da
Caixa Económia Postal

Examinámos, de acordo com as Normas de Auditoria de Macau, as demonstrações financeiras da Caixa Económica Postal, referentes ao exercício findo em 31 de Dezembro de 2006, e no nosso relatório datado de 18 de Abril de 2007, emitimos a nossa opinião sem reservas sobre se essas demonstrações financeiras estão preparadas de acordo com a Nota 2 às citadas demonstrações financeiras.

Em nossa opinião, as contas resumidas anexas estão de acordo com as demonstrações financeiras acima referidas das quais elas resultaram.

Para um melhor entendimento da posição financeira e resultado anual das operações da CEP, as contas resumidas devem ser analisadas em conjunto com as correspondentes demonstrações financeiras auditadas do ano.

KPMG
Sociedade de Auditores

Edifício Banco da China, Unidade D, 23/F,
Avenida Doutor Mário Soares, Macau.

Macau, aos 18 de Abril de 2007.


HANG SENG BANK LIMITED

Sucursal de Macau

(Publicações ao abrigo do artigo 76.º do R.J.S.F., aprovado pelo Decreto-Lei n.º 32/93/M, de 5 de Julho)

Síntese do relatório de actividade

Em 2006 a economia de Macau continuou próspera. O nosso banco iniciou a prestação de serviços bancários aos clientes particulares e lançou o serviço ATM. Para além disso e a fim de melhorar as condições de trabalho, passámos a exercer a nossa actividade em novas instalações. Estas iniciativas significaram a aplicação de recursos adicionais na operação em Macau.

O nosso banco exerceu em 2006 as actividades de apoio a empresas, financiamento à actividade comercial, empréstimos, contas de depósito, remessas de fundos e actividade cambial, títulos para cobrança, banca electrónica e outros serviços bancários. Na data do encerramento do exercício registaram-se depósitos de novecentos e seis milhões de patacas e empréstimos de mil duzentos e quarenta e dois milhões de patacas. O lucro anual, depois de impostos, é de vinte e dois milhões de patacas.

Para o ano de 2007, o nosso banco desenvolverá e prestará outros serviços e disponibilizará novos produtos bancários, reforçará relações com os clientes actuais, procurará novos clientes, e aperfeiçoará os procedimentos administrativos e operacionais, com o objectivo de elevar a eficácia e a qualidade dos serviços que presta.

O nosso banco agradece o apoio dos organismos públicos, dos nossos clientes, dos outros bancos e dos nossos empregados.

Hang Seng Bank Limited — Sucursal de Macau
O Gerente da Sucursal.
Charles Kwan.

Síntese do parecer dos auditores externos

Para o gerente-geral do
Hang Seng Bank Limited — Sucursal de Macau

Examinámos, de acordo com as Normas de Auditoria de Macau, as demonstrações financeiras do Hang Seng Bank Limited — Sucursal de Macau, referentes ao exercício que terminou em 31 de Dezembro de 2006 e a nossa opinião sobre as demonstrações financeiras está expressa, sem reservas, no nosso relatório datado de 11 de Maio de 2007.

Em nossa opinião, as contas resumidas estão de acordo com as demonstrações financeiras atrás referidas das quais elas derivaram.

Para uma melhor compreensão da posição financeira e dos resultados das operações da Sucursal, durante o exercício, as contas resumidas devem ser analisadas em conjunto com as correspondentes demonstrações financeiras auditadas do ano.

KPMG

Macau, aos 11 de Maio de 2007.

Balanço anual em 31 de Dezembro de 2006

(Em patacas)

(Em patacas)

As Outras Reservas incluem uma reserva obrigatória no montante de 7 713 200 Patacas. Porque a sucursal adopta as Hong Kong Financial Reporting Standards («HKFRS») na preparação das suas demonstrações financeiras anuais, as perdas de imparidade com base nas HKFRS podem ser inferiores ao nível mínimo de provisões genéricas calculadas de acordo com o Aviso n.º 18/93 da AMCM (o nível mínimo). A referida reserva obrigatória representa, pois, a diferença entre o nível mínimo e as perdas de imparidade nos termos das HKFRS (antes dos impostos diferidos de 1 051 800 Patacas). Este mesmo montante, inscrito na linha «Dotações adicionais para provisões conforme RJSF» da Conta de Lucros e Perdas das contas resumidas, está reconciliado entre o «Lucro depois de impostos» e os «Resultados do ano de acordo com as regras da AMCM» na Conta de exploração das demonstrações financeiras auditadas anuais.

(Em patacas)

Demonstração de resultados do exercício de 2006

Conta de exploração

 (Em patacas)

Conta de lucros e perdas

(Em patacas)

O Gerente da Sucursal de Macau, A Chefe da Contabilidade,
Charles Kwan Tracy Cheung

BNP PARIBAS — SUCURSAL DE MACAU

(根據七月五日法令第32/93/M號核准之金融體系法律制度第七十六條之公告)

Balanço anual em 31 de Dezembro de 2006

(MOP)

(Anexo à Circular n.º 12/B/94-DSB/AMCM, de 4 de Fevereiro)

(MOP)

(Anexo à Circular n.º 12/B/94-DSB/AMCM, de 4 de Fevereiro)

(MOP)

(Anexo à Circular n.º 12/B/94-DSB/AMCM, de 4 de Fevereiro)

Demonstração de resultados do exercício de 2006

Conta de exploração

(MOP)

(Anexo à Circular n.º 12/B/94-DSB/AMCM, de 4 de Fevereiro)

Conta de lucros e perdas

(MOP)

O Gerente, O Chefe da Contabilidade,
Sanco Sze Franco Kwok

(Anexo à Circular n.º 12/B/94-DSB/AMCM, de 4 de Fevereiro)

Síntese do parecer dos auditores externos
para a Gerência do BNP Paribas — Sucursal de Macau

Auditámos as demonstrações financeiras do BNP Paribas — Sucursal de Macau referentes ao exercício findo em 31 de Dezembro de 2006 de acordo com as Normas de Auditoria, aprovadas pelo Chefe do Executivo da Região Administrativa Especial de Macau e Normas Técnicas de Auditoria, aprovadas pelo Secretário para a Economia e Finanças e expressámos a nossa opinião, sem reservas, no relatório de 20 de Abril de 2007.

Efectuámos uma comparação entre as demonstrações financeiras resumidas, aqui evidenciadas, e as demonstrações financeiras por nós auditadas. A preparação das demonstrações financeiras resumidas é da responsabilidade da Gerência da Sucursal.

Em nossa opinião, as demonstrações financeiras resumidas estão consistentes com as demonstrações financeiras auditadas.

Para uma melhor compreensão da situação financeira da Sucursal e dos resultados das suas operações, as demonstrações financeiras resumidas devem ser analisadas em conjunto com as demonstrações financeiras auditadas.

Lowe Bingham & Matthews — PricewaterhouseCoopers
Sociedade de Auditores.

Macau, aos 20 de Abril de 2007.

Síntese do relatório de actividade

Durante o ano, as diferentes actividades desenvolvidas pelo Banco registaram um aumento de um modo satisfatório, consequentemente, as receitas provenientes de juros subiram 70%, ou seja três milhões, quatrocentas e setenta patacas, por outro lado, as receitas provenientes de outras explorações demonstraram também uma subida de 46%, equivalendo aproximadamente a um valor de dois milhões e trinta mil patacas. Contudo, as outras despesas de exploração foram muito bem controladas pelo Banco, estas apenas subiram 10%, ou seja oitenta e vinte mil patacas. Em resumo, o lucro antes de impostos durante o ano de 2006 cifrou-se em cinco milhões, novecentas e quarenta mil patacas, representando um aumento de 3,7 vezes em relação ao ano anterior.

BNP Paribas — Sucursal de Macau.

Macau, aos 20 de Abril de 2007.


BANCO WENG HANG , S.A., MACAU

Balanço anual em 31 de Dezembro de 2006

MOP

MOP

As Outras Reservas incluem uma reserva obrigatória no montante de 63 864 867 Patacas. Porque o Banco adopta as Normas Internacionais de Relato Financeiro («NIRF») na preparação das suas demonstrações financeiras anuais, as perdas de imparidade com base nas NIRF podem ser inferiores ao nível mínimo de provisões genéricas calculadas de acordo com o Aviso n.º 18/93 da AMCM (o nível mínimo). A referida reserva obrigatória representa, pois, a diferença entre o nível mínimo e as perdas de imparidade nos termos das NIRF (antes dos impostos diferidos de 8 708 845 Patacas). Este mesmo montante, inscrito na linha «Dotações adicionais para provisões conforme RJSF» da Conta de Lucros e Perdas das contas resumidas, está reconciliado entre o «Lucro depois de impostos» e os «Resultados do ano de acordo com as regras da AMCM» na Conta de exploração das demonstrações financeiras auditadas anuais.

MOP

Demonstração de resultados do exercício de 2006

Conta de exploração

MOP

Conta de lucros e perdas

MOP

O Director e Gerente-Geral, O Chefe da Contabilidade,
Lee Tak Lim Ng Kai Man

Inventário de participações financeiras

em 31 de Dezembro de 2006

Quadro a publicar ao abrigo do artigo 75.º do R.J.S.F.

Lista dos accionistas qualificados:

Wing Hang Bank Ltd.
Constituída em Hong Kong

Nomes dos titulares dos órgãos sociais:

Conselho de Administração

Sr. Fung Yuk-Bun Patrick, presidente
Sr. Frank John Wang, administrador
Sr. Fung Yuk-Sing Michael, administrador
Sr. Ho, Louis Chi-Wai, administrador
Sr. Lee Tak-Lim, administrador
Sr. Yuen Sui-Chi Stanley, administrador
Sr. Leung Chiu-Wah, administrador

Conselho Fiscal

Ms. Lo Wai Ching, presidente
Sr. Wong Chun-Kau Stephen, membro
Sr. Tse Hau-Yin, membro

Assembleia Geral

Sr. Kwok Man-Cheung, presidente
Sr. Lee Tak-Lim, vice-presidente
Sr. Ho, Louis Chi-Wai, secretário
Sr. Yuen Sui-Chi Stanley, secretário
Sr. Fung Yuk-Sing, Michael, vice-secretário
Sr. Leung Chiu-Wah, vice-secretário

Parecer do Conselho Fiscal

O balanço, a demonstração de resultados e a conta de exploração e lucros e perdas deste Banco, respeitantes ao exercício do ano findo em 31 de Dezembro de 2006, foram elaborados nos termos da lei bancária e auditados pela KPMG e segundo o nosso Parecer, as mesmas corresponderam às regras de contabilidade bancária, sendo, portanto, documentos suficientes para mostrar a real situação financeira deste Banco até 31 de Dezembro de 2006, e o lucro apurado do exercício que terminou nesta data.

O Presidente do Conselho Fiscal
Lo Wai Ching Maggie

Macau, aos 24 de Fevereiro de 2007.

Síntese do parecer dos auditores externos

Aos accionistas do Banco Weng Hang, S.A.

Examinámos, de acordo com as Normas Internacionais de Auditoria e Normas de Auditoria de Macau, as demonstrações financeiras do Banco Weng Hang, S.A., referentes ao exercício que terminou em 31 de Dezembro de 2006 e a nossa opinião sobre as demonstrações financeiras está expressa, sem reservas, no nosso relatório datado de 24 de Fevereiro de 2007.

Em nossa opinião, as contas resumidas estão de acordo com as demonstrações financeiras atrás referidas das quais elas resultaram.

Para uma melhor compreensão da posição financeira e dos resultados das operações do Banco, durante o exercício, as contas resumidas devem ser analisadas em conjunto com as correspondentes demonstrações financeiras auditadas do ano.

KPMG

Macau, aos 24 de Fevereiro de 2007.

Síntese do relatório de actividade

No ano de 2006 a economia de Macau mantinha-se em constante crescimento, a seguir do crescimento saudável de 6,7% de Produto Interno Bruto no ano de 2005, registou-se o notável crescimento de 16,6% de Produto Interno Bruto no ano a que se reporta o presente relatório. Os sectores de jogos de fortuna ou azar e de turismo continuavam a desempenhar o papel dominante no desenvolvimento da economia de Macau. No ano em análise, a conclusão sucessiva de vários projectos de grande envergadura na área de jogos de fortuna ou azar, a que acresce ainda o factor de turistas chineses do modelo de «visto individual», fazia incentivar a vontade de consumo que a população tinha e dinamizar o mercado da venda a retalho.

No ano transacto, por se encontrarem ainda na fase de arranque ou de preparação numerosos projectos de grande empreendimento, foi muito procurado o crédito bancário. Por outro lado, a redução contínua da taxa de desemprego que, no ano de 2006, foi registada em 3,7% e o aumento de rendimento da população de Macau têm contribuído para o aumento do preço de imóveis, tendo-se verificado, assim, o aumento significativo de procura do serviço de hipoteca, além de melhoramento persistente de qualidade de crédito.

Outrossim, o serviço de gestão da riqueza pessoal assegurado por este Banco sob a modalidade de «Elite Banking» foi coroado com grande êxito, depois de alargamento do âmbito de prestação desse serviço e introdução de melhoramento às instalações adaptáveis ao referido serviço.

Importa referir ainda, a partir do 2.º semestre do ano de 2006, as respectivas actividades bancárias que foram beneficiadas pela abundância do capital no mercado e pelo florescente comportamento do mercado de valores motivado pela subida contínua da economia mundial.

Graças ao persistente e considerável crescimento da economia de Macau, o resultado do exercício alcançado por este Banco atingiu, mais de uma vez, o novo auge no ano de 2006, o lucro que competia aos accionistas era calculado em duzentos e trinta e seis milhões de patacas, sendo a taxa de crescimento avaliada em 11,8% em comparação com o ano de 2005 em que o lucro que competia aos accionistas foi apurado em duzentos e onze milhões de patacas. No ano de 2006, o activo total foi apurado em dezoito mil e oitocentos milhões de patacas, enquanto que foi calculado em mil cento e dezoito milhões de patacas o valor de capital dos accionistas, sendo a taxa de crescimento computada, respectivamente, em 42,22% e 28,95%, quando comparada com o ano de 2005. A taxa de retribuição média por activo foi de 1,48%, ao passo que a taxa de retribuição média por capital dos accionistas foi de 23,9%.

Apesar de a economia de Macau se ter mantido em constante crescimento e o dinâmico investimento ter criado grande número de postos de emprego no ano passado, a escassez de força laboral vai-se agravando, a escassez será tanto mais ressentida, quanto mais projectos de grande empreendimento que se encontrem concluídos a curto prazo. A contínua subida do salário, o aumento desmesurado do preço de imóveis devido ao desequilíbrio verificado entre a oferta e a procura da parte dos bens imóveis, a valorização de Reminbi e a impossível realização de ajustamento e controlo de política monetária pelo facto de anexação indirecta de patacas aos dólares americanos, tudo isso tem sido o factor de agravamento de inflacção verificada em Macau.

Com a inauguração da nova sucursal no ano passado, o número de sucursais deste Banco passa a ser 12. Tendo em consideração o crescimento drástico da economia e da população de Macau, este Banco está envidando o seu melhor esforço para alargar a sua rede de sucursais, lançando mão à procura de local ideal para implantação de uma ou duas sucursais no ano em curso. Na sequência de aquisição do «Chekiang First Bank Ltd.» pela sociedade materna deste Banco, o Banco Weng Hang em Hong Kong, o mesmo veio a adquirir no mês de Janeiro do corrente ano a «Inchroy Credit Corporation Ltd.», com objecto social dedicado exclusivamente à locação, aquisição e financiamento, no intuito de alargar a base dos clientes e elevar a eficácia de colaboração. O Banco Weng Hang em Hong Kong tem 38 sucursais espalhadas por vários pontos dessa cidade, além de 3 sucursais e 1 subunidade no continente chinês. Para não perder a grande oportunidade comercial proporcionada pelo mercado chinês, o Grupo Weng Hang já obteve a autorização preliminar para criar a sua dependência no continente chinês, com vista a expandir as actividades comerciais de Reminbi na China, entre as quais, se destaca a prestação de serviço bancário de Reminbi aos cidadãos chineses.

Até aos finais do mês de Dezembro de 2006, o Banco Weng Hang em Macau tinha 369 trabalhadores ao seu serviço, enquanto 2 436 trabalhadores ao serviço do Grupo Weng Hang. Para dar resposta ao desenvolvimento das actividades bancárias, o Banco Weng Hang em Macau planeou contratar mais trabalhadores em número igual a 10% do número dos trabalhadores actualmente existentes. Depois desse novo recrutamento, o número dos trabalhadores será superior a 400.

Olhar para o futuro, o financiamento continuará a estar mais procurado, devido à realização continuada dos projectos de grande empreendimento, entre os outros, citam-se os hotéis e as instalações de divertimento, fazendo com que tal situação dê impulso às outras actividades comerciais. Como resultado desse impulso, haverá grande procura da força laboral que fará descer, de forma continuada, a taxa de desemprego, por um lado, impulsionar ainda mais a subida do salário, por outro. Os factores que acabam por referir são tidos como factores favoráveis à expansão das actividades bancárias. Em resposta à necessidade sentida no desenvolvimento do mercado e às exigências de cidadão na escolha do serviço financeiro, este Banco envidará todos os esforços para expandir as actividades de hipoteca e de mútuo bancário, além de optimizar o serviço do banco electrónico. A fim de aperfeiçoar o serviço de gestão de riqueza, todas as sucursais deste Banco irão prestar aos clientes do modelo de «Elite Banking» este tipo de serviço individualizado. Independentemente dos projectos acima referidos, foi concebido por este Banco o plano de criar em locais estratégicos o centro de gestão de riqueza, visando proporcionar aos clientes o serviço de gestão de riqueza com boa qualidade, bem como a facilidade aos mesmos de tratar todos os assuntos num balcão único.

Nesses dias, continua a verificar-se a tendência do aumento do preço de imóveis que tinha sido verificado no ano passado, crê-se que o Governo de Macau venha implementar uma política de habitação válida para estabilizar o preço de imóveis. Julga-se que a política a implementar possa ser útil à estabilização do preço de imóveis a médio e longo prazo.

Quanto aos prédios com preço baixo, será difícil de encontrar, a curto prazo, o ponto de equilíbrio entre a procura e a oferta, deste modo, o preço deste tipo de prédios continuará a encarar com a pressão do aumento moderado. No que se refere à procura e à oferta da força laboral, o número dos trabalhadores importados do exterior mal satisfez a necessidade do mercado, presume-se que essa situação se mantenha inalterável nos próximos anos.

Prevê-se que a economia mundial vai sofrer uma ligeira descida no ano de 2007. No que respeita à economia dos Estados Unidos da América, os factores incertos continuam a ser causa determinante da economia daquele país. O proteccionismo do comércio que está em voga nos Estados Unidos da América e na Europa poderá trazer efeitos negativos à República Popular da China e a Macau. De mais a mais, a pressão exercida sobre as médias e pequenas empresas de Macau em virtude de falta da força laboral e da subida contínua do salário motivada pela inflacção, vai ser a preocupação latente na via de desenvolvimento da economia de Macau, se não for possível o controlo do último factor. Orientado pelo estável desenvolvimento dos sectores de jogos de fortuna ou azar e de turismo, o investimento externo continua a afluir a Macau, é de contar com a continuação de grande aumento de turistas do modelo de «visto individual» e turistas forasteiros. O mercado da venda a retalho continua a florescer. Em suma, o Banco Weng Hang mantém-se optimista quanto à perspectiva da economia de Macau.

Por último, eu próprio desejo manifestar, na representação de todos os membros do Conselho de Administração, o nosso sincero agradecimento a todos os trabalhadores pelo empenho e dedicação ao serviço e aos clientes em geral pelo apoio e confiança depositada no mesmo Banco.

O Presidente do Conselho de Administração,
Fung Yuk Bun Patrick

24 de Fevereiro de 2007.


BANCO ESPÍRITO SANTO DO ORIENTE, S.A.

(Publicações ao abrigo do artigo 75.º do R.J.S.F., aprovado pelo Decreto-Lei n.º 32/93/M, de 5 de Julho)

Balanço anual em 31 de Dezembro de 2006

MOP

MOP

MOP

Demonstração de resultados do exercício de 2006

Conta de exploração

MOP

Conta de lucros e perdas

MOP

Pel’O Conselho de Administração, O Chefe da Contabilidade,
José Morgado Francisco F. Frederico

Macau, aos 15 de Fevereiro de 2007

Síntese do relatório de actividade

As principais economias asiáticas mantiveram ao longo de 2006, à semelhança de 2005, um crescimento económico significativo, com particular relevância para a R. P. da China, Índia, Coreia do Sul e Regiões Administrativas Especiais de Hong Kong e Macau.

A R. P. da China continua a registar uma forte expansão económica, com o PIB a apresentar um crescimento de 10,4%, contra 9,9% em 2005, confirmando de forma inequívoca um longo ciclo de 25 anos de crescimento e posicionando, desde já, a China como a quarta maior potência económica do mundo (E.U.A., Japão, Alemanha e R. P. da China).

O desempenho positivo da economia chinesa manteve-se inalterado ao longo dos últimos anos, não obstante o Governo Central chinês ter adoptado um conjunto de medidas administrativas de natureza restritiva (aumento das reservas de caixa, subida das taxas de juro directoras, valorização gradual do Renminbi…..).

O Comércio Externo continua a assumir um papel determinante no forte crescimento da economia chinesa, atingindo o excedente da balança comercial em 2006 o valor de 177,8 mil milhões de dólares americanos. De salientar, igualmente, que a China é actualmente o primeiro país do mundo no que se refere a reservas cambiais, atingindo as mesmas, em Dezembro de 2006, o valor de 1 066 mil milhões de dólares americanos.

A Região Administrativa Especial de Macau (RAEM) deverá apresentar, em termos homólogos, um crescimento do PIB superior a 15%, comparativamente a 2005, fruto do contínuo crescimento da Indústria do Turimo e do Jogo/Entretenimento, das importantes obras infra-estruturantes que têm vindo a ser promovidas no território e pelas condições excepcionais negociadas com o Governo Central da R. P. da China (Acordos CEPA, Vistos Individuais….) e com diversas províncias chinesas.

De realçar a forte procura do imobiliário comercial e particular, permitindo que o sector imobiliário em Macau continue a evidenciar taxas de crescimento excepcionais.

O Banco Espírito Santo do Oriente (BESOR) manteve em 2006 um crescimento sustentado, com o total do Activo Líquido a atingir o valor de MOP1 007 456 518 e a apresentar um aumento de 36,8% comparativamente a 2005.

Relativamente ao ano de 2005, o exercício de 2006 registou as seguintes principais variações:

— Crédito Concedido (+48,7%), Depósitos de Clientes (+23,3%), Aplicações junto de Outras Instituições de Crédito (+14,06%) e Acções, Obrigações e Outros Títulos (+30,5%).

O aumento do Resultado Financeiro de 51,29%, por via do efeito de volume e de margem, reflectiu-se positivamente na rendibilidade do BESOR, tendo o rácio Produto Bancário/Activos Financeiros apresentado um valor 3,8% em 2006.

A estratégia do BESOR foi delineada no sentido de privilegiar activos de qualidade que remunerem adequadamente os riscos envolvidos. Contudo, a excelente conjuntura económica que a RAEM atravessa desde 2004, permitiu crescimentos significativos da carteira de crédito do Banco. Em 2006, o crescimento da carteira de crédito do BESOR foi de 48,7% comparativamente ao exercício anterior.

Proposta de aplicação de resultados

Nos termos legais e estatutários o Conselho de Administração propõe, para aprovação da Assembleia Geral, que o resultado do exercício findo em 31 de Dezembro de 2006 que se apura em MOP14 444 450,03 (catorze milhões, quatrocentas e quarenta e quatro mil, quatrocentas e cinquenta patacas e três avos) seja aplicado da seguinte forma:

Para Reserva Legal (a) MOP 2 888 890,00
Para Resultados Transitados MOP 11 555 560,03

(a) correspondente a 20% do Resultado Líquido nos termos da legislação aplicável.

Macau, aos 15 de Fevereiro de 2007.

O Conselho de Administração.

Parecer do Conselho Fiscal

Nos termos da lei e do mandato que nos conferiram vimos submeter à Vossa apreciação o relatório sobre a actividade fiscalizadora desenvolvida e dar o parecer sobre o relatório do Conselho de Administração, o balanço e a demonstração de resultados do BANCO ESPÍRITO SANTO DO ORIENTE, S.A., relativamente ao exercício findo em 31 de Dezembro de 2006.

O relatório do Conselho de Administração evidencia de maneira clara a situação económica e financeira e a evolução da actividade do Banco durante o exercício de 2006.

Verificámos a regularidade da escrituração contabilística, não tendo tomado conhecimento de qualquer violação da lei ou do contrato de sociedade.

Em resultado dos exames efectuados, é nossa convicção que o relatório do Conselho de Administração é suficientemente esclarecedor da actividade do Banco e que os demais documentos apresentados satisfazem as disposições legais e estatutárias.

Com base nas verificações e conclusões referidas, somos de parecer que:

1. Sejam aprovados o relatório do Conselho de Administração, o balanço e a demonstração de resultados;

2. Seja aprovada a proposta de aplicação de resultados.

Macau, aos 28 de Fevereiro de 2007.

O Conselho Fiscal.

Órgãos Sociais

Mesa da Assembleia Geral

Ricardo Espírito Santo Silva Salgado — Presidente
Maria de Lurdes Nunes Mendes da Costa — 1.º Secretário
Rui Luís Cabral de Sousa — 2.º Secretário

Conselho de Administração

José Manuel Trindade Morgado — Presidente
Carlos José Nascimento Magalhães Freire
Rui Manuel Fernandes Pires Guerra
Manuel Alexandre da Rocha Barreto
Amílcar Carlos Ferreira de Morais Pires
Jorge Manuel da Conceição Góis (nomeado em 8 de Março de 2006)
Pedro Manuel de Castro Simões Ferreira Neto (nomeado em 8 de Março de 2006)

Comissão Executiva

José Manuel Trindade Morgado — Presidente
Carlos José Nascimento Magalhães Freire — Vice-Presidente
Manuel Alexandre da Rocha Barreto
Jorge Manuel da Conceição Góis (nomeado em 8 de Março de 2006)
Pedro Manuel de Castro Simões Ferreira Neto (nomeado em 8 de Março de 2006)

Conselho Fiscal

Ricardo Abecassis Espírito Santo Silva — Presidente
José Manuel Macedo Pereira
Wu Chun Sang

Instituições em que detém participação superior a 5% do respectivo capital ou superior a 5% dos seus fundos próprios

Europ Assistance (Macau) — Serviços de Assistência  
Personalizados, Limitada 25%
Espírito Santo do Oriente — Estudos Financeiros e de  
Mercado de Capitais, Limitada 90%

Accionistas com participação qualificada

Nome Acções detidas (n.º) Valor percentual (%)
Banco Espírito Santo, S.A. 199 500 99,75

Síntese do Parecer dos Auditores Externos
aos Accionistas do
Banco Espírito Santo do Oriente, S.A.

Examinámos, de acordo com as Normas de Auditoria de Macau, as demonstrações financeiras do Banco Espírito Santo do Oriente, S.A., referentes ao exercício que terminou em 31 de Dezembro de 2006 e a nossa opinião sobre as demonstrações financeiras está expressa, sem reservas, no nosso relatório datado de 15 de Fevereiro de 2007.

Em nossa opinião, as contas resumidas estão de acordo com as demonstrações financeiras atrás referidas das quais elas resultaram.

Para uma melhor compreensão da posição financeira e dos resultados das operações do Banco, durante o exercício, as contas resumidas devem ser analisadas em conjunto com as correspondentes demonstrações financeiras auditadas do ano.

KPMG

Macau, aos 15 de Fevereiro de 2007.


Balanço em 31 de Dezembro de 2006

(Em patacas)

Demonstração dos resultados do exercício findo em 31 de Dezembro de 2006

(Em patacas)

Relatório do Conselho de Administração relativo ao exercício de 2006

De acordo com o estipulado por Lei e nos Estatutos da Sociedade, vimos submeter à vossa apreciação e votação na reunião do Conselho de Administração o relatório e contas relativos ao exercício findo a 31 de Dezembro de 2006, compreendendo o período de 1 de Janeiro a 31 de Dezembro de 2006, durante o qual foram desenvolvidas várias actividades de acordo com as disposições previstas nos estatutos da Sociedade.

O Conselho de Administração tem o prazer de apresentar o seu relatório anual juntamente com o parecer do Conselho Fiscal, bem como as contas devidamente verificadas relativas ao exercício findo a 31 de Dezembro de 2006.

A Sociedade foi constituída no dia 13 de Setembro de 1994, na forma de uma sociedade privada de responsabilidade limitada e a sua principal actividade é exploração de linhas aéreas internacionais de Macau, ao abrigo do contrato de concessão assinado em 8 de Março de 1995 com o Governo de Macau. A Sociedade iniciou a sua actividade no dia 9 de Novembro de 1995.

Na opinião dos directores, o preço elevado dos combustíveis durante todo o ano, desvalorização do dólar de Taiwan, o aumento operacional das companhias de aviação de baixos custos, tiveram um grande impacto nos lucros da operadora. Não obstante os esforços e diligências da nossa equipa para conter despesas operacionais e aumentar produtividade, as receitas dos passageiros e carga cresceram 20,33% e 8,6% respectivamente, a companhia terminou o ano de 2006 em défice.

O Conselho de Administração, em cumprimento do Artigo vinte e oito dos Estatutos, submete à apreciação e aprovação da Assembleia Geral da Sociedade, a seguinte proposta para aplicação dos resultados líquidos (negativos) de MOP 62 310 938,76:

Resultados líquidos (negativos)  
A transitar para o exercício de 2007.

MOP 62 310 938,76

Aos trabalhadores e colaboradores da Air Macau manifestamos o nosso apreço pela dedicação e profissionalismo sempre postos no desempenho das suas funções.

Aos Accionistas, Conselho Fiscal e Delegado do Governo, o Conselho de Administração agradece a colaboração e confiança sempre reiterada.

Macau, 29 de Março de 2007.

Presidente do Conselho de Administração, Gu Tiefei.

Parecer do Conselho Fiscal da Air Macau sobre o relatório e contas do Conselho de Administração relativo ao ano de 2006

De acordo com os Estatutos da Air Macau, o Conselho Fiscal elaborou este parecer sobre o relatório e contas do Conselho de Administração da Air Macau, relativo ao ano de 2006. O Conselho Fiscal examinou também as informações recebidas durante todo o ano dos auditores externos da Empresa, KPMG, bem como o parecer dos mesmos sobre o relatório relativo ao ano de 2006.

Durante todo o ano, o Conselho Fiscal convocou as reuniões regulares previstas nos Estatutos da Air Macau e manteve o contacto considerado necessário com a Comissão Executiva e administradores da Empresa. Durante o ano em questão, o trabalho do Conselho Fiscal foi assistido pelos auditores externos na análise dos controlos internos e dos procedimentos da Empresa. Vários assuntos relacionados com a supervisão foram levados à atenção da Administração da Air Macau. A Administração desenvolveu um esforço substancial para melhorar certos procedimentos de fiscalização e supervisão financeira.

Em 2007 a Sociedade enfrenterá um ambiente mais competitivo, o Conselho Fiscal prevê que a Sociedade deverá esforçar-se continuamente para impor medidas mais rígidas no controlo de custos, reforçar o sistema de gestão de crise e de gestão interna, de forma a conseguir um desenvolvimento saudável e sustentável.

O Conselho Fiscal, com base nos documentos recebidos, emite o parecer de que o relatório e contas relativo ao ano de 2006 reflecte com precisão e objectivamente a condição financeira da Empresa e sugere a sua aprovação pelos accionistas.

Finalmente, o Conselho Fiscal não pode deixar de expressar o seu reconhecimento pela cooperação e assistência dada por todos os directores gerais e gerentes da Empresa.

Macau, aos 29 de Março de 2007.

Presidente: Zhang Huilan
Membro: Ho Man Sao
Membro: Ip Hou Pak

Relatório dos auditores

Para os accionistas
da Companhia de Transportes Aéreos Air Macau, S.A.R.L.

Examinámos, de acordo com as Normas Internacionais de Auditoria e Normas de Auditoria de Macau, as demonstrações financeiras da Companhia de Transportes Aéreos Air Macau, S.A.R.L. referentes ao exercício findo em 31 de Dezembro de 2006 e a nossa opinião sobre as referidas demonstrações financeiras está expressa, sem reservas, no nosso relatório datado de 15 de Março de 2007.

Em nossa opinião, as contas anexas apresentadas de forma resumida são consistentes com as demonstrações financeiras acima referidas das quais elas resultaram.

Para uma melhor compreensão da posição financeira e dos resultados das operações da Companhia, relativamente ao exercício, as contas resumidas devem ser analisadas em conjunto com as correspondentes demonstrações financeiras anuais auditadas.

KPMG

Macau, 15 de Março de 2007.

Dados da Companhia

Conselho de Administração Comissão Executiva Conselho Fiscal
Presidente Presidente em exercício Presidente
Gu Tiefei Zhou Guangquan Zhang Huilan
Vice-presidente Vogais Vogais
Zhou Guanquan Thomas H. K. Tsang Ho Man Sao
Luis Correia da Silva Wen Xiaoli Ip Hou Pak
  Carlos Pimentel  
  Pansy Ho  
  Chan Kuok Leong  

Vogais

Thomas H. K. Tsang
Wen Xiaoli
Kang Zhouyuan
Yang Yan
Carlos Pimentel
Pansy Ho
Chan Kuok Leong
Ng Fok

澳門有線電視股份有限公司

資產負債表於二零零六年十二月三十一日

澳門幣

董事會報告書摘要

澳門特別行政區於二零零六年錄得16.6% 的增長,並強調人口及工資的遞增,以及失業率下降。

在二零零六年,由於公司滲入住宅區仍然遇到障礙,所以公司持續集中開拓大客戶,例如酒店及屋苑等。

至二零零六年末,有線電視經營66個電視頻道及6個電台頻道。

縱使年度業績維持負數,但必須強調的是,在年度的第四季,季度經營結果取得了正數(未計末期調整),這個情況反映了降低不必要的成本的政策取得成功及肯定了新客戶帶來的收入上升,足以證明有線電視將來經營的可行性。

公司在開始籌備時與銀行商借之貸款已悉數歸還,現時沒有其他的中期或長期財務負債。

董事會
主席:林潤垣

二零零七年三月三十日於澳門

外部核數師意見書摘要

本核數師樓已按照澳門特別行政區現行之《核數準則》完成澳門有線電視股份有限公司截至二零零六年十二月三十一日止期間之財務報表。並已於二零零七年三月二十八日就該財務報表發表了無保留意見的核數師報告書。

我們已將董事會為公佈而編制之財務報告摘要與審計之財務報表作出比較。

我們認為,該財務報告摘要與審計之財務報表是一致的。

鮑文輝註冊核數師樓

二零零七年三月二十八日於澳門

監事會報告書摘要

按照法律及澳門有線電視股份有限公司章程之規定,董事會已把二零零六年十二月三十一日結算的營運年度的報告及財務報表提交本監事會提供意見。

鑒於董事會報告書全面而清楚地報告了有線電視於二零零六年度的業務,並提供了財務報表以作分析,足以陳述公司的經營狀況。

本監事會認為,有關董事會提交的結至二零零六年十二月三十一日之報告書及各項目之文件可獲通過。

監事會

主席:Manuel V. Basilio
成員:Rui J. da Cunha e Carlos Duque Simões

二零零七年三月二十八日於澳門


TAIFOOK — CIA. DE INTERMEDIAÇÃO FINANCEIRA, LDA., SUCURSAL DE MACAU

Demonstração de resultados de 1 de Janeiro a 31 de Dezembro de 2006

MOP

Publicações ao abrigo do artigo 76.º do R.J.S.F., aprovado pelo Decreto-Lei n.º 32/93/M, de 5 de Julho

Balanço em 31 de Dezembro de 2006

MOP

Gerente Sucursal, Administrador da Contabilidade,
Lam Keng Iong Lo Wai Ho

Síntese do relatório de actividade

Num cenário de crescimento económico contínuo que se verifica no ano passado em Macau e as elevadas transacções que se verifica nas bolsas de Hong Kong, a nossa Sucursal obteve um certo aumento de lucros.

Até ao dia 31 de Dezembro de 2006, a receita total da Sucursal de Macau era MOP 8 390 959,95, verificava-se um crescimento anual de 53%, obteve um crescimento de 1,6 vezes de lucro líquido, que eram MOP 3 343 114,67.

Esperamos que em 2007 o índice de bolsa das acções de Hong Kong estará num nível alto, de modo que o mercado iria ficar mais instável.

Sendo assim, acreditamos que no futuro o mercado não vai encontrar em falta de elementos que se causa a subida das bolsas.

Continuaremos a desenvolver o mercado local e o da China Continental e a aumentar o número de clientes.

Para que as nossas actividades tivessem um crescimento estável, desejaremos obter benefícios no crescimento económico acelerado que se verifica na China.

Síntese do parecer dos auditores externos

Tai Fook — Cia. de Intermediação Financeira, Lda., Sucursal de Macau

Examinámos, de acordo com as Normas de Auditoria de Macau, as demonstrações financeiras de Tai Fook — Cia. de Intermediação Financeira, Lda., Sucursal de Macau, referentes ao exercício que terminou em 31 de Dezembro de 2006, e a nossa opinião sobre as demonstrações financeiras está expressa, sem reservas, no nosso relatório datado de 29 de Março de 2007.

Em nossa opinião, as contas anexas de forma resumida são consistentes com as demonstrações financeiras atrás referidas das quais elas resultaram.

Para uma melhor compreensão da posição financeira e dos resultados das operações da Companhia durante o exercício, as contas financeiras resumidas devem ser analisadas em conjunto com as correspondentes demonstrações financeiras auditadas do ano.

Ernst & Young Auditores

Macau, aos 29 de Março de 2007.


MACAU PASS S.A.

Balanço anual em 31 de Dezembro de 2006

(Publicações ao abrigo do artigo 75.º do R.J.S.E., aprovado pelo Decreto-Lei n.º 32/93/M, de 5 de Julho)

(Patacas)

(Patacas)

Demonstração de resultados do exercício de 2006

Conta de exploração

(Patacas)

Conta de lucros e perdas

(Patacas)

O Administrador, O Chefe da Contabilidade,
Liu Hei Wan Vong Chak Kin

Síntese do relatório de actividade

Em Fevereiro de 2006, a nossa Companhia foi autorizada pelo Governo de Macau a constituir e operar em Macau uma instituição, cujo objecto social exclusivo é a emissão e gestão de cartões porta-moedas electrónicos. Está previsto que os cartões porta-moedas electrónicos sejam emitidos formalmente em meados de 2007. Por este motivo o resultado das actividades neste exercício apresenta um prejuízo de MOP 606 268,00.

O Conselho de Administração propõe que os prejuízos sejam objecto de cobertura por parte dos accionistas e de forma proporcional às suas participações no capital social da Companhia.

Pelo Conselho de Administração

Liu Hei Wan
Administrador.

29 de Março de 2007.

Parecer do Fiscal Único

Nos termos do Código Comercial e dos Estatutos da Companhia, o Fiscal Único supervisionou a administração da MACAU PASS S.A. ao longo do ano de 2006 até ao dia 31 de Dezembro, acompanhou a actividade da Companhia e obteve todas as informações e esclarecimentos que considerou necessários. O Fiscal Único considera que as demonstrações financeiras e relatório de actividade estão correctos e completos, explicando de forma breve e clara a situação financeira da Companhia, o desenvolvimento das suas actividades e os resultados das operações referentes ao exercício do ano 2006. O Fiscal Único não verificou qualquer irregularidade nem acto ilícito.

O Fiscal Único propõe à Assembleia Geral que aprove as demonstrações financeiras referentes ao exercício findo em 31 de Dezembro de 2006, o relatório de actividade e a proposta de cobertura de prejuízos apresentada pelo Conselho de Administração.

O Fiscal Único

Wu Chun Sang
Auditor Registado.

Macau, 29 de Março de 2007.

Síntese do parecer dos auditores exteriores

Aos accionistas da
MACAU PASS S.A.

Auditámos as demonstrações financeiras da MACAU PASS S.A. referentes ao exercício findo em 31 de Dezembro de 2006, de acordo com as Normas de Auditoria de Macau, e expressámos a nossa opinião sem reservas, no relatório de 29 de Março de 2007.

Em nossa opinião, as contas resumidas estão de acordo com as demonstrações financeiras atrás referidas das quais elas resultaram.

Para uma melhor compreensão da situação financeira da Companhia e dos resultados das suas operações, as demonstrações financeiras resumidas devem ser analisadas em conjunto com as demonstrações financeiras auditadas.

Baker Tilly (Macau) — Sociedade de Auditores

Macau, 29 de Março de 2007.

Lista das instituições que detêm participação superior a 5% do respectivo capital social ou superior a 5% dos seus fundos próprios

Nenhuma

Lista dos principais accionistas

Liu Chak Wan
Liu Hei Wan
Cheung Chi Leung
Vong Chak Kin
Lao Kin Keong

Órgãos sociais

Mesa da Assembleia Geral

Presidente: Liu Chak Wan
Secretário: Vong Chak Kin

Conselho de Administração

Administrador: Liu Chak Wan
Administrador: Liu Hei Wan
Administrador: Cheung Chi Leung

Fiscal Único

Wu Chun Sang

Secretário da Companhia

Vong Chak Kin

Macau, 29 de Março de 2007.


THE BANK OF EAST ASIA, LIMITED, SUCURSAL DE MACAU

Balanço anual em 31 de Dezembro de 2006

MOP

MOP

* As Outras Reservas incluem uma reserva obrigatória no montante de 3 835 315 Patacas. Porque a sucursal adopta as Hong Kong Financial Reporting Standards («HKFRS») na preparação das suas demonstrações financeiras anuais, as perdas de imparidade com base nas HKFRS podem ser inferiores ao nível mínimo de provisões genéricas calculadas de acordo com o Aviso n.º 18/93 da AMCM (o nível mínimo). A referida reserva obrigatória representa, pois, a diferença entre o nível mínimo e as perdas de imparidade nos termos das HKFRS (antes dos impostos diferidos de 522 997 Patacas). Este mesmo montante, inscrito na linha «Dotações adicionais para provisões conforme RJSF» da Conta de Lucros e Perdas das contas resumidas, está reconciliado entre o «Lucro depois de impostos» e os «Resultados do ano de acordo com as regras da AMCM» na Conta de exploração das demonstrações financeiras auditadas anuais.

MOP

Demonstração de resultados do exercício de 2006

Conta de exploração

MOP

Conta de lucros e perdas

MOP

O Gerente-Geral da Sucursal de Macau O Chefe da Contabilidade
Chen Wei Leong Wai Kun

Síntese do relatório de actividade

No ano de 2006 a economia de Macau continua a ser boa, com o impulso de turismo e jogos, o investimento aumenta agudamente, todos os vários comércios e a ocupação tornam-se vigorosos, a taxa de desemprego declina continuamente, ao elevado nível de consumo doméstico, são mais elevadas do que o crescimento da economia de Macau no ano 2005. A sucursal abriu a primeira secundário-filial em 26 de Outubro de 2006, na Horta e Costa com o constante desenvolvimento do negócio. O lucro líquido pelo ano inteiro era MOP10,7 milhões.

Para o próximo ano, porque muitos grandes hotéis e casinos serão abertos, nós acreditamos que o desenvolvimento económico de Macau irá continuar. A sucursal vai continuar a oferecer com o anterior, de modo seguro, com espírito criativo, a melhor qualidade de serviço aos sectores comercial e industrial e cidadãos de Macau.

The Bank of East Asia, Limited, Sucursal de Macau.
O Gerente-Geral,
Chen Wei.

Síntese do parecer dos auditores externos

Para a Gerência do
The Bank of East Asia, Limited — Macau Branch

Examinámos, de acordo com as Normas de Auditoria de Macau, as demonstrações financeiras do The Bank of East Asia, Limited — Macau Branch referentes ao exercício que terminou em 31 de Dezembro de 2006 e a nossa opinião sobre as demonstrações financeiras está expressa, sem reservas, no nosso relatório datado de 9 de Maio de 2007.

Em nossa opinião, as contas resumidas estão de acordo com as demonstrações financeiras atrás referidas das quais elas resultaram.

Para uma melhor compreensão da posição financeira e dos resultados das operações da Sucursal, durante o exercício, as contas resumidas devem ser analisadas em conjunto com as correspondentes demonstrações financeiras auditadas do ano.

KPMG

Macau, aos 9 de Maio de 2007.


澳門華人銀行股份有限公司

試算表於二零零六年十二月三十一日

(更正)

總經理 會計主管
陳達港 廖國強

BANCO CHINÊS DE MACAU, S.A.

(Publicação ao abrigo do artigo 75.º do RJSF, aprovado pelo Decreto-Lei n.º 32/93/M, de 5 de Julho)

Balanço anual em 31 de Dezembro de 2006

MOP

MOP

Nota: A rubrica «Outras Reservas» está incluído um valor de MOP1 533 000,00 de provisões genéricas adicionais constituídas em cumprimento das regras do Aviso n.º 18/93-AMCM.

MOP

Demonstração de resultados do exercício de 2006

Conta de exploração

MOP

Conta de lucros e perdas

MOP

O Administrador, O Chefe da Contabilidade,
Chan Tat Kong Lio Kuok Keong

Macau, aos 23 de Março de 2007.

Nota: O balanço anual e a demonstração de resultados do exercício foram preparados a partir dos registos contabilísticos auditados.

Síntese do relatório de actividade

para o exercício findo em 31 de Dezembro de 2006

2006 foi um ano impressionante para o Banco. Para o exercício findo em 31 de Dezembro de 2006, registou um lucro atribuível aos accionistas de MOP8 548 714, que foi 52,3% superior ao lucro do mesmo período em 2005. Durante o ano o Banco adoptou uma estratégia prudente de desenvolvimento estável. Com o pleno apoio da gerência e do pessoal, o Banco tem vindo a melhorar a sua prática de administração corporativa e a aperfeiçoar vários elementos de gestão de risco. A economia de Macau continuou a crescer e o Banco alcançou um crescimento firme em todos os aspectos da sua actividade. Para atender à expansão de negócios, o Banco começou a sua operação na sua nova sede localizada num edifício próprio. No entanto, o recrutamento de novo pessoal resultou num aumento nos custos de operação em comparação com os do ano anterior.

2006 também foi um ano extraordinário para Macau. A taxa de desemprego desceu dos 4,1% do ano passado para 3,7%. Com o continuado crescimento económico da China Continental e o abrandamento da restrição de residentes locais em mais cidades da China Continental de pedirem vistos de viagem individuais, o número de viajantes da China Continental aumentou e a chegada de turistas durante o ano atingiu um número recorde de 22 milhões, registando mais 17,6% que no ano anterior. Isto promoveu ainda mais o turismo e empresas relacionadas com o mesmo. A taxa de ocupação hoteleira continuou a subir e o preço dos imóveis subiu consideravelmente. Os números de vendas a retalho no quarto trimestre foi 28% superior ao mesmo período do ano anterior, enquanto outros sectores de consumo também beneficiaram. Os sectores do turismo e do jogo continuam a florescer, com um número de hotéis de grande escala e centros de jogo e entretenimento a serem concluídos em 2007. Com a esperada continuação do crescimento da economia de Macau, várias empresas de financiamento e hipoteca de imóveis continuarão a prosperar e o sector bancário também beneficiará com isso.

No que concerne 2007, o Banco procurará expandir a sua base de clientes, reforçar a sua relação com os actuais clientes, melhorar o seu sistema de trabalho e gestão para elevar a sua eficiência e qualidade de serviço, e explorar meios praticáveis de desenvolver e lançar vários novos produtos e serviços. Temos confiança no continuado desenvolvimento económico de Macau e o nosso Banco continuará a esforçar-se por prestar excelentes serviços bancários aos nossos clientes.

Por e em representação do Conselho de Administração
Lee Luen Wai, John
Presidente.

23 de Março de 2007.

Instituições em que detém participação superior a 5% do respectivo capital ou superior a 5% dos seus fundos próprios:

Nenhuma

Accionistas qualificados:

Winwise Holdings Ltd. (constituída em Hong Kong)
Wong Kon Kei

Nomes dos titulares dos órgãos sociais:

Mesa da Assembleia Geral

Presidente: Albert Saychuan Cheok
Secretário: Hau Tat Kwong, Andrew

Conselho Fiscal

Presidente: Chan Nim Leung, Leon
Vogais: Chui Sai Cheong
  Leung Nai Chau, Jesse

Conselho de Administração

Presidente: Lee Luen Wai, John
Administrador: Chan Tat Kong
  Christopher James Williams
  Ho Man
  Wong Kon Kei

Comissão Executiva

Presidente: Chan Tat Kong
Vogais: Ho Man
  Lee Luen Wai, John

Macau, 23 de Março de 2007.

Parecer do Conselho Fiscal de 2006

Durante 2006, o Conselho Fiscal seguiu atentamente as actividades do Banco. Ao manter um estreito e frequente contacto com o Conselho de Administração, o Conselho Fiscal obteve a melhor cooperação e informação do Conselho de Administração que lhe permitiu executar as suas tarefas e responsabilidades eficaz e eficientemente.

Após rever e analisar os documentos que lhe foram apresentados, o Conselho Fiscal é de opinião que esses documentos reflectem clara e verdadeiramente os bens e a situação económica e financeira do Banco.

Portanto, o Conselho Fiscal considera que as contas e relatório financeiros para o exercício de 2006 submetidos pelo Conselho de Administração deveriam ser apresentados à Assembleia Geral de Accionistas para aprovação.

Presidente do
Conselho Fiscal.

23 de Março de 2007.

A todos os sócios do
Banco Chinês de Macau, S.A.
(Sociedade Anónima constituída e registada em Macau)

Em conformidade com «Normas Internacionais de Auditoria» e «Normas de Auditoria» aprovadas pelo Regulamento Administrativo n.º 23/2004 da Região Administrativa Especial de Macau, conjugado com «Normas Técnicas de Auditoria», aprovadas pelo Secretário para a Economia e Finanças, este auditor deu por concluídos os trabalhos de verificação do relatório anual de contas do Banco Chinês de Macau, S.A., com data finda em 31 de Dezembro de 2006, tendo o mesmo sido elaborado de acordo com as normas internacionais de relatório de contas. Outrossim, no dia 23 de Março de 2007, foi pronunciado, sem reserva, o parecer sobre o resultado de verificação de contas.

Este auditor fez confrontar o extracto do relatório de contas em anexo com o relatório de contas acima referido, o qual já foi verificado por este auditor. No seu entender, cabe aos administradores desse Banco a responsabilidade de elaboração do extracto do relatório de contas.

No entendimento do auditor, o extracto do relatório das contas em anexo está conforme ao relatório das contas que acabou de ser verificado, à excepção das provisões no valor global de cento e quinze mil patacas, reforçadas de acordo com o «Regime Jurídico do Sistema Financeiro», as quais já foram directamente descontadas no Mapa de Perdas e Ganhos do corrente ano. Em cumprimento das normas internacionais de relatório das contas na parte que toca às provisões previstas no «Regime Jurídico do Sistema Financeiro», foi reservado no dia 31 de Dezembro de 2006 o lucro no valor de um milhão, quinhentas e trinta e três mil patacas para constituição de reserva de controlo.

Macau, aos 23 de Março de 2007.

Ernst & Young, Auditores.


BANCO COMERCIAL DE MACAU, S.A.

Balanço anual em 31 de Dezembro de 2006

Valores em patacas

O Director da Contabilidade, Pelo Conselho de Administração
  Lung-Man Chiu (John Chiu)
António Candeias Castilho Modesto Leonel Leonardo Guerreiro da Costa
  Chan Sou Chao, Kenneth

Demonstração de resultados do exercício de 2006

Conta de exploração

Valores em patacas

Conta de lucros e perdas

Valores em patacas

O Director da Contabilidade, Pelo Conselho de Administração
  Lung-Man Chiu (John Chiu)
António Candeias Castilho Modesto Leonel Leonardo Guerreiro da Costa
  Chan Sou Chao, Kenneth

Relatório e parecer do Conselho Fiscal

Aos accionistas do Banco Comercial de Macau, S.A.

Nos termos do Código Comercial de Macau e dos estatutos do Banco Comercial de Macau, S.A. («BCM»), o Conselho Fiscal do BCM emite o relatório sobre o seu acompanhamento da actividade do Banco, assim como a sua opinião sobre o relatório, os documentos de relato financeiro e a proposta de afectação dos resultados apresentados pelo Conselho de Administração relativamente ao exercício findo em 31 de Dezembro de 2006.

O Conselho Fiscal do BCM verificou as operações e a gestão do Banco durante o ano de 2006. As suas competências incluem a supervisão da gestão do Banco; o exame dos livros de registos e sua actualização; a verificação dos activos; a análise dos critérios contabilísticos e o respectivo impacto nos resultados do exercício; o exame dos documentos de relato financeiro anuais, bem como outras verificações previstas na lei e nos estatutos.

O Conselho Fiscal analisou a informação contabilística preparada pelo Banco durante o ano e submetida regularmente à Autoridade Monetária e Cambial de Macau («AMCM»), e seguiu outros procedimentos considerados adequados para as circunstâncias, incluindo o exame do relatório e da opinião dos auditores externos do Banco.

Analisámos o relatório emitido pela firma de auditores Lowe Bingham & Matthews – PricewaterhouseCoopers datado de 22 de Fevereiro de 2007, o qual expressa uma opinião sem reservas sobre os documentos de relato financeiro do Banco relativos ao ano findo em 31 de Dezembro de 2006.

Obtivémos todas as informações e explicações consideradas necessárias para efeitos das nossas verificações e, com base no trabalho efectuado, somos de opinião de que:

(a) O relatório, bem como os documentos de relato financeiro, apresentados pelo Conselho de Administração reflectem fielmente a situação financeira do Banco e estão em conformidade com o estabelecido no Código Comercial de Macau e nos respectivos estatutos;

(b) Os princípios contabilísticos e os critérios utilizados nas estimativas adoptadas pelo Conselho de Administração na preparação dos documentos de relato financeiro apresentados foram os apropriados atendendo às circunstâncias;

(c) O relatório, bem como os documentos de relato financeiro, apresentados pelo Conselho de Administração não necessitam de quaisquer alterações.

Em conclusão, somos de parecer de que o relatório e os documentos de relato financeiro apresentados pelo Conselho de Administração relativamente ao ano findo em 31 de Dezembro de 2006, assim como a sua proposta de afectação dos resultados, sejam aprovados na próxima Assembleia Geral Ordinária de Accionistas.

Macau, aos 7 de Março de 2007.

O Conselho Fiscal

Pedro João Reis de Matos Silva - Presidente
José Rodrigues de Jesus - Vice-presidente
Fernando Manuel da Conceição Reisinho - Vogal e Auditor Registado (0186)

Síntese do relatório de actividade em 2006

A economia de Macau recuperou uma forte dinâmica em 2006, tendo o Produto Interno Bruto (PIB) crescido 16,5% em termos reais comparativamente ao ano anterior.

O investimento permaneceu especialmente activo, continuando a dar uma importante contribuição para o crescimento global. Outras contribuições para o aumento da actividade económica vieram do alto nível do consumo privado, dinamizado pela subida do rendimento disponível das famílias nos anos mais recentes, da recuperação das exportações de mercadorias e da expansão dos sectores do turismo e do jogo.

Beneficiando deste ambiente favorável — derivado dos fortes alicerces da economia e do rápido crescimento da actividade —, e do elevado grau de confiança quer de investidores quer de consumidores, o sector bancário de Macau registou um desempenho bastante satisfatório em 2006.

Os activos do BCM atingiram os 9,772 milhões de patacas em 31 de Dezembro de 2006, ou seja, registaram um aumento de 13,3% comparativamente a 31 de Dezembro de 2005, data em que se cifraram em 8,625 milhões de patacas, devido à expansão das principais linhas de negócio.

Os créditos a clientes cresceram 17,0%, tendo passado de 3,972 milhões de patacas no fim do exercício de 2005 para 4,645 milhões de patacas em 31 de Dezembro de 2006.

Os depósitos de clientes, os quais financiaram 91% do activo líquido total, aumentaram 12,7% em 2006, tendo passado de 7,930 milhões de patacas em 31 de Dezembro de 2005 para 8,936 milhões de patacas em 31 de Dezembro de 2006.

O resultado líquido do Banco foi de 116,6 milhões de patacas em 2006, o mais elevado dos 33 anos de história do BCM, e que compara com os 89,7 millhões de patacas contabilizados em 2005, ou seja, um aumento de 30,0%, do qual resultou uma melhoria dos indicadores de rendibilidade do Banco.

Para o resultado acima referido contribuiu o crescimento de 22,0% da margem financeira, de 170,8 milhões de patacas em 2005 para 208,3 milhões de patacas em 2006.

O bom desempenho das comissões de serviços bancários contribuiu igualmente para o máximo de resultados atingido, tendo sido ainda possível manter os custos de funcionamento em patamares bastantes razoáveis.

A dinâmica do crescimento económico e da prosperidade de Macau esperadas para os anos mais próximos contribuirão certamente para a manutenção do ambiente de progresso vivido nos últimos anos em Macau, continuando, designadamente, a favorecer, as condições de funcionamento do sector bancário local.

Síntese do parecer dos auditores externos para os accionistas do

Banco Comercial de Macau, S.A.

Auditámos as demonstrações financeiras do Banco Comercial de Macau, S.A., referentes ao exercício findo em 31 de Dezembro de 2006, de acordo com as Normas de Auditoria aprovadas pelo Chefe do Executivo da Região Administrativa Especial de Macau e Normas Técnicas de Auditoria aprovadas pelo Secretário para a Economia e Finanças, e expressámos a nossa opinião, sem reservas, no relatório de 22 de Fevereiro de 2007.

Efectuámos uma comparação entre as demonstrações financeiras resumidas, aqui evidenciadas, e as demonstrações financeiras por nós auditadas. A preparação das demonstrações financeiras resumidas é da responsabilidade do Conselho de Administração do Banco.

Em nossa opinião, as demonstrações financeiras resumidas estão consistentes com as demonstrações financeiras auditadas.

Para uma melhor compreensão da situação financeira do Banco e dos resultados das suas operações, as demonstrações financeiras resumidas devem ser analisadas em conjunto com as demonstrações financeiras auditadas.

Lowe Bingham & Matthews – PricewaterhouseCoopers
Sociedade de Auditores.

Macau, aos 22 de Fevereiro de 2007.

Instituições em que o Banco detém participações superiores a 5% do respectivo capital ou superiores a 5% dos seus fundos próprios

Nome das instituições Percentagem
Nemhuma -

Accionistas qualificados

Nome do accionista Número de acções Percentagem
Dah Sing Bank, Limited 702,000 78%
DSB BCM (1), Limited 99,000 11%
DSB BCM (2), Limited 99,000 11%

Órgãos sociais

Mesa da Assembleia Geral

Leonel Alberto Alves Presidente
Liu Chak Wan Secretário
Ma Iao Lai Secretário

Conselho Fiscal

Pedro João Reis de Matos Silva Presidente
José Rodrigues de Jesus Vogal
Fernando Manuel da Conceição Reisinho Vogal

Conselho de Administração

David Shou-Yeh Wong Presidente
Hon-Hing Wong (Derek Wong) Membro
Gary Pak-Ling Wang Membro
Harold Tsu-Hing Wong Membro
Lung-Man Chiu (John Chiu) Membro
Leonel Leonardo Guerreiro da Costa Membro
Kenneth Chan Sou Chao Membro

STANDARD CHARTERED BANK — SUCURSAL DE MACAU

Balanço anual em 31 de Dezembro de 2006

MOP

MOP

1. As Outras Reservas incluem uma reserva obrigatória no montante de 6 243 379,06 Patacas. Porque a sucursal adopta as Hong Kong Financial Reporting Standards («HKFRS») na preparação das suas demonstrações financeiras anuais, as perdas de imparidade com base nas HKFRS podem ser inferiores ao nível mínimo de provisões genéricas calculadas de acordo com o Aviso n.º 18/93 da AMCM (o nível mínimo). A referida reserva obrigatória representa, pois, a diferença entre o nível mínimo e as perdas de imparidade nos termos das HKFRS (antes de impostos diferidos de 851 370,00 Patacas). Este mesmo montante, inscrito na linha «Dotações adicionais para provisões conforme RJSF» da Conta de Lucros e Perdas das contas resumidas, está reconciliado entre o «Lucro depois de impostos» e os «Resultados do ano de acordo com as regras da AMCM» na conta de exploração das demonstrações financeiras auditadas anuais.

Demonstração de resultados do exercício de 2006

Conta de exploração

MOP

MOP

Contas de lucros e perdas

MOP

O Gerente da Sucursal de Macau, O Chefe da Contabilidade,
Wong Wai Hing, Simon Lou Kam Hong, Winnie

Síntese do parecer dos auditores externos

Para o gerente-geral do
Standard Chartered Bank, Macau Branch

Examinámos, de acordo com as Normas de Auditoria de Macau, as demonstrações financeiras do Standard Chartered Bank — Macau Branch referentes ao exercício que terminou em 31 de Dezembro de 2006 e a nossa opinião sobre as demonstrações financeiras está expressa, sem reservas, no nosso relatório datado de 17 de Maio de 2007.

Em nossa opinião, as contas resumidas estão de acordo com as demonstrações financeiras atrás referidas das quais elas derivaram.

Para uma melhor compreensão da posição financeira e dos resultados das operações da Sucursal, durante o exercício, as contas resumidas devem ser analisadas em conjunto com as correspondentes demonstrações financeiras auditadas do ano.

KPMG

Macau, 17 de Maio de 2007.

Tradução

Síntese do relatório de actividades

Beneficiando do crescimento contínuo da economia de Macau, o ano de 2006 foi, sem dúvida, um ano marcado pelo grande sucesso no sector bancário.

Graças ao apoio dos clientes dos vários sectores sociais e ao empenho e zelo dos fiéis colegas, no ano de 2006 o «Chartered Bank», sucursal de Macau, conseguiu o resultado de exercício de exploração mais brilhante que o registado no passado. Os lucros apurados antes e depois de impostos foram de vinte e um milhões de patacas e dezanove milhões de patacas, correspondendo a variações positivas na ordem das 1.2 e 2.1 vezes comparado com os verificados no ano de 2005.

Aproveito esta oportunidade para manifestar o grande agradecimento aos clientes dos diferentes sectores sociais, ao órgão de tutela e a todos os trabalhadores deste Banco.

À semelhança do passado, este Banco continuará a assegurar a prestação de melhor qualidade de serviço aos clientes nos anos vindouros, procurando, de forma continuada, toda e qualquer oportunidade ao seu alcance para aumentar o grau de participação no mercado onde o «Chartered Bank», Sucursal em Macau se insere, a fim de contribuir com o seu melhor esforço para o progresso e a prosperidade de Macau.

O gerente do «Chartered Bank», Sucursal em Macau,

Wong Wai Hing

17 de Maio de 2007.


BANK OF CHINA LIMITED, SUCURSAL DE MACAU

Balanço anual em 31 de Dezembro de 2006

PATACAS

PATACAS

PATACAS

Demonstração de resultados do exercício de 2006

Conta de exploração

PATACAS

Conta de lucros e perdas

PATACAS

O Director-Geral, O Chefe da Contabilidade,
Ye Yi-Xin Iun Fok-Wo

Síntese do relatório do desenvolvimento das actividades

No ano de 2006, à medida que tem sido acelerado o crescimento económico global de Macau e sustentado o desenvolvimento nos sectores de turismo, jogos e imóveis etc., e mantida a estabilidade no mercado financeiro, o sector bancário local aproveitou a oportunidade de crescimento económico, ampliou, estavelmente, o tamanho total de depósitos e de créditos concedidos, desenvolveu, activamente, as actividades intermediárias e melhorou, ainda mais, as qualidades dos activos, portanto, tem sido registado o crescimento notável dos resultados globais da exploração deste sector bancário.

No ano transacto, o Bank of China Limited, Sucursal de Macau, agarrou-se à ocasião do desenvolvimento das actividades bancárias, trazida por conjuntura de exploração. Com a ajuda da boa oportunidade de que a cotação das acções do Bank of China, Limited, foi bem sucedido nas bolsas de valores de Hong Kong e do interior da China, respectivamente, este banco ia sempre procurando ampliar as suas diversas actividades bancárias, fazer, rigorosamente, suas actividades bancárias, nos termos dos regulamentos e de acordo com a lei, elevar o nível de serviços, optimizar a estrutura de activos e passivos, reforçar-se a gestão do risco, aperfeiçoar o controlo interno, que tem evoluído de uma forma substancial e progressiva. Com as atenções e considerações de todos os sectores da sociedade, o apoio de clientes em geral e os esforços conjuntos de todos os funcionários desta instituição, este banco tem ultrapassado a meta de resultados de exploração de todo o ano e concretizado o crescimento rápido nos termos do montante de não só depósitos e créditos concedidos, mas também os activos e o desenvolvimento da aceleração das actividades intermediárias, a elevação considerável da qualidade dos activos e o crescimento notável nos rendimentos de exploração, e bem como o crescimento da receita especial de quantia grande, resultante da venda do projecto do investimento deste banco, este banco tem conseguido, mais uma vez, o crescimento de dois algarismos do lucro apurado depois de dedução do imposto, baseando-se no crescimento de grande envergadura no ano de 2005.

Ao olhar para o ano de 2007, a economia de Macau continuará a manter a tendência do desenvolvimento rápido. A oportunidade comercial do desenvolvimento de actividades bancárias será ainda mais expandida. Este banco continuará a adequar-se à política económica e financeira do Governo da Região Administrativa Especial de Macau, colaborar na defesa da estabilidade do mercado financeiro, seguir, activamente, o ritmo do desenvolvimento económico de Macau, iniciativamente, adequar-se à mudança nova de estrutura económica, e também manter-se firme no conceito de exploração de «tratar seus clientes como alvo de atenções e considerações», desempenhar um papel a aproveitar as vantagens do parceiro da cooperação bancária de Jogos Olímpicos de Beijing, reforçar-se na inovação do produto, elevar o nível de serviços para fornecermos aos clientes em geral os produtos financeiros de forma global e profissional e os serviços de qualidade. Este banco ainda persistirá na unificação orgânica no sentido de fazer as suas actividades bancárias na conformalidade do princípio de «compliance», desenvolvimento, qualidade e eficiência, em aprofundar ainda mais a reforma interna, em elevar as capacidades da gestão do risco, em intensificar a gestão de «compliance» e a construção do controlo interno, em aperfeiçoar a gestão de recursos humanos e em consolidar e aumentar as capacidades da competição substancial para concretizar o desenvolvimento sustentável de forma rápida e melhor.

Director-Geral,
Ye Yi-Xin

Síntese do relatório dos auditores externos

Para o gerente-geral do
Bank of China Limited, Sucursal de Macau

Auditámos, de acordo com as Normas de Auditoria de Macau, as demonstrações financeiras do Bank of China Limited, Sucursal de Macau, referentes ao exercício findo em 31 de Dezembro de 2006. No nosso relatório, datado de 30 de Março de 2007, expressámos a nossa opinião sem reservas sobre essas demonstrações financeiras dando uma verdadeira e justa vista à posição financeira da Sucursal em 31 de Dezembro de 2006, preparadas de acordo com o Decreto-Lei n.º 32/93/M, e Normas de Relato Financeiro de Macau, publicado no Regulamento Administrativo n.º 25/2005 da Região Administrativa Especial de Macau.

Em nossa opinião, as contas resumidas anexas estão de acordo com as demonstrações financeiras acima referidas das quais elas resultaram.

Para um melhor entendimento da posição financeira e resultado anual das operações da Sucursal, as contas resumidas devem ser analisadas em conjunto com as correspondentes demonstrações financeiras auditadas do ano.

KPMG

Macau, aos 30 de Março de 2007.


BANCO DE CONSTRUÇÃO DA CHINA (MACAU), S.A.

(Anteriormente conhecido como Banco da América (Macau), S.A.)

(Publicações ao abrigo do artigo 75.º do RJSF, aprovado pelo Decreto-Lei n.º 32/93/M, de 5 de Julho)

Balanço anual em 31 de Dezembro de 2006

MOP

 

MOP

Demonstração de resultados do exercício de 2006

Conta de exploração

MOP

 

Conta de lucros e perdas

MOP

 

O Administrador, O Chefe da Contabilidade,
Cheong Kin Hong Leng Man I

Macau, aos 9 de Março de 2007.

監事會意見書

本銀行之資產負債表,營業決算及損益表,是依照本澳法例而編製並經本行核數師羅兵咸永道會計師事務所審核完竣,足以顯示本銀行於二零零六年十二月三十一日之真實公平財務狀況及截至該日之全年溢利。

監事長
姚榮輝 謹啟

二零零七年三月九日於澳門

董事會報告書

董事會謹向各股東公告,本銀行截至二零零六年十二月三十一日之溢利其分配辦法如下:

 

澳門幣

除稅前溢利(已除營業開支,資產之折低及各項準備金) 61,149,153.51
減:稅項準備金
7,356,280.00
本年度純利 53,792,873.51
加:年初滾存溢利
96,714,181.78
可供分配溢利 150,507,055.29
董事會建議分配如下:  
法定公積金
11,000,000.00
結餘撥轉下年度
139,507,055.29

業務報告之概要

受惠於賭權開放而吸引的龐大外國投資及相關效應,澳門經濟持續增長,旅客人數不斷攀升,消費信心持續強勁。二零零六年生產總值達百分之十六點六。

在有利的經濟環境下,本行業務在各方面均有理想的增幅。貸款及存款業務比對往年同期分別錄得百分之七及百分之二十五的增長,非利息收入增加百分之八,而淨利息收入增長達百分之三十六。除稅後溢利增加百分之三十八,貸款質素持續保持十分優質水平。有此理想的佳績,本人在此衷心感謝客戶的信賴和支持以及全體員工的努力。

中國建設銀行(澳門)為中國建設銀行(亞洲)全資擁有的附屬公司。二零零六年十二月二十九日中國建設銀行收購美國銀行(亞洲),並於二零零六年十二月三十日易名為中國建設銀行(亞洲)股份有限公司,而本行亦隨著股權轉移而易名為中國建設銀行(澳門)股份有限公司。憑藉中國建設銀行的雄厚財務實力和支持,本行於澳門會繼續積極擴展業務,繼二零零六年七月於澳門高士德區開設第三間分行後,現已計劃於二零零七年下半年度在適合地點開設第四間分行,為客戶提供更完善,多元化,嶄新及優質的產品服務。

中國建設銀行股份有限公司(以下簡稱“建行”)在中國擁有悠久的經營歷史。其前身中國人民建設銀行於1954年成立,於1996年易名為中國建設銀行,是中國的四大國有商業銀行之一。建行由原中國建設銀行於2004年9月份分立而成立,承繼了原中國建設銀行的商業銀行業務及相關的資產和負債。目前,建行總部設在北京,截至2006年年末,在國內設有13,629個分支機構,並在香港、新加坡、法蘭克福、約翰內斯堡、東京及首爾設有分行,在倫敦、紐約設有代表處,建行全資擁有中國建設銀行(亞洲)股份有限公司及中國建設銀行(亞洲)有限公司,持有中德住房儲蓄銀行75.1%的股權和建信基金65%的股權,擁有員工297,500人。

在英國《銀行家》雜誌2006年7月公佈的全球銀行按一級資本排名中,建行名列中國銀行業榜首,在世界2005年1000強大銀行中列第11位。2006年9月11日,建行正式入選恒生指數成份股,首開H股公司“染藍”先河。2006年11月,在《21世紀經濟報導》、香港中文大學工商管理學院和北京大學光華管理學院共同發佈的“2006亞洲銀行競爭力排名”中,建行名列亞洲第四位,被評為中國內地銀行中最具競爭力的商業銀行。建行亦在由《中國新聞週刊》和中國紅十字基金會聯合主辦的全國評選活動中獲“2006最具責任感企業”獎,同時,被香港《財資》雜誌評為“2006年度最佳本地銀行”。

董事長
錢乃驥 謹啟

二零零七年三月九日於澳門

持有超過有關資本5%或超過自有資金5%之出資的有關機構:

主要股東名單:

中國建設銀行(亞洲)股份有限公司
(前稱美國銀行(亞洲)有限公司)
於香港註冊

本公司主要組織:

董事會

錢乃驥先生 董事長
康耀威先生 董事
馬志文先生 董事
李慧明又名李寶娜女士 董事
張建洪先生 董事總經理

監事會

姚榮輝先生 監事長
郭珮芳女士 監事
何美華小姐 監事——核數師

股東會執行委員會

馬志文先生 主席
曾美娟女士 秘書
盧智筠小姐 副秘書
曾美娟女士 公司秘書

外部核數師意見書之概要

致:中國建設銀行(澳門)股份有限公司全體股東
(前稱美國銀行(澳門)股份有限公司)
(於澳門註冊成立之有限公司)

本核數師已按照澳門特別行政區行政長官所核准之核數準則及由經濟財政司司長所核准之核數實務準則完成審核中國建設銀行(澳門)股份有限公司(前稱美國銀行(澳門)股份有限公司)截至二零零六年十二月三十一日止年度之財務報表,並已於二零零七年三月九日就該份財務報表發表了無保留意見的核數師報告書。

本核數師已將隨附的財務報表摘要與上述經審核的財務報表作一比較。編製財務報表摘要為 貴銀行董事的責任。

本核數師認為,隨附的財務報表摘要與上述經審核的財務報表相符。

為更全面了解 貴銀行的財務狀況及經營業績,隨附的財務報表摘要應與經審核的財務報表一併參閱。

羅兵咸永道會計師事務所
註冊核數師行

二零零七年三月九日於澳門


BANCO SENG HENG, S.A.

Balanço anual em 31 de Dezembro de 2006 (Consolidado)

MOP

MOP

Nota: Fizeram parte de outras reservas as provisões genéricas requeridas no Aviso n.º 18/93-AMCM no montante total de MOP 94 302 992,00.

MOP

Demonstração de resultados do exercício de 2006

Conta de exploração (Consolidado)

MOP

Conta de lucros e perdas (Consolidado)

MOP

Huen Wing Ming, Patrick Bao King To, Raymond
Administrador Executivo e Gestor Principal, Gerente Geral e CFO

BANCO SENG HENG, S.A.

Balanço anual em 31 de Dezembro de 2006

MOP

MOP

Nota: Fizeram parte de outras reservas as provisões genéricas requeridas no Aviso n.º 18/93-AMCM no montante total de MOP 94 302 992,00.

MOP

Demonstração de resultados do exercício de 2006

Conta de exploração

MOP

Conta de lucros e perdas

MOP

Huen Wing Ming, Patrick Bao King To, Raymond
Administrador Executivo e Gestor Principal Gerente Geral e CFO

Síntese do relatório de actividade

O Conselho de Administração tem grande prazer em levar ao conhecimento público o relatório de actividades do ano de 2006 e as demonstrações financeiras já auditadas. O lucro apurado nesse ano atingiu o novo auge que nunca antes tinha sido verificado, tendo o mesmo sido calculado em trezentos e doze milhões de patacas, o que significa um grande aumento de 28% em relação ao ano de 2005. O crédito concedido foi totalizado em nove mil e setecentos milhões de patacas, tendo-se igualmente registado nessa área o notável aumento que foi da ordem de 29%, enquanto o total de depósito dos clientes foi de vinte e dois mil e seiscentos milhões de patacas, sendo a taxa de crescimento avaliada em 16%. O activo total foi proporcionalmente elevado a vinte e cinco mil e quatrocentos milhões de patacas, com a taxa de aumento calculada em 18%. As demonstrações financeiras deste Banco já auditadas que foram elaboradas de acordo com «Normas Internacionais de Relatório Financeiro». Se atendermos ao reforço de provisões previsto no «Regime Jurídico do Sistema Financeiro», o lucro passará a ser duzentos e noventa milhões de patacas, depois de feito o necessário ajustamento.

Ao longo dos anos, o Banco Seng Heng tem conseguido, ao passo firme, o contínuo progresso das suas actividades, tendo formado uma base sólida de desenvolvimento sobre a qual assenta o espírito de servir os clientes locais. O serviço prestado por este Banco tem sido sempre bem apreciado, a título de exemplo, na sua edição de Março do ano corrente, a publicação periódica com título de «Global Finance» de Nova Iorque, Estados Unidos da América, acabou por classificar este Banco como o «Melhor Banco em Macau no ano de 2007», contado com o ano de 2007, o Banco Seng Heng conseguiu este título honroso em quatro anos consecutivos. Além disso, contado com o ano passado, foi atribuído em seis anos consecutivos pela publicação periódica titulada de «Banker» do grupo da média social «Financial Times» da Inglaterra ao Banco Seng Heng o título de «Prémio Anual Atribuído ao Banco na Zona de Macau». Tanto o resultado de exercício alcançado por este Banco, como o espírito agressivo demonstrado têm sido muito bem acolhidos, o que se conseguiu devido ao apoio dos clientes e ao empenho e zelo da parte de todo o pessoal deste Banco,

Uma vez que o posicionamento do Banco Seng Heng está assente na captação e no aproveitamento de oportunidade do intensivo intercâmbio comercial e económico entre Macau, China e os países lusófonos, este Banco tenciona expandir as suas actividades com recurso ao benefício que possa tirar dessa oportunidade e através de plataforma de serviço aperfeiçoado já construída pelo mesmo Banco em Macau e do recém-criado escritório em Portugal. Na verdade, desde o retorno de Macau, tem-se verificado a subida contínua da riqueza da população de Macau e grande afluência de investimentos externos à Região Administrativa Especial de Macau, factores esses fazem aumentar a procura de gestão da riqueza, por um lado, sentir-se da falta de recurso humano, por outro. Para ultrapassar essas situações, torna-se necessário o recurso à nova tecnologia informática para poder manipular mais actividades económicas e transacções comerciais. Com assistência deste Banco, o «Centro de Tecnologia de Gestão da Riqueza de Macau» será inaugurado e posto em funcionamento dentro em breve. O mesmo Centro servirá de ponte de ligação entre a China e os países lusófonos, proporcionando, desta maneira, facilidade a ambas as partes de expandir o mercado e impulsionar o comércio e investimentos.

Com vista a prestar serviço mais diversificado, mais abrangente e mais conveniente aos clientes, este Banco já providenciou o alargamento de rede de balcões, tendo criado no Aeroporto Internacional de Macau e na Ponte dos Pescadores novas sucursais, além de aquisição e renovação dos balcões automáticos, a que se acresce ainda a colocação da máquina de marcação automática de caderneta do Banco.

Entretanto, o Banco Seng Heng não se descuida da sua obrigação social que faz parte da sua meta estratégica. A «Fundação Dr. Stanley Ho para o Desenvolvimento da Medicina» que foi criada por este Banco há anos atrás, dedica-se à elevação de qualidade do serviço médico de Macau e do continente chinês, através das medidas de promoção, motivação e financiamento. A referida Fundação tem ainda a finalidade de proporcionar maior oportunidade de treino e formação ao pessoal do respectivo sector. Em paralelo às finalidades acima referidas, a mesma Fundação espera que possa afectar mais recursos a Macau, a fim de contribuir a sua quota parte para a cooperação entre os institutos sanitários governamental e não governamental.

Macau, aos 28 de Março de 2007.

Stanley Ho,
O Presidente do Conselho de Administração.

Síntese do parecer dos auditores externos

A todos os accionistas do Banco Seng Heng, S.A.
(Uma sociedade anónima constituída e matriculada em Macau)

De acordo com as Normas Internacionais de Auditoria e Normas de Auditoria aprovadas pelo Regulamento Administrativo n.º 23/2004 da Região Administrativa Especial de Macau e as Normas Técnicas de Auditoria aprovadas pelo Secretário para a Economia e Finanças, este auditor já finalizou os trabalhos de auditoria das demonstrações financeiras do Banco Seng Heng, S.A., findas no dia 31 de Dezembro de 2006, tendo as mesmas sido elaboradas com base nas Normas Internacionais de Relatório Financeiro. O mesmo auditor pronunciou opinião sem reservas, no dia 28 de Março de 2007, o seu parecer sobre as demonstrações financeiras.

Efectuada a comparação das demonstrações financeiras em anexo com as demonstrações financeiras já auditadas, este auditor entendeu que era do dever dos administradores desse Banco a elaboração das demonstrações financeiras.

No entendimento deste auditor, das demonstrações financeiras em anexo está conforme às referidas demonstrações financeiras já auditadas, excepto já foi deduzido da conta de lucros e perdas (consolidado) o valor total de vinte e um milhões, oitocentas e oitenta e duas mil e sessenta e oito patacas correspondente ao valor de transferência das provisões reforçada nos termos do disposto no Regime Jurídico do Sistema Financeiro.

Macau, aos 28 de Março de 2007.

Ernst & Young Auditores

Parecer do Conselho Fiscal

Em conformidade com o artigo 27.º, al. e) dos Estatutos do Banco, o Conselho Fiscal apreciou as demonstrações financeiras do exercício de 2006 apresentados pelo Conselho de Administração. O Conselho Fiscal entende, com base nesta apreciação, que as referidas demonstrações financeiras são correctas e estão em condições de ser remetidas à Assembleia Geral para apreciação e deliberação.

Macau, aos 29 de Março de 2007.

Mok Ho Yuen Wing, Louise
O Presidente do Conselho Fiscal.

Lista das instituições em que detenham participação superior a 5% do capital e respectivo valor percentual

Sociedade Financeira Seng Heng Capital Ásia, S.A. 100%
Sociedade Gestora de Fundos de Pensões Seng Heng, S.A. 100%
Seng Heng Development Company Limited (Incorporado em Hong Kong) 100%
Millennium — Instituto de Educação, S.A. 20%
Authosis, Inc. (Incorporado em Cayman Islands) 11%
Companhia de Seguros Luen Fung Hang, S.A.R.L. 6%

Lista dos accionistas qualificados

Sociedade de Turismo e Diversões de Macau, S.A.
Sr. Huen Wing Ming Patrick

Órgãos Sociais

Conselho de Administração

Dr. Ho Hung Sun, Stanley, G.B.S. Presidente e Administrador-Delegado
Dr. Cheng Yu Tung Vice-Presidente
Sr. Huen Wing Ming, Patrick Administrador Executivo
Sr. Chui Sai Cheong Administrador
  (nomeado em 30 de Junho 2006)
Prof. Ko Ping Keung Administrador
Dr. Francisco Luís Murteira Nabo Administrador
  (nomeado em 30 de Junho 2006)
Dr. Yeung Chun Kam, Charles Administrador
Dr. So Shu Fai, Ambrose Administrador
  (resignou em 30 de Junho 2006)
Sr. Mak Ka Hing, Winston Administrador
  (resignou em 30 de Junho 2006)

Mesa da Assembleia

Sr. Lau Chi Kit, Edwin Presidente
Dr. So Shu Fai, Ambrose Vice-Presidente
  (resignou em 30 de Junho 2006)
Sr. Bao King To, Raymond Secretário
  (nomeado em 17 de Agosto 2006)
Dr. Miguel Magalhães Queiroz Secretário
  (resignou em 17 de Agosto 2006)
Sr. Cheung Yiu Mo, Paul Vice-Secretário
  (resignou em 17 de Agosto 2006)

Conselho Fiscal

Sra. Mok Ho Yuen Wing, Louise Presidente
Sr. Chung Kin Pong, Anthony Membro
Sra. Chan Yuk Ying Membro
  (representando a CSC & Associados-Sociedade de Auditores)

Secretário da Sociedade

Sr. Bao King To, Raymond


SOCIEDADE FINANCEIRA SENG HENG CAPITAL ÁSIA, S.A.

Balanço anual em 31 de Dezembro de 2006

MOP

MOP

MOP

Demonstração de resultados do exercício de 2006

Conta de exploração

MOP

Conta de lucros e perdas

MOP

Huen Wing Ming, Patrick Bao King To, Raymond
Administrador Executivo e Gestor Principal Chief Financial Officer

Síntese do Relatório de Actividade

O Conselho de Administração tem grande prazer de levar ao conhecimento público o relatório de actividades do ano de 2006 e as demonstrações financeiras já auditadas. Sem dedução do imposto, o lucro apurado nesse ano foi de cinco milhões quatrocentas e sessenta mil patacas, oriundo principalmente de receitas a título de comissões cobradas pela gestão de investimento feito com activo dos clientes. Proporcionalmente, capitais próprios dos accionistas foram também aumentados, sendo os mesmos calculados em setenta e dois milhões de patacas.

No ano passado, o valor total do activo dos clientes, cuja gestão era confiada a esta Sociedade, ultrapassou o montante de quatro mil e cem milhões de patacas e registou, igualmente uma retribuição bastante satisfatória.

Assente na actual base, esta Sociedade continuará a procurar investimento com retribuição ainda mais saudável por conta dos clientes.

Macau, aos 28 de Março de 2007.

Stanley Ho
O Presidente do Conselho de Administração.

Síntese do parecer dos auditores externos

A todos os accionistas da Sociedade Financeira Seng Heng Capital Ásia, S.A.
(Uma sociedade anónima constituída e matriculada em Macau)

De acordo com as Normas Internacionais de Auditoria e Normas de Auditoria aprovadas pelo Regulamento Administrativo n.º 23/2004 da Região Administrativa Especial de Macau e as Normas Técnicas de Auditoria aprovadas pelo Secretário para a Economia e Finanças, este auditor já finalizou os trabalhos de auditoria das demonstrações financeiras da Sociedade Financeira Seng Heng Capital Ásia, S.A., findas no dia 31 de Dezembro de 2006, tendo as mesmas sido elaboradas com base nas Normas Internacionais de Relatório Financeiro. O mesmo auditor pronunciou opinião sem reservas, no dia 28 de Março de 2007, o seu parecer sobre as demonstrações financeiras.

Efectuada a comparação das demonstrações financeiras em anexo com as demonstrações financeiras já auditadas, este auditor entendeu que era do dever dos administradores dessa Sociedade a elaboração das demonstrações financeiras.

No entendimento deste auditor, as demonstrações financeiras em anexo estão conforme às referidas demonstrações financeiras já auditadas.

Macau, aos 28 de Março de 2007.

Ernst & Young Auditores.

Parecer do Conselho Fiscal

Em conformidade com o artigo 25.º, al. e) dos Estatutos da Sociedade, o Conselho Fiscal apreciou as demonstrações financeiras do exercício de 2006 apresentados pelo Conselho de Administração. O Conselho Fiscal entende, com base nesta apreciação, que as referidas demonstrações financeiras são correctas e estão em condições de ser remetidas à Assembleia Geral para apreciação e deliberação.

Macau, aos 29 de Março de 2007.

Chui Sai Cheong
O Presidente do Conselho Fiscal

Lista das instituições em que detenham participação superior a 5% do capital e respectivo valor percentual

Não

Lista dos accionistas qualificados

Banco Seng Heng, S.A.

Órgãos Sociais

Conselho de Administração

Dr. Ho Hung Sun, Stanley, G.B.S. Presidente e Administrador-Delegado
Sr. Huen Wing Ming, Patrick Administrador Executivo
Prof. Ko Ping Keung, Administrador
  (nomeado em 30 de Junho 2006)
Dr. So Shu Fai, Ambrose Administrador
  (resignou em 30 de Junho 2006)

Mesa da Assembleia

Sr. Cheung Kam Man Presidente
  (nomeado em 28 de Dezembro 2006)
Dr. So Shu Fai, Ambrose Presidente
  (resignou em 13 de Maio 2006)
Sr. Mak Ka Hing, Winston Vice-Presidente
  (resignou em 10 de Maio 2006)
Sr. Bao King To, Raymond Secretário

Conselho Fiscal

Sr. Chui Sai Cheong Presidente
Sr. Cheung Yiu Mo, Paul Membro
Sr. Cheng Wing Fai, Patrick Membro

Secretário da Sociedade

Sr. Bao King To, Raymond


SOCIEDADE GESTORA DE FUNDOS DE PENSÕES SENG HENG, S.A.

Balanço anual em 31 de Dezembro de 2006

MOP

Conta de exploração do exercício de 2006

MOP

Conta de ganhos e perdas do exercício de 2006

MOP

Huen Wing Ming, Patrick Bao King To, Raymond
O Administrador Executivo e Gestor Principal Chief Financial Officer

Sumário do Relatório de Actividade

O Conselho de Administração tem grande prazer em levar ao conhecimento público o relatório de actividades relativo ao ano de 2006 e o relatório das contas já submetido à verificação. No ano em referência, o lucro apurado foi de quatrocentas mil patacas, sendo o mesmo lucro oriundo princialmente de gestão do fundo e de receitas provenientes de juro. As acções ordinárias pertencentes aos accionistas foram avaliadas em trinta e um milhões de patacas.

O activo do fundo de aposentação administrado por esta Sociedade já ultrapassou o valor de praça comercial calculado em cento e oitenta milhões de patacas, tendo o crescimento das contribuições para fundo de aposentação acumuladas ascendido a 55%, enquanto que as taxas de retribuição acumuladas atingiram 26%.

Esta Sociedade já pôs em prática o acordo celebrado com várias sociedades comerciais, tendo providenciado a gestão do fundo de aposentação por conta dos trabalhadores ao serviço das sociedades estipulantes. Prevê-se que o valor de praça comercial do activo do fundo de aposentação possa ter um aumento de dois algarismos.

Macau, aos 28 de Março de 2007.

Stanley Ho
O Presidente do Conselho de Administração

Síntese do parecer dos auditores externos

A todos os accionistas da Sociedade Gestora de Fundos de Pensões Seng Heng, S.A.
(Uma sociedade anónima constituída e matriculada em Macau)

De acordo com as Normas Internacionais de Auditoria e Normas de Auditoria aprovadas pelo Regulamento Administrativo n.º 23/2004 da Região Administrativa Especial de Macau e as Normas Técnicas de Auditoria aprovadas pelo Secretário para a Economia e Finanças, este auditor já finalizou os trabalhos de auditoria do relatório anual das contas da Sociedade Gestora de Fundos de Pensões Seng Heng, S.A., findas no dia 31 de Dezembro de 2006, tendo o mesmo relatório sido elaborado com base nas Normas Internacionais de Relatório Financeiro. O mesmo auditor pronunciou opinião sem reservas, no dia 28 de Março de 2007 o seu parecer sobre o referido relatório das contas.

Efectuada a comparação do sumário do relatório das contas em anexo com o referido relatório das contas já auditadas, este auditor entendeu que era do dever dos administradores dessa Sociedade a elaboração do sumário do relatório das contas.

No entendimento deste auditor, o sumário do relatório das contas em anexo está conforme ao referido relatório das contas já auditadas.

Macau, aos 28 de Março de 2007.

Ernst & Young Auditores.

Parecer do Conselho Fiscal

Em conformidade com o artigo 25.º, al. e) dos Estatutos, o Conselho Fiscal apreciou o relatório e as contas do exercício de 2006 apresentados pelo Conselho de Administração. O Conselho Fiscal entende, com base nesta apreciação, que os referidos relatório e contas são correctos e estão em condições de ser remetidos à Assembleia Geral para apreciação e deliberação.

Macau, aos 29 de Março de 2007.

Chui Sai Cheong
O Presidente do Conselho Fiscal

Lista das instituições em que detenham participação superior a 5% do capital e respectivo valor percentual

Não

Lista dos accionistas qualificados Acções Percentagem
Banco Seng Heng, S.A. 30 000 100%

Órgãos das Sociedades

Conselho de Administração

Dr. Ho Hung Sun, Stanley, G.B.S. Presidente e Administrador-Delegado
Sr. Huen Wing Ming, Patrick Administrador Executivo
Sr. Cheung Yiu Mo, Paul Administrador

Mesa da Assembleia

Sr. Li Chin Hung, Alex Presidente
Sr. Bao King To, Raymond Secretário

Conselho Fiscal

Sr. Chui Sai Cheong Presidente
Sr. So Yu Keung Membro
Sr. Leung Yu Wah, Christopher Membro

Secretário da Sociedade

Sr. Bao King To, Raymond


BANCO NACIONAL ULTRAMARINO, S.A.

Balanço anual em 31 de Dezembro de 2006

MOP

MOP

MOP

Demonstração de resultados do exercício de 2006

Conta de exploração

MOP

Conta de lucros e perdas

MOP

A Responsável pela Contabilidade, O Presidente da Comissão Executiva,
Maria Clara Fong Herculano Jorge de Sousa

Relatório sucinto sobre a actividade do Banco Nacional Ultramarino, S.A.

A economia de Macau entrou num ciclo de forte expansão desde 2003 com a entrada de novos operadores no sector do jogo e a nova política de concessão de vistos individuais, adoptada pelas autoridades chinesas, que nos anos subsequentes tem vindo a ser progressivamente alargada a um maior número de cidades chinesas.

A significativa expansão da economia da China Continental, que em 2006 cresceu 10,7 por cento, o quarto ano consecutivo em que registou um crescimento acima de 10 por cento, constitui, igualmente, um factor determinante para o desenvolvimento da economia de Macau.

Em 2006, o Produto Interno Bruto registou um aumento estimado em 15 por cento, bastante superior à taxa de crescimento de 7 por cento verificada em 2005.

Para esta evolução contribuíram o sector do turismo e do jogo, cujos principais indicadores tiveram um desempenho bastante acima do esperado no início do ano, bem como o aumento do investimento público e privado.

O número de visitantes aumentou 17,6 por cento atingindo cerca de 22 milhões, representando os visitantes da China Continental, que aumentaram 14,5 por cento, o correspondente a 54,5 por cento do total dos visitantes.

O número de turistas provenientes de Hong Kong cresceu 23,6 por cento, bastante acima dos 9,8 por cento verificados em 2005.

As receitas brutas do jogo registaram um aumento de 22 por cento, significativamente superior aos 8,3 por cento registados em 2005, ascendendo a 55 884 milhões de patacas, antecipando-se que ultrapassem as receitas dos casinos de Las Vegas Strip, para o que contribui também a entrada em funcionamento de novos e modernos complexos de hotéis e casinos.

As exportações registaram, em 2006, um crescimento de 3,2 por cento, com as exportações têxteis a registar um decréscimo de 4,4 por cento na sequência da eliminação do sistema de quotas. Espera-se que a abertura do parque industrial transfronteiriço Macau-Zhuhai, que já se encontra totalmente ocupado, venha também contribuir para o aumento das exportações do Território.

Em 2006, o investimento em hotéis e casinos pelos operadores do sector do jogo, o investimento público e o investimento de empresas que prestam serviços públicos, continuaram a registar índices de crescimento muito elevados, acompanhando a expansão da indústria turística.

Com o mercado imobiliário em alta, impulsionado pela procura de residentes e não residentes, pela descida das taxas de juro e margens muito reduzidas para o crédito, foram lançados vários projectos de construção de apartamentos que tiveram grande aceitação pelo mercado.

No mercado de trabalho, devido sobretudo à procura pelos sectores da construção, hoteleiro e do jogo, tem-se assistido a uma pressão para um significativo aumento dos salários, verificando-se uma descida da taxa de desemprego para 3,6 por cento, um dos níveis mais baixos de sempre.

Paralelamente, registou-se um aumento das pressões inflacionistas com a subida dos preços de bens de consumo, energia e serviços, nomeadamente das rendas para habitação, determinando um aumento do Índice de Preços no Consumidor de 5,15 por cento em 2006, contra os 4,4 por cento registados no ano anterior.

A evolução favorável da economia e o consequente elevado nível de confiança dos agentes económicos tem induzido, no sector bancário, um aumento do crédito a particulares e a empresas, verificando-se simultaneamente um crescimento bastante significativo dos depósitos de clientes.

A estratégia do Banco continuou a dar prioridade à concessão de crédito a empresas, nomeadamente dos sectores do turismo, construção civil e obras públicas e comércio externo, designadamente com a participação nas operações de financiamento de maior dimensão.

Prioritário foi também o desenvolvimento da banca de retalho, tendo o Banco aberto três novas agências em 2006 e expandido a rede de ATMs e de terminais de pagamento.

Relativamente aos novos canais de distribuição, verificou-se um aumento significativo do número de utilizadores do serviço de banca pela Internet para particulares, bem como do volume de transacções efectuadas online e encontra-se em fase final de lançamento um serviço de banca através da Internet especificamente destinado a empresas.

O crédito a particulares continuou a registar uma evolução muito positiva nas suas diferentes componentes, crédito para aquisição de habitação, automóvel e pessoal, tendo-se verificado, igualmente, um aumento significativo do volume de transacções realizadas com os cartões de crédito emitidos pelo Banco.

O Resultado do Exercício ascendeu, em 2006, a 306 644 milhares de patacas, um nível recorde, 51,5 por cento superior ao registado em 2005, ano em que tinha aumentado 152,7 por cento.

Para este bom desempenho, contribuiu, principalmente, o forte crescimento do produto bancário, que aumentou 37,2 por cento, determinado quer pela evolução francamente positiva da margem financeira — que beneficiou, em particular, do aumento do volume e da margem de intermediação financeira no crédito interno — quer pelo crescimento da margem complementar, em virtude do significativo acréscimo das receitas obtidas na prestação de serviços financeiros.

O Activo Líquido, em 31 de Dezembro de 2006, era de 23 929 milhões de patacas, um acréscimo de 39,3 por cento relativamente ao final do ano anterior.

De entre as principais rubricas do balanço, haverá a destacar que os depósitos de clientes em Macau registaram um aumento de 39,9 por cento e que o saldo do crédito interno cresceu 36,6 por cento.

Os principais indicadores de liquidez e rentabilidade continuaram a evoluir muito positivamente em 2006.

A taxa de rentabilidade sobre os capitais próprios foi de 26,8 por cento em 2006 e o rácio cost-to-income diminuiu de 38,4 por cento em 2005 para 34,8 por cento em 2006.

O rácio de solvabilidade, calculado de acordo com as normas estabelecidas pela AMCM, situou-se em 15,5 por cento.

O Banco Nacional Ultramarino, S.A. expressa os seus agradecimentos a todos os clientes pela confiança depositada e aos empregados pelo trabalho realizado e por toda a sua dedicação.

O Banco Nacional Ultramarino, S.A. agradece às Autoridades de Macau todo o apoio e colaboração prestados.

Hceculano Jorge de Sousa,
Presidente da Comissão Executiva.

Macau, 7 de Fevereiro de 2007.

Síntese do parecer dos auditores externos

para os accionistas do
Banco Nacional Ultramarino, S.A.

Auditámos as demonstrações financeiras do Banco Nacional Ultramarino, S.A. referentes ao exercício findo em 31 de Dezembro de 2006, de acordo com as Normas de Auditoria aprovadas pelo Chefe do Executivo da Região Administrativa Especial de Macau e as Normas Técnicas de Auditoria aprovadas pelo Secretário para a Economia e Finanças, e expressámos a nossa opinião sem reservas, no relatório de 8 de Maio de 2007.

Efectuámos uma comparação entre as demonstrações financeiras resumidas, aqui evidenciadas, e as demonstrações financeiras por nós auditadas. A preparação das demonstrações financeiras resumidas é da responsabilidade do Conselho de Administração do Banco.

Em nossa opinião, as demonstrações financeiras resumidas estão consistentes com as demonstrações financeiras auditadas.

Para uma melhor compreensão da situação financeira do Banco, dos resultados das suas operações, as demonstrações financeiras resumidas devem ser analisadas em conjunto com as demonstrações financeiras auditadas.

Lowe Bingham & Matthews — PricewaterhouseCoopers
Sociedade de Auditores

Macau, 8 de Maio de 2007.

Paracer do Fiscal Único do Banco
Nacional Ultramarino, S.A.
Senhores Accionistas:

O Conselho de Administração do Banco Nacional Ultramarino, S.A., submeteu ao Fiscal Único, nos termos e para efeitos da alínea e) do Art. 32.º dos Estatutos, para emissão de parecer, o balanço, as contas e o relatório anual respeitantes ao exercício de 2006. Complementarmente foi também enviado o relatório dos auditores externos «Lowe Bingham & Matthews — PricewaterhouseCoopers», sobre as contas do Banco Nacional Ultramarino, S.A., relativas àquele mesmo exercício.

O Fiscal Único acompanhou, ao longo do ano, a actividade do Banco, tendo mantido contacto regular com a Administração e dela recebido sempre e em tempo a adequada colaboração e esclarecimentos.

Analisados os documentos remetidos para parecer, constata-se que os mesmos são suficientemente claros, reflectindo a situação patrimonial e económico-financeira do Banco.

O relatório do Conselho de Administração traduz de forma clara o desenvolvimento das actividades do Banco no decurso do exercício em apreciação.

O relatório dos Auditores Externos, tido em devida conta pelo Fiscal Único, refere que os documentos de prestação de contas apresentados evidenciam de forma verdadeira e apropriada a situação financeira do balanço em 31 de Dezembro de 2006, bem como os resultados das operações referentes ao exercício findo naquela data, com observância dos princípios contabilísticos da actividade bancária.

Face ao exposto, o Fiscal Único decidiu dar parecer favorável à aprovação do:

1. Balanço e demonstração de resultados;

2. Relatório anual do Conselho de Administração.

O Fiscal Único,

Chui Sai Cheong  (崔世昌)

Macau, 14 de Maio de 2007.

Lista das instituições em que o Banco Nacional Ultramarino, S.A. detém participação superior a 5% do respectivo capital social ou superior a 5% dos seus fundos próprios, com indicação do respectivo valor percentual:

SEAP — Serviços, Administração e Participação, Lda.

25%

Lista dos accionistas qualificados

Caixa Geral de Depósitos, S.A

97,13%

Órgãos sociais

Mesa da Assembleia Geral

Presidente: Joaquim Jorge Perestrelo Neto Valente
Vice-Presidente: Liu Chak Wan
Secretário: Maria de Lurdes Nunes Mendes da Costa

Conselho de Administração

Presidente: CAIXA GERAL DE DEPÓSITOS, S.A.,
  representada por Carlos da Silva Costa
  até 9 de Outubro de 2006
  CAIXA GERAL DE DEPÓSITOS, S.A.,
  representada por Carlos Jorge Ramalho dos Santos Ferreira
  desde 10 de Outubro de 2006
Vice-Presidente: Herculano Jorge de Sousa
  António Luís Neto
  desde 28 de Fevereiro de 2006
Administradores: CAIXA — PARTICIPAÇÕES SGPS, S.A.,
  representada por António Luís Neto
  até 27 de Fevereiro de 2006
  Artur Jorge Teixeira Santos
  COMPANHIA DE SEGUROS FIDELIDADE, S.A.,
  representada por Eduardo Clarisseau Morais Salgueiro Mesquita de Abreu
  até 27 de Fevereiro de 2006
  Kan Cheok Kuan
  desde 28 de Fevereiro de 2006

Comissão Executiva

Presidente: Herculano Jorge de Sousa
Vice-Presidente: Artur Jorge Teixeira Santos
Membro: COMPANHIA DE SEGUROS FIDELIDADE, S.A.,
  representada por Eduardo Clarisseau Morais Salgueiro Mesquita de Abreu
  até 27 de Fevereiro de 2006
  Kan Cheok Kuan
  desde 28 de Fevereiro de 2006

Fiscal Único: Chui Sai Cheong


INDUSTRIAL AND COMMERCIAL BANK OF CHINA — SUCURSAL DE MACAU

(Publicação ao abrigo do artigo 76.º do R.J.S.F., aprovado pelo Decreto-Lei n.º 32/93/M, de 5 de Julho)

Balanço anual em 31 de Dezembro de 2006

MOP

MOP

MOP

Demonstração de resultados do exercício de 2006

Conta de exploração

MOP

Conta de lucros e perdas

MOP

O Gerente Geral, O Chefe da Contabilidade,
Shen Xiao Qi Lui Kwok Tai

Síntese do relatório de actividade referente ao exercício de 2006

O Banco Industrial e Comercial da China S.A., Sucursal de Macau («ICBC»), mantém a sua exploração «o princípio de estabilidade de exploração, de honestidade de serviço, de fixação de raiz em Macau e de criação de prosperidade» e mantém o mercado como a linha de orientação e o cliente como centro, e explora a sua actividade e presta serviços em Macau numa concepção activa e cautelosa, aproveitando a oportunidade do momento histórico de rápido crescimento económico de Macau, desenvolvendo devidamente a marca, a rede e os recursos do Banco Industrial e Comercial da China, explorando activamente os recursos de mercado e dando consideração aos activos, às dívidas e à coordenação das actividades intermediárias, salientando a eficiência da qualidade e controlando rigorosamente a gestão. Desde o início de actividade em 2003, na base de aumento de estrutura de activos e de todos os tipos de depósitos bancários em dois anos consecutivos, no ano 2006, os activos do ICBC aumentararn de 61%, o saldo dos depósitos aumentou de 68%, o financiamento aumentou de 30%; o resultado económico aumentou continuadamente, atingindo o lucro anual de cerca de sessenta e um milhões, oitocentas e vinte mil patacas.

No presente momento, a economia de Macau está num momento de alto desenvolvimento, Macau irá ser uma cidade com nível internacional de jogos, de convenção, turística, de lazer e de compras. Quanto ao ano de 2007, a boa economia de Macau fornece o espaço de desenvolvimento de actividade ao ICBC, o ICBC continua a desenvolver a vantagem global de Banco Industrial e Comercial da China e da sua marca, mediante a localização como centro de desenvolvimento, prestar rápidas e melhores qualidades de serviços à comunidade de Macau.

O Gerente–Geral,
Shen Xiaoqi.

Síntese do parecer dos auditores externos

Ao Banco Industrial e Comercial da China — Sucursal de Macau

Examinámos, de acordo com as Normas de Auditoria, aprovadas pelo Regulamento Administrativo n.º 23/2004 da RAEM e as Normas Técnicas de Auditoria, aprovadas pelo Despacho n.º 68/2004, do Secretário para a Economia e Finanças, as demonstrações financeiras do Banco Industrial e Comercial da China — Sucursal de Macau referentes ao exercício findo em 31 de Dezembro de 2006, e a nossa opinião sobre as demonstrações financeiras está expressa, sem reservas, no nosso relatório datado de 4 de Maio de 2007.

Em nossa opinião, as contas financeiras resumidas estão de acordo com as demonstrações financeiras atrás referidas das quais elas resultaram.

Para uma melhor compreensão da situação financeira da Sucursal e dos resultados das suas operações, as demonstrações financeiras resumidas devem ser analisadas em conjunto com as demonstrações financeiras auditadas.

Ernst & Young Auditores

Macau, aos 4 de Maio de 2007.


[ Página Anterior ][ Versão Chinesa ]

   

 < ] ^ ] 

    

Versão PDF optimizada para Adobe Reader 7.0 ou superior.
Get Adobe Reader