< ] ^ ] > ] 

    

[ Página Anterior ][ Versão Chinesa ]

REGIÃO ADMINISTRATIVA ESPECIAL DE MACAU

      Anúncios notariais e outros

第 一 公 證 署

證 明

滬港澳台口腔醫學交流協會

為公佈的目的,茲證明上述社團的設立章程文本自二零零八年五月二十一日起,存放於本署的社團及財團存檔文件內,檔案組1號47/2008。

滬港澳台口腔醫學交流協會章程

第一章

總則

第一條——本會之名稱為“滬港澳台口腔醫學交流協會”。

葡文名稱為:Associação de Intercâmbio de Estomatologia de Xangai, Hong Kong, Macau e Taiwan。

英文名稱為:The Interchange Association of Dental Medicine among Shanghai, Hong Kong, Macao and Taiwan。

英文簡稱:IADMSHMT。

第二條——本會宗旨為發展滬港澳台之口腔醫療、教育與研究,以達到預防及控制口腔疾病為宗旨。

第三條——本會會址設於澳門新口岸北京街224-226號澳門金融中心15樓J座。

第二章

任務

第四條——本會之任務為:

一、推廣滬港澳台口腔健康保健工作。

二、提昇滬港澳台牙科醫療水準。

三、促進滬港澳台牙科之教育、研究。

四、舉辦或協辦學術會議及出版刊物。

五、促進與國內外相關學術團體之學術交流。

第三章

會員

第五條——本會會員分為下列四種:

一、正式會員:凡持有滬港澳台衛生當局核發之牙科(口腔)醫生證書者,得為正式會員。

二、相關會員:凡任何對口腔醫學有興趣的醫療專業人士,贊同本會宗旨,經本會理事會審查通過者。

三、贊助會員:凡贊同本會宗旨,在財務或其它方面贊助本會之團體或個人,經本會理事會審查通過者。

四、榮譽會員:凡對口腔醫學有特殊貢獻,經本會理事會審查通過者。

第六條——會員違反本會章程、損害本會名譽或不遵守會員大會決議時,得經理事會決議予以警告或停權處分,其危害團體情節重大者,得經會員大會決議予以除名處分。

第七條——會員享有下列權利:

一、本會之選舉權、被選舉權、罷免權及表決權,每一會員為一票;但相關會員、贊助會員、榮譽會員無此權利。

二、參加本會年會及其它集會之權利。

三、主持或參與本會年會之學術討論會之論文發表、臨床示範、桌面展示或講評之權利。

四、獲得本會各種贈閱書刊之權利。

第八條——一、會員有遵守本會章程、決議及繳納會費之義務。

二、會員一年未繳納會費,經通知補繳而無正當理由不補繳者,即予停權;連續兩年未繳納會費者,視為自動退會。

第四章

組織及會議

第九條——本會以會員大會為最高權力機構,設會長及副會長各一人,任期為二年,會長由會員大會就會員中選舉之,以出席會員的絕對多數票當選,連選得連任。

第十條——本會設理事三至十一人,組織理事會,總人數須為單數。理事會互選常務理事三人,組成常務理事會,負責處理日常會務,常務理事會可根據需要邀請其他理事出席 常務理事會議;監事三人,組織監事會,監事會為監察機構。其中一人為主席。理監事均為義務職。次屆理監事候選人名單得由當屆理事會辦理提名。

第十一條——本會之理事會票選一人為理事長,綜理會務,理事長因故不能執行任務時,由其指定常務理事一人代理之。

第十二條——本會之監事會由監事互選一人為監事長。

第十三條——本會理、監事之任期為兩年,連選得連任;理事長及監事長之連任以一次為限。

第十四條——本會理、監事如有下列各項之一者應予解任:

(一)喪失本會一般會員資格者。

(二)因故辭職經理事會或監事會議決通過者。

(三)職務上違犯法令或有其他重大不當行為,經會員大會罷免或受停權處分逾任期之一半以上者。

第十五條——本會可聘任顧問若干人,提經理事會通過後聘任之,其聘期與理事之任期相同。

第十六條——本會設秘書一人,由理事長提名經理事會通過任免。

第十七條——本會可視會務需要設各種委員會及小組,其組織簡則由理事會訂定,各委員會及小組之召集人及委員由理事會任免之。

第十八條——會員大會分定期會議與臨時會議兩種,由會長召集,召集時應於八日前以書面通知之。定期會議每年召開一次;臨時會議於理事會認為必要,或經會員五分之一以 上之請求,或監事會函請召集時召開之。

第十九條——會員不能親自出席會員大會時,可以書面委託其他會員代理,每一會員以代理一人為限。

第二十條——本會會員大會職權如下:

(一)通過及修改章程。

(二)選舉或罷免會長及理、監事。

(三)通過年度工作計劃。

(四)通過年度經費預算及結算。

(五)通過會務工作報告。

(六)通過重要議案。

(七)通過財務處分。

(八)議決團體之解散。

第二十一條——會員大會之決議,以會員過半數之出席,出席人數以絕對多數票之同意行之。除法律另行規定外,下列事項之決議以出席會員人數四分之三以上同意行之:

(一)章程之訂定與變更。

(二)會員之除名。

(三)會長及理事、監事之罷免。

(四)財產之處分。

(五)團體之解散,必須經全體會員人數四分之三同意行之。

(六)其他與會員權利義務有關之重大事項。

第二十二條——本會理、監事會每四個月各召開一次,必要時可舉行臨時會議或聯席會議,理、監事不得委託出席。會議之決議,各以理事、監事過半數之出席,出席人數之多 數決議行之。

第二十三條——本會理事會職權如下:

(一)擬定年度工作計劃。

(二)聘免工作人員。

(三)議決會員大會之召開事項。

(四)擬定年度經費預、決算。

(五)執行會員大會之決議。

(六)審定會員資格。

(七)辦理其他有關會務事項。

第二十四條——本會監事會職權如下:

(一)監督理事會的運作。

(二)監督會務之推展並作年度監察報告。

(三)監督財務之執行。

(四)其他應監察之事項。

第五章

經費及財務

第二十五條——本會經費以下各項為來源:

(一)一般會員及相關會員入會費為澳門幣1000元,常年會費一般會員為澳門幣500元,相關會員為澳門幣100元。

(二)贊助費。

(三)會員捐助。

(四)基金之孳息。

(五)其他收入。

第二十六條——本會每年制訂預(決)算報告,於每年終了之前(後)二個月內,經理事會審查,提會員大會通過,會員大會因故未能及時召開時,應經理監事會通過,事後提 報大會追認,但決算報告應先送監事會審核,並將審核結果一併提報會員大會。

第二十七條——會計年度自每年一月一日至十二月三十一日止。

第二十八條——本會如解散或撤銷時其所餘財產,應依法處理,不得以任何方法歸屬個人或私人企業所有,應歸屬所在地之地方自治團體或主管機關指定之機關團體所有。

第六章

停會及退會

第二十九條——(一)本會會員連續兩年不繳納會費者,應經理事會通過,予以停止一切會員權利。經本會催告後一年內,仍未繳清積欠之會費,視為自動退會。

(二)因前項原因停權者,於規定期間內,繳清積欠會費後,立即恢復被停止之會員權利。

第三十條——會員因故辦理停會者,應提出書面申請,並經理事會同意;但停會連續超過五年以上,視同退會。

第三十一條——會員停會或退會時,已繳費用概不退還。

第三十二條——會員停會原因消失,其所積欠之會費均需繳清後始得申請復會;退會者應重新辦理入會。

第七章

附則

第三十三條——本會辦事細則由理事會訂定之。

第三十四條——本會章程如有未盡事宜,由理事會提請會員大會修改或依有關法令處理之。

第三十五條——以下為本會會徽。

二零零八年五月二十一日於第一公證署

代公證員 李玉蓮 Isabel Dillon Lei do Rosário


CARTÓRIO NOTARIAL DAS ILHAS

CERTIFICADO

澳門廣西柳州商會

Associação Comercial de Guangxi — Liuzhou de Macau

為公布的目的,茲證明上述社團的設立章程文本自二零零八年五月十九日起,存放於本署之“2008年社團及財團儲存文件檔案”第1/2008/ASS檔案組第31號,有關條文內容載於附件。

澳門廣西柳州商會

Associação Comercial de Guangxi — Liuzhou de Macau

Guangxi — Liuzhou Chamber of Commerce, Macao

第一章

總則

第一條——本會定名為「澳門廣西柳州商會」,葡文名稱為“Associação Comercial de Guangxi — Liuzhou de Macau”,英文名稱為“Guangxi — Liuzhou Chamber of Commerce, Macao”。

第二條——本會宗旨是促進澳門特別行政區與廣西壯族自治區及柳州市的工商、投資、貿易、社會文化等多方面的往來和合作,構建平台,為兩地發展提供服務。

第三條——本會會址設在澳門新口岸宋玉生廣場258號建興龍廣場4樓A室,在需要時可遷往其他地方,及設立分區辦事處。

第二章

會員

第四條——任何從事或參與發展澳桂兩地商貿的澳門企業、企業代表人或澳門居民,如同意本會之宗旨,經本會會員介紹,及經會議批准得成為正式會員。

第五條——會員有選舉權及被選舉權;享有本會舉辦一切活動和福利的權利。

第六條——會員有遵守會章和決議,以及繳交會費的義務。

第三章

組織

第七條——本會組織機關包括會員大會、理事會、監事會。

第八條——本會最高權力機構為會員大會,負責制定或修改會章;選舉會員大會主席團和理事會、監事會成員;決定會務方針;審查和批准理事會工作報告。

第九條——會員大會設主席一人、副主席若干人、秘書一人,其總人數必須為單數。

第十條——本會執行機構為理事會,設會長一人,副會長及理事若干人,理事會總人數必須為單數,負責執行會員大會決策和日常具體會務。

第十一條——本會監察機構為監事會,設監事長一人,副監事長及監事若干人,監事會總人數必須為單數,負責監察理事會日常會務運作和財政收支。

第十二條——會員大會、理事會、監事會成員由會員大會選舉產生,任期三年,連選得連任。

第四章

會議

第十三條——會員大會每年舉行一次,如遇重大或特別事項得召開特別會員大會。每次會員大會如法定人數不足,則於超過通知書上指定時間三十分鐘後作第二次召集,屆時不論出席人數多寡,會員大會均得開會。

第十四條——理事會會議及監事會會議每三個月召開一次。

第十五條——會員大會、理事會會議、監事會會議分別由會員大會主席、會長、監事長召集和主持。

第五章

附則

第十六條——本章程經會員大會通過後執行。

第十七條——本章程之修改權屬於會員大會。

二零零八年五月二十一日於海島公證署

二等助理員 Cardoso, Manuela Virginia


CARTÓRIO NOTARIAL DAS ILHAS

CERTIFICADO

中國傳統養生文化發展研究會

為公布的目的,茲證明上述社團的設立章程文本自二零零八年五月二十日起,存放於本署之“2008年社團及財團儲存文件檔案”第1/2008/ASS檔案組第33號, 有關條文內容載於附件。

中國傳統養生文化發展研究會章程

第一章

名稱、總部及宗旨

第一條——本會屬於非牟利性質的團體,無存立限期,會務依澳門現行法律及本章程運作管理。

第二條——本會總部設於澳門氹仔基馬拉斯大馬路30號華寶花園第5座3樓Z室。

第三條——本會宗旨:

1)團結海內外熱愛中國傳統養生文化的各界人士及專家、學者、彭祖後裔及有識之士參與中國傳統養生文化國際交流發展活動。

2)積極搜集研究中國傳統養生文化史料,弘揚中國傳統科學養生文化精神,為全人類的健康事業作出貢獻。

3)以澳門地區為平臺,促進海內外養生文化愛好者及相關社團的養生文化國際交流與發展。

第二章

會員的權利與義務

第四條——凡認同本會宗旨及經常參與本會活動的人士,經書面提出申請後經理事會審批成為會員。

第五條——會員權利:

1 )出席會員大會;

2)參加本會一切活動;

3)享受本會一切福利;

4)要求召開會員大會特別會議;

5)對會內外職務有選舉和被選舉權;

6)會員入會自由,退會自由。

第六條——會員義務:

1 )遵守會章,執行會員大會和理事會的決議;

2)按時按規定繳交會費;

3)努力達成本會宗旨和維護本會的聲譽及合法權益;

4)完成本會交辦的各項工作;

5)積極參加本會舉辦的各項活動。

第三章

會務機構

第七條——會務機構:

1 )會員大會;

2)理事會:

3)監事會。

一、會務機構成員由會員大會選出,由所享有會員權利的會員組成。

二、會務機構每屆任期二年,可連選連任。

會員大會

第八條——會員大會為本會最高權力機構:

一、會員大會設一名會長,一名常務副會長,若干名副會長及秘書,成員必為單數。

二、會長兼任會員大會召集人,若會長出缺或因故不能執行職務,由常務副會長代行職務。

第九條——會員代表大會每年舉辦一次平常會議;

基於以下原因可召開全體會員特別會議:

1 )應會長要求;

2)應理事會或監事會半數以上成員要求。

第十條——會員大會的職權:

1 )制定本會的活動方針;

2)審批修改本會章程;

3)審批理事會年度工作報告書和年度財政報告書。

第十一條——1)召開會員大會必須最少提前八天以掛號信方式或透過簽收方式通知所有會員,通知書內須列明會議的日期、時間、地點及議程。

2)開會時必須有大多數會員出席,若超過指定時間一小時後,不論出席會員人數多少,均可召開會議。

理事會

第十二條——理事會由一名理事長,若干名副理事長及理事組成,成員必須為單數。

若理事長出缺或因故不能執行職務,由副理事長代行職務。

第十三條——理事會職權:

1 )根據會員大會制定的方針,領導管理和主持會務活動;

2)招收會員;

3)製作年度工作報告和財政報告書;

4)委任本會代表;

5)訂定入會費和每月會費;

6)根據會務進展需要聘請社會人士擔任本會的名譽職務;

7)實施在法律及本會章程內所授予的權力。

監事會

第十四條——監事會由一名監事長,若干名副監事長及監事組成,成員必須為單數。

若監事長出缺或因故不能執行職務,由副監事長代行職務。

第十五條——監事會職權:

1 )監督本會行政管理機關的運作;

2)查核本會的財務;

3)就其監察活動編制年度報告;

4)監事會可要求本會的行政管理機關提供必要或適當資源及方法以履行其職務。

第四章

財務收入及其他

第十六條——以任何名義或來自會費,入會費、補助或捐贈的全部收益,均屬本會的收入來源。

二零零八年五月二十日於海島公證署

助理員 Cardoso, Manuela Virginia


CARTÓRIO NOTARIAL DAS ILHAS

CERTIFICADO

世界華人不動產學會

為公布的目的,茲證明上述社團的設立章程文本自二零零八年五月十九日起,存放於本署之“2008年社團及財團儲存文件檔案”第1/2008/ASS檔案組第32號,有關條文內容載於附件。

世界華人不動產學會章程

第一章

總則

第一條

宗旨

世界華人不動產學會(以下簡稱本會)以促進世界華人在不動產業及相關領域的研究、教育及發展為目的。

第二條

性質

本會為依法在澳門註冊登記的非營利及非政治性學術組織,並定期在會員城市舉辦各類學術或實務研討會。本會主要工作語言為漢語。

本會會址暫設於氹仔廣東大馬路31號德福海景花園13-B。

第三條

目標

本會的工作目標如下:

一、鼓勵世界華人在不動產和相關領域進行教育、研究與發展,提高不動產業專業水準,促進產業可持續發展;

二、加強大專院校教授及研究人員與不動產業界及相關領域間的溝通和資訊交流;

三、提升世界華人在不動產和相關領域內的職業道德與操守,強化為社會服務的能力。

第二章

會員

第四條

會員類別

本會會員分為下列八類:

一、學術會員:在大專院校或研究機構從事不動產和相關領域教學或研究工作的教師及研究人員;

二、專業會員:在不動產投資、金融、開發、經營、管理、仲介及相關領域從業的專業人員;

三、圖書館會員:為集團或機構收集參考資料為主要目的的組織,不論其是否為從屬組織;

四、法人社團會員:公司組織或不動產業的其他法人機構,法人社團會員可以委派一至三名代表為本會會員,享有學會會員權利;

五、機構贊助會員:不動產界的公司、組織或其他機構。贊助單位可以委派若干名代表為本會會員,享有學會會員權利;

六、學生會員:正在攻讀學位的全職或兼職學生;

七、榮譽會員:理事會特別推薦選出的傑出會員;

八、終身會員:已一次性支付所要求的費用的會員。

第五條

會員權利

會員擁有如下權利:

一、學術會員、專業會員、法人社團會員、機構贊助會員以及終身會員為學會獨立會員,享有選舉權和被選舉權;

二、圖書館,(包括有可代表這些圖書館的員工)和榮譽會員沒有投票選舉的權利也不在學會中擁有職位;

三、獲取本會所有正式刊物和資訊郵件;

四、優先參與本會活動,在收費方面享有優惠。

第六條

會員義務

會員應承擔如下義務:

一、遵守本會章程;

二、執行本會有關決議;

三、對本會諮詢及調查事項做出答覆;

四、如有個人資料之更改,要主動與本會聯絡,給予更正;

五、其他應盡義務。

第七條

會費

理事會決定年度會費。會員須按年及時繳納會費,一年內不繳費的會員其會員資格自動被取消。被取消資格的會員在補交全部所欠會費後,經過重新申請,其會員資格將被恢復。會員可以在參加年會時繳付其當年會費,也可以將會費匯至本會所指定的銀行專門帳戶。會員預付15年會費,可成為終身會員。

第三章

組織

第八條

組織機構

一、本會組織機構包括:

1. 會員大會;

2. 理事會;

3. 監事會。

第九條

會員大會及會長

一、會員大會為本會之最高權力機構,每年舉行一次會員大會,會員大會的召集時間、地點及方式由理事會決定。

二、本會設會長、第一副會長及副會長各一名,設管理日常事務的秘書長或財務主管一名。

三、召開會員大會,最少於三十日前通知會員,依法以掛號信或簽收方式為之。

四、基於以下原因可召開全體會員特別會議:

1、應會長要求;

2、應半數以上理事成員要求。

五、根據會員大會的組織條例條款,在任何時候如有任何開會之要求,而此開會通知被有權在會議上投票的會員中的大多數否定則意味著發佈了此停會通知。

六、會員大會的職權

1、制定本會的活動方針;

2、審閱及修改本會章程;

3、審閱理事會年度報告及年度財務報告。

七、會長及其職權

1、根據會員大會制定的方針領導本會,主持會議。

2、會長兼任會員大會召集人,若會長因故不能執行職務,由第一副會長代行職務。

3、會長、第一副會長及副會長經會員大會選舉產生,任期一年。

第十條

理事會

一、理事會職權包括:

1、通過或否決修正提案的要求;

2、履行本會章程賦予的其他義務;

3、以世界華人不動產學會的名義執行任務時,須由會員大會通過並授權理事簽署;

4、負責學會的主要事宜;

5、招收會員;

6、決定年度會費。

二、理事會由一名理事長,一名副理事長及若干名理事組成,成員必須為單數。

三、若理事長出缺或因故不能執行職務,由副理事長代行職務。

四、理事會與本會年會同時召開;理事會特別會議須經由會長或半數以上理事要求召開。

五、理事會召開前,應明確會議地點、日期及時間,並以掛號信或簽收方式於會議召開十日前通知。如郵寄至外國地址,郵件一定要寄至會員留在學會紀錄上的地址,且郵資已付。

六、在任何理事會會議上,由法定人數參加的理事會的半數以上理事產生的決議即被視為全體理事會的決議。

七、重大事務由常務理事會及會長負責處理。常務理事及理事由上屆常務理事提名,交由理事會及會員代表大會通過。

八、理事會成員每屆任期為三年,可以連選連任。

第十一條

監事會

一、監事會有一名監事長,一名副監事長及若干名監事組成,成員必須為單數。監事長,副監事長任期為三年,可以連選連任。

二、若監事長出缺或因故不能執行職務,由副監事長代行職務。

三、監事會職權

1、監督本會行政管理機關的運作;

2、查核本會的財務;

3、就其監察活動編制年度報告;

四、監事會可要求本會的行政管理機關提供必要或適當的資源及方法以履行其職務。

第十二條

秘書處

一、會員大會下設秘書處;

二、秘書長(或財務主管)根據理事會決議負責本會的日常管理事務,可設副秘書長,協助秘書長工作;

三、秘書長由理事會選舉產生,每屆任期為三年,可以連選連任。

第四章

經費

第十三條

經費來源

本會經費來源如下:

1、會費;

2、利息;

3、捐獻;

4、其他收入。

第十四條

經費使用

本會經費使用如下:

1、書刊出版;

2、學術活動;

3、其他經常務理事會同意的支出。

第五章

附則

第十五條

終止

本會可因如下事由而終止:

一、不可抗力;

二、自行解散。

終止程式按相關法律辦理。

第十六條

其他

一、本章程經會員大會通過並公佈後施行,修改時亦同。

二、本章程如有未盡事宜,依有關法律法規的規定辦理。

三、本章程解釋權歸會員大會。

二零零八年五月十九日於海島公證署

二等助理員 林志堅


聯豐亨人壽保險股份有限公司

中國銀行澳門分行員工公積金 計劃——計劃A

設立合同

補充協議

二零零八年五月十九日,在東望洋斜巷24至26號金融管理局總部大廈內,在本人潘志輝面前,下述兩方簽定中國銀行澳門分行退休基金之設立合同的補充協議:

甲方:中國銀行澳門分行,公司住址位於澳門蘇鴉利士博士大馬路中國銀行大廈,於商業及動產登記局之註冊編號為2428〔SO〕,由張志生代表,作為本基金的參與法人。

乙方:聯豐亨人壽保險股份有限公司,公司住址位於澳門新口岸宋玉生廣場398號中航大廈4樓,公司資本為澳門幣六千萬元,於商業及動產登記局之註冊編號為16021,由苗秋月代表,作為本基金的管理實體,下簡稱為「管理實體」。

鑑於:

(1)「中國銀行澳門分行員工公積金計劃-計劃A」(下簡稱為「本基金」)乃依據甲乙雙方於二零零二年十二月三十日(按法令第6/99/M號第十四條及第十五條的規定)在澳門金融管理局簽訂之書面合同(下簡稱為「設立合同」)而設立的封閉式退休基金,設立合同已刊登於《政府公報》。

(2) 根據設立合同第四條3.b項,管理實體在預先獲得澳門金融管理局的批准及參與法人的同意後,可增加本基金的投資選擇(投資基金資料及其投資目標及政策列載於設立合同之附件二)。甲乙雙方經協商後同意增加本基金的投資選擇,並對設立合同之附件二作出下述之修改。有關修改已獲得澳門金融管理局的批准。

(3)甲乙雙方另同意對設立合同之附件三作出下述之修改,有關修改已獲得澳門金融管理局的批准。

本補充協議現確認雙方協議如下:

第一條

定義

除非本補充協議另有規定,否則本補充協議之文字及詞句將採用設立合同對有關文字及詞句所作出之定義。

第二條

設立合同之修改

2.1 設立合同之附件二(即投資目標及政策)將修改如下(經修改之附件二列載於本補充協議之附件A):

2.1.1 第一行「本基金包含以下四個投資基金:」將修改為「本基金包含以下六個投資基金:」。

2.1.2 在「4. 澳中行保證基金」後加上以下段落:

「5. 澳中行中國股票基金

—— 澳中行中國股票基金為一股票基金,通過直接投資或間接投資於投資基金(單位信託、互惠基金或匯集投資基金)進行投資活動。
—— 澳中行中國股票基金旨在通過主要投資於其業務與中華人民共和國的經濟發展和經濟增長有密切聯繫的公司的上市股票和與股票相關證券(包括可換股證券)而向投資者提供長期的資本增長。
—— 一般情況下,澳中行中國股票基金將主要投資於其活動及業務與中華人民共和國的經濟發展有密切聯繫的公司的香港上市股票和與股票相關證券(包括可換股證券)。基金可以接觸到中華人民共和國的證券市場。基金亦可投資於在中國內地及香港以外的證券交易所上市/掛牌的證券,該等證券可於紐約、倫敦或新加坡的證券交易所上市,例如美國預托證券及全球預托證券等證券,條件是該等證券是由其活動及業務與中華人民共和國的經濟發展有密切聯繫的公司發行的。管理實體可按情況隨時調整投資項目的地理分佈。
—— 在適當時澳中行中國股票基金可能考慮持有現金、定期存款、債務證券、貨幣市場或定息證券。
—— 澳中行中國股票基金為風險非常高之投資組合。

6. 澳中行安定基金

—— 澳中行安定基金將主要投資於存款及債務證券。
—— 澳中行安定基金為一非常低風險之投資組合。」

2.2 設立合同之附件三將修改如下(經修改之附件三列載於本補充協議之附件B):

2.2.1 刪除第三條「自願退休」條款。原有的第四、五、六條相應改為第三、四、五條。

2.2.2 刪除原第四條(即經修改後之第三條)第1項的「、自願退休」及第4項的「/自願退休」字眼。

上述附件三之修改視為自二零零四年十二月一日起生效。

第三條

生效日期及其他條款及條件

3.1 除本補充協議第2.2條另有規定,本補充協議所述之修改將自二零零八年六月二日起生效。

3.2 除本補充協議提出之修訂外,載於設立合同內之所有條款及條件將維持不變,並繼續具有十足效力。

第四條

管轄

本補充協議受澳門法律管轄。澳門特別行政區法院為本補充協議具備管轄權之法院。

於澳門,二零零八年五月十九日

聯豐亨人壽保險股份有限公司
授權代表
姓名:苗秋月
職銜:董事總經理

 

中國銀行澳門分行
授權代表
姓名: 張志生
職銜: 副總經理

上述補充協議在本人面前簽訂:

António José Félix Pontes (潘志輝)

附件A

附件二

投資目標及政策

本基金包含以下六個投資基金:

1. 澳中行增長基金

—— 澳中行增長基金務求爭取較平均資本增值為高的回報。基金將積極把握世界各地的短期市場機會,及發掘其他具有長遠增長潛力的市場。
—— 澳中行增長基金為一管理基金,通過直接投資或間接投資於投資基金(單位信託、互惠基金或匯集投資基金) 以組合的方式投資於股票及債務證券。
—— 一般情況下,基金將主要投資於環球股票,包括但不限於美國、歐洲、日本、香港及其他主要亞洲市場。餘下的資產將投資於美國、歐洲及其他世界性主要貨幣的環球債務證券。
—— 澳中行增長基金為風險相對較高之投資組合。

2. 澳中行均衡基金

—— 澳中行均衡基金務求爭取長遠的資本增長。基金將積極把握世界各地的短期市場機會及發掘其他具有長遠增長潛力的市場。
—— 澳中行均衡基金為一管理基金,將主要通過直接投資或間接投資於投資基金(單位信託、互惠基金或匯集投資基金)以組合的方式投資於股票及債務證券。
—— 一般情況下,基金將均衡地投資於環球股票,包括但不限於美國、歐洲、日本、香港及其他主要亞洲市場以及美國、歐洲及其他世界性主要貨幣的環球債務證券。
—— 澳中行均衡基金為風險程度由中至高等之投資組合。

3. 澳中行平穩基金

—— 澳中行平穩基金將以穩當策略減低資本損失的風險,同時亦會嘗試爭取合理水平的資本收益。基金將積極把握世界各地的短期市場機會,及發掘其他具有長遠增長潛力的市場。
—— 澳中行平穩基金為一管理基金,將主要通過直接投資或間接投資於投資基金(單位信託、互惠基金或匯集投資基金) 以組合的方式投資於股票及債務證券。
—— 一般情況下,基金將主要投資於美國、歐洲及其他世界性主要貨幣的環球債務證券。餘下的資產將投資於環球股票,包括但不限於美國、歐洲、日本、香港及其他主要亞洲市場。
—— 澳中行平穩基金為風險程度由低至中等之投資組合。

4. 澳中行保證基金

—— 澳中行保證基金為達到保證回報率,將貫徹有系統地運用可投資的資金,爭取穩定之回報。基金將採用中長線投資策略。
—— 澳中行保證基金為一管理基金,主要通過直接投資或間接投資於投資基金(單位信託、互惠基金或匯集投資基金) 以組合的方式主要投資於政府、企業及金融機構發行的債務證券。
—— 澳中行保證基金為風險程度相對較低之投資組合。

5. 澳中行中國股票基金

—— 澳中行中國股票基金為一股票基金,通過直接投資或間接投資於投資基金(單位信託、互惠基金或匯集投資基金)進行投資活動。
—— 澳中行中國股票基金旨在通過主要投資於其業務與中華人民共和國的經濟發展和經濟增長有密切聯繫的公司的上市股票和與股票相關證券(包括可換股證券)而向投資者提供長期的資本增長。
—— 一般情況下,澳中行中國股票基金將主要投資於其活動及業務與中華人民共和國的經濟發展有密切聯繫的公司的香港上市股票和與股票相關證券(包括可換股證券)。基金可以接觸到中華人民共和國的證券市場。基金亦可投資於在中國內地及香港以外的證券交易所上市/掛牌的證券,該等證券可於紐約、倫敦或新加坡的證券交易所上市,例如美國預托證券及全球預托證券等證券,條件是該等證券是由其活動及業務與中華人民共和國的經濟發展有密切聯繫的公司發行的。管理實體可按情況隨時調整投資項目的地理分佈。
—— 在適當時澳中行中國股票基金可能考慮持有現金、定期存款、債務證券、貨幣市場或定息證券。
—— 澳中行中國股票基金為風險非常高之投資組合。

6. 澳中行安定基金

—— 澳中行安定基金將主要投資於存款及債務證券。
—— 澳中行安定基金為一非常低風險之投資組合。

附件B

附件三

第一條

退休年齡

1. 除有關法例另有規定外,參與人之退休年齡將參照於不時生效的參與法人員工守則之有關規定。

2. 如因工作需要,可按於不時生效的參與法人員工守則之有關規定及法例之適用延遲參與人之退休年齡,暫不辦理退休手續。

第二條

提前退休

參與人之提前退休年齡將參照於不時生效的參與法人員工守則之有關規定。

第三條

金錢給付

1. 參與人退休、提前退休、辭職、遭參與法人解僱或即時解僱、永久喪失工作能力或死亡等原因而離開參與法人,其參加本基金的資格(除另有規定外)即告終止,其應得利益將按照本條款之規定計算。

2. 若因參與人辭職或遭任何參與法人解僱而終止參與法人與參與人之僱主僱員關係時,參與人可依以下規定收取其參與人帳戶的結餘,或將其轉移至另一退休基金。

參與人帳戶的結餘應包括:

a)參與人自己的供款連同投資回報經扣減有關支付管理實體、受託人之費用及其他費用及開支後的金額。

b)根據於不時生效的參與法人員工守則規定按不同服務年資可取回參與法人為參與人作出之供款的一定比例連同投資回報經扣減有關支付管理實體、受託人之費用及其他費用及開支後的金額。

3. 如按於不時生效的參與法人員工守則遭即時解僱的參與人,參與人只可取回參與人自己之供款連同投資回報經扣減有關支付管理實體、受託人之費用及其他費用及開支後的金額,參與人並無權領取參與法人之供款及任何相關的投資回報。

4. 於退休/提前退休的情況下,參與人可取回自己的供款連同投資回報及全數參與法人為參與人所作出之供款連同投資回報並經扣減有關支付管理實體、受託人之費用及其他費用及開支後的金額。

5. 因永久喪失工作能力而離職之參與人,可取回根據於不時生效的參與法人員工守則之有關規定計算之應得利益並經扣減有關支付管理實體、受託人之費用及其他費用及開支後的金額。

6. 參與人在職期間死亡,受益人可取回參與人的供款連同投資回報及全數參與法人為參與人所作出之供款連同投資回報並經扣減有關支付管理實體、受託人之費用及其他費用及開支後的金額。

第四條

單方解約的賠償

任何單方解約的賠償及/或按員工守則有關長期服務金之給付與本基金的關係將按照於不時生效的員工守則之有關規定及勞資關係法處理。

第五條

集團內的調動

參與人被調動到與中國銀行澳門分行有一種企業、社團、職業或社會等性質聯繫之法人單位時,除另有規定外,在參與人原單位之私人退休金計劃帳戶內的累算利益在調動生效日起轉移至新單位的私人退休金計劃。除另有規定外,被調動的參與人的服務年資及參加計劃的年資均連續計算,新單位自工資關係轉移之日起負責為該參與人供款。


2.º CARTÓRIO NOTARIAL DE MACAU

CERTIFICADO

Associação de Beneficência e Assistência Mútua dos Moradores do Bairro “Fai Chi Kei”

拼音名稱為 “Ou Mun Fai Chi Kei Fóng Chung Wu Chó Wui”

為公佈之目的,茲證明上述社團的章程之修改文本已於二零零八年五月十五日,存檔於本署之2008/ASS/M1檔案組內,編號為80號,有關修改之條文內容如下:

(章程全文)

筷子基坊眾互助會章程

(二零零七年六月十六日第十三次會員大會通過)

第一章

總則

第一條——本會中文定名為“筷子基坊眾互助會”,葡文名為“Associação de Beneficência e Assistência Mútua dos Moradores do Bairro Fai Chi Kei”,於一九八二年六月十八日正式成立。會址設在筷子基中街平民大廈C座五號地下。是澳門街坊會聯合總會之 屬會。

第二條——本會宗旨是:愛國愛澳,團結街坊,關注民生,拓展社區,維護居民權益,發揚團結互助精神,開展好社區服務及福利工作,支持社會公益事業。

第二章

會員

第三條——凡在本澳工作或居住之街坊,持有澳門身份證者,年齡在十六歲以上,願意遵守本會會章者,均可申請加入。

第四條——本會會員組成:

名譽會員,由理事會特邀參加者。

永遠會員,一次繳交三百元以上之會員,或連續會齡達十五年或以上之會員。

普通會員,按每年繳交會費之會員。

第五條——申請入會者,須填寫入會申請表,繳交近照兩張,經本會會員介紹,由理事會授權秘書處辦理,提交理事會批准並繳交會費後,方得成為正式會員。

第六條——本會會員有如下權利:

選舉權及被選舉權。

批評及建議權。

按會章享受本會之福利及服務之權。

第七條——本會會員應盡下列義務:

遵守本會會章及決議。

積極參與社區各項活動。

繳交基金及會費。

第八條——會員須自動繳交會費,欠交一年會費者,經多次催交,若仍不交者,作自動退會論。

第九條——會員如有違反會章,破壞本會行為者,理事會視其情節輕重,可給予勸告、警告或開除會籍之處分。

第三章

組織

第十條——本會採用民主集中制原則。

第十一條——會員大會為本會最高權力機關,有權決定本會章程之修訂,制定會務方針與任務,選舉理監事,審議批准理事會之工作報告及財務報告。

第十二條——理事會為最高執行機關,由會員大會選舉產生理事若干人包括理事長一人(必須為單數);任期二年,連選得連任,其職權為:

一、召開會員大會。

二、執行會員大會之決議。

三、向會員大會報告會務及提出建議。

四、選舉產生常務理事會。

五、聘請正副會長、顧問、名譽顧問和名譽會長。

第十三條——常務理事會為執行及處理日常會務機關,由理事會互選出理事長、副理事長、秘書長等若干人組成(必須為單數)。

一、理事長連任两屆如不再續任則可升為本會常務副會長。

二、副理事長連任十年如不再續任則可升為本會會務顧問。

三、常務理事連任十五年如不再續任則可升為本會會務顧問。

四、理事連任十五年如不再續任則可升為本會會務顧問。

第十四條——常務理事會下設立秘書處﹔青松頤老中心,花炮會,青年部,社會事務部,財務部,大廈聯絡部,婦女部,醫療部,旅遊部,康樂部等。由正、副理事長或常務理 事互選擔任各部主任。由常務理事會委任,並向常務理事會負責。常務理事會視工作需要可聘請給職人員或成立特種工作委員會處理有關事務。

第十五條——理事在任職期內,可免交會費。如有辭職或身故者,以及有不經請假,連續一年不參加理事會會議之理事,作自動離職。

第十六條——監事會為本會之監察機關,由會員大會選舉正、副監事長各一人,監事若干人(必須為單數)組成,任期二年,得連選連任,負責對理事會的工作進行監督,並向 會員大會提交報告,(其成員由會員大會推選)。

第十七條——各部門主任(含花炮會)由常務理事會委任,並向常務理事會負責;各部門主任助理必須列席理事會會議,提交每月工作總結及下月工作計劃;經會議審定後,由 各部門主任及主任助理負責實施;各部門有權組織幹事會,但必須提交理事會批准,其幹事必須是該部門之成員。

第十八條——加強對財務工作的領導和管理,所有理監事和財務人員必須嚴格遵守及執行本會制定之財務制度。堅決貫徹落實執行財務管理制度。

第四章

會議

第十九條——會員大會每年舉行一次,由理事會召集,遇特殊情況可提前或延期舉行,如理事會認為必要時或五分之一以上會員聯署請求時,得召開臨時會員大會。

第二十條——理監事會每月召開一次,常務理事會議每月召開一次,由理事長召集。理事長認為必要時,可召開臨時會議。

第二十一條——各服務部門幹事會議每月召開一次,由主任召集。主任認為必要時可召開臨時會議。各服務部門會議,如有需要之職員均需出席。

第五章

附則

第二十二條——理事會認為必要時得為籌集會務經濟費進行募捐。

第二十三條——本會章程經會員大會通過後施行,解釋權屬理事會,修訂權則屬會員大會。

附件

第十三屆理監事會籌備小組根據第十二屆理監事會建議,擬定第十三屆理監事工作提議如下:

一﹑積極支持澳門特區政府的各項工作,並適時適度地提出監督意見,努力發揮“澳人治澳”的作用。

二﹑積極支持和配合街坊總會的各項工作,認真貫徹落實街坊總會“團結坊眾,參與社會,關注民生,服務社群,共建特區”的方針,致力做好各項街坊工作。

三﹑各部門

(1)秘書處:加強及擴大街坊團結,調動社區資源,發揚互助精神,做好會務工作。

(2)財務部:繼續做好財務上的管理及監督的工作,使到財務上的管理更加系統化和制度化。

(3)青松頤老中心:進一步做好老人服務工作。

(4)花炮會:繼續做好花炮會聯誼工作、花炮會是聯絡街坊好橋樑。

(5)青年部:要繼續辦好各項青少年的工作,致力舉辦有益青少年心身健康的活動。

(6)婦女部:加强聯繫各界婦女,確立婦女在家庭及社會中所起的作用和重要性。

(7)社會事務部:加強聯繫社會各界,關注社區各方事務。

(8)大廈聯絡部:繼續辦好與各大廈管理委員會的恊調和溝通的工作。

(9)旅遊部:繼續辦好旅遊的工作,多辦一些特色旅遊。

(10)康樂部:繼續辦好康樂活動方面的服務工作。

(11)醫療部:繼續辦好醫療所,關心社區環境衛生工作。

四、大力發展會員,尤其推動青年加入坊會行列,以利我們街區工作後繼有人。

五﹑積極開展公民教育,使街坊關心社會,熱愛社區,提倡服務社群之風尚。

六、選舉過後有會員要求參加本會理事會工作。通過理監事會同意批准,可作候補理事,參加本會活動。只有發言權未有表決權。

Está conforme.

Segundo Cartório Notarial de Macau, aos quinze de Maio de dois mil e oito. — A Ajudante, Isabel Patrícia de Assis.


CARTÓRIO NOTARIAL DAS ILHAS

CERTIFICADO

澳門永利文娛體育會

為公布的目的,茲證明上述社團修改章程的文本自二零零八年五月二十一日起,存放於本署之“2008年社團及財團儲存文件檔案”第1/2008/ASS檔案組第34號 ,有關條文內容載於附件。

澳門永利文娛體育會

修改章程

修改內容如下:

第三條——本會為非牟利體育組織,宗旨是推動本地區體育活動的發展,提升本地運動員的競技水準,促進本澳居民與外地的體育活動交流。

二零零八年五月二十一日於海島公證署

二等助理員 林志堅


CARTÓRIO PRIVADO

MACAU

CERTIFICADO

澳門商訓夜中學校友會

為公佈之目的,茲證明上述社團修改章程文本自二零零八年五月十九日起,存放於本署之3/2008號檔案組內,並登記於第1號“獨立文書及其他文件之登記簿冊”內,編 號為6號,該修改章程內容載於附件之證明書內並與原件一式無訛,而該原件已存放於本署。藉此聲明該原件之未被影印部份並非與該文件之影印部份相抵觸,亦不對之造成更改、限 制或妨礙。

澳門商訓夜中學校友會

章程修改

澳門商訓夜中學校友會,葡文名稱為“Associação dos Antigos Alunos da Escola Seong Fan de Macau”( 以下簡稱“本會”),聲明修改本會章程第一條至第十二條,增加第十三條,內容如下:

第一章

總則

第一條

本會名稱為“澳門商訓夜中學校友會”(以下簡稱本會),葡文名稱為“Associação dos Antigos Alunos da Escola Seong Fan de Macau”,簡稱《A.A.A.E.S.F.M.》。

第二條

本會的會址設於澳門馬揸度博士大馬路539號。經理事會議決,該會址可以遷往澳門特別行政區任何地方。

第三條

本會的設立依附於商訓夜中學,其宗旨是維繫各校友之間的團結,為各校友組織文娛康樂活動、關心和支持母校的發展。

第四條

本會為一非牟利團體。

第二章

會員

第五條

1. 凡屬商訓夜中學的校友均可以加入本會;

2. 本會可聘請社會知名人士、資深校友等加入商訓夜中學校友會擔任榮譽職務、名譽職務或顧問。

第六條

會員的權利

1. 參與會員大會和本會的任何活動;

2. 根據章程的規定要求召集特別會員大會;

3. 根據章程的規定,有權選舉和被選舉成為本會管理機關的成員。

第七條

會員的義務

1. 遵守本會的規章、會員大會的決議和理事會的決定;

2. 按時繳交會費。

第八條

會員作出了損害本會聲譽和利益的行為,將會受到理事會的懲戒,如果理事會認為損害行為相當嚴重,將可以向會員大會建議取消其會員資格。

第三章

本會的機關

第九條

1. 會員大會是本會的最高權力機關,其權限為:決議和修改本會章程、各機關成員之解任及資產負債之通過;

2. 會員大會由所有的會員組成,每年最少召開一次,由理事會負責召開;

3. 會員大會設會長一名,副會長若干名及一名秘書;

4. 大會主席之主要職責為召集及主持大會,如主席出缺,則由副主席依排名次序接管;

5. 在不妨礙下款規定之情況下,如召集會議之時間已到而出席的有投票權會員未足半數,則不得作出任何決議;

6. 如法定人數不足,則於召集書上指定之召開會議時間半小時後視為第二次召集會議,屆時不論出席人數多寡,會員大會均得開會,所作出之決議均視為有效決議;

7. 會員大會將可以因超過三分之一的會員要求召集而召開,但召集的通知書須按法定的方式派發;

8. 會員大會的決議須由出席大會的會員絕對多數票通過,但法律與此有相反規定者除外。

第十條

1.理事會是執行機關,其權限為:1)管理本會;2)提交年度管理報告,履行法律及章程規定的其他義務;

2. 理事會由不少於十一名理事組成,總數為單數,理事會設理事長一名、副理事長若干名,由理事互選產生;

3. 理事長為本會代表人,除理事長或由其指定的人外,其他任何理事會成員不得以本會名義發表意見;

4. 理事會成員任期為三年,可連選連任,但理事長任期不得連續超過兩屆;

5. 理事會由理事長召集,只可以在過半數理事會成員出席時才可作出決議,當票數相同時,理事長所投的票具決定性。

第十一條

1. 監事會之權限為監督理事會之運作;就其監察活動編制年度報告,履行法律及章程所載之其他義務;

2. 監事會由不少於三名成員組成,總數為單數,監事會設監事長一名、秘書一名,由會員大會選出;

3. 監事會成員不能以本會的名義發表意見;

4. 監事會成員任期為三年,可連選連任。

第四章

收入

第十二條

本會的收入:會費和其他活動的收入。

第十三條

本會可以接受捐贈。且所有獲得的財產和款項將不可用於與本會宗旨具不同性質的用途。

二零零八年五月十九日於澳門特別行政區

私人公證員 林笑雲


KPMG AUDITORES

畢馬威會計師事務所

公 告

根據十一月一日第71/99/M號法令核准之《核數師通則》第五十四條一款及二款之規定,現公告本會計師事務所章程第一條已被適當修改,修改後的行文如下:

第一條

公司名稱

公司之中文名稱為:“畢馬威會計師事務所”,葡文名稱為:“KPMG Auditores”和,英文名稱為“KPMG”。

KPMG AUDITORES

畢馬威會計師事務所

KPMG


中國工商銀行股份有限公司——澳門分行

試算表於二零零七年十二月三十一日(修正)

總經理

首席財務官

沈曉祺 雷國泰

BANK OF COMMUNICATIONS CO., LTD. — SUCURSAL DE MACAU

(Publicações ao abrigo do artigo 76.º do RJSF, aprovado pelo Decreto-Lei n.º 32/93/M, de 5 de Julho)

Balanço anual em 31 de Dezembro de 2007

MOP

MOP

MOP

Demonstração de resultados do exercício de 2007

Conta de exploração

MOP

Conta de lucros e perdas

MOP

O Gerente-Geral, Tan ZhiqingO Chefe da Contabilidade, Zhu Ying

Síntese do relatório de actividade

Em 2007, o Bank of Communications Co., Ltd. conseguiu voltar para as acções de modelo A através da estréia das acções da Bolsa de Valores de Shanghai, obtendo brilhante resultado de reforma e bom desempenho de administração. No dia 22 de Outubro, com o apoio e a paixão de todos os sectores de actividade de Macau, estabeleu-se oficialmente a nova filial em Macau. Desde a sua abertura, a filial em Macau aderiu-se a directriz de desenvolvimento estável, administração regulamentar, decisão com cautela e realização de criatividade, progrediu em todos os sentidos e atingiu a todas as metas com sucesso.

Neste momento a filial do Bank of Communications Co., Ltd. - Sucursal de Macau gostaria de agradecer no fundo do coração ao Governo da Região Administrativa Especial de Macau e aos grupos e indivíduos da sociedade de Macau.

Ano 2008 vai ser o aniversário de 100 anos do Bank of Communications Co., Ltd., a filial em Macau vai continuar manter e desenvolver a boa impressão de uma marca de 100 anos, aproveitar a excelente oportunidade de política estável, sociedade em paz e desenvolvimento de economia com alta velocidade de Macau. Os funcionários de toda filial vão avançar com cooperação, abrir mercado com energia, fortalecer administração científica, aperfeiçoar mecanismo de controlo interno, reforçar a interacção entre Macau e cidades interiores, esforçar-se para realizar o objectivo estratégico de ser banco de administração de riqueza de primeira linha e, como consequência, contribuir para a prosperidade de economia e desenvolvimento da sociedade de região de Macau.

Gerente geral
Tan Zhiqing

Síntese do parecer dos auditores externos

Para a Direcção do Bank of Communications Co., Ltd. — sucursal de Macau (registado em Macau como Sucursal)

As demonstrações financeiras resumidas anexas do Bank of Communications Co., Ltd. — Sucursal de Macau («a Sucursal») referentes ao período findo em 31 de Dezembro de 2007 resultam das demonstrações financeiras auditadas e dos registos contabilísticos da Sucursal no período compreendido entre a data de constituição, 28 de Setembro de 2007 e 31 de Dezembro de 2007. Estas demonstrações financeiras resumidas, as quais compreendem o balanço em 31 de Dezembro de 2007 e a demonstração dos resultados no período compreendido entre a data de constituição, 28 de Setembro de 2007 e 31 de Dezembro de 2007, são da responsabilidade da direcção da sucursal. A nossa responsabilidade consiste em expressar uma opinião sobre se as demonstrações financeiras resumidas são consistentes, em todos os aspectos materiais, com as demonstrações financeiras auditadas e com os registos contabilísticos da sucursal.

Auditámos as demonstrações financeiras da sucursal no período compreendido entre a data de constituição, 28 de Setembro de 2007 e 31 de Dezembro de 2007 de acordo com as Normas de Auditoria e Normas Técnicas de Auditoria emitidas pelo Governo da Região Administrativa Especial de Macau, e expressámos a nossa opinião sem reservas sobre essas demonstrações financeiras, no relatório de 21 de Abril de 2008.

As demonstrações financeiras auditadas compreendem o balanço em 31 de Dezembro de 2007, a demonstração dos resultados, a demonstração de alterações nas reservas e a demonstração dos fluxos de caixa no período compreendido entre a data de constituição, 28 de Setembro de 2007 e 31 de Dezembro de 2007, e um resumo das principais políticas contabilísticas e outras notas explicativas.

Em nossa opinião, as demonstrações financeiras resumidas são consistentes, em todos os aspectos materiais, com as demonstrações financeiras auditadas e com os registos contabilísticos da sucursal.

Para uma melhor compreensão da posição financeira da sucursal e dos resultados das suas operações, e do âmbito da nossa auditoria, as demonstrações financeiras resumidas devem ser lidas em conjunto com as demonstrações financeiras auditadas e com o respectivo relatório do auditor independente.

Tsang Cheong Wai
Auditor de contas
Lowe Bingham & Matthews — PricewaterhouseCoopers

Macau, aos 25 de Abril de 2008.


BANK SINOPAC COMPANY LIMITED — SUCURSAL DE MACAU

Balanço anual em 31 de Dezembro de 2007

MOP

MOP

MOP

Demonstração de resultados do exercício de 2007

Conta de exploração

MOP

Conta de lucros e perdas do exercício de 2007

MOP

Gerente-Geral, Scott Lin A Chefe da Contabilidade, Tamy Tong

業務報告之概要

二零零七年度本分行各項業務均能穩健成長,與上一年度比較,存款及放款業務各有31%及23%之增長,整體信貸品質維持良好水平,稅後盈利達澳門幣2,717萬元,衷心感謝所有員工、客戶及同業金融機構的鼎力支持。

展望二零零八年,本分行將在總行全力支持下,投入更多資源於本地市場,除增聘業務發展人才外,並擬增設支行,推出網上銀行等各種金融服務項目,竭誠為各界提供更優質的銀行服務。

澳門分行 總經理
林志鴻

外部核數師意見書之概要

致永豐商業銀行股份有限公司 —— 澳門分行總經理

本核數師行已按照由澳門特別行政區行政長官核准的《核數準則》及由經濟財政司司長核准的核數實務準則完成審核永豐商業銀行股份有限公司——澳門分行截至二零零七年十二月三十一日止年度之財務報表。並已於二零零八年三月二十七日就該等財務報表發表了無保留意見的報告。

上述已審核的財務報表由於二零零七年十二月三十一日之資產負債表及截至該日止年度之收益表、總公司賬項變動表及現金流量表組成,亦包括重大會計政策概要和其他說明性附註。

隨附由管理層編制的摘要財務報表是上述已審核的財務報表的撮要內容,本行認為摘要財務報表的內容,在所有重要方面,與已審核財務報表的內容一致。

為更全面了解永豐商業銀行股份有限公司——澳門分行的財務狀況和經營結果以及核數工作的範圍,隨附的摘要財務報表應與已審核的財務報表以及獨立核數師報告一併參閱。

馬健華
註冊核數師
合伙人
德勤.關黃陳方會計師行

澳門

二零零八年三月二十七日


HANG SENG BANK LIMITED — SUCURSAL DE MACAU

(Publicações ao abrigo do artigo 76.º do R.J.S.F., aprovado pelo Decreto-Lei n.º 32/93/M, de 5 de Julho)

Balanço anual em 31 de Dezembro de 2007

(Em patacas)

(Em patacas)

As Outras Reservas incluem uma reserva obrigatória no montante de 13 371,345 Patacas. Porque a sucursal adopta as Financial Reporting Standards of the Macau SAR («MFRS») na preparação das suas demonstrações financeiras anuais, as perdas de imparidade com base nas MFRS podem ser inferiores ao nível mínimo de provisões genéricas calculadas de acordo com o Aviso 18/93 da AMCM (o nível mínimo). A referida reserva obrigatória representa, pois, a diferença entre o nível mínimo e as perdas de imparidade nos termos das MFRS (antes do impostos diferidos de 1 823,365 Patacas). Este mesmo montante, inscrito na linha «Dotações adicionais para provisões conforme RJSF» da Conta de Lucros e Perdas das contas resumidas, está reconciliado entre o «Lucro depois de impostos» e os «Resultados do ano de acordo com as regras da AMCM» na Conta de exploração das demonstrações financeiras auditadas anuais.

(Em patacas)

Demonstração de resultados do exercício de 2007

Conta de exploração

(Em patacas)

Conta de lucros e perdas

(Em patacas)

O Gerente da Sucursal de Macau,
Charles Kwan
A Chefe da Contabilidade,
Tracy Cheung

Síntese do relatório de actividade

2007 foi um ano de prosperidade continuada da economia em Macau. Introduzimos recursos adicionais, mediante a promoção da rede de ATM’s e lançamento de serviços de mediação de seguros, com vista à prestação aos clientes de serviços especializados e modernos.

As actividades essenciais do Banco em 2007 consistiram na prestação, aos clientes individuais e às empresas, de serviços de «trade finance», financiamentos em geral, empréstimos para giro comercial, hipotecas sobre imóveis, contas e depósitos bancários, transferências e operações cambiais, cobrança de cheques e cobranças electrónicas, na área comercial e em serviços bancários pessoais. No dia do encerramento do exercício, os montantes dos depósitos e empréstimos ascendiam, respectivamente, a um bilião trezentos e oitenta milhões de patacas e dois biliões e quarenta milhões de patacas. O lucro depois de impostos foi de vinte e oito milhões seiscentas e setenta mil patacas.

Olhando para 2008, continuaremos a fazer esforços no desenvolvimento e lançamento de outros serviços e produtos bancários, bem como no fortalecimento das relações com os clientes existentes, na procura de outros clientes, no aperfeiçoamento do cumprimento das formalidades e no sistema de gestão, com vista a melhorar a eficiência e qualidade dos serviços prestados.

Aproveitamos a oportunidade para agradecer aos serviços públicos, a todos os clientes, aos estimados colegas e empregados, o apoio prestado ao Banco.

Hang Seng Bank Limited — Sucursal de Macau
O Gerente da Sucursal de Macau
Charles Kwan

Síntese do parecer dos auditores externos

Para o gerente-geral do Hang Seng Bank Limited — Sucursal de Macau
(Sucursal de um banco comercial de responsabilidade limitada, incorporado em Hong Kong)

Procedemos à auditoria das demonstrações financeiras do Hang Seng Bank Limited — Sucursal de Macau relativas ao ano de 2007, nos termos das Normas de Auditoria e Normas Técnicas de Auditoria da Região Administrativa Especial de Macau. No nosso relatório, datado de 16 de Maio de 2008, expressámos uma opinião sem reservas relativamente às demonstrações financeiras das quais as presentes constituem um resumo.

As demonstrações financeiras a que se acima se alude compreendem o balanço, à data de 31 de Dezembro de 2007, a demonstração de resultados, a demonstração de alterações no capital próprio e a demonstração de fluxos de caixa relativas ao ano findo, assim como um resumo das políticas contabilísticas relevantes e outras notas explicativas.

As demonstrações financeiras resumidas preparadas pela gerência resultam das demonstrações financeiras anuais auditadas e dos livros e registos do sucursal. Em nossa opinião, as demonstrações financeiras resumidas são consistentes, em todos os aspectos materiais, com as demonstrações financeiras auditadas e os livros e registos do sucursal.

Para a melhor compreensão da posição financeira do Hang Seng Bank Limited — Sucursal de Macau e dos resultados das suas operações, no período e âmbito abrangido pela nossa auditoria, as demonstrações financeiras resumidas devem ser lidas conjuntamente com as demonstrações financeiras das quais as mesmas resultam e com o respectivo relatório de auditoria.

Lei Iun Mei, Auditor de Contas
KPMG

Macau, aos 16 de Maio de 2008.


DBS BANK (HONG KONG) LTD., SUCURSAL DE MACAU

(Publicações ao abrigo do artigo 76.º do RJSF, aprovado pelo Decreto-Lei n.º 32/93/M, de 5 de Julho)

Balanço anual em 31 de Dezembro de 2007

MOP

MOP

MOP

Demonstração de resultados do exercício de 2007

Conta de exploração

MOP

Conta de lucros e perdas

MOP

Representante Principal,
Kenneth Lau
A Chefe da Contabilidade,
Carolina Vong

Síntese do relatório de actividade

O banco teve no ano de 2007 o lucro de setenta e sete milhões patacas, com um crescimento de 140% relativamente ao ano passado, do qual a receita em juros foi de setenta e sete milhões patacas, com um crescimento de 24%, e as outras receitas foram de quarenta milhões patacas, com um crescimento de 71%. O montante global de empréstimos atingiu a duas bilhões trezentas milhões patacas, com um crescimento de 18%; o montante de depósitos pelos clientes foi de duas bilhões quatrocentas e setenta milhões patacas, com uma ligeira redução de 7%; o activo líquido aumentou para três bilhões cento e noventa milhões patacas, com um crescimento de 10%.

Considerando que a economia de Macau continuou a ter prosperidade e a fim de aumentar as oportunidades negociais, o banco deu início no ano passado, às actividades de «Private Banking», prestando aos clientes VIP os serviços de investimento e consultadoria de alta qualidade.

Olhando para o futuro, o banco vai melhorar os serviços bancários gerais de alta qualidade, com lançamento de novos produtos, e oferecerá contribuições aos clientes e à prosperidade económica de Macau.

DBS Bank (Hong Kong) Limited
Sucursal de Macau

Síntese do parecer dos auditores externos

À DBS Bank (Hong Kong) Limited — Sucursal de Macau

Examinámos, de acordo com as Normas de Auditoria, aprovadas pelo Regulamento Administrativo n.º 23/2004, da RAEM, e as Normas Técnicas de Auditoria, aprovadas pelo Despacho do Secretário para a Economia e Finanças n.º 68/2004, as demonstrações financeiras do DBS Bank (Hong Kong) Limited — Sucursal de Macau referentes ao exercício findo em 31 de Dezembro de 2007, e a nossa opinião sobre as demonstrações financeiras está expressa, sem reservas, no nosso relatório datado de 1 de Fevereiro de 2008.

Em nossa opinião, as contas financeiras resumidas estão de acordo com as demonstrações financeiras atrás referidas das quais elas resultaram.

Para uma melhor compreensão da situação financeira da Sucursal e dos resultados das suas operações, as demonstrações financeiras resumidas devem ser analisadas em conjunto com as demonstrações financeiras auditadas.

Ernst & Young Auditores

Macau, aos 31 de Março de 2008.


BANCO ESPÍRITO SANTO DO ORIENTE, S.A.

(Publicações ao abrigo do artigo 75.º do R.J.S.F., aprovado pelo Decreto-Lei n.º 32/93/M, de 5 de Julho)

Balanço anual em 31 de Dezembro de 2007

MOP

MOP

MOP

Demonstração de resultados do exercício de 2007

Conta de exploração

MOP

Conta de lucros e perdas

MOP

Pel’O Conselho de Administração, José Morgado O Chefe da Contabilidade, Francisco F. Frederico

Macau, aos 15 de Fevereiro de 2008.

Síntese do relatório de actividades

As principais economias asiáticas mantiveram durante 2007, à semelhança de 2006, um crescimento económico sustentado, com particular relevância para a R.P. da China, Índia, Coreia do Sul e Regiões Administrativas Especiais de Hong Kong e Macau.

A R.P. da China continua a registar uma forte expansão económica, com o PIB a apresentar um crescimento de 11,4%, contra 10,4% em 2006, confirmando um longo ciclo de crescimento e posicionando a China como a terceira maior potência económica do mundo nos próximos dois anos (E.U.A., Japão, R.P. da China e Alemanha).

O desempenho positivo da economia chinesa manteve-se inalterado ao longo dos últimos anos, não obstante o Governo Central chinês ter adoptado um conjunto de medidas administrativas de natureza restritiva (aumento das reservas de caixa, subida das taxas de juro directoras, valorização gradual do Renminbi…..).

O Comércio Externo continua a assumir um papel determinante no forte crescimento da economia chinesa, atingindo o excedente da balança comercial em 2007 o valor de 261,5 mil milhões de dólares americanos.

De salientar, igualmente, que a R.P. da China é actualmente o primeiro país do mundo no que se refere a reservas cambiais, atingindo as mesmas, em Dezembro de 2007, o valor de 1 528,5 mil milhões de USD.

A Região Administrativa Especial de Macau (RAEM) deverá apresentar, em termos homólogos, um crescimento do PIB superior a 25%, comparativamente a 2006, fruto do contínuo crescimento da Indústria do Turismo e do Jogo/Entretenimento, das importantes obras infra-estruturantes que têm vindo a ser concretizadas no território, de condições excepcionais negociadas com o Governo Central da R.P. da China (Acordos CEPA, Vistos Individuais….) e com um vasto conjunto de províncias chinesas.

De realçar a forte procura do imobiliário comercial e particular, permitindo que o sector imobiliário em Macau continue a evidenciar taxas de crescimento elevadas.

Em 2007, o Banco Espírito Santo do Oriente (BESOR) apresentou uma evolução positiva nos seus principais Indicadores de Gestão, com o total do Activo Líquido a atingir o valor de MOP 1 900 560 639,68 e a apresentar um aumento de 88,65%, comparativamente a 2006.

Relativamente ao ano de 2006, o exercício de 2007 registou as seguintes principais variações:

— Crédito Concedido (+170,67%), Depósitos de Clientes (+229,56%), Aplicações junto de Outras Instituições de Crédito (+88,51%) e Acções, Obrigações e Outros Títulos (-25,13%).

O aumento do Resultado Financeiro de 27,42%, por via do efeito volume e margem, reflectiu-se positivamente na rendibilidade do BESOR, tendo o rácio Produto Bancário/Activos Financeiros apresentado um valor de 2,5% em 2007.

Num contexto económico regional muito favorável, o BESOR tem vindo a reforçar o seu posicionamento no Mercado local, através de uma participação acrescida nas operações dos sectores do Turismo e do Jogo/Entretenimento, originadas na RAEM, bem como um interesse acrescido do Banco pela actividade de Mercado de Capitais/Banca de Investimento, onde se têm verificado taxas de crescimento elevadas (Participação do BESOR em operações de Crédito Sindicado na Ásia-Pacífico, contribuindo de forma significativa para o crescimento da Carteira de Crédito).

Proposta de aplicação de resultados

Nos termos legais e estatutários o Conselho de Administração propõe, para aprovação da Assembleia Geral, que o resultado do exercício findo em 31 de Dezembro de 2007 que se apura em MOP 15 581 925,47 (quinze milhões, quinhentas e oitenta e uma mil, novecentas e vinte e cinco patacas e quarenta e sete avos) seja aplicado da seguinte forma:

Para reserva legal (a) MOP 3 116 385,09
Para resultados transitados MOP 12 465 540,38

(a) correspondente a 20% do Resultado Líquido nos termos da legislação aplicável.

Macau, aos 15 de Fevereiro de 2008.

O Conselho de Administração.

Parecer do Conselho Fiscal

Nos termos da lei e do mandato que nos conferiram vimos submeter à Vossa apreciação o relatório sobre a actividade fiscalizadora desenvolvida e dar o parecer sobre o relatório do Conselho de Administração, o Balanço e a Demonstração de Resultados do BANCO ESPÍRITO SANTO DO ORIENTE, S.A., relativamente ao exercício findo em 31 de Dezembro de 2007.

O relatório do Conselho de Administração evidencia de maneira clara a situação económica e financeira e a evolução da actividade do Banco durante o exercício de 2007.

Verificámos a regularidade da escrituração contabilística, não tendo tomado conhecimento de qualquer violação da lei ou do contrato de sociedade.

Em resultado dos exames efectuados, é nossa convicção que o Relatório do Conselho de Administração é suficientemente esclarecedor da actividade do Banco e que os demais documentos apresentados satisfazem as disposições legais e estatutárias.

Com base nas verificações e conclusões referidas, somos de parecer que:

1. Sejam aprovados o relatório do Conselho de Administração, o Balanço e a Demonstração de Resultados;

2. Seja aprovada a proposta de aplicação de resultados.

Macau, aos 28 de Fevereiro de 2008.

O Conselho Fiscal.

ÓRGÃOS SOCIAIS

Mesa da Assembleia Geral

Ricardo Espírito Santo Silva Salgado — Presidente
Maria de Lurdes Nunes Mendes da Costa — 1.º Secretário
Rui Luís Cabral de Sousa — 2.º Secretário

Conselho de Administração

José Manuel Trindade Morgado — Presidente
Carlos José Nascimento Magalhães Freire
Rui Manuel Fernandes Pires Guerra
Manuel Alexandre da Rocha Barreto
Amílcar Carlos Ferreira de Morais Pires
Jorge Manuel da Conceição Góis
Pedro Manuel de Castro Simões Ferreira Neto

Comissão Executiva

José Manuel Trindade Morgado — Presidente
Carlos José Nascimento Magalhães Freire — Vice-Presidente
Manuel Alexandre da Rocha Barreto
Jorge Manuel da Conceição Góis
Pedro Manuel de Castro Simões Ferreira Neto

Conselho Fiscal

Ricardo Abecassis Espírito Santo Silva — Presidente
José Manuel Macedo Pereira
Wu Chun Sang

Instituições em que detém participação superior a 5% do respectivo
capital ou superior a 5% dos seus fundos próprios

Europ Assistance (Macau) — Serviços de Assistência Personalizados, Limitada 25%
Espírito Santo do Oriente — Estudos Financeiros e de Mercado de Capitais, Limitada 90%

Accionistas com participação qualificada

Nome Acções detidas (n.º) Valor percentual (%)
Banco Espírito Santo, S.A. 199.500 99.75

Síntese do parecer dos auditores externos

Aos accionistas do Banco Espírito Santo do Oriente, S.A.
(Sociedade anónima constituída em Macau)

Procedemos à auditoria das demonstrações financeiras do Banco Espírito Santo do Oriente, S.A. relativas ao ano 2007, nos termos das Normas de Auditoria e Normas Técnicas de Auditoria da Região Administrativa Especial de Macau. No nosso relatório, datado de 15 de Fevereiro de 2008, expressámos uma opinião sem reservas relativamente às demonstrações financeiras das quais as presentes constituem um resumo.

As demonstrações financeiras a que se acima se alude compreendem o balanço, à data de 31 de Dezembro de 2007, a demonstração de resultados, a demonstração de alterações no capital próprio e a demonstração de fluxos de caixa relativas ao ano findo, assim como um resumo das políticas contabilísticas relevantes e outras notas explicativas.

As demonstrações financeiras resumidas preparadas pela gerência resultam das demonstrações financeiras anuais auditadas e dos livros e registos do Banco. Em nossa opinião, as demonstrações financeiras resumidas são consistentes, em todos os aspectos materiais, com as demonstrações financeiras auditadas e os livros e registos do Banco.

Para a melhor compreensão da posição financeira do Banco e dos resultados das suas operações, no período e âmbito abrangido pela nossa auditoria, as demonstrações financeiras resumidas devem ser lidas conjuntamente com as demonstrações financeiras das quais as mesmas resultam e com o respectivo relatório de auditoria.

Lei Iun Mei, Auditora de Contas
KPMG

Macau, aos 15 de Fevereiro de 2008.


Balanço anual em 31 de Dezembro de 2007

MOP

MOP

Demonstração de resultados do exercício de 2007

Conta de exploração

MOP

Conta de lucros e perdas

MOP

A Comissão Administrativa: Carlos Alberto Roldão Lopes, Lau Wai Meng, Van Mei Lin, Vitória Alice Maria da Conceição.

O Chefe da Contabilidade: Lam Kuan Pui.

Síntese do relatório de actividades — 2007

O número de novos empréstimos concedidos em 2007 foi superior ao do ano anterior e o montante mutuado em circulação no final do ano foi de cerca de 156 milhões de patacas.

No final de 2007, o total dos depósitos foi de cerca de 869 milhões de patacas, registando-se um aumento de 7,5% em relação ao ano anterior.

O resultado do ano foi de cerca de 23 milhões de patacas, muito próximo do valor previsto.

A partir de 1 de Janeiro de 2007, a CEP adoptou um método mais adequado para reconhecer as receitas de juros e de comissões. Dada a alteração da política contabilística, o valor dos Resultados Transitados de Exercícios Anteriores aumentou MOP 1 430 000,00.

Composição da Comissão Administrativa durante 2007

Presidente — Carlos Alberto Roldão Lopes
Vogal — Lau Wai Meng
Vogal — Van Mei Lin
Representante dos Serviços de Finanças — Vitória Alice Maria da Conceição

Parecer do representante dos Serviços de Finanças

Exercício de 2007

No exercício das competências previstas no artigo 24.º do Regime Financeiro dos Serviços de Correios, aprovado pelo Decreto-Lei n.º 50/99/M, de 27 de Setembro, e no artigo 7.º do Regulamento da Caixa Económica Postal, aprovado pelo Decreto-Lei n.º 24/85/M, de 30 de Março, acompanhei o desenvolvimento da actividade da Caixa Económica Postal ao longo do exercício económico de 2007.

Tendo em atenção a análise efectuada aos documentos contabilísticos reportados a 31 de Dezembro de 2007, sou de parecer e considero que:

— São claros e elucidativos os elementos contabilísticos referentes ao balanço em 31 de Dezembro de 2007 e à demonstração de resultados para este ano;
— As contas relativas ao ano económico de 2007 mostram a real situação financeira em 31 de Dezembro de 2007 e estão em condições de ser aprovadas.

Macau, aos 28 de Março de 2008.

Representante dos Serviços de Finanças, Vitória Alice Maria da Conceição.

Síntese do parecer dos auditores externos

Para a Comissão Administrativa da Caixa Económica Postal

Procedemos à auditoria das demonstrações financeiras da Caixa Económica Postal («CEP») relativas ao ano de 2007, nos termos das Normas de Auditoria e Normas Técnicas de Auditoria da Região Administrativa Especial de Macau. No nosso relatório, datado de 3 de Abril de 2008, expressámos uma opinião, sem reservas, relativamente às demonstrações financeiras das quais as presentes constituem um resumo.

As demonstrações financeiras a que se acima se alude compreendem o balanço, à data de 31 de Dezembro de 2007, a demonstração de resultados, a demonstração de alterações no capital próprio e a demonstração de fluxos de caixa relativas ao ano findo, assim como um resumo das politícas contabilísticas relevantes e outras notas explicativas.

As demonstrações financeiras resumidas preparadas pela gerência resultam das demonstrações financeiras anuais auditadas e dos livros e registos da CEP. Em nossa opinião, as demonstrações financeiras resumidas são consistentes, em todos os aspectos materiais, com as demonstrações financeiras auditadas e os livros e registos da CEP.

Para a melhor compreensão da posicão financeira da CEP e dos resultados das suas operações, no período e âmbito abrangido pela nossa auditoria, as demonstrações financeiras resumidas devem ser lidas conjuntamente com as demonstrações financeiras das quais as mesmas resultam e com o respectivo relatório de auditoria.

Lei Iun Mei, Auditor de Contas
KPMG

Macau, aos 3 de Abril de 2008.


BANK OF CHINA LIMITED, SUCURSAL DE MACAU

Balanço anual em 31 de Dezembro de 2007

Patacas

Patacas

Patacas

Demonstração de resultados do exercício de 2007

Conta de exploração

Patacas

Conta de lucros e perdas

Patacas

Director-geral,
Ye Yi-Xin
O Chefe da Contabilidade,
Iun Fok-Wo

Síntese do relatório do desenvolvimento da actividades

No ano de 2007, a economia global de Macau, impulsionado por indústria de lazer turístico, tem mantido o crescimento de alta velocidade e obtido o resultado no sentido de diversificação adequada industrial, entrando assim na cena internacional. Esta situação favorável proporcionou para a indústria bancária uma boa oportunidade comercial. O resultado global de exploração no sector bancário foi melhor do que ano passado.

No decurso do ano transacto, continuando a persistir no objectivo de gerência de «Radicar-se em Macau, servir em prol de Macau» e bem como, a empenhar a diligência para a concretização da sua filosofia de serviços de «persistir em tratar seus clientes como alvo de atenções e considerações e o mercado como a orientação», Bank of China Limited, Sucursal de Macau expandiu activamente suas actividades bancárias por ter agarrado esta ocasião do desenvolvimento do mercado. Durante este ano, este banco reforçou-se ainda mais na promoção de marketing do mercado, envidou todos os esforços para optimizar os serviços de clientes, empenhou todas as energias por elevar as capacidades inovadoras de produtos e o nível de controlo interno e assim realizou a optimização da estrutura de activos e rendimentos. Com apoio empenhado do cliente geral e contado com os esforços colectivos de empregados gerais desta instituição, este banco materializou a meta dos seus desejos de exploração. Os rendimentos de juro líquido e de comissão líquida foram aumentados de dois dígitos em relação ao ano de 2006. Deduzindo o rendimento do item extraordinário, os resultados líquidos após a dedução do imposto tem conseguido o crescimento ideal por trinta por cento.

Ao olhar para o ano de 2008, sob a estratégia da linha governativa de «desenvolver activamente a economia e prestar apoio ao empenho total na melhoria da vida da população», do Governo da Região Administrativa Especial de Macau, preveremos que a economia local manterá o crescimento de alta velocidade e a dimenção do mercado financeiro será ainda mais ampliada. Este banco continuará a persistir no princípio de «desenvolvimento, «compliance», qualidade e eficiência», a tratar seus clientes como alvo de atenções e considerações, em concentrar todos os esforços para elevar o nível de serviços, em impulsionar activamente a inovação de produtos financeiros, em fornecer às empresas e aos clientes os produtos financeiros de personalização e profissionalização e os serviços bancários de boa qualidade, em intensificar continuadamente a gestão de risco e a construção do control interno e constantemente elevar a capacidade da concorrência nuclear. Bank of China Limited é o único parceiro da cooperação bancária de Jogos Olímpicos de Beijing. Com o espírito olímpico de «mais alto, mais rápido e mais forte», este banco basear-se-á em Macau e alcançará a meta do desenvolvimento deste ano novo por agarrar firmemente as oportunidades estratégicas.

Director-Geral,
Ye Yi-Xin

Síntese do parecer dos auditores externos

Para o gerente geral do Bank of China Limited, Sucursal de Macau
(Sucursal de um banco comercial de responsabilidade limitada, incorporado na República Popular da China)

Procedemos à auditoria das demonstrações financeiras do Bank of China Limited, Sucursal de Macau relativas ao ano de 2007, nos termos das Normas de Auditoria e Normas Técnicas de Auditoria da Região Administrativa Especial de Macau. No nosso relatório, datado de 26 de Março de 2008, expressámos uma opinião, sem reservas, relativamente às demonstrações financeiras das quais as presentes constituem um resumo.

As demonstrações financeiras a que se acima se alude compreendem o balanço, à data de 31 de Dezembro de 2007, a demonstração de resultados, a demonstração de alterações no capital próprio e a demonstração de fluxos de caixa relativas ao ano findo, assim como um resumo das políticas contabilísticas relevantes e outras notas explicativas.

As demonstrações financeiras resumidas preparadas pela gerência resultam das demonstrações financeiras anuais auditadas e dos livros e registos do sucursal. Em nossa opinião, as demonstrações financeiras resumidas são consistentes, em todos os aspectos materiais, com as demonstrações financeiras auditadas e os livros e registos do sucursal.

Para a melhor compreensão da posicão financeira do sucursal e dos resultados das suas operações, no período e âmbito abrangido pela nossa auditoria, as demonstrações financeiras resumidas devem ser lidas conjuntamente com as demonstrações financeiras das quais as mesmas resultam e com o respectivo relatório de auditoria.

Lei Iun Mei, Auditor de Contas
KPMG

Macau, aos 26 de Março de 2008.


BANCO WENG HANG, S.A., MACAU

Balanço anual em 31 de Dezembro de 2007

MOP

MOP

* As Outras Reservas incluem uma reserva obrigatória no montante de $ 89 604 867 Patacas. Porque o Banco adopta as Normas de Relato Financeiro de Macau e as Normas Internacionais de Relato Financeiro («NIRF») na preparação das suas demonstrações financeiras anuais, as perdas de imparidade com base nas NIRF podem ser inferiores ao nível mínimo de provisões genéricas calculadas de acordo com o Aviso 18/93 da AMCM (o nível mínimo). A referida reserva obrigatória representa, pois, a diferença entre o nível mínimo e as perdas de imparidade nos termos das NIRF (antes do impostos diferidos de $ 12 218 845 Patacas). Este mesmo montante, inscrito na linha «Dotações adicionais para provisões conforme RJSF» da Conta de Lucros e Perdas das contas resumidas, está reconciliado entre o «Lucro depois de impostos» e os «Resultados do ano de acordo com as regras da AMCM» na conta de exploração das demonstrações financeiras auditadas anuais.

MOP

Demonstração de resultados do exercício de 2007

Conta de exploração

MOP

Conta de lucros e perdas

MOP

O Director e Gerente-geral,
Lee Tak Lim
O Chefe da Contabilidade,
Lou Pou Hong

Síntese do relatório das actividades

Graças ao contínuo e significativo desenvolvimento da economia de Macau, o resultado de exercício alcançado por este Banco atingiu um novo máximo no ano de 2007. No mesmo ano, o lucro a que os accionistas tinham direito foi apurado em trezentos e onze milhões de patacas, enquanto o valor de lucro apurado no ano de 2006 foi de duzentos e trinta e sete milhões de patacas, sendo a taxa de crescimento calculada em 31,4%. O activo total do Banco era de vinte e um mil e cem milhões de patacas contra mil trezentos e cinquenta e quatro milhões de patacas, o valor de capital dos accionistas deste Banco. Em relação ao ano de 2006, esses valores traduzem-se, respectivamente, num aumento de 12,4% e 21,1%. A taxa média de retribuição de activo e a taxa média de retribuição de capital dos accionistas são calculadas, respectivamente, em 1,6% e 25,2%.

No ano de 2007, a incontornável força motriz da economia de Macau foi, de novo, a maior responsável pelo forte crescimento da economia local. No que respeita ao valor de Produto Interno Bruto(PIB), a seguir do aumento substancial no valor de 17,0% verificado no ano de 2006, foi novamente conseguido o significativo aumento de PIB no ano de 2007, sendo o mesmo calculado na ordem de 27,3%. No ano passado, os sectores de turismo e de jogos de fortuna ou azar continuaram a desempenhar o seu papel dominante na economia de Macau. Face à conclusão sucessiva de projectos de grande empreendimento afectos ao sector de jogos de fortuna ou azar, era de verificar a subida cada vez mais acentuada das receitas provenientes desse sector, o que torna o nome de Macau mais conhecido no mundo. Por outro lado, em virtude do grande desenvolvimento e potencialidade de Macau terem captado a atenção e apreciação de investidores do capital estrangeiro, grande quantidade de investimentos tem afluído a Macau. A esses factores favoráveis, acresce-se ainda o factor de taxa de juro que se situava a um nível relativamente baixo, contribuindo, desta forma, para o aumento considerável das transacções no mercado imobiliário verificado no ano de 2007.

A boa perspectiva da economia e a constante subida do preço de imóveis são os maiores responsáveis pelo crescimento ideal dos serviços de empréstimo, incluindo créditos à habitação e consumo e dos demais créditos. Do levantamento dos dados anuais, verifica-se que, no que se refere ao empréstimo concedido aos clientes, foi registado um aumento de 42.8%, tendo o valor de empréstimo sido calculado em nove mil e setecentos milhões de patacas. Apesar de se ter verificada uma concorrência cada vez mais forte entre as instituições bancárias no ano de 2007, a que se associa o estreitamento de diferença entre o «Prime Rate» e as taxas de juro interbancárias, devido ao cuidadoso planeamento concebido por este Banco, conseguiu-se um resultado do exercício muito positivo com o aumento ideal das receitas provenientes de juro líquido.

As transacções dos títulos bateram o novo recorde, fazendo com que fosse arrecadada uma bom rendimento provenientes de comissão de compra e venda dos títulos. A baixa taxa de juro leva a população, beneficiada por aumento generalizado do rendimento, à procura activa de instrumentos de investimento, em detrimento do depósito bancário tradicional. Por este motivo, os clientes mostram cada vez mais interessados pela procura de produtos de gestão de riqueza. Depois de lançamento do serviço designado por «Escol do Serviço Bancário (Elite Banking)», torna-se cada vez mais alargado o leque de clientes, por o mesmo serviço ir ao encontro das necessidades dos clientes na procura de produtos de investimento. Assim sendo, no ano em análise, o resultado alcançado foi considerado muito positivo pelo serviço de gestão de riqueza. É de acrescentar que, devido à prosperidade do mercado de consumo e do sector de turismo, este Banco conseguiu um resultado modelar no serviço de cartão de crédito. Em suma, no ano de 2007, este Banco conseguiu ter um forte crescimento de rendimento de não juros.

Por outro lado, face à subida dos preços de habitação, dos comestíveis e energia, tem-se verificado a tendência para deterioração da taxa de inflação em Macau. Na Região continua-se a sentir a falta e a escassez de mão-de-obra. A subida do salário e do custo de exploração, constitui grande pressão sobre todas as empresas em Macau, incluindo nestas, o sector bancário. A título de exemplo, no ano de 2007, o custo para com pessoal atingiu um aumento de dois dígitos. Através de contenção das diversas rubricas de despesas, este Banco esforçou-se para manter em 33% o rácio entre as despesas oneradas e o rendimento arrecadado durante o ano.

Até aos finais do mês de Dezembro de 2007, estavam ao serviço do Banco Weng Hang de Macau 421 trabalhadores, enquanto o Grupo Financeiro de Weng Hang tinha contratado um total de 2833 funcionários. Para satisfazer as necessidades que o alargamento do serviço desejado, o Banco Weng Hang de Macau pretende recrutar mais pessoal, cerca de mais de 10% do actual número de trabalhadores. Com esse recrutamento, o número de trabalhadores passará a ser de cerca de 500.

São 12 o número de sucursais actualmente existentes em Macau. No entanto, tendo em consideração o drástico crescimento demográfico e económico, este Banco está activamente empenhado em alargar a sua rede de dependências. A fim de dar resposta à almejada procura dos serviços de banco personalizado, o Banco Weng Hang de Macau já escolheu o local para o efeito. É de esperar que seja instalado ainda no ano de 2008, no local escolhido, o centro autónomo de gestão de riqueza, no intuito de prestar aos clientes uma boa qualidade de serviço de gestão de riqueza. Prevê-se que esta iniciativa permita os clientes tratar dos assuntos do seu interesse num único balcão de atendimento (One Stop).

No mês de Junho de 2007, a sociedade-mãe do Banco Weng Hang de Macau, o Banco Weng Hang de Hong Kong constituiu a sua dependência em Shenzhen — Banco Weng Hang (China), Limitada — com capital totalmente detido pela sociedade-mãe. Trata-se do primeiro banco com capital estrangeiro que estabeleceu a sua sede em Shenzhen. A constituição do Banco Weng Hang (China), Limitada em Shenzhen simboliza a viragem de uma nova página da história deste grupo financeiro. Actualmente, o Banco Weng Hang (China), Limitada tem 3 sucursais e 2 filiais no continente chinês, as quais estão principalmente vocacionadas para prestar o completo jogo de serviços em Reminbi à população do Delta das Pérolas e às pequenas e médias empresas dos diversos sectores comerciais. Dado o facto de que os numerosos clientes habituais deste Banco vão expandir as suas actividades comerciais na China, o Banco Weng Hang (China), Limitada vê-se forçado a concretizar o projecto da criação de uma sucursal em Zhuhai no ano de 2008. Com a intervenção do grupo financeiro, este Banco pretende prestar serviços mais céleres e abrangentes aos seus clientes.

Olhando para o futuro, a conclusão sucessiva de vários projectos de hotéis e das instalações para recreio e entretenimento em grande escala irão, de certeza, proporcionar aos utentes e consumidores mais escolhas na compra e maior diversificação dos tipos de divertimento, o que irá suprir a lacuna resultante de excessiva singularidade que se tem sentido no sector de turismo local ao longo dos anos. Além desses factores, o potencial desenvolvimento do sector de exibições e conferências irá captar a visita a Macau de um maior número de comerciantes, ou de visitantes em geral, para aí fazerem negócio ou passarem as suas férias. Em resposta à necessidade de desenvolvimento do mercado, este Banco está activamente empenhado em alargar a gama de crédito ao consumo e de financiamento das pequenas e médias empresas. Independentemente dos vários factores inconstantes provocados pela crise de crédito surgida na economia dos Estados Unidos, a que se associa ainda a política de contenção monetária adoptada pelo Governo da República Popular da China, prevê-se que a economia poderá manter-se em crescimento. Este Banco compromete-se a aperfeiçoar o serviço de gestão de riqueza, além de lançar no mercado produtos inovadores de investimento, o Banco Weng Hang de Macau continua a organizar uma série de simpósios com temas específicos, por ter reparado que os simpósios realizados no passado, tiveram uma boa aceitação por parte dos seus participantes. Serão introduzidas obras de benfeitoria e renovação nas diversas sucursais, com vista a oferecer aos clientes um ambiente agradável e confortável. Além das referidas acções, o Banco Weng Hang de Macau aproveita a oportunidade para promover a venda cruzada nas sucursais e no centro de gestão de riqueza, visando alargar ainda mais a fonte de rendimento de não juro.

Com grande afluência de capital local e estrangeiro ao mercado imobiliário ocorrida no ano passado, o preço de imóveis de Macau tem subido e atingiu já um nível bastante alto, de tal modo que o Governo de Macau viu-se obrigado a intervir e a implementar uma política de habitação válida e eficaz de modo a resolver o problema de habitação com que encara parte da população. Calcula-se que continuará a contar, a médio e longo prazo, com a constante procura de imóveis destinados exclusivamente a habitação, de baixo e médio custo do preço de venda, atendendo à necessidade de importar, nos próximos anos, trabalhadores não residentes para suprir a falta de recursos humanos sentida no mercado de trabalho. Por outro lado, o lançamento a curto prazo de vários edifícios de luxo no mercado fará aumentar o número de oferta de edifícios do mesmo género existentes no mercado. Porém, como é do conhecimento geral, o preço de venda desses edifícios está muito além do poder de compra da população em geral. À medida que este Banco vai envidando o seu melhor esforço para prestar um notável serviço aos clientes locais e lançar produtos inovadores de hipoteca no mercado, tem plena consciência da importância de manter em ordem a política cautelosa de concessão de empréstimos.

Crê-se que a situação de falta de recursos humanos se prolongará por algum tempo e, nessa perspectiva, o Banco Weng Hang de Macau vai redobrar o seu investimento na formação de pessoal, com vista a ter uma equipa estável de trabalhadores com alto conhecimento profissional, a fim de assegurar a prestação de boa qualidade de serviço aos clientes por parte do seu pessoal; valorizar o mérito profissional do pessoal e alcançar o objectivo de controlar o rácio entre o rendimento e o custo.

Por último, em nome do Conselho de Administração aproveito a oportunidade para dirigir a todos os clientes o nosso sincero agradecimento pelo apoio e confiança depositada neste Grupo, além de manifestar os melhores cumprimentos ao pessoal deste Banco pelo seu incessante esforço e pela sua grande dedicação ao serviço.

15 de Março de 2008.

O Presidente do Conselho de Administração, Fung Yuk Bun Patrick.

Parecer do Conselho Fiscal

O balanço, a demonstração de resultados e a conta de exploração e lucros e perdas deste Banco, respeitantes ao exercício do ano findo em 31 de Dezembro de 2007, foram elaborados nos termos da lei bancária e auditados pela KPMG e segundo o nosso parecer, as mesmas corresponderam às regras de contabilidade bancária, sendo, portanto, documentos suficientes para mostrar a real situação financeira deste Banco até 31 de Dezembro de 2007, e o lucro apurado do exercício que terminou nesta data.

O Presidente do Conselho Fiscal, Lo Wai Ching Maggie.

Macau, aos 23 de Fevereiro de 2008.

Síntese do parecer dos auditores externos

Para os accionistas do Banco Weng Hang, S.A.
(Sociedade anónima constituída em Macau)

Procedemos à auditoria das demonstrações financeiras do Banco Weng Hang, S.A. relativas ao ano de 2007, nos termos das Normas de Auditoria e Normas Técnicas de Auditoria da Região Administrativa Especial de Macau e Normas Internacionais de Auditoria. No nosso relatório, datado de 15 de Março de 2008, expressámos uma opinião sem reservas relativamente às demonstrações financeiras das quais as presentes constituem um resumo.

As demonstrações financeiras a que se acima se alude compreendem o balanço, à data de 31 de Dezembro de 2007, a demonstração de resultados, a demonstração de alterações no capital próprio e a demonstração de fluxos de caixa relativas ao ano findo, assim como um resumo das políticas contabilísticas relevantes e outras notas explicativas.

As demonstrações financeiras resumidas preparadas pela gerência resultam das demonstrações financeiras anuais auditadas e dos livros e registos do banco. Em nossa opinião, as demonstrações financeiras resumidas são consistentes, em todos os aspectos materiais, com as demonstrações financeiras auditadas e os livros e registos do banco.

Para a melhor compreensão da posição financeira do banco e dos resultados das suas operações, no período e âmbito abrangido pela nossa auditoria, as demonstrações financeiras resumidas devem ser lidas conjuntamente com as demonstrações financeiras das quais as mesmas resultam e com o respectivo relatório de auditoria.

Lei Iun Mei, Auditor de Contas
KPMG

Macau, aos 15 de Março de 2008.

Inventário de participações financeiras em 31 de Dezembro de 2007

Quadro a publicar ao abrigo do artigo 75.º do R.J.S.F.

BANCO WENG HANG S.A., MACAU

Lista dos accionistas qualificados:

Wing Hang Bank Ltd.
Constituída em Hong Kong

Nomes dos titulares dos órgãos sociais:

Conselho de Administração

Sr. Fung Yuk-Bun Patrick, presidente
Sr. Frank John Wang, administrador
Sr. Fung Yuk-Sing Michael, administrador
Sr. Ho, Louis Chi-Wai, administrador
Sr. Lee Tak-Lim, administrador
Sr. Yuen Sui-Chi Stanley, administrador
Sr. Leung Chiu-Wah, administrador

Conselho Fiscal

Ms. Lo Wai-Ching, presidente
Sr. Wong Chun- Kau Stephen, membro
Sr. Tse Hau-Yin, membro

Assembleia Geral

Sr. Kwok Man-Cheung, presidente
Sr. Lee Tak-Lim, vice-presidente
Sr. Ho, Louis Chi-Wai, secretário
Sr. Yuen Sui-Chi Stanley, secretário
Sr. Fung Yuk-Sing, Michael, vice-secretário
Sr. Leung Chiu-Wah, vice-secretário


BNP PARIBAS — SUCURSAL DE MACAU

(根據七月五日法令第32/93/M號核准之金融體系法律制度第七十六條之公告)

Balanço anual em 31 de Dezembro de 2007

(MOP)

(Anexo à Circular n.º 12/B/94-DSB/AMCM, de 4 de Fevereiro)

(MOP)

(Anexo à Circular n.º 12/B/94-DSB/AMCM, de 4 de Fevereiro)

(MOP)

(Anexo à Circular n.º 12/B/94-DSB/AMCM, de 4 de Fevereiro)

Demonstração de resultados do exercício de 2007

Conta de exploração

(MOP)

(Anexo à Circular n.º 12/B/94-DSB/AMCM, de 4 de Fevereiro)

Conta de lucros e perdas

(MOP)

O Gerente,
Sanco Sze
O Chefe da Contabilidade,
Franco Kwok

(Anexo à Circular n.º 12/B/94-DSB/AMCM, de 4 de Fevereiro)

Síntese do relatório de actividade

As actividades desenvolvidas pelo Banco durante o ano de 2007, marcaram um crescimento satisfatório, consequentemente, as receitas provenientes de juros recebidos subiram 75%, correspondendo a seis milhões trezentas e dez mil patacas. Por outro lado, proveitos de outras operações aumentaram também a 49%, ou seja cerca de três milhões cento e treze mil patacas. Porque o valor sobre empréstimos concedidos registou-se com um maior aumento, que segundo a Lei, a respectiva provisão deve ter também um aumento correspondente, cujo montante se cifrou cinco milhões quinhentas e trinta mil patacas. Por consequente, originou que os outros custos operacionais subiram 63%, equivalendo a cinco milhões e seiscentas mil patacas. Em resumo, o valor do lucro antes de impostos em 2007 comparando com o ano transacto, subiu 65% ou seja nove milhões setecentas e oitenta mil patacas.

BNP Paribas — Sucursal de Macau.

Macau, aos 18 de Abril de 2008.

Síntese do parecer dos auditores externos

Para a Direcção do BNP PARIBAS — Sucursal de Macau

As demonstrações financeiras resumidas anexas do BNP Paribas – Sucursal de Macau («a Sucursal») referentes ao exercício findo em 31 de Dezembro de 2007, resultam das demonstrações financeiras auditadas e dos registos contabilísticos referentes ao exercício findo naquela data. Estas demonstrações financeiras resumidas, as quais compreendem o balanço em 31 de Dezembro de 2007 e a demonstração dos resultados do exercício findo naquela data, são da responsabilidade da Direcção da Sucursal. A nossa responsabilidade consiste em expressar uma opinião sobre se as demonstrações financeiras resumidas são consistentes, em todos os aspectos materiais, com as demonstrações financeiras auditadas e com os registos contabilísticos da Sucursal.

Auditámos as demonstrações financeiras da Sucursal referentes ao exercício findo em 31 de Dezembro de 2007 de acordo com as Normas de Auditoria e Normas Técnicas de Auditoria emitidas pelo Governo da Região Administrativa Especial de Macau, e expressámos a nossa opinião sem reservas sobre essas demonstrações financeiras, no relatório de 18 de Abril de 2008.

As demonstrações financeiras auditadas compreendem o balanço em 31 de Dezembro de 2007, a demonstração dos resultados, a demonstração de alterações na conta com a sede e a demonstração dos fluxos de caixa do exercício findo naquela data, e um resumo das principais políticas contabilísticas e outras notas explicativas.

Em nossa opinião, as demonstrações financeiras resumidas são consistentes, em todos os aspectos materiais, com as demonstrações financeiras auditadas e com os registos contabilísticos da Sucursal.

Para uma melhor compreensão da posição financeira da Sucursal e dos resultados das suas operações, e do âmbito da nossa auditoria, as demonstrações financeiras resumidas devem ser lidas em conjunto com as demonstrações financeiras auditadas e com o respectivo relatório do auditor independente.

Kenneth Patrick Chung
Auditor de contas
Lowe Bingham & Matthews — PricewaterhouseCoopers

Macau, aos 16 de Maio de 2008.


CITIC KA WAH BANK LIMITED — SUCURSAL DE MACAU

(Publicações ao abrigo do artigo 76.º do RJSF, aprovado pelo Decreto-Lei n. º 32/93/M, de 5 de Julho)

Balanço anual em 31 de Dezembro de 2007

MOP

MOP

* Nota :

As Outras Reservas incluem uma reserva obrigatória no montante de 12,695,048 Patacas. Porque a sucursal adopta as Macau Financial Reporting Standards («MFRS») na preparação das suas demonstrações financeiras anuais, as perdas de imparidade com base nas MFRS podem ser inferiores ao nível mínimo de provisões genéricas calculadas de acordo com o Aviso 18/93 da AMCM (o nível mínimo). A referida reserva obrigatória representa, pois, a diferença entre o nível mínimo e as perdas de imparidade nos termos das MFRS (antes do impostos diferidos de 1,731,143 Patacas). Este mesmo montante, inscrito na linha «Dotações adicionais para provisões conforme RJSF» da Conta de Lucros e Perdas das contas resumidas, está reconciliado entre o «Lucro depois de impostos» e os «Resultados do ano de acordo com as regras da AMCM» na Conta de exploração das demonstrações financeiras auditadas anuais.

MOP

Demonstração de resultados do exercício de 2007

Conta de exploração

MOP

Conta de lucros e perdas

MOP

Gerente geral, Sucursal de Macau,
Henry Brockman
O Chefe da Contabilidade,
Daniel Lao

Síntese do relatório de actividade

O ambiente de negócios de Macau em 2007, foi marcado por um fortíssimo crescimento económico, com o PIB a aumentar 27,3%. Este crescimento foi provocado pelo fluxo do IDE (Investimento Directo Estrangeiro) no sector da construção e pelo constante crescimento da chegada de visitantes, o que originou maiores gastos nos sectores do jogo, de entretenimento, no sector hoteleiro, no retalho e em restaurantes.

A economia de Macau também beneficiou do forte investimento no sector imobiliário, e aumentou o volume de negócios das empresas comerciais, tanto locais como offshore. Este cenário económico e o aumento da internacionalização da economia de Macau proporcionaram uma excelente plataforma para o forte e acelerado desempenho do «CITIC Ka Wah Bank Limited», Sucursal de Macau, permitindo ao Banco que cumprisse a sua estratégia de fortalecer as suas principais competências e de se reposicionar como o principal banco chinês para o fornecimento de soluções financeiras oportunas e inovadoras aos seus clientes na Ásia.

Dado o baixo registo de desemprego, nos 2,9%, o que traduz dificuldades em recrutar trabalhadores, têm ocorrido diversos desafios e uma mudança no ambiente competitivo de Macau, tanto para os bancos como para os seus clientes. A deterioração do mercado global causado pela crise do crédito hipotecário de alto risco (sub-prime) nos Estados Unidos tem também afectado a economia de Macau, principalmente através da desvalorização do US Dólar, cujos efeitos têm contribuído para o aumento da taxa de inflação local para mais de 6.68%.

As principais vendas de serviços bancários prestados a empresas e instituições (Wholesale Banking) pelo Banco em Macau, registaram um fortíssimo desempenho em 2007, gerando um crescimento de 92% e 170%, nos rendimentos de juros líquidos e nas taxas líquidas, bem como nos rendimentos provenientes da intermediação, respectivamente, quando comparados com o ano de 2006. Desta forma conseguiu-se recordar um resultado do exercício positivo de MOP 11,7 milhões em 2007, após um resultado negativo de MOP 3,1 milhões em 2006.

O ano de 2007 foi o segundo ano completo de operações financeiras do Banco em Macau e graças ao apoio do Governo da Região Administrativa Especial de Macau assim como dos seus funcionários, clientes e das outras instituições financeiras, o Banco conseguiu alcançar neste curto espaço de tempo um crescimento estável dando um contributo positivo a todos as entidades envolvidas, aos quais se estendem sinceros e sentidos agradecimentos.

Henry Brockman
Gerente Geral, Sucursal de Macau.

Síntese do parecer dos auditores externos

Para a gerência do CITIC Ka Wah Bank Limited, Sucursal de Macau (Sucursal de um banco comercial de responsabilidade limitada, incorporado na Região Administrativa Especial de Hong Kong)

Procedemos à auditoria das demonstrações financeiras do CITIC Ka Wah Bank Limited, Sucursal de Macau relativas ao ano de 2007, nos termos das Normas de Auditoria e Normas Técnicas de Auditoria da Região Administrativa Especial de Macau. No nosso relatório, datado de 27 de Março de 2008, expressámos uma opinião sem reservas relativamente às demonstrações financeiras das quais as presentes constituem um resumo.

As demonstrações financeiras a que se acima se alude compreendem o balanço, à data de 31 de Dezembro de 2007, a demonstração de resultados, a demonstração de alterações no capital próprio e a demonstração de fluxos de caixa relativas ao ano findo, assim como um resumo das políticas contabilísticas relevantes e outras notas explicativas.

As demonstrações financeiras resumidas preparadas pela gerência resultam das demonstrações financeiras anuais auditadas e dos livros e registos do sucursal. Em nossa opinião, as demonstrações financeiras resumidas são consistentes, em todos os aspectos materiais, com as demonstrações financeiras auditadas e os livros e registos do sucursal.

Para a melhor compreensão da posição financeira do sucursal e dos resultados das suas operações, no período e âmbito abrangido pela nossa auditoria, as demonstrações financeiras resumidas devem ser lidas conjuntamente com as demonstrações financeiras das quais as mesmas resultam e com o respectivo relatório de auditoria.

Lei Iun Mei, Auditor de Contas
KPMG

Macau, aos 27 de Março de 2008.


BANCO SENG HENG, S.A.

Balanço anual em 31 de Dezembro de 2007 (Consolidado)

MOP

Nota: Fizeram parte de outras reservas as provisões genéricas requeridas no Aviso n.º 18/93-AMCM no montante total de MOP 98 324 249,00.

MOP

Demonstração de resultados do exercício de 2007

Conta de exploração (Consolidado)

MOP

Conta de lucros e perdas (Consolidado)

MOP

Gestor Principal e Administrador Executivo Gerente Geral e CFO,
Yu Hong Bao King To, Raymond

BANCO SENG HENG, S.A.

Balanço anual em 31 de Dezembro de 2007

MOP

Nota: Fizeram parte de outras reservas as provisões genéricas requeridas no Aviso n.º 18/93-AMCM no montante total de MOP 98 324 249,00.

MOP

Demonstração de resultados do exercício de 2007

Conta de exploração

MOP

Conta de lucros e perdas

MOP

Gestor Principal e Administrador Executivo, Gerente Geral e CFO,
Yu Hong Bao King To, Raymond

Síntese do relatório de actividade

No ano findo, a economia de Macau cresceu de uma forma muito rápida, o que se repercutiu no Produto Interno Bruto que atingiu um aumento na ordem dos 27%. O acelerado crescimento da economia de Macau melhorou a conjuntura de exploração das actividades comerciais. No ano em apreço, o Banco Seng Heng, S.A., além de manter a tendência para o desenvolvimento saudável em sintonia com a economia de Macau, conseguiu um lucro que, após a dedução do imposto, se avaliou em trezentas e vinte e seis milhões de patacas. Em comparação com o ano de 2006, o lucro conseguido no ano de 2007 representa um aumento de 5%. As taxas médias de retribuição das equidades e do activo total eram de 17% e 1,2%, respectivamente. Até ao final do ano de 2007, o activo total deste Banco ascendeu a vinte e nove mil e quatrocentos milhões de patacas, o que representa um acréscimo de 16%. As demonstrações financeiras deste Banco já auditadas que foram elaboradas de acordo com «Normas Internacionais de Relatório Financeiro». Se atendermos ao reforço de provisões previsto no «Regime Jurídico do Sistema Financeiro», o lucro passará a ser trezentos e vinte e dois milhões de patacas, depois de feito o necessário ajustamento.

O resultado de exploração positivo alcançado por este Banco ao longo dos anos, granjeou uma boa apreciação por parte da comunicação social especializada em assuntos económicos e financeiros com prestígio mundial, tendo as publicações periódicas «The Banker» e «Global Finance» atribuído a este Banco, respectivamente, durante 7 e 5 anos consecutivos, prémios como «O Banco do Ano» e «Melhor Banco em Macau».

No dia 29 de Agosto de 2007, foi assinado entre a Socidade de Turismo e Diversões de Macau, S.A. e o Sr. Huen Wing Ming Patrick o contrato de compra e venda. Nos termos do mesmo contrato, o «Industrial and Commercial Bank of China Limited» adquiriu 119 900 acções deste Banco pelo preço de quatro mil seiscentos oitenta e três milhões de patacas. O número das acções adquiridas pelo «Industrial and Commercial Bank of China Limited» representa 79,9333% do total das acções emitidas por este Banco, sendo o processo de transmissão definitivamente concluído no dia 28 de Janeiro de 2008. Trata-se de um importante passo na estratégia de internacionalização, que o Banco adquirente pretende pôr em prática. A aquisição das acções do Banco Seng Heng, S.A. tem grande significado para o «Industrial and Commercial Bank of China Limited», no tocante à consolidação e ao aumento da sua liderança no círculo económico em que se integram Hong Kong, Macau e Zhuhai, além de colocar em prática a estratégia de alcançar o topo da lista dos bancos comerciais, tanto a nível da Ásia, como a nível global. Após a aquisição, este Banco poderá tirar proveito da extensa rede das dependências do Banco adquirente, do enorme número de clientes, da grande capacidade financeira do «Industrial and Commercial Bank of China Limited», do sistema avançado de tecnologia e do desenvolvimento multidireccional para transformar este Banco numa instituição de renome na Região Administrativa Especial de Macau, passando o mesmo a diferenciar-se das outras instituições bancárias pela racionalização dos serviços prestados, pela actividade mais estável e saudável, pelo leque mais abrangente de clientes e pela constante aumento dos valores patrimoniais. Quando assim for, o Banco Seng Heng, S.A. irá compartilhar o fruto de desenvolvimento económico de Macau com o «Industrial and Commercial Bank of China Limited».

Com o apoio dos accionistas, do Conselho de Administração e de todo o pessoal ao seu serviço, o Banco Seng Heng, S.A. tem plena confiança de que será capaz de melhorar ainda mais a sua imagem social, conseguir um lugar de maior destaque na esfera do sector bancário e elevar a capacidade de aumentar os lucros e os seus valores patrimoniais. A par desses esforços, o Banco Seng Heng, S.A. não se esquecerá da sua obrigação social de contribuir no seu melhor para a prosperidade e progresso da Região Administrativa Especial de Macau.

Macau, aos 28 de Março de 2008.

Zhu Xiaoping
O Presidente do Conselho de Administração.

Síntese do parecer dos auditores externos

A todos os accionistas do Banco Seng Heng, S.A.
(Sociedade anónima constituída e matriculada em Macau)

De acordo com as Normas Internacionais de Auditoria das Contas e «Normas de Auditoria» aprovadas pelo Regulamento Administrativo n.º 23/2004, decretado pelo Chefe Executivo da Região Administrativa Especial de Macau, conjugado com «Normas Técnicas de Auditoria» aprovadas pelo Despacho n.º 68/2004 do Secretário para a Economia e Finanças, este auditor deu por concluídos os trabalhos de auditoria das demonstrações financeiras do Banco Seng Heng, S.A., com data de 31 de Dezembro de 2007. O mesmo auditor pronunciou opinião sem reservas, no dia 28 de Março de 2008 o seu parecer sobre o referido relatório das contas.

No entendimento deste auditor, as demonstrações financeiras em anexo estão conformes com as referidas demonstrações financeiras já auditadas, à excepção das provisões, no montante de quatro milhões e vinte e uma mil duzentas e cinquenta e sete patacas, reforçadas de acordo com o «Regime Jurídico de Sistema Financeiro», as quais já foram directamente descontadas no Mapa das Contas Consolidadas de Ganhos e Perdas do corrente ano. Em conformidade com as Normas Internacionais do Relatório das Contas, as provisões reforçadas ao abrigo do «Regime Jurídico do Sistema Financeiro» já foram transferidas do lucro retido para outra reserva.

Para melhor conhecimento da situação financeira e do resultado das operações alcançado pelo mesmo Banco, as presentes demonstrações financeiras consolidadas devem ser analisadas e apreciadas juntamente com as respectivas contas anuais já auditadas.

Macau, aos 28 de Março de 2008.

Ernst & Young Auditores

Parecer do Fiscal Único

Nos termos do disposto na alínea e) do artigo 27.º dos Estatutos e para o efeito previsto na mesma disposição legal, o Conselho de Administração do Banco Seng Heng, S.A. entregou a este escritório de auditoria o relatório das actividades e contas já verificadas do exercício de 2007, para efeito de parecer.

Depois de examinados os documentos entregues, para efeito de emissão do parecer, conclui-se que os referidos documentos reflectem, por uma forma clara, não só a situação patrimonial, mas também a situação financeira e económica do Banco.

O relatório do Conselho de Administração reflecte, por uma forma precisa, as actividades promovidas e desenvolvidas pelo Banco no ano de exercício ora em apreço.

Tendo em atenção o relatório apresentado pelo auditor externo, este escritório concorda com o exposto no referido relatório, o qual, com base nos documentos apresentados reflectem, de uma forma correcta e real, a situação financeira demonstrada no balanço com data de 31 de Dezembro de 2007, bem como o resultado financeiro do exercício findo em 31 de Dezembro de 2007.

Recapitulando o acima exposto, é do nosso parecer a aprovação do referido relatório de actividades e contas do Conselho de Administração.

Macau, aos 31 de Março de 2008.

Chui Sai Cheong
CSC & Associados-Sociedade de Auditores
O Fiscal Único

Lista das instituições em que detenham participação superior a 5% do capital e respectivo valor percentual
Sociedade Financeira Seng Heng Capital Ásia, S.A. 100%
Sociedade Gestora de Fundos de Pensões Seng Heng, S.A. 100%
Seng Heng Development Company Limited (Incorporado em Hong Kong) 100%
Millennium — Instituto de Educação, S.A. 20%
Authosis, Inc. (Incorporado em Cayman Islands) 11%
Companhia de Seguros Luen Fung Hang, S.A.R.L. 6%
Lista dos accionistas qualificados
Sociedade de Turismo e Diversões de Macau, S.A.  
Sr. Huen Wing Ming, Patrick  
Órgãos Sociais  
Conselho de Administração  
Dr. Ho Hung Sun, Stanley Presidente e Administrador-Delegado
Dr. Cheng Yu Tung Vice-Presidente
Sr. Huen Wing Ming, Patrick Administrador Executivo
Sr. Chui Sai Cheong Administrador
Prof. Ko Ping Keung Administrador
Dr. Francisco Luís Murteira Nabo Administrador
Dr. Yeung Chun Kam, Charles Administrador
Mesa da Assembleia  
Sr. Lau Chi Kit, Edwin Presidente
Sr. Bao King To, Raymond Secretário
Conselho Fiscal  
Sra. Mok Ho Yuen Wing, Louise Presidente
Sr. Chung Kin Pong, Anthony Membro
Sra. Chan Yuk Ying
(representando a CSC & Associados-Sociedade de Auditores)
Membro
Secretário de Sociedade  
Sr. Bao King To, Raymond  

SOCIEDADE FINANCEIRA SENG HENG CAPITAL ÁSIA, S.A.

Balanço anual em 31 de Dezembro de 2007

MOP

MOP

Demonstração de resultados do exercício de 2007

Conta de exploração

MOP

Conta de lucros e perdas

MOP

Administrador Executivo, Chief Financial Officer,
Yu Hong Bao King To, Raymond

Síntese do relatório de actividade

No ano que findou , a Sociedade Financeira Seng Heng Capital Ásia, S.A., além de manter a tendência para o desenvolvimento saudável em sintonia com a economia de Macau, atingiu lucros avaliados, após a dedução do imposto, em três milhões, duzentos e vinte mil patacas, enquanto as taxas médias de retribuição das equidades e do activo total eram, respectivamente, de 4,4% e 4,3%. Até ao final do ano de 2007, o activo total desta Sociedade ascendeu a setenta e seis milhões de patacas, o que representa um acréscimo de 5,6%.

Na sequência do processo de aquisição de 79,9333% das acções do Banco Seng Heng, S.A., sociedade dominante da Sociedade Financeira Seng Heng Capital Ásia, S.A., levado a cabo pelo “Industrial and Commercial Bank of China Limited” no princípio do ano, esta Sociedade tornou-se um dos membros desse último Banco. Esta Sociedade tem forte confiança de que, graças à extensa rede das dependências do “Industrial and Commercial Bank of China Limited”, ao seu elevado número de clientes e à sua grande capacidade financeira, a Sociedade Financeira Seng Heng Capital Ásia, S.A. irá certamente transformar-se numa instituição financeira com sustentável crescimento económico e financeiro, assegurando, por parte dos clientes, retribuição mais estável e forte dos seus investimentos.

Macau, aos 28 de Março de 2008.

Zhu Xiaoping

O Presidente do Conselho de Administração.

Síntese do parecer dos auditores externos

A todos os accionistas da Sociedade Financeira Seng Heng Capital Ásia, S.A.
(Sociedade anónima constituída e matriculada em Macau)

De acordo com as Normas Internacionais de Auditoria das Contas e “Normas de Auditoria”aprovadas pelo Regulamento Administrativo n.º 23/2004, decretado pelo Chefe Executivo da Região Administrativa Especial de Macau, conjugado com «Normas Técnicas de Auditoria» aprovadas pelo Despacho do Secretário para a Economia e Finanças n.º 68/2004 este auditor deu por concluídos os trabalhos de auditoria das demonstrações financeiras da Sociedade Financeira Seng Heng Capital Ásia, S.A., com data de 31 de Dezembro de 2007. O mesmo auditor pronunciou opinião sem reservas, no dia 28 de Março de 2008 o seu parecer sobre o referido relatório das contas.

No entendimento deste auditor, as demonstrações financeiras em anexo estão conformes às referidas demonstrações financeiras já auditadas.

Para melhor conhecimento da situação financeira e do resultado das operações alcançado pela mesma Sociedade, as presentes demonstrações financeiras devem ser analisadas e apreciadas juntamente com as respectivas contas anuais já auditadas.

Macau, aos 28 de Março de 2008.

Ernst & Young Auditores.

Parecer do Conselho Fiscal

Nos termos do disposto na alínea e) do artigo 25.º dos Estatutos e para o efeito previsto na mesma disposição legal, o Conselho de Administração da Sociedade Financeira Seng Heng Capital Ásia, S.A., entregou a este Conselho o relatório das actividades e contas já verificadas do exercício de 2007, para efeito de parecer.

Depois de examinados os documentos entregues ao Conselho Fiscal, para efeito de emissão de parecer, conclui-se que os referidos documentos reflectem, de uma forma clara, não só a situação patrimonial, mas também a situação financeira e económica da referida Sociedade.

O relatório do Conselho de Administração reflecte, de forma precisa, as actividades promovidas e desenvolvidas pela Sociedade no ano de exercício ora em apreço.

Tendo em atenção o relatório apresentado pelo auditor externo, este Conselho concorda com o exposto no referido relatório, sendo que os documentos que serviram de base à elaboração das contas reflectem, de uma forma correcta e real, a situação financeira demonstrada no balanço com data de 31 de Dezembro de 2007, bem como o resultado financeiro do exercício findo em 31 de Dezembro de 2007.

Recapitulado o acima exposto, é de nosso parecer a aprovação do referido relatório de actividades e contas do Conselho de Administração.

Macau, aos 31 de Março de 2008.

Chui Sai Cheong
O Presidente do Conselho Fiscal.

Lista das instituições em que detenham participação superior a 5% do capital e respectivo valor percentual
não  
Lista dos accionistas qualificados  
Banco Seng Heng, S.A.  
Órgãos Sociais  
Conselho de Administração  
Dr. Ho Hung Sun, Stanley Presidente e Administrador-Delegado
Sr. Huen Wing Ming, Patrick Administrador Executivo
Prof. Ko Ping Keung Administrador
Mesa da Assembleia  
Sr. Cheung Kam Man Presidente
Sr. Huen Chung Yuen Ian Vice-Presidente (Nomeado em 30 de Março de 2007)
Sr. Bao King To, Raymond Secretário
Conselho Fiscal  
Sr. Chui Sai Cheong Presidente
Sr. Cheung Yiu Mo, Paul Membro
Sr. Cheng Wing Fai, Patrick Membro
Secretário de Sociedade  
Sr. Bao King To, Raymond  

Sociedade Gestora de Fundos de Pensões Seng Heng, S.A.

Balanço em 31 de Dezembro de 2007

MOP

Conta de exploração do exercício de 2007

MOP

Conta de ganhos e perdas do exercício de 2007

MOP

Administrador Executivo, Chief Financial Officer,
Yu Hong Bao King To, Raymond

Síntese do relatório de actividade

No ano que findou, a Sociedade Gestora de Fundos de Pensões Seng Heng, S.A além de manter a tendência para o desenvolvimento saudável em sintonia com a economia de Macau, atingiu lucros avaliados, após a dedução do imposto, em quatrocentas e cinquenta mil patacas. Até ao final do ano de 2007, o activo líquido desta Sociedade ascendeu a trinta e dois milhões de patacas, o que representa um acréscimo de 1,4%.

Na praça comercial, o valor do activo sob a gestão da Sociedade Gestora de Fundos de Pensões Seng Heng, S.A. foi calculado em mais de duzentos e quarenta milhões de patacas, o que traduz um aumento na ordem de 38% em relação ao ano de 2006. No mesmo ano em análise, a taxa de retribuição do fundo de aposentação atingiu também um aumento na ordem de 6,6.

Na sequência do processo de aquisição de 79,9333% das acções do Banco Seng Heng, S.A., sociedade dominante da Sociedade Gestora de Fundos de Pensões Seng Heng, S.A., levado a cabo pelo «Industrial and Commercial Bank of China Limited» no princípio do ano, esta Sociedade tornou-se um dos membros desse último Banco. Esta Sociedade tem a forte confiança de que, graça à extensa rede das dependências do «Industrial and Commercial Bank of China Limited», ao seu enorme número de clientes e à sua grande capacidade financeira, a Sociedade de Gestão do Fundo de Aposentação do Banco Seng Heng, S.A. irá certamente transformar-se numa exímia sociedade de gestão de fundo de aposentação com o sustentável crescimento económico e financeiro, assegurando, por parte dos clientes, a gestão mais firme e rentável de fundo de aposentação.

Macau, aos 28 de Março de 2008.

Zhu Xiaoping
O Presidente do Conselho de Administração.

Síntese do parecer dos auditores externos

A todos os accionistas da Sociedade Gestora de Fundos de Pensões Seng Heng, S.A.
(Uma sociedade anónima constituída e matriculada em Macau)

De acordo com as Normas Internacionais de Auditoria das Contas e «Normas de Auditoria» aprovadas pelo Regulamento Administrativo n.º 23/2004, decretado pelo Chefe do Executivo da Região Administrativa Especial de Macau, conjugado com «Normas Técnicas de Auditoria» aprovadas pelo Despacho do Secretário para a Economia e Finanças n.º 68/2004 este auditor deu por concluídos os trabalhos de auditoria das demonstrações financeiras da Sociedade Gestora de Fundos de Pensões Seng Heng, S.A., com data de 31 de Dezembro de 2007. O mesmo auditor pronunciou opinião sem reservas, no dia 28 de Março de 2008 o seu parecer sobre o referido relatório das contas.

No entendimento deste auditor, as demonstrações financeiras em anexo estão conformes as referidas demonstrações financeiras já auditadas.

Para melhor conhecimento da situação financeira e do resultado das operações alcançado pela mesma Sociedade, as presentes demonstrações financeiras devem ser analisadas e apreciadas juntamente com as respectivas contas anuais já auditadas.

Macau, aos 28 de Março de 2008.

Ernst & Young Auditores.

Parecer do Fiscal Único

Nos termos do disposto na alínea e) do artigo 24.º dos Estatutos e para o efeito previsto na mesma disposição legal, o Conselho de Administração da Sociedade Gestora de Fundos de Pensões Seng Heng, S.A. entregou a este escritório de auditoria o relatório das actividades e contas já verificadas do exercício de 2007, para efeito de parecer.

Depois de examinados os documentos entregues a este escritório para efeito de emissão de parecer, conclui-se que os referidos documentos reflectem, de forma clara, não só a situação patrimonial, mas também a situação financeira e económica da referida Sociedade.

O relatório do Conselho de Administração reflecte, de forma precisa, as actividades promovidas e desenvolvidas pela Sociedade no ano de exercício ora em apreço.

Tendo em atenção o relatório apresentado pelo auditor externo, este escritório concorda com o exposto no referido relatório, sendo que os documentos que serviram de base à elaboração das contas reflectem, de forma correcta e real, a situação financeira demonstrada no balanço com data de 31 de Dezembro de 2007, bem como o resultado financeiro no exercício de 2007 findo em 31 de Dezembro.

Recapitulado o acima exposto, é de nosso parecer a aprovação do referido relatório de actividades e contas do Conselho de Administração.

Macau, aos 31 de Março de 2008.

Chui Sai Cheong
CSC & Associados-Sociedade de Auditores
O Fiscal Único

Lista das instituições em que detenham participação superior a 5% do capital e respectivo valor percentual

não

Lista dos accionistas qualificados

Acções Percentagem
Banco Seng Heng, S.A 30.000 100%
Órgãos das Sociedades  
Conselho de Administração  
Dr. Ho Hung Sun, Stanley Presidente e Administrador Delegado
Sr. Huen Wing Ming, Patrick Administrador Executivo
Sr. Cheung Yiu Mo, Paul Administrador
Mesa da Assembleia  
Sr. Li Chin Hung, Alex Presidente
Sr. Bao King To, Raymond Secretário
Conselho Fiscal  
Sr. Chui Sai Cheong Presidente
Sr. So Yu Keung Membro (Resignou em 18 de Dezembro de 2007)
Sr. Leung Yu Wah, Christopher Membro
Secretário de Sociedade  
Sr. Bao King To, Raymond  

BANCO DE CONSTRUÇÃO DA CHINA (MACAU), S.A.

(Publicações ao abrigo do artigo 75.º do RJSF, aprovado pelo Decreto-Lei n.º 32/93/M, de 5 de Julho)

Balanço anual em 31 de Dezembro de 2007

MOP

Demonstração de resultados do exercício de 2007

Conta de exploração

MOP

Conta de lucros e perdas

MOP

O Administrador, O Chefe da Contabilidade,
Cheong Kin Hong Leng Man I

Macau, aos 10 de Março de 2008.

Síntese do relatório de actividades de 2007 — Banco de Construção da China (Macau), S.A.

Relatório de Contas

Beneficiando do rápido crescimento de infra-estrutura, turismo e sector de jogo, a economia de Macau desenvolve-se de forma acelerada e sustentável com o novo recorde de número de turistas e confiança reforçada dos consumidores, apresentando um acréscimo de 27,3% do seu Produto Interno Bruto.

No âmbito de circunstância económica favorável, as actividades deste Banco conseguiram resultados ideais, registando aumentos, respectivamente, 29% na concessão de crédito, e 8% no depósito em relação ao mesmo período do ano anterior. Para além dos produtos e serviços de investimento de alto valor agregado, as actividades relacionadas a investimento produzem também lucros notórios devido à atmosfera de investimento que está na moda globalmente, apresentando aumentos, respectivamente, 41% na receita não-juro, 15% na receita de juro líquido, 13% no lucro de exercício após imposto. É de notar que, a qualidade de crédito mantém-se ao nível excelente.

Vislumbrando o futuro, o crescimento contínuo da economia de Macau e a concretização de construção de ponte Hong Kong-Zhuhai-Macau proporcionarão mais oportunidades para o desenvolvimento de Macau. Sendo altamente confiante ao desenvolvimento de Macau, e para o acompanhar, este banco abriu, em Dezembro de 2007, o quarto sucursal na Taipa, e planeia instalar mais três sucursais nos locais adequados durante o ano de 2008, com finalidade de ampliar a rede local de sucursais, oferecer mais facilidade, serviços aperfeiçoados e diversificados e produtos renovados e de alta qualidade aos actuais e futuros clientes.

Banco de Construção da China (Macau), S.A.

O Banco de Construção da China (Macau), S.A. é a companhia subsidiária e de capital total do Banco de Construção da China (Ásia), S.A., e possui, actualmente, quatro sucursais em Macau, que oferecem produtos e serviços comerciais e a retalho de forma diversificada. Em área de actividades bancárias comerciais, este Banco oferece serviços de financiamento comercial, crédito a particulares, empréstimo, e investimento electrónico. No que toca aos serviços bancários a retalho, este Banco oferece serviços tradicional de balcão, transferências e transacções em numerários, assim como depósito, crédito, investimento, seguro e investimentos electrónicos, etc. Para mais dados detalhados, pode consultar a nossa página www.asia. ccb.com.

China Construction Bank, S.A.

A companhia-mãe do China Construction Bank, S.A. tem uma longa história de serviço. O Banco Popular de Construção da China foi fundado em 1954, e alterou a sua denominação para China Construction Bank, S.A. em 1996. China Construction Bank, S.A. foi fundado em Setembro de 2004, sucedendo nas actividades bancárias comerciais de China Construction Bank, S.A., bem como os seus activos e passivos, e instalando a sua sede em Beijing. Este Banco possui mais que 13,000 sucursais no interior do país, e em Hong Kong, Singapura, Frankfurt, Joanesburgo, Tokyo e Seul, e delegações em Londres, Nova Iorque. Este Banco domina a capital total do China Construction Bank (Asia) Corporation Limited, 75,1% das acções do Sino-German House Saving Bank, e 65% do CCB Principal Asset, e tem contratado aproximadamente 300 mil empregados.

As acções de tipo H deste Banco foram listadas em Hong Kong Stock Exchange a 27 de Outubro de 2005, com código 0939; as suas acções de tipo A foram listadas em Shanghai Stock Exchange a 25 de Setembro de 2007, com código 601939.

Síntese do parecer dos auditores externos

Para os accionistas do Banco de Construção da China (Macau), S.A.
(Sociedade anónima constituída em Macau)

Procedemos à auditoria das demonstrações financeiras do Banco de Construção da China (Macau), S.A. relativas ao ano de 2007, nos termos das Normas de Auditoria e Normas Técnicas de Auditoria da Região Administrativa Especial de Macau. No nosso relatório, datado de 10 de Março de 2008, expressámos uma opinião, sem reservas, relativamente às demonstrações financeiras das quais as presentes constituem um resumo.

As demonstrações financeiras a que se acima se alude compreendem o balanço, à data de 31 de Dezembro de 2007, a demonstração de resultados, a demonstração de alterações no capital próprio e a demonstração de fluxos de caixa relativas ao ano findo, assim como um resumo das políticas contabilísticas relevantes e outras notas explicativas.

As demonstrações financeiras resumidas preparadas pela gerência resultam das demonstrações financeiras anuais auditadas e dos livros e registos do banco. Em nossa opinião, as demonstrações financeiras resumidas são consistentes, em todos os aspectos materiais, com as demonstrações financeiras auditadas e os livros e registos do banco.

Para a melhor compreensão da posição financeira do banco e dos resultados das suas operações, no período e âmbito abrangido pela nossa auditoria, as demonstrações financeiras resumidas devem ser lidas conjuntamente com as demonstrações financeiras das quais as mesmas resultam e com o respectivo relatório de auditoria.

Lei Iun Mei, Auditor de Contas
KPMG

Macau, aos 10 de Março de 2008.

Parecer do Conselho Fiscal

O balanço e a demonstração de resultados deste Banco respeitantes ao exercício findo em 31 de Dezembro de 2007, elaborados nos termos das leis de Macau e auditados pela Sociedade de Auditores KPMG, são documentos suficientes para mostrar a real situação financeira deste Banco em 31 de Dezembro de 2007 e o lucro apurado do exercício que terminou nesta data.

O Presidente do Conselho Fiscal,
Yiu Wing Fai

Macau, aos 10 de Março de 2008.

Relatório do Conselho de Administração

O Conselho de Administração do Banco de Construção da China (Macau), S.A. (noutro tempo nome Banco da América (Macau), S.A.) tem o prazer em submeter aos accionistas o seguinte resultado do exercício respeitante ao ano findo em 31 de Dezembro de 2007:

 

MOP

Lucro de exploração (líquido de todas as despesas, amortizações e provisões diversas) 69 326 579,15
Dotações para imposto complementar (a deduzir)
8 347 000,00
Resultado do exercício 60 979 579,15
Lucros relativos a exercícios anteriores
139 507 055,29
Totais 200 486 634,44
O Conselho de Administração propôs a seguinte distribuição:  
Para reserva legal
13 000 000,00
Lucros não distribuídos a transitar para o exercício seguinte
187 486 634,44

Instituições em que detêm participação superior a 5% do respectivo capital ou superior a 5% dos seus fundos próprios:

Nenhuma

Lista dos accionistas qualificados:
China Construction Bank (Asia) Corporation Ltd.
(Antigamente chamava Bank of America (Asia) Ltd.)
Constituída em Hong Kong
Nomes dos titulares dos órgãos sociais:
Conselho de Administração:  
Sr. Ma Chi Man, Charles Presidente
Sr. Hong Yiu Wai Administrador
Sra. Kwok Pui Fong, Miranda Administrador
Sra. Lee Wai Meng aliás Lee Pou No Administradora
Sr. Cheong Kin Hong Administrador e Gerente-Geral
Conselho Fiscal:  
Sr. Yiu Wing Fai Presidente
Sra. Lau Mei Yuk, Fonnie Vogal
Sra. Ho Mei Va Vogal - Auditora
Mesa da Assembleia Geral:  
Sr. Ma Chi Man, Charles Presidente
Sr. Ho Sik Ming Secretária
Sra. Lou Chi Kuan Secretária
Sr. Ho Sik Ming Secretária

STANDARD CHARTERED BANK – SUCURSAL DE MACAU

Balanço em 31 de Dezembro de 2007

Mop

1. As Outras Reservas incluem uma reserva obrigatória no montante de 13 006 983,93 Patacas. Porque a sucursal adopta as Hong Kong Financial Reporting Standards («HKFRS») na preparação das suas demonstrações financeiras anuais, as perdas de imparidade com base nas HKFRS podem ser inferiores ao nível mínimo de provisões genéricas calculadas de acordo com o Aviso 18/93 da AMCM (o nível mínimo). A referida reserva obrigatória representa, pois, a diferença entre o nível mínimo e as perdas de imparidade nos termos das HKFRS (antes do impostos diferidos de 1 773 680,00 Patacas). Este mesmo montante, inscrito na linha «Dotações adicionais para provisões conforme RJSF» da Conta de Lucros e Perdas das contas resumidas, está reconciliado entre o «Lucro depois de impostos» e os «Resultados do ano de acordo com as regras da AMCM» na Conta de exploração das demonstrações financeiras auditadas anuais.

Demonstração de resultados do exercício de 2007

Conta de exploração

Mop

Conta de lucros e perdas

Mop

O Gerente da Sucursal de Macau, A Chefe da Contabilidade,
Wong Wai Hing, Simon Lou Kam Hong, Winnie

Síntese do relatório de actividades

No ano de 2007, Macau continuou a marcar a sua dinâmica com o desenvolvimento económico. Depois dos anos de 2005 e 2006, estou muito satisfeito em poder assistir ao grande sucesso que Macau voltou a alcançar em 2007. Como instituição bancária, este Banco tem sempre como lema «servir é o nosso principal objectivo», tendo envidado os seus melhores esforços para prestar aos clientes de diferentes sectores de actividade de serviços bancários céleres e de boa qualidade.

No ano passado, devido ao apoio dos clientes deste Banco e ao grande empenho dos seus trabalhadores com espírito competitivo, o resultado de exercício deste Banco voltou a ser coroado de êxito. O lucro apurado antes e depois de dedução dos impostos foi calculado em MOP$ 33,761,553 e MOP$29,699,989, respectivamente, tendo-se verificado um aumento de 42% em relação ao ano de 2006.

Aproveito a oportunidade para manifestar os meus sinceros agradecimentos aos clientes dos diversos sectores de actividade, à entidade tutelar e a todos os colegas que estão ao serviço deste Banco, bem como ao grupo financeiro a que pertence o Banco.

Olhando para o futuro, este Banco continuará a assegurar os excelentes tipos de gestão de risco e a prestar alta qualidade de serviços bancários, ao mesmo tempo que procurará alargar as actividades desenvolvidas por este Banco.

Aos 23 de Maio de 2008.

Standard Chartered Bank
Sucursal em Macau
Wong Wai Hing
Gerente

Síntese do parecer dos auditores externos

Para o gerente-geral do
Standard Chartered Bank, Macau Branch
(Sucursal de um banco comercial de responsabilidade limitada, incorporado no Reino Unido)

Procedemos à auditoria das demonstrações financeiras do Standard Chartered Bank, Macau Branch relativas ao ano de 2007, nos termos das Normas de Auditoria e Normas Técnicas de Auditoria da Região Administrativa Especial de Macau. No nosso relatório, datado de 23 de Maio de 2008, expressámos uma opinião, sem reservas, relativamente às demonstrações financeiras das quais as presentes constituem um resumo.

As demonstrações financeiras a que se acima se alude compreendem o balanço, à data de 31 de Dezembro de 2007, a demonstração de resultados, a demonstração de alterações no capital próprio e a demonstração de fluxos de caixa relativas ao ano findo, assim como um resumo das políticas contabilísticas relevantes e outras notas explicativas.

As demonstrações financeiras resumidas preparadas pela gerência resultam das demonstrações financeiras anuais auditadas e dos livros e registos do sucursal. Em nossa opinião, as demonstrações financeiras resumidas são consistentes, em todos os aspectos materiais, com as demonstrações financeiras auditadas e os livros e registos do sucursal.

Para a melhor compreensão da posição financeira do sucursal e dos resultados das suas operações, no período e âmbito abrangido pela nossa auditoria, as demonstrações financeiras resumidas devem ser lidas conjuntamente com as demonstrações financeiras das quais as mesmas resultam e com o respectivo relatório de auditoria.

Lei Iun Mei, Auditor de Contas
KPMG

Macau, aos 23 de Maio de 2008.


THE HONGKONG AND SHANGHAI BANKING CORPORATION LIMITED

Sucursal de Macau

Incorporated in the Hong Kong SAR with limited liability

Balanço anual em 31 de Dezembro de 2007

MOP

* Nota

As Outras Reservas incluem uma reserva obrigatória no montante de $ 49 299 663,08 Patacas. Porque a sucursal adopta as International Financial Reporting Standards («IFRSs») na preparação das suas demonstrações financeiras anuais, as perdas de imparidade com base nas IFRSs podem ser inferiores ao nível mínimo de provisões genéricas calculadas de acordo com o Aviso 18/93 da AMCM (o nível mínimo). A referida reserva obrigatória representa, pois, a diferença entre o nível mínimo e as perdas de imparidade nos termos das IFRSs. Este mesmo montante, inscrito na linha «Dotações adicionais para provisões conforme RJSF» da Conta de Lucros e Perdas das contas resumidas, está reconciliado entre o «Lucro depois de impostos» e os «Resultados do ano de acordo com as regras da AMCM» na Conta de exploração das demonstrações financeiras auditadas anuais.

MOP

Demonstração de resultados do exercício de 2007

Conta de exploração

MOP

Conta de lucros e perdas

MOP

Chief Executive Officer Macau, Financial Controller Macau,
Au Sing Kun Kenny Wong

Síntese do relatório de actividade

Lucros antes de impostos cresceram 27 por cento para MOP$ 367,9 milhões (MOP$ 290,5 milhões em 2006).
Activos cresceram 9 por cento para MOP14,217 milhões (MOP$ 13,103 milhões em 2006).

2007 foi um ano com muitas oportunidades de negócio no sector bancário. Face a essas circunstâncias, os rendimentos provenientes de juros cresceu 28% e não juros aumentaram 22%. As despesas de funcionamento foram mantidas sob controle.

Em 2007, os financiamentos a clientes cresceram 21%, encontrando-se diversificados pelos principais sectores da actividade de Macau. Os depósitos de clientes cresceram 8%.

Em 2007, foram facultados aos nossos clientes diversos novos produtos financeiros e de investimento. Iremos continuar em 2008 a investir recursos no melhoramento dos nossos serviços bancários e da rede, e lançaremos mais produtos de investimento.

Finalmente, aproveitamos esta oportunidade para agradecer os nossos estimados clientes o seu apoio continuado, e aos nossos empregados a sua dedicação e entusiasmo.

Au Sing Kun
Administrador Executivo – Sucursal de Macau

Síntese do parecer dos auditores externos

Para o Director Executivo do The Hongkong and Shanghai Banking Corporation Limited — Sucursal de Macau
(Sucursal de um banco comercial de responsabilidade limitada, incorporado em Hong Kong)

Procedemos à auditoria das demonstrações financeiras do The Hongkong and Shanghai Banking Corporation Limited — Sucursal de Macau relativas ao ano de 2007, nos termos das Normas de Auditoria e Normas Técnicas de Auditoria da Região Administrativa Especial de Macau. No nosso relatório, datado de 7 de Maio de 2008, expressámos uma opinião sem reservas relativamente às demonstrações financeiras das quais as presentes constituem um resumo.

As demonstrações financeiras a que se acima se alude compreendem o balanço, à data de 31 de Dezembro de 2007, a demonstração de resultados, a demonstração de alterações no capital próprio e a demonstração de fluxos de caixa relativas ao ano findo, assim como um resumo das políticas contabilísticas relevantes e outras notas explicativas.

As demonstrações financeiras resumidas preparadas pela gerência resultam das demonstrações financeiras anuais auditadas e dos livros e registos do sucursal. Em nossa opinião, as demonstrações financeiras resumidas são consistentes, em todos os aspectos materiais, com as demonstrações financeiras auditadas e os livros e registos do sucursal.

Para a melhor compreensão da posição financeira do sucursal e dos resultados das suas operações, no período e âmbito abrangido pela nossa auditoria, as demonstrações financeiras resumidas devem ser lidas conjuntamente com as demonstrações financeiras das quais as mesmas resultam e com o respectivo relatório de auditoria.

Lei Iun Mei, Auditor de Contas
KPMG

Macau, aos 7 de Maio de 2008.


MACAU PASS S.A.

(Publicações ao abrigo do artigo 75.º do RJSF, aprovado pelo Decreto-Lei n.º 32/93/M, de 5 de Julho)

Balanço anual em 31 de Dezembro de 2007

(Patacas)

(Patacas)

Demonstração de resultados do exercício de 2007

Conta de exploração

(Patacas)

Conta de lucros e perdas

(Patacas)

Administrador, Chefe da Contabilidade,
Liu Hei Wan Vong Chak Kin

(Patacas)

Síntese do relatório de actividades

A partir de Julho de 2007, há meio ano, data em que a Companhia deu início às suas actividades formalmente, a aplicação do «Macau Pass» foi alargado a várias áreas de Macau, incluindo os transportes públicos, cadeias de supermercados, máquinas de venda de bedidas, universidades, etc. tendo sido realizadas mais de 23 milhões de transacções, o comportamento operacional tem melhorado progressivamente.

Contudo as despesas efectuadas na implementação do sistema monetário electrónico completo e compra dos equipamentos foram elevadíssimas; tendo a Companhia iniciado as suas actividades há apenas seis meses, levou a que, em 2007, a Companhia tenha tido um défice de MOP$3 691 076.00.

Perspectivas para o ano 2008

No primeiro quarto de 2008, o MacauPass tem sido aplicado plenamente em todos os transportes públicos das duas companhias de autocarros de Macau. Além disso, o «MacauPass S.A.» fornece uma plataforma de operação tecnológica que torna possível a transferência de passageiros entre os meios de transportes públicos de Macau.

Uma cadeia de lojas de conveniência de grande escala vai passar a fazer uso do MacauPass no 2.º quarto deste ano, prevendo-se um acréscimo no uso do MacauPass. Este ano serão lançados projectos de colaboração entre mega-lojas, empresas, gerências imobiliárias, escolas, instituições financeiras locais e ultramarinas.

Prevê-se que o ano 2008 seja o período de desenvolvimento acelerado do MacauPass S.A. Tendo em conta o desenvolvimento sustentável da economia de Macau e falta de recursos humanos e de capitais, de modo a diminuir a sobrecarga administrativa no tratamento de dinheiro diário e aumentar a eficiência, as empresas procuram promover o consumo electrónico em diversos aspectos, promovendo favoravelmente o desenvolvimento do MacauPass S.A.

A Companhia espera desenvolver continuamente novos produtos e serviços, ampliar a área de aplicação, esperando obter melhores resultados no ano próximo.

Pelo Conselho de Administração, Liu Hei Wan, administrador.

27 de Março de 2008.

Parecer do Fiscal Único

Nos termos do Código Comercial e dos Estatutos da Companhia, o Fiscal Único supervisionou a administração da MACAU PASS S.A. ao longo do ano de 2007 até dia 31 de Dezembro, acompanhou a actividade da Companhia e obteve todas as informações e esclarecimentos que considerou necessários. O Fiscal Único considera que as demonstrações financeiras e relatório de actividade estão correctos e completos, explicando de forma breve e clara a situação financeira da Companhia, o desenvolvimento das suas actividades e os resultados das operações referentes ao exercício do ano 2007. O Fiscal Único não verificou qualquer irregularidade nem acto ilícito.

Proponho à Assembleia Geral a aprovação do relatório das actividades financeiras do ano até ao dia 31 de Dezembro de 2007, submetido pelo Conselho de Administração.

O Fiscal Único, Wu Chun Sang, Auditor Registado.

Macau, 27 de Março de 2008.

Síntese do Parecer dos Auditores Exteriores

Aos accionistas da MACAU PASS S.A.

Auditámos as demonstrações financeiras da MACAU PASS S.A. referentes ao exercício findo em 31 de Dezembro de 2007, de acordo com as Normas de Auditoria de Macau, e expressámos a nossa opinião sem reservas no relatório de 27 de Março de 2008.

Em nossa opinião, as contas resumidas estão de acordo com as demonstrações financeiras atrás referidas das quais elas resultaram.

Para uma melhor compreensão da situação financeira da Companhia e dos resultados das suas operações, as demonstrações financeiras resumidas devem ser analisadas em conjunto com as demonstrações financeiras auditadas.

Baker Tilly (Macau) — Sociedade de Auditores.

Macau, 27 de Março de 2008.

Lista das instituições que detém participação superior a 5% do respectivo capital social ou superior a 5% dos seus fundos próprios:

Nenhuma.

Lista dos principais accionistas Mesa da Assembleia Geral
Liu Chak Wan Presidente: Liu Chak Wan
Liu Hei Wan Secretário: Vong Chak Kin
Vong Chak Kin Fiscal Único:  Wu Chun Sang
Lao Kin Keong Secretário da Companhia: Vong Chak Kin
ÓRGÃOS SOCIAIS
Conselho de Administração
Administrador: Liu Chak Wan
Administrador: Liu Hei Wan
Administrador: Man Wing Chuen (Data de início da comissão: 18 de Dezembro de 2007)
Administrador: Cheung Chi Leung (Data do termo da comissão: 18 de Dezembro de 2007)

Macau, 27 de Março de 2008.


THE BANK OF EAST ASIA, LIMITED, SUCURSAL DE MACAU

Balanço em 31 de Dezembro de 2007

MOP

*As Outras Reservas incluem uma reserva obrigatória no montante de $ 14 331 199 Patacas. Porque a sucursal adopta as Macau Financial Reporting Standards («MFRS») na preparação das suas demonstrações financeiras anuais, as perdas de imparidade com base nas MFRS podem ser inferiores ao nível mínimo de provisões genéricas calculadas de acordo com o Aviso 18/93 da AMCM (o nível mínimo). A referida reserva obrigatória representa, pois, a diferença entre o nível mínimo e as perdas de imparidade nos termos das MFRS (antes do impostos diferidos de $ 1 954 254 Patacas). Este mesmo montante, inscrito na linha «Dotações adicionais para provisões conforme RJSF» da Conta de Lucros e Perdas das contas resumidas, está reconciliado entre o «Lucro depois de impostos» e os «Resultados do ano de acordo com as regras da AMCM» na Conta de exploração das demonstrações financeiras auditadas anuais.

MOP

Demonstração de resultados do exercício de 2007

Conta de exploração

MOP

Conta de lucros e perdas

MOP

O Gerente-Geral da Sucursal de Macau, A Chefe da Contabilidade,
Chen Wei Leong Wai Kun

Síntese do relatório de actividades

Em 2007, o Sector do Jogo e Turismo de Macau manteve-se próspero e o investimento aumentou mais de 23% em relação a 2006. Este aumento benefício a economia de Macau, os montantes de empréstimos e despósitos de cliente subiram 2,5 vezes e 1,1 vez respectivamente.

Além disso, a sucursal do banco em 28 de Dezembro de 2007, mudou suas instalações para a Nape, sendo sua anterior localização sita na Nam Van, passou a ser uma agência que continua a fornecer serviços ao público. Até Abril de 2008, além da sucursal em Macau o banco tem aberta três agências na Avenida de Horta e Costa, na Nam Van e na Taipa.

Prevê-se que em 2008 a economia de Macau se desenvolva e progrida graças ao sector turístico. Para coordenar o desenvolvimento da economia de Macau e às necessidades dos clientes, o Banco vai instalar mais agências em Macau, mantendo o seu comportamento comercial e estabelecendo um espírito criativo continua visam prestar o serviço profissional de alta qualidade aos cidadãos, entitades comerciais e diversos sectores de actividade de Macau.

The Bank of East Asia, Limited, sucursal de Macau.

O Gerente-Geral,
Chen Wei

Síntese do parecer dos auditores externos

Para a gerência do
Banco da East Asia, Limitada, Sucursal de Macau
(Sucursal de um banco comercial de responsabilidade limitada, incorporado na Região Administrativa Especial de Hong Kong)

Procedemos à auditoria das demonstrações financeiras do Banco da East Asia, Limitada, Sucursal de Macau relativas ao ano de 2007, nos termos das Normas de Auditoria e Normas Técnicas de Auditoria da Região Administrativa Especial de Macau. No nosso relatório, datado de 19 de Maio de 2008, expressámos uma opinião sem reservas relativamente às demonstrações financeiras das quais as presentes constituem um resumo.

As demonstrações financeiras a que se acima se alude compreendem o balanço, à data de 31 de Dezembro de 2007, a demonstração de resultados, a demonstração de alterações no capital próprio e a demonstração de fluxos de caixa relativas ao ano findo, assim como um resumo das políticas contabilísticas relevantes e outras notas explicativas.

As demonstrações financeiras resumidas preparadas pela gerência resultam das demonstrações financeiras anuais auditadas e dos livros e registos do sucursal. Em nossa opinião, as demonstrações financeiras resumidas são consistentes, em todos os aspectos materiais, com as demonstrações financeiras auditadas e os livros e registos do sucursal.

Para a melhor compreensão da posição financeira do sucursal e dos resultados das suas operações, no período e âmbito abrangido pela nossa auditoria, as demonstrações financeiras resumidas devem ser lidas conjuntamente com as demonstrações financeiras das quais as mesmas resultam e com o respectivo relatório de auditoria.

Lei Iun Mei, Auditor de Contas
KPMG

Macau, aos 19 de Maio de 2008.


INDUSTRIAL AND COMMERCIAL BANK OF CHINA — SUCURSAL DE MACAU

(Publicação ao abrigo do artigo 76.º do RJSF, aprovado pelo Decreto-Lei n.º 32/93/M, de 5 de Julho)

Balanço anual em 31 de Dezembro de 2007

MOP

Demonstração de resultados do exercício de 2007

Conta de exploração

MOP

Conta de lucros e perdas

MOP

O Gerente-Geral, O Chefe da Contabilidade,
Shen Xiao Qi Lui Kwok Tai

Síntese do relatório de actividade referente ao exercício de 2007

Decorrente da execução da política da economia diversificada do Governo da RAEM, e o aumento contínuo de investimento e consumo estrangeiro na RAEM, a economia de Macau no ano 2007 verificou o rápido desenvolvimento na base de melhoramento da sua estrutura, continuando a manter a boa actividade.

No ano 2007, o Banco Industrial e Comercial da China S.A., Sucursal de Macau («ICBC») aproveitou a oportunidade do rápido desenvolvimento da RAEM, inovou e melhorou os procedimentos das actividades, as vias de distribuição, o sistema informático, o sistema de gestão, o modelo de serviços e os tipos de produtos. Usando a marca global do ICBC, criando novos produtos e serviços, a estrutura de activo e a capacidade de lucros aumentaram manifestamente, melhorando progressivamente o controlo e prevenção de risco, todos os serviços desenvolveram-se rapidamente. No ano 2007, o valor do activo aumentou-se 58%, o saldo dos depósitos dos clientes aumentou-se 27%, os proveitos de serviços bancários aumentaram-se 70%, atingindo o lucro anual de quarenta e três milhões e novecentas e noventa mil patacas.

No ano 2007, ICBC, sucursal da RAEM, como o primeiro surcusal exterior do ICBC iniciou a executar o sistema global de actividades bancárias, integrando as redes de serviços da globalização do ICBC, criando o efeito de coordenação entre interzonas, intermercados e mundo global, atingindo a base sólida para o desenvolvimento das actividades do ICBC para o futuro. No ano 2007, ICBC instalou dois novos sub-branch na zona norte e Venetian Resort, pondo no mercado os auto-serviços bancários e melhorando os serviços do banco no Internet, fazendo o balco de serviços na rede físico e no rede informático em qualquer momento.

O ICBC integrou o cumprimento da responsabilidade da empresa social como política de desenvolvimento global, insistindo a uniformidade da economia, da pessoa e da sociedade, e no mesmo momento de trabalhar para criar utilidades económicas, assumindo activamente responsabilidade perante a sociedade e a população da RAEM, preocupando a vida da população, participando as actividades de caridade pública, retribuindo à sociedade da RAEM pelo seu apoio continuo. Quanto ao ano 2008, o ICBC continua a executar o espírito de exercício de «Raiz integrado na RAEM e Goza conjuntamente a vida e o prestígio», progredindo activamente a actividade e exercendo progressivamente a actividade, fornecendo mais produtos financeiros e serviços com altas qualidades e eficiências para a população e as empresas da RAEM, contribuindo para o bom desenvolvimento da sociedade da RAEM.

O Gerente-Geral,
Shen Xiaoqi.

Síntese do parecer dos auditores externos

Ao Banco Industrial e Comercial da China – Sucursal de Macau

Examinámos, de acordo com as Normas de Auditoria, aprovadas pelo Regulamento Administrativo n.º 23/2004 da RAEM, e as Normas Técnicas de Auditoria, aprovadas pelo Despacho do Secretário para a Economia e Finanças n.º 68/2004, as demonstrações financeiras do Banco Industrial e Comercial da China – Sucursal de Macau, referentes ao exercício findo em 31 de Dezembro de 2007, e a nossa opinião sobre as demonstrações financeiras está expressa, sem reservas, no nosso relatório datado de 16 de Maio de 2008.

Em nossa opinião, as contas financeiras resumidas estão de acordo com as demonstrações financeiras atrás referidas das quais elas resultaram.

Para uma melhor compreensão da situação financeira da Sucursal e dos resultados das suas operações, as demonstrações financeiras resumidas devem ser analisadas em conjunto com as demonstrações financeiras auditadas.

Ernst & Young Auditores

Macau, aos 16 de Maio de 2008.


BANCO NACIONAL ULTRAMARINO, S.A.

Balanço anual em 31 de Dezembro de 2007

MOP

Demonstração de resultados do exercício de 2007

Conta de exploração

MOP

Conta de lucros e perdas

MOP

A Responsável pela Contabilidade, Presidente da Comissão Executiva,
Maria Clara Fong Herculano Jorge de Sousa

Relatório sucinto sobre a actividade do Banco Nacional Ultramarino, S.A.

A economia de Macau registou de novo em 2007 um elevado crescimento, tendo o produto interno bruto aumentado 27,3 por cento, depois de em 2006 se ter expandido em 17 por cento.

Para o crescimento da economia continuou a ser determinante a evolução muito positiva do sector do turismo e o aumento do investimento privado na construção de novos hotéis e casinos e de edifícios para habitação e escritórios.

As economias da China Continental e de Hong Kong, principais mercados emissores dos turistas que visitam Macau, continuaram a registar índices de crescimento elevados em 2007.

Em particular, a economia da China Continental cresceu 11,4 por cento, a taxa mais elevada registada nos últimos 13 anos, impulsionada pelo aumento do investimento em capital fixo, exportações de bens e pelo consumo interno reflectindo o crescente poder de compra da população urbana e rural.

A economia de Hong Kong, cujos sectores financeiros, turístico e de logística, dependem também muito da evolução da economia da China Continental, registou uma expansão de 6,2 por cento em 2007, tendo o consumo privado beneficiado com a tendência para o aumento dos preços no mercado imobiliário, da subida do principal índice de acções e descida das taxas de juro.

Os principais indicadores do sector do turismo em Macau registaram uma evolução muito positiva em 2007:

Cerca de 27 milhões de turistas visitaram Macau em 2007, um aumento de 23 por cento relativamente a 2006.

As receitas brutas do jogo registaram um crescimento muito significativo e bastante acima do esperado no início do ano, atingindo os 83,8 biliões de Patacas, um aumento de 45,7 por cento face ao anterior, ultrapassando as receitas dos casinos de Las Vegas Strip.

— A taxa de ocupação dos hotéis aumentou para 77,2 por cento em 2007 (72,9 por cento em 2006) não obstante o aumento da oferta de quartos.
— O período médio da estadia dos turistas aumentou para 1,4 dias (1,21 dias em 2006) e a despesa média cresceu 10,7 por cento.

O investimento privado, em 2007, em particular na construção e equipamento de hotéis e casinos, com uma taxa de crescimento 23 por cento e de 25,2 por cento respectivamente, constitui a componente mais dinâmica da procura interna.

O consumo privado registou também um crescimento significativo de 10,7 por cento em 2007 reflectindo o aumento dos salários, da população activa e a redução da taxa de desemprego.

No mercado imobiliário continuou a verificar-se a tendência para alta dos preços e do volume de transacções impulsionados também pela diminuição da “prime rate” em 75 pontos percentuais.

As tensões nos mercados financeiros, no terceiro trimestre, decorrentes da crise no mercado do crédito hipotecário de alto risco nos EUA, reflectiram-se sobretudo numa subida temporária das taxas de juro no mercado interbancário que, no entanto, para o final do ano retomaram a tendência de baixa.

O elevado e rápido crescimento da economia e da procura interna tem acentuando as pressões inflacionistas e contribuído para uma subida generalizada dos salários, dada a forte procura de mão-de-obra nos vários sectores da economia, num contexto em que se continuou a registar uma redução de desemprego que no final de 2007 se situava em apenas 3,1%.

O Índice de Preços no Consumidor aumentou 5,57 por cento em 2007, após ter subido 5,2 por cento no ano anterior, para o que contribuiu o aumento dos preços de bens importados, nomeadamente de produtos alimentares e da energia.

A evolução positiva da economia contribuiu para o dinamismo da procura de crédito bem como para o aumento dos depósitos de clientes, tendo como consequência uma melhoria da liquidez, rendibilidade e da qualidade dos activos do sistema bancário.

Num mercado cada vez mais concorrencial, a estratégia do Banco tem sido ajustada de modo a adaptar-se às novas realidades de uma economia em profunda mudança estrutural, à medida que Macau se desenvolve como um centro de conferências, exposições e entretenimento para a China e a Ásia em geral.

As principais prioridades da estratégia do BNU são aumentar de uma forma sustentada e diversificar a base das suas receitas – através de uma contribuição equilibrada entre a banca comercial e a banca de particulares e um aumento do peso das comissões cobradas no produto bancário — e afectar eficientemente os recursos humanos e financeiros.

Na área de banca de particulares, o objectivo principal é aumentar o número de produtos vendidos a cada cliente e oferecer opções ainda mais atractivas nas áreas de cartões de crédito, crédito ao consumo e à habitação e produtos de investimento.

Outro vector importante da estratégia definida é o envolvimento do Banco no financiamento de projectos no sector do turismo, nomeadamente de complexos de hotéis/casinos, sector de maior potencial de crescimento e rendibilidade, e também com as novas pequenas e médias empresas na área de serviços.

Em resposta ao aumento significativo da nossa base de clientes, o BNU abriu uma nova agência no complexo do Venetian Macau no Cotai, havendo a destacar o lançamento do serviço de banca através da Internet para empresas, com funcionalidades que vão de encontro às necessidades operacionais tanto das pequenas como das grandes empresas.

Para responder ao aumento acentuado do volume de transacções, resultante do número crescente de turistas que visitam Macau e do aumento da população residente, o BNU está empenhado em fazer os investimentos necessários à actualização e ao aumento de capacidade de processamento das plataformas operacionais, em especial das redes de ATMs, terminais de pagamento e banca através da Internet.

No desempenho do Banco destaca-se o forte crescimento do volume de actividade nas várias áreas de negócio com os resultados a registarem, novamente em 2007, um aumento muito expressivo.

O Activo Líquido aumentou 24,2 por cento em 2007, ascendendo a 30 079 mil milhões de patacas em 31 de Dezembro de 2007, para o que contribuiu a carteira de crédito a particulares, com um crescimento de 68,5 por cento, que se ficou a dever sobretudo à expansão do crédito para habitação, e ao crédito concedido a empresas que registou um aumento de 40,8 por cento.

A carteira de depósitos de clientes registou igualmente um crescimento significativo, que se cifrou em 25,6 por cento, continuando o Banco a manter uma posição credora no mercado interbancário.

O Resultado Líquido registou um crescimento de 23,3 por cento em 2007, atingindo os 379,5 milhões de patacas, depois de em 2006 ter aumentado 52 por cento.

A margem financeira registou um crescimento de 21,8 por cento e a margem complementar aumentou 43 por cento.

O rácio cost-to-income sofreu uma redução de 3,5 por cento para 30,4 por cento em 2007, não obstante o aumento dos custos associados à expansão do volume de actividade, do investimento em novos equipamentos e lançamento de novos produtos e serviços, num quadro em que se acentuado a tendência para o aumento dos salários e dos preços de bens e serviços.

O rácio de solvabilidade, calculado de acordo com as normas estabelecidas pela AMCM, situou-se em 15,9 por cento.

Macau, aos 31 de Março de 2008.

Herculano de Sousa
Presidente da Comissão Executiva.

Paracer do Fiscal Único do Banco Nacional Ultramarino, S.A.

Senhores Accionistas:

O Conselho de Administração do Banco Nacional Ultramarino, S.A., submeteu ao Fiscal Único, nos termos e para efeitos da alínea e) do artigo 32.º dos estatutos, para emissão de parecer, o balanço, as contas e o relatório anual respeitantes ao exercício de 2007. Complementarmente foi também enviado o Relatório dos Auditores Externos “Deloitte Touche Tohmatsu”, sobre as contas do Banco Nacional Ultramarino, S.A., relativas àquele mesmo exercício.

O Fiscal Único acompanhou, ao longo do ano, a actividade do Banco, tendo mantido contacto regular com a Administração e dela recebido sempre e em tempo a adequada colaboração e esclarecimentos.

Analisados os documentos remetidos para parecer, constata-se que os mesmos são suficientemente claros, reflectindo a situação patrimonial e económica-financeira do Banco.

O Relatório do Conselho de Administração traduz de forma clara o desenvolvimento das actividades do Banco no decurso do exercício em apreciação.

O Relatório dos Auditores Externos, tido em devida conta pelo Fiscal Único, refere que os documentos de prestação de contas apresentados evidenciam de forma verdadeira e apropriada a situação financeira do balanço em 31 de Dezembro de 2007, bem como os resultados das operações referentes ao exercício findo naquela data, com observância dos princípios contabilísticos da actividade bancária.

Face ao exposto, o Fiscal Único decidiu dar parecer favorável à aprovação do :

1. Balanço e Demonstração de Resultados;

2. Relatório Anual do Conselho de Administração.

Macau, aos 5 de Maio de 2008.

O FISCAL ÚNICO
Chui Sai Cheong (崔世昌)

Síntese do parecer dos auditores externos

Para os accionistas da Banco Nacional Ultramarino, S.A.

Procedemos à auditoria das demonstrações financeiras do Banco Nacional Ultramarino, S.A. relativas ao ano de 31 de Dezembro de 2007, nos termos das Normas de Auditoria aprovadas pelo Chefe do Executivo da Região Administrativa Especial de Macau e as Normas Técnicas de Auditoria aprovadas pelo Secretário para a Economia e Finanças. No nosso relatório datado de 28 de Março de 2008, expressámos uma opinião sem reservas relativamente às demonstrações financeiras das quais as presentes constituem um resumo.

As demonstrações financeiras a que se acima se alude compreendem o balanço, à data de 31 de Dezembro de 2007, a demonstração de resultados, a demonstração de alterações no capital próprio e a demonstração de fluxos de caixa relativas ao ano findo, assim como um resumo das políticas contabilísticas relevantes e outras notas explicativas.

As demonstrações financeiras resumidas preparadas pela gerência resultam das demonstrações financeiras anuais auditadas a que acima se faz referência. Em nossa opinião, as demonstrações financeiras resumidas são consistentes, em todos os aspectos materiais, com as demonstrações financeiras auditadas.

Para a melhor compreensão da posição financeira do Banco Nacional Ultramarino, S.A. e dos resultados das suas operações, no período e âmbito abrangido pela nossa auditoria, as demonstrações financeiras resumidas devem ser lidas conjuntamente com as demonstrações financeiras das quais as mesmas resultam e com o respectivo relatório de auditoria.

Quin Va
Auditor de Contas
Deloitte Touche Tohmatsu — Sociedade de Auditores

Macau, aos 28 de Março de 2008.

Banco Nacional Ultramarino, S.A.

Lista das instituições em que o Banco Nacional Ultramarino, S.A. detém participação superior a 5% do respectivo capital social ou superior a 5% dos seus fundos próprios, com indicação do respectivo valor percentual.

SEAP — Serviços, Administração e Participação, Lda

25%

Banco Nacional Ultramarino, S.A.

Lista dos Accionistas Qualificados

• Caixa Geral de Depósitos, S.A.

97,13 %

Banco Nacional Ultramarino, S.A.

Órgãos Sociais

Mesa da Assembleia Geral
Presidente: Joaquim Jorge Perestrelo Neto Valente
Vice-Presidente: Liu Chak Wan
Secretário: Maria de Lurdes Nunes Mendes da Costa
Conselho de Administração
Presidente: Caixa Geral de Depósitos, S.A.,
  representada por Carlos Jorge Ramalho dos Santos Ferreira
Vice-Presidente: Herculano Jorge de Sousa
  António Luís Neto
Administradores: Artur Jorge Teixeira Santos
  Kan Cheok Kuan
Comissão Executiva
Presidente: Herculano Jorge de Sousa
Vice-Presidente: Artur Jorge Teixeira Santos
Membro: Kan Cheok Kuan
Fiscal Único: Chui Sai Cheong

[ Página Anterior ][ Versão Chinesa ]

   

 < ] ^ ] > ] 

    

Versão PDF optimizada para Adobe Reader 7.0 ou superior.
Get Adobe Reader