< ] ^ ] 

 

[ Página Anterior ] [ Versão Chinesa ]


REGIÃO ADMINISTRATIVA ESPECIAL DE MACAU

Anúncios notariais e outros

CARTÓRIO NOTARIAL DAS ILHAS

CERTIFICADO

Associação de Estética e Cosmetologia e Tecnologia de Macau

Certifico, para efeitos de publicação, que se encontra depositado, neste Cartório, um exemplar dos estatutos da associação com a denominação em epígrafe, desde vinte e dois de Maio de dois mil e um, sob o número catorze do maço número um de documentos de depósito de associações e fundações do ano dois mil e um, o qual consta da redacção em anexo:

澳 門 美 學 美 容 協 會

Associação de Estética e Cosmetologia e Tecnologia de Macau

Aesthetics & Cosmetology Association of Macau

會名、會徽及全部組織章程修改如下

澳 門 美 學 美 容 科 技 協 會

Associação de Estética e Cosmetologia e Tecnologia de Macau

Aesthetics & Cosmetology and Technology Association of Macau

第一章

會名、會址、宗旨

第一條:會名:中文名為:澳門美學美容科技協會;

葡文名為:Associação de Estética e Cosmetologia e Tecnologia de Macau (A.E.C.T.M.);

英文名為:Aesthetics & Cosmetology and Technology Association of Macau (A.C.T.A.M.)。

第二條:會址:澳門白朗古將軍大馬路93號粵發大廈一樓E座。

(Avenida do General Castelo Branco n.º 93, Edifício Yuet Fa Moradia "E-1" do 1.º andar, Macau)

第三條:宗旨:(1)團結與聯絡澳門和世界各地、從事醫學美學美容與專業美容的專業人士,共同研究和交流本專業科學理論技術知識,提高專業水平,促進其事業發展。

(2)舉辦及參與世界各地醫學美學美容與專業美容學術和技術交流及培訓活動。

(3)為會員提供最新醫學美學、美容學、美容外科學、美容皮膚科學、激光醫學、護理學、心理學、化妝品學、生物學等理論知識與先進科技、設備、訊息及發展動態。

(4)維護會員合法權益,同政府有關部門反應和建議本專業的有關問題。

(5)本會為非牟利科學專業學術團體。

第二章

會員資格及其權利與義務

第一條:會員資格:

(1)在澳門從事醫學美學美容與專業美容的專業人士,經澳門或省級醫學美學美容、專業美容的專業機構培訓,對本專業有研究者。

(2)在澳門或省級醫學美容、美容科學雜誌或本專業學術大會發表過有關論文者。

(3)從事醫學美學美容與專業美容的科學理論技術研究與發明的科技專家及技術人員。

(4)具備以上條件持澳門政府有效身份証明、經澳門醫學美學美容、專業美容團體或本會理事介紹、可申請入會,經常務理事會批准方可成為會員。

第二條:申請者被批准成為會員、須繳納入會基金及會員費。

第三條:會員之權利與職責:

(1)可參加會員大會,討論其事項與投票選舉或被選任本會職務;

(2)可參加本會舉辦活動和享有福利;

(3)會員不得以本會名譽參加未經政府批准的非法活動。

第四條:會員之義務:

(1)遵守本會章程及會員大會與理事會決議案;

(2)依期繳納會員費;

(3)盡力設法提高本會聲譽及推進會務。

第五條:會員若犯下列情況者,將被革除會籍:

(1)欠繳會員費超過六個月者;

(2)有任何行為足以損害本會聲譽及損害信用與利益者。

第三章

領導部門

第一條:本會會務分別由下列組織負責執行:

會員大會、理事會及監事會;每一個組織之成員均由會員大會選舉產生,任期為三年,連選得連任。

第二條:選舉方法為不記名投票,以票數最多者入選。

第三條:會員大會每年定期召開一次會議。而特別會員大會召開須由會員大會會長或由理事會主席召集。不少於總數五分之一會員出於正當目的,可以要求召開會員大會,召開會員大會時須提前八天通知各會員。(方式:按澳門民事法規定)

會員大會

第四條:會員大會由全體會員組成,設會長一人、副會長和秘書若干人由總人數單數組成。

第五條:會員大會權利與職責:

(1)由會長負責召開與主持會員大會會議;

(2)修改章程,必須有四分之三出席之會員票數通過;

(3)修訂入會基金及會員費;

(4)討論與通過理事會每年工作報告及財政報告。

理事會

第六條:理事會設主席(理事長),秘書長各一人、副主席(副理事長)、副秘書長、常務理事及理事若干人由總人數單數組成。

第七條:理事會權利與職責:

(1)由理事會主席負責召集與主持每年一次常務理事會會議,討論安排每年會務活動。如有必要可由理事會主席隨時召開特別會議;

(2)領導本會之活動,處理其行政工作;

(3)決定新會員入會事宜及革除會員之會籍;

(4)每年應作一年來會務活動報告,包括收支賬目。

監事會

第八條:監事會設監事長一人、副監事長及監事若干人由總人數單數組成。

第九條:監事會權利與職責:

(1)由監事長負責召集與主持監事會會議;

(2)監察理事會之行政活動;

(3)查閱帳目及財政收支狀況。

第四章

經費

第一條:經費來源:由本會成員和社會各界熱心人士、企業及有關機構捐助。

第二條:本會收益作為日常辦公經費和會務活動基金。

第五章

附屬機構

第一條:宗旨:為會員提供最新醫學美學美容與專業美容科學,理論知識與先進科技、設備、新產品、訊息及發展動態,提高專業水平。

第二條:附屬機構設內部組織章程。

第三條:根據社會及本會發展需要可增設分會及附屬機構:醫學美容、皮膚美容、激光美容、科技、研究、培訓、訊息及開發中心等。

第四條:成立雜誌社出版專業與科普雜誌刊物。

第六章

附則

第一條:本會組識章程解釋權屬於常務理事會;組織章程由澳門政府有關部門批准並刊登於《澳門特別行政區公報》之日起即生效。

第二條:會員大會會長或理事會主席代表本會,可向有關機構、銀行、團體等辦理有關手續及簽署文件等,所有文件須由會長或主席簽名及蓋本會公章有效。

第三條:邀請熱心支持本會工作和對醫學美學美容與專業美容科學事業有貢獻的澳門及國內外醫學美容專家、教授、學者、科技專家與各界人士擔任名譽會長、顧問等職務及參加本會工作、促進會務發展。

第四條:附圖為本會會徽。

Taipa, Cartório Notarial das Ilhas, aos vinte e cinco de Maio de dois mil e um. - A Ajudante, (assinatura ilegível).


ANÚNCIO

Nos termos e para os efeitos previstos nos artigos 6.°, 22.º e 25.° do Decreto-Lei n.° 66/99/M, de 1 de Novembro, faz-se público que a notária privada Teresa Teixeira da Silva, com Cartório na Alameda Dr. Carlos D'Assumpção, n.os 411 e 417, edifício Dynasty Plaza, 4.° andar, C e D, Macau, foi indicada para e aceitou substituir o notário privado Rui António Craveiro Afonso, cuja licença foi suspensa a pedido do próprio, ficando assim a notária substituta habilitada a praticar, no seu Cartório, os actos que, por sua natureza ou por força da lei, só pudessem ser praticados pelo notário substituído, designadamente averbamentos, emissão de certificados, certidões e documentos análogos.

Macau, aos vinte e um de Maio de dois mil e um. - A Notária, Teresa Teixeira da Silva.


1.º CARTÓRIO NOTARIAL DE MACAU

CERTIFICADO

Associação dos Alunos da Escola Arranjos Florais Pui Wa

Certifico, para efeitos de publicação, que se encontra arquivado, neste Cartório, desde dezoito de Maio de dois mil e um, sob o número trinta barra dois mil e um do maço número um, um exemplar dos estatutos da "Associação dos Alunos da Escola Arranjos Florais Pui Wa", do teor seguinte:

第一章

總則

第一條——本會定名為『佩華花藝同學會』。葡文:Associação dos Alunos da Escola Arranjos Florais Pui Wa;英文:Pui Wa Floral Student Union。本會是一個非牟利社團,並受本章程及本澳現行法例管轄。

第二條——(一) 本會會址設於澳門余敦善堂里11-13號“A”永昌大廈地下。

(二) 經理事會決議後,本會會址可遷至本澳任何地方。

第三條——本會成立之目的:

佩華花藝學院自一九九二年成立以來,所教授過的學生眾多,桃李滿門。近年所舉辦的花藝課程及表演活動均得到各位同學、社會人士及同業的支持和參與,現為增加同學們之間的互相溝通切磋、花藝資訊交流和凝聚力,讓大家透過同學會獲悉更多本澳及海外有關花藝之活動。

第四條——本會宗旨為:

(一) 透過本會舉辦的各項花藝之活動及課程,加深各界對花藝之認識及興趣,以推動本澳花藝之發展;

(二) 籌劃各項慈善活動及示範表演,以回饋社會。

第二章

會員

第五條——(一) 曾經參加或正就讀由周佩華老師所教授之花藝課程之同學,對花藝有濃厚興趣,熱心參與公益活動和推動本澳花藝發展的人士均可參加。

(二) 曾對本會提供重要服務之人士、公共或私人機構,經會員大會通過決議後,可被邀請為本會之榮譽或名譽會長,但不能直接參與管理本會的事務。

(三) 透過會員大會或理事會的提名,榮譽或名譽會長將在會員大會頒佈,而有關的決議是由出席有權投票的大多數會員投票選出。

第六條——會員的權利:

(一) 出席會員大會及有投票權;

(二) 有選舉及被選舉權;

(三) 參與本會舉辦的活動;

(四) 對本會的活動作出提議及意見;

(五) 在會員大會舉行前十五天內查核本會的管理賬目;

(六) 按現行法例的規定,對於損害其權行的行為作出異議;

(七) 享有本會提供的各項福利。

第七條——會員的義務:

(一) 遵守本章程、會員大會之決議及內部規章所訂之規則;

(二) 繳交由理事會訂定之入會費及年費;

(三) 對本會舉辦之活動作出支持及協助。

第八條——對違反會章或作出有損本會聲譽之行為的會員,本會可按照會章及理事會的決議作出下列處分:

(一) 警告;

(二) 書面譴責;

(三) 暫停會籍六個月;

(四) 開除會籍。

第九條——會員身份的喪失:

(一) 拖延繳付會費超過一年;

(二) 被法院裁定觸犯刑事罪行;

(三) 公開地及有意地作出損害本會聲譽的行為。

第三章

組織

第一節

機關之架構

第十條——本會機關為:

(一) 會員大會;

(二) 理事會;

(三) 監事會;

(四) 本會機關之成員,是由會員透過不記名投票選出,任期為三年,連選得連任;

(五) 機關成員的選舉,是經由會員遞交候選人名單,名單上註明候選人的全名及其擔任之職務;

(六) 凡被裁定觸犯相等於監禁處分之普通法例的不法行為之人士均沒有被選舉權。

第二節

會員大會

第十一條——會員大會由全部具有投票權之會員組成,是本會之最高權力機關。

第十二條——(一) 會員大會是由一名會長,兩名副會長,一名秘書主持,成員由本會有投票權之會員中選出。

(二) 會長負責主持大會之工作及頒佈會議開始及結束。當會長缺席時,其職責由副會長擔任。

第十三條——會員大會之職權:

(一) 選出會長、副會長、理事會及監事會的成員;

(二) 決定工作方針及活動計劃;

(三) 審議及表決本會活動報告及賬目;

(四) 在紀律事宜的上訴過程中,擔任終審機關的角色;

(五) 對修改本章程及本會之解散作出決議;

(六) 討論及表決內部規章的建議及有關之修改;

(七) 審議其他機關所建議的事宜。

第十四條——(一)會員大會的召集人,必須在最少八日前,以掛號或簽收方式通知各會員,並註明會議日期、時間、地點及議程。

(二) 會員大會在第一次會議上,須有半數或以上的會員出席,方可作出決議。若出席的會員少於法定人數,則作出第二次會議之召集。在三十分鐘後,不論出席之會員人數多少,均可作出決議。

(三) 對於本會章程之修改決議,需有出席會員的四分之三贊成方可通過。

(四) 對於本會之解散決議,需有最少全體會員的四分之三贊成方可通過。

第三節

理事會

第十五條——(一) 本會的管理及在法庭內外的代表,均由理事會負責;而理事會是由一名理事長、兩名副理事長、一名財務、一名秘書長及理事會總人數為單數所組成。

(二) 當理事長缺席時,將由一名被指定的副理事長代替。

第十六條——理事會之職權為:

(一) 遵守及使其他會員遵守本會的章程及規章;

(二) 執行會員大會所通過的決議;

(三) 編制工作報告及年度賬目,並將之遞交會員大會通過;

(四) 草擬選舉規章,及遞交會員大會通過;

(五) 草擬並通過有關本會正常運作的規章,尤其是關於紀律事宜;

(六) 處理一切與本會有關的事務,對於其他機關之法定或章程權限以外的事宜,也得作出決議;

(七) 接納或拒絕新會員的申請;

(八) 為維護本會的利益,在適當之法律規定下,得設立及管理本會的任何基金;

(九) 訂定每年的會費金額。

第十七條——(一) 理事會每三個月召開會議一次。

(二) 理事會的決議,是由出席成員的多數票作出。若贊成及反對的票數相等時,理事長有權投出決定性壹票。

第四節

監事會

第十八條——本會的活動之監察是由監事會負責,該會成員由會員大會選出三位會員組成,包括一名監事長,兩名監事。

第十九條——監事會的職務為:

(一)按照本地法例及本章程執行監察;

(二) 跟進會員大會決議的執行情況,就理事會推行的各項活動提出意見;

(三) 審議理事會所提交之工作報告書及年度賬目,並定時監察本會之財政狀況。

第四章

經費

第二十條——本會的收入來源為:

(一)會員繳交的入會費及年費;

(二) 會員及各界人士對本會之捐贈及資助。

第二十一條——(一) 本會之支出由其本身收入負擔。

(二) 本會之收入只能用於貫徹本會宗旨之活動。

(三) 本會的開支,除了日常的管理費用可由理事長、代理事長批准外,其他一切開支,必須由多數理事會的成員贊成方得通過。

第五章

附則

第二十二條——對本章程或內部規章的理解或在執行時所產生的疑問,將由理事會解決,但必須在下一次會員大會追認。

第二十三條——(一)本會之創立人組成籌委會,並負責組織本會各機關第一屆成員選舉事宜。

(二)在選舉舉行前,新會員之接納由籌委會決定。

Está conforme.

Primeiro Cartório Notarial de Macau, aos dezoito de Maio de dois mil e um. - A Primeira-Ajudante, Ivone Maria Osório Bastos Yee.


1.º CARTÓRIO NOTARIAL DE MACAU

CERTIFICADO

Associação Internacional da Medicina Chinesa

Certifico, para efeitos de publicação, que se encontra arquivado, neste Cartório, desde dezasseis de Maio de dois mil e um, sob o número vinte e oito barra dois mil e um do maço número um, um exemplar dos estatutos da "Associação Internacional da Medicina Chinesa", do teor seguinte:

第一章

總則

第一條

名稱

本會定名為“中華醫藥國際促進會”,葡文名稱為“Associação Internacional da Medicina Chinesa”,英文名稱為“International Association of Chinese Medicine”(下稱本會)。

第二條

會址

本會設於澳門佛山街51號新建業商業中心十九樓C單位。

第三條

設立期限

從註冊成立的日期起,本會即成為永久性社團組織。

第四條

宗旨

本會是由在香港特別行政區、澳門特別行政區、中國內地和台灣,從事醫藥及其相關專業的專家學者、管理專家和企業家組成的非盈利學術社團,宗旨為聯合海峽兩岸及全球華人志在促進中華醫藥發展的學者、專家和企業家,推進中醫藥現代化和國際化,主要任務有以下五方面:

一、舉辦“中華醫藥論壇”國際學術研討會;

二、編纂“中華醫藥雜誌”;

三、舉辦“醫藥管理高級研討班”;

四、條件適當時候籌建國際性的中藥檢定(或認證)中心;

五、非盈利的醫藥發展顧問、科技諮詢、技術及中介服務。

第二章

會員

第五條

會員類別

一、本會會員分為企業會員與個人會員:

1. 企業會員——凡由華人、華僑註冊的企業,不分地區,不分行業均可申請加入本會為企業會員。

2. 個人會員——凡對工商、經貿、金融以至科技交流、文化藝術、體育有成就的華人、華僑,均可申請加入本會為個人會員。

二、企業會員與個人會員在本會擁有同等的權利和義務。

第六條

會員入會

一、會員入會須經兩位會員舉薦,提出書面申請;

二、該申請須經常務理事會審批及決定。

第七條

會員的權利

會員有以下權利:

一、在會員大會表決以及擁有選舉權和被選舉權;

二、批評、建議、諮詢有關本會事宜;

三、出席會員大會及參加本會舉辦的一切活動;

四、介紹新會員入會。

第八條

會員義務

會員有以下義務:

一、遵守本會章程及執行一切決議事項;

二、協助推動本會會務之發展及促進本會會員之間的合作;

三、按期交納入會費及周年會費。

第九條

會員退會

會員退會,應提前一個月書面通知理事會,並清繳欠交本會的款項。

第十條

開除會籍

一、有下列情形之一者,經理事會通過即被開除會員會籍:

1. 違反本會章程,而嚴重損害本會聲譽及利益者;

2. 企業會員處於破產狀況或已停業者;

3. 逾期三個月未繳會費並在收到理事會書面通知後七日內仍未繳付者。

二、被開除會籍的會員須清繳欠交本會的款項。

三、有關會員被開除會籍的決議,須經出席理事會會議過半數成員同意方能通過。

第三章

組織

第十一條

本會組織

本會設立如下組織:

一、會員大會;

二、理事會;

三、監事會。

第十二條

會員大會

會員大會為本會的最高權力組織。

第十三條

會員大會的權限

會員大會權限如下:

一、通過、修訂和更改本會章程;

二、選舉會員大會主席團、理事會及監事會成員;

三、通過本會的工作方針和計劃,審議工作報告及財務帳目。

第十四條

會員大會主席團

一、會員大會由主席團主持,而主席團由主席、副主席及秘書長組成,並由每次會員大會選出;

二、主席團主席負責主持會員大會的工作;主席團副主席協助主席工作,並在其缺席或臨時不能視事時替代之;秘書長負責協助主席作具體工作。

第十五條

會員大會的會議

會員大會通常每年召開一次會議,由理事會召集。理事會認為必要時或不少於八名會員聯名提出書面申請時(申請書須明確地載列擬處理的事項),則召開特別會員大會。

第十六條

會員大會的召集

會員大會的召集,必須提前八天以掛號信或透過簽收方式下達各會員,召集書內須載明會議的日期、時刻、地點及議程。

第十七條

平常會員大會的議程

平常會員大會的議程必須有以下內容:

一、討論和表決理事會的工作報告和財務報告;

二、討論和表決監事會的意見書。

第十八條

會員大會的運作

一、經第一次召集,最少有一半會員出席,會員大會才可決議。

二、如果第一次召集少於法定人數,則於七天後再召集,只需有不少於五分之一會員出席,會員大會即可決議。

三、會員大會表決議案,採取每個會員一票的投票方式決定,除本章程或法律另有規定外,任何議案均須出席會員的過半數通過,方為有效。

四、會員如不能參加大會,可委託其他會員代表出席。有關委託須以書面為之,並須在會議召開前二十四小時將委託書送達本會會址。

第十九條

理事會

一、理事會為本會的最高管理組織,由會員大會在會員中選出理事最少三人及最多二十五人組成,但理事會最終組成須為單數。

二、理事任期兩年,任滿連選得連任。

三、理事會設理事長一人,副理事長最少二人及最多八人,由理事互選產生。

四、理事長可連任。

五、理事會得視乎會務需要,聘任名譽職位。

第二十條

常務理事會

一、理事會下設常務理事會,由理事長及副理事長以及由理事會在理事中選出的常務理事組成,但常務理事會之最終組成須為單數。

二、常務理事會日常辦事部門是秘書局,秘書局由秘書長、若干副秘書長及各職能部門負責人組成,秘書局人員由理事會聘任或委任。

三、秘書局執行常務理事會的決議,對常務理事會負責。

第二十一條

理事會的運作

一、理事會每半年召開一次平常會議,理事長認為必要時或經三名理事或以上者提出請求時,則召開特別理事會議。

二、理事會有多數成員出席時,方可進行議決。會議之任何議案,須有出席者多數贊成方得通過。如表決時票數相等,則理事長有權再投票。

第二十二條

常務理事會的運作

一、常務理事會每季召開一次平常會議,倘若理事長認為必要時或常務理事二人以上提出請求時,則召開特別常務理事會議。

二、常務理事會有多數成員出席,方可進行議決事項。會議之任何議案,須有出席者多數贊成方得通過。如表決時票數相等,則理事長有權再投票。

第二十三條

理事會的權限

一、理事會權限如下:

1. 舉辦各種為達成本會宗旨的必要活動;

2. 執行會員大會決議;

3. 依法代表本會對外行使本會擁有的一切權力;

4. 依章召集會員大會,提交當年工作報告與財務決算,並提交下年度工作計劃及財政預算;

5. 批准會員入會、退會及開除會員會籍;

6. 確立入會費及周年會費金額,接受會員或第三者的捐贈;

7. 在必要時,可組織專門工作小組。

二、理事會的權限可授予常務理事會,但有關開除會籍的決議權除外。

第二十四條

理事長的權限

一、理事長的權限如下:

1. 對外代表本會;

2. 領導本會的各項行政工作;

3. 召集和主持理事會及常務理事會會議。

二、副理事長的權限是協助理事長工作,並在其缺席或臨時不能視事時按序替代之。

第二十五條

文件的簽署

簽署任何對外有法律效力及約束性的文件、合同,必須由理事長和一名常務理事聯署方為有效,但開具支票及本會銀行戶口之運作時,具體方式須由常務理事會決定之。

第二十六條

監事會

一、監事會為本會的監察機構,由會員大會在會員中選出,監事會設監事長一人及監事二人組成。

二、監事會任期兩年,任滿連選得連任。

第二十七條

監事會的運作

一、監事會每年召開平常會議一次,監事長認為必要時或多數成員提出請求時,則召開特別會議。

二、監事會議須有多數成員出席時,方可進行議決。會議之任何議案,須有出席者多數贊成方得通過。如表決時票數相等,則監事長有權再投票。

第二十八條

監事會的權限

監事會的權限如下:

一、監督會員遵守本會章程和內部守則;

二、監督會員大會決議的執行情況;

三、審查本會帳目,核對本會財產;

四、審查理事會的年報及帳目制定意見書呈交會員大會。

第四章

財務管理

第二十九條

收入

本會經費收入為:

一、入會費;

二、周年會費;

三、會員或非會員的捐款或其他收入。

第三十條

會費

會費的額度和交納方法由常務理事會規定。本會對於已繳交的會費及捐款在任何情況下均不退還。

第三十一條

帳簿

本會須設置財務開支帳簿,並須每年一次將上述帳簿呈交本會的核數師查核。

第五章

附則及過渡性規定

第三十二條

章程的修改及本會的解散

本會章程的修改權和本會的解散權專屬會員大會。該大會除必須按照本會章程第十六條規定召集外,還必須符合以下要件:

一、必須闡明召開目的;

二、修改章程的決議,必須經出席大會的會員四分之三多數通過方為有效;

三、解散本會的決議,必須經本會所有會員四分之三多數通過方為有效;

四、解散本會後,應將所有屬於本會的財物捐給慈善機構。

第三十三條

章程的解釋

本會章程任何條款之解釋權歸常務理事會。

第三十四條

過渡性規定

本會註冊後六個月內,須舉行會員大會,選出本會各組織的據位人,其間,本會的管理工作由創會會員負責。

Está conforme.

Primeiro Cartório Notarial de Macau, aos dezasseis de Maio de dois mil e um. - A Primeira-Ajudante, Ivone Maria Osório Bastos Yee.


1.º CARTÓRIO NOTARIAL DE MACAU

CERTIFICADO

Associação de Indústria Turística de Macau

Certifico, para efeitos de publicação, que se encontra arquivado, neste Cartório, desde dezoito de Maio de dois mil e um, sob o número vinte e nove barra dois mil e um do maço número um, um exemplar dos estatutos da "Associação de Indústria Turística de Macau", do teor seguinte:

第一章

名稱、會址、存續期及宗旨

第一條

Associação de Indústria Turística de Macau,中文名為“澳門旅遊業議會”及英文名為Travel Industry Council of Macau,是一個不牟利社團,並受本章程及本澳適用於法人之現行法例管轄。

第二條

1. 本會會址設於澳門友誼大馬路555號澳門置地廣場二十一樓。

2. 經會員大會的決議,本會會址可遷至本澳任何地方。

第三條

本會之存續不設期限,由成立之日開始存在。

第四條

本會宗旨為:

1. 保障會員及其旅客雙方的利益。

2. 促進及維護本會會員之福利及其他合法權益。

3. 促進本會會員之間對旅遊的興趣;以及在旅行和遊歷上的知識的交流,並且促進文化活動之國際交流。

4. 促進、支持或反對影響上述權益之立法或其他措施。

5. 向政府或相關部門表達任何影響本會宗旨及權益之問題。

6. 舉行可能直接或間接促進本會會務之座談會、展覽會、培訓班及各類會議。

7. 促進與任何地區之政府達成有助實現本會宗旨的協議,並由該政府或當局授予本會理應獲取之權利或特權,以及實現、行使及遵守該政府或當局之任何安排、權利、特權以及特許權。

8. 進行任何能達致本組織大綱明訂或默示之一切或任何附帶宗旨之任何行動或事情。

9. 茲商定並宣佈:除本組織大綱明確規定者外,本款各段所述各項宗旨及權力均有其獨立性,而不因參照本款任何其他段落或本會名稱或因由之所作推論而受到限制或規限。

第二章

會員之權利及義務

第五條

1. 經營旅遊行業之任何公司或以個人名義經營的商人均可成為本會的會員。

2. 新會員之提名可由任何一個會員推薦但需以書面遞交,接納與否由理事會決定。

3. 曾對本會提供重要服務之人士或公共或私人實體經大會的決定可被邀請為名譽主席,但彼等不得直接參與本會事務的管理。

4. 由大會主動或經理事會的建議,名譽主席將在大會頒授,而有關頒佈決議是透過出席及有表決權的絕大多數會員作出。

5. 基於被視為特別顯著的理由,某些名譽主席可被委任為永久性名譽主席。

第六條

1. 會員的權利:

(a)出席會員大會及表決;

(b)選舉及被選為本會機關的成員;

(c)參與由本會舉辦之活動;

(d)對本會之活動提出建議及意見;

(e)在平常大會會議前15天期內查核管理賬目;

(f)按現行法例的規定對損害其權利的行為作出異議;

(g)享有本會所提供的各項福利。

2. 名譽主席的權利:

(a)擁有證實其身份的證書及名片;

(b)被邀請出席會員大會及本會其他機關的會議但無表決權;

(c)對認為對本會的發展及聲譽有用及有建設性的措施及行為提出動議。

第七條

1.會員的義務:

(a)繳交由理事會訂定之年費;

(b)遵守本章程,大會決議及內部規章所規定的規則;

(c)支持及協助本會舉辦之活動。

2. 對違反會章或作出有損本會聲譽行為的會員,根據將通過的紀律規則及理事會的決議實施下列處分:

(a)警告;

(b)書面遣責;

(c)暫停會籍至六個月;

(d)除名。

3. 會員身份的喪失:

(a)無合理理由拖延繳付會費超過一年;

(b)被法院裁判罪名成立;

(c)公開及有意地作出損害本會聲譽的行為。

4. 因拖欠會費被除名的會員經繳付所欠之會費後可重新入會,但需得到理事會之同意。

第三章

本會之機關

第一節

機關的列明

第八條

1. 本會的機關為:

(a)會員大會;

(b)理事會;

(c)監事會。

2. 本會機關之成員的選舉是透過不記名及大多數票取決,而有關任期為三年,且允許被選連任。

3. 機關成員的選舉是透過競選名單的遞交而名單必須載有各候選人的全名及在各機關將擔任的職務。

4. 下列人士不可被選:

(a)被裁判違反一般法例而被科處徒刑的人士,而有關裁判已為確定;

(b)因不遵守紀律或因不適合擔任機關主管而受過處分的人士;

(c)已被任何社團機關免職的人士。

第二節

會員大會

第九條

會員大會由所有具有表決權之會員組成,其決議在本章程及法定範圍內是至尊無上的。

第十條

1. 會員大會由大會主席團領導;該主席團包括壹位主席,兩位副主席及壹位無表決權的秘書,從本會有表決權之會員中選出。

2. 會員大會主席團主席負責領導大會之工作及頒佈會議開始及結束,而當其不在場或需迴避時其職責將由副主席代替執行。

第十一條

會員大會之職權為:

(a)選出主席團、理事會及監事會的成員;

(b)通過本會之方針及活動計劃;

(c)審議及表決理事會的活動報告及帳目;

(d)作出第七條第二款c)及d)項所規定的紀律處分;

(e)在紀律處分事宜上擔任終審機關的角色;

(f)對修改本章程及本會之解散作出決議;

(g)討論及表決內部規章的建議及有關修改;

(h)頒佈名譽主席及永久性名譽主席;

(i)審議其他機關所建議的事項。

第十二條

1. 會員大會每年在首季舉行一次平常會議,特別會員大會則須由大會主席團主席召集或由理事會或監事會或不少於三分之一之會員要求召開;而在此情況下,召集書須明確指出欲商議之事項。

2. 會員大會的召集是以掛號信方式郵遞通知各會員或透過簽收方式交給各會員,但必須於最少八日前為之,召集書須載明會議日期、時間、地點及議程。

第十三條

1. 會員大會在第一次會議可作出決議,但在開會時必須有全體會員之一半或以上會員出席,倘缺乏法定人數時則於30分鐘後作第二次召集會議,屆時無論出席會員數目是多少亦可對任何事宜作出決議。

2. 除下列指明情況外,會員大會決議取決於出席會員的絕對多數票。

3. 對本會章程之修改決議,需有最少出席會員的四分之三贊成票數作出。

4. 解散本會之決議,須獲全體會員的四分之三贊同票數作出。

5. 法人在會員大會可由任何人代表,但必須有有關會員為此目的而作出的代表人證明書。

第三節

理事會

第十四條

1. 本會的管理及其在法庭內外的代表是由理事會負責;而理事會是由一名主席、兩名副主席、一名司庫員、一名秘書長及十二名理事組成,其總人數必須是單數,最高人數可達21人,該等人士是由會員大會有表決權之會員中選出,並且可以被選連任。

2. 本會之責任承擔須經理事會委任之七名理事會成員中任何三位聯署簽名方為有效。

3. a)當主席缺席或迴避時將由一名被指定的副主席代替;

b)其餘的代替將由主席從理事會成員中指定。

第十五條

理事會之職權為:

(a)遵守及促使遵守本會的章程及規章;

(b)執行會員大會所通過的決議;

(c)編制工作報告及年度賬目,並將之遞交會員大會通過;

(d)草擬選舉規章,並將之遞交會員大會認可;

(e)草擬並通過任何有關本會正常運作的規章,尤其是關於紀律規章;

(f)處理一切與本會有關的事務,並得對不包括在其他機關法定或章程權限內的事宜作出決議;

(g)接納或拒絕新會員的申請;

(h)實施第七條第二款a)及b)項所規定的處分及按照本章程的規則建議給予贊揚及頒發傑出證書;

(i)審議及決議會員遞交的任何建議及申請;

(j)應會員的要求,對會員提出的問題作出仲裁;

(k)參加本理事會認為適宜的地方、地區的國際性組織,使本會成為該等組織的會員並委派代表參加有關活動;

(l)建議名譽主席、永久名譽主席的人選;

(m)根據可適用的法律規定及增進本會的利益,可設立及管理本會的任何基金;

(n)訂定每年的會費金額。

第十六條

1. 理事會每三個月召開一次會議,特別會議可由理事長或理事長應大多數理事之要求召開。

2. 當理事會成員只得半數不得進行會議。

3. 理事會決議是由透過出席成員普通大多數票數作出,倘贊成票與反對票相等時,主席有權投決定性壹票。

第十七條

1. 理事會可從其成員中委任一個執行委員會而該執行委員會是由理事長或任何一名副理事長、司庫員、秘書長及一名或數名理事組成,在獲受權限的範圍內對會務作出決定,執行委員會可聘請一名沒有表決權的受薪秘書,協助其運作,秘書可以是非會員。

2. 執行委員會每月召開一次會議,特別會議可由理事長或大多數委員會成員之要求召開,而任何理事成員均可出席會議。

3. 執行委員會將行使由理事會依照其職權範圍而授予之執行職務。

4. 執行委員會可將屬一切日常行政工作授權予秘書長。

第四節

監事會

第十八條

1. 本會活動的監督由監事會負責,而該會是由三名由大會選出的會員組成,一名為監事長,兩名為監事。

2. 監事會每年召開一次平常會議,特別會議可由監事長或監事會大多數成員之要求召開。

第十九條

監事會之職務為:

(a)熱誠地按法律及本章程執行監察;

(b)監督理事會對大會的決議執行狀況及向理事會有關推行會務活動方面提出意見;

(c)在認為有需要時出席理事會及執行委員會會議,但其成員在會議中無表決權;

(d)審議理事會所提交之工作報告書及年終賬目,並定時監察本會之財政狀況;

(e)就其監察活動編制年度報告;

(f)要求召集大會會議。

第四章

收入與支出

第二十條

本會的收入來源為:

(a)會員繳交的會費;

(b)會員及各界人士對本會之捐贈及資助。

第二十一條

1. 本會之支出由其本身收入負擔。

2. 本會之基金只可用於貫徹其宗旨,不能以股息、獎金或其他任何形式直接或間接發給本會會員。

3. 上款之規定不包括支付薪金給本會聘請之服務人員或為本會提供服務的會員亦不防礙支付協定利息借款給本會的會員。

4. 本會的開支,除日常管理費可由理事長,代理事長或有書面授權證明之專責人員批准,但授權事宜須以書面通知各執行委員會成員,其他一切開支,必須由多數執行委員成員通過。

第二十二條

本會可聘用專業核數師,其報告書應與監事會報告書一起遞交會員大會。

第五章

最後規定

第二十三條

對本章程或內部規章的理解或執行所產生的疑問將由理事會解決但若屬前者則需在下屆會員大會追認。

第二十四條

1. 本會之創立人組成籌委會,並負責組織本會各機關成員之第一屆選舉事宜。

2. 直至選舉前,新會員加入之接納屬籌委會職權。

Está conforme.

Primeiro Cartório Notarial de Macau, aos dezoito de Maio de dois mil e um. - A Primeira-Ajudante, Ivone Maria Osório Bastos Yee.


CARTÓRIO PRIVADO MACAU

CERTIFICADO

Certifico, para efeitos de publicação, que, por escritura de dezasseis de Maio de dois mil e um, lavrada a folhas noventa e oito e seguintes do livro de notas para escrituras diversas número treze-A, deste Cartório, foi constituída uma associação com a denominação em epígrafe, cujos estatutos se regulam pelos artigos em anexo:

CAPÍTULO I

Denominação, sede e objectivos

Artigo primeiro

É constituída, sem fins lucrativos nem limite de tempo, uma associação que adopta a denominação, em chinês "聆浪曲藝社", e que se regerá pelos presentes estatutos e pela legislação aplicável em Macau.

Artigo segundo

A Associação tem a sua sede em Macau, na Rua de Espectação de Almeida, número três, edifício Son Heng, primeiro andar "B".

Artigo terceiro

A Associação tem por objectivo fomentar e incentivar a prática de canto de ópera chinesa entre os associados, bem como promover e desenvolver relações de amizade, cooperação e de intercâmbio artísticos e recreativos entre os seus associados e outras associações suas congéneres de Macau e de outros países e regiões.

CAPÍTULO II

Associados, seus direitos e deveres

Artigo quarto

Podem ser admitidos como associados todos os amantes de canto de ópera chinesa, desde que apresentem o respectivo pedido de admissão na Associação e que a Direcção desta o aprove.

Artigo quinto

São direitos dos sócios:

a) Elegerem e serem eleitos para qualquer cargo da Associação;

b) Participarem nas assembleias gerais;

c) Requererem a convocação das reuniões extraordinárias da Assembleia Geral;

d) Participarem em todas as actividades organizadas pela Associação; e

e) Gozarem de todos os benefícios concedidos pela Associação.

Artigo sexto

São deveres dos associados:

a) Cumprirem os estatutos da Associação, bem como as deliberações da Assembleia Geral e da Direcção;

b) Pagarem pontualmente a quota anual; e

c) Contribuírem, com todos os meios ao seu alcance, para o progresso e prestígio da Associação.

Artigo sétimo

Um. São órgãos da Associação:

a) A Assembleia Geral;

b) A Direcção; e

c) O Conselho Fiscal.

Dois. Os membros dos órgãos da Associação são eleitos em Assembleia Geral, tendo o respectivo mandato a duração de dois anos, sendo permitida a sua reeleição.

Assembleia Geral

Artigo oitavo

A Assembleia Geral é constituída por todos os associados, no pleno gozo dos seus direitos.

Artigo nono

Compete à Assembleia Geral:

a) Orientar superiormente e definir as actividades da Associação;

b) Aprovar a alteração dos estatutos da Associação;

c) Aprovar o balanço, relatório e contas anuais; e

d) Eleger e destituir a sua Mesa, a Direcção e o Conselho Fiscal.

Artigo décimo

Um. A Assembleia Geral reúne ordinariamente uma vez por ano.

Dois. A Assembleia Geral reúne extraordinariamente:

a) Por convocação do seu presidente; e

b) A requerimento da Direcção ou do Conselho Fiscal.

Artigo décimo primeiro

A Assembleia Geral funcionará à hora marcada na convocatória com a maioria dos associados, ou decorridos trinta minutos com qualquer número de associados presentes.

Artigo décimo segundo

As reuniões da Assembleia Geral são presididas por uma Mesa da Assembleia, constituída por um presidente, um vice-presidente e um secretário.

Direcção

Artigo décimo terceiro

A Direcção é constituída por um presidente, um vice-presidente e três vogais.

Artigo décimo quarto

Compete à Direcção:

a) Dirigir, administrar e manter as actividades da Associação, de acordo com as orientações da Assembleia Geral;

b) Admitir os associados;

c) Elaborar o relatório anual e as contas referentes ao mesmo;

d) Constituir mandatários da Associação;

e) Fixar o montante da jóia inicial e da quota anual; e

f) Exercer quaisquer outras atribuições que não estejam atribuídas, por lei ou pelos presentes estatutos, aos outros órgãos sociais.

Artigo décimo quinto

Um. A Associação será representada, em juízo ou fora dele, pelo presidente da Direcção.

Dois. Na ausência ou impedimento do presidente, este será substituído pelo vice-presidente.

Conselho Fiscal

Artigo décimo sexto

O Conselho Fiscal é formado por um único fiscal.

Artigo décimo sétimo

Compete ao Conselho Fiscal:

a) Fiscalizar todos os actos administrativos da Direcção;

b) Examinar e dar parecer sobre o relatório e as contas da Associação; e

c) Exercer quaisquer outras atribuições que lhe sejam legalmente conferidas.

CAPÍTULO IV

Receitas e despesas

Artigo décimo oitavo

Constituem receitas da Associação todos os rendimentos que a qualquer título lhe sejam atribuídos ou a que venha a ter direito e, designadamente, as quotas, jóias, subsídios e donativos.

Cartório Privado, em Macau, aos dezasseis de Maio de dois mil e um. - O Notário, António J. Dias Azedo.


證 明 書

澳門少兒音樂藝術教育協會

為公布的目的,我證明張樂田,王曉麗及白絮飛通過在二仟年五月二十四日簽訂的《公證書》,共同組成一個以上述名字命名的社團,這社團的章程列載在附設的文件內。《公證書》記錄在本公證處第15冊第101及以後各頁內。

第一條

名稱、會址及期限

1. 本協會名為“澳門少兒音樂藝術教育協會”,葡文名稱為«Associação de Educação Artística e Musical das Crianças»,英文名稱為«Association of Macau Art & Music Education of Children»(以下稱協會)。

2. 本協會總部設在澳門特別行政區南灣大馬路9號龍圖閣19樓A座,為實現宗旨,可在認為適宜及有需要時,設立代表處或任何其他形式的代表機構或遷至本澳其他地方。

3. 從成立之日起,本協會成為無限期存續之團體。

第二條

宗旨

本協會宗旨為推動少年兒童音樂藝術教育事業的發展。

第三條

會員

1. 凡申請入會者須有三名理事推荐,並且同意本協會的精神和宗旨,承諾履行本章程的規定及會內領導部門的決議,經理事會批准後,可成為本協會會員。

2. 凡推行會務並為本協會提供經濟上或其他性質的重大支持者,會員大會可授與“名譽會員”會籍。

第四條

權利與義務

1. 會員的權利:

a) 有選舉和被選舉權;

b) 參加會員大會,討論會務,提出建議和對各項事項投票;

c) 參加本協會舉辦的活動;

d) 口頭或書面諮詢會務資料。

2. 會員的義務:

a) 遵守本章程和本協會各部門的合法決議;

b) 熱心執行本協會指派的任務;

c) 促進本協會與其他機構之間的交往;

d) 定期繳納理事會訂定的會費。

第五條

會員退會

1) 會員可書面通知理事會退出會籍。

2) 在遞交上述退會通知書時,會員應將會員證一併交回。

第六條

開除會籍

會員不履行本身義務或違反本章程,作出損害本協會名譽或妨礙落實本協會宗旨的行為,理事會可開除其會籍,理事會的決議為最終決定。

第七條

賠償

不論自願退會或開除會籍的會員,均無權要求任何賠償金或獲得屬於本協會財產的資產和基金。

第八條

組織架構

會員大會:

1) 會員大會為本會最高權力組織,其權限包括:通過和修改會章,選舉大會主席團、理事會及監事會成員,以及通過本會的工作方針和計劃,審議工作和財務報告。

2) 會員大會由會長或副會長主持。

3) 會員大會通常每年召開一次,以超過半數會員出席方能生效。若會員大會原定時間超過半小時而人數仍不足半數,理事會及監事會成員超過半數時,會員大會所作決議亦為有效。

4) 有超過三分之一會員人數的要求,或者視情況需要,會長可召開特別會員大會。

理事會:

1) 理事會是本會的最高決策組識,由理事互選產生,設理事長、副理事長、秘書長各一人,共同制定本屆活動計劃及處理重大會務。

2) 理事會每個月開會一次,由理事長或副理事長召集,每次開會必須有紀錄,並將有關決議通知各會員。

3) 理事會成員不得兼任監事會內任何職務。

4) 理事長、副理事長對外代表本會行使本會的權利。負責組織每年之年會和籌劃各種以本會宗旨為核心的必要活動。

5) 理事會成員任期三年,任期屆滿即行改選,連選可連任。

監事會:

1) 監事會為監督與協調本會各部門工作之獨立組織,直接向會員大會負責。

2) 監事會由三人組成,設監事長、副監事長、及監事員。

3) 監事會成員不得兼任理事會內任何職務,但有權列席理事會各種會議和對本會財務進行檢查;並有權對理事會違反章程及影響本會聲譽的行為提出口頭或書面批評。

4) 監事會每半年開會一次,檢討各項會務。

5) 監事會成員任期三年,任期屆滿由會員大會改選,連選可連任。

第九條

經費

本會經費主要來自本會會員會費、捐贈及其他收入。

第十條

附則

本章程解釋及修改權屬會員大會。

二仟年五月二十四日於澳門

私人公證員 趙魯


The Hongkong and Shanghai Banking Corporation Limited

Incorporated in the Hong Kong SAR with limited liability

Macau Branch

Balanço anual em 31 de Dezembro de 2000

Demonstração de resultados do exercício de 2000

Conta de exploração

Conta de lucros e perdas

Chief Executive Officer Macau,
Yam Wing Lok

Financial Controller Macau,
Kenny Wong

Relatório da gerência para a área de
Macau da HSBC

Resultados do ano 2000 - Pontos relevantes

Acréscimo de 37% nos lucros operacionais anteriores às provisões, num montante de MOP 118,5 milhões (MOP 86,5 milhões em 1999).

Lucros líquidos de MOP 188,7 milhões (prejuízo de MOP 83,9 milhões em 1999).

Acréscimo de 14% no valor das imobilizações, que se fixa em MOP 5 617 milhões (MOP 4 944 milhões em 1999).

Em 2000, as agências do HongkongBank em Macau registaram um aumento nos lucros operacionais devido especialmente ao acréscimo nas receitas provenientes de juros de contas problemáticas e aos encargos cobrados por melhorados serviços ao cliente.

As receitas líquidas provenientes dos juros subiram 11 por cento em relação a 1999, enquanto outras receitas do exercício aumentaram em 20 por cento.

Verificou-se um decréscimo nos encargos com créditos mal parados ou duvidosos de MOP 170,2 milhões registados em 1999, para MOP 70,2 milhões em 2000, devido especialmente à recuperação de créditos de algumas contas problemáticas.

Durante o exercício melhorámos os nossos serviços bancários personalizados - "Personal Banking Services", o que continuaremos a fazer no exercício de 2001.

Aproveitamos esta oportunidade para agradecer o apoio e a confiança dos nossos estimados clientes e a dedicação do nosso pessoal.

Yam Wing Lok,

Chief Executive Officer Macau.

Síntese do parecer dos auditores externos

Para a área da Gerência do
The Hongkong and Shanghai Banking Corporation Limited
- Sucursal de Macau

Examinámos, de acordo com as Normas Internacionais de Auditoria, o conjunto de contas do "The Hongkong and Shanghai Banking Corporation Limited - Sucursal de Macau" referente ao exercício que terminou em 31 de Dezembro de 2000, as quais foram preparadas com o propósito de consolidar contas, de conformidade com as instruções da contabilidade do "The Hongkong and Shanghai Banking Corporation Limited" e, no nosso relatório, datado de 19 de Janeiro de 2001, para os auditores do "The Hongkong and Shanghai Banking Corporation Limited" nós, entre outras coisas, emitimos o seguinte parecer:

"Conjunto de contas da Sucursal

1. Foi preparado, em todos os aspectos essenciais, de acordo com as instruções de procedimento da Sede do Grupo; e

2. Foi preparado de acordo com os princípios contabilísticos consistentes com os seguidos nos anos precedentes".

Em nossa opinião, as contas resumidas, juntas, estão de conformidade com o conjunto de contas acima referido, do qual foram obtidas.

KPMG

Macau, aos 19 de Janeiro de 2001.


BANCO ESPÍRITO SANTO DO ORIENTE, S.A.

(Publicações ao abrigo do artigo 75.º do R.J.S.F., aprovado pelo Decreto-Lei n.º 32/93/M, de 5 de Julho)

Balanço anual em 31 de Dezembro de 2000

Demonstração de resultados do exercício de 2000

Conta de exploração

Conta de lucros e perdas

Pel'O Conselho de Administração,
Luís de Almeida Capela

O Chefe da Contabilidade,
Francisco Frederico

Macau, aos 12 de Fevereiro de 2001.

Relatório do Conselho de Administração

No decurso do ano de 2000, as economias da região Ásia-Pacífico registaram uma evolução positiva com os gráficos dos principais indicadores a atingirem os seus picos no primeiro semestre de 2000.

O abrandamento do crescimento da economia dos EUA, os receios motivados pela evolução dos preços do petróleo e as actuais fragilidades da economia japonesa, não permitiu a manutenção de uma conjuntura propícia à alavancagem da recuperação das economias da região. Pelas razões aqui referidas, o segundo semestre deste ano ficou assim caracterizado por uma correcção das curvas de recuperação em consonância com um ritmo de progresso mais lento.

Nos mercados emergentes globalmente considerados, continuou a prevalecer uma tónica de contracção da procura do crédito bancário, a par da tendência de uma preferência generalizada pela emissão de títulos de dívida e de capital.

No contexto acima sintetizado o Banco manteve, no decurso do ano 2000, como principais linhas de actuação o desenvolvimento da sua carteira de aplicações e o suporte dos clientes do Grupo BES que operam na sua área geográfica de actuação.

A actividade prosseguida pautou-se por critérios de manifesta prudência na selecção e diversificação geográfica de riscos na linha das estratégias anteriormente delineadas.

No ano de 2000 o activo líquido do Banco registou um acréscimo de 8,1 % fixando-se em 1 462 milhões de patacas que se justifica pelo crescimento verificado no total dos activos financeiros (+7,7%).

Em consonância com o acréscimo registado nos níveis de actividade, o Produto Bancário de Exploração registou um crescimento de 35,6% atingindo os 29 458 milhares de patacas.

O Resultado Bruto (Cash Flow) registou no exercício de 2000 um crescimento de 83,1%, fixando-se em 19 306 milhares de patacas, atenta a evolução favorável do produto bancário de exploração já referida e a variação dos custos administrativos que continuaram, a exemplo do exercício anterior, a registar uma contracção (1999 -8,8%, 2000 -7,3%), redução igualmente conseguida na rúbrica de outros custos (-19,4%).

O Resultado do Exercício cifrou-se em 6 740 milhares de patacas, crescendo 56,8% relativamente ao exercício anterior.

Proposta de aplicação de resultados

Nos termos legais e estatutários o Conselho de Administração propõe, para aprovação da Assembleia Geral, que o resultado do exercício findo em 31 de Dezembro de 2000, que se apura em MOP 6 740 409,23, seja aplicado da seguinte forma:

Para Reserva Legal (20% dos lucros líquidos) 

MOP 1 348 081,85

Para Resultados Transitados (80% dos lucros líquidos) 

MOP 5 392 327,38

Macau, aos 12 de Fevereiro de 2001.

O Conselho de Administração.

Relatório e parecer do Conselho Fiscal

Verificámos a regularidade da escrituração contabilística, não tendo tomado conhecimento de qualquer violação da lei ou do contrato de sociedade.

Em resultado dos exames efectuados, é nossa convicção que o relatório do Conselho de Administração é suficientemente esclarecedor da actividade do Banco e que o balanço e as demonstrações financeiras satisfazem as disposições legais e estatutárias.

Com base nas verificações e conclusões referidas, somos de parecer que:

1. Sejam aprovados o Relatório de Gestão e as Demonstrações Financeiras;

2. Seja aprovada a proposta de aplicação de resultados.

Macau, aos 20 de Fevereiro de 2001.

O Conselho Fiscal.

Síntese do parecer dos Auditores Externos para os Accionistas do
Banco Espírito Santo do Oriente, S.A.

Auditámos as demonstrações financeiras do Banco Espírito Santo do Oriente, S.A. referentes ao exercício findo em 31 de Dezembro de 2000 e expressámos a nossa opinião sem reservas, no relatório de 12 de Fevereiro de 2001.

Efectuámos uma comparação entre as demonstrações financeiras resumidas, aqui evidenciadas, e as demonstrações financeiras por nós auditadas. As demonstrações financeiras resumidas são da responsabilidade do Conselho de Administração do Banco.

Em nossa opinião, as demonstrações financeiras resumidas estão consistentes com as demonstrações financeiras auditadas.

Para uma melhor compreensão da situação financeira do Banco e dos resultados das suas operações, as demonstrações financeiras resumidas devem ser analisadas em conjunto com as demonstrações financeiras auditadas.

Lowe Bingham & Matthews - PricewaterhouseCoopers

Sociedade de Auditores.

Macau, aos 12 de Fevereiro de 2001.

Instituições em que detém participação superior a 5% do respectivo capital ou superior a 5% dos seus fundos próprios:

Europ Assistance (Macau) - Serviços de Assistência Personalizados, Limitada 

25%

Espírito Santo do Oriente - Estudos Financeiros e de Mercado de Capitais, Limitada 

90%

Accionistas com participação qualificada:

Nome

Acções detidas (n.º) Valor percentual (%)

Banco Espírito Santo, S.A.

199 500 99,75

Órgãos Sociais:

Mesa da Assembleia Geral

Ricardo Espírito Santo Silva Salgado

Presidente

Pedro Afonso Correia Branco

1.º Secretário

Maria de Lurdes Costa

2.º Secretário

Conselho de Administração

Augusto de Athayde Soares d'Albergaria

Presidente

Yves Alain Marie Morvan

Luís Filipe Telles de Almeida Capela

Carlos Alberto S. B. Vargas Mogo

Luís Manuel da Costa de Sousa de Macedo

Manuel Alexandre da Rocha Barreto

Pedro M. Rodrigues Simões de Almeida (renunciou ao cargo com efeitos a partir de 30.06.2000)

Conselho Fiscal

Joaquim Jorge Perestrelo Neto Valente

Presidente

Ricardo Abecassis Espírito Santo Silva

José Manuel Macedo Pereira

Macau, aos 12 de Fevereiro de 2001.


OVERSEAS TRUST BANK LTD., MACAU BRANCH

Balanço anual em 31 de Dezembro de 2000

Demonstração de resultados do exercício de 2000

Conta de exploração

Conta de lucros e perdas

O Gerente da Sucursal,
Lau Chi Keung, Kenneth

O Chefe da Contabilidade,
Leong Weng Lun

(Anexo à Circular n.º 012/B/94-DSB/AMCM, de 4 de Fevereiro)

Síntese do relatório de actividade

O nosso Banco é uma sociedade subsidiária detida inteiramente pelo Dao Heng Bank Group de Hong Kong.

Depois da transferência da Administração, a economia local ia melhorando gradualmente, tendo-se verificado um ambiente mais estável na exploração do sector financeiro. Nesta conjuntura económica as actividades deste Banco têm vindo a marcar-se pelo desenvolvimento e progresso a passo firme graças ao apoio dos nossos clientes em geral e dos diversos sectores sociais em particular. Num ambiente de melhoramento contínuo do clima económico, este Banco tem perspectivas de se desenvolver mais no futuro de tal forma que possa dar maior contributo para a economia local.

Este Banco aproveita a oportunidade para manifestar o seu agradecimento a todos quantos o apoiam.

Overseas Trust Bank Limited

Gerente da Sucursal de Macau.

Síntese do parecer dos auditores externos

Para os directores do Overseas Trust Bank Limited
referente ao
Overseas Trust Bank Limited - Sucursal de Macau

Examinámos, de acordo com as Normas Internacionais de Auditoria as contas do Overseas Trust Bank Limited - Sucursal de Macau referentes ao exercício que terminou em 31 de Dezembro de 2000, e a nossa opinião sobre as contas está expressa sem reservas no nosso relatório datado de 9 de Maio de 2001.

Em nossa opinião as contas resumidas estão de acordo com as contas atrás referidas das quais elas resultaram.

Para uma melhor compreensão da posição financeira e dos resultados das operações da Sucursal, durante o exercício, as contas resumidas devem ser analisadas em conjunto com as correspondentes contas auditadas do ano.

KPMG

Macau, aos 9 de Maio de 2001.


BANCO DA AMÉRICA (MACAU), S.A.

(Publicações ao abrigo do artigo 75.º do RJSF, aprovado pelo Decreto-Lei n.º 32/93/M, de 5 de Julho)

Balanço anual em 31 de Dezembro de 2000

Demonstração de resultados do exercício de 2000

Conta de exploração

Conta de lucros e perdas

O Administrador,
Cheong Kin Hong

O Chefe da Contabilidade,
M. K. Kou

Macau, aos 20 de Fevereiro de 2001.

Parecer do Conselho Fiscal

O balanço e a demonstração de resultados deste Banco respeitantes ao exercício findo em 31 de Dezembro de 2000, elaborados nos termos das leis de Macau e auditados pela Sociedade de Auditores Lowe Bingham & Matthews-PricewaterhouseCoopers, são documentos suficientes para mostrar a real situação financeira deste Banco em 31 de Dezembro de 2000, e o lucro apurado do exercício que terminou nesta data.

O Presidente do Conselho Fiscal,

Yiu Wing Fai.

Macau, aos 20 de Fevereiro de 2001.

Síntese do parecer dos auditores externos

Para os accionistas do
Banco da América (Macau), S.A.,
(constituída em Macau com responsabilidade limitada)

Auditámos as demonstrações financeiras do Banco da América (Macau), S.A., referentes ao exercício findo em 31 de Dezembro de 2000, e expressámos a nossa opinião sem reservas, no relatório de 20 de Fevereiro de 2001.

Efectuámos uma comparação entre as demonstrações financeiras resumidas, aqui evidenciadas, e as demonstrações financeiras por nós auditadas. As demonstrações financeiras resumidas são da responsabilidade do Conselho de Administração do Banco.

Em nossa opinião, as demonstrações financeiras resumidas estão consistentes com as demonstrações financeiras auditadas.

Para uma melhor compreensão da situação financeira do Banco e dos resultados das suas operações, as demonstrações financeiras resumidas devem ser analisadas em conjunto com as demonstrações financeiras auditadas.

Lowe Bingham & Matthews-PricewaterhouseCoopers

Sociedade de Auditores.

Macau, aos 20 de Fevereiro de 2001.

Relatório do Conselho de Administração

O Conselho de Administração do Banco da América (Macau), S.A., tem o prazer em submeter aos accionistas o seguinte resultado do exercício respeitante ao ano findo em 31 de Dezembro de 2000:

MOP

Lucro de exploração (líquido de todas as despesas, amortizações e provisões diversas) 

27 452 277,85

Dotações para imposto complementar (a deduzir) 

4 380 000,00

Resultado do exercício 

23 072 277,85

Lucros relativos a exercícios anteriores 

26 658 400,12

Totais 

49 730 677,97

O Conselho de Administração propôs a seguinte distribuição:

Para reserva legal

5 500 000,00

Para dividendos

17 000 000,00 22 500 000,00

Lucros não distribuídos a transitar para o exercício seguinte 

27 230 677,97

Relatório síntese de actividades

A criação da RAEM, a melhoria da segurança pública e o aumento do investimento público em algumas áreas foram factores de que pudemos beneficiar em 2000. O lucro líquido após impostos aumentou 34% relativamente a 1999, o que, em grande medida, se ficou a dever à selectividade das áreas de negócio, melhoria qualitativa dos serviços prestados, gestão prudente e a um controlo interno rigoroso. Para o aumento dos resultados, foi também essencial o apoio da clientela e o empenho activo de todos os colaboradores.

Contudo, foram também sentidas algumas dificuldades, nomeadamente devido ao aumento da concorrência, diminuição da margem de juros e pelos efeitos que a recessão nos EUA teve nas exportações locais. Embora seja previsível que a evolução do sector ainda ocorra de forma semelhante em 2001, pretendemos adoptar por orientação estratégica a expansão dos serviços às pequenas e médias empresas, o aumento do crédito hipotecário, com particular relevo o crédito à habitação, e ainda a venda de serviços nas áreas do investimento e de seguros.

O facto de pertencer ao grupo Banco América, o maior grupo bancário dos EUA, a que se acresce cerca de 70 anos de experiência no mercado bancário local, permite proporcionar aos nossos clientes toda a confiança na qualidade dos serviços prestados. Desta forma, na certeza de podermos obter o apoio de todos na execução da estratégia definida, esperamos obter os melhores êxitos nos resultados a alcançar.

O Presidente do Conselho de Administração,

Samuel Nag Tsien.

Macau, aos 20 de Fevereiro de 2001.

Instituições em que detêm participação superior a 5% do respectivo capital ou superior a 5% dos seus fundos próprios:

Nenhuma.

Lista dos accionistas qualificados:

Bank of America (Asia) Ltd.

Constituída em Hong Kong.

Nomes dos titulares dos órgãos sociais:

Conselho de Administração:

Samuel Nag Tsien Presidente

James Edward Hulihan, Jr. Administrador (exonerado em 28 de Março de 2000)

Hong Yiu Wai Administrador

Ma Chi Man, Charles Administrador

Lee Ling Administrador

Kwok Pui Fong, Miranda Administradora

Lau Siu Fung, Alfred Administrador (a 28 de Março de 2000 o Administrador e Gerente-Geral foi nomeado Administrador)

Cheong Kin Hong Administrador e Gerente-Geral (nomeado em 28 de Março de 2000)

Conselho Fiscal:

Yiu Wing Fai Presidente

Cheung Wai Hung, Henry Vogal

Ng Ying Chun, Alton Vogal

Fan Tat Suen Vogal suplente do Conselho Fiscal (exonerado em 1 de Outubro de 2000)

Assembleia Geral Ordinária:

Ma Chi Man, Charles Presidente

Tse Kit Wa, Eva Secretária (exonerada em 3 de Janeiro de 2000)

Tsang Mei Kuen Secretária (nomeada em 28 de Março de 2000)

Cho Sai Keung Secretário


CAM - SOCIEDADE DO AEROPORTO INTERNACIONAL DE MACAU, S.A.R.L.

澳門國際機場專營公司

Relatório sucinto sobre as actividades desenvolvidas em 2000

O Aeroporto Internacional de Macau (AIM) completou, em 8 de Novembro do ano passado, cinco anos de operação com total satisfação de todos os utilizadores do AIM, companhias aéreas e passageiros.

Apesar do nosso aeroporto ser muito recente e estar instalado num Território que não tinha qualquer experiência no sector aeronáutico, seriam aceitáveis eventuais problemas de menor importância que tivessem surgido, o que não aconteceu.

Podemos portanto afirmar que a operação do nosso aeroporto é de facto um sucesso, não só pela qualidade e segurança dos serviços prestados, mas também pela obtenção de um grande crescimento no volume de tráfego.

Em 2000 utilizaram o AIM 3 239 428 passageiros e movimentaram-se 68 084 toneladas de carga, o que correspondeu a um crescimento relativamente ao ano anterior de 22,7% e 28,18%, respectivamente.

As contrariedades surgidas em 1997, com a grave crise financeira que afectou toda a Ásia e que ainda não está totalmente debelada, impediram que até ao momento pudéssemos recuperar algumas das rotas e companhias perdidas naquele ano. Como consequência da turbulência dos mercados financeiros, nomeadamente na Malásia e Coreia do Sul, suspenderam as operações a Malaysia Airlines, Korean Airlines e Asiana Airlines. A CAM continua a desenvolver esforços para que estas companhias reiniciem as operações.

Apesar do empenhamento da CAM durante o exercício, não foi possível a concretização das negociações, iniciadas em 1998, entre a Air Macau e uma companhia internacional de carga expresso. Esperamos que num futuro próximo a Air Macau desenvolva adequadamente o negócio de carga aérea, e atinja o número de aeronaves ao serviço de acordo com o estabelecido no contrato de concessão.

Em conclusão, o pleno funcionamento do Aeroporto Internacional de Macau consolidou a localização geográfica da RAE Macau como ponto essencial e estratégico de ligação entre a RPC e os outros continentes, assegurando, também, a sua integração na economia da RAEM e proporcionando-lhe novos desafios e oportunidades, consequência da sua autonomia e identidade no contexto do lema "um país, dois sistemas".

Relativamente às estratégias comerciais é sempre objectivo principal das nossas estratégias comerciais e de marketing, atenuar a dependência do aeroporto aos voos directos entre a China e Taiwan. Assim, concentrámos mais esforços no desenvolvimento de oportunidades em novos mercados, como por exemplo: explorar possibilidades de desenvolver o mercado nos países do Mekong, tais como Laos, Vietname, Myanmar e Camboja, desenvolver o mercado regional da China, desenvolver as actividades de carga ao promover o estabelecimento de um parque logístico que opere como "zona franca" nas vizinhanças do aeroporto.

As actividades de carga aumentaram substancialmente em 2000. A enorme procura dos mercados dos Estados Unidos da América e da China induziram a um crescimento do volume de carga do Aeroporto Internacional de Macau, para além do grande crescimento do transporte de carga em aviões de passageiros, os três voos semanais dos cargueiros da Singapore Airlines também registaram um grande contributo para o AIM.

Ao perspectivar o ano 2001, e após cinco anos de operação em condições de elevada segurança e qualidade de serviços do Aeroporto Internacional de Macau, a CAM - Sociedade do Aeroporto Internacional de Macau, S.A. está optimista que o seu sexto ano de operação, o primeiro do século XXI, seja próspero.

Esta posição é sustentada pelos resultados encorajadores obtidos, bem como pelo apoio do novo Governo da RAEM no exercício findo e que, esperamos, se mantenha e consolide em 2001.

Os principais alvos da operação da CAM em 2001, são os de dirigir esforços no sentido de fomentar a economia de Macau e promover a imagem do AIM no exterior. Certamente, a decisão do Governo da RAEM de impulsionar as actividades económicas no sentido de aumentar a taxa de emprego e promover a atracção de novas correntes turísticas de origem diversificada, reforça a nossa confiança no próximo ano.

Proposta de aplicação de resultados

O exercício de 2000 registou um resultado líquido negativo no valor de MOP 598 612 829 (quinhentos e noventa e oito milhões, seiscentas e doze mil, oitocentas e vinte e nove patacas).

Propõe-se que ao resultado líquido negativo do exercício seja dada a seguinte aplicação:

A transitar para o exercício de 2000,
para a rubrica
"Resultados Retidos" MOP 598 612 829

Macau, aos 9 de Março de 2001.

João Manuel de Sousa Moreira,
Presidente do Conselho de Administração.

Parecer do Conselho Fiscal

Senhores Accionistas,

Nos termos da lei e dos estatutos, e de acordo com o mandato conferido para o desempenho das funções de Conselho Fiscal da CAM - Sociedade do Aeroporto Internacional de Macau, S.A., cumpre-nos emitir o nosso parecer acerca do relatório, balanço e demais documentos de prestação de contas apresentados pelo Conselho de Administração relativos ao exercício findo em 31 de Dezembro de 2000.

O Conselho Fiscal procedeu ao acompanhamento da actividade da Sociedade, tendo mantido um estreito contacto com a Administração e dela recebido sempre o necessário apoio e os esclarecimentos julgados convenientes.

Da apreciação e análise dos documentos submetidos a parecer nos termos do artigo 26.º dos Estatutos da CAM, o Conselho Fiscal constata serem os mesmos elucidativos da actuação da Empresa ao longo do ano, traduzindo correctamente a correspondente situação patrimonial, económica e financeira em 31 de Dezembro de 2000.

O relatório do Conselho de Administração complementa as contas e apresenta de forma clara a evolução e caracterização da actividade da CAM. Assim, face ao exposto, somos de parecer:

1. Que merecem aprovação o balanço e a demonstração de resultados líquidos, respeitantes ao exercício de 2000.

2. Que merece, igualmente, aprovação o relatório do Conselho de Administração.

Macau, aos 14 de Março de 2001.

O Conselho Fiscal
Ambrose So 
Dr. Aguinaldo Manuel Pinto Wahnon

Demonstração de resultados líquidos em 31 de Dezembro de 2000

Balanço analítico em 31 de Dezembro de 2000


BANCO NACIONAL ULTRAMARINO, S.A.

Balanço anual em 31 de Dezembro de 2000

Demonstração de resultados do exercício de 2000

Conta de exploração

Conta de lucros e perdas

A Responsável pela Contabilidade,
Maria Clara Fong

O Director-Geral,
Herculano Jorge Sousa

Relatório sucinto sobre a actividade da sucursal de
Macau do Banco Nacional Ultramarino, S.A.
durante o exercício de 2000

Os principais indicadores da actividade económica no ano 2000, o primeiro desde o estabelecimento da Região Administrativa Especial de Macau da República Popular da China, em 19 de Dezembro de 1999, registaram uma melhoria gradual, tendo a actividade bancária beneficiado com a expansão das exportações do Território e o aumento da actividade turística.

O Banco Nacional Ultramarino assinou um contrato com a Administração da Região Administrativa Especial de Macau pelo qual o Banco continuou a exercer as funções de Agente da Caixa Geral do Tesouro, funções que vinha desempenhando no âmbito de um contrato celebrado em 13 de Dezembro de 1995 e que já tinha sido prorrogado pela Administração da R.A.E.M.

O novo contrato, válido por três anos e renovável por iguais períodos, entrou em vigor em 2 de Maio de 2000.

A actuação comercial continuou a dar prioridade a uma estratégia multicanal para distribuição de produtos e serviços na área de particulares, visando o reforço da posição competitiva do Banco neste importante segmento de mercado.

Introduziram-se modificações no funcionamento das agências visando melhorar a sua operacionalidade, nomeadamente com a instalação de máquinas para actualização de cadernetas e pagamento de contas e incrementou-se a sua função comercial.

Foram ainda alteradas as especificações técnicas da rede de máquinas automáticas de modo a possibilitar o levantamento de notas pelos detentores dos principais cartões de crédito e débito internacionais.

Na área dos cartões de crédito foi lançado ainda um concurso para promoção dos cartões de crédito BNU-Visa e BNU-Mastercard que teve uma boa aceitação junto do público e prepararam-se os sistemas para a emissão pelo Banco de um cartão Maestro.

O número de terminais instalados em estabelecimentos comerciais para processamento de pagamentos efectuados com cartões de crédito registou no ano 2000 um aumento significativo.

Procurou-se ainda melhorar a comunicação com os nossos clientes e empregados do Banco que participaram activamente num programa para este efeito criado, dando sugestões e fazendo comentários visando a melhoria da qualidade e eficiência do serviço prestado, muitos dos quais foram implementados.

Na área da captação de recursos de clientes continuou-se a assistir ao crescimento dos depósitos que se terá traduzido numa melhoria da quota de mercado.

No campo da política de crédito desenvolveram-se esforços no sentido de diversificar a carteira de crédito, registando-se um aumento do crédito à habitação, num quadro concorrencial cada vez mais competitivo, e lançaram-se vários programas de crédito para aquisição de bens de consumo.

Procurou-se ainda dinamizar o crédito às empresas, para actividade corrente e investimento, incrementando-se o relacionamento com empresas de adequado perfil de risco e que se encontram melhor posicionadas para beneficiar com a expansão do comércio externo e com a progressiva integração da actividade económica no Delta do Rio das Pérolas.

Expandiu-se ainda a actividade na área do crédito internacional, tanto no que respeita às aplicações de curto prazo como à participação em operações nos mercados de capitais da região.

O activo total registou um aumento de 12,6 por cento para o que contribuiu o aumento de aplicações no mercado interbancário e nos mercados de capitais, bem o aumento do crédito a particulares.

A conclusão de processos de renegociação de créditos sobre empresas chinesas com pagamentos em atraso conduziu ao saneamento e clarificação do impacto financeiro dessas situações e a uma estabilização do nível global das provisões constituídas.

As amortizações efectuadas registaram um decréscimo relativamente ao ano anterior embora se situem a um nível elevado em virtude dos elevados investimentos que têm sido efectuados.

Os resultados líquidos, após provisões para impostos, no exercício de 2000, registaram um acréscimo de 12,6 por cento em relação a 1999, tendo atingido 39,7 milhões de patacas.

O Banco continuou a contribuir intensamente para o desenvolvimento de diversas iniciativas levadas a cabo por instituições locais no campo social, educativo, cultural e desportivo.

O Banco Nacional Ultramarino, S.A. expressa os seus agradecimentos a todos os clientes pela confiança depositada e aos empregados pelo trabalho realizado e por toda a sua dedicação.

O Banco Nacional Ultramarino, S.A. agradece às Autoridades de Macau todo o apoio e colaboração prestados.

Herculano Sousa,
Director-Geral.

Síntese do parecer dos auditores

Ao Director-Geral do Banco Nacional Ultramarino, S.A.
- Departamento de Macau

(registada em Macau sob responsabilidade limitada)

Auditámos as demonstrações financeiras do Banco Nacional Ultramarino, S.A. - Departamento de Macau (o "Banco"), as quais foram preparadas em conformidade com os princípios contabilísticos geralmente aceites em Macau.

Em nossa opinião, as demonstrações financeiras apresentam, de forma verdadeira e apropriada, a situação financeira do Banco, em 31 de Dezembro de 2000, bem como os resultados do ano findo naquela data.

Deloitte Touche Tohmatsu.

Macau, aos 15 de Maio de 2001.


FINIBANCO (MACAU), S.A.

(Publicações ao abrigo do artigo 75.º do RJSF, aprovado pelo Decreto-Lei n.º 32/93/M, de 5 de Julho)

Balanço anual em 31 de Dezembro de 2000

Demonstração de resultados do exercício de 2000

Conta de lucros e perdas

O Administrador,
Júlio Ceirão

O Responsável pela Contabilidade,
Lio Kuok Keong

Macau, aos 8 de Fevereiro de 2001.

Nota: O balanço anual e a demonstração de resultados do exercício foram preparados a partir dos registos contabilísticos auditados.

Relatório do Conselho de Administração

Em 2000 os resultados do Finibanco (Macau) S.A. voltaram a ser afectados pelas consequências da situação financeira de algumas empresas da República Popular da China. Por esta razão o Banco viu-se forçado a completar as provisões relativas às operações já parcialmente cobertas por provisões em anos anteriores.

Não obstante tal facto, o resultado líquido do Banco cifrou-se em 5,2 milhões de patacas, enquanto que o "cash-flow" foi de 9,5 milhões de patacas, valores significativamente superiores aos dos anos anteriores.

O Crédito Concedido registou um acréscimo de 25,8%, relativamente ao ano anterior e os depósitos de clientes aumentaram 20%.

Para o ano de 2001 esperamos continuar a expansão da actividade do Banco, com especial incidência para as áreas em que se tem vindo a vocacionar.

O Conselho de Administração deseja ainda apresentar os seus agradecimentos a todos os seus clientes e amigos, bem como a todo o pessoal ao seu serviço.

Macau, aos 23 de Fevereiro de 2001.

O Conselho de Administração.

Instituições em que detém participação superior a 5% do respectivo capital ou superior a 5% dos seus fundos próprios:

Nenhuma.

Accionistas qualificados:

Finigest - SGPS, S.A. (constituída em Portugal)
Wong Kon Kei.

Nomes dos titulares dos órgãos sociais:

Mesa da Assembleia Geral:

Presidente: Humberto da Costa Leite

Secretário: Henrique Miguel de Pedro Saldanha

Teresa Maria Lopes Taveira

Conselho Fiscal:

Presidente: Manuel Alexandre Correia da Silva

Vogal: Albano Silvério de Freitas Martins

Sarafim Vieira Marques

Conselho de Administração:

Presidente: Álvaro Pinho da Costa Leite

Administrador: Manuel Carlos de Carvalho Fernandes

Jorge Manuel de Carvalho Pereira

Wong Kon Kei

Júlio do Nascimento Ceirão

Comissão Executiva:

Presidente: Manuel Carlos de Carvalho Fernandes

Vogal: Jorge Manuel de Carvalho Pereira

Júlio do Nascimento Ceirão

Macau, aos 23 de Fevereiro de 2001.

Parecer do Conselho Fiscal

O Conselho Fiscal acompanhou atentamente ao longo de 2000, a actividade desenvolvida pela Sociedade mantendo um contacto regular e frequente com o Conselho de Administração, do qual recebeu a melhor colaboração e os esclarecimentos necessários ao adequado exercício das suas atribuições e competências.

Apreciados e analisados os documentos submetidos a parecer, constata o Conselho Fiscal que os mesmos traduzem com clareza e verdade a situação patrimonial, económica e financeira da empresa.

Nessa conformidade, entende o Conselho Fiscal que o relatório, balanço e contas apresentados pelo Conselho de Administração merecem ser aprovados em Assembleia Geral de accionistas.

Macau, aos 23 de Fevereiro de 2001.

Manuel A. de Oliveira Correia da Silva,
Presidente do Conselho Fiscal.

Síntese do parecer dos auditores
aos accionistas do Finibanco (Macau) S.A.R.L.

(Constituída em Macau)

Auditámos as demonstrações financeiras do Banco. As demonstrações financeiras foram preparadas de acordo com os princípios contabilísticos geralmente aceites em Macau.

Na nossa opinião as demonstrações financeiras apresentam, de forma verdadeira e apropriada, a situação financeira do Banco em 31 de Dezembro de 2000, bem como os resultados do ano findo naquela data.

Deloitte Touche Tohmatsu.

Macau, aos 9 de Fevereiro 2001.


BANCO SENG HENG, S.A.R.L.

Balanço anual em 31 de Dezembro de 2000 (Consolidado)

Demonstração de resultados do exercício de 2000

Conta de exploração (Consolidado)

Conta de lucros e perdas (Consolidado)

Balanço anual em 31 de Dezembro de 2000

Demonstração de resultados do exercício de 2000

Conta de exploração

Conta de lucros e perdas

Gerente-Geral,
Alex Li

O Chefe da Contabilidade,
Raymond Bao


SOCIEDADE FINANCEIRA SENG HENG CAPITAL ÁSIA, S.A.R.L.

Balanço anual em 31 de Dezembro de 2000

Demonstração de resultados do exercício de 2000

Conta de exploração

Conta de lucros e perdas

O Gerente-Geral,
Lawrence Yu

O Chefe da Contabilidade,
Raymond Bao

Síntese do relatório de actividade

No exercício do ano 2000, o Banco Seng Heng registou um lucro líquido de 117 milhões de patacas, correspondendo a um aumento de 12% comparado com o ano de 1999. Os depósitos de clientes não bancários aumentaram 23%, criou um novo recorde de 10 725 milhões de patacas. Embora o mercado de crédito esteja ainda em pouco movimento, o crédito concedido pelo nosso Banco registou apenas uma diminuição de 3%, atingiu 5 527 milhões de patacas. Os fundos próprios registaram um aumento de 18% com um montante acumulado de 782 milhões de patacas.

Com a globalização do mercado mundial e acrescido o factor favorável proveniente da integração da China no WTO, o Banco Seng Heng irá continuar a aumentar novas actividades, elevando não só a qualidade de serviço e de operação, como também a capacidade de gestão de investimentos. Como um dos elementos do sector financeiro, o Banco Seng Heng irá continuar a contribuir para a prosperidade e estabilidade de Macau.

O Presidente do Conselho de Administração,

Stanley Ho.

Parecer do Conselho Fiscal

O balanço e a demonstração de resultados deste Banco, respeitantes ao exercício do ano findo em 31 de Dezembro de 2000, foram elaborados nos termos das leis e auditados pela Ernst & Young, nomeada por este Conselho, e verificaram-se corresponder às regras de contabilidade bancária, sendo, portanto, documentos suficientes para mostrar a real situação financeira deste Banco até 31 de Dezembro de 2000, e o lucro apurado do exercício que terminou nesta data.

O Presidente do Conselho Fiscal,

Joaquim Morais Alves.

Macau, aos 20 de Março de 2001.

Síntese do parecer dos auditores externos

Aos accionistas do Banco Seng Heng, S.A.R.L.
(Constituída em Macau)

Nós auditámos as demonstrações financeiras do Banco, de acordo com as Normas Internacionais de Auditoria.

Na nossa opinião, as demonstrações financeiras dão uma imagem verdadeira e apropriada da posição financeira do Banco em 31 de Dezembro de 2001, e o seu resultado do ano findo naquela data.

Ernst & Young.

Macau, aos 20 de Março de 2001.

Lista de empresas em cujo capital social o nosso Banco tem uma participação superior a 5%:

Seng Heng Development Company Limited (Incorporado em Hong Kong) 

100%

Sociedade Financeira Seng Heng Capital Ásia, S.A.R.L. 

98%

Authosis, Inc. (Incorporado em Cayman Island) 

8%

Companhia de Seguros Luen Fung Hang, S.A.R.L. 

6%

Lista dos accionistas qualificados:

Sociedade de Turismo e Diversões de Macau, S.A.R.L.

Nomes dos titulares dos órgãos sociais:

Mesa da Assembleia Geral:

Roque Choi Presidente

So Shu Fai Vice-Presidente

Miguel Queiroz Secretário

Paul Cheung Yiu Mo Vice-Secretário

Conselho de Administração:

Dr. Ho, Stanley Hung Sun Presidente

Dr. Cheng Yu Tung Primeiro Vice-Presidente

Ho, Yuen Ki Winnie Segundo Vice-Presidente

Huen Wing, Ming, Patrick Administrador Executivo

Mak Ka Hing Administrador

So Shu Fai Administrador

Tse Andrew Edward Administrador

Conselho Fiscal:

Joaquim Morais Alves Presidente

Lau Ping Fun Vogal (resignação em 23 de Março de 2000)

Mok Ho, Yuen Wing Louise Vogal

Anthony Chung Kin Pong Vogal (nomeação a partir de 23 de Março de 2000)

Síntese do relatório de actividade

O Conselho de Administração da Sociedade Financeira Seng Heng Capital Ásia S.A.R.L., tem o prazer em submeter aos accionistas o seguinte resultado do exercício respeitante ao ano findo em 31 de Dezembro de 2000:

Patacas

Lucro de exploração 

1 949 750,88

Dotações para imposto complementar (a deduzir) 

318 200,00

Resultado do exercício 

1 631 550,88

Para reserva legal 

327 000,00

1 304 550,88

Lucros relativos a exercícios anteriores 

2 621 628,63

Lucros não distribuídos a transitar para o exercício seguinte

3 926 179,51

O Presidente do Conselho de Administração,
Stanley Ho.

Parecer do Conselho Fiscal

O balanço e a demonstração de resultados desta Sociedade, respeitantes ao exercício do ano findo em 31 de Dezembro de 2000, foram elaborados nos termos das leis e auditados pela Ernst & Young, nomeada por este Conselho e verificaram-se corresponder às regras de contabilidade bancária, sendo, portanto, documentos suficientes para mostrar a real situação financeira desta Sociedade até 31 de Dezembro de 2000, e o lucro apurado do exercício que terminou nesta data.

O Presidente do Conselho Fiscal,
Henrique Saldanha.

Macau, aos 26 de Março de 2001.

Síntese do parecer dos auditores externos

Aos accionistas da Sociedade Financeira Seng Heng Capital Ásia, S.A.R.L.
(Constituída em Macau)

Nós auditámos as demonstrações financeiras da Sociedade, de acordo com as Normas Internacionais de Auditoria.

Na nossa opinião, as demonstrações financeiras dão uma imagem verdadeira e apropriada da posição financeira da Sociedade em 31 de Dezembro de 2000, e o seu resultado do ano findo naquela data.

Ernst & Young.

Macau, aos 20 de Março de 2001

Lista dos accionistas qualificados:

Banco Seng Heng S.A.R.L.

Nomes dos titulares dos órgãos sociais:

Mesa da Assembleia Geral:

Dr. Nuno Mata Presidente

Winston Mak Ka Hing Vice-Presidente

Li Chin Hung Alex Secretário

Conselho de Administração:

Dr. Ho Stanley Hung Sun Presidente

Huen Wing Ming, Patrick Administrador Executivo

So Shu Fai Administrador

Conselho Fiscal:

Dr. Henrique Saldanha Presidente

Cheung Yiu Mo Paul Vogal

Cheng Wing Fai Patrick Vogal


BANCO BNU ORIENTE, S.A.

Balanço anual em 31 de Dezembro de 2000

Demonstração de resultados do exercício de 2000

Conta de exploração

Conta de lucros e perdas

A Responsável pela Contabilidade,
Maria Clara Fong

O Presidente da Comissão Executiva,
Herculano Jorge de Sousa

Relatório sucinto do Conselho de Administração

Exercício de 2000

Nos termos estatutários, o Conselho de Administração do Banco BNU Oriente, S.A., submete aos accionistas o relatório e contas referente ao exercício findo em 31 de Dezembro de 2000.

O Banco BNU Oriente, S.A., que foi constituído em 2 de Dezembro de 1999, após a publicação da portaria de autorização (Portaria n.º 284/99/M, de 26 de Julho), expandiu a sua actividade no ano 2000, para o que contribuiu o aumento da carteira de títulos de dívida e das participações em operações sindicadas e interbancárias.

O activo bruto total do Banco BNU Oriente S.A. ascendia, em 31 de Dezembro do ano 2000, o primeiro ano completo de actividade do Banco, a MOP 2 150 422 461,31, contra MOP 638 434 242,87 no final de 1999.

O montante do crédito concedido, constituído por participações em empréstimos sindicados a não residentes cedidas pela Sucursal em Macau do Banco Nacional Ultramarino, acrescido dos títulos de dívida em carteira totalizava, em 31 de Dezembro de 2000, MOP 1 365 674 557, enquanto no final de 1999, o seu valor era de MOP 243 932 506,3.

Conforme contratualmente estabelecido, a Sucursal em Macau do Banco Nacional Ultramarino continuou a prestar ao Banco BNU Oriente S.A. todo o apoio operacional requerido.

O Banco BNU Oriente S.A, que tinha registado um resultado do exercício negativo de MOP 792 153,12 em 1999, apurou no exercício de 2000 um resultado líquido positivo de MOP 411 175,90, facto que reflecte principalmente o acréscimo do volume de actividade, bem como da rentabilidade das aplicações interbancárias em patacas em virtude do aumento das taxas de juro.

O Conselho de Administração apresenta aos accionistas o seu agradecimento por todo o apoio que lhe foi dispensado.

O Banco BNU Oriente S.A. agradece às Autoridades de Macau todo o apoio e colaboração prestados.

Macau, aos 16 de Março de 2001.

Herculano Jorge de Sousa,
Presidente da Comissão Executiva.

Parecer do Conselho Fiscal do Banco BNU Oriente, S.A.

Senhores Accionistas:

O Conselho de Administração do Banco BNU Oriente S. A., submeteu ao Conselho Fiscal, nos termos e para efeitos da alínea e) do artigo 32.º dos Estatutos, para parecer, o balanço, as contas e o relatório anual respeitantes ao exercício de 2000. Complementarmente foi também enviado o relatório dos auditores externos "Deloitte Touche Tohmatsu", sobre as contas do Banco BNU Oriente S.A., relativas àquele mesmo exercício.

O Conselho Fiscal acompanhou, ao longo do ano, a actividade do Banco, tendo mantido contacto regular com a Administração e dela recebido sempre e em tempo a adequada colaboração e esclarecimentos.

Analisados os documentos remetidos para parecer deste Conselho, constata-se que os mesmos são suficientemente claros, reflectindo a situação patrimonial e económico-financeira do Banco.

O relatório do Conselho de Administração traduz de forma clara o desenvolvimento das actividades do Banco no decurso do exercício em apreciação.

O relatório dos auditores externos, tido em devida conta pelo Conselho Fiscal, refere que os documentos de prestação de contas apresentados evidenciam de forma verdadeira e apropriada a situação financeira do balanço em 31 de Dezembro de 2000, bem como os resultados das operações referentes ao exercício findo naquela data, com observância dos princípios contabilísticos da actividade bancária.

Face ao exposto, o Conselho Fiscal deliberou dar parecer favorável à aprovação do

1. Balanço e demonstração de resultados;

2. Relatório anual do Conselho de Administração.

Macau, aos 16 de Março de 2001.

O Conselho Fiscal,

José Manuel Trindade Morgado
(Presidente)

Chui Sai Cheong
(Vogal)

Síntese do parecer dos auditores

Aos accionistas do Banco BNU Oriente, S.A.
(constituída em Macau sob responsabilidade limitada)

Auditámos as demonstrações financeiras, as quais foram preparadas em conformidade com os princípos contabilísticos geralmente aceites em Macau.

Em nossa opinião, as demonstrações financeiras apresentam, de forma verdadeira e apropriada, a situação financeira do Banco em 31 de Dezembro de 2000, bem como os resultados do ano findo naquela data.

Deloitte Touche Tohmatsu.

Macau, aos 15 de Maio de 2001.

Lista das instituições em que o Banco BNU Oriente, S.A. detém participação superior a 5% do respectivo capital social ou superior a 5% dos seus fundos próprios, com indicação do respectivo valor percentual:

Nada consta.

Lista dos accionistas qualificados:

• Banco Nacional Ultramarino, S.A. 51,0%

• Caixa Geral de Depósitos, S.A. 37,5%

Órgãos sociais:

Mesa da Assembleia Geral

Presidente : Joaquim Jorge Perestrelo Neto Valente

Vice-Presidente : Liu Chak Wan

Secretário : Maria de Lurdes Nunes Mendes da Costa

Conselho de Administração

Presidente : Alberto Manuel S. Azevedo Soares

Vice-Presidente : Herculano Jorge Sousa

Administradores : Leonel Alberto Range Rodrigues

Artur Jorge Teixeira Santos

Vitor Manuel Simões Igreja

Comissão Executiva

Presidente : Herculano Jorge Sousa

Membros : Artur Jorge Teixeira Santos

: Vitor Manuel Simões Igreja

Conselho Fiscal

Presidente : José Manuel Trindade Morgado

Vice-Presidente : José Eduardo Ferreira Rodrigues

Vogal : Chui Sai Cheong


BANCO DELTA ÁSIA, S.A.R.L.

Relatório anual de 2000

(Publicações ao abrigo do artigo 75.º do R.J.S.F., aprovado pelo Decreto-Lei n.º 32/93/M, de 5 de Julho)

(Em patacas)

Balanço anual em 31 de Dezembro de 2000

Demonstração de resultados do exercício de 2000

Conta de exploração

Conta de lucros e perdas

O Presidente,
Stanley Au

O Chefe da Contabilidade,
Koon Kin Wai

Inventário de participações financeiras em 31 de Dezembro de 2000

Síntese do relatório de actividades

O Conselho de Administração tem prazer em apresentar o relatório das actividades do Banco Delta Ásia S.A.R.L., até ao dia 31 de Dezembro de 2000, devidamente aprovadas pelos auditores externos.

À semelhança de muitas outras empresas, por ocasião da crise económica que ocorreu na Ásia no ano de 1998, este Banco foi igualmente sujeito a uma prova muito dura, contudo, graças à política de contenção e à adopção de um modelo de operação mais agressivo por parte deste Banco na procura de maiores oportunidades comerciais e expansão das actividades, conseguiu sobreviver a essa situação desfavorável. No ano de 2000, o lucro líquido alcançado por este Banco, após deduzidas as provisões para créditos duvidosos e inacabáveis, registou-se em dez milhões e quarenta mil patacas, sendo a taxa de aumento 2,79 superior à registada no ano de 1999.

Na nova era, face às exigências impostas pela globalização do mercado e pela diversificação do serviço bancário, este Banco vai focar a sua atenção no desenvolvimento de diversos serviços de banco electrónico e procurar pessoal altamente qualificado para colaborar connosco. À medida que este Banco se transforma numa empresa caracterizada por uma economia moderna, o Banco Delta Ásia S.A.R.L., além de oferecer ao público melhor qualidade e um maior leque de serviços bancários, irá vitalizar a sua capacidade de operação para poder alcançar um melhor resultado do exercício.

O Presidente do Conselho de Administração,
Stanley Au.

Macau, aos 29 de Março de 2001.

Parecer do Conselho Fiscal

As contas do Banco Delta Ásia, S.A.R.L., foram preparadas de acordo com as leis vigentes em Macau e auditadas pela Lowe Bingham & Matthews - PricewaterhouseCoopers. Em nossa opinião, as contas apresentam uma verdadeira e justa ideia das situações financeiras do Banco até 31 de Dezembro de 2000 e dos resultados do exercício na mesma data.

O Presidente do Conselho Fiscal,
Lau Kai Hing.

Macau, aos 29 de Março de 2001.

Síntese do parecer dos auditores externos
para os accionistas do Banco Delta Ásia, S.A.R.L.

Auditámos o balanço do Banco Delta Ásia, S.A.R.L. ("Banco"), o balanço consolidado do Banco e suas subsidiárias ("Grupo"), à data de 31 de Dezembro de 2000 e as demonstrações de resultados e os fluxos de caixa consolidados para o exercício então findo, tais demonstrações (colectivamente designadas por "demonstrações financeiras auditadas"), e expressámos a nossa opinião sem reservas, no relatório de 29 de Março de 2001.

Efectuámos uma comparação entre as demonstrações financeiras resumidas, aqui evidenciadas e as demonstrações financeiras por nós auditadas. As demonstrações financeiras resumidas são da responsabilidade do Conselho de Administração do Banco.

Em nossa opinião, as demonstrações financeiras resumidas estão consistentes com as demonstrações financeiras auditadas.

Para uma melhor compreensão da situação financeira do Banco e do Grupo e dos resultados das suas operações, as demonstrações financeiras resumidas devem ser analisadas em conjunto com as demonstrações financeiras auditadas.

Lowe Bingham & Matthews - PricewaterhouseCoopers

Sociedade de Auditores.

Macau, aos 29 de Março de 2001.

Lista dos accionistas qualificados:

Delta Ásia Group (Holdings) Limited

(Constituída em Hong Kong)

Nomes dos titulares dos órgãos sociais:
(até 31 de Dezembro de 2000)

Conselho de Administração:

Au Chong Kit, Stanley Presidente

Crockett David Administrador

Mar Selwyn Administrador

Wen Carson Administrador

Lam Yin Lun Administrador (nomeado em 01/12/2000)

Ng Chi Wai Administrador (nomeado em 01/12/2000)

Miron Mushkat Administrador (nomeado em 01/01/2001 )

Wong Yin Hing, Patrick Administrador (exonerado em 18/05/2000)

Correia Branco Pedro Afonso Administrador (exonerado em 16/11/2000)

Ling Chiu Shing Administrador (exonerado em 01/01/2001)

Conselho Fiscal:

Lau Kai Hing Presidente

Leung Chi Ping Vogal (nomeado em 01/12/2000)

Tang Fook Keung Vogal (nomeado em 29/12/2000)

The Toa-Re Insurance (U.K.) Company Limited Vogal (exonerado em 01/12/2000)

Yeung Jar Wing, Louis Vogal (exonerado em 01/12/2000)

Assembleia Geral:

Au Chong Kit, Stanley Presidente

Delta Ásia Group (Holdings) Limited Vice-Presidente

Lau Kai Hing Secretário

Tang Fook Keung Secretário

Relatório anual de 2000 (Consolidado)

(Publicações ao abrigo do artigo 75.º do R.J.S.F., aprovado pelo Decreto-Lei n.º 32/93/M, de 5 de Julho)

(Em Patacas)

Balanço anual em 31 de Dezembro de 2000 (Consolidado)

Demonstração de resultados do exercício de 2000

Conta de exploração (Consolidado)

Conta de lucros e perdas (Consolidado)

O Presidente,
Stanley Au

O Chefe da Contabilidade,
Koon Kin Wai

Síntese do relatório de actividades

O Conselho de Administração tem prazer em apresentar o relatório das actividades do Grupo até ao dia 31 de Dezembro de 2000, devidamente aprovadas pelos auditores externos.

À semelhança de muitas outras empresas, por ocasião da crise económica que ocorreu na Ásia no ano de 1998, este Grupo foi igualmente sujeito a uma prova muito dura, contudo, graças à política de contenção e à adopção de um modelo de operação mais agressivo por parte deste Grupo na procura de maiores oportunidades comerciais e expansão das actividades, conseguiu sobreviver a essa situação desfavorável. No ano de 2000, o lucro líquido alcançado por este Grupo, após deduzidas as provisões para créditos duvidosos e incobráveis, registou-se em treze milhões, oitocentas e sessenta mil patacas, sendo a taxa de aumento 1,5 superior à registada no ano de 1999.

Na nova era, face às exigências impostas pela globalização do mercado e pela diversificação do serviço bancário, este Grupo vai focar a sua atenção no desenvolvimento de diversos serviços de banco electrónico e procurar pessoal altamente qualificado para colaborar connosco. À medida que este Grupo se transforma numa empresa caracterizada por uma economia moderna, o Grupo, além de oferecer ao público melhor qualidade e um maior leque de serviços bancários, irá vitalizar a sua capacidade de operação para poder alcançar um melhor resultado de exercício.

O Presidente
do Conselho de Administração,

Stanley Au.

Macau, aos 29 de Março de 2001.

Parecer do Conselho Fiscal

As contas consolidadas do Banco Delta Ásia, S.A.R.L. e da sua subsidiária foram preparadas de acordo com as leis vigentes em Macau e auditadas pela Lowe Bingham & Matthews - PricewaterhouseCoopers. Em nossa opinião, as contas consolidadas apresentam uma verdadeira e justa ideia das situações financeiras do Banco e suas subsidiárias até 31 de Dezembro de 2000 e dos resultados do exercício na mesma data.

O Presidente
do Conselho Fiscal,

Lau Kai Hing.

Macau, aos 29 de Março de 2001.

Síntese do parecer dos auditores externos
para os accionistas do Banco Delta Ásia, S.A.R.L.

Auditámos o balanço do Banco Delta Ásia, S.A.R.L. ("Banco"), o balanço consolidado do Banco e suas subsidiárias ("Grupo"), à data de 31 de Dezembro de 2000 e as demonstrações de resultados e os fluxos de caixa consolidados para o exercício então findo, tais demonstrações (colectivamente designadas por "demonstrações financeiras auditadas"), e expressámos a nossa opinião sem reservas, no relatório de 29 de Março de 2001.

Efectuámos uma comparação entre as demonstrações financeiras resumidas, aqui evidenciadas, e as demonstrações financeiras por nós auditadas. As demonstrações financeiras resumidas são da responsabilidade do Conselho de Administração do Banco.

Em nossa opinião, as demonstrações financeiras resumidas estão consistentes com as demonstrações financeiras auditadas.

Para uma melhor compreensão da situação financeira do Banco e do Grupo e dos resultados das suas operações, as demonstrações financeiras resumidas devem ser analisadas em conjunto com as demonstrações financeiras auditadas.

Lowe Bingham & Matthews - PricewaterhouseCoopers
Sociedade de Auditores.

Macau, aos 29 de Março de 2001.

Lista dos accionistas qualificados:

Delta Ásia Group (Holdings) Limited

(constituída em Hong Kong)

Nomes dos titulares dos órgãos sociais:
(até 31 de Dezembro de 2000)

Conselho de Administração:

Au Chong Kit, Stanley Presidente

Crockett David Administrador

Mar Selwyn Administrador

Wen Carson Administrador

Lam Yin Lun Administrador (nomeado em 01/12/2000)

Ng Chi Wai Administrador (nomeado em 01/12/2000)

Miron Mushkat Administrador (nomeado em 01/01/2001)

Wong Yin Hing, Patrick Administrador (exonerado em 18/05/2000)

Correia Branco Pedro Afonso Administrador (exonerado em 16/11/2000)

Ling Chiu Shing Administrador (exonerado em 01/01/2001)

Conselho Fiscal:

Lau Kai Hing Presidente

Leung Chi Ping Vogal (nomeado em 01/12/2000)

Tang Fook Keung Vogal (nomeado em 29/12/2000)

The Toa-Re Insurance (U.K.) Company Limited Vogal (exonerado em 01/12/2000)

Yeung Jar Wing, Louis Vogal (exonerado em 01/12/2000)

Assembleia Geral:

Au Chong Kit, Stanley Presidente

Delta Ásia Group (Holdings) Limited Vice-Presidente

Lau Kai Hing Secretário

Tang Fook Keung Secretário


[ Página Anterior ] [ Versão Chinesa ]

Disponível em: 30/5/2001 - 09:00:00


 

  < ] ^ ] 

 

Consulte também: