Número 23
II
SÉRIE

Quarta-feira, 4 de Junho de 2008

REGIÃO ADMINISTRATIVA ESPECIAL DE MACAU

      Anúncios notariais e outros

第 一 公 證 署

證 明

澳門營養師協會

為公佈的目的,茲證明上述社團的設立章程文本自二零零八年五月二十六日起,存放於本署的社團及財團存檔文件內,檔案組1號49/2008。

澳門營養師協會

組織章程

第一章

總則

第一條——會名︰本會名稱中文為“澳門營養師協會”,英文名稱為“Macau Nutritionist Association”。

第二條——會址︰澳門瘋堂新街10號新豐大廈地下A舖。

第三條——宗旨︰提倡營養學之研究與實踐、舉辦營養科學學術演講及討論,藉以促進人們健康,並謀營養學事業之發展。

第四條——經費︰會員繳交之會費、政府有關單位及社會熱心人士之支持、及自協會活動的所有收入。

第二章

組織架構

第五條——本會組織架構分為︰會員大會、理事會、監事會。

第六條——本會得設永遠會長,並據實際情況聘請顧問、名譽會長,指導會務發展。

第七條——會員大會︰由全體會員組成,是本會最高權力之機構,可制定和修改會章,並根據實況推薦或罷免本會所架設成員,審議理事會和監事會的工作報告和財政報告。

1. 會員大會設主席一名、副主席二名、秘書一名,由會員大會推選產生,任期二年,可透過選舉得連任。當主席或召集人空缺時,在會員大會補選填補。

2.會員大會每年最少召開二次,需提前14日以書面通知會員召開;特別會員大會則由大會主席提出、或理事會提出、或三分之二以上會員提出召開。

3. 首次會員大會要有二分之一大多數之會員通過,才可決議。

4. 會員大會之決議取決於出席會員之絕對多數票,修改章程之決議更須出席會員四分之三贊同才可通過。

第八條——理事會︰為本會執行機關,設有︰理事長、副理事長、秘書、財務、營養專員,共不少於十人,總人數必須為單數,在會員大會內選出,任期二年,可透過選舉連任。

1. 理事會按實際情況召開大會。

2. 於每週年召開之會員大會上,出示會務報告,財務報告及年度活動計劃,以便大會通過。

3. 按會務需要向會員大會建議修改本會章程。

4. 制定會員的入會費及年費。

5. 理事會每三個月召開,由理事長或副理事長主持。會議出席人數需要過半數列席簽到方可作決議。

第九條——監事會︰設監事長一名,監事若干名,人數不少於三人,總人數必須為單數,在會員大會內選出,任期二年,可透過選舉連任。

1. 監督理事會運作。

2. 查核社團之財政。

3. 就監察活動編制年度報告。

第三章

會員

第十條——會員︰從事營養保健範疇,或對營養保健有興趣的本澳合法居民,其本人意願,經理事會同意,辦妥入會手續,成為本會會員。

1. 按期繳交會費,遵守本會章程。

2. 就會務的實況各理事會提出動議。

3. 在其意願下,選舉或被選舉,出任管理架構職務。

4. 參與本會所舉辦的各類活動,享受本會設定之福利,協助會務完成。

第四章

附則

第十一條——本會章程解釋權屬理事會。

第十二條——任何成員被確證違反法律,損害本會聲譽,由理事會聯席監事會的議決並簽署確認可開除會籍。

第十三條——會徽

二零零八年五月二十六日於第一公證署

代公證員 李玉蓮 Isabel Dillon Lei do Rosário


第 一 公 證 署

證 明

澳門浸信宣道會頌望堂

為公佈的目的,茲證明上述社團的設立章程文本自二零零八年五月二十三日起,存放於本署的社團及財團存檔文件內,檔案組1號48/2008。

澳門浸信宣道會頌望堂

章程

第一章

名稱、會址及宗旨

第一條——名稱

本堂會定名為:中文名稱為“澳門浸信宣道會頌望堂,葡文名稱為“Igreja de Grande Esperança da Associação Evangélica Baptista de Macau”,英文名稱為“Macau Conservative Baptist Great Hope Church”,以下簡稱「本堂會」。

第二條——會址

一、本堂會會址設於澳門黑沙環海邊馬路錦繡花園3樓A,B,J座;經理事會決議,可將會址遷往澳門任何地區。

二、經會員大會決議,本堂會可以把會址遷往其它地方以及在其他地方、地區或者國家開立分會和任何形式的辦事處。

第三條——存續期

本堂會成立之日開始存在,其存續期無限制。

第四條——宗旨

一、本堂會為一非牟利性質之基督教團體,宗旨為傳揚福音、領人歸主、牧養信徒、聯絡會員、服務社會,完成耶穌基督所付託之使命。信仰大綱為:

1. 信聖父、聖子、聖靈三位一體獨一真神。

2. 信神是宇宙萬物之主宰,信徒之天父。

3. 信耶穌基督是道成肉身為童貞女所生,釘身十字架,流血贖罪,死後三日復活、升天、再來、審判活人死人,為拯救人類之救主。

4. 信聖靈是啟迪感化眾人,安慰幫助教導信徒之保惠師。

5. 信全部聖經是神所默示。

6. 信人因始祖亞當犯罪墮落在罪惡過犯之中,不能自救。

7. 信救恩乃神白白賜予凡接受耶穌基督為救主,認罪悔改,由聖靈重生而進入神國者。

二、為貫徹上述宗旨,本堂會可按基督教教義開辦和支持宗教或教育活動,向社會提供慈惠和/或社會服務。

第二章

會員資格

第五條——會員資格

會員數目不限,分為下列兩種:

1. 基本會員:凡蒙聖靈光照,知罪悔改,誠心相信主耶穌為其救主, 常到本堂聚集。經本堂會主任牧師/傳道人考合格,會員大會按規章通過接納,在本堂會接受浸禮者,即為本堂會基本會員。

2. 過會會員:倘屬其他教會之信徒,與本堂會具同一信仰受過洗者,而願意遵守本堂會會章之基督徒,得憑其本人之申請書或其母會之同意書申請過會。經會員大會通過及接納,即為本堂會會員。

第六條——權利和義務

1. 所有會員均可參加會員大會,有選舉權;但被選舉權只屬年滿十八年歲且在該次選舉前三個月內出席本堂會主日崇拜超過半數之會員所有。

2. 經理事會提名,會員大會可批准非屬上條所指之人士加入會員大會。

3. 所有會員須遵守本堂會章程、內部規章及本堂會之內部決議,履行應盡之責任。

第七條——紀律

一、本堂會會員如在行為上有違背聖經真理、玷辱基督聖名及聖教會聲譽、不遵從本堂會所依循的原則,經理事會屢勸仍不悔改,經理事會按聖經的教導及情節輕重依照下列辦法處理之:

1. 解除聖職;

2. 停止聖餐。

二、倘經全體理事會成員過半數決議認為有關情節屬非常嚴重,可開除其會籍。

第八條——凡經本堂會開除會籍之會員,如真心悔改,須經半年以上顯著之行動證明,然後由理事會討論應否恢復其應享之權利。但恢復會籍須提交會員大會通過。

第三章

組成機關

第一節

第九條——組成機關

本堂會設有會員大會、理事會和監事會。各機關成員於會員大會選舉中產 生,其任期為兩年,可以連任兩次。本堂會之牧師及傳道人不在此限。

第二節

會員大會

第十條——組成

1. 會員大會是由全體會員所組成,其決議在本章程及法定範圍內具有最高權力。

2. 會員大會設有一位會長,一位副會長及一位秘書;會長由理事長兼任。

第十一條——召集及運作

1. 會員大會會議由會長召集及主持。

2. 會員大會每年最少舉行一次會議,由會長最少提前八日以掛號信通知每一位會員,或最少提前八日透過簽收方式來召集,通知信應列明日期、時間、會議地點及議程。

3. 如遇特別事故,得應理事會之要求或應不少於三分之一會員以正當目的提出要求時,亦得召開特別會員大會。

4. 屬第一次召集之會員大會,出席會員之數目必須達到半數,會員大會方可作出決議。若在預定開會時間時,出席會員不足半數,可召集第二次會員大會,但兩次會員大會必須相隔八天,屆時不論出席人數多少,會員大會均可合法及有效地作出決議,在一切法律效力,此次會議視為第二次召集之會員大會。

5. 倘會員未能出席會議,可委託他人代表其出席並作出表決,為此,該會員須於會前提交一份經其簽署的致理事會主席之信函,該信函視作有關意定代理之足夠證明文件。

6. 決議取決於出席會員之過半數票,但不影響以下各款規定之適用:

1. 修改章程之決議,需獲出席會員四分之三之贊同票。

2. 解散本堂會之決議,需獲五分之四之全體會員之贊同票。

第十二條——會員大會之職能

會員大會之職能:

1. 選出理事會成員,以負責處理會員大會休會期間之一切會務;

2. 選出監事會成員;

3. 通過理事會提交之報告書、帳目及財政預算;

4. 通過本堂會各機關成員之解任;

5. 通過本堂會之牧師、傳道及職員之聘任及解僱;

6. 章程之修改;←

7. 決定本堂會之解散。

第三節

理事會

第十三條——組成

1. 理事會由不少於五位但不多於十五位的單數成員所組成,成員由本堂會之牧師、傳道、及直接監督本堂會事工的受薪同工和其他經上一屆理、監事會提名並由會員大會選舉產生的理事所組成,任期為兩年,可連任。

2. 理事會設有一位理事長、一位副理事長、一位秘書、一位司庫、及若干理事。

1. 理事長由理事會成員中選任,負責督導一切事工,主持會議。

2. 副理事長由理事中選任,協助理事長,處理會務,並於理事長不能視事時,代行理事長的職務。

3. 除理事長已有規定外,理事會其他各職得由理事會互選任之。

4. 在理事會屬下,可按會務需要分設事工。

第十四條——召集及運作

1. 理事會自理事長召集,且要有過半數據位人出席時,方可議決事宜。

2. 理事會決議取決於出席據位之過半數票,理事長除本身之票外,遇票數相同時,有權再投一票。

第十五條——理事會之職能

1. 通過對本堂會運作有需要之內部規章;

2. 於會員大會休會期間,處理本堂會之一切會務;

3. 每月開會一次,執行會員大會之決案;

4. 籌措經費,制訂預算,推進各項事工;

5. 訂定及終止符合澳門特別行政區現行法律之勞動合同;

6. 如有特別需要,得由理事長召開特別理事會會議。

第四節

監事會

第十六條——組成及會議

1. 監事會由三人組成,經上一屆理、監事會提名,由會員大會選舉產 生,任期為兩年,可連任;

2. 監事會設有一位監事長、一位副監事長、一位秘書,各成員由監事會互選產生;

3. 平常會議每年召開一次;

4. 監事會由監事長召集。

第十七條——監事會之職能

對理事會之工作、財政預算、帳目及報告書等提出意見及監督。

第四章

經費及財產

第十八條——捐贈及奉獻

1. 本堂會之經費來自捐款、捐獻、服務及其他資助等。

2. 為執行本堂會之活動,本堂會可接受一切與本堂會性質相容之捐贈及奉獻為本堂會經費來源。

3. 凡違背聖經教訓之籌款方法,均不應採用。如有特別募捐之舉,需經理事會通過,方得舉行。

4. 所有向本堂會作出之捐贈及奉獻均屬本堂會之財產。

第十九條——財產

1. 本堂會之財產由本堂會名下之動產及不動產所組成。

2. 經會員大會決議,本堂會可取得、處分、轉讓或令本堂會之不動產附上負擔。

第五章

解散

第二十條——規定

1. 本堂會之解散取決於五分之四全體會員於為此目的而舉行之會員大會通過之決議。

2. 在解散過程中,本堂會之財產及有價物經清算有關責任後將捐贈予本澳或以外地方之基督教機構或教會。會員大會並須為此指定有關之受益人。

二零零八年五月二十三日於第一公證署

代公證員 李玉蓮 Isabel Dillon Lei do Rosário


2.º CARTÓRIO NOTARIAL DE MACAU

CERTIFICADO

雅韻文化藝術協會

為公佈之目的,茲證明上述社團之章程已於二零零八年五月二十二日,存檔於本署之2008/ASS/M1檔案組內,編號為82號,有關條文內容如下:

第一章

總則

第一條——名稱:雅韻文化藝術協會;

第二條——宗旨:

本會為非牟利團體,以團結對文化藝術有興趣人士,推廣及交流各地文化藝術活動,愛國、愛澳,推動兩岸四地文化交流為宗旨。

第三條——本會經在澳門政府註冊為合法團體。

第四條——本會會址設在澳門黑沙環馬路11號A南方花園第十三座R/C+SL A。

第五條——經費:本會經費來源為會員會費、捐助、籌募或其他收入。

第二章

組織

第六條——本會的內部管理機構為:

1. 會員大會;

2. 理事會;

3. 監事會。

第七條——會員大會:

1. 會員大會為本會最高決策權力機構,有制定和修改會章,選舉理事會及監事會成員,決定本會性質及本會方針的權利;

2. 會員大會由全體會員參與組成,每年至少召開一次,出席人數不少於全體會員人數的二分一,若無法達到二分一,則半小時後不論出席人數多少,可再次召開會議,均為合法會議;

3. 會員大會可由理事會及監事會聯名召開特別會員大會;

4. 本會設會長一人,副會長二人,對外代表本會;對內參與會務,領導本會,正、副會長任期三年,可連選連任。

5. 理事會為本會執行機構,每年召開會員大會,執行會員大會決議處理一切有關會務,本會設理事長一人,副理事長二人,設秘書、財務等部門。理事會由單數成員組成,包括正、副理事長及各部門理事任期三年,可連選連任。

第八條——理事會:

1. 籌備召開會員大會;

2. 執行會員大會決議;

3. 向會員大會報告工作和財務狀況;

4. 理事會設理事若干人,由理監事會成員互選理事長一人,副理事長二人,並設秘書、財務、總務、康樂、聯絡、宣傳、技術、公關等部,各設部長一人及委員若干人(總人數必為單數);

5. 日常會務工作由理事長主持,副理事長協助,理事長缺席時由副理事長代表其職務。理事長對外代表本會,參加社會活動;

6. 理事會每屆三年,理事長不得連任超過兩屆。

第九條——監事會:

1. 監事會由會員大會選舉產生,向會員大會負責,在會員大會閉幕期間,監察理事會工作,並向會員大會報告;

2. 監事會可查核本會財政賬目;

3. 監事會可派出代表出席理事會會議,可發表意見,但無表決權;

4. 新一屆的監事會成員由應屆理事會及監事會聯合提名,交會員大會選舉產生;

5. 監事會由主席一名、副主席、監事若干名組成(其成員數目為單數);

6. 監事會任期為三年;

7. 監事會成員在任期內不能履行職務時,監事會主席得提名會員出任代之。

第三章

會員

第十條——贊同本會宗旨,願意遵守本會章程,由兩名會員介紹,經理事會批准,方可成為本會會員。

第十一條——會員有選舉及被選舉權,對會務建議和批評權,參與本會各項活動權和享有福利的權利。

第十二條——會員有遵守會章和決議、不損害本會聲譽、積極參與本會活動及繳交會費的義務。

第十三條——會員可自由退會。

第四章

附則

第十四條——名譽職務:理事會可按會務的需要,邀請社會知名人士或專業人士擔任名譽職務或顧問,任期由應屆理事會決定。

Está conforme.

Segundo Cartório Notarial de Macau, aos vinte e dois de Maio de dois mil e oito. — A Ajudante, Isabel Patrícia de Assis.


CARTÓRIO NOTARIAL DAS ILHAS

CERTIFICADO

澳門醫學科技研究協會

Macau Medical Science & Technology Research Association

為公布的目的,茲證明上述社團的設立章程文本自二零零八年五月二十八日起,存放於本署之“2008年社團及財團儲存文件檔案”第1/2008/ASS檔案組第35號,有關條文內容載於附件。

澳門醫學科技研究協會

章程

第一章

總則

第一條——名稱,性質及期限

本會名稱為“澳門醫學科技研究協會” (以下簡稱“本會”), 英文名稱為:Macau Medical Science & Technology Research Association, 簡寫MMSTRA,屬具有法人地位的非牟利社團,受本章程及澳門現行有關法律條款管轄;其存續不設期限。

第二條——會址

本會設於澳門南灣大馬路265號金麗閣三樓C單位。經理事會批准,本會會址可遷至澳門任何地方。

第三條——宗旨

一、促進會員之間的團結與交流;

二、關注政府各項醫藥生物科研政策;

三、促進本會會員參與醫藥生物科學技術研究;

四、為澳門培養和輸送科學技術研究人才;

五、促進會員國內外學術交流,提高會員的專業水準;

六、參與社會活動,服務社會。

第二章

會員

第四條——會員

一、凡認同本會宗旨,願意遵守本會章程,在澳門特別行政區工作之醫生,均可申請入會。

二、凡申請入會者,須填寫入會申請表,經理事會審查通過,方得成為會員。

三、理事會可按會務需要,邀請若干名榮譽會員及名譽顧問。

第五條——會員權利

一、參加會員大會;

二、享有選舉權及被選舉權;

三、對本會會務提建議及意見;

四、參與本會舉辦的一切活動及享有本會為會員所提供之一切福利;

五、退出本會。會員自願退會者,須以書面形式向理事會申請。

第六條——會員義務

一、遵守本會章程並執行本會的決議;

二、推動本會會務開展;

三、參與、支持及協助本會舉辦之各項活動;

四、按時繳納會費及其他應付費用;

五、不得作出任何有損本會聲譽的行動。

第七條——紀律處分

凡違反本會章程及參與損害本會聲譽或利益活動的會員將由理事會作出處分。

第三章

機關

第八條——機關

一、會員大會;

二、理事會;

三、監事會。

第九條——會員大會

一、會員大會為本會最高權力機構,由全體會員組成。

二、會員大會設主席一名, 副主席兩名(第一副主席及第二副主席),由會員大會選出,任期三年,得連選連任;

三、大會主席之主要職責為召集及 主持大會,如主席出缺,由副主席按序代行其職責;

四、每年召開一次平常會議,由理事長負責召開;在必要的情況下應理事會或不少於二分之一會員以正當目的提出之要求,亦得召開特別會議。

五、平常會議召集須以掛號信或書面簽收形式在八天前通知會員,該召集書內應註明會議召開的日期、時間、地點和議程。特別會議召集須以同樣形式提前四十八小時通知會員。

(1)第一次召集時,有最少一半會員出席,才能作出任何決議;

(2)召集通知書內可訂定若第一次召集的時間已屆,法定人數不足,則於半小時後視為第二次召集,屆時則不論出席之會員人數多少均視為有效。

第十條——會員大會職權

一、會員大會為本會最高權力機構,可制定和修訂會章,選舉和罷免理事會和監事會成員,決定本會會務方針及作出相應決議;

二、審議及通過理事會的工作報告和財務報告,以及監事會的相關意見書;

三、會員大會的一般決議以超過會員大會出席人數半數投票通過;

四、對修改會章、罷免當屆領導機構之成員、推翻以往會員大會決議,均須以四分之三的會員大會出席人數投票通過;

第十一條——理事會

一、理事會成員由會員大會選出,成員人數不能少於七人亦不能超過二十一人,其總數目必須為單數;

二、理事會設理事長一名,副理事長兩名,秘書長一名,司庫一名及理事若干名,任期三年,得連選連任;

第十二條——理事會職權

一、理事會是本會的代表機構,負責執行會員大會決議;

二、負責本會之日常管理;管控及監察本會之事務、活動、財產及資產,並且可以訂立規則、條例及指引,以達致擴展並推進本會或其他理事會認為合宜之目的。

三、主持及處理各項會務工作。當理事長因任何原因不能處理一般會務時,則由副理事長、秘書長等依次補上暫代;

四、向會員大會提交工作報告;

五、根據工作需要,決定設立專門委員會,並任免其領導成員。專門委員會的設立、組成與運作均受本章程及會員大會通過的內部規章規範;

六、本章程及法律規定的其他權限。

第十三條——理事會會議

一、理事會之會議至少每二月舉行一次,由理事長或兩名理事聯名召集。理事會會議的主持只能由理事長、副理事長及秘書長出任,如上述人員缺席,理事會成員可自行決定該次會議之主持人。

二、只有在過半數理事出席時方可作出決議。決議取決於出席理事之過半數票,理事長除本身之票外,遇票數相同時,有權再投一票。理事長有權否決理事會之決議,並自動把議案轉由會員大會表決。

三、本會之理事會成員可以通過視像會議方式、電話會議或其他類似之通訊方式,同時在不同地方參加理事會之會議。該等視像會議、電話會議或其他類似之通訊方式必須可以讓所有在不同地方出席會議之人士能適當參與會議及直接對話,而以此等形式參與會議等同親自出席會議。

第十四條——監事會

監事會由大會選出,成員人數由三人或以上組成,其數目必須為單數;任期三年,得連選連任。

第十五條——監事會職權

一、監察會員大會的決議的執行、監督理事會的運作;監察及保障本會的資產;

二、監督各項會務工作的進展;就其監察活動編制年度報告,提交會員大會審議。

第十六條——本會的簽名方式

一、關於具法律效力之行為,由理事長與任何一名其他理事會成員之共同簽名代表本會,但不妨礙理事會可議決指定檔之簽署方式。

二、本會的一般日常管理及所有不超過理事會決議所指定款額界限之支票、付款要求及本會之票據,可由理事長、司庫或其他理事會不時指定之其他人士單獨簽署。

第五章

附則

第十七條——經費及支出

本會經費來自管理本會資產所衍生的收益、推行會務所得收入、團體或個人不附帶任何條件的贊助及捐贈、合法資助以及其他合法收入。本會的支出由所有與本會宗旨一致的活動開支所組成,必須經理事會通過確認,並由本會之收入所負責。

第十八條——其他規條

本章程如有未盡善處,由會員大會修改或依照澳門現行法例處理。

第十九條——(會徽)

本會得使用會徽,其式樣見附件。

二零零八年五月二十八日於海島公證署

二等助理員 林志堅


CARTÓRIO PRIVADO

MACAU

CERTIFICADO

Por contrato celebrado no dia 28 de Maio de 2008, Iu Vai Pan (姚偉彬), Rui Paulo da Silva Martins, Zeng Lingliang (曾令良), Manuel Marcelino Escovar Trigo, Paulo Jorge Tavares Canelas de Castro, José Luís de Sales Marques, Maria Antónia Nicolau Espadinha, Filipa Delgado Lourenço, Tong Io Cheng, Aleksandar Pavkovic, Mok Kai Meng, Lou Silva Lap Hong e Joaquim Jorge Perestrelo Neto Valente, também conhecido por Jorge Neto Valente, constituíram uma associação sem fins lucrativos denominada Associação de Estudos sobre a União Europeia — Macau, em chinês, 澳門 —— 歐盟研究協會, que foi extraída neste Cartório do documento arquivado sob o n.º 1, a fls. 1, do maço n.º 1, de documentos autenticados de constituição de associações e de instituição de fundações, referente ao ano 2008,a qual se rege pelos seguintes Estatutos:

CAPÍTULO I

Da criação, fins, sede e âmbito da Associação de Estudos sobre a União Europeia — Macau

Artigo 1.º

Associação de Estudos sobre a União Europeia — Macau

A «Associação de Estudos sobre a União Europeia — Macau», abreviadamente designada por AEUEM, é uma pessoa colectiva, sem fins lucrativos, criada para promover o conhecimento da história, instituições, políticas, programas, questões e problemas da União Europeia e dos seus Estados-membros na Região Administrativa Especial de Macau.

Artigo 2.º

Fins

1. A AEUEM visa a promoção de estudos, ensino e investigação sobre a União Europeia e os seus Estados-Membros na Região Administrativa Especial de Macau.

2. Na prossecução dos seus fins, a AEUEM:

a) Promove o ensino e a investigação (universitários) sobre a integração europeia;

b) Coopera com outras Associações de Estudos Europeus e Universidades ou outras instituições de ensino superior, na área da integração europeia;

c) Desenvolve estudos na área da integração europeia e promove programas de investigação;

d) Organiza conferências, seminários e eventos da mesma natureza;

e) Promove redes de cooperação académica e o desenvolvimento de curricula e programas académicos;

f) Promove a difusão da informação respeitante a actividades universitárias relacionadas com o ensino e a investigação sobre a integração europeia, nomeadamente, através de publicações;

g) Apoia e promove a publicação de lições, artigos e trabalhos realizados no âmbito de actuação da AEUEM; e

h) Apoia instituições e o público nas matérias a que se refere o presente artigo.

3. A AEUEM capta e distribui financiamentos para as actividades promovidas no âmbito dos seus fins.

Artigo 3.º

Sede

A AEUEM tem a sua sede na Universidade de Macau.

Artigo 4.º

Âmbito de actuação

A AEUEM pode celebrar convénios, protocolos ou outros acordos com entidades da Região Administrativa Especial de Macau, nacionais ou estrangeiras, visando, nomeadamente, a realização de acções conjuntas no âmbito dos fins estatutários da associação.

CAPÍTULO II

Dos associados

Artigo 5.º

Associados

1. Podem ser associados da AEUEM, pessoas singulares e pessoas colectivas, com sede ou representação em Macau, de reconhecido mérito no âmbito dos fins estatutários, aprovadas em Assembleia Geral, sob proposta da Direcção, bem como, nos mesmos termos, pessoas que hajam dado à AEUEM contribuição especialmente relevante.

2. Podem ser ainda admitidas na AEUEM, na qualidade de associados honorários, com a aprovação da Assembleia Geral e sob proposta da Direcção, as pessoas singulares ou colectivas que, exercendo ou tendo exercido actividade de reconhecido interesse para a prossecução dos fins estatutários da AEUEM, sejam merecedoras de tal distinção.

Artigo 6.º

Perda da qualidade de associado

1. Perde-se a qualidade de associado:

a) Por vontade expressa do próprio, uma vez comunicada à Direcção;

b) Por falta de pagamento das quotas, nos termos a definir pela Assembleia Geral; e

c) Por exclusão, deliberada pela Assembleia Geral, após proposta fundamentada da Direcção ou a requerimento de, pelo menos, um terço dos associados.

2. São causas de exclusão de um associado:

a) O desrespeito reiterado dos seus deveres para com a AEUEM ou o não cumprimento injustificado das deliberações legalmente tomadas pelos órgãos da AEUEM; e

b) A adopção de uma conduta que contribua para o descrédito, desprestígio ou prejuízo da AEUEM.

3. A deliberação de exclusão de um associado só pode ser tomada se, na reunião, estiverem presentes, pelo menos, metade dos associados e se a proposta de exclusão for aprovada por dois terços dos votos expressos.

CAPÍTULO III

Dos órgãos da Associação

Artigo 7.º

Órgãos

1. São órgãos da AEUEM:

a) A Assembleia Geral;

b) A Direcção; e

c) O Conselho Fiscal.

2. O exercício dos cargos sociais não é remunerado.

3. Os membros dos órgãos sociais são eleitos pela Assembleia Geral para mandatos de dois anos, renováveis.

Artigo 8.º

Assembleia Geral

1. A Assembleia Geral é constituída por todos os associados e é dirigida por uma mesa composta por um Presidente e dois Vice-Presidentes.

2. Os membros da mesa são eleitos de entre os associados, competindo a qualquer um dos Vice-Presidentes substituir o Presidente nas suas faltas ou impedimentos.

3. A Assembleia Geral tem as competências definidas nos art.os 158.º e seguintes do Código Civil e nos presentes Estatutos.

4. O relatório e as contas de gerência do ano findo e o programa de actividades e o orçamento para o ano seguinte devem ser aprovados durante o mês de Janeiro.

Artigo 9.º

Direcção

A AEUEM é administrada por uma Direcção composta por um mínimo de três membros, sendo um Presidente e dois Vice-Presidentes.

Artigo 10.º

Competências da Direcção

1. Compete à Direcção da AEUEM:

a) Representar a associação, em juízo e fora dele;

b) Coordenar a actividade da associação de acordo com os fins definidos nos presentes Estatutos;

c) Dar cumprimento às deliberações da Assembleia Geral;

d) Propor à Assembleia Geral o montante das quotas a pagar pelos associados;

e) Elaborar e apresentar à Assembleia Geral o relatório e contas de gerência, bem como o programa de actividades e o orçamento para o ano seguinte; e

f) Administrar e gerir os fundos da associação.

2. Para que a AEUEM fique obrigada, é necessário que os respectivos documentos sejam assinados, pelo menos, por dois membros da Direcção.

Artigo 11.º

Conselho Fiscal

1. O Conselho Fiscal é constituído por um Presidente e dois Vice-Presidentes, eleitos de entre os associados, que escolherão entre si o Presidente.

2. O Presidente do Conselho Fiscal pode intervir, sem direito a voto, nas reuniões da Direcção, desde que esta o solicite.

CAPÍTULO IV

Das receitas da Associação

Artigo 12.º

Receitas da Associação

Constituem receitas da AEUEM:

a) As quotas dos associados;

b) O produto resultante dos serviços prestados, designadamente, o montante relativo à inscrição e propinas de seminários, cursos e eventos da mesma natureza;

c) Os resultados da venda de publicações;

d) As subvenções que lhe sejam concedidas, nomeadamente, pelas instâncias comunitárias;

e) Os subsídios, dotações, donativos, heranças, legados ou doações de pessoas colectivas ou singulares, públicas ou privadas, locais ou do exterior;

f) Os rendimentos provenientes de investimentos realizados com os seus bens próprios;

g) Os rendimentos dos bens, móveis ou imóveis, por si adquiridos, a título gratuito ou oneroso, bem como os que lhe advierem por qualquer título;

h) As quantias provenientes do reembolso de apoios financeiros concedidos no âmbito dos seus fins; e

i) Quaisquer outros que lhe sejam atribuídos por lei, contrato ou a qualquer outro título.

Cartório Privado, em Macau, aos vinte e nove de Maio de dois mil e oito. — A Notária, Maria de Lurdes Costa.


2.º CARTÓRIO NOTARIAL DE MACAU

CERTIFICADO

濠誠曲藝社

為公佈之目的,茲證明上述社團的章程之修改文本已於二零零八年五月二十二日,存檔於本署之2008/ASS/M1檔案組內,編號為81號,有關修改之條文內容如下:

第三條——會址:1. 設於黑沙環長壽大馬路樂富新村樂民樓13樓T座。

Está conforme.

Segundo Cartório Notarial de Macau, aos vinte e dois de Maio de dois mil e oito. — A Ajudante, Isabel Patrícia de Assis.


澳門華人銀行股份有限公司

試算表於二零零七年十二月三十一日

(更正)

總經理 會計主管
陳達港 廖國強

BANCO DE DESENVOLVIMENTO DE CANTÃO

Balancete do razão em 31 de Dezembro de 2007

Presidente,
Guo ZhiHang
A Chefe da Contabilidade,
Lucia Cheang

BANCO CHINÊS DE MACAU, S.A.

(Publicação ao abrigo do artigo 75.º do RJSF, aprovado pelo Decreto-Lei n.º 32/93/M, de 5 de Julho)

Balanço anual em 31 de Dezembro de 2007

MOP

MOP

Nota: Na «Outras Reservas» está incluída provisões genéricas de MOP 1 148 000,00 constituídas em cumprimento das regras do Aviso n.º 18/93-AMCM; entretanto, na «Dotações adicionais para provisões conforme RJSF» está incluída um valor de MOP 385 000,00 correspondente à diferença entre as provisões genéricas constituídas em 2006 e 2007.

MOP

Demonstração de resultados do exercício de 2007

Conta de exploração

MOP

Conta de lucros e perdas

MOP

O Administrador,
Chan Tat Kong
O Chefe da Contabilidade,
Lio Kuok Keong

Macau, aos 17 de Março de 2008.

Nota: O balanço anual e a demonstração de resultados do exercício foram preparados a partir dos registos contabilísticos auditados.

Síntese do relatório de actividade

para o exercício findo em 31 de Dezembro de 2007

O Conselho de Administração tem o grande prazer de levar ao conhecimento público o Relatório das Actividades com data de 31 de Dezembro de 2007, inclusivé. No ano em análise, o valor do lucro a que os accionistas têm direito, foi apurado em MOP 7 351 634,00. O ano de 2007 foi dado por findo com os seguintes resultados de balanço: Primazia dos sectores de turismo e de jogos de fortuna ou azar no processo de desenvolvimento económico de Macau; Verificação da falta e escassez dos trabalhadores qualificados no sector de serviços e aumento de fuga de mão-de-obra, de que resultou a inevitável subida de custos de exploração do Banco. Apesar de ter sido registado um aumento significativo do rendimento proveniente do serviço de títulos, a diferença de juros resultante de empréstimos foi reduzida devido à forte concorrência entre as diversas instituições bancárias.

No 4.º trimestre do ano passado, verificou-se a tendência para a instabilidade da economia mundial. Ainda assim, o ano de 2007 foi considerado o mais próspero em Macau. De 2006 a 2007, a taxa de desemprego em Macau desceu de 3,7% para 2,9%. O valor de Produto Bruto Interno ultrapassou os 30%. Graças ao prosseguimento da política de concessão de vistos individuais aos cidadãos chineses, tem-se vindo a registar um crescente aumento do número de turistas oriundos da China continental. No ano de 2007, foi conseguido um novo recorde do número de turistas que passaram por Macau, sendo os mesmos calculados em 27 milhões, facto este foi considerado como factor impulsivo do turismo local e dos respectivos sectores a ele ligados. A taxa de ocupação dos hotéis mantém-se em crescimento, assim como o preço dos imóveis devido à efectiva procura de casa de habitação. Prevê-se que se prolongará no próximo ano o desenvolvimento dos sectores de turismo e de jogos de fortuna ou azar. Ainda nos anos de 2008 e 2009, irão entrar sucessivamente em funcionamento novos hotéis e casinos de grande dimensão. A concretização do projecto da ponte de ligação entre Hong Kong, Zhuhai e Macau e a conclusão sucessiva de obras dos edifícios ora em construção, contribuirão para o contínuo crescimento do mercado dos imóveis, favorecendo, desta maneira, o constante desenvolvimento das operações de hipotecas, o que acabará por beneficiar o sector bancário.

Olhando para o ano de 2008, este Banco tem plena confiança no futuro desenvolvimento de Macau. Iremos concentrar o nosso melhor esforço para criar novos produtos, sem descuidar, ao mesmo tempo, de procurar mais fontes de clientes e de intensificar o relacionamento entre este Banco e os seus actuais clientes. Continuaremos a optimizar o procedimento de trabalho e o sistema de gestão, além de elevar a eficiência e qualidade de serviço prestado e a prestar. Iremos consolidar a gestão de risco financeiro e faremos tudo quanto possível para melhorar a prestação de serviços aos clientes. Procuraremos aumentar a nossa competitividade e asseguraremos o exercício de exploração com uma atitude firme, saudável, positiva e agressiva, no intuito de consolidar a base de futuro desenvolvimento deste Banco.

28 de Março de 2008.

O Presidente do Conselho de Administração, Lee Luen Wai, John.

Instituições em que detêm participação superior a 5% do respectivo capital ou superior a 5% dos seus fundos próprios:

Nenhuma

Accionistas qualificados:
Winwise Holdings Ltd. (Constituída em Hong Kong)
Discovery Planet Ltd. (Constituída em Hong Kong)
Nomes dos titulares dos órgãos sociais:

Mesa da Assembleia Geral

Presidente : Albert Saychuan Cheok
Secretário : Hau Tat Kwong, Andrew

Conselho Fiscal

Presidente : Chan Nim Leung, Leon
Vogal : Chui Sai Cheong
Leung Nai Chau, Jesse

Conselho de Administração

Presidente : Lee Luen Wai, John
Administrador : Chan Tat Kong
Ho Man

Comissão Executiva

Presidente : Chan Tat Kong
Vogal : Ho Man
Lee Luen Wai, John

Macau, aos 17 de Março de 2008.

Parecer do Conselho Fiscal de 2007

Durante 2007, o Conselho Fiscal seguiu atentamente as actividades do Banco. Ao manter um estreito e frequente contacto com o Conselho de Administração, o Conselho Fiscal obteve a melhor cooperação e informação do Conselho de Administração que lhe permitiu executar as suas tarefas e responsabilidades eficaz e eficientemente.

Após rever e analisar os documentos que lhe foram apresentados, o Conselho Fiscal é de opinião que esses documentos reflectem clara e verdadeiramente os bens e a situação económica e financeira do Banco.

Portanto, o Conselho Fiscal considera que as contas e relatório financeiros para o exercício de 2007 submetidos pelo Conselho de Administração deveriam ser apresentados à Assembleia Geral de Accionistas para aprovação.

Presidente do Conselho Fiscal

17 de Março de 2008.

A todos os sócios do Banco Chinês de Macau, S.A.

(Sociedade anónima constituída e registada em Macau)

Em conformidade com «Normas de Internacionais de Auditoria» e «Normas de Auditoria» aprovadas pelo Regulamento Administrativo n.º 23/2004 da Região Administrativa Especial de Macau, conjugado com «Normas Técnicas de Auditoria» aprovadas pelo Secretário para a Economia e Finanças, este auditor deu por concluídos os trabalhos de verificação do Relatório Anual de Contas do Banco Chinês de Macau, S.A. com data finda a 31 de Dezembro de 2007, tendo o mesmo sido elaborado de acordo com as normas internacionais de relatório de contas. Outrossim, no dia 17 de Março de 2008, foi pronunciado, sem reserva, o parecer sobre o resultado de verificação de contas.

Este auditor fez confrontar o extracto do Relatório de Contas em anexo com o já verificado Relatório de Contas a que se refere no ponto anterior. No seu entender, cabe aos administradores desse Banco a responsabilidade de elaboração do extracto do Relatório de Contas.

No parecer deste auditor, o extracto do Relatório de Contas em anexo está conforme ao Relatório de Contas que acabou de ser verificado, à excepção das provisões no valor global de trezentas oitenta e cinco mil patacas, reforçadas de acordo com o «Regime Jurídico de Sistema Financeiro», as quais já foram directamente descontadas no Mapa de Perdas e Ganhos do corrente ano. Em cumprimento das normas internacionais de relatório das contas na parte que toca às provisões previstas no «Regime Jurídico de Sistema Financeiro», foi reservado no dia 31 de Dezembro de 2007 o lucro no valor de um milhão cento quarenta e oito mil patacas para constituição de reserva de controlo.

Macau, aos 17 de Março de 2008.

Ernst & Young, Auditores.


BANCO COMERCIAL DE MACAU, S.A.

Balanço anual em 31 de Dezembro de 2007

Valores em patacas

Valores em patacas

Valores em patacas

Demonstração de resultados do exercício de 2007

Conta de exploração

Valores em patacas

Conta de lucros e perdas

Valores em patacas

O Director da Contabilidade,
António Candeias Castilho Modesto
Pelo Conselho de Administração,
Lung-Man Chiu (John Chiu)
Chan Sou Chao, Kenneth
António Candeias Castilho Modesto

Síntese do relatório de actividade em 2007

A economia de Macau manteve o acentuado ritmo de actividade dos últimos anos, tendo crescido 27,3% em termos reais em 2007, bastante acima dos 17,0% atingidos em 2006. O investimento privado, ainda largamente associado à expansão da indústria do jogo, a exportação de serviços (turismo e outros sectores com ele relacionados) e o dinamismo do consumo local continuaram a ser os principais factores do crescimento verificado.

O afluxo de turistas, tendo registado um crescimento de 22,7% em comparação com 2006, constituiu outros dos principais estímulos para a economia em geral em resultado do seu impacto directo no comércio a retalho local. O Mercado imobiliário continuou activo enquanto a taxa de desemprego se quedava abaixo dos 3% no final do ano de 2007.

Num ambiente robusto como o descrito, o Banco Comercial de Macau («BCM») teve oportunidade de expandir os seus volumes de negócios e melhorar os resultados operacionais em 2007.

Os activos líquidos totais do Banco aumentaram 7,5% quando comparados com os níveis atingidos em finais de 2006 em resultado do crescimento do crédito concedido a clientes, o qual aumentou 18,3% em relação a 2006. Os depósitos de clientes subiram, por seu turno, a um ritmo mais moderado de 5,5% durante o ano. Em consequência, o rácio crédito/depósitos passou de 52,0% em finais de 2006 para 58,3% em finais de 2007.

O desempenho operacional do BCM foi igualmente satisfatório, com os resultados de exploração antes de provisões e impostos sobre lucros a atingir os 162,9 milhões de patacas em 2007, contra 138,3 milhões em 2006, ou seja, um aumento de 17,8%.

Verificou-se, em consequência da crise de crédito global e da volatilidade dos mercados financeiros mundiais a que se assistiu na segunda metade do ano, que alguns investimentos em instrumentos financeiros estruturados diminuiram de valor, o que levou o Banco a considerar apropriada a constituição de provisões. Da constituição dessas provisões resultou um resultado líquido de 66,9 milhões de patacas em 2007.

No sentido de acompanhar o progresso de Macau e aumentar e melhorar a gama de produtos e serviços oferecidos aos clientes, o BCM deu início a um plano de racionalização e modernização da sua rede de balcões. Ao mesmo tempo, com o suporte da empresa-mãe, o Banco continuou a aperfeiçoar os seus procedimentos e sistemas no sentido de aumentar a sua eficiência operacional e poder responder mais eficazmente às cada vez mais complexas exigências estatutárias.

Em termos de futuro, e não obstante as incertezas quanto à evolução da economia e do sistema financeiro globais, o Banco é de opinião de que a economia de Macau continuará forte nos anos vindouros. Neste contexto, o BCM está confiante em poder aumentar os seus volumes de negócios e de outros serviços financeiros, melhorando os serviços prestados aos seus clientes e remunerando adequadamente os seus accionistas.

Relatório e parecer do Conselho Fiscal

Aos Accionistas do Banco Comercial de Macau, S. A.

Nos termos do Código Comercial de Macau e dos estatutos do Banco Comercial de Macau, S. A. («BCM»), o Conselho Fiscal do BCM emite o relatório sobre o seu acompanhamento da actividade do Banco, assim como a sua opinião sobre o relatório, os documentos de relato financeiro e a proposta de afectação dos resultados apresentados pelo Conselho de Administração relativamente ao exercício findo em 31 de Dezembro de 2007.

Os documentos de relato financeiro para o exercício findo em 31 de Dezembro de 2007, são os primeiros preparados em conformidade com as Normas de Relato Financeiro de Macau, as quais entraram em vigor em 1 de Janeiro de 2007, tendo por base o Regulamento Administrativo n.º 25/2005, de 9 de Dezembro de 2005.

O Conselho Fiscal do BCM verificou as transacções e a gestão do Banco durante o ano de 2007. As suas competências incluem a supervisão da gestão do Banco; o exame dos livros e registos e sua actualização; a verificação dos activos; a análise dos critérios contabilísticos e o respectivo impacto nos resultados do exercício; o exame dos documentos de relato financeiro anuais, bem como outras verificações previstas na lei e nos estatutos.

O Conselho Fiscal analisou a informação contabilística preparada pelo Banco durante o ano e submetida regularmente à Autoridade Monetária e Cambial de Macau («AMCM»), e seguiu outros procedimentos considerados adequados para as circunstâncias, incluindo o exame do relatório e da opinião dos auditores externos do Banco.

Analisámos o relatório e a opinião emitida pela firma de auditores Lowe Bingham & Matthews — PricewaterhouseCoopers datado de 27 de Fevereiro de 2008, o qual expressa uma opinião sem reservas sobre os documentos de relato financeiro do Banco relativos ao ano findo em 31 de Dezembro de 2007.

Obtivémos todas as informações e explicações consideradas necessárias para efeitos das nossas verificações e, com base no trabalho efectuado, somos de opinião de que:

(a) O relatório, bem como os documentos de relato financeiro, apresentados pelo Conselho de Administração reflectem fielmente a situação financeira do Banco em 31 de Dezembro 2007 e estão em conformidade com o estabelecido no Código Comercial de Macau, com as Normas de Relato Financeiro e com os estatutos do Banco;

(b) Os princípios contabilísticos e os critérios utilizados nas estimativas adoptadas pelo Conselho de Administração na preparação dos documentos de relato financeiro apresentados foram os apropriados atendendo às circunstâncias;

(c) O relatório, bem como os documentos de relato financeiro, apresentados pelo Conselho de Administração não necessitam de quaisquer alterações.

Em conclusão, somos de parecer de que o relatório e os documentos de relato financeiro apresentados pelo Conselho de Administração relativamente ao ano findo em 31 de Dezembro de 2007, assim como a sua proposta de afectação dos resultados, sejam aprovados na próxima Assembleia Geral Ordinária de Accionistas, em 28 de Março 2008.

Macau, aos 20 de Março de 2008.

O Conselho Fiscal

Presidente e Auditor Registado (0186): da Conceição Reisinho, Fernando Manuel

Vogal: Anderson, Roderick Stuart

Vogal: Yuen Leung Kui Kennith

Instituições em o banco detém participações superiores a 5% do respectivo capital ou superiores a 5% dos seus fundos próprios

NOME DAS INSTITUIÇÕES PERCENTAGEM
Nenhuma -
ACCIONISTAS QUALIFICADOS  
NOME DO ACCIONISTA NÚMERO DE
ACÇÕES
PERCENTAGEM
Dah Sing Bank, Limited 702,000 78%
DSB BCM (1), Limited 99,000 11%
DSB BCM (2), Limited 99,000 11%
ÓRGÃOS SOCIAIS  
MESA DA ASSEMBLEIA GERAL  
Leonel Alberto Alves Presidente
Liu Chak Wan Secretário
Ma Iao Lai Secretário
CONSELHO FISCAL  
Pedro João Reis de Matos Silva Presidente (a)
José Rodrigues de Jesus Vogal (a)
Fernando Manuel da Conceição Reisinho Vogal (b)
Anderson, Roderick Stuart Vogal (c)
Yuen Leung Kui Kennith Vogal (c)
(a) Cessou funções em 29/3/2007
(b) Nomeado presidente em 29/3/2007
(c) Nomeado em 29/3/2007
CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO  
David Shou-Yeh Wong Presidente
Hon-Hing Wong (Derek Wong) Membro
Gary Pak-Ling Wang Membro
Harold Tsu-Hing Wong Membro
Lung-Man Chiu (John Chiu) Membro
Leonel Leonardo Guerreiro da Costa Membro (a)
Kenneth Chan Sou Chao Membro
António Candeias Castilho Modesto Membro (b)
(a) Aposentado a partir de 29/3/2007
(b) Nomeado em 29/3/2007

Síntese do parecer dos auditores externos

Para os accionistas do Banco Comercial de Macau, S.A.
(Sociedade anónima constituída em Macau)

As demonstrações financeiras resumidas anexas do Banco Comercial de Macau, S. A. («o Banco») referentes ao exercício findo em 31 de Dezembro de 2007 resultam das demonstrações financeiras auditadas e dos registos contabilísticos referentes ao exercício findo naquela data. Estas demonstrações financeiras resumidas, as quais compreendem o balanço em 31 de Dezembro de 2007 e a demonstração dos resultados do exercício findo naquela data, são da responsabilidade do Conselho de Administração do Banco. A nossa responsabilidade consiste em expressar uma opinião sobre se as demonstrações financeiras resumidas são consistentes, em todos os aspectos materiais, com as demonstrações financeiras auditadas e com os registos contabilísticos do Banco.

Auditámos as demonstrações financeiras do Banco referentes ao exercício findo em 31 de Dezembro de 2007 de acordo com as Normas de Auditoria e Normas Técnicas de Auditoria emitidas pela Região Administrativa Especial de Macau, e expressámos a nossa opinião sem reservas sobre estas demonstrações financeiras, no relatório de 27 de Fevereiro de 2008.

As demonstrações financeiras auditadas compreendem o balanço em 31 de Dezembro de 2007, a demonstração dos resultados, a demonstração de alterações no capital próprio e a demonstração dos fluxos de caixa do exercício findo naquela data, e um resumo das principais políticas contabilísticas e outras notas explicativas.

Em nossa opinião, as demonstrações financeiras resumidas são consistentes, em todos os aspectos materiais, com as demonstrações financeiras auditadas e com os registos contabilísticos do Banco.

Para uma melhor compreensão da posição financeira do Banco e dos resultados das suas operações, e do âmbito da nossa auditoria, as demonstrações financeiras resumidas devem ser lidas em conjunto com as demonstrações financeiras auditadas e com o respectivo relatório do auditor independente.

Kenneth Patrick Chung
Auditor de Contas
Lowe Bingham & Mathews — PricewaterhouseCoopers

Macau, aos 8 de Maio de 2008.


BANCO TAI FUNG, S.A.R.L.

Balanço anual em 31 de Dezembro de 2007

MOP

MOP

MOP

Demonstração de resultados do exercício de 2007

Conta de exploração

MOP

Conta de lucros e perdas

MOP

O Gerente-Geral,
Liu Daguo
O Chefe da Contabilidade,
Kong Meng Hon

Relatório do Conselho de Administração

Este Conselho apresenta, a seguir, o relatório e o balanço em 31 de Dezembro de 2007 à apreciação dos accionistas.

Síntese do relatório de actividade

No ano de 2007, Macau vive estabilidade social e franco progresso económico, gozando a banca de condições mais favoráveis ao exercício das suas actividades numa conjuntura assente em factores positivos do mercado, sem grande repercussão da crise de crédito imobiliário de alto risco («subprime») dos Estados Unidos. No entanto, a grande concorrência entre as instituições bancárias e a descida da taxa de juros do dólar americano e de Hong Kong foram factores negativos para a receita corrente dos Bancos no exercício das suas actividades.

No mesmo ano de 2007, o Banco registou progresso nas diversas variantes, tendo alcançado as metas estabelecidas. Em termos de depósitos recebidos, foi apurado, no fim do período, um crescimento de 700 milhões de patacas, ou seja mais 2,4% em comparação com igual período do ano anterior. Quanto aos créditos concedidos, foi registado um aumento de sempre: 4 170 milhões de patacas, ou seja, mais 46,7%. Os créditos mal parados têm diminuído, contribuindo para melhorar, ainda mais, os activos da carteira dos créditos. Os lucros apurados antes do imposto foram de 655 milhões de patacas, representando um ligeiro decréscimo face ao exercício anterior, decréscimo que foi devido à descida de 127 milhões de patacas em termos das receitas extraordinárias e de reposição de provisão para créditos mal parados no exercício de 2007. Porém, em termos das receitas provenientes das operações normais e não obstante a vertiginosa subida dos custos, foi registado o maior acréscimo de sempre: 12,7% em compraração com o exercício anterior em que houve também grande aumento nesta rubrica. No ano de 2007, o Banco alcançou progressos muito ideais quer em termos de resultados quer na expansão das actividades, qualidade dos activos, pesquisa e lançamento de novos produtos e controlo dos riscos das operações, graças à dedicação e emprenho de todos os seus trabalhadores, unidos e solidários, e ao apoio que os clientes sempre nos têm dispensado, aos quais aproveitamos o ensejo para agradecer.

Perspectiva-se que, em 2008, as condições para exercício de actividades comerciais em Macau vão-se melhorando, impulsionando assim o desenvolvimento do sector financeiro e trazendo novas oportunidades para a indústria bancária. Não obstante os desafios à vista, persistimos, como sempre, nos princípios válidos no exercício das nossas actividades: ser cumpridor das leis, regulamentos e normas, e, tendo os clientes como centro de atenção, acompanhar sempre a evolução do mercado, elevar o rendimento da gestão, recorrer tecnologias informáticas mais avançadas na prestação de serviços aos clientes e expansão das actividades, controlo dos riscos e, especialmente, nos trabalhos de prevenção de branqueamento de capitais e melhoramento do serviço de banca electrónica, prosseguindo o nosso lema de bem servir e contribuindo para o desenvolvimento económico e harmonia social de Macau.

Resultado e distribuição

Lucro de exploração MOP $ 655 314 167,43
Dotações para imposto complementar
$ 76 500 000,00
Resultado de exercício $ 578 814 167,43
Lucros relativos a exercícios anteriores
$ 68 154 619,09
Total disponível
MOP $ 646 968 786,52
O Conselho de Administração propôs a seguinte distribuição:  
Para reservas MOP $ 268 800 000,00
Para dividendos $ 310 000 000,00
A transportar para o próximo ano
$ 68 168 786,52
 
MOP $ 646 968 786,52

Accionistas qualificados

De acordo com os registos do Livro dos Accionistas do Banco, os accionistas, detentores de participações superior a 10% do capital social do Banco, em 31 de Dezembro de 2007 foram os seguintes:

Banco da China
Família de Ho Yin

Titulares dos órgãos sociais

Mesa da Assembleia Geral:  
Presidente: Chan King
Vice-Presidente: Banco da China
Secretário: Leong Kam Kuan
Conselho de Administração:  
Presidente: Fung Ka York
Vice-Presidente: Howard H. H. Ho
Administradores Permanentes: Ye Yixin
  Ho Hao Tong
  Liu Daguo (nomeado em 27-03-2007)
  Long Rongshen
  Sio Ng Kan
Administradores: Ho Hao Chio (cessou funções em 21-04-2007, em virtude de falecimento)
  Cai Xiaofeng (exonerado em 18-06-2007)
  Ho Hao Veng
  Fu Iat Kong
  Ma Sao Lap
Secretário: Leong Kam Kuan
Conselho Fiscal:  
Presidente: Ho Cho Ieng
Membros: Chen Xiaoxin (exonerado em 01-06-2007)
  Wang Lijie (nomeado em 01-06-2007)
  Iong Weng Ian

O Presidente do Conselho de Administração, Fung Ka York.

Macau, aos 26 de Fevereiro de 2008.

Parecer do Conselho Fiscal

Auditadas as contas do Banco pela Sociedade de Auditores Lowe Bingham & Matthews — PricewaterhouseCoopers, estas e o relatório do Conselho de Administração foram analisados por este Conselho, o qual é de parecer que as contas demonstram a real situação financeira do Banco e o resultado em 31 de Dezembro de 2007, estando as mesmas e o relatório do Conselho de Administração em condições de ser submetidos à apreciação e deliberação da Assembleia Geral dos Accionistas.

A Presidente do Conselho Fiscal, Ho Cho Ieng.

Macau, aos 17 de Março de 2008.

Lista das empresas em cuja capital social o nosso Banco tem uma participação superior a 5%:

Sociedade de Fomento Predial Tak Kei Lda. 98,00%
Companhia de Investimento Predial Triumph, Limitada 76,66%
Companhia de Seguros Luen Fung Hang, S.A.R.L. 38,10%

O Administrador, Liu Daguo.

26 de Fevereiro de 2008.

Síntese do parecer dos auditores externos

PARA OS ACCIONISTAS DO BANCO TAl FUNG, S.A.R.L.
(constituído em Macau como sociedade de responsabilidade limitada)

As demonstrações financeiras resumidas anexas do Banco Tai Fung, S.A.R.L. (o Banco) referentes ao exercício findo em 31 de Dezembro de 2007 resultam das demonstrações financeiras auditadas e dos registos contabilísticos referentes ao exercício findo naquela data. Estas demonstrações financeiras resumidas, as quais compreendem o balanço em 31 de Dezembro de 2007 e a demonstração dos resultados do exercício findo naquela data, são da responsabilidade do Conselho de Administração do Banco. A nossa responsabilidade consiste em expressar uma opinião sobre se as demonstrações financeiras resumidas são consistentes, em todos os aspectos materiais, com as demonstrações financeiras auditadas e com os registos contabilísticos do Banco.

Auditámos as demonstrações financeiras do Banco referentes ao exercício findo em 31 de Dezembro de 2007, de acordo com as Normas de Auditoria e Normas Técnicas de Auditoria emitidas pelo Governo da Região Administrativa Especial de Macau, e expressámos a nossa opinião sem reservas sobre estas demonstrações financeiras, no relatório de 26 de Fevereiro de 2008.

As demonstrações financeiras auditadas compreendem o balanço em 31 de Dezembro de 2007, a demonstração dos resultados, a demonstração de alterações no capital próprio e a demonstração dos fluxos de caixa do exercício findo naquela data, e um resumo das principais políticas contabilísticas e outras notas explicativas.

Em nossa opinião, as demonstrações financeiras resumidas são consistentes, em todos os aspectos materiais, com as demonstrações financeiras auditadas e com os registos contabilísticos do Banco.

Para uma melhor compreensão da posição financeira do Banco e dos resultados das suas operações, e do âmbito da nossa auditoria, as demonstrações financeiras resumidas devem ser lidas em conjunto com as demonstrações financeiras auditadas e com o respectivo relatório do auditor independente.

Tsang Cheong Wai
Auditor de contas
Lowe Bingham & Matthews — PricewaterhouseCoopers

Macau, aos 25 de Abril de 2008.


CAM — Sociedade do Aeroporto Internacional de Macau, S.A.R.L.

Mapa de demonstração de resultados líquidos de 2007

(Em Patacas)

Balanço analítico em 31 de Dezembro de 2007

(Em Patacas)

Relatório sucinto sobre as actividades desenvolvidas em 2007

A globalização e a integração dos mercados são uma tendência irreversível na economia de hoje em dia. As significativas mudanças verificadas na envolvente global afectam as condições de concorrência e os padrões comerciais em toda a parte. Acreditamos que só os empreendedores com «Estratégia adequada», «Eficiente capacidade de implementação» e «Rápida resposta à mudança estrutural da comunidade e do mercado» como génese da excelência organizacional poderão sobreviver e capturar as oportunidades dum desenvolvimento sustentável.

O Aeroporto Internacional de Macau (AIM), desde a inauguração em Novembro de 1995, tem sido uma importante infra-estrutura e porta de acesso à cidade. Colocamos o nosso maior esforço na facilitação do desenvolvimento económico local e na promoção da integração regional. A exploração de aeroportos é um negócio altamente internacionalizado e, desde a desregulamentação do mercado local do jogo em 2002, a pequena cidade de Macau com uma área de apenas 28,6 Km² e uma população de 530 000 habitantes, deu um passo enorme no mercado internacional. O Aeroporto Internacional de Macau tem agora que enfrentar não só as oportunidades comerciais emergentes, mas também acrescida competição global.

«A segurança, a eficácia e a eficiência» são os princípios fundamentais do Aeroporto Internacional de Macau! Sob esta premissa, de que modo poderemos competir no mercado global de aviação e, ao mesmo tempo, equilibrar os interesses dos nossos parceiros com a nossa inerente responsabilidade social? Esta será uma tarefa muito complexa, mas importante! Neste aspecto, estamos orgulhosos de ter uma equipa de profissionais com profunda experiência, familiarizados com as economias regionais e com visão global. Nós esforçamo-nos por reforçar a comunicação com os nossos parceiros na cadeia de valor e conquistar o forte apoio e colaboração dos mesmos! Queremos também partilhar com todos vós a nossa alegria — O Plano Estratégico da CAM para 2003-2007, foi concretizado de acordo com o calendário de 2007 e os resultados alcançados foram reconhecidos internacionalmente — O AIM foi galardoado com o «Melhor Aeroporto Emergente (Ásia) 2007» e com a «Air Cargo Excellence Award 2007». Além disso, somos um dos 20 maiores aeroportos, em termos de volume de passageiros entre os 150 aeroportos da China e das duas Regiões de Administrativas Especiais.

O AIM teve um desempenho notável no ano transacto. Em 2007, o volume de passageiros do Aeroporto Internacional de Macau ultrapassou a fasquia dos 5 milhões, atingindo 5 498 878 passageiros, um aumento de 10,5% em comparação com o ano de 2006. A carga movimentada foi de 180 000 toneladas, ultrapassando a capacidade projectada para o respectivo Terminal. Foram atingidos os 53 386 movimentos de aeronaves, representando um aumento de 4,6%. Para além disso, houve cinco novas companhias que iniciaram actividade no AIM no ano passado, incluindo a China Eastern Airlines, Air China, Malaysia Airlines, East Star Airlines e Cebu Pacific Air, acrescendo às anteriormente existentes 10 companhias nacionais e estrangeiras, o que permitiu atingir um total de 33 rotas para passageiros e carga ligando Macau, a China e algumas outras grandes cidades do Mundo. No tocante a desempenho financeiro, foi pela primeira vez que as nossas receitas totais alcançaram um novo nível. O resultado operacional (EBITDA) atingiu os 246,9 milhões de patacas, ou seja, um aumento de 10,6% em relação a 2006. Como resultado, o nosso deficit líquido foi reduzido para 44,1 milhões de patacas, uma diminuição de 30%. Congratulamo-nos também pelo facto da receita bruta total dos principais operadores do AIM ultrapassou os 2,67 mil milhões de patacas em 2007,ou seja, um aumento de 11,28 %, comparado com 2006.

De forma directa, indirecta ou por efeito induzido, o Aeroporto Internacional de Macau, não só trouxe benefícios substanciais para si e para as indústrias relacionadas com a aviação, como também atraiu um grande número de visitantes pertencentes ao segmento dos grandes consumidores que impulsionaram a economia local. No que se refere ao Aeroporto, como ponte que liga Macau ao mundo, é nossa convicção entusiástica que foi quebrada a limitação inerente à limitada área de apenas 28,6 Km² em que nos inserimos. Com o apoio total do Governo Central e da RAEM, participámos nas actividades regionais e mundiais realizadas pelas organizações internacionais como:ACI (Airport Council International), EAAA (East Asia Airport Alliance) e Routes Develop Group. Assinámos um acordo de geminação com o Aeroporto de Winnipeg do Canadá, organizámos um evento de grande dimensão — a 2.ª Conferência de Aeroportos da China e dos Países da Língua Portuguesa-Macau 2007, etc. Mediante uma grande variedade destas plataformas-alvo, intensificámos a cooperação com relevantes parceiros e promovemos mundialmente Macau. Aqui, vale a pena destacar que, em Junho do ano passado, foi criado em Macau um secretariado permanente para o «PRD Region Airports Cooperation Forum», o que indica que os 5 aeroportos da região vão ter uma maior cooperação e desenvolvimento, com o Aeroporto Internacional de Macau a ter um papel fundamental neste florescimento da indústria de aviação regional.

Existem em simultâneo oportunidades e desafios no caminho do desenvolvimento económico — microeconomias com relativa insuficiência de recursos, políticas públicas, crescente competitividade regional. Todo o tipo de factores externos às operações aeroportuárias que terão impactos no progresso do Aeroporto Internacional de Macau. Contudo, estamos confiantes em que por meio da formulação de estratégias apropriadas de desenvolvimento, consolidando uma equipa altamente profissional e criando mecanismos de avaliação e monitoria, através da melhor utilização das tecnologias de informação e ao mesmo tempo integrando os elementos da cultura histórica e única de Macau na experiência do nosso Aeroporto, com a integração das forças de todos os nossos parceiros na cadeia de valor e balanceando os interesses económicos e responsabilidade social, o AIM conseguirá crescer em paralelo com as rápidas mudanças económicas e desenvolvimento social, cumprindo a sua missão em benefício dos nossos accionistas, colegas e da comunidade que em nós depositou a sua confiança.

Macau, Março de 2008.

Deng Jun
Presidente do Conselho de Administração

Parecer do Conselho Fiscal

Senhores Accionistas,

O Conselho Fiscal procedeu ao acompanhamento da actividade da CAM — Sociedade do Aeroporto Internacional de Macau, S.A.R.L., tendo mantido um estreito contacto com a Administração e dela recebido sempre o necessário apoio e os esclarecimentos julgados convenientes.

Da apreciação e análise dos documentos submetidos, pelo Conselho de Administração, a parecer nos termos da lei do artigo 27.º dos Estatutos da CAM, o Conselho Fiscal de CAM — Sociedade do Aeroporto Internacional de Macau, S.A.R.L. constata, serem os mesmos elucidativos da actuação da empresa ao longo do ano traduzindo correctamente a correspondente situação financeira em 31 de Dezembro de 2007.

O relatório submetido pelo Conselho de Administração complementa as contas e apresenta de forma clara a evolução e caracterização da actividade da CAM.

Assim, face ao exposto, somos de parecer:

1. Que merecem aprovação o balanço e a demonstração de resultados líquidos, respeitantes ao exercício de 2007.
2. Que merece, igualmente, aprovação o relatório do Conselho de Administração.

Macau, Março de 2008.

O Conselho Fiscal,
Mr. Liu Guo Bin
Mr. Joaquim Francisco de Campos Adelino
Mr. Ambrose So.

Relatório de auditor independente sobre demonstrações financeiras resumidas

Para os accionistas da
CAM – Sociedade do Aeroporto Internacional de Macau, S.A.R.L.
(Sociedade anónima incorporado em Macau)

Procedemos à auditoria das demonstrações financeiras do CAM — Sociedade do Aeroporto Internacional de Macau, S.A.R.L. relativas ao ano de 2007, nos termos das Normas de Auditoria e Normas Técnicas de Auditoria da Região Administrativa Especial de Macau. No nosso relatório, datado de 26 de Março de 2008, expressámos uma opinião sem reservas relativamente às demonstrações financeiras das quais as presentes constituem um resumo.

As demonstrações financeiras a que se acima se alude compreendem o balanço, à data de 31 de Dezembro de 2007, a demonstração de resultados, a demonstração de alterações no capital próprio e a demonstração de fluxos de caixa relativas ao ano findo, assim como um resumo das políticas contabilísticas relevantes e outras notas explicativas.

As demonstrações financeiras resumidas preparadas pela gerência resultam das demonstrações financeiras anuais auditadas da Sociedade. Em nossa opinião, as demonstrações financeiras resumidas são consistentes, em todos os aspectos materiais, com as demonstrações financeiras auditadas da Sociedade.

Para a melhor compreensão da posição financeira da Sociedade e dos resultados das suas operações, no período e âmbito abrangido pela nossa auditoria, as demonstrações financeiras resumidas devem ser lidas conjuntamente com as demonstrações financeiras das quais as mesmas resultam e com o respectivo relatório de auditoria.

Lei Iun Mei, Auditor de Contas
KPMG

Macau, aos 26 de Março de 2008.


TAIFOOK — CIA. DE INTERMEDIAÇÃO FINANCEIRA, LDA., SUCURSAL DE MACAU

Demonstração de resultados de 1 de Janeiro a 31 de Dezembro de 2007

MOP

Publicações ao abrigo do artigo 76.º do R.J.S.F., aprovado pelo Decreto-Lei n.º 32/93/M, de 5 de Julho

Balanço em 31 de Dezembro de 2007

MOP

Gerente Sucursal,
Lam Keng Iong
Administrador de Contabilidade,
Lo Wai Ho

Síntese do relatório de actividade

Devido às transações de títulos muito activas na Bolsa de Hong Kong no ano 2007, o lucro operacional desta sucursal registou o melhor resultado desde sua abertura, a sucursal de Macau actualizou um rendimento operacional de MOP 18 015 620,53 até a 31 de Dezembro de 2007, com taxa de aumento na ordem dos 114%, o lucro líquido aumentou 1,9 vezes, sendo MOP 9 624 803,32.

Dando uma perspectiva sobre a situação de 2008, embora que se preocupem os Estados Unidos da América a estarem em decadência e a economia chinesa seja de sobrecalor possivelmente, isso pode causar a agitação do índice de Bolsas de Hong Kong. Nós acreditamos, portanto, Bolsa de Hong Kong ainda beneficiar-se das medidas do alargamento gradual de investimento exterior dos investidores pelo Interior da China e do «Expresso Directo de Bolsa de Hong Kong» etc.. Nós esperamos que, em situação da abertura sustentável de economia chinesa, a operação vai aumentar-se em certa amplitude continuamente.

Síntese do parecer dos auditores externos

TaiFook — Cia. de Intermediação Financeira, Lda., Sucursal de Macau

Examinámos, de acordo com as Normas de Auditoria de Macau, as demonstrações financeiras de TaiFook — Cia. de Intermediação Financeira, Lda., Sucursal de Macau, referentes ao exercício que terminou em 31 de Dezembro de 2007, e a nossa opinião sobre as demonstrações financeiras está expressa, sem reservas, no nosso relatório datado de 17 de Março de 2008.

Em nossa opinião, as contas anexas de forma resumida são consistentes com as demonstrações financeiras atrás referidas das quais elas resultaram.

Para uma melhor compreensão da posição financeira e dos resultados das operações da Companhia, durante o exercício, as contas financeiras resumidas devem ser analisadas em conjunto com as correspondentes demonstrações financeiras auditadas do ano.

Ernst & Young Auditores
Macau, aos 17 de Março de 2008.


GUANGDONG DEVELOPMENT BANK CO., LTD — SUCURSAL DE MACAU

(Publicações ao abrigo do artigo 76.º do RJSF, aprovado pelo Decreto-Lei n.º 32/93/M, de 5 de Julho)

Balanço anual em 31 de Dezembro de 2007

貨幣單位:MOP

貨幣單位:MOP

As Outras Reservas incluem uma reserva obrigatória no montante do $25 520 000 patacas. Porque a sucursal adopta as Normas Macau de Relato Financeiro («NMRF») na preparação das suas demonstrações financeiras anuais, as perdas de imparidade com base nas NMRF podem ser inferiores a nível mínimo de provisões genéricas calculadas de acordo com o Aviso n.º 18/93 da AMCM (o nível mínimo). A referida reserva obrigatória representa, pois, as diferença entre o nível mínimo e as perdas de imparidade nos termos das NMRF (antes do impostos diferidos de $3 480 000 patacas). Este mesmo montante, inscrito na linha «Dotações adicionais para provisões conforme RJSF» da Conta de Lucros e Perdas das contas resumidas, está reconciliado entre o «Lucro depois de impostos» e os «Resultados do ano de acordo com as regras da AMCM» na Conta de exploração das demonstrações financeiras auditadas anuais.

貨幣單位:MOP

Demonstração de resultados do exercício de 2007

Conta de exploração

貨幣單位:MOP

Conta de lucros e perdas

貨幣單位:MOP

O Presidente,
Guo Zhihang
A Chefe da Contabilidade,
Lucia Cheang

Macau, aos 16 de Maio de 2008.

Nota: O balanço anual e a demonstração de resultados do exercício foram preparados a partir dos registos contabilísticos auditados.

Síntese do relatório de actividade

No ano transacto de 2007, a economia de Macau continuou a registar um crescimento muito acelerado, sobretudo com a entrada sucessiva em funcionamento dos grandes hotéis de entretenimentos. O que não só levou os sectores de jogos e turismo a uma auge de desenvolvimento como também produziu impacto em outros sectores, dinamizando especialmente as actividades dos sectores imobiliário e comercial. A crise do crédito de hipotecas dos Estados Unidos da América não exerceu directamente influência sobre as actividades da Sucursal do Banco de Desenvolvimento de Guangdong em Macau, apesar de o âmbito dessa influência ter sido muito alargado, fazendo com que diversos bancos aumentassem as suas provisões para as reservas de maneira que houve alguma redução no que diz respeito aos lucros. Conforme o plano já elaborado no início do ano corrente, a Sucursal do GDB em Macau intensificou o reajustamento estrutural quanto à composição dos activos e passivos e conseguiu a transferência no mercado dos negócios de investimento anteriormente existentes, alcançando dessa maneira um resultado ideal cujos lucros bateram o recorde histórico desta Sucursal. No momento em que a Sucursal do GDB em Macau vai celebrar o seu 15.º aniversário, quero aproveitar esta oportunidade para expressar os meus sinceros agradecimentos a todos os clientes e sectores da sociedade de Macau pelo grande apoio e confiança que nos têm dado. E esses agradecimentos são também extensivos a todo o pessoal da Sucursal do GDB em Macau pelo seu empenho colectivo.

No ano de 2008, o sector bancário local vai enfrentar grandes desafios quanto à gestão de negócios, devido às dificuldades causadas aos EUA pela crise do crédito de hipotecas, ao abrandamento do crescimento da economia mundial e as medidas de controlo macroeconómico a ser sucessivamente tomadas pelo governo da China sob a pressão da inflação exercida sobre a economia chinesa. Embora a economia de Macau esteja perante vários factores que não se vêem muito claramente por causa das circunstâncias internas e externas, as perspectivas do desenvolvimento de Macau na sua generalidade são optimistas. Para se adaptar à mudança do mercado e insistir no conceito de gestão estável e controlo eficiente de riscos, a Sucursal do GDB em Macau há-de continuar a tomar o mercado como orientador de negócios e os clientes como centro de serviços, melhorar as instalações estruturais, elevar a qualidade e eficiência dos serviços, criar novos produtos financeiros e reforçar as íntimas relações e cooperação com as sucursais do GDB no interior da China, com o objectivo de alcançar maiores sucessos e trazer maiores contribuições para todos os clientes e para o desenvolvimento sustentável da economia de Macau.

Director Geral,
Guo Zhihang

16 de Maio de 2008.

Síntese do parecer dos auditores externos

Para o presidente do Guangdong Development Bank Company Limited — Sucursal de Macau
(Sucursal de um banco comercial de responsabilidade limitada, incorporado na República Popular da China)

Procedemos à auditoria das demonstrações financeiras do Guangdong Development Bank Company Limited — Sucursal de Macau relativas ao ano de 2007, nos termos das Normas de Auditoria e Normas Técnicas de Auditoria da Região Administrativa Especial de Macau. No nosso relatório, datado de 16 de Maio de 2008, expressámos uma opinião sem reservas relativamente às demonstrações financeiras das quais as presentes constituem um resumo.

As demonstrações financeiras a que se acima se alude compreendem o balanço, à data de 31 de Dezembro de 2007, a demonstração de resultados, a demonstração de alterações no capital próprio e a demonstração de fluxos de caixa relativas ao ano findo, assim como um resumo das políticas contabilísticas relevantes e outras notas explicativas.

As demonstrações financeiras resumidas preparadas pela gerência resultam das demonstrações financeiras anuais auditadas e dos livros e registos da sucursal. Em nossa opinião, as demonstrações financeiras resumidas são consistentes, em todos os aspectos materiais, com as demonstrações financeiras auditadas e os livros e registos da sucursal.

Para a melhor compreensão da posição financeira do Guangdong Development Bank Company Limited — Sucursal de Macau e dos resultados das suas operações, no período e âmbito abrangido pela nossa auditoria, as demonstrações financeiras resumidas devem ser lidas conjuntamente com as demonstrações financeiras das quais as mesmas resultam e com o respectivo relatório de auditoria.

Lei Iun Mei, auditor de contas
KPMG

Macau, aos 16 de Maio de 2008 .


BANCO COMERCIAL PORTUGUÊS, S.A. SUCURSAL OFFSHORE DE MACAU

Balanço em 31 de Dezembro de 2007

MOP

MOP

MOP

Demonstração de resultados do exercício de 2007

Conta de exploração

MOP

Conta de lucros e perdas

MOP

O Técnico de Contas,
Antonio Lau
O Director Geral,
José João Pãosinho

Síntese do relatório de actividade do exercício de 2007

Durante o ano de 2007, a actividade da Sucursal Offshore de Macau do Banco Comercial Português, S.A. concentrou-se no desenvolvimento do seu papel de plataforma de negócios do Grupo Millennium bcp.

Apesar da turbulência dos mercados financeiros na segunda metade de 2007, foi possível desenvolver um conjunto de iniciativas conducentes ao reforço da carteira de negócios com base no reforço do papel da Sucursal como Unidade Offshore através da oferta de soluções para as diferentes redes comerciais do Grupo Mbcp nos segmentos Corporate e Particulares.

No final de 2007, o total do Activo atingia o valor de MOP 2 976,8 milhões, a Carteira Crédito cifrava-se em MOP 2 583,7 milhões e a Carteira de Depósitos de Clientes atingia MOP 2 310,9 milhões.

O desempenho das Carteiras de Crédito e Depósitos ficou positivamente marcado pelo alargamento do âmbito geográfico da actuação da Sucursal com destaque para a região Ásia Pacífico no tocante aos empréstimos e às regiões de destino da emigração portuguesa na captação de depósitos. Assim, a Margem Financeira da Sucursal atingiu MOP 46,5 milhões.

Face à estratégia adoptada, os resultados do exercício cifraram-se em MOP 29,4 milhões após constituição de provisões para riscos gerais de crédito de MOP 22,9 milhões. O Cash-Flow da actividade da Sucursal em 2007 atingiu MOP 52,5 milhões.

Os custos operativos da Sucursal totalizaram MOP 4,4 milhões, cujo crescimento decorreu quer da necessidade de reforço do quadro de colaboradores, actualização do parque informático e quer do impacto da inflação nas componentes «Fornecimento de Serviços e Terceiros» e «Custos Salariais», como consequência do sobreaquecimento da economia de Macau.

No ano em análise, a Sucursal participou activamente nas iniciativas das Autoridades da R.A.E. de Macau no âmbito da política «Macau como Plataforma de Negócios da China com os Países de Língua Portuguesa».

Por último, desejamos agradecer aos nossos Clientes, aos Colaboradores da Sucursal e às competentes Autoridades de Macau a confiança depositada na Sucursal Offshore de Macau do Banco Comercial Português. S.A.

A Direcção da Sucursal Offshore de Macau.
José João Pãosinho

Síntese do parecer dos auditores externos

Para a gerência do Banco Comercial Português — Sucursal Off-shore (Macau)
(Sucursal de off-shore em Macau de um banco comercial incorporado em Portugal)

Procedemos à auditoria das demonstrações financeiras do Banco Comercial Português – Sucursal Off-shore (Macau) relativas ao ano de 2007, nos termos das Normas de Auditoria e Normas Técnicas de Auditoria da Região Administrativa Especial de Macau. No nosso relatório, datado de 20 de Maio de 2008, expressámos uma opinião sem reservas relativamente às demonstrações financeiras das quais as presentes constituem um resumo.

As demonstrações financeiras a que se acima se alude compreendem o balanço, à data de 31 de Dezembro de 2007, a demonstração de resultados e a demonstração de fluxos de caixa relativas ao ano findo, assim como um resumo das políticas contabilísticas relevantes e outras notas explicativas.

As demonstrações financeiras resumidas preparadas pela gerência resultam das demonstrações financeiras anuais auditadas e dos livros e registos da sucursal. Em nossa opinião, as demonstrações financeiras resumidas são consistentes, em todos os aspectos materiais, com as demonstrações financeiras auditadas e os livros e registos da sucursal.

Para a melhor compreensão da posição financeira da sucursal e dos resultados das suas operações, no período e âmbito abrangido pela nossa auditoria, as demonstrações financeiras resumidas devem ser lidas conjuntamente com as demonstrações financeiras das quais as mesmas resultam e com o respectivo relatório de auditoria.

Lei Iun Mei, Auditor de Contas
KPMG

Macau, aos 20 de Maio de 2008.


    

Versão PDF optimizada para Adobe Reader 7.0 ou superior.
Get Adobe Reader