< ] ^ ] 

 

[ Página Anterior ] [ Versão Chinesa ]


REGIÃO ADMINISTRATIVA ESPECIAL DE MACAU

Anúncios notariais e outros

2.º CARTÓRIO NOTARIAL DE MACAU

CERTIFICADO

“澳門金飾珠寶業職工會”

葡文為 «Associação dos Empregados de Ouriversaria e Joalharia de Macau»

英文為 «Employees' Association of Gold Ornaments & Jewellery, Macau»

為公佈之目的,茲證明上述社團之章程已於二零零二年五月九日,存檔於本署之1/2002/ASS檔案組內,編號為30號,並登記於第3號“獨立文書及其他文件之登記簿冊”內,編號為193號,有關條文內容如下:

澳 門 金 飾 珠 寶 業 職 工 會

Associação dos Empregados de Ouriversaria e Joalharia de Macau

Employees' Association of Gold Ornaments & Jewellery, Macau

章 程

第一章

總則

第一條——本會定名『澳門金飾珠寶業職工會』,葡文名"Associação dos Empregados de Ouriversaria e Joalharia de Macau"英文名"Employees' Association of Gold Ornaments & Jewellery, Macau"以下簡稱本會。

第二條——會址設在澳門伯多祿局長街8號友裕大廈3字樓A、C座。

第三條——本會為非牟利團體,以促進行業僱員的團結,維護會員權益為宗旨。

第二章

會員

第四條——凡澳門金飾、珠寶、玉石、鐘錶、首飾等行業的僱員及技工,願意遵守本會章程,經理事會批准即可成為會員。

第五條——會員有選舉及被選舉權;享有本會舉辦一切活動和福利的權利。

第六條——會員有遵守會章和執行決議,以及繳交會費的義務。

第三章

組織

第七條——會員大會為本會最高權力機構,負責修改會章及內部規章;選舉會員大會主席、理事會、監事會成員;審批理事會工作報告;決定會務方針。

第八條——會員大會設主席、副主席、秘書各一名,任期兩年,連選連任。

第九條——會員大會每年舉行一次,在必要的情況下或應不少於二分之一會員以正當目的提出的要求,亦得召開特別會議。

第十條——理事會為本會執行機構,由會員大會選出九至二十五名成員組成,其數目取單數,任期兩年,連選連任;負責執行會員大會決議及日常具體會務。

第十一條——理事會設理事長一名,副理事長、常務理事及理事若干名。

第十二條——監事會為本會監察機構,由會員大會選出三至七名成員組成,其數目取單數,任期兩年,連選連任;負責監察理事會日常會務運作和財政收支。

第十三條——監事會設監事長一名、副監事長及監事若干名。

第四章

其他規定

第十四條——本會的經費來源自會費和開展活動的收入,基金及利息,贊助和捐贈。

第十五條——本會設內部規章,訂定人事、行政、財務和紀律細則,由會員大會通過後執行。

第十六條——本章程如有未盡善處,得由理事會提出修改議案,交會員大會審議修改之。

Está conforme.

Segundo Cartório Notarial de Macau, aos nove de Maio de dois mil e dois. - A Ajudante, Assunta Fernandes.


2.º CARTÓRIO NOTARIAL DE MACAU

CERTIFICADO

“柏寧大廈業主會”

葡文為«Associação dos Condomínios do Edif. Parklane»

為公佈之目的,茲證明上述社團之章程已於二零零二年五月八日,存檔於本署之1/2002/ASS檔案組內,編號為29號,並登記於第3號“獨立文書及其他文件之登記簿冊”內,編號為190號,有關條文內容如下:

“柏寧大廈業主會”章程

會址與目標

第一條

本會採用之中文名稱為“柏寧大廈業主會”,葡文名稱為«Associação dos Condomínios do Edifício "Parklane»。

第二條

本會會址設於澳門江沙路里12號柏寧大廈大堂。

第三條

本會之目的為在澳門法律制度下保障業主的合法權益,以利業主安居樂業,和諧共處。

會員的權利與義務

第四條

凡柏寧大廈住宅單位及車位之業主以及交納管理費的承租人,均為業主會會員。

第五條

會員的權利:

a) 參加全體會員大會;

b) 有選舉權與被選舉權;

c) 參加業主會舉辦的活動;

d) 享受會員的權利。

第六條

會員的義務:

a) 遵守業主會章程和決議;

b) 向業主大會及其常設管理委員會提供聯絡資料(資料保密)。

第七條

若會員違反大會章程從事有損業主會聲譽的行為,管理委員會可採取以下處分:

a) 忠告;

b) 書面警告;

c) 按規定執行罰款。

全體會員大會

第八條

全體會員大會是業主會的最高權力機構,由所有會員組成,每年召開會議一次,至少提前十天通知召集。

第九條

經十分之一的業主提議或經管理委員會的要求,可召開緊急會議。

全體會員大會的職能

第十條

全體會員大會的職能是:

a) 選舉產生管委會和監事會;

b) 審議業主會的年度報告及本年度開支預算;

c) 決定業主會的公共維修基金的籌集方式、管理方式和使用方式;

d) 賦予管委會對共同部分之收益有追收的權力,並具有權力代表分層所有人透過法律追討欠款;

e) 修改業主會的章程。

管理委員會

第十一條

管理委員會(以下簡稱管委會)由九名委員組成。

第十二條

管委會成員由會員大會選出,每屆任職兩年。

第十三條

由委員互選出管委會理事長一名,副理事長一名,秘書一名,財務一名,其他成員均為理事。

第十四條

管委會通常每三個月召開一次會議,若有需要,管委會理事長可額外召開臨時會議。

管委會的職能

第十五條

管委會的職能是:

a) 執行全體會員大會的決議,管委會的決議以多數人的意見通過;

b) 管理業主會的事務及發表工作報告;

c) 召開全體業主大會;

d) 在召開管委會的會議時,應通知有關委員,開會時如人數不夠半數,則應順延一小時才舉行,屆時不論人數多少,決議將以出席者之多數通過。

監事會

第十六條

監事會由三名監事組成,每屆任職兩年。

第十七條

由監事互選出一名監事長,一名副監事長,一名監事。

監事會的職能

監事會的職能是:

a) 審核管委會的工作報告;

b) 審核財務報告;

c) 監管業主會的財務收支帳目。

Está conforme.

Segundo Cartório Notarial de Macau, aos nove de Maio de dois mil e dois. - A Ajudante, Assunta Fernandes.


CARTÓRIO PRIVADO MACAU

CERTIFICADO

南 益 工 業 大 廈 業 主 會

Certifico, para efeitos de publicação, que, por instrumento arquivado, neste Cartório, desde seis de Maio de dois mil e dois, sob o número dois do maço número um de dois mil e dois, foi constituída a "Associação dos Condóminos do Edifício Industrial Nam Iek", em chinês "南益工業大廈業主會", cujos estatutos com o seguinte teor:

『南益工業大廈業主會』章程

第一章

總則

第一條

(名稱及會址)

(一)本會定名為『南益工業大廈業主會』,葡文名稱為“Associação dos Condóminos do Edifício Industrial Nam Iek”,以下簡稱“本會”。受本章程及澳門現行有關法律,尤其是一九九九年八月三日之法律第2/99/M號及《民法典》有關之規定所管轄。

(二)澳門提督馬路139-149號南益工業大廈十二樓。經理事會決議,會址得遷往澳門任何地方。

第二條

(本會之性質與宗旨)

(一)本會由位於澳門罅些喇提督大馬路(提督馬路)139號至147號及沙梨頭海邊大馬路816號至844號之「南益工業大廈」業主所組成之法人社團;該工業大廈在澳門物業登記局登錄編號為21768號。

(二)本會代表和維護「南益工業大廈」小業主之合法權益。

(三)本會團結大廈各小業主,建立睦鄰互助關係,促進聯誼。

(四)負責一切有關「南益工業大廈」之管理事務。

(五)本會為非牟利組織。

(六)本會為永久性之社團,從註冊成立之日起開始運作。

第二章

會員

第三條

(會員資格)

(一)會員資格:凡屬本大廈單位業主,只要認同本會宗旨及遵守本會章程者均自動成為本會會員。業權轉移者,即自動取消其會員資格。

(二)本會可邀請傑出人士為榮譽會長及顧問,該等人士將不會直接參與本會之行政及管理等事務。

第四條

(會員權利)

本會會員除享有法定之權利外,尚有:

(一)出席會員大會之權利;

(二)選舉及被選舉之權利;

(三)參加本會所舉辦之各項活動之權利;

(四)享受各項會員之福利之權利;

(五)對本會之會務提出建議之權利;

(六)退會權。

第五條

(會員義務)

本會會員除遵守法定之義務外,尚應:

(一)遵守本會章程及各項內部規章及規則,服從會員大會及理事會之決議;

(二)遵守大廈守則,愛護大廈之公共設施,建立良好睦鄰關係;

(三)維護本會聲譽及權益;

(四)積極參與及支持會務工作及活動;

(五)按時繳交由會員大會所訂定之會費、大廈管理費及其他費用。

第六條

(會員資格之中止及喪失)

(一)會員自願退會者,須以書面形式向理事會申請;

(二)違反本會章程、內部規章、決議或損害本會聲譽或利益之會員,將由理事會決定及作出適當的處分;情況嚴重者可由理事會建議,經會員大會通過,將有關之會員開除出會。

第三章

組織架構

第七條

(本會組織)

(一)本會之組織為:

1. 會員大會;

2. 理事會;

3. 監事會。

(二)上述各組織人員之職務,除按第十一條第(一)款之規定外,不得同時兼任,每屆之任期為三年,由會員大會從具有投票權之會員中選出,並可連選連任。

第八條

(會員大會)

(一)會員大會是本會最高權力機關,由全體會員所組成。

(二)大會設主席團,其成員由三至五名之單數成員所組成,當中設一位主席,一位副主席及一位秘書。

(三)大會主席之主要職責為召集及主持大會,如主席出缺,則由副主席接替。

第九條

(會員大會職責)

會員大會除擁有法律所賦予之職權外,尚負責:

(一)制定和修改本會章程;

(二)選舉和罷免本會各機關成員之職務;

(三)審議及通過理事會和監事會所提交之年度工作報告、財務報告及意見書;

(四)通過本會的政策、活動方針及對其它重大問題作出決定;

(五)通過邀請傑出人士為榮譽會長、榮譽顧問及顧問;

(六)在會員紀律處分及開除會籍之問題上具最高決策權;

(七)訂定小業主所應繳交之會費、大廈管理費及其他費用之金額。

第十條

(會員大會會議)

會員大會分為平常會員大會和特別會員大會。

(一)平常會員大會每年第一個月內召開一次,並最少十天前以掛號信件或簽收之方式通知會員;特別會員大會得由會員大會主席,理事會或不少於三分之一會員請求召開,如屬後者,必須以書面說明召開大會之目的及欲討論之事項;

(二)經第一次召集,應最少有一半會員出席或出席會員所代表單位之面積超過全幢大廈總業權面積百分之五十或以上,會員大會方可召開及決議;

(三)大會於第一次召集開會時,如出席會員不足上述之法定人數,大會得於半小時後經第二次召集後舉行,屆時無論出席會員人數多少,大會都可以合法及有效地進行決議,但法律有特別規定者除外;

(四)會員大會的一般決議,以超過出席者之半數之票通過;

(五)修改會章、開除會員須經理事會通過後向大會提案,再經出席大會會員的四分之三大多數決議通過;

(六)罷免應屆機關成員之職務,須由出席大會四分之三大多數票通過。

第十一條

(會長及副會長)

(一)本會設會長壹名及副會長若干名,本會會長由理事長同時兼任,副會長則由副理事長同時兼任;

(二)會長對外代表本會,會長出缺時,由副會長順序代表。

第十二條

(理事會)

(一)理事會是本會的管理及執行機關,由三至十五名單數成員組成,其中設理事長一名,副理事長若干名,其餘各理事之職務由理事會決議指定。

(二)理事會內設「大廈管理委員會」其成員由三至九名之奇數成員組成,由理事會內部自行互選;「大廈管理委員會」之職責為專門負責大廈之一切管理事務,並直接向理事會及會員大會負責。

(三)「大廈管理委員會」成員之任期與理事會相同。

第十三條

(理事會之職責)

理事會除擁有法律所賦予之職權外,尚負責:

(一)制定本會的政策及活動方針,並提交會員大會審核通過;

(二)執行會員大會之決議及維持本會的會務及各項活動;

(三)委任發言人,代表本會對外發言;

(四)按會務之發展及需要,設立各專責委員會、小組及部門,並有權委任及撤換有關之負責人;

(五)每年向會員大會提交會務報告、賬目和監事會交來之意見書;

(六)草擬各項內部規章及規則,並提交會員大會審議通過;

(七)審批入會申請;

(八)要求召開會員大會;

(九)行使本章程第六條第(二)款之處分權。

第十四條

(理事會之會議)

(一)理事會會議定期召開,會期由理事會按會務之需要自行訂定;並由理事長召集或應三分之一以上之理事請求而召開;

(二)理事會會議須有過半數之成員出席方可決議;其決議是經出席者之簡單多數票通過,在票數相等時,理事長除本身之票外,還可加投決定性的一票。

第十五條

(本會責任之承擔)

(一)本會一切責任之承擔,包括法庭內外,均由任何兩位理事聯名簽署方為有效。但一般之文書交收則只須任何一位理事簽署。

(二)只有會長或經理事會委任的發言人方可以本會名義對外發言。

第十六條

(監事會)

(一)監事會由三人至七人組成,但必須是單數,其中設一位監事長;

(二)監事會按法律所賦予之職權,負責監察本會之運作及理事會之工作,對本會財產及賬目進行監察及對理事會之報告提供意見;

(三)監事會成員得列席理事會議,但無決議投票權。

第十七條

(財政來源)

(一)本會的收入包括會員之會費,來自本會所舉辦之各項活動的收入和收益,以及將來屬本會資產有關之任何收益;

(二)本會得接受政府、機構及各界人士捐獻及資助,但該等捐獻及資助不得附帶任何與本會宗旨不符的條件。

第十八條

(支出)

本會之一切支出,包括日常及舉辦活動之開支,必須經理事會通過確認,並由本會之收入所負擔。

第四章

附則

第十九條

(章程之解釋權)

(一)理事會對本章程在執行方面所出現之疑問具有解釋權,但有關之決定須由下一屆會員大會追認。

(二)本章程如有未盡善之處,得按有關法律之規定,經理事會建議,交由會員大會通過進行修改。

第二十條

(籌委會)

(一)本會之創會會員組成籌委會,除負責辦理本會之法定註冊手續外,還負責本會之管理及運作,直至召開首屆會員大會及選出第一屆各機關成員為止;

(二)籌委會在履行上述(一)項內所指之職務期間,一切有關與本會責任承擔之行為及文件,須經籌委會兩名成員聯名簽署方為有效;

(三)本會之創會會員即籌委會成員為:

a)巫志中(Mo Chi Chung),為十一樓及十二樓A、B、C及D座及一樓A及D座之業主;

b)王少勇(Wong Sio Iong),為三樓C及D座之業主;

c)方德祺(Fong Tak Kee Dennis),為十樓C及D座之業主;

d)詹益懷(Chim Iek Wai),為八樓A、B、C及D座之業主;

e)張錫榮(João Cheong Seak Weng),為一樓C座之業主;

f)林植雄(Lam Chek Hong),為二樓A及B座之業主;

g)蕭玉光(Siu Yuk Kwong),為六樓A及B座及九樓A、B及D座之業主;

h)黃繼成(Vong Kai Seng),為五樓A及B座之業主。

第二十一條

(會徽)

本會得使用會徽,其式樣將由會員大會通過及公佈。

私人公證員 石立炘

Está conforme.

Cartório Privado, em Macau, aos dez de Maio de dois mil e dois. - O Notário, Paulino Comandante.


CARTÓRIO PRIVADO MACAU

CERTIFICADO

Igreja Luterana de Hong Kong e Macau

Certifico, para efeitos de publicação, que, por documento autenticado outorgado em oito de Maio de dois mil e dois, arquivado, neste Cartório, e registado sob o número vinte e um do dia oito de Maio de dois mil e dois, no Livro de Registo de Instrumentos Avulsos e de Outros Documentos, foi alterado o número um do artigo primeiro dos estatutos da associação em epígrafe, que passa a ter a seguinte redacção:

Artigo primeiro

A associação adopta a denominação de «Igreja Luterana de Hong Kong e Macau», em inglês «Hong Kong & Macau Lutheran Church» e, em chinês «港澳信義會», e tem a sua sede em Macau, na Estrada da Areia Preta, números quarenta - quarenta F, edifício Kam Sau, 2.º andar "F" e "L", podendo, por deliberação da Direcção, deslocar a sua sede.

私人公證員 鄧思慧

Cartório Privado, em Macau, aos oito de Maio de dois mil e dois. - A Notária, Teresa Teixeira da Silva.


CARTÓRIO PRIVADO MACAU

CERTIFICADO

澳門糧食業商會

Certifico, para publicação, que se encontra arquivado, neste Cartório, desde oito de Maio de dois mil e dois, no maço do ano dois mil e dois, sob o número vinte e sete e registado sob o número seis a folhas sessenta e seis verso do Livro de Registo de Instrumentos Avulsos, um exemplar dos estatutos da associação em epígrafe, do teor seguinte:

澳門糧食業商會章程

第一章

總則

第一條

本會定名為“澳門糧食業商會”。

第二條

本會宗旨:促進同業團結,維護同業權益,為穩定澳門糧食作出貢獻。

第三條

本會會址設在澳門新馬路611號三樓。

第二章

會員

第四條

凡經營本行業之商號、僱主、董事、經理、股東;或高級職員,經本會會員介紹,及經會議批准得成為正式會員。

第五條

會員有選舉權及被選舉權;享有本會舉辦一切活動和福利的權利。

第六條

會員有遵守會章和決議,以及繳交會費的義務。

第三章

組織

第七條

本會組織機關包括會員大會、理事會、監事會。

第八條

本會最高權力機構為會員大會,負責制定或修改會章;選舉會員大會會長和理事會、監事會成員;決定會務方針;審查和批准理事會工作報告。

第九條

會員大會設會長、副會長、秘書各一人。

第十條

本會執行機構為理事會,設理事長一人,副理事長兩人、理事四人,負責執行會員大會決策和日常具體會務。

第十一條

本會監察機構為監事會,設監事長一人,副監事長一人,監事一人,負責監察理事會日常會務運作和財政收支。

第十二條

會員大會、理事會、監事會成員由會員大會選舉產生,任期兩年,連選得連任。

第四章

會議

第十三條

會員大會兩年舉行一次,如遇重大或特別事項得召開特別會員大會。每次會員大會如法定人數不足,則於超過通知書上指定時間三十分鐘後作第二次召集,屆時不論出席人數多寡,會員大會均得開會。

第十四條

理事會議、監事會議每三個月召開一次。

第十五條

會員大會、理事會會議、監事會會議分別由會長、理事長、監事長召集和主持。

第十六條

理事會議須經半數以上理事同意,始得通過決議。

第五章

經費

第十七條

本會經費源於會員會費或各界人士贊助,倘有不敷或特別需用款時,得由理事會決定籌募之。

第六章

附則

第十八條

本章程經會員大會通過後執行。

第十九條

本章程之修改權屬於會員大會。

私人公證員 Philip Xavier

Está conforme.

Cartório Privado, em Macau, aos oito de Maio de dois mil e dois. - O Notário, Philip Xavier.


CARTÓRIO PRIVADO MACAU

CERTIFICADO

澳門京果批發商會

Certifico, para publicação, que se encontra arquivado, neste Cartório, desde sete de Maio de dois mil e dois, no maço do ano dois mil e dois, sob o número vinte e seis e registado sob o número cinco a folhas sessenta e seis verso do Livro de Registo de Instrumentos Avulsos, um exemplar dos estatutos da associação em epígrafe, do teor seguinte:

澳門京果批發商會章程

第一章 總則

第一條:本會定名為“澳門京果批發商會”,葡文名稱為“Associação dos Fornecedores de Frutos Secos de Macau”。

第二條:本會宗旨:團結本行業,維護本行業的正當權益。

第三條:本會會址設在澳門高士德大馬路43號地下,在需要時可遷往本澳其他地方,及設立分區辦事處。

第二章 會員

第四條:凡具本澳營業牌照之京果批發商號及僱主、董事、經理、司理、股東;或高級職員,經本會會員介紹,及經會議批准得成為正式會員。

第五條:會員有選舉權及被選舉權;享有本會舉辦一切活動和福利的權利。

第六條:會員有遵守會章和決議,以及繳交會費的義務。

第三章 組織

第七條:本會組織機關包括會員大會、理事會、監事會。

第八條:本會最高權力機構為會員大會,負責制定或修改會章;選舉會員大會主席和理事會、監事會成員;決定會務方針;審查和批准理事會工作報告。

第九條:會員大會設主席、副主席、秘書各一人。

第十條:本會執行機構為理事會,設理事長一人、副理事長一人、理事三至九人,其組成人數必須為單數。負責執行會員大會決策和日常具體會務。

第十一條:本會監察機構為監事會,設監事長一人、副監事長一人、監事一人,負責監察理事會日常會務運作和財政收支。

第十二條:會員大會、理事會、監事會成員由會員大會選舉產生,任期三年,連選得連任。

第四章 會議

第十三條:會員大會每年舉行一次,如遇重大或特別事項得召開特別會員大會。每次會員大會如法定人數不足,則於超過通知書上指定時間三十分鐘後作第二次召集,屆時不論出席人數多寡,會員大會均得開會。

第十四條:理事會議、監事會議每三個月召開一次。

第十五條:會員大會、理事會會議、監事會會議分別由會員大會主席、理事長、監事長召集和主持。

第十六條:理事會議須經半數以上理事同意,始得通過決議。

第五章 經費

第十七條:本會經費源於會員會費或各界人士贊助,倘有不敷或有特別需用款時,得由理事會決定籌募之。

第六章 附則

第十八條:本章程經會員大會通過後執行。

第十九條:本章程之修改權屬於會員大會。

私人公證員Philip Xavier

Está conforme.

Cartório Privado, em Macau, aos sete de Maio de dois mil e dois. - O Notário, Philip Xavier.


BANCO NACIONAL ULTRAMARINO, S.A.

Balancete do razão em 31 de Março de 2002

Patacas

A Chefe da Contabilidade, 
Maria Clara Fong 

Presidente da Comissão Executiva,
Herculano de Sousa


BANCO TOTTA ÁSIA S. A.

Balancete do razão em 31 de Março de 2002

MOP

A Comissão Liquidatária
Albert Chao
Carlos Castro


BANCO DELTA ÁSIA S.A.R.L.

Balancete do razão em 31 de Março de 2002

Q-5

O Administrador,
Ng Chi Wai

O Chefe da Contabilidade,
Koon Kin Wai


BANCO ESPÍRITO SANTO DO ORIENTE, S.A.

Balancete do razão em 31 de Março de 2002

O Chefe da Contabilidade, 
O Administrador,

Francisco Frederico 
Luís Morais Sarmento


BANCO OVERSEAS TRUST LDA. 

Sucursal de Macau

Balancete do razão em 31 de Março de 2002

O Administrador,
Kenneth Lau

O Chefe da Contabilidade,
Leong Weng Lun


CITIBANK N.A. MACAU

Balancete do razão em 31 de Março de 2002

O Administrador, 
Alex Li 
Branch Manager 

O Chefe da Contabilidade,
Adonis Ip
Vice President


BANCO SENG HENG, S.A.R.L.

Balancete do razão em 31 de Março de 2002 (Consolidado)

Balancete do razão em 31 de Março de 2002

O Gerente-Geral,
Alex Li

O Chefe da Contabilidade,
Raymond Bao


SOCIEDADE FINANCEIRA SENG HENG CAPITAL ÁSIA, S.A.R.L.

Balancete do razão em 31 de Março de 2002

O Gerente-Geral,
Lawrence Yu

O Chefe da Contabilidade,
Raymond Bao


BANCO DA CHINA, SUCURSAL DE MACAU

Balanço anual em 31 de Dezembro de 2001

Demonstração de resultados do exercício de 2001

Conta de exploração

Conta de lucros e perdas

Director-Geral,
Zhang Hong-Yi

O Chefe da Contabilidade,
Iun Fok-Wo

Relatório sucinto sobre as actividades desenvolvidas em 2001

Sob a influência nefasta do deterioramento das economias externas e dos incidentes inesperados, a economia de Macau no seu conjunto continuou a encontrar-se em 2001 numa situação relativamente difícil. Condicionada à debilidade das procuras internas, exacerbação das concorrências, diferença reduzida de juros entre crédito e depósito e melhoria vagarosa da qualidade dos activos, a exploração do sector bancário se confrontou com as novas pressões e desafios, de que este Banco não podia ser uma excepção, registando consequentemente um decrescimento do saldo de créditos concedidos e dos lucros de exploração, mas um aumento contínuo e firme de depósitos com incremento de 1,4 mil milhões de patacas, tudo em comparação com o ano passado.

No ano transacto, este Banco, sempre empenhado em realizar o seu objectivo de exploração de "permanecer em Macau e servir Macau", se esforçou por conquistar o desenvolvimento ao mesmo tempo de fazer reajustamentos e introduzir as renovações sem prejuízo do princípio de estabilidade e moderação. Por um lado, reforçou sem cessar o controlo dos riscos, remodelar e melhorar as estruturas de activos e passivos, acelerar a construção do mecanismo eficiente da gestão empresarial e elevar por todos os meios o nível de administração; por outro lado, prestou a maior atenção aos produtos e serviços sucessivamente renovados, sendo, por exemplo, o primeiro Banco a pôr em funcionamento os negócios bancários «on line», o que acelerou o curso de informatização dos serviços por este banco proporcionados. Devido aos esforços feitos por todos os trabalhadores deste Banco e aos apoios dados por ampla clientela, conseguimos obter novos progressos nas nossas actividades, melhoramento de certa medida da qualidade de activos e da estrutura dos passivos e lucros inicialmente previstos. Paralelamente, este banco cumpriu ainda escrupulosamente as funções de banco emissor, banco agente do cofre da Administração e banco-presidente da Associação de Bancos de Macau e apoiou activamente o desenvolvimento da causa do bem-estar público e da educação de Macau.

Na perspectiva de 2002, podemos esperar a recuperação paulatina da economia mundial liderada por Estados Unidos e um resultado melhor do que no ano passado da economia do Território, impulsionada pela libertação da exploração de jogos, factores relacionados com o interior da China e políticas do Governo Central destinadas a estimular a sua economia. E este Banco irá dedicar os seu esforços no sentido de levar a bom termo as reformas do sistema de organização, elevar o nível de exploração e administração, aprofundar as investigações do mercado, intensificar os trabalhos que visam ao desenvolvimento e mercadização das operações a retalho e da empresa, aperfeiçoar os produtos já existentes e criar os novos, prestar aos clientes os serviços completos e prontos e de boa qualidade e continuar a fazer tudo para coordenar-se com as políticas económicas do governo local, em prol da estabilidade do mercado financeiro e desenvolvimento saudável da economia de Macau.

Director-Geral,
Zhang Hong-Yi.

Relatório dos auditores externos

Para o Conselho de Administração do Banco da China

Banco da China - Sucursal de Macau

Já examinámos as contas do Banco da China - Sucursal de Macau referentes ao exercício que terminou em 31 de Dezembro de 2001, e a nossa opinião sobre as contas está expressa, sem reservas, no nosso relatório datado de 23 de Abril de 2002.

Em nossa opinião, as contas resumidas estão de acordo com as contas atrás referidas das quais elas resultaram.

Para uma melhor compreensão da posição financeira e dos resultados das operações da Sucursal, durante o exercício, o sumário das contas deve ser analisado em conjunto com as correspondentes contas auditadas do ano.

Macau, aos 23 de Abril de 2002.

Auditor inscrito em Macau, Iong Hin.


台北國際商業銀行股份有限公司

澳門分行

試算表於二零零二年三月三十一日

分行經理
邱德鈞

會計主任
李建華


The Hongkong and Shanghai Banking Corporation Limited

Incorporated in the Hong Kong SAR with limited liability
Macau Branch

Chife Executive Officer, Macau
Yam Wing Lok

Financial Controller, Macau
Wong Sio Cheong


THE HONGKONG AND SHANGHAI BANKING CORPORATION LIMITED

Macau Branch

Incorporated in the Hong Kong SAR with limited liability

Balanço anual em 31 de Dezembro de 2001

Demonstração de resultados do exercício de 2001

Conta de exploração

Conta de lucros e perdas

Chief Executive Officer Macau
Yam Wing Lok

Financial Controller Macau
Kenny Wong

Síntese do parecer dos auditores externos

Para a Área da Gerência do
The Hongkong and Shanghai Banking Corporation Limited
- Sucursal de Macau

Examinámos, de acordo com as Normas Internacionais de Auditoria, o conjunto de contas do "The Hongkong and Shanghai Banking Corporation Limited - Sucursal de Macau" referente ao exercício que terminou em 31 de Dezembro de 2001, as quais foram preparadas com o propósito de consolidar contas, de conformidade com as instruções da contabilidade do "The Hongkong and Shanghai Banking Corporation Limited", e no nosso relatório datado de 24 de Janeiro de 2002 para os auditores do "The Hongkong and Shanghai Banking Corporation Limited" nós, entre outras coisas, emitimos o seguinte parecer:

"Conjunto de contas da Sucursal

1. Foi preparado, em todos os aspectos essenciais, de acordo com as instruções de procedimento da Sede do Grupo; e

2. Foi preparado de acordo com os princípios contabilísticos consistentes com os seguidos nos anos precedentes."

Em nossa opinião, as contas resumidas, juntas, estão de conformidade com o conjunto de contas acima referido, do qual foram obtidas.

KPMG.

Macau, aos 24 de Janeiro de 2002.

Relatório da gerência da HSBC para a área de Macau

Resultados do ano 2001 - Pontos relevantes

Acréscimo de 7% nos lucros operacionais anteriores às provisões, num montante de MOP 127 milhões (118,5 milhões em 2000).

Lucros líquidos de MOP 104,1 milhões (MOP 158,9 milhões em 2000).

Acréscimo de 11% no valor das imobilizações, que se fixa em MOP 6,246 milhões (MOP 5,617 milhões em 2000).

Em 2001 as agências da HSBC em Macau registaram um aumento nos lucros operacionais anteriores às provisões. Receitas provenientes de comissões e depósitos de clientes aumentaram em 10 e 20 por cento, respectivamente, em relação a 2000, devido ao melhoramento do serviço prestado a clientes e à promoção de produtos de investimento, enquanto se reduziram as despesas correntes através do aumento da produtividade e do uso efectivo dos recursos.

As novas provisões para créditos em mora foram inferiores às de 2000. No entanto, a recuperação substancial de créditos em mora verificada em 2000 não se verificou em 2001, tendo resultado num decréscimo do valor final dos lucros líquidos. Estamos convictos que a economia de Macau está a recuperar de uma forma estável e prevemos um nível baixo nas provisões para créditos em mora no presente exercício.

Aproveitamos esta oportunidade para agradecer o constante apoio dos nossos estimados clientes e toda a dedicação e entrega do nosso pessoal.

Yam Wing Lok,

Chief Executive Officer Macau.


BANCO LUSO INTERNACIONAL, S.A.R.L.

(Publicações ao abrigo do artigo 75.º do RJSF, aprovado pelo Decreto-Lei n.º 32/93/M, de 5 de Julho)

Balanço anual em 31 de Dezembro de 2001

Demonstração de resultados do exercício de 2001

Conta de exploração

Conta de lucros e perdas

O Gerente-Geral, 
Ip Kai Ming 

O Chefe da Contabilidade,
Tsoi Lai Ha

Macau, aos 25 de Fevereiro de 2002.

Relatório do Conselho de Administração

O Conselho de Administração do Banco Luso Internacional, S.A.R.L., tem o prazer em submeter aos accionistas o seguinte resultado do exercício respeitante ao ano findo em 31 de Dezembro de 2001:

Resultado do exercício

MOP 36.015.363,00

Resultados transitados de exercícios anteriores 

220,96

Total a distribuir  

MOP 36.015.583,96

Para o fundo de reserva legal 

(3.602.000,00)

Para o fundo de reserva livres 

(32.413.000,00)

Lucros não distribuídos  

MOP 583,96

Finalmente, em nome do Conselho de Administração do Banco Luso Internacional, S.A.R.L., desejo agradecer às autoridades regulamentares às instituições financeiras, amigos, clientes e aos nossos empregados pela sua contínua e cooperação.

Pel'O Conselho de Administração
O Presidente,
Wang Xi Chao.

Macau, aos 25 de Fevereiro de 2002.

Parecer do Conselho Fiscal

Por força do disposto no artigo 30.º, alínea e), dos estatutos do Banco Luso Internacional, S.A.R.L., compete ao Conselho Fiscal certificar-se da exactidão e de forma apropriada do balanço e da demonstração de resultados a apresentar anualmente pelo Conselho de Administração.

Submetido à consideração do Conselho, o relatório do Conselho de Administração e as demonstrações financeiras, referentes a 31 de Dezembro de 2001, e bem assim, o relatório da Sociedade de Auditores Lowe Bingham & Matthews -PricewaterhouseCoopers, datado de 25 de Fevereiro de 2002, no qual se afirma que as demonstrações financeiras, apresentam de forma verdadeira e apropriada a situação financeira do Banco em 31 de Dezembro de 2001, e o lucro apurado no exercício então findo.

Examinados os documentos anteriormente mencionados, o Conselho Fiscal pronunciou-se no sentido de que o relatório e as demonstrações financeiras estão em condições de serem apresentadas à apreciação e aprovação da Assembleia Geral dos Accionistas do Banco Luso Internacional, S.A.R.L..

Pel'O Conselho Fiscal,
O Presidente do Conselho Fiscal,

Fullwing Company Limited
Representada por Lee Fai Ming.

Macau, aos 25 de Fevereiro de 2002.

Síntese do parecer dos auditores externos
para os accionistas do
Banco Luso Internacional, S.A.R.L.

Auditámos as demonstrações financeiras do Banco Luso Internacional, S.A.R.L, referentes ao exercício findo em 31 de Dezembro de 2001, e expressámos a nossa opinião sem reservas, no relatório de 25 de Fevereiro de 2002.

Efectuámos uma comparação entre as demonstrações financeiras resumidas, aqui evidenciadas e as demonstrações financeiras por nós auditadas. As demonstrações financeiras resumidas são da responsabilidade do Conselho de Administração do Banco.

Em nossa opinião, as demonstrações financeiras resumidas estão consistentes com as demonstrações financeiras auditadas.

Para uma melhor compreensão da situação financeira do Banco e dos resultados das suas operações, as demonstrações financeiras resumidas devem ser analisadas em conjunto com as demonstrações financeiras auditadas.

Lowe Bingham & Matthews - PricewaterhouseCoopers
Sociedade de Auditores.

Macau, aos 25 de Fevereiro de 2002.

Instituições em que detêm participação superior a 5% do respectivo capital ou superior a 5% dos seus fundos próprios

Nenhuma 

Accionista qualificada 

Xiamen International Investment Limited (constituída em Hong Kong)

Nomes dos titulares dos órgãos sociais

Conselho de Administração

Presidente:

Wang Xi Chao

Vice-presidente:

Lu Yao Ming

Gerente Geral & Administrador:

Ip Kai Ming

Administrador:

Chen Gui Zong

Yang Sheng Ming

Mesa da Assembleia Geral

Presidente:

 Fuxing Park Development Limited 

Representada por Leung Pai Wan

Vice-presidente:

Pretty Won Company Limited 

Representada por Tsoi Lai Ha

Secretário:

Cotton-House Enterprise Limited

Representada por Leong Ut Sin

Conselho Fiscal

Presidente:

Fullwind Company Limited

Representada por Lee Fai Ming

Vice-presidente:

Glad Young Company Limited

Representada por Gui Lin

Vogal:

Gilt Edged Investment Limited

Representada por Lam Wai Yin 

Macau, aos 25 de Fevereiro de 2002.


BANCO COMERCIAL DE MACAU, S.A.

Balanço anual em 31 de Dezembro de 2001

Demonstração de resultados do exercício de 2001

Conta de exploração

Conta de lucros e perdas

O Director da Contabilidade,
António Candeias Castilho Modesto

A Comissão Executiva,
Manuel d'Almeida Marecos Duarte
Leonel Leonardo Guerreiro da Costa
António Maria Matos

Síntese da actividade do exercício de 2001

2001 foi um ano de importantes desafios, quer interna quer externamente. Não obstante, o BCM, na prossecução das suas principais linhas estratégicas de diversificação de negócios, preservação da qualidade dos activos e satisfação dos clientes, teve um desempenho considerado satisfatório, quer em termos de volume de fundos intermediado, quer em resultados.

O súbito arrefecimento das principais economias industrializadas, agravado pelos trágicos acontecimentos de 11 de Setembro nos EUA, ao reduzir drasticamente o comércio externo, interrompeu os esforços de recuperação, na sequência da crise financeira de 1997-1998, das economias asiáticas, mergulhando-as, de novo, em manifesta recessão.

A pequena e extremamente aberta economia de Macau, não podendo isolar-se do ambiente circundante, foi igualmente afectada pelo decréscimo da procura externa de mercadorias. Como resultado, a procura interna permaneceu igualmente fraca, influenciada pelas baixas expectativas dos agentes económicos e pelas incertezas quanto ao futuro próximo.

No entanto, e apesar das circunstâncias, a economia, no seu todo, conseguiu aguentar-se satisfatoriamente, graças ao bom desempenho do sector do turismo, o qual, constituindo um poderoso incentivo para as actividades conexas, permitiu compensar, nalguma medida, a relativa dinâmica do consumo local.

A margem financeira do Banco decresceu 15,4%, tendo passado de 178 milhões de patacas no ano anterior para 151 milhões de patacas em 2001, dados o ambiente de queda sucessiva das taxas de juro ao longo do ano, o maior volume de activos menos rentáveis em termos relativos, designadamente aplicações no mercado interbancário, e á pressão sobre os preços praticados no sector do crédito, especialmente no segmento dos empréstimos para aquisição de habitação.

Como consequência, o resultado líquido ascendeu aos 60 milhões de patacas, valor que compara com 75,5 milhões de patacas no ano anterior, e os principais indicadores de rendibilidade, a rendibilidade dos activos médios (ROA) e a rendibilidade dos recursos próprios médios (ROE), situaram-se, respectivamente, em 1% (1,2% em 2000) e 11,5% (15% em 2000).

O acesso da República Popular da China à Organização Mundial de Comércio - que se espera poder vir a provocar algumas alterações no panorama económico regional e, em particular, proporcionar um conjunto de oportunidades de negócios às regiões administrativas de Hong Kong e Macau, e o processo em curso de liberalização parcial da importante indústria do jogo em Macau, com a promessa de um vasto conjunto de projectos infra-estruturais, constituíram dois acontecimentos de grande relevância, susceptíveis de contribuírem para um reforço das expectativas a médio prazo.

Nesta perspectiva, e enquanto ainda perduram algumas incertezas sobre se a economia mundial retomará o seu crescimento e as economias asiáticas a sua recuperação, o BCM encara o ano de 2002 com relativo optimismo, tencionando desenvolver todos os esforços para, no mínimo, manter as suas quotas de mercado, continuar a melhorar os serviços e produtos oferecidos à clientela e remunerar de forma consistente os seus accionistas.

Relatório dos auditores

Aos accionistas do Banco Comercial de Macau, S.A.

Examinámos, de acordo com as Normas Internacionais de Auditoria, as contas do Banco Comercial de Macau, S.A. referentes ao exercício que terminou em 31 de Dezembro de 2001, e a nossa opinião sobre as contas está expressa, sem reservas, no nosso relatório datado de 15 de Janeiro de 2002.

Em nossa opinião, as contas resumidas estão de acordo com as contas atrás referidas das quais elas resultaram.

Para uma melhor compreensão da posição financeira e dos resultados das operações do Banco, durante o exercício, as contas resumidas devem ser analisadas em conjunto com as correspondentes contas auditadas do ano.

KPMG

Macau, aos 15 de Janeiro de 2002.

Relatório e parecer do Conselho Fiscal

Senhores accionistas,

Em cumprimento da lei, o Conselho Fiscal do Banco Comercial de Macau, S.A. vem apresentar o relatório da actividade sobre a acção fiscalizadora exercida e o parecer sobre os documentos de prestação de contas referentes ao exercício de 2001, apresentados pelo Conselho de Administração.

No desempenho das suas funções, o Conselho Fiscal efectuou reuniões com os membros do Conselho de Administração e com os responsáveis dos serviços do Banco, tendo sempre obtido todas as informações e esclarecimentos solicitados, o que lhe apraz registar.

O Conselho Fiscal visitou diversos departamentos do Banco e apreciou os progressos efectuados no que respeita à organização interna, bem como na informação de gestão e controlo de risco, assim como os esforços realizados na diversificação dos produtos e serviços fornecidos em estreita relação com a Companhia de Seguros do Grupo BCP em Macau, no contexto duma estratégia conjunta de "bancassurance" e "crossselling".

Efectuámos, também, diversas análises na área do crédito concedido, bem como uma verificação de Tesouraria. Procedemos a verificações dos livros, registos contabilísticos e documentos de suporte. Realizámos também testes e outros procedimentos, com a profundidade julgada necessária.

O Conselho Fiscal examinou os relatórios elaborados pelo Departamento de Auditoria Interna e reuniu com os responsáveis da empresa internacional de auditoria externa.

Analisámos o relatório produzido pelos auditores externos, sobre as contas do exercício de 2001, que não expressa quaisquer qualificações.

A apreciação do relatório do Conselho de Administração e das Contas, permite-nos emitir a opinião de que estes documentos expressam de modo adequado a actividade do Banco Comercial de Macau, S.A. em 2001 e a sua situação patrimonial no fim desse ano.

Em conclusão, o Conselho Fiscal é de parecer que merecem aprovação o relatório e as contas e a proposta de aplicação dos resultados do exercício de 2001, apresentados pelo Conselho de Administração.

Macau, aos 18 de Janeiro de 2002.

O Conselho Fiscal,

Pedro João Reis de Matos Silva (Presidente)
José Rodrigues de Jesus (Vogal)
Fernando Manuel da Conceição Reisinho (Vogal e Auditor de Contas)

Instituições em que o Banco detém participações superiores a 5% do respectivo capital

Nome das Instituições

Percentagem
Companhia de Seguros de Macau, S.A. 45,0
Liu's Technology Ltd. 10,0

Accionistas qualificados

Nome do accionista 

N.º de Acções Percentagem

BCP Internacional II, Soc. Unip., Lda.  

899 616 99,96

Órgãos sociais

Mesa da Assembleia Geral

Presidente

Leonel Alberto Alves

Secretário

Liu Chak Wan

Secretário

Ma Iao Lai

Conselho de Administração

Presidente

Jorge Manuel Jardim Gonçalves

Administrador

Christopher de Beck

Administrador

António Manuel Pereira Caldas de Castro Henriques

Administrador

Rui Fernando Cunha do Amaral Barata

Administrador - Presidente da Comissão Executiva

Manuel d'Almeida Marecos Duarte

Administrador - Membro da Comissão Executiva

Leonel Leonardo Guerreiro da Costa

Administrador - Membro da Comissão Executiva 

António Maria Matos

Conselho Fiscal 

Presidente 

Pedro João Reis de Matos Silva

Vogal 

José Rodrigues de Jesus

Vogal

Fernando Manuel da Conceição Reisinho

核數師報告概要

致 澳門商業銀行有限公司股東

本核數師已根據國際審計標準審核澳門商業銀行有限公司截至二零零一年十二月三十一日止年度的帳項,並在二零零二年一月十五日就這些帳項發表了無保留意見的報告。

依本核數師意見,隨附基於上述帳項編制的帳項概要與上述帳項相符。

為更全面了解該銀行於年度間的財務狀況及經營業績,帳項概要應與相關的經審計年度帳項一併參閱。

畢馬威會計師事務所

二零零二年一月十五日於澳門


BANCO TAI FUNG S.A.R.L.

Balanço anual em 31 de Dezembro de 2001

Demonstração de resultados do exercício de 2001

Contas de exploração

Contas de lucros e perdas

O Gerente-Geral
Long Rongshen

O Chefe da Contabilidade
Kou Mei Lin

Relatório do Conselho de Administração

Este Conselho apresenta, a seguir, o relatório e o balanço em 31 de Dezembro de 2001 à apreciação dos accionistas.

Situação geral do desenvolvimento das actividades

Em 2001, a economia geral de Macau manteve-se fraca, com elevada taxa de desemprego, o mercado de fomento predial manteve-se em recessão, tendo registado poucos investimentos, acrescido das repercussões do incidente de "11 de Setembro" dos Estados Unidos da América, as taxas de juros baixaram diversas vezes e houve pouca procura de capitais, a economia encontra-se ainda estagnada e a crise no sector bancário agravou-se. Felizmente, o nosso Banco, com o apoio dos diversos sectores e o empenho do pessoal, continuou a desenvolver as actividades de forma contínua, mesmo com elevada concorrência, de modo que este Conselho apresenta aqui os nossos sinceros agradecimentos.

Durante os últimos 60 anos, desde sempre os clientes respeitaram e apoiaram o nosso Banco, tem vindo a melhorar o nível dos nossos serviços no espírito de servir Macau, tendo em conta a estabilidade, criatividade e diversidade, adaptando-se às políticas de desenvolvimento de Macau, contribuindo para a prosperidade da economia do Território.

Resultado e distribuição

Lucro de exploração 

MOP  82 487 725,02

Dotações para imposto complementar 

13 000 000,00

Resultado de exercício 

69 487 725,02

Lucros relativos a exercícios anteriores 

129 945,78

Total disponível 

MOP  69 617 670,80

O Conselho de Administração propôs a seguinte distribuição:

Para reservas 

MOP  19 500 000,00

Para dividendos 

50 000 000,00

A transportar para o próximo ano 

117 670,80

MOP  69 617 670,80

Accionistas qualificados

De acordo com os registos do Livro dos Accionistas do Banco, os accionistas, detentores de participações superiores a 10% do capital social do Banco, em 31 de Dezembro de 2001 foram os seguintes:

Banco da China

Família de Ho Yin

Titulares dos Órgãos Sociais

Mesa da Assembleia Geral:

Presidente: 

Ho Kuai Ieng (exonerada em 31-03-2001)

Chan King (nomeada em 31-03-2001)

Vice-presidente: 

Banco da China

Secretário: 

Leong Kam Kuan

Conselho de Administração:

Presidente: 

Fung Ka York

Vice-presidente: 

Howard H. H. Ho

Administradores permanentes: Zhu Chi (exonerado em 15-05-2001)

Zhang Hongyi (nomeado em 15-05-2001)

Long Rongshen

Ho Hao Tong

Sio Ng Kan

Administradores: 

Chan King (exonerada em 31-03-2001)

Vong Iok Pang

Fu Iat Kong

Yan Ting Fu

Ma Sao Lap

Ho Hao Chio (nomeado em 31-03-2001)

Secretário: 

Leong Kam Kuan

Conselho Fiscal:

Presidente: 

Ho Cho Ieng

Membros: 

Ng Wing Chuen

Chen Xiaoxin

Macau, aos 22 de Março de 2002.

O Presidente do Conselho de Administração, Fung Ka York.

Parecer do Conselho Fiscal

Este Conselho e Auditor examinaram os livros de contabilidade do nosso Banco, tendo verificado que as contas foram elaboradas de acordo com a Lei Bancária de Macau. Este Conselho é de opinião que as mesmas contas mostram a real situação financeira e o resultado do exercício em 31 de Dezembro de 2001.

Macau, aos 22 de Março de 2002.

A Presidente do Conselho Fiscal, Ho Cho Ieng.

Síntese do parecer dos auditores externos

Aos accionistas do
Banco Tai Fung S.A.R.L.

Examinámos as contas do Banco Tai Fung S.A.R.L. referentes ao exercício do ano que terminou em 31 de Dezembro de 2001, e a nossa opinião sobre as contas está expressa, sem reservas, no nosso relatório datado de 12 de Março de 2002.

Na nossa opinião, as demonstrações financeiras resumidas estão de acordo com as contas atrás referidas das quais elas resultaram.

Para uma melhor compreensão da posição financeira e dos resultados das operações do Banco, durante o exercício, as contas resumidas devem ser analisadas em conjunto com as correspondentes contas auditadas do ano.

Auditor inscrito em Macau,
Iong Hin.

Macau, aos 22 de Março de 2002.

Lista das empresas em cujo capital social o nosso Banco tem uma participação superior a 5%:

Sociedade de Fomento Predial Tak Kei Lda. 

98,00%

Companhia de Investimento Predial Triumph S.A. 

76,66%

Companhia de Seguros Luen Fung Hang S.A.R.L. 

36,10%

O Administrador, Long Rongshen.

22 de Março de 2002.


[ Página Anterior ] [ Versão Chinesa ]

Disponível em: 15/5/2002 - 09:00:00


 

  < ] ^ ] 

 

Consulte também: