Número 21
II
SÉRIE

Quarta-feira, 23 de Maio de 2012

REGIÃO ADMINISTRATIVA ESPECIAL DE MACAU

      Anúncios notariais e outros

第 一 公 證 署

證 明

澳門護林會

為公佈的目的,茲證明上述社團的設立章程文本自二零一二年五月十六日起,存放於本署的社團及財團存檔文件內,檔案組1號47/2012。

澳門護林會

章程

第一章

總則

第一條——本會名稱為“澳門護林會”,葡文名稱為:“Associação de Proteção de Floresta de Macau”。

第二條——本會的宗旨為通過開展愛護森林教育,培養本澳市民珍惜森林資源,參與維護森林環境活動,促進森林樹木健康生長。

第三條——本會的性質為不牟利民間團體,受澳門特別行政區相關法例規範。

第四條——本會的會址設於澳門氹仔大連街195號利業大廈十四樓w座。經理事會議決,該會址可以遷往澳門特別行政區任何地方。

第二章

會員

第五條——1. 凡認同本會宗旨,有意參與護林工作的人士均可提交入會申請,經理事會審議接納者,得可成為本會會員;

2. 本會可聘請社會知名人士加入護林會擔任榮譽職務、名譽職務或顧問。

第六條——會員的權利

1. 參與會員大會和本會的任何活動;

2. 根據章程的規定,有權選舉和被選舉成為本會管理機關的成員。

第七條——會員的義務

1. 遵守本會的規章、會員大會的決議和理事會的決定;

2. 按時繳交會費。

第八條——會員作出損害本會聲譽和利益的行為,理事會可按照受損害程度作出懲戒或取消會員資格。

第三章

本會的機關

第九條——1. 會員大會是本會最高權力機構,其權限為:決議和修改本會章程、各機關成員之解任及資產負債之通過;

2. 會員大會由所有的會員組成,每年召開一次,由理事會負責召開,大會之召集須最少提前八日以掛號信方式為之,或最少提前八日透過簽收之方式而為之,召集書內應指出會議之日期、時間、地點及議程,如法定人數不足,則於召集書上指定召開會議時間半小時後視為第二次召集會議,屆時不論出席人數多寡,會員大會均得開會,所作出之決議均視為有效決議;

3. 會員大會的決議須由出席大會的會員絕對多數票通過;

4. 會員大會設會長一名,副會長若干名及秘書一名,任期為兩年,可連選連任。

第十條——1. 理事會是會務執行機構,其權限為:管理本會,提交年度管理報告,履行法律及章程規定的其他義務;

2. 理事會由不少於七名理事組成,總數為單數,理事會設理事長一名,副理事長若干名,秘書長一名,財務一名,由理事互選產生;

3. 理事會成員任期為兩年,可連選連任;

4. 理事會由理事長召開,理事會的決議須由出席的理事絕對多數票通過。

第十一條——1. 監事會之權限為監督理事會之運作,就其監察活動編制年度報告,履行法律及章程規定的其他義務;

2. 監事會由不少於三名成員組成,總數為單數,監事會設監事長一名、副監事長一名、秘書一名;

3. 監事會成員任期為兩年,可連選連任。

第四章

收入

第十二條——本會的收入:會費和其他活動的收入。

第十三條——本會可以接受社會人士及相關機構資助及捐贈,所有獲得的財產和款項將不可用於與本會宗旨具不同性質的用途。

第五章

附則

第十四條——1. 修改章程之決議,須獲出席會員四分之三之贊同票;

2. 解散本會之決議,須獲全體會員四分之三之贊同票。

二零一二年五月十六日於第一公證署

公證員 盧瑞祥


第 一 公 證 署

證 明

光遠堂慈善會

為公佈的目的,茲證明上述社團的設立章程文本自二零一二年五月十五日起,存放於本署的社團及財團存檔文件內,檔案組1號46/2012。

光遠堂慈善會章程

第一章

總則

第一條——本會之定名

中文名稱為“光遠堂慈善會”,簡稱 “光遠堂”(以下簡稱本會) 。

英文名稱:Kuong Un Tong Charity Association。

葡文名稱:Associação de Beneficência Kuong Un Tong。

第二條——本會會址:澳門大廟腳巷3號地下。經理事會决議後,本會會址可遷往澳門其他地點。

第三條——本會為非牟利機構。本會受澳門現行社團法之規定及本章程所管理。

第二章

宗旨

第四條——其宗旨:秉承創辦人的意願,及集結社會熱心人士各方的力量;推展、參與社會公益慈善事務,和支持佛教信仰,及在身、 心、靈建設的各類活動;以及為社會上有需要之人士作出協助,和提供各類人道支援及服務。

第三章

會員、權利和義務

第五條——會員

1. 凡年齡在18歲以上者,願意遵守本會會章及熱心參與本會會務之人士,均可按本會規則要求,申請加入本會。

2. 凡欲加入本會為會員者,應先填具本會之入會申請書、繳交所需費用;申請入會之人士,須經理事會審批和核准後,方得成為本會之會員。

3. 會員分為一般會員,入會超過3年而又遵守本會規的一般會員,經理事會確定,由會長批准後,方可成為資深會員,只有資深會員才可擔任本會的各個部門的職務,因應本條的規定,第一屆會員大會會員均具有資深會員資格。

4. 本會可通過理事會,經會長簽發聘書,可邀請各方傑出人士,為本會榮譽會長及顧問,該等人士將不會直接參與本會之行政及管理等事務。

第六條——會員之權利

1. 參加會員大會並享有其投票權,及參與本會所舉辦之各項活動、服務和福利。

2. 資深會員享有選舉權和被選舉權,一般會員則只有選舉之權。

3. 擁有自願退會權,但須以書面形式向理事會申報。

第七條——會員義務

1. 遵守本會的章程、會員大會之決議和理事會之決定。

2. 對本會舉辦之合法活動,作出支持及協助。

3. 須按時繳交由理事會所定之會費;如拖欠18個月逾期會費,將自動終止其會員資格及會籍。

4. 不得作出損害本會聲譽之言語和行動。

5. 本會會員如破壞本會聲譽,得由理事會給予警告和暫停其會員資格,特別嚴重者,得由理事會決議終止該會員會籍。

第四章

組織

第八條——會員大會

1. 會員大會是本會最高權力機關,由全體會員組成,每年最少召開一次,亦可由會長召開臨時會議;召開會議必須以書面提前14日,以掛號信之方式通知會員,和明確會議日期、時間、地點及議程。

2. 會員大會之職責;選出會員大會主席團、 理事會和監事會之成員,討論及決議理事會之上一年度工作報告及財務報告,制定及修改本會章程和會員守則。

3. 會員大會須在半數以上會員出席之情況下,方可召開會議和作出決議,如遇不足半數會員出席,會長可於原定召開時間的半小時後,作第二次召集,第二次召集時則人數不限。

4. 會員大會的決議,除《民法典》另有規定除外,以出席會員絕對多數通過便為有效。

5. 理、監事會會議須有過半數成員出席時方可議決事宜,最終決議須由出席成員之絕對多票數作出。

6. 會員大會主席團設會長一名,常務副會長一名,副會長二名及秘書一名組成,均在會員大會中由會員選舉產生,任期為三年,經連選可連任。

7. 會長對外代表本會,主持及召開會員大會,如會長出缺時,由常務副會長接替。

第九條——理事會

1. 理事會是本會的執行機構,其成員均由會員大會選舉產生,所有理事在會內的工作,均屬義務和不受薪。

2. 理事會由七名或以上的單數成員組成,互選產生理事長一名、 副理事長及常務理事各一名。

3. 理事會及所有理事的任期為三年,經連選得連任。理事會通常每三個月召開一次,若有需要,可由理事長召開臨時會議。

4. 理事會需向會員大會提交全年工作報告及財務報告。

5. 理事會職權:

(1) 負責管理本會,在法庭內外代表本會履行法律及章程所載之其他義務。

(2) 理事長:領導理事會及决策日常會務,主持一切內部會務工作會議,恊助會長代表本會對外的相關工作和事務;副理事長則協助理事長上列相關工作。

(3) 常務理事:協助處理本會內部會務的工作。

第十條——監事會

1. 監事會由監事長壹人,副監事長壹人,監事若干人組成,監事會成員必為三人或以上的單數成員組成,由會員大會選舉產生,任期為三年,經連選可連任。

2. 監事會是本會之監察組織;監察理事會的運作,對理事會工作報告、 年度計劃、財政預算及其他事項,編制年度報表。

3. 監事會成員有權列席理事會會議,但其列席成員在會議中無表决權。 可定期檢查本會財務帳目,並接受會員之投訴。

第五章

附則

1. 本會經費主要來源是會員的會費,及可接受政府和社會人士的資助、 籌募和捐贈;其歸入本會擁有的財產和收益,只可運用於推動本會會務及其目標上。

2. 修改章程的決議,必須獲出席會員人數四分之三的贊同票,方為有效。

3. 解散法人或延長法人存續期的決議,須獲出席會員人數四分之三的贊同票,方為有效。

二零一二年五月十五日於第一公證署

公證員 盧瑞祥


2.º CARTÓRIO NOTARIAL DE MACAU

CERTIFICADO

澳門濠江蘭亭書法協會

葡文名稱為“Associação de Caligrafia Lan Ting de Hou Kong, Macau”

英文名稱為“Lan Ting Calligraphy Association of Hou Kong, Macao”

為公佈之目的,茲證明上述社團之章程已於二零一二年五月十一日,存檔於本署之2012/ASS/M2檔案組內,編號為111號,有關條文內容如下:

澳門濠江蘭亭書法協會

章程

一.總則:

第一條——會名:澳門濠江蘭亭書法協會(中文);

Lan Ting Calligraphy Association of Hou Kong, Macao(英文);

Associação de Caligrafia Lan Ting de Hou Kong, Macau(葡文)。

第二條——會址:澳門亞馬喇馬路5號(濠江中學內)。

第三條——宗旨:積極探討書法教育,提高師生、特別是青少年對中國書法藝術的認識和書寫水準;舉辦講座、比賽、展覽等活動,加強書法研究;進行本澳中學、書法界與內地中學、書法界的學術交流,共同提高、促進本校及本澳書法活動的開展,積極傳承中華書法文化。

二.會員資格、權利與義務:

第四條——凡本校愛好書法且願意遵守會章者,均可申請入會;申請人須繳交近照二張,書法近作一張,經理事會通過,即可成為本會會員。

第五條——會員有下列權利:一、選舉權與被選舉權;二、批評及建議;三、參加本會各項活動。

第六條——會員有下列義務:一、遵守會章及決議;二、繳納年費一佰元;三、永遠會員則一次性繳交會費伍佰元。

第七條——會員如有違反會章或對本會名譽有損害者,經理事會通過,可取消其會員資格。

三.組織機構:

第八條——會員大會為本會最高權力機關,其職權如下:一、制定或修改會章;二、選舉理、監事會成員;三、決定工作方針,任務及計劃。

第九條——理事會為本會執行機關,其職權如下:一、執行會員大會決議;二、向會員大會報告工作及提出建議;三、召開會員大會;四、聯絡會員,設計、組織會務活動,推動會務發展。

第十條——本會設會長一人,副會長若干人,任期三年。

第十一條——理事會設理事長一人,副理事長若干人,秘書長一人,財務一人,常務理事若干人,總人數必須為單數,理事會任期為三年。

第十二條——理事會視工作需要,可增聘榮譽會長、名譽會長、名譽顧問、顧問。

第十三條——監事會為本會監察機關,負責督促理事會各項工作。

第十四條——監事會設監事長一人,副監事長若干人,監事若干人,總人數必須為單數,任期三年。

四.會議:

第十五條——會員大會每年召開一次,由理事長召集,會員須超過半數,方得通過決議。

第十六條——會員大會由理事長召集,至少於會議前八日以掛號信或簽收方式召集會員,召集書內須載明會議的日期、時間、地點及議程。

第十七條——修改章程的決議須獲出席會員的四分之三之贊同票。

第十八條——解散法人或延長法人存續期之決議,須獲全體會員四分之三之贊同票。

第十九條——理事會每二個月召開一次,由理事長召集,如有特殊情況,可臨時召開。

五.經費:

第二十條——由會員每年繳交會費一佰元,永遠會員一次性繳交會費伍佰元。

Está conforme.

Segundo Cartório Notarial de Macau, aos onze de Maio de dois mil e doze. — A Ajudante, Graciete Margarida Anok da Silva Pedruco Chang.


2.º CARTÓRIO NOTARIAL DE MACAU

CERTIFICADO

英姿飛揚體育會

葡文名稱為“Voador Heroic Esporte Clube”

英文名稱為“Heroic Flying Sports Club”

為公佈之目的,茲證明上述社團之章程已於二零一二年五月十一日,存檔於本署之2012/ASS/M2檔案組內,編號為112號,有關條文內容如下:

英姿飛揚體育會章程

第一章

總則

第一條——本會中文名稱為“英姿飛揚體育會”;葡文名稱為“Voador Heroic Esporte Clube”;英文名稱為“Heroic Flying Sports Club”;以下簡稱「本會」。

第二條——本會會址設於氹仔大埔街19-21號泉亮花園第二座6樓N座。

第二章

宗旨

第三條——本會為非牟利社會服務團體,旨在弘揚愛國愛澳精神;推動本地體育運動的發展,提升本地運動員的競技水平。促進本澳居民與外地的體育活動交流。

第三章

會員

第四條——認同本會章程者,均可申請入會,經理事會審批,即可成為會員。

第五條——會員權利及義務:本會會員享有法定之各項權利及義務,即身為一般會員有選舉權及被選權等權利,以及交付會費、年費及為本會的發展和聲譽作出貢獻等義務。

第四章

組織架構

第六條——本會組織架構包括會員大會、理事會、監事會。

第七條——會員大會之組成及權限:會員大會為本會最高權力機構,由所有會員組成,可通過及修改會章、選舉架構及決定各會務工作。決議時須半數以上會員的絕對多數票方為有效,但法律另有規定者除外,修改章程之決議須獲出席社員四分之三贊同票;解散法人,須獲全體社員四分之三贊同票。會員大會需每年召開一次,至少提前八天透過掛號信或簽收之方式召集,召集書內應指出會議之日期、時間、地點及議程,會員大會設主席一人(會長)及副主席一人(副會長)。

第八條——理事會之組成及權限:

一、理事會由最少五名單數成員組成,設理事長一名、副理事長二名;常務理事及理事各若干名。

二、負責執行會員大會之決議。

三、制定年度計劃。

四、每年提交年度工作報告及財務報告。

第九條——監事會之組成及職責:

一、監事會由最少五名單數成員組成,設監事長一名、副監事長二名;監事若干名。

二、監察會務活動。

第十條——一、上述各組織成員之職務不可同時兼任,每屆任期為三年,由會員大會從具有投票權之會員中選出,並可連選連任。

二、經理事會批准,本會得聘請有關人士為名譽會長、名譽副會長及名譽顧問。

第五章

經費

第十一條——一、本會財政來源包括會員所繳交之會費及年費,會員定期或非定期性之捐獻,以及將來屬本會資產有關之任何收益;

二、本會得接受政府、機構、社團及各界人士捐獻及資助,但該等捐獻及資助不得附帶任何與本會宗旨不符的條件。

第六章

附則

第十二條——本章程未有列明之事項將按澳門現行之有關法律規定。

第十三條——本會章程未盡之處,得由理事會提出修改議案,交會員大會審議修改之。

Está conforme.

Segundo Cartório Notarial de Macau, aos onze de Maio de dois mil e doze. — A Ajudante, Graciete Margarida Anok da Silva Pedruco Chang.


2.º CARTÓRIO NOTARIAL DE MACAU

CERTIFICADO

澳門山東省工商聯會

為公佈之目的,茲證明上述社團之章程已於二零一二年五月十日,存檔於本署之2012/ASS/M2檔案組內,編號為109號,有關條文內容如下:

澳門山東省工商聯會

組織章程

第一章

名稱、會址及宗旨

第一條——本會中文名稱為“澳門山東省工商聯會”,(以下簡稱“本會”)。本會屬非牟利社團,具有法人地位的社會社團,其存續不設期限,本會受本章程及澳門現行有關法律條款管轄。

第二條——本會會址設在澳門羅理基博士大馬路600E第一國際商業中心十樓1008室。

第三條——本會宗旨以愛國愛澳的精神,團結工商業界人士,以加強本澳與山東省工業界及商業界之間的活動交流及互助,同時協助會員開拓商機及對外推廣,從而促進本澳與山東省工商業發展。

第二章

會員資格、權利及義務

第四條——會員:

(一)本會會員以個人身份參加;

(二)凡認同本會宗旨及願意遵守本會章程之成年人,均可加入本會,入會時須經本會兩位理事介紹,並經理、監事會審查認可,在繳納入會會費後,即可成為會員;

(三)會員有退出本會的自由,但應向理事會提出書面申請。

第五條——會員享有之權利如下:

(一)參加會員大會;

(二)選舉及被選舉權;

(三)對本會會務提出建議及意見;

(四)參與本會舉辦之一切活動;

(五)介紹新會員入會;

(六)退出本會。

第六條——會員應盡之義務:

(一)遵守本會的章程並執行一切議決案;

(二)積極參與、支持及協助本會舉辦之各項活動,推動會務發展;

(三)按時繳納會費及其他應付之費用;

(四)不得作出任何有損本會聲譽之行為。

第三章

紀律

第七條——凡違反本會章程、內部規章以及參與有損本會聲譽或利益之活動,將由理事會作出處分;嚴重者得取消其會員資格,所繳的一切費用概不發還。

第四章

組織架構

第八條——本會的組織架構為:

(一)會員大會;

(二)理事會;

(三)監事會。

第九條——會員大會:

(一)會員大會為本會最高權力機構。

(二)會員大會每年召開一次平常會議,在必要情況下應理事會或不少於二分之一會員以正當理由提出要求,亦得召開特別會議。

(三)會員大會由會長負責召開,若會長因事不能履行時,由副會長代任。

(四)會員大會之召集須提前至少八天透過掛號信或簽收的方式通知會員,該召集書內應註明會議召開的日期、時間、地點及議程。

(五)第一次召集時,最少一半會員出席。

(六)若第一次召集的時間已屆,但法定人數不足,則於半小時後視為第二次召集,屆時不論出席之會員人數多少均視為有效,但法律另有規定除外。

(七)決議事項,須出席人數過半數贊成方可通過,唯修改章程之決議,須獲出席人數四分之三贊同;解散本會,須獲全體會員四分之三贊同。

第十條——會員大會之職權:

(一)修改本會章程及內部規章;

(二)選舉及罷免理事會及監事會成員;

(三)審議理事會的工作報告和財務報告,以及監事會的相關意見書;

(四)決定本會會務方針及作出相應決議;

(五)通過翌年度的活動計劃及預算;

(六)本會的解散、撤消。

第十一條——理事會:

(一)理事會成員由會員大會選出, 其總數必須為單數;

(二)理事會設會長一名、副會長及理事若干人、司庫及秘書長各一人,任期為三年,連選得連任;

(三)理事會下設常務理事若干人,以便執行理事會決議及處理本會日常會務;

(四)理事會會議通常每季召開例會一次,商議會務,如有必要,可由會長隨時召開特別會議或應半數以上理事會成員提出申請而召開。每次理事會會議之議決及執行情況,須於下一次理事會上提出報告及確認。

第十二條——理事會為本會會務執行機構,其職權如下:

(一)執行會員大會決議;

(二)主持及處理各項會務工作;

(三)研究和制定本會的工作計劃及預算;

(四)安排會員大會的一切準備工作;

(五)領導及維持本會之日常會務,行政管理,財務運作及按時向會員大會提交會務報告及帳目結算;

(六)審核新會員入會資格及通過取消會員資格;

(七)在其職稱範圍內,依照會章處分違紀會員;

(八)在法庭內外代表本會;

(九)聘請本會名譽會長、顧問等。

第十三條——監事會:

(一)監事會由會員大會選出,其總數必須為單數;

(二)監事會設監事長一名,副監事長及監事若干名,任期三年,連選得連任;

(三)監事會通常每季與理事會一起召開例會一次,共商會務。

第十四條——監事會為本會會務的監察機構,其職權如下:

(一)監察會員大會決議的執行,以及監察理事會的運作及查核本會之財產;

(二)監督各項會務工作之進展,就其監察活動編制年度報告;

(三)向會員大會報告工作;

(四)提出改善會務及財政運作之建議;

(五)監督理事會一切行政決策及工作活動;

(六)審核本會財政狀況及賬目。

第五章

經費

第十五條——本會為不牟利社團,有關經費來源主要由會員繳交之會費及海內外各界熱心人士之捐贈、公共機構或私人團體之贊助。

第六章

附則

第十六條——本會設內部規章,規範領導機構轄下的各部別組織,行政管理及財務運作細則等事項,有關條文由會員大會通過後公佈執行。

第十七條——本會章程之解釋權屬會員大會;本會章程由會員大會通過之日起生效,但僅在《澳門特別行政區公報》上公佈後,方對第三人產生效力。若有未盡善之處,由會員大會討論通過修訂。

第十八條——本章程所未規範事宜,概依澳門現行法律執行。

Está conforme.

Segundo Cartório Notarial de Macau, aos dez de Maio de dois mil e doze. — A Ajudante, Graciete Margarida Anok da Silva Pedruco Chang.


2.º CARTÓRIO NOTARIAL DE MACAU

CERTIFICADO

澳門龍珠健身秧歌舞蹈會

為公佈之目的,茲證明上述社團之章程已於二零一二年五月十日,存檔於本署之2012/ASS/M2檔案組內,編號為105號,有關條文內容如下:

澳門龍珠健身秧歌舞蹈會章程

第一章

總則

第一條——會名:

本會名稱為:澳門龍珠健身秧歌舞蹈會,以下簡稱為“本會”。

第二條——宗旨:

本會為非牟利組織。擁護「一國兩制」,愛國、愛澳。發揚祖國傳統文化,積極響應特區政府提倡的「發展大眾體育,增強市民體質,共建和諧健康社區」。培養對秧歌、腰鼓、舞蹈有興趣的學習者。在推廣秧歌、腰鼓、舞蹈運動發展的過程中,真正讓中老年朋友們體驗到“我運動、我健康、我快樂、我幸福”,並在建設和諧社會中發揮積極作用。

第三條——會址:澳門騎士馬路268號麗花園金閩閣8樓J座。

第二章

會員

第四條——入會資格:

凡本澳愛好運動及支持參與的中老年朋友,願意遵守會章,經申請獲理事會通過,便可成為會員。

第五條——會員權利:

1. 有選舉及被選舉權。

2. 參加會員大會及本會舉辦之各項康樂文化活動。

3. 遵守會章及決議。

4. 對本會會務提出建議及意見。

5. 繳納會費。

6. 退會自由。

第六條——會員義務:

1. 參與及協助本會舉辦之各項活動。

2. 推動本會會務和開拓發展。

3. 按時繳交會費及其他應付費用。

4. 不得作出任何有損本會聲譽的行為。

第七條——取消會員資格:

會員如有違反會章或有損本會聲譽者,經理事會通過,可取消其會員資格。

第三章

組織架構

第八條——本會的組織及職權:

1. 本會由會員大會、理事會及監事會組成,任期為兩年。

2. 理事會由理事長、副理事長、理事、秘書、財務等成員組成。

3. 監事會由監事長及監事組成。

第九條——會員大會:

1. 本會設會長1人,由會員大會選出。

2. 本會以會員大會為最高權力機構。

3. 會員大會職權如下:

a. 制定或修改會章。

b. 選舉領導架構成員。

c. 決定工作方針及計劃。

4. 每年應至少召開全體會員大會一次。最少須提前8天以掛號信形式通知各會員。會員大會的出席人數,不得少於會員人數之一半,但法律另有規定除外。

5. 會員大會主要內容包括報告一年來的工作情況和財務狀況,並由出席會員進行審議。

第十條——理事會:

1. 理事會成員由會員選出,成員人數為五名或以上。本會設理事長1人,副理事長及理事各若干人,秘書1人,財務1人,組成人數須為單數。

2. 理事會為本會的執行機構,其職權如下:

a. 執行會員大會決議。

b. 向會員大會報告工作和財務狀況。

c. 決定會員的接納或除名。

第十一條——監事會:

1. 監事會成員由會員大會選舉產生,由三位成員組成,包括監事長1人和兩名監事。

2. 監事會負責監察會務工作情況,履行法律及章程所載之其中義務。

第四章

經費

第十二條——經費來源:

社會贊助及會費。本會接受會員捐助。本會所有收入只限於所規定之活動及日常正當之必須支付,在未有會議通過之前,不得作其他用途。

第五章

附則

第十三條——修章:

本章程如有因環境改變或有未盡善之處,可由會員大會成員提出修改。如修改章程須獲出席大會會員之四分之三贊同才能通過,經理事會討論,再由出席大會之成員確認通過執行。如解散本會須獲全體會員之四分之三贊同才能通過。

Está conforme.

Segundo Cartório Notarial de Macau, aos dez de Maio de dois mil e doze. — A Ajudante, Graciete Margarida Anok da Silva Pedruco Chang.


2.º CARTÓRIO NOTARIAL DE MACAU

CERTIFICADO

澳門心理專業學會

葡文名稱為“Macau Psicologico Profissional Sociedade”

英文名稱為“Macao Psychological Professional Society”

為公佈之目的,茲證明上述社團之章程已於二零一二年五月十日,存檔於本署之2012/ASS/M2檔案組內,編號為110號,有關條文內容如下:

澳門心理專業學會

葡文名稱為“Macau Psicologico Profissional Sociedade”

英文名稱為“Macao Psychological Professional Society”

第一章

會名、地址及宗旨

第一條——名稱:

中文名稱為:“澳門心理專業學會”。

葡文名稱:“Macau Psicologico Profissional Sociedade”。

英文名稱:“Macao Psychological Professional Society”。

第二條——本會會址及郵寄地址設於:

澳門氹仔南京街597號濠庭都會第六座18層B室。

經會員大會決議,會址及郵寄地址可遷至澳門任一地方。

第三條——本會為非牟利團體。

第四條——宗旨:

1. 集合澳門特別行政區心理學各個領域的業內人士,推動心理學實踐,改善心理學的專業訓練標準,在澳門特別行政區心理學各個專業領域進行合作。

2. 通過舉辦專業會議、學術交流和社區接觸,協調心理學各個領域在澳門的工作與教育。

3. 提高澳門社區對心理學實踐的認識,為有需要的群體提供社區服務和專業訓練的機會,以及與其他專業健康護理團體進行溝通。

第二章

會員、權利與義務

第五條——會員資格:

1. 會員級別:

a. 專業會員需持有認可大學所頒授的心理學士學位或博士學位;

b. 學生會員需持有認可大學所頒授的心理學學士學位;

c. 附屬會員需在心理學服務領域有相關工作經驗,或者持有心理學學士或碩士以外的學歷。

2. 會員要求:

會員必須同意遵守組織章程和宗旨。會員申請需經會員大會審核。

3. 專業會員和學生會員的會員權利:

a. 會員可選舉與被選舉權;

b. 會員可參加組織會議;

c. 會員可享有社團所提供的服務與教授;

d. 會員可參與決定及建議社團的發展;

e. 會員如損害社團名譽(無論是在專業領域的不當行為還是在非專業領域的犯罪行為),或者不遵守組織規則,經理事會通過,可取消其會員資格。

第三章

組織架構

第六條——會員大會為本會最高權力機構,設會長一人,副會長及秘書各一人,任期一年,可連選連任。會員大會職權如下:

1. 制定或修改會章;

2. 選舉理監事會領導人員;

3. 決定工作方針及計劃。

第七條——理事會內設理事長一人,理事會秘書一人,理事若干名而人數最少三人或以上,人數需為單數,任期一年,可連選連任。理事會為本會執行機關,其職權如下:

1. 執行會員大會決議;

2. 向會員大會報告工作和財務狀況;

3. 決定會員的接納或除名。

第八條——監事會設監事長一人,副監事長一人,秘書長一人,任期一年,可連選連任。監事會負責審查監督本會行政及財務狀況等有關的事務。

第九條——會員大會每年最少召開一次,並須在召開會員大會前最少八天透過掛號信或簽收之方式召集:召集信內需指出大會日期、時間、地點及議程等。如有需要,可召開特別會議,按現行法規通知召開會議,而決議取決於出席會員絕對多數贊成票數通過,但法律另有規定者除外。

第十條——修章:

修改章程之決議需出席會員中之四分之三人贊同,方視為有效。

第十一條——解散:

本會之解散決議需全體會員中之四分之三人通過,方視為有效。

第四章

其他

第十二條——本會的經濟來源:

1. 會員會費;

2. 政府的資助、社團及各界人士的贊助和捐贈。

第十三條——本章程忽略之事宜依本澳現行法律規範。

Está conforme.

Segundo Cartório Notarial de Macau, aos onze de Maio de dois mil e doze. — A Ajudante, Graciete Margarida Anok da Silva Pedruco Chang.


CARTÓRIO NOTARIAL DAS ILHAS

CERTIFICADO

澳門會展產業聯合商會

為公布的目的,茲證明上述社團的設立章程文本自二零一二年五月十四日起,存放於本署之“2012年社團及財團儲存文件檔案”第1/2012/ASS檔案組第28號,有關條文內容載於附件。

澳門會展產業聯合商會

章程

第一章

總則

第一條——本會名稱:本會中文名稱為“澳門會展產業聯合商會”,英文名稱為“Macau Federal Commercial Association of Convention & Exhibition Industry”,英文簡稱為“MFCACEI”。

第二條——本會宗旨:

1. 致力推動澳門會展產業的可持續發展,促進澳門經濟適度多元化;

2. 以會展項目作為橋樑,推動澳門會展產業與國際接軌,從而提升本澳展會品質,建構會展產業商貿交流平台;

3. 積極與鄰近會展城市構建合作機制,發展多樣合作模式,透過引進專業性會展項目至澳門,提升澳門會展旅遊的城市形象;

4. 維護業界權益,提升會展從業人員的專業水平。

第三條——本會發展理念:

1. 透過尋找合適組展公司作為合作夥伴,引進專業會議展覽來澳舉辦,為本澳會展產業打造專業的交流平臺;

2. 立足澳門,向珠三角區域、“9+2”區域、大中華區域及其他國際都會推廣及建立合作關係,於區域內合作舉辦專業性會展項目,藉此協助本澳會展產業走向專業化、科學化、全面化、系統化,從而提升本澳之綜合競爭力,推動澳門發展成為“世界旅遊休閒中心”。

第四條——本會會址設於澳門新口岸友誼大馬路555號置地廣場酒店21樓全層。

第二章

會員

第五條——本會會員分為商號會員及個人會員兩種,其入會資格如下:

1.商號會員:凡具本澳營業執照之企業、商號,成立滿18個月,經本商號會員一人介紹,繳納入會會費後均得申請加入本會為商號會員,每商號會員指定一至兩人為代表,如代表人有變更時,應由該商號具函申請改換代表人。

2.個人會員:凡從事會展行業相關之人士、教育培訓工作人員、以及有興趣人士等,承認本會理念,經會員介紹、理監事審批,在繳納入會會費後即可成為會員。

第六條——會員之權利:

1. 有選舉權及被選舉權,個人會員除外;

2. 可參與本會舉辦之一切活動及享有本會一切福利;

3. 有權對本會之會務提出意見和建議;

4. 有退會之自由,但應向理事會、監事會發出書面通知,以作備案;若會員不遵守會章及損害本會聲譽及利益者,經理事會、監事會議決後,可取消其會員資格。

第七條——會員之義務:

1. 遵守會章及執行所有會員大會及理事會、監事會決議;

2. 積極參與及支持本會舉辦之各項活動,團結互助,推動會務之發展;

3. 不得作出任何損害本會信譽與利益的行為;

4. 依時繳交會費。

第三章

組織架構

第八條——會員大會:

1. 會員大會為最高權力機構,可通過及修改本會章程及內部規章,選舉領導架構及決定各會務工作;

2. 設會長一名,副會長若干名,秘書一名;會長為會員大會召集人,對外代表本會,對內領導及協調會務;副會長協助會長工作,當會長出缺或因故不能執行職務,由其中一名副會長暫代其職務;

3. 會員大會每年一次,大會之召集須最少提前八日以掛號信方式為之,或最少提前八日透過簽收之方式而為之,召集書內應指出會議之日期、時間、地點及議程;

4. 屬首次召集之大會,如出席社員不足半數,不得作任何決議;

5. 決議取決於出席社員之絕對多數票,但不影響以下各款規定之適用;

6. 修改章程之決議,須獲出席社員四分之三之贊同票;

7. 解散法人或延長法人存續期之決議,須獲全體社員四分之三之贊同票;

8. 章程的規定多於上述規則所定之票數。

第九條——理事會:

1. 理事會由會員大會選出,由三名或以上的單數成員組成,設理事長一名,副理事長及理事若干名;

2. 理事會貫徹執行會員大會決議和議定工作計劃,處理日常會務,最少每季度開會一次;

3. 理事會可邀請商界及社會賢達擔任本會名譽職務以及顧問等。

第十條——監事會:

1. 監事會由三名或以上的單數成員組成,設監事長一名,副監事長及監事若干名;

2. 監事會負責監察理事會日常會務運作和財政開支;

3. 監事會最少每季度開會一次。

第十一條——本會領導架構成員由商號會員組成,三年一任,可連選連任。

第十二條——本章程忽略之事宜依本澳現行法律規範。

第四章

經費

第十三條——本會經費來源:

1. 會員交納會費;

2. 接受澳門特別行政區政府資助及熱心人士捐助。

二零一二年五月十四日於海島公證署

一等助理員 林志堅


CARTÓRIO PRIVADO

MACAU

CERTIFICADO

澳門文化資源協會

Associação dos Recursos Culturais de Macau

為公布之效力,茲證明上述名稱之社團於二零一二年五月十日通過一份經認證之設立文件而組成,該設立文件連同該社團的章程文本亦自同日起存放於本公證事務所之《第12號社團及財團儲存文件檔案組》第二號,有關之條文內容載於附件:

澳門文化資源協會

Associação dos Recursos Culturais de Macau

章程

第一章

總則

第一條——本會訂定之中文名稱為「澳門文化資源協會」,葡文名稱為“Associação dos Recursos Culturais de Macau”,葡文簡稱“A.R.C.M.”,英文名稱為“Macau Cultural Resources Association”,英文簡稱“M.C.R.A.”,以下簡稱「本會」。

第二條——本會為非牟利社團,並無存立期限,於澳門特別行政區設立與註冊,從註冊成立之日起運作,會址設於澳門宋玉生廣場335號獲多利中心11樓M座。

第三條——本會的創辦宗旨為:

a)通過研究澳門文化的生態環境,以及開展族群、信仰、語言等多元文化現象的研究,推動澳門文化政策的制訂與完善及澳門文化產業發展的規劃;

b)通過研究文化與經濟發展的關係,發揮文化的社會功能;

c)搶救澳門特有的文化遺產,延續澳門獨特文化的傳承;

d)配合政府及社會需要,開展文化現象的調查,促進相關調查人員的培訓及推動文化資源的運用;及

e)開展學術活動,出版與文化研究相關的學術刊物及學術著作,舉辦各類型的文化展覽,增進澳門與中國內地及世界各地區之間在文化研究上的學術交流。

第二章

會員

第四條——一. 凡年滿十八歲,認同本會宗旨及願意遵守本會會章的人士,及得到一名會員推薦,均可申請入會,經理事會審批和正式通過後即可成為本會會員。

二. 會員分為榮譽會員、普通會員(或準會員)及基本會員三類。榮譽會員為對會務有重大建樹及/或對本會發展有顯著貢獻者,經理事會提案及會員大會通過後授銜之會員,該等會員將不會直接參與本會之行政及管理事務;普通會員未具有在會員大會上發言、表決議案、參選角逐機關職務及投票選舉之基本會員所享有之權利,凡入會超過三年之普通會員均可申請成為基本會員,經理事會審批通過後成為基本會員,享有基本會員的權利。

第五條——會員應遵守法定及下列各項義務:

a)遵守會章、內部規章及會員大會和理事會的決議事項;

b)獲選為本會管理機關的成員後,盡責履行任期內獲本會授予之職務;

c)維護本會的合法權益與尊嚴,幫助提高本會的聲譽及促進會員間的合作、積極參與本會舉辦的各種活動及參與推動會務之發展;及

d)定期繳交會費及各項費用。

第六條——一. 基本會員享有法定之各項權利如:

a)出席會員大會,在大會上享有發言權、動議權、和議權及投票權;

b)選舉權及被選舉權;

c)退會權;

d)參與本會所舉辦之各項活動,享受本會所提供的各種優惠和福利;及

e)按本章程第十條之規定,申請召開特別會員大會。

二. 榮譽會員不直接參與本會之行政及管理事務,但享有所有基本會員之權利。

三. 普通會員享有除本條第一款第 a)項、第 b)項和第 e)項權利以外基本會員之權利。

第七條——會員如被證實犯下損害本會聲譽、信用及利益之事情,或被證實違反本會會章及不遵守會員大會之決議,經理事會查證及獲四分之三與會理事議決通過後,得將按事件的嚴重程度而予以警告或中止享有上條權利的處分,損害情況尤其嚴重者,得撤除其會籍。

第三章

組織架構

第一節

組織機關

第八條——本會的內部組織由以下管理機關組成:

一. 會員大會;

二. 理事會;及

三. 監事會。

第九條——一. 會內各管理機關的成員,皆由全體基本會員及榮譽會員在常年會員大會中,從經推選委員會推選的入選成員當中,以一人一票及不記名方式選出。各管理機關成員的任期皆為三年,任滿連選得連任,不限次數。

二. 各理、監事會的獲選成員,若一年內未有合理解釋而缺席超過一半的理事或監事會會議,即作自動退職論;理事會應於上述有關連續缺席情況出現後的兩個月內召開會員大會為有關職務進行補選。

第二節

會員大會

第十條——一. 會員大會為本會的最高權力機關,由全體基本會員及榮譽會員所組成。

二. 凡法律或本章程並未規定屬本會其他機關職責範圍之事宜,會員大會均有權作出決議。

三. 會員大會由主席團主持,而主席團設主席(或稱會長)一名及副主席(或稱副會長)一至兩名。

四. 常年大會每年舉行一次,以審議及表決理事會所提交之工作報告及帳目,並聽取監事會之相關意見,以及按時選出會內各管理機關的成員。特別會員大會則在會長或理事會或監事會提議時、或在不少於三分之一全體會員以正當目的聯署提出書面要求時召開。

第十一條——一. 會員大會由理事長召集,會議召集通知書須在不少於所建議的會議日期前八天以掛號信或透過簽收方式通知各會員,召集書內須載明會議的日期、時間、地點及有關之議程。

二. 屬首次召集的會議,須在不少於半數全體會員出席的情況下,方能通過決議。

三. 如出席屬第一次召集的會議的會員數目少於上款所規定的法定人數,則可在第一次召集所指定的會議時間的半小時後作第二次召集即時舉行會議或改天再行召集舉行會議。

四. 凡屬第二次召集的會議,只需有不少於五分之一全體會員出席,會員大會的舉行均屬有效,可進行議案的議決。

五. 會員大會對議案進行表決,採取一人一票的投票方式,除本章程或法律另行規定的情況外,任何議案均須取得與會會員之絕對多數票通過,方為有效;如表決時贊成與反對的票數相同,則由會長投下決定性的一票。

六. 罷免會長、副會長、理事長、副理事長、監事長、副監事長之決議,須獲得不少於三分之二與會會員的贊成票數通過,方為有效。

七. 會員如不能參與大會,可依法律規定以書面方式委託其他會員代表出席。

八. 會員大會的決議應載於會議錄簿冊內,以供會員查閱。

第十二條——除本章程明文規定之權限及其他法定職權外,會員大會的權限尚包括:

a)釐訂本會的指導方針,討論與決定重大事務;

b)選舉產生各內部管理機關的成員及其解任;

c)通過、修訂及更改會章及內部規章;

d)商討、審議及通過理事會所提交之工作報告和財務報告及資產負債表,以及聽取監事會相關之意見;及

e)解散本會。

第十三條——除主持會員大會之職能外,會長還肩負對外代表本會的職責,會長因事缺席時,由副會長代其行使職權。

第三節

理事會

第十四條——一. 理事會為本會最高會務管理與執行機關,成員總人數必須為單數,成員間互選出理事長一名、副理事長二名,秘書長一名,其餘為理事。

二. 理事會得按會務發展之需要,下設若干職能部門、委員會或臨時性的工作小組,以負責處理特定的任務,該等內部組織直接向理事會負責,其運作規章由理事會決議通過及公佈實施。

第十五條——一. 理事會定期召開會議,會議日期由理事會按會務之需要自行訂定,並由理事長召集或應多數理事聯署提出要求而召開。

二. 理事會議由理事長負責通知和召集,會議通知應於所建議舉行會議的日期前七天發出,召集書內須載明會議的日期、時間、地點及有關之會議議程。

三. 理事會議須在多數成員出席時,方可進行議決。

四. 會議之任何議案,須獲得與會者過半數贊成票方能通過。如表決時贊成與反對的票數相同,則由理事長投下決定性的一票。

五. 理事會會議應作成會議錄,並載於簿冊內,以供查閱。

第十六條——除本章程明文規定之權限及其他法定職權外,理事會的權限尚包括:

a)按本會的既定宗旨,策劃、推動、管理、組織及領導本會之活動;

b)執行會員大會之所有決議;

c)管理本會的資產及財物;

d)批准會員入會和退會的申請,以及開除會員會籍;

e)維持本會之日常會務、行政管理及財務運作;

f)僱用和辭退職員、編配工作,並訂定職員的薪酬與待遇;

g)通過聘請或邀請社會賢達、對本會有貢獻的資深同業及社會熱心人士擔任本會的榮譽會長、榮譽理事、榮譽會員、榮譽顧問、學術顧問、榮譽學術顧問、法律顧問及會務顧問等,以協助本會的發展;

h)代表本會參與一切對外的官方和私人活動,及行使本會擁有的一切相關權力;

i)制定及提交工作年報及當年的帳目包括資產負債表,交會員大會討論與通過,以及提交下年度的工作計劃及財政預算;

j)訂定入會費和每年的會費金額;

l)執行一切在本會宗旨範圍內,但沒有其他專責部門處理的事宜;及

m)行使法律或本會章程所規定的其他權限。

第十七條——理事長的特定職權為:

a)召集和主持所有理事會議;

b)領導本會的各項行政和管理工作;

c)在理事會議表決時,當贊成與反對的票數相同,投以決定性之一票;

d)對外代表本會;及

e)履行與本身職位相稱之一切工作。

第十八條——副理事長的特定職權為:

a)協助理事長處理會務;及

b)在理事長請假或因事缺席不能履行職務時,代其行使職權。

第四節

監事會

第十九條——監事會為本會的監察機關,由不少於三名成員組成,成員人數必須為單數,成員間互選出監事長及副監事長各一名,其餘為監事。

第二十條——一. 監事會最少每年召開平常會議一次,由監事長負責召集會議,而在其認為有需要時或在多數監事聯名提出時,得召開特別監事會議。

二. 監事會議須在多數成員出席時,方可進行議決。會議之任何議案,須得與會者多數贊成票方能通過。如表決時贊成與反對的票數相同,則由監事長投下決定性的一票。

三. 監事會的會議紀錄應載於專有簿冊內,以供查閱。

第二十一條——監事會對本會各項會務扮演監督角色,其特定之權限為:

a)督導理事會之一切工作;

b)監督會員遵守本會章程及內部規章的情況;

c)監督會員大會決議案的執行情況;

d)定期審查本會的帳目和核對本會的資產和財物;

e)就理事會所提交的帳目及報告制定意見書呈交會員大會;

f)就其監察活動編制年度報告;及

g)履行法律及章程所規定的其他義務。

第五節

社團之約束力

第二十二條——任何具法律效力和約束力的文件和合約,必須由理事長或會長簽署方為有效。

第四章

財務管理

第二十三條——一. 本會設立基金,接受會員及社會各界熱心市民與團體和企業的捐助。

二. 本會的經費來源為:

a)會員之入會費及年費;

b)會員和非會員的捐款及澳門特區政府的資助或撥款;

c)本會資產所衍生之收益;

d)舉辦各項活動之收益;及

e)其他一切合法收入。

第二十四條——一. 本會之收益、資產和結餘,只能運用於推廣其宗旨之事務上。

二. 本會須設置財務開支帳簿,並須將之每年一次上呈會員大會查核。

第二十五條——一. 本會的會計年度以曆年為準,每年一月一日起至十二月三十一日止。

二. 每年會計年度開始前兩個月,由理事會編制年度工作計劃、收支預算,提交會員大會通過,如會員大會未能如期召開,可先提請理事會、監事會聯席會議通過,再交會員大會追認;會計年度終結兩個月內,由理事會編制年度工作報告、資產負債表、帳目報告、損益表和財產目錄,送監事會審議並制定審核意見書後,提呈會員大會通過。

第五章

附則

第二十六條——本會章程的修改權和本會的解散權屬會員大會的權力範圍。該等會員大會除須按照本章程第十條的規定召集外,還必須符合以下要件:

一. 在會議召集書上必須闡明召開會議的目的;

二. 章程之修訂議案,須在為該目的而特別召開之會員大會中方可表決,且必須得到不少於四分之三與會會員的贊成票數通過,方為有效;

三. 解散本會之議案,須在為該目的而特別召開之會員大會中方可表決,且必須得到不少於四分之三全體會員的贊成票通過,方為有效;

四. 在通過解散本會之會議上,會員須同時議決資產的處理方案,清盤工作由應屆的理事會負責;

五. 本會解散後,倘有任何在本會解散前在附有負擔下獲贈或遺留之財產、或撥作特定用途之財產,按民法典有關規定處理;

六. 不屬上款所指之財產,其歸屬按會員大會之決議處理。

第二十七條——本會設有內部規章,規範本會在行政管理及財務運作上的細則事項,有關條文經會員大會討論及通過後,將公布執行。

第二十八條——本章程各條款之解釋權歸會員大會所有。

第二十九條——本章程若有任何遺缺之處,一概在會員大會中以適用之現行澳門特別行政區法例補充。

第三十條——以下為本會會徽 :

二零一二年五月十日於澳門

私人公證員 羅道新


第 一 公 證 署

證 明

Associação Desportiva “Ou Kong Si San Kit Yee Tong” de Artes Marciais Chinesas

為公佈的目的,茲證明上述社團的修改章程文本自二零一二年五月十六日起,存放於本署的社團及財團存檔文件內,檔案組1號48/2012。

澳港柿山結義堂國術健身會

章程

第一章

總則

第一條——名稱

本會中文名稱為“澳港柿山結義堂國術健身會”,葡文名稱為“Associação Desportiva“Ou Kong Si San Kit Yee Tong”de Artes Marciais Chinesas”。

第二條——宗旨

本會屬非牟利團體,其存續不設期限,以秉承先師李福伍遺訓,推廣中國武術、龍獅運動,參與澳門各項公益及社會活動為宗旨。

第三條——會址

本會設於澳門哪咤廟斜巷11號地下。經理事會決議後,得隨時更改會址。

第二章

會員

第四條——認同本會宗旨,願意遵守本會章程,均可申請入會。

第五條——權利

一、參加會員大會。

二、參與本會的活動。

三、享有選舉權、被選舉權和表決權。

第六條——義務

一、遵守章程。

二、繳交會費。

三、如違反本會章程或破壞本會聲譽之言行,得由理事會按照情節輕重予以勸告、警告或開除會籍處分。

第三章

組織

第七條——本會組織

本會架構包括會員大會、理事會及監事會。

第八條——會員大會

一、會員大會是本會的最高權力機構,由全體會員組成。設會長一名,副會長若干名,任期三年,連選得連任。會長、副會長有權出席理事會會議。

二、會員大會職權為:修改本會章程;選舉理事會、監事會的成員以及其他法律所賦與的一切權力。

三、會員大會每年召開一次平常會議。大會之召集須最少提前八日以掛號信或透過簽收方式為之,召集書內應指出會議之日期、時間、地點及議程。在必要情況下應理事會或不少於二分之一會員以正當理由提出要求,亦得召開特別會議。

第九條——理事會

一、理事會設理事長一名,副理事長及理事若干名,成員人數必須為單數,任期三年,連選得連任。

二、理事會為本會行政管理機構,履行法律及章程所規定的義務。

第十條——監事會

一、監事會設監事長一名,副監事長及監事若干名,成員人數必須為單數,任期三年,連選得連任。

二、監事會為本會監察機構,負責監督理事會的各項運作,查核理事會的賬目,以及審閱理事會每年的會務報告及財務報告。

第四章

經費

第十一條——經費來源

本會活動經費的主要來源包括會費、對本會的贊助及捐贈,和其他合法收入。

第五章

附則

第十二條——本會章程之解釋權屬會員大會;本章程經會員大會通過後施行。章程的修改,須獲出席會員四分之三之贊同票的代表通過方能成立。本會解散須獲全體會員四分之三之贊同票。

第十三條——本章程所未規範事宜,概依澳門現行法律執行。

二零一二年五月十六日於第一公證署

公證員 盧瑞祥


2.º CARTÓRIO NOTARIAL DE MACAU

CERTIFICADO

澳門空氣優化學會

葡文名稱為“Associação para o Melhoramento da Qualidade do Ar de Macau”

英文名稱為“Macau Air Improvement Association”

為公佈之目的,茲證明上述社團的章程之修改文本已於二零一二年五月十日,存檔於本署之2012/ASS/M2檔案組內,編號為107號,有關條文內容如下:

第九條第三款:會員大會每年召開一次平常會議,由大會主席召集及主持,並須八天前以書面召集,並透過簽收之方式通知會員。以討論理事會所提交的工作報告及年度帳目,並通過之。

第九條第四款:特別會員大會可在會長、理監事會聯議或不少於三分之一的會員,以正當目的提出要求時,經八個工作日列明目的及議程討論事項,以書面召集並透過簽收之方式而為之,可召開會員大會特別會議。

Está conforme.

Segundo Cartório Notarial de Macau, aos dez de Maio de dois mil e doze. — A Ajudante, Graciete Margarida Anok da Silva Pedruco Chang.


2.º CARTÓRIO NOTARIAL DE MACAU

CERTIFICADO

東井圓佛會(簡稱:東井圓)

葡文名稱為“Associação Budista Tung Cheng Yuen”

英文名稱為“Tung Cheng Yuen Buddhist Association”

為公佈之目的,茲證明上述社團的章程之修改文本已於二零一二年五月十日,存檔於本署之2012/ASS/M2檔案組內,編號為108號,有關條文內容如下:

第三條

宗旨

本會屬非牟利之宗教及慈善團體,宗旨為弘揚佛法,推廣佛陀慈悲與智慧的精神,包括慈善、教育、醫療、文化、出版、人才培訓等事業。為達成上述宗旨,本會尤其有權:

一、建立及捐助寺廟、精舍、佛塔、禪修中心等;

二、開辦及管理不同類型的醫療服務、教育、教學、出版、文化、媒體、人才培訓機構,由本會與其他宗教及慈善團體合作進行;

三、組織、參與及贊助佛教法會、座談會、禪修等活動;

四、取得動產及不動產,以便設立及管理上款所指的機構;

五、獲得必要的融資,以便推展會務;

六、編輯、出版發行及印刷與本會宗旨有關之刊物。

Está conforme.

Segundo Cartório Notarial de Macau, aos dez de Maio de dois mil e doze. — A Ajudante, Graciete Margarida Anok da Silva Pedruco Chang.


2.º CARTÓRIO NOTARIAL DE MACAU

CERTIFICADO

澳門毛織毛紡廠商會

葡文名稱為“Associação dos Industriais de Tecelagem e Fiação de Lã de Macau”

英文名稱為“Association of Knitting and Spinning Industry of Macao”

為公佈之目的,茲證明上述社團的章程之修改文本已於二零一二年五月十日,存檔於本署之2012/ASS/M2檔案組內,編號為104號,有關條文內容如下:

澳門紡織商會章程

第一章

第一條——本會定名為:澳門紡織商會,葡文為:Associação de Comerciantes Têxtil de Macau,英文為:Macao Textile Merchants Association,英文簡稱為“MTMA”;會址設在澳門友誼大馬路271號金華閣六樓A座,是自置永久會所。該永久會所得由理事會通過推派二名代表辦理一切法律事宜。倘認為有必要及適合時,需要將現址遷移或轉讓,必須得到當屆會長,正、副理事長,監事長總人數之四分之三通過,將意見提交理、監事聯席會議討論,得到全體理、監事四分之三人數議決通過,並再提交會員大會通過方為有效。

第二條——本會限由第二章所指之會員組成。

第三條——本會係具有法人資格之組織,在法律範圍內,得處理下列宗旨所指定之工作,凡與政府有關之事務,得由理事會尤其是會長、理事長或由其委派本會理、監事代表之。

第四條——本會為永久性非牟利組織,除根據本章程規定外,不得將之解散。

第五條——澳門紡織商會之宗旨如下:

1. 擁護“一國兩制”,團結業界,堅持愛國愛澳;

2. 促進澳門經濟繁榮,謀求紡織行業發展;

3. 維護業界合理權益,推動開拓創新;

4. 對於政府諮詢及制定有關法規及行政措施,提供意見;

5. 會員請求合法援助時,予以支持;會員有疑問時,得提出及徵詢意見。

第二章

入會及退會

第六條——本會會員分為:

1. 企業會員;

i. 凡持有本地區政府發給營業執照的,從事紡織業有關事務的企業可申請成為本會會員。

ii.凡有澳門特別行政區居民,或澳門企業持有股份的境外企業,且從事紡織有關業務之企業,均可申請為本會會員。

iii. 符合上述二款條例任一規定,經本會會員介紹,均得申請加入本會,經理事會審批後,得成為企業會員。

2. 個人會員;

凡屬澳門居民,對本行業具有貢獻,屬行業資深專業人士,企業之管理層或負責人(如董事、經理、股東等)及高級職員,經本會會員介紹,均得申請加入本會,經理事會審批後,得成為個人會員。

第七條——凡加入本會,須填寫入會申請書並有本會會員介紹。

1. 入會申請經理事會審核及批准,得成為會員。

2. 任何入會申請倘被拒絕時,負責介紹之會員有權向會員大會提出申訴。

第八條——倘有下列事情,即行喪失會員資格:

1. 經當地政府法院宣告決定性破產者。

2. 被宣判犯不名譽罪行者。

3. 欠繳會費達六個月,經書面通知,於接受通知書七日內不負責理妥者。

4. 違反本會章程而被執行開除會籍之處分者。

附款一、除因一至三款事情,致被取消資格時,應由理事會執行外,所有會員被開除會籍者,須經會員大會通過。

附款二、倘因違犯三款之規定,致被開除之會員,一經繳交所欠會費,即行恢復其會員資格。

第九條——會員倘欲退會時,應用書面通知理事會,並清繳至通知日止之會費。

附款、倘因不遵守本條規定之會員,而欲重新入會時,必須清繳過去所欠會費。

第三章

會員之權利與義務

第十條——會員之權利:

1. 有選舉及被選舉權;

2. 得出席會員大會及參加討論與表決;

3. 按照本章程十九條二款之規定,請求召開會員大會;

4. 受本會章程所指定之利益,及理事會所授予之合法權益;

5. 有關本會事宜得提出質詢;

6. 出席本會組織之活動;

7. 對於會務有關事宜,得要求舉辦相關活動;

8. 認為對本會或業界有利者,得提出備忘錄,指導及建議;

9. 得查閱本會文件及冊籍;

10. 得請求借用本會會所召開債權人或同級會議,或對於其本人有關之會議或討論會,但以不違背本會宗旨方可;

11. 接受會員證書,會員認別證及本會一切出版物及章程;

附款、任何本會之企業會員司理人,均得享受本條之規定,但選舉及被選舉 權則只限指定之代表一人享受。

12. 介紹同業參加本會;

13. 介紹外來賓客到會址參觀,並得在來賓冊上留名紀念。

第十一條——會員之義務:

1. 遵守會章;

2. 出席會員大會;

3. 遵守會員大會或理事會一切議決案;

4. 除具有合法之理由外,不得拒絕本會選派之任何職務;

5. 對有利本會事宜,應盡量提供意見,並促進本會會務之發展;

6. 必須每月準時繳交會費。

第四章

本會之組織

第十二條——本會由下列機構組成:

1. 會員大會;

2. 理事會;

3. 監事會。

第十三條——澳門紡織商會最高權力機構為會員大會,係由全體會員合法集會舉行之。

第十四條——開會時大會主席由會長兼任。

第十五條——召集會員大會之通告,得提前8天以掛號或簽收之方式召集,召集書內須載明會議日期、時間、地點及會議程序。

第十六條——會員大會應依召集書之指定日期,時間、地點及議程舉行,並須有半數會員及過半數理事出席,方得開會。

1. 第一次召集的時間已屆,如法定人數不足,則半小時後視為第二次召集,屆時不論出席人數多少均視為有效。

2. 如討論有關修改章程或解散本會事宜,則分別須有四分之三出席會員及四分之三全體會員投票贊成方為有效。

第十七條——禁止討論與會議程序無關事項,倘有任何該等事項之決議,概作無效。

附款、在討論事項前,預時以便提出及討論任何會議程序以外事項。

第十八條——會員大會平常會議每年舉行一次,處理下列事項:

1. 討論及表決上年度理事會之工作報告、收支賬目及會員提出之書面議案。

2. 得選舉理、監事。

第十九條——會員大會得依下列之規定召開特別會議:

1. 會長或理事會認為需要時得召集之。

2. 有過半數會員用書面申請,得召開會員大會,但須說明開會目的。

附款:會員大會特別會議如申請人不足半數申請時,不得舉行。

第二十條——會員大會之職權:

1. 選舉理、監事會成員;

2. 通過理事會所提出之授予本會名譽和榮譽職銜;

3. 討論及表決任何與本會會務有關事項;

4. 討論及表決任何上訴事宜;

5. 通過由理事會提出之內部會務運作細則。

第二十一條——會員大會之議案,係由出席會員絕對多數取決,至選舉及有關獎懲事宜則用不記名投票方式表決。

第二十二條——理、監事會由會員大會選出,理事會成員不少於十一人,監事會成員不少於三人,理、監事會成員人數須為單數,任期為三年,連選得連任。

1. 理事會設會長一人,副會長不少於一人,理事長一人,副理事長不少於二人,常務理事不少於二人,理事不少於二人,財政不少於一人。

2. 監事會設監事長一人,監事不少於二人。

3. 理事長連選得連任,但連任不得超過二屆。

第二十三條——理、監事會最低限度須有理、監事過半數成員出席方為有效。

第二十四條——理、監事會每二個月舉行平常聯席會議一次,如會長,理事長認為對會務有必要時,或由理事三人具有充分理由申請,得召開特別會議。

第二十五條——理、監事會之議案,須有出席理、監事過半數贊成方得通過,若討論與其他機構有關之重要事項,應請該機構負責人列席,以備諮詢。

第二十六條——會員大會所選出之理、監事會成員,應於該選舉會議結束後進行安排就職儀式。

第二十七條——理事會之職權:

1. 處理本會日常事務,保管本會經費;

2. 核准會員入會,退會,開除會籍或暫停會員資格;

3. 按照本會章程所賦予之權處分違章會員;

4. 編記工作,僱用人員及決定僱員薪金;

5. 組織推廣有關會務活動;

6. 外間各種活動須有本會代表參加,得由理事會委派之;

7. 訂定內部細則;

8. 記錄會務工作報告;

9. 代表本會辦理法院內外事務;

10. 提出每年工作報告與決算,並編造下年度預算冊。

第二十八條——會長和副會長之職權:

1. 會長為本會執行機構最高負責人,當會長缺席時,由副會長執行工作;

2. 對內策劃各項會議。

第二十九條——理事長之職權:

1. 協助會長主持理事會開會;

2. 指導辦理本會事務;

3. 辦理理事會各項決議案;

4. 辦理會員大會有關事務。

第三十條——副理事長之職權,當理事長缺席時,代表執行工作。

第三十一條——財政之職權:

1. 保管本會經費,財產及一切有價值物件;

2. 處理本會所有賬簿;

3. 負責收支款項;

4. 簽署收據、支票、發票及其他有關本會財政及經濟活動文件。

第三十二條——榮譽職位:

1. 凡對本會有貢獻者,經理、監事會討論通過,即以個人名義為本會聘用為永遠榮譽會長、榮譽會長、永遠名譽會長、名譽會長、名譽顧問、顧問等榮譽、名譽職務。

2. 各榮譽、名譽職務的人數不限,如被選為理、監事,其榮譽職銜仍屬保留。

3. 各榮譽職務者職責如下:

i. 列席理、監事會議;

ii. 參與制訂本會之會務方針及計劃;

iii. 協助及監督本會各項會務之開展。

第三十三條——監事會之職權:

1. 得審查本會之賬目;

2. 得隨時查點本會之有價值物件;

3. 對上年度年結之審查意見,及理事會徵詢所得意見,得用書面提出;

4. 得審閱本會文件與冊籍。

第五章

收入與支出

第三十四條——本會收入:

1. 每月會費;

2. 捐款或其他收入。

第三十五條——上條所指之收入得以作為維持本會會址與職員薪金及協助會務發展之用。

第六章

違章與處分

第三十六條——如有會員違背章程,得受申斥,暫停會員資格或開除會籍之處分。

附款:上述之處分應由理事會執行,但被開除會籍者得向會員大會上訴。

第七章

第三十七條——如有未盡事宜,得由會員大會修改及決定。

第三十八條——本會章程內,未列明之事項,則按照澳門現行民法典及有關法例、法規之規定處理。

Está conforme.

Segundo Cartório Notarial de Macau, aos dez de Maio de dois mil e doze. — A Ajudante, Graciete Margarida Anok da Silva Pedruco Chang.


2.º CARTÓRIO NOTARIAL DE MACAU

CERTIFICADO

Associação Ministério Global Jesus

Nosso Grande Pastor,

e em inglês Jesus Our Great Shepherd Global Ministries Association

(Abbreviation: JOGS)

Certifico, para efeitos de publicação, que se encontra arquivado, neste Cartório, desde dez de Maio de dois mil e doze, no Maço número dois mil e doze barra ASS barra M2, sob o número cento e seis, um exemplar da alteração dos estatutos da associação em epígrafe, do teor seguinte:

Artigo décimo terceiro

(Extinção e destino dos bens)

Um. Mantém.

Dois. Cada bens imóveis ou de outra natureza que foram adquiridos pela Associação à título gratuito ou oneroso, devem constar inscritos numeradamente no livro de Actas, tais bens são abrangidos e protegidos por Lei do Território de Macau.

Três. Ao aprovar a extinção e inerente dissolução do seu património, à Assembleia Geral, após saldar e liquidar todas as dívidas da Associação, cabe à Assembleia Geral deliberar sobre o destino a dar aos bens que restarem, que por ventura foram adquiridos através da Associação ou através de doações voluntárias.

Está conforme.

Segundo Cartório Notarial de Macau, aos dez de Maio de dois mil e doze. — A Ajudante, Graciete Margarida Anok da Silva Pedruco Chang.


CARTÓRIO NOTARIAL DAS ILHAS

CERTIFICADO

綠色城市建設協會

為公布的目的,茲證明上述社團修改章程的文本自二零一二年五月十五日起,存放於本署之“2012年社團及財團儲存文件檔案”第1/2012/ASS檔案組第29號,有關條文內容載於附件。

修改社團章程

上述簽署人聲明:

根據綠色城巿協會會員大會於二零一二年三月二十日及二零一二年四月二十四日的決議,代表該會修改該會章程第一及第十四條,其修改內容如下:

第一條——本會訂定之中文名稱為“綠色城市建設協會”英文名稱為“Green City Construction Association”英文簡稱“G.C.C.A.”

第十四條——本會會徽

二零一二年五月十五日於海島公證署

一等助理員 林志堅


CARTÓRIO PRIVADO

MACAU

CERTIFICADO

Associação de Farmácias de Macau

Certifico, para efeitos de publicação, que se encontra depositado neste Cartório, em catorze de Maio de dois mil e doze, sob o número um, a fls. um, do maço número um, de documentos autenticados de constituição de associações e de instituição de fundações e suas alterações, referente ao ano de dois mil e doze, a declaração de Alteração de Estatutos da Associação de Farmácias de Macau, com sede em Macau, na Alameda Dr. Carlos D’Assumpção n.os 238-286, Edifício Kin Heng Long Plaza, 21.º andar, em Macau.

Alteração de Estatutos da Associação

Artigo primeiro

Denominação

A associação é designada por Associação de Farmácias de Macau, em chinês, 澳門大藥房商會, e em inglês, Macau Pharmacies Association.

Artigo segundo

Sede

A Associação tem a sua sede em Macau, na Alameda Dr. Carlos D’Assumpção n.os 238-286, Edifício Kin Heng Long Plaza, 21.º andar, em Macau, a qual poderá ser alterada por deliberação da Assembleia Geral.

Artigo terceiro

Natureza e duração

A Associação é uma pessoa colectiva sem fins lucrativos, que se constitui por tempo indeterminado.

Artigo quarto

Fins

A Associação visa os seguintes objectivos principais:

a) Reunir todos os empresários do ramo farmacêutico de Macau, fomentando a sua intercomunicação e solidariedade;

b) Assegurar e defender os interesses dos Associados, bem como desenvolver quaisquer outras formas de auxílio à sua actividade;

c) Promover a união da classe que representa, por meio de actividades sociais e de integração.

Artigo quinto

Condições de admissão

Um. Podem ser admitidos como Associados todas as pessoas singulares ou colectivas que exerçam a actividade farmacêutica em Macau e que cumpram fielmente as disposições estatutárias da Associação.

Dois. Associados ordinários são todas as pessoas singulares ou colectivas que, identificando-se com os fins da Associação, requeiram a sua inscrição, e esta seja aceite por deliberação da Direcção.

Três. A admissão far-se-á mediante o preenchimento do respectivo boletim de inscrição, firmado pelo pretendente, dependendo a mesma da aprovação da Direcção.

Artigo sexto

Direitos e deveres dos associados

Um. Os associados têm o direito de:

a) Participar na Assembleia Geral;

b) Votar, eleger e ser eleito para os cargos sociais da Associação;

c) Participar e apoiar as actividades organizadas pela Associação.

Dois. Os associados devem cumprir o estabelecido nos estatutos e regulamentos da Associação, não podendo praticar quaisquer actos que prejudiquem o bom nome da Associação.

Artigo sétimo

Órgãos

Um. São órgãos da Associação:

a) A Assembleia Geral;

b) A Direcção;

c) O Conselho Fiscal.

Dois. Os membros dos órgãos sociais são eleitos pela Assembleia Geral para mandatos de três anos, renováveis.

Artigo oitavo

Assembleia Geral

Um. A Assembleia Geral é o órgão supremo da Associação, e é constituída por todos os Associados em pleno uso dos seus direitos.

Dois. À Assembleia Geral compete:

a) Aprovar e alterar os Estatutos;

b) Eleger os membros dos órgãos sociais;

c) Fixar jóias e quotas da Associação;

d) Aprovar os regulamentos internos da Associação; e

e) Definir as actividades da Associação.

Artigo nono

Reuniões

Um. A Assembleia Geral é dirigida por uma mesa composta por um presidente e um secretário.

Dois. A Assembleia Geral reúne anualmente, em sessão ordinária, convocada com, pelo menos, oito dias de antecedência, e extraordinariamente, quando convocada pelo presidente da Mesa da Assembleia Geral, ou por quem o substitua no seu lugar, ou quando requeridas pela Direcção ou por vinte por cento (20%) de associados ordinários.

Três. Qualquer associado pode fazer-se representar por outro associado na Assembleia Geral, bastando neste caso, como instrumento de representação, uma carta dirigida ao presidente da Mesa da Assembleia Geral.

Artigo décimo

Direcção

Um. A Direcção é constituída por um número ímpar de membros, sendo constituída por um presidente e oito vogais.

Dois. O presidente da Direcção assegura o regular funcionamento da Associação, sendo que os vogais coadjuvam o presidente no exercício das suas funções.

Artigo décimo primeiro

Competências da Direcção

Um. Compete à Direcção da Associação:

a) Representar a Associação, em juízo e fora dele;

b) Coordenar a actividade da Associação de acordo com os fins definidos nos presentes Estatutos;

c) Dar cumprimento às deliberações da Assembleia Geral;

d) Propor à Assembleia Geral o montante das quotas a pagar pelos associados;

e) Elaborar e apresentar à Assembleia Geral o relatório e contas de gerência, bem como o programa de actividades e o orçamento para o ano seguinte;

f) Administrar e gerir os fundos da Associação.

Dois. O presidente da Direcção fica desde já autorizado a proceder à legalização e abertura dos livros obrigatórios da associação.

Três. Para que a Associação fique obrigada, é necessário que os respectivos documentos sejam assinados pelo presidente em conjunto com qualquer outro membro da Direcção.

Artigo décimo segundo

Conselho Fiscal

Um. O Conselho Fiscal é constituído por um número ímpar de membros, até ao total de três, sendo um presidente e dois vogais.

Dois. Compete ao Conselho Fiscal fiscalizar as actividades e a gestão financeira corrente da Associação.

Artigo décimo terceiro

Receitas

Constituem receitas da Associação as quotas dos associados e as contribuições e subsídios atribuídos por entidades privadas ou públicas.

Artigo décimo quatro

Outros

Nos casos omissos nos presentes Estatutos aplicam-se as normas legais vigentes na Região Administrativa Especial de Macau.

Cartório Privado, em Macau, aos quinze de Maio de dois mil e doze. — O Notário, Pedro Branco.


CARTÓRIO PRIVADO

MACAU

CERTIFICADO

彌陀蓮舍

Associação de Beneficência Amitaba

為公布之效力,茲證明上述名稱之社團已於二零一二年五月十一日通過一份經認證之《章程修改文件》修改了該會的章程,該《章程修改文件》亦自同日起存放於本公證事務所《第12號社團及財團儲存文件檔案組》第15頁至第21背頁(文件編號3),有關之條文內容載於附件:

第一章

總則

第一條——本會訂定之中文名稱為「彌陀蓮舍」,葡文名稱為 “Associação de Beneficência Amitaba”,英文名稱為“Amitabha Charitable Association”,以下簡稱「本會」。

第二條——本會為非牟利的慈善團體,並無存立期限,於澳門特別行政區設立與註冊,會址設於澳門消防隊巷達昌大廈第二座5-G號地庫A座及5號地庫B座及澳門罅些喇提督大馬路178-K及178-L號東方麗都大廈地下C座。

第三條——本會的創辦宗旨為:

a)弘傳佛教的真實道理,實踐慈悲喜捨的佛教精神,服務社會及眾生,促進會員及各界人士的互助精神;及

b)聯絡、關懷、探訪及援助貧病老弱,為臨終病人助念、施棺殯殮,以及協助家屬辦理死者的後事。

第二章

會員

第四條——一. 凡認同本會宗旨並願意遵守本會會章者,及願意實踐佛教慈悲喜捨、平等無私、互敬互愛互助精神之有心人士,均可申請入會。

二. 會員分為榮譽會員、普通會員 (或準會員)及基本會員三類。榮譽會員為對會務有重大建樹及/或對本會發展有顯著貢獻者,經理事會提案及會員大會通過後授銜之會員,該等會員將不會直接參與本會之行政及管理事務;普通會員未具有在會員大會上發言、表決議案、參選角逐機關職務及投票選舉之基本會員所享有之權利,凡入會超過三年之普通會員均可申請成為基本會員,經理事會審批通過後成為基本會員,享有基本會員的權利。

三. 普通會員(或準會員)及基本會員需得到兩名會員推薦,經理事會審批和正式通過後方可成為本會會員,惟創會會員例外。

第五條——會員應遵守法定及下列各項義務:

a)遵守會章、內部規章及會員大會和理事會的決議事項;

b)獲選為本會管理機關的成員後,盡責履行任期內獲本會授予之職務;及

c)維護本會的合法權益與尊嚴,幫助提高本會的聲譽及促進會員間的合作、積極參與本會舉辦的各種活動及參與推動會務之發展。

第六條——一. 基本會員享有法定之各項權利如:

a)出席會員大會,在大會上享有發言權、動議權、和議權及投票權;

b)選舉權及被選舉權;

c)退會權;

d)參與本會所舉辦之各項活動,享用本會所提供的各種設備和福利及取得本會各類的資訊;及

e)按本章程第十條之規定,申請召開特別會員大會。

二. 榮譽會員不直接參與本會之行政及管理事務,但享有所有基本會員之權利。

三. 普通會員享有除本條第一款第a)項、第b)項和第e)項權利以外基本會員之權利。

第七條——會員如被證實犯下損害本會聲譽、信用及利益之事情,或被證實違反本會會章及不遵守會員大會之決議,經理事會查證及獲過半與會理事議決通過後,得將按事件的嚴重程度而予以警告或中止享有上條權利的處分,損害情況尤其嚴重者,得撤除其會籍。

第三章

組織架構

第一節

組織機關

第八條——本會的內部組織由以下管理機關組成:

一. 會員大會;

二. 理事會;及

三. 監事會。

第九條——一. 會內各管理機關的成員,皆由全體基本會員及榮譽會員在常年會員大會中,從經推選委員會推選的入選成員當中,以一人一票及不記名方式選出。各管理機關成員的任期皆為三年,任滿連選得連任,不限次數。

二. 各理、監事會的獲選成員,若連續兩次未有合理解釋而缺席理事會或監事會會議,即作自動退職論;理事會應於上述有關連續缺席情況出現後的兩個月內召開會員大會為有關職務進行補選。

第二節

會員大會

第十條——一. 會員大會為本會的最高權力機關,由全體基本會員及榮譽會員所組成。

二. 凡法律或本章程並未規定屬本會其他機關職責範圍之事宜,會員大會均有權作出決議。

三. 會員大會由主席團主持,而主席團則由主席(或稱會長)、副主席(或稱副會長)以及秘書各一名組成。

四. 常年大會每年舉行一次,以審議及表決理事會所提交之工作報告及帳目,並聽取監事會之相關意見,以及按時選出會內各管理機關的成員。特別會員大會則在會長或理事會或監事會提議時、或在不少於三分之一全體會員以正當目的聯署提出書面要求時召開。

第十一條——一. 會員大會由理事長召集,會議召集通知書須在不少於所建議的會議日期前十天以掛號信或透過簽收方式通知各會員,召集書內須載明會議的日期、時間、地點及有關之議程。

二. 屬首次召集的會議,須在不少於半數全體會員出席的情況下,方能通過決議。

三. 如出席屬第一次召集的會議的會員數目少於上款所規定的法定人數,則可在第一次召集所指定的會議時間的半小時後作第二次召集即時舉行會議或改天再行召集舉行會議。

四. 凡屬第二次召集的會議,只需有不少於五分之一全體會員出席,會員大會的舉行均屬有效,可進行議案的議決。

五. 會員大會對議案進行表決,採取一人一票的投票方式,除本章程或法律另行規定的情況外,任何議案均須得到與會會員之絕對多數票通過,方為有效;如表決時贊成與反對的票數相同,則由會長投下決定性的一票。

六. 罷免會長、副會長、理事長、副理事長及監事長之決議,須獲得不少於三分之二與會會員的贊成票數通過,方為有效。

七. 會員如不能參與大會,可依法律規定以書面方式委託其他會員代表出席。

八. 會員大會的決議應載於會議錄簿冊內,以供會員查閱。

第十二條——除本章程明文規定之權限及其他法定職權外,會員大會的權限尚包括:

a)釐訂本會的指導方針,討論與決定重大事務;

b)選舉產生各內部管理機關的成員及其解任;

c)通過、修訂及更改會章及內部規章;

d)商討、審議及通過理事會所提交之工作報告和財務報告及資產負債表,以及聽取監事會相關之意見;及

e)解散本會。

第十三條——除主持會員大會之職能外,會長還肩負對外代表本會的職責,會長因事缺席時,由副會長代其行使職權。

第三節

理事會

第十四條——一. 理事會為本會最高會務管理與執行機關,成員總人數必須為單數。成員間互選出理事長、秘書長及財務長各一名,以及副理事長及副財務長各若干名,其餘為理事。

二. 理事會得按會務發展之需要,下設若干職能部門、委員會或臨時性的工作小組,以負責處理特定的任務,該等內部組織直接向理事會負責,其運作規章由理事會決議通過及公佈實施。

第十五條——一. 理事會定期召開會議,會議日期由理事會按會務之需要自行訂定,並由理事長召集或應多數理事聯署提出要求而召開。

二. 理事會議由理事長負責通知和召集,會議通知應於所建議舉行會議的日期前十五天發出,召集書內須載明會議的日期、時間、地點及有關之會議議程。

三. 理事會議須在多數成員出席時,方可進行議決。

四. 會議之任何議案,須獲得與會者過半數贊成票方能通過。如表決時贊成與反對的票數相同,則由理事長投下決定性的一票。

五. 理事會會議應作成會議錄,並載於簿冊內,以供查閱。

第十六條——除本章程明文規定之權限及其他法定職權外,理事會的權限尚包括:

a)按本會的既定宗旨,策劃、推動、管理、組織及領導本會之活動;

b)執行會員大會之所有決議;

c)管理本會的資產及財物;

d)批准會員入會和退會的申請,以及開除會員會籍;

e)維持本會之日常會務、行政管理及財務運作;

f)僱用和辭退職員、編配工作,並訂定職員的薪酬與待遇;

g)通過聘請或邀請社會賢達、對本會有貢獻的資深同業及社會熱心人士擔任本會的榮譽會長、榮譽理事、榮譽會員、榮譽顧問、學術顧問、榮譽學術顧問、法律顧問及會務顧問等,以協助本會的發展;

h)代表本會參與一切對外的官方和私人活動,及行使本會擁有的一切相關權力;

i)制定及提交工作年報及當年的帳目包括資產負債表,交會員大會討論與通過,以及提交下年度的工作計劃及財政預算;

j)執行一切在本會宗旨範圍內,但沒有其他專責部門處理的事宜;及

l)行使法律或本會章程所規定的其他權限。

第十七條——理事長的特定職權為:

a)召集和主持所有理事會議;

b)領導本會的各項行政和管理工作;

c)在理事會議表決時,當贊成與反對的票數相同,投以決定性之一票;

d)對外代表本會;及

e)履行與本身職位相稱之一切工作。

第十八條——副理事長的特定職權為:

a)協助理事長處理會務;及

b)在理事長請假或因事缺席不能履行職務時,代其行使職權。

第四節

監事會

第十九條——監事會為本會的監察機關,由不少於三名成員組成,成員人數必須為單數,成員間互選出監事長一名,其餘為監事。

第二十條——一. 監事會最少每年召開平常會議一次,由監事長負責召集會議,而在其認為有需要時或在多數監事聯名提出時,得召開特別監事會議。

二. 監事會議須在多數成員出席時,方可進行議決。會議之任何議案,須得與會者多數贊成票方能通過。如表決時贊成與反對的票數相同,則由監事長投下決定性的一票。

三. 監事會的會議紀錄應載於專有簿冊內,以供查閱。

第二十一條——監事會對本會各項會務扮演監督角色,其特定之權限為:

a)督導理事會之一切工作;

b)監督會員遵守本會章程及內部規章的情況;

c)監督會員大會決議案的執行情況;

d)定期審查本會的帳目和核對本會的資產和財物;

e)就理事會所提交的帳目及報告制定意見書呈交會員大會;

f)就其監察活動編制年度報告;及

g)履行法律及章程所規定的其他義務。

第四章

財務管理

第二十二條——一. 本會設立基金,接受會員及社會各界熱心市民與團體和企業的捐助。

二. 本會的經費來源為:

a)會員和非會員的捐款及澳門特區政府的資助或撥款;

b)本會資產所衍生之收益;及

c)其他一切合法收入。

第二十三條——一. 本會之收益、資產和結餘,只能運用於推廣其宗旨之事務上。

二. 本會須設置財務開支帳簿,並須將之每年一次上呈會員大會查核。

第二十四條——一. 本會的會計年度以曆年為準,每年一月一日起至十二月三十一日止。

二. 每年會計年度開始前兩個月,由理事會編制年度工作計劃、收支預算,提交會員大會通過,如會員大會未能如期召開,可先提請理事會、監事會聯席會議通過,再交會員大會追認;會計年度終結兩個月內,由理事會編制年度工作報告、資產負債表、帳目報告、損益表和財產目錄,送監事會審議並制定審核意見書後,提呈會員大會通過。

第五章

附則

第二十五條——本會章程的修改權和本會的解散權屬會員大會的權力範圍。該等會員大會除須按照本章程第十條的規定召集外,還必須符合以下要件:

一. 在會議召集書上必須闡明召開會議的目的;

二. 章程之修訂議案,須在為該目的而特別召開之會員大會中方可表決,且必須得到不少於四分之三與會會員的贊成票數通過,方為有效;

三. 解散本會之議案,須在為該目的而特別召開之會員大會中方可表決,且必須得到不少於四分之三全體會員的贊成票通過,方為有效;

四. 在通過解散本會之會議上,會員須同時議決資產的處理方案,清盤工作由應屆的理事會負責;

五. 本會解散後,倘有任何在本會解散前在附有負擔下獲贈或遺留之財產、或撥作特定用途之財產,按民法典有關規定處理;

六. 不屬上款所指之財產,其歸屬按會員大會之決議處理。

第二十六條——本會設有內部規章,規範本會在行政管理及財務運作上的細則事項,有關條文經會員大會討論及通過後,將公布執行。

第二十七條——本章程各條款之解釋權歸會員大會所有。

第二十八條——本章程若有任何遺缺之處,一概在會員大會中以適用之現行澳門特別行政區法例補充。

第二十九條——以下為本會會徽 :

二零一二年五月十一日於澳門

私人公證員 羅道新


BANK OF COMMUNICATIONS CO., LTD. — SUCURSAL DE MACAU

(Publicações ao abrigo do artigo 76.º do RJSF, aprovado pelo Decreto-Lei n.º 32/93/M, de 5 de Julho)

Balanço anual em 31 de Dezembro de 2011

MOP

 

MOP

 

MOP

Demonstração de resultados do exercício de 2011

Conta de exploração

MOP

Conta de lucros e perdas

MOP

O Gerente-geral,
Tan Zhiqing
O Chefe da Contabilidade,
Zhu Ying

Resumo do relatório de exercício

No ano de 2011, o Bank of Communications Co., Ltd. Macau Branch continuou a concretizar a estratégia de desenvolvimento determinada pela nossa empresa-mãe no sentido de «Encetar o caminho da internacionalização e multiplicação, de modo a implementar um grupo bancário de primeira classe, cujas acções são detidas pelo público, e que se caracteriza pela gestão patrimonial». Persistimos no reforço da gestão interna, na prevenção do risco, na abertura a um novo mercado e no aperfeiçoamento da nossa equipa. Foram estas as principais tarefas desenvolvidas pela nossa sucursal. Com a superioridade da nossa empresa-mãe no que respeita aos recursos existentes na China Continental e no Exterior, a nossa sucursal conseguiu positivamente a abertura ao mercado local de Macau e as interacções com as nossas sucursais existentes na China Continental, levando assim a que a nossa sucursal atingisse, no passado ano, um considerável progresso no exercício e na dimensão patrimonial, bem como um aumento em lucros.

Pelo presente, o Bank of Communications Co., Ltd. Macau Branch expressa os seus sinceros agradecimentos aos diversos sectores da sociedade de Macau, pelo seu apoio enérgico e pela atenção concedida a esta instituição durante todo este tempo!

No ano de 2012, o Bank of Communications Co., Ltd. Macau Branch continuará a implementar a estratégia de desenvolvimento determinada pela empresa-mãe, tendo como orientações principais «o desenvolvimento e a gestão concomitantes, atingindo um progresso firme através de um desenvolvimento estável». Procurará também elevar cada vez mais o nível das suas funções operativas e de serviço, reforçar a sua cooperação e intercâmbio com os diversos sectores da sociedade de Macau, participar activamente no desenvolvimento económico e actividades altruísticas-sociais de Macau, e, ainda, prestar o seu devido contributo ao desenvolvimento da diversificação económica de Macau e à promoção da sua prosperidade estável e duradoura.

O Gerente-geral,
Tan Zhiqing

Síntese do parecer dos auditores externos

Para a Gerência do Bank of Communications Co., Ltd. — Sucursal de Macau

Procedemos à auditoria das demonstrações financeiras do Bank of Communications Co., Ltd. — Sucursal de Macau relativas ao ano de 2011, nos termos das Normas de Auditoria e Normas Técnicas de Auditoria da Região Administrativa Especial de Macau. No nosso relatório, datado de 17 de Abril de 2012, expressámos uma opinião sem reservas relativamente às demonstrações financeiras das quais as presentes constituem um resumo.

As demonstrações financeiras a que acima se alude compreendem o balanço, à data de 31 de Dezembro de 2011, a demonstração de resultados, a demonstração de alterações da conta corrente e a demonstração de fluxos de caixa relativas ao ano findo, assim como um resumo das políticas contabilísticas relevantes e outras notas explicativas.

As demonstrações financeiras resumidas preparadas pela gerência resultam das demonstrações financeiras anuais auditadas a que acima se faz referência. Em nossa opinião, as demonstrações financeiras resumidas são consistentes, em todos os aspectos materiais, com as demonstrações financeiras auditadas.

Para a melhor compreensão da posição financeira do Bank of Communications Co., Ltd. — Sucursal de Macau e dos resultados das suas operações, no período e âmbito abrangido pela nossa auditoria, as demonstrações financeiras resumidas devem ser lidas conjuntamente com as demonstrações financeiras das quais as mesmas resultam e com o respectivo relatório de auditoria.

Quin Va
Auditor de Contas

Deloitte Touche Tohmatsu — Sociedade de Auditores

Macau, aos 17 de Abril de 2012.


BANK SINOPAC COMPANY LIMITED

SUCURSAL DE MACAU

Balanço anual em 31 de Dezembro de 2011

MOP

MOP

MOP

Demonstração de resultados do exercício de 2011

Conta de exploração

MOP

Conta de lucros e perdas do exercício de 2011

MOP

O Gerente da Sucursal, Macau,
Ben Chiu
A Chefe da Contabilidade,
Cecilia Lo

Síntese do relatório de actividade

No ano de 2011, a Sucursal do banco teve um crescimento significativo na nossa actividade. A qualidade dos produtos e serviços foram elevados. Os serviços de empréstimos cresceram 81% e o depósito de clientes aumentaram 12% comparativamente ao ano anterior. O lucro depois de impostos atingiu MOP14.33 milhões. Estamos agradecidos pelo apoio de todos os nossos clientes e pela contribuição dos colaboradores à Sucursal.

No próximo ano, iremos fortalecer o canal de novas actividades, desenvolver adicionais mercados monetários e sua expansão. Continuar a refinar linhas de serviços e produtos e iremos trabalhar com maior esforço para a prosperidade do desenvolvimento de Macau.

O Gerente da Sucursal, Macau,

Ben Chiu.

Síntese do parecer dos auditores externos

Para o Gerente-Geral do Bank SinoPac Company Limited — Sucursal de Macau

Procedemos à auditoria das demonstrações financeiras do Bank SinoPac Company Limited — Sucursal de Macau relativas ao ano findo de 2011, nos termos das Normas de Auditoria e Normas Técnicas de Auditoria da Região Administrativa Especial de Macau. No nosso relatório, datado de 30 de Janeiro de 2012, expressámos uma opinião sem reservas relativamente às demonstrações financeiras das quais as presentes constituem um resumo.

As demonstrações financeiras a que acima se alude compreendem o balanço, à data de 31 de Dezembro de 2011, a demonstração de resultados, a demonstração de alterações da conta corrente com a sede e a demonstração de fluxos de caixa relativas ao ano findo, assim como um resumo das políticas contabilísticas relevantes e outras notas explicativas.

As demonstrações financeiras resumidas preparadas pela gerência resultam das demonstrações financeiras anuais auditadas a que acima se faz referência. Em nossa opinião, as demonstrações financeiras resumidas são consistentes, em todos os aspectos materiais, com as demonstrações financeiras auditadas.

Para a melhor compreensão da posição financeira do Bank SinoPac Company Limited — Sucursal de Macau e dos resultados das suas operações, no período e âmbito abrangido pela nossa auditoria, as demonstrações financeiras resumidas devem ser lidas conjuntamente com as demonstrações financeiras das quais as mesmas resultam e com o respectivo relatório de auditoria.

Quin Va
Auditor de Contas
Deloitte Touche Tohmatsu — Sociedade de Auditores

Macau, aos 30 de Janeiro de 2012.


BANCO TAI FUNG, S.A.R.L.

Balanço anual em 31 de Dezembro de 2011

MOP

MOP

MOP

Demonstração de resultados do exercício de 2011

Conta de exploração

MOP

Conta de lucros e perdas

MOP

 
O Presidente,
Liu Daguo
O Chefe da Contabilidade,
Kong Meng Hon
Lista das empresas em cujo capital social o nosso Banco tem uma participação superior a 5%:
Sociedade de Fomento Predial Tak Kei Lda. 98,00%
Companhia de Investimento Predial Triumph, Limitada 76,66%
Companhia de Seguros Luen Fung Hang, S.A.R.L. 38,10%
Companhia de Seguros Luen Fung Hang-Vida, S.A. 28,58%
Tai Fung (Hong Kong) Finance Company Limited 35,00%

Relatório do Conselho de Administração

Este Conselho apresenta, a seguir, o relatório e o balanço em 31 de Dezembro de 2011 à apreciação dos accionistas.

Síntese do relatório de actividade

No ano de 2011, a conjuntura económica abrandou sensivelmente na sequência da crise americana e da zona euro, que afectava o sistema financeiro internacional. A Ásia gozava duma situação económica melhor do que a europeia e americana. Em Macau, graças ao crescimento acelerado da economia chinesa e da diversificação adequada da economia local, os diversos sectores registaram bons crescimentos. No entanto, a boa situação económica originou maior concorrência na banca local. O aumento dos custos e a falta de mão de obra constituem dificuldades para os bancos comerciais. Não obstante isto, reajustámos oportunamente as estratégias, impulsionando o desenvolvimento das actividades e elevando a qualidade do serviço. Com o empenho de todo o pessoal, foram alcançados os objectivos delineados para os diversos tipos de operações. Em termos de depósitos recebidos, foi apurado, no fim do exercício de 2011, um crescimento de 4,626 mil milhões de Patacas, ou seja mais 12% em comparação com igual período do ano anterior. Quanto aos créditos concedidos, foi registado um aumento de 4,269 mil milhões de Patacas no fim do período, ou seja, mais 16,8% face ao igual período do exercício anterior. Os lucros do exercício apurados depois do imposto foram de 411 milhões de Patacas. A taxa de rendimentos de capital dos accionistas foi de 7,96%. Estes resultados foram obtidos graças, por um lado, à dedicação e empenho do nosso pessoal e, por outro, ao apoio que os clientes e os mais variados sectores sociais sempre nos têm dispensado. A todos aproveitamos o ensejo para agradecer penhoradamente.

Prevê-se que no ano de 2012 o crescimento económico internacional poderá abrandar. No entanto, a concretização da cooperação económica da região do Pan-Delta do Rio das Pérolas, o desenvolvimento da cooperação económica-comercial correlacionada assim como a atenção e apoio dispensado pelo Governo Central continuarão a proporcionar boas oportunidades comerciais e também amplo horizonte para o desenvolvimento das actividades bancárias em Macau. Na realização do princípio de, alicerçado em Macau, se projectar para o exterior, o Banco dedica e dedicará todo o empenho para prestar serviço ainda melhor, flexível e eficiente aos seus clientes.

O Banco celebra o seu 70.º aniversário no corrente ano de 2012. De uma pequena casa de câmbio se tornou numa instituição bancária da envergadura que tem hoje, o Banco, intimamente ligado a Macau, vem crescendo à medida que Macau se desenvolve nas últimas sete décadas. Do novo ponto de partida histórico, satisfazendo as necessidades inerentes ao crescimento económico de Macau e à sua integração no desenvolvimento da região da delta do Rio das Pérolas, vamos prosseguir na senda de servir a população de Macau com serviços ainda melhores e mais eficientes, correspondendo assim o apoio e a amabilidade dos diversos sectores de Macau para com o Banco.

Resultado e distribuição

Lucro de exploração MOP$  446 797 229,98
Dotações para imposto complementar   35 500 000,00
Resultado de exercício   411 297 229,98
Lucros relativos a exercícios anteriores   440 721 567,04
Total disponível MOP$  852 018 797,02
     
O Conselho de Administração propôs a seguinte distribuição:    
Para reservas MOP$ 41 200 000,00
Para dividendos   70 000 000,00
A transportar para o próximo ano   740 818 797,02
  MOP$  852 018 797,02

Accionistas qualificados

De acordo com os registos do LIVRO DOS ACCIONISTAS DO BANCO, os accionistas, detentores de participações superior a 10% do capital social do Banco, em 31 de Dezembro de 2011 foram os seguintes:

Banco da China
Família de Ho Yin

 

Titulares dos órgãos sociais

 Mesa da Assembleia Geral:  
Presidente: Chan King
Vice-Presidente: Banco da China
Secretário: Chan Kim Peng (exonerado em 23-03-2011)
  Chio Io Va (nomeado em 23-03-2011)
Conselho de Administração:
Presidente: Ho Hao Tong
Vice-Presidente: Ye Yixin
Administradores Permanentes: Ho Hao Hang
  Liu Daguo
  Sio Ng Kan (aliás Lok Weng Kan) (exonerado em 23-03-2011)
  Chui Kai Cheong (nomeação mudada em 18-04-2011)

Administradores:

Ho Hao Veng
  Ip Sio Kai (nomeado em 23-03-2011)
  Fu Iat Kong
  Ho Kevin King Lun
  Ma Sao Lap
  Fang Yanmin
Conselho Fiscal:
Presidente: Ho Chor Ying
Membros: Wang Lijie
  Iong Weng Ian
   
Secretário da sociedade: Chan Kim Peng (exonerado em 23-03-2011)
  Chio Io Va (nomeado em 23-03-2011)

O Presidente do Conselho de Administração, Ho Hao Tong

Macau, 16 de Fevereiro de 2012.

Parecer do Conselho Fiscal

Nos termos da lei e dos Estatutos do Banco Tai Fung, S.A.R.L., compete ao Conselho Fiscal fiscalizar as actividades e a administração do Banco e emitir parecer sobre as contas, proposta de distribuição de dividendos e o relatório financeiro de cada exercício, apresentados pelo Conselho de Administração.

No exercício de 2011, o Conselho Fiscal no uso das suas competências procedeu ao que considerava necessário e examinou as contas do Banco auditadas pela Sociedade de Auditores Lowe Bingham & Mathews — PricewaterhouseCoopers, sobre as quais esta Sociedade expressou as suas opiniões sem reservas.

Este Conselho é de parecer que as contas examinadas demonstram, nitidamente e com rigor, a real situação financeira do Banco em 31 de Dezembro de 2011 e o resultado do exercício findo em 31 de Dezembro de 2011, sendo as demonstrações financeiras referentes ao exercício, a proposta para a distribuição de dividendos e o relatório financeiro apresentados pelo Conselho de Administração apropriados para serem submetidos à aprovação dos accionistas na Assembleia Geral.

A Presidente do Conselho Fiscal,
Ho Chor Ying

Macau, 6 de Março de 2012.

Síntese do parecer dos auditores externos

Para os accionistas do Banco Tai Fung, S.A.R.L.
(Constituído em Macau como sociedade anónima de responsabilidade limitada)

As demonstrações financeiras resumidas anexas do Banco Tai Fung, S.A.R.L. (o Banco) referentes ao exercício findo em 31 de Dezembro de 2011 resultam das demonstrações financeiras auditadas e dos registos contabilísticos referentes ao exercício findo naquela data. Estas demonstrações financeiras resumidas, as quais compreendem o balanço em 31 de Dezembro de 2011 e a demonstração dos resultados do exercício findo naquela data, são da responsabilidade do Conselho de Administração do Banco. A nossa responsabilidade consiste em expressar uma opinião, unicamente dirigida a V. Exas. enquanto accionistas, sobre se as demonstrações financeiras resumidas são consistentes, em todos os aspectos materiais, com as demonstrações financeiras auditadas e com os registos contabilísticos do Banco, e sem qualquer outra finalidade. Não assumimos responsabilidade nem aceitamos obrigações perante terceiros pelo conteúdo deste relatório.

Auditámos as demonstrações financeiras do Banco referentes ao exercício findo em 31 de Dezembro de 2011 de acordo com as Normas de Auditoria e Normas Técnicas de Auditoria emitidas pelo Governo da Região Administrativa Especial de Macau, e expressámos a nossa opinião sem reservas sobre estas demonstrações financeiras, no relatório de 16 de Fevereiro de 2012.

As demonstrações financeiras auditadas compreendem o balanço em 31 de Dezembro de 2011, a demonstração dos resultados, a demonstração de alterações no capital próprio e a demonstração dos fluxos de caixa do exercício findo naquela data, e um resumo das principais políticas contabilísticas e outras notas explicativas.

Em nossa opinião, as demonstrações financeiras resumidas são consistentes, em todos os aspectos materiais, com as demonstrações financeiras auditadas e com os registos contabilísticos do Banco.

Para uma melhor compreensão da posição financeira do Banco, dos resultados das suas operações e do âmbito da nossa auditoria, as demonstrações financeiras resumidas em anexo devem ser lidas em conjunto com as demonstrações financeiras auditadas e com o respectivo relatório do auditor independente.

Tsang Cheong Wai
Auditor de contas
PricewaterhouseCoopers

Macau, 30 de Março de 2012.


BANCO CHINÊS DE MACAU, S.A.

(Publicação ao abrigo do artigo 75.º do RJSF, aprovado pelo Decreto-Lei n.º 32/93/M, de 5 de Julho)

Balanço anual em 31 de Dezembro de 2011

MOP

MOP

Nota: A rubrica «Outras Reservas» está incluído um valor de MOP 1 148 000,00 de provisões genéricas adicionais constituídas em cumprimento das regras do Aviso n.º 18/93-AMCM.

MOP

Demonstração de resultados do exercício de 2011

Conta de exploração

MOP

Conta de lucros e perdas

MOP

O Administrador,
Chan Tat Kong
O Chefe da Contabilidade,
Lio Kuok Keong

Macau, aos 19 de Março de 2012.

Nota: O balanço anual e a demonstração de resultados do exercício foram preparados a partir dos registos contabilísticos auditados.

Síntese do relatório de actividades a 31 de Dezembro de 2011

A economia global sofreu um abrandamento em 2011. A turbulência financeira da zona Euro despoletada pela crise de exacerbada dívida soberana e o aumento da inflacção em várias economias, ensombraram a recuperação da economia global. Inversamente, a economia de Macau mostrou um crescimento muito forte em 2011 e um aumento de 20%, em termos reais, relativo ao ano passado. Este robusto crescimento económico deveu-se ao impulso da exportação de serviços, da despesa final de consumo privados e do investimento, em que os avultados rendimentos brutos do jogo e um crescente total de gasto dos visitantes levou a um aumento favorável na exportação de serviços. Pelo contrário, a exportação de mercadorias decaiu continuamente, o que limitou o crescimento dos empréstimos do Banco durante o ano, uma vez que uma parte significativa do portfólio de empréstimos do Banco estava relacionada com o comércio financeiro na produção e comércio de importação/exportação.

O resultado líquido após impostos para o ano foi de MOP1 649 192,00, decrescendo ligeiramente quando comparado com o do ano anterior. Embora o nosso portfólio de empréstimos tenha registado um aumento de 7% relativo ao ano passado, o rendimento dos juros líquidos apenas aumentou 1%, já que uma intensa concorrência no mercado dos depósitos de clientes levou a custos mais elevados nos juros dos depósitos. Outros rendimentos operacionais, os quais consistiram grandemente em taxas e comissões e rendimentos de rendas líquidas do edifício do Banco, também cresceram moderadamente em 3%. Apesar da inflação crescente, o total das despesas operacionais foi apenas 2% superior ao ano anterior, uma vez que implementámos medidas de controlo de custos eficazes para conter o aumento das despesas.

O total de activos firmou-se em MOP385 milhões no final de 2011, representando um decréscimo de 5% sobre o ano passado. Contudo, o total de empréstimos e adiantamentos a clientes cresceram em 7% face ao ano passado. De acordo com a prudente política de gestão de risco do Banco, a qualidade dos activos manteve-se num nível muito confortável. Os empréstimos em incumprimento foram à razão de 0,56% para o total de empréstimos, os quais foram integralmente aprovisionados. Não houve qualquer empréstimo amortizado durante o ano. A proporção de adequação do capital do Banco foi sólida e cifrava-se em 85% em 31 de Dezembro de 2011.

Olhando para o futuro, a perspectiva económica para Macau prevê-se próspera, apesar das incertezas que ensombram a recuperação económica mundial. O aumento do número de visitantes e gastos destes, o contínuo crescimento no investimento doméstico e dos gastos do consumo privado na sequência do melhoramento do mercado de trabalho e do aumento dos rendimentos do trabalho, bem como a acumulação de riqueza, são todos factores positivos para levar Macau a um ainda maior crescimento económico. Baseando-nos neste prospecto económico promissor e no forte apoio da nossa empresa-mãe, vamos reposicionar-nos para aumentar significativamente o negócio na região de Macau, aumentando a base de capital e de clientes, melhorar a capacidade do pessoal, desenvolver um espectro mais amplo de produtos bancários e serviços de valor acrescentado, e iniciando um marketing proactivo e esforços de promoção para lidar com o nosso plano de expansão.

Gostaríamos de aproveitar esta oportunidade para agradecer aos nossos clientes pelo seu continuado apoio e patrocínio. Gostaríamos também de expressar a nossa gratidão aos nossos colaboradores pelo seu trabalho árduo e dedicação ao longo do ano.

Lee, Luen Wai, John
Presidente do Conselho de Administração

Aos 19 de Março de 2012.

Parecer do Conselho Fiscal de 2011

Durante 2011, o Conselho Fiscal seguiu atentamente as actividades do Banco. Ao manter um estreito e frequente contacto com o Conselho de Administração, o Conselho Fiscal obteve a melhor cooperação e informação do Conselho de Administração que lhe permitiu executar as suas tarefas e responsabilidades eficaz e eficientemente.

Após rever e analisar os documentos que lhe foram apresentados, o Conselho Fiscal é de opinião que esses documentos reflectem clara e verdadeiramente os bens e a situação económica e financeira do Banco.

Portanto, o Conselho Fiscal considera que as contas e relatório financeiros para o exercício de 2011 submetidos pelo Conselho de Administração deveriam ser apresentados à Assembleia Geral de Accionistas para aprovação.

Presidente do Conselho Fiscal

Aos 19 de Março de 2012.

Instituições em que detém participação superior a 5% do respectivo capital ou superior a 5% dos seus fundos próprios:

Nenhuma.
Accionistas qualificados:
Winwise Holdings Ltd. (constituída em Hong Kong)
Discovery Planet Ltd. (constituída em Hong Kong)
Nomes dos titulares dos órgãos sociais:
Mesa da Assembleia Geral
Presidente: Albert Saychuan Cheok
Secretário: Hau Tat Kwong, Andrew
Conselho Fiscal
Presidente: Chan Nim Leung, Leon
Vogal: Chui Sai Cheong
  Leung Nai Chau, Jesse
Conselho de Administração
Presidente: Lee Luen Wai, John
Administrador: Chan Tat Kong
  Ho Man
  Ma Chi Man (nomeação em 1 de Dezembro de 2011)
  Cheng Sai Chong (nomeação em 1 de Dezembro de 2011)
Comissão Executiva
Presidente: Chan Tat Kong
Vogal: Lee Luen Wai, John
  Ho Man (cessação de funções em 30 de Novembro de 2011)
  Ma Chi Man (nomeação em 1 de Dezembro de 2011)

Macau, aos 19 de Março de 2012.

Parecer de auditor independente sobre o relatório de contas

Para os accionistas da Sociedade do Banco Chinês de Macau, S.A.
(Sociedade por acções de responsabilidade limitada, registada em Macau)

Procedemos à auditoria das demonstrações financeiras da Sociedade do Banco Chinês de Macau, S.A. relativas ao ano de 2011, nos termos das Normas de Auditoria e Normas Técnicas de Auditoria da Região Administrativa Especial de Macau. No nosso relatório, datado de 9 de Março de 2012, expressámos uma opinião sem reservas relativamente às demonstrações financeiras das quais as presentes constituem um resumo.

As demonstrações financeiras a que acima se alude compreendem o balanço, à data de 31 de Dezembro de 2011, a demonstração de resultados, a demonstração de rendimento integral, a demonstração de alterações no capital próprio e a demonstração de fluxos de caixa relativas ao ano findo, assim como um resumo das políticas contabilísticas relevantes e outras notas explicativas.

As demonstrações financeiras resumidas preparadas pela gerência resultam das demonstrações financeiras anuais auditadas a que acima se faz referência. Em nossa opinião, as demonstrações financeiras resumidas são consistentes, em todos os aspectos materiais, com as demonstrações financeiras auditadas.

Para a melhor compreensão da posição financeira da sociedade e dos resultados das suas operações, no período e âmbito abrangido pela nossa auditoria, as demonstrações financeiras resumidas devem ser lidas conjuntamente com as demonstrações financeiras das quais as mesmas resultam e com o respectivo relatório de auditoria.

Bao, King To
Auditor de Contas
Ernst & Young — Auditores

Macau, aos 9 de Março de 2012.


BANCO DA CHINA LIMITADA — SUCURSAL DE MACAU

Balanço anual em 31 de Dezembro de 2011

PATACAS

PATACAS

PATACAS

Demonstração de resultados do exercício de 2011

Conta de exploração

PATACAS

Conta de lucros e perdas

PATACAS

Director-Geral,
Ye Yi-Xin
 O Chefe da Contabilidade,
Leong Iok Kit

Síntese do relatório do desenvolvimento de actividades

No ano de 2011, a crise da dívida pública da Zona Euro provocou a instabilidade no mercado financeiro do mundo inteiro e a desaceleração das recuperações da economia. Com o impulso do desenvolvimento estável da economia chinesa, as indústrias dominantes em Macau desenvolveram-se num estado estável e a economia manteve um crescimento a ritmos mais acelerados. Mesmo que o sector bancário em Macau enfrentaram a conjuntura exterior muito complexo e mudável, ainda adquiriu, em geral, um bom resultado de operação.

O ano de 2011 foi um ano em que este banco continuava a observar a concepção de «Radicar-se em Macau, servir em prol de Macau», coadjuvar a execução das Linhas de Acções Governativas sobre «Implementação da governação científica e do grande plano de desenvolvimento» e apoiar o desenvolvimento de economia em Macau de maneira estável e saudável. Prosseguindo estreitamente a filosofia de operação de «persistir em prestar seus clientes como o alvo de atenção e considerações e em orientação para o mercado», este banco adoptou as estratégias de operação positivas e pragmáticas, criou os novos produtos e se dedicou a oferecer aos clientes os serviços financeiros de qualidade e eficácia. Durante este ano, este banco lançou as facilidades de crédito para as pequenas e médias empresas a fim de apoiar o seu desenvolvimento e renovou os serviços de Mobile Banking para fornecer aos clientes mais um canal conveniente. Além disso, o banco reforçou-se a impulsionar os negócios de RMB em pessoa e na liquidação transfronteiriça, emitiu, pela primeira vez, o certificado de depósito em RMB e vendeu-se por comissão o primeiro fundo em RMB em Macau, o que impulsionou a diversificação dos negócios em RMB com o objectivo de satisfazer os clientes. Com o apoio dos vários clientes e cidadãos e através dos esforços dos nossos empregados, este banco adquiriu um melhor resultado de operação no ano de 2011, enquanto registou uma taxa de crescimento de dois dígitos no termo de depósitos, empréstimos, activos totais e lucros, e a qualidade de activos manteve num melhor nível.

Quando este banco envidou todos os esforços por oferecer aos clientes os produtos financeiros e serviços em geral de qualidade, também promoveu a protecção do ambiente, participação na sociedade e a contribuição para sociedade. Este banco prometeu que uma parte do seu rendimento proveniente de Cartão de Pandas «Kai Kai Xin Xin» e Cartão de Crédito Kiang Wu de Caridade, emitidos pelo Banco, será dedicado à protecção e conservação de pandas e à caridade pública. A Fundação de Beneficência do Banco da China, Macau, Bank of China Macau Youth Association e todos os nossos empregados fizeram a sua contribuição e participaram no bem-estar público diverso de maneiras diferentes, o que não só promove o coração de amor e o pensamento da caridade à sociedade, mas também elogia os espíritos empresariais do Banco da China no sentido de que «os benefícios bancários e o bem-estar social é de mesma importância».

No ano de 2012, este banco continuará a persistir o seu objecto de operação de «Radicar-se em Macau, servir em prol de Macau», dedicando-se a fornecer aos clientes os produtos financeiros de melhor qualidade e os serviços bancários de melhor eficácia. Coordenando activamente com o Governo da RAEM, este banco irá promover a diversificação adequada de economia e fazer um esforço por manter a estabilidade constante das ordens económicas e financeiras de Macau. No ano de 2012 em que é o centésimo aniversário da implantação da Banco da China, e a partir daqui, este banco irá aproveitar esta oportunidade e começar de novo para insistir num desenvolvimento de inovação e reconversão, apanhar as oportunidades de negócios no âmbito de mudança de ambiente exterior, reforçar-se o controlo interno e a consciência contra o risco e aprofundar a gerência estável. No mesmo tempo, este banco irá reforçar a sua construção de equipa de empregados e concretizar firmemente os trabalhos diversos para atingir o seu alvo de operação.

Director-Geral,
Ye Yi-Xin

Relatório de auditor independente sobre demonstrações financeiras resumidas

Para o gerente geral do Banco da China, Limitada, Sucursal de Macau
(Sucursal de um banco comercial de responsabilidade limitada, incorporado na República Popular da China)

Procedemos à auditoria das demonstrações financeiras do Banco da China, Limitada, Sucursal de Macau relativas ao ano de 2011, nos termos das Normas de Auditoria e Normas Técnicas de Auditoria da Região Administrativa Especial de Macau. No nosso relatório, expressámos uma opinião sem reservas relativamente às demonstrações financeiras das quais as presentes constituem um resumo, datado de 22 de Março de 2012.

As demonstrações financeiras a que acima se alude compreendem o balanço, à data de 31 de Dezembro de 2011, a demonstração de resultados, a demonstração de reconhecido pagamento e gastos e a demonstração de fluxos de caixa relativas ao ano findo, e o resumo das politícas contabilísticas relevantes e outras notas explicativas.

As demonstrações financeiras resumidas preparadas pela gerência resultam das demonstrações financeiras anuais auditadas e dos livros e registos da sucursal. Em nossa opinião, as demonstrações financeiras resumidas são consistentes, em todos os aspectos materiais, com as demonstrações financeiras auditadas e os livros e registos da sucursal.

Para a melhor compreensão da posicão de negócios da sucursal e dos resultados das suas operações, no período e âmbito abrangido pela nossa auditoria, as demonstrações financeiras resumidas devem ser lidas conjuntamente com as demonstrações financeiras das quais as mesmas resultam e com o respectivo relatório de auditoria.

Lei Iun Mei, Auditor de Contas
KPMG

Macau, aos 22 de Março de 2012.


DBS BANK (HONG KONG) LTD., SUCURSAL DE MACAU

Balanço anual em 31 de Dezembro de 2011

澳門幣

澳門幣

澳門幣

Demonstração de resultados do exercício de 2011

Conta de exploração

澳門幣

Conta de lucros e perdas

澳門幣

Representante do Banco,
Cheng Kwong Moon
A Chefe da Contabilidade,
Carolina Vong

(Publicações ao abrigo do artigo 76.º do RJSF, aprovado pelo Decreto-Lei n.º 32/93/M, de 5 de Julho)

Síntese do Relatório de Actividade

Esta sucursal registou, no exercício de 2011, um lucro de quarenta e um milhões de patacas, o que significa uma redução de 16% relativamente ao ano anterior. Os proveitos em juros foram de sessenta e um milhões de patacas, o que significa um crescimento de 15%, e os outros proveitos do exercício foram de vinte e oito milhões de patacas, configurando uma redução de 25%. O montante global de empréstimos concedidos foi de três mil trezentos e cinquenta milhões de patacas, o que corresponde a um crescimento de 28%; o montante de depósitos dos clientes foi de dois mil e cem milhões de patacas, ou seja uma redução de 12%; o activo líquido foi de quatro mil trezentos e vinte milhões de patacas, registando um crescimento de 13%.

O desenvolvimento económico da Ásia foi inevitavelmente afectado pela desaceleração da economia mundial, sendo um desafio procurar crescer durante o exercício nessas circunstâncias. Entretanto, a economia no mercado do Continente Asiático tem sólidas fundações e subsistem oportunidades de aumentar a quota de mercado, pelo que mantemos uma atitude optimista.

O Grupo DBS tem capital robusto e fundos disponíveis, o que possibilita não só o aumento sucessivo da nossa quota de mercado, mas também a prossecução do nosso objectivo de passar a ser o banco preferido na nova época da Ásia.

Para além de se situar na Ásia, o Grupo DBS é Ásia.

Como banco asiático, sentimos orgulho no exercício de actividades bancárias com espírito asiático. A nossa definição do espírito asiático assenta em 5 pilares: procurar objectivamente que se estabeleçam relações entre parceiros asiáticos, ter capacidade específica para entender a Ásia, prestar serviços com estilo asiático, tomar iniciativa em aceitar e orientar o pensamento criativo, e oferecer comunicação asiática sem constrangimentos.

DBS Bank (Hong Kong) Limited
Sucursal de Macau

Relatório dos auditores externos sobre as demonstrações financeiras resumidas

Para a gerência do DBS BANK (HONG KONG) LIMITED — Sucursal de Macau

As demonstrações financeiras resumidas anexas do DBS Bank (Hong Kong) Limited — Sucursal de Macau (a Sucursal) referentes ao exercício findo em 31 de Dezembro de 2011 resultam das demonstrações financeiras auditadas e dos registos contabilísticos da Sucursal referentes ao exercício findo naquela data. Estas demonstrações financeiras resumidas, as quais compreendem o balanço em 31 de Dezembro de 2011 e a demonstração dos resultados do exercício findo naquela data, são da responsabilidade da Gerência da Sucursal. A nossa responsabilidade consiste em expressar uma opinião, unicamente dirigida a V. Ex.as enquanto Gerência, sobre se as demonstrações financeiras resumidas são consistentes, em todos os aspectos materiais, com as demonstrações financeiras auditadas e com os registos contabilísticos da Sucursal, e sem qualquer outra finalidade. Não assumimos responsabilidade nem aceitamos obrigações perante terceiros pelo conteúdo deste relatório.

Auditámos as demonstrações financeiras da Sucursal referentes ao exercício findo em 31 de Dezembro de 2011 de acordo com as Normas de Auditoria e Normas Técnicas de Auditoria emitidas pelo Governo da Região Administrativa Especial de Macau, e expressámos a nossa opinião sem reservas sobre estas demonstrações financeiras, no relatório de 27 de Janeiro de 2012.

As demonstrações financeiras auditadas compreendem o balanço em 31 de Dezembro de 2011, a demonstração dos resultados, a demonstração de alterações nas reservas e a demonstração dos fluxos de caixa do exercício findo naquela data, e um resumo das principais políticas contabilísticas e outras notas explicativas.

Em nossa opinião, as demonstrações financeiras resumidas são consistentes, em todos os aspectos materiais, com as demonstrações financeiras auditadas e com os registos contabilísticos da Sucursal.

Para uma melhor compreensão da posição financeira da Sucursal, dos resultados das suas operações e do âmbito da nossa auditoria, as demonstrações financeiras resumidas em anexo devem ser lidas em conjunto com as demonstrações financeiras auditadas e com o respectivo relatório do auditor independente.

Tsang Cheong Wai
Auditor de contas
PricewaterhouseCoopers

Macau, 25 de Abril de 2012.


BANCO WENG HANG, S.A., MACAU

Balanço anual em 31 de Dezembro de 2011

MOP

MOP

* As Outras Reservas incluem uma reserva obrigatória no montante de 114 386 829 Patacas. Porque o Banco adopta as Normas de Relato Financeiro de Macau na preparação das suas demonstrações financeiras anuais, as perdas de imparidade com base nas NIRF podem ser inferiores ao nível mínimo de provisões genéricas calculadas de acordo com o Aviso n.º 18/93 da AMCM (o nível mínimo). A referida reserva obrigatória representa, pois, a diferença entre o nível mínimo e as perdas de imparidade nos termos das NIRF (antes dos impostos diferidos de 15 598 206 Patacas). Este mesmo montante, inscrito na linha «Dotações adicionais para provisões conforme RJSF» da Conta de Lucros e Perdas das contas resumidas, está reconciliado entre o «Lucro depois de impostos» e os «Resultados do ano» de acordo com as regras da AMCM na Conta de exploração das demonstrações financeiras auditadas anuais.

MOP

Demonstração de resultados do exercício de 2011

Conta de exploração

MOP

Conta de lucros e perdas

MOP

O Director e Gerente-Geral,
Lee Tak Lim
O Chefe da Contabilidade,
Lou Pou Hong

Inventário de participações financeiras

em 31 de Dezembro de 2011

Quadro a publicar ao abrigo do artigo 75.º do R.J.S.F.

BANCO WENG HANG, S.A., MACAU

Lista dos accionistas qualificados:
Wing Hang Bank Ltd.
Constituída em Hong Kong
Nomes dos titulares dos órgãos sociais:
Conselho de Administração
Sr. Fung Yuk-Bun Patrick, presidente
Sr. Frank John Wang, administrador
Sr. Fung Yuk-Sing Michael, administrador
Sr. Ho, Louis Chi-Wai, administrador
Sr. Lee Tak-Lim, administrador
Sr. Yuen Sui-Chi Stanley, administrador
Sr. Leung Chiu-Wah, administrador
Conselho Fiscal
Sr.ª Lo Wai-Ching Maggie, presidente
Sr. Tse Hau-Yin, membro
Sr. Wong Chun-Kau Stephen, membro
 
Assembleia Geral
Sr. Kwok Man-Cheung, presidente
Sr. Lee Tak-Lim, vice-presidente
Sr. Yuen Sui-Chi Stanley, secretário
Sr. Ho, Louis Chi-Wai, secretário
Sr. Fung Yuk-Sing, Michael, vice-secretário
Sr. Leung Chiu-Wah, vice-secretário

Síntese do relatório das actividades

O robusto crescimento económico da China continuou a beneficiar a indústria do jogo e turismo em Macau. O Produto Interno Bruto cresceu 20,7% em 2011. Na esteira deste crescimento económico, os resultados do Banco registaram um substancial crescimento apesar de um desafiante clima competitivo. Os lucros distribuíveis aos accionistas aumentaram em 10,4% para MOP$245 milhões comparados com os MOP$222 milhões em 2010. Os activos totalizaram MOP$21.770 milhões enquanto os fundos dos accionistas totalizaram MOP$1.849 milhões. Estes representaram um aumento de 6,7% e 15,4% respectivamente em comparação com os valores de 2010. O retorno médio dos activos e fundos de accionistas foi de 1,2% e 14,2%, respectivamente.

No que concerne ao desempenho, o bem-sucedido lançamento de vários bem-aceites programas de depósitos ajudou o Banco a alcançar um crescimento de 10,3% nos depósitos. Os empréstimos cresceram 3% para MOP$13,7 mil milhões na medida em que a procura de empréstimos com hipoteca suplantaram em muito o vencimento e reembolso de diversos financiamentos de grandes projectos de construção. Em especial, o Banco manteve a sua reputação de providenciar serviços eficientes e de alta qualidade a clientes particulares que necessitam de hipotecas para a aquisição de residências. Em consequência, o Banco conseguiu um crescimento de 11% nos seus empréstimos hipotecários. Além disso, o robusto mercado de trabalho e o aumento do rendimento familiar despoletou um aumento da procura de empréstimos ao consumidor. O Banco foi célere em aproveitar esta oportunidade com o bem-sucedido lançamento de diversos bem-aceites produtos de financiamento para aquisição de automóvel e para consumo. Em resultado disto, este sector de negócio registou um crescimento de 33%. E dada a rigorosa adesão do Banco às suas prudentes práticas de crédito, a carteira de empréstimos do Banco mantém-se sólida. No final de 2011, a proporção de empréstimos malparados para o total de empréstimos manteve-se num nível relativamente baixo de 0,18%.

Na área dos rendimentos sem juros, beneficiada pelas activas transacções do mercado imobiliário no primeiro semestre do ano, o rendimento de comissões sobre empréstimos cresceu 36%. Por outro lado, o facto de a bolsa de valores de Hong Kong se ter mantido volátil durante o ano de 2011 levou a um esmorecimento do entusiasmo de investidores não institucionais para aí investir. Em consequência, o Banco experimentou uma redução moderada no rendimento com corretagem de acções. Apesar disso, o Banco continuou a melhorar os seus serviços de corretagem de acções para clientes. O Banco foi o primeiro em Macau a lançar a sua plataforma de negociação através de smartphone em 2011. O rendimento com cartões de crédito registou um crescimento de 20% em 2011. Após o lançamento pioneiro e altamente bem-sucedido do cartão de crédito orientado para o cliente My Style em Macau no ano anterior, o Banco lançou dois outros bem-recebidos cartões de crédito em 2011. O Banco planeia lançar em 2012 o primeiro cartão ATM com chip em Macau e cooperar com vários parceiros estratégicos para anunciar uma nova era para o negócio de cartões.

A combinação de rápido crescimento económico e de baixas taxas de juro continuou a fazer subir o preço dos imóveis no primeiro semestre do ano. No segundo trimestre, isto levou a que o Governo introduzisse novas medidas para conter a especulação, entre as quais um imposto de selo especial sobre transacções imobiliárias a curto prazo que entrou em vigor a 14 de Junho. O entusiasmo foi também esmorecido pela previsão económica mais fraca devido ao aumento da ansiedade relacionada com a crise da dívida soberana europeia. Em resultado, o volume de transacções imobiliárias diminuiu significativamente no segundo semestre do ano. E as medidas que mais directamente se repercutem nos preços dos imóveis poderão vir de políticas do Governo do lado da oferta, em particular o acabamento gradual de 19 000 fracções de habitação social até ao fim de 2012.

Actualmente, o Banco tem 12 agências. No final de 2011, o Banco empregava 453 pessoas em Macau, enquanto o Grupo empregava um total de 3.407 pessoas.

A sociedade-mãe do Banco, o Wing Hang Bank, Hong Kong, estabeleceu uma subsidiária totalmente detida, o Wing Hang Bank (China) Limited («WHBCL») em 2007. Com a sede em Shenzhen, o WHBCL oferece uma gama completa de serviços em Renminbi na China. A rede do WHBCL tem agora 13 escritórios, incluindo 6 agências e 7 sub-agências. A nova agência em Pequim abriu em Agosto para ajudar a servir clientes no norte. A seguir ao êxito da primeira sub-agência em Foshan, está prevista a abertura em 2012 de uma segunda sub-agência em Huizhou. O Banco continuou a promover os seus serviços de transacções financeiras em RMB aos clientes empresariais, incluindo pagamentos comerciais e financiamentos comerciais em RMB tanto para o interior como para o exterior. À medida que mais clientes tiram proveito dos nossos serviços bancários integrados na China, Hong Kong e Macau, antevemos um crescente número de oportunidades para se alargar os negócios relacionados com RMB.

Sendo uma instituição financeira bem estabelecida com uma longa história em Macau, o Banco tem um enorme sentido de empenho no cumprimento de uma responsabilidade social colectiva («RSC»), assegurando que ela faz parte das suas operações diárias. A nossa dedicada Comissão RSC e as suas equipas de apoio são responsáveis pela promoção, apoio e implementação de actividades RSC e por alcançar os nossos objectivos em termos de responsabilidade de governança, ambiental e comunitária. Em 2011, 111 voluntários da nossa Equipa de Serviço Social dedicaram 1.703 horas a serviços comunitários. Durante o ano, patrocinámos a ORBIS Macau na organização do primeiro «Concurso de Angariação de Fundos On-line por Estudantes». Em colaboração com 7 instituições de ensino terciário locais, este evento ajudou a ORBIS a angariar fundos, bem como a passar mensagens de cuidados oculares entre os estudantes universitários. E em apoio à Caritas de Macau no lançamento do seu «Serviço de Assistência Alimentar a Curto Prazo» o Banco alugou três das suas lojas por uma renda simbólica à Caritas para a sua distribuição de alimentos e venda de artigos doados para caridade, servindo convenientemente pessoas com fracos rendimentos e famílias necessitando urgente de assistência alimentar. No futuro, iremos continuar a dedicar recursos e esforços aos serviços comunitários e a contribuir para a construção de uma sociedade harmoniosa.

Em relação ao futuro, o ambiente operacional continuará a representar um desafio em 2012. É muito provável que o crescimento da economia chinesa abrande na medida em que a persistente crise de dívidas soberanas na Europa e a lenta recuperação da economia norte-americana reduzirão a procura das exportações. Isto por sua vez afectará a economia local pois o crescimento dos últimos anos tem resultado maioritariamente dos gastos dos turistas da China continental. No entanto, Macau beneficiará da integração contínua do Delta do Rio das Pérolas ao abrigo do 12.º Plano Quinquenal do Governo Chinês. A construção da ponte Hong Kong-Zhuhai-Macau e as ligações ferroviárias do Delta do Rio das Pérolas, bem como o desenvolvimento da Ilha da Montanha, criam condições favoráveis em termos de transportes externos, expansão de terras e outros recursos para o futuro desenvolvimento de Macau. Consideramos que a economia de Macau continuará a crescer em tal ambiente estável.

Como celebramos o 75.º aniversário do Grupo em 2012, gostaria de expressar a minha sentida gratidão aos nossos colegas pelos seus denodados esforços durante o ano. E queria também agradecer em nome do Conselho de Administração a todos os nossos clientes pelos seus continuados conselho e apoio.

O Presidente do Conselho de Administração,
Fung Yuk Bun Patrick.

Aos 23 de Março de 2012.

Síntese do parecer dos auditores externos

Para os accionistas do Banco Weng Hang, S.A.
(Sociedade anónima constituída em Macau)

Procedemos à auditoria das demonstrações financeiras do Banco Weng Hang, S.A. relativas ao ano de 2011, nos termos das Normas de Auditoria e Normas Técnicas de Auditoria da Região Administrativa Especial de Macau. No nosso relatório, datado de 22 de Março de 2012, expressámos uma opinião sem reservas relativamente às demonstrações financeiras das quais as presentes constituem um resumo.

As demonstrações financeiras a que acima se alude compreendem o balanço, à data de 31 de Dezembro de 2011, a demonstração de resultados, a demonstração de alterações no capital próprio e a demonstração de fluxos de caixa relativas ao ano findo, assim como um resumo das políticas contabilísticas relevantes e outras notas explicativas.

As demonstrações financeiras resumidas preparadas pela gerência resultam das demonstrações financeiras anuais auditadas e dos livros e registos do banco. Em nossa opinião, as demonstrações financeiras resumidas são consistentes, em todos os aspectos materiais, com as demonstrações financeiras auditadas e os livros e registos do banco.

Para a melhor compreensão da posicão financeira do banco e dos resultados das suas operações, no período e âmbito abrangido pela nossa auditoria, as demonstrações financeiras resumidas devem ser lidas conjuntamente com as demonstrações financeiras das quais as mesmas resultam e com o respectivo relatório de auditoria.

Lei Iun Mei, Auditor de Contas.
KPMG

Macau, aos 22 de Março de 2012.

Parecer do Conselho Fiscal

O balanço, a demonstração de resultados e a conta de exploração e lucros e perdas deste Banco, respeitantes ao exercício do ano findo em 31 de Dezembro de 2011, foram elaborados nos termos da lei bancária e auditados pela KPMG e segundo o nosso Parecer, as mesmas corresponderam às regras de contabilidade bancária, sendo, portanto, documentos suficientes para mostrar a real situação financeira deste Banco até 31 de Dezembro de 2011, e o lucro apurado do exercício que terminou nesta data.

A Presidente do Conselho Fiscal,
Lo Wai Ching Maggie.

Macau, aos 23 de Março de 2012.


BANCO COMERCIAL DE MACAU, S.A.

Balanço anual em 31 de Dezembro de 2011

Valores em Patacas

Valores em Patacas

Valores em Patacas

Demonstração de resultados do exercício de 2011

Conta de exploração

Valores em Patacas

Conta de lucros e perdas

Valores em Patacas

 
A Chefe da Contabilidade,
Ho Mei Leng, Virginia
Pelo Conselho de Administração,
Lung-Man Chiu (John Chiu)
Sou-Chao Chan, Kenneth
Alick Yuk-Fai Chiu

Síntese do Relatório de Actividade em 2011

O crescimento económico internacional continuou a abrandar no ano de 2011, devido aos factores de incerteza resultantes da crise financeira global e dos problemas financeiros na Europa mais acentuadamente na zona Euro. Além do mais, devido à fraqueza de alguns dos países membros da zona Euro, os indicadores de consumidor e a confiança dos investidores têm mostrado sinais de deterioração levando a um declínio na procura, o que indica que num futuro próximo o crescimento do sector financeiro global não é promissor.

No ano de 2011, a economia de Macau cresceu 21%, tendo sido a força motriz deste crescimento as indústrias do jogo e de turismo. As receitas muito significativas da indústria do jogo e os gastos feitos pelos turistas constituíram factores de impulso no volume das importações e exportações, que atraíram não poucos investidores estrangeiros, beneficiando assim os mais variados sectores de actividades desta terra.

A forte concorrência sentida no sector financeiro local esteve na origem da subida dos custos de exploração e da menor margem de juros líquidos para o Banco Comercial de Macau («O Banco»). Foram registados lucros líquidos de 72 milhões de patacas em 31 de Dezembro de 2011, representando um crescimento de 12% em relação ao exercício anterior. O total de activos líquidos passou a ser de 12,9 mil milhões de patacas contra o de 11,9 mil milhões do exercício anterior, registando uma subida de 8%. As carteiras de créditos e de depósitos cresceram 9% e 5% respectivamente.

Perspectiva-se que a conjuntura económica internacional continuará instável no próximo ano. Contudo, com o espírito de bem servir e de inovação que têm pautado no exercício da sua actividade, o Banco Comercial de Macau conseguirá certamente ultrapassar as dificuldades, aumentando a qualidade dos seus serviços e produtos oferecidos à clientela, de modo que ambos, os clientes e o Banco, sairão beneficiados.

Parecer do Conselho Fiscal

Aos Accionistas do Banco Comercial de Macau, S. A.

Nos termos do Código Comercial de Macau e dos estatutos do Banco Comercial de Macau, S. A. («BCM»), o Conselho Fiscal do BCM emite parecer sobre o relatório, os documentos de relato financeiro e a proposta de afectação dos resultados apresentados pelo Conselho de Administração relativamente ao exercício findo em 31 de Dezembro de 2011.

O Conselho Fiscal do BCM verificou as transacções e a gestão do Banco durante o ano de 2011. As suas competências incluem a supervisão da gestão do Banco; o exame dos livros e registos e sua actualização; a verificação dos activos; a análise dos critérios contabilísticos e o respectivo impacto nos resultados do exercício; o exame dos documentos de relato financeiro anuais, bem como outras verificações previstas na lei e nos estatutos.

O Conselho Fiscal analisou a informação contabilística preparada pelo Banco durante o ano e submetida regularmente à Autoridade Monetária de Macau («AMCM»), e seguiu outros procedimentos considerados adequados para as circunstâncias, incluindo o exame ao relatório do auditor independente.

Analisámos o relatório emitido pelo auditor independente PricewaterhouseCoopers, datado de 23 de Fevereiro de 2012, o qual expressa uma opinião sem reservas sobre os documentos de relato financeiro do Banco, relativos ao ano findo em 31 de Dezembro de 2011.

Obtivémos todas as informações e explicações consideradas necessárias para efeitos das nossas verificações e, com base no trabalho efectuado, somos de opinião de que:

(a) O relatório, bem como os documentos de relato financeiro, apresentados pelo Conselho de Administração reflectem fielmente a situação financeira do Banco em 31 de Dezembro de 2011 e estão em conformidade com o estabelecido no Código Comercial de Macau, com as Normas de Relato Financeiro e com os estatutos do banco;

(b) Os princípios contabilísticos e os critérios utilizados nas estimativas adoptadas pelo Conselho de Administração na preparação dos documentos de relato financeiro apresentados foram os apropriados atendendo às circunstâncias;

(c) O relatório, bem como os documentos de relato financeiro, apresentados pelo Conselho de Administração não necessitam de quaisquer alterações.

Opinião

Em conclusão, somos de parecer de que o relatório e os documentos de relato financeiro apresentados pelo Conselho de Administração relativamente ao ano findo em 31 de Dezembro de 2011, assim como a sua proposta de afectação de resultados, sejam aprovados na próxima Assembleia Geral Ordinária de Accionistas, em 29 de Março de 2012.

Macau, aos 22 de Março de 2012.

O Conselho Fiscal

Presidente — da Conceição Reisinho, Fernando Manuel
Vice-Presidente — Anderson, Roderick Stuart
Vogal — Yuen Leung Kui Kennith

Relatório dos auditores externos sobre as demonstrações financeiras resumidas

Para os accionistas do Banco Comercial de Macau, S.A.
(Constituído em Macau como sociedade anónima de responsabilidade limitada)

As demonstrações financeiras resumidas anexas do Banco Comercial de Macau, S.A. (o «Banco») referentes ao exercício findo em 31 de Dezembro de 2011 resultam das demonstrações financeiras auditadas e dos registos contabilísticos referentes ao exercício findo naquela data. Estas demonstrações financeiras resumidas, as quais compreendem o balanço em 31 de Dezembro de 2011 e a demonstração dos resultados do execício findo naquela data, são da responsabilidade do Conselho de Administração do Banco. A nossa responsabilidade consiste em expressar uma opinião, unicamente dirigida a V. Ex.as enquanto accionistas, sobre se as demonstrações financeiras resumidas são consistentes, em todos os aspectos materiais, com as demonstrações financeiras auditadas e com os registos contabilísticos do Banco, e sem qualquer outra finalidade. Não assumimos responsabilidades nem aceitamos obrigações perante terceiros pelo conteúdo deste relatório.

Auditámos as demonstrações financeiras do Banco referentes ao exercício findo em 31 de Dezembro de 2011 de acordo com as Normas de Auditoria e Normas Técnicas de Auditoria emitidas pelo Governo da Região Administrativa Especial de Macau, e expressámos a nossa opinião sem reservas sobre estas demonstrações financeiras, no relatório de 23 de Fevereiro de 2012.

As demonstrações financeiras auditadas compreendem o balanço em 31 de Dezembro de 2011, a demonstração dos resultados, a demonstração de alterações no capital próprio e a demonstração dos fluxos de caixa do exercício findo naquela data, e um resumo das principais políticas contabilísticas e outras notas explicativas.

Em nossa opinião, as demonstrações financeiras resumidas são consistentes, em todos os aspectos materiais, com as demonstrações financeiras auditadas e com os registos contabilísticos do Banco.

Para uma melhor compreensão da posição financeira do Banco, dos resultados das suas operações e do âmbito da nossa auditoria, as demonstrações financeiras resumidas em anexo devem ser lidas em conjunto com as demonstrações financeiras auditadas e com o respectivo relatório do auditor independente.

Cheung Pui Peng Grace
Auditor de contas
PricewaterhouseCoopers

Macau, aos 11 de Maio de 2012.

Instituições em que o Banco detém participações superiores a 5% do respectivo capital ou superiores a 5% dos seus fundos próprios

Nome das instituições   Percentagem
Nenhuma.   -
Accionistas qualificados    
Nome do accionista Número de acções Percentagem
Dah Sing Bank, Limited 702,000 78%
大新銀行有限公司    
DSB BCM (1), Limited 99,000 11%
DSB BCM (2), Limited 99,000 11%
     
Órgãos sociais    
Mesa da Assembleia Geral    
Leonel Alberto Alves Presidente  
Liu Chak Wan Secretário  
Ma Iao Lai Secretário  
Conselho Fiscal    
Fernando Manuel da Conceição Reisinho Presidente  
Anderson, Roderick Stuart Vice-Presidente  
Yuen Leung Kui Kennith Vogal  
     
Conselho de Administração    
David Shou-Yeh Wong Presidente  
Hon-Hing Wong (Derek Wong) Membro  
Gary Pak-Ling Wang Membro  
Harold Tsu-Hing Wong Membro  
Lung-Man Chiu (John Chiu) Membro  
Sou-Chao Chan (Kenneth Chan) Membro  
Alick Yuk-Fai Chiu Membro  

BANCO NACIONAL ULTRAMARINO, S.A.

Balanço anual em 31 de Dezembro de 2011

MOP

MOP

MOP

Demonstração de resultados do exercício de 2011

Conta de exploração

MOP

Conta de lucros e perdas

MOP

A Responsável pela Contabilidade,
Maria Clara Fong
O Presidente da Comissão Executiva,
Pedro Manuel de Oliveira Cardoso

Síntese do relatório de actividade do Banco Nacional Ultramarino, S.A.

O Banco Nacional Ultramarino, S.A. representa o grupo CGD em Macau, desenvolvendo a sua actividade de banca universal, continuando a ser um dos dois bancos responsáveis pela emissão de moeda em Macau.

No ano de 2011, a economia de Macau continuou o seu bom desempenho tendo registado um crescimento de 20,7 por cento, em termos reais, estimulada principalmente, pela exportação de serviços, investimento e despesa em consumo privado, num ambiente em que as taxas de juro continuam em níveis historicamente muito baixos.

O abrandamento previsto do crescimento da economia chinesa poderá afectar Macau, já que o território, que é a capital mundial do jogo, está muito dependente do exterior, designadamente do número de turistas que visita a cidade, que na sua maioria são provenientes da China Continental.

Não obstante este fenómeno, o sector do jogo e turismo, bem como as actividades conexas, tem continuado a crescer de forma sustentada, tendo este sector apresentado um comportamento muito favorável, com a receita bruta do jogo a subir 41,9 por cento em 2011. Tal deveu-se principalmente ao aumento do número de visitantes no Território em 12,2 por cento e à subida de 6,5 por cento das despesas per capita dos mesmos, conforme dados registados no ano de 2011.

A taxa de desemprego desceu para 2,1 por cento no final de 2011, fazendo com que o mercado de trabalho continue praticamente numa situação de pleno emprego.

No que se refere ao investimento em 2011, registou-se um aumento de 14,5 por cento, para o qual contribuiu fundamentalmente o investimento em equipamento, mais do que em construção.

Neste contexto positivo da economia local, o sector bancário beneficiou da forte expansão económica registada em Macau, embora os negócios bancários sejam crescentemente competitivos, o que tem vindo a ter efeito imediato em termos de rentabilidade das operações.

O BNU apresentou um bom desempenho ao nível do crescimento do seu volume de negócio, beneficiando do bom clima económico que a RAEM atravessa, pese embora a já referida intensificação da concorrência no sector bancário, tendo como consequência o impacto nas margens, na captação de depósitos e na concessão de crédito a particulares, nomeadamente crédito à habitação.

Em 2011, o negócio do BNU expandiu-se em cerca de 13,2 por cento, com uma ligeira preponderância do crescimento dos recursos de clientes sobre o do crédito, 13,3 por cento contra 13 por cento respectivamente. O rácio de transformação de depósitos em crédito em 2011 manteve-se ao mesmo nível de 2010, ou seja aproximadamente 52 por cento.

No que concerne aos resultados líquidos, registou-se um decréscimo de 12,8 por cento, devido ao reforço das provisões genéricas e específicas e da redução da margem financeira. O produto bancário diminuiu 3,4 por cento em consequência da evolução negativa da margem financeira em 8,5 por cento (variação percentual dos juros e custos equiparados superior à dos juros e proveitos equiparados como consequência de uma maior concorrência) mitigada parcialmente pelo acréscimo da margem complementar de 5,2 por cento.

Com o objectivo de aproveitar plenamente as oportunidades decorrentes do desenvolvimento económico da RAEM, o BNU desenvolveu no último trimestre do ano um projecto de revisão estratégica que culminou com a aprovação de um processo de transformação, presentemente em curso. Este engloba 48 iniciativas agrupadas em 11 grandes categorias.

O Banco Nacional Ultramarino, S.A. expressa os seus sinceros agradecimentos a todos os clientes pela confiança depositada e a todos os colaboradores pelo trabalho realizado e toda a sua dedicação e ao nosso accionista, a Caixa Geral de Depósitos, pelo apoio e confiança demonstrados.

O Banco Nacional Ultramarino, S.A. agradece às Autoridades de Macau, e em particular à Autoridade Monetária de Macau, todo o apoio e colaboração prestados.

Macau, aos 22 de Março de 2012.

Pedro Manuel de Oliveira Cardoso
Presidente da Comissão Executiva

Parecer do Fiscal Único do Banco Nacional Ultramarino, S.A.

Senhores Accionistas:

O Conselho de Administração do Banco Nacional Ultramarino, S.A., submeteu ao Fiscal Único, nos termos e para efeitos da alínea e) do art.º 32 dos Estatutos, para emissão de parecer, o Balanço, as Contas e o Relatório Anual respeitantes ao exercício de 2011. Complementarmente foi também enviado o Relatório dos Auditores Externos «Deloitte Touche Tohmatsu», sobre as contas do Banco Nacional Ultramarino, S.A., relativas àquele mesmo exercício.

O Fiscal Único acompanhou, ao longo do ano, a actividade do Banco, tendo mantido contacto regular com a Administração e dela recebido sempre e em tempo a adequada colaboração e esclarecimentos.

Analisados os documentos remetidos para parecer, constata-se que os mesmos são suficientemente claros, reflectindo a situação patrimonial e económica-financeira do Banco.

O Relatório do Conselho de Administração traduz de forma clara o desenvolvimento das actividades do Banco no decurso do exercício em apreciação.

O Relatório dos Auditores Externos, tido em devida conta pelo Fiscal Único, refere que os documentos de prestação de contas apresentados evidenciam de forma verdadeira e apropriada a situação financeira do Balanço em 31 de Dezembro de 2011, bem como os resultados das operações referentes ao exercício findo naquela data, com observância dos princípios contabilísticos da actividade Bancária.

Face ao exposto, o Fiscal Único decidiu dar parecer favorável à aprovação do:

1. Balanço e Demonstração de Resultados;

2. Relatório Anual do Conselho de Administração.

Macau, aos 28 de Março de 2012.

O Fiscal Único,
Chui Sai Cheong.

Síntese do parecer dos auditores externos

Para os accionistas do Banco Nacional Ultramarino, S.A.

Procedemos à auditoria das demonstrações financeiras do Banco Nacional Ultramarino, S.A. relativas ao ano de 2011, nos termos das Normas de Auditoria e Normas Técnicas de Auditoria da Região Administrativa Especial de Macau. No nosso relatório, datado de 21 de Março de 2012, expressámos uma opinião sem reservas relativamente às demonstrações financeiras das quais as presentes constituem um resumo.

As demonstrações financeiras a que acima se alude compreendem o balanço, à data de 31 de Dezembro de 2011, a demonstração de resultados, a demonstração de alterações no capital próprio e a demonstração de fluxos de caixa relativas ao ano findo, assim como um resumo das políticas contabilísticas relevantes e outras notas explicativas.

As demonstrações financeiras resumidas preparadas pela gerência resultam das demonstrações financeiras anuais auditadas a que acima se faz referência. Em nossa opinião, as demonstrações financeiras resumidas são consistentes, em todos os aspectos materiais, com as demonstrações financeiras auditadas.

Para a melhor compreensão da posição financeira do Banco Nacional Ultramarino, S.A. e dos resultados das suas operações, no período e âmbito abrangido pela nossa auditoria, as demonstrações financeiras resumidas devem ser lidas conjuntamente com as demonstrações financeiras das quais as mesmas resultam e com o respectivo relatório de auditoria.

Quin Va
Auditor de Contas
Deloitte Touche Tohmatsu — Sociedade de Auditores

Macau, aos 21 de Março de 2012.

Banco Nacional Ultramarino, S.A.

Instituições em que detém participação superior a 5% do respectivo capital ou superior a 5% dos seus fundos próprios:

Nada consta.

Lista dos Accionistas Qualificados
• Caixa Geral de Depósitos, S.A. 97,13%

 

Órgãos Sociais
   
Mesa da Assembleia Geral  
Presidente: Joaquim Jorge Perestrelo Neto Valente
Vice-presidente: Liu Chak Wan
Conselho de Administração  
Presidente: CAIXA GERAL DE DEPÓSITOS, S.A.,
  representada por Rodolfo Vasco Castro Gomes Mascarenhas Lavrador
Vice-presidente: Pedro Manuel de Oliveira Cardoso a partir de 10 de Agosto de 2011
  Artur Jorge Teixeira Santos até 10 de Agosto de 2011
Administradores: Herculano Jorge de Sousa
  António Luís Neto
  Kan Cheok Kuan
  Emílio Carlos Monteiro Nunes de Castro
  Pedro Miguel Canales Escudero a partir de 16 de Novembro de 2011
Comissão Executiva  
Presidente: Pedro Manuel de Oliveira Cardoso a partir de 10 de Agosto de 2011
  Artur Jorge Teixeira Santos até 10 de Agosto de 2011
Membro: Kan Cheok Kuan
  Pedro Miguel Canales Escudero a partir de 16 de Novembro de 2011
  Emílio Carlos Monteiro Nunes de Castro até 16 de Novembro de 2011
Fiscal Único: Chui Sai Cheong
Secretário: Maria de Lurdes Nunes Mendes da Costa

Companhia de Electricidade de Macau — CEM, S.A.

Síntese da actividade

2011 foi o primeiro ano em que a CEM operou no âmbito da extensão do Contrato de Concessão do Serviço Público de Fornecimento de Energia Eléctrica à RAE de Macau. A Empresa congratula-se por virar uma nova página na sua história e assistir a uma suave transição.

Em geral, os resultados operacionais da CEM foram muito bons. Mas devido ao facto de 2011 ser o primeiro ano da redução do Resultado Permitido para 9,5%, conforme disposto nos termos e condições da extensão do Contrato de Concessão, o lucro líquido final foi de 479 milhões de patacas, uma redução de 7%, se comparado com 2010, e 15% inferior a 2009.

Em termos de consumo de energia eléctrica, obtivémos um novo recorde em 2011. O consumo total bruto atingiu os 4.002 GWh, representando um aumento de 5,1% em relação a 2010, enquanto as vendas atingiram os 4,734 milhões de patacas, que foi 8,1% superior ao valor de 2010. O pico da procura teve um crescimento moderado, e atingiu 725 MW – um incremento de 4,9% comparado com 2010.

O desempenho quanto à fiabilidade do serviço de fornecimento manteve-se notável em 2011. O Índice de Disponibilidade Média do Serviço (ASAI) de 99,9995%1 foi excelente, em termos dos padrões mundiais. Em média, cada um dos empregados da CEM forneceu 5,52 GWh de energia eléctrica a Macau em 2011, um aumento de 2% em comparação com 2010.

Ao longo de 2011, os preços da energia primária continuaram a tendência ascendente e voltaram a atingir novos máximos. Os preços médios do fuelóleo subiram 36% em comparação com 2010. O preço médio do fuelóleo manteve-se superior a 100 USD por barril durante grande parte do ano.

A indisponibilidade de gás natural desde Junho de 2011 fez com que a CEM privilegiasse a importação de energia eléctrica em 79% das necessidades de Macau. Subsequente à apreciação do Renminbin, o custo de importação também registou um aumento de 5% e 4% nas tarifas diurnas e nocturnas, respectivamente.

A CEM fez todos os possíveis por manter as tarifas estáveis. Com o apoio do Governo da RAE de Macau, os clientes do Grupo Tarifário A (sobretudo clientes residenciais e comerciais de baixa tensão, que representam mais de 99% dos nossos clientes) beneficiaram de descontos nas tarifas, através de reduções na Cláusula de Ajustamento da Tarifa (TCA) ao longo de 2011.

Em 2011, a CEM investiu mais de 690 milhões2 de patacas para melhorar e desenvolver as infra-estruturas locais, representando 44% a mais em relação ao valor do nosso lucro reportado de 479 milhões de patacas. Mais de 430 milhões de patacas foram investidos em infra-estruturas de transporte e distribuição. Um dos principais projectos, a segunda interligação de 220kV com a Guangdong Power Grid – a Interligação Lótus, a interligação em ‘espinha dorsal’ de 220kV e a Subestação Lótus de 220kV, espera-se que estejam operacionais em meados de 2012. A CEM apoiou também activamente o projecto do novo campus da Universidade de Macau na Ilha de Hengqin.

A base total de clientes aumentou ligeiramente 2%, de 220 151 em 2010, para 224 796 em 2011. Para prestar aos clientes serviços mais abrangentes e personalizados para gerirem as suas contas de electricidade, a CEM lançou um novo portal de e-Serviços em www.cem-macau.com.

______
1
Interrupções da responsabilidade da CEM.
2 Incluíndo investimento de terceiros e excluindo a valorização de moeda estrangeira.

Relatório e parecer do Conselho Fiscal

Ex.mos Senhores Accionistas,

O Conselho de Administração da Companhia de Electricidade de Macau — CEM, S.A., submeteu ao Conselho Fiscal, nos termos da alínea e) do art.º 26.º dos Estatutos da Empresa, para dar parecer, as Demonstrações Financeiras, o Relatório do Conselho de Administração e a Proposta de Aplicação de Resultados respeitantes ao exercício de 2011. Posteriormente foi também enviado o Relatório do Auditor Independente «PricewaterhouseCoopers», sobre as demonstrações financeiras, que compreendem um balanço, uma demonstração dos resultados, uma demonstração das alterações do capital próprio e uma demonstração de fluxos de caixa e sobre os assuntos constantes no Anexo II da renovação do Contrato de Concessão.

O Conselho Fiscal acompanhou, ao longo do ano, a actividade da empresa, tendo mantido contactos com a Administração e dela recebido sempre e em tempo oportuno, a necessária colaboração e esclarecimentos.

Apreciados e devidamente analisados os documentos remetidos para parecer deste Conselho, constatou-se que os mesmos são suficientemente claros, reflectindo a situação patrimonial e económico-financeira da Companhia.

O Relatório do Conselho de Administração datado de 23 de Março de 2012, salienta a solidez financeira e técnica da Companhia. A Companhia continua a melhorar de forma eficaz as suas operações e a qualidade dos serviços prestados aos clientes. A Companhia continuou a intensificar a sua cooperação com outras empresas e entidades.

A opinião do Auditor Independente datada de 23 de Março de 2012, refere que os documentos de prestação de Contas, evidenciam de forma verdadeira, em todos os aspectos materiais a situação financeira da Companhia em 31 de Dezembro de 2011 e os resultados das operações e fluxos de caixa, referentes ao exercício findo naquela data, em observância às Normas de Relato Financeiro de Macau. Adicionalmente expressa ainda que a provisão para a estabilização tarifária foi correctamente calculada em conformidade com o estabelecido no Anexo II da renovação do Contrato de Concessão.

Face ao exposto, o Conselho Fiscal deliberou dar parecer favorável à aprovação dos seguintes documentos:

a. Demonstrações Financeiras do exercício de 2011;

b. Relatório do Conselho de Administração;

c. Proposta de Aplicação de Resultados formulada pelo Conselho de Administração.

Região Administrativa Especial de Macau, aos 23 de Março de 2012.

Paul Tse
(Presidente)
Fernando Reisinho
(Vogal)
Lee Chi Tuen, Dick
(Vogal)

Balanço em 31 de Dezembro de 2011

(Patacas)

Demonstração de resultados do exercício findo em 31 de Dezembro de 2011

(Patacas)


    

Versão PDF optimizada para Adobe Reader 7.0 ou superior.
Get Adobe Reader