Número 21
II
SÉRIE

Quarta-feira, 23 de Maio de 2007

REGIÃO ADMINISTRATIVA ESPECIAL DE MACAU

      Anúncios notariais e outros

2.º CARTÓRIO NOTARIAL DE MACAU

CERTIFICADO

澳門文化藝術導賞學會

葡文名稱為“Associação de Estudo dos Guias de Arte e Cultura de Macau”

葡文簡稱為“A.E.G.A.C.M. ”

為公佈之目的,茲證明上述社團之章程已於二零零七年五月十一日,存檔於本署之2007/ASS/M1檔案組內,編號為64號,有關條文內容如下:

澳門文化藝術導賞學會

會章

第一章

總則

第一條——名稱:本會定名為「澳門文化藝術導賞學會」。

葡文名為Associação de Estudo dos Guias de Arte e Cultura de Macau。

葡文簡稱為A.E.G.A.C.M.。

第二條——會址:本會設於澳門水坑尾街200-230號婦聯大廈寫字樓七樓P。

第三條——宗旨:本會為一非牟利團體,以推動本澳文化藝術欣賞,促進與國內外的文化藝術交流,宣傳澳門歷史、文化、藝術為宗旨。

第二章

會員

第四條——凡澳門文化藝術欣賞愛好者,導賞工作者,願意遵守本會章程者,均可加入本會成為會員。

第五條——本會亦邀請對澳門文化藝術有貢獻人士為名譽會員。

第六條——申請人須填寫入會申請表、繳交一吋半近照二張,由一名會員介紹,經理事會批准,始為本會會員。

第三章

會員的權利與義務

第七條——會員有下列權利:

1. 選舉和被選舉權;

2. 對會務提出批評和建議;

3. 參加本會各項活動;

4. 享受本會各項福利;

5. 介紹新會員入會。

第八條——會員有下列義務:

1. 承認會章及決議;

2. 繳交入會費及年度會費;

3. 維護及提高本會之團結及聲譽;

4. 支持及參加本會的活動及會議。

第九條——會員連續二年不繳納會費者,作自動退會論。

第十條——會員如有違反本會會章或損害本會聲譽者,經理事會審議通過,可作勸告、警告及取消會員資格。

第四章

活動

第十一條——本會不定期舉辦國內外文化藝術家來本會作學術交流講座。

第十二條——本會不定期組織國內外文化藝術家來本澳舉行展覽。

第十三條——推廣本澳藝術活動,為各類型文化藝術展覽,舉辦導賞活動及文化藝術講座。

第十四條——組織會員赴外地與藝術家交流,以提高會員業務水平。

第十五條——開展會員間導賞工作交流,促進會員的聯誼氛圍。

第五章

組織、結構及行政

第十六條——會員大會:

1. 會員大會是本會的最高權力機構;

2. 每次召開會員大會必須在八日前以書面通知各位會員;

3. 會員大會每次召開,以超過半數會員出席(不包括名譽會員)方能生效;

4. 會員大會通常在每年一月份的上旬召開,以便通過或修改會章,選舉理事會及監事會,審議理事會的工作報告及財務報告,決定全年的活動計劃;

5. 若有超過三分之一會員人數的要求,可召開特別大會;

6. 會員大會設會長一人,副會長二至五人,秘書一人;

7. 會長對外代表本會。

第十七條——會員大會的職權:

1. 通過、修改及解釋會章;

2. 選舉理事會及監事會;

3. 制定本會的全年活動計劃;

4. 審議由理事會提交的工作及財務報告,表決監事會的決議;

5. 處理本會的內部問題。

第十八條——理事會:

1. 理事會由會員大會選出,由理事長一人、副理事長、秘書、財政及理事等十一至十五單數成員共同組成,共同處理會務,亦是會員大會休會期間的最高決策機構;

2. 理事會任期兩年,期滿改選,可以連任。

第十九條——理事會的職權:

1. 服從本會的會章及執行會員大會的決定;

2. 決定接納新會員;

3. 向會員大會推介名譽會員及提交工作報告;

4. 組織及策劃有關的各類型藝術文化等活動;

5. 委派代表出席有關的公開場合。

第二十條——監事會:

1. 監事會設監事長一人,副監事長一至三人,秘書一人,監事若干組成,人數為單數,直接向會員大會負責;

2. 監事會任期兩年,期滿改選,可以連任。

第二十一條——監事會的職權:

1. 監察理事會的運作;

2. 對破壞本會聲譽或違反會章的現象提出批評及建議。

第六章

選舉理事會

第二十二條——由會員大會以不記名的投票方式選出理事會。

第七章

經費

第二十三條——本會經費來源:會員會費及社會人士的自願捐贈及開展活動時得到的其他收入。

第八章

紀律

第二十四條——本會會員倘違反本會會章將按情況作如下之處理:

1. 口頭或書面警告;

2. 終止其會員權利九十日;

3. 凍結會籍;

4. 開除會籍。

第二十五條——第二十四條之1.2.3.項由理事會執行;第4.項由會會員大會通過後執行。

第九章

附則

第二十六條——本章程倘有未完善之處,將依據本地區之法律處理之。

第二十七條——本會為正式向澳門政府註冊立案之合法團體。

Está conforme.

Segundo Cartório Notarial de Macau, aos onze de Maio de dois mil e sete. — O Aju-dante, António de Oliveira.


CARTÓRIO PRIVADO

MACAU

CERTIFICADO

澳門美國商會

為公佈之目的,茲證明上述組織社團之章程文本自二零零七年五月二日起,存放於本署之5/2007號檔案組內,並登記於第1號“獨立文書及其他文件之登記簿冊”內,編號為19號,該組織章程內容載於附件之證明書內並與原件一式無訛。

澳門美國商會

章程

第一章

總則

第一條——本會定名為“澳門美國商會”,葡文名稱:“Câmara de Comércio Americana de Macau”,英文名稱: “ The American Chamber of Commerce in Macau”。

第二條——本會宗旨:宏揚、發展澳門美國兩地經貿文化往來。

第三條——本會會址設在澳門友誼大馬路555號澳門置地廣場13樓1308室,在需要時可遷往本澳其他地方,及設立分區辦事處。

第二章

會員

第四條——凡具本澳或本澳以外營業牌照之工商企業、商號、工廠等僱主、董事、經理、司理、股東或高級職員又或個人,經本會會員介紹,及經理事會議批准得成為正式會員。

第五條——會員有選舉權及被選舉權;享有本會舉辦一切活動和福利的權利。

第六條——會員有遵守會章和決議,以及繳交會費的義務。

第三章

組織

第七條——本會組織機關包括會員大會、理事會、監事會。

第八條——本會最高權力機構為會員大會,除行使其他法定權力外,亦負責制定或修改會章;選舉會員大會主席團、理事會、監事會的成員;決定會務方針;審查、批准理事會工作報告和監事會意見書。

第九條——會員大會主席團設主席一人、副主席若干人、秘書一人,由會員大會為每次會議選任,但成員人數必須為單數。

第十條——本會執行機構為理事會,設會長一人,副會長、其他值理及理事若干人,由理事會成員互選產生,但成員人數必為單數,負責執行會員大會決策和日常具體會務。

第十一條——本會監察機構為監事會,設主席一人、監事若干人,由監事會成員互選產生,但成員人數必為單數,負責監察理事會日常會務運作和財政收支。

第十二條——理事會、監事會的成員任期為兩年,連選得連任。

第四章

會議

第十三條——會員大會每年舉行一次平常會議,如遇重大或特別事項得召開會員大會特別會議。每次會員大會由會長或代任人召集,至少於會議前八日以掛號信或透過簽收方式下達各會員,召集書內須載明會議的日期、時間、地點及議程。如法定人數不足,則於通知書上指定時間三十分鐘後視為第二次召集會議,屆時不論出席人數多寡,會員大會均得開會。

第十四條——理事會、監事會至少每三個月召開一次會議。

第十五條——會員大會、理事會之會議由會長或代任人召集,監事會會議由監事會主席或代任人召集。

第十六條——理事會和監事會有半數以上成員出席時方可議決事宜,決議取決於出席成員之過半數票,主席除本身之票外,遇票數相同時,有權再投一票。

第五章

經費

第十七條——本會經費源於會員會費或各界人士贊助或公共實體的資助,倘有不敷或特別需用款時,得由理事會決定籌募之。

第六章

附則

第十八條——本會須在正式成立後一年內選出本會組織機關之成員,而其間本會之管理由創設會員確保。

第十九條——本章程如有未盡善處,均按澳門法律辦理。

二零零七年五月二日於澳門特別行政區

私人公證員 黃顯輝


CARTÓRIO PRIVADO

MACAU

CERTIFICADO

新福利職業安全健康職工會

Certifico, para efeitos de publicação, que, por instrumento arquivado neste Cartório, desde catorze de Maio de dois mil e seis, sob o número dois do maço número um de documentos referentes às associações e fundações do ano de dois mil e sete, um exemplar dos estatutos de constituição da associação supradenominada, do teor em anexo:

新福利職業安全健康職工會

章程

第一章

名稱、性質及宗旨

第一條

(名稱)

本會定名為“新福利職業安全健康職工會”(下稱本會)。

第二條

(性質)

本會為一非牟利社團,且根據本章程予以規範。未有訂定之處,悉依本澳現行法例處理。

第三條

(期限及會址)

本會在成立之日開始運作,其存續不設期限;會址設在澳門台山巴波沙大馬路181號嘉翠麗大廈地下,會址可由會員大會決定遷移。

第四條

(宗旨)

一、推廣對公共運輸業之職業安全健康的認識。

二、增強勞資雙方就有關職業安全健康溝通的機會。

三、經常檢討並跟進有關確保員工職業安全健康的措施。

第二章

會員

第五條

(會員之類別及新會員之加入)

會員分為三類:

a)名譽會長;及

b)名譽會員;及

c)會員。

(第一款)

為本會作出貢獻者,經理事會決定給予有關榮譽者,均為名譽會員。

(第二款)

任何澳門新福利公共汽車有限公司的在職員工,經向理事會提出申請加入本會且獲理事會接受者,即可成為本會會員。

第六條

(會員退出及開除)

會員在下列情況喪失其會員資格:

a) 提前十五日以書面方式向理事會作出退會聲明;

b) 根據本章程第九條或由理事會制定的內部守則的規定被開除者;

c) 會員不再在澳門新福利公共汽車有限公司任職。

第七條

(會員權利)

會員權利為:

a) 根據章程規定,參加會員大會;

b) 選舉其他會員擔任會務及被選擔任會務;

c) 以書面形式向理事會提出有利於本會之意見。

第八條

(會員義務)

會員義務為:

a) 遵守本會章程,會員大會、理事會及監事會的決議和內部守則;及

b) 以各種方法作出有利於本會發展及聲譽的貢獻。

第九條

(罰則)

如會員屢次嚴重違反義務,會員大會可根據理事會建議決定開除有關會員之會籍。

第三章

機關

第十條

會員大會,理事會及監事會為本會機關。

第一節

會員大會

第十一條

(組織)

一、會員大會是本會最高權力機關,由所有會員組成。

二、會員大會由其選出的會長及一名副會長組成的大會主席團主持,任期三年,可連續參選,獲選得連任。

第十二條

(平常會議及特別會議)

一、每年舉行一次平常會議,並至少提前八天以掛號信或簽收之方式召集。

二、會員大會得應理事會請求而召開特別會議。

三、會員大會會議由會長主持。

第十三條

(決議的多數)

任何決議均須經出席或獲書面授權出席者的絕對多數票通過。當票數相等時,會長有決定票。

第十四條

(權限)

會員大會有權通過決議:

a) 修改章程;

b) 解散本會;

c) 選舉會長、副會長,以及理事會和監事會的全體成員;

d) 訂定本會活動方針;

e) 決定資產運用;

f) 審議及通過理事會的年度報告及帳目。

第十五條

(會長及副會長)

一、本會之對外代表,包括在法庭之代表,由會長擔任。

二、會長不能理事時,由副會長代替其行使職務,包括行使第十二條第三款及第十三條的職權。

第二節

理事會

第十六條

(組織)

理事會成員人數不確定,但需為單數,由會員大會按第十九條的規定選出,任期三年,可參與連選,獲選可連任。

第十七條

(平常及特別會議)

理事會每月舉行一次平常會議;倘理事長認為有需要則召集特別會議。

第十八條

(決議的多數)

任何決議均須出席者絕對多數票通過;票數相同時,理事長或會議主持人所投的票具決定性,理事長主持理事會議。

第十九條

(理事會的職位及選舉)

一、理事會成員人數不確定,但須為單數,會長及副會長為當然成員,其中理事長一人,副理事長二人,常務副理事長,秘書一人,財務一人,其餘成員為理事。

二、上述職位,除會長及副會長由會員大會選出外,由理事會成員互相選舉產生。

第二十條

(權限)

理事會有權:

a) 執行會員大會之決議;

b) 確保會務之管理以及提交工作報告及帳目;

c) 召集會員大會;

d) 制定本會的內部守則。

第二十一條

(理事會下設之組織)

一、理事會下設六個部門,其名稱及主要職能如下:

a)職業安全部——(i)負責巴士日常運作方面安全健康工作,包括道路情況、駕駛情況等的安全;

(ii)負責車輛日常保養維修方面安全健康工作,包括廠房、設備、操作等;

(iii)負責澳門新福利公共汽車有限公司除(i)及(ii)類的其他性質工作的安全健康工作,包括寫字樓、銀房和站長更亭等。

b) 培訓部——負責會員的培訓、宣傳和推廣工作;

c) 總務部——負責財務、採購等各方面後勤支援工作;

d) 文康部——負責文娛康樂、體育、比賽等會員工餘活動工作;

e) 福利都——負責一切有關會員的員工福利事宜;

f) 宣傳及公共關係部——負責社團內部和外界宣傳、溝通工作。

二、理事會認為有需要時,得隨時透過決議增設、刪減或改組其下設部門。

第二十二條

(理事會下設組織之組成)

一、上條所設六部分別由一名部長負責有關部門的行政工作;

二、部長之工作由人數不限之委員協助;

三、部長及委員均由理事會由會員中選任。

第三節

監事會

第二十三條

(組織)

監事會由三名成員組成,每隔兩年由會員大會選出,可連續參選,獲選可連任。

第二十四條

(平常及特別會議)

監事會每年舉行一次平常會議;倘監事長認為有需要則召集特別會議。

第二十五條

(監事會的職位及選舉)

監事會設監事長一人、監事二人,由監事會成員互選產生。

第二十六條

(權限)

監事會之職權為:

a) 執行會員大會之決議;

b) 監督理事會之所有行政行為;

c) 接受和處理對理事會工作的投訴;

d) 定期審核財務之帳目;及

e) 對理事會的年度報告及帳目發表意見。

第四章

財務管理

第二十七條

(收入)

本會經費收入為:

a) 會員或非會員的捐款或其他收入;

b) 任何合法獲得之資產及收益。

第二十八條

(帳簿)

本會須設置財務開支帳簿,必須每年一次將上述帳簿呈交監事會查核。

二零零七年五月十七日

私人公證員 艾維斯

Cartório Privado, em Macau, aos dezas-sete de Maio de dois mil e sete. — O Notário, Rui Afonso.


2.º CARTÓRIO NOTARIAL DE MACAU

CERTIFICADO

澳門攝影沖印業商會

葡文名稱為“Associação dos Comerciantes dos Ramos Fotográfico e de Revelação de Macau (em abreviatura: A.C.R.F.R.M.)”

英文名稱為“Macau Photography and Printing Traders Association (Abbreviation: M.P.P.T.A.)”

拼音名稱為“Ou Mun Sip Yêng Ch’ông Yân Yip Seóng Wui”

為公佈之目的,茲證明上述社團的章程之修改文本已於二零零七年五月十一日,存檔於本署之2007/ASS/M1檔案組內,編號為63號,有關修改之條文內容如下:

第一章

總則

第一條—— 本會中文名稱為“澳門攝影沖印業商會”。

葡文名稱:Associação dos Comerciantes dos Ramos Fotográfico e de Revelação de Macau (em abreviatura: A.C.R.F.R.M.)。

英文名稱:Macau Photography and Printing Traders Association (Abbreviation: M.P.P.T.A.)。

第二條—— 本會會址為澳門龍嵩街109號德泰大廈第一座三樓H。

第三條—— 本會宗旨為促進會員愛國愛澳,團結互助,參與社會事務,維護會員的合理權益,開展技術交流活動及培訓項目,提高會員專業素質,以適應社會的發展。本會乃非牟利團體。

第二章

會員

第四條—— 凡具經營攝影沖印業商號僱主、董事、經理、職員,經本會會員介紹,及經會議批准得成為正式會員。

第五條—— 會員有選舉權及被選舉權;享有本會舉辦一切活動和福利的權利。

第六條—— 會員有遵守會章和決議,以及繳交會費的義務。

第三章

組織

第七條—— 本會組織機關包括會員大會、理事會、監事會。

第八條—— 本會最高權力機構為會員大會,負責制定或修改會章;選舉會長和理事會、監事會成員;決定會務方針;審查和批准理事會工作報告。

第九條—— 本會設會長一名、副會長一至多名、秘書長一名。

第十條—— 本會執行機構為理事會,設理事長一名,副理事長多名、理事多名,負責執行會員大會決策和日常具體會務。

第十一條——本會監察機構為監事會,設監事長一名,副監事長多名,監事多名, 負責監察理事會日常會務運作和財政收支。

第十二條—— 會長、理事會、監事會成員由會員大會選舉產生,且人數必須為單數, 任期三年,連選得連任。

第四章

會議

第十三條——會員大會每年舉行一次,如遇重大或特別事項得召開特別會員大會。 每次會員大會如法定人數不足,則於超過通知書上指定時間三十分鐘後作第二次召集,屆時不論出席人數多寡,會員大會均得開會。

第十四條——理事會議、監事會議每三個月召開一次。

第十五條——會員大會、理事會會議、監事會會議分別由會長、理事長、監事長召集和主持。

第十六條——理事會議須有過半數理事出席時方可議決事宜,且須經出席半數以上理事同意,始得通過決議。

第五章

經費

第十七條——本會經費源於會員會費或各界人士贊助,倘有不敷或有特別需用款時,得由理事會決定籌募之。

第六章

附則

第十八條——本章程經會員大會通過後執行。

第十九條——本章程之修改權屬於會員大會。

Está conforme.

Segundo Cartório Notarial de Macau, aos onze de Maio de dois mil e sete. — O Ajudante, António de Oliveira.


CARTÓRIO NOTARIAL DAS ILHAS

CERTIFICADO

澳門和鳴戲劇曲藝協會

為公布的目的,茲證明上述社團修改章程的文本自二零零七年五月十一日起,存放於本署之“2007年社團及財團儲存文件檔案”第1/2007/ASS檔案組第11號,有關條文內容載於附件。

澳門和鳴戲劇曲藝協會

中文名簡稱為“和鳴”

修改章程

名稱,會址及宗旨

第一條——本會命名為“澳門和鳴戲劇曲藝協會”,葡文名稱為“Associação de Teatro e Ópera Chinesa de ‘Vo Meng’ de Macau”。

二零零七年五月十四日於海島公證署

助理員 Manuela Virgínia Cardoso


大福證券有限公司(澳門分行)

試算表於二零零七年三月三十一日

 

 

澳門元

帳戶名稱

餘額

借方

貸方

現金

 

 

銀行結存

24,515,354.71

 

應收賬款

 

 

預付款項、按金及其他應收款項

97,193.14

 

總公司之欠款

 

 

關連公司之欠款

3,183,735.74

 

固定資產

585,162.23

 

其他資產

 

 

銀行透支

 

 

銀行貸款

 

 

應付賬款

 

 

其他應付款項及應計負債

 

 

結欠總公司之款項

 

21,362,860.81

結欠關連公司之款項

 

2,268,389.94

稅項

 

 

股本

 

 

儲備

 

 

保留溢利/(損失)

(3,380,405.92)

 

總收入

 

2,473,943.90

總支出

1,104,154.75

 

總額

26,105,194.65

26,105,194.65

分行經理

財務主管

林勁勇 盧偉浩

SOCIEDADE DE TRANSPORTES COLECTIVOS DE MACAU, S.A.R.L.

Síntese do relatório do Conselho de Administração

Na sequência do intenso e acelerado crescimento da indústria de turismo e entretenimento em Macau, as empresas destes sectores de actividades viram-se na necessidade de empregar um elevado número de condutores de veículos pesados, dando origem à situação de carência desses profissionais, a qual tem vindo a agravar-se cada vez mais. Apesar dos redobrados esforços empregues na formação de novos condutores e na redistribuição do pessoal, a insuficiência de recursos humanos continua a verificar-se, com reflexos negativos no funcionamento das carreiras, condicionando, desta forma, a realização de receitas da TCM, uma vez que, em 2006, o número de utentes apenas registou um ligeiro crescimento de 0,54%, comparado com o do exercício precedente. No que concerne a despesas, dada a conjuntura do mercado de trabalho local, o nível dos salários não cessou de subir, situação essa que se tornou mais grave com a escalada do preço do combustível, agravando significativamente os custos operacionais. Não obstante esse facto, as tarifas das carreiras mantiveram-se sem qualquer actualização desde o ano de 1998. Nestas circunstâncias, em 31 de Dezembro de 2006, a TCM apurou um resultado negativo de MOP5,302,136.

Macau, aos 28 de Março de 2007.

Pelo Conselho de Administração,
Ng Fok.

Síntese do parecer dos auditores Eexternos

Auditámos as demonstrações financeiras da Sociedade de Transportes Colectivos de Macau, S.A.R.L., referentes ao exercício findo em 31 de Dezembro de 2006, de acordo com as Normas de Auditoria vigentes em Macau, RAE, e sobre essas demonstrações financeiras expressámos a nossa opinião, sem reservas, no relatório datado de 26 de Março de 2007.

Efectuámos uma comparação entre as demonstrações financeiras resumidas, para efeitos de publicação, preparadas pelo Conselho de Administração, e as demonstrações financeiras que auditámos.

Em nossa opinião, as demonstrações financeiras resumidas estão consistentes com as demonstrações financeiras auditadas.

Macau, aos 26 de Março de 2007.

Basilio e Associados,
Auditores Registados.

Demonstração dos resultados do exercício de 2006

Balanço de exercício findo em 31 de Dezembro de 2006


BANCO LUSO INTERNACIONAL, S.A.

(Pulicações ao abrigo do artigo 75.º do RJSF, aprovado pelo Decreto-Lei n.º 32/93/M, de 5 de Julho)

Balanço anual em 31 de Dezembro de 2006

Demonstração de resultados do exercício de 2006

Conta de exploração

Conta de lucros e perdas

O Gerente-Geral, O Chefe da Contabilidade,
Ip Kai Ming Tsoi Lai Ha

Macau, aos 7 de Março de 2007.

Síntese do relatório de actividade

No ano de 2006, Macau continuou a conhecer um rápido crescimento económico. O florescimento da indústria do jogo e do turismo incrementou a prosperidade do mercado de consumo, bem assim todas as outras indústrias. A actividade comercial cresceu gradualmente, a cooperação económica com outras regiões tornou-se mais activa e a taxa de desemprego nunca esteve tão baixa. Prevê-se que o crescimento anual do Produto Interno Bruto seja igual ou superior a 15%. No ano passado, a actividade bancária de Macau manteve um crescimento continuado e sustentado, aumentando significativamente a sua rentabilidade. No entanto, o referido dinamismo económico, tornou mais expressivo os problemas causados pela estrutura industrial pouco diversificada e o déficit e o desequilíbrio nos recursos humanos.

Em 2006, o nosso Banco aproveitou as oportunidades favoráveis e intensificou os esforços em desenvolver e inovar a sua actividade comercial. Continuámos a reforçar os nossos sistemas internos de controlo e as medidas de gestão de risco, atingindo resultados satisfatórios. Durante o ano em questão, alcançámos um rápido desenvolvimento da actividade comercial, tornando-nos mais eficientes e, ao mesmo tempo, aperfeiçoando os produtos e os serviços oferecidos. O volume do saldo dos nossos depósitos alcançou um novo recorde máximo. O nível do lucro alcançado foi satisfatório, ultrapassando, em larga medida, os objectivos a que nos propusemos. Paralelamente, o montante do crédito mal parado, bem assim a percentagem representativa do mesmo, continuou a decrescer. No final de 2006, após a dedução de encargos fiscais, obtivemos um lucro de MOP 150 060 000,00, um notável aumento de 49% face aos resultados obtidos no ano transacto. A rentabilização do capital investido pelos accionistas chegou aos 20%.

Gostaríamos de expressar o nosso agradecimento pela contínua confiança, apoio e assistência das autoridades reguladoras, dos nossos clientes e das demais instituições bancárias, bem assim pelo esforço e contributo dos nossos colaboradores para os bons resultados que o Banco atingiu em 2006.

Estamos confiantes no futuro de Macau. Em 2007, com o estável crescimento económico de Macau, o nosso banco enfrentará grandes desafios e terá mais oportunidades de desenvolvimento. Procuraremos incrementar o conceito de desenvolvimento comercial «Desenvolvimento prudente mas inovador, fornecendo serviços de qualidade», continuaremos a esforçar-nos no sentido de atingir novas metas no desenvolvimento comercial e de fortalecer a competitividade do nosso banco, procurando satisfazer os nossos clientes, os nossos accionistas, os nossos colaboradores e a sociedade em geral, contribuindo ainda para a prosperidade e estabilidade da economia e da sociedade de Macau.

O Conselho de Administração do Banco Luso Internacional, S.A., tem o prazer de submeter aos accionistas o seguinte resultado do exercício respeitante ao ano findo em 31 de Dezembro de 2006:

Resultado do exercício MOP 150 062 980,69
Resultados transitados de exercícios anteriores   607,95
 
Total a distribuir MOP 150 063 588,64
Para o Fundo de Reserva Legal   (30 013 000,00)
Para o Fundo de Reservas Livres   (120 050 000,00)
 
Lucros não distribuídos MOP 588,64
 

Pel’O Conselho de Administração
O Presidente,
Lu Yao Ming.

Macau, aos 7 de Março de 2007.

Parecer do Conselho Fiscal

Por força do disposto no artigo 37.º, alínea f) do n.º 1 dos estatutos do Banco Luso Internacional, S.A., compete ao Conselho Fiscal certificar-se da exactidão e da forma apropriada do balanço e da demonstração de resultados a apresentar anualmente pelo Conselho de Administração.

Submetido à consideração do Conselho, o relatório do Conselho de Administração e as demonstrações financeiras, referentes a 31 de Dezembro de 2006, bem assim, o relatório da Sociedade de Auditores Lowe Bingham & Matthews — PricewaterhouseCoopers, datado de 7 de Março de 2007, no qual se afirma que as demonstrações financeiras, apresentam de forma verdadeira e apropriada a situação financeira do Banco em 31 de Dezembro de 2006, e o lucro apurado no exercício então findo.

Examinados os documentos anteriormente mencionados, o Conselho Fiscal pronunciou-se no sentido de que o relatório e as demonstrações financeiras estão em condições de serem apresentadas à apreciação e aprovação da Assembleia Geral dos Accionistas do Banco Luso Internacional, S.A.

O Presidente do Conselho Fiscal,
Lee Fai Ming.

Macau, aos 28 de Março de 2007.

Instituições em que detêm participação superior a 5% do respectivo capital ou superior a 5% dos seus fundos próprios

Nenhuma

Accionista qualificada

Xiamen International Investment Limited (constituída em Hong Kong)

Nomes dos titulares dos órgãos sociais

Conselho de Administração

Presidente: Lu Yao Ming*
Administradores: Ding Shi Da*
  Chen Gui Zong*
  Zhu Xue Lun*
  Ip Kai Ming*
  Huang Ming Yuan
  Jiao Yun Di

Mesa da Assembleia Geral

Presidente: Fuxing Park Development Limited
  Representada por Leung Pai Wan
Vice-Presidente: Pretty Won Company Limited
  Representada por Tsoi Lai Ha

Conselho Fiscal

Presidente: Lee Fai Ming
Vice-Presidente: Gui Lin
Vogal: Wong Wai Pan
Secretário da sociedade: Leong Ut Sin

* Membros da Comissão Executiva.

Macau, aos 7 de Março de 2007.

Síntese do parecer dos auditores externos para os accionistas do Banco Luso Internacional, S.A.

Auditámos as demonstrações financeiras do Banco Luso Internacional, S.A. referentes ao exercício findo em 31 de Dezembro de 2006, de acordo com as Normas de Auditoria aprovadas pelo Chefe do Executivo da Região Administrativa Especial de Macau e Normas Técnicas de Auditoria aprovadas pelo Secretário para a Economia e Finanças, e expressámos a nossa opinião, sem reservas, no relatório de 7 de Março de 2007.

Efectuámos uma comparação entre as demonstrações financeiras resumidas, aqui evidenciadas e as demonstrações financeiras por nós auditadas. A preparação das demonstrações financeiras resumidas é da responsabilidade do Conselho de Administração do Banco.

Em nossa opinião, as demonstrações financeiras resumidas estão consistentes com as demonstrações financeiras auditadas.

Para uma melhor compreensão da situação financeira do Banco e dos resultados das suas operações, as demonstrações financeiras resumidas devem ser analisadas em conjunto com as demonstrações financeiras auditadas.

Lowe Bingham & Matthews — PricewaterhouseCoopers
Sociedade de Auditores

Macau, aos 7 de Março de 2007.


BANK SINOPAC COMPANY LIMITED

SUCURSAL DE MACAU

Balanço anual em 31 de Dezembro de 2006

MOP

Demonstração de resultados do exercício de 2006

Conta de exploração

MOP

Conta de lucros e perdas do exercício de 2006

MOP

O Gerente-Geral, O Chefe da Contabilidade,
Scott Lin Cecilia Lo

Síntese do parecer dos auditores externos

Gerente-Geral do Bank SinoPac Company Limited — Sucursal de Macau

Examinámos, de acordo com as Normas de Auditoria aprovadas pelo Chefe do Executivo da Região Administrativa Especial de Macau e as Normas Técnicas de Auditoria aprovadas pelo Secretário para a Economia e Finanças, as demonstrações financeiras do Bank SinoPac Company Limited — Sucursal de Macau (adiante designado por «Sucursal») referentes ao exercício que terminou em 31 de Dezembro de 2006, e a nossa opinião sobre as demonstrações financeiras está expressa, sem reservas, no nosso relatório datado de 20 de Janeiro de 2007.

Em nossa opinião, as contas financeiras resumidas estão de acordo com as demonstrações financeiras atrás referidas das quais elas resultaram.

Para uma melhor compreensão da posição financeira e dos resultados das operações da Sucursal, durante o exercício, as contas financeiras resumidas devem ser analisadas em conjunto com as correspondentes demonstrações financeiras auditadas do ano.

Deloitte Touche Tohmatsu

Macau, aos 20 de Janeiro de 2007.

Síntese do relatório de actividade

No ano de 2006, o International Bank of Taipei Company Limited alterou o seu nome para Bank SinoPac Company Limited. Com o total apoio dos colaboradores da sucursal de Macau e da companhia-mãe, SinoPac Financial Holdings Company Limited , um crescimento estável foi obtido nas diferentes operações. O valor total do activo atinge mais de MOP 1 bilião e a qualidade desses activos permanecem boas. O lucro depois de impostos atingiu mais de MOP 34 milhões. Para cobrir o desenvolvimento dos negócios, foi estabelecida a nossa primeira agência nas Portas do Cerco.

Olhando para o ano de 2007, iremos extender agressivamente o âmbito dos nossos serviços e locais de operações e fortalecer o nosso sistema de informação para servir a comunidade local. Iremos também continuar a prosseguir as políticas do Governo da Região Administrativa Especial de Macau para fortalecimento do desenvolvimento económico.

O Gerente-Geral, Scott Lin.


THE HONGKONG AND SHANGHAI BANKING CORPORATION LIMITED

Sucursal de Macau

Incorporated in the Hong Kong SAR with limited liability

Síntese do parecer dos auditores externos

Para a Área da Gerência do The Hongkong and Shanghai Banking Corporation
Limited — Sucursal de Macau

Examinámos, de acordo com as Normas de Auditoria emanadas do Hong Kong Institute of Certified Public Accountants e Normas de Auditoria de Macau, as demonstrações financeiras do The Hongkong and Shanghai Banking Corporation Limited — Sucursal de Macau referentes ao exercício que terminou em 31 de Dezembro de 2006 e a nossa opinião sobre as demonstrações financeiras está expressa, sem reservas, no nosso relatório datado de 18 de Abril de 2007.

Em nossa opinião, as contas resumidas estão de acordo com as demonstrações financeiras atrás referidas das quais elas resultaram.

Para uma melhor compreensão da posição financeira e dos resultados das operações da Sucursal, durante o exercício, as contas resumidas devem ser analisadas em conjunto com as correspondentes demonstrações financeiras auditadas do ano.

KPMG

Macau, 18 de Abril de 2007.

Sintese do relatório de actividade

Resultados depois de impostos subiram 19%, cifrando-se em MOP 256,3 milhões (MOP 215,9 milhões em 2005).

Activos cresceram 22%, cifrando-se em MOP 13,103 milhões (MOP 10,705 milhões em 2005).

Em 2006, beneficiando do significativo crescimento da economia de Macau, houve um acréscimo de novas oportunidades de negócio no sector bancário. Nessa perspectiva, o rendimento de juros líquidos cresceu 25% e os restantes rendimentos aumentaram 31%. As despesas de operação mantiveram-se controladas.

Em 2006, a carteira de créditos concedidos a clientes foi diversificada pelos diversos sectores da actividade de Macau e os depósitos de clientes cresceram 20%.

Aumentou em 2006 o número de máquinas ATM e foram postos à disposição dos nossos estimados clientes mais produtos financeiros. Iremos manter em 2007 uma elevada qualidade dos serviços bancários prestados à comunidade.

Por fim, aproveitamos uma vez mais para agradecer aos nossos estimados clientes o seu apoio continuado, e ao nosso pessoal a dedicação revelada no exercício das respectivas funções.

Au Sing Kun
Director Executivo — Macau.

Balanço anual em 31 de Dezembro de 2006

MOP

* Nota

As Outras Reservas incluem uma reserva obrigatória no montante de 39 299 663,08 Patacas. Porque a sucursal adopta as Hong Kong Financial Reporting Standards («HKFRS») na preparação das suas demonstrações financeiras anuais, as perdas de imparidade com base nas HKFRS podem ser inferiores ao nível mínimo de provisões genéricas, calculadas de acordo com o Aviso 18/93 da AMCM (o nível mínimo). A referida reserva obrigatória representa, pois, a diferença entre o nível mínimo e as perdas de imparidade nos termos das HKFRS. Este mesmo montante, inscrito na linha «Dotações adicionais para provisões conforme RJSF» da Conta de Lucros e Perdas das contas resumidas, está reconciliado entre o «Lucro depois de impostos» e os «Resultados do ano de acordo com as regras da AMCM» na Conta de exploração das demonstrações financeiras auditadas anuais.

MOP

Demonstração de resultados do exercício de 2006

Conta de exploração

MOP

Conta de lucros e perdas

MOP

Chief Executive Officer Macau, Financial Controller Macau,
Au Sing Kun Kenny Wong

BANCO TAI FUNG, S.A.R.L.

Balanço anual em 31 de Dezembro de 2006

MOP

Demonstração de resultados do exercício de 2006

Conta de exploração

MOP

Conta de lucros e perdas

MOP

O Gerente-Geral, O Chefe da Contabilidade,
Long Rongshen Kong Meng Hon

MOP

Relatório do Conselho de Administração

Este Conselho apresenta, a seguir, o relatório e o balanço em 31 de Dezembro de 2006 à apreciação dos accionistas.

Síntese do relatório de actividade

Sob a sábia orientação do Governo da RAEM, Macau goza, no ano de 2006, de estabilidade e harmonia sociais, boa segurança pública e franco progresso económico, tendo registado novo recorde em termos de PIB, receita dos impostos, número de visitantes e taxa de emprego, situação que criou melhores condições para as actividades bancárias. Com excepção da fraca procura de créditos e maior concorrência entre as instituições bancárias, os outros factores foram mais positivos em relação ao ano anterior. Durante o ano em apreço, a taxa de juros aplicada pelo Fundo Federal dos EUA registou sucessivas subidas nos primeiros três trimestres, tendo-se estabilizado no último trimestre, estabilização que contribuiu para crescimento da receita de juros bancários. Durante o mesmo ano, mais cidades chinesas passaram a permitir aos seus residentes visitar Hong Kong e Macau ao abrigo de vistos individuais, beneficiando assim o turismo, a taxa de emprego, o nível salarial e a afluência de capitais ao Território, do que resultou uma subida do volume dos depósitos bancários. Na sequência da legislação promulgada pelo Governo da RAEM e das orientações dadas pela Autoridade Monetária na prevenção e repressão dos crimes de branqueamento de capitais e de financiamento ao terrorismo, clarificando o objectivo e as exigências nesta tarefa, o Banco criou uma estrutura de prevenção de branqueamento de capitais e traçou as suas orientações nos trabalhos neste sentido, além de ter nomeado funcionários responsáveis pelos mesmos trabalhos. Promoveu, ainda, a aprendizagem, pelos seus funcionários, da referida legislação e das orientações da Autoridade Monetária e do Banco, por forma a que a prevenção de branqueamento de capitais seja assegurada da melhor forma.

Durante o exercício de 2006, as actividades do Banco têm mantido um crescimento firme, progressivo e concertado. No fim do exercício em apreço, foi registado um crescimento de 3,25 mil milhões de patacas em depósitos recebidos, ou seja, mais 12,7% face ao igual período do exercício anterior. Em termos de créditos concedidos, houve um decréscimo de 287 milhões de patacas, ou seja menos 3,1% em relação ao igual período do exercício anterior. Os lucros apurados antes do imposto são de 720 milhões de patacas, representando um acréscimo de 47,8% face ao exercício anterior, acréscimo este que foi devido a vários factores, nomeadamente menor volume de provisão afectada para cobertura de créditos mal parados, alargamento da margem líquida de juros dos fundos, crescimento das receitas extraordinárias e diminuição do valor dos créditos mal parados. No exercício de 2006, o Banco registou os melhores resultados de sempre, graças à dedicação e empenho do seu pessoal em desenvolver as actividades e evitar os riscos das operações, bem como ao apoio que os clientes sempre nos têm dispensado, aos quais aproveitamos o ensejo para agradecer.

Prevê-se que a economia de Macau vá mantendo o seu crescimento a passos firmes no ano de 2007, repercutindo-se positivamente nas actividades bancárias. No entanto, o problema de recursos humanos tem-se agravado, na medida em que uma boa parte de trabalhadores não residentes é absorvida pelo sector de turismo que se encontra em franco desenvolvimento. Não obstante os desafios que se avistam, persistimos, como sempre, nos princípios válidos no exercício das nossas actividades: ser cumpridor das leis, regulamentos e normas, elevar o rendimento da gestão, recorrer a tecnologias avançadas na prestação dos diversos serviços e melhorar o serviço de banca electrónica. Envidamos os melhores esforços para desenvolver as actividades, melhorar a gestão e o controlo dos riscos e, especialmente, os trabalhos de prevenção de branqueamento de capitais e de financiamento ao terrorismo, além de providenciar no sentido de a mão-de-obra disponível ser aproveitada da melhor maneira, prosseguindo o nosso lema de bem servir e contribuindo para o desenvolvimento económico e harmonia social de Macau.

Resultado e distribuição

 

MOP

Lucro de exploração $ 720 553 282,00
Dotações para imposto complementar
$ 88 700 000,00
Resultado de exercício $ 631 853 282,00
Lucros relativos a exercícios anteriores
$ 119 417,49
Total disponível
$ 631 972 699,49
O Conselho de Administração propôs a seguinte distribuição:  
Para reservas $ 321 795 000,00
Para dividendos $ 310 000 000,00
A transportar para o próximo ano
$ 177 699,49
 
$ 631 972 699,49

Accionistas qualificados

De acordo com os registos do livro dos accionistas do banco, os accionistas detentores de participações superior a 10% do capital social do Banco, em 31 de Dezembro de 2006 foram os seguintes:

Banco da China

Família de Ho Yin

Titulares dos órgãos sociais

Mesa da Assembleia Geral:

Presidente: Chan King
Vice-Presidente: Banco da China
Secretário: Leong Kam Kuan

Conselho de Administração:

Presidente: Fung Ka York
Vice-Presidente: Howard H. H. Ho
Administradores Permanentes: Zhang Hongyi (exonerado em 02-08-2006)
  Ye Yixin (nomeado em 02-08-2006)
  Long Rongshen
  Ho Hao Tong
  Sio Ng Kan
Administradores: Ho Hao Chio
  Cai Xiaofeng
  Ho Hao Veng
  Fu Iat Kong
  Ma Sao Lap
Secretário: Leong Kam Kuan

Conselho Fiscal:

Presidente: Ho Cho Ieng
Membros: Chen Xiaoxin
  Iong Weng Ian

O Presidente do Conselho de Administração, Fung Ka York.

Macau, aos 27 de Fevereiro de 2007.

Lista das empresas em cujo capital social o nosso Banco tem uma participação superior a 5%:

Sociedade de Fomento Predial Tak Kei Lda. 98,00%
Companhia de Investimento Predial Triumph, Limitada 76,66%
Companhia de Seguros Luen Fung Hang, S.A.R.L. 38,10%

O Administrador,
Long Rongshen.

27 de Fevereiro de 2007.

Parecer do Conselho Fiscal

Tendo examinado as contas do Banco auditadas pela Sociedade de Auditores Lowe Bingham & Matthews — PricewaterhouseCoopers, este Conselho é de parecer que as mesmas foram elaboradas de acordo com a Lei Bancária de Macau e demonstram a real situação financeira do Banco e o resultado em 31 de Dezembro de 2006.

A Presidente do Conselho Fiscal,
Ho Cho Ieng.

Macau, aos 27 de Março de 2007.

Síntese do parecer dos auditores externos para os accionistas do Banco Tai Fung, S.A.R.L.

Auditámos as demonstrações financeiras do Banco Tai Fung, S.A.R.L. referentes ao exercício findo em 31 de Dezembro de 2006, de acordo com as Normas de Auditoria aprovadas pelo Chefe do Executivo da Região Administrativa Especial de Macau e Normas Técnicas de Auditoria aprovadas pelo Secretário para a Economia e Finanças, e expressámos a nossa opinião, sem reservas, no relatório de 27 de Fevereiro de 2007.

Efectuámos uma comparação entre as demonstrações financeiras resumidas, aqui evidenciadas, e as demonstrações financeiras por nós auditadas. A preparação das demonstrações financeiras resumidas é da responsabilidade do Conselho de Administração do Banco.

Em nossa opinião, as demonstrações financeiras resumidas estão consistentes com as demonstrações financeiras auditadas.

Para uma melhor compreensão da situação financeira do Banco e dos resultados das suas operações, as demonstrações financeiras resumidas devem ser analisadas em conjunto com as demonstrações financeiras auditadas.

Lowe Bingham & Matthews — PricewaterhouseCoopers
Sociedade de Auditores.

Macau, aos 27 de Fevereiro de 2007.


CITIC KA WAH BANK LIMITED — MACAU BRANCH

(Publicações ao abrigo do artigo 76.º do RJSF, aprovado pelo Decreto-Lei n.º 32/93/M, de 5 de Julho)

Balanço anual em 31 de Dezembro de 2006

MOP

* Nota :

As Outras Reservas incluem uma reserva obrigatória no montante de 8,730,221 Patacas. Porque a sucursal adopta as Hong Kong Financial Reporting Standards («HKFRS») na preparação das suas demonstrações financeiras anuais, as perdas de imparidade com base nas HKFRS podem ser inferiores ao nível mínimo de provisões genéricas calculadas de acordo com o Aviso 18/93 da AMCM (o nível mínimo). A referida reserva obrigatória representa, pois, a diferença entre o nível mínimo e as perdas de imparidade nos termos das HKFRS (antes dos impostos diferidos de 555,468 Patacas). Este mesmo montante, inscrito na linha «Dotações adicionais para provisões conforme RJSF» da Conta de Lucros e Perdas das contas resumidas, está reconciliado entre o «Lucro depois de impostos» e os «Resultados do ano de acordo com as regras da AMCM» na conta de exploração das demonstrações financeiras auditadas anuais.

MOP

Demonstração de resultados do exercício de 2006

Conta de exploração

MOP

Conta de lucros e perdas

MOP

Primeiro Vice-Presidente, Gerente da Sucursal A Chefe da Contabilidade,
Henry Brockman Patricia Ng

Síntese do parecer dos auditores externos

Para a gerência do
CITIC Ka Wah Bank Limited — Macau Branch

Examinámos, de acordo com as Normas de Auditoria emanadas do Hong Kong Institute of Certified Public Accountants e Normas de Auditoria de Macau, as demonstrações financeiras do CITIC Ka Wah Bank Limited — Macau Branch referentes ao exercício que terminou em 31 de Dezembro de 2006 e a nossa opinião sobre as demonstrações financeiras está expressa, sem reservas, no nosso relatório datado de 15 de Março de 2007.

Em nossa opinião, as contas resumidas estão de acordo com as demonstrações financeiras atrás referidas das quais elas resultaram.

Para uma melhor compreensão da posição financeira e dos resultados das operações da Sucursal, durante o período, as contas resumidas devem ser analisadas em conjunto com as correspondentes demonstrações financeiras auditadas do período.

KPMG

Macau, aos 15 de Março de 2007.

Síntese do relatório de actividade

O crescimento da economia e da sociedade de Macau marcaram o ano de 2006, reflectido no crescimento de 16,6% do PIB durante o ano e na taxa de desemprego de 3,5% no final do ano, a mais baixa de sempre. Este ano também se registou um aumento nas transacções comerciais e a intensificação da actividade foi particularmente evidente nos sectores da hotelaria, do entretenimento e do imobiliário. Considerando os fortes índices de crescimento, a taxa de inflacção publicada de 5,15% foi controlável. A falta de trabalhadores em alguns sectores obrigou muitas empresas a adaptarem-se de modo a aumentar a eficiência do seu funcionamento.

O ano de 2006 marcou, também, o primeiro ano completo das operações do Banco em Macau, durante o qual os empréstimos subiram para MOP 342 milhões e os depósitos de clientes subiram para MOP 715 milhões, tendo sido alcançado um lucro de MOP 5,09 milhões, antes de provisões. O Banco tem-se empenhado em oferecer aos seus clientes soluções diferenciadas e, ao mesmo tempo, tem trabalhado no sentido de garantir que o serviço, as operações e o respectivo cumprimento são do mais alto nível. Estes critérios são os fundamentos para sermos um membro responsável da comunidade bancária de Macau, e para construirmos um negócio lucrativo para o futuro.

Por outro lado, a CITIC International Financial Holdings Limited, a sociedade gestora do CITIC Ka Wah Bank Limited e cotada na Bolsa de Valores de Hong Kong, anunciou que completou, em 2006, a aquisição de uma participação estratégica no China CITIC Bank, e a subscrição de 15% de acções pelo BBVA concluída em Março de 2007. Estas participações lançaram as bases do modelo internacional tripartido para as operações bancárias comerciais do CITIC. Estando criada uma parceria com o CNBC e com o BBVA, o Banco está em condições de se transformar no melhor banco regional asiático da RPC, oferecendo soluções reais de acordo com padrões internacionais e com um alcance global.

Nenhum dos êxitos alcançados em Macau teria sido possível em 2006 sem o apoio do Governo da Região Administrativa Especial de Macau, assim como dos nossos funcionários, clientes e outras instituições financeiras do mesmo ramo, a quem estendemos os nossos sentidos agradecimentos e sincera gratidão.

Henry Brockman
Primeiro Vice-Presidente, Gerente da Sucursal

    

Versão PDF optimizada para Adobe Reader 7.0 ou superior.
Get Adobe Reader