Número 22
II
SÉRIE

Quarta-feira, 29 de Maio de 2013

REGIÃO ADMINISTRATIVA ESPECIAL DE MACAU

      Anúncios notariais e outros

第 一 公 證 署

證 明

澳門曼森射擊會

為公佈的目的,茲證明上述社團的設立章程文本自二零一三年五月十六日起,存放於本署的社團及財團存檔文件內,檔案組1號52/2013。

澳門曼森射擊會

第一章

名稱、會址及宗旨

第一條——名稱:

中文名稱:澳門曼森射擊會,中文簡稱:曼森射擊會;

葡文名稱:Clube de Tiro Man Sam de Macau,葡文簡稱:Clube de Tiro Man Sam;

英文名稱:Macau Man Sam Shooting Club,英文簡稱:Man Sam Shooting Club。

第二條——本會會址設於澳門大堂圍22號得福大廈4樓A座。

第三條——宗旨:

(a)促進發展青少年射擊運動,參加射擊總會舉辦各項比賽;

(b)提供本會會員各項文娛、體育活動;

(c)參加射擊培訓及各項合法的活動。

第二章

會員的權利與義務

第四條——有以下兩種會員:

(1)普通會員:由一名會員介紹而申請入會者,經理事會批准,成為普通會員。

(2)名譽會員:普通會員對本會有貢獻,經理事會提名、通過,成為名譽會員。

第五條——會員的權利與義務:

(a)出席會員大會,參加討論及投票,有選舉權及被選權;

(b)參加本會主辦之各項活動;

(c)咨詢本會事務。

第六條——當會員行為有損本會名譽時,理事會有權開除該會員會籍。

第七條——會員退會,必須用書面通知理事會,並清繳會費及所欠會內費用。

第三章

本會組織

第八條——本會組織:

(1)會員大會;

(2)理事會;

(3)監事會。

會員大會

第九條——會員大會是所有會員參加的會議,設有主席一名及秘書一名,通常會議每年一月份召開。由會員大會主席主持之,如主席不能出席,由理事長或臨時推選一人主持會議,在特別情況下,理事會可以提出召開會員大會。會員大會最少在召開前八日,以掛號信方式寄召集通知書給會員,或透過簽收方式將召集通知書交給會員。召集書內容包括會議日期、時間、地點及議程。

第十條——會員大會的職責:

(a)訂定本會方針;

(b)討論、表決有關本會章程及會內規則;

(c)選舉及罷免理事會及監事會的成員;

(d)審議及通過每年的會務報告及賬目。

理事會

第十一條——理事會由單數成員組成。設理事長一名、副理事長、秘書、財政及理事各若干名。

第十二條——理事會的職能:

(a)執行會員大會的決定及處理會務;

(b)議決通過會員申請入會、退會及停止會員資格;

(c)執行其職責範圍內的處分;

(d)編制年報及有關賬目。

監事會

第十三條——監事會由單數成員組成。設監事長一名、秘書及監事各若干名。

第十四條——監事會的職能:

(a)監察理事會的運作;

(b)查核本會財物、活動及年度報告;

(c)監督理事會工作,有需要時,派代表出席理事會會議。

第四章

選舉

第十五條——每叁年在會員大會時進行選舉,以絕對多數票選出新一屆會員大會主席團、理事會及監事會等成員,不記名投票。

第五章

本會之經費

第十六條——本會會員有義務繳交會費;本會部分經費由名譽會員、顧問、會員或其他贊助人等捐贈。

第十七條——未得理事會同意,本會會員不得向外籌募經費。

第六章

附則

第十八條——本章程未列明的事項,得由會員大會決定之,及按現行法律規範之。

第十九條——修改章程的決議,須獲出席會員四分之三之贊同票。解散法人或延長法人存續期之決議,須獲全體會員四分之三之贊同票。

二零一三年五月十六日於第一公證署

公證員 盧瑞祥


第 一 公 證 署

證 明

澳門新萬科射擊會

為公佈的目的,茲證明上述社團的設立章程文本自二零一三年五月十六日起,存放於本署的社團及財團存檔文件內,檔案組1號54/2013。

澳門新萬科射擊會

第一章

名稱、會址及宗旨

第一條——名稱:

中文名稱:澳門新萬科射擊會,中文簡稱:新萬科射擊會;

葡文名稱:Clube de Tiro San Man Fo de Macau,葡文簡稱:Clube de Tiro San Man Fo;

英文名稱:Macau San Man Fo Shooting Club,英文簡稱:San Man Fo Shooting Club。

第二條——本會會址設於澳門高地烏街54號海暉閣13樓A座。

第三條——宗旨:

(a)促進發展青少年射擊運動,參加射擊總會舉辦各項比賽;

(b)提供本會會員各項文娛、體育活動;

(c)參加射擊培訓及各項合法的活動。

第二章

會員的權利與義務

第四條——有以下兩種會員:

(1)普通會員:由一名會員介紹而申請入會者,經理事會批准,成為普通會員。

(2)名譽會員:普通會員對本會有貢獻,經理事會提名、通過,成為名譽會員。

第五條——會員的權利與義務:

(a)出席會員大會,參加討論及投票,有選舉權及被選權;

(b)參加本會主辦之各項活動;

(c)咨詢本會事務。

第六條——當會員行為有損本會名譽時,理事會有權開除該會員會籍。

第七條——會員退會,必須用書面通知理事會,並清繳會費及所欠會內費用。

第三章

本會組織

第八條——本會組織:(1)會員大會;(2)理事會;(3)監事會。

會員大會

第九條——會員大會是所有會員參加的會議,設有主席一名及秘書一名,通常會議每年一月份召開。由會員大會主席主持之,如主席不能出席,由理事長或臨時推選一人主持會議,在特別情況下,理事會可以提出召開會員大會。會員大會最少在召開前八日,以掛號信方式寄召集通知書給會員,或透過簽收方式將召集通知書交給會員。召集書內容包括會議日期、時間、地點及議程。

第十條——會員大會的職責:

(a)訂定本會方針;

(b)討論、表決有關本會章程及會內規則;

(c)選舉及罷免理事會及監事會的成員;

(d)審議及通過每年的會務報告及賬目。

理事會

第十一條——理事會由單數成員組成。設理事長一名、副理事長、秘書、財政及理事各若干名。

第十二條——理事會的職能:

(a)執行會員大會的決定及處理會務;

(b)議決通過會員申請入會、退會及停止會員資格;

(c)執行其職責範圍內的處分;

(d)編制年報及有關賬目。

監事會

第十三條——監事會由單數成員組成。設監事長一名、秘書及監事各若干名。

第十四條——監事會的職能:

(a)監察理事會的運作;

(b)查核本會財物、活動及年度報告;

(c)監督理事會工作,有需要時,派代表出席理事會會議。

第四章

選舉

第十五條——每叁年在會員大會時進行選舉,以絕對多數票選出新一屆會員大會主席團、理事會及監事會等成員,不記名投票。

第五章

本會之經費

第十六條——本會會員有義務繳交會費;本會部分經費由名譽會員、顧問、會員或其他贊助人等捐贈。

第十七條——未得理事會同意,本會會員不得向外籌募經費。

第六章

附則

第十八條——本章程未列明的事項,得由會員大會決定之,及按現行法律規範之。

第十九條——修改章程的決議,須獲出席會員四分之三之贊同票。解散法人或延長法人存續期之決議,須獲全體會員四分之三之贊同票。

二零一三年五月十六日於第一公證署

公證員 盧瑞祥


第 一 公 證 署

證 明

澳門新科研射擊會

為公佈的目的,茲證明上述社團的設立章程文本自二零一三年五月十六日起,存放於本署的社團及財團存檔文件內,檔案組1號55/2013。

澳門新科研射擊會

第一章

名稱、會址及宗旨

第一條——名稱:

中文名稱:澳門新科研射擊會,中文簡稱:新科研射擊會;

葡文名稱:Clube de Tiro San Fo In de Macau ,葡文簡稱:Clube de Tiro San Fo In;

英文名稱:Macau San Fo In Shooting Club,英文簡稱:San Fo In Shooting Club。

第二條——本會會址設於澳門林茂海邊大馬路海擎天第三座7樓S。

第三條——宗旨:

(a)促進發展青少年射擊運動,參加射擊總會舉辦各項比賽;

(b)提供本會會員各項文娛、體育活動;

(c)參加射擊培訓及各項合法的活動。

第二章

會員的權利與義務

第四條——有以下兩種會員:

(1)普通會員:由一名會員介紹而申請入會者,經理事會批准,成為普通會員。

(2)名譽會員:普通會員對本會有貢獻,經理事會提名、通過,成為名譽會員。

第五條——會員的權利與義務:

(a)出席會員大會,參加討論及投票,有選舉權及被選權;

(b)參加本會主辦之各項活動;

(c)咨詢本會事務。

第六條——當會員行為有損本會名譽時,理事會有權開除該會員會籍。

第七條——會員退會,必須用書面通知理事會,並清繳會費及所欠會內費用。

第三章

本會組織

第八條——本會組織:(1)會員大會;(2)理事會;(3)監事會。

會員大會

第九條——會員大會是所有會員參加的會議,設有主席一名及秘書一名,通常會議每年一月份召開。由會員大會主席主持之,如主席不能出席,由理事長或臨時推選一人主持會議,在特別情況下,理事會可以提出召開會員大會。會員大會最少在召開前八日,以掛號信方式寄召集通知書給會員,或透過簽收方式將召集通知書交給會員。召集書內容包括會議日期、時間、地點及議程。

第十條——會員大會的職責:

(a)訂定本會方針;

(b)討論、表決有關本會章程及會內規則;

(c)選舉及罷免理事會及監事會的成員;

(d)審議及通過每年的會務報告及賬目。

理事會

第十一條——理事會由單數成員組成。設理事長一名、副理事長、秘書、財政及理事各若干名。

第十二條——理事會的職能:

(a)執行會員大會的決定及處理會務;

(b)議決通過會員申請入會、退會及停止會員資格;

(c)執行其職責範圍內的處分;

(d)編制年報及有關賬目。

監事會

第十三條——監事會由單數成員組成。設監事長一名、秘書及監事各若干名。

第十四條——監事會的職能:

(a)監察理事會的運作;

(b)查核本會財物、活動及年度報告;

(c)監督理事會工作,有需要時,派代表出席理事會會議。

第四章

選舉

第十五條——每叁年在會員大會時進行選舉,以絕對多數票選出新一屆會員大會主席團、理事會及監事會等成員,不記名投票。

第五章

本會之經費

第十六條——本會會員有義務繳交會費;本會部分經費由名譽會員、顧問、會員或其他贊助人等捐贈。

第十七條——未得理事會同意,本會會員不得向外籌募經費。

第六章

附則

第十八條——本章程未列明的事項,得由會員大會決定之,及按現行法律規範之。

第十九條——修改章程的決議,須獲出席會員四分之三之贊同票。解散法人或延長法人存續期之決議,須獲全體會員四分之三之贊同票。

二零一三年五月十六日於第一公證署

公證員 盧瑞祥


第 一 公 證 署

證 明

澳門首鋼射擊會

為公佈的目的,茲證明上述社團的設立章程文本自二零一三年五月十六日起,存放於本署的社團及財團存檔文件內,檔案組1號53/2013。

澳門首鋼射擊會

第一章

名稱、會址及宗旨

第一條——名稱:

中文名稱:澳門首鋼射擊會,中文簡稱:首鋼射擊會;

葡文名稱:Clube de Tiro Sao Kong de Macau,葡文簡稱:Clube de Tiro Sao Kong;

英文名稱:Macau Sao Kong Shooting Club,英文簡稱:Sao Kong Shooting Club。

第二條——本會會址設於澳門雅廉訪大馬路59號越秀花園23樓H座。

第三條——宗旨:

(a)促進發展青少年射擊運動,參加射擊總會舉辦各項比賽;

(b)提供本會會員各項文娛、體育活動;

(c)參加射擊培訓及各項合法的活動。

第二章

會員的權利與義務

第四條——有以下兩種會員:

(1)普通會員:由一名會員介紹而申請入會者,經理事會批准,成為普通會員。

(2)名譽會員:普通會員對本會有貢獻,經理事會提名、通過,成為名譽會員。

第五條——會員的權利與義務:

(a)出席會員大會,參加討論及投票,有選舉權及被選權;

(b)參加本會主辦之各項活動;

(c)咨詢本會事務。

第六條——當會員行為有損本會名譽時,理事會有權開除該會員會籍。

第七條——會員退會,必須用書面通知理事會,並清繳會費及所欠會內費用。

第三章

本會組織

第八條——本會組織:(1)會員大會;(2)理事會;(3)監事會。

會員大會

第九條——會員大會是所有會員參加的會議,設有主席一名及秘書一名,通常會議每年一月份召開。由會員大會主席主持之,如主席不能出席,由理事長或臨時推選一人主持會議,在特別情況下,理事會可以提出召開會員大會。會員大會最少在召開前八日,以掛號信方式寄召集通知書給會員,或透過簽收方式將召集通知書交給會員。召集書內容包括會議日期、時間、地點及議程。

第十條——會員大會的職責:

(a)訂定本會方針;

(b)討論、表決有關本會章程及會內規則;

(c)選舉及罷免理事會及監事會的成員;

(d)審議及通過每年的會務報告及賬目。

理事會

第十一條——理事會由單數成員組成。設理事長一名、副理事長、秘書、財政及理事各若干名。

第十二條——理事會的職能:

(a)執行會員大會的決定及處理會務;

(b)議決通過會員申請入會、退會及停止會員資格;

(c)執行其職責範圍內的處分;

(d)編制年報及有關賬目。

監事會

第十三條——監事會由單數成員組成。設監事長一名、秘書及監事各若干名。

第十四條——監事會的職能:

(a)監察理事會的運作;

(b)查核本會財物、活動及年度報告;

(c)監督理事會工作,有需要時,派代表出席理事會會議。

第四章

選舉

第十五條——每叁年在會員大會時進行選舉,以絕對多數票選出新一屆會員大會主席團、理事會及監事會等成員,不記名投票。

第五章

本會之經費

第十六條——本會會員有義務繳交會費;本會部分經費由名譽會員、顧問、會員或其他贊助人等捐贈。

第十七條——未得理事會同意,本會會員不得向外籌募經費。

第六章

附則

第十八條——本章程未列明的事項,得由會員大會決定之,及按現行法律規範之。

第十九條——修改章程的決議,須獲出席會員四分之三之贊同票。解散法人或延長法人存續期之決議,須獲全體會員四分之三之贊同票。

二零一三年五月十六日於第一公證署

公證員 盧瑞祥


第 一 公 證 署

證 明

澳門新銀川射擊會

為公佈的目的,茲證明上述社團的設立章程文本自二零一三年五月十六日起,存放於本署的社團及財團存檔文件內,檔案組1號51/2013。

澳門新銀川射擊會

第一章

名稱、會址及宗旨

第一條——名稱:

中文名稱:澳門新銀川射擊會,中文簡稱:新銀川射擊會;

葡文名稱:Clube de Tiro San Ngan Chun de Macau ,葡文簡稱:Clube de Tiro San Ngan Chun;

英文名稱:Macau San Ngan Chun Shooting Club,英文簡稱:San Ngan Chun Shooting Club。

第二條——本會會址設於澳門大堂街22號地下。

第三條——宗旨:

(a)促進發展青少年射擊運動,參加射擊總會舉辦各項比賽;

(b)提供本會會員各項文娛、體育活動;

(c)參加射擊培訓及各項合法的活動。

第二章

會員的權利與義務

第四條——有以下兩種會員:

(1)普通會員:由一名會員介紹而申請入會者,經理事會批准,成為普通會員。

(2)名譽會員:普通會員對本會有貢獻,經理事會提名、通過,成為名譽會員。

第五條——會員的權利與義務:

(a)出席會員大會,參加討論及投票,有選舉權及被選權;

(b)參加本會主辦之各項活動;

(c)咨詢本會事務。

第六條——當會員行為有損本會名譽時,理事會有權開除該會員會籍。

第七條——會員退會,必須用書面通知理事會,並清繳會費及所欠會內費用。

第三章

本會組織

第八條——本會組織:(1)會員大會;(2)理事會;(3)監事會。

會員大會

第九條——會員大會是所有會員參加的會議,設有主席一名及秘書一名,通常會議每年一月份召開。由會員大會主席主持之,如主席不能出席,由理事長或臨時推選一人主持會議,在特別情況下,理事會可以提出召開會員大會。會員大會最少在召開前八日,以掛號信方式寄召集通知書給會員,或透過簽收方式將召集通知書交給會員。召集書內容包括會議日期、時間、地點及議程。

第十條——會員大會的職責:

(a)訂定本會方針;

(b)討論、表決有關本會章程及會內規則;

(c)選舉及罷免理事會及監事會的成員;

(d)審議及通過每年的會務報告及賬目。

理事會

第十一條——理事會由單數成員組成。設理事長一名、副理事長、秘書、財政及理事各若干名。

第十二條——理事會的職能:

(a)執行會員大會的決定及處理會務;

(b)議決通過會員申請入會、退會及停止會員資格;

(c)執行其職責範圍內的處分;

(d)編制年報及有關賬目。

監事會

第十三條——監事會由單數成員組成。設監事長一名、秘書及監事各若干名。

第十四條——監事會的職能:

(a)監察理事會的運作;

(b)查核本會財物、活動及年度報告;

(c)監督理事會工作,有需要時,派代表出席理事會會議。

第四章

選舉

第十五條——每叁年在會員大會時進行選舉,以絕對多數票選出新一屆會員大會主席團、理事會及監事會等成員,不記名投票。

第五章

本會之經費

第十六條——本會會員有義務繳交會費;本會部分經費由名譽會員、顧問、會員或其他贊助人等捐贈。

第十七條——未得理事會同意,本會會員不得向外籌募經費。

第六章

附則

第十八條——本章程未列明的事項,得由會員大會決定之,及按現行法律規範之。

第十九條——修改章程的決議,須獲出席會員四分之三之贊同票。解散法人或延長法人存續期之決議,須獲全體會員四分之三之贊同票。

二零一三年五月十六日於第一公證署

公證員 盧瑞祥


2.º CARTÓRIO NOTARIAL DE MACAU

CERTIFICADO

澳門社區家庭醫生學會

英文名稱為“Macau Community Family Physicians Society”

為公佈之目的,茲證明上述社團之章程已於二零一三年五月十六日,存檔於本署之2013/ASS/M2檔案組內,編號為118號,有關條文內容如下:

澳門社區家庭醫生學會

章程

第一條

名稱、宗旨、會址和存續期

1. 本會中文名稱為“澳門社區家庭醫生學會”,英文名稱為“Macau Community Family Physicians Society”,以下簡稱“本會”,並受本章程及本澳現行有關法律條款所管轄。

2. 本會是非牟利醫生專業學術團體,宗旨為愛國愛澳,支持特區政府依法施政;團結社區家庭醫生,加強彼此間的溝通和合作;維護社區家庭醫生的合理、合法權益;與國內外醫療界進行交流,促進澳門醫療水平的提高;舉辦醫療、健康教育活動,共建醫護同心、醫患和諧社會。

3. 本會會址設於澳門柯利維喇街13A德麗閣地舖。經理事會決議可更換會址和設立辦事處。

4. 本會的存續期屬無期限。

第二條

會員

1. 澳門永久居民,凡在本澳從事社區家庭醫學科領域工作的西醫,認同本會章程,可辦理入會申請手續,經理事會批准,繳納會費後即成為本會會員。

2. 本會會員有權選舉和被選舉、參與本會舉辦的活動、享受本會提供的福利。

3. 本會會員有義務遵守本會章程、執行本會決議、維護本會聲譽、按時繳交會費。

4. 入會費和會員年費由會員大會訂定。

第三條

本會機關

1. 會員大會,決定及檢討本會會務,協商或選舉理、監事會成員及修訂本會章程。每年召開一次平常會議,由理事會最少提前八日以掛號信方式或最少提前八日透過簽收方式召集,召集書內應指出會議之日期、時間、地點及議程,須有過半數會員出席方可作出決議;如在原定時間經過半小時後,出席會員人數仍未過半,則視為已作出第二次召集,此時,只需四分之一以上會員出席便可作出決議。決議取決於出席會員絕對多數票,但修改章程之決議須獲出席會員四分之三贊同票,解散本會須獲全體會員四分之三贊同票。

2. 會長主持會員大會,依照本會的宗旨,決定工作方針路線、工作任務及工作計劃。對外代表本會推廣本會宗旨,加強對外的友誼與交流,對內協調本會與諮詢委員會工作,審閱理、監事會之工作報告、財務報告及意見書。

3. 理事會為本會的執行機關。負責召開會員大會,並執行本會的決議,向本會作工作及財務報告,並提出年度工作方針及建議,主持及處理各項會務工作,批核入會申請,協同監事會進行換屆選舉工作。理事會設理事長一人,副理事長若干人,其成員總數必須為單數。

4. 監事會為本會的監察機關,監察及審議理事會的工作及財務報告,查核本會的財產,就監察活動編寫年度報告,協同理事會進行換屆選舉工作。監事會設監事長一人,副監事長若干人,其成員總數必須為單數。

5. 首屆會長、理事會、監事會成員由籌備小組提名。續後每屆以組閣形式經由會員大會協商或選舉產生,每屆任期為期三年。

第四條

財產和經費

1. 本會財產和經費來自會員會費,以及會員、團體及/或個人贊助及捐獻、政府資助、補助或津貼、管理本會資產所衍生的收益、推行會務所得收入以及其他合法收入。

2. 本會的支出由所有與本會宗旨一致的活動開支所構成。

第五條

內部規章

本會各組織可設有關內部規章,訂定各組織的運作、財務運作細則、成員紀律以及其他本章程未完善事宜,有關條文由理事會制定。

Está conforme.

Segundo Cartório Notarial de Macau, aos dezasseis de Maio de dois mil e treze. — A Ajudante, Wong Wai Wa.


2.º CARTÓRIO NOTARIAL DE MACAU

CERTIFICADO

澳門阿彌陀佛關懷中心

葡文名稱為“Amitofo Cuidado Centro de Macau”

葡文簡稱為“ACC Macau”

英文名稱為“Amitofo Care Centre Macau”

英文簡稱為“ACC Macau”

為公佈之目的,茲證明上述社團之章程已於二零一三年五月十六日,存檔於本署之2013/ASS/M2檔案組內,編號為115號,有關條文內容如下:

澳門阿彌陀佛關懷中心

章程

第一章

總則

第一條

名稱、性質及期限

本會中文名稱為“澳門阿彌陀佛關懷中心”,葡文名稱為“Amitofo Cuidado Centro de Macau”,葡文簡稱為“ACC Macau”,英文名稱為“Amitofo Care Centre Macau”,英文簡稱為“ACC Macau”,屬具有法人地位的非牟利社團,受本章程及澳門現行有關法律條款管轄;其存續不設期限。

第二條

住所及辦事處

本會設於澳門羅理基博士大馬路223-225號南光大廈8樓J2座,可根據需要設立辦事處。經理事會批准,本會會址可遷至澳門任何其他地方。

第三條

宗旨

一、本會宗旨從事人道關懷、慈善救濟、孤兒助養及教育工作;以及促進中非文化交流。

本會接受各界正當資財的捐獻,善款款項運用於日常撫育孤兒開銷之外,也用作建房舍、教室、醫療室等,以期收容和撫育更多孤兒的非牟利組織。

二、本會之主要活動不能涉及政治宣傳,或企圖影響立法,亦不能參與或干預(包括出版及派發單張)任何公職候選人之政治競選活動。

三、為了進行上述目的,本會可進行以下活動:

(1)依法通過各種活動合法籌集善款;

(2)依法接受澳門特區當地或以外的組織、法人或個人提供的資金、物質捐贈、遺產、遺贈及贈與;

(3)透過對本身財產進行投資而取得的動產或不動產,或以其他名義合法取得的動產或不動產;

(4)主辦符合本會宗旨的活動。

第二章

會員

第四條

會員

一、凡認同本會宗旨,願意遵守本會章程,品行端正者,均可申請入會。

二、凡申請入會者,須填寫入會申請表,由本會會員介紹,經理事會審查通過,方得成為會員。

第五條

會員權利

一、參加會員大會;

二、選舉權及被選舉權;

三、對本會會務提建議及意見;

四、參與本會舉辦的一切活動,享有本會為會員所提供之一切福利;

五、退出本會。

第六條

會員義務

一、遵守本會章程並執行本會的決議;

二、推動本會會務開展;

三、參與、支持及協助本會舉辦之各項活動;

四、不得作出任何有損本會聲譽的行動。

第七條

紀律處分

凡違反本會章程、內部規章之條款及參與損害本會聲譽或利益活動的會員將由理事會作出處理。

第三章

機關

第八條

機關

一、會員大會;

二、理事會;

三、監事會。

第九條

會員大會

一、 會員大會為本會最高權力機構,每年召開一次平常會議,由理事長負責召開;在必要的情況下應理事會或不少於二分之一會員以正當目的提出之要求,亦得召開特別會議。

二、召集須以掛號信的形式提前至少8天寄往會員的住所或透過由會員簽收之方式代替,該召集書內應註明會議召開的日期、時間、地點和議程。

(1)第一次召集時,有最少一半會員出席,才能作出任何決議;

(2)召集通知書內可訂定若第一次召集的時間已屆,法定人數不足,則於半小時後視為第二次召集,屆時則不論出席之會員人數多少均視為有效。

第十條

會員大會職權

一、 制定及修改本會章程及內部規章,修改章程須得到會員大會出席人數的四分之三通過;

二、選舉理事會、監事會之成員;

三、審議及通過理事會的工作報告和財務報告,以及監事會的相關意見書;

四、決定本會會務方針及作出相應決議;

五、通過翌年度的活動計劃及預算;

六、解散本會須得到全體會員人數的四分之三通過。

第十一條

理事會

一、理事會成員由會員大會選出,成員人數不能少於三人亦不能超過三十一人,其總數目必須為單數;

二、理事會設理事長一名及理事若干人,司庫及秘書長各一名;任期壹年,連選得連任;

三、在不妨礙上述第一條所述機關之權限下,本會得按實際需要設立其他技術性輔助單位,其設立、組成與運作均受本章程及會員大會通過的內部規章規範。

第十二條

理事會職權

一、執行會員大會決議;

二、負責本會之日常管理;管控及監察本會之事務、經營、活動、財產及資產,並且可以訂立規則、條例及指引,以達致擴展並推進本會或其他理事會認為合宜之目的;

三、主持及處理各項會務工作;

四、向會員大會提交工作報告;

五、根據工作需要,決定設立專門委員會及工作機構,並任免其領導成員;

六、本章程及法律規定的其他權限。

第十三條

理事會會議

一、理事會之會議每六個月舉行一次,由理事長召集及主持。如理事長缺席,理事會成員可自行決定該次會議之主持人。

二、決議取決於出席理事之過半數票,理事長除本身之票外,遇票數相同時,有權再投一票。

三、本會之理事會成員可以通過視像會議方式、電話會議或其他類似之通訊方式,同時在不同地方參加理事會之會議。該等視像會議、電話會議或其他類似之通訊方式必須可以讓所有在不同地方出席會議之人士能適當參與會議及直接對話,而以此等形式參與會議等同親自出席會議。

第十四條

監事會

監事會由大會選出,其人數為單數,設立監事長一人;任期壹年,連選得連任。

第十五條

監事會職權

一、監察會員大會的決議的執行、監督理事會的運作;監察及保障本會的資產;

二、監督各項會務工作的進展;就其監察活動編制年度報告;向理事會覆核和建議財政預算,以供所有理事會成員批核;

三、監察財政預算之實施及財務程序;向會員大會報告工作;

四、審核每月財務報告;

五、監察本會之投資,包括基本財產;

六、確保本會保存準確及完整之財務紀錄;

七、確保財務報告符合法律之有關規定;

八、檢討年度帳目審計並建議會計師樓處理審計;

九、協助所有理事會成員了解本會之財政事務;

十、與審計人員開會並向所有理事會成員匯報;

十一、預期可能會發生的財務問題;

十二、確保本會備有足夠之保險額;

十三、為本會訂立和定期更新長遠之財務計劃;

十四、法律及章程規定的其他職責。

第十六條

本會的簽名方式

一、關於具法律效力之行為及文件,由理事長與任何一名其他理事會成員之共同簽名代表本會,但不妨礙理事會可議決指定文件之簽署方式。

二、本會的一般日常管理及所有不超過理事會決議所指定款額界限之支票、付款要求及本會之票據,可由理事長、司庫或其他理事會不時指定之其他人士單獨簽署。

第十七條

利益衝突

若理事或職員與本會有利益衝突,理事會之會議紀錄應顯示利益衝突經已披露,所涉人士並未出席有關事宜之最終商討或投票,並且沒有參與表決。如有懷疑是否存在利益衝突,應透過理事會其他非涉及人士投票解決。

第四章

附則

第十八條

經費

本會經費來自管理本會資產所衍生的收益、推行會務所得收入、團體或個人贊助及捐贈、政府資助以及其他合法收入。

第十九條

其他規條

本章程如有未盡善處,由會員大會修改或依照澳門現行法例處理。

Está conforme.

Segundo Cartório Notarial de Macau, aos dezasseis de Maio de dois mil e treze. — A Ajudante, Wong Wai Wa.


CARTÓRIO NOTARIAL DAS ILHAS

CERTIFICADO

中華(澳門)發展與合作促進會

為公布的目的,茲證明上述社團的設立章程文本自二零一三年五月二十日起,存放於本署之“2013年社團及財團儲存文件檔案”第1/2013/ASS檔案組第40號,有關條文內容載於附件。

中華(澳門)發展與合作促進會

章程

第一章

總則

一、名稱及會址

本會是經澳門特別行政區政府註冊的非牟利社團組織。

本會中文名稱:「中華(澳門)發展與合作促進會」;英文名稱:China (Macau) Development & Cooperation Promotion Association,英文縮寫:CDCPA;葡文名稱:Associação para Desenvolvimento e Cooperação Promoção da China (Macau),葡文縮寫:ADCPC。

本會中文會址:澳門佛山街51號新建業商業中心19樓B;本會葡文會址:Rua de Foshan n.º 51, Centro Comercial San Kin Yip, 19.º andar B, Macau。本會可透過會員大會決議遷址。

二、宗旨和目標

本會以“連結海內外地區、團結各方友好人士、促進澳門與大中華地區多元合作、建設國家、繁榮澳門”為宗旨,以實現“共同建設中華民族美好家園、共享多元發展成果”為目標,發揮澳門的作用和優勢,廣交各方友好,構建澳門與大中華之間的交流與合作平臺,互補優勢、資源共享、攜手共進,推動澳門與大中華地區的雙向投資、合作與發展;弘揚中華傳統文化、促進睦鄰友好、實現和平發展理念,積極參與民間外交,為祖國和平統一大業發揮應有作用。

三、會員組成

本會成員由澳門、內地、香港、台灣和海外支持國家建設,熱心社會事務的企業家、社會人士和專家學者組成。本會立足澳門,放眼大中華,關注國際公共事務,熱心慈善公益事務,牽頭組團推動澳門工商界積極參與大中華地區經濟建設,協調解決會員企業大中華地區投資與發展中遇到的困難,為國家、澳門、大中華地區和社會創造財富,為企業帶來可持續發展和榮譽。

四、會務方向

本會將整合會員在大中華地區及國際市場形成的經貿人力資源、市場資源、社會資源,收集並表達會員的意見與觀點,服務于澳門與大中華、澳門與海外的雙向投資、合作與發展事務。

本會將定期為會員提供經濟發展形勢研判、市場分析及商貿動態資訊,提供諮詢顧問意見;舉辦專題論壇、專題研討會和講座、會展等交流活動;促進會員之間相互合作、共享經驗、資源與成果。

五、會徽

本會會徽會構圖表達寓意為:融合海峽兩岸四地的C型祥雲,表達共同實現中華和諧發展之内涵。

第二章

會員

六、會員資格

凡是澳門、内地、港台地區和海外政學商界人士或企業及社團贊同本會之宗旨、承認本會會章,依期繳交會費,經會員一人介紹,由理事會審查通過後,成為本會之普通或永久會員。

七、會員權利及義務

會員有選舉權、被選權,表達意見參加本會舉辦活動、依照規定享用本會各種資訊之權利。會員有繳交會費及參與會務工作之義務。會員若欠交會費、違反本會會章,損害本會權益及聲譽者,經理事會審查屬實,可給予提示、勸告或免除其會籍。

第三章

組織

八、組織架構

本會領導架構為會員大會、理事會、監事會。

1、會員大會

會員大會為本會最高領導機構,負責制訂、通過和修改會章,審議及通過理事會提交之工作報告及監事會財務報告。會員大會設會長暨主席一人,秘書一人,副會長若干人。

會員大會每年召開一次,由會員大會主席負責召開。召開會員大會通知書須於開會前提前八天以掛號信形式發給會員或以簽收方式通知。

若有必要時,由全體會員半數或以上聯名提請,會員大會主席臨時召開之。會員大會最少由全體會員半數或以上出席方為有效。若人數不足,得順延半小時召開。順延召開之會員大會不論人數多少均作有效。會員大會閉會期間,理事長負責督促及協調本會之會務工作。

2、理事會

理事會為本會之執行機構,負責執行會員大會決議,策劃和推行會務,向會員大會提交工作報告及財務報告。理事會設理事長一人:對內領導日常會務,對外代表本會。理事會由五人或以上單數成員組成,設理事長、副理事長、秘書長、副秘書長和理事等若干人,理事會由會員大會選舉產生,一屆任期三年。理事會工作如下:

(1)為策劃及執行本會活動之常務機構。

(2)遵守履行會員章程和會員大會決議。

(3)決定接納新會員和委員會及中心負責人,對違反本會章程的會員採取處罰。

(4)按本會宗旨,組織澳門各界人士對大中華地區的訪問、交流和考察活動,舉辦各種合作交流會議、展覽,以推動澳門與大中華地區合作的可持續發展。

3、監事會

監事會由三至七位成員組成,總人數為單數。包括監事長一人,副監事長及監事,由會員大會選出。一屆任期三年。監事會的職權範圍是監察會務,包括監管選舉的投票,定期監閱及監察理事會的帳目,並對年度報告提出意見。

4、名譽會長及顧問

經由本會領導架構成員聯合會議提名通過,本會得聘請長期熱心支持本會之社會賢達擔任名譽會長。經由本會領導架構成員聯合會議提名通過,本會得聘請若干名譽顧問及會務顧問,支持及推動會務之發展。

第四章

本會經費來源

九、本會經費來源如下

1、會員入會費和常年會費;

2、會員、熱心人士、公共或私人實體的捐獻及贊助;

3、本會接受政府、機構及各界人士捐獻及資助;

4、會費產生之利息等其他收入。

第五章

本會組織架構成員之任期及請辭

十、任期

1、領導架構成員於享有會員權利之會員中透過選舉產生,任期三年,連選得連任。

2、組織架構成員應於有關選舉進行後十五天內開始履行職務,直至屆滿為止。

十一、請辭

會員大會、理事會、監事會接受其有關成員在任期內之辭職,並向隨後之會員大會作出報告,由該次會員大會進行補選。

第六章

附則

十二、本會之解散

本會為持續發展之社團,但如因特別理由需要解散,依法必須經會員大會投票,須獲全體會員四分之三票數贊成通過方為有效。清盤工作由最後一屆之理事會負責。清盤後之盈餘,本會之成員不得分享其任何利益或資產,須捐作慈善用途或用作資助與本會宗旨相同之機構。

十三、章程之修改及未竟事宜

本章程之修改權屬本會會員大會。有關未盡事宜,經過本會理事會商議後,提交修改或補充內容,並須獲出席會員四分之三票數贊成通過方為有效修改和補充,同時記錄在冊。

二零一三年五月二十日於海島公證署

一等助理員 林志堅


CARTÓRIO NOTARIAL DAS ILHAS

CERTIFICADO

澳門新一代創業協會

為公布的目的,茲證明上述社團的設立章程文本自二零一三年五月二十一日起,存放於本署之“2013年社團及財團儲存文件檔案”第1/2013/ASS檔案組第41號,有關條文內容載於附件。

澳門新一代創業協會

章程

第一章

總則

第一條——本會定名為“澳門新一代創業協會”,(以下稱本會)。

第二條——本會是一個以愛國愛澳為基調,透過舉辦各項活動、培訓計劃及相關研究,以啟發澳門青年創新思維,培養創造能力,帶動青年圓夢為宗旨的非牟利青年組織。

第三條——本會會址位於澳門黑沙環永華街37-53號僑光大廈11樓C座。經理事會同意,會址可以遷移至本澳其他地方。

第二章

會員

第四條——凡贊同本會宗旨,填寫入會申請表,經理事會審批,即可成為會員。

第五條——權利與義務

(一)會員享有選舉權、被選舉權及表決權,有向本會提出批評和建議的權利。可按相關條件參加本會舉辦的一切活動並享有作為會員的權益。

(二)會員有遵守章程,服從議決,繳交會費及其他義務。

(三)會員如有違反章程,破壞本會聲譽者,得由理事會按照情節輕重予以勸告、警告或開除會籍之處分。

(四)凡無理欠繳會費一年或以上者,即喪失會員之一切權益,但仍保留會員身份;且該會員有權利在補交會費後向本會申請恢復會員權益。

第三章

組織架構

第六條——本會組織架構包括會員大會、理事會及監事會。本會可因應情況聘請多名永遠榮譽會長,榮譽會長、會務顧問等職銜,以助本會會務發展。

第七條——會員大會

(一)會員大會為本會最高權力機構。其設會長一人,副會長若干人及大會秘書若干人。

(二)會員大會定期會議每年舉行一次,由理事會召集,有必要時得由理事會提前或延期召開,會員大會的召開日期需提前最少八天以掛號信形式通知。

(三)會員大會由會長負責主持,如會長缺席,由其授權之會員大會成員或第一、二副會長依次代替主持。

(四)會員大會的職權是聽取和審查理事會工作報告、財務報告;決定會務方針;選舉或罷免會長、副會長及理監事會成員;修改章程和決議其他重大事項。

(五)第一次召集,如法定人數不足,則於半小時後視為第二次召集,屆時則不論出席之會員人數,會議決議以出席會員過四分之三同意生效。

(六)不能出席會員大會的會員可以以書面授權其他會員代表出席,被授權的會員最多只能代表一位不能出席的會員。(此情況下出席人數以兩人計算)。

(七)經由二分之一會員要求,則可召開特別會員大會。

第八條——理事會

(一)理事會由會員大會選舉產生,屬最高執行機關,負責執行本會決議,處理會務及組織本會活動,提交年度管理報告,履行法律及章程所載之其他義務。

(二)理事會人數為單數,設理事長一人,副理事長若干人,理事若干人。

(三)理事會下設培訓部、對外交流部、業務發展部、資訊處及秘書處等部門,以協助理事會開展會務工作。理事會部門可因應會務需要自由進行增減或重組。

(四)理事會可聘請義務或受薪秘書若干人,參與秘書處工作,在秘書長指導下處理日常事務。

第九條——監事會

(一)監事會由會員大會選舉產生,負責監察本會會務、財政運作。

(二)監事會人數為單數,設監事長一人,副監事長若干人,監事若干人。

第十條——本會領導機構成員,任期為三年,連選得連任。

第四章

經費

第十一條——經費來源包括會員會費,政府資助,必要時得向會員和社會人士募集。

第十二條——會費

(一)會費為每年澳門幣貳佰元正。滿三年成為永久會員。

第五章

附則

第十三條——修改本會章程之決議,須獲出席會員四分之三的贊同票;解散本會的決議,須獲全體會員四分之三的贊同票。

第十四條——本會章程解釋權屬會員大會。章程未列明之條文,概依澳門現行《民法典》辦理。

二零一三年五月二十一日於海島公證署

一等助理員 林志堅


CARTÓRIO PRIVADO

MACAU

CERTIFICADO

Associação Macau Século 21

Certifico, para efeitos de publicação, que por escritura de 21 de Maio de 2013, lavrada a folhas 29 e seguintes do livro n.º 256 deste Cartório, foi constituída entre Care, Leanda; Correia Marques da Silva, António; Da Conceição, Sónia de Assunção; da Rosa Estorninho, José Luís; Da Silva Pedruco, Luiz Frederico; Dos Reis Borges, Livio Lionel; Fee, Yun; Gonçalves Marques, João Manuel; Leitão Rodrigues, Humberto Carlos; Liao Minhui; Lumibao, Juan Panfilo Lachica; Marques da Costa Ferreira da Silva, Maria Herminia; Marques da Costa Ferreira da Silva, João Filipe; Macguire, William Bruce; Moura dos Santos, Helder José; Possamai Lumibao, Rebeca; Ribeiro Ferreira da Silva, Gerardo Maria; Simões Cavalheiro, José Jorge; Soares Ferrão Gomes, Dalila; Possamai, Vilma; Vieira Rodrigues, Nuno Miguel, uma associação com a denominação em epígrafe, cujos estatutos constam do articulado em anexo:

Artigo primeiro

A associação adopta o nome Associação Macau Século 21, em chinês 澳門21世紀協會 e em inglês, Macau 21st Century Association, adiante designado por AMS21.

Artigo segundo

Um. A AMS21 tem a sua sede em Macau, RAE, na Avenida da Praia Grande, n.º 665, Edifício Great Will, 14.º andar «B».

Dois. A sede pode ser transferida para outro local na RAEM mediante deliberação da Direcção.

Artigo terceiro

A AMS21 é uma organização sem fins lucrativos que tem como objectivo:

a) Promover a integração e o conhecimento mútuo das diferentes comunidades da RAEM;

b) Promover a noção de cidadania pela discussão das suas múltiplas componentes;

c) Estimular a participação da juventude na discussão dos problemas da Cidade;

d) Organizar e dinamizar actividades culturais e desportivas;

e) Promover contactos entre as diferentes associações existentes, tendo em vista um melhor entendimento das suas actividades e objectivos;

f) Apoio e divulgação de estudos, mormente com origem na RAEM, no âmbito de actividades académicas;

g) Na prossecução dos seus objectivos a AMS21 promove debates, encontros, torneios e quaisquer outras iniciativas que permitam o encontro, discussão e participação dos cidadãos, independentemente das suas opiniões, convicções, estatuto social ou profissional.

Artigo quarto

A AMS21 rege-se pelos presentes estatutos e por regulamentos internos que venham a ser adoptados de acordo com os estatutos.

Artigo quinto

Um. A AMS21 é constituída por sócios fundadores, aderentes, honorários e extraordinários.

Dois. São sócios fundadores os subscritores da escritura de constituição da AMS21.

Três. São sócios aderentes os que a Direcção, a requerimento do interessado, tenha atribuído tal categoria.

Quatro. São sócios honorários as pes­soas singulares ou colectivas a quem a Assembleia Geral, sob proposta da Direcção, atribua tal qualidade honorífica pela relevante colaboração prestada à AMS21.

Cinco. São sócios extraordinários as pessoas colectivas inscritas na AMS21.

Artigo sexto

Um. São direitos dos sócios fundadores, aderentes e extraordinários:

a) Participar e votar nas assembleias gerais;

b) Eleger e ser eleito para os órgãos sociais;

c) Requerer, nos termos estatutários, a convocação de assembleias gerais extraordinárias;

d) Solicitar aos órgãos associativos as informações e esclarecimentos que tiverem por convenientes sobre a actividade da AMS21 e serem informados dos resultados dos trabalhos desenvolvidos;

e) Utilizar, nos termos regulamentares, os serviços que a AMS21 ponha à sua disposição;

f) Ter preferência na utilização dos serviços de investigação e estudos da AMS21 e no acesso aos resultados obtidos.

Artigo sétimo

São deveres dos sócios fundadores, aderentes e extraordinários:

a) Cumprir as obrigações estatutárias e regulamentares, bem como as deliberações da Assembleia Geral;

b) Pagar pontualmente as quotas fixadas pela Assembleia Geral;

c) Aceitar os cargos para que forem eleitos e desempenhar as funções associativas que lhes forem confiadas;

d) Colaborar nas actividades promovidas pela AMS21.

Artigo oitavo

Os sócios extraordinários designam o seu representante para participar nas assembleias gerais e noutras reuniões da AMS21 através de comunicação escrita enviada ao órgão competente.

Artigo nono

Os associados honorários não estão vinculados ao pagamento de quotas e não gozam de direito de voto nas Assembleias Gerais.

Artigo décimo

Perdem a qualidade de sócio:

a) Os que, por escrito, o solicitarem ao órgão competente;

b) Os que, pela sua conduta, contribuam ou concorram para o descrédito, desprestígio ou prejuízo da AMS21;

c) A exclusão de sócios é sempre proposta pela Direcção e só será válida se forem favoráveis à exclusão dois terços dos votos apurados na Assembleia Geral.

Artigo décimo primeiro

Um. Constituem órgãos da AMS21:

a) A Assembleia Geral;

b) A Direcção;

c) O Conselho Fiscal, e;

d) O Conselho Consultivo.

Dois. O primeiro mandato dos membros dos órgãos associativos é de um ano.

Três. O segundo mandato dos membros dos órgãos associativos e subsequentes é de dois anos.

Quatro. O cargo de Presidente da direcção é limitado a dois mandados consecutivos.

Cinco. A tomada de posse dos membros eleitos para os órgãos associativos é dada pelo Presidente da Mesa da Assembleia Geral.

Artigo décimo segundo

A Assembleia Geral é constituída por todos os sócios fundadores, aderentes e extraordinários no pleno gozo dos seus direitos associativos.

Artigo décimo terceiro

Um. A Assembleia Geral é dirigida por uma Mesa composta por um presidente, um vice-presidente e um secretário.

Dois. Ao presidente da Mesa compete dirigir os trabalhos da Assembleia Geral, sendo substituído nas suas ausências e impedimentos pelo vice-presidente.

Artigo décimo quarto

Um. A Assembleia Geral reúne em sessão ordinária ou extraordinária.

Dois. A Assembleia Geral reúne anualmente, em sessão ordinária, para discutir e votar o relatório e contas e o parecer do Conselho Fiscal, relativos ao exercício do ano anterior.

Três. A Assembleia reúne extraordinariamente sempre que para tal convocada, pelos Presidentes da Mesa, da Direcção, do Conselho Fiscal, do Conselho Consultivo, individualmente ou em grupos e ainda a requerimento de pelo menos dez por cento dos associados.

Quatro. A Assembleia Geral é convocada com pelo menos quinze dias de antecedência, através de aviso enviado a todos os sócios para o seu endereço postal ou electrónico.

Artigo décimo quinto

Um. Cada sócio dispõe de um voto.

Dois. É admissível a representação de um sócio por outro, bastando para tal comunicação escrita do representado ao presidente da Mesa.

Três. As deliberações da Assembleia Geral são tomadas por maioria dos votos apurados.

Quatro. Nos casos de empate o presidente da Mesa dispõe de voto de qualidade.

Artigo décimo sexto

Um. A Assembleia Geral só pode deliberar desde que estejam presentes ou representados cinquenta por cento dos seus sócios.

Dois. Em segunda convocatória a Assembleia Geral delibera com qualquer número de sócios.

Artigo décimo sétimo

Um. Compete à Assembleia Geral:

a) Eleger a Mesa da Assembleia Geral, a Direcção e o Conselho Fiscal;

b) Apreciar e votar o relatório e contas, depois de apreciado o parecer do Conselho Fiscal;

c) Apreciar e votar os planos gerais de actividade da AMS21;

d) Deliberar sobre a exclusão de sócios;

e) Outorgar a qualidade de sócio honorário;

f) Alterar os presentes estatutos;

g) Deliberar sobre a dissolução da AMS21 e neste caso, sobre o destino do seu patri­mónio;

h) Decidir de todos os assuntos que interessem à AMS21 e que não caibam na competência de outros órgãos.

Dois. A alteração dos estatutos prevista na alínea f) do número anterior requer a aprovação de pelo menos dois terços dos sócios referidos no artigo 12.º

Artigo décimo oitavo

Um. A Direcção é o órgão associativo que assegura a representação e a gestão da AMS21, sendo composta por um presidente, mínimo de cinco vice-presidentes, dois secretários e um tesoureiro.

Dois. No segundo mandato e subsequentes são cooptados dois vogais a ser nomeados pelo Presidente do Conselho Consultivo.

Três. Compete ao presidente a representação, a administração e gestão corrente da AMS21.

Quatro. Nas faltas e ou impedimentos do presidente, este designará um substituto de entre os vice-presidentes.

Cinco. Ocorrendo vagas na Direcção, cabe ao Presidente da Direcção nomear um substituto até ao fim do mandato.

Artigo décimo nono

Um. A Direcção reúne obrigatoriamente pelo menos uma vez por mês.

Dois. As deliberações da Direcção são tomadas por maioria dos membros presentes, tendo o presidente voto de qualidade.

Artigo vigésimo

Um. À Direcção compete exercer todos os poderes necessários à boa gestão a AMS21 e em particular o seguinte:

a) Elaborar o plano geral de actividades;

b) Elaborar e executar o orçamento;

c) Elaborar o relatório anual e contas do exercício a apresentar à Assembleia Geral;

d) Administrar os bens da AMS21 e dirigir a sua actividade podendo, para esse efeito, contratar pessoal e colaboradores, fixando as respectivas condições de trabalho e exercendo o respectivo poder disciplinar;

e) Representar a AMS21 em juízo e fora dele, activa e passivamente;

f) Admitir novos sócios.

Artigo vigésimo primeiro

Um. A AMS21 obriga-se pelas assinaturas conjuntas de dois membros da Direcção, sendo uma obrigatoriamente do presidente.

Dois. No impedimento do Presidente requer a assinatura de todos os vice-presidentes.

Três. Os actos de mero expediente competem ao Presidente ou quaisquer dos Vice-Presidentes da Direcção.

Artigo vigésimo segundo

Um. O Conselho Fiscal é composto por um presidente, um secretário e um vogal.

Dois. Compete ao Conselho Fiscal fiscalizar os actos de administração, examinar as contas e os livros de contabilidade e de tesouraria da AMS21 e apresentar o respectivo parecer anual à Assembleia Geral.

Artigo vigésimo terceiro

Um. O Conselho Consultivo é um órgão de consulta da Direcção e do Presidente da Associação.

Dois. A qualidade de membro do Conselho Consultivo é vitalícia.

Três. O Conselho Consultivo é composto por todos os membros fundadores e os membros da direcção a medida que deixem de exercer qualquer cargo nos órgãos da Assembleia Geral, Direcção ou Conselho Fiscal.

Quatro. O Presidente do Conselho Consultivo é eleito de entre os anteriores Presidentes da Direcção. Caso não os haja, de entre os seus membros.

Artigo vigésimo quarto

As despesas da AMS21 serão suportadas pelas suas receitas ordinárias, constituídas por:

a) Quotas dos sócios;

b) Rendimentos de bens ou serviços;

c) Subsídios que lhe sejam concedidos;

d) Quaisquer outras receitas, tais como donativos, legados ou outros proventos aceites pela AMS21.

Artigo vigésimo quinto

(Comissão instaladora)

Um. Os órgãos associativos serão eleitos no prazo de seis meses a contar da data de constituição da AMS21.

Dois. Nos primeiros seis meses contados a partir da sua constituição, a AMS21 será dirigido por uma comissão instaladora, composta por mínimo de três sócios fundadores, um dos quais será o presidente e os outros vogais, todos eleitos em reunião dos sócios fundadores a realizar no prazo de quinze dias a contar da data da constituição da AMS21.

Cartório Privado, em Macau, aos vinte e dois de Maio de dois mil e treze. — O Notário, Adelino Correia.


 CARTÓRIO PRIVADO

MACAU

CERTIFICADO

Certifico, que o presente documento de sete folhas, está conforme o original do exemplar dos estatutos da associação denominada“炫之韻藝術團”, depositado neste Cartório, sob o n.º 9 no maço n.º 1 de documentos de associações e fundações do ano de 2013.

炫之韻藝術團章程

第一章

總則(名稱、會址、宗旨)

第一條——本會定名為“炫之韻藝術團”。(以下稱本會)

第二條——本會之會址設在澳門宋玉生廣場335-341號獲多利大廈11樓F座,經理事會決議,會址得遷往澳門任何地方。

第三條——本會宗旨:

1. 弘揚愛祖國、愛澳門、友愛互助之精神,發展和繁榮本澳青年文化藝術事業;

2. 對會員定期組織各類專業培訓活動;

3. 舉辦或參加對會員有意義的各類文藝表演、交流、比賽等活動。

第四條——本會為非牟利組織,為永久性之社團,從註冊成立之日起開始運作。

第二章

會員

第五條——本會含普通會員、資深會員、榮譽會員、團體會員四種。其中申請資格分別如下:

1. 普通會員:凡澳門科技大學正式註冊的本科生、研究生及預科生、畢業生、肄業生、在校任教、任職超過兩年之教職員工,贊同本章程,奉行本會宗旨,填寫入會申請表,繳交會費,經理事會批准後可成為普通會員。

2. 資深會員:對本會有突出貢獻的普通會員,通過理事會的審批後可成為資深會員。

3. 榮譽會員:凡對本會的發展有所貢獻或在社會某領域內有成就的人士,由至少兩名理事推薦,經理事會批准及邀請,可成為本會榮譽會員。本會可邀請社會傑出人士出任榮譽會長、名譽會長、顧問及名譽顧問。

4. 團體會員:凡由符合上述個人會員資格的成員所組成的團體單位,贊同本會章程,奉行本會宗旨,填寫申請表,經理事會批准後可成為團體會員。

第六條——所有會員須遵守本會章程、規章、規則、決議的義務。

第七條——普通會員及資深會員有表決權、選舉權、被選舉權、罷免權、建議權及監督權。

第八條——榮譽會員、榮譽會長、名譽會長、顧問及或名譽顧問可參加本會活動及出席會員大會,但無選舉權和被選舉權。

第九條——違反本會章程、規章、規則、決議或損害本會聲譽、利益之會員,經理事會決議,予以警告或停權處分,情節重大者,經會員大會決議予以開除會籍。

第十條——拖欠會費超過兩年之會員,即時終止會籍及喪失會員資格。

第十一條——會員得以書面說明理由向本會聲明自願退會。

第三章

組織架構

第十二條——本會設有會員大會、理事會及監事會。

第十三條——上述之組織機關成員任期為三年,連選可連任。

第十四條——會員大會是本會的最高權力機關,由充分行使權利的全體會員組成。

第十五條——會員大會的職權如下:

1. 訂定和修改本會章程、規章、規則;

2. 制定本會政策、方針、內部規定;

3. 選舉主席團成員、理事及監事;

4. 罷免主席團成員、理事會成員及監事會成員;

5. 議決將“名譽會長”、“榮譽會長”、“名譽顧問”、“顧問”等名銜頒予對本會做出傑出貢獻的人士;

6. 議決理事會提交的年度計劃和工作報告、年度財務預算和財務報告、監事會提交的意見書;

7. 議決開除會籍的處分;

8. 議決本會之撤銷及解散;

9. 議決與會員權利義務有關的其他重大事項。

第十六條——會員大會主席團由一名主席、一名副主席及一名秘書組成。

第十七條——會員大會主席的主要職權:

1. 召集及主持會員大會;

2. 審核競選名單的資料;

3. 選舉後公佈競選結果及主持新一屆的就職儀式。

第十八條——當會員大會主席出缺時,由副主席代行主席職權。

第十九條——理事會是會員大會的行政管理機關,在會員大會閉會期間,開展日常工作,對會員大會負責。

第二十條——理事會設一名理事長,一名副理事長、一名秘書長及若干名理事,組成人數必須是單數。理事會可聘請秘書處工作人員,在秘書長指導下處理日常會務工作。

第二十一條——正副理事長由理事會理事互選產生。理事長在澳社會應具有一定的社會地位。

第二十二條——理事會的職權如下:

1. 執行會員大會之決議、章程、規章及規則;

2. 制定年度工作計劃及財務預算;

3. 提交年度工作報告及財務報告;

4. 設立各專項委員會、部門、小組,聘免工作人員;

5. 審批入會及退會申請;

6. 批准及邀請本會榮譽會員、榮譽會長、顧問及榮譽顧問;

7. 制定規章、規則及會費標準,提交會員大會議決;

8. 行使警告、停權、終止會員資格的處分權;

9. 其他應執行事項。

第二十三條——監事會由三人組成,設一名監事長,一名副監事長及一名監事。正、副監事長由監事會監事互選產生。

第二十四條——監事會的職權如下:

1. 監察理事會之運作及工作;

2. 對理事會的工作報告提供意見,提交年度監察意見書;

3. 稽核理事會提交的財政報告和日常賬目;

4. 其他應監察事項。

第四章

選舉及會議

第二十五條——本會各機關成員由全體充分享有權利的會員在已列明擔任職務的統一候選名單中透過不記名方式及多數票選出。候選名單由在任理事、監事推薦,理事會、監事會提名。

第二十六條——會員大會每年召開一次,至少在會議舉行十五天前以掛號信或透過簽收之方式通知本會全體充分享有權利的會員,召集書內應列明會議的日期、時間、地點及議程。

第二十七條——特別會員大會經由理事會、監事會或超過三分之一會員請求召開,書面說明召開會議的目的及待議決之事項。

第二十八條——會員大會召集後有一半或以上會員出席可召開,按召集時間計算三十分鐘後在同一地點召開之會議視為第二次召集之會議,不論出席會員人數多少,均可召開。

第二十九條——會員大會的決議,必須以超過出席人數之半數票通過。但章程訂定或修改、開除會員須經理事會通過後向大會提案,以超過出席人數的四分之三多數票通過,罷免應屆機關成員及撤銷、解散本會必須以超過全體會員人數的四分之三多數票通過。

第三十條——會員大會主席在大會決議票數相同時有決定性投票權。

第三十一條——理事會定期召開會議,會期由理事會按會務之需要自行訂定,必要時可由理事長召集或應超三分之一理事請求召開特別會議。

第三十二條——理事會的召集至少在會議舉行七天前通知,會議的決議必須過半數出席人數,且須以出席人數之多數票通過。

第三十三條——理事長在理事會議決議票數相同時有決定性投票權。

第三十四條——榮譽會員、榮譽會長、顧問、榮譽顧問可列席理事會議,但無決議投票權。

第三十五條——監事會成員可列席理事會議,但無決議投票權。

第三十六條——監事會定期召開會議,會期由監事會按監察需要自行訂定。

第五章

經費及財政

第三十七條——本會的收入來自:

1. 會費所得;

2. 舉辦活動的收入及收益;

3. 政府、機構及各界人士捐獻及資助,但該等捐獻及資助不得附帶任何與本會不符的條件;

4. 任何方式獲得的合法收入與收益。

第三十八條——本會的一切支出必須經由理事會通過,理事會確認的支出由本會的收入承擔。

第三十九條——本會的財政年度與歷年度相同。

第四十條——本會解散時須依法清算資產,全部捐贈澳門科技大學基金會。

第六章

附則

第四十一條——理事長或由理事會委任之發言人方可代表本會對外發言。

第四十二條——本會一切責任之承擔,包括法庭內外,必須由理事長或其合法代理人和一名理事聯名簽署方為有效。一般的文書交收事宜例外。

第四十三條——本會自註冊成立日起至第一任理事長出任前。由澳門科技大學基金會負責統籌本會之一切事務。

第四十四條——本會可視工作需要,經會員大會通過後,得聘請榮譽會長、名譽會長、名譽顧問、顧問、藝術顧問、海外顧問等,以推進會務發展。

第四十五條——本會可視工作需要,經會員大會通過後,設立贊助委員會,由名譽贊助人、贊助委員會主席、贊助委員會會員及義務核數師一名。

第四十六條——本章程未有規定之事項,悉依有關法律規定,經理事會建議提交會員大會議決。

第四十七條——本章程之修改權屬會員大會,解釋權屬理事會。

第四十八條——本章程自註冊成立日起正式生效。

二零一三年五月十六日

私人公證員 馮建業

Cartório Privado, em Macau, aos dezasseis de Maio de dois mil e treze. — O Notário, Fong Kin Ip.


CARTÓRIO PRIVADO

MACAU

CERTIFICADO

Certifico, que o presente documento de nove folhas, está conforme o original do exemplar dos estatutos da associação denominada “中華佛教慈善協會”, depositado neste Cartório, sob o n.º 7 no maço n.º 1 de documentos de associações e fundações do ano 2013:

中華佛教慈善協會

第一條——1. 本社團中文名稱為:“中華佛教慈善協會”。

2. 本社團為非牟利私法人,存續期為無確定期限。

第二條——社團法人住所設於澳門東北大馬路廣華新邨第十二座13樓C座。

第三條——社團之宗旨:

a)宏揚佛教;

b)促進澳門之社會和諧、繁榮穩定。

第四條——凡贊同社團宗旨及願意遵守社團章程之所有人士,均可申請為會員。

第五條——會員有以下權利:

a)參與會員大會及投票;

b)參加社團舉辦的各項活動;

c)享有社團提供之福利及設施。

第六條——會員有以下義務:

a)遵守會章及法律;

b)協助推廣會務;

c)服從社團機關作出之所有决定。

第七條——於下列情況會員將失去會員資格:

a)向社團申請退會;

b)違反會章;

c)作出損害社團聲譽之行為。

第八條——以下為社團之機關:

a) 會員大會;

b) 行政管理機關;

c) 監事會。

第九條——會員大會有以下權限:

a) 選舉及解任機關成員;

b) 通過資產負債表;

c) 修改章程;

d) 解散社團;

e) 法律或章程並未規定屬社團其他機關職責範圍之事宜。

第十條——1. 會員大會由行政管理機關於認為有需要時召集,召集須最少提前八日以掛號信方式為之,或最少提前八日透過簽收之方式而為之,召集書內應指出會議之日期、時間、地點及議程。

2. 會員大會每年必須召開一次,以通過資產負債表。

3. 不少於總數五分之一之會員以正當目的提出要求時,亦得召開大會。

4. 如行政管理機關應召集大會而不召集,任何社員均可召集。

第十一條——1. 屬首次召集之大會,如出席會員未足半數,不得作任何決議。

2. 決議取決於出席會員之絕對多數票。

3. 修改章程之決議,須獲出席會員四分之三之贊同票。

4. 解散法人或延長法人存續期之決議,須獲全體會員四分之三之贊同票。

第十二條——1. 行政管理機關由單數成員組成,其中一名為行政管理機關主席,其餘成員為行政管理機關委員。

2. 行政管理機關有以下權限:

a) 管理社團,決定及策劃社團之會務;

b) 收納會員;

c) 訂定入會費及定期會費金額;

d) 聘請員工;

e) 委托代表人代表社團執行指定之工作;

f) 提交年度管理報告;

g)行使法例賦予之其他權限。

第十三條——1. 監事會由單數成員組成,其中一名為監事會主席,其餘成員為監事會委員。

2. 監事會有以下權限:

a)監督法人行政管理機關之運作;

b)查核法人之財產;

c)就其監察活動編制年度報告;

d)履行法律及章程所載之其他義務。

第十四條——1. 機關成員由會員大會選舉產生,任期一年,可連選連任。

2. 機關成員應於被選任後立即開始履行職務,直至被取替為止。

二零一三年五月十五日

私人公證員 馮建業

Cartório Privado, em Macau, aos quinze de Maio de dois mil e treze. — O Notário, Fong Kin Ip.


 CARTÓRIO PRIVADO

MACAU

CERTIFICADO

Certifico, que o presente documento de oito folhas, está conforme o original do exemplar dos estatutos da associação denominda «Associação de Promoção do Intercâmbio Comercial, Turístico e Cultural entre a China e os Países da Língua Latina», depositado neste Cartório, sob o n.º 8 no maço n.º 1 de documentos de associações e fundações do ano de 2013:

中國–拉丁語系國家經貿旅遊

文化交流促進會

第一條——1. 本社團名稱為「中國–拉丁語系國家經貿旅遊文化交流促進會」,葡文名稱為「Associação de Promoção do Intercâmbio Comercial, Turístico e Cultural entre a China e os Países da Língua Latina」,英文名稱為「Association for the Promotion of the Commercial, Touristic and Cultural Interchange between China and the Countries of Latin Language」。

2. 本社團為非牟利私法人,存續期為無確定期限。

第二條——社團法人住所設於澳門南灣大馬路73-75號時代商業中心19樓1905室。

第三條——社團之宗旨如下:

a)熱愛祖國,擁護“一國兩制”,積極宣傳貫徹“和平統一”方針,為實現祖國的完全統一貢獻力量。

b)促進中國與拉丁語系國家之經濟、貿易、旅遊及文化之交流與合作。

第四條——社團主要工作包括:

a)以澳門為主,包括在中國內地以及拉丁語系不同國家定期或不定期舉辦文化展覽、博覽會、推介會、論壇、座談會以及組團互動等形式,促進以澳門為平臺的中國—拉丁語系國家間的民間經貿旅遊、文化、信息、資訊方面的交流與合作。

b)加強與拉丁語系不同國家華僑華人的聯繫,團結眾多的拉丁語系國家華人同胞,為海外華僑華人開展居住國與澳門及周邊地區的交流和合作提高必要的協助。

c)與拉丁語系各國相關機構、友好組織、民間組織和各界人士發展友好合作關系。通過互訪、考察、舉辦活動等形式參加雙邊及多邊交流,增進瞭解發展友誼。

d)其他有利發展中國與拉丁語系國家經貿、旅遊、文化交流促進的工作。

第五條——凡贊同社團宗旨及願意遵守社團章程之所有人士,均可申請入會,由行政管理機關審核認可,在繳納入會會費後,即可成為會員。

第六條——會員有以下權利:

a)參與會員大會及投票;

b)參加社團舉辦的各項活動;

c)享有社團提供之福利及設施。

第七條——會員有以下義務:

a)遵守會章及法律;

b)協助推廣會務;

c)服從社團機關作出之所有决定;

d)依時繳納會費及其他應付費用。

第八條——於下列情況會員將失去會員資格:

a)向社團申請退會;

b)欠交會費超過兩個月;

c)違反會章;

d)作出損害社團聲譽之行為;

e)犯刑事法律而被定罪。

第九條——以下為社團之機關:

a)會員大會;

b)行政管理機關;

c)監事會。

第十條——會員大會有以下權限:

a)選舉及解任機關成員;

b)通過資產負債表;

c)修改章程;

d)解散社團;

e)法律或章程並未規定屬社團其他機關職責範圍之事宜。

第十一條——1. 會員大會由行政管理機關於認為有需要時召集,召集須最少提前八日以掛號信方式為之,或最少提前八日透過簽收之方式而為之,召集書內應指出會議之日期、時間、地點及議程。

2. 會員大會每年必須召開一次,以通過資產負債表。

3. 不少於總數五分之一之會員以正當目的提出要求時,亦得召開大會。

4. 如行政管理機關應召集大會而不召集,任何社員均可召集。

第十二條——1. 行政管理機關由單數成員組成,設有一名會長、一名常務副會長、一名或多名副會長、一名理事長、一名或多名副理事長、一名或多名常務理事及一名或多名理事,其中會長為行政管理機關主席。

2. 行政管理機關成員由會員大會選舉產生,但會長必須是秘魯歸僑或僑眷。

3. 行政管理機關有以下權限:

a)管理社團,決定及策劃社團之會務;

b)收納會員;

c)訂定入會費及定期會費金額;

d)聘請員工;

e)委托代表人代表社團執行指定之工作;

f)提交年度管理報告;

g)行使法例賦予之其他權限。

4. 會長有以下權限:

a)對外代表本會;

b)領導及協調本會工作;

c)召開及主持行政管理機關會議;

d)召開會員大會;

e)委任社團代表人;

f)委任第十四條所述之名譽成員;

g)開立銀行戶口,在公司之戶口進行存款、提款、轉帳及其他銀行服務,簽署、承兌及背書匯票、本票、支票及任何其他債權證券。

第十三條——1. 監事會由單數成員組成,設有一名監事長、一名副監事長及一名或多名監事,其中監事長為監事會主席。

2. 監事會有以下權限:

a)監督法人行政管理機關之運作;

b)查核法人之財產;

c)就其監察活動編制年度報告;

d)履行法律及章程所載之其他義務。

第十四條——機關成員由會員大會選舉產生,任期三年,可連選連任。

第十五條——社團之經費來源如下:

1. 入會基金及會費;

2. 社會人士及政府之捐獻及贊助;

3. 任何法律批准的其他收入。

第十六條——會長得邀請對社團有卓越貢獻或權威之專業人士擔任永久榮譽會長、榮譽會長、名譽會長或其他榮譽及名譽職務。

二零一三年五月十六日

私人公證員 馮建業

Cartório Privado, em Macau, aos dezasseis de Maio de dois mil e treze. — O Notário, Fong Kin Ip.


 CARTÓRIO PRIVADO

MACAU

CERTIFICADO

澳門青年工商界經理人聯合會

Federação dos Gestores do Sector Industrial e Comercial de Juventude de Macau

Macau Youth Industrial and Commercial Sector Managers Federation

Certifico, que desde 21 de Maio de 2013 e sob o n.º 1 do maço n.º 1 do ano de 2013, respeitante a associações e fundações, se acham arquivados neste Cartório os respectivos estatutos, em virtude da constituição da Associação identificada em epígrafe. Está conforme o original e tem 9 (nove) folhas.

澳門青年工商界經理人聯合會

章程

第一章

第一條

名稱

本會定名中文名稱為“澳門青年工商界經理人聯合會”,葡文名稱為“Federação dos Gestores do Sector Industrial e Comercial de Juventude de Macau”,英文名稱為“Macau Youth Industrial and Commercial Sector Managers Federation”。

第二條

會址

本會會址設於:澳門長崎街59號利新大廈地下I舖。經理事會批准,本會可遷至其它地方。

第三條

宗旨

本會為非牟利的民間學術機構,宗旨廣泛團結、聯絡工商業界青年企業主、經理人,自覺遵守澳門基本法,愛國愛澳,維護澳門地區的繁榮和穩定;最廣泛地代表和維護青年工商業者和工商企業的合法權益;引導工商業界青年企業主、經理人積極健康地參與社會活動;加強同內地工商業界、港台及國外青年企業主、經理人的聯繫和團結,發展同世界各國青年的聯繫和友誼;為澳門經濟的發展,為“一國兩制”的成功實踐、為促進祖國統一和維護世界和平作出貢獻。

第四條

任務

(1)團結工商業界青年企業主、經理人,支持特區政府依法施政,積極投身澳門各項事務,為“一國兩制”的成功實踐、為促進祖國的完全統一作貢獻;

(2)引導澳門工商業界青年企業主、經理人增進對中華民族、中華傳統文化的了解和認同,增強民族自信心和自豪感;

(3)加強與中國內地、香港、台灣、海外工商業界青年企業主、經理人的聯繫與交往,促進澳門與內地、港台、海外在經濟、科技、文化、教育等方面的交流和合作;

(4)加強與有關方面的聯繫與協調,維護會員的合法權益。

第二章

第五條

組織

本會的組織架構包括:

(1)會員大會

(2)理事會

(3)監事會

第六條

會員大會權限

(1)制定和修改會章。

(2)選舉會員大會、理事會及監事會成員。

(3)決定本會之會務方針。

第七條

會員大會

(1)會員大會設會長一人,副會長一人,秘書一人,任期三年,可連選連任。

(2)會員大會平常每年召開一次會議,大會之召集須最少提前八日以掛號信方式為之,或最少提前八日透過簽收方式而為之,召集書內應指出會議之日期、時間、地點及議程;而特別會議由會長或其代表又或當理事會或20%的會員申請召集。

(3)會員大會由會長主持,如會長缺席,則由副會長主持,所有決議須獲出席會員之絕對多數票贊成方能通過生效。

第八條

理事會

(1)本會執行機構為理事會,任期三年,可連選連任。

(2)理事會由會員大會選出五至九人組成,但必為單數,設理事長一人,副理事長一人,秘書一人,財務一人,其他均為理事。

(3)理事會每三個月召開一次,特別情況按需要安排。

(4)理事會根據大會所制定之方針及決議展開各項工作。

(5)本會之外一切責任認可需由理事長或副理事長及財務其中兩位聯名簽署方為有效。

(6)本會所採用之會徽其式樣由會員大會通過決定。

第九條

理事會成員職責

(1)理事長:按本會宗旨及會員大會決議統籌日常工作。

(2)副理事長:協助理事長的工作。

(3)財務:審理本會財政開支及每年向大會提交財務報告。

(4)秘書:落實和跟進本會一切事務。

(5)其他理事分工負責學術、對外聯繫等會務。

第十條

監事會

(1)本會監督機構為監事會,由會員大會選出三人組成。

(2)監事會成員互選產生監事長、副監事長和監事各一人,任期三年,可以連任。

第十一條

監事會成員職責

監事會職責:

(1)監督法人行政管理機關之運作;

(2)查核法人之財產;

(3)就其監察活動編制年度報告;

(4)履行法律及章程所載之其他義務。

第三章

第十二條

本會會員

會員資格:

(1)凡認同本會宗旨者,經理事會批准得成為會員。

(2)本會得設名譽會長及名譽顧問。

第十三條

會員之申請

凡申請加入的會員需具備的條件:

(1)本會的會員須為年齡18周歲,在澳門地區企業任職、投資、參股的工商業界青年企業主、經理人和在澳門特別行政區政府注冊的青年團體,入會須履行申請手續;

(2)遵守本會章程的工商業界青年企業主、經理人和青年團體,經申請獲得理事會批准,並繳納入會費後,方可成為會員;

(3)會員有退出本會的自由,退會應向理事會提出書面通知。入會者須填寫入會申請表,經理事會核准後方為正式會員。

第十四條

會員之權利義務

所有會員具有以下的權利義務︰

(1)選舉及被選為本會機構成員。

(2)參與本會舉辦之各項活動。

(3)可對本會之工作提出批評和監督。

(4)入會自由,退會自由。

(5)準時繳交會費。

第四章

第十五條

經費及運用

(1)本會收入來自會費、向社會籌集及向政府申請。

(2)由會員大會授權理事會運用經費。

第五章

第十六條

其他

修改章程的決議,須獲出席會員大會之會員四分之三之贊同票。而解散法人或延長法人存續期之決議,須獲全體會員四分之三之贊同票。

第十七條

法律規範

本章程未列明之事宜概依澳門現行法律規範執行。

第十八條

會徽

顏色:

圖案:藍紫

文字:黑色

私人公證員 李奕豪

Cartório Privado, em Macau, aos vinte e um de Maio de dois mil e treze. — O Notário, Pedro Leal.


第 一 公 證 署

證 明

中國澳門射擊總會

為公佈的目的,茲證明上述社團的修改章程文本自二零一三年五月十六日起,存放於本署的社團及財團存檔文件內,檔案組1號56/2013。

中國澳門射擊總會

修改章程

第一章

名稱、會址及宗旨

第二條——本會會址設於澳門賈伯樂提督巷15號地下(澳門郵政信箱125號)。在澳門特別行政區政府體育發展局管轄下之“澳門國際射擊中心”及“保安部隊射擊場”進行射擊比賽及練習。

二零一三年五月十六日於第一公證署

公證員 盧瑞祥


第 一 公 證 署

證 明

澳門融合堂鮮肉行總商會

為公佈的目的,茲證明上述社團的修改章程文本自二零一三年五月十六日起,存放於本署的社團及財團存檔文件內,檔案組1號57/2013。

澳門融合堂鮮肉行總商會

Associação dos Comerciantes de Carne Verde Iong Hap Tong de Macau

Artigo segundo

A Associação tem a sua sede em Macau no Pátio do Cotovelo, n.º 1.

Artigo décimo segundo

Um. A Direcção é constituída por onze membros, eleitos trienalmente pela Assembleia Geral, podendo ser reeleitos uma e mais vezes.

Dois. Os membros da Direcção elegerão, entre si, um presidente, cinco vice-presidentes e cinco vogais.

二零一三年五月十六日於第一公證署

公證員 盧瑞祥


2.º CARTÓRIO NOTARIAL DE MACAU

CERTIFICADO

澳門日本商會

葡文名稱為“Câmara de Comércio Macau-Japão”

英文名稱為“Macao-Japan Chamber of Commerce (Abbreviation: MJCC)”

為公佈之目的,茲證明上述社團的章程之修改文本已於二零一三年五月十六日,存檔於本署之2013/ASS/M2檔案組內,編號為117號,有關條文內容如下:

第三條

(地址)

本會會址設於澳門宋玉生廣場263號中土大廈20樓,經理事會決議,會址可遷往澳門任何其他地方及按需要設立分區辦事處。

Está conforme.

Segundo Cartório Notarial de Macau, aos dezasseis de Maio de dois mil e treze. — A Ajudante, Wong Wai Wa.


CARTÓRIO PRIVADO

MACAU

CERTIFICADO

澳門船務物流協會

Certifico, para publicação, que se encontra depositado neste Cartório desde 23 de Maio de 2013, sob o número dois no Maço de documentos referentes a Associações e Fundações do ano 2013, um documento contendo a alteração do n.º 1 do artigo 11.º, n.º 1 do artigo 12.º e artigo 13.º dos Estatutos da Associação em epígrafe, do teor seguinte:

澳門船務物流協會

修改章程

第十一條—— 一、本會執行機構為理事會,由會員大會就商號會員之代表人選出七至十一人組成,人數必須為單數,其職權如下﹕

甲、……

乙、……

丙、……

丁、……

二、……

第十二條—— 一、本會監察機構為監事會,由會員大會就商號會員之代表人選出三至七人組成,人數必須為單數,其職權如下﹕

甲、……

乙、……

丙、……

二、……

第十三條——理監事任期為叁年,透過選舉得再連任。

私人公證員 許輝年

Cartório Privado, em Macau, aos vinte e três de Maio de dois mil e treze. — O Notário, Philip Xavier.


FIRST COMMERCIAL BANK LIMITADA — Sucursal de Macau

Balanço anual em 31 de Dezembro de 2012

MOP
MOP
MOP

Demonstração de resultados do exercício de 2012

Conta de exploração

MOP

Conta de lucros e perdas

MOP
Gerente-geral, O Chefe da Contabilidade,
Mico Lin Benny Tsai

Síntese do relatório de actividade

Banco Comercial Primeiro, S.A., fundado em 1899, tem operado mais de cem anos. Em 2012, a sucursal tem-se desenvolvido de forma estável, alcançando o grande sucesso previsto.

Em 2013, a sucursal irá, insistir na prossecução do conceito «Cliente Preferencial, Serviço de Primeira», procurando, expandir activamente os negócios e oferecer aos clientes diversos serviços com a melhor qualidade.

Gerente-geral,
Mico Lin

Síntese do parecer dos auditores externos

First Commercial Bank Limitada – Sucursal de Macau
(Constituído em Macau como sociedade anónima de responsabilidade limitada)

As demonstrações financeiras resumidas anexas do First Commercial Bank Limitada — Sucursal de Macau (a Sucursal) referentes ao exercício findo em 31 de Dezembro de 2012 resultam das demonstrações financeiras auditadas e dos registos contabilísticos da Sucursal referentes ao exercício findo naquela data. Estas demonstrações financeiras resumidas, as quais compreendem o balanço em 31 de Dezembro de 2012 e a demonstração dos resultados do exercício findo naquela data, são da responsabilidade da Gerência da Sucursal. A nossa responsabilidade consiste em expressar uma opinião, unicamente dirigida a V. Ex.as enquanto Gerência, sobre se as demonstrações financeiras resumidas são consistentes, em todos os aspectos materiais, com as demonstrações financeiras auditadas e com os registos contabilísticos da Sucursal, e sem qualquer outra finalidade. Não assumimos responsabilidade nem aceitamos obrigações perante terceiros pelo conteúdo deste relatório.

Auditámos as demonstrações financeiras da Sucursal referentes ao exercício findo em 31 de Dezembro de 2012 de acordo com as Normas de Auditoria e Normas Técnicas de Auditoria emitidas pelo Governo da Região Administrativa Especial de Macau, e expressámos a nossa opinião sem reservas sobre estas demonstrações financeiras, no relatório de 11 de Abril de 2013.

As demonstrações financeiras auditadas compreendem o balanço em 31 de Dezembro de 2012, a demonstração dos resultados, a demonstração de alterações nas reservas e a demonstração dos fluxos de caixa do exercício findo naquela data, e um resumo das principais políticas contabilísticas e outras notas explicativas.

Em nossa opinião, as demonstrações financeiras resumidas são consistentes, em todos os aspectos materiais, com as demonstrações financeiras auditadas e com os registos contabilísticos da Sucursal.

Para uma melhor compreensão da posição financeira da Sucursal, dos resultados das suas operações e do âmbito da nossa auditoria, as demonstrações financeiras resumidas em anexo devem ser lidas em conjunto com as demonstrações financeiras auditadas e com o respectivo relatório do auditor independente.

Cheung Pui Peng
Auditor de contas
PricewaterhouseCoopers

Macau, aos 29 de Maio de 2013.


BANK OF COMMUNICATIONS CO., LTD. — SUCURSAL DE MACAU

(Publicações ao abrigo do artigo 76.º do RJSF, aprovado pelo Decreto-Lei n.º 32/93/M, de 5 de Julho)

Balanço anual em 31 de Dezembro de 2012

MOP

MOP

MOP

Demonstração de resultados do exercício de 2012

Conta de exploração

MOP

Conta de lucros e perdas

MOP

O Gerente-geral, O Chefe da Contabilidade,
Tan Zhiqing Zhu Ying

Resumo do relatório de exercício

No ano de 2012, a Sucursal de Macau do Bank of Communications Co., Ltd. continuou a execução da estratégia de desenvolvimento determinada pela sede, no sentido de «Encetar o caminho da internacionalização e multiplicação, de modo a implementar um grupo bancário de primeira classe, cujas acções são detidas pelo público e que tem como propósito a gestão de patrimónios», harmonizado com o objectivo de «integrar Macau, servir Macau». «Servir os clientes de bloco do nosso grupo, reforçar a interacção entre os recursos existentes na China Continental e os existentes no Exterior, apoiar positivamente as empresas de Macau e salientar a característica da gestão de patrimónios» são assim os posicionamentos de desenvolvimento de actividades da nossa sucursal. Através do estabelecimento de relações de colaboração com as grandes empresas locais, a sucursal participou nas suas actividades de financiamento, prestando auxílio financeiro a sociedades locais de empreendimentos de infra-estruturas, apoiando robustamente o desenvolvimento da sociedade económica de Macau, desenvolvendo activamente as actividades de interacção entre a China Continental e o Exterior, com as vantagens da sua localização favorável, tendo oferecido a grandes empresas locais serviços financeiros transfronteiriços integrais apostando na inovação dos negócios. O Centro de Serviço OTO FORTUNE da sucursal de Macau oferece a pequenas e médias empresas e aos cidadãos serviços de gestão financeira profissionais. Verificou-se, na sequência dos esforços conjuntos dos nossos empregados e do forte apoio concedido pelos diversos sectores da sociedade de Macau, um considerável progresso nas operações desenvolvidas pela nossa sucursal.

Para além do desenvolvimento dos seus negócios, a sucursal de Macau fomenta, sustentadamente, as relações comerciais entre os diversos sectores da sociedade de Macau, participa em actividades sociais e cumpre as responsabilidades sociais da empresa.

A sucursal de Macau do Bank of Communications Co., Ltd., realizará um esforço persistente para um desenvolvimento sustentável, melhorará a função dos seus serviços e reforçará a colaboração e o intercâmbio entre os diversos sectores da sociedade de Macau, contribuindo assim para o desenvolvimento económico e sustentado de Macau.

Pelo presente, a sucursal de Macau do Bank of Communications Co., Ltd. expressa os seus sinceros agradecimentos aos diversos sectores da sociedade de Macau, pelo seu apoio enérgico e pela atenção concedida a esta instituição durante todo este tempo!

Gerente-geral,
Tan Zhiqing

Síntese do parecer dos auditores externos

Para a Gerência do Bank of Communications Co., Ltd. — Macau Branch

Procedemos à auditoria das demonstrações financeiras do Bank of Communications Co., Ltd. — Macau Branch relativas ao ano de 2012, nos termos das Normas de Auditoria e Normas Técnicas de Auditoria da Região Administrativa Especial de Macau. No nosso relatório, datado de 15 de Abril de 2013, expressámos uma opinião sem reservas relativamente às demonstrações financeiras das quais as presentes constituem um resumo.

As demonstrações financeiras a que acima se alude compreendem o balanço, à data de 31 de Dezembro de 2012, a demonstração de resultados, a demonstração de alterações da conta corrente e a demonstração de fluxos de caixa relativas ao ano findo, assim como um resumo das políticas contabilísticas relevantes e outras notas explicativas.

As demonstrações financeiras resumidas preparadas pela gerência resultam das demonstrações financeiras anuais auditadas a que acima se faz referência. Em nossa opinião, as demonstrações financeiras resumidas são consistentes, em todos os aspectos materiais, com as demonstrações financeiras auditadas.

Para a melhor compreensão da posição financeira do Bank of Communications Co., Ltd. — Macau Branch e dos resultados das suas operações, no período e âmbito abrangido pela nossa auditoria, as demonstrações financeiras resumidas devem ser lidas conjuntamente com as demonstrações financeiras das quais as mesmas resultam e com o respectivo relatório de auditoria.

Quin Va
Auditor de Contas
Deloitte Touche Tohmatsu — Sociedade de Auditores

Macau, aos 15 de Abril de 2013.


BANCO COMERCIAL DE MACAU, S.A.

(Publicações ao abrigo do artigo 75.º do RJSF, aprovado pelo Derecto-Lei n.º 32/93/M, de 5 de Julho)

Balanço anual em 31 de Dezembro de 2012

Valores em Patacas

 

(Publicações ao abrigo do artigo 75.º do RJSF, aprovado pelo Derecto-Lei n.º 32/93/M, de 5 de Julho)

Balanço anual em 31 de Dezembro de 2012

Valores em Patacas

Demonstração de resultados do exercício de 2012

Conta de exploração

Valores em Patacas

Conta de lucros e perdas

Valores em Patacas

O Chefe da Contabilidade, Pelo Conselho de Administração,
Chit-Kwan Wong (Vincent Wong) Yiu-Fai Kong (Eddie Kong)
Sou-Chao Chan (Kenneth Chan)
Alick Yuk-Fai Chiu

Macau, aos 14 de Maio de 2013.

Síntese do Relatório de Actividade em 2012

Não obstante o abrandamento económico mundial que se agravou ainda mais no ano de 2012 e a sombria situação económica da zona euro, Macau registou um crescimento económico global muito próximo de dois dígitos nesse mesmo ano. Macau teve um PIB de 348,2 mil milhões de patacas no ano de 2012, um crescimento de 9,9% em relação ao ano anterior. Este crescimento deveu-se principalmente à exportação de serviços e à procura interna. No sector da indústria do jogo, o crescimento foi de 6,9%. O consumo global dos visitantes subiu 6,4% e 9,1% no consumo pessoal. No mercado de emprego de Macau, a taxa de desemprego foi apenas de 1,9%, número para o qual contribuíram as indústrias do jogo e turismo. O crescimento permanente da procura interna foi a força motriz da economia local.

Apesar de o crescimento económico de Macau abrandar ligeiramente no corrente ano, o Banco Comercial de Macau, no seguimento da estratégia a médio prazo delineada pela empresa-mãe, criando novos produtos financeiros e melhorando os existentes, além de reforçar o relacionamento com os clientes e consolidar os conhecimentos profissionais do seu pessoal através de formação, tem alcançado bons resultados. Em 31 de Dezembro de 2012, registaram-se lucros líquidos de 90 milhões de patacas, ou seja mais 25% em relação ao exercício anterior. O total de activos líquidos passou a ser de 13,5 mil milhões de patacas contra o de 12,9 mil milhões de patacas do exercício anterior, registando uma subida de 5%. As carteiras de créditos e de depósitos cresceram 10% e 6% respectivamente.

Face aos factores de instabilidade existentes da economia mundial e à grande concorrência entre os congéneres da banca local, o Banco Comercial de Macau aprofundará a implementação da estratégia a médio prazo, dedicando maior atenção aos clientes, desenvolvendo produtos financeiros e melhorando a gestão interna. Os nossos experientes quadros de gestão e demais pessoal não deixarão de envidar os melhores esforços no sentido de elevar, com empenho e dedicação, a qualidade de serviço em satisfação das necessidades dos clientes.

Parecer do Conselho Fiscal

Aos Accionistas do Banco Comercial de Macau, S. A.

Nos termos do Código Comercial de Macau e dos estatutos do Banco Comercial de Macau, S. A. («BCM»), o Conselho Fiscal do BCM emite parecer sobre o relatório, os documentos de relato financeiro e a proposta de afectação dos resultados apresentados pelo Conselho de Administração relativamente ao exercício findo em 31 de Dezembro de 2012.

O Conselho Fiscal do BCM verificou as transacções e a gestão do Banco durante o ano de 2012. As suas competências incluem a supervisão da gestão do Banco; o exame dos livros e registos e sua actualização; a verificação dos activos; a análise dos critérios contabilísticos e o respectivo impacto nos resultados do exercício; o exame dos documentos de relato financeiro anuais, bem como outras verificações previstas na lei e nos estatutos.

O Conselho Fiscal analisou a informação contabilística preparada pelo Banco durante o ano e submetida regularmente à Autoridade Monetária de Macau («AMCM»), e seguiu outros procedimentos considerados adequados para as circunstâncias, incluindo o exame ao relatório do auditor independente.

Analisámos o relatório emitido pelo auditor independente PricewaterhouseCoopers, datado de 22 de Fevereiro de 2013, o qual expressa uma opinião sem reservas sobre os documentos de relato financeiro do Banco, relativos ao ano findo em 31 de Dezembro de 2012.

Obtivémos todas as informações e explicações consideradas necessárias para efeitos das nossas verificações e, com base no trabalho efectuado, somos de opinião de que:

(a) O relatório, bem como os documentos de relato financeiro, apresentados pelo Conselho de Administração reflectem fielmente a situação financeira do Banco em 31 de Dezembro de 2012 e estão em conformidade com o estabelecido no Código Comercial de Macau, com as Normas de Relato Financeiro e com os estatutos do banco;

(b) Os princípios contabilísticos e os critérios utilizados nas estimativas adoptadas pelo Conselho de Administração na preparação dos documentos de relato financeiro apresentados foram os apropriados atendendo às circunstâncias;

(c) O relatório, bem como os documentos de relato financeiro, apresentados pelo Conselho de Administração não necessitam de quaisquer alterações.

Opinião

Em conclusão, somos de parecer de que o relatório e os documentos de relato financeiro apresentados pelo Conselho de Administração relativamente ao ano findo em 31 de Dezembro de 2012, assim como a sua proposta de afectação de resultados, sejam aprovados na próxima Assembleia Geral Ordinária de Accionistas, em 27 de Março 2013.

Macau, aos 25 de Março de 2013.

O Conselho Fiscal

Presidente — da Conceição Reisinho, Fernando Manuel
Vice-Presidente — Mayhew, Nicholas John
Vogal — Yuen Leung Kui Kennith

Relatório dos auditores externos sobre as demonstrações financeiras resumidas

Para os Accionistas do Banco Comercial de Macau, S.A.
(Constituído em Macau como sociedade anónima de responsabilidade limitada)

As demonstrações financeiras resumidas anexas do Banco Comercial de Macau, S.A. (o «Banco») referentes ao exercício findo em 31 de Dezembro de 2012 resultam das demonstrações financeiras auditadas e dos registos contabilísticos referentes ao exercício findo naquela data. Estas demonstrações financeiras resumidas, as quais compreendem o balanço em 31 de Dezembro de 2012 e a demonstração dos resultados do exercício findo naquela data, são da responsabilidade do Conselho de Administração do Banco. A nossa responsabilidade consiste em expressar uma opinião, unicamente dirigida a V. Ex.as enquanto accionistas, sobre se as demonstrações financeiras resumidas são consistentes, em todos os aspectos materiais, com as demonstrações financeiras auditadas e com os registos contabilísticos do Banco, e sem qualquer outra finalidade. Não assumimos responsabilidade nem aceitamos obrigações perante terceiros pelo conteúdo deste relatório.

Auditámos as demonstrações financeiras do Banco referentes ao exercício findo em 31 de Dezembro de 2012 de acordo com as Normas de Auditoria e Normas Técnicas de Auditoria emitidas pelo Governo da Região Administrativa Especial de Macau, e expressámos a nossa opinião sem reservas sobre estas demonstrações financeiras no relatório de 22 de Fevereiro de 2013.

As demonstrações financeiras auditadas compreendem o balanço em 31 de Dezembro de 2012, a demonstração dos resultados, a demonstração de alterações no capital próprio e a demonstração dos fluxos de caixa do exercício findo naquela data e um resumo das principais políticas contabilísticas e outras notas explicativas.

Em nossa opinião, as demonstrações financeiras resumidas são consistentes, em todos os aspectos materiais, com as demonstrações financeiras auditadas e com os registos contabilísticos do Banco.

Para uma melhor compreensão da posição financeira do Banco, dos resultados das suas operações e do âmbito da nossa auditoria, as demonstrações financeiras resumidas em anexo devem ser lidas em conjunto com as demonstrações financeiras auditadas e com o respectivo relatório do auditor independente.

Cheung Pui Peng Grace
Auditor de contas
PricewaterhouseCoopers

Macau, aos 14 de Maio de 2013.

Instituições em que o Banco detém participações superiores a 5% do respectivo capital ou superiores a 5% dos seus fundos próprios

持有超過有關資本5%或超過自有資金5%之出資的有關機構:

Nome das Instituições   Percentagem
機構名稱   百分率
Nenhuma  
Accionistas Qualificados
主要股東
Nome do Accionista Número de Acções Percentagem
股東名稱 持股量 百分率
Dah Sing Bank, Limited 702,000 78%
大新銀行有限公司
DSB BCM (1), Limited 99,000 11%
DSB BCM (2), Limited 99,000 11%
Órgãos Sociais
領導機構
Mesa da Assembleia Geral
股東大會執行委員會
Leonel Alberto Alves 歐安利 Presidente 主席
Liu Chak Wan 廖澤雲 Secretário 秘書
Ma Iao Lai 馬有禮 Secretário 秘書
Conselho Fiscal
監事會
Fernando Manuel da Conceição Reisinho   Presidente 主席
Anderson, Roderick Stuart   Vice-Presidente 副主席(a)
Cheung Yau Shing   Vice-Presidente 副主席(b)
Mayhew, Nicholas John   Vice-Presidente 副主席(c)
Yuen Leung Kui Kennith   Vogal 監事
(a) Cessou funções em 1/6/2012 於二零一二年六月一日終止職務
(b) Nomeado vice-presidente em 6/6/2012; 於二零一二年六月六日被委任為副主席;
Cessou funções em 1/9/2012 二零一二年九月一日終止職務
(c) Nomeado vice-presidente em 28/9/2012 於二零一二年九月二十八日被委任為副主席
Conselho de Administração
董事會
David Shou-Yeh Wong Presidente 主席
Hon-Hing Wong (Derek Wong) Membro 成員
Gary Pak-Ling Wang Membro 成員
Harold Tsu-Hing Wong Membro 成員
Lung-Man Chiu (John Chiu) Membro 成員(a)
Yiu-Fai Kong (Eddie Kong) Membro 成員(b)
Sou-Chao Chan (Kenneth Chan) Membro 成員
Alick Yuk-Fai Chiu Membro 成員
(a) Aposentado a partir de 14/7/2012 於二零一二年七月十四日退休
(b) Nomeado em 14/7/2012 於二零一二年七月十四日被委任

BANCO ESPÍRITO SANTO DO ORIENTE, S.A.

(Publicações ao abrigo do artigo 75.º do RJSF, aprovado pelo Decreto-Lei n.º 32/93/M, de 5 de Julho)

Balanço anual em 31 de Dezembro de 2012

MOP

MOP

MOP

Demonstração de resultados do exercício de 2012

Conta de exploração

MOP

Conta de lucros e perdas

MOP

O Presidente da Comissão Executiva, O Chefe da Contabilidade,
José Morgado Francisco F. Frederico

Macau, aos 12 de Março de 2013.

Síntese do relatório de actividade

Enquadramento Económico Internacional

O ano de 2012 ficou marcado por uma desaceleração da atividade económica a nível global e por uma contração do PIB na Zona Euro. Para esta evolução contribuíram, sobretudo, as políticas orçamentais restritivas e a desalavancagem do setor privado nas principais economias desenvolvidas; o arrefecimento da procura e os receios de um hard landing na China; e a incerteza associada à crise da dívida da Zona Euro. Este último fator foi particularmente visível na primeira metade do ano, em função da instabilidade política e orçamental na Grécia e, também, de um contágio crescente da crise a economias como Espanha ou Itália.

A segunda metade do ano foi, no entanto, marcada por uma estabilização dos mercados financeiros e pelo recuo dos receios de fragmentação da Zona Euro, neste caso expresso na diminuição significativa dos spreads dos títulos de dívida pública das economias da periferia face à Alemanha. Para além de alguns progressos no sentido de uma maior integração financeira e orçamental, esta melhoria do sentimento resultou sobretudo da criação, por parte do BCE, das Outright Monetary Transactions, que abriram a possibilidade de compra ilimitada de dívida pública de economias da Zona Euro, em complemento a um eventual programa de assistência financeira formal do ESM.

A maior propensão ao risco a nível global resultou também dos efeitos de políticas monetárias fortemente expansionistas seguidas pelos principais bancos centrais, num contexto de pressões inflacionistas reduzidas. Destaca-se o reforço do quantitative easing por parte da Reserva Federal americana, com o chamado QE3, para além das long term refinancing operations do BCE e do quantitative easing dos Bancos Centrais de Inglaterra e do Japão. Após um último corte de 25 bps em Julho, o BCE manteve a principal taxa de juro de referência inalterada em 0.75% até ao final do ano. No conjunto de 2012, a Euribor a 3 meses caiu de 1.356% para 0.187% e o euro apreciou-se 1.8% face ao dólar, para EUR/USD 1.32.

Neste contexto, nos EUA o índice S&P500 valorizou-se 13.4%. Na Europa, os índices DAX e CAC40 registaram ganhos anuais de 29.1% e 15.2%, respetivamente. Embora com registos menos favoráveis no conjunto do ano (2.9% e -4.7%, respetivamente), os índices PSI-20 e IBEX registaram valorizações pronunciadas no 4.º trimestre, 8.7% e 5.95%, respetivamente.

Refletindo o perfil de evolução do sentimento ao longo do ano, o preço do petróleo (Brent) registou uma queda entre o 1.º e o 2.º trimestres, de USD 123.8 para USD 97/barril, recuperando a partir do Verão e fechando o ano em USD 111.9/barril, o que representou uma subida cerca de 4% face à cotação observada no final de 2011.

Figura 1: Crescimento do PIB mundial vs. PMI Global

Figura 2: Base Monetária (%PIB)

Figura 3: Spreads da dívida pública a 10 anos vs. Alemanha

China

A economia da China registou uma expansão de 7.8% em 2012, a mais baixa dos últimos 13 anos, refletindo uma «normalização» gradual do crescimento, depois de mais de uma década com um registo médio consistentemente superior a 10%. O abrandamento tornou-se mais expressivo entre o final de 2011 e o início de 2012, reflexo da queda das exportações e do recuo das existências em stock das empresas. Essa tendência inverteu-se na reta final do ano, tendo sido visíveis diversos sinais de estabilização (e.g. subida da confiança empresarial a partir de Outubro, recuperação das exportações, subida da produção de electricidade, etc.), que resultaram das políticas monetárias e orçamentais expansionistas entretanto adotadas. Neste contexto, foi relevante a intenção anunciada do Governo em acelerar a aprovação de novos projetos para infra-estruturas por forma a dar seguimento à expansão da atividade. Tal constituiu um sinal relevante de que as autoridades do país não estavam dispostas a tolerar um abrandamento muito marcado do crescimento. Com a massa monetária sob controlo – com crescimento em torno do target de 14% do Banco Central – e sem pressões inflacionistas relevantes, havia espaço para um estímulo do Governo ao crescimento desta natureza. Garantiu-se assim que a economia chinesa seguisse uma trajetória de desaceleração controlada, o chamado soft landing, que levou a um abrandamento da expansão do PIB de 9.3% em 2011 para 7.8% em 2012.

Figura 4: PIB, crescimento anual.

Figura 5: Crédito e M2 (t.v.h, %)

Figura 6: PMI indústria

Macau

A economia de Macau cresceu 9.9% em 2012, registo substancialmente positivo mas em desaceleração face ao valor de 21.8% do ano anterior. Para este desempenho da atividade contribuiu, sobretudo, um menor suporte da conjuntura externa, em especial a desaceleração económica na China e, em parte, o clima de incerteza e de aumento da aversão ao risco a nível global.

O abrandamento da atividade refletiu-se, assim, nas transações com o exterior, tendo as exportações e as importações arrefecido para registos de crescimento de 7.3% e 5.8%, respetivamente, valores que comparam com os 29% e 30% observados no ano anterior. As exportações de serviços, principal motor de crescimento da economia, sofreram uma forte desaceleração a partir do 2.º trimestre, registando um aumento modesto de 6.8% (versus 30.1% y-o-y em 2011), pressionadas pelo desempenho mais moderado das receitas dos setores do Jogo e Despesas dos Visitantes. Com o abrandamento da economia chinesa em 2012 e o consequente aumento das restrições à concessão de crédito na Mainland, principal origem dos clientes «VIP», as receitas do Jogo e as Despesas dos Visitantes arrefeceram significativamente, contribuindo para a desaceleração da atividade. Já as Exportações de Bens inverteram a tendência de queda dos últimos anos e cresceram 23.2%, um desempenho extraordinário num período de fragilidade da economia global.

Entre as componentes da Despesa Interna, destaque para o investimento, que acelerou para um crescimento de 19.1% no conjunto do ano, impulsionado maioritariamente pelo setor público, tendo sido este um dos principais drivers de crescimento da economia. O consumo privado, embora em desaceleração, aumentou 9.1%, animado pelo desempenho favorável do mercado de trabalho e pelo alívio das pressões inflacionistas. A taxa de inflação média foi de 5.6% e a mediana dos salários aumentou 9.1%, permitindo uma melhoria média do poder de compra das famílias e, consequentemente, suportando o bom desempenho da procura interna.

Não obstante o arrefecimento da atividade, o desempenho económico de Macau foi bastante positivo, revelando um maior amadurecimento da economia e um crescimento mais sustentável. No mercado de trabalho, a boa performance da economia traduziu-se na descida do desemprego para 1.9% da população ativa no final do ano, um rácio bastante baixo que evidencia a robustez da atividade económica.

Figura 7: Mediana dos salários (%, y-o-y) e Inflação homóloga (%)

Figura 8: PIB trimestral (%, y-o-y) e Receitas mensais do Jogo (%, y-o-y)

Em 2012, o Banco Espírito Santo do Oriente, S.A. (BESOR) apresentou, comparativamente a 2011, uma evolução muito positiva dos seus principais Indicadores de Gestão, com o Produto Bancário a registar um aumento de 29.9%, atingindo o valor de MOP 70,744,413, o total do Activo Líquido registou um acréscimo de 80.9%, com um valor de MOP 4,719,342,888.47 e os Lucros Líquidos apresentaram um aumento de 28.9%, atingindo o valor total de MOP 42,391,358.82.

A evolução muito positiva da Atividade e Resultados do BESOR é, essencialmente explicada, pela maior dinamização da área de Corporate/Trade Finance, associada a importantes fluxos comerciais entre a R.P. da China e os países onde o GBES tem uma presença estratégica mais determinante, nomeadamente, em África, na América Latina, na Europa, utilizando Macau como Plataforma de negócio entre a R.P. da China e os Países de Língua Portuguesa.

Também a fidelização e o crescimento da base de depósitos ao longo dos últimos anos, continuam a assumir particular relevância no contexto actual, tendo o BESOR desenvolvido iniciativas comerciais junto dos vários segmentos de clientes que permitiram registar um aumento subtancial dos Depósitos de Clientes de 142.4% comparativamente a 2011.

Proposta de Aplicação de Resultados

Nos termos legais e estatutários o Conselho de Administração propõe, para aprovação da Assembleia Geral, que o resultado do exercício findo em 31 de Dezembro de 2012 que se apura em MOP42,391,358.82 (quarenta e dois milhões, trezentas e noventa e uma mil, trezentas e cinquenta e oito patacas e oitenta e dois avos) seja aplicado da seguinte forma:

Para Reserva Legal (a) MOP 8,478,271.76
Para Resultados Transitados MOP33,913,087.06

(a) correspondente a 20% do Resultado Líquido nos termos da legislação aplicável.

Macau, aos 12 de Março de 2013.

O Conselho de Administração

Parecer do Conselho Fiscal

Nos termos da lei e do mandato que nos conferiram vimos submeter à Vossa apreciação o Relatório sobre a actividade fiscalizadora desenvolvida e dar o Parecer sobre o Relatório do Conselho de Administração, o Balanço e a Demonstração de Resultados do Banco Espírito Santo do Oriente. S.A., relativamente ao exercício findo em 31 de Dezembro de 2012.

O Relatório do Conselho de Administração evidencia de maneira clara a situação económica e financeira e a evolução da actividade do Banco durante o exercício de 2012.

Verificámos a regularidade da escrituração contabilística, não tendo tomado conhecimento de qualquer violação da lei ou do contrato de sociedade.

Em resultado dos exames efectuados, é nossa convicção que o Relatório do Conselho de Administração é suficientemente esclarecedor da actividade do Banco e que os demais documentos apresentados satisfazem as disposições legais e estatutárias.

Com base nas verificações e conclusões referidas, somos de Parecer que:

1. Sejam aprovados o Relatório do Conselho de Administração, o Balanço e a Demonstração de Resultados;

2. Seja aprovada a proposta de aplicação de resultados.

Macau, aos 19 de Março de 2013.

O Conselho Fiscal

Órgãos Sociais

Mesa da Assembleia Geral

Maria de Lurdes Nunes Mendes da Costa — Presidente

Rui Luís Cabral de Sousa — Secretário

Conselho de Administração

Pedro José de Sousa Fernandes Homem — Presidente

José Manuel Trindade Morgado

Carlos José Nascimento Magalhães Freire

Jorge Manuel da Conceição Góis

Manuel Alexandre da Rocha Barreto

Rui Manuel Fernandes Pires Guerra

Paulo Jorge Carrageta Ferreira

Amílcar Carlos Ferreira de Morais Pires

Paulo Jorge Gonçalves Dias Afonso

Comissão Executiva

José Manuel Trindade Morgado — Presidente

Carlos José Nascimento Magalhães Freire — Vice-Presidente

Jorge Manuel da Conceição Góis

Manuel Alexandre da Rocha Barreto

Rui Manuel Fernandes Pires Guerra

Paulo Jorge Carrageta Ferreira

Paulo Jorge Gonçalves Dias Afonso

Conselho Fiscal

Ricardo Abecassis Espírito Santo Silva — Presidente

José Manuel Macedo Pereira

Rui Boavida Viegas Vaz (faleceu em 09/09/2012)

Joaquim Jorge Perestrelo Neto Valente (Nomeado em 18/12/2012)

Instituições em que detém participação superior a 5% do respectivo capital ou superior a 5% dos seus fundos próprios

Europ Assistance (Macau) — Serviços de Assistência Personalizados, Limitada

25%

Espírito Santo do Oriente — Estudos Financeiros e de Mercado de Capitais, Limitada

90%

Accionistas com participação qualificada

Nome Acções detidas (n.º) Valor percentual (%)
Banco Espírito Santo, S.A. 199 500 99,75

Síntese do Parecer dos Auditores Externos

Aos accionistas do Banco Espírito Santo do Oriente, S.A.
(Sociedade anónima constituída em Macau)

Procedemos à auditoria das demonstrações financeiras do Banco Espírito Santo do Oriente, S.A. relativas ao ano 2012, nos termos das Normas de Auditoria e Normas Técnicas de Auditoria da Região Administrativa Especial de Macau. No nosso relatório, datado de 28 de Fevereiro de 2013, expressámos uma opinião sem reservas relativamente às demonstrações financeiras das quais as presentes constituem um resumo.

As demonstrações financeiras a que acima se alude compreendem o balanço, à data de 31 de Dezembro de 2012, a demonstração de resultados, a demonstração de alterações no capital próprio e a demonstração de fluxos de caixa relativas ao ano findo, assim como um resumo das políticas contabilísticas relevantes e outras notas explicativas.

As demonstrações financeiras resumidas preparadas pela gerência resultam das demonstrações financeiras anuais auditadas e dos livros e registos do Banco. Em nossa opinião, as demonstrações financeiras resumidas são consistentes, em todos os aspectos materiais, com as demonstrações financeiras auditadas e os livros e registos do Banco.

Para a melhor compreensão da posição financeira do Banco e dos resultados das suas operações, no período e âmbito abrangido pela nossa auditoria, as demonstrações financeiras resumidas devem ser lidas conjuntamente com as demonstrações financeiras das quais as mesmas resultam e com o respectivo relatório de auditoria.

Lei Iun Mei, Auditora de Contas
KPMG

Macau, aos 28 de Fevereiro de 2013.


CHONG HING BANK LIMITED, SUCURSAL DE MACAU

Balanço anual em 31 de Dezembro de 2012

MOP

MOP

* Nota

Em Outras Reservas representa uma reserva regulamentar no montante de 1 491 797,13 Patacas. Porque a Sucursal adopta as Normas de Relato Financeiro da RAEM na preparação das suas demonstrações financeiras anuais e as provisões para as perdas de imparidade dos créditos concedidos, podem estes ser inferiores ao nível mínimo de provisões genéricas calculadas de acordo com o Aviso n.º 18/93 da AMCM (o nível mínimo). A Sucursal na referida reserva regulamentar representa a diferença entre a provisão genérica e as perdas de imparidade do crédito concedido. Este mesmo montante, inscrito na linha «Dotações adicionais para provisões conforme RJSF» da Conta de Lucros e Perdas das contas resumidas.

Demonstração de resultados do exercício de 2012

Conta de exploração

MOP

MOP

Contas de lucros e perdas

MOP

O Gerente, A Chefe da Contabilidade,
Lau Hing Keung Choi Ka Ching

Síntese do relatório de actividade

Em 2012, os riscos de curto prazo da economia global foram diminuindo gradualmente e a economia vizinha a Macau continua a experimentar uma recuperação mista. Estes factores conduziram ao desenvolvimento da indústira de Macau no turismo, jogo e hospitalidade e no aumento de projectos de construção para o sector excluído do jogo. Desta forma estimulou o nível de investimentos, acelerou a diversificação do desenvolvimento da economia de Macau e criou mais oportunidades de emprego. Este ciclo virtuoso de negócio alimentou a recuperação da economia. O crescimento da actividade de empréstimos e investimento continua forte e os fundos da Sucursal puderam ser melhor utilizados. Com o apoio da Sede, a nossa Sucursal fortaleceu o trabalho de equipa, informações aos pares, visita frequente aos clientes e manteve um mais profundo conhecimento da nossa Sucusal e dos pares, com ênfase na eficiência e eficácia, indo ao encontro das necessidades dos nossos clientes e criando novas oportunidades de negócios.

Para o ano findo em 31 de Dezembro de 2012, o total dos proveitos de operações da Sucursal é de 9,34 milhões de patacas com um aumento anual de 25,7%. O lucro depois de impostos atingiu 710.000 patacas, um decréscimo de 46,9%. Os depósitos dos clientes foram de 280 milhões de patacas, uma redução ligeira de 5,4%. Os empréstimos aos clientes atingiram 240 milhões de patacas, um alto aumento de 247%. O total dos activos líquidos atingiram 450 milhões de patacas, um aumento de 4,3%.

Olhando para o ano de 2013, em geral espera-se que a perspectiva de economia global continua positiva que serve como um novo momento para Macau. Espera-se também um nível apropriado na diversificação da economia de Macau. Com o contínuo apoio da nossa Sede, iremos improvisar a nossa concorrência através da inovação, obtenção de melhor desempenho e compromisso na oferta de produtos e serviços de melhor qualidade aos nossos clientes no contributo aos cidadãos de Macau pela contribuição da sua confiança e apoio.

O Gerente,
Lau Hing Keung

Síntese do parecer dos auditores externos

Ao Gerente da Sucursal do Chong Hing Bank Limited — Sucursal de Macau

Procedemos à auditoria das demonstrações financeiras do Chong Hing Bank Limited — Sucursal de Macau relativas ao ano de 2012, nos termos das Normas de Auditoria e Normas Técnicas de Auditoria da Região Administrativa Especial de Macau. No nosso relatório datado de 9 de Maio de 2013, expressámos uma opinião sem reservas relativamente às demonstrações financeiras das quais as presentes constituem um resumo.

As demonstrações financeiras a que acima se alude compreendem o balanço, à data de 31 de Dezembro de 2012, a demonstração de resultados, a demonstração de alterações da conta corrente com a sede e reserva e a demonstração de fluxos de caixa relativas ao ano findo, assim como um resumo das políticas contabilísticas relevantes e outras notas explicativas.

As demonstrações financeiras resumidas preparadas pela gerência resultam das demonstrações financeiras anuais auditadas a que acima se faz referência, a Sucursal criou a provisão genérica para crédito concedido de acordo com o Aviso n.º 18/93-AMCM da Autoridade Monetária de Macau. Esta provisão genérica é apresentada como «Dotações adicionais para provisões conforme RJSF» nas acompanhadas Conta de Lucros e Perdas publicadas como ajustamento da conta do resultado do exercício. A «Reserva Regulamentar» representa a diferença entre a provisão genérica as perdas de imparidade do crédito concedido apresentada na demonstração de alterações da conta corrente com a sede e reserva das demonstrações financeiras para o ano findo. Excepto o acima citado, em nossa opinião, as demonstrações financeiras resumidas são consistentes, em todos os aspectos materiais, com as demonstrações financeiras auditadas.

Para a melhor compreensão da posição financeira do Chong Hing Bank Limited — Sucursal de Macau e dos resultados das suas operações, no período e âmbito abrangido pela nossa auditoria, as demonstrações financeiras resumidas devem ser lidas conjuntamente com as demonstrações financeiras das quais as mesmas resultam e com o respectivo relatório de auditoria.

Quin Va
Auditor de Contas
Deloitte Touche Tohmatsu — Sociedade de Auditores

Macau, aos 9 de Maio de 2013.


HANG SENG BANK LIMITED — SUCURSAL DE MACAU

(Publicações ao abrigo do artigo 76.º do RJSF, aprovado pelo Decreto-Lei n.º 32/93/M, de 5 de Julho)

Balanço anual em 31 de Dezembro de 2012

(Em patacas)

(Em patacas)

As Outras Reservas incluem uma reserva genérica de 46 042 965,28 Patacas e uma reserva específica de 63 589,14 Patacas. Porque a sucursal adopta as Financial Reporting Standards of the Macau SAR («MFRS») na preparação das suas demonstrações financeiras anuais, as perdas de imparidade com base nas MFRS podem ser inferiores ao nível mínimo de provisões genéricas e provisães específicas calculadas de acordo com o Aviso n.º 18/93 - AMCM (o nível mínimo). A referida reserva obrigatória representa, pois, a diferença entre o nível mínimo e as perdas de imparidade nos termos das MFRS (antes dos impostos diferidos de 6 287,258 Patacas). Este mesmo montante, inscrito na linha «Dotações adicionais para provisões conforme RJSF» da Conta de Lucros e Perdas das contas resumidas, está reconciliado entre o «Lucro depois de impostos» e os «Resultados do ano de acordo com as regras da AMCM» na Conta de exploração das demonstrações financeiras auditadas anuais.

Demonstração de resultados do exercício de 2012

Conta de exploração

(Em patacas)

Conta de lucros e perdas

(Em patacas)

O Gerente da Sucursal de Macau,
Isidorus Fong
O Chefe da Contabilidade,
Eddie Tam

(Em patacas)

Resumo do relatório de actividades do exercício

No ano de 2012, a evolução da economia mundial continuou a ser pouco clara, e o Banco manteve uma estratégia estável bem como os serviços diversificados, através de investimentos com recursos adicionais a fim de se manter a par do continuado desenvolvimento económico de Macau. Assim, não obstante o confronto com diferentes desafios, houve um aumento estável dos negócios do Banco.

As actividades principais exercidas pelo Banco, no ano de 2012, consistiram na prestação de serviços diversificados de depósito, todos os tipos de financiamentos comerciais, serviços comerciais transfronteiriços em renmimbi, empréstimos garantidos por hipoteca sobre imóveis, empréstimos a empresas, transferências e operações cambiais, custódia de títulos, terminais de serviço automático e agenciamento de seguros, entre outros, os quais foram disponibilizados a empresários e clientes individuais. No dia do encerramento do exercício anual, registamos como depósitos e empréstimos, respectivamente, dois mil e quarenta e cinco milhões de patacas, e cinco mil oitocentos e oitenta milhões de patacas, sendo o lucro, deduzido do imposto anual, de setenta e quatro milhões de patacas.

O ano de 2013, sendo 10.º aniversário da nossa constituição em Macau, é um ano importante e continuaremos a seguir rigorosamente os objectivos iniciais, prestando serviços de boa qualidade aos clientes, com sinceridade e exploração estável. Vamos planear e analisar activamente a instalação de balcões com vista a aperfeiçoar os mecanismos de serviço em cooperação com a expansão rápida da economia de Macau, para que o Banco seja um parceiro na gestão de patrimónios com a confiança dos clientes.

Agradecemos aos Serviços Públicos da Administração de Macau, clientes, colegas e funcionários do Banco e seus familiares, o apoio que nos prestaram.

Hang Seng Bank Limited — Sucursal de Macau

O Director da Sucursal,
Fong Chi Cheng

Síntese do parecer dos auditores externos

Para o gerente-geral do Hang Seng Bank Limited — Sucursal de Macau
(Sucursal de um banco comercial de responsabilidade limitada, incorporado na Região Administrativa Especial de Hong Kong)

Procedemos à auditoria das demonstrações financeiras do Hang Seng Bank Limited — Sucursal de Macau relativas ao ano de 2012, nos termos das Normas de Auditoria e Normas Técnicas de Auditoria da Região Administrativa Especial de Macau. No nosso relatório, datado de 14 de Maio de 2013, expressámos uma opinião sem reservas relativamente às demonstrações financeiras das quais as presentes constituem um resumo.

As demonstrações financeiras a que acima se alude compreendem o balanço, à data de 31 de Dezembro de 2012, a demonstração de resultados, a demonstração de alterações nas reservas e a demonstração de fluxos de caixa relativas ao ano findo, assim como um resumo das políticas contabilísticas relevantes e outras notas explicativas.

As demonstrações financeiras resumidas preparadas pela gerência resultam das demonstrações financeiras anuais auditadas e dos livros e registos da sucursal. Em nossa opinião, as demonstrações financeiras resumidas são consistentes, em todos os aspectos materiais, com as demonstrações financeiras auditadas e os livros e registos da sucursal.

Para a melhor compreensão da posição financeira do Hang Seng Bank Limited — Sucursal de Macau e dos resultados das suas operações, no período e âmbito abrangido pela nossa auditoria, as demonstrações financeiras resumidas devem ser lidas conjuntamente com as demonstrações financeiras das quais as mesmas resultam e com o respectivo relatório de auditoria.

Lei Iun Mei, Auditor de Contas.
KPMG

Macau, aos 14 de Maio de 2013.


BANCO CHINÊS DE MACAU, S.A.

(Publicação ao abrigo do artigo 75.º do RJSF, aprovado pelo Decreto-Lei n.º 32/93/M, de 5 de Julho)

Balanço anual em 31 de Dezembro de 2012

MOP

MOP

Nota: A rubrica «Outras Reservas» está incluído um valor de MOP 3 033 985,00 de provisões genéricas adicionais constituídas em cumprimento das regras do Aviso n.º 18/93-AMCM.

MOP

Demonstração de resultados do exercício de 2012

Conta de exploração

MOP

Conta de lucros e perdas

MOP

 OAdministrador,
Chan Tat Kong
O Chefe da Contabilidade,
Lio Kuok Keong

Macau, aos 18 de Março de 2013.

Nota: O balanço anual e a demonstração de resultados do exercício foram preparados a partir dos registos contabilísticos auditados.

Instituições em que detem participação superior a 5% do respectivo capital ou superior a 5% dos seus fundos próprios:

Nenhuma

Accionistas qualificados:

Winwise Holdings Ltd. (constituída em Hong Kong)
Discovery Planet Ltd. (constituída em Hong Kong)

Nomes dos titulares dos orgãos sociais:

Mesa da Assembleia Geral
Presidente : Albert Saychuan Cheok
Secretario : Hau Tat Kwong, Andrew
Conselho Fiscal
Presidente : Chan Nim Leung, Leon
Vogal : Chui Sai Cheong
  Leung Nai Chau, Jesse
Conselho de Administração
Presidente : Lee Luen Wai, John
Administrador : Chan Tat Kong
  Ng Tai Chiu, David
  Ma Chi Man
  Cheng Sai Chong
Comissão Executiva
Presidente : Chan Tat Kong
Vogal : Lee Luen Wai, John
  Ma Chi Man
  Cheng Sai Chong
  Ng Tai Chiu, David

Macau, aos 20 de Março de 2013.

Síntese do relatório de actividade a 31 de Dezembro de 2012

Mesmo com o abrandamento da economia global em 2012, o Produto Interno Bruto de Macau manteve um crescimento de dois dígitos, graças ao crescimento dos rendimentos da indústria do jogo, ao aumento do número e consumo dos visitantes, e ao forte mercado de emprego que impulsionou o consumo local com a subida dos níveis salariais. O nosso Banco conseguiu bons resultados operacionais durante 2012, nesse ambiente económico favorável.

O resultado após impostos atingiu MOP10.241.486 em 2012, com um óbvio melhoramento em comparação ao ano anterior. Excluindo a valorização do edifício do Banco e a provisão geral do crédito, a nossa margem obteve praticamente um crescimento.

O juro líquido cresceu 9.2% relativamente ao ano passado, por causa do forte aumento de empréstimos. A receita total não juro cresceu 51.1% em relação ao ano anterior. Além dos juros dos empréstimos, cresceram também os alugueres do edifício do Banco, a receita de gestão de projectos, seguros, assim como várias comissões, lucros Forex e rendimentos de investimento. Por outro lado, o valor anual das despesas operacionais cresceu 18%, principalmente devido ao aumento de custos com pessoal, para fazer face ao desenvolvimento de várias actividades.

Até 31 de Dezembro de 2012, o crédito total e o depósito de clientes cresceram respectivamente 74% e 97%. Insistindo constantemente na política prudente de gestão de riscos, a qualidade dos activos do nosso Banco continua a estar num nível satisfatório. O Rácio de Adequação de Capital (RAC) do nosso Banco é de 53%, muito mais alto que as exigências reguladoras e normas internacionais. A estrita gestão de liquidez faz o nosso Índice de Liquidez estar em linha com as exigências reguladoras.

Para satisfazer necessidades de clientes, o nosso Banco desenvolveu e lançou uma série de produtos e serviços, tal como representação de vários seguros de vida e gerais, financiamento de apólice, regime preferencial de funcionários, câmbio de moedas estrangeiras, empréstimo pessoal. O nosso Banco também se dedica ao desenvolvimento da rede com outros bancos parceiros para promover mais as actividades de capital, financiamento do comércio de importação e exportação. Damos muita importância à nossa gestão empresarial, neste ano já revimos políticas da gestão de riscos, manuais de compatibilidade e composições de comissões.

Segundo as expectativas de 2013, a economia global está gradualmente a recuperar e a economia de Macau continua a ter um crescimento estável. Com o apoio de matriz o nosso Banco aumentará o capital para o ano que vem, com vista a explorar escala de operações, fortalecer base de clientes, cuidar das empresas médias e pequenas e clientes particulares, criar novos produtos e serviços, satisfazer as necessidades dos clientes e enfrentar as mudanças do ambiente financeiro, melhorando a nossa gestão empresarial e gestão de riscos, o nosso sistema de automatização, a nossa formação de pessoal e todas as nossas competências para servir o cliente.

Aproveitamos esta ocasião para apresentar os nossos sinceros agradecimentos ao apoio de todos os clientes durante ano passado, e também aos esforços da nossa Gerência e dos nossos funcionários.

Lee, Luen Wai, John
Presidente do Conselho de Administração

20 de Março de 2013.

Parecer do Conselho Fiscal de 2012

Durante 2012, o Conselho Fiscal seguiu atentamente as actividades do Banco. Ao manter um estreito e frequente contacto com o Conselho de Administração, o Conselho Fiscal obteve a melhor cooperação e informação do Conselho de Administração que lhe permitiu executar as suas tarefas e responsabilidades eficaz e eficientemente.

Após rever e analisar os documentos que lhe foram apresentados, o Conselho Fiscal é de opinião que esses documentos reflectem clara e verdadeiramente os bens e a situação económica e financeira do Banco.

Portanto, o Conselho Fiscal considera que as contas e relatório financeiros para o exercício de 2012 submetidos pelo Conselho de Administração deveriam ser apresentados à Assembleia Geral de Accionistas para aprovação.

Presidente do Conselho Fiscal

20 de Março de 2013.

Parecer de auditor independente sobre o relatorio e contas

Para os accionistas da Sociedade do Banco Chinês de Macau, S.A.
(sociedade por acções de responsabilidade limitada, registada em Macau)

Procedemos à auditoria das demonstrações financeiras da Sociedade do Banco Chinês de Macau, S.A. relativas ao ano de 2012, nos termos das Normas de Auditoria e Normas Técnicas de Auditoria da Região Administrativa Especial de Macau. No nosso relatório, datado de 18 de Março de 2013, expressámos uma opinião sem reservas relativamente às demonstrações financeiras das quais as presentes constituem um resumo.

As demonstrações financeiras a que se acima se alude compreendem o balanço, à data de 31 de Dezembro de 2012, a demonstração de resultados, a demonstração de rendimento integral, a demonstração de alterações no capital próprio e a demonstração de fluxos de caixa relativas ao ano findo, assim como um resumo das políticas contabilísticas relevantes e outras notas explicativas.

As demonstrações financeiras resumidas preparadas pela gerência resultam das demonstrações financeiras anuais auditadas a que acima se faz referência. Em nossa opinião, as demonstrações financeiras resumidas são consistentes, em todos os aspectos materiais, com as demonstrações financeiras auditadas.

Para a melhor compreensão da posição financeira da sociedade e dos resultados das suas operações, no período e âmbito abrangido pela nossa auditoria, as demonstrações financeiras resumidas devem ser lidas conjuntamente com as demonstrações financeiras das quais as mesmas resultam e com o respectivo relatório de auditoria.

Bao, King To
Auditor de Contas
Ernst & Young — Auditores

Macau, aos 18 de Março de 2013.


BANCO WING LUNG, LIMITADA — SUCURSAL DE MACAU

Balanço anual em 31 de Dezembro de 2012

MOP

MOP

MOP

Demonstração de resultados do exercício de 2012

Conta de exploração

MOP

Conta de lucros e perdas

MOP

Gerente-general, A Chefe da Contabilidade,
Guo Zhihang Tang Ying

業務報告之概要

二○一二年澳門經濟依舊保持快速增長,但歐元區仍受歐債問題困擾,美國經濟增長乏力。至於內地,由於外需疲弱,加上中國政府持續調整經濟,內地經濟增長出現放緩跡象。永隆銀行澳門分行堅持兩條腿走路方針,即在擴大澳門本地業務同時發展跨境離岸業務,在健康平穩中走過第二個經營年度,至二○一二年底,本行存款餘額達至18.9億澳門元,貸款餘額為34億澳門元,在提取撥備1681萬澳門元以後實現當年盈利564萬澳門元,達到計劃經營兩年盈利的目標。

展望二○一三年,環球經濟仍然充滿變數,本行會保持高度警覺,依靠永隆銀行總行及招商銀行集團的資源和優勢,發揮內外聯動的協同效應,在加強風險管控的基礎上,加大對本地工商企業投資和經營活動的支持力度,以增強競爭力,並提升整體盈利能力。

在此,本人對一貫支持本行業務發展的社會各界人士表示衷心感謝!

永隆銀行澳門分行
總經理 郭志航

二○一三年五月八日

外部核數師意見書之概要

致 永隆銀行有限公司澳門分行總經理

(於香港特別行政區註冊成立的商業銀行有限公司之分行)

我們按照澳門特別行政區之《核數準則》和《核數實務準則》審核了永隆銀行有限公司澳門分行二零一二年度的財務報表,並已於二零一三年五月十五日就該財務報表發表了無保留意見的核數師報告。

上述已審核的財務報表由二零一二年十二月三十一日的資產負債表以及截至該日止年度的損益表、儲備變動表和現金流量表組成,亦包括重大會計政策的摘要和解釋附注。

隨附由管理層編制的摘要財務報表是上述已審核財務報表和相關會計賬目及簿冊的摘要內容。我們認為,摘要財務報表的內容,在所有重要方面,與已審核財務報表和相關會計賬目及簿冊的內容一致。

為更全面了解永隆銀行有限公司澳門分行的財務狀況和經營結果以及核數工作的範圍,隨附的摘要財務報表應與已審核的財務報表以及獨立核數師報告一併閱讀。

李婉薇註冊核數師
畢馬威會計師事務所

二零一三年五月十五日,於澳門


MACAU PASS, S.A.

(Publicações ao abrigo do artigo 75.º do RJSF, aprovado pelo Decreto-Lei n.º 32/93/M, de 5 de Julho)

Balanço anual em 31 de Dezembro de 2012

(MOP)
(MOP)

Demonstração de resultados do exercício de 2012

Conta de exploração

(MOP)

Conta de lucros e perdas

(MOP)
Administrador, Chefe da Contabilidade,
Chan Hio Ieong Wong Wai Ngon
(MOP)

Relatório do Conselho de Administração 2012

Em 2012, as nossas actividades tiveram um desenvolvimento contínuo, tendo os serviços prestados e a aplicação dos vários instrumentos de pagamento crescido de forma constante. Nomeadamente, foram emitidos mais de um milhão cartões electrónicos, um aumento de 24% em relação ao período homólogo do ano passado, o número de estabelecimentos comerciais que aceitam o cartão MacauPass aumentou 33%, o número de pontos de venda e carregamento de dinheiro nos estabelecimentos comerciais subiu 34%, a capacidade de processamento dos dados de transacção aumentou 19%, o valor total das transacções aumentou 25%, os investimentos em bens imobiliários aumentou 12% e os lucros operacionais registaram um aumento de 47%. Os lucros após impostos totalizaram 3,159 milhões de patacas no período em apreço neste relatório.

Perspectivas para o ano de 2013

A sociedade vai continuar a desenvolver em 2013 novas aplicações para o cartão, procurar cooperar com novos estabelecimentos comerciais por vários meios, automatizar o carregamento dos cartões e reforçar a cooperação regional, de modo a podermos prestar aos titulares dos cartões serviços de pagamento mais cómodos com um maior âmbito, bem como para podermos ser uma mais-valia para a sociedade.

Em 2013, a sociedade vai investir continuamente recursos para actualizar os nossos equipamentos, instalações e sistemas para poder cumprir os critérios financeiros da China, regularizar os nossos recursos, reforçar a gestão de riscos, aumentar a eficácia e beneficiar as nossas operações.

Presidente do Conselho de Administração
Liu Hei Wan

Macau, aos 28 de Março de 2013.

Parecer do Fiscal Único

Nos termos do Código Comercial e dos Estatutos da Companhia, o Fiscal Único supervisionou a administração da MACAU PASS S.A. ao longo do ano de 2012 até ao dia 31 de Dezembro, acompanhou a actividade da Companhia, e obteve todas as informações e esclarecimentos que considerou necessários. O Fiscal Único considera que as demonstrações financeiras e o relatório de actividade estão correctos e completos, explicando de forma breve e clara a situação financeira da Companhia, o desenvolvimento das suas actividades e os resultados das operações referentes ao exercício do ano 2012. O Fiscal Único não verificou qualquer irregularidade nem acto ilícito.

Proponho à Assembleia Geral a aprovação do relatório das actividades financeiras do ano até ao dia 31 de Dezembro de 2012, submetido pelo Conselho de Administração.

O Fiscal Único, Wu Chun Sang, Auditor Registado.

Macau, aos 28 de Março de 2013.

Relatório do Auditor Externo sobre as Demonstrações Financeiras Resumidas

Para os accionistas do MACAU PASS, S.A.
(Constituída em Macau como sociedade anónima)

As demonstrações financeiras resumidas anexas da Macau Pass S.A. (a Sociedade) referentes ao exercício findo em 31 de Dezembro de 2012 resultam das demonstrações financeiras auditadas referentes ao exercício findo naquela data. Estas demonstrações financeiras resumidas, as quais compreendem o balanço em 31 de Dezembro de 2012 e a demonstração dos resultados do exercício findo naquela data, são da responsabilidade do Conselho de Administração da Sociedade. A nossa responsabilidade consiste em expressar uma opinião, unicamente endereçada a V. Ex.as enquanto Conselho de Administração, sobre se as demonstrações financeiras resumidas são consistentes, em todos os aspectos materiais, com as demonstrações financeiras auditadas, e sem qualquer outra finalidade. Não assumimos responsabilidade nem aceitamos obrigações perante terceiros pelo conteúdo deste relatório.

Auditámos as demonstrações financeiras da Sociedade referentes ao exercício findo em 31 de Dezembro de 2012 de acordo com as Normas de Auditoria e Normas Técnicas de Auditoria emitidas pelo Governo da Região Administrativa Especial de Macau, e expressámos a nossa opinião sem reservas sobre estas demonstrações financeiras, no relatório de 28 de Março de 2013.

As demonstrações financeiras auditadas compreendem o balanço em 31 de Dezembro de 2012, a demonstração dos resultados, a demonstração de alterações no capital próprio e a demonstração dos fluxos de caixa do exercício findo naquela data, e um resumo das principais políticas contabilísticas e outras notas explicativas.

Em nossa opinião, as demonstrações financeiras resumidas são consistentes, em todos os aspectos materiais, com as demonstrações financeiras auditadas e com os registos contabilísticos da sociedade.

Para uma melhor compreensão da posição financeira da Sociedade e dos resultados das suas operações, e do âmbito da nossa auditoria, as demonstrações financeiras resumidas devem ser lidas em conjunto com as demonstrações financeiras auditadas e com o respectivo relatório do auditor independente.

Cheung Pui Peng, Grace
Auditor de contas PricewaterhouseCoopers

Macau, aos 20 de Maio de 2013.

Lista das instituições que detém participação superior a 5% do respectivo capital social ou superior a 5% dos seus fundos próprios:

Nenhuma.

Lista dos accionistas qualificados Mesa da Assembleia Geral
Liu Hei Wan Presidente: Liu Hei Wan
Liu Chak Wan Secretário: Vong Chak Kin
Vong Chak Kin

Órgãos Sociais

Conselho Fiscal

Fiscal Único: Wu Chun Sang

Conselho de Administração

Administrador: Liu Hei Wan

Administrador: Ko Yan Fat (Data do termo da comissão: 1 de Outubro de 2012)

Administrador: Law Suet Yi (Data de início da comissão: 17 de Outubro de 2012)

Administrador: Chan Hio Ieong

Administrador: Tse Ka Ming

Administrador: Liu Cheuk Yin

Secretário da Companhia: Vong Chak Kin

Macau, aos 28 de Março de 2013.


THE BANK OF EAST ASIA, LIMITED, SUCURSAL DE MACAU

Balanço anual em 31 de Dezembro de 2012

MOP

MOP

* As Outras Reservas incluem uma reserva obrigatória no montante de 41 664 650,77 Patacas. Porque a sucursal adopta as Macau Financial Reporting Standards («MFRS») na preparação das suas demonstrações financeiras anuais, as perdas de imparidade com base nas MFRS podem ser inferiores ao nível mínimo de provisões genéricas calculadas de acordo com o Aviso n.º 18/93 da AMCM (o nível mínimo). A referida reserva obrigatória representa, pois, a diferença entre o nível mínimo e as perdas de imparidade nos termos das MFRS (antes dos impostos diferidos de 5 681 543,29 patacas). Este mesmo montante, inscrito na linha «Dotações adicionais para provisões conforme RJSF» da Conta de Lucros e Perdas das contas resumidas, está reconciliado entre o «Lucro depois de impostos» e os «Resultados do ano de acordo com as regras da AMCM» na Conta de exploração das demonstrações financeiras auditadas anuais.

MOP

Demonstração de resultados do exercício de 2012

Conta de exploração

MOP

Conta de lucros e perdas

MOP

O Gerente-geral da Sucursal de Macau, Sub Gerente Geral,
Wong Chun Kwan Leong Wai Kun

Síntese do relatório de actividade

Em 2012, a Sucursal de Macau do Bank of East Asia, Limited («BEA») concentrou-se na expansão da gama de produtos e na melhoria da qualidade dos serviços. Durante o ano, a Sucursal de Macau lançou muitos novos produtos e serviços, incluindo cartões ATM, a conta SupremeGold, serviço de folha de pagamentos automática, uma aplicação para telemóvel, e empréstimos para aquisição de táxi e lugares de estacionamento para melhor servir as necessidades dos clientes. Trabalhando de perto com o Bank of East Asia (China) Limited («BEA China»), a Sucursal de Macau também forneceu uma vasta gama de serviços bancários transfronteiriços para os clientes em Macau e das regiões vizinhas. Através da optimização da estrutura do activo e passivo, a margem dos juros líquidos da Sucursal de Macau continuou a melhorar. Os créditos e depósitos dos clientes aumentaram 42% e 8%, respectivamente, no ano.

Olhando para o futuro, a Sucursal de Macau do BEA continuará a concentrar-se no fornecimento de uma gama alargada de produtos de retalho, a diversificar o seu portfolio de empréstimos, e a potenciar a força do BEA China para corresponder às necessidades de serviços bancários transfronteiriços dos clientes individuais e das empresas.

Wong Chun Kwan
Gerente Geral
Sucursal de Macau de Banco de East Asia

Síntese do parecer dos auditores externos

Para a gerência do Banco da East Asia, Limitada — Sucursal de Macau
(Sucursal de um banco comercial de responsabilidade limitada, incorporada na Região Administrativa Especial de Hong Kong)

Procedemos à auditoria das demonstrações financeiras do Banco da East Asia, Limitada — Sucursal de Macau relativas ao ano de 2012, nos termos das Normas de Auditoria e Normas Técnicas de Auditoria da Região Administrativa Especial de Macau. No nosso relatório, datado de 29 de Abril de 2013, expressámos uma opinião sem reservas relativamente às demonstrações financeiras das quais as presentes constituem um resumo.

As demonstrações financeiras a que acima se alude compreendem o balanço, à data de 31 de Dezembro de 2012, a demonstração de resultados, a demonstração de alterações nas reservas e a demonstração de fluxos de caixa relativas ao ano findo, assim como um resumo das políticas contabilísticas relevantes e outras notas explicativas.

As demonstrações financeiras resumidas preparadas pela gerência resultam das demonstrações financeiras anuais auditadas e dos livros e registos da Sucursal. Em nossa opinião, as demonstrações financeiras resumidas são consistentes, em todos os aspectos materiais, com as demonstrações financeiras auditadas e os livros e registos da Sucursal.

Para a melhor compreensão da posição financeira da Sucursal e dos resultados das suas operações, no período e âmbito abrangido pela nossa auditoria, as demonstrações financeiras resumidas devem ser lidas conjuntamente com as demonstrações financeiras das quais as mesmas resultam e com o respectivo relatório de auditoria.

Lei Iun Mei, Auditor de Contas.
KPMG

Macau, aos 29 de Abril de 2013.


SINOSKY ENERGY (HOLDINGS) CO., LTD.

董事會報告

首先,本人謹代表中天能源控股有限公司董事會向列位股東與社會各界對本公司的關心和支持表示衷心感謝。

2012年,因澳門大學橫琴校區隧道建設和橫琴新區道路建設需要,以及受中海油終端附近海底管線洩漏事故影響,輸澳天然氣暫停。根據核數師報告,公司2012年全年無天然氣的銷售收入及銷售成本產生,年度虧損28,631,324澳門元,主要是因為配合上游天然氣管線搬遷停止供氣,在沒有營業收入的情況下產生的公司營運費用;公司從2008年初供氣至今已累計虧損119,506,853澳門元,主要原因是自2010年起受國際及國內天然氣價格不斷上升,但政府批准的天然氣售價不能高於每立方米2.7357澳門元且一直未能調升,因此,目前公司每銷售一立方米天然氣上便需補貼1.8673澳門元,中天能源從而在此情況下造成嚴重虧損。按照批給合同的條款規定每隔三年檢討和修訂一次,及當“營業收入出現重大下降而導致收入不能負擔日常營運開支”時,我司可向政府提出門站價的緊急檢討要求,目前,公司正積極配合政府的要求並磋商,希望能在年中前與政府達成雙贏的結局。按照目前上游供氣商提供的採購價格每立方米4.603澳門元推算,中天能源如短期內仍未能獲得政府批准加價的話,預計每月虧損將高達三仟陸佰萬澳門元(停止供氣前每日的平均供氣量約為陸拾伍萬立方米)。

2012年,中天能源利用停氣的機會,進行了天然氣輸入及傳輸系統的保養與維修;完成了緊急切斷閥室設備和實時數據採集與監視監控系統的安裝調試;配合政府要求的西堤馬路高壓管線搬遷工程以及與分配網營運商接駁工程竣工,同時,為配合特區政府新巴士路線開通及環保公交政策的推廣,中天能源已積極提供壓縮天然氣(CNG)的供應,將車用CNG引入本澳。

展望2013年,中天能源將配合本澳石排灣公屋使用天然氣規劃,計劃於3月份採用臨時管道供氣的方式,通過分配網營運商開始向本澳居民供應天然氣,並積極跟進上游供氣商永久管線建設進度,早日恢復永久管道供氣。未來,我們仍以安全、平穩傳輸天然氣作為第一要務,在目前供澳氣源基礎上盡快落實長期氣源,並與政府完成批給合同的檢討,爭取在年中前將天然氣定價機制得以理順的基礎上營運正常化,為進一步推動天然氣在特區的廣泛應用打下基礎。

感謝澳門特區政府以及各界人士的支持和幫助,本人及董事會成員相信,在列位股東的支持下,在董事會、監事會、執行委員會及全體員工的共同努力下,中天能源將繼續秉承長期、安全、平穩的經營宗旨,為本澳用戶提供優質服務,努力推廣清潔能源的應用、改善生態環境,以良好的業績和持續有效發展回報股東、服務社會和造福員工。

董事長:謝丹

二零一三年三月二十五日

摘要財務報表之獨立核數師報告

致 中天能源控股有限公司全體股東:
(於澳門註冊成立之有限公司)

本核數師已按照澳門特別行政區政府頒布的《核數準則》和《核數實務準則》審核了中天能源控股有限公司截至二零一二年十二月三十一日止年度財務報表,並於二零一三年三月六日就該財務報表發表了無保留意見的核數師報告。

我們認為,摘要財務報表在所有重要方面均與上述經審核的財務報表相符。

為更全面了解該公司於二零一二年十二月三十一日的財務狀況,摘要財務報表應與上述經審核財務報表一併參閱。

何美華
註冊核數師
何美華會計師事務所

澳門,二零一三年三月六日

資產負債表

二零一二年十二月三十一日


華南商業銀行股份有限公司澳門分行

(根據七月五日法令第32/93/M號核准之金融體系法律制度第七十五條公告)

資產負債表於二零一二年十二月三十一日

澳門幣

澳門幣

澳門幣

二零一二年營業結果演算

營業賬目

澳門幣

損益計算表

澳門幣

總經理 會計主任
張健南 辛春美

二零一三年四月二十二日

業務報告之概要

華南商業銀行創立於西元一九一九年,總行設於台灣台北市,現有資本額新台幣573.79億元,二零一二年五月十六日在澳門特區政府核准及各界支持下,澳門分行正式開業,開業以來各項業務穩定推展。展望二零一三年,我們將持續秉持著本行【誠信、效率、主動、責任、合作】的核心價值,積極拓展業務,為客戶提供更多元化及更優質服務。

華南商業銀行 澳門分行
總經理 張健南

外部核數師意見書之概要

致華南商業銀行股份有限公司澳門分行管理層:

華南商業銀行股份有限公司澳門分行(「貴分行」)截至二零一二年十二月三十一日止年度隨附的摘要財務報表乃撮錄自貴分行由二零一二年一月三日(設立日)至二零一二年十二月三十一日止年度的已審核財務報表及貴分行的賬冊和記錄。摘要財務報表由二零一二年十二月三十一日的資產負債表以及由二零一二年一月三日(設立日)至二零一二年十二月三十一日止年度的損益表組成,管理層須對該等摘要財務報表負責。我們的責任是對摘要財務報表是否在所有重要方面均與已審核財務報表及貴分行的賬冊和記錄符合一致,發表意見,僅向管理層報告,除此之外本報告別無其他目的。我們不會就本報告的內容向任何其他人士負上或承擔任何責任。

我們按照澳門特別行政區政府頒布的《核數準則》和《核數實務準則》審核了貴分行由二零一二年一月三日(設立日)至二零一二年十二月三十一日止年度的財務報表,並已於二零一三年三月二十二日就該財務報表發表了無保留意見的核數師報告。

上述已審核的財務報表由二零一二年十二月三十一日的資產負債表以及由二零一二年一月三日(設立日)至二零一二年十二月三十一日止年度的損益表、儲備金變動表和現金流量表組成,亦包括重大會計政策的摘要和解釋附註。

我們認為,摘要財務報表在所有重要方面,均與上述已審核的財務報表及貴分行的賬冊和記錄符合一致。

為更全面瞭解貴分行的財務狀況和經營結果以及核數工作的範圍,隨附的摘要財務報表應與已審核的財務報表以及獨立核數師報告一併閱讀。

張佩萍
註冊核數師
羅兵咸永道會計師事務所

澳門,二零一三年四月二十二日


BANK SINOPAC COMPANY LIMITED

SUCURSAL DE MACAU

Balanço anual em 31 de Dezembro de 2012

MOP
MOP
MOP

Demonstração de resultados do exercício de 2012

Conta de exploração

MOP

Conta de lucros e perdas do exercício de 2012

MOP
O Gerente da Sucursal, Macau, A Chefe da Contabilidade,
Ben Chiu Cecilia Lo

Síntese do relatório de actividade

No ano de 2012, a actividade da Sucursal de Macau teve um crescimento estável e sustentável. O nosso activo foi também de elevado qualidade. Os nossos empréstimos cresceram 61% comparativamente ao ano anterior. Os depósitos de clientes aumentaram em 7% comparativamente ao ano anterior. O lucro depois de impostos atingiu MOP26.57 milhões, com um crescimento de 85% comparativamente ao ano anterior. Aproveitamos esta oportunidade para agradecer a todos os nossos clientes pelo seu apoio e a todos os colaboradores pelo seu esforço e envolvimento no ano de 2012.

Olhando para o futuro, a nossa Sucursal continuará a implementar a estratégia do controlo financeiro, promovendo valores e visão da Sede, avançando para o objectivo de «atingir a satisfação dos accionistas, preferência dos clientes, orgulho entre os nossos pares e respeito pela Sociedade», continuaremos a fortalecer a qualidade dos nossos serviços e iremos trabalhar com maior esforço para a prosperidade do desenvolvimento de Macau.

O Gerente da Sucursal, Macau
Ben Chiu

Síntese do parecer dos auditores externos

Para o Gerente-geral do Bank SinoPac Company Limited — Sucursal de Macau

Procedemos à auditoria das demonstrações financeiras do Bank SinoPac Company Limited — Sucursal de Macau relativas ao ano de 2012, nos termos das Normas de Auditoria e Normas Técnicas de Auditoria da Região Administrativa Especial de Macau. No nosso relatório, datado de 30 de Janeiro de 2013, expressámos uma opinião sem reservas relativamente às demonstrações financeiras das quais as presentes constituem um resumo.

As demonstrações financeiras a que acima se alude compreendem o balanço, à data de 31 de Dezembro de 2012, a demonstração de resultados, a demonstração de alterações da conta corrente com a sede e a demonstração de fluxos de caixa relativas ao ano findo, assim como um resumo das políticas contabilísticas relevantes e outras notas explicativas.

As demonstrações financeiras resumidas preparadas pela gerência resultam das demonstrações financeiras anuais auditadas a que acima se faz referência. Em nossa opinião, as demonstrações financeiras resumidas são consistentes, em todos os aspectos materiais, com as demonstrações financeiras auditadas.

Para a melhor compreensão da posição financeira do Bank SinoPac Company Limited — Sucursal de Macau e dos resultados das suas operações, no período e âmbito abrangido pela nossa auditoria, as demonstrações financeiras resumidas devem ser lidas conjuntamente com as demonstrações financeiras das quais as mesmas resultam e com o respectivo relatório de auditoria.

Quin Va
Auditor de Contas
Deloitte Touche Tohmatsu — Sociedade de Auditores

Macau, aos 30 de Janeiro de 2013.


MSIG INSURANCE (HONG KONG) LIMITED — SUCURSAL DE MACAU

Balanço em 31 de Dezembro de 2012

Patacas Patacas
A Chefe da Contabilidade, O Gerente,
Susanna Lei Victor Wu

Conta de exploração do exercício de 2012

(Ramos gerais)

DÉBITO

Patacas

CRÉDITO

Patacas

Conta de ganhos e perdas do exercício de 2012

 

Patacas

A Chefe da Contabilidade, O Gerente,
Susanna Lei Victor Wu

Sumário do Relatório de Actividades

No ano de 2012, a nossa empresa conseguiu registar um desenvolvimento estável nos resultados e o crescimento dos negócios atingiu as espectativas desejadas. O contínuo crescimento económico de Macau e a estabilidade política foram os factores mais determinantes para os resultados obtidos. No entanto, a concorrência do mercado e a informação da população em relação às reclamações conduziram ao aumento de pressão em determinados tipos de seguros. Felizmente, superámos as dificuldades com uma gestão eficaz e o empenho profissional da nossa equipa.

Para o ano de 2013, com a realização das infraestruturas de grande escala em Macau, um desenvolvimento económico optimista e a política de desenvolvimento estabelecida pelo Governo, perspectiva-se que o desenvolvimento dos negócios de seguros dos ramos gerais irá permanecer positivo. Com a melhoria de produtos e a diversificação das estratégias de marketing, a empresa continuará a prestar serviços de qualidade aos clientes de Macau.

Finalmente, agradecemos a todos os clientes e parceiros pelo seu apoio e orientação.
MSIG Insurance (Hong Kong) Limited.

Macau, aos 6 de Maio de 2013

Síntese do Parecer dos Auditores Externos

Para os directores da MSIG Insurance (Hong Kong) Limited
Referente a MSIG Insurance (Hong Kong) Limited — Sucursal de Macau

Procedemos à auditoria das demonstrações financeiras da MSIG Insurance (Hong Kong) Limited — Sucursal de Macau relativas ao ano de 2012, nos termos das Normas de Auditoria e Normas Técnicas de Auditoria da Região Administrativa Especial de Macau. No nosso relatório, datado de 11 de Abril de 2013, expressámos uma opinião sem reservas relativamente às demonstrações financeiras das quais as presentes constituem um resumo.

As demonstrações financeiras a que se acima se alude compreendem o balanço, à data de 31 de Dezembro de 2012, a demonstração de resultados, a demonstração de alterações no capital próprio e a demonstração de fluxos de caixa relativas ao ano findo, assim como um resumo das políticas contabilísticas relevantes e outras notas explicativas.

As demonstrações financeiras resumidas preparadas pela gerência resultam das demonstrações financeiras anuais auditadas e dos livros e registos da Sucursal. Em nossa opinião, as demonstrações financeiras resumidas são consistentes, em todos os aspectos materiais, com as demonstrações financeiras auditadas e os livros e registos da Sucursal.

Para a melhor compreensão da posição financeira da Sucursal e dos resultados das suas operações, no período e âmbito abrangido pela nossa auditoria, as demonstrações financeiras resumidas devem ser lidas conjuntamente com as demonstrações financeiras das quais as mesmas resultam e com o respectivo relatório de auditoria.

Macau, aos 11 de Abril de 2013.

Ng Kar Ling Johnny, Auditor de Contas
KPMG


THE HONGKONG AND SHANGHAI BANKING CORPORATION LIMITED

Sucursal de Macau

Incorporated in the Hong Kong SAR with limited liability

Balanço anual em 31 de Dezembro de 2012

MOP

MOP

* Nota

As Outras Reservas incluem uma reserva obrigatória no montante de 106,129,663.08 Patacas. Porque a sucursal adopta as International Financial Reporting Standards («IFRSs») na preparação das suas demonstrações financeiras anuais, as perdas de imparidade com base nas IFRSs podem ser inferiores ao nível mínimo de provisões genéricas calculadas de acordo com o Aviso 18/93 da AMCM (o nível mínimo). A referida reserva obrigatória representa, pois, a diferença entre o nível mínimo e as perdas de imparidade nos termos das IFRSs. Este mesmo montante, inscrito na linha «Dotações adicionais para provisões conforme RJSF» da Conta de Lucros e Perdas das contas resumidas, está reconciliado entre o «Lucro depois de impostos» e os «Resultados do ano de acordo com as regras da AMCM» na Conta de exploração das demonstrações financeiras auditadas anuais.

MOP

Demonstração de resultados do exercício de 2012

Conta de exploração

MOP

Conta de lucros e perdas

MOP

Chief Executive Officer Macau, Chief Financial Officer Macau,
Lau Pak Hung Kenny Wong

Síntese do Relatório de Actividade — 2012

Lucros antes de impostos crescem 29 por cento para MOP 319,3 milhões (MOP 246,8 milhões em 2011).

Activos crescem 5 por cento para MOP 16 271 milhões (MOP 15 526 milhões em 2011).

Com o suporte de sólido desempenho da economia de Macau, e em ambiente global de taxas de juro baixas, a sucursal de Macau do HSBC registou em 2012 Resultados Antes de Impostos no montante de 319,3 milhões de patacas, um acréscimo de 72,5 milhões de patacas relativamente a 2011, ou seja 29%. A margem de juros líquida cresceu 16% devido ao aumento de empréstimos a clientes; o rendimento líquido de comissões cresceu 8% e os proveitos de intermediação 7%, especialmente devido ao aumento do volume de negócios e ao lançamento de novos produtos. Os valores cobrados por incumprimento de obrigações contratuais estabilizaram, dada a estrita gestão da carteira de activos e a qualidade dos empréstimos a clientes, bem como a recuperação de crédito mal parado. O controlo de custos foi efectivo, permitindo a sua contenção em 2% abaixo do nível de 2011, conforme objectivo da nossa estratégia comercial.

Em 2012, os empréstimos a clientes aumentaram em 6% nos diversos sectores de actividade devido à boa prestação da economia de Macau. Os depósitos de clientes diminuíram ligeiramente em 0,1% em resultado de intensa competição no mercado local.

Em 2012 aperfeiçoaram-se os nossos serviços bancários e produtos, e expandiu-se a nossa rede ATM para servir clientes individuais e empresas.

Finalmente, aproveitamos esta oportunidade para agradecer aos nossos estimados clientes o seu apoio leal, e ao nosso pessoal o seu dedicado empenhamento.

Lau Pak Hung
Director Executivo — Macau

Síntese do Parecer dos Auditores Externos

Para a Director Executivo do The Hongkong and Shanghai Banking Corporation Limited — Sucursal de Macau
(Sucursal de um banco comercial de responsabilidade limitada, incorporado em Região Administrativa Especial de Hong Kong)

Procedemos à auditoria das demonstrações financeiras do The Hongkong and Shanghai Banking Corporation Limited — Sucursal de Macau relativas ao ano de 2012, nos termos das Normas de Auditoria e Normas Técnicas de Auditoria da Região Administrativa Especial de Macau. No nosso relatório, datado de 15 de Maio de 2013, expressámos uma opinião sem reservas relativamente às demonstrações financeiras das quais as presentes constituem um resumo.

As demonstrações financeiras a que se acima se alude compreendem o balanço, à data de 31 de Dezembro de 2012, a demonstração de resultados, a demonstração de reconhecido pagamento e gastos e a demonstração de fluxos de caixa relativas ao ano findo, e o resumo das politícas contabilísticas relevantes e outras notas explicativas.

As demonstrações financeiras resumidas preparadas pela gerência resultam das demonstrações financeiras anuais auditadas e dos livros e registos da sucursal. Em nossa opinião, as demonstrações financeiras resumidas são consistentes, em todos os aspectos materiais, com as demonstrações financeiras auditadas e os livros e registos da sucursal.

Para a melhor compreensão da posição financeira da sucursal e dos resultados das suas operações, no período e âmbito abrangido pela nossa auditoria, as demonstrações financeiras resumidas devem ser lidas conjuntamente com as demonstrações financeiras das quais as mesmas resultam e com o respectivo relatório de auditoria.

Lei Iun Mei, Auditor de Contas
KPMG

Macau, aos 15 de Maio de 2013.


STANDARD CHARTERED BANK — SUCURSAL DE MACAU

Balanço anual em 31 de Dezembro de 2012

MOP

MOP

1. As Outras Reservas incluem uma reserva genérica de 11 963 223,94 Patacas e uma reserva específica de 2 488 298,04 Patacas. porque a Sucursal adopta as Financial Reporting Standards of the Macau SAR («MFRS») na preparação das suas demonstrações financeiras anuais, as perdas de imparidade com base nas MFRS podem ser inferiores ao nível mínimo de provisões genéricas e provisões específicas calculadas de acordo com o Aviso n.º 18/93 da AMCM (o nível mínimo). A referida reserva obrigatória representa, pois, a diferença entre o nível mínimo e as perdas de imparidade nos termos das MFRS (antes dos impostos diferidos de 1 734 170,00 Patacas). Este mesmo montante, inscrito na linha «Dotações adicionais para provisões conforme RJSF» da Conta de Lucros e Perdas das contas resumidas, está reconciliado entre o «Lucro depois de impostos» e os «Resultados do ano de acordo com as regras da AMCM» na Conta de exploração das demonstrações financeiras auditadas anuais.

Demonstração de resultados do exercício de 2012

Conta de exploração

MOP

MOP

Conta de lucros e perdas

MOP

O Gerente da Sucursal de Macau, O Chefe da Contabilidade,
Wong Wai Hing, Simon Kan, Cheok Lam

Relatório de Gestão 2012

A direcção tem o prazer de anunciar os resultados da Sucursal de Macau do Standard Chartered Bank («A Sucursal») para o exercício findo a 31 de Dezembro de 2012.

Principais actividades

A Sucursal faz parte do Standard Chartered Bank, constituída no Reino Unido e registada na Inglaterra e País de Gales. As principais actividades da Sucursal envolvem a prestação de serviços bancários comerciais e serviços financeiros relacionados.

Resultados de 2012

O lucro antes de impostos diminuiu em 48%, de 63,535 milhões de Patacas para 33,347 milhões de Patacas. A receita dos juros líquido diminuiu em 15% para 47,785 milhões de Patacas. As outras receitas, incluindo as receitas de emolumentos e comissões diminuíram 15% relativamente a 2011. O total de proveitos operacionais diminuiu em 16% para 77,604 milhões de Patacas.

As despesas operacionais diminuíram 15% em 2012 para 10,812 milhões de Patacas. As perdas por imparidade em empréstimos e adiantamentos aumentaram 17,811 milhões de Patacas em comparação com 2011. Lucro depois de impostos foi de 29,364 milhões de Patacas, uma quebra de 26,486 milhões de Patacas relativamente aos 55,850 milhões de Patacas registados em 2011.

O resultado sob as regras da AMCM foi de 37,356 milhões de Patacas, um decréscimo de 24,522 milhões de Patacas em relação aos 61878 milhões de Patacas registados em 2011.

O Director da Sucursal do Standard Chartered Bank, Sucursal de Macau
Wong Wai Hing, Simon

Aos 29 de Maio de 2013.

Síntese do parecer dos auditores externos

Para o gerente-geral do Standard Chartered Bank, Sucursal de Macau
(Sucursal de um banco comercial de responsabilidade limitada, incorporada na Reino Unido)

Procedemos à auditoria das demonstrações financeiras do Standard Chartered Bank, Sucursal de Macau relativas ao ano de 2012, nos termos das Normas de Auditoria e Normas Técnicas de Auditoria da Região Administrativa Especial de Macau. No nosso relatório, datado de 15 de Maio de 2013, expressámos uma opinião sem reservas relativamente às demonstrações financeiras das quais as presentes constituem um resumo.

As demonstrações financeiras a que acima se alude compreendem o balanço, à data de 31 de Dezembro de 2012, a demonstração de resultados, a demonstração de alterações nas reservas e a demonstração de fluxos de caixa relativas ao ano findo, assim como um resumo das políticas contabilísticas relevantes e outras notas explicativas.

As demonstrações financeiras resumidas preparadas pela gerência resultam das demonstrações fmanceiras anuais auditadas e dos livros e registos da sucursal. Em nossa opinião, as demonstrações financeiras resumidas são consistentes, em todos os aspectos materiais, com as demonstrações financeiras auditadas e os livros e registos da sucursal.

Para a melhor compreensão da posição financeira da sucursal e dos resultados das suas operações, no pedodo e âmbito abrangido pela nossa auditoria, as demonstrações financeiras resumidas devem ser lidas conjuntamente com as demonstrações financeiras das quais as mesmas resultam e com o respectivo relatório de auditoria.

Lei Iun Mei, Auditor de Contas
KPMG

Macau, aos 15 de Maio de 2013.


第 一 公 證 署

證 明

澳門護眼學會

為公佈的目的,茲證明上述社團的設立章程文本自二零一三年五月二十三日起,存放於本署的社團及財團存檔文件內,檔案組1號59/2013。

澳門護眼學會章程

第一條

名稱及會址

一. 本會的中文名稱為“澳門護眼學會”, 中文簡稱為“護眼學會”,葡文名稱為“Associação de Protecção de Olhos de Macau”,葡文簡稱為“APOM”,英文名稱為“Macao Eye Care Association”, 英文簡稱為“MECA”。

二. 本會會址:本會設於澳門新口岸馬德里街二十一號環宇豪庭第三座七樓O座。

第二條

宗旨

1. 致力於眼科疾病的預防和治療及眼睛保健的有關研究和調查;

2. 探索符合澳門市民的護眼方法;

3. 進行護眼宣傳和教育,提高澳門市民愛護眼睛、防治眼科疾病的意識,為提高澳門巿民的眼睛健康水平出力。

第三條

性質及存續

本會為永久性非牟利團體,從註冊成立之日起開始運作。有關本會解散或延長存續期之決議,須獲全體會員四分之三之贊同票。

第四條

會員資格及權利、義務

一. 從事眼科或視光學服務的人士,認同本會章程,辦理入會申請手續,經理事會批准,繳納會費,即成為本會會員。

二. 會員權利為:

1. 出席相關會議;

2. 選舉和被選舉為本會機關的成員;

3. 參與本會活動及福利。

三. 會員義務為:

1. 遵守本會章程、內部規章及本會決議,按時繳付入會費、年費;

2. 維護本會聲譽及權益,不得作出有損本會聲譽及權益的言行;

3. 積極參與本會活動及支持會務工作;

4. 獲選為本會各機關的成員後,履行任內獲授予的工作,推動會務發展。

第五條

組織機構

一.會員大會

每年最少舉行一次會員大會,由理事會召集,並由會員大會主席團主持會議。會員大會的召集至少於會議前八日以掛號信或透過簽收方式通知各會員,召集書內應寫明會議的日期、時間、地點及議程。

會員大會為本學會最高權力機構,決議取決於出席會員之絕對多數票,其職責:

1. 制訂或修改會章,並須獲出席會員四分之三之贊同票;

2. 選舉本學會理、監事會成員;

3. 審議理監事會之工作報告。

二. 理事會

理事會為本會執行機構,理事會成員經會員大會選出三人組成。設理事長一人,副理事長一人,理事一人,由理事會成員互選產生。理事會任期三年,可連任。

理事會職責:

1. 執行會員大會之决議;

2. 計劃發展會務;

3. 每年向會員大會提交工作報告和建議。

三.監事會

監事會為本會監察機構,產生辦法與理事會相同,設監事長一人,副監事長一人,監事一人,由監事會成員互選產生,監事會任期三年,可連任。

監事會職責:

1. 監察理事會執行代表大會之决議;

2. 內部審計;

3. 列席理事會議或常務理事會議;

4. 制定意見書,呈交本會會務委員會會員大會。

四.經費來源和支出

1. 會費及推行會務所得收入;

2. 團體或個人贊助及捐贈;

3. 政府資助及其他合法收入;

4. 本會的支出由與本會宗旨一致的活動開支所構成。

第六條

附則

本章程若有未盡善之處,由會員大會修訂,和補充適用民法典的規定。

二零一三年五月二十三日於第一公證署

公證員 盧瑞祥


第 一 公 證 署

證 明

澳門樂珮慈善會

為公佈的目的,茲證明上述社團的設立章程文本自二零一三年五月二十三日起,存放於本署的社團及財團存檔文件內,檔案組1號58/2013。

澳門樂珮慈善會

第一條——中文名稱:澳門樂珮慈善會;葡文名稱:Associação de Beneficência Lok Pui de Macau。本會會址設於澳門羅馬街45號建興龍廣場地下C舖。

第二條——宗旨:本會以助學扶貧慈善為目標。屬不牟利之團體。

第三條——加入:凡對本會宗旨認同者,願遵守本會章程,若申請加入,經理事會討論審核通過後,即可成為會員。

退出:會員退出須一個月前來函,通知本會理事會。

開除:凡會員日常言行蓄意損害本會聲譽者,經理、監事會決議,可開除該會員之會籍。

第四條——會員的權利:

a)可享用本會所有的設施;

b)可根據章程選舉或被選舉進入領導機關。

第五條——會員的義務:

a)維護本會的聲譽,促進會務進步和發展;

b)遵守章程之規定;

c)遵守領導機關的決議;

d)繳交會費。

第六條——本會設以下幾個機關:會員大會、理事會和監事會。

第七條——會員大會設會長一名及副會長二名,由全體會員選舉產生,任期為三年。會員大會在每年十二月份首星期日召開週年大會;特別會員大會由會長或理事會主席提出,兩者均不少於八日前以雙掛號郵寄方式進行召集,召集書應指出會議之日期、時間、地點及議程。

第八條——理事會之組成方式:

理事會由九人組成。其中六人由會長委任,其餘三人經會員大會選舉產生。

理事會設理事長一名,副理事長三名,秘書一名,財務一名及理事三名組成。理事會的成員數目必須是單數。任期為三年。

理事會之職能:

a)理事會是本會日常會務執行機關。

b)除法律或章程另有規定外,決議取決於出席據位人之絕對多數票,主席除本身之票外,遇票數相同時,有權再投一票。

第九條——監事會之組成方式:

監事會設監事長一名,監事二名。監事會的成員數目必須是單數。任期為三年。

監事會之職能:監事會負責查核本會帳目。

第十條——經費來源:

本會主要財政來源由會費、會員個人捐贈和資助。

第十一條——修章程序:

本章程如有不盡善之處,可經會員大會修章通過,修改章程的決議,須獲出席會員四分之三之贊同票。解散法人或延長法人存續期之決議,須獲全體會員四分之三之贊同票。

二零一三年五月二十三日於第一公證署

公證員 盧瑞祥


2.º CARTÓRIO NOTARIAL DE MACAU

CERTIFICADO

天井兔映畫會

中文簡稱為“天井兔映畫”

為公佈之目的,茲證明上述社團之章程已於二零一三年五月十六日,存檔於本署之2013/ASS/M2檔案組內,編號為116號,有關條文內容如下:

天井兔映畫會章程

第一章

名稱、會址及宗旨

第一條——本會名稱中文為「天井兔映畫會」,中文簡稱為「天井兔映畫」。

第二條——本會會址設在澳門魯子高街23號僑威大廈1樓C座。

第三條——促進本澳電影及相關藝術發展,團結有志於電影工作的澳門人,鼓勵其積極參與本地電影創作,將澳門電影提升到更高層次領域。

第二章

會員資格、權利及義務

第四條——本澳所有愛好電影且擁護本會章程者,經本會理事會審核批准後,均可申請加入本會為成員。

第五條——參與本會舉辦的活動;選舉或被選舉成為本會領導機構成員;參加會員大會;享用本會各項設施。

第六條——遵守本會章程、內部規章及會員大會或理事會之決議;維護本會的聲譽及參與推動會務的發展;按時繳交會費。

第三章

會員大會、理事會、監事會及會長的組織

第七條——會員大會,由理事會召集,每年至少召開一次,每次需提前八天通過簽收方式召集,召集書內容應說明會議的日期、時刻、地址及議程,經三分之一以上的會員提議,可以臨時召開會員大會;會員大會有權制訂和修改本會章程,選任理事會及監事會成員、會長,決定年度工作方針和計劃,審議年度工作報告及財務報告。

第八條——理事會,由會員大會在會議中選出,組成人數為單數,其中一人為理事長;理事會成員任期三年,連選得連任;理事會通常每兩個月召開例會一次,理事會有四分之三成員出席時,方可進行議決。會議之任何議案,須有出席理事四分之三贊成方得通過。理事會有權召開會員大會,並執行會員大會決議,制訂本會的工作計劃,領導及維持本會之日常會務,行政管理,財務運作及按時提交大會每年會務報告及帳目結算。

第九條——監事會,由會員大會在會議中選出,組成人數為單數,其中一人為監事長;監事會任期為三年,連選得連任。監事會權限為:監督會員遵守本會章程和內部規則;監督會員大會決議的執行情況;審查本會財務賬目,核對本會財產。

第十條——會長由會員提名,三年一屆,並經由出席會議人數的過半數投票通過產生,若提名多於一人者,由選舉票最高者獲得,出席的會員對每一名被提名的會長候選人,均有一次的投票權,且不得投棄權票;會長有權召集和主持會員大會會議或理事會會議,對外代表本會,對內領導本會,批准及簽署有關各項財政出納的文件,代表本會簽訂各項的合作協議,對日常會務的處理作出方向性的決定及簽署各項內部的行政文件和對外函件,本會會長卸任後得出任榮譽會長或名譽會長,無任期限,可出席任何會議,有發言權和表決權。

附則

第十一條——本會經費來自會員會費、舉辦活動、公共實體或社會各界熱心人士的捐款和贊助。會費的額度和交納方法由理事會規定;本會對於已繳交的會費及捐款在任何情況下,均不退還。

第十二條——本會章程的修改權屬會員大會;修改章程的決議,須獲出席會員四分之三之贊同票;解散法人或延長法人存續期之決議,須獲全體會員四分之三之贊同票。

Está conforme.

Segundo Cartório Notarial de Macau, aos dezasseis de Maio de dois mil e treze. — A Ajudante, Wong Wai Wa.


CARTÓRIO NOTARIAL DAS ILHAS

CERTIFICADO

澳門華夏青年協會

為公布的目的,茲證明上述社團的設立章程文本自二零一三年五月二十二日起,存放於本署之“2013年社團及財團儲存文件檔案”第1/2013/ASS檔案組第42號,有關條文內容載於附件。

澳門華夏青年協會

章程

第一章

總則

第一條——名稱

本會中文名稱為“澳門華夏青年協會”,中文簡稱為“澳華青協”。

英文名稱為“Macao Chinese Youth Association”,英文簡稱為“MCYA”。

第二條——宗旨

本會為非牟利團體。宗旨為加強聯繫在澳學習與工作之內地、台灣、香港之青年人,搭建一個讓本地青年和外地來澳青年自由發揮和交流溝通的平台。通過澳門特殊的地緣環境,讓兩岸四地的青年人減少隔閡、增加共鳴。本會將立足於澳門,積極推動文化交流、學術調研等多層次的溝通與互動,鼓勵青年人拓展其自身的能力和見解,為中華民族復興和澳門多元化發展做出貢獻。

第三條——本會會址設澳門馬渣度博士大馬路白雲花園2座3樓H。

第二章

會員

第四條——會員資格

凡年齡介乎18周歲~39周歲,贊成本會宗旨及認同本會章程者,均可申請為本會會員。經本會理事會批准後,便可成為會員。

第五條——會員權利及義務

(一)會員有選舉權及被選舉權,享有本會舉辦一切活動和福利的權利。

(二)會員有遵守會章和決議,以及繳交會費的義務。

第三章

組織機構

第六條——機構

本會組織機構包括會員大會、理事會、監事會。

第七條——會員大會

(一)本會最高權力機構為會員大會,負責制定或修改會章;選舉會員大會主席、副主席、秘書和理事會、監事會成員;決定會務方針;審查和批准理事會工作報告。

(二)會員大會設主席一名,副主席不少於三名或以上單數成員組成及秘書一名。每屆任期為兩年,可連選連任。

(三)會員大會每年舉行一次,至少提前八天透過掛號信或簽收之方式召集,通知書內須註明會議之日期、時間、地點和議程,如遇重大或特別事項得召開特別會員大會。

(四)修改本會章程之決議,須獲出席會員四分之三的贊同票;解散本會的決議,須獲全體會員四分之三的贊同票。

第八條——理事會

(一)本會執行機構為理事會,負責執行會員大會決議和日常具體會務。

(二)理事會由最少三名或以上單數成員組成。設理事長一名、副理事長不少於三名或以上單數成員組成。每屆任期為兩年,可連選連任。

(三)理事會議每三個月召開一次。會員在有過半數理事會成員出席時,方可議決事宜。決議須獲出席成員的絕對多數贊同票方為有效。

第九條——監事會

(一)本會監察機構為監事會。負責監察理事會日常會務運作和財政收支。

(二)監事會由最少三名或以上單數成員組成,設監事長一名、副監事長不少於三名或以上單數成員組成。每屆任期為兩年,可連選連任。

(三)監事會議每三個月召開一次。會議在有過半數監事會成員出席時,方可議決事宜,決議須獲出席成員的絕對多數贊同票方為有效。

第四章

經費

第十條——經費

本會經費源於會員會費或各界人士贊助,倘有不敷或特別需用款時,得由理事會決定籌募之。

第五章

附則

第十一條——法律規範

本章程未有列明之事項將按澳門現行之有關法律規範。

二零一三年五月二十二日於海島公證署

一等助理員 林志堅


CITIBANK N. A., SUCURSAL DE MACAU

Balanço anual em 31 de Dezembro de 2012

Patacas

Patacas

**As Outras Reservas incluem uma reserva obrigatória no montante de 8 777 684 Patacas (antes dos impostos diferidos). Porque a Sucursal adopta as Macau Financial Reporting Standards («MFRS») na preparação das suas demonstrações financeiras anuais, as perdas de imparidade com base nas MFRS podem ser inferiores ao nível mínimo de provisões genéricas calculadas de acordo com o Aviso n.º 18/93 da AMCM (o nível mínimo). A referida reserva obrigatória representa, pois, a diferença entre o nível mínimo e as perdas de imparidade nos termos das MFRS. Este mesmo montante, inscrito na linha «Dotações adicionais para provisões conforme RJSF» da Conta de Lucros e Perdas das contas resumidas, está reconciliado entre o «Lucro depois de impostos» e os «Resultados do ano de acordo com as regras da AMCM» na Conta de exploração das demonstrações financeiras auditadas anuais.

Nota: Cópia da divulgação da informação financeira está publicada no http://citigroup.com/citi/macau e está disponível para consulta pública durante o horário comercial em:

Citibank, N.A. Sucursal de Macau

Avenida Comercial de Macau, n.os 251A-301, AIA Tower, 11.º andar, Unit 1102-1103, em Macau

Patacas

Demonstração de resultados do exercício de 2012

Conta de exploração

Patacas

Conta de lucros e perdas

Patacas

O Gerente da Sucursal de Macau,

A Chefe da Contabilidade,

Colin Chan

Betty Chan

Síntese do Relatório de Actividade da Sucursal de Macau do Citibank

A Administração tem o prazer de anunciar os resultados financeiros auditados do Citibank N.A., Sucursal de Macau (a «Sucursal») para o exercício findo em 31 de Dezembro de 2012.

Referente aos resultados do ano de 2012, o lucro antes dos impostos foi de MOP14 957 698. O activo total foi MOP4 445 705 393. Depósitos de clientes ascenderam a MOP3 958 129 704.

Em nome da Administração do Citibank, eu gostaria de aproveitar esta oportunidade para prestar homenagem à Comunidade de Macau e, especificamente, para nossos clientes de prestígio. Estamos empenhados em prestar serviços de qualidade a todos os clientes e manter contribuir para a sociedade de Macau.

Sr. Colin Chan Sik Lun
Gerente da Sucursal de Macau do Citibank N.A.

Síntese do Parecer dos Auditores Externos

Para a gerência do Citibank N.A. — Sucursal de Macau
(Sucursal de um banco comercial de responsabilidade limitada, incorporada nos Estados Unidos da América)

Procedemos à auditoria das demonstrações financeiras do Citibank N.A. — Sucursal de Macau relativas ao ano de 2012, nos termos das Normas de Auditoria e Normas Técnicas de Auditoria da Região Administrativa Especial de Macau. No nosso relatório, datado de 16 de Maio de 2013, expressámos uma opinião sem reservas relativamente às demonstrações financeiras das quais as presentes constituem um resumo.

As demonstrações financeiras a que acima se alude compreendem o balanço, à data de 31 de Dezembro de 2012, a demonstração de resultados, a demonstração de alterações na conta da sede e a demonstração de fluxos de caixa relativas ao ano findo, assim como um resumo das políticas contabilísticas relevantes e outras notas explicativas.

As demonstrações financeiras resumidas preparadas pela gerência resultam das demonstrações financeiras anuais auditadas e dos livros e registos da sucursal. Em nossa opinião, as demonstrações financeiras resumidas são consistentes, em todos os aspectos materiais, com as demonstrações financeiras auditadas e os livros e registos da sucursal.

Para a melhor compreensão da posição financeira do Citibank N.A. — Sucursal de Macau e dos resultados das suas operações, no período e âmbito abrangido pela nossa auditoria, as demonstrações financeiras resumidas devem ser lidas conjuntamente com as demonstrações financeiras das quais as mesmas resultam e com o respectivo relatório de auditoria.

Lei Iun Mei, Auditor de Contas
KPMG

Macau, aos 16 de Maio de 2013.


BANCO BPI, S.A. — SUCURSAL OFFSHORE DE MACAU

Balanço anual em 31 de Dezembro de 2012

(MOP)

(MOP)

(MOP)

Conta de exploração

(MOP)

Conta de lucros e perdas

(MOP)

O Director da Sucursal,

O Director da Contabilidade,

Bento Granja

Luís Carlos Silva

Síntese do parecer dos auditores externos

À Gerência do Banco BPI, S.A. — Sucursal Offshore de Macau

Procedemos à auditoria das demonstrações financeiras do Banco BPI, S.A. — Sucursal Offshore de Macau relativas ao ano de 31 de Dezembro de 2012, nos termos das Normas de Auditoria e Normas Técnicas de Auditoria da Região Administrativa Especial de Macau. No nosso relatório datado de 7 de Maio de 2013, expressámos uma opinião sem reservas relativamente às demonstrações financeiras das quais as presentes constituem um resumo.

As demonstrações financeiras a que acima se alude compreendem o balanço, à data de 31 de Dezembro de 2012, a demonstração de resultados, a demonstração de alterações da conta corrente com a sede e reservas e a demonstração de fluxos de caixa relativas ao ano findo, assim como um resumo das políticas contabilísticas relevantes e outras notas explicativas.

As demonstrações financeiras resumidas preparadas pela gerência resultam das demonstrações financeiras anuais auditadas a que acima se faz referência. Em nossa opinião, as demonstrações financeiras resumidas são consistentes, em todos os aspectos materiais, com as demonstrações financeiras auditadas.

Para a melhor compreensão da posição financeira do BPI, S.A. — Sucursal Offshore de Macau e dos resultados das suas operações, no período e âmbito abrangido pela nossa auditoria, as demonstrações financeiras resumidas devem ser lidas conjuntamente com as demonstrações financeiras das quais as mesmas resultam e com o respectivo relatório de auditoria.

Quin Va
Auditor de Contas
Deloitte Touche Tohmatsu — Sociedade de Auditores

Macau, aos 7 de Maio de 2013.

Síntese da actividade no exercício referente ao período de 01.01.2012 a 31.12.2012

O Banco BPI apresentou em 2012 a melhor rentabilidade sobre os capitais próprios reportada pelos bancos a operar em Portugal (13%) e um resultado líquido consolidado de 249 Milhões de Euros, ambos obtidos num ano em que, no cumprimento de imposição regulamentar a nível europeu, foi concretizado o Plano de Capitalização do BPI que implicou a emissão de 1.5 mil Milhões de Euros em obrigações subordinadas de conversão contingente, com maturidade de cinco anos, subscritas pelo Estado Português em Junho de 2012.

Aquele montante foi reduzido em Agosto de 2012 através de um aumento de capital de 200 Milhões de Euros e cifra-se, agora, em 1.000 Milhões de Euros, após dois reembolsos antecipados de 100 e 200 Milhões de Euros, realizados em Dezembro de 2012 e Março de 2013, respectivamente.

Se os condicionalismos que conduziram ao reforço de capital fossem actualizados com base no volume efectivo de exposição a dívida soberana em 31 de Dezembro de 2012, aos preços de mercado nessa data, o Banco poderia devolver, de imediato, mais 613 Milhões de Euros de obrigações contingentes, reduzindo para 387 Milhões de Euros a exposição da intervenção pública.

Não obstante as circunstâncias, excepcionalmente difíceis, a actividade do BPI continuou, em 2012, a evidenciar, tal como no ano anterior, uma situação confortável quer em termos absolutos quer em termos relativos no que concerne aos principais indicadores estruturais, vitais para uma instituição financeira, — o Capital, o Risco e a Liquidez.

No que se refere à Sucursal Offshore de Macau do Banco BPI S.A. a sua actividade, durante 2012, manteve-se em estreita ligação com as directrizes provenientes da sua Sede, revelando-se essencial o seu contributo para o reforço das relações de preferência dos seus clientes Não Residentes, maioritariamente portugueses os quais, de entre as várias soluções financeiras disponibilizadas pelo BPI, continuaram a eleger as de menor risco como são os Depósitos a Prazo.

No final de 2012, os Recursos Totais de Clientes da Banca de Particulares, Empresários e Negócios do Banco BPI ascendiam a 20.034 M Euros, sendo o segmento de Não Residentes responsável por uma carteira de recursos de 4.372 Milhões de Euros (-2,6% face a 2011) da qual, encontravam-se afectos à Sucursal de Macau, na forma de Depósitos a Prazo de vários tipos e diferentes maturidades incluindo juros corridos, 1.877 Milhões de Euros, equivalentes a MOP 19.826,8 Milhões, representando um crescimento de 6,3% face ao valor dos mesmos em 2011.

Em 31 de Dezembro de 2012, o Balanço da Sucursal atingiu um total de Activos de MOP 20.044,1 Milhões (-8,9% face a 2011) representado, quase na totalidade, por Aplicações junto da Sede do Banco e noutras Sucursais ou Filiais do Grupo, no quadro da gestão centralizada de recursos do Grupo.

Os Custos Operativos da Sucursal evidenciaram um comportamento estável, atingindo um total de MOP 2.525 mil (-2% face a 2011) e em linha com a evolução dos custos verificados no ano anterior.

A Sucursal Offshore de Macau continuou a manter um estreito e frutuoso relacionamento com todas as Instituições Financeiras sedeadas na RAEM e, em particular, com o Banco da China, Sucursal de Macau contribuindo para o desenvolvimento das acções destinadas a suportar o papel de Macau no quadro da relação global entre a República Popular da China e Portugal bem como com os Países Africanos de Língua Oficial Portuguesa (PALOP) designadamente, com a República de Angola, no quadro das relações e dos acordos firmados anteriormente com o Banco de Fomento Angola, subsidiária do Grupo BPI naquele país.

Às Autoridades da Região Administrativa Especial de Macau, em particular, à Autoridade Monetária de Macau, a Sucursal Offshore de Macau do Banco BPI expressa o seu agradecimento pela colaboração e confiança sempre manifestadas.

Macau, aos 20 de Abril de 2013.

Direcção da Sucursal


BANCO CITIC INTERNACIONAL (CHINA) LIMITADA SUCURSAL DE MACAU

(Publicações ao abrigo do artigo 76.º do RJSF, aprovado pelo Decreto-Lei n.º 32/93/M, de 5 de Julho)

Balanço anual em 31 de Dezembro de 2012

MOP

Para informações financeiras consulte a nossa página web da nossa Sede: http://www.cncbinternational.com/international/banking-in-macau/en/index.jsp

MOP

MOP

Demonstração de resultados do exercício de 2012

Conta de exploração

MOP

Conta de lucros e perdas

MOP

Subdirector Geral Executivo e

A Chefe da Contabilidade,

Director da Sucursal, Sucursal de Macau,

Desmond Wong

Emily Sio

Resumo do relatório operacional

Até 31 de Dezembro de 2012, os activos dos empréstimos diminuíram 25% em comparação com o ano prévio, de MOP947 milhões para MOP711 milhões e os depósitos de clientes decresceram 44% em comparação com o ano passado, de MOP707 milhões para MOP399 milhões, respectivamente, devido a factores relacionados com as flutuações sazonais. Não obstante isso, os lucros operacionais deste ano antes da imparidade e impostos contraíram 34%, de MOP24,1 milhões para MOP32,5 milhões. Como não houve avaliações individuais e devido à correcção de MOP4,7 milhões por avaliação de imparidade colectiva, houve uma recuperação significativa em 2012, com um lucro de MOP32,7 milhões, comparado com a perda de MOP6,9 milhões em 2011.

Como a economia de Macau se tem continuado a expandir devido ao apoio do Governo Central, vamos continuar a concentrar os nossos esforços na área da Banca Comercial, incluindo o financiamento comercial, crédito comercial, financiamento hipotecário, o financiamento de projectos e o Negócio Transfronteiriço em RMB. Vamos também continuar a trabalhar de perto com as nossas sucursais em Hong Kong e no exterior, bem como com as sucursais da nossa empresa-mãe no Interior da China, para podermos prestar serviços eficientes e de alta qualidade aos nossos clientes locais e no exterior.

Por fim, queremos aproveitar esta oportunidade para expressar os nossos sinceros agradecimentos ao Governo da Região Administrativa Especial de Macau pelo seu apoio contínuo, bem como aos nossos clientes, instituições financeiras parceiras e aos nossos funcionários pelos seus esforços no ano transacto.

Desmond Wong
Subdirector Geral Executivo e Director da Sucursal, Sucursal de Macau

Síntese do Parecer dos Auditores Externos

Para a gerência do Banco CITIC Internacional (China) Limitada Sucursal de Macau (Sucursal de um banco comercial de responsabilidade limitada, incorporada na Região Administrativa Especial de Hong Kong)

Procedemos à auditoria das demonstrações financeiras do Banco CITIC Internacional (China) Limitada Sucursal de Macau relativas ao ano de 2012, nos termos das Normas de Auditoria e Normas Técnicas de Auditoria da Região Administrativa Especial de Macau. No nosso relatório, datado de 13 de Maio de 2013, expressámos uma opinião sem reservas relativamente às demonstrações financeiras das quais as presentes constituem um resumo.

As demonstrações financeiras a que acima se alude compreendem o balanço, à data de 31 de Dezembro de 2012, a demonstração de resultados, a demonstração de alterações na conta da sede e a demonstração de fluxos de caixa relativas ao ano findo, assim como um resumo das políticas contabilísticas relevantes e outras notas explicativas.

As demonstrações financeiras resumidas preparadas pela gerência resultam das demonstrações financeiras anuais auditadas e dos livros e registos da sucursal. Em nossa opinião, as demonstrações financeiras resumidas são consistentes, em todos os aspectos materiais, com as demonstrações financeiras auditadas e os livros e registos da sucursal.

Para a melhor compreensão da posição financeira da sucursal e dos resultados das suas operações, no período e âmbito abrangido pela nossa auditoria, as demonstrações financeiras resumidas devem ser lidas conjuntamente com as demonstrações financeiras das quais as mesmas resultam e com o respectivo relatório de auditoria.

Lei Iun Mei, Auditor de Contas
KPMG

Macau, aos 13 de Maio de 2013.


BANCO COMERCIAL PORTUGUÊS, S.A. SUCURSAL DE MACAU

Balanço anual em 31 de Dezembro de 2012

MOP

MOP

MOP

Demonstração de resultados do exercício de 2012

Conta de exploração

MOP

Conta de lucros e perdas

MOP

O Técnico de Contas,

O Director Geral,

António Lau

José João Pãosinho

Síntese do Relatório de Actividade do Exercício entre 1 de Janeiro de 2012 e 31 de Dezembro de 2012

O ano de 2012 caracterizou-se por uma redução significativa da volatilidade dos mercados financeiros internacionais com destaque para a redução dos spreads no Mercado de Crédito Internacional com origem na erosão dos prémios de risco. Tal foi, em grande medida, o contributo das iniciativas dos principais bancos centrais em torno das medidas de injecção de liquidez no sistema financeiro internacional.

No panorama da economia internacional, as economias da região Ásia Pacífico continuaram a evidenciar um bom desempenho económico com destaque para a economia da China e consequentemente para a economia de Macau. Assim, e apesar de uma conjuntura mais favorável face ao ano anterior em matéria de riscos, a redução de spreads evidenciou uma pressão significativa sobre a rendibilidade das operações de crédito internacional.

O crescimento da economia de Macau sustentado pelo bom desempenho do turismo, entretenimento e imobiliário continuou em 2012 a oferecer oportunidades significativas de crescimento da actividade bancária apesar de um conjunto de desafios significativos emergentes do nível de inflação e do sobreaquecimento do mercado de trabalho e do imobiliário.

No ano de 2012 a Sucursal de Macau do BCP expandiu a sua actividade de forma significativa através do alargamento da oferta de serviços e de produtos aos clientes das redes do Grupo BCP em paralelo com a participação em alguns dos vários projectos relevantes em Macau.

Assim, e no âmbito da estratégia assumida em 2010 e reforçada em 2011 — plataforma de negócios dos clientes BCP no triângulo China — Macau — Países de Língua Portuguesa — o ano de 2012 representou uma expansão significativa da carteira de negócios da Sucursal.

No ano em análise, a Sucursal de Macau obteve um lucro de MOP177,8 milhões, a carteira de depósitos atingiu MOP12 135,7 milhões e a carteira de empréstimos atingiu MOP10 648,9 milhões. Os custos operacionais cifraram-se em MOP12,1 milhões.

Embora as perspectivas para 2013 sejam ainda marcadas pelas incertezas resultantes da Crise das Dívidas Soberanas Europeias apesar da gestão de liquidez dos Bancos Centrais e pela interrogação em torno do abrandamento do crescimento da economia chinesa, a Sucursal de Macau do BCP espera evidenciar uma estabilidade das suas carteiras de depósitos e crédito apoiada no reforço do seu papel de plataforma de negócios dos Clientes dos Grupo BCP no triângulo China — Macau — Países de Língua Portuguesa.

Por último, desejamos agradecer aos nossos Clientes, aos Colaboradores da Sucursal e às competentes Autoridades de Macau a confiança depositada na Sucursal de Macau do Banco Comercial Português, S.A.

A Direcção da Sucursal de Macau

do Banco Comercial Português, S.A.
Director Geral,
José Pãosinhho.

Síntese do Parecer dos Auditores Externos

Para a gerência do Banco Comercial Português, S.A. — Sucursal de Macau
(Sucursal de um banco comercial de responsabilidade limitada, incorporada em Portugal)

Procedemos à auditoria das demonstrações financeiras do Banco Comercial Português, S.A. — Sucursal de Macau relativas ao ano de 2012, nos termos das Normas de Auditoria e Normas Técnicas de Auditoria da Região Administrativa Especial de Macau. No nosso relatório, datado de 21 de Maio de 2013, expressámos uma opinião sem reservas relativamente às demonstrações financeiras das quais as presentes constituem um resumo.

As demonstrações financeiras a que acima se alude compreendem o balanço, à data de 31 de Dezembro de 2012, a demonstração de resultados, a demonstração de alterações nos capitais próprios e a demonstração de fluxos de caixa relativas ao exercício acima referido, assim como um resumo das principais políticas contabilísticas e outras notas explicativas.

As demonstrações financeiras resumidas preparadas pela Gerência resultam das demonstrações financeiras anuais auditadas e dos livros e registos da Sucursal. Em nossa opinião, as demonstrações financeiras resumidas são consistentes, em todos os aspectos materiais, com as demonstrações financeiras auditadas e os livros e registos da Sucursal.

Para a melhor compreensão da posição financeira da Sucursal e dos resultados das suas operações, no exercício e âmbito abrangido pela nossa auditoria, as demonstrações financeiras resumidas devem ser lidas conjuntamente com as demonstrações financeiras das quais as mesmas resultam e com o respectivo relatório de auditoria.

Lei Iun Mei, Auditor de Contas
KPMG

Macau, aos 21 de Maio de 2013.


BANCO INDUSTRIAL E COMERCIAL DA CHINA (MACAU), S.A.

Balanço anual em 31 de Dezembro de 2012

Observação: Em «Outras Reservas» estão incluídas as provisões adicionais, no montante total de MOP609.400.000,00 constituídas ao abrigo do disposto no Regime Jurídico do Sistema Financeiro.

Demonstração de resultados do exercício de 2012

Conta de exploração

Conta de lucros e perdas

Presidente, Administrador-delegado e Administrador-Executivo,

Vice-presidente — Administrador-Executivo,

Zhu Xiaoping

Huen Wing Ming Patrick

Balanço anual em 31 de Dezembro de 2012 (consolidado)

Observação: Em «Outras Reservas» estão incluídas as provisões adicionais, no montante total de MOP609.400.000,00 constituídas ao abrigo do disposto no Regime Jurídico do Sistema Financeiro.

Demonstração de resultados do exercício de 2012

Conta de exploração (consolidado)

Conta de lucros e perdas (consolidado)

Presidente, Administrador-delegado e Administrador-Executivo,

Vice-presidente — Administrador-Executivo,

Zhu Xiaoping

Huen Wing Ming Patrick

Síntese do relatório de actividades

No ano de 2012, devido a uma conjuntura externa complicada, o ICBC (Macau) insistiu pelo cumprimento das directivas estabelecidas pela sociedade-mãe para as suas participadas no exterior, relativas a uma estratégia de desenvolvimento, promovendo a localização da sua gestão e melhorando em permanência as suas competências de concorrência no mercado, reforma e inovação e desenvolvimento sustentável. Paralelamente, procurou-se o desenvolvimento célere e coordenado do activo, passivo e actividades de intermediação, aprofundando uma gestão global do risco, a manutenção e o desenvolvimento da liderança nas principais áreas de actividade, criando um banco de excelência local para a população da RAEM.

Até ao final do ano de 2012, o activo total líquido do Grupo ascendia a MOP 116.700.000.000,00 (cento e dezasseis mil e setecentos milhões de Patacas), o que representou um acréscimo de MOP 27.600.000.000,00 (vinte e sete mil e seiscentos milhões de Patacas) em comparação com o ano transacto, correspondente a uma taxa de crescimento de 31,05%. O passivo total ascendia a MOP 108.100.000.000,00 (cento e oito mil e cem milhões de Patacas), o que representou um acréscimo de MOP 26.500.000.000,00 (vinte e seis mil e quinhentos milhões de Patacas) comparativamente com o ano transacto e corresponde a um aumento de 32,48%. O saldo dos depósitos (incluindo entidades públicas) avaliou-se em MOP 99.300.000.000,00 (noventa e nove mil e trezentos milhões de Patacas), o que representou um acréscimo de MOP 28.100.000.000,00 (vinte e oito mil e cem milhões de Patacas) em comparação com o ano anterior, correspondente a um aumento de 39,44%. O saldo dos diversos créditos concedidos ascendia a MOP 68.900.000.000,00 (sessenta e oito mil e novecentos milhões de Patacas), representando um acréscimo de MOP 10.400.000.000,00 (dez mil e quatrocentos milhões de Patacas) em comparação com o ano transacto, equivalente a uma taxa de crescimento de 17,83%. O saldo do rácio de créditos de cobrança duvidosa manteve-se num nível reduzido e as provisões mantiveram-se suficientes, o que reforçou a capacidade para enfrentar qualquer risco.

De acordo com as “Normas Internacionais de Relato Financeiro”, o Grupo conseguiu em 2012 um lucro, após dedução de impostos, avaliado em MOP 1.106.000.000,00 (mil cento e seis milhões de Patacas), com uma taxa média ponderada de retribuição do capital e taxa média de retribuição do activo total de, respectivamente, 13,77% e 1,06%. As demonstrações financeiras do Grupo, já auditadas e relativas ano findo em 2012, foram elaboradas de acordo com as “Normas Internacionais de Relato Financeiro”. Se atendermos ao reforço de provisões previsto no “Regime Jurídico do Sistema Financeiro”, o lucro passará a ser de MOP 1.010.000.000,00 (mil e dez milhões de Patacas), depois de feito o necessário ajustamento.

O bom comportamento negocial e os resultados positivos de exploração continuamente alcançados pelo Grupo granjearam uma boa apreciação por parte da comunicação social especializada em assuntos económicos e financeiros com prestígio mundial, tendo as publicações “Global Finance” (EUA) e “The Banker” (Reino Unido) atribuído em 2012, ao ICBC (Macau), pelo quarto ano consecutivo, o prémio de melhor banco em Macau.

O ICBC (Macau) pretende enraizar-se mais profundamente em Macau. Em conformidade com o planeamento global do Governo da Região Administrativa Especial de Macau, o ICBC (Macau) reforçará os seus serviços no âmbito de construção de infra-estruturas, de projectos fulcrais para a Região, bem como no que diz respeito aos serviços sociais a serem prestados aos residentes locais, a fim de promover o desenvolvimento da diversificação adequada da economia de Macau, apoiando e contribuindo para o desenvolvimento económico e prosperidade social da Região Administrativa Especial de Macau.

Macau, aos 28 de Março de 2013.

Zhu Xiaoping
Presidente do Conselho de Administração

Relatório de Auditor Independente sobre Demonstrações Financeiras Consolidadas Resumidas

Para os accionistas da Banco Industrial E Comercial Da China (Macau), S.A.
(sociedade por acções de responsabilidade limitada, registada em Macau)

Procedemos à auditoria das demonstrações financeiras consolidadas da Banco Industrial E Comercial Da China (Macau), S.A. relativas ao ano de 2012, nos termos das Normas de Auditoria e Normas Técnicas de Auditoria da Região Administrativa Especial de Macau. No nosso relatório, datado de 27 de Março de 2013, expressámos uma opinião sem reservas relativamente às demonstrações financeiras consolidadas das quais as presentes constituem um resumo.

As demonstrações financeiras consolidadas a que se acima se alude compreendem o balanço consolidado, à data de 31 de Dezembro de 2012, a demonstração dos resultados consolidados, a demonstração consolidada do rendimento integral, a demonstração de alterações no capital próprio consolidado e a demonstração dos fluxos de caixa consolidados relativas ao ano findo, assim como um resumo das políticas contabilísticas relevantes e outras notas explicativas.

As demonstrações financeiras consolidadas resumidas preparadas pela gerência resultam das demonstrações financeiras consolidadas anuais auditadas a que acima se faz referência. Em nossa opinião, as demonstrações financeiras consolidadas resumidas são consistentes, em todos os aspectos materiais, com as demonstrações financeiras consolidadas auditadas.

Para a melhor compreensão da posição financeira da Banco Industrial E Comercial Da China (Macau), S.A. e dos resultados das suas operações, no período e âmbito abrangido pela nossa auditoria, as demonstrações financeiras consolidadas resumidas devem ser lidas conjuntamente com as demonstrações financeiras consolidadas das quais as mesmas resultam e com o respectivo relatório de auditoria.

Bao, King To
Auditor de Contas
Ernst & Young - Auditores

Macau, aos 27 de Março de 2013

Parecer do Fiscal Único

Nos termos do disposto na alínea e) do artigo 25.º dos Estatutos e para os efeitos previstos na mesma disposição legal, o Conselho de Administração do Banco Industrial e Comercial da China (Macau), S.A., entregou a esta sociedade de auditores o relatório de actividades e contas auditado e referente ao exercício de 2012, para efeito de parecer.

Depois de examinados os documentos entregues a esta sociedade, para efeitos de emissão do parecer, concluímos que os referidos documentos reflectem, de forma clara, não só a situação patrimonial, mas também a situação financeira e económica do Banco.

O relatório do Conselho de Administração reflecte, de forma precisa, as actividades promovidas e desenvolvidas pelo Banco no ano de exercício ora em apreço.

Tendo em atenção o relatório apresentado pelo auditor externo, esta sociedade concorda com o exposto no referido relatório, sendo que os documentos que serviram de base à elaboração das contas reflectem, de uma forma correcta e real, a situação financeira demonstrada no balanço com data de 31 de Dezembro de 2012, bem como o resultado financeiro do exercício findo em 31 de Dezembro de 2012.

Recapitulando o acima exposto, decidimos aprovar o referido relatório de actividades e contas do Conselho de Administração.

Macau, aos 26 de Março de 2013.

CSC & Associados – Sociedade de Auditores
(Representada por Chui Sai Cheong)
Fiscal Único

Lista das instituições em que o Banco detém participação superiores a 5% do respectivo capital e indicação do valor percentual

 

Sociedade Financeira ICBC (Macau) Capital, S.A.

100%

Sociedade Gestora de Fundos de Pensões

100%

ICBC (Macau), S.A.

 

Seng Heng Development Company Limited

100%

(Incorporado em Hong Kong)

 

Authosis, Inc.

11%

(Incorporado em Cayman Islands)

 

Companhia de Seguros Luen Fung Hang, S.A.R.L.

6%

Lista dos accionistas qualificados

 

Industrial and Commercial Bank of China Limited

 

Sr. Huen Wing Ming, Patrick

 

Órgãos Sociais

 

Conselho de Administração

 

Sr. Zhu Xiaoping Presidente, Administrador-delegado e Administrador-Executivo

 

Sr. Shen Xiaoqi Vice-Presidente, Director-geral e Administrador-Executivo

 

Sr. Huen Wing Ming, Patrick Vice-Presidente e Administrador-Executivo

 

Sr. Wu Hongbo Administrador

 

Sr. Zhu Wenxin Administrador

 

Sr.ª Nie Changwen Administradora

 

Sr. Tong Chi Kin Administrador

 

Mesa da Assembleia

 

Sr. Zhu Xiaoping Presidente

 

Sr. Zheng Kai Secretário

 

Fiscal Único

 

CSC & Associados — Sociedade de Auditores

 

(Representada por Sr. Chui Sai Cheong)

 

Secretário de Sociedade

 

Sr. Zheng Kai

 

SOCIEDADE FINANCEIRA ICBC (MACAU) CAPITAL, S.A.

Balanço anual em 31 de Dezembro de 2012

Demonstração de resultados do exercício de 2012

Conta de exploração

Conta de lucros e perdas

O Presidente,

O Administrador,

Shen Xiaoqi

Huen Wing Ming Patrick

Síntese do Relatório de Actividades

No ano de dois mil e doze, a Sociedade Financeira ICBC (Macau) Capital, S.A., manteve a tendência para um desenvolvimento sustentável, tendo atingido lucros avaliados em MOP 4.740.000,00 (quatro milhões setecentas e quarenta mil Patacas), após a dedução de impostos. Até ao final do ano de 2012, o activo total da Sociedade ascendia a MOP 94.030.000,00 (noventa e quatro milhões e trinta mil Patacas), o que representa um crescimento de 5,51%.

Desde o seu estabelecimento, e norteando-se pela estratégia global de desenvolvimento implementada pelo Banco Industrial e Comercial da China (Macau), S.A., e retirando vantagens da marca, rede, recursos técnicos e financeiros do «Industrial and Commercial Bank of China Limited», a sociedade empenhou-se no crescimento financeiro sustentável dos seus activos, fortalecendo continuamente o controlo do risco e assegurando aos seus clientes uma retribuição mais estável e forte dos seus investimentos.

Macau, aos 27 de Março de 2013.

Shen Xiaoqi
Presidente do Conselho de Administração

Relatório de Auditor Independente sobre Demonstrações Financeiras Resumidas

Para os accionistas da Sociedade Financeira ICBC (Macau) Capital, S.A.
(sociedade por acções de responsabilidade limitada, registada em Macau)

Procedemos à auditoria das demonstrações financeiras da Sociedade Financeira ICBC (Macau) Capital, S.A. relativas ao ano de 2012, nos termos das Normas de Auditoria e Normas Técnicas de Auditoria da Região Administrativa Especial de Macau. No nosso relatório, datado de 27 de Março de 2013, expressámos uma opinião sem reservas relativamente às demonstrações financeiras das quais as presentes constituem um resumo.

As demonstrações financeiras a que se acima se alude compreendem o balanço, à data de 31 de Dezembro de 2012, a demonstração de rendimento integral, a demonstração de alterações no capital próprio e a demonstração de fluxos de caixa relativas ao ano findo, assim como um resumo das políticas contabilísticas relevantes e outras notas explicativas.

As demonstrações financeiras resumidas preparadas pela gerência resultam das demonstrações financeiras anuais auditadas a que acima se faz referência. Em nossa opinião, as demonstrações financeiras resumidas são consistentes, em todos os aspectos materiais, com as demonstrações financeiras auditadas.

Para a melhor compreensão da posição financeira da Sociedade Financeira ICBC (Macau) Capital, S.A. e dos resultados das suas operações, no período e âmbito abrangido pela nossa auditoria, as demonstrações financeiras resumidas devem ser lidas conjuntamente com as demonstrações financeiras das quais as mesmas resultam e com o respectivo relatório de auditoria.

Bao, King To
Auditor de Contas
Ernst & Young — Auditores
Macau, aos 27 de Março de 2013.

Parecer do Fiscal Único

Nos termos do disposto na alínea e) do artigo 23.º dos Estatutos e para os efeitos previstos na mesma disposição legal, o Conselho de Administração da Sociedade Financeira ICBC (Macau) Capital, S.A. entregou a esta sociedade de auditores o relatório de actividades e contas auditado e referente ao exercício de 2012, para efeito de parecer.

Depois de examinados os documentos entregues a esta sociedade, para efeitos de emissão do parecer, concluímos que os referidos documentos reflectem, de forma clara, não só a situação patrimonial, mas também a situação financeira e económica da referida Sociedade.

O relatório do Conselho de Administração reflecte, de forma precisa, as actividades promovidas e desenvolvidas pela Sociedade no ano de exercício ora em apreço.

Tendo em atenção o relatório apresentado pelo auditor externo, esta sociedade concorda com o exposto no referido relatório, sendo que os documentos que serviram de base à elaboração das contas reflectem, de forma correcta e real, a situação financeira demonstrada no balanço com data de 31 de Dezembro de 2012, bem como o resultado financeiro do exercício findo em 31 de Dezembro de 2012.

Recapitulando o acima exposto, decidimos aprovar o referido relatório de actividades e contas do Conselho de Administração.

Macau, aos 26 de Março de 2013.

CSC & Associados — Sociedade de Auditores
(Representada por Chui Sai Cheong)
Fiscal Único

Lista das instituições em que a Sociedade detém participações superiores a 5% do respectivo capital

N/A

Lista dos accionistas qualificados

Banco Industrial e Comercial da China (Macau), S.A.

Órgãos Sociais

Conselho de Administração

Sr. Shen Xiaoqi Presidente

Sr. Huen Wing Ming, Patrick Administrador

Sr. Yung Chun Fai, Dickie Administrador

Mesa da Assembleia

Sr. Zhu Xiaoping Presidente

Sr. Huen Chung Yuen, Ian Vice-Presidente

Sr. Zheng Kai Secretário

Fiscal Único

CSC & Associados — Sociedade de Auditores
(Representada por Sr. Chui Sai Cheong)

Secretário de Sociedade

Sr. Zheng Kai Secretário


SOCIEDADE GESTORA DE FUNDOS DE PENSÕES ICBC (MACAU), S.A.

Balanço anual em 31 de Dezembro de 2012

Patacas

Conta de exploração do exercício de 2012

Patacas

Conta de ganhos e perdas do exercício de 2012

Patacas

O Administrador,

O Administrador,

Huen Wing Ming Patrick

Cheng Wing Fai

Síntese do Relatório de Actividades

No ano de dois mil e doze, a Sociedade Gestora de Fundos de Pensões ICBC (Macau), S.A., manteve a tendência para um desenvolvimento sustentável, tendo atingido lucros avaliados em MOP 6.680.000,00 (seis milhões e seiscentas e oitenta mil Patacas), após a dedução de impostos. Até ao final do ano de 2012, o activo total desta Sociedade ascendia a MOP78.270.000,00 (setenta e oito milhões e duzentas e setenta mil Patacas), o que representa um crescimento de 22,78%.

O valor de mercado dos activos sob gestão desta Sociedade foi calculado em mais de MOP920.000.000,00 (novecentos e vinte milhões de Patacas), o que traduziu um aumento na ordem de 20,71% em relação ao ano transacto.

Desde o seu estabelecimento, e norteando-se pela estratégia global de desenvolvimento implementada pelo Banco Industrial e Comercial da China (Macau), S.A., e retirando vantagens da marca, rede, recursos técnicos e financeiros do «Industrial and Commercial Bank of China Limited», a Sociedade empenhou-se em ascender a líder de mercado e da actividade gestora de fundos de pensões, sendo a mais procurada por clientes de Macau, a quem presta serviços de gestão de fundos de pensões cada vez mais seguros e de acesso fácil e rápido.

Macau, aos 27 de Março de 2013.

Shen Xiaoqi
Presidente do Conselho de Administração

Relatório de Auditor Independente sobre Demonstrações Financeiras Resumidas

Para os accionistas da Sociedade Gestora de Fundos de Pensões ICBC (Macau), S.A.
(sociedade por acções de responsabilidade limitada, registada em Macau)

Procedemos à auditoria das demonstrações financeiras da Sociedade Gestora de Fundos de Pensões ICBC (Macau), S.A. relativas ao ano de 2012, nos termos das Normas de Auditoria e Normas Técnicas de Auditoria da Região Administrativa Especial de Macau. No nosso relatório, datado de 27 de Março de 2013, expressámos uma opinião sem reservas relativamente às demonstrações financeiras das quais as presentes constituem um resumo.

As demonstrações financeiras a que se acima se alude compreendem o balanço, à data de 31 de Dezembro de 2012, a demonstração de rendimento integral, a demonstração de alterações no capital próprio e a demonstração de fluxos de caixa relativas ao ano findo, assim como um resumo das políticas contabilísticas relevantes e outras notas explicativas.

As demonstrações financeiras resumidas preparadas pela gerência resultam das demonstrações financeiras anuais auditadas a que acima se faz referência. Em nossa opinião, as demonstrações financeiras resumidas são consistentes, em todos os aspectos materiais, com as demonstrações financeiras auditadas.

Para a melhor compreensão da posição financeira da Sociedade Gestora de Fundos de Pensões ICBC (Macau), S.A. e dos resultados das suas operações, no período e âmbito abrangido pela nossa auditoria, as demonstrações financeiras resumidas devem ser lidas conjuntamente com as demonstrações financeiras das quais as mesmas resultam e com o respectivo relatório de auditoria.

Bao, King To,
Auditor de Contas
Ernst & Young — Auditores

Macau, aos 27 de Março de 2013

Parecer do Fiscal Único

Nos termos do disposto na alínea e) do artigo 24.º dos Estatutos e para os efeitos previstos na mesma disposição legal, o Conselho de Administração da Sociedade Gestora de Fundos de Pensões ICBC (Macau), S.A. entregou a esta sociedade de auditores o relatório de actividades e contas auditado e referente ao exercício de 2012, para efeito de parecer.

Depois de examinados os documentos entregues a esta sociedade, para efeito de emissão de parecer, concluímos que os referidos documentos reflectem, de forma clara, não só a situação patrimonial, mas também a situação financeira e económica da referida Sociedade.

O relatório do Conselho de Administração reflecte, de forma precisa, as actividades promovidas e desenvolvidas pela Sociedade no ano de exercício ora em apreço.

Tendo em atenção o relatório apresentado pelo auditor externo, esta sociedade concorda com o exposto no referido relatório, sendo que os documentos que serviram de base à elaboração das contas reflectem, de forma correcta e real, a situação financeira demonstrada no balanço com data de 31 de Dezembro de 2012, bem como o resultado financeiro do exercício findo em 31 de Dezembro de 2012.

Recapitulado o acima exposto, decidimos aprovar o referido relatório de actividades e contas do Conselho de Administração.

Macau, aos 26 de Março de 2013.

CSC & Associados – Sociedade de Auditores
(representada por Chui Sai Cheong)
Fiscal Único

Lista das instituições em que a Sociedade detém participações superiores a 5% do respectivo capital

N/A

Lista dos accionistas qualificados

Banco Industrial e Comercial da China (Macau), S.A.

Órgãos Sociais

Conselho de Administração

Sr. Shen Xiaoqi Presidente

Sr. Huen Wing Ming, Patrick Administrador

Sr. Cheng Wing Fai Administrador

Sr. Yung Chun Fai, Dickie Administrador

Mesa da Assembleia

Sr. Zhu Xiaoping Presidente

Sr. Zheng Kai Secretário

Fiscal Único

CSC & Associados — Sociedade de Auditores

(Representada por Sr. Chui Sai Cheong)

Secretário de Sociedade

Sr. Zheng Kai Secretário


CAIXA GERAL DE DEPÓSITOS — SUBSIDIÁRIA OFFSHORE DE MACAU, S.A.

Balanço anual em 31 de Dezembro de 2012

MOP

MOP

Demonstração de resultados do exercício de 2012

Conta de exploração

MOP

MOP

Conta de lucros e perdas

MOP

Presidente:

Artur Jorge Santos

Vogais: Maria Paula Gomes Pedro de Oliveira Morgado
  Victor José Lilaia da Silva

Síntese do relatório de actividade do exercício de 2012

A Caixa Geral de Depósitos, S.A. foi autorizada pelo Governo da Região Administrativa Especial de Macau através da Ordem Executiva n.º 7/2013, de 28 de Janeiro, a constituir uma Sucursal Offshore em Macau, com efeitos a partir de 1 de Fevereiro de 2013, para a qual será transferida, a esta data, o património afecto à Caixa Geral de Depósitos — Subsidiária Offshore de Macau S.A. (CGD-SOM), que cessa a sua actividade.

Neste quadro, foi elaborado e implementado um plano de trabalhos visando assegurar a constituição da Sucursal Offshore e o encerramento da Caixa Geral de Depósitos — Subsidiária Offshore de Macau S.A.

No exercício de 2012 a Caixa Geral de Depósitos — Subsidiária Offshore de Macau S.A. continuou a desenvolver a sua actividade essencialmente na área de depósitos de particulares, junto dos seus clientes tradicionais, não residentes em Macau e em Portugal.

A evolução do volume de depósitos ressentiu-se nomeadamente da conjuntura adversa no mercado Europeu, bem como da concorrência de outras instituições de crédito que adoptaram políticas de taxas agressivas direccionados para o cliente tipo da CGD-SOM.

Neste contexto, verificou-se um decréscimo dos depósitos de particulares em cerca de 3% para aproximadamente MOP 8,6 mil milhões, salientando-se que os depósitos denominados em Euros constituem cerca de 86,9% da carteira e em USD 11,8%.

O total de recursos reduziu-se de MOP 9,4 mil milhões para MOP 8,6 mil milhões, devido à redução de fundos captados junto de instituições de crédito do grupo.

A actividade de crédito a particulares manteve-se residual, ascendendo a carteira de crédito a MOP 15,7 milhões.

O resultado líquido alcançado em 2012 foi de MOP 33,4 milhões, o que corresponde a um crescimento de aproximadamente 40%, comparativamente com o registado no exercício anterior.

Destaca-se a melhoria da margem financeira, que passou de MOP 35,1 milhões para MOP 46,1 milhões, um aumento de 31%, decorrente de uma melhoria no diferencial entre o custo do funding captado e as aplicações efectuadas.

Os custos de funcionamento registaram em 2012 um crescimento de 9% relativamente ao ano anterior.

No final de 2012, a CGD-SOM continuou a apresentar uma estrutura de capitais sólida, com o rácio de solvabilidade a situar-se em 19%.

O Conselho de Administração deseja manifestar o seu agradecimento à Caixa Geral de Depósitos, accionista único, e aos diversos serviços e órgãos de estrutura da Caixa Geral de Depósitos que apoiaram eficazmente a actividade desenvolvida pelo Banco, às Autoridades de Macau, nomeadamente à AMCM, pelo contínuo apoio dado desde o início da actividade, bem como ao Banco Nacional Ultramarino, nosso parceiro privilegiado nesta operação.

A todos, bem hajam.

Opinião do Fiscal Único

Em conformidade com o artigo 30.º dos Estatutos, o Conselho de Administração da Caixa Geral de Depósitos — Subsidiária Offshore de Macau, S.A., submeteu ao Fiscal Único o balanço, contas e relatório anual relativos à actuação da companhia no ano de 2012. Da mesma maneira, o relatório dos auditores externos preparado pela Deloitte Touche Tohmatsu sobre a actividade da companhia neste ano foi igualmente disponibilizado.

Durante o ano de 2012, o Fiscal Único manteve contactos regulares com o Conselho de Administração, seguiu as actividades da companhia e recebeu sempre de uma maneira eficiente, os necessários esclarecimentos.

Depois de consultados os documentos tais como apresentados pelo Conselho de Administração conclui-se que eles reflectem claramente a situação financeira e económica da companhia.

O Relatório do Conselho de Administração também explica claramente o desenvolvimento do negócio e das actividades levadas a cabo pela companhia durante o referido ano. O Fiscal Único concordou com os auditores externos que os documentos contabilísticos apresentados reflectem de uma forma transparente e verdadeira a posição tal como indicada no Balanço a 31 de Dezembro de 2012 e os resultados da actividade para o mesmo período e que foram seguidas as práticas de contabilidade aplicadas aos bancos.

De acordo com o anterior, o Fiscal Único concordou com a aprovação do:

1. Relatório e Contas para o ano de 2012;

2. Relatório do Conselho de Administração para o ano de 2012.

Macau, aos 26 de Março de 2013.

O Fiscal Único, Chui Sai Cheong.

Relatório de Auditor Independente sobre Demonstrações Financeiras Resumidas

Ao Conselho de Administração da Caixa Geral de Depósitos — Subsidiária Offshore de Macau S.A.

Procedemos à auditoria das demonstrações financeiras da Caixa Geral de Depósitos — Subsidiária Offshore de Macau S.A.(«SOM») para o ano findo em 31 de Dezembro de 2012, nos termos das Normas de Auditoria e Normas Técnicas de Auditoria da Região Administrativa Especial de Macau. No nosso relatório, datado de 15 de Março de 2013, expressámos uma opinião sem reservas relativamente às demonstrações financeiras das quais as presentes constituem um resumo.

As demonstrações financeiras a que acima se alude compreendem o balanço, à data de 31 de Dezembro de 2012, a demonstração de resultados, a demonstração de alterações no capital próprio e a demonstração de fluxos de caixa relativas ao ano findo, assim como um resumo das políticas contabilísticas relevantes e outras notas explicativas.

As demonstrações financeiras resumidas preparadas pela gerência resultam das demonstrações financeiras anuais auditadas a que acima se faz referência. Em nossa opinião, as demonstrações financeiras resumidas são consistentes, em todos os aspectos materiais, com as demonstrações financeiras auditadas.

A nossa opinião sem reservas, no nosso relatório datado de 15 de Março de 2013, relevamos à atenção na respectiva nota das demonstrações financeiras auditadas que menciona a deliberação aprovada pela Assembleia Geral dos accionistas da SOM em 1 de Fevereiro de 2013 em que planeia liquidar a SOM. Em concordância, as demonstrações financeiras para o ano findo em 31 de Dezembro de 2012 tem sido preparadas numa base que não a da continuidade, que inclui, quando apropriado, avaliar os activos da SOM ao valor líquido realizável. Foram também criadas provisões para custos que possam resultar de quaisquer compromissos contratuais até ao fim do período reportado. As demonstrações financeiras não incluem qualquer provisão para futuros custos pela liquidação da actividade da SOM excepto se estes custos foram incorridos até ao fim do período reportado.

Para a melhor compreensão da posição financeira da Caixa Geral de Depósitos — Subsidiária Offshore de Macau S.A., e dos resultados das suas operações, no período e âmbito abrangido pela nossa auditoria, as demonstrações financeiras resumidas devem ser lidas conjuntamente com as demonstrações financeiras das quais as mesmas resultam e com o respectivo relatório de auditoria.

Quin Va
Auditor de Contas
Deloitte Touche Tohmatsu — Sociedade de Auditores

Macau, aos 15 de Março de 2013.

Lista de Instituições em que a Caixa Geral de Depósitos —

Subsidiária Offshore de Macau S.A., detém participação superior a 5% do capital social

(NÃO)

Lista de Accionistas Qualificados

Caixa Geral de Depósitos, S.A.

100%

Órgãos Sociais

Mesa da Assembleia Geral

Presidente:

Joaquim Jorge Perestrelo Neto Valente

Conselho de Administração

Presidente:

Artur Jorge Teixeira Santos

Vogais:

Maria Paula Gomes Pedro de Oliveira Morgado

Victor José Lilaia da Silva

Fiscal Único

— Chui Sai Cheong

Secretária

Maria de Lurdes Nunes Mendes da Costa


CAIXA GERAL DE DEPÓSITOS — SUBSIDIÁRIA OFFSHORE DE MACAU, S.A.

Balanço anual em 4 de Fevereiro de 2013*

MOP

* Data em que foi efectuado o registo da dissolução da Caixa Geral de Depósitos – Subsidiária Offshore de Macau, S.A. na Conservatória do Registo Comercial e dos Bens Móveis

Balanço anual em 4 de Fevereiro de 2013

MOP

Demonstração de resultados do período de 1 de Janeiro de 2013 a 4 de Fevereiro de 2013*

Conta de exploração

MOP

* Data em que foi efectuado o registo da dissolução da Caixa Geral de Depósitos – Subsidiária Offshore de Macau, S.A. na Conservatória do Registo Comercial e dos Bens Móveis

MOP

Conta de lucros e perdas

MOP

Presidente:

Artur Jorge Santos

Vogais: Maria Paula Gomes Pedro de Oliveira Morgado
  Victor José Lilaia da Silva

Síntese do relatório de actividade do exercício entre 1 de Janeiro de 2013 e 4 de Fevereiro de 2013

A Caixa Geral de Depósitos, S.A. foi autorizada pelo Governo da Região Administrativa Especial de Macau através da Ordem Executiva n.º 7/2013 a constituir uma Sucursal Offshore em Macau, com efeitos a partir de 1 de Fevereiro de 2013, para a qual foi transferido, a esta data, o património afecto à Caixa Geral de Depósitos-Subsidiária Offshore de Macau S.A.

A Caixa Geral de Depósitos-Subsidiária Offshore de Macau S.A., que tinha sido constituída em 2005, cessou assim a sua actividade em 1 de Fevereiro de 2013, tendo sido efectuado o respectivo registo de dissolução em 4 de Fevereiro de 2013, encontrando-se em processo de liquidação.

Nos termos das disposições legais e regulamentar em vigor apresentamos o Balanço, Conta de Exploração, Síntese do Relatório de Actividade e a Síntese do Parecer dos Auditores Externos referentes ao período entre 1 de Janeiro de 2013 e 4 de Fevereiro 2013.

No período em análise, a Caixa Geral de Depósitos-Subsidiária Offshore de Macau S.A. continuou a desenvolver a sua actividade essencialmente na área de depósitos de particulares, junto dos seus clientes tradicionais, não residentes em Macau e em Portugal, dando-se, por outro lado, continuidade à implementação do plano de trabalhos visando a constituição da Sucursal Offshore.

O activo líquido em 4 de Fevereiro de 2013, depois da transferência de activos e passivos para a Caixa Geral de Depósitos, era de MOP 258,2 milhões, valor igual ao da situação líquida.

O resultado líquido registado no período entre 1 de Janeiro e 4 de Fevereiro de 2013 foi de MOP 4,3 milhões.

O Conselho de Administração deseja manifestar o seu agradecimento à Caixa Geral de Depósitos, accionista único, e aos diversos serviços e órgãos de estrutura da Caixa Geral de Depósitos que apoiaram eficazmente a actividade desenvolvida pelo Banco, às Autoridades de Macau, nomeadamente à AMCM, pelo contínuo apoio dado desde o início da actividade em 2005, bem como ao Banco Nacional Ultramarino, nosso parceiro privilegiado nesta operação.

A todos, bem hajam.

Opinião do Fiscal Único

Em conformidade com o artigo 30.º dos Estatutos, o Conselho de Administração da Caixa Geral de Depósitos — Subsidiária Offshore de Macau, S.A., submeteu ao Fiscal Único o balanço, contas e relatório anual relativos à actuação da companhia entre 1 de Janeiro de 2013 e 4 de Fevereiro de 2013. Da mesma maneira, o relatório dos auditores externos preparado pela Deloitte Touche Tohmatsu sobre a actividade da companhia neste ano foi igualmente disponibilizado.

Durante o período em análise, o Fiscal Único manteve contactos regulares com o Conselho de Administração, seguiu as actividades da companhia e recebeu sempre de uma maneira eficiente, os necessários esclarecimentos.

Depois de consultados, os documentos tais como apresentados pelo Conselho de Administração conclui-se que eles reflectem claramente a situação financeira e económica da companhia.

O Relatório do Conselho de Administração também explica claramente o desenvolvimento do negócio e das actividades levadas a cabo pela companhia durante o período em análise. O Fiscal Único concordou com os auditores externos que os documentos contabilísticos apresentados reflectem de uma forma transparente e verdadeira a posição tal como indicada no Balanço a 4 de Fevereiro de 2013 e os resultados da actividade para o período de 1 de Janeiro de 2013 e 4 de Fevereiro de 2013 e que foram seguidas as práticas de contabilidade aplicadas aos bancos.

De acordo com o anterior, o Fiscal Único concordou com a aprovação do:

1. Relatório e Contas para o período entre 1 de Janeiro de 2013 e 4 de Fevereiro de 2013;

2. Relatório do Conselho de Administração para o período entre 1 de Janeiro e 4 de Fevereiro de 2013;

Macau, aos 26 de Março de 2013.

O Fiscal Único, Chui Sai Cheong.

Relatório de Auditor Independente sobre Demonstrações Financeiras Resumidas

Ao Conselho de Administração da Caixa Geral de Depósitos — Subsidiária Offshore de Macau S.A.

Procedemos à auditoria das demonstrações financeiras da Caixa Geral de Depósitos — Subsidiária Offshore de Macau S.A.(«SOM») para o período de 1 de Janeiro de 2013 a 4 de Fevereiro de 2013, nos termos das Normas de Auditoria e Normas Técnicas de Auditoria da Região Administrativa Especial de Macau. No nosso relatório, datado de 15 de Março de 2013, expressámos uma opinião sem reservas relativamente às demonstrações financeiras das quais as presentes constituem um resumo.

As demonstrações financeiras a que acima se alude compreendem o balanço, à data de 4 de Fevereiro de 2013, a demonstração de resultados, a demonstração de alterações no capital próprio e a demonstração de fluxos de caixa relativas ao período findo, assim como um resumo das políticas contabilísticas relevantes e outras notas explicativas.

As demonstrações financeiras resumidas preparadas pela gerência resultam das demonstrações financeiras do período auditadas a que acima se faz referência. Em nossa opinião, as demonstrações financeiras resumidas são consistentes, em todos os aspectos materiais, com as demonstrações financeiras auditadas.

A nossa opinião sem reservas, no nosso relatório datado de 15 de Março de 2013, relevamos à atenção na respectiva nota das demonstrações financeiras auditadas que menciona a deliberação aprovada pela Assembleia Geral dos accionistas da SOM em 1 de Fevereiro de 2013 em que planeia liquidar a SOM. Em concordância, as demonstrações financeiras para o período findo em 4 de Fevereiro de 2013 tem sido preparadas numa base que não a da continuidade, que inclui, quando apropriado, avaliar os activos da SOM ao valor líquido realizável. Foram também criadas provisões para custos que possam resultar de quaisquer compromissos no fim do período reportado. As demonstrações financeiras não incluem qualquer provisão para futuros custos pela liquidação da actividade da SOM excepto se estes custos foram incorridos até ao fim do período reportado.

Para a melhor compreensão da posição financeira da Caixa Geral de Depósitos — Subsidiária Offshore de Macau S.A., e dos resultados das suas operações, no período e âmbito abrangido pela nossa auditoria, as demonstrações financeiras resumidas devem ser lidas conjuntamente com as demonstrações financeiras das quais as mesmas resultam e com o respectivo relatório de auditoria.

Quin Va
Auditor de Contas
Deloitte Touche Tohmatsu — Sociedade de auditores

Macau, aos 15 de Março de 2013.

Lista de Instituições em que a Caixa Geral de Depósitos —

Subsidiária Offshore de Macau S.A., detém participação superior a 5% do capital social

(NÃO)

 Lista de Accionistas Qualificados

Caixa Geral de Depósitos, S.A.

100%

Órgãos Sociais

Mesa da Assembleia Geral

Presidente:

Joaquim Jorge Perestrelo Neto Valente

Conselho de Administração

Presidente:

Artur Jorge Teixeira Santos

Vogais:

Maria Paula Gomes Pedro de Oliveira Morgado

Victor José Lilaia da Silva

Fiscal Único

— Chui Sai Cheong

Secretária

Maria de Lurdes Nunes Mendes da Costa


    

Versão PDF optimizada para Adobe Reader 7.0 ou superior.
Get Adobe Reader