< ] ^ ] 

    

[ Página Anterior ][ Versão Chinesa ]

REGIÃO ADMINISTRATIVA ESPECIAL DE MACAU

      Anúncios notariais e outros

第 一 公 證 署

證 明

天心洞普濟堂

為公佈的目的,茲證明上述社團的設立章程文本自二零一零年五月二十五日起,存放於本署的社團及財團存檔文件內,檔案組1號41/2010。

天心洞普濟堂

Casa de Benevolência e Apoio Mútuo Tin Sam Tong

章程

第一章

一般規定

第一條——名稱

本會定名為“天心洞普濟堂”,中文簡稱為“天心洞”,葡文名稱為“Casa de Benevolência e Apoio Mútuo Tin Sam Tong”,葡文簡稱為“Tin Sam Tong”。

第二條——會址

本會會址設於澳門馬楂度博士大馬路159號白雲花園第三座14樓I座,經理事會決議,可遷往本澳其他地點。

第三條——宗旨

本會為一個非牟利而具宗教特色組織,宗旨如下:

一)弘揚堪輿力法普渡眾生;

二)弘揚中國傳統宗教;

三)舉辦團結及宗教項目;

四)促進會員間之互助及合作事宜。

第二章

會員

第四條——會員形式

一)本會之會員有以下形式:

1. 普通會員;

2. 榮譽會員。

二)普通會員——申請入會者須有兩位會員及一名理事會成員介紹並填寫入會申請書,經理事會同意即成為普通會員;如係團體者可申請為團體會員,並指定一名代表人出席本會之會議。

三)榮譽會員——獲邀加入之社會人士經理事會提議並由會長發函邀請,經回覆同意而成為榮譽會員。

第五條——會員之權利

一)出席會員大會及投票。每個會員均有一票投票權;

二)有選舉及被選舉權;

三)參與本會各項活動及享受會員福利。

第六條——會員之義務

一)遵守本會章程及有關議決;

二)接受及承擔被選委之職務;

三)不得作出損害本會聲譽之行動;

四)若會員刻意違反本會章程,嚴重有損本會聲譽或利益者,得由理事會給予警告,嚴重者可由理事會提議,經會員大會通過終止其會籍,惟當事人在該次會員大會有出席權及抗辯權。

第三章

組織

第七條——組織機關

一)本會組織機關包括會員大會、理事會、監事會;

二)會員大會主席團、理事會、監事會成員由會員大會選舉產生,任期三年,連選得連任。

第八條——會員大會

一)本會最高權力機關為會員大會,負責制定或修改會章;選舉會員大會主席和理事會、監事會成員;決定會務方針;審查和批准理事會工作報告;

二)會員大會設主席一人、副主席一人、秘書一人。

第九條——會議

一)會員大會由所有會員組成。

二)會員大會通常每年召開一次會議,由理事會召集,最少提前八日以書面形式通知會員出席。

三)會員得由任何其他會員代表出席會員大會,為此只需要一封致會員大會主席之信函。

第十條——理事會

一)本會執行機關為理事會,設理事長一人,副理事長一人,理事若干人,總人數須為單數,負責執行會員大會決策和日常具體會務。

二)理事長負責本會的日常事務,副理事長和理事協助理事長工作。

第十一條——理事會之權限

一)本會理事會有權:

1. 在法庭內外代表本會;

2. 根據本章程確定之宗旨組織本會之活動;

3. 履行會員大會之決議;

4. 向會員大會建議會員應繳納之會費之金額;

5. 製作及向會員大會介紹報告及管理帳目,以及年度活動計劃及財政預算;

6. 管理及執行本會之基金。

二)至少由理事長,或副理事長及一名理事共同簽署之文件,方對本會產生約束力。

第十二條——監事會

一)本會監察機關為監事會,設監事長一人,副監事長,監事若干人,總人數須為單數。

二)監事會負責監察理事會日常會務運作和財政收支。

第五章

經費

第十三條——本會收入來自會員會費以及私人、公共實體的捐贈和資助。

第六章

附則

第十四條——本章程未列明之事宜概依澳門現行法律規範執行。

二零一零年五月二十五日於第一公證署

公證員 盧瑞祥


第 一 公 證 署

證 明

澳門世界弘揚關公文化總會

為公佈的目的,茲證明上述社團的設立章程文本自二零一零年五月二十六日起,存放於本署的社團及財團存檔文件內,檔案組1號42/2010。

澳門世界弘揚關公文化總會

章程

第一章

總則

第一條:本會定名為“澳門世界弘揚關公文化總會”;

葡文名為:“Associação de Promoção Mundial da Cultura de Kuan Kong”;

英文名為:“Association of World Promotion of Kuan Kong Culture”。

第二條——本會是一個非牟利的社團;會址設於:澳門黑沙環工業街21號龍園飛龍閣22樓C座。

第三條——本會宗旨:助富扶貧、熱愛國家、關心社會、服務群體、造福民眾,積極參與公益活動,嚴格遵守國家及特區法律,嚴禁一切違法活動,切實做到以“三利”(利國、利民、利己)“三合”(合法、合情、合理)為主的原則拓展會務工作,聯系世界各地愛好關公文化、古文歷史及軍事謀略的人士,共同探討研究中華傳統文化、國學、關公文化以及諸子百家學說和宗教文化等智謀韜略處世哲學,以歷史及現代科學為論據,發揚本會學說。維護大眾權利及世界各地屬會及會員的利益,舉辦各種國際性的慈善公益、養生保健、經貿論壇、旅遊康樂、宗教文化及傳統文化等活動,為促進世界各地的經濟繁榮,創造和諧社會而盡心盡力努力奮鬥。

第二章

組織

第四條——本會在會員大會、理事會、監事會,內設:秘書處、各部門、各委員會、各聯絡處。會員大會、理事會、監事會及各部門、各委員會當中的主要成員是在會員大會上由無記名投票選舉形式產生,並以絕對多數票通過決議,任期二年,並可連選連任。候選名單由主要創辦人與理事會及監事會共同制定。

第五條——會員大會由創辦人、個人會員和團體會員代表組成,設一名主席,三名副主席和三名秘書。會員大會職權修改及通過會章,制定會務方針,通過會務、財務報告,選舉正副主席及理事會及監事會成員等架構。

第六條——理事會是本會的最高執行機構,負責日常的會務管理(社會、行政、財務、紀律管理)。由一名理事長、三名副理事長、三名秘書、二名財務及四名理事組成,理事會的成員永遠是單數,並可連選連任。

第七條——監事會負責查核本會帳目。設一名監事長,三名副監事長、二名秘書和五名監事,監事會的成員永遠是單數,並可連選連任。

第三章

會員權利與義務

第八條——團體會員派一名代表出席參加本會的會員大會,根據章程選舉或被選舉進入領導架構。

第九條——本會可接受世界各地愛好關公文化及中華傳統文化、宗教文化等各種文化的人士及團體加入成為會員或團體會員。所有對本會感興趣的各界人士及團體只要接受本會章程,繳納入會基金及會費,經本會理事會討論通過,即可成為會員或團體會員。

第十條——會員要維護本會的聲譽;促進本會的進步和發展;遵守章程的規定;遵守領導機構的決議;依期繳交會費的義務。

第四章

會議

第十一條——會員大會每年三月份召開一次大會,或在特殊情況下由五分之一的會員提出要求,並提前十五天以書面方式通知開會日期、時間、地點和議程。會員大會選出新一屆理事會成員,名單要報身份證明局備案。

第十二條——理事會會議每月定期召開一次,商討理事會工作。

第十三條——本會主要財政來源是入會基金、會費、補助及贊助,本會經費應該和其收入平衡。

第五章

附則

第十四條——本會章程解釋權屬會員大會。

第十五條——本會會員應自覺嚴格遵守國家及特區法律,嚴禁一切違法活動,倘有觸犯此規則及本會章程者,無須經理事會處理,即作自動退會處置,其所做之一切違法活動,均由其個人承擔,與本會無關。倘本會會員有破壞本會聲譽的言行者,經理事會議決,開除會籍並公佈於世。

第十六條——本會為執行以上第十五條的章程法則,監督所有會員的行為,維護本會的聲譽及會規,由總監事委員會專門負責監督所有會員的行為、品德及其他機構的運作,維護本會的聲譽,執行本會任免賞罰的會規。

第十七條——本章程若有未盡善之處,由會員大會四分三出席人數通過修訂。

第十八條——本會使用以下圖案作為會徽。

二零一零年五月二十六日於第一公證署

公證員 盧瑞祥


第 一 公 證 署

證 明

澳門橫琴聯誼會

為公佈的目的,茲證明上述社團的設立章程文本自二零一零年五月二十七日起,存放於本署的社團及財團存檔文件內,檔案組1號45/2010。

澳門橫琴聯誼會

組織章程

第一條

名稱

本會定名為“澳門橫琴聯誼會”,英文名稱“Macau and Heng Qin Friendship Association”,(以下簡稱“本會”)。

第二條

會址

本會會址設於澳門美副將大馬路49號1樓A座;本會可透過理事會經會員大會決議更換會址。

第三條

開始運作及存續期

本會自註冊成立日起開始運作,其存續期不受限制。

第四條

宗旨

本會為自願組成的非牟利團體,宗旨是:愛國愛澳,團結澳門與橫琴祖籍人仕的交流、聯誼、努力搭建澳門與橫琴的互動平臺;積極參與兩地的社會活動及福利事業,為構建兩地的和諧社會、為推動兩地的經濟發展、文化教育、工藝美術、醫療保健、護理養生等方面的交流合作而努力。同時,本會亦承擔起培養兩地的領袖才能之責任。

第五條

會員資格

本會是以在澳門與橫琴祖籍人仕為主體,以及在兩地就讀或就業、支持本會、承認本會宗旨的人仕,經理事會批准後即可成為會員。會員若違反章程中的責任,或不遵守本會所依循的原則,或有違法行為時,經理事會通過,可被撤銷其會員資格。

第六條

會員權利

出席會員大會,對會內職務有選舉權與被選舉權,根據章程的規定要求召開會員大會,參與本會的活動、使用本會的設施。

第七條

會員義務

會員必須遵守本會章程、內部規章及大會決議,獲選為本會各機關的成員後,必須履行任期內獲本會授予之工作,按時繳付入會費、年費;參與支持及協助本會舉辦之各項活動,推動本會會務發展,維護本會的聲譽。

第八條

組織架構

本會領導機關組成:會員大會主席團、理事會、監事會,均由會員大會選舉產生,各成員任期為三年,連選可連任。

第九條

會員大會

會員大會為本會最高權力機關。

會員大會主席團設一名會長,若干名副會長。

會員大會的職權為制定本會方針,修改本會章程。

第十條

理事會

理事會為本會的行政管理機關,職權為領導理事會的日常工作、管理及主持會務活動並招收會員。

理事會成員為三人或以上,總數為單數,其中設一名理事長,並可根據實際情況下設若干部門。

第十一條

監事會

監事會為本會監察機關,職權為監察理事會之運作,定期檢查本會賬目,接受會員之投訴。

監事會成員為三人或以上,總數為單數,其中設一名監事長。

第十二條

會議

會員大會至少每年召開會議一次,由會長召集及主持大會。最少提前八日,以書面形式通知會員出席。會員大會出席之會員人數需超過半數方為有效。如人數達不到半數,得將會議開始時間押後三十分鐘,如屆時仍不足法定人數,會員大會均得開會,大會會議及決議同樣合法有效。

理事會會議定期召開,會期由理事會根據情況自行決定,由理事長召集。若理事長不能參加理事會議,可授權會長行使職權和委託代理投票權。

監事會會議定期召開,如有特殊情況可臨時召開。

第十三條

收入

本會的收入來源主要為:會員繳付的入會費及年費,來自本會活動的收費,公共或私人實體的任何資助及捐獻。

第十四條

附則

內部規章、章程的解釋

內部規章為本章程之補充,本會在不違反法律規定及本章程的原則下,可以以內部章程的形式詳細列據位人及會員之權利和義務,據位人及會員之加入,退出及除名的條件,各機關之運作形式、權力、義務、選舉制度及會議制度。

內部章程之解釋、修改及通過之許可權均屬會員大會。

本章程若有遺漏或不清晰之處,由理事會通過提請會員大會解釋,其他事項按本澳相關法例辦理。

二零一零年五月二十七日於第一公證署

公證員 盧瑞祥


2.º CARTÓRIO NOTARIAL DE MACAU

CERTIFICADO

圖書館兼職人員專業協會

為公佈之目的,茲證明上述社團之章程已於二零一零年五月二十日,存檔於本署之2010/ASS/M2檔案組內,編號為74號,有關條文內容如下:

圖書館兼職人員專業協會

章程

第一章

總則

第一條——本會定名:“圖書館兼職人員專業協會”。

第二條——本會會址設在澳門飛能便度街25C號祥信大廈五樓A座,可遷往澳門其他地方。

第三條——本會為一非牟利團體,以推廣閱讀文化,促進圖書館兼職人員的團結,維護會員的權益為宗旨。

第二章

會員

第四條——凡曾在澳門文化局轄下圖書館工作的人員,均可加入本會。

第五條——會員有選舉權及被選舉權;享有本會舉辦一切活動和福利的權利。

第六條——會員有遵守會章和決議,以及繳交會費的義務。

第三章

組織

第七條——本會組織包括:會員大會,理事會,監事會。

第八條——會員大會為本會最高權力機構,負責制定及修改會章,選舉會員大會及理監事會架構內之成員。

第九條——會員大會設主席、副主席、秘書各一名,任期三年,連選連任。

第十條——理事會為本會執行機構,由會員大會選出三名或以上成員組成,其數目取單數,任期三年,連選連任;負責執行會員大會決議及日常具體會務。

第十一條——理事會設理事長一名,副理事長及理事若干名。

第十二條——監事會為本會監察機構,由會員大會選出三名或以上成員組成,總人數須為單數,任期三年,連選連任;負責監察理事會日常會務運作和財政收支。

第十三條——監事會設監事長一名,副監事一名及秘書一名。

第四章

其他規定

第十四條——本會一切開支由各會員分擔,或私人及公共機構贊助,有關一切款項及物品,只可用於本會活動及工作所需。

第十五條——本章程如有未盡善處,得由理事會提出修改議案,交會員大會審議修改之。

Está conforme.

Segundo Cartório Notarial de Macau, aos vinte de Maio de dois mil e dez. — A Ajudante, Isabel Patrícia de Assis.


2.º CARTÓRIO NOTARIAL DE MACAU

CERTIFICADO

南成大廈分層建築物所有人業主委員會

中文簡稱為“南成大廈業主會”

為公佈之目的,茲證明上述社團之章程已於二零一零年五月二十日,存檔於本署之2010/ASS/M2檔案組內,編號為70號,有關條文內容如下:

南成大廈分層建築物所有人業主委員會

章程

第一條——本會名稱為“南成大廈分層建築物所有人業主委員會”,中文簡稱為“南成大廈業主會”,會址設於澳門羅理基博士大馬路392號南成大廈一樓。

第二條——本會屬非牟利團體,宗旨為在澳門法律制度下保障業主的合法權益。

第三條——凡南成大廈住宅單位業主,鋪位業主,或其授權全權代表人,均可成為業主會會員。

第四條——本會架構包括會員大會、理事會及監事會。

1. 會員大會為本會的最高權力機構,可通過及修改會章,選舉領導架構及決定各會務工作。決議取決於出席會員的絕對多數票;如屬修改會章之決議,則須獲出席大會四分之三之會員的贊同方為有效。會員大會設主席一名,負責會員大會的召開及主持工作。

2. 理事會設理事長一名、理事若干人,總數必為單數。理事長對外代表本會,對內領導和協調本會各項工作,理事協助理事長工作。理事會決策時,須經半數以上成員通過方為有效。

3. 監事會設監事長一名、監事若干人,總數必為單數。監事會負責監察理事會日常會務運作和財政開支。

第五條——經理事會批准,本會聘請有關人士為名譽會長和名譽顧問。

第六條——會員大會每年召開一次,特殊情況下可提前或延遲召開,由理事長召集,需提前十五日前以書面方式通知。領導架構每貳年重選,連選可連任。

第七條——本會經費來源主要由公共實體的贊助及私人機構或社會人士捐贈。

第八條——本章程忽略之事宜依本澳現行法律規範。

Está conforme.

Segundo Cartório Notarial de Macau, aos vinte de Maio de dois mil e dez. — A Ajudante, Isabel Patrícia de Assis.


2.º CARTÓRIO NOTARIAL DE MACAU

CERTIFICADO

澳門環保志願者協會

葡文名稱為“Associação dos Voluntários da Protecção do Ambiente de Macau”

英文名稱為“Macao Environment Protection Volunteer Association”

英文簡稱為“MEPVA”

為公佈之目的,茲證明上述社團之章程已於二零一零年五月二十日,存檔於本署之2010/ASS/M2檔案組內,編號為72號,有關條文內容如下:

澳門環保志願者協會——章程

第一章

總則

第一條——本會定名為“澳門環保志願者協會”;

葡文名稱為“Associação dos Voluntários da Protecção do Ambiente de Macau”;

英文名稱為“Macao Environment Protection Volunteer Association”;

英文簡稱為“MEPVA”;

以下簡稱本會。

第二條——本會宗旨:奉獻、友愛、互助、進步。團結愛國愛澳的志願者,積極推動宣揚環境保護知識。透過舉辦各類環境保護宣傳及參與各地區環境保護交流活動,以及提高本澳市民的環保意識。

第三條——本會會址設於澳門天神巷21A昌盛樓1樓。

第四條——凡屬居於澳門有合法居留之青年及在職人而且對環境保護及環境保護宣傳教育有著理想的青年人均可申請加入本會。

第五條——入會申請經理事會審議通過後,方得生效。

第六條——會員有參加本會組織的各項由本會舉辦的活動並享用各項福利設施。

第七條——會員有以下義務:

(a)遵守本會規章、章程及決議;

(b)繳納入會費;

(c)不得作任何有損本會名譽或利益之行為。

第八條——在下列情況下,經理事會決議將喪失會員資格,且不獲發還已繳納之入會費:

(a)自行要求退會;

(b)不履行會員義務。

第九條——資料之保密:

(a)會員的所有個人資料絕對保密,未經本會同意絕對不容許透露予第三者;

(b)所有負責保存及處理會員資料之幹事須承擔並遵守會員資料的保密工作;

(c)會員資料如有任何更改,須通知本會更新。

第十條——本會設會員大會、理事會、監事會及秘書長。

第十一條——本會各機關成員任期為兩年,由就職日起計。

第十二條——一、會員大會是本會最高權力機關,由全體會員組成,普通會員可通過創會榮譽會員推薦並得到一半以上榮譽會員贊成通過可成為榮譽會員。

二、會員大會主席團由會長擔任。主席團成員至少包括會長及副會長若干名,各職位由主席團成員互選產生。

第十三條——一、會員大會每年最少召開一次,由會員大會主席負責並主持會議,須最少提前三天通知全體會員,並說明開會的時間、地點及議程。

二、出席會員大會者須最少為榮譽會員人數的二分之一;人數不足時,會議順延半小時召開,以出席人數為準。

三、由理事會提出或至少二分之一的榮譽會員聯名要求,可召開特別會員大會。召集特別會員大會必須最少提前三天通知全體榮譽會員,並說明開會的時間、地點及議程。

第十四條——會員大會的權限為:

(a)選舉及罷免本會各機關的成員;

(b)討論及通過理事會提交的年度財政預算及活動計劃;

(c)監察理事會、監事會對會員大會決議的執行情況;

(d)修改會章。

第十五條——一、理事會由不少於十一人組成。須至少設理事長壹名、副理事長若干名、秘書長一名,理事會之組成人數為單數,有需要時可補增理事成員。

二、理監事會每季召開一次例會,可邀請監事會、榮譽會員列席會議。

第十六條——理事會的權限為:

(a)執行會員大會的決議;

(b)審核及通過入會及退會事宜;

(c)制定和提交每年活動計劃、財政預算及年度會務報告;

(d)制定及通過本會的內部規章;

(e)管理本會的財政及產業。

第十七條——一、監事會由三人以上組成,設監事長、副監事長及監事若干名,監事會之組成人數為單數;

二、監事會每年召開一次例會,可邀請主席團及理事會列席會議。

第十八條——監事會的權限為:

(a)對理事會提交之會務報告及帳目結算提出意見;

(b)在有需要時列席理事會會議;

(c)在本會解散時對財產進行清算。

第十九條——本會的收入包括入會費、外界贊助、捐贈、贈與、利息以及任何理事會權限範圍內的收入。

第二十條——解散本會:

一、本會的解散只可由為此目的而召開的特別會員大會的會議,並經全體會員之四分之三或以上通過方為有效;

二、上條所述的大會,在第一次召開時,必須最少有半數具投票權之榮譽會員出席方可舉行;

三、經過最少十日後,第二次召開時,不論具投票權之會員出席人數多少,均可舉行會議和進行決議;

四、本會解散後之所有盈餘及資產將全數捐給本地慈善團體。

第二十一條——一、本會章修改權屬會員大會。

二、本會章由會員大會主席及理事會、監事會解釋。

三、如有未盡事宜,得由會員大會決定之。

Está conforme.

Segundo Cartório Notarial de Macau, aos vinte de Maio de dois mil e dez. — A Ajudante, Isabel Patrícia de Assis.


2.º CARTÓRIO NOTARIAL DE MACAU

CERTIFICADO

澳門瓊澳經濟文化促進會

中文簡稱為“瓊澳促進會”

英文名稱為“HaiNan-Macau Economic and Cultural Promotion Association in Macao”

英文簡稱為“HMECA”

為公佈之目的,茲證明上述社團之章程已於二零一零年五月二十日,存檔於本署之2010/ASS/M2檔案組內,編號為71號,有關條文內容如下:

澳門瓊澳經濟文化促進會章程

第一章

總則

第一條——本會定名為“澳門瓊澳經濟文化促進會",中文簡稱為“瓊澳促進會",英文名稱為“Hai Nan-Macau Economic and Cultural Promotion Association in Macao",英文簡稱為“HMECA"。

第二條——本會為非牟利的民間學術團體。

第三條——本會的宗旨是:通過組織中國海南、澳門乃至相關地區的學者、企業家,搭建學術交流與經貿合作平臺,建立瓊澳合作機制,為推動瓊澳經濟、文化、科技、教育、旅遊的合作投資和聯動發展,打造服務於瓊澳政府有關經貿產業政策制定與咨詢的智庫,推進瓊澳相關高等院校、企業開展學術、科技以及人才培養等方面的交流與合作作出貢獻。

第四條——本會會址設於澳門畢士達大馬路26號中福商業中心10字樓D座,如有需要,會址可遷往澳門其他地方。

第二章

會員

第五條——凡對瓊澳合作之學術研究及經貿投資有興趣人士,由本人提出申請,經本會理事會批准,即可成為會員。

第六條——會員可享有以下權利:

(一)出席會員大會,提出意見或建議;

(二)選舉與被選舉權;

(三)參與本會策劃的學術研究及活動。

第七條——會員應遵守以下義務:

(一)遵守會章及會員大會決議;

(二)參與、協助及支持本會的工作;

(三)若當選為本會機構成員,須履行任內之職責。

第三章

組織

第八條——本會之機構為:會員大會、理事會及監事會。

第九條——本會機構之成員由會員大會選舉產生,任期三年,連選得連任。

第十條——經理事會提名,本會得聘請社會知名人士和學者為名譽會長、顧問或研究員,以指導及參與本會工作。

第十一條——會員大會

(一)本會最高權力機構為會員大會,由全體會員組成。

(二)除其他法定職責外,會員大會有權:

(1)討論、表決及通過修改本會章程;

(2)選出本會各機關成員;

(3)制定本會工作方針;

(4)審議工作報告及財務報告。

(三)會員大會設會長一人,如有需要,可設副會長若干人,總人數必須為單數。

(四)會長對外代表本會,對內領導本會工作。副會長協助會長工作,會長不能視事時,由副會長暫代其職務。

(五)會員大會由會長負責召開。

(六)會員大會每年舉行一次,特別會議由理事會、監事會或五分之三全體會員提議召開。

(七)會員大會會議須至少半數會員出席才可舉行,若不足規定人數,會議押後半小時舉行,不論出席人數多少,均為有效會議。

第十二條——理事會

(一)本會理事會設理事長一人,副理事長和理事若干人,總人數必須為單數。

(二)理事會職權為:

(1)執行會員大會通過的決議;

(2)策劃、組織及安排本會之各項活動;

(3)處理日常會務及履行法律規定之其他義務。

(三)理事會會議由理事長負責召開和主持。

第十三條——監事會

(一)本會監事會設監事長一人,如有需要,可設副監事長若干人,總人數必須為單數,其權限為:

(1)負責監察本會理事會之運作;

(2)查核本會財政賬目;

(3)履行法律規定之其他義務。

第四章

經費

第十四條——本會經費來源

(一)會員贊助、社會捐贈和政府機構資助;

(二)在本會宗旨所規限的範圍內開展活動或服務的收入及其他合法收入。

第五章

附則

第十五條——本會章程解釋權屬會員大會。

第十六條——本會章程如有未盡善處,得由理事會提請會員大會修改。

Está conforme.

Segundo Cartório Notarial de Macau, aos vinte de Maio de dois mil e dez. — A Ajudante, Isabel Patrícia de Assis.


CARTÓRIO PRIVADO

MACAU

CERTIFICADO

O Salão de Corporação dos Comerciantes de Shanxi em Macau

Certifico, para efeitos de publicação, que por acto constitutivo outorgado em vinte de Maio de dois mil e dez, foi constituída uma associação entre 張新喜, 王寧生 e 閻立琴, com o nome identificado supra, juntando uma pública forma do estatuto em anexo.

澳門晉商會館

章程

第一章

總則

第一條

名稱及會址

1. 本會名稱中文為“澳門晉商會館”,葡文為“O Salão de Corporação dos Comerciantes de Shanxi em Macau”,英文為“The Guild-Hall of Shanxi Merchants in Macau”,以下簡稱“本會”。

2. 本會之會址設在澳門宋玉生廣場235-287號中土大廈13樓I座,經理事會決議,會址得遷往澳門任何地方。

第二條

(宗旨及存續期)

本會是一個非政治及不以謀利為目的的組織。目的為促進澳門商人與山西省商人之間的商業和經濟利益以及會員關注的其他權益。本會設立的宗旨如下:

1. 為會員和其合作夥伴的共同利益,促進澳門特別行政區和山西省的商業聯繫;

2. 為會員提供商業平臺,方便其在澳門進行合法的商業活動;

3. 推廣、鼓勵、支持、代表以及保障會員的商業利益。

本會具不確定期限,從註冊成立之日起開始運作。

第二章

會員

第三條

(會員資格)

凡贊同本會章程之宗旨的山西籍商人、在山西省有生意的商人,以及旗下公司總部設在山西省的商人,經本會會員介紹或履行申請手續,經本會同意批准後,均可成為本會會員。

第四條

(會員基本權利)

本會會員享有以下基本權利︰

1)出席會員大會;

2)選舉權及被選舉權;

3)參與本會所舉辦之各項活動;

4)退會權。

第五條

(會員義務)

本會會員得遵守下列之各項義務︰

1)遵守本會章程及各項內部規章及規則,服從會員大會及理事會之決議;

2)維護本會聲譽及權益;

3)積極參與及支持會務工作及活動;

4)按時繳交由會員大會所訂定之會費。

第六條

(會員資格之中止及喪失)

1. 會員自願退會者,須以書面形式向理事會申請。

2. 凡拖欠會費超過兩年者,其會員資格將自動中止;對於能否保持有關會員之會籍,經理事會建議後,由會員大會作出最後的決定。

3. 違反本會章程、內部規章、決議或損害本會聲譽、利益之會員,將由理事會決定及作出適當的處分;情況嚴重者可由理事會提議,最終經會員大會通過,將有關會員開除出會。

第三章

組織架構

第七條

(機關)

本會之機關為︰

1)會員大會;

2)理事會;

3)監事會。

第一節

會員大會

第八條

(組成)

1. 會員大會是本會最高權力機關,由全體會員所組成。

2. 會員大會由大會主席團領導,主席團成員包括大會主席(又稱為“會長”)一名,副主席(又稱為“副會長”)若干名,在會員大會上選舉產生,每屆之任期為兩年,並可連選連任。

第九條

(權限)

會員大會除擁有法律所賦予之權限外,尚有以下權限︰

1)制定和修改本會章程;

2)根據本章程的規定選舉及罷免本會各機關成員之職務;

3)就有關章程的修改提案、內部規章提案及規章的修改提案進行審議、討論及表決;

4)審議及通過理事會和監事會所提交之年度工作報告、財務報告及意見書;

5)通過由理事會定本會的政策、活動方針及對其它重大問題作出決定;

6)訂定會員的年度會費;

7)規範選舉程序;

8)根據法律及章程的規定,議決解散本會;

9)會員紀律處分及開除會籍之問題上具最高決策權。

第十條

(運作)

1. 會員大會每年召開一次平常會員大會,由大會主席召集及主持,並須最少8天前給予會員通知。

2. 特別會員大會得由會員大會主席、理事會或不少於三分之一會員請求召開,但必須以書面說明召開大會之目的及欲討論之事項。

3. 經第一次召集,會員大會如有超過總數百分之五十的會員出席,方可召開及決議。

4. 於第一次召集開會時,如出席會員不足上述之法定人數,大會得於半小時後經第二次召集後舉行,屆時無論出席會員人數多少,大會都可以合法及有效地進行決議。

5. 會員大會的一般決議,以超過出席者之半數之票通過。

6. 修改本會章程,須經出席大會會員的四分之三大多數決議通過。

7. 罷免應屆機關成員之職務,須經出席大會三分之二大多數票通過。

8. 議決解散本會,須經全體會員的四分之三大多數決議通過。

第十一條

(本會責任之承擔)

1. 本會之文件與法律行為,須由會長或由其授權人聯同其中一名副會長聯名簽署方為有效。

2. 只有會長或其授權人方可以本會名義對外發言。

第二節

理事會

第十二條

(組成)

理事會是本會的管理及執行機關,由奇數成員組成,其中設有理事長一名、副理事長、理事各若干名,由會員大會選出,每屆之任期為兩年,並可連選連任。

第十三條

(權限)

理事會除擁有法律所賦予之權限外,尚有以下權限︰

1)製定本會的政策及活動方針,並提交會員大會審核通過;

2)執行會員大會之決議及作出一切必要的行為以達到本會的宗旨;

3)確保本會會務的管理工作,並提交相關的報告;

4)每年向會員大會提交工作報告、財務報告和監事會之意見書;

5)草擬各項內部規章及規則,並提交會員大會審議通過;

6)接受入會申請;

7)按照本章程的規定要求召開特別會員大會。

第十四條

(運作)

1. 理事會會議定期召開,會期由理事會按會務之需要自行訂定;可由理事長召集或應三分之一以上之理事請求而召開特別會議。

2. 理事會的決議以簡單多數通過;在票數相等時,理事長除本身之票外,還可加投決定性的一票。

第三節

監事會

第十五條

(組成、權限及運作)

1. 監事會由不少於三名成員組成,總人數必須為單數,其中設主席一名及監事三名。

2. 監事會按法律所賦予之權限,負責監察本會之運作及理事會之工作,對本會財產及賬目進行監察及對理事會之報告提供意見。

3. 監事會成員得列席理事會議,但無決議投票權。

4. 監事會每年召開一次平常會議,可由監事長召集而召開特別會議。

5. 監事會的決議以簡單多數通過;在票數相等時,監事長除本身之票外,還可加投決定性的一票。

6. 每屆之任期為兩年,並可連選連任。

第四節

收入及支出

第十六條

(財政來源)

1. 本會的收入包括會員之會費,來自本會所舉辦之各項活動的收入和收益,以及將來與本會資產有關之任何收益。

2. 本會得接受政府、機構及各界人士捐獻及資助,但該等捐獻及資助不得附帶任何與本會宗旨不符的條件。

第十七條

(支出)

本會之一切支出,包括日常及舉辦活動之開支,必須經理事會通過確認,並由本會之收入所負擔。

第四章

附則

第十八條

(章程之解釋權)

1. 理事會對本章程在執行方面所出現之疑問具有解釋權,但有關之決定須由會員大會追認。

2. 本章程如有未盡善之處,得按有關法律之規定,經理事會建議,交由會員大會通過進行修改。

私人公證員 趙魯

Cartório Privado, em Macau, aos vinte de Maio de dois mil e dez. — O Notário, Zhao Lu.


CARTÓRIO PRIVADO

MACAU

CERTIFICADO

Associação de Comércio Nanan de Macau

Certifico, por extracto, que por documento autenticado, outorgado em vinte e cinco de Maio de dois mil e dez, arquivado neste Cartório e registado sob o número um do Maço de Documentos Autenticados de Constituição de Associações e de Instituição de Fundações e Alterações dos Estatutos número um barra dois mil e dez traço B, foi constituída a associação com a denominação em epígrafe, que se regerá pelos estatutos constantes da cópia anexa a que vai conforme o original a que me reporto.

澳門南安商會

第一條——中文為“澳門南安商會”;葡文為“Associação de Comércio Nanan de Macau”及英文為“Nanan Chamber of Commerce of Macau”。

第二條——會址設在:澳門黑沙灣馬場看台街202號信託廣場1樓AK-AL。

第三條——宗旨:愛國愛澳,團結本澳工商界人士推動澳門與南安兩地的商貿交往和合作、推動兩地的經濟交流,為兩地的發展與繁榮作出貢獻。本會為非牟利組織。

第四條——內部章程:本會另設內部章程,規範理、監事會的內部組織,運作。

第五條——會員義務和權益:出席會員大會,維護本會的聲譽及參與推動會務之發展,支援與協助本會所舉辦之各項活動,只要認同本章程及本機構之決定便可申請成為會員。

第六條——機構:本會最高權力機構為會員大會,每三年進行一次換屆選舉。設會長一名及副會長若干名,主持會務工作。

第七條——理事會:本會設立理事會,由會員大會選舉產生,由三名或以上成員組成。設理事會會長一名,副會長若干名,以單數會員組成,任期三年,可連任。本會須受任何兩名理事會成員共同簽名約束,並由任何兩名理事員共同作為本會之法人代表。

第八條——監事會:本會設立監事會,由會員大會選舉產生,由三名或以上成員組成。設監事長一名,監事兩名,以單數會員組成,任期三年,可連任。除了法律及章程賦予之職權外,監事會可對理事會提交之賬目,報告和資產負債表提出意見。

第九條——經費來源:本會為非牟利之機構,經費均來自會員和社會各界人士的樂意贊助和饋贈。

第十條——會員大會的召集:每年至少召開一次,召開會員大會必須提前八天,以書面通知,載明開會日期,時間,地點及會議之議程:有五分之一會員為合法的目的,有權要求召開會員大會。

第十一條——會員大會決議及權限:會員大會的任何決議應超過半數之會員通過方能有效;其權限:

a)修訂和通過章程修改案(修改章程應有四分之三出席之會員通過方能有效)。

b)選舉和通過本會的一切決議。

c)審議通過每年的工作報告、財務報告、明年預算。

d)解散應有四分之三的全體會員通過,視為有效。

私人公證員 蘇雅麗

Cartório Privado, em Macau, aos vinte e cinco de Maio de dois mil e dez. — A Notária, Ana Soares.


第 一 公 證 署

證 明

澳門青年保齡球體育會

為公佈的目的,茲證明上述社團的修改章程文本自二零一零年五月二十六日起,存放於本署的社團及財團存檔文件內,檔案組1號。

澳門青年保齡球體育會

(一)宗旨

1. (維持不變)。

2. (維持不變)。

3. 本會地址:澳門友誼大馬路1023號南方大廈2樓X室。

二零一零年五月二十六日於第一公證署

公證員 盧瑞祥


第 一 公 證 署

證 明

澳門中華廚藝協會

為公佈的目的,茲證明上述社團的修改章程文本自二零一零年五月二十六日起,存放於本署的社團及財團存檔文件內,檔案組1號43/2010。

澳門中華廚藝協會

(一)宗旨

1.(維持不變)。

2.(維持不變)。

3. 本會地址:澳門友誼大馬路1023號南方大廈2樓X室。

二零一零年五月二十六日於第一公證署

公證員 盧瑞祥


CARTÓRIO PRIVADO

MACAU

CERTIFICADO

澳門氹仔扶輪社

Rotary Club of Taipa, Macau

為公佈之目的,茲證明上述社團的章程修改文本自二零一零年三月二十六日起,存放於本處第1/2010/Ass檔案組內,編號為3號,修改條文為第三章、第六章第二條和第三條、第七章第一條、第四條及第五條、第八章第一條及第九章,內容如下:

第三章

本社所在地方

本社所在地方如下:

澳門雅廉訪大馬路27號B。

第六章

社員資格

第二條

社員類別

本社分別有二類社員:現職、及名譽社員。

第三條

現職社員

凡具有國際扶輪章程第六章第二條資格之人士,得被選入本社為現職社員。現職社員必須履行按時向本社繳清入社費、常年社費及預繳餐費的義務,否則視為自動放棄會員籍位。

第七章

組織

第一條

會員大會

會員大會為本社最高職權的領導機構,主席團由大會選舉產生,成員包括會長壹名、副會長若干名及大會秘書壹名,每年改選壹次,連選可連任,會長對外代表本社,對內領導社務工作。

第四條

理事會

理事會由若干名單數成員組成,由會員大會(週年會)選舉產生,其中設理事長壹名、副理事長壹至弍名,下設秘書壹名、司庫壹名、糾察壹名及理事若干名,每年改選壹次,連選可連任。

第五條

理事會之召開

理事會通常每月召開例會壹次,討論社務,如有必要,可由理事長隨時召開特別會議或應半數以上社員向理事會提出申請而召開。理事會須有半數以上理事出席,表決方為有效,如法定人數不足,可於召集通知內所訂定的時間30分鐘後再次召開,屆時不論出席人數多寡,均可作出決議。

第八章

經費、內部規章及修改社章

第一條

經費

本社為非牟利社團,有關經費主要來源於社員繳交之入社基金、會費、餐費及由熱心人士之樂意捐贈或公共實體之贊助。

第九章

接受宗旨與遵守章程及細則

社員繳納入社費、常年社費及例會餐費,即視為接受扶輪宗旨中所列之扶輪原則,願遵守本社章程及細則並受其約束,並僅得在此條件下享受本社之一切權利。無論是否未收到章程及細則,每一社員均應遵守章程及細則之規定。

二零一零年三月二十六日於澳門

私人公證員 區利華

Cartório Privado, em Macau, aos vinte e seis de Março de dois mil e dez. — O Notário, Luís Filipe Oliveira.


BANCO INDUSTRIAL E COMERCIAL DA CHINA (MACAU), S.A.

Balanço anual em 31 de Dezembro de 2009 (Consolidado)

附註:其他儲備已包括根據金融體系法律制度而需增撥的備用金,總額為澳門幣345,072,217.93圓

Demonstração de resultados do exercício de 2009

Conta de exploração (Consolidado)

Conta de lucros e perdas (Consolidado)

Vice-Presidente, Director-Geral e Administrador Executivo,
Shen Xiaoqi
O Chefe da Contabilidade,
Chen Xiaoling

Balanço anual em 31 de Dezembro de 2009

附註:其他儲備已包括根據金融體系法律制度而需增撥的備用金,總額為澳門幣345,072,217.93圓

Demonstração de resultados do exercício de 2009

Conta de exploração

Conta de lucros e perdas

Vice-Presidente, Director-Geral e Administrador Executivo,
Shen Xiaoqi
O Chefe da Contabilidade,
Chen Xiaoling

Síntese do relatório de actividades

O ano de 2009 foi um ano decisivo na história do Banco Industrial e Comercial da China (Macau), S.A. (adiante designado por “ICBC (Macau)”). No dia 11 de Julho, com a aprovação da Comissão Supervisora Bancária da China e do Governo da Região Administrativa Especial de Macau, o ICBC (Macau) estabeleceu-se, mediante a integração oficial dos ex-Banco Seng Heng, S.A. e Banco Industrial e Comercial da China, S.A. Sucursal de Macau, tornando-se o maior banco de Macau registado localmente e, relativamente ao total do activo, ocupando o segundo lugar, de entre um total de 27 bancos, sendo o “Industrial and Commercial Bank of China Limited” (adiante designado por “ICBC”) titular de 89,331% do total das suas acções. Após o seu estabelecimento, com o forte apoio do accionista maioritário, este Grupo, aproveitando de forma adequada a rede, a marca, os recursos financeiros e a tecnologia avançada do ICBC, e norteado pela estratégia de desenvolvimento “baseado em Macau, projectado para o Continente, tendo em vista promover o desenvolvimento da zona periférica e a expansão para os países de língua portuguesa”, acelerou o desenvolvimento da sua actividade, aprofundou a articulação interna e externa e melhorou o desempenho nos seus negócios.

Até ao final do ano de 2009, o activo total líquido do grupo ascendia a 51,9 biliões de patacas, o que representou um acréscimo de 11,3 biliões de patacas em comparação com o ano transacto, correspondente a um aumento de 27,8%. O total de dívidas ascendia a 48,2 biliões de patacas, o que representou um acréscimo de 10,2 biliões de patacas em comparação com o ano transacto, correspondente a um aumento de 26,8%. O saldo de depósitos (incluindo os depósitos de entidades públicas) avaliou-se em 42,3 biliões de patacas, o que representou um acréscimo de 5,6 biliões de patacas em comparação com o ano transacto, correspondente a um aumento de 15,3%. O saldo dos diversos créditos concedidos avaliou-se em 37,1 biliões de patacas, o que representou um acréscimo de 13,1 biliões de patacas em comparação com o ano transacto, correspondente a um aumento de 54,5%. O saldo e o rácio dos créditos de má qualidade mantiveram-se num nível reduzido, as provisões mantiveram-se suficientes, o que reforçou a capacidade para enfrentar qualquer risco.

De acordo com as “Normas Internacionais de Relato Financeiro”, este Grupo conseguiu em 2009 um lucro que, após a dedução de impostos, se avaliou em 459 milhões de patacas. A taxa média ponderada de retribuição do capital e a taxa média de retribuição do activo total eram, respectivamente, de 14,41% e 0,98%. Até ao final do ano de 2009, as demonstrações financeiras deste Grupo, já auditadas, foram elaboradas de acordo com as “Normas Internacionais de Relato Financeiro”. Se atendermos ao reforço de provisões previsto no “Regime Jurídico do Sistema Financeiro”, o lucro passará a ser de 392 milhões de patacas, depois de feito o necessário ajustamento.

Este Grupo viveu com sucesso o seu ano de integração e estabelecimento. A contínua manutenção de resultados positivos de exploração por parte do Banco, tem granjeado uma boa apreciação por parte da comunicação social especializada em assuntos económicos e financeiros com prestígio mundial, tendo as publicações “Global Finance” e “The Banker” atribuído a este Banco o prémio de melhor banco do ano de 2009 em Macau.

O ICBC (Macau) pretende enraizar-se mais profundamente em Macau. Em conformidade com o planeamento global da Região Administrativa Especial de Macau, o ICBC (Macau) reforçará os seus serviços no âmbito de construção de infra-estruturas, de projectos fulcrais para a região, bem como no que diz respeito aos serviços sociais a ser prestados aos residentes locais, a fim de promover a reestruturação económica e o ajustamento estrutural de Macau, apoiando e contribuindo para o desenvolvimento económico e prosperidade social da Região Administrativa Especial de Macau.

Macau, aos 26 de Março de 2010.

Zhu Xiaoping
O Presidente do Conselho de Administração.

Relatório de Auditor Independente sobre Demonstrações Financeiras consolidadas Resumidas

Para os accionistas da Banco Industrial e Comercial da China (Macau), S.A.
(sociedade por acções de responsabilidade limitada, registada em Macau)

Procedemos à auditoria das demonstrações financeiras consolidadas da Banco Industrial e Comercial da China (Macau), S.A. relativas ao ano de 2009, nos termos das Normas de Auditoria e Normas Técnicas de Auditoria da Região Administrativa Especial de Macau. No nosso relatório, datado de 26 de Março de 2010, expressámos uma opinião sem reservas relativamente às demonstrações financeiras consolidadas das quais as presentes constituem um resumo.

As demonstrações financeiras consolidadas a que acima se alude compreendem o balanço consolidados, à data de 31 de Dezembro de 2009, a demonstração de resultados consolidados, a demonstração consolidada de alterações no capital próprio e a demonstração consolidada de fluxos de caixa relativos ao ano findo, assim como um resumo das políticas contabilísticas relevantes e outras notas explicativas.

As demonstrações financeiras consolidadas resumidas preparadas pela gerência resultam das demonstrações financeiras consolidadas anuais auditadas a que acima se faz referência. Em nossa opinião, as demonstrações financeiras consolidadas resumidas são consistentes, em todos os aspectos materiais, com as demonstrações financeiras consolidadas auditadas.

Para a melhor compreensão da posição financeira da Banco Industrial e Comercial da China (Macau), S.A. e dos resultados das suas operações, no período e âmbito abrangido pela nossa auditoria, as demonstrações financeiras consolidadas resumidas devem ser lidas conjuntamente com as demonstrações financeiras consolidadas das quais as mesmas resultam e com o respectivo relatório de auditoria.

Dilys Chau Auditor de Contas
Ernst & Young Auditores

Aos 26 de Março de 2010.

Parecer do Fiscal Único

Nos termos do disposto na alínea e) do artigo 25.º dos Estatutos e para o efeito previsto na mesma disposição legal, o Conselho de Administração do Banco Industrial e Comercial da China (Macau), S.A. entregou a este escritório de auditoria o relatório das actividades e contas já verificadas do exercício de 2009, para efeito de parecer.

Depois de examinados os documentos entregues a este escritório, para efeito de emissão do parecer, conclui-se que os referidos documentos reflectem, de forma clara, não só a situação patrimonial, mas também a situação financeira e económica do Banco.

O relatório do Conselho de Administração reflecte, de forma precisa, as actividades promovidas e desenvolvidas pelo Banco no ano de exercício ora em apreço.

Tendo em atenção o relatório apresentado pelo auditor externo, este escritório concorda com o exposto no referido relatório, sendo que os documentos que serviram de base à elaboração das contas reflectem, de uma forma correcta e real, a situação financeira demonstrada no balanço com data de 31 de Dezembro de 2009, bem como o resultado financeiro do exercício findo em 31 de Dezembro de 2009.

Recapitulando o acima exposto, é de nosso parecer a aprovação do referido relatório de actividades e contas do Conselho de Administração.

Macau, aos 25 de Março de 2010.

CSC & Associados – Sociedade de Auditores
(Representada por Chui Sai Cheong)
Fiscal Único

Lista das instituições em que detenham participação superior a 5% do capital e respectivo valor percentual
Sociedade Financeira ICBC (Macau) Capital, S.A. 100%
Sociedade Gestora de Fundos de Pensões ICBC (Macau), S.A. 100%
Seng Heng Development Company Limited 100%
(Incorporado em Hong Kong)  
Authosis, Inc. 11%
(Incorporado em Cayman Islands)  
Companhia de Seguros Luen Fung Hang, S.A.R.L. 6%
Lista dos accionistas qualificados
Industrial and Commercial Bank of China Limited  
Sr. Huen Wing Ming, Patrick  
Órgãos Sociais  
Conselho de Administração  
Sr. Zhu Xiaoping Presidente, Administrador-Delegado e Administrador Executivo
Sr. Shen Xiaoqi Vice-Presidente, Director- (Nomeado em 13 de Julho de 2009) -Geral e Administrador Executivo
Sr. Huen Wing Ming, Patrick Vice-Presidente e Adminis- trador Executivo
Sr. Liu Yagan Administrador
Sr. Wu Zongxuan Administrador
(Nomeado em 13 de Julho de 2009)  
Sr.ª Nie Changwen Administrador
(Nomeada em 13 de Julho de 2009)  
Sr. Tong Chi Kin Administrador
Sr. Yu Hong Administrador Executivo
(Resignou em 13 de Julho de 2009)  
Sr. Qiao Jinsheng Administrador
(Resignou em 13 de Julho de 2009)  
Sr. Francisco Luís Murteira Nabo Administrador
(Resignou em 13 de Julho de 2009)  
Dr. So Shu Fai, Ambrose Administrador
(Resignou em 13 de Julho de 2009)  
Mesa da Assembleia  
Sr. Zhu Xiaoping Presidente
Sr. Chu Siu Tsun, Stephen Vice-Presidente
(Resignou em 13 de Julho de 2009)  
Sr. Li Zhigang Secretário
(Nomeado em 31 de Janeiro de 2009)  
Sr. Bao King To, Raymond Secretário
(Resignou em 31 de Janeiro de 2009)  
Fiscal Único  
CSC & Associados – Sociedade de Auditores  
(Representada por Sr. Chui Sai Cheong)  
Secretário de Sociedade  
Sr. Li Zhigang  
(Nomeado em 31 de Janeiro de 2009)  
Sr. Bao King To, Raymond  
(Resignou em 31 de Janeiro de 2009)  

SOCIEDADE FINANCEIRA ICBC (MACAU) CAPITAL, S.A.

Balanço anual em 31 de Dezembro de 2009

Demonstração de resultados do exercício de 2009

Conta de exploração

Conta de lucros e perdas

O Presidente do Conselho de Administração,
Shen Xiaoqi
O Chefe da Contabilidade,
Chen Xiaoling

Relatório de Auditor Independente sobre Demonstrações Financeiras Resumidas

Para os accionistas da Sociedade Financeira ICBC (Macau) Capital, S.A.
(sociedade por acções de responsabilidade limitada, registada em Macau)

Procedemos à auditoria das demonstrações financeiras da Sociedade Financeira ICBC (Macau) Capital, S.A. relativas ao ano de 2009, nos termos das Normas de Auditoria e Normas Técnicas de Auditoria da Região Administrativa Especial de Macau. No nosso relatório, datado de 26 de Março de 2010, expressámos uma opinião sem reservas relativamente às demonstrações financeiras das quais as presentes constituem um resumo.

As demonstrações financeiras a que acima se alude compreendem o balanço, à data de 31 de Dezembro de 2009, a demonstração de resultados, a demonstração de alterações no capital próprio e a demonstração de fluxos de caixa relativos ao ano findo, assim como um resumo das políticas contabilísticas relevantes e outras notas explicativas.

As demonstrações financeiras resumidas preparadas pela gerência resultam das demonstrações financeiras anuais auditadas a que acima se faz referência. Em nossa opinião, as demonstrações financeiras resumidas são consistentes, em todos os aspectos materiais, com as demonstrações financeiras auditadas.

Para a melhor compreensão da posição financeira da Sociedade Financeira ICBC (Macau) Capital, S.A. e dos resultados das suas operações, no período e âmbito abrangido pela nossa auditoria, as demonstrações financeiras resumidas devem ser lidas conjuntamente com as demonstrações financeiras das quais as mesmas resultam e com o respectivo relatório de auditoria.

Dilys Chau Auditor de Contas
Ernst & Young Auditores

Aos 26 de Março de 2010.

Síntese do Relatório de Actividades

No ano que findou, a Sociedade Financeira ICBC (Macau) Capital, S.A., além de manter a tendência para um desenvolvimento saudável, atingiu lucros avaliados em quatro milhões, duzentas e sessenta mil patacas, após a dedução de impostos, sendo a taxa média ponderada de retribuição do capital e a taxa média de retribuição do activo total respectivamente de 5,33% e 5,26%. Até ao final do ano de 2009, o activo total desta Sociedade ascendeu a oitenta e dois milhões, quinhentas e cinquenta mil patacas, o que representa um acréscimo de 4,4%.

Após o estabelecimento do Banco Industrial e Comercial da China (Macau), S.A., esta Sociedade, norteando-se pela estratégia global de desenvolvimento implementada pelo Banco Industrial e Comercial da China (Macau), S.A., e graças à rede, à marca, aos recursos financeiros e à tecnologia avançada do “Industrial and Commercial Bank of China Limited”, empenhou-se em transformar-se numa instituição financeira com um crescimento económico dos seus activos sustentável, fortalecendo continuamente o controlo do risco, assegurando aos seus clientes uma retribuição mais estável e forte dos seus investimentos.

Macau, aos 26 de Março de 2010.

Shen Xiaoqi
O Presidente do Conselho de Administração.

Parecer do Fiscal Único

Nos termos do disposto na alínea e) do artigo 23.º dos Estatutos e para o efeito previsto na mesma disposição legal, o Conselho de Administração da Sociedade Financeira ICBC (Macau) Capital, S.A. entregou a este escritório de auditoria o relatório das actividades e contas já verificadas do exercício de 2009, para efeito de parecer.

Depois de examinados os documentos entregues a este escritório, para efeito de emissão do parecer, conclui-se que os referidos documentos reflectem, de forma clara, não só a situação patrimonial, mas também a situação financeira e económica da referida Sociedade.

O relatório do Conselho de Administração reflecte, de forma precisa, as actividades promovidas e desenvolvidas pela Sociedade no ano de exercício ora em apreço.

Tendo em atenção o relatório apresentado pelo auditor externo, este escritório concorda com o exposto no referido relatório, sendo que os documentos que serviram de base à elaboração das contas reflectem, de forma correcta e real, a situação financeira demonstrada no balanço com data de 31 de Dezembro de 2009, bem como o resultado financeiro do exercício findo em 31 de Dezembro de 2009.

Recapitulando o acima exposto, é de nosso parecer a aprovação do referido relatório de actividades e contas do Conselho de Administração.

Macau, aos 25 de Março de 2010.

CSC & Associados — Sociedade de Auditores
(Representada por Chui Sai Cheong)
Fiscal Único.

Lista das instituições em que detenham participação superior a 5% do capital
Não.  
Lista dos accionistas qualificados  
Banco Industrial e Comercial da China (Macau), S.A.  
Órgãos Sociais  
Conselho de Administração  
Sr. Shen Xiaoqi Presidente  
(Nomeado em 4 de Setembro de 2009)  
Sr. Huen Wing Ming, Patrick Administrador
Sr. Yung Chun Fai, Dickie Administrador
(Nomeado em 4 de Setembro de 2009)  
Sr. Zhu Xiaoping Presidente e Administrador-Delegado
(Resignou em 4 de Setembro de 2009)  
Sr. Yu Hong Administrador Executivo
(Resignou em 4 de Setembro de 2009)  
Mesa da Assembleia  
Sr. Zhu Xiaoping Presidente
(Nomeado em 4 de Setembro de 2009)  
Sr. Cheung Kam Man Presidente
(Resignou em 4 de Setembro de 2009)  
Sr. Huen Chung Yuen, Ian Vice-Presidente
Sr. Li Zhigang Secretário  
(Nomeado em 31 de Janeiro de 2009)  
Sr. Bao King To, Raymond Secretário
(Resignou em 31 de Janeiro de 2009)  
Fiscal Único  
CSC & Associados – Sociedade de Auditores  
(Representada por Sr. Chui Sai Cheong)  
(Nomeado em 4 de Setembro de 2009)  
Conselho Fiscal  
Sr. Chui Sai Cheong Presidente
(Resignou em 4 de Setembro de 2009)  
Sr. Cheng Wing Fai Membro  
(Resignou em 4 de Setembro de 2009)  
Sr. Chan Kam Lun Membro  
(Resignou em 4 de Setembro de 2009)  
Secretário de Sociedade  
Sr. Li Zhigang  
(Nomeado em 31 de Janeiro de 2009)  
Sr. Bao King To, Raymond  
(Resignou em 31 de Janeiro de 2009).  

SOCIEDADE GESTORA DE FUNDOS DE PENSÕES ICBC (MACAU), S.A.

Balanço em 31 de Dezembro de 2009

Patacas

Conta de exploração do exercício de 2009

Patacas

Conta de lucros e perdas de 2009

Patacas

O Presidente do Conselho de Administração,
Shen Xiaoqi
O Chefe da Contabilidade,
Chen Xiaoling

Relatório de Auditor Independente sobre Demonstrações Financeiras Resumidas

Para os accionistas da Sociedade Gestora de Fundos de Pensões ICBC (Macau), S.A.
(sociedade por acções de responsabilidade limitada, registada em Macau)

Procedemos à auditoria das demonstrações financeiras da Sociedade Gestora de Fundos de Pensões ICBC (Macau), S.A. relativas ao ano de 2009, nos termos das Normas de Auditoria e Normas Técnicas de Auditoria da Região Administrativa Especial de Macau. No nosso relatório, datado de 26 de Março de 2010, expressámos uma opinião sem reservas relativamente às demonstrações financeiras das quais as presentes constituem um resumo.

As demonstrações financeiras a que acima se alude compreendem o balanço, à data de 31 de Dezembro de 2009, a demonstração de resultados, a demonstração de alterações no capital próprio e a demonstração de fluxos de caixa relativos ao ano findo, assim como um resumo das políticas contabilísticas relevantes e outras notas explicativas.

As demonstrações financeiras resumidas preparadas pela gerência resultam das demonstrações financeiras anuais auditadas a que acima se faz referência. Em nossa opinião, as demonstrações financeiras resumidas são consistentes, em todos os aspectos materiais, com as demonstrações financeiras auditadas.

Para a melhor compreensão da posição financeira da Sociedade Gestora de Fundos de Pensões ICBC (Macau), S.A. e dos resultados das suas operações, no período e âmbito abrangidos pela nossa auditoria, as demonstrações financeiras resumidas devem ser lidas conjuntamente com as demonstrações financeiras das quais as mesmas resultam e com o respectivo relatório de auditoria.

Dilys Chau Auditor de Contas
Ernst & Young Auditores

Aos 26 de Março de 2010.

Síntese do Relatório de Actividades

No ano que findou, a Sociedade Gestora de Fundos de Pensões ICBC (Macau), S.A., além de manter a tendência para um desenvolvimento saudável, atingiu lucros avaliados em um milhão e duzentas e uma mil patacas, após a dedução de impostos. Até ao final do ano de 2009, o activo total desta Sociedade ascendeu a quarenta e um milhões e sessenta mil patacas, o que representa um acréscimo de 4,2%.

O valor de mercado dos activos sob gestão desta Sociedade foi calculado em mais de quinhentos e oitenta milhões de patacas, o que traduziu um aumento na ordem de 24,83% em relação ao ano transacto. A taxa de retribuição dos fundos foi de 2,71%.

Após o estabelecimento do Banco Industrial e Comercial da China (Macau), S.A., esta Sociedade, norteando-se pela estratégia global de desenvolvimento implementada pelo Banco Industrial e Comercial da China (Macau), S.A., e graças à rede, à marca, aos recursos financeiros e à tecnologia avançada do “Industrial and Commercial Bank of China Limited”, empenhou-se em transformar-se numa sociedade gestora de fundos de aposentação com excelentes resultados sendo a mais procurada por clientes da região de Macau, prestando aos seus clientes serviços de gestão de fundos de aposentação cada vez mais seguros e de fácil e rápido acesso.

Macau, aos 26 de Março de 2010.

Shen Xiaoqi
O Presidente do Conselho de Administração.

Parecer do Fiscal Único

Nos termos do disposto na alínea e) do artigo 24.º dos Estatutos e para o efeito previsto na mesma disposição legal, o Conselho de Administração da Sociedade Gestora de Fundos de Pensões ICBC (Macau), S.A. entregou a este escritório de auditoria o relatório das actividades e contas já verificadas do exercício de 2009, para efeito de parecer.

Depois de examinados os documentos entregues a este escritório, para efeito de emissão de parecer, conclui-se que os referidos documentos reflectem, de forma clara, não só a situação patrimonial, mas também a situação financeira e económica da referida Sociedade.

O relatório do Conselho de Administração reflecte, de forma precisa, as actividades promovidas e desenvolvidas pela Sociedade no ano de exercício ora em apreço.

Tendo em atenção o relatório apresentado pelo auditor externo, este escritório concorda com o exposto no referido relatório, sendo que os documentos que serviram de base à elaboração das contas reflectem, de forma correcta e real, a situação financeira demonstrada no balanço com data de 31 de Dezembro de 2009, bem como o resultado financeiro do exercício findo em 31 de Dezembro de 2009.

Recapitulado o acima exposto, é de nosso parecer a aprovação do referido relatório de actividades e contas do Conselho de Administração.

Macau, aos 25 de Março de 2010.

CSC & Associados — Sociedade de Auditores
(representada por Chui Sai Cheong)
Fiscal Único

Lista das instituições em que detenham participação superior a 5% do capital
Não.  
Lista dos accionistas qualificados  
Banco Industrial e Comercial da China (Macau), S.A.  
Órgãos Sociais  
Conselho de Administração  
Sr. Shen Xiaoqi Presidente
(Nomeado em 4 de Setembro de 2009)  
Sr. Huen Wing Ming, Patrick Administrador
Sr. Cheng Wing Fai Administrador
(Nomeado em 4 de Setembro de 2009)  
Sr. Yung Chun Fai, Dickie Administrador
(Nomeado em 30 de Novembro de 2009)  
Sr. Zhu Xiaoping Presidente e Administrador-Delegado
(Resignou em 4 de Setembro de 2009)  
Sr. Yu Hong Administrador Executivo
(Resignou em 4 de Setembro de 2009)  
Mesa da Assembleia  
Sr. Zhu Xiaoping Presidente
(Nomeado em 30 de Março de 2009)  
Sr. Li Chin Hung Presidente
(Resignou em 30 de Março de 2009)  
Sr. Li Zhigang Secretário
(Nomeado em 31 de Janeiro de 2009)  
Sr. Bao King To, Raymond Secretário
(Resignou em 31 de Janeiro de 2009)  
Fiscal Único  
CSC & Associados — Sociedade de Auditores  
(Representada por Sr. Chui Sai Cheong)  
Secretário de Sociedade  
Sr. Li Zhigang  
(Nomeado em 31 de Janeiro de 2009)  
Sr. Bao King To, Raymond  
(Resignou em 31 de Janeiro de 2009)  

MACAU PASS S.A.

(Publicações ao abrigo do artigo 75.º do RJSF, aprovado pelo Decreto-Lei n.º 32/93/M, de 5 de Julho)

Balanço anual em 31 de Dezembro de 2009

(Patacas)

(Patacas)

Demonstração de resultados do exercício de 2009

Conta de exploração

(Patacas)

Conta de lucros e perdas

(Patacas)

Administrador,
Ko Yan Fat
Chefe da Contabilidade,
Wai Tak Kuan

(Patacas)

Síntese do relatório de actividades

No ano 2009 houve um desenvolvimento sustentável dos negócios da Companhia, neste ano, a Companhia dedicou-se ao desenvolvimento no âmbito de aplicação dos serviços de pagamento através do «MacauPass», incluindo as seguintes áreas: nos autocarros, nas cadeias de supermercados, nas máquinas de venda automática, nas escolas, nos hospitais, nas instituições de ensino superior, nas empresas. Até ao final de 2009, trabalhávamos com 30 empresas; emitimos 530 000 cartões de «MacauPass»; a capacidade de processamento de dados anual é de 102 milhões de vezes, e o desempenho operacional continua a aumentar.

O ano 2009 continua a ser o período de investimento da empresa, o desenvolvimento e construção do sistema exterior e interior exige enorme investimento, o desenvolvimento do mercado aplicado está ainda em evolução. Portanto, registou um lucro de MOP 811 176,64 no período indicado no relatório.

Perspectivas para o ano de 2010

A Companhia irá continuar com o investimento no desenvolvimento de equipamentos e sistemas e aumentar o desenvolvimento no âmbito de aplicação. Os objectivos de desenvolvimento em 2010 incluem as seguintes áreas de aplicação: escolas, parques de estacionamento, grandes cadeias de lojas, centros comerciais, restaurantes, instalações de lazer e desportivas públicas, etc.

Com a expansão da aplicação de transacções de pequeno montante, as características de conveniência e segurança do uso de moeda electrónica como meio de pagamento torna-se gradualmente aceite pela população de Macau. A Companhia continuará a desenvolver novas aplicações, criando espaço de mercado e aumentando o benefício de custo para as empresas comerciais, a fim de alcançar uma situação de mútuo benefício.

A Companhia, como sempre, continuará a investir em várias áreas, melhorar a capacidade de apoio do exterior e interior do sistema; reforçando a gestão de risco; desenvolvendo constantemente novos produtos e áreas de aplicação, esforçando-se para aumentar e melhorar a qualidade de serviço, a fim de servir a população de Macau.

Presidente do Conselho de Administração, Liu Chak Wan.

Macau, aos 30 de Março de 2010.

Parecer do Fiscal Único

Nos termos do Código Comercial e dos Estatutos da Companhia, o Fiscal Único supervisionou a administração da MACAU PASS S.A. ao longo do ano de 2009 até dia 31 de Dezembro, acompanhou a actividade da Companhia e obteve todas as informações e esclarecimentos que considerou necessários. O Fiscal Único considera que as demonstrações financeiras e relatório de actividade estão correctos e completos, explicando de forma breve e clara a situação financeira da Companhia, o desenvolvimento das suas actividades e os resultados das operações referentes ao exercício do ano 2009. O Fiscal Único não verificou qualquer irregularidade nem acto ilícito.

Proponho à Assembleia Geral a aprovação do relatório das actividades financeiras do ano até ao dia 31 de Dezembro de 2009, submetido pelo Conselho de Administração.

O Fiscal Único, Wu Chun Sang, Auditor Registado.

Macau, aos 30 de Março de 2010.

Síntese do Parecer dos Auditores Exteriores

Aos accionistas da MACAU PASS S.A.

Auditámos as demonstrações financeiras da MACAU PASS S.A. referentes ao exercício findo em 31 de Dezembro de 2009, de acordo com as Normas de Auditoria de Macau, e expressámos a nossa opinião sem reservas, no relatório de 30 de Março de 2010.

Em nossa opinião, as contas resumidas estão de acordo com as demonstrações financeiras atrás referidas das quais elas resultaram.

Para uma melhor compreensão da situação financeira da Companhia e dos resultados das suas operações, as demonstrações financeiras resumidas devem ser analisadas em conjunto com as demonstrações financeiras auditadas.

Baker Tilly (Macau) — Sociedade de Auditores.

Macau, aos 30 de Março de 2010.

Lista das instituições que detêm participação superior a 5% do respectivo capital social ou superior a 5% dos seus fundos próprios:
Nenhuma.
Lista dos principais accionistas Mesa da Assembleia Geral
Liu Chak Wan Presidente: Liu Chak Wan
Liu Hei Wan Secretário: Vong Chak Kin
Vong Chak Kin Fiscal Único: Wu Chun Sang
Lao Kin Keong (Deter até 18 de Fevereiro de 2009) Secretário da Companhia: Vong Chak Kin

ÓRGÃOS SOCIAIS

Conselho de Administração

Administrador : Liu Chak Wan

Administrador : Liu Hei Wan

Administrador : Ko Yan Fat (Data de início da comissão: 9 de Julho de 2009)

Administrador : Man Wing Chuen (Data do termo da comissão: 1 de Junho de 2009)

Macau, aos 30 de Março de 2010.


SOCIEDADE DE TRANSPORTES COLECTIVOS DE MACAU, SARL

Demonstração de resultados

Em 31 de Dezembro de 2009

Balanço

Em 31 de Dezembro de 2009

Síntese do relatório do Conselho de Administração

2009 foi o primeiro ano da execução do Contrato de Concessão do Serviço Público de Transportes Colectivos Rodoviários de Passageiros, o qual caducará em 14 de Outubro de 2010, data até à qual a TCM continuará a cumprir o estipulado, servindo a população de Macau.

Consideradas as necessidades sentidas no desenvolvimento urbanístico, bem como o bem-estar dos utentes, a TCM, tal como tem vindo a fazer nos anos anteriores, continuou a melhorar as carreiras de transportes públicos, em interacção com a DSAT, tendo introduzido actualizações e alterações aos itinerários das carreiras, correspondendo assim às necessidades prementes da população utilizadora dos transportes colectivos.

Com o aumento do número dos utentes e a aprovação, em Dezembro de 2008, da actualização das tarifas pelo Governo, as receitas tarifárias em 2009 aumentaram significativamente. A isso acresceu o facto do preço de combustível ter registado, em média, um decréscimo de 23,97%, em 2009. Assim, os resultados de exploração, antes de impostos, apurados no exercício de 2009, foram positivos, na quantia de MOP 29 392 542. Não obstante esse facto, o Conselho de Administração propôs a não distribuição de dividendos no corrente exercício, devendo a quantia líquida de impostos transitar para o exercício seguinte.

O Conselho de Administração aproveita o ensejo para agradecer a todos aqueles que têm vindo a apoiar, directa ou indirectamente, a nossa Sociedade, designadamente aos nossos trabalhadores, por todos os esforços dispendidos. Esta Sociedade continuará a prestar o seu melhor serviço de utilidade pública em prol dos residentes de Macau.

Macau, aos 26 de Março de 2010.

Pelo Conselho de Administração.

Relatório do auditor independente

sobre demonstrações financeiras resumidas

Para os accionistas da
Sociedade de Transportes Colectivos de Macau, SARL

Auditámos as demonstrações financeiras da Sociedade de Transportes Colectivos de Macau, SARL, referentes ao exercício findo em 31 de Dezembro de 2009, em conformidade com as Normas de Auditoria e Normas Técnicas de Auditoria vigentes em Macau, R.A.E., e sobre essas demonstrações financeiras expressámos a nossa opinião, sem reservas, no nosso relatório datado de 26 de Março de 2010.

Efectuámos uma comparação entre as demonstrações financeiras resumidas, preparadas pela administração da Sociedade para efeitos de publicação, e as demonstrações financeiras que auditámos.

Em nossa opinião, as demonstrações financeiras resumidas estão consistentes, em todos os aspectos materiais, com as demonstrações financeiras auditadas.

Macau, aos 26 de Março de 2010.

Basílio e Associados
Auditores Registados
Representada por
Manuel Basílio.


TAIFOOK — CIA. DE INTERMEDIAÇÃO FINANCEIRA, LDA., SUCURSAL DE MACAU

Demonstração de resultados de 1 de Janeiro a 31 de Dezembro de 2009

MOP

Publicações ao abrigo do artigo 76.º do RJSF, aprovado pelo Decreto-Lei n.º 32/93/M, de 5 de Julho.

Balanço em 31 de Dezembro de 2009

MOP

Gerente Sucursal: Lam Keng Iong
O Chefe da Contabilidade: Lo Wai Ho

外部核數師意見書之概要

致大福證券有限公司澳門分行管理層:

大福證券有限公司澳門分行(「貴分行」)截至二零零九年十二月三十一日止年度隨附的摘要財務報表乃撮錄自貴分行截至同日止年度的已審核財務報表及貴分行的賬冊和記錄。摘要財務報表由二零零九年十二月三十一日的資產負債表以及截至該日止年度的損益表組成,管理層須對該等摘要財務報表負責。我們的責任是對摘要財務報表是否在所有重要方面均與已審核財務報表及貴分行的賬冊和記錄符合一致,發表意見,僅向管理層報告,除此之外本報告別無其他目的。我們不會就本報告的內容向任何其他人士負上或承擔任何責任。

我們按照澳門特別行政區政府頒布的《核數準則》和《核數實務準則》審核了貴分行截至二零零九年十二月三十一日止年度的財務報表,並已於二零一零年五月七日就該財務報表發表了無保留意見的核數師報告。

上述已審核的財務報表由二零零九年十二月三十一日的資產負債表以及截至該日止年度的損益表、歸屬於總公司的淨資產變動表和現金流量表組成,亦包括重大會計政策的摘要和解釋附註。

我們認為,摘要財務報表在所有重要方面,均與上述已審核的財務報表及貴分行的賬冊和記錄符合一致。

為更全面了解貴分行的財務狀況和經營結果以及核數工作的範圍,隨附的摘要財務報表應與已審核的財務報表以及獨立核數師報告一併閱讀。

曾章偉
註冊核數師
羅兵咸永道會計師事務所

澳門,二零一零年五月十一日

業務報告概要

由於港股去年從低位穩步回升,成交亦有所增加,因此本分行營利亦隨之有所上升,澳門分行截至二零零九年十二月三十一日止年度錄得總營運收入為11,361,108.57澳門元,純利則為4,932,652.07澳門元,按年增長28%。

二零零九年十二月二十一日海通(香港)金融控股有限公司完成了對本分行總行的母公司大福證券集團的收購協議,成為集團的主要股東。本分行希望新股東的加入能為集團帶來更多的商機,能令集團以及分行的盈利更上層樓。


CHONG HING BANK LTD., SUCURSAL DE MACAU

Balanço anual em 31 de Dezembro de 2009

MOP

MOP

* Nota

Em Outras Reservas representa uma reserva regulamentar no montante de 729 091,20 patacas. Porque a sucursal adopta as Normas de Relato Financeiro da RAEM na preparação das suas demonstrações financeiras anuais e as provisões para as perdas de imparidade dos créditos concedidos, podem estes serem inferiores ao nível mínimo de provisões genéricas calculadas de acordo com o Aviso n.º 18/93 da AMCM (o nível mínimo). A Sucursal na referida reserva regulamentar representa a diferença entre a provisão genéricas as perdas de imparidade do crédito concedido. Este mesmo montante, inscrito na linha «Dotações adicionais/reposições para provisões conforme RJSF» da Conta de Lucros e Perdas das contas resumidas.

Demonstração de resultados do exercício de 2009

Conta de exploração

MOP

MOP

Conta de lucros e perdas

MOP

O Gerente,
Lam Man King
O Chefe da Contabilidade,
Wong Fong Fei, Faye

Síntese do relatório de actividade

Para o ano de 2009, após desafogo do impacto global do tsunami financeiro, a economia de Macau estabilizou-se gradualmente. No ano passado, a indústria do jogo e de hospitalidade continuou positiva. Apesar de alguns sectores de actividade estar muito fracos, o envolvimento da actividade empresarial no seu todo está em recuperação.

O total de proveitos operacionais da Sucursal para o ano findo em 31 de Dezembro de 2009 foi de MOP 8,74 milhões, representando um decréscimo de 58,70% quando comparado com o ano anterior. O lucro depois de impostos foi de MOP 4,55 milhões, representando um decréscimo de 75,38%. Em 31 de Dezembro de 2009, os depósitos de clientes foram de MOP 614 milhões, um decréscimo ligeiro de 4,27%; adiantamento de clientes foi de MOP 63,4 milhões, decréscimo de 83,54%; o total do activo foi de MOP 751 milhões, representando uma contracção ligeira de 3,67%.

Seguindo em frente, com os benefícios do plano do Governo da RAEM, o apoio da República Popular da China e a recuperação emergente mundial, a perspectiva da economia de Macau tem a expectativa de ser promissora. A nossa Sucursal irá envidar esforços no fortalecimento do nosso papel bancário na comunidade, desenvolvendo continuamente novos produtos e oferecer serviços de boa qualidade para compensar o apoio dos cidadãos de Macau.

O Gerente,
Lam Man King.

Síntese do parecer dos auditores externos

Ao Gerente da Sucursal do Chong Hing Bank Limited — Sucursal de Macau

Procedemos à auditoria das demonstrações financeiras do Chong Hing Bank Limited — Sucursal de Macau relativas ao ano de 31 de Dezembro de 2009, nos termos das Normas de Auditoria e Normas Técnicas de Auditoria da Região Administrativa Especial de Macau. No nosso relatório datado de 4 de Maio de 2010, expressámos uma opinião sem reservas relativamente às demonstrações financeiras das quais as presentes constituem um resumo.

As demonstrações financeiras a que acima se alude compreendem o balanço, à data de 31 de Dezembro de 2009, a demonstração de resultados, a demonstração de movimento de capitais e a demonstração de fluxos de caixa relativas ao ano findo, assim como um resumo das políticas contabilísticas relevantes e outras notas explicativas.

As demonstrações financeiras resumidas preparadas pela gerência resultam das demonstrações financeiras anuais auditadas a que acima se faz referência, a Sucursal criou a provisão genérica para crédito concedido de acordo com o Aviso n.º 18/93-AMCM da Autoridade Monetária de Macau. Esta provisão genérica é apresentada como «Dotações reposições para provisões conforme RJSF» nas acompanhadas Conta de Lucros e Perdas publicadas como ajustamento da conta do resultado do exercício. A «Reserva Regulamentar» representa a diferença entre a provisão genéricas as perdas de imparidade do crédito concedido apresentada na demonstração de movimento de capitais das demonstrações financeiras para o ano findo. Excepto o acima citado, em nossa opinião, as demonstrações financeiras resumidas são consistentes, em todos os aspectos materiais, com as demonstrações financeiras auditadas.

Para a melhor compreensão da posição financeira do Chong Hing Bank Limited — Sucursal de Macau e dos resultados das suas operações, no período e âmbito abrangido pela nossa auditoria, as demonstrações financeiras resumidas devem ser lidas conjuntamente com as demonstrações financeiras das quais as mesmas resultam e com o respectivo relatório de auditoria.

Quin Va
Auditor de Contas
Deloitte Touche Tohmatsu — Sociedade de Auditores

Macau, aos 4 de Maio de 2010.


BANCO COMERCIAL PORTUGUÊS, S.A., SUCURSAL OFFSHORE DE MACAU

Balanço anual em 31 de Dezembro de 2009

MOP

Demonstração de resultados do exercício de 2009

Conta de exploração

MOP

Conta de lucros e perdas

MOP

O Técnico de Contas,
António Lau
O Director-Geral,
José João Pãosinho

Síntese do Relatório de Actividade do Exercício de 2009

Durante o ano de 2009, a actividade da Sucursal Offshore de Macau do Banco Comercial Português, S.A. centrou-se na defesa da sua carteira de negócios através de uma estratégia defensiva face a uma conjuntura financeira internacional pouco favorável apesar da estabilização do mercado de crédito internacional observada durante o 2.º semestre do ano em análise.

Apesar do carácter global da crise financeira internacional, as economias da Região Ásia Pacífico foram das menos atingidas no contexto da economia mundial para o que contribuiu, de forma significativa, a política macroeconómica adoptada pela China. A actividade da Sucursal beneficiou deste facto devido ao posicionamento da sua carteira de crédito na Região.

A Sucursal manteve a sua política de suporte às actividades das diferentes redes comerciais do Grupo Mbcp sempre que estas se dirigiram à região asiática, nomeadamente, através da oferta de soluções comerciais e de apoio directo a Clientes do Grupo com actividade na China. Neste âmbito e em articulação com o Escritório de Representação em Cantão (China) foram desenvolvidas várias iniciativas conducentes à divulgação do Mbcp como uma plataforma de negócios entre a China e os PALOPs.

Face à estratégia de posicionamento da Sucursal como plataforma de negócios foram estabelecidos acordos de cooperação com Instituições Chinesas visando a dinamização das relações comerciais entre clientes do grupo Mbcp e empresas chinesas. Salientem-se os acordos de cooperação assinados com o ICBC Macau, o Gabinete Financeiro do Município de Cantão e a Associação de Promoção da Economia e Investimento de Cantão visando o apoio a empresas chinesas com actividade nas geografias onde o Mbcp está presente e o apoio a empresas portuguesas com actividade na China.

O posicionamento da Sucursal e a estratégia de negócios adoptada desde 2006 permitiu a continuação do crescimento dos resultados de exploração observado ao longo dos últimos anos.

No final de 2009, o total do Activo atingia o valor de MOP 3 245 milhões, a Carteira de Crédito cifrava-se em MOP 3 022,5 milhões e a Carteira de Depósitos de Clientes atingia MOP 962,1 milhões.

O Cash-Flow da actividade da Sucursal em 2009 atingiu MOP 49 milhões (+15,1%) e os Resultados do Exercício cifraram-se em MOP 48,7 milhões (+31,6%).

Os custos operativos da Sucursal totalizaram MOP 4,9 milhões (-5,9%), reflexo da uma política de contenção de custos adoptada em 2009 face à conjuntura internacional.

No ano em análise, a Sucursal participou activamente nas iniciativas das Autoridades da R.A.E. de Macau no âmbito da política «Macau como Plataforma Internacional de Negócios».

Por último, desejamos agradecer aos nossos Clientes, aos Colaboradores da Sucursal e às competentes Autoridades de Macau a confiança depositada na Sucursal Offshore de Macau do Banco Comercial Português, S.A.

A Direcção da Sucursal,
José João Pãosinho.

Síntese do parecer dos auditores externos

Para a gerência do Banco Comercial Português — Sucursal Offshore (Macau)
(Sucursal de um banco comercial de responsabilidade limitada, incorporado em Portugal)

Procedemos à auditoria das demonstrações financeiras do Banco Comercial Português — Sucursal Offshore (Macau) relativas ao ano de 2009, nos termos das Normas de Auditoria e Normas Técnicas de Auditoria da Região Administrativa Especial de Macau. No nosso relatório, datado de 28 de Abril de 2010, expressámos uma opinião sem reservas relativamente às demonstrações financeiras das quais as presentes constituem um resumo.

As demonstrações financeiras a que acima se alude compreendem o balanço, à data de 31 de Dezembro de 2009, a demonstração de resultados e a demonstração de fluxos de caixa relativas ao ano findo, assim como um resumo das políticas contabilísticas relevantes e outras notas explicativas.

As demonstrações financeiras resumidas preparadas pela gerência resultam das demonstrações financeiras anuais auditadas e dos livros e registos da sucursal. Em nossa opinião, as demonstrações financeiras resumidas são consistentes, em todos os aspectos materiais, com as demonstrações financeiras auditadas e os livros e registos da sucursal.

Para a melhor compreensão da posição financeira da sucursal e dos resultados das suas operações, no período e âmbito abrangido pela nossa auditoria, as demonstrações financeiras resumidas devem ser lidas conjuntamente com as demonstrações financeiras das quais as mesmas resultam e com o respectivo relatório de auditoria.

Lei Iun Mei, Auditor de Contas
KPMG

Macau, aos 28 de Abril de 2010.


CSR MACAU — COMPANHIA DE SISTEMAS DE RESÍDUOS, LIMITADA

(Publicações ao abrigo do artigo 1.º, n.º 1, da Lei n.º 14/96/M, de 12 de Agosto 1996)

Demonstração da posição financeira em 31 de Dezembro de 2009

  2009   2008
  MOP   MOP
Activos não correntes      
Activos fixos tangíveis 5 168 458   6 879 244
Activos intangíveis 2 742 526   19 453 935
Soma dos activos não correntes 7 910 984   26 333 179
       
Activos correntes      
Inventários 4 789 480   4 604 585
Dívidas a receber comerciais e outras 37 459 519   72 039 657
Cliente do fundo da despesa em investimento -   2 582 462
Caixa e equivalentes de caixa 35 586 530   22 380 438
Soma dos activos correntes 77 835 529   101 607 142
       
Passivos correntes      
Dívidas a pagar comerciais e outras 18 788 683   44 369 444
Empréstimos e c/gerais de sócios e associadas 2 651 014   14 594 106
Cliente do fundo da despesa em investimento 111 134   -
Provisões para Imposto Complementar de Rendimentos 7 633 699   6 093 078
Soma dos passivos correntes 29 184 530   65 056 628
       
Activos correntes líquidos 48 650 999   36 550 514
       
Total do activos negativo passivos correntes 56 561 983   62 883 693
       
Activos líquidos 56 561 983   62 883 693
       
Capitais próprios      
       
Capitais 25 000   25 000
Reserva legal 12 500   12 500
Outras Reservas 23 694 058   22 397 867
Resultados transitados 32 830 425   40 448 326
       
Total dos capitais próprios 56 561 983   62 883 693

 

O Presidente do Conselho de Administração, O Chefe da Contabilidade,
Mark Rudolf Christiaan Venhoek Ng Weng Tong, Victor

Macau, aos 25 de Março de 2010.

Relatório dos gerentes — 2009

No decorrer do ano de 2009, a Sociedade manteve os seguintes serviços para o Governo de Macau RAE:

i) Gestão de Resíduos Municipais

A Sociedade continuou a prestar serviços de recolha de resíduos e de limpeza a todo o território de Macau, no âmbito de um contrato de dois anos, que termina em 28 de Fevereiro de 2011.

Além disso, durante o ano a Sociedade colocou em funcionamento com êxito o funcionamento do sistema piloto de recolha automática de resíduos.

ii) Tratamento de Resíduos Perigosos

A Sociedade continuou a operar a primeira Estação de Tratamento de Resíduos Perigosos em Macau, no âmbito de um contrato de operação e gestão de três anos, que termina em 15 de Maio de 2010.

RESUMO DO DESEMPENHO

Apesar da acentuada crise global em 2009, a Sociedade manteve uma operação lucrativa, com forte capacidade de gerar capital através da aplicação de vários planos de redução de capital/melhoria de eficiência.

De acordo com as contas de resultados relativas ao ano terminado em 31 de Dezembro de 2009, a Sociedade registou uma receita de MOP 164,8 milhões (2008: MOP 208,1 milhões), com um lucro líquido de MOP 32,2 milhões (2008: MOP 39,9 milhões), ou 19,5% (2008: 19,2%) das receitas. O capital gerado pelas operações totalizaram MOP 71,0 milhões (2008: MOP 69,7 milhões), ou 220% (2008: 175%) do lucro líquido. O total dos dividendos pagos aos accionistas em 2009 totalizou MOP 38,5 milhões (2008: MOP 48,5 milhões), ou 23,4% (2008: 23,3%) das receitas.

PRINCIPAIS FACTOS

i) Cessação e Renovação do Contrato

Em 28 de Fevereiro de 2009, a empresa transmitiu ao Governo de Macau RAE a sua aceitação à rescisão antecipada do contrato de limpeza (que era um dos contratos do Governo de Macau e que, de acordo com os termos iniciais, expiraria em 31 de Agosto de 2013), e que fosse substituído por um contrato de limpeza de dois anos, com início em 1 de Março de 2009 e fim em 28 de Fevereiro de 2011, em condições substancialmente idênticas às do contrato de limpeza original que terminou mais cedo. O contrato de limpeza de dois anos foi outorgado entre a Sociedade e o Governo de Macau a RAE em 25 de Junho de 2009.

ii) Alteração da Titularidade de um Accionista

Em 23 de Dezembro de 2009, o Governo de Hong Kong RAE aprovou a transmissão de quota entre a Suez Environment e a Swire Pacific, de modo que a Swire Sita Waste Services Limited, uma das sócias da Sociedade, passasse a ser totalmente detida pela Suez Environment. Swire SITA Waste Services Limited, subsequentemente, alterou a sua denominação para SITA Waste Services Limited. O funcionamento diário da Sociedade não foi afectado por esta alteração.

iii) Alteração da Denominação de uma Sócia

Em 20 de Outubro de 2009, a sócia H. Nolasco e Companhia, Limitada, alterou a sua denominação para Grupo HN, Limitada. O funcionamento diário da Sociedade não foi afectado por esta alteração.

Estamos satisfeitos com o bom desempenho demonstrado pela Sociedade no decurso de 2009. Os resultados obtidos pela Sociedade foram a causa directa da qualidade dos serviços que foram prestados aos nossos clientes durante o ano passado.

Estamos confiantes de que a Sociedade será capaz de fornecer serviços de alta qualidade que vão continuar a melhorar o ambiente de Macau no futuro.

Gostaríamos de expressar o nosso agradecimento e reconhecimento aos nossos colaboradores pelo seu trabalho árduo e aos cidadãos de Macau pelo seu contínuo apoio

Macau, aos 25 de Março de 2010.

Mark Rudolf Christiaan Venhoek, presidente.

Relatório de Auditor Independente sobre Demonstrações Financeiras Resumidas

Para os accionistas da CSR Macau — Companhia de Sistemas de Resíduos, Limitada
(sociedade de responsabilidade limitada, registada em Macau)

Procedemos à auditoria das demonstrações financeiras da CSR Macau — Companhia de Sistemas de Resíduos, Limitada (a «Sociedade») relativas ao ano de 2009, nos termos das Normas de Auditoria e Normas Técnicas de Auditoria da Região Administrativa Especial de Macau. No nosso relatório, datado de 25 de Março de 2010, expressámos uma opinião sem reservas relativamente às demonstrações financeiras das quais as presentes constituem um resumo.

As demonstrações financeiras a que acima se alude compreendem a demonstração de posição financeira, à data de 31 de Dezembro de 2009, a demonstração de resultados, a demonstração de alterações no capital próprio e a demonstração de fluxos de caixa relativas ao ano findo, assim como um resumo das políticas contabilísticas relevantes e outras notas explicativas.

As demonstrações financeiras resumidas preparadas pela gerência resultam das demonstrações financeiras anuais auditadas a que acima se faz referência. Em nossa opinião, as demonstrações financeiras resumidas são consistentes, em todos os aspectos materiais, com as demonstrações financeiras auditadas.

Para a melhor compreensão da posição financeira da Sociedade e dos resultados das suas operações, no período e âmbito abrangido pela nossa auditoria, as demonstrações financeiras resumidas devem ser lidas conjuntamente com as demonstrações financeiras das quais as mesmas resultam e com o respectivo relatório de auditor.

Bao King To, Auditor de Contas
Ernst & Young — Auditores

Macau, aos 25 de Março de 2010.


COMPANHIA DE ELECTRICIDADE DE MACAU — CEM, S.A.

Balanço em 31 de Dezembro de 2009

(Patacas)

Demonstração de resultados do exercício findo em 31 de Dezembro de 2009

(Patacas)

Síntese da actividade

2009 foi um ano difícil devido à crise financeira global e à recessão a nível mundial. No plano positivo, o impacto global na China continental e em Macau foi mais suave do que noutras partes do mundo. De facto, assistimos a um crescimento moderado no consumo de energia eléctrica em 2009. O consumo total bruto atingiu os 3654 GWh, representando um aumento de 5% comparado com 2008. O pico da procura registou também um ligeiro crescimento de 2% em relação a 2008, atingindo os 666 MW.

Durante 2009 a tarifa média1 de electricidade decresceu 6%, comparada com 2008, sobretudo devido aos preços reduzidos do petróleo durante a primeira metade do ano, o que resultou num volume de vendas global de MOP 3 999 milhões em 2009, representando uma diminuição de 1,5% quando comparado a valores de 2008.

Devido à capacidade limitada de produção própria, a importação proveniente da China manteve-se como a principal fonte de energia, representando 61% do consumo total de energia eléctrica.

Levámos a efeito vários projectos de investimento, sobretudo no transporte e distribuição, para fazer face ao rápido desenvolvimento económico de Macau. O investimento total cifrou-se em MOP 806 milhões2 em 2009. O ponto alto deste plano foi a implementação da tecnologia de «Circuito Fechado» nas redes de média tensão na zona do NAPE, o que vai contribuir para uma ainda maior fiabilidade na área.

Para além disso, os projectos de uma segunda interligação com a Guangdong Power Grid — a interligação Lotus e a subestação de 220kV no Cotai, em conjunto com a interligação de 220kV Backbone («Espinha Dorsal» do Sistema de 220kV) já foram lançados. Estes serão os maiores investimentos na rede jamais feitos em Macau e são uma necessidade urgente para enfrentar o desenvolvimento de Macau, bem como para aumentar a fiabilidade do fornecimento de energia eléctrica. A dívida total da CEM no final do ano de 2009 totalizou MOP 1 007 milhões.

Em relação aos clientes, para dar resposta às necessidades crescentes daqueles que habitam nas Ilhas, em Dezembro de 2009 abrimos o novo Centro de Atendimento a Clientes da Taipa, que foi recebido com muito agrado pelas comunidades locais.

———
1
Cálculo da Energia Activa e Cláusula de Ajustamento da Tarifa.
2
Incluindo o investimento directo de terceiros e excluindo as flutuações cambiais.

Relatório e parecer do Conselho Fiscal

Ex.mos Senhores Accionistas,

O Conselho de Administração da Companhia de Electricidade de Macau — CEM, S.A., submeteu ao Conselho Fiscal, nos termos da alínea e) do art.º 26.º dos Estatutos da Empresa, para dar parecer, as Demonstrações Financeiras, o Relatório do Conselho de Administração e a Proposta de Aplicação de Resultados respeitantes ao exercício de 2009. Posteriormente foi também enviado o Relatório do Auditor Independente «PricewaterhouseCoopers» sobre as referidas demonstrações financeiras, que compreendem um balanço, uma demonstração de resultados, uma demonstração das variações do capital próprio e um mapa de origem e aplicação de fundos.

O Conselho Fiscal acompanhou, ao longo do ano, a actividade da empresa, tendo mantido contactos regulares com a Administração e dela recebido sempre e em tempo oportuno, a necessária colaboração e esclarecimentos.

Apreciados e devidamente analisados os documentos remetidos para parecer deste Conselho, constatou-se que os mesmos são suficientemente claros, reflectindo a situação patrimonial e económico-financeira da Companhia.

O Relatório do Conselho de Administração datado de 19 de Março de 2010, salienta a solidez financeira e técnica da Companhia. A Companhia continua a melhorar de forma eficaz as suas operações e a qualidade dos serviços prestados aos clientes. A Companhia continuou a intensificar a sua cooperação com outras empresas e entidades.

A opinião do Auditor Independente datada de 19 de Março de 2010, tida em devida conta pelo Conselho Fiscal, refere que os documentos de prestação de Contas apresentados, evidenciam de forma verdadeira, em todos os aspectos materiais a situação financeira da Companhia em 31 de Dezembro de 2009 e os resultados das operações e fluxos de caixa, referentes ao exercício findo naquela data, em observância às Normas de Relato Financeiro de Macau.

Face ao exposto, o Conselho Fiscal deliberou dar parecer favorável à aprovação dos seguintes documentos:

a. Demonstrações Financeiras do exercício de 2009;

b. Relatório do Conselho de Administração;

c. Proposta de Aplicação de Resultados formulada pelo Conselho de Administração.

Região Administrativa Especial de Macau, aos 22 de Março de 2010.

Tong Seak Kan, Michael Fernando M.C. Reisinho Lee Chi Tuen, Dick
(Presidente) (Vogal) (Vogal)

BANCO WENG HANG, S.A., MACAU

Balanço anual em 31 de Dezembro de 2009

MOP

* As Outras Reservas incluem uma reserva obrigatória no montante de 92 161 538 patacas. Porque o Banco adopta as Normas de Relato Financeiro de Macau na preparação das suas demonstrações financeiras anuais, as perdas de imparidade com base nas NIRF podem ser inferiores ao nível mínimo de provisões genéricas calculadas de acordo com o Aviso n.º 18/93 da AMCM (o nível mínimo). A referida reserva obrigatória representa, pois, a diferença entre o nível mínimo e as perdas de imparidade nos termos das NIRF (antes dos impostos diferidos de 12 567 485 patacas). Este mesmo montante, inscrito na linha «Dotações adicionais para provisões conforme RJSF» da Conta de Lucros e Perdas das contas resumidas, está reconciliado entre o «Lucro depois de impostos» e os «Resultados do ano» de acordo com as regras da AMCM na Conta de exploração das demonstrações financeiras auditadas anuais.

MOP

Demonstração de resultados do exercício de 2009

Conta de exploração

MOP

Conta de lucros e perdas

MOP

O Director e Gerente-Geral, O Chefe da Contabilidade,
Lee Tak Lim Lou Pou Hong

Inventário de participações financeiras

em 31 de Dezembro de 2009

MOP

Quadro a publicar ao abrigo do artigo 75.º do R.J.S.F.

Síntese do relatório das actividades

Dada a influência da crise financeira global, o sector financeiro de Macau sofreu um período muito difícil no primeiro semestre do ano 2009. Embora o Governo da China Continental tenha facilitado gradualmente a política de livre circulação desde o terceiro trimestre e seja de esperar uma recuperação no sector de jogo e turismo, é ainda muito prematuro determinar se a economia ao seu redor irá recuperar. Em 2009, este Banco registou um declínio moderado, tendo sido aos accionistas atribuído 231 milhões de patacas a título de lucros, o que, comparando com o valor de lucro apurado no ano de 2008, de 241 milhões de patacas, representa um decréscimo de 4,1%. O total do activo foi de 19 951 mil milhões de patacas e o património líquido dos sócios foi de 1 572 milhões de patacas, o que, comparando com o ano 2008, representa respectivamente um aumento de 4,3% e 12,8%. A média do retorno de lucro no activo e a média do retorno de capital dos sócios são respectivamente 1,2% e 15,6%. O rácio de solvabilidade do presente Banco e do Grupo Weng Hang no final do ano 2009 tiveram taxas bastante superiores aos requisitos mínimos das normas internacionais.

No ano de 2009, depois do PIB local ter registado um forte declínio de 12,0% e 15,8% nos primeiros dois trimestres do período de crise financeira, impulsionado pelo sector de jogo e turismo, no terceiro e quarto trimestre recuperou o crescimento atingindo respectivamente 8,8% e 27,4%, registando-se uma taxa de crescimento real anual de 1,3%. Apesar da instabilidade do ambiente económico ter causado uma taxa de desemprego, que era de 3% antes da crise financeira, para um aumento máximo de 3,8%, a taxa ainda se manteve num nível relativamente saudável, pelo que não criou um grave impacto à sociedade. Entretanto, além do efeito positivo sobre o mercado de trabalho decorrente da conclusão dos novos projectos de entretenimento relacionados com o sector do jogo e retoma de trabalho, também contribuíram os sectores de fornecimento de serviços complementares relacionados com o jogo.

No aspecto de negócio, o nosso banco lançou com sucesso vários tipos de planos de poupança de depósitos bem recebidos pelos clientes, o qual aumentou em 12,7% os depósitos no banco este ano, um desempenho que superou as expectativas do mercado. Embora a necessidade de empréstimo das empresas tenha diminuído, devido à dificuldade registada no meio económico, o total de empréstimos do banco decresceu 4,1% até aos 11 mil milhões, mas com a enriquecida experiência e eficácia do nosso Banco na ajuda aos clientes para solicitar um plano de subsídio de juros do governo, o Banco concentrou-se este ano na satisfação das necessidades dos seus clientes ao crédito de habitação e o negócio de empréstimo por hipoteca registou um aumento de dois dígitos. Ainda, apesar da recessão económica e com o nosso cumprimento rigoroso dos princípios de prudência na concessão de crédito, continua, ainda assim, a ser grande a qualidade do crédito concedido, tendo a taxa de incumprimento, face à totalidade do crédito concedido, no fim do ano de 2009, registado um valor baixo de 0,24%.

Embora o valor da transacção dos títulos no mercado de bolsa de Hong Kong tenha diminuído este ano, o nosso Banco, com o habitual eficiente serviço e com o lançamento do programa popular de IPO online, atraiu com sucesso novos clientes, tendo as receitas provenientes das comissões decorrentes da compra e venda dos títulos continuado a registar um aumento de 35,5% comparando com o ano anterior. O Banco irá continuar a fortalecer a plataforma online, para providenciar o serviço de investimento de títulos com mais eficiência, facilidade e qualidade. Apesar da actividade de gestão de riqueza ter passado um ano financeiro crítico, o que causou um considerável declínio de receita, o Banco prevê uma melhoria de negócio para 2010.

No aspecto do mercado imobiliário, a instabilidade da economia externa afectou fortemente o ambiente de investimento no início do ano 2009. Mas com a implementação e introdução de várias medidas favoráveis ao desenvolvimento estável do mercado imobiliário, incluído a diminuição do imposto de selo sobre imóveis, garantia sobre a primeira aquisição de imóveis e subsídio nos juros. Está prevista a recuperação do mercado imobiliário de habitação com baixo/médio custo. Também, devido ao ambiente favorável à política monetária a implementar pelo governo local, bem como o baixo juro praticado, origina um fluxo de capitais estrangeiros no mercado de imobiliário de luxo. Apesar do aumento acentuado do preço dos imóveis, e em comparação com os indicadores dos empréstimos por hipoteca do mercado imobiliário de habitação com custo médio/baixo, permaneceram ainda numa margem aceitável. A tendência futura do mercado imobiliário, para além de se observar o tempo e o aumento da margem da taxa de juro, com a não interferência governamental das diferentes entidades reguladoras locais no mercado, bem como a inflação prevista, também é crítica para a recuperação económica continuar a manter-se e para o mercado conseguir absorver a grande quantidade de oferta de habitação que se irá concluir brevemente.

O Banco, actualmente, tem 12 agências bancárias incluindo a sede. Até ao final de Dezembro de 2009, o Banco Weng Hang Macau recrutou um total de 428 empregados, e o Grupo Weng Hang recrutou um total de 3 093 empregados.

A sede do Banco Weng Hang Hong Kong, no ano 2007 criou a subsidiária de Banco Weng Hang (China) Limitada, para fornecer o servi-ço completo da moeda RMB. Actualmente o Banco Weng Hang (China) para além de ter instalado uma Sucursal de Investimento em Shenzhen, a sua rede inclui ainda as 4 sucursais e 5 agências bancárias em Shenzhen, Guangzhou, Xangai e Zhuhai. Beneficiando pelo disposto no Protocolo Suplementar 6 do Acordo de Estreitamento das Relações Económicas e Comerciais, a agência do grupo em Foshan abriu já no mês de Março de 2010. Com a progressiva exploração e aperfeiçoamento nas redes de agências, o Banco espera que aproveitar esta rede do grupo para fornecer aos clientes um melhor e mais rápido serviço nas actividades com China Continental.

O nosso Banco, sendo uma instituição financeira com uma base sólida em Macau, sempre assumiu a sua responsabilidade social. Apesar das dificuldades da economia, continua a proporcionar um ambiente de trabalho bom e estável aos seus trabalhadores. Ao mesmo tempo, o Banco também irá cooperar com a sociedade com todas as suas capacidades. Por exemplo, o Banco entende perfeitamente que os jovens são o futuro da sociedade, e por isso, durante 5 anos, realizou o “Programa de Elite Académica” com mais de 20 escolas primárias e secundárias abrangidas, ofereceu até agora mais que 500 prémios e bolsas de estudo, com o fim de incentivar os alunos a ter notas excelentes. O Banco também já estabeleceu uma Comissão de Responsabilidade Social Corporativa, com o objectivo de investir mais recursos e esforços no ambiente de trabalho dos seus trabalhadores, protecção ambiental, serviços de sociais e outros.

Olhando para o futuro, apesar da economia global ter estabilizado, o ambiente de negócio no ano 2010 continua cheio de desafios. A não interferência da China e dos Estados Unidos no mercado e a dívida dos governos da Europa trouxeram factores incertos à economia global. Se acontecer a reversão súbita do fluxo de capitais, pode conduzir ao ajustamento no mercado financeiro e juros e assim irá causar flutuações. Porém, a China Continental possui melhores condições no combate à crise financeira global. Com o 11.º Plano Quinquenal irá avançar a integração do Delta do Rio das Pérolas, a construção da ponte Hong Kong – Zhuhai – Macau, a rede ferroviária interurbana do Delta do Rio das Pérolas, a exploração da ilha Hengqin, também proporcionam condições favoráveis ao desenvolvimento futuro de Macau no transporte e nos recursos urbanos. Neste grande ambiente espera-se que a economia de Macau tenha um desenvolvimento estável.

No fim, aproveito esta oportunidade para agradecer os esforços de todos trabalhadores. Em nome de todos os membros do Conselho de Administração, agradeço o apoio contínuo dos clientes.

O Presidente do Conselho de Administração,
Fung Yuk Bun Patrick.

Aos 27 de Março de 2010.

Síntese do parecer dos auditores externos

Para os accionistas do Banco Weng Hang, S.A.
(Sociedade anónima constituída em Macau)

Procedemos à auditoria das demonstrações financeiras do Banco Weng Hang, S.A. relativas ao ano de 2009, nos termos das Normas de Auditoria e Normas Técnicas de Auditoria da Região Administrativa Especial de Macau. No nosso relatório, datado de 27 de Março de 2010, expressámos uma opinião sem reservas relativamente às demonstrações financeiras das quais as presentes constituem um resumo.

As demonstrações financeiras a que acima se alude compreendem o balanço, à data de 31 de Dezembro de 2009, a demonstração de resultados, a demonstração de alterações no capital próprio e a demonstração de fluxos de caixa relativas ao ano findo, assim como um resumo das políticas contabilísticas relevantes e outras notas explicativas.

As demonstrações financeiras resumidas preparadas pela gerência resultam das demonstrações financeiras anuais auditadas e dos livros e registos do banco. Em nossa opinião, as demonstrações financeiras resumidas são consistentes, em todos os aspectos materiais, com as demonstrações financeiras auditadas e os livros e registos do banco.

Para a melhor compreensão da posição financeira do banco e dos resultados das suas operações, no período e âmbito abrangido pela nossa auditoria, as demonstrações financeiras resumidas devem ser lidas conjuntamente com as demonstrações financeiras das quais as mesmas resultam e com o respectivo relatório de auditoria.

Lei Iun Mei, Auditor de Contas
KPMG

Macau, aos 27 de Março de 2010.

Parecer do Conselho Fiscal

O balanço, a demonstração de resultados e a conta de exploração e lucros e perdas deste Banco, respeitantes ao exercício do ano findo em 31 de Dezembro de 2009, foram elaborados nos termos da lei bancária e auditados pela KPMG e segundo o nosso Parecer, as mesmas corresponderam às regras de contabilidade bancária, sendo, portanto, documentos suficientes para mostrar a situação financeira real deste Banco até 31 de Dezembro de 2009, e o lucro apurado do exercício que terminou nesta data.

A Presidente do Conselho Fiscal,
Lo Wai Ching Maggie.

Macau, aos 27 de Março de 2010.

BANCO WENG HANG, S.A., MACAU
Lista dos accionistas qualificados:
Wing Hang Bank Ltd.
Constituída em Hong Kong
Nomes dos titulares dos órgãos sociais:
Conselho de Administração
Sr. Fung Yuk-Bun Patrick, presidente
Sr. Frank John Wang, administrador
Sr. Fung Yuk-Sing Michael, administrador
Sr. Ho, Louis Chi-Wai, administrador
Sr. Lee Tak-Lim, administrador
Sr. Yuen Sui-Chi Stanley, administrador
Sr. Leung Chiu-Wah, administrador
Conselho Fiscal
Sr.ª Lo Wai-Ching Maggie, presidente
Sr. Wong Chun-Kau Stephen, membro
Sr. Tse Hau-Yin, membro
Assembleia Geral
Sr. Kwok Man-Cheung, presidente
Sr. Lee Tak-Lim, vice-presidente
Sr. Ho, Louis Chi-Wai, secretário
Sr. Yuen Sui-Chi Stanley, secretário
Sr. Fung Yuk-Sing, Michael, vice-secretário
Sr. Leung Chiu-Wah, vice-secretário

CITIC BANK INTERNATIONAL LIMITED — SUCURSAL DE MACAU

(Publicações ao abrigo do artigo 76.º do RJSF, aprovado pelo Decreto-Lei n.º 32/93/M, de 5 de Julho)

Balanço anual em 31 de Dezembro de 2009

MOP

MOP

MOP

Demonstração de resultados do exercício de 2009

Conta de exploração

MOP

Conta de lucros e perdas

MOP

Gerente-Geral, Sucursal de Macau,
Henry Brockman
O Chefe da Contabilidade,
Lao Kam Iao

Síntese do Relatório de Actividade

No segundo semestre de 2009, a economia mundial começou a mostrar sinais de recuperação, embora de forma irregular. Devido ao apoio decorrente da robusta política económica do Governo Central da China, a economia de Macau voltou a crescer no quarto trimestre do ano passado, tendo o número de visitantes e investimentos internos também aumentado. Ao mesmo tempo, irão surgir enormes oportunidades de crescimento para Macau em diversificar a sua economia, integrar-se ainda mais na região do Delta do Rio das Pérolas, assim como envolver-se no desenvolvimento da Ilha da Montanha.

A alteração do nome do Banco para CITIC Bank International Limited («CBI»), marca a integração da actividade bancária comercial do grupo CITIC numa única empresa e reforça o objectivo do Banco em se tornar na «China Bank of Choice» (O Banco Preferido na China), desenvolvendo, ao mesmo tempo, o seu papel como a plataforma bancária internacional da China CITIC Bank. Em Macau, o Banco irá retomar o desenvolvimento do seu negócio aumentando a carteira de empréstimos de alta qualidade, bem como o potencial dos seus produtos denominados em RMB, de modo a aproveitar as oportunidades decorrentes do papel de Macau na promoção da internacionalização do RMB.

Em 2009, as actividades bancárias na área de banca de empresas registaram um prejuízo líquido de MOP 19,4 milhões, devido a empréstimos a mutuários baseados em Hong Kong, resultando, por sua vez, na necessidade de constituir certas provisões pela sucursal de Macau. Todavia, com excepção desta ocorrência excepcional, o respectivo desempenho global continuou a melhorar, tendo o banco registado um lucro operacional antes de imposto e provisões de MOP 18,4 milhões — um crescimento de 44% em relação ao ano anterior — enquanto que diminuímos os adiantamentos aos clientes para MOP 740 milhões, de modo a permitir um crescimento mais estável em 2010.

Queremos exprimir os mais sinceros agradecimentos ao Governo da Região Administrativa Especial de Macau, bem como ao nosso pessoal, clientes e instituições financeiras homólogas, pelo apoio e espírito de cooperação que nos foi atribuído durante o ano passado.

Henry Brockman
Gerente-Geral, Sucursal de Macau

Síntese do parecer dos auditores externos

Para a gerência do CITIC Ka Wah Bank Limited, Sucursal de Macau
(Sucursal de um banco comercial de responsabilidade limitada, incorporado na Região Administrativa Especial de Hong Kong)

Procedemos à auditoria das demonstrações financeiras do CITIC Ka Wah Bank Limited, Sucursal de Macau relativas ao ano de 2009, nos termos das Normas de Auditoria e Normas Técnicas de Auditoria da Região Administrativa Especial de Macau. No nosso relatório, datado de 7 de Maio de 2010, expressámos uma opinião sem reservas relativamente às demonstrações financeiras das quais as presentes constituem um resumo.

As demonstrações financeiras a que acima se alude compreendem o balanço, à data de 31 de Dezembro de 2009, a demonstração de resultados, a demonstração de alterações na conta da sede e a demonstração de fluxos de caixa relativas ao ano findo, assim como um resumo das políticas contabilísticas relevantes e outras notas explicativas.

As demonstrações financeiras resumidas preparadas pela gerência resultam das demonstrações financeiras anuais auditadas e dos livros e registos da sucursal. Em nossa opinião, as demonstrações financeiras resumidas são consistentes, em todos os aspectos materiais, com as demonstrações financeiras auditadas e os livros e registos da sucursal.

Para a melhor compreensão da posição financeira da sucursal e dos resultados das suas operações, no período e âmbito abrangido pela nossa auditoria, as demonstrações financeiras resumidas devem ser lidas conjuntamente com as demonstrações financeiras das quais as mesmas resultam e com o respectivo relatório de auditoria.

Lei Iun Mei, Auditor de Contas
KPMG

Macau, aos 7 de Maio de 2010.


THE BANK OF EAST ASIA, LIMITED, SUCURSAL DE MACAU

Balanço anual em 31 de Dezembro de 2009

MOP

MOP

* As Outras Reservas incluem uma reserva obrigatória no montante de 20 121 376,09 patacas. Porque a sucursal adopta as Macau Financial Reporting Standards («MFRS») na preparação das suas demonstrações financeiras anuais, as perdas de imparidade com base nas MFRS podem ser inferiores ao nível mínimo de provisões genéricas calculadas de acordo com o Aviso n.º 18/93 da AMCM (o nível mínimo). A referida reserva obrigatória representa, pois, a diferença entre o nível mínimo e as perdas de imparidade nos termos das MFRS (antes dos impostos diferidos de 2 743 824 patacas). Este mesmo montante, inscrito na linha «Dotações adicionais para provisões conforme RJSF» da Conta de Lucros e Perdas das contas resumidas, está reconciliado entre o «Lucro depois de impostos» e os «Resultados do ano de acordo com as regras da AMCM» na Conta de exploração das demonstrações financeiras auditadas anuais.

MOP

Demonstração de resultados do exercício de 2009

Conta de exploração

MOP

Conta de lucros e perdas

MOP

O Gerente-Geral da Sucursal de Macau,
Wong Chun Kwan
O Chefe da Contabilidade,
Kong Chi Wai

Síntese do relatório de actividade

Desde Março do ano 2009, a economia global tem vindo a recuperar lentamente após o tsunami financeiro de 2008 e no segundo semestre do mesmo ano, a economia global começou a aumentar novamente. A economia de Macau foi beneficiada pela recuperação global e está aumentando estabilizadamente.

No ano 2009 os negócios do Banco continuaram a aumentar, empréstimos aos clientes e depósitos aumentaram 8% e 27%, respectivamente, comparado com o ano anterior.

A fim de oferecer um melhor serviço aos nossos méritos clientes, o nosso Banco lançou «Cyberbanking», «Security Cybertrading» e produtos de serviços de seguro em 2009.

No ano 2010, ainda mantém grande desafio na economia de Macau. O nosso Banco vai agarrar oportunidades para expandir diferentes negócios bancários, por outro lado, o nosso Banco vai expandir a nossa rede para prover serviços financeiros mais convenientes, profissionais e compreensivos aos nossos clientes, empresas e sociedades em Macau.

The Bank of East Asia, Limited, sucursal de Macau.

O Gerente-Geral,
Wong Chun Kwan

Síntese do parecer dos auditores externos

Para a gerência do Banco da East Asia, Limitada — Sucursal de Macau
(Sucursal de um banco comercial de responsabilidade limitada, incorporado na Região Administrativa Especial de Hong Kong)

Procedemos à auditoria das demonstrações financeiras do Banco da East Asia, Limitada — Sucursal de Macau relativas ao ano de 2009, nos termos das Normas de Auditoria e Normas Técnicas de Auditoria da Região Administrativa Especial de Macau. No nosso relatório, datado de 19 de Maio de 2010, expressámos uma opinião sem reservas relativamente às demonstrações financeiras das quais as presentes constituem um resumo.

As demonstrações financeiras a que acima se alude compreendem o balanço, à data de 31 de Dezembro de 2009, a demonstração de resultados, a demonstração de alterações nas reservas e a demonstração de fluxos de caixa relativas ao ano findo, assim como um resumo das políticas contabilísticas relevantes e outras notas explicativas.

As demonstrações financeiras resumidas preparadas pela gerência resultam das demonstrações financeiras anuais auditadas e dos livros e registos da sucursal. Em nossa opinião, as demonstrações financeiras resumidas são consistentes, em todos os aspectos materiais, com as demonstrações financeiras auditadas e os livros e registos da sucursal.

Para a melhor compreensão da posição financeira da sucursal e dos resultados das suas operações, no período e âmbito abrangido pela nossa auditoria, as demonstrações financeiras resumidas devem ser lidas conjuntamente com as demonstrações financeiras das quais as mesmas resultam e com o respectivo relatório de auditoria.

Lei Iun Mei, Auditor de Contas
KPMG

Macau, aos 19 de Maio de 2010.


[ Página Anterior ][ Versão Chinesa ]

   

 < ] ^ ] 

    

Versão PDF optimizada para Adobe Reader 7.0 ou superior.
Get Adobe Reader