Número 22
II
SÉRIE

Quarta-feira, 29 de Maio de 2019

REGIÃO ADMINISTRATIVA ESPECIAL DE MACAU

      Anúncios notariais e outros

第 一 公 證 署

證 明

澳門大灣區音樂文化協會

為公佈的目的,茲證明上述社團的設立章程文本自二零一九年五月二十一日,存放於本署的社團及財團存檔文件內,檔案組1號59/2019號。

澳門大灣區音樂文化協會

組織章程

第一章

名稱,會址及宗旨

第一條

名稱

本會中文名稱為“澳門大灣區音樂文化協會”。本會的存立並無期限。

第二條

會址

本會地址設於澳門漁翁街428號亨達大樓12樓L座,經會員大會決議另選會址地點。

第三條

宗旨

本會為非牟利團體,宗旨為:

(1)團結澳門各行業愛好歌唱舞蹈人士,促進澳門熱愛歌唱舞蹈達到水平的發揮,推動各區與人際關係了解聯繫;

(2)關注民眾生活,服務社群,支持公益,參與社會各項活動。

第二章

會員權利與義務

第四條

會員

任何愛好歌唱舞蹈人士或經常參予本會活動演出者,經申請由理事會批准後獲成永久會員。

第五條

會員的權利

會員的權利如下:

(1)選舉及被選舉權;

(2)參加會員大會及表決;

(3)參與本會的一切活動及享有本會提供的各項福利。

第六條

會員的義務

(1)貫徹本會宗旨,促進會務發展及維護本會聲譽;

(2)遵守本會章程及各項決議。

第三章

組織架構

第七條

各機關之權限

(1)會員大會由所有會員組成,為本會的最高權力組織,負責制定或修改會章,繕寫會務紀錄,選舉會員大會會長、副會長、秘書和理事會、監事會成員,審查會務,財務或解散本會。會員大會主席團設會長一名,副會長若干名。候任會長須曾任本會理監事或以上職務。

(2)理事會為本會之執行組織,負責執行會員大會的決策和日常具體事務,理事會組成總人數為單數,設理事長一名,副理事長一名,理事若干名。

(3)監事會為本會之監察組織,負責監察理事會日常會務運作財政、活動及編制年度報告等,設監事長一名,副監事長一名,監事若干名,成員總人數為單數。

(4)上述組織成員由會員大會決議產生,任期為三年,期滿但工作良好,可以再選連任。

第八條

會議

(1)任何會員大會決議以表決通過;票數相同時,會長有最後裁決權。

(2)會員大會每年召開最少一次會議,由理事會召集,並須於最少十天前以掛信或簽收方式通知會員,通知書上須列明開會日期,時間、地點及主要議題。

(3)會員大會以超過全體會員人數半數出席者為有效,若超過原定開會時間半小時而出席人數不足半數和,屆時會議法定人數不受限制。

(4)修改本會章程之決議,須獲出席會員四分之三的贊同票;解散本會的決議,須獲全體會員四分之三的贊同票。

第四章

資產及經費

第九條

來源

會費及各界人士的贊助的資金。

二零一九年五月二十一日於第一公證署

公證員 盧瑞祥


第 一 公 證 署

證 明

在澳台灣同胞聯誼會

為公佈的目的,茲證明上述社團的設立章程文本自二零一九年五月二十一日,存放於本署的社團及財團存檔文件內,檔案組1號58/2019號。

在澳台灣同胞聯誼會

章程

第一章

總則

第一條——名稱

本會定名為“在澳台灣同胞聯誼會”,為非牟利社團,受本組織章程及本澳適用於法人現行法例規範。

第二條——會址

會址設於澳門宋玉生廣場258號建興龍廣場9樓H。可根據會員大會決議遷至另一地點。

第三條——本會宗旨

愛國愛澳,維護旅澳台灣同胞權益;關注社會事務,推動兩岸四地經濟文化交流;聯絡在澳台灣同胞感情,促進彼此互助精神;提供旅澳台灣同胞臨時救難幫助;做好會員福利工作。

第二章

會員

第四條——資格

一、凡在澳門合法定居或工作的台灣地區人士,年齡滿十八歲或以上人士,願意遵守本會會章者,均可申請入會。

二、申請入會者,須由一名會員介紹,填寫入會申請表,提交身份證副本或旅遊證件副本,經審核通過方為會員。

第五條——會員權利和義務

一、會員權利:

a)選舉和被選舉權;

b)對會務有批評及建議權;

c)享受本會各種福利之權。

二、會員義務:

a)遵守會章及決議;

b)愛護本會,積極參加各項活動,推動會務發展,促進會員之間的團結互助合作。

第六條——會員如有違反會章,破壞本會之行為者,經理事會報請會員大會議決,給予除名。

第三章

名譽會長

第七條——凡對本會有非常特殊貢獻,值得給予特別崇高之榮譽,經理事會推薦並經會員大會通過,得聘請為名譽會長。

第四章

組織及職責

第八條——本會由下列機關組成:

一、會員大會;

二、理事會;

三、監事會。

第九條——會員大會

一、會員大會由全體會員組成,為本會最高決策權力機構,有制定和修改會章,選舉及任免會員大會主席團,理事會及監事會成員,及制定會務方針的權力。

二、會員大會主席團設會長一名,副會長二名,以得票最多者任會長,在會員大會上即席選出,任期兩年,連選得連任,但不得推選在職之理事會成員或監事會成員擔任。

三、主席團之職責:

a)會長之職責為主持會員大會;

b)協調會務的運作;

c)指派理事會內的工作;

d)代表本會負責涉及法律上之一切事務;

e)當會長缺席時,由副會長按序代行其職責。

四、會員大會每年召開一次,大會之召集須最少提前八日以掛號信方式通知或最少提前八日透過簽收方式通知,召集書內應指出會議之日期、時間、地點及議程。

五、會員大會可由理事會在不少於一半的成員同意下召集;或因應不少於三分之一會員的聯名要求而召集。

六、理事會、監事會或由出席會員大會的十分之一會員聯名,均可在會員大會上提出議案。

七、會員大會之出席人數,於通告指定之時間若有過半數會員出席,又或三十分鐘後作第二次召集且若有三分之一會員出席時,會員大會視為合法:

a)議決以出席會員絕對多數贊同票生效;

b)有關修改章程之議決須以出席會員四分之三票數贊同票。

第十條——理事會

一、理事會成員由會員大會選出。選出五名或以上單數成員組成。設有理事長一名,副理事長二名,秘書長一名,理事若干名,由理事會成員互選產生,任期為兩年。可連選得連任。其職責:

a)理事長:對內統籌本會工作,行使會章賦予之一切工作職權;對外依照本會宗旨,代表本會參加社會活動;

b)副理事長:協助理事長執行本會工作;在理事長缺席時,由副理事長按序替補,代行其一切職務;

c)秘書長:負責編制會議記錄,處理本會文件及一切往來信件;安排會員大會及理事會之一切會務工作。

二、理事會成員應該參與理事會工作。會內如有重大事項等,須經會員大會會長、理事會理事長及監事會監事長共同商議及審批,如未能取得一致意見,可召開特別會員大會。

三、理事會每三個月舉行一次常務會議。會議由理事長召集,或由最少三分之一理事會成員聯名同意之下可要求理事長召開會議。理事會須有過半數的理事會成員出席方為有效。

四、會員大會主席團及監事長可出席理事會會議,有發言權。在理事會內對提案或人選表決,須獲出席者一半以上的票數,方能通過。在遇票數相同時,理事長可加投決定性一票。

五、為推動及發展會務,得由理事會聯同會員大會主席團及理事會領導層敦請社會上有資格或名望之熱心人士,為本會之名譽會長、顧問等之職務。

六、理事會可邀請本會顧問,以諮詢資格參加會議,但並無表決權。

第十一條——監事會

一、監事會由會員大會選舉產生,向會員大會負責,在會員大會閉會期間,監察理事會之工作,並向會員大會報告。

二、監事會為一監察機構。所有監事會成員不得代表本會向外發表意見。

三、監事會由三人或以上單數成員組成,設監事長一名,監事若干名,由監事會成員互選產生。

四、監事會每屆任期為兩年,可連選得連任。

五、監事會每六個月舉行一次常務會議。

第五章

經費來源

第十二條——經費

a)會費;

b)必要時,經理事會討論通過,可向會員及社會人士進行募捐,所有捐款以收妥作實。未經理事會批准,任何人不得以本會名譽向其他人士或機構要求捐助。

第十三條——收益用途

本會的所有收入用以支付本會運作之一切費用開支。

第六章

解散

第十四條——解散本會

一、 必須由會員大會全體會員四分之三贊同票通過解散。

第七章

附則

第十五條——本會章程如有未盡善處,由理事提出修改,經會員大會審議通過。

第八章

會徽

第十六條——本會會徽如下:

二零一九年五月二十一日於第一公證署

公證員 盧瑞祥


第 一 公 證 署

證 明

澳門樂聚軒曲藝會

為公佈的目的,茲證明上述社團的設立章程文本自二零一九年五月二十一日,存放於本署的社團及財團存檔文件內,檔案組1號57/2019號。

澳門樂聚軒曲藝會章程

第一章

總則

第一條——本會定名為:“澳門樂聚軒曲藝會”。

第二條——會址:澳門海邊大馬路海景花園富景閣13樓Q。

第三條——宗旨:本會為非牟利組織,宗旨是弘揚國家非物質文化遺產,推廣粵劇文化。

第二章

會員資格,福利與義務

第四條——1. 凡本澳曲藝愛好者,均可入會;

2. 有選舉權與被選舉權,及可參加本會舉辦的各項活動;

3. 會員需遵守本會規章,若違反本會規章或行為失檢者,經理事會通過可取消其會員資格。

第三章

組織架構

第五條——會員大會為本會最高權力機構,推舉會長一人。並選舉各領導架構成員,以及修定會章,決定及檢討本會一切會務。

第六條——會長負責領導本會工作,會員大會選舉各領導架構成員,各成員任期三年,連選得連任。

第七條——理事會為本會行政管理機關,由單數成員組成,設理事長一人,理事若干名,任期三年。理事長由全體理事互選產生,連選得連任;理事會負責執行會員大會通過的決議,規劃本會各項活動。

第八條——監事會為本會監察機關,由會員大會選舉產生;設監事長一人,監事二人,任期三年。監事會職權負責監督理事會工作。

第四章

會議

第九條——會員大會每年召開一次,特別大會可由會長隨時召開,並由理事長召集,除法律另有規定外,大會決議以絕對多數出席會員同意,方可通過:大會之召集須最少提前八天以掛號信或簽收方式召集各會員,召集書內應指出會議之日期、時間、地點及議程。

第十條——理、監事會每半年召開一次,如有特殊情況可臨時召開。

第五章

經費

第十一條——本會經費及一切開支由各會員會費及社會機構贊助。

第六章

附則

第十二條——本會章程如有未盡善之處,由會員大會會議議決修改。修改章程的決議須獲出席會員四分之三之贊同票。解散法人或延長法人存續期之決議須獲全體會員四分之三之贊同票。

二零一九年五月二十一日於第一公證署

公證員 盧瑞祥


第 一 公 證 署

證 明

澳門第發里曲藝會

為公佈的目的,茲證明上述社團的設立章程文本自二零一九年五月二十二日,存放於本署的社團及財團存檔文件內,檔案組1號60/2019號。

澳門第發里曲藝會

章程

第一章

總則

第一條

名稱

本會中文名稱為“澳門第發里曲藝會”。

第二條

宗旨

本會為非牟利團體。宗旨為宏揚國粹,宣傳世遺粤劇曲藝文化,增進友誼,促進身心健康,團結澳門各社團,互相交流學習,共同為澳門繁榮作貢獻。

第三條

會址

會址設於澳門筷子基巷筷子基社屋快意樓30樓J座。

第二章

會員

第四條

會員資格

凡贊成本會宗旨及認同本會章程者,均可申請為本會會員,經本會理事會批准,便可成為會員。

第五條

會員權利及義務

(一)會員有選舉權及被選舉權,享受本會舉辦一切活動和福利。

(二)會員有遵守會章和決議,以及繳交會費的義務。

第三章

組職機構

第六條

機構

本會組職機構包括會員大會丶理事會、監事會。

第七條

會員大會

(一)會員大會為本會最高權力機構,負責制定或修改會章;選舉會員大會主席團、理事會和監事會成員;決定會務方針;審查和批准理事會工作報告。

(二)會員大會主席團設主席一名、副主席一名及秘書一名。每屆任期為三年,可連選連任。

(三)會員大會每年舉行一次,至少提前八天透過掛號信或簽收之方式召集,通知書內須註明會議之日期、時間、地點和議程,如遇重大或特別事項得召開特別會員大會。

(四)修改本會章程之決議,須獲出席會員四分之三的贊同票。解散本會的決議,須獲全體會員四分之三贊同票。

第八條

理事會

(一)理事會為本會的行政管理機構,負責執行會員大會決議和管理法人。

(二)理事會由最少三名單數成員組成,設理事長一名,副理事長共兩名。每屆任期為三年,可連選連任。

(三)理事會議每三個月召開一次,會議在有過半數理事長成員出席時,方可決議事宜,決議須獲出席成員的絕對多數贊同票方為有效。

第九條

監事會

(一)監事會是本會監察機構,負責監察理事會日常會務運作和財政收支。

(二)監事會由最少三名單數成員組成,設監事長一名,副監事長一名,財務長一名。每屆任期為三年,可連選連任。

(三)監事長會議每三個月召開一次,會議在有半數監事會員出席時,方可議決事宜,決議須獲出席成員的絕對多數贊同票方為有效。

第四章

經費

第十條

經費

本會經費源於會員會費及各界人士贊助,倘有不敷或特別需要用款時,得由理事會決定籌募之。

二零一九年五月二十二日於第一公證署

公證員 盧瑞祥


第 一 公 證 署

證 明

澳門廣西文化交流協會

為公佈的目的,茲證明上述社團的設立章程文本自二零一九年五月二十二日,存放於本署的社團及財團存檔文件內,檔案組1號61/2019號。

澳門廣西文化交流協會

章程

第一章

總則

第一條

名稱

本會定名為“澳門廣西文化交流協會”,葡文名稱“Associação de Intercâmbio Cultural entre Guangxi e Macau”,英文名稱“Guangxi and Macau Cultural Exchange Association”(以下簡稱「本會」)。

第二條

會址

本會之會址設於澳門慕拉士大馬路218A號澳門日報大廈19樓A座。經會員大會決議後,得隨時更改地址。

第三條

宗旨

本會為非牟利團體,其存續不設期限,宗旨為:

一、發揮澳門的橋樑作用,推動澳門與廣西文化交流,加強兩地間文化互動;

二、團結各地華人,增加彼此在社會、文化、教育、學術、科研等領域的了解和溝通,為推廣文化、藝術作出貢獻;

三、促進中華民族的融和,增強中華民族的凝聚力,以及為弘揚華夏文化作出貢獻。

第二章

會員資格、權利及義務

第四條

會員資格

凡對澳門及廣西兩地文化產生興趣及年滿十八歲之個人,贊同本會宗旨,願意遵守本會章程,均可申請為本會會員。

第五條

會員申請手續

會員須填寫入會申請表格,提交個人身份證明文件副本以及一張一吋半正面半身相片,經會員大會通過又或理事會及會長共同批准後得成為會員。

第六條

會員權利

會員享有以下權利:

一. 會員均具有選舉權和被選舉權;

二. 對本會各項工作提出意見及建議;

三. 會員可出席會員大會及作出表決,以及參加本會組織的各種活動。

第七條

會員義務

會員承擔以下義務:

一. 遵守本會章程並履行本會的一切決議事項;

二. 維護本會的合法權益;

三. 推動會務發展,支持和參與本會舉辦的各項活動;

四. 按規定交納會費,會費由理事會透過內部章程制定。

第八條

會費之欠繳

經理事會之決議及會長之批准,欠繳入會費或會費超過壹年之會員得被取消會員資格,其所繳交之各項費用概不發還。

第九條

本會章程之違反

經理事會之決議及會長之批准,違反本會章程或破壞本會名譽之會員得被取消會員資格,其所繳交之各項費用概不發還。

第三章

組織架構

第十條

組織機關

本會組織機關包括會員大會、理事會及監事會。

第十一條

會員大會

一. 會員大會為本會最高權力機構。

二. 除擁有法律所賦予之職權外,在不妨礙本章程第十二條第二款及第三款、第十三條第一款及第十四條第一款之效力下,由會員大會選舉會員大會主席團、理事會及監事會成員,修改及通過本會章程,檢討及決定法律或章程並未規定屬其他機關職責範圍之事宜。

三. 會員大會每年舉行一次,由理事會負責召集,會長主持,召集須最少提前八日以掛號信方式為之,或最少提前八日透過簽收方式而為之,召集書須列明會議日期、時間、地點及附上議程。在不妨礙本條第四款之效力下,會員大會須有半數以上之會員出席方為有效。在下列四種情況下之任何一項得召開臨時會員大會:

1)會長、理事長、監事長聯合提議;

2)會長提議及常務理事會決議通過;

3)超過半數理監事聯署;

4)超過三分之二會員聯署;

以上會議表決事項,須有過半數出席者通過始為有效。

四. 會員大會如遇人數不足,則依照開會時間順延半小時後作第二次召集召開,其出席人數則不受限制。

第十二條

會員大會主席團

一. 會長為本會會務最高負責人,主持會員大會,對外代表本會,對內領導本會。

二. 會員大會設主席團,由會長、副會長及秘書長若干人組成,由會員大會選任,成員必須為單數,任期三年,可連選連任,但會長僅可連任三屆。經會長建議及主席團決議,在必要時可以補選或增補主席團成員,經會員大會通過。

三. 如有需要,主席團可決議增設常務副會長若干人,常務副會長的選舉辦法及職權由主席團決議確定,經會員大會通過。

四. 副會長及秘書長協助會長工作。會長出缺時,由會長指定的副會長代其行使職務;倘會長因故不能視事而未能作出代任人指定,則由主席團推選的副會長代任之。

五. 主席團會議由會長負責召集及主持,根據會務需要可不定期召開會議。

六. 會長及副會長可出席理事會會議、常務理事會會議及監事會會議,有發言權。

第十三條

理事會

一. 理事會設理事長一人、常務副理事長一人、副理事長若干人、秘書長一人、副秘書長若干人及理事若干人,由會員大會選任,理事會成員必須為單數,任期三年,可連選連任,但理事長僅可連任三屆。經會長建議及理事會決議,在必要時可以補選或增補理事會成員,經會員大會通過。

二. 理事會設工商、財務、總務、聯絡、福利、康樂、學術、青年、婦女等部,各部設部長一人,副部長一至三人,部長由理事會內部互選產生,但部長僅可由副理事長擔任。部長出缺時,由常務理事會推選的副部長代其行使職務。理事會可根據會務發展需要增設其他部門或刪減原有部門。

三. 理事會負責執行會員大會的決議,向會員大會負責。

四. 理事會日常會務工作由理事長主持,常務副理事長、副理事長、秘書長及副秘書長協助處理工作。理事長出缺或因故不能視事時,由常務副理事長代其行使職務,在上述情況下,如常務副理事長出缺或因故不能視事時,由常務理事會推選及會長批准之副理事長代其行使職務。

五. 理事長、常務副理事長、各部部長、秘書長及副秘書長組成常務理事會,在理事會休會期間,由常務理事會負責理事會工作,包括執行會員大會的決議、管理及制定本會日常具體會務工作及活動。

六. 理事會會議每年舉行一次,常務理事會會議每三個月舉行一次,均由理事長負責召集。必要時理事長或常務副理事長或秘書長可召開特別理事會會議或特別常務理事會會議。

七. 除行使法律及本會章程所賦予之其他權限外,理事會有下列權限:

(1)執行會員大會之決議;

(2)負責本會之行政管理及計劃發展會務;

(3)向會員大會提交管理報告及提出建議;

(4)制定平常預算及追加預算;

(5)設立理事會倘有的屬下部門,如財務部、婦女部、青年部、康樂部等部門;

(6)制定和通過理事會及其屬下部門的內部規章。

第十四條

監事會

一. 監事會是本會的監察稽查機關,負責會務監察事宜。

二. 監事會設監事長一人、副監事長若干人及監事若干人,由會員大會選任,監事會成員必須為單數,任期三年,可連選連任,但監事長僅可連任三屆。經會長建議及理事會決議,在必要時可以補選或增補監事會成員,經會員大會通過。

三. 副監事長及監事協助監事長工作。監事長出缺時,由監事會推選及會長批准之副監事長代其職務。

四. 監事會負責監察理事會之行政活動,可查閱本會賬目及財政收支狀況。

五. 監事會成員不得代表本會對外作出行為或發表意見。

六. 監事會會議每年舉行一次,由監事長負責召集及主持。必要時監事長或超過半數監事會成員聯署可召開特別監事會會議。

第十五條

榮譽職銜

本會各屆榮休的會長,經得其本人同意,得被會員大會主席團敦聘為永遠會長或其他各級榮譽職銜。為推動及發展會務,會員大會主席團得敦聘社會上有資望熱心人士為本會各級名譽職銜。

第四章

經費

第十六條

經費

一、本會會員須繳交入會費及年費,理事會得調整入會費及年費之金額。

二、本會經費除會費及年費外,還包括由本會成員和社會各界熱心人士、企業及有關機構贊助,本會之收益可作為日常辦公經費和會務活動經費等。

第五章

附則

第十七條

修改章程或解散

一、本章程的修改須獲會員大會出席會員四分之三或以上之贊成票方可通過。

二、解散法人或延長法人存續期之決議,須獲全體社員四分之三之贊同票。

第十八條

解釋章程

本章程之解釋權屬會員大會;若有未盡之處,由會員大會討論通過修訂。

第十九條

適用法律

本章程如有未規範之事宜,一概依澳門現行法律辦理。

二零一九年五月二十二日於第一公證署

公證員 盧瑞祥


2.º CARTÓRIO NOTARIAL DE MACAU

CERTIFICADO

澳門3D蛋糕協會

Associação de Bolos 3D de Macau

Certifico, para efeitos de publicação, que se encontra arquivado, neste Cartório, desde 14 de Maio de 2019, no Maço n.º 2019/ASS/M2, sob o n.º 141, um exemplar dos estatutos da Associação em epígrafe, do teor seguinte:

Associação de Bolos 3D de Macau

CAPÍTULO I

Denominação, Natureza Jurídica, Sede, Âmbito e Objectivos

Artigo primeiro

(Denominação e Natureza Jurídica)

A «Associação de Bolos 3D de Macau», “澳門3D蛋糕協會” em Chinês e «Macau 3D Cakes Association» em Inglês é uma Associação sem fins lucrativos e constituída por tempo indeterminado.

Artigo segundo

(Objectivo Geral)

A Associação de Bolos 3D de Macau tem por objectivo:

I — Promover a qualificação e o reconhecimento da profissão de design e decoração de bolos;

II — Promover e apoiar os associados na divulgação e defesa dos interesses da classe;

III — Promover a realização de eventos, acções de divulgação, palestras, cursos, concursos e formação;

IV — Promover intercâmbios para trocas de conhecimentos;

V — Promover a nível local e internacional a doçaria tradicional Macaense;

VI — Participar em eventos, competições, concursos, cursos e workshop locais, regionais e internacionais;

VII — Conceder reconhecimento e premiações por méritos obtidos pelos associados nos eventos, competições internacionais, concursos e na divulgação da doçaria Macaense;

VIII — Colaborar com os órgãos locais de turismo e outras instituições governamentais e privadas em todas as acções tendentes à divulgação e promoção dos trabalhos de design e decoradores de bolos; e

IX — Promover acções de formação nos campos turístico e hoteleiro, com o apoio de instituições para tal vocacionadas.

Artigo terceiro

(Sede)

Esta Associação tem a sua sede na Estrada Nordeste da Taipa, Edifício Pearl on the Lough, Bloco 1, andar 16 C, Taipa, Macau.

CAPÍTULO II

Artigo quarto

(Classe dos Associados)

Os associados são divididos nas seguintes classes:

a) Fundadores: os que constituem esta Associação;

b) Efectivos: os que contribuem para esta Associação mensalmente, semestralmente ou anualmente com a quantia fixada pela Assembleia Geral;

c) De Mérito: as pessoas individuais ou colectivas que tenham concorrido de uma forma relevante e excepcional para a promoção e defesa desta arte de doçaria;

d) Extraordinários: pessoas singulares e pessoas colectivas, nomeadamente instituições que contribuam de modo regular para a Associação, de acordo com o estipulado anualmente pela Assembleia Geral sob proposta da Direcção;

e) Correspondentes: aqueles que, residindo fora da RAEM, sejam designados pela Direcção para representar a Associação nas regiões, cidades ou países em que residam ou onde a direcção solicite a presença.

Artigo quinto

(Selecção dos Associados)

Os Associados Efectivos devem ser pessoas que trabalham com bolos artísticos, bolos de vitrine, naked cake, tortas, cupcakes decorados, mini bolos, pop-cake decorados, chocolate com modelagens, doces artísticos, bolos 3D, bolos e doçaria tradicionais, flores de açúcar, bolos de casamento, pudins e outras doçarias.

Artigo sexto

(Da admissão)

1. Os Associados Efectivos e Extraordinários são propostos por dois associados fundadores ou efectivos e aprovados por decisão unânime da Direcção.

2. Os Associados de Mérito são indicados pela Direcção e ratificados, em votação secreta, por decisão maioritária da Assembleia Geral. A qualidade de associado de mérito apenas se adquire com a aceitação pelo indicado.

Artigo sétimo

(Direitos)

1. São direitos dos Associados Fundadores e Efectivos:

a) Participar nas actividades da Associação;

b) Integrar e votar na Assembleia Geral.

2. Os Associados Extraordinários poderão fazer-se representar, sem direito a voto, na Assembleia Geral e poderão ter delegados no Conselho Consultivo.

Artigo oitavo

(Deveres)

1. São deveres dos Associados Fundadores e Efectivos:

a) Exercer os cargos associativos para que forem eleitos ou designados;

b) Observar o preceituado nos Estatutos e no Regulamento Interno e cumprir as deliberações da Assembleia Geral;

c) Pagar a jóia e as quotas;

d) Comparecer aos plenários da Assembleia Geral e demais reuniões para que forem convocados;

e) Prestar colaboração efectiva a todas as iniciativas para que forem solicitados pelos órgãos sociais.

2. Os Associados Extraordinários deverão integrar com delegados seus o Conselho Consultivo, sempre que para tal sejam designados.

Artigo nono

(Perda da qualidade de Associado)

1. Perdem a qualidade de associado:

a) Os que se demitirem;

b) Os que tiverem praticado actos que constituem grave violação dos deveres estatutários e regulamentares;

c) Os que, não tendo pago a quota anual, não regularizem essa situação no prazo de sessenta dias após terem sido solicitados para o fazer.

2. Os Associados excluídos por deliberação da Assembleia Geral podem recorrer para o Tribunal.

CAPÍTULO III

Dos órgãos sociais

Artigo décimo

(Espécies de órgãos)

1. São Órgãos Sociais de natureza electiva a Mesa da Assembleia Geral, a Direcção e o Conselho Fiscal.

Artigo décimo primeiro

(Duração dos Mandatos)

1. Todos os titulares dos cargos dos órgãos sociais de natureza electiva exercerão o mandato por períodos de três anos, coincidindo o ano social com o ano civil. É admissível serem reeleitos.

2. Para efeitos do número anterior, a fracção do primeiro ano de mandato, vale por um ano completo.

Artigo décimo segundo

(Assembleia geral)

1. A Assembleia Geral é a reunião de todos os Associados Fundadores e Efectivos no pleno uso dos seus direitos sociais.

2. A Assembleia Geral é dirigida pela Mesa, constituída por um Presidente, coadjuvado por dois vogais.

3. Em caso de ausência ou impedimento do Presidente, presidirá o Associado mais antigo, caso existam dois ou mais associados com a mesma antiguidade, presidirá aquele escolhido por eles próprios, os vogais, em caso de ausência ou impedimento serão substituídos por Associados presentes, designados pelo Presidente ou por quem as suas vezes fizer.

Artigo décimo terceiro

(Competências da Assembleia Geral)

Compete à Assembleia Geral:

a) Aprovar as linhas mestras da actividade a seguir pela Associação sugeridas pela Direcção;

b) Eleger os titulares dos cargos dos respectivos órgãos;

c) Fixar as jóias, quotas e outras contribuições a pagar pelos Associados;

d) Aprovar anualmente os orçamentos e planos de actividades da Associação;

e) Apreciar e votar os relatórios e contas da Direcção, bem como quaisquer outros actos e propostas que lhe sejam apresentados;

f) Velar pelo cumprimento das obrigações estatutárias e regulamentares e deliberar sobre a alteração dos Estatutos.

Artigo décimo quarto

(Reuniões)

1. A Assembleia Geral reúne ordinariamente até dia trinta e um de Março de cada ano, para apreciar o relatório e contas da Direcção.

2. Reúne também ordinariamente durante o mês de Novembro, para se pronunciar sobre o plano de actividades e orçamento para o ano seguinte e proceder a eleições, quando estas devam ter lugar.

3. Extraordinariamente, a Assembleia Geral reunirá sempre que for convocado pela Direcção, ou ainda, mediante solicitação fundamentada subscrita por vinte por cento do número de associados.

Artigo décimo quinto

(Direcção)

A representação e a administração da Associação são confiadas a uma Direcção composta por três Associados Fundadores ou Efectivos: um Presidente, um Secretário e um Tesoureiro.

Artigo décimo sexto

(Competências)

Compete à Direcção:

a) Dirigir a Associação e representá-la em Juízo e fora dele;

b) Cumprir e fazer cumprir as disposições legais, estatutárias e regulamentares, bem como as deliberações da Assembleia Geral;

c) Apresentar anualmente à Assembleia Geral o Relatório de Contas, o Orçamento e o Plano de Actividades; e

d) Suscitar à Assembleia Geral a apreciação das questões que entenda necessárias.

Artigo décimo sétimo

(Reuniões)

1. A Direcção reúne sempre que o julgue necessário, mas não menos de quatro vezes por ano, mediante convocatória do Presidente ou de quem as suas vezes fizer, deliberando com a presença da maioria dos seus membros.

2. As deliberações são tomadas pela maioria de votos dos membros presentes e de todas as reuniões se elaborará a respectiva acta que os intervenientes assinarão.

Artigo décimo oitavo

(Forma de obrigar)

1. Para obrigar a Associação serão necessários e suficientes as assinaturas de dois membros da Direcção, devendo uma destas ser do Presidente ou a do Tesoureiro.

2. Os membros da Direcção far-se-ão substituir ou representar nos termos de deliberação lavrada em acta, se outra forma não for exigível por lei.

Artigo décimo nono

(Conselho Fiscal)

1. A fiscalização da actividade da Associação é confiada a um Conselho Fiscal composto por três membros: o Presidente e dois vogais.

2. O Conselho Fiscal reunirá sempre que o entender necessário, sob convocatória do Presidente.

CAPÍTULO IV

Dos meios financeiros

Artigo vigésimo

(Receitas)

Constituem receitas da Associação:

a) O produto das jóias, quotas e outras contribuições regulares, pagas pelos Associados, nos termos destes Estatutos;

b) Subsídios de quaisquer entidade públicas ou privadas;

c) O produto de festas e outras actividades realizadas;

d) O produto da venda de publicações ou edições, bem como de direitos de Autor;

e) Quaisquer outros rendimentos, benefícios, donativos, heranças e legados que lhe sejam atribuídos; e

f) Juros de bens ou valores capitalizados.

Artigo vigésimo primeiro

(Jóias, Quotas e Contribuições)

A jóia e quota mínima a pagar pelos Associados serão fixadas anualmente pela Assembleia Geral de Novembro, com efeitos para o ano seguinte.

Artigo vigésimo segundo

(Despesas)

As despesas da Associação são:

a) O pagamento do pessoal e encargos com pessoal que administram a Associação;

b) Despesas com pagamentos de serviços, deslocação, aquisição de bens e serviços para o funcionamento de suas actividades;

c) Pagamento de encargos e atributos;

d) Pagamentos efectuados em cumprimento de deliberação da Assembleia Geral;

e) Despesas de viagem, alojamento, alimentação em representação local ou estrangeiro no exercício das actividades da Associação;

f) Apoios financeiros, subsídios a associados para participar em concursos, competições locais, regionais e internacionais após pedidos serem feitos a Direcção; e

g) Outras despesas que resultarem da execução dos presentes Estatutos, ou sejam indispensáveis à realização dos fins sociais.

CAPÍTULO V

Da dissolução e liquidação

Artigo vigésimo terceiro

(Dissolução e Liquidação)

1. A Associação dissolve-se por deliberação da Assembleia Geral que envolva o voto favorável de, pelo menos, três quartos do número de todos os associados.

2. Em caso de dissolução, a Assembleia Geral que a votar deliberará igualmente sobre a forma e prazo de liquidação, bem como o destino a dar ao património.

Segundo Cartório Notarial de Macau, aos 14 de Maio de 2019. — A Ajudante, Wong Wai Wa.


2.º CARTÓRIO NOTARIAL DE MACAU

CERTIFICADO

銘賢體育會

為着公佈之目的,茲證明,透過二零一九年五月十七日簽署的經認證文書設立了上述社團,其宗旨及住所均載於附件的章程內。該社團的設立文件和章程已存檔於本署2019/ASS/M2檔案組內,編號為142。

銘賢體育會

第一條——名稱、會址及會員:

1)定名:本會定名為“銘賢體育會”,中文簡稱“銘賢”。

2)英文名稱:“Meng Yin Sport Club”,英文簡稱:“M.Y.”。

3)會址:澳門三巴仔橫街14號立群大廈地下A座。

4)會員:本會是由銘賢體育會自發組成的,推廣籃球以及其它各項運動。凡運動愛好者願意遵守本會會章,均可申請加入,經理事會批准後成為本會會員。

第二條——宗旨

1)以球會友;切磋球技;強身健體。

 第三條——會員權利:

1)有選舉權和被選舉權;

2)有對本會工作提出批評,建議及監督之權;

3)有參加本會舉辦各項活動及享受本會會所設施之福利。

第四條——會員的義務:

1)遵守會章;

2)執行決議;

3)團結各地球友,關心和支持會務工作。

 第五條——機關

本會組織機關包括會員大會、理事會、監事會。

第六條——會員大會

(一)會員大會為本會最高權力機關,負責制定或修改會章;選舉會員大會主席、副主席、秘書和理事會、監事會成員;決定會務方針;審查和批准理事會工作報告。

(二)會員大會設主席一名、副主席一名及秘書一名。每屆任期為三年,可連選連任。

(三)會員大會每年舉行一次,至少提前八天透過掛號信或簽收之方式召集,通知書內須註明會議之日期、時間、地點和議程,如遇重大或特別事項得召開特別會員大會。

(四)修改本會章程之決議,須獲出席會員四分之三的贊同票;解散本會的決議,須獲全體會員四分之三的贊同票。

 第七條——理事會

(一)理事會為本會的行政管理機關,負責執行會員大會決議和管理法人。

(二)理事會由最少三名或以上單數成員組成,設理事長、副理事長各一名。每屆任期為三年,可連選連任。

(三)理事會議每三個月召開一次。會議在有過半數理事會成員出席時,方可議決事宜,決議須獲出席成員的絕對多數贊同票方為有效。

第八條——監事會

(一)監事會為本會監察機關,負責監察理事會日常會務運作和財政收支。

(二)監事會由最少三名或以上單數成員組成,設監事長、副監事長各一名。每屆任期為三年,可連選連任。

(三)監事會議每三個月召開一次。會議在有過半數理事會成員出席時,方可議決事宜,決議須獲出席成員的絕對多數贊同票方為有效。

第九條——使本會負責之方式

本會所有行為、合約及文件須理事會理事長和副理事長共同簽署。

第十條——經費:

1)會員每年繳交會費叁佰圓正。

2)各球友,名譽會長,顧問及社會熱心人士贊助。

二零一九年五月十七日於第二公證署

一等助理員 黃慧華Wong Wai Wa


CARTÓRIO NOTARIAL DAS ILHAS

CERTIFICADO

澳門中華崑曲文化協會

為公佈的目的,茲證明上述社團的設立章程文本自二零一九年五月二十一日起,存放於本署之“2019年社團及財團儲存文件檔案”第1/2019/ASS檔案組第44號,有關條文內容載於附件。

澳門中華崑曲文化協會

章程

第一章

總則

第一條

名稱

本會中文名稱為“澳門中華崑曲文化協會”,中文簡稱為“澳門崑協”,英文名稱為“Chinese Kunqu Culture Association of Macau”,英文簡稱為:“CKCAM”。

第二條

宗旨

本會為非牟利團體,宗旨:擁護「一國兩制」,愛國愛澳,遵守基本法及各項法律。以研習、保存、傳承、弘揚崑曲為基本,兼及推廣及普及中華傳統藝術文化。為澳門搭建中華文化及藝術的交流平台,與各地交流,共同促進中華文化的發展。

第三條

會址

本會會址設於澳門關前正街44號地下。會址可透過會員大會決議遷往澳門任何地方。

第二章

會員

第四條

會員資格

不論國籍及居住地的人士,只要贊同本會宗旨,願意遵守本會章程,經理事會及會長同意,均可申請為本會會員。

第五條

會員權利及義務

一、會員有選舉權及被選舉權,享有本會舉辦一切活動的福利及權利。

二、會員有遵守會章和決議,以及繳交會費的義務。

第三章

組織機構

第六條

機構

本會組織機構包括會員大會、理事會及監事會。

第七條

會員大會

一、本會最高權力機構為會員大會。負責制定或修改會章;選舉會員大會主席、副主席、秘書和理事會、監事會成員;決定會務方針、審查及批准理事會之工作報告。

二、會員大會設主席一名、副主席及秘書各若干名,每屆任期為三年,可連選連任。

三、會員大會每年舉行一次,至少提前八天透過掛號信或簽收之方式召集,通知內須註明會議之日期、時間、地點和議程,如遇重大或特別事項得召開特別會員大會。

四、修改本會章程之決議,須獲出席會員四分之三的贊同票;解散本會的決議,須獲全體會員四分之三的贊同票。

五、本會在不違反法律規定及本會章程的原則下,得制定本會內部規章。內部規章之解釋、修改及通過之權限均屬會員大會。

第八條

理事會

一、本會執行機構為理事會,負責執行會員大會決議和日常具體會務。

二、理事會由最少三名或以上單數成員組成,設理事長一名、副理事長及理事各若干名,每屆任期為三年,可連選連任。

三、理事會議每三個月召開一次。會議在有過半數理事會成員出席時,方可議決事宜,決議須獲出席成員的絕對多數贊同票方為有效。

第九條

監事會

一、本會監察機構為監事會,負責監察理事會日常會務運作和財政收支。

二、監事會由最少三名或以上單數成員組成,設監事長、副監事長及監事一名,每屆任期為三年,可連選連任。

三、監事會議每三個月召開一次。會議在有過半數監事會成員出席時,方可議決事宜,決議須獲出席成員的絕對多數贊同票方為有效。

第四章

附則

第十條

經費

本會經費來源於會員會費及各界人士贊助,倘有不足或特別需要用款時,得由理事會決定籌募之。

第十一條

會徽

二零一九年五月二十一日於海島公證署

二等助理員 林潔如


CARTÓRIO NOTARIAL DAS ILHAS

CERTIFICADO

澳門占星協會

為公佈的目的,茲證明上述社團的設立章程文本自二零一九年五月二十二日起,存放於本署之“2019年社團及財團儲存文件檔案”第1/2019/ASS檔案組第45號,有關條文內容載於附件。

澳門占星協會

章程

第一章

第一條

名稱

(一)中文名稱為:“澳門占星協會”。

(二)英文名稱為:“Macau Astrology Association"。

第二條

宗旨

(一)支持占星教育事業,培養文化人才。

(二)推動本澳對於占星文化的認識,培養此方面的專業人員。

(三)開展與其他占星團體交流活動,加強學術研究,並整理編印書刊。

第三條

會址

本會設於澳門天神巷22號地下F座,在必要時可遷往本澳任何地方。

第二章

會員

第四條

會員資格

凡贊成本會宗旨及認同本會章程的者,均可申請為本會會員。經本會理事會批准後,便可成為會員。

第五條

會員權利及義務

(一)會員有選舉權及被選舉權,享有本會舉辦一切活動和福利的權利。

(二)會員有遵守會章和決議,以及繳交會費的義務。

第三章

組織機構

第六條

機構

本會組織機構包括會員大會、理事會、監事會。

第七條

會員大會

(一)本會最高權力機構為會員大會,負責制定和修改會章;選舉會員大會會長、副會長,秘書和理事會、監事會成員;決定會務方針,審查和批准理事會工作報告。

(二)會員大會設會長、副會長及秘書各一名,每屆任期為三年,可連選連任。

(三)會員大會每年舉行一次,至少提前八天透過掛號信或簽收之方式召集,通知書必須註明會議之日期、時間、地點和議程,如遇重大或特別事項得召開特別會員大會。

(四)修改本會章之決議,須獲出席會員四分之三的贊同票;解散本會的決議,須獲全體會員四分之三的贊同票。

第八條

理事會

(一)本會執行機構為理事會,負責執行會員大會決議和日常具體會務。

(二)理事會由最少三名或以上單數成員組成,設理事長、副理事長及秘書各一名,每屆任期為三年,可連選連任。

(三)理事會會議每六個月召開一次。會議在有過半數理事會成員出席時,方可決議事宜,決議需獲出席成員的絕對多數贊同票方為有效。

第九條

監事會

(一)本會監察機構為監事會,負責監察理事會日常會務運作和財政收支狀況。

(二)監事會由最少三名或以上單數成員組成,設監事長、副監事長及秘書各一名,每屆任期為三年,可連選連任。

(三)監事會會議每六個月召開一次。會議在有過半數監事會成員出席時,方可決議事宜,決議需獲出席成員的絕對多數贊同票方為有效。

第四章

附則

第十條

經費

本會經費源於會員會費及各界人士贊助,尚有不敷或特別需用款時,得由理事會決定籌募之。

第十一條

會徽

二零一九年五月二十二日於海島公證署

二等助理員 林潔如


CARTÓRIO NOTARIAL DAS ILHAS

CERTIFICADO

澳門塔羅協會

為公佈的目的,茲證明上述社團的設立章程文本自二零一九年五月二十二日起,存放於本署之“2019年社團及財團儲存文件檔案”第1/2019/ASS檔案組第47號,有關條文內容載於附件。

澳門塔羅協會

章程

第一章

第一條

名稱

(一)中文名稱為:“澳門塔羅協會"。

(二)英文名稱為:“Macau Tarot Association"。

第二條

宗旨

(一)支持塔羅教育事業,培養文化人才。

(二)推動本澳對於塔羅文化的認識,培養此方面的專業人員。

(三)開展與其他塔羅團體交流活動,加強學術研究,並整理編印書刊。

第三條

會址

本會設於澳門天神巷22號地下F座,在必要時可遷往本澳任何地方。

第二章

會員

第四條

會員資格

凡贊成本會宗旨及認同本會章程者,均可申請為本會會員。經本會理事會批准後,便可成為會員。

第五條

會員權利及義務

(一)會員有選舉權及被選舉權,享有本會舉辦一切活動和福利的權利。

(二)會員有遵守會章和決議,以及繳交會費的義務。

第三章

組織機構

第六條

機構

本會組織機構包括會員大會、理事會、監事會。

第七條

會員大會

(一)本會最高權力機構為會員大會,負責制定和修改會章;選舉會員大會會長、副會長,秘書和理事會、監事會成員;決定會務方針,審查和批准理事會工作報告。

(二)會員大會設會長、副會長及秘書各一名,每屆任期為三年,可連選連任。

(三)會員大會每年舉行一次,至少提前八天透過掛號信或簽收之方式召集,通知書必須註明會議之日期、時間、地點和議程,如遇重大或特別事項得召開特別會員大會。

(四)修改本會章之決議,須獲出席會員四分之三的贊同票;解散本會的決議,須獲全體會員四分之三的贊同票。

第八條

理事會

(一)本會執行機構為理事會,負責執行會員大會決議和日常具體會務。

(二)理事會由最少三名或以上單數成員組成,設理事長、副理事長及秘書各一名,每屆任期為三年,可連選連任。

(三)理事會會議每六個月召開一次。會議在有過半數理事會成員出席時,方可決議事宜,決議需獲出席成員的絕對多數贊同票方為有效。

第九條

監事會

(一)本會監察機構為監事會,負責監察理事會日常會務運作和財政收支狀況。

(二)監事會由最少三名或以上單數成員組成,設監事長、副監事長及秘書各一名,每屆任期為三年,可連選連任。

(三)監事會會議每六個月召開一次。會議在有過半數監事會成員出席時,方可決議事宜,決議需獲出席成員的絕對多數贊同票方為有效。

第四章

附則

第十條

經費

本會經費源於會員會費及各界人士贊助,尚有不敷或特別需用款時,得由理事會決定籌募之。

第十一條

會徽

二零一九年五月二十二日於海島公證署

二等助理員 林潔如


CARTÓRIO NOTARIAL DAS ILHAS

CERTIFICADO

澳門國際城隍地祗民俗文化學會

為公佈的目的,茲證明上述社團的設立章程文本自二零一九年五月二十二日起,存放於本署之“2019年社團及財團儲存文件檔案”第1/2019/ASS檔案組第46號,有關條文內容載於附件。

澳門國際城隍地祗民俗文化學會

章程

第一章

第一條

名稱

(一)中文名稱為:“澳門國際城隍地祗民俗文化學會”。

(二)英文名稱為:“International City God Folk Culture Society of Macau”。

第二條

宗旨

(一)支持城隍地祗民俗文化教育事業,培養文化人才。

(二)推動本澳對於城隍地祗民俗文化的認識,培養此方面的專業人員。

(三)開展與其他城隍地祗民俗文化團體交流活動,加強學術研究,並整理編印書刊。

第三條

會址

本會設於澳門天神巷22號地下F座,在必要時可遷往本澳任何地方。

第二章

會員

第四條

會員資格

凡贊成本會宗旨及認同本會章程的者,均可申請為本會會員。經本會理事會批准後,便可成為會員。

第五條

會員權利及義務

(一)會員有選舉權及被選舉權,享有本會舉辦一切活動和福利的權利。

(二)會員有遵守會章和決議,以及繳交會費的義務。

第三章

組織機構

第六條

機構

本會組織機構包括會員大會、理事會、監事會。

第七條

會員大會

(一)本會最高權力機構為會員大會,負責制定和修改會章;選舉會員大會會長、副會長,秘書和理事會、監事會成員;決定會務方針,審查和批准理事會工作報告。

(二)會員大會設會長、副會長及秘書各一名,每屆任期為三年,可連選連任。

(三)會員大會每年舉行一次,至少提前八天透過掛號信或簽收之方式召集,通知書必須註明會議之日期、時間、地點和議程,如遇重大或特別事項得召開特別會員大會。

(四)修改本會章之決議,須獲出席會員四分之三的贊同票;解散本會的決議,須獲全體會員四分之三的贊同票。

第八條

理事會

(一)本會執行機構為理事會,負責執行會員大會決議和日常具體會務。

(二)理事會由最少三名或以上單數成員組成,設理事長、副理事長及秘書各一名,每屆任期為三年,可連選連任。

(三)理事會會議每六個月召開一次。會議在有過半數理事會成員出席時,方可決議事宜,決議需獲出席成員的絕對多數贊同票方為有效。

第九條

監事會

(一)本會監察機構為監事會,負責監察理事會日常會務運作和財政收支狀況。

(二)監事會由最少三名或以上單數成員組成,設監事長、副監事長及秘書各一名,每屆任期為三年,可連選連任。

(三)監事會會議每六個月召開一次。會議在有過半數監事會成員出席時,方可決議事宜,決議需獲出席成員的絕對多數贊同票方為有效。

第四章

附則

第十條

經費

本會經費源於會員會費及各界人士贊助,尚有不敷或特別需用款時,得由理事會決定籌募之。

第十一條

會徽

二零一九年五月二十二日於海島公證署

二等助理員 林潔如


CARTÓRIO PRIVADO

MACAU

CERTIFICADO

中山大學法學院澳門校友會

為公佈之目的,茲證明上述組織社團之章程文本自二零一九年五月三日起,存放於本署之5/2019號檔案組內,並登記於第1號“獨立文書及其他文件之登記簿冊”內,編號為5號,該組織章程內容載於附件之證明書內並與原件一式無訛。

中山大學法學院澳門校友會章程

第一條

(名稱及會址)

本會定名為「中山大學法學院澳門校友會」,葡文名稱為:Associação dos Antigos Alunos da Faculdade de Direito da Universidade de Sun Yat-Sen em Macau,會址設於澳門南灣大馬路619號時代商業中心7樓B座,透過理事會決議可將會址遷往澳門其他地方。

第二條

(宗旨)

本會的宗旨為:

(一)促進校友間的團結,提高校友的專業及學術水平,以及加強母校和法學院校友的聯繫和交流;

(二)向社會各界進行憲法和法律推廣工作;

(三)就澳門、內地及其他國家和地區之法律和政策進行比較研究,配合國家一帶一路和粵港澳大灣區政策,以及本澳一中心一平台一基地定位,加強法律合作和交流。

第三條

(會員資格)

凡具備良好品德和專業認識、認同本會宗旨之中山大學法學院師生員工,經履行入會手續,且獲理事會審核通過後,均可成為本會會員。

第四條

(會員權利)

本會會員均享有以下權利:

(一)選舉及被選為本會機關的成員;

(二)參加會員大會及表決;

(三)按照本會的章程及內部規章之規定,請求召開會員大會;

(四)參與本會的一切活動及享有本會所提供的各項福利。

第五條

(會員義務)

本會會員有以下義務:

(一)尊重及遵守本會章程、內部規章及本會機關所作的決議;

(二)貫徹本會宗旨,促進會務發展及提高本會聲譽;

(三)按時繳交會費;

(四)接受被選任的職位及擔任獲委派的職務,但有合理解釋且獲接受者除外;

(五)參加所屬機關的會議。

第六條

(紀律)

對違反章程及內部規章或作出有損本會聲譽行為的會員,理事會經決議科下列處分:

(一)口頭警告;

(二)書面譴責;

(三)暫停會籍;或

(四)開除會籍。

第七條

(任期)

獲選為機關成員者,任期三年,可連選連任。

第八條

(會員大會的組成及運作)

一、 會員大會為最高決議機關,決定及檢討本會一切會務,選舉會長、副會長、大會秘書、理監事及修訂本會章程及內部規章。

二、 會員大會由全體會員組成,設會長一名、副會長若干名及可設立大會秘書一名,會長負責主持會員大會、對外代表本會,並負責協調本會工作。副會長和大會秘書協助會長工作,會長缺席時,由副會長代其職務。必要時,會長、副會長列席理監事會議。

三、 會員大會每年召開一次平常會議,以討論理事會所提交的工作報告及年度帳目,並通過之。

四、 會員大會可在會長、理事會、監事會或不少於四分之一的會員以正當目的提出要求時,召開會員大會特別會議。

五、 第一次召集的時間已屆,如法定人數不足,則於半小時後視為第二次召集,屆時則不論出席之會員人數多少,會議均視為有效。

六、 會員大會的決議取決於出席的會員的絕對多數票,但須有特定多數票的情況則除外。

第九條

(理事會的組成及運作)

一、 理事會由十一名或以上的單數成員組成,包括理事長一名、副理事長若干名及理事若干名;另可設有候補理事若干名。

二、 理事會在多數成員出席時方可議決。如表決時票數相同,以理事長所作之票為決定票。

三、 為開展會務,理事會可透過決議按職能下設若干部門,以及在不抵觸本章程各規定的情況下修訂內部規章;候補理事在理事不能視事時,依“內部規章”或理事會制定的“操作細則”作填補。

四、 理事會可下設秘書處,協助理事會管理本協會日常事務以及會員大會工作。秘書處設秘書長一名、副秘書長及會務助理若干名,秘書處成員可由理事會成員兼任。

第十條

(同步會議)

各機關會議可透過視像或電話同步會議紀錄方式,在不同地方同時進行,惟須確保不同地方出席會議的成員能夠適當參與會議及直接對話,會議紀錄尤須載明會議地點、日期、時間和議程,且須經簽署方為有效。

第十一條

(監事會的組成及運作)

監事會由三名或以上單數成員組成。

第十二條

(聯席會議)

本會的換屆工作由聯席會議籌備並提名,有關提名需經會員大會通過。聯席會議由會長、理事長和監事長組成,彼等在徵詢理事會的意見後,製作候選人名單。

第十三條

(收入)

本會的收入來源包括:

(一)會員繳交的入會費及會費;

(二)來自本會活動的收入;

(三)各界人士及機構給予的資助、贈與、遺贈及其他捐獻。

二零一九年五月三日於澳門特別行政區

私人公證員 林笑雲


2.º CARTÓRIO NOTARIAL DE MACAU

CERTIFICADO

上海財經大學澳門校友會

為公佈的目的,茲證明上述社團的修改章程文本已於二零一九年五月十七日存檔於本署2019/ASS/M3檔案組內,編號為143號。該修改章程文本如下:

第六條——本會組織

一、會員大會為本會最高權力機關,決定及討論本會會務,選舉會長,副會長,理、監事會成員及修訂本會章程。每年召開一次平常會議,以討論理、監事會所提交的工作報告及年度賬目,並通過之。會議需至少提前八天透過掛號信或簽收之方式召集,通知書內須註明會議之日期,時間,地點和議程。不少於總數五分之一之社員以正當目的提出要求時,亦得召開大會。

二零一九年五月十七日於第二公證署

一等助理員 黃慧華Wong Wai Wa


CARTÓRIO PRIVADO

MACAU

CERTIFICADO

Certifico, que o presente documento de 5 folhas, está conforme o original do exemplar da alteração dos estatutos da associação denominada «Aliança de Serviços Jurídicos do Interior da República Popular da China, de Macau, e dos Países de Língua Portuguesa», depositado neste Cartório, sob o n.º 1 no maço n.º 1 de documentos de associações e fundações do ano de 2019.

Alteração do Estatuto da Associação

«Aliança de Serviços Jurídicos do Interior da República Popular da China, de Macau, e dos Países de Língua Portuguesa», com sede em Macau, na Avenida da Praia Grande, n.os 762-804, Edifício «China Plaza», 14.º andar G.

Artigo segundo

A associação tem por objecto incentivar as relações entre os escritórios de advogados membros, advogados membros e outras instituições jurídicas, nomeadamente através da realização de fóruns sobre questões relacionadas com assuntos de direito, actividade de intercâmbios e cooperação nessas matérias relativamente aos mercados da República Popular da China, de Macau, e dos Países de Língua Portuguesa.

Artigo sétimo

Um. Qualquer pessoa, singular ou colectiva, que se dedica à prestação de serviços jurídicos no interior da República Popular da China, Macau, e países da língua portuguesa podem requerer a sua admissão como associados, a qual está sujeita à aprovação por deliberação da direcção.

Dois. Os associados podem sair a qualquer momento da associação mas só podem ser excluídos por deliberação da assembleia geral em caso de falta grave das obrigações dos associados.

Cartório Privado, em Macau, aos 20 de Maio de 2019. — O Notário, Jorge Menezes.


萬通保險國際有限公司

通告

有關萬通保險環球增長基金

YF Life Global Growth Fund

萬通保險國際有限公司(前稱美國萬通亞洲有限公司)於2002年9月26日成立美國萬通環球增長基金MassMutual Global Growth Fund,此基金於2019年5月24日起改名為萬通保險環球增長基金 YF Life Global Growth Fund。此基金管理規章的修訂已在2019年5月22日進行公告,敬請查閱《公報》第21期,第二組。

有關萬通保險環球穩定基金

YF Life Global Stable Fund

萬通保險國際有限公司(前稱美國萬通亞洲有限公司)於2002年9月26日成立美國萬通環球穩定基金MassMutual Global Stable Fund,此基金於2019年5月24日起改名為萬通保險環球穩定基金YF Life Global Stable Fund。此基金管理規章的修訂已在2019年5月22日進行公告,敬請查閱《公報》第21期,第二組。

有關萬通保險保守基金

YF Life Capital Conservative Fund

萬通保險國際有限公司(前稱美國萬通亞洲有限公司)於2002年9月26日成立美國萬通保本基金MassMutual Capital Preservation Fund,此基金於2018年1月1日起改名為美國萬通保守基金 MassMutual Capital Conservative Fund,並於2019年5月24日起改名為萬通保險保守基金YF Life Capital Conservative Fund。此基金管理規章的修訂已在2019年5月22日進行公告,敬請查閱《公報》第21期,第二組。

有關萬通保險環球均衡基金

YF Life Global Balanced Fund

萬通保險國際有限公司(前稱美國萬通亞洲有限公司)於2002年5月16日成立美國萬通環球均衡基金MassMutual Global Balanced Fund,此基金於2019年5月24日起改名為萬通保險環球均衡基金 YF Life Global Balanced Fund。此基金管理規章的修訂已在2019年5月22日進行公告,敬請查閱《公報》第21期,第二組。


廣發銀行股份有限公司澳門分行

試算表於二零一八年十二月三十一日

副行長

會計主管

黃強

庄哲


澳 門 極 易 付 股 份 有 限 公 司

Uepay Macao Limited

(根據七月五日第三二/九三/M號法令核准之金融體系法律制度第七十五條之公告)

資產負債表於二零一八年十二月三十一日

澳門元

澳門元

二零一八年營業結果演算

營業賬目

澳門元

損益計算表

澳門元

摘要財務報表的獨立核數師報告

致澳門極易付股份有限公司全體股東:
(於澳門註冊成立的股份有限公司)

澳門極易付股份有限公司(「貴公司」)截至二零一八年十二月三十一日止年度隨附的摘要財務報表乃撮錄自貴公司截至同日止年度的已審核財務報表及貴公司的賬冊和記錄。摘要財務報表由二零一八年十二月三十一日的資產負債表以及截至該日止年度的損益表組成,管理層須對該等摘要財務報表負責。我們的責任是對摘要財務報表是否在所有重要方面均與已審核財務報表及貴公司的賬冊和記錄符合一致,發表意見,僅向全體股東報告,除此之外本報告別無其他目的。我們不會就本報告的內容向任何其他人士負上或承擔任何責任。

我們按照澳門特別行政區政府頒布的《核數準則》和《核數實務準則》審核了貴公司截至二零一八年十二月三十一日止年度的財務報表,並已於二零一九年三月二十九日就該財務報表發表了無保留意見的核數師報告。

上述已審核的財務報表由二零一八年十二月三十一日的資產負債表以及截至該日止年度的損益表、權益變動表和現金流量表組成,亦包括重大會計政策的摘要和解釋附註。

我們認為,摘要財務報表在所有重要方面,均與上述已審核的財務報表及貴公司的賬冊和記錄符合一致。

為更全面了解貴公司的財務狀況和經營結果以及核數工作的範圍,隨附的摘要財務報表應與已審核的財務報表以及獨立核數師報告一併閱讀。

張佩萍
註冊核數師
羅兵咸永道會計師事務所

澳門, 二零一九年四月二十三日

業務報告之概要

2018年,澳門極易付股份有限公司(下稱「極易付」、「我司」)在董事會強有力的指導下,秉承“客戶至上,開放合作,不斷創新,服務澳門。”之企業理念,為澳門本地商戶提供微信支付收單服務,並攜手合作銀行共同穩步拓展,取得了優異的成績。

展望2019年,澳門特區政府大力推廣電子支付推動了澳門互聯網經濟高速發展,極易付將積極配合特區政府推出本地電子錢包業務,並投放大量資源對支付技術進行創新,研發更多元化、更先進的電子支付工具,使澳門商戶、本地居民、入澳旅客真正享受方便、安全、穩定的電子支付服務,充分感受到澳門“智慧城市”的魅力。2019年,《粤港澳大灣區發展規劃綱要》的出台促使智慧支付成為大灣區現代服務業的重要一環。極易付希望通過粵港澳深度合作,將電子支付系統融入大灣區建設,廣泛拓展跨境金融業務。

承董事會命

蕭家明

董事長

二零一九年四月十七日於澳門

澳門極易付股份有限公司

獨任監事報告書

根據商法典及公司章程之規定,本監事履行職務,監察了澳門極易付股份有限公司截至2018年12月31日止之年度的管理,跟進了公司的業務。本監事確認得到行政管理機關的全面合作,並獲得了本監事認為必要的所有資訊和解釋。本監事認為年度帳目正確及完整,並簡易及清楚地闡述公司年度之財務狀況、業務發展及營運結果。本監事沒有察覺期間有任何不當事情或不法行為。

鑑於以上事項,本監事建議,股東常會通過截至2018年12月31日止年度的年度帳目。

獨任監事

天職澳門會計師事務所

代表人:林品莊

日期:2019年3月31日

持有超過有關機構資本5%之出資的機構名單

主要股東

新粵投資管理有限公司

公司機關據位人

董事會

蕭家明 董事長

周小青 董事

陳一平 董事

李墨麗 董事

潘樹鈿 董事

股東會主席團

蕭家明 主席

麥興業 秘書

獨任監事

天職澳門會計師事務所(由林品莊代表)

公司秘書

麥興業 秘書


BANCO TAI FUNG, S.A.

Balanço anual em 31 de Dezembro de 2018

MOP

MOP

MOP

Demonstração de Resultados do Exercício de 2018

Conta de Exploração

MOP

Conta de Lucros e Perdas

MOP

O Presidente

O Chefe da Contabilidade

Zhou Peng

Chan Chung Wai Terence

Lista das empresas em cuja capital social o nosso Banco tem uma participação superior a 5%:

Sociedade de Fomento Predial Tak Kei Lda.

98,00%

Companhia de Investimento Predial Triumph, Limitada

76,66%

Companhia de Seguros Luen Fung Hang, S.A.R.L.

38,10%

Companhia de Seguros Luen Fung Hang-Vida, S.A.

28,58%

Tai Fung (Hong Kong) Finance Company Limited

35,00%

Companhia de Locação Financeira Internacional Land Tai Fung (Macau), S.A.

11,82%

Relatório do Conselho de Administração

O Conselho de Administração apresenta o relatório e as contas auditadas em 31 de Dezembro de 2018.

Síntese do Relatório de Actividade

Em 2018, os indicadores mostram que o ambiente externo sofreu profundas mudanças. Por um lado, os eventos globais do «Black Swan Events» ocorreram com frequência, tanto nos domínios políticos como económicos, e fizeram prolongar o período da desaceleração do investimento e do comércio internacionais. Por outro lado, as pressões económicas enfrentadas pelo País e Macau causaram dificuldades para o devido desenvolvimento da macroeconomia. Toda a estrutura do Banco Tai Fung está empenhada em implementar as várias estratégias delineadas pelo Conselho de Administração no início do ano. Obtivémos resultados significativos para responder adequadamente aos riscos, mediante o reforço das estratégias implementadas e tirando o melhor proveito das habilidades de gestão de negócios. No final de 2018, os lucros do Banco antes dos impostos totalizaram 2,318 mil milhões de patacas (MOP, a moeda mencionada doravante), correspondente a um crescimento de 18,92% face a 2017. Os activos totais de 162,1 mil milhões, aliados a um crescimento homólogo de 12,50%. ajudaram-nos a obter um desenvolvimento assinalável em vários outros negócios. Em termos de lucros depois dos impostos, a média da taxa de rendimentos do capital próprio (ROE) foi de 10,97% e a média da taxa de rentabilidade dos activos (ROA) foi de 1,32%. O rácio de adequação dos fundos próprios (CAR) situou-se em 14,95%, e o rácio de crédito mal parado (NPL) em 0,13%. A qualidade dos activos e as realizações no domínio operacional ajudaram-nos a garantir um lugar na faixa superior do sector bancário.

O sucesso valoriza sempre o trabalho árduo. Em 2018, o Banco alcançou resultados satisfatórios graças à aplicação de um estilo de gestão estável aliada à criação de uma cultura proactiva. No corrente ano, o Banco participou activamente no desenvolvimento do País e de Macau, apoiando a construção, em Macau, de «Um Centro e Uma Plataforma», e as estratégias delineadas para a Região da Grande Baía (Guangdong-Hong Kong-Macau). Graças a esse planeamento, foi reforçada a nossa capacidade de serviços no domínio da macroeconomia. No corrente ano, o Banco demonstrou o seu valor no processo de constante desenvolvimento de negócios, tendo alcançado um salto histórico no desenvolvimento global, transformando o Banco, já de escala considerável, para uma escala mais vantajosa, e continuando a garantir um lugar no topo do sector bancário. No ano em curso, o Banco demonstrou o estilo «Tai Fung» na transformação da inovação tecnológica financeira. Na sequência do primeiro aplicativo móvel criado pelo Banco, denominada «Tai Fung Pay» no início do ano, o Banco instalou oficialmente o primeiro balcão inteligente em meados do ano, visando promover, de forma sustentável, a vitalidade e a criatividade das tecnologias financeiras.

O ano de 2019 assinala não apenas o 20.º aniversário do estabelecimento da Região Administrativa Especial de Macau, sendo também um ano de grande relevância para tornarmos o Banco topo de gama na Região da Grande Baía. Esse novo ponto de partida histórico é acompanhado por novas oportunidades de desenvolvimento, com a definição de metas para reforçar a política de reforma e de abertura ao exterior da China, e a integração de Guangdong, Hong Kong e Macau, o que demonstra a nossa firme determinação no sentido de estabelecer e reforçar a garantia institucional e a motivação económica do Banco.O Banco Tai Fung levará em conta o planeamento e a implementação de um novo conjunto de estratégias como guia para elevar e construir a competitividade global e as vantagens do Banco nas suas principais áreas de negócio, elevando todas as suas actividades bancárias para um novo patamar, no sentido de apresentar um excelente desempenho, como oferta para celebrar o 70.º aniversário do estabelecimento da China e o 20.º aniversário do retorno de soberania de Macau à Mãe-Pátria.

Em nome do Conselho de Administração, gostaria de expressar os nossos maiores agradecimentos aos accionistas, clientes e aos nossos parceiros de negócios pela confiança e apoio ao Banco, ao longo dos anos.

Resultado e Distribuição

MOP$

Lucro de exploração antes do imposto

2.318.482.120,45

Dotações para imposto complementar

302.090.131,72

Resultado de exercício

2.016.391.988,73

Lucros relativos a exercícios anteriores

5.557.582.108,64

Total disponível

7.573.974.097,37

O Conselho de Administração propôs a seguinte distribuição:

Para reservas

79.500.000,00

Para dividendos (acções ordinárias)

201.639.198,87

Para dividendos (acções preferenciais)

324.750.000,00

A transportar para o próximo ano

6.968.084.898,50

7.573.974.097,37

Accionistas Qualificados

De acordo com os registos do LIVRO DOS ACCIONISTAS DO BANCO, os accionistas, detentores de participações de valor igual ou superior a 10% do capital de acções ordinárias do Banco, em 31 de Dezembro de 2018 eram os seguintes:

Banco da China, Limitada

Família de Ho Yin

Titulares dos Órgãos Sociais

MESA DA ASSEMBLEIA GERAL:

Presidente:

Ho Hao Veng

Vice-Presidente:

Banco da China, Limitada

Secretário:

So Kwok Wah

CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO:

Presidente:

Ho Hao Tong

Vice-Presidente:

Li Guang

Administradores Permanentes:

Howard H.H.Ho

Zhou Peng

Chui Kai Cheong

Administradores:

Fu Hau Chak

Ip Sio Kai

Ho Kevin King Lun

Au Ieong Iu Kong

Ho King Man Justin

Cai Qiusheng

Dang Pengjun

Ho, Carlos

CONSELHO FISCAL:

Presidente:

Iong Weng Ian

Membros:

Jiang Yidao

He Qiuping

SECRETÁRIO DA SOCIEDADE:

So Kwok Wah

O Presidente do Conselho de Administração,

Ho Hao Tong

Macau, 20 de Fevereiro de 2019.

Parecer do Conselho Fiscal

Nos termos da lei e dos Estatutos do Banco Tai Fung, S.A., compete ao Conselho Fiscal fiscalizar as actividades e a administração do Banco e emitir parecer sobre as contas, proposta de distribuição de dividendos e o relatório financeiro de cada exercício, apresentados pelo Conselho de Administração.

No exercício de 2018, o Conselho Fiscal no uso das suas competências procedeu ao que considerava necessário e examinou as contas do Banco auditadas pela Ernst & Young, sobre as quais esta Sociedade expressou as suas opiniões sem reservas.

Este Conselho é de parecer que as contas examinadas demonstram, nitidamente e com rigor, a real situação financeira do Banco em 31 de Dezembro de 2018 e o resultado do exercício findo em 31 de Dezembro de 2018, sendo as demonstrações financeiras referentes ao exercício, a proposta para a distribuição de dividendos e o relatório financeiro apresentados pelo Conselho de Administração apropriados para serem submetidos à aprovação dos accionistas na Assembleia Geral.

A Presidente do Conselho Fiscal,

Iong Weng Ian

Macau, 26 de Fevereiro de 2019

Relatório de Auditor Independente sobre Demonstrações Financeiras Resumidas

Para os accionistas da Banco Tai Fung, S.A.
(sociedade por acções de responsabilidade limitada, registada em Macau)

Procedemos à auditoria das demonstrações financeiras da Banco Tai Fung, S.A. relativas ao ano de 2018, nos termos das Normas de Auditoria e Normas Técnicas de Auditoria da Região Administrativa Especial de Macau. No nosso relatório, datado de 20 de Fevereiro de 2019, expressámos uma opinião sem reservas relativamente às demonstrações financeiras das quais as presentes constituem um resumo.

As demonstrações financeiras a que se acima se alude compreendem o balanço, à data de 31 de Dezembro de 2018, a demonstração de resultados, a demonstração de alterações no capital próprio e a demonstração de fluxos de caixa relativas ao ano findo, assim como um resumo das políticas contabilísticas relevantes e outras notas explicativas.

As demonstrações financeiras resumidas preparadas pela gerência resultam das demonstrações financeiras anuais auditadas a que acima se faz referência. Em nossa opinião, as demonstrações financeiras resumidas são consistentes, em todos os aspectos materiais, com as demonstrações financeiras auditadas.

Para a melhor compreensão da posição financeira da Banco Tai Fung, S.A. e dos resultados das suas operações, no período e âmbito abrangido pela nossa auditoria, as demonstrações financeiras resumidas devem ser lidas conjuntamente com as demonstrações financeiras das quais as mesmas resultam e com o respectivo relatório de auditoria.

Bao, King To
Auditor de Contas
Ernst & Young — Auditores

Macau, aos 20 de Fevereiro de 2019.


THE HONGKONG AND SHANGHAI BANKING CORPORATION LIMITED

SUCURSAL DE MACAU

(Publicações ao abrigo do artigo 76 do RJSF aprovado pelo Decreto-Lei No.32/93M, de 5 de Julho)

Balanço anual em 31 de Dezembro de 2018

(Em patacas)

(Em patacas)

(Em patacas)

Demonstração de resultados do exercício de 2018

Conta de exploração

(Em patacas)

Conta de lucros e perdas

(Em patacas)

DIRECTOR EXECUTIVO - MACAU

GERENTE DE FINANÇAS

Lau Pak Hung

Tam Pui Si

Macau, 29 de Abril de 2019.

Síntese dos resultados de 2018

As Receitas cresceram 16.5% para MOP841 milhões e o Lucro Antes de Impostos diminuiu 43.9% para MOP193 milhões.

O Resultado Líquido de Juros bem como os Resultados em Operações Financeiras cresceram 3.8% e 10.6%, respectivamente.

Em 2018, continuámos a nossa estratégia para ser o principal banco internacional em Macau. As nossas receitas totais cresceram 16.5%, ao passo que o nosso Lucro Antes de Impostos diminuiu 43.9% devido a uma imparidade de crédito verificada no nosso portfolio de Grandes Clientes. Os nossos resultados liquidos de juros cresceram 3.8% devido a uma melhoria nas nossas margens de juros liquidas. Devido ao nosso sucesso em captar oportunidades de negocio no volatel mercado de cambios, os nossos resultados em operações financeiras cresceram 10.6%.

Não obstante as condições de mercado, que em 2018 se mostraram desafiadoras, continuámos a tirar partido da dinâmica internacionalização do RMB bem como das iniciativas relacionadas com a Area da Grande Baía e “Um cinto, uma estrada”. Aumentámos a nossa colaboração com os nossos escritórios na Região da Grande China, inclusive com visitas aos escritórios na China Continental, e a realização de uma “townhall” conjuntamente com o HSBC China, Hong Kong e Taiwan.

Na senda da nossa viagem digital, fizemos um upgragde da nossa plataforma online Evolve FX, tendo tido uma taxa de adesão pelos nossos clientes empresariais perto dos 100%. Por forma a expandir os nossos canais de distribuição para depósito de dinheiro, bem como pagamentos de cartão de crédito e hipotecários, procedemos à instalação de 5 novas máquinas de self service. Estamos ainda a melhorar o nosso website bem como os nossos serviços pessoais de internet banking.

No que respeita às hipotecas, e por forma a apoiar os jovens locais a adquirir a sua casa própria, procedemos ao lançamento do “Young Adult First Time Home Buyers Scheme”. Completámos ainda com sucesso e com o cliente em perspectiva, o processo “Payment Review” por forma a melhorar a experiência dos nossos clientes quando efectuam pagamentos transfronteiriços. Introduzimos ainda beneficios relacionados com as viagens e outras ofertas por forma a fortalecer o nosso posicionamento de cartões de crédito como um acompanhante de viagem.

Já no tocante à implementação ao Combate ao Crime Financeiro e de Gestão de Risco, simplificámos o nosso processo de “customer due diligence” e melhorámos a nossa ferramenta interna de Crédito, por forma, não só a melhorar e acelerar a experiência dos nossos clientes, mas também oferecer um processo de crédito mais simples e seguro. Acresce ainda que, completámos todos os nossos programas chave de “Customer Due Diligence”, permitindo-nos ter um melhor conhecimento dos nossos clientes.

Relativamente aos recursos humanos, temos continuado construir a equipa de gestão, trazendo talentos com conhecimentos e experiências diversificados. Esforçámo-nos fortemente em recrutar, manter e empenhar os nossos trabalhadores. Os benefícios dados aos nossos trabalhadores continuaram a sofrer alterações, e assim, melhorámos o nosso regime de crédito a trabalhadores para aquisição de casa própria bem como a politica de licenças de maternidade e de paternidade, passando de 10 para 14 semanas e de 5 a 10 dez dias, respectivamente, estabelecendo um novo marco em Macau. Por outro lado, implementámos uma nova politca de trabalho mais flexivel por forma aos nossos trabalhadores poderem atingir um melhor balanço entre a vida privada e o trabalho.

Gostaria de aproveitar ainda esta oportunidade para agradecer aos nossos estimados clientes o seu apoio constante e à nossa equipa o seu leal e dedicado empenho.

Lau Pak Hung

Director Executivo - Macau

Relatório dos Auditores Externos Sobre as Demonstrações Financeiras Resumidas

Para a Gerência do The Hongkong and Shanghai Banking Corporation Limited — Sucursal de Macau

As demonstrações financeiras resumidas anexas do The Hongkong and Shanghai Banking Corporation Limited — Sucursal de Macau (a Sucursal) referentes ao exercício findo em 31 de Dezembro de 2018 resultam das demonstrações financeiras auditadas e dos registos con- tabilísticos da Sucursal referentes ao exercício findo naquela data. Estas demonstrações financeiras resumidas, as quais compreendem o balanço em 31 de Dezembro de 2018 e a demonstração dos resultados do exercício findo naquela data, são da responsabilidade da Gerên- cia da Sucursal. A nossa responsabilidade consiste em expressar uma opinião, unicamente dirigida a V. Exas. enquanto Gerência, sobre se as demonstrações financeiras resumidas são consistentes, em todos os aspectos materiais, com as demonstrações financeiras auditadas e com os registos contabilísticos da Sucursal, e sem qualquer outra finalidade. Não assumimos responsabilidade nem aceitamos obriga- ções perante terceiros pelo conteúdo deste relatório.

Auditámos as demonstrações financeiras da Sucursal referentes ao exercício findo em 31 de Dezembro de 2018 de acordo com as Normas de Auditoria e Normas Técnicas de Auditoria emitidas pelo Governo da Região Administrativa Especial de Macau, e expressámos a nossa opinião sem reservas sobre estas demonstrações financeiras, no relatório de 29 de Abril de 2019.

As demonstrações financeiras auditadas compreendem o balanço em 31 de Dezembro de 2018, a demonstração dos resultados e de outro rendimento integral, a demonstração de alterações nas reservas e a demonstração dos fluxos de caixa do exercício findo naquela data, e um resumo das principais políticas contabilísticas e outras notas explicativas.

Em nossa opinião, as demonstrações financeiras resumidas são consistentes, em todos os aspectos materiais, com as demonstrações fi- nanceiras auditadas e com os registos contabilísticos da Sucursal.

Para uma melhor compreensão da posição financeira da Sucursal, dos resultados das suas operações e do âmbito da nossa auditoria, as demonstrações financeiras resumidas em anexo devem ser lidas em conjunto com as demonstrações financeiras auditadas e com o res- pectivo relatório do auditor independente.

Cheung Pui Peng Grace
Auditor de contas
PricewaterhouseCoopers

Macau, 29 de Abril de 2019


BANCO CHINÊS DE MACAU, S.A.

(Publicação ao abrigo do Artigo 75 do RJSF aprovado pelo Decreto-Lei n.º 32/93/M, de 5 de Julho)

Balanço anual em 31 de Dezembro de 2018

MOP

MOP

Nota: A rubrica «Outras Reservas» está incluído um valor de MOP42,701,972 de provisões genéricas adicionais constituidas em comprimento das regras do Aviso n.º 18/93-AMCM.

MOP

Demonstração de Resultados do Exercício em 31 de Dezembro de 2018

Conta de exploração

MOP

Conta de Lucros e Perdas em 31 de Dezembro de 2018

MOP

O Presidente

O Chefe da Finanças

Yau Wai Chu

Liu Hua Mei

29 de Março de 2019, em Macau

Sumário do relatório de negócio

No ano 2018, sob o desafio proveniente do ambiente económico e negocial internacional complicado e do ambiente de exploração com concorrência cada vez mais intensa, o MCB aplica a orientação “governar o banco restritamente, forçar o banco com pessoa qualificada, desenvolver o banco com tecnologia e estabelecer o banco com serviço”, no pressuposto de melhorar a organização administrativa do risco e elevar a capacidade do controlo do risco, insiste o desenvolvimento na estabilidade, reforça a venda no mercado e a inovação, bem como abre uma situação nova. Com o apoio grande da sociedade e o investimento sincero de todos os empregados do nosso banco, funciona-se o novo sistema núcleo, todos os índices de exploração têm investimento melhor em comparação com aqueles no mesmo período do ano passado e ascendem estavelmente o capital geral e o lucro líquido. Em termos do capital núcleo, eu, representando o Conselho de Administração, agradeço sinceramente a Autoridade Monetária de Macau que suporte o desenvolvimento do nosso banco, as pessoas nas várias áreas, os companheiros comerciais que prestam cooperação, os clientes e todos os empregados que trabalham diligentemente!

No ano 2018, desenvolvem conjuntamente o negócio local e o negócio no Interior da China. O banco, insiste o princípio de “estabelecer-se em Macau”, suporta com grande força o desenvolvimento da diversificação adequada de Macau, dedica-se a prestar serviço diversificado com boa qualidade aos clientes por meio de aperfeiçoar a construção sistemática e melhorar constantemente a disposição da sede. Na oportunidade da construção da Zona de Grande Baía Guangdong-Hong Kong-Macau, o banco amplia positivamente o negócio transfronteiriço para suportar o desenvolvimento da economia rela de Guangdong-Hong Kong-Macau. Promove a inovação e o desenvolvimento da finança com característica distinta de Macau, por meio de estabelecer o plano de cooperação e construir relação cooperativa com vários níveis e várias dimensões. Ao mesmo tempo de impulsionar o desenvolvimento negocial, o MCB reforçar constantemente a relação com todas as áreas de Macau, participa positivamente nas actividades sociais e cumprir a responsabilidade social.

O ano 2019 é um ano em que existem simultaneamente oportunidade e desafio. O MCB vai aprofundar a reforma e acelerar a reconversão e valorização, acelerar o investimento e exploração da tecnologia financeira do nosso banco, elevar geralmente a capacidade de serviço financeiro, suportar como sempre o desenvolvimento sustentável de todos os negócios locais, desempenhar a característica própria, impulsionar o desenvolvimento da finança com característica distinta de Macau, apoiar no “Cinto e Estrada” e na construção da Zona de Grande Baía Guangdong-Hong Kong-Macau e contribuir na prosperidade e desenvolvimento económico de Macau.

Presidente do Conselho de Administração

Ye Shaokun

29 de Março de 2019, em Macau.

Parecer do Conselho Fiscal

O Conselho Fiscal tem acompanhado estreitamente no ano 2018 o negócio do banco e mantido contacto frequente com o Conselho de Administração. Adquire informações e cooperação melhores, as quais são suficientes para o Conselho Fiscal cumprir as atribuições.

Depois de analisar o relatório financeiro de 2018 e os documentos relativos, o Conselho Fiscal entende que o relatório e os documentos reflectem clara e verdadeiramente as situações de capital, económica e financeira do banco.

Com base nisso, o Conselho Fiscal conclui que pode ser apreciado pela assembleia geral o relatório financeiro aprovado pelo Conselho de Administração.

Presidente do Conselho Fiscal

Tang Yuhong

29 de Março de 2019, em Macau.

Relatório de Auditor Independente sobre Demonstrações Financeiras Resumidas

Para os accionistas da Banco Chinês de Macau, S.A.
(sociedade por acções de responsabilidade limitada, registada em Macau)

Procedemos à auditoria das demonstrações financeiras da Banco Chinês de Macau, S.A. relativas ao ano de 2018, nos termos das Normas de Auditoria e Normas Técnicas de Auditoria da Região Administrativa Especial de Macau. No nosso relatório, datado de 29 de Março de 2019, expressámos uma opinião sem reservas relativamente às demonstrações financeiras das quais as presentes constituem um resumo.

As demonstrações financeiras a que se acima se alude compreendem o balanço, à data de 31 de Dezembro de 2018, a demonstração de resultados, a demonstração de rendimento integral, a demonstração de alterações no capital próprio e a demonstração de fluxos de caixa relativas ao ano findo, assim como um resumo das políticas contabilísticas relevantes e outras notas explicativas.

As demonstrações financeiras resumidas preparadas pela gerência resultam das demonstrações financeiras anuais auditadas a que acima se faz referência. Em nossa opinião, as demonstrações financeiras resumidas são consistentes, em todos os aspectos materiais, com as demonstrações financeiras auditadas.

Para a melhor compreensão da posição financeira da Banco Chinês de Macau, S.A. e dos resultados das suas operações, no período e âmbito abrangido pela nossa auditoria, as demonstrações financeiras resumidas devem ser lidas conjuntamente com as demonstrações financeiras das quais as mesmas resultam e com o respectivo relatório de auditoria.

Bao, King To
Auditor de Contas
Ernst & Young – Auditores

29 de Março de 2019, em Macau.

Situação acionária

Instituições em que detém participação superior a 5% do respectivo capital ou superior a 5% dos seus fundos próprios:

Nenhuma

Accionistas qualificados

Agencia Comercial e Industrial Nam Yue, Limitada (Constituída em Macau)

Winwise Holdings Ltd. (Constituída em Hong Kong)

Wong Garrick Jorge Kar Ho

Yang Jun

Nomes dos titulares dos órgãos sociais

Mesa da Assembleia Geral

Zhou Xingting (Agência Comercial e Industrial Nam Yue, Limitada)

Lee Luen Wai, John (Winwise Holdings Ltd.)

Wong Garrick Jorge Kar Ho

Yang Jun

Secretário

:

Yau Wai Chu

Conselho Fiscal

Presidente

:

Tang Yuhong

Vogal

:

Chan Nim Leung, Leon

Chui Sai Cheong (Resignação em 1 de Março de 2018)

CSC & ASSOCIADOS — Sociedade de Auditores (Representada por Sr. Chui Sai Cheong, Nomeação em 1 de Março de 2018)

Conselho de Administração

Presidente

:

Ye Shaokun

Administradora

Executiva

:

Yau Wai Chu

Administrador

:

Chan Tat Kong

Ng Tai Chiu, David

Wong Garrick Jorge Kar Ho (Nomeação em 10 de Abril de 2018)

Yang Jun

Cheng Sai Chong

Secretário

:

Yau Wai Chu (Resignação em 1 de Fevereiro de 2018)

Cheng Sai Chong (Nomeação em 1 de Fevereiro de 2018)

29 de Março de 2019, em Macau.


CAM — SOCIEDADE DO AEROPORTO INTERNACIONAL DE MACAU, S.A.R.L.

Balanço analítico em 31 de Dezembro de 2018

(Em patacas)

Mapa de demonstração de resultados líquidos de 2018

(Em patacas)

Mensagem do Presidente

Fazendo uma retrospectiva do ano de 2018, todos os colaboradores da CAM — Sociedade do Aeroporto Internacional de Macau S.A.R.L. (denominada «Sociedade» ou «CAM») seguiram a nossa estratégia de desenvolvimento «Respeitar para ganhar o respeito dos outros». Através de uma orientação correcta e do forte apoio do Governo da Região Administrativa Especial de Macau e do órgão decisório da Sociedade, enfrentámos os desafios resultantes das mudanças no ambiente externo, trabalhámos juntos para superar as dificuldades e alcançámos excelentes resultados para o Aeroporto Internacional de Macau (denominado «Aeroporto» ou «MIA»). O número de movimentos de aeronaves aumentou 12,4% em relação ao ano anterior, para 65.779 voos, dos quais aeronaves de aviação geral subiu 6,4%, para 3.274. O número de passageiros aumentou 15,3% em relação ao ano passado, para um total de 8.261.412 passageiros e a quantidade de carga aumentou 10,7% para 41.509 toneladas. Até ao final do ano de 2018, 27 companhias aéreas estavam a operar no Aeroporto Internacional de Macau com um total de 51 rotas.

O tráfego anual de passageiros no Aeroporto Internacional de Macau ultrapassou pela primeira vez a marca dos 8 milhões, o que é uma excelente notícia para Macau com uma população de apenas 650.000. A receita total do Aeroporto Internacional de Macau também atingiu um aumento histórico. A receita total das principais operadoras aeroportuárias em 2018 foi estimada em 5,52 mil milhões de patacas, registando um aumento de 11,6% face ao período homólogo. De entre estas, a receita total da CAM chegou a 1,56 mil milhões de patacas, um aumento de 11,1% em relação ao mesmo período do ano anterior. Isto deve-se ao aumento de 14,7% da receita de aviação e de 8,5% na receita de negócios extra-aviação. Durante este período, a CAM continuou a cumprir os seus compromissos com os acionistas, a pagar os empréstimos históricos da quarta fase e a pagar os dividendos dos accionistas preferenciais do ano anterior. Durante a actividade do ano 2018, o lucro antes dos dividendos foi de 532 milhões de patacas e, tendo sido incluída a provisão anual de dividendos preferenciais, o lucro líquido após impostos foi de 435 milhões de patacas, que continuaram a ser rentáveis pelo sétimo ano consecutivo.

A cultura da Sociedade orientada para pessoas, os departamentos bem geridos, as responsabilidades claras e a dedicação dos funcionários, permitiram que a Sociedade tivesse um bom ambiente de trabalho, positivo, eficiente e pragmático, contribuindo no sucesso da execução e da conclusão dos planos de trabalho. O trabalho principal de incorporação da operação da subsidiária ADA — Administração de Aeroportos, Lda. (denominada «ADA») foi concluído no dia 1 de Abril de 2018. Quase 300 funcionários da ADA foram transferidos com sucesso para a Sociedade e constituíram o departamento de operações do aeroporto. Desde então, as principais áreas de trabalho (investimento, mercado e infraestrutura) da Sociedade sofreram mudanças fundamentais, registando uma alteração do papel de investidor para investidor e operador.

A indústria turística de Macau desenvolveu-se rapidamente nos últimos anos e o Aeroporto Internacional de Macau contribuiu activamente através do desenvolvimento de infraestruturas e de serviços de apoio. Em 2018, foi concluída a expansão do lado norte do terminal de passageiros, bem como a construção do novo hangar de aviação executiva, que já foi posto em funcionamento; a capacidade dos passageiros aumentou; e foram introduzidos sucessivamente novos comerciantes e lojas de restauração através de concursos com vista ao fornecimento de serviços mais diversificados aos passageiros. O projecto de expansão do lado sul do terminal foi aprovado no final de 2018. O design e a construção serão iniciados em 2019: O corredor de passageiros será expandido para sul e serão adicionadas instalações conexas. É de esperar que o edifício concluído tenha capacidade para 10 milhões de passageiros por ano. Além disso, os equipamentos de segurança do aeroporto serão renovados para proporcionar um ambiente seguro e confortável aos passageiros.

As expectativas para 2019 são que a Sociedade continue a defender o princípio central de «segurança, eficiência e eficácia» e que responda ao «Plano de Desenvolvimento da Área da Grande Baía Guangdong, Hong Kong, Macau», reforçando a capacidade do aeroporto de Macau e contribuindo para o desenvolvimento de um grupo de aeroportos de classe mundial. Este Plano vem fortalecer a estratégia de Macau como «Centro Mundial de Turismo e Lazer» e como «Plataforma de Serviços para a Cooperação Comercial entre a China e os Países de Língua Portuguesa». Ambos estão posicionados para desenvolver activamente a indústria do turismo e da aviação civil em Macau. Combinando a orientação para o posicionamento de Macau e as suas vantagens únicas, baseadas em Macau, apoiando a pátria e enfrentando o mundo, iremos esforçar-nos para que o Aeroporto Internacional de Macau se torne num modelo para os aeroportos internacionais de pequeno e médio porte e para que nos tornemos num aeroporto internacional que deixe a população de Macau orgulhosa.

Em nome do Conselho de Administração da Sociedade, gostaria de expressar o meu mais profundo respeito a todos os colaboradores, parceiros de negócios e Governo da Região Administrativa Especial de Macau e agradeço a todos o trabalho árduo e cooperação sincera. Vamos manter a nossa posição, fazer a nossa parte, trabalhar em conjunto para o futuro desenvolvimento do aeroporto e alcançar novas conquistas.

Macau, Março de 2019.

Presidente do Conselho de Administração

Ma Iao Hang

Relatório do Conselho Fiscal

Senhores Accionistas,

O Conselho Fiscal, no uso das competências que lhe são conferidas pelo artigo 27.º dos Estatutos da sociedade «CAM — Sociedade do Aeroporto Internacional de Macau, S.A.R.L.» (doravante «a Sociedade»), assim como no decurso dos estreitos contactos que mantém com o Conselho de Administração da Sociedade, procede à fiscalização da gestão e desenvolvimento da actividade da Sociedade.

O Conselho Fiscal examinou o relatório de actividades referente ao exercício de 2018, apresentado pelo Conselho de Administração, bem como o balanço dos activos e passivos sociais, a conta de ganhos e perdas, as variações no património líquido, a demonstração dos fluxos de caixa e outros documentos contabilísticos. Os documentos acima mencionados foram verificados, auditados e certificados pelo escritório de auditoria «KPMG».

Após o competente exame efectuado por este Conselho Fiscal, é nossa opinião que quer o relatório de actividades quer as demonstrações financeiras apresentados pelo Conselho de Administração reflectem fidedignamente a actividade desenvolvida pela Sociedade ao longo do exercício, assim como a sua situação financeira e patrimonial até 31 de Dezembro de 2018. Assim, e em face do exposto, o Conselho Fiscal é do parecer que sejam aprovados pelos Senhores Accionistas os seguintes documentos apresentados pelo Conselho de Administração:

1. O relatório de actividades respeitante ao exercício de 2018;

2. As demonstrações financeiras respeitantes ao exercício de 2018;

3. A proposta de aplicação de resultados.

Macau, Março de 2019.

O Conselho Fiscal,
Senhor Ho Eric King Fung
Senhor José Manuel de Oliveira Rodrigues
Senhor Leung Henry Yee Hang

Relatório de Auditor Independente sobre Demonstrações Financeiras Resumidas

Para os accionistas da
CAM – Sociedade do Aeroporto Internacional de Macau, S.A.R.L.
(Sociedade anónima incorporada em Macau)

Procedemos à auditoria das demonstrações financeiras da CAM – Sociedade do Aeroporto Internacional de Macau, S.A.R.L. relativas ao ano de 2018, nos termos das Normas de Auditoria e Normas Técnicas de Auditoria da Região Administrativa Especial de Macau. No nosso relatório, datado de 29 de Março de 2019, expressámos uma opinião sem reservas relativamente às demonstrações financeiras das quais as presentes constituem um resumo.

As demonstrações financeiras a que acima se alude compreendem o balanço, à data de 31 de Dezembro de 2018, a demonstração de resultados, a demonstração de alterações no capital próprio e a demonstração de fluxos de caixa relativas ao ano findo, assim como um resumo das políticas contabilísticas relevantes e outras notas explicativas.

As demonstrações financeiras resumidas preparadas pela gerência resultam das demonstrações financeiras anuais auditadas e dos livros e registos da Sociedade. Em nossa opinião, as demonstrações financeiras resumidas são consistentes, em todos os aspectos materiais, com as demonstrações financeiras auditadas e dos livros e registos da Sociedade.

Para a melhor compreensão da posição financeira da Sociedade e dos resultados das suas operações, no período e âmbito abrangido pela nossa auditoria, as demonstrações financeiras resumidas devem ser lidas conjuntamente com as demonstrações financeiras das quais as mesmas resultam e com o respectivo relatório de auditoria.

Ieong Lai Kun, Auditor de Contas
KPMG
Macau, 29 de Março de 2019.


FIRST COMMERCIAL BANK LIMITADA – Sucursal de Macau

(Publicações ao abrigo do artigo 76.º do RJSF aprovado pelo Decreto-Lei n.º 32/93/M, de 5 de Julho)

Balanço anual em 31 de Dezembro de 2018

MOP

MOP

MOP

Demonstração de resultados do exercício de 2018

Conta de exploração

MOP

Conta de lucros e perdas

MOP

Gerente Geral

Wang Mei-Jyh

O Chefe da Contabilidade

Su Lung-Chuan

Síntese do relatório de actividade

Banco Comercial Primeiro,S.A., fundado em 1899, tem operado mais de cem anos. Em 2018, a sucursal tem-se desenvolvido de forma estável, alcançando o grande sucesso previsto.

Em 2019, a sucursal irá, insistir na prossecução do conceito «Cliente Preferencial, Serviço de Primeira», procurando, expandir activamente os negócios e oferecer aos clientes diversos serviços com a melhor qualidade.

Gerente-Geral

Wang Mei-Jyh

Relatório dos Auditores Externos Sobre as Demonstrações Financeiras Resumidas
Para a Gerência do First Commercial Bank Limitda — Sucursal de Macau

As demonstrações financeiras resumidas anexas do First Commercial Bank Limitada — Sucursal de Macau (a Sucursal) referentes ao exercício findo em 31 de Dezembro de 2018 resultam das demonstrações financeiras auditadas e dos registos contabilísticos da Sucursal referentes ao exercício findo naquela data. Estas demonstrações financeiras resumidas, as quais compreendem o balanço em 31 de Dezembro de 2018 e a demonstração dos resultados do exercício findo naquela data, são da responsabilidade da Gerência da Sucursal. A nossa responsabilidade consiste em expressar uma opinião, unicamente dirigida a V. Exas. enquanto Gerência, sobre se as demonstrações financeiras resumidas são consistentes, em todos os aspectos materiais, com as demonstrações financeiras auditadas e com os registos contabilísticos da Sucursal, e sem qualquer outra finalidade. Não assumimos responsabilidade nem aceitamos obrigações perante terceiros pelo conteúdo deste relatório.

Auditámos as demonstrações financeiras da Sucursal referentes ao exercício findo em 31 de Dezembro de 2018 de acordo com as Normas de Auditoria e Normas Técnicas de Auditoria emitidas pelo Governo da Região Administrativa Especial de Macau, e expressámos a nossa opinião sem reservas sobre estas demonstrações financeiras, no relatório de 22 de Março de 2019.

As demonstrações financeiras auditadas compreendem o balanço em 31 de Dezembro de 2018, a demonstração dos resultados, a demonstração de alterações nas reservas e a demonstração dos fluxos de caixa do exercício findo naquela data, e um resumo das principais políticas contabilísticas e outras notas explicativas.

Em nossa opinião, as demonstrações financeiras resumidas são consistentes, em todos os aspectos materiais, com as demonstrações financeiras auditadas e com os registos contabilísticos da Sucursal.

Para uma melhor compreensão da posição financeira da Sucursal, dos resultados das suas operações e do âmbito da nossa auditoria, as demonstrações financeiras resumidas em anexo devem ser lidas em conjunto com as demonstrações financeiras auditadas e com o respectivo relatório do auditor independente.

Ng Wai Ying
Auditor de contas
PricewaterhouseCoopers

Macau, 30 de Abril de 2019.


BANCO NACIONAL ULTRAMARINO, S.A.

Balanço anual em 31 de dezembro de 2018

MOP

MOP

MOP

Demonstração de resultados do exercício de 2018

Conta de exploração

MOP

Conta de lucros e perdas

MOP

A Responsável pela Contabilidade,

Presidente da Comissão Executiva,

Cecilia Kou

Carlos Manuel Sobral Cid da Costa Álvares

Síntese do Relatório de Actividade do Banco Nacional Ultramarino, S.A.

O Banco Nacional Ultramarino, S.A. («BNU») é uma Subsidiária a 100 por cento da Caixa Geral de Depósitos, S.A., («CGD»), um banco totalmente detido pelo Estado Português, na Região Administrativa Especial de Macau (RAEM).

O BNU é um banco comercial e é também um dos dois bancos com responsabilidade pela emissão de Patacas na RAEM.

Em 2018 a economia de Macau, continuou a tendência de crescimento, com um aumento do Produto Interno Bruto (PIB) real em 4,7 por cento, embora a um ritmo mais lento do que em 2017 (9,1 por cento).

Esta tendência de desaceleração foi mais notória na taxa de crescimento real trimestral do PIB, em que registou 2,1 por cento em termos homólogos no quarto trimestre de 2018, comparado com 9,3 por cento registado no primeiro trimestre de 2018.

Destacam-se ainda alguns sectores que têm vindo a ganhar importância nos últimos anos, como por exemplo feiras, exposições e comércio de retalho, também dependentes do número de turistas que visitam a cidade que, na sua maioria, são provenientes da China Continental.

Os sectores do turismo e jogo, bem como as actividades conexas, continuam a ser o motor principal da economia de Macau, com a receita bruta do jogo a crescer 14,0 por cento em 2018, crescimento inferior ao verificado em 2017 ( 19,1 por cento) e com um crescimento de 9,8 por cento no número total de visitantes, (5,4 por cento em 2017), que atingiram 35,8 milhões por comparação com 32,6 milhões em 2017.

A taxa de desemprego em Macau foi de 1,8 por cento em 2018, inferior ao nível registado em 2017 (2,0 por cento), um mercado de pleno emprego, o que implica uma maior pressão em termos de aumentos de salários e dificuldades acrescidas por parte das empresas na obtenção e retenção de quadros humanos qualificados. A taxa de inflação em 2018 foi de 3,01 por cento, reflectindo uma aceleração do aumento do custo de vida, (1,23 por cento em 2017).

Em virtude do clima económico desafiante que Macau e as zonas adjacentes têm vindo a atravessar nos últimos anos, e pese embora a intensificação da concorrência no sector bancário, com o consequente impacto nas margens, na captação de depósitos e na concessão de crédito, o sector da banca continuou a ter um desempenho estável em Macau, tendo também o BNU continuado a apresentar um bom desempenho ao nível da evolução da sua solvabilidade, liquidez e rendibilidade.

Em 2018, o rácio de transformação de depósitos em crédito situou-se em 68,7 por cento, quando em 2017 foi de 60,4 por cento, tendo o crédito concedido diminuído 5,8 por cento, com o crédito a não residentes a registar um decréscimo de 81,3 por cento, devido a reembolsos de montantes elevados de empréstimos sindicados. O crédito a residentes registou um aumento de 9,3 por cento impulsionado pelo crédito à habitação com um aumento de 14,9 por cento. Os recursos captados de clientes decresceram em 17,1 por cento, fundamentalmente por via da diminuição de depósitos de clientes institucionais, diminuindo-se o peso dos depósitos com custos mais elevados e reduzindo-se o custo de «funding».

A margem financeira do BNU registou um acréscimo anual de 4,3 por cento, em parte derivado ao decréscimo de depósitos institucionais mas também pelo efeito da subida das taxas de juro.

Os proveitos de comissões registaram uma diminuição de 0,5 por cento, muito por força do decréscimo de comissões relativas à diminuição das transacções na rede CUP – resultante de uma nova política de KYC para levantamento de numerário, que não foram totalmente compensadas com o aumento de comissões de outros produtos e serviços, nomeadamente provenientes da venda de produtos de seguros, transação de títulos e venda cruzada de produtos.

Os outros proveitos bancários em 2018 decresceram significativamente por comparação com o ano anterior, por esta rubrica em 2017, por efeito da relocalização de uma agência, incluir proveitos extraordinários não recorrentes de 108,2 milhões de Patacas relativos à venda das instalações anteriores.

Os custos com pessoal, registaram um aumento de 5,0 por cento em relação ao ano anterior, enquanto que os custos administrativos tiveram um aumento de 16,9 por cento, contribuindo para tal, a renda de uma nova agência na Universidade de Macau, aberta para servir gerações mais novas, o aumento em geral das rendas de agências, despesas de consultadoria relacionadas com a implementação em Macau em 2018 do «Common Reporting Standard», despesas relacionadas com a melhoria dos planos de continuidade de negócio («Disaster Recovery») e obras de reparação originadas pelos estragos do tufão Mangkhut.

Relativamente ao custo com amortizações do exercício, registou-se um acréscimo de 10,2 por cento, devido à instalação de uma nova agência, «Flower City», e à política de continuado investimento na área de informática.

Quanto às dotações para provisões, observou-se um aumento em termos líquidos de 47,3 por cento, face a 2017, dado ter-se adoptado uma política mais conservadora em termos de constituição de provisões num cenário de desaceleração do crescimento económico.

Assim, no contexto descrito, o Resultado Líquido do Banco atingiu 511,2 milhões de Patacas, registando um decréscimo de 17,1 por cento por comparação com 2017. No entanto, excluindo os já referidos proveitos extraordinários, não recorrentes de 2017, que não se repetiram em 2018, os resultados do Banco mantiveram-se praticamente inalterados em relação ao ano anterior.

É de notar ainda que o rácio de solvabilidade atingiu 19,8 por cento em 2018, registando uma ligeira melhoria adicional por comparação com 2017.

Com o objectivo de aproveitar plenamente as oportunidades decorrentes do desenvolvimento económico da RAEM e regiões adjacentes, o BNU continuou a desenvolver novos produtos e serviços e a apostar na inovação, nomeadamente digital, o que terá um impacto significativo no desenvolvimento da actividade do Banco durante os próximos anos.

O BNU posiciona-se para ser o parceiro por excelência das empresas dos países de língua portuguesa que querem desenvolver negócios com a China, através de Macau, tal como previsto pelo Governo da República Popular da China no plano de desenvolvimento da Grande Baía Guandong, Hong-Kong e Macau e no âmbito da iniciativa «Uma faixa, Uma Rota».

O Banco Nacional Ultramarino, S.A. expressa os seus sinceros agradecimentos a todos os clientes pela confiança depositada, a todos os colaboradores pelo trabalho realizado e toda a sua dedicação e ao nosso accionista, a Caixa Geral de Depósitos, pelo apoio e confiança que sempre prestou.

O Banco Nacional Ultramarino, S.A. agradece às Autoridades de Macau, e em particular à Autoridade Monetária de Macau, todo o apoio e colaboração prestados.

Macau, 19 de Março de 2019.

Carlos Manuel Sobral Cid da Costa Álvares
Presidente da Comissão Executiva

Parecer do Fiscal Único do Banco Nacional Ultramarino, S.A.

Senhores Accionistas:

O Conselho de Administração do Banco Nacional Ultramarino, S.A., submeteu ao Fiscal Único, nos termos e para efeitos da alínea e) do Artº. 32 dos Estatutos, para emissão de parecer, o Balanço, as Contas e o Relatório Anual respeitantes ao exercício de 2018. Complementarmente foi também enviado o Relatório dos Auditores Externos «Ernnst & Young – Auditores», sobre as contas do Banco Nacional Ultramarino, S.A., relativas àquele mesmo exercício.

O Fiscal Único acompanhou, ao longo do ano, a actividade do Banco, tendo mantido contacto regular com a Administração e dela recebido sempre e em tempo a adequada colaboração e esclarecimentos.

Analisados os documentos remetidos para parecer, constata-se que os mesmos são suficientemente claros, reflectindo a situação patrimonial e económica-financeira do Banco.

O Relatório do Conselho de Administração traduz de forma clara o desenvolvimento das actividades do Banco no decurso do exercício em apreciação.

O Relatório dos Auditores Externos, tido em devida conta pelo Fiscal Único, refere que os documentos de prestação de contas apresentados evidenciam de forma verdadeira e apropriada a situação financeira do Balanço em 31 de Dezembro de 2018, bem como os resultados das operações referentes ao exercício findo naquela data, com observância dos princípios contabilísticos da actividade Bancária.

Face ao exposto, o Fiscal Único decidiu dar parecer favorável à aprovação do:

1. Balanço e Demonstração de Resultados;

2. Relatório Anual do Conselho de Administração.

Macau, 21 de Março de 2019.

O Fiscal Único

CSC & Associados — Sociedade de Auditores
representada por Chui Sai Cheong (崔世昌)

Relatório de Auditor Independente sobre Demonstrações Financeiras Resumidas

Para os accionistas da Banco Nacional Ultramarino, S.A.

(sociedade por acções de responsabilidade limitada, registada em Macau)

Procedemos à auditoria das demonstrações financeiras da Banco Nacional Ultramarino, S.A. relativas ao ano de 2018, nos termos das Normas de Auditoria e Normas Técnicas de Auditoria da Região Administrativa Especial de Macau. No nosso relatório, datado de 19 de Março de 2019, expressámos uma opinião sem reservas relativamente às demonstrações financeiras das quais as presentes constituem um resumo.

As demonstrações financeiras a que se acima se alude compreendem a demonstração da posição financeira, à data de 31 de Dezembro de 2018, a demonstração de resultados, a demonstração de alterações no capital próprio e a demonstração de fluxos de caixa relativas ao ano findo, assim como um resumo das políticas contabilísticas relevantes e outras notas explicativas.

As demonstrações financeiras resumidas preparadas pela gerência resultam das demonstrações financeiras anuais auditadas a que acima se faz referência. Em nossa opinião, as demonstrações financeiras resumidas são consistentes, em todos os aspectos materiais, com as demonstrações financeiras auditadas.

Para a melhor compreensão da posição financeira da Banco Nacional Ultramarino, S.A. e dos resultados das suas operações, no período e âmbito abrangido pela nossa auditoria, as demonstrações financeiras resumidas devem ser lidas conjuntamente com as demonstrações financeiras das quais as mesmas resultam e com o respectivo relatório de auditoria.

Bao, King To
Auditor de Contas
Ernst & Young — Auditores

Macau, aos 19 de Março de 2019.

Banco Nacional Ultramarino, S.A.

Instituições em que detém participação superior a 5% do respectivo capital ou superior a 5% dos seus fundos próprios:

Nada consta

Lista dos accionistas qualificados

• Caixa Geral de Depósitos, S.A.

99,425%

Órgãos Sociais

Mesa da Assembleia Geral

Presidente:

Joaquim Jorge Perestrelo Neto Valente

Vice-presidente:

Liu Chak Wan

Conselho de Administração

Presidente:

CAIXA GERAL DE DEPÓSITOS, S.A.,
representada por José João Guilherme

Vice-presidente:

Carlos Manuel Sobral Cid da Costa Álvares
desde 26 de Junho de 2018

Pedro Manuel de Oliveira Cardoso
até 20 de Junho de 2018

Administradores:

Tou Kei San

Tse See Fan Paul

Ieong Kim Man
desde 31 de Maio de 2018

João Paulo Tudela Martins
desde 31 de Maio de 2018

Vítor Fernando Guerreiro do Rosário
desde 17 de Agosto de 2018

Francisco Ravara Cary
desde 18 de Dezembro de 2018

Leandro Rodrigues da Graça Silva
até 31 de Agosto de 2018

Alberto Manuel Sarmento Azevedo Soares
até 31 de Março de 2018

Armando Mata dos Santos
até 31 de Maio de 2018

Comissão Executiva

Presidente:

Carlos Manuel Sobral Cid da Costa Álvares
desde 26 de Junho de 2018

Pedro Manuel de Oliveira Cardoso
até 20 de Junho de 2018

Membros:

Tou Kei San

Ieong Kim Man
desde 31 de Maio de 2018

Vítor Fernando Guerreiro do Rosário
desde 17 de Agosto de 2018

Leandro Rodrigues da Graça Silva
até 31 de Agosto de 2018

Fiscal Único

CSC & Associados — Sociedade de Auditores
representada por Chui Sai Cheong

Secretária da Sociedade

Pedro Afonso Correia Branco


THE BANK OF EAST ASIA, LIMITED, SUCURSAL DE MACAU

Balanço anual em 31 de Dezembro de 2018

MOP

MOP

* As Outras Reservas incluem uma reserva obrigatória no montante de 48,549,069.58 Patacas. Porque a sucursal adopta as Macau Financial Reporting Standards (“MFRS”) na preparação das suas demonstrações financeiras anuais, as perdas de imparidade com base nas MFRS podem ser inferiores ao nível mínimo de provisões genéricas calculadas de acordo com o Aviso 18/93 da AMCM (o nível mínimo). A referida reserva obrigatória representa, pois, a diferença entre o nível mínimo e as perdas de imparidade nos termos das MFRS (antes do impostos diferidos de 6,620,329 Patacas).

MOP

Demonstração de resultados do exercício de 2018

Conta de exploração

MOP

Conta de lucros e perdas

MOP

O Gerente-Geral da Sucursal de Macau

Kwok Wan Fong

Sub Gerente Geral

Leong Wai Kun

Síntese do relatório de actividades do ano de 2018

Em 2018, face às disputas comerciais entre a China e os Estados Unidos da América (EUA), ao aumento da taxa de juro da Reserva Federal dos EUA, ao abrandamento da economia do Interior da China, à implementação de novas medidas de controlo do mercado imobiliário pelo Governo da RAEM e, ainda por cima, à aproximação do termo do contrato de concessão da licença de exploração de jogo, o ambiente de investimento piorou, desta forma, o Banco da East Asia, Limitada, Sucursal de Macau (Sucursal de Macau) tem assumido uma atitude prudente no desenvolvimento das suas actividades.

Face aos factores negativos de grande concorrência no mercado e de estreitamento de margem financeira, o lucro do ano de 2018 da Sucursal de Macau foi afectado, contudo, manteve-se a boa qualidade dos activos de crédito.

Para enfrentar os desafios acima referidos, a Sucursal de Macau investiu mais recursos na exploração das actividades bancárias de venda a retalho e no aperfeiçoamento da plataforma de serviços bancários electónicos. Simultaneamente, a Sucursal de Macau optimizou os serviços bancários individuais da rede electrónica e a aplicação do Banco para telemóveis, tendo lançado as funções de subscrição de produtos de investimento e de transferência entre moedas. A Sucursal de Macau refoçou também a cooperação com os agentes imobiliários no sentido de efectuar mais empréstimos hipotecários para habitação.

Em 2019, a Sucursal de Macau continuará a aperfeiçoar o sistema interno e a plataforma de serviços bancários electónicos, persistindo em promover o desenvolvimento do banco digital. Além disso, através da cooperação com as outras unidades do Grupo do Banco da East Asia, a Sucursal de Macau irá reforçar a exploração das actividades de financiamento transfronteiriço, nomeadamente no desenvolvimento das actividades da Grande Baía Guangdong-Hong Kong-Macau.

Banco da East Asia, Limitada, Sucursal de Macau
O Gerente — Geral
Kwok Wan Fong

Síntese do Parecer dos Auditores Externos

Para a gerência do Banco da East Asia, Limitada — Sucursal de Macau
(Sucursal de um banco comercial de responsabilidade limitada, incorporado na Região Administrativa Especial de Hong Kong)

Procedemos à auditoria das demonstrações financeiras do Banco da East Asia, Limitada, Sucursal de Macau relativas ao ano de 2018, nos termos das Normas de Auditoria e Normas Técnicas de Auditoria da Região Administrativa Especial de Macau. No nosso relatório, datado de 29 de Abril de 2019, expressámos uma opinião sem reservas relativamente às demonstrações financeiras das quais as presentes constituem um resumo.

As demonstrações financeiras a que se acima se alude compreendem o balanço, à data de 31 de Dezembro de 2018, a demonstração de resultados, a demonstração de alterações nas reservas e a demonstração de fluxos de caixa relativas ao ano findo, assim como um resumo das políticas contabilísticas relevantes e outras notas explicativas.

As demonstrações financeiras resumidas preparadas pela gerência resultam das demonstrações financeiras anuais auditadas e dos livros e registos da Sucursal. Em nossa opinião, as demonstrações financeiras resumidas são consistentes, em todos os aspectos materiais, com as demonstrações financeiras auditadas e os livros e registos da Sucursal.

Para a melhor compreensão da posição financeira da Sucursal e dos resultados das suas operações, no período e âmbito abrangido pela nossa auditoria, as demonstrações financeiras resumidas devem ser lidas conjuntamente com as demonstrações financeiras das quais as mesmas resultam e com o respectivo relatório de auditoria.

Ieong Lai Kun, Auditor de Contas.

KPMG
Macau. aos 29 de Abril de 2019.


BANCO LUSO INTERNACIONAL, S.A.

(Publicações ao abrigo do artigo 75.º do RJSF, aprovado pelo Decreto-Lei n.º 32/93/M, de 5 de Julho)

Balanço anual em 31 de Dezembro de 2018

MOP

MOP

MOP

Demonstração de Resultados do Exercício de 2018

Conta de exploração

MOP

Conta de lucros e perdas

MOP

O Gerente-Geral  O Chefe de Departamento de
Planeamento Financeiro
Jiao Yun Di  Deng Feng

Macau, 28 de Março de 2019.

Síntese do Relatório de Actividade

Em 2018, perante uma conjuntura económica complexa e com muitas mudanças, o Banco Luso Internacional, S.A. (adiante designado por “Banco”) centrou-se estreitamente no plano estratégico e na implementação de políticas estratégicas adoptadas pelo Conselho de Administração, tendo todos os trabalhadores do Banco revelado uma atitude dinâmica para resolver e ultrapassar as dificuldades, dando continuidade para aprofundar a reforma e inovar o desenvolvimento, empenhando-se pela transferência do modo e promoção do nível, manteve-se o desenvolvimento das operações bancárias com tendência firmada. Até finais do ano de 2018, a dimensão dos activos deste Banco atingiu 180 mil milhões de patacas, o montante de depósitos e de empréstimos cifraram-se, respectivamente, em 149,85 mil milhões de patacas e 115,107 mil milhões de patacas, resultando num lucro de 1502 milhões de patacas, após dedução de impostos. A qualidade dos activos manteve-se num bom nível, os indicadores de operações foram cumpridos, de forma satisfatória.

Em 2018, este Banco empenhou-se em responder ao apelo da abertura do mercado financeiro do país ao exterior e aproveitou as oportunidades para acelerar a implementação das estratégias da Grande Baía Guangdong-Hong Kong-Macau, na realização dos trabalhos preparativos da sucursal de Foshan de Guangdong e da sucursal de Dongguan, cujo início de actividades foi bem sucedido; reforçar a capacidade de exploração das actividades das empresas locais, tendo obtido o maior nível de classificação de crédito AAA; foram emitidas com êxito as obrigações de capital de nível I, estabelecendo uma base sólida para o desenvolvimento sustentável das actividades; reforçar, de forma contínua, a responsabilidade social, em virtude do super tufão “Mangkhut”, organizaram-se equipas de trabalhadores para acções de socorro e salvamento e foram criados benefícios especiais para aliviar as dificuldades, o que mereceu o reconhecimento e o elogio dos diversos sectores da sociedade; tendo constituído ainda equipas de trabalhadores para participarem nas actividades de bem-estar público de caridade, empenhando-se em retribuir à sociedade, uma demonstração plena da cultura empresarial de carinho e atenção do Banco.

“Ao beber água, se lembre da fonte” e “com o coração cheio de gratidão”. Os resultados que este Banco logrou obter revelam a plena confiança das entidades públicas e de fiscalização locais e do exterior, o grande apoio dos estimados clientes e investidores e a atenção de longa data dos homólogos do sector financeiro e de individualidades da sociedade. Nesse sentido, gostaria de expressar em representação do Conselho de Administração os meus mais sinceros agradecimentos a todas as personalidades de diversos sectores da sociedade pela atenção e pelo apoio que contribuíram para o desenvolvimento deste Banco.

Em 2019, a conjuntura externa operacional será complexa e incerta, deste modo, este Banco irá agir sob a orientação estratégica traçada pelo Conselho de Administração, e persistir no caminho de desenvolvimento de alta qualidade, mantendo o “reforço da qualidade e eficiência”, insistindo no aprofundamento da reforma e transferência do modo; irá, este Banco, aproveitar a oportunidade de desenvolvimento estratégico nacional e tomar a iniciativa de se articular com “Uma Faixa, Uma Rota”, empenhando-se em explorar, de forma contínua, a Grande Baía Guangdong-Hong Kong-Macau, aprofundar a cooperação entre a China e Portugal e cooperação regional; continuar a explorar caminhos de desenvolvimento financeiro com características especiais, promovendo o Banco um desenvolvimento integrado no sector financeiro de Macau com características próprias.

Em 2019, ao assinalar o 70.º aniversário do estabelecimento da República Popular da China, o 20.º aniversário do estabelecimento da Região Administrativa Especial de Macau e o 45.º aniversário do estabelecimento deste Banco, o Banco irá aproveitar esta importante oportunidade, envidar todos os esforços, activa e continuamente, para contribuir ainda mais para o desenvolvimento económico e social de Macau, com o objectivo de proporcionar serviços com melhor qualidade e elevada eficácia para os seus clientes, criar mais valias aos sócios, proporcionar aos trabalhadores melhores oportunidades de desenvolvimento e benefícios, dar um melhor contributo para o desenvolvimento estável e sólido do sistema financeiro de Macau, retribuindo ao país e à Região Administrativa Especial de Macau, com pragmatismo e bons resultados.

O Conselho de Administração, vem por este meio divulgar perante todos os acionistas o método de distribuição dos lucros apurados até a data de 31 de Dezembro de 2018, que é o seguinte:

MOP

Lucros do exercício deduzidos de impostos

1.501.863.896

Lucros transitados do ano anterior

0

Total disponível

1.501.863.896

Constituição de reserva legal

(300.372.779)

Constituição de reserva geral

(525.652.364)

Dividendos a distribuir (acções ordinárias)

(450.559.169)

Lucros transitados

225.279.584

A promover segundo instruções do Conselho de Administração

Lu Yao Ming

Presidente do Conselho de Administração

Macau, 28 de Março de 2019.

Parecer do Conselho Fiscal

Por força do disposto no artigo 35.º, alínea f) do n.º 1, dos estatutos do Banco Luso Internacional, S.A., compete ao Conselho Fiscal certificar-se da exactidão e de forma apropriada do balanço e da demonstração de resultados a apresentar anualmente pelo Conselho de Administração.

Submetido à consideração do Conselho, o relatório do Conselho de Administração e as demonstrações financeiras, referentes a 31 de Dezembro de 2018, bem assim, o relatório da Sociedade de Auditores KPMG, datado de 28 de Março de 2019, no qual se afirma que as demonstrações financeiras, apresentam de forma verdadeira e apropriada a situação financeira do Banco em 31 de Dezembro de 2018, e o lucro apurado no exercício então findo.

Examinados os documentos anteriormente mencionados, o Conselho Fiscal pronunciou-se no sentido de que o relatório e as demonstrações financeiras estão em condições de serem apresentadas à apreciação e aprovação da Assembleia Geral dos Accionistas do Banco Luso Internacional, S.A.

O Presidente do Conselho Fiscal
Lee Fai Ming

Macau, aos 28 de Março de 2019.

Síntese do Parecer dos Auditores Externos

Para os accionistas do Banco Luso Internacional, S.A.
(Sociedade Anónima constituída em Macau)

Procedemos à auditoria das demonstrações financeiras do Banco Luso Internacional, S.A. relativas ao ano de 2018, nos termos das Normas de Auditoria e Normas Técnicas de Auditoria da Região Administrativa Especial de Macau. No nosso relatório, datado de 28 de Março de 2019, expressámos uma opinião sem reservas relativamente às demonstrações financeiras das quais as presentes constituem um resumo.

As demonstrações financeiras a que se acima se alude compreendem o balanço, à data de 31 de Dezembro de 2018, a demonstração de resultados, a demonstração de alterações no capital próprio e a demonstração de fluxos de caixa relativas ao ano findo, assim como um resumo das politícas contabilísticas relevantes e outras notas explicativas.

As demonstrações financeiras resumidas preparadas pela gerência resultam das demonstrações financeiras anuais auditadas e dos livros e registos do banco. Em nossa opinião, as demonstrações financeiras resumidas são consistentes, em todos os aspectos materiais, com as demonstrações financeiras auditadas e os livros e registos do banco.

Para a melhor compreensão da posição financeira do banco e dos resultados das suas operações, no período e âmbito abrangido pela nossa auditoria, as demonstrações financeiras resumidas devem ser lidas conjuntamente com as demonstrações financeiras das quais as mesmas resultam e com o respectivo relatório de auditoria.

Ieong Lai Kun, Auditor de Contas
KPMG
Macau, 28 de Março de 2019.

Instituições em que detém participação superior a 5% do respectivo capital ou superior a 5% dos seus fundos próprios

Nenhuma

Accionista qualificada

Xiamen International Investment Limited (constituída em Hong Kong)

Nomes dos titulares dos órgãos sociais

Conselho de Administração

Presidente:

Lu Yao Ming

Administrador Executivo:

Jiao Yun Di

Chan Wai Shing

Administradores:

Weng Ruo Tong

Zhang De Chun

Pang Hong

Ma Chi Kong

Jong Lai Ching

Chui Sai Peng Jose

Leong Weng Pun

Pang Chuan

Fong Long Peng

Comissão Executiva:

Presidente:

Lu Yao Ming

Membro:

Jiao Yun Di

Chan Wai Shing

Pang Hong

Chui Sai Peng Jose

Mesa da Assembleia Geral

Presidente:

Lu Yao Ming

Secretária:

Leong Ut Sin

Conselho Fiscal

Presidente:

Lee Fai Ming

Membro:

Zou Zhi Ming

Wong Wai Pan

Loi Lun Mio

Secretária da Sociedade:

Leong Ut Sin


STANDARD CHARTERED BANK — SUCURSAL DE MACAU

Balanço em 31 de Dezembro de 2018

MOP

MOP

1. As Outras Reservas incluem uma reserva genérica de 43,308,976.48 Patacas. Porque a Sucursal adopta as Financial Reporting Standards of the Macau SAR («MFRS») na preparação das suas demonstrações financeiras anuais, as perdas de imparidade com base nas MFRS podem ser inferiores ao nível mínimo de provisões genéricas e provisões específicas calculadas de acordo com o Aviso n.º 18/93 da AMCM (o nível mínimo). A referida reserva obrigatória representa, pois, a diferença entre o nível mínimo e as perdas de imparidade nos termos das MFRS (antes dos impostos diferidos de 5,197,077.00 Patacas). Este mesmo montante, inscrito na linha «Dotações adicionais para provisões conforme RJSF» da Conta de Lucros e Perdas das contas resumidas, está reconciliado entre o «Lucro depois de impostos» e os «Resultados do ano de acordo com as regras da AMCM» na Conta de exploração das demonstrações financeiras auditadas anuais.

DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS DO EXERCÍCIO DE 2018

Conta de exploração

MOP

MOP

Conta de lucros e perdas

MOP

O Gerente da Sucursal de Macau

Vu Kit Na, Candy

O Chefe da Contabilidade

Leung Lai Kei, Alice

Síntese do Parecer dos Auditores Externos

Para o gerente-geral do Standard Chartered Bank, Sucursal de Macau
(Sucursal de um banco comercial de responsabilidade limitada, incorporada no Reino Unido)

Procedemos à auditoria das demonstrações financeiras do Standard Chartered Bank, Sucursal de Macau relativas ao ano de 2018, nos termos das Normas de Auditoria e Normas Técnicas de Auditoria da Região Administrativa Especial de Macau. No nosso relatório, datado de 8 de Maio de 2019, expressámos uma opinião sem reservas relativamente às demonstrações financeiras das quais as presentes constituem um resumo.

As demonstrações financeiras a que acima se alude compreendem o balanço, à data de 31 de Dezembro de 2018, a demonstração de resultados, a demonstração de alterações nas reservas e a demonstração de fluxos de caixa relativas ao ano findo, assim como um resumo das políticas contabilísticas relevantes e outras notas explicativas.

As demonstrações financeiras resumidas preparadas pela gerência resultam das demonstrações financeiras anuais auditadas e dos livros e registos da sucursal. Em nossa opinião, as demonstrações financeiras resumidas são consistentes, em todos os aspectos materiais, com as demonstrações financeiras auditadas e os livros e registos da sucursal.

Para a melhor compreensão da posição financeira da sucursal e dos resultados das suas operações, no período e âmbito abrangidos pela nossa auditoria, as demonstrações financeiras resumidas devem ser lidas conjuntamente com as demonstrações financeiras das quais as mesmas resultam e com o respectivo relatório de auditoria.

Lei Iun Mei, Auditor de Contas

KPMG

Macau, aos 8 de Maio de 2019.

Relatório de Gestão de 2018

A direcção tem o prazer de anunciar os resultados da Sucursal de Macau do Standard Chartered Bank (“A Sucursal”) relativos ao exercício findo a 31 de Dezembro de 2018.

Actividades Principais

A Sucursal faz parte do Standard Chartered Bank, um banco constituído no Reino Unido e registado em Inglaterra e no País de Gales. As principais actividades da Sucursal são a prestação de serviços de banca comercial e serviços financeiros relacionados.

Resultados de 2018

Os lucros antes de impostos aumentaram em 22,27%, de 40,522 milhões de Patacas para 49,548 milhões de Patacas. A receita dos juros líquidos aumentou em 27,44% para 47,283 milhões de Patacas. Outras receitas, incluindo receitas de taxas e comissões, aumentou em 4,73% relativamente a 2017. O total das receitas operacionais aumentou em 19,96% para 67,967 milhões de Patacas.

As despesas operacionais aumentaram 24,58% em 2018 para 19,414 milhões de Patacas. A recuperação por imparidade em empréstimos e adiantamentos foi de 0,995 milhões de Patacas em 2018, em comparação com a recuperação por imparidade em empréstimos e adiantamentos foi de 0,551 milhões de Patacas em 2017. Os lucros depois de impostos foram de 43,651 milhões de Patacas, correspondentes a um aumento de 7,948 milhões de Patacas relativamente aos 35,703 milhões de Patacas registados em 2017.

O resultado da exploração do exercício calculado em conformidade com o regulamento da Autoridade Monetária de Macau apresenta um lucro de 31,700 milhões de Patacas, correspondendo a um aumento de 4,160 milhões de Patacas em comparação com os 27,540 milhões de Patacas registados no ano de 2017.

A Directora da Sucursal
Standard Chartered Bank
Sucursal de Macau
Candy Vu


BANCO COMERCIAL DE MACAU, S.A.

(Publicações ao abrigo do artigo 75 do RJSF aprovado pelo Decreto-Lei n.º 32/93M, de 5 de Julho)

BALANÇO ANUAL EM 31 DE DEZEMBRO DE 2018

Valores em Patacas

Valores em Patacas

Valores em Patacas

DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS DO EXERCÍCIO DE 2018

Conta de Exploração

Valores em Patacas

Conta de Lucros e Perdas

Valores em Patacas

O CHEFE DA CONTABILIDADE

Chit-Kwan Wong (Vincent Wong)

PELO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO

Yiu-Fai Kong (Eddie Kong)

Alick Yuk-Fai Chiu

Macau, 14 de Maio de 2019.

Banco Comercial de Macau, S.A.

Síntese do Relatório de Actividade em 2018

Em 2018, o PIB atingiu 440,3 mil milhões de patacas, tendo-se verificado um crescimento de 4,7% em relação ao ano passado. Nesse período, a indústria do jogo e a de outros serviços de turismo aumentaram, respectivamente, de 10,3% e 9,4%, e o crescimento anual do investimento em capital fixo diminuiu para 12,5%; o consumo privado subiu 4,5% e os gastos finais do Governo subiram 3,8%; a exportação de mercadorias aumentou 11% e as importações aumentaram 4,7%. O PIB per capita de Macau atingiu 667,000 patacas, verificando-se um crescimento de 6,7%. Neste período, as empresas de Macau tiveram maior desenvolvimento nas actividades não ligadas ao jogo; a promoção da diversificação económica também trouxe novas oportunidades para o sector financeiro, tendo este Banco mantido um crescimento sólido neste ano.

Em 31 de Dezembro de 2018, o Banco registou um lucro líquido de 224,080,000 patacas, representando uma diminuição de 9,1% em relação ao ano passado, por causa de ganhos extraordinários consideráveis em 2017. O activo líquido atingiu 22,2 mil milhões de patacas, o que representa um aumento de 6,6 %. Além disso, o total de empréstimos foi de 14,8 mil milhões de patacas, representando um aumento anual de 11,6%. Entretanto, o total de depósitos atingiu 19,2 mil milhões de patacas, tendo-se registado um aumento de 7,7%.

Olhando para o ano de 2019, após diversas negociações comerciais entre a China e os Estados Unidos, em Maio, a situação tornou-se numa perspectiva mais difícil e incerta, ambas aumentam de novo a taxa alfandegária. Ainda, a contradição comercial entre Estados Unidos e Europa, e contradição entre Estados Unidos e Japão ia aparecendo sucessivamente. O presidente dos Estados Unidos contribui activamente para o Unilateralismo e a política que os Estados Unidos têm direito de preferência em qualquer âmbito, isso produz um impacto para o Multilateralismo e o Livre-comércio os quais têm sido praticados. O nosso desenvolvimento promotor de Uma Faixa, Uma Rota tem sido apoiado amplamente por diversos países, este desenvolvimento aprofunda também a colaboração de comércio e de cultura, sustentando o Livre-comércio. Sob a orientação e o apoio do nosso país, Cantão, Hong Kong e Macau oferecem em conjunto as estratégias para a economia da Grande Baía, com vista a construir uma Baía internacional mais adequada para habitação, trabalho e turismo. A Ponte Hong Kong-Zhuhai-Macau impulsiona a circulação fácil e rápida de pessoas, cargas, a partir da abertura ao trânsito, diversas áreas turísticas de Macau iam florescendo, o plano de “destino internacional de turismo e lazer em Hengqin”, promulgado ultimamente, enche-se de factores para promoverem o desenvolvimento diversificado da economia de Macau e para a economia de Macau, é como se uma evolução existisse numa perspectiva mais estável, procurando uma nova evolução nesta perspectiva.

No início deste ano, a previsão da Universidade de Macau respeitante ao Produto Interno Bruto de 2019 foi de 2,7%, e a previsão do Fundo Monetário Internacional foi de 5,7%, e mantinha um crescimento estável de 5%. Este Banco encara com um optimismo cauteloso a perspectiva de Macau, continua a apoiar o desenvolvimento sustentável das indústrias locais, fazendo grande inovação, atender ao desenvolvimento da diversificação moderada da economia, e dedicando-se ao desenvolvimento financeiro com características próprias de Macau, para mostrar as vantagens sobre “Um País, Dois Sistemas”.

Tenho a honra de expressar aqui a minha sincera gratidão aos esforços incansáveis de todos os meus colegas. Eu também, em nome do Conselho de Administração, gostaria de apresentar os meus sinceros agradecimentos aos apoios e orientações dos nossos clientes.

Yiu-Fai Kong
Presidente da
Comissão Executiva

14 de Maio de 2019.

PARECER DO CONSELHO FISCAL

Aos Accionistas do Banco Comercial de Macau, S. A.

Nos termos do Código Comercial de Macau e dos estatutos do Banco Comercial de Macau, S. A. (“BCM”), o Conselho Fiscal do BCM emite parecer sobre o relatório, os documentos de relato financeiro e a proposta de afectação dos resultados apresentados pelo Conselho de Administração relativamente ao exercício findo em 31 de Dezembro de 2018.

O Conselho Fiscal do BCM verificou as transacções e a gestão do Banco durante o ano de 2018. As suas competências incluem a supervisão da gestão do Banco; o exame dos livros e registos e sua actualização; a verificação dos activos; a análise dos critérios contabilísticos e o respectivo impacto nos resultados do exercício; o exame dos documentos de relato financeiro anuais, bem como outras verificações previstas na lei e nos estatutos.

O Conselho Fiscal analisou a informação contabilística preparada pelo Banco durante o ano e submetida regularmente à Autoridade Monetária de Macau (“AMCM”), e seguiu outros procedimentos considerados adequados para as circunstâncias, incluindo o exame ao relatório do auditor independente.

Analisámos o relatório emitido pelo auditor independente PricewaterhouseCoopers, datado de 18 de Fevereiro de 2019, o qual expressa uma opinião sem reservas sobre os documentos de relato financeiro do Banco, relativos ao ano findo em 31 de Dezembro de 2018.

Obtivémos todas as informações e explicações consideradas necessárias para efeitos das nossas verificações e, com base no trabalho efectuado, somos de opinião de que:

(a) O relatório, bem como os documentos de relato financeiro, apresentados pelo Conselho de Administração reflectem fielmente a situação financeira do Banco em 31 de Dezembro 2018 e estão em conformidade com o estabelecido no Código Comercial de Macau, com as Normas de Relato Financeiro e com os estatutos do banco;

(b) Os princípios contabilísticos e os critérios utilizados nas estimativas adoptadas pelo Conselho de Administração na preparação dos documentos de relato financeiro apresentados foram os apropriados atendendo às circunstâncias;

(c) O relatório, bem como os documentos de relato financeiro, apresentados pelo Conselho de Administração não necessitam de quaisquer alterações.

OPINIÃO

Em conclusão, somos de parecer de que o relatório e os documentos de relato financeiro apresentados pelo Conselho de Administração relativamente ao ano findo em 31 de Dezembro de 2018, assim como a sua proposta de afectação de resultados, sejam aprovados na próxima Assembleia Geral Ordinária de Accionistas, em 19 de Março 2019.

Macau, 15 de Março de 2019.

O Conselho Fiscal

- Presidente — da Conceição Reisinho, Fernando Manuel

- Vice-Presidente — Mayhew, Nicholas John

- Vogal — Sen Chun Wai

Relatório dos auditores externos sobre as demonstrações financeiras resumidas

PARA OS ACCIONISTAS DO BANCO COMERCIAL DE MACAU, S.A.
(Constituído em Macau como sociedade anonima)

As demonstrações financeiras resumidas anexas do Banco Comercial de Macau, S.A. (o “Banco”) referentes ao exercício findo em 31 de Dezembro de 2018 resultam das demonstrações financeiras auditadas e dos registos contabilísticos referentes ao exercício findo naquela data. Estas demonstrações financeiras resumidas, as quais compreendem o balanço em 31 de Dezembro de 2018 e a demonstração dos resultados do exercício findo naquela data, são da responsabilidade do Conselho de Administração do Banco. A nossa responsabilidade consiste em expressar uma opinião, unicamente dirigida a V. Exas. enquanto accionistas, sobre se as demonstrações financeiras resumidas são consistentes, em todos os aspectos materiais, com as demonstrações financeiras auditadas e com os registos contabilísticos do Banco, e sem qualquer outra finalidade. Não assumimos responsabilidade nem aceitamos obrigações perante terceiros pelo conteúdo deste relatório.

Auditámos as demonstrações financeiras do Banco referentes ao exercício findo em 31 de Dezembro de 2018 de acordo com as Normas de Auditoria e Normas Técnicas de Auditoria emitidas pelo Governo da Região Administrativa Especial de Macau, e expressámos a nossa opinião sem reservas sobre estas demonstrações financeiras no relatório de 18 de Fevereiro de 2019.

As demonstrações financeiras auditadas compreendem o balanço em 31 de Dezembro de 2018, a demonstração dos resultados, a demonstração de alterações no capital próprio e a demonstração dos fluxos de caixa do exercício findo naquela data, e um resumo das principais políticas contabilísticas e outras notas explicativas.

Em nossa opinião, as demonstrações financeiras resumidas são consistentes, em todos os aspectos materiais, com as demonstrações financeiras auditadas e com os registos contabilísticos do Banco.

Para uma melhor compreensão da posição financeira do Banco, dos resultados das suas operações e do âmbito da nossa auditoria, as demonstrações financeiras resumidas em anexo devem ser lidas em conjunto com as demonstrações financeiras auditadas e com o respectivo relatório do auditor independente.

Ng Wai Ying
Auditor de contas
PricewaterhouseCoopers

Macau, 14 de Maio de 2019.

INSTITUIÇÕES EM QUE O BANCO DETÉM PARTICIPAÇÕES SUPERIORES A 5% DO RESPECTIVO CAPITAL OU SUPERIORES A 5% DOS SEUS FUNDOS PRÓPRIOS:

NOME DAS INSTITUIÇÕES

PERCENTAGEM

Nenhuma

-

ACCIONISTAS QUALIFICADOS:

NOME DO ACCIONISTA

NÚMERO DE ACÇÕES

PERCENTAGEM

Dah Sing Bank, Limited

702,000

78%

DSB BCM (1) Limited

99,000

11%

DSB BCM (2) Limited

99,000

11%

ÓRGÃOS SOCIAIS:

MESA DA ASSEMBLEIA GERAL

Leonel Alberto Alves

Presidente

Liu Chak Wan

Secretário

Ma Iao Lai

Secretário

CONSELHO FISCAL

da Conceição Reisinho, Fernando Manuel

Presidente

Mayhew, Nicholas John

Vice-Presidente

So Po Fung (Francesca So)

Vogal (a)

Chun-Wai Sen (Simon Sen)

Vogal (b)

(a) Cessou funções em 01/12/2018

(b) Nomeado vogal em 01/12/2018

CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO

David Shou-Yeh Wong

Presidente

Hon-Hing Wong (Derek Wong)

Membro

Harold Tsu-Hing Wong

Membro

Gary Pak-Ling Wang

Membro

Yiu-Fai Kong (Eddie Kong)

Membro

Alick Yuk-Fai Chiu

Membro


BALANÇO ANUAL EM 31 DE DEZEMBRO DE 2018

 MOP

MOP

* A Outra Reserva é uma reserva obrigatória no montante de 1.535.502,82 patacas. Como a Caixa Económica Postal adopta as “Macau Financial Reporting Standards” (MFRS) na preparação das suas demonstrações financeiras anuais e das provisões para as perdas de imparidade dos créditos concedidos, estas poderão ser inferiores ao nível mínimo de provisões genéricas calculadas de acordo com o Aviso n.º 18/93 da AMCM. A referida reserva obrigatória representa, pois, a diferença entre o nível mínimo e as perdas de imparidade nos termos das MFRS. Este mesmo montante, inscrito na linha «Dotações adicionais/redução para provisões conforme RJSF» da Conta de Lucros e Perdas das contas resumidas.

DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS DO EXERCÍCIO DE 2018

CONTA DE EXPLORAÇÃO

MOP

CONTA DE LUCROS E PERDAS

 MOP

A Comissão Administrativa: Lau Wai Meng, Van Mei Lin, Tam Van Iu, Pedro Miguel Rodrigues Cardoso das Neves

A Chefe da Contabilidade: Lam Wai San

SÍNTESE DO RELATÓRIO DE ACTIVIDADES — 2018

Até finais de 2018, o total de depósitos captados pela CEP foi de cerca de 1140 milhões de patacas, representando um aumento de 4 por cento em relação ao ano anterior.

O montante de novos empréstimos concedidos durante o ano de 2018 traduz um decréscimo de cerca 3 por cento relativamente ao ano anterior, e o saldo em dívida, líquido de imparidade, no final do ano, era de cerca de 205 milhões de patacas.

A margem financeira e os resultados de serviços e de comissões foram, respectivamente, de 35 milhões e de cerca de 9 milhões de patacas, sendo os custos de exploração de cerca de 26 milhões de patacas.

Os resultados de 2018, no valor de cerca de 27 milhões de patacas, traduzem um aumento de 69 por cento, relativamente a 2017.

COMPOSIÇÃO DA COMISSÃO ADMINISTRATIVA

DURANTE 2018

Presidente

- Lau Wai Meng

Vogal

- Van Mei Lin

Vogal

- Tam Van Iu

Representante dos Serviços de Finanças

- Pedro Miguel Rodrigues Cardoso das Neves

PARECER DO REPRESENTANTE DOS SERVIÇOS DE FINANÇAS

EXERCÍCIO DE 2018

No exercício das competências previstas no artigo 24.º do Regime Financeiro dos Serviços de Correios e Telecomunicações, aprovado pelo Decreto-Lei n.º 50/99/M, de 27 de Setembro, e alterado pelo Regulamento Administrativo n.º 10/2010 e no artigo 7.º do Regulamento da Caixa Económica Postal aprovado pelo Decreto-Lei n.º 24/85/M, de 30 de Março, acompanhei o desenvolvimento da actividade da Caixa Económica Postal ao longo do exercício económico de 2018.

Tendo em atenção a análise efectuada aos documentos contabilísticos reportados a 31 de Dezembro de 2018, sou de parecer e considero que:

— São claros e elucidativos os elementos contabilísticos referentes ao balanço em 31 de Dezembro de 2018 e à demonstração de resultados para este ano;

— As contas relativas ao ano económico de 2018 mostram a real situação financeira em 31 de Dezembro de 2018 e estão em condições de ser aprovadas.

Macau, aos 15 de Março de 2019.

Representante dos Serviços de Finanças, Pedro Miguel Rodrigues Cardoso das Neves

Síntese do parecer dos auditores externos

Para a Comissão Administrativa da Caixa Económica Postal

Procedemos à auditoria das demonstrações financeiras da Caixa Económica Postal (“CEP”) relativas ao ano de 2018, nos termos das Normas de Auditoria e Normas Técnicas de Auditoria da Região Administrativa Especial de Macau. No nosso relatório, datado de 27 de Março de 2019, expressámos uma opinião sem reservas relativamente às demonstrações financeiras das quais as presentes constituem um resumo.

As demonstrações financeiras a que se acima se alude compreendem o balanço, à data de 31 de Dezembro de 2018, a demonstração de resultados, a demonstração de alterações no capital próprio e a demonstração de fluxos de caixa relativas ao ano findo, assim como um resumo das politícas contabilísticas relevantes e outras notas explicativas.

As demonstrações financeiras resumidas preparadas pela gerência resultam das demonstrações financeiras anuais auditadas e dos livros e registos da CEP. Em nossa opinião, as demonstrações financeiras resumidas são consistentes, em todos os aspectos materiais, com as demonstrações financeiras auditadas e os livros e registos da CEP.

Para a melhor compreensão da posicão financeira da CEP e dos resultados das suas operações, no período e âmbito abrangido pela nossa auditoria, as demonstrações financeiras resumidas devem ser lidas conjuntamente com as demonstrações financeiras das quais as mesmas resultam e com o respectivo relatório de auditoria.

Lei Iun Mei, Auditor de Contas
KPMG
Macau, 27 de Março de 2019.


Bank Sinopac Company Limited Sucursal de Macau

Balanço anual em 31 de Dezembro de 2018

Patacas

Patacas

Demonstração de resultados do exercício de 2018

Conta de Exploração

Patacas

Conta de Lucros e Perdas

Patacas

O Gerente da Sucursal, Macau

Alex Chen

O Chefe da Contabilidade

Cecilia Lo

Síntese do relatório de actividade

No ano financeiro de 2018, a actividade da Sucursal tem mantido um crescimento estável, e a nossa qualidade de activo manteve em boas condições. Comparado ao ano anterior, os depósitos dos clientes, os empréstimos e adiantamentos a clientes permaneceram ao mesmo nível. Os lucros depois de impostos atingiram 73.89 milhões de patacas, com um crescimento de 54% em comparação com o ano transacto. Principalmente devido ao aumento de taxas e dos juros de empréstimos sindicados, e a rentabilidade geral é boa. Estamos agradecidos a todos os nossos colaboradores e clientes pelo apoio prestado.

Olhando para o futuro, a nossa Sucursal continuará a cumprir com as regras e regulamentos impostas pelas autoridades de Macau. Adicionalmente, iremos implementar estratégias de gestão financeira e promover os valores e visão da Sede. Iremos trabalhar para reforçar a qualidade contínua dos nossos serviços e contribuir para a prosperidade económica e desenvolvimento de Macau.

O Gerente da Sucursal, Macau

Alex Chen

Síntese do parecer dos auditores externos

Para o Gerente-geral do Bank SinoPac Company Limited — Sucursal de Macau

Procedemos à auditoria das demonstrações financeiras do Bank SinoPac Company Limited — Sucursal de Macau relativas ao ano de 2018, nos termos das Normas de Auditoria e Normas Técnicas de Auditoria da Região Administrativa Especial de Macau. No nosso relatório, datado de 10 de Março de 2019, expressámos uma opinião sem reservas relativamente às demonstrações financeiras das quais as presentes constituem um resumo.

As demonstrações financeiras a que se acima se alude compreendem o balanço, à data de 31 de Dezembro de 2018, a demonstração de resultados, a demonstração de alterações da conta corrente com a sede e a demonstração de fluxos de caixa relativas ao ano findo, assim como um resumo das políticas contabilísticas relevantes e outras notas explicativas.

As demonstrações financeiras resumidas preparadas pela gerência resultam das demonstrações financeiras anuais auditadas a que acima se faz referência. Em nossa opinião, as demonstrações financeiras resumidas são consistentes, em todos os aspectos materiais, com as demonstrações financeiras auditadas.

Para a melhor compreensão da posição financeira do Bank SinoPac Company Limited — Sucursal de Macau e dos resultados das suas operações, no período e âmbito abrangido pela nossa auditoria, as demonstrações financeiras resumidas devem ser lidas conjuntamente com as demonstrações financeiras das quais as mesmas resultam e com o respectivo relatório de auditoria.

Kwok Sze Man
Auditor de Contas
Deloitte Touche Tohmatsu — Sociedade de Auditores
Macau, aos 10 de Março de 2019.


BANCO CITIBANK N.A., SUCURSAL DE MACAU

Balanço anual em 31 de Dezembro de 2018

Patacas (’000)

Patacas (’000)

Patacas (’000)

**As Outras Reservas incluem uma reserva obrigatória no montante de 15,455,670 Patacas. Porque a sucursal adopta as Macau Financial Reporting Standards (“MFRS”) na preparação das suas demonstrações financeiras anuais, as perdas de imparidade com base nas MFRS podem ser inferiores ao nível mínimo de provisões genéricas calculadas de acordo com o Aviso 18/93 da AMCM (o nível mínimo). A referida reserva obrigatória representa, pois, a diferença entre o nível mínimo e as perdas de imparidade nos termos das MFRS (antes dos impostos diferidos de 1,854,680 Patacas). Este mesmo montante, inscrito na linha “Dotações adicionais para provisões conforme RJSF” da Conta de Lucros e Perdas das contas resumidas, está reconciliado entre o “Lucro depois de impostos” e os “Resultados do ano de acordo com as regras da AMCM” na Conta de exploração das demonstrações financeiras auditadas anuais.

Nota: Cópia da divulgação da informação financeira está publicada no http://citigroup.com/citi/macau e está disponível para consulta pública durante o horário comercial em:
Citibank, N.A. Sucursal de Macau
Avenida do Infante D. Henrique No 43-53A, The Macau Square 15 Floor A, Macau

Demonstração de resultados do exercício de 2018

Conta de exploração

Patacas (’000)

Conta de lucros e perdas

Patacas (’000)

O Gerente de Sucursal de Macau,

O Chefe da Contabilidade,

徐贊焜

John Choi

Vishal Khandel Wal

Síntese do Relatório de Actividade da Sucursal de Macau do Citibank

A Administração tem o prazer de anunciar os resultados financeiros auditados do Citibank NA, SUCURSAL DE MACAU (a “SUCURSAL”) para o exercício findo em 31 de Dezembro de 2018.

Referente aos resultados do Ano de 2018, o lucro antes de impostos foi de MOP35.121(Mil). O ativo total foi MOP3.125.964(Mil). Depósitos de clientes ascenderam a MOP1.324.550(Mil).

Em nome da Administração do Citibank, eu gostaria de aproveitar esta oportunidade para prestar homenagem à Comunidade de Macau e, especificamente, para nossos clientes de prestígio. Estamos empenhados em prestar serviços de qualidade a todos os clientes e manter contribuir para a sociedade de Macau.

Sr. John CK Choi

Gerente da Sucursal de Macau do Citibank NA

Síntese do Parecer dos Auditores Externos

Para o gerência do
Citibank N.A. — Sucursal de Macau
(Sucursal de um banco comercial de responsabilidade limitada, incorporado nos Estados Unidos da América)

Procedemos à auditoria das demonstrações financeiras do Citibank N.A. — Sucursal de Macau relativas ao ano de 2018, nos termos das Normas de Auditoria e Normas Técnicas de Auditoria da Região Administrativa Especial de Macau. No nosso relatório, datado de 14 de Maio de 2019, expressámos uma opinião sem reservas relativamente às demonstrações financeiras das quais as presentes constituem um resumo.

As demonstrações financeiras a que se acima se alude compreendem o balanço, à data de 31 de Dezembro de 2018, a demonstração de resultados, a demonstração de alterações nas reservas e a demonstração de fluxos de caixa relativas ao ano findo, assim como um resumo das políticas contabilísticas relevantes e outras notas explicativas.

As demonstrações financeiras resumidas preparadas pela gerência resultam das demonstrações financeiras anuais auditadas e dos livros e registos da sucursal. Em nossa opinião, as demonstrações financeiras resumidas são consistentes, em todos os aspectos materiais, com as demonstrações financeiras auditadas e os livros e registos do Sucursal.

Para a melhor compreensão da posição financeira do Citibank N.A. — Sucursal de Macau e dos resultados das suas operações, no período e âmbito abrangido pela nossa auditoria, as demonstrações financeiras resumidas devem ser lidas conjuntamente com as demonstrações financeiras das quais as mesmas resultam e com o respectivo relatório de auditoria.

Ieong Lai Kun, Auditor de Contas
KPMG
Macau, aos 14 de Maio de 2019.


MACAU PASS S.A.

(Publicações ao abrigo do artigo 75.º do R.J.S.F., aprovado pelo Decreto-Lei n.º 32/93/M, de 5 de Julho)

Balanço anual em 31 de Dezembro de 2018

(MOP)

(MOP)

(MOP)

Demonstração de resultados do exercício de 2018

Conta de exploração

(MOP)

Conta de lucros e perdas

(MOP)

Administrador,

Liu Hei Wan

Chefe da Contabilidade,

Wong Wai Ngon

Relatório do Conselho de Administração 2018

Resumo das Actividades

Através do esforço activo de todos os trabalhadores da empresa, da colaboração com a construção de finanças com características próprias pelo Governo da Região Administrativa Especial de Macau, e da reforça de promoção e desenvolvimento das actividades, o valor de transacção em pagamento adquirente de 2018 registou um aumento de 2,5 vezes. Ao mesmo tempo, a empresa reforçou a promoção de MPay e a função de pagamento móvel de MPay em que registou também um crescimento agradável.

Até 31 de Dezembro de 2018, o lucro anual registado depois da dedução de impostos foi mais de 27,5 milhões de patacas.

Perspectivas para 2019

Em 2019, a empresa investirá mais recursos para fortalecer a segurança de rede, monitoramento de dados e controlo de risco de fluxo de capital, melhorar e optimizar processo de actividades, fortalecer serviços a estabelecimento comercial, melhorar funções de liquidação de T + 1, desenvolver serviços de pagamento adquirente em vários aspectos e fortalecer funções de pagamento pessoais, de modo a proporcionar aos cidadãos de Macau uma experiência de pagamento mais conveniente. A empresa também fará esforços e disposição para a integração e a comunicação do pagamento electrónico ao nível do consumo na Grande Baía.

Presidente do Conselho de Administração

Liu Hei Wan

Macau, aos 29 de Março de 2019.

Parecer do Fiscal Único

Nos termos do Código Comercial e dos Estatutos da Companhia, o Fiscal Único supervisionou a administração da MACAU PASS S.A. ao longo do ano de 2018 até dia 31 de Dezembro, acompanhou a actividade da Companhia, e obteve todas as informações e esclarecimentos que considerou necessários. O Fiscal Único considera que as demonstrações financeiras e relatório de actividade estão correctos e completos, explicando de forma breve e clara a situação financeira da Companhia, o desenvolvimento das suas actividades e os resultados das operações referentes ao exercício do ano 2018. O Fiscal Único não verificou qualquer irregularidade nem acto ilícito.

Proponho à Assembleia Geral a aprovação do relatório das actividades financeiras do ano até ao dia 31 de Dezembro de 2018, submetido pelo Conselho de Administração.

O Fiscal Único, Wu Chun Sang, Auditor Registado.

Macau, aos 29 de Março de 2019.

RELATÓRIO DO AUDITOR EXTERNOS SOBRE AS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS RESUMIDAS

PARA OS ACCIONISTAS DO MACAU PASS S.A.

(constituída em Macau com sociedade anónima)

As demonstrações financeiras resumidas anexas da Macau Pass S.A. (a Sociedade) referentes ao exercício findo em 31 de Dezembro de 2018 resultam das demonstrações financeiras auditadas e dos registos contabilísticos da sociedade referentes ao exercício findo naquela data. Estas demonstrações financeiras resumidas, as quais compreendem o balanço em 31 de Dezembro de 2018 e a demonstração dos resultados do exercício findo naquela data, são da responsabilidade do Conselho de Administração da Sociedade. A nossa responsabilidade consiste em expressar uma opinião, unicamente dirigida a V. Exas. enquanto accionistas, sobre se as demonstrações financeiras resumidas são consistentes, em todos os aspectos materiais, com as demonstrações financeiras auditadas e com os registos contabilísticos da sociedade, e sem qualquer outra finalidade. Não assumimos responsabilidade nem aceitamos obrigações perante terceiros pelo conteúdo deste relatório.

Auditámos as demonstrações financeiras da Sociedade referentes ao exercício findo em 31 de Dezembro de 2018 de acordo com as Normas de Auditoria e Normas Técnicas de Auditoria emitidas pelo Governo da Região Administrativa Especial de Macau, e expressámos a nossa opinião sem reservas sobre estas demonstrações financeiras, no relatório de 29 de Março de 2019.

As demonstrações financeiras auditadas compreendem o balanço em 31 de Dezembro de 2018, a demonstração dos resultados, a demonstração de alterações no capital próprio e a demonstração dos fluxos de caixa do exercício findo naquela data, e um resumo das principais políticas contabilísticas e outras notas explicativas.

Em nossa opinião, as demonstrações financeiras resumidas são consistentes, em todos os aspectos materiais, com as demonstrações financeiras auditadas e com os registos contabilísticos da sociedade.

Para uma melhor compreensão da posição financeira da Sociedade, dos resultados das suas operações e do âmbito da nossa auditoria, as demonstrações financeiras resumidas em anexo devem ser lidas em conjunto com as demonstrações financeiras auditadas e com o respectivo relatório do auditor independente.

Cheung Pui Peng, Grace

Auditor de contas PricewaterhouseCoopers

Macau, 3 de Maio de 2019.

Lista das instituições que detém participação superior a 5% do respectivo capital social ou superior a 5% dos seus fundos próprios:

Nenhuma

Lista dos accionistas qualificados

Mesa da Assembleia Geral

Macau Pass Holdings Limited

Presidente : Liu Hei Wan

Secretário : Wong Wai Ngon

ORGÃOS SOCIAIS

Conselho Fiscal

Fiscal Único : Wu Chun Sang

Conselho de Administração

Presidente : Liu Hei Wan

Administrador : Liu Cheuk Yin

Administrador : Cheung Chi Leung

Administrador : Liu Cheuk Ming (Data de início da comissão : 19 de Junho de 2018)

Administrador : Lao Kin Keong (Data de início da comissão : 30 de Abril de 2018)

Administrador : Chen Zhenxing (Data de início da comissão : 30 de Abril de 2018)

Administrador : Law Suet Yi (Data do termo da comissão : 29 de Março de 2018)

Administrador : Zhang Zhihua (Data do termo da comissão : 31 de Dezembro de 2018)

Secretário da Companhia : Wong Wai Ngon

Macau, aos 29 de Março de 2019.


Banco CITIC Internacional (China) Limitada Sucursal de Macau

(Publicações ao abrigo do artigo 76.º do RJSF, aprovado pelo Decreto-Lei n.º 32/93/M, de 5 de Julho)

Balanço anual em 31 de Dezembro de 2018

MOP

Para informações financeiras consulte a nossa página web da nossa Sede: www.cncbinternational.com

MOP

MOP

Demonstração de Resultados do Exercicio de 2018

Conta de Exploração

MOP

Conta de Lucros e Perdas

MOP

Gerente da Sucursal, Sucursal de Macau

Olivia Ding

O Chefe da Contabilidade

Emily Sio

Resumo do Relatório de Negócios

Em 31 de Dezembro de 2018, os activos de crédito ascenderam a 1.918 milhões de Patacas, o que representa um aumento de 826 milhões de Patacas, face aos 1.092 milhões de Patacas registados a 31 de Dezembro de 2017. Por outro lado, os depósitos de clientes diminuíram de 2.394 milhões de Patacas para 1.860 milhões de Patacas devido a fluctuações sazonais. O lucro operacional antes da imparidade foi de 51 milhões de Patacas em 2018, contra 26 milhões de Patacas em 2017, representando um aumento de 97%. Com um bom controlo e gestão de crédito, nenhuma imparidade individual foi feita em 2018. Como resultado, o lucro em 2018 foi de 38 milhões de Patacas, um aumento em relação aos 36 milhões de Patacas registados em 2017.

Com o apoio do Governo Central da RPC, esperamos que a economia de Macau permaneça estável nos próximos anos. Em 2019, continuaremos a concentrar-nos nos negócios ao nível da banca comercial, incluindo financiamento do comércio, empréstimos comerciais, financiamento de hipotecas, financiamento imobiliário, financiamento de fusões e aquisições, bem como nos negócios de empréstimos transfronteiriços, etc. Ao mesmo tempo, e para fornecer serviços eficientes e de qualidade a todos os clientes onshore e offshore, continuaremos a manter uma estreita colaboração com a nossa sede em Hong Kong, e com as filiais no exterior, bem como com a nossa instituição-mãe, o China CITIC Bank no Continente

Finalmente, a equipa de gestão gostaria de aproveitar esta oportunidade para agradecer ao Governo da Região Administrativa Especial de Macau pelo seu apoio contínuo, assim como aos nossos clientes, às instituições financeiras nossas colegas e ao nosso pessoal pelo suporte que nos deram durante o ano que passou.

Gerente da Sucursal, Sucursal de Macau
Olivia Ding

RELATÓRIO DO AUDITOR EXTERNOS SOBRE AS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS RESUMIDOS

PARA A GERÊNCIA DO BANCO CITIC INTERNACIONAL (CHINA) LIMITADA, SUCURSAL DE MACAU

As demonstrações financeiras resumidas anexas do Banco CITIC Internacional (China) Limitada, Sucursal de Macau (a Sucursal) referentes ao exercício findo em 31 de Dezembro de 2018 resultam das demonstrações financeiras auditadas e dos registos contabilísticos da Sucursal referentes ao exercício findo naquela data. Estas demonstrações financeiras resumidas, as quais compreendem o balanço em 31 de Dezembro de 2018 e a demonstração dos resultados do exercício findo naquela data, são da responsabilidade da Gerência da Sucursal. A nossa responsabilidade consiste em expressar uma opinião, unicamente dirigida a V. Exas. enquanto Gerência, sobre se as demonstrações financeiras resumidas são consistentes, em todos os aspectos materiais, com as demonstrações financeiras auditadas e com os registos contabilísticos da Sucursal, e sem qualquer outra finalidade. Não assumimos responsabilidade nem aceitamos obrigações perante terceiros pelo conteúdo deste relatório.

Auditámos as demonstrações financeiras da Sucursal referentes ao exercício findo em 31 de Dezembro de 2018 de acordo com as Normas de Auditoria e Normas Técnicas de Auditoria emitidas pelo Governo da Região Administrativa Especial de Macau, e expressámos a nossa opinião sem reservas sobre estas demonstrações financeiras, no relatório de 30 de Abril de 2019.

As demonstrações financeiras auditadas compreendem o balanço em 31 de Dezembro de 2018, a demonstração dos resultados, a demonstração de alterações nas reservas e a demonstração dos fluxos de caixa do exercício findo naquela data, e um resumo das principais políticas contabilísticas e outras notas explicativas.

Em nossa opinião, as demonstrações financeiras resumidas são consistentes, em todos os aspectos materiais, com as demonstrações financeiras auditadas e com os registos contabilísticos da Sucursal.

Para uma melhor compreensão da posição financeira da Sucursal, dos resultados das suas operações e do âmbito da nossa auditoria, as demonstrações financeiras resumidas em anexo devem ser lidas em conjunto com as demonstrações financeiras auditadas e com o respectivo relatório do auditor independente.

Ng Wai Ying
Auditor de contas
PricewaterhouseCoopers

Macau, 30 de Abril de 2019.


BANCO WELL LINK S.A.

Balanço anual em 31 de Dezembro de 2018

Patacas

Patacas

Patacas

Demonstração de Resultados

Conta de exploração

Patacas

Conta de Lucros e perdas

Patacas

Presidente da Comissão Executiva,

Directora Executiva,

Du Miaomiao

Wang Lu

Macau, 28 de Março de 2019.

Síntese do Relatório do Conselho de Administração

Enquadramento Económico de Macau

Em 2018, a economia de Macau cresceu 4,7% em termos reais, tendo o ritmo de crescimento abrandado visivelmente. O crescimento económico tem origem no aumento da exportação de serviços e consumo privado, apresentando um aumento de 7,6% na primeira metade do ano, e um aumento de 2% na segunda metade.

Em 2018, o PIB de Macau foi 440,3 mil milhões de patacas, e o PIB per capita foi 666.893 patacas (cerca de 82.609 dólares norte americanos).

No decorrer do ano de 2018, a performance da procura interna de Macau foi fraca, diminuindo 1,7% em termos homólogos. Devido ao rápido declínio no investimento da construção privada, a formação de capital fixo total abrandou 12,5% em termos homólogos. Porém, o aumento no emprego total e nos rendimentos laborais, bem como o aumento das despesas governamentais, aumentou o consumo privado, as despesas finais de consumo do governo e a importação de bens em 4,5%, 3,8% e 4,7%, respectivamente, compensando o impacto da redução do investimento. A procura externa cresceu moderadamente. A entrada de turistas e o consumo aumentaram em Macau, a exportação de serviços de apoio aumentou 9,4% em termos homólogos e a exportação de bens aumentou em 11%.

Em 2018, a proporção das exportações líquidas de bens e serviços de Macau no PIB local aumentou para 50,5%, um aumento de 3,5 pontos percentuais quando comparada com 2017. Em contraste, a proporção da procura interna caiu 3,5 pontos percentuais para 49,5%.

Resumo da Atividade do Banco

Em 2018, no primeiro ano fiscal após a aquisição do banco, o desenvolvimento do banco teve de suportar a pesada responsabilidade de completar a construção da sua própria infraestrutura, expandir o seu negócio e aumentar o seu reconhecimento no mercado.

No ano que passou, o objectivo de negócio principal do banco foi desenvolver e expandir a sua base de activos, desenvolver relações com clientes e absorver depósitos. Com base na manutenção do negócio e das relações com clientes tradicionais, o banco leva activamente a cabo serviços de banca tradicional para empresas, tais como depósitos, empréstimos e Trade Finance. Vários indicadores de performance atingiram um crescimento rápido. Os tipos de cliente incluem fundos governamentais, instituições financeiras, empresas de utilidade pública, empresas de turismo e entretenimento, de construção, de comércio e negócio retalhista, etc.

Ao mesmo tempo, o negócio de retalho do banco teve início, com a primeira sucursal a abrir oficialmente em Julho de 2018. Ao longo do ano, o banco lançou vários produtos de depósito e de crédito para o mercado. Serviços como cartões de débito, ATMs, Internet Banking para telemóvel, banca online para Empresas e transferências automáticas, foram lançados sucessivamente, sendo os produtos e sistemas de serviço do banco continuadamente enriquecidos e melhorados.

Após completar a substituição do sistema informático central do banco em 2017, as operações de negócio diárias do banco foram fortalecidas. Porém, o desenvolvimento de novos produtos comerciais necessitou de investimento adicional no desenvolvimento de infraestrutura. Com a actual escala e capacidade financeira do banco, não é adequado competir com grandes bancos em área de negócio tradicionais no mercado local. Em vez disso, o Banco deve focar-se no desenvolvimento da banca transaccional asset-light e no smart-banking inovador, com tecnologia financeira avançada enquanto suporte, desenvolvendo formas de cooperação financeira diversificadas como o seu objectivo.

De modo a garantir o desenvolvimento de longo prazo, o banco investiu fortemente no desenvolvimento ou aquisição de sistemas e serviços bancários e financeiros relevantes, tais como cartões de crédito, serviços de títulos, serviços de agenciamento de seguros e sistemas de pagamento de impostos, a serem lançados em 2019. De facto, novos serviços de e-banking serão lançados em 2019, tais como a emissão de cartões de crédito em cooperação com a China UnionPay e a VISA e o desenvolvimento de serviços de levantamento de dinheiro interbancários em cooperação com a JETCO, para fortalecer a rede local de Macau e fornecer serviços bancários superiores aos clientes.

Entretanto, o banco recrutou talentos adicionais e expandiu fortemente a sua equipa para acomodar o negócio crescente e as necessidades de gestão.

Análise dos Resultados de 2018

À data de 31 de Dezembro de 2018, os activos totais do Well Link Bank eram de 4,67 mil milhões de patacas. Os depósitos atingiram 3,08 mil milhões de patacas, um aumento de 428,2% sobre os 0,58 mil milhões de patacas em 2017. Entre eles, os depósitos a prazo constituíam cerca de 2,55 mil milhões de patacas e os depósitos à ordem eram de 0,53 mil milhões de patacas. Relativamente ao crédito, o seu volume total atingiu 2,05 mil milhões de patacas, uma subida de 457,4% em termos homólogos. O rácio loan-to-deposits (crédito/depósitos) no final do ano era de 66,7%.

Em resposta às necessidades do negócio, durante o ano os accionistas aumentaram o capital do banco de 200 milhões para 1,2 mil milhões de patacas. No quarto trimestre de 2018, os accionistas do Well Link Bank completaram o segundo aumento de capital do ano, de 500 milhões de patacas para 1,2 mil milhões de patacas, o que melhorou fortemente a capacidade financeira do banco e providenciou uma base sólida para a expansão futura do negócio. No final de Dezembro, o rácio de solvabilidade, ou rácio de adequação do capital, era 43,89%, muito acima das exigências regulatórias. Os rácios de liquidez a 1 e a 3 meses eram de 133,3% e 165% respectivamente, bastante mais altos do que o mínimo exigido em termos regulatórios, ou seja, 55%.

O negócio de captação de depósitos e de crédito cresceu praticamente ao mesmo ritmo. O banco registou uma margem financeira de aproximadamente 50,78 milhões de patacas em 2018, um aumento de 278,3% em termos homólogos. Com o crescimento dos activos em geral, o comissionamento, nomeadamente relativo a crédito, atingiu os 21,95 milhões de patacas, um aumento de aproximadamente 481,3% em termos homólogos. O Produto Bancário registou portanto um crescimento estável.

Os Custos Operativos incluem sobretudo despesas de pessoal, rendas e outras custos gerais de operação. O banco está-se a expandir de forma estável, acrescentando sucursais e aumentando o seu negócio. Com a finalidade de responder ao crescimento e à procura, o número de funcionários aumentou em 37 pessoas, para um total de 56 elementos, quando comparado com o ano passado. Como resultado, as custos com pessoal aumentaram em 16,14 milhões de patacas, um aumento substancial de 86,6%.

A primeira sucursal entrou oficialmente em serviço a 1 de Julho de 2018. A segunda abriu a 14 de Janeiro de 2019. Os custos operativos foram principalmente para fazer face à manutenção dos novos sistemas e à renda das sucursais.

O banco criou provisões para novos empréstimos em 2018. Durante o ano, o banco dotou a reserva de crédito com um montante adicional de 21,95 milhões de patacas, elevando o total da reserva para 22,40 milhões de patacas.

Todas as outras despesas registaram um aumento correspondente, resultando num aumento significativo das despesas totais de aproximadamente 26,96 milhões de patacas em termos homólogos, um aumento de 67,70%.

Com base nos factores acima, e graças à contínua expansão dos activos e da escala de negócio, bem como o uso eficaz dos fundos, o Well Link Bank conseguiu um lucro mensal a partir de Julho e atingiu o break-even anual no final de Dezembro, com um lucro líquido de 0,499 milhões de patacas, ou seja, no cômputo geral, o Well Link Bank tornou-se rentável em 2018.

Apesar da tendência de diminuição da margem financeira, à medida que o negócio expandiu em 2018, o aumento contante do volume de depósitos e crédito, permitiu o aumento da rentabilidade.

Proposta de Aplicação de Resultados

Nos termos legais e estatutários, o Conselho de Administração propõe, para aprovação da Assembleia Geral que o lucro líquido de 499,325 patacas (quatrocentas e noventa e nove mil, trezentas e vinte e cinco patacas) completado em 31 de Dezembro de 2018 seja utilizado da seguinte forma:

Reserva legal (a): 99,865 patacas

Rendimentos retidos: 399,460 patacas

(a) em linha com os 20% do lucro líquido nos termos da legislação aplicável e dos regulamentos da empresa

Banco Well Link, S.A.

Conselho de Administração

28 de Março de 2019.

RELATÓRIO E PARECER DO CONSELHO FISCAL

Nos termos da lei, do mandato que nos conferiram e dos Estatutos da Sociedade, vimos submeter à Vossa apreciação o Relatório sobre a actividade fiscalizadora desenvolvida e dar o Parecer sobre o Relatório do Conselho de Administração, o Balanço e a Demonstração de Resultados do BANCO WELL LINK, S.A., relativamente ao exercício findo em 31 de Dezembro de 2018.

O Relatório do Conselho de Administração evidencia de maneira clara a situação económica e financeira e a evolução da actividade do Banco durante o exercício de 2018.

Verificámos a regularidade da escrituração contabilística, não tendo tomado conhecimento de qualquer violação da lei ou do contrato de sociedade.

Em resultado dos exames efectuados, é nossa convicção que o Relatório do Conselho de Administração é suficientemente esclarecedor da actividade do Banco e que os demais documentos apresentados satisfazem as disposições legais e estatutárias.

Com base nas verificações e conclusões referidas, somos de Parecer que:

1. Sejam aprovadas as Demonstrações Financeiras Auditadas pela Ernst & Young — Auditores, e a Demonstração de Resultados para submissão à Assembleia Geral para aprovação; e,

2. Seja aprovada a proposta de aplicação de resultados.

Macau, 28 de Março de 2019.

O Conselho Fiscal

Ng Man Kung (Presidente)

Vong Hin Fai (Membro)

Mok Chi Meng (Representante do CSC & Associados — Sociedade de Auditores) (Membro)

Relatório de Auditor Independente sobre Demonstrações Financeiras Resumidas

Para os accionistas da Banco Well Link, S.A.
(sociedade por acções de responsabilidade limitada, registada em Macau)

Procedemos à auditoria das demonstrações financeiras da Banco Well Link, S.A. relativas ao ano de 2018, nos termos das Normas de Auditoria e Normas Técnicas de Auditoria da Região Administrativa Especial de Macau. No nosso relatório, datado de 28 de Março de 2019, expressámos uma opinião sem reservas relativamente às demonstrações financeiras das quais as presentes constituem um resumo.

As demonstrações financeiras a que se acima se alude compreendem a demonstração da posição financeira, à data de 31 de Dezembro de 2018, a demonstração de resultados, a demonstração de alterações no capital próprio e a demonstração de fluxos de caixa relativas ao ano findo, assim como um resumo das políticas contabilísticas relevantes e outras notas explicativas.

As demonstrações financeiras resumidas preparadas pela gerência resultam das demonstrações financeiras anuais auditadas a que acima se faz referência. Em nossa opinião, as demonstrações financeiras resumidas são consistentes, em todos os aspectos materiais, com as demonstrações financeiras auditadas.

Para a melhor compreensão da posição financeira da Banco Well Link, S.A. e dos resultados das suas operações, no período e âmbito abrangido pela nossa auditoria, as demonstrações financeiras resumidas devem ser lidas conjuntamente com as demonstrações financeiras das quais as mesmas resultam e com o respectivo relatório de auditoria.

Bao, King To
Auditor de Contas
Ernst & Young — Auditores
Macau, aos 28 de Março de 2019.

ÓRGÃOS SOCIAIS

Mesa da Assembleia Geral

Xu Chujia (Presidente da Mesa da Assembleia Geral)

Yeung Chi Shing (Secretário da Mesa da Assembleia Geral)

Wang Lu (Secretário da Mesa da Assembleia Geral)

Conselho de Administração

Zhang ShengMan (Presidente do Conselho de Administração)

Xu Chujia (Administrador)

Chen Hua (Administrador)

Ngan Yuen Ming (Administradora)

Paulo Jorge Fernandes Franco (Administrador)

Du Miaomiao (Administradora - nomeado em 15.11.2018)

Zhang Chen (Administrador)

Wang Lu (Administradora)

Artur Jorge Teixeira Santos (Administrador - nomeado em 1.6.2018)

Hon Wai Ming (Administradora - nomeado em 30.6.2018)

So Shing Shun (Administrador - nomeado em 30.6.2018)

Tse Yung Hoi (Administrador - nomeado em 30.6.2018)

Lin Wenjie (Administrador - resignou em 27.4.2018)

José Manuel Trindade Morgado (Administrador - resignou em 8.3.2018)

Huang Guanghai (Administrador - resignou em 8.3.2018)

Comissão Executiva

Du Miaomiao (Administradora - nomeado em 15.11.2018)

Zhang Chen (Membro da Comissão Executiva)

Wang Lu (Membro da Comissão Executiva)

Artur Jorge Teixeira Santos (Administrador - nomeado em 1.6.2018)

José Manuel Trindade Morgado (Administrador - resignou em 8.3.2018)

Conselho Fiscal

Ng Man Kung (Presidente do Conselho Fiscal - nomeado em 31.3.2018)

Chen Xiao Chun (Presidente do Conselho Fiscal - resignou em 16.1.2018)

Vong Hin Fai (Membro do Conselho Fiscal)

CSC & Associados — Sociedade de Auditores (Representado por Mok Chi Meng; Membro do Conselho Fiscal)

Instituições em que detém participação superior a 5% do respectivo capital ou superior a 5% dos seus fundos próprios

Valor

Acções
detidas (n.º)

percentual
(%)

Europ Assistance (Macau) —

Serviços de Assistência Personalizados, Lda.

400

25%

Accionistas do Banco

Gestão de Participações Well Link Limitada

44.7%

Gestão de Participações de Kingyin (Macau),
Sociedade Unipessoal Limitada

15%

Companhia de Investimento Trillion Limitada

15%

Companhia de Investimento Shengman Sociedade
Unipessoal Limitada

10%

立橋銀行股份有限公司

試算表(修訂)

資產負債表於二零一八年十二月三十一日

首席執行官

執行董事

杜淼淼

王露


HANG SENG BANK LIMITED — SUCURSAL DE MACAU

(Publicações ao abrigo do artigo 76.º do RJSF, aprovado pelo Decreto-Lei n.º 32/93/M, de 5 de Julho)

Balanço anual em 31 de Dezembro de 2018

(Em patacas)

(Em patacas)

Demonstração de resultados do exercício de 2018

Conta de exploração

(Em patacas)

Conta de lucros e perdas

(Em patacas)

(Em patacas)

O Gerente da Sucursal de Macau,

Isidorus Fong

O Chefe da Contabilidade,

Jeffrey Ng

Macau, 29 de Abril de 2019.

Hang Seng Bank Limited, Sucursal de Macau — Resumo de Resultados Operacionais

A economia global registou um ritmo moderado de expansão durante 2018. A continuidade das preocupações sobre fluxos internacionais de comércio e um aumento da volatilidade nos mercados financeiros mundiais criou condições operacionais mais desafiantes na segunda metade do ano.

Foi contra este contexto que a Sucursal de Macau (Sucursal) continuou a prosseguir a estratégia de crescimento de longo prazo do Banco Hang Seng, investindo em mais recursos para alavancar as suas forças competitivas e construindo melhores infraestruturas operacionais para suportarem um bom ímpeto de negócios em condições de mercado variáveis. A Sucursal melhorou a sua capacidade operacional e previu as mudanças nas necessidades dos clientes de forma atempada por forma a oferecer uma melhor experiência de serviço e a suportar rendimentos sólidos e crescimento dos lucros.

As principais actividades da sucursal no ano de 2018 consistiram na prestação de serviços bancários a clientes pessoais e comerciais, incluindo uma gama diversificada de serviços de depósito e de serviços financeiros comerciais, serviços comerciais transfronteiriços denominados em Renminbi, empréstimos hipotecários, financiamentos comerciais, serviços de transferências e de câmbio, serviços de cobrança e de agenciamento de seguros. À data de 31 de Dezembro de 2018, os depósitos e empréstimos de clientes da sucursal cifraram-se em MOP2,147 milhões e MOP14,474 milhões, respectivamente. O lucro apurado após impostos cifrou-se em MOP79.75 milhões para o ano de 2018.

Olhando para o futuro, a Sucursal continuará a adoptar uma abordagem dinâmica, mas estratégica, por forma a capturar novas oportunidades de negócio, mitigar riscos e conduzir o ímpeto de negócios nas mais variadas condições de mercado para atingir crescimento sustentável de longo prazo.

Em nome da gestão da Sucursal, gostaria de aproveitar esta oportunidade para expressar a minha sincera gratidão pelo contínuo apoio que recebe de várias autoridades Governamentais, clientes, colegas do sector em Macau e empregados.

Isidorus Fong

Administrador da Sucursal

Hang Seng Bank Limited, Sucursal de Macau

RELATÓRIO DOS AUDITORES EXTERNOS SOBRE AS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS RESUMIDAS

HANG SENG BANK LIMITED — SUCURSAL DE MACAU

As demonstrações financeiras resumidas anexas do Hang Seng Bank Limited — Sucursal de Macau (a Sucursal) referentes ao exercício findo em 31 de Dezembro de 2018 resultam das demonstrações financeiras auditadas e dos registos contabilísticos da Sucursal referentes ao exercício findo naquela data. Estas demonstrações financeiras resumidas, as quais compreendem o balanço em 31 de Dezembro de 2018 e a demonstração dos resultados do exercício findo naquela data, são da responsabilidade da Gerência da Sucursal. A nossa responsabilidade consiste em expressar uma opinião, unicamente dirigida a V. Ex.as enquanto Gerência, sobre se as demonstrações financeiras resumidas são consistentes, em todos os aspectos materiais, com as demonstrações financeiras auditadas e com os registos contabilísticos da Sucursal, e sem qualquer outra finalidade. Não assumimos responsabilidade nem aceitamos obrigações perante terceiros pelo conteúdo deste relatório.

Auditámos as demonstrações financeiras da Sucursal referentes ao exercício findo em 31 de Dezembro de 2018 de acordo com as Normas de Auditoria e Normas Técnicas de Auditoria emitidas pelo Governo da Região Administrativa Especial de Macau, e expressámos a nossa opinião sem reservas sobre estas demonstrações financeiras, no relatório de 29 de Abril de 2019.

As demonstrações financeiras auditadas compreendem o balanço em 31 de Dezembro de 2018, a demonstração dos resultados, a contas da sede e a demonstração de alterações nas reservas e a demonstração dos fluxos de caixa do exercício findo naquela data, e um resumo das principais políticas contabilísticas e outras notas explicativas.

Em nossa opinião, as demonstrações financeiras resumidas são consistentes, em todos os aspectos materiais, com as demonstrações financeiras auditadas e com os registos contabilísticos da Sucursal.

Para uma melhor compreensão da posição financeira da Sucursal, dos resultados das suas operações e do âmbito da nossa auditoria, as demonstrações financeiras resumidas em anexo devem ser lidas em conjunto com as demonstrações financeiras auditadas e com o respectivo relatório do auditor independente.

Cheung Pui Peng Grace
Auditor de contas
PricewaterhouseCoopers

Macau, 29 de Abril de 2019.


BANCO COMERCIAL PORTUGUÊS, S.A. SUCURSAL DE MACAU

Balanço anual em 31 de Dezembro de 2018

MOP

MOP

MOP

Demonstração de resultados do exercicio de 2018

Conta de exploração

MOP

Conta de lucros e perdas

MOP

O Técnico de Contas

O Director Geral,

Chan Fong Mei

José João Pãosinho

Síntese do Relatório de Actividade do Exercício entre 1 de Janeiro de 2018 e 31 de Dezembro de 2018

No ambiente económico global, após um crescimento robusto no início de 2018, a atividade económica global desacelerou significativamente no segundo semestre de 2018 devido aos efeitos colaterais do desempenho das principais economias. O crescimento da China desacelerou devido ao efeito conjunto dos controles regulatórios exigidos no sistema bancário paralelo e ao aumento das tensões comerciais com os Estados Unidos. A economia da área do euro perdeu mais ímpeto do que o esperado, uma vez que a confiança dos consumidores e das empresas enfraqueceu-se devido a litígios contínuos do Brexit na Inglaterra, a instabilidade política em Itália e a menor procura externa da Ásia.

O crescimento da China permaneceu forte, embora o “momentum” tenha enfraquecido. O crescimento do investimento desacelerou significativamente devido a um declínio acentuado no investimento em infraestrutura. O crescimento do crédito continuou a desacelerar, impulsionado pelo rígido controle do sistema bancário paralelo em 2018. O CNY desvalorizou-se substancialmente em relação ao dólar americano devido às tensões comerciais com os Estados Unidos. Além disso, a promoção do Desenvolvimento da Área da Grande Baía, um conceito notável de integração económica e sinergia foi formado em finais de 2018, em que Macau foi designado para se tornar “um centro, uma plataforma, uma base” para acolher o desenvolvimento do turismo, as atividades comerciais com os países de língua portuguesa e a promoção das indústrias culturais e criativas.

Em 2018, embora a economia de Macau tenha registado uma desaceleração no crescimento da procura global, o PIB registou ainda + 4,7% em comparação com o ano anterior (+ 9,7%). Este desempenho deveu-se principalmente ao aumento da receita bruta de jogo (+ 14%) e às despesas dos visitantes (+ 13,6%), beneficiados pela abertura ao tráfego da Ponte Hong Kong - Zhuhai - Macau e pela expansão do comércio de mercadorias (+ 18,8% na importação e + 8,1% na exportação), e a recuperação moderada do mercado imobiliário (particularmente em unidades residenciais). A taxa de desemprego manteve-se estável a um nível muito baixo e a taxa de inflação manteve um crescimento moderado de 3,0%, apesar do CNY ter registado uma depreciação significativa em relação ao MOP no 2.º semestre de 2018.

Em 2018, a Sucursal de Macau do BCP continuou a desenvolver as suas atividades no âmbito da estratégia “Macau como plataforma de negócio” para clientes do Grupo BCP, fornecendo produtos e serviços para os Países de Língua Portuguesa em que o Grupo está presente, mantendo-se como um banco de referência para clientes chineses, para o usufruto dos serviços do Golden Visa, continuando o foco nas operações de financiamento às transações entre a China e os países de língua portuguesa, principalmente com Portugal e Angola. Adicionalmente, desde o 2.º semestre de 2018, o BCP Macau teve uma função de intermediário de fundos do Grupo, para lidar com os requisitos de gestão de fundos regionais do Grupo.

Em 2018, a Sucursal de Macau BCP alcançou um lucro líquido de 109,2 milhões de patacas (+ 0,9%), a Carteira de Depósitos atingiu 4.873,2 milhões (-21,4%) e a Carteira de Crédito atingiu 3.805,1 milhões (+ 21,4%). Os Custos Operacionais foram de 20,3 milhões de Patacas (+ 15,6%).

Apesar de haver uma perspetiva positiva para o desempenho da economia de Macau, Região Administrativa Especial, para 2019, impulsionada principalmente pelo bom desempenho contínuo do Sector do Turismo, Jogos e Entretenimento, espera-se uma melhoria moderada nas tensões comerciais entre a China e os Estados Unidos, a suspensão dos investimentos em Activos Fixos em Macau, nos Setores de Jogos e Entretenimento, referentes à maturidade das licenças de jogo em curso, a sucursal de Macau BCP manterá uma estratégia conservadora com um crescimento moderado em 2019, com o foco principal na mitigação de risco.

Por último, mas não menos importante, gostaríamos de agradecer aos nossos Clientes, Colaboradores e Autoridades de Macau (Região Administrativa Especial) pela confiança depositada no Banco Comercial Português, S.A., Sucursal de Macau.

A Direcção da Sucursal de Macau
do Banco Comercial Português, S.A.

José Pãosinho
Director Geral

Síntese do parecer dos auditores externos

Para o Gerente-geral do Banco Comercial Português, S.A. — Sucursal de Macau

Procedemos à auditoria das demonstrações financeiras do Banco Comercial Português, S.A. — Sucursal de Macau relativas ao ano de 2018, nos termos das Normas de Auditoria e Normas Técnicas de Auditoria da Região Administrativa Especial de Macau. No nosso relatório, datado de 20 de Maio de 2019, expressámos uma opinião sem reservas relativamente às demonstrações financeiras das quais as presentes constituem um resumo.

As demonstrações financeiras a que acima se alude compreendem o balanço, à data de 31 de Dezembro de 2018, a demonstração de resultados, a demonstração de alterações da conta corrente com a sede e a demonstração de fluxos de caixa relativas ao ano findo, assim como um resumo das políticas contabilísticas relevante e outras notas explicativas.

As demonstrações financeiras resumidas preparadas pela gerência resultam das demonstrações financeiras anuais auditadas a que acima se faz referência. Em nossa opinião, as demonstrações financeiras resumidas são consistentes, em todos os aspectos materiais, com as demonstrações financeiras auditadas.

Para a melhor compreensão da posição financeira do Banco Comercial Português, S.A. — Sucursal de Macau e dos resultados das suas operações, no período e âmbito abrangido pela nossa auditoria, as demonstrações financeiras resumidas devem ser lidas conjuntamente com as demonstrações financeiras das quais as mesmas resultam e com o respectivo relatório de auditoria.

Kwok Sze Man
Auditor de Contas
Deloitte Touche Tohmatsu — Sociedade de Auditores
Macau, 20 de Maio de 2019.


CHINA GUANGFA BANK CO. LTD — SUCURSAL DE MACAU

(Publicações ao abrigo do artigo 76.º do RJSF, aprovado pelo Decreto-Lei n.º 32/93/M, de 5 de Julho)

Balanço anual em 31 de Dezembro de 2018

貨幣單位: MOP

貨幣單位: MOP

As Outras Reservas incluem uma reserva obrigatória no montante de 156 640 000 Patacas. Porque a sucursal adopta as Normas Macau de Relato Financeiro (“NMRF”) na preparação das suas demonstrações financeiras anuais, as perdas de imparidade com base nas NMRF podem ser inferiores ao nível mínimo de provisões genéricas calculadas de acordo com o Aviso n.º 18/93 da AMCM (o nível mínimo). A referida reserva obrigatória representa, pois, a diferença entre o nível mínimo e as perdas de imparidade nos termos das NMRF (antes dos impostos diferidos de 21 360 000 Patacas). Este mesmo montante, inscrito na linha «Dotações adicionais para provisões conforme RJSF» da Conta de Lucros e Perdas das contas resumidas, está reconciliado entre o «Lucro depois de impostos» e os «Resultados do ano de acordo com as regras da AMCM» na Conta de exploração das demonstrações financeiras auditadas anuais.

貨幣單位: MOP

Demonstração de resultados do exercício de 2018

Conta de exploração

貨幣單位: MOP

Conta de lucros e perdas

貨幣單位: MOP

Presidente

Hu Min

Vice-Presidente

Huang Qiang

O Chefe da Contabilidade

Zhuang Zhe

Macau, aos 2 de Maio de 2019.

Nota: O Balanço Anual e a Demonstração de Resultados do Exercício foram preparados a partir dos registos contabilísticos auditados.

Resumo do Plano de Negócios

Em 2018, a «Guerra Comercial China – Estados Unidos da América» e o surgimento de uma nova estrutura competitiva mundial tiveram um profundo impacto na recuperação da economia global. A economia da China manteve-se estável e, peses embora, tenha sofrido algumas mudanças, foi alvo de alguma pressão descendente. O desenvolvimento da Área da Grande Baía Guangdong-Hong Kong-Macau entrou numa nova fase e a indústria bancária revelou-se mais competitiva. Com o esforço de toda a nossa equipa, a nossa Sucursal conseguiu alcançar a estabilidade no risco, bem como renovar a estabilidade e alcançar um bom desempenho empresarial. No final de 2018, os activos da nossa Sucursal cifravam-se em trinta e nove mil trezentos e setenta e oito milhões de patacas e o lucro líquido em duzentos e quarenta milhões de patacas. O controle do risco é bom e a liquidez e outros indicadores relevantes preenchem os requisitos da entidade reguladora.

Tendo aproveitado as vantagens do estabelecimento da nossa sede na Área da Grande Baía Guangdong-Hong Kong-Macau, a nossa Sucursal continuou a consolidar-se e a servir Macau, fornecendo serviços financeiros online e offline às empresas através da utilização de um sistema seguro e avançado de serviços bancários online e de um sistema de operação de liquidação centralizada. A nossa Sucursal continuou a oferecer tratamento preferencial gratuito às remessas online, o que reduz substancialmente os custos operativos das empresas e beneficia o sector financeiro em geral e o desenvolvimento das pequenas e médias empresas, em particular. A nossa Sucursal apoiou activamente o desenvolvimento das actividades financeiras características de Macau, tendo assinado um acordo-quadro de cooperação com a «Transacção de Bens Financeiros de Chongwa (Macau), S.A.» com vista a estabelecer uma boa base para a subscrição de títulos, fundos fiduciários, etc., e a contribuir para o desenvolvimento da Área da Grande Baía Guangdong-Hong Kong-Macau.

A nossa Sucursal procurou também reforçar o desenvolvimento de estratégias banca-seguros com a «China Life Insurance» e activamente expandir os negócios do fundo de previdência não obrigatório da «China Life Insurance». Desenvolvemos esforços de cooperação com a «China Life Insurance» e acções de divulgação na Universidade da Cidade de Macau de modo a divulgar os mais recentes e avançados conhecimentos financeiros entre professores e estudantes das instituições de ensino superior de Macau.

Eu, em nome e em representação do Banco de Guangfa da China, S.A., Sucursal de Macau, venho por este meio agradecer a toda a equipa pelo seu esforço e cooperação, ao Governo da Região Administrativa Especial de Macau, à entidade reguladora, às instituições do sector e aos nossos estimados clientes pelo seu forte apoio e ajuda.

A nossa Sucursal continuará a desenvolver a sua actividade com firmeza e espírito pioneiro, de modo a alcançar novas conquistas para celebrar o 20.º aniversário do retorno de Macau à pátria.

Hu Min
Director-geral
Banco de Guangfa da China, S.A., Sucursal de Macau

Relatório de Auditor Independente sobre Demonstrações Financeiras Resumidass

Para a Gerência do Banco de Guangfa da China, S.A., Sucursal de Macau
(Sucursal de um banco comercial de responsabilidade limitada, incorporada na República Popular da China)

Procedemos à auditoria das demonstrações financeiras do Banco de Guangfa da China, S.A., Sucursal de Macau relativas ao ano de 2018, nos termos das Normas de Auditoria e Normas Técnicas de Auditoria da Região Administrativa Especial de Macau. No nosso relatório, datado de 2 de Maio de 2019, expressámos uma opinião sem reservas relativamente às demonstrações financeiras das quais as presentes constituem um resumo.

As demonstrações financeiras a que se acima se alude compreendem o balanço, à data de 31 de Dezembro de 2018, a demonstração de resultados, a demonstração de alterações no fundo de maneio e reservas e a demonstração de fluxos de caixa relativas ao ano findo, assim como um resumo das políticas contabilísticas relevantes e outras notas explicativas.

As demonstrações financeiras resumidas preparadas pela gerência resultam das demonstrações financeiras anuais auditadas a que acima se faz referência. Em nossa opinião, as demonstrações financeiras resumidas são consistentes, em todos os aspectos materiais, com as demonstrações financeiras auditadas.

Para a melhor compreensão da posição financeira do Banco de Guangfa da China, S.A., Sucursal de Macau e dos resultados das suas operações, no período e âmbito abrangido pela nossa auditoria, as demonstrações financeiras resumidas devem ser lidas conjuntamente com as demonstrações financeiras das quais as mesmas resultam e com o respectivo relatório de auditoria.

Bao, King To
Auditor de Contas
Ernst & Young — Auditores

Macau, 2 de Maio de 2019.


Global Pagamentos Ásia — Pacífico Macau, S.A.

Balanço Anual em 31 de Dezembro de 2018

MOP

MOP

Demonstração de Resultados do Exercício de 2018

Conta de Exploração

MOP

Conta de lucros e perdas

MOP

O Responsável

Kornad Chan

Contabilista

Suki Hui

Síntese do Relatório das Actividades

Em 2018, o sector de pagamentos continua em desenvolvimento. Perante esta situação, além do investimento ter aumentado significativamente, a presente companhia desenvolveu activamente novas soluções de pagamento, quer online, quer offline, com vista a disponibilizar aos estabelecimentos comerciais uma diversidade de produtos de pagamento em voga e melhorar a experiência de compra dos consumidores. Simultaneamente, todos os produtos da presente companhia correspondem aos requisitos da autoridade de supervisão, de modo a assegurar que os estabelecimentos comerciais e os seus consumidores possam realizar transacções num ambiente estável e seguro.

No futuro, tendo em conta que a aplicação da carteira digital se tornou bastante popular no mercado, esta companhia planeou a introdução dos respectivos serviços de pagamento para os utilizadores. É de salientar que, os equipamentos a suprir são simples e convenientes, sendo uma solução mais recente que integra todos os cartões de crédito e diversas formas de pagamento. Adicionalmente, o pagamento online é também outro serviço relevante para o desenvolvimento dos estabelecimentos comerciais. Esta companhia ainda fornece um portal exclusivo que engloba vários tipos de pagamento, permitindo aos estabelecimentos e aos consumidores efectuar o pagamento online num ambiente seguro e conveniente.

Kornad Chan
Presidente do Conselho de Administração
Macau, aos 9 de Maio de 2019.

Parecer do Conselho Fiscal

Nos termos do Código Comercial e dos Estatutos da Companhia, o Conselho Fiscal supervisionou a administração da Global Pagamentos Ásia — Pacífico Macau, S.A., ao longo do ano de 2018, até ao dia 31 de Dezembro, acompanhou a actividade da Companhia, e obteve todas as informações e esclarecimentos que considerou necessários. O Conselho Fiscal considera que as demonstrações financeiras e relatório de actividade estão correctos e completos, explicando de forma breve e clara a situação financeira da Companhia, o desenvolvimento das suas actividades e os resultados das operações referentes ao exercício do ano. O Conselho Fiscal não verificou qualquer irregularidade nem acto ilícito.

Portanto, o Conselho Fiscal considera que as demonstrações financeiras e relatórios aprovados pelo Conselho de Administração podem ser apresentados à Assembleia Geral de Accionistas para apreciação.

Conselho Fiscal
10 de Maio de 2019.

Síntese do parecer dos auditores externos

Para os accionistas do Global Pagamentos Ásia — Pacífico Macau S.A.

Procedemos à auditoria das demonstrações financeiras do Global Pagamentos Ásia — Pacífico Macau S.A. relativas ao ano de 2018, nos termos das Normas de Auditoria e Normas Técnicas de Auditoria da Região Administrativa Especial de Macau. No nosso relatório, datado de 29 de Março de 2019, expressámos uma opinião sem reservas relativamente às demonstrações financeiras das quais as presentes constituem um resumo.

As demonstrações financeiras a que se acima se alude compreendem o balanço, à data de 31 de Dezembro de 2018, a demonstração de resultados, a demonstração de alterações no capital próprio e a demonstração de fluxos de caixa relativas ao ano findo, assim como um resumo das políticas contabilísticas relevantes e outras notas explicativas.

As demonstrações financeiras resumidas preparadas pela gerência resultam das demonstrações financeiras anuais auditadas a que acima se faz referência. Em nossa opinião, as demonstrações financeiras resumidas são consistentes, em todos os aspectos materiais, com as demonstrações financeiras auditadas.

Para a melhor compreensão da posição financeira do Global Pagamentos Ásia – Pacífico Macau S.A. e dos resultados das suas operações, no período e âmbito abrangido pela nossa auditoria, as demonstrações financeiras resumidas devem ser lidas conjuntamente com as demonstrações financeiras das quais as mesmas resultam e com o respectivo relatório de auditoria.

Kwok Sze Man
Auditor de Contas
Deloitte Touche Tohmatsu — Sociedade de Auditores
Macau, aos 29 de Março de 2019.

Instituições que investiram mais de 5% do seu capital ou fundo próprio na presente companhia:

Nenhuma

Lista de accionistas qualificados:

Global Payments Asia-Pacific Limited

Global Payments Asia-Pacific (Hong Kong) Limited

Global Payments Asia Pacific (Hong Kong Holding) Limited

Titulares de órgãos sociais

Conselho de Administração

Presidente: Kornad Chan

Membro: Pang Mo Shun

Membro: Edith Fátima do Rosário

Conselho Fiscal

Presidente: David Lawrence Green

Membro: Ho Siu Hong

Membro: João José Rodrigues Monteiro

Assembleia Geral de Accionistas

Presidente e secretário: Kornad Chan

Secretário da Companhia

Carlos Dos Santos Ferreira

Macau, aos 10 de Maio de 2019.


BANCO INDUSTRIAL E COMERCIAL DA CHINA (MACAU), S.A.

Balanço anual em 31 de Dezembro de 2018 (consolidado)

PATACAS

PATACAS

Observação: Na rúbrica “Outras Reservas” estão incluídas provisões adicionais constituídas ao abrigo do disposto no Regime Jurídico do Sistema Financeiro. Esses provisões adicionais, após dedução dos impostos diferidos de MOP 226.858.800,00, são no montante total líquida de MOP1.663.631.200,00.

PATACAS

Demonstração de resultados do exercício de 2018

Conta de exploração (consolidado)

PATACAS

PATACAS

Presidente, Administrador-Delegado e Administrador-Executivo
Jiang Yisheng

Vice-Presidente, Director-Geral e Administrador Executivo
Xu Keen

Balanço anual em 31 de Dezembro de 2018

PATACAS

PATACAS

Observação: Na rúbrica “Outras Reservas” estão incluídas provisões adicionais constituídas ao abrigo do disposto no Regime Jurídico do Sistema Financeiro. Esses provisões adicionais, após dedução dos impostos diferidos de MOP 226.858.800,00, são no montante total líquida de MOP1.663.631.200,00.

PATACAS

Demonstração de resultados do exercício de 2018

Conta de exploração

PATACAS

Conta de lucros e perdas

澳門元

PATACAS

Presidente, Administrador-Delegado e Administrador-Executivo
Jiang Yisheng
Vice-Presidente, Director-Geral e Administrador Executivo
Xu Keen

Síntese do relatório de actividades

No ano de 2018, devido a uma conjuntura externa complicada, o ICBC (Macau) insistiu sinceramente pela implementação das estratégias de desenvolvimento estabelecidas pelo Grupo ICBC para as suas participadas no exterior, promovendo a localização da sua gestão e o plano de diversificação, melhorando em permanência as suas competências de concorrência no mercado, reforma e inovação, desenvolvimento sustentável e o nível de gestão global do risco. Paralelamente, procurou-se acelerar o desenvolvimento saudável e coordenado do activo, passivo e actividades de intermediação, expandindo efectivamente as principais áreas de atividade, consolidando a posição maioritária no mercado na sua atividade nuclear, alargando os horizontes, continuando a manter a posicão como banco de excelência que presta os mais amplos serviços em Macau e de maior banco local registado com todas as licenças.

Até ao final do ano de 2018, o activo total líquido do Banco ascendia a MOP 311.300.000.000,00, o que representou um acréscimo de MOP 79.900.000.000,00 em comparação com o ano transacto, correspondente a uma taxa de crescimento de 34,55%. O passivo total ascendia a MOP 288.400.000.000,00, o que representou um acréscimo de MOP 77.700.000.000,00 comparativamente com o ano transacto e corresponde a um aumento de 36,86%. O saldo dos depósitos (incluindo entidades públicas) avaliou-se em MOP 249.600.000.000,00, o que representou um acréscimo de MOP 63,900,000,000,00 em comparação com o ano anterior, correspondente a um aumento de 34,38%. O saldo dos diversos créditos concedidos ascendia a MOP 210.700.000.000,00, representando um acréscimo de MOP 48.400.000.000,00 em comparação com o ano transacto, equivalente a uma taxa de crescimento de 29,78%. O saldo do rácio de créditos de cobrança duvidosa manteve-se num nível reduzido e as provisões mantiveram-se suficientes, o que reforçou ainda mais a capacidade para enfrentar qualquer risco.

De acordo com as “Normas de Relato Financeiro de Macau”, o Banco conseguiu em 2018 um lucro líquido, após dedução de impostos, avaliado em MOP 2.545.000.000,00, com uma taxa média ponderada de retribuição do capital e taxa média de retribuição do activo total de, respectivamente, 11,95% e 0,95%. As demonstrações financeiras do Banco, já auditadas e relativas ano findo em 2018, foram elaboradas de acordo com as “Normas de Relato Financeiro de Macau”. Se atendermos ao reforço de provisões previsto no “Regime Jurídico do Sistema Financeiro”, o lucro passará a ser de MOP 2.184.000.000,00, depois de feito o necessário ajustamento.

O bom comportamento negocial e os resultados positivos de exploração continuamente alcançados pelo Banco granjearam elogios e reconhecimento generalizado no seu sector e por parte da comunicação social especializada em assuntos económicos e financeiros com prestígio mundial. O aumento estável da capacidade de exploração, do nível da gestão e de posição no mercado, e a continuação da manutenção do excelente nível na celeridade do desenvolvimento, qualidade das imobilizações e capacidade da rentabilidade, levaram a que as publicações “The Banker” e “World Finance” (Reino Unido) tenham atribuído em 2018, ao ICBC (Macau), pelo décimo ano consecutivo, o prémio de melhor banco em Macau, estabelecendo uma boa imagem para o sector bancário de Macau.

No ano de 2019 celebra-se o 20.º Aniversário do retorno de Macau à Pátria e, também, o 10.º aniversário do estabelecimento integral do ICBC Macau. Esta marca histórica constitui um novo ponto de partida, em que o ICBC Macau executará com seriedade os planos estratégicos nacionais e as iniciativas políticas do Governo, envolvendo-se activamente no desenvolvimento da Grande Baía Guangdong — Hong Kong — Macau, prestando com afinco serviços sociais a Macau, através do desenvolvimento das suas potencialidades, servindo as necessidades de Macau, esforçando-se por concretizar o desenvolvimento sustentável e devidamente diversificado da economia de Macau, ao mesmo tempo que procura continuar a relacionar-se com emoção com a vida da população. Ao servir a sociedade de Macau, cumprir com espírito prático e em profundidade as suas responsabilidades sociais, o ICBC Macau dá uma nova contribuição para a prosperidade e estabilidade a longo prazo de Macau.

Macau, aos 21 de Março de 2019.

Xu Keen
Vice-Presidente

Parecer do Fiscal Único

Nos termos do disposto na alínea e) do artigo 25.º dos Estatutos e para os efeitos previstos na mesma disposição legal, o Conselho de Administração do Banco Industrial e Comercial da China (Macau), S.A., entregou a esta sociedade de auditores o relatório de actividades e contas auditado e referente ao exercício de 2018, para efeito de parecer.

Depois de examinados os documentos entregues a esta sociedade, para efeitos de emissão do parecer, concluímos que os referidos documentos reflectem, de forma clara, não só a situação patrimonial, mas também a situação financeira e económica do Banco.

O relatório do Conselho de Administração reflecte, de forma precisa, as actividades promovidas e desenvolvidas pelo Banco no ano de exercício ora em apreço.

Tendo em atenção o relatório apresentado pelo auditor externo, esta sociedade concorda com o exposto no referido relatório, sendo que os documentos que serviram de base à elaboração das contas reflectem, de uma forma correcta e real, a situação financeira demonstrada no balanço com data de 31 de Dezembro de 2018, bem como o resultado financeiro do exercício findo em 31 de Dezembro de 2018.

Recapitulando o acima exposto, decidimos aprovar o referido relatório de actividades e contas do Conselho de Administração.

Macau, aos 21 de Março de 2019.

CSC & Associados — Sociedade de Auditores
(Representada por Chui Sai Cheong)
Fiscal Único

Relatório de Auditor Independente sobre Demonstrações Financeiras Consolidadas Resumidas

Para os accionistas da Banco Industrial e Comercial da China (Macau), S.A.
(Sociedade Anónima constituída em Macau)

Procedemos à auditoria das demonstrações financeiras consolidadas da Banco Industrial e Comercial da China (Macau), S.A. (o “Banco”) e suas subsidiárias relativas ao ano de 2018, nos termos das Normas de Auditoria e Normas Técnicas de Auditoria da Região Administrativa Especial de Macau. No nosso relatório, datado de 21 de Março de 2019, expressámos uma opinião sem reservas relativamente às demonstrações financeiras consolidadas das quais as presentes constituem um resumo.

As demonstrações financeiras consolidadas a que se acima se alude compreendem o balanço consolidado e do Banco, à data de 31 de Dezembro de 2018, a demonstração de resultados consolidados e do Banco, a demonstração de alterações no capital próprio consolidado e do Banco e a demonstração de fluxos de caixa consolidados e do Banco relativas ao ano findo, assim como um resumo das políticas contabilísticas relevantes e outras notas explicativas.

As demonstrações financeiras consolidadas resumidas preparadas pela gerência resultam das demonstrações financeiras consolidadas anuais auditadas e dos livros e registos do Banco. Em nossa opinião, as demonstrações financeiras consolidadas resumidas são consistentes, em todos os aspectos materiais, com as demonstrações financeiras consolidadas auditadas e os livros e registos do Banco.

Para a melhor compreensão da posicão financeira do Banco e dos resultados das suas operações, no período e âmbito abrangido pela nossa auditoria, as demonstrações financeiras consolidadas resumidas devem ser lidas conjuntamente com as demonstrações financeiras consolidadas das quais as mesmas resultam e com o respectivo relatório de auditoria.

Ieong Lai Kun, Auditor de Contas
KPMG

Macau, 21 de Março de 2019.

Lista das instituições em que o Banco detém participações superiores a 5% do respectivo capital e indicação do valor percentual
Sociedade Financeira ICBC (Macau) Capital, S.A. 100%
Sociedade Gestora de Fundos de Pensões ICBC (Macau), S.A. 100%
Seng Heng Development Company Limited 100%
(Incorporado em Hong Kong)
Authosis, Inc. 11%
(Incorporado em Cayman Islands)
Companhia de Seguros Luen Fung Hang, S.A.R.L. 6%
Lista dos accionistas qualificados
Industrial and Commercial Bank of China Limited
Sr. Huen Wing Ming, Patrick
Órgãos Sociais
Conselho de Administração
Sr. Jiang Yisheng Presidente, Administrador-Delegado e Administrador Executivo
(Nomeado em 29 de Março de 2018)
Sr. Zhu Xiaoping Presidente, Administrador-Delegado e Administrador Executivo
(Renunciou em 29 de Março de 2018)
Sr. Xu Keen Vice-Presidente, Director-Geral e Administrador Executivo
(Nomeado em 31 de Agosto de 2018)
Sr. Wu Long Vice-Presidente, Director-Geral e Administrador Executivo
(Renunciou em 31 de Agosto de 2018)
Sr. Huen Wing Ming, Patrick Vice-Presidente e Administrador Executivo
Sr. Tong Chi Kin Administrador
Sr. Shang Jun Administrador
Sra. Wang Yixin Administradora
Sra. Lan Li Administradora
(Nomeada em 21 de Março de 2018)
Sra. Chen Xiaoyan Administradora
(Renunciou em 21 de Março de 2018)
Mesa da Assembleia
Sr. Jiang Yisheng Presidente
(Nomeado em 29 de Março de 2018)
Sr. Zhu Xiaoping Presidente
(Renunciou em 29 de Março de 2018)
Sr. Wu Zhigang Secretário
(Nomeado em 21 de Março de 2018)
Sr. Zheng Kai Secretário
(Renunciou em 21 de Março de 2018)
Fiscal Único
CSC & Associados — Sociedade de Auditores
(Representada por Sr. Chui Sai Cheong)
Secretário de Sociedade
Sr. Wu Zhigang Secretário
(Nomeado em 21 de Março de 2018)
Sr. Zheng Kai Secretário
(Renunciou em 21 de Março de 2018)

SOCIEDADE FINANCEIRA ICBC (MACAU) CAPITAL, S.A.

Balanço anual em 31 de Dezembro de 2018

Patacas

Patacas

Patacas

Demonstração de resultados do exercício de 2018

Conta de exploração

Patacas

Conta de lucros e perdas

Patacas

O Presidente do Conselho de Administração
Xu Keen

Síntese do Relatório de Actividades

No ano de dois mil e dezoito, a Sociedade Financeira ICBC (Macau) Capital, S.A., perante um ambiente económico externo complicado, continuou a seguir a tendência para um desenvolvimento sustentável, tendo atingido lucros avaliados em MOP 9.420.000,00, após a dedução de impostos, o que representa um aumento de 13,27% em relação ao ano transacto. Até ao final do ano de 2018, o activo total da Sociedade ascendia a MOP 133.000.000,00, o que representa um crescimento de 8,01% em relação ao ano transacto.

Norteando-se pela estratégia global de desenvolvimento implementada pelo Banco Industrial e Comercial da China (Macau), S.A. e pelo plano de desenvolvimento do sector financeiro com características próprias de Macau, a Sociedade, no futuro, retirando vantagens da rede, marca, recursos financeiros e técnicos do Grupo ICBC, irá dar grande contributo nas áreas de negócios recíprocos de investimento transfronteiriço, investimento nas reservas orçamentais do Governo e crescimento financeiro dos residentes, empenhando-se no crescimento financeiro sustentável dos seus activos, fortalecendo continuamente o controlo do risco e assegurando aos seus clientes uma retribuição mais estável e forte dos seus investimentos, dando mais impulso ao desenvolvimento económico e social de Macau e do sector financeiro com características próprias de Macau.

Macau, aos 21 de Março de 2019.

Xu Keen
Presidente do Conselho de Administração

Parecer do Fiscal Único

Nos termos do disposto na alínea e) do artigo 23.º dos Estatutos e para os efeitos previstos na mesma disposição legal, o Conselho de Administração da Sociedade Financeira ICBC (Macau) Capital, S.A. entregou a esta sociedade de auditores o relatório de actividades e contas auditado e referente ao exercício de 2018, para efeito de parecer.

Depois de examinados os documentos entregues a esta sociedade, para efeitos de emissão do parecer, concluímos que os referidos documentos reflectem, de forma clara, não só a situação patrimonial, mas também a situação financeira e económica da referida Sociedade.

O relatório do Conselho de Administração reflecte, de forma precisa, as actividades promovidas e desenvolvidas pela Sociedade no ano de exercício ora em apreço.

Tendo em atenção o relatório apresentado pelo auditor externo, esta sociedade concorda com o exposto no referido relatório, sendo que os documentos que serviram de base à elaboração das contas reflectem, de forma correcta e real, a situação financeira demonstrada no balanço com data de 31 de Dezembro de 2018, bem como o resultado financeiro do exercício findo em 31 de Dezembro de 2018.

Recapitulando o acima exposto, decidimos aprovar o referido relatório de actividades e contas do Conselho de Administração.

Macau, aos 21 de Março de 2019.

CSC & Associados — Sociedade de Auditores
(Representada por Chui Sai Cheong)
Fiscal Único

Relatório de Auditor Independente sobre Demonstrações Financeiras Resumidas

Para os accionistas da Sociedade Financeira ICBC (Macau) Capital, S.A.
(Sociedade Anónima constituída em Macau)

Procedemos à auditoria das demonstrações financeiras da Sociedade Financeira ICBC (Macau) Capital, S.A. relativas ao ano de 2018, nos termos das Normas de Auditoria e Normas Técnicas de Auditoria da Região Administrativa Especial de Macau. No nosso relatório, datado de 21 de Março de 2019, expressámos uma opinião sem reservas relativamente às demonstrações financeiras das quais as presentes constituem um resumo.

As demonstrações financeiras a que se acima se alude compreendem o balanço, à data de 31 de Dezembro de 2018, a demonstração de resultados, a demonstração de alterações no capital próprio e a demonstração de fluxos de caixa relativas ao ano findo, assim como um resumo das políticas contabilísticas relevantes e outras notas explicativas.

As demonstrações financeiras resumidas preparadas pela gerência resultam das demonstrações financeiras anuais auditadas e dos livros e registos do Sociedade. Em nossa opinião, as demonstrações financeiras resumidas são consistentes, em todos os aspectos materiais, com as demonstrações financeiras auditadas e os livros e registos do Sociedade.

Para a melhor compreensão da posicão financeira do Sociedade e dos resultados das suas operações, no período e âmbito abrangido pela nossa auditoria, as demonstrações financeiras resumidas devem ser lidas conjuntamente com as demonstrações financeiras das quais as mesmas resultam e com o respectivo relatório de auditoria.

Ieong Lai Kun, Auditor de Contas
KPMG

Macau, 21 de Março de 2019.

Lista das instituições em que a Sociedade detém participações superiores a 5% do respectivo capital
N/A
Lista dos accionistas qualificados
Banco Industrial e Comercial da China (Macau), S.A.
Órgãos Sociais
Conselho de Administração
Sr. Xu Keen Presidente
(Nomeado em 6 de Novembro de 2018)
Sr. Wu Long Presidente
(Renunciou em 6 de Novembro de 2018)
Sr. Huen Wing Ming, Patrick Administrador
Sra. Lin Zi Administradora
Sr. Deng Wanhong Administrador
(Nomeado em 6 de Novembro de 2018)
Sr. Cheng Wing Fai, Patrick Administrador
(Renunciou em 6 de Novembro de 2018)
Mesa da Assembleia
Sr. Jiang Yisheng Presidente
(Nomeado em 29 de Março de 2018)
Sr. Zhu Xiaoping Presidente
(Renunciou em 29 de Março de 2018)
Sr. Huen Chung Yuen, Ian Vice-Presidente
Sr. Wu Zhigang Secretário
(Nomeado em 21 de Março de 2018)
Sr. Zheng Kai Secretário
(Renunciou em 21 de Março de 2018)
Fiscal Único
CSC & Associados — Sociedade de Auditores
(Representada por Sr. Chui Sai Cheong)
Secretário de Sociedade
Sr. Wu Zhigang Secretário
(Nomeado em 21 de Março de 2018)
Sr. Zheng Kai Secretário
(Renunciou em 21 de Março de 2018)

    

Versão PDF optimizada para Adobe Reader 7.0 ou superior.
Get Adobe Reader