Número 23
II
SÉRIE

Quarta-feira, 7 de Junho de 2000

REGIÃO ADMINISTRATIVA ESPECIAL DE MACAU

Anúncios notariais e outros

1.º CARTÓRIO NOTARIAL DE MACAU

CERTIFICADO

Associação de Artes Marciais e Educação Física dos Operários de Macau

Certifico, para efeitos de publicação, que se encontra arquivado, neste Cartório, desde vinte e quatro de Maio de dois mil, sob o número vinte e cinco barra dois mil do maço número um, um exemplar dos estatutos da «Associação de Artes Marciais e Educação Física dos Operários de Macau», do teor seguinte:

第一條——本會定名為“澳門工人武術健身會”;葡文為“Associação de Artes Marciais e Educação Física dos Operários de Macau”。

第二條——本會會址設於澳門殷皇子大馬路工人體育場館內。

第三條——本會宗旨為推廣和發展本澳工人體育活動,參加官方或民間舉辦的體育活動,同時開展文化及康樂活動,是一個不牟利社團。

第四條——凡愛好體育活動者,認同本會章程,經登記註冊即可成為會員。

第五條——本會會員可參加本會所舉辦的一切活動,有選舉權及被選權,以及享有本會一切福利之權利。

第六條——本會會員須繳交會費,遵守會章,遵守領導機關決議,致力促進和發展本會會務及維護本會聲譽。

第七條——本會設名譽會員,凡對本會作出特殊貢獻,由本會頒贈予名譽會員資格,而名譽會員亦可參加本會所舉辦的一切活動,同時亦須遵守會章,維護本會聲譽,名譽會員無須繳交會費。

第八條——本會設以下機關,會員大會,理事會,監事會。

理事會及監事會成員由會員大會以不記名方式投票選舉產生,須以絕對過半數通過,任期兩年,並可連任。

第九條

會員大會

會員大會由所有會員出席參加,每年之二月份定期召開壹次,或在必須情況下,由理事會主席或會員大會常務委員會會長召開。但必須至少提前十天通知,出席人數必須超過會員半數方為合法。

會員大會由壹常務委員會主持,設會長一名及副會長一名。

第十條

理事會

理事會為本會之最高行政機關,負責制定會務,活動計劃,提交每年度工作及財務報告,執行會員大會之所有決議。

理事會由一名主席,一名副主席,一名司庫,一名秘書及若干名理事組成,組成人數必須為單數。

第十一條

監事會

監事會為本會之監察機關,負責監察理事會之運作,查核賬目及提供有關意見。

監事會由一名主席,一名副主席,一名秘書及若干名監事組成,組成人數必須為單數。

第十二條——凡會員因違反及不遵守會章或損害本會聲譽及利益,經理事會議決後,得取消其會員資格。

第十三條——本會的主要財政來源:

a)會員會費;

b)任何對本會的資助及捐獻。

第十四條——本會之經費應與其收入保持平衡。

第十五條——本會章程未盡之處由會員大會修改。

Está conforme.

Primeiro Cartório Notarial de Macau, aos vinte e quatro de Maio de dois mil. — A Primeira-Ajudante, Ivone Maria Osório Bastos Yee.


2.º CARTÓRIO NOTARIAL DE MACAU

CERTIFICADO

澳門友誼粵曲會

Certifico, para publicação, que se encontra arquivado, neste Cartório, desde trinta e um de Maio de dois mil, no maço número um barra dois mil, sob o número treze, e registado sob o número cento e vinte e seis, do livro de registo de instrumentos avulsos número três, um exemplar dos estatutos da associação em epígrafe, do teor seguinte:

澳門友誼粵曲會規章

第一章

總則

第一條:本會訂立中文名為澳門友誼粵曲會,葡文名為Associação de Ópera Chinesa «Iao I» de Macau。

第二條:本會會址設於澳門聖庇道街雅恆新十二號四樓N座。

第三條:本會以聯絡本澳業餘粵曲唱家和粵曲愛好者,利用工餘時間推廣粵樂藝術文化,娛己娛人為宗旨。

第四條:所有本澳之粵曲唱家及粵樂愛好者,均可申請加入本會成為會員。

第二章

組織及職權

第五條:會員大會為曲藝會之最高權力機構,其職權為:

a)批准及修改本會會章;

b)決定及檢討本會一切會務;

c)推選理事會成員七人及監事會之成員五人;

d)通過及核准理事會提交之年報。

第六條:會長負責領導及協調理事會處理本會一切工作。副會長協助會長工作,倘會長缺席時,由其中一名副會長暫代其職務。

第七條:會員大會每年進行一次,由會長或副會長召開,特別會員大會得由理事會過半數會員聯名要求召開,但須提早在十五天前發函通知全體會員,出席人數須超過會員半數,會議方為合法。

第八條:由理事會成員互選出理事長一人,副理事長兩人,秘書一名,財務一人,總務一人,曲務一人。理事會由理事長領導,倘理事長缺席時由其中一名副理事長暫代職務。

第九條:理事會之職務為:

a)執行大會所有決議;

b)規劃本會之各項活動;

c)監督會務管理及按時提交工作報告;

d)負責本會日常會務及制訂本會會章。

第十條:理事會每月舉行例會一次,特別會議得由理事長臨時召集。

第十一條:由監事會成員互選監事長一人,常務監事四人及候補監事兩人。監事會由監事長領導。

第十二條:監事會之職權為:

a)監督理事會一切行政決策;

b)審核財務狀況及賬目。

第十三條:本會為推廣會務得聘請社會賢達擔任本會名譽會長及名譽顧問,另聘請曲藝賢達為本會藝術顧問。

第三章

權利與義務

第十四條:凡本會會員有權參加會員大會,有選舉權及被選舉權,及參加本會舉辦之一切活動及享有本會之一切福利及權利。

第十五條:凡本會會員有遵守本會會章及大會或理事會決議之義務,並應於每月初繳交會費。

第四章

入會及退會

第十六條:凡申請加入者,須依手續填寫表格,由理事會審核批准,才能有效。

第十七條:凡會員因不遵守會章,未得本會同意,以本會名義所作出之一切活動而影響本會聲譽及利益,如經理事會過半數通過,得取消其會員資格,所繳交之任何費用,概不發還。凡本會會員超過叁個月以上未交會費,則喪失其會員資格及一切會員權利。

第五章

經費

第十八條:本會之經濟收入及其他:

a)會員月費;

b)任何對本會之贊助及捐贈。

第十九條:有關會員福利及其他各項事務由理事會另訂細則補充。

第二十條:本會章程有未盡之處,由會員大會修訂。

Segundo Cartório Notarial de Macau, um de Junho de dois mil. — O Ajudante, Leong Kam Chio.


1.º CARTÓRIO NOTARIAL DE MACAU

CERTIFICADO

Associação Promotora de Vida Saudável de Macau

Certifico, para efeitos de publicação, que se encontra arquivado, neste Cartório, desde trinta e um de Maio de dois mil, sob o número vinte e sete barra dois mil do maço número um, um exemplar dos estatutos da associação «Associação Promotora de Vida Saudável de Macau», do teor seguinte:

第一章

名稱、會址及宗旨

第一條——本會命名為“澳門健康生活協會”(3421-7024-0256-1660-3932-3172-0588-2585)。葡文為Associação Promotora de Vida Saudável de Macau。

第二條——本會會址設在澳門東望洋街九號二樓。

第三條——本會宗旨在實行專家與群眾相結合,以推廣普及衛生知識為主,團結國內外醫學專家進行健康教育,出版普及衛生刊物,以加強市民對健康生活的認識及生活情趣。

第二章

會員資格、權利及義務

第四條——凡本澳及外地熱愛健康生活及從事健康教育的人士、參予推廣健康活動並擁護本會章程者,均可申請加入本會為成員。參加者經本會理事會審核批准後便可成為會員。

第五條——會員權利:

甲)參加會員大會,討論會務事宜;

乙)選舉或被選舉為本會領導機構成員;

丙)參與本會所有綜合活動及出版健康刊物工作。

第六條——會員義務:

甲)遵守本會章程、內部規章及會員大會或理事會之決議;

乙)維護本會的聲譽及參與推動會務的發展;

丙)按時繳交會費。

第三章

紀律

第七條——會員如有違反本會章規或作出損害本會聲譽之言行,或有損本會不利的活動,得由理事會作出決定,施予以下之處分:

甲)口頭勸告;

乙)書面譴責;

丙)開除會籍。

第四章

會員大會

第八條——會員大會為本會之最高職權機構,主席團由大會選舉產生,成員包括會長壹名,副會長壹名及秘書壹名組成,每兩年改選壹次,連選可連任。

第九條——每年召開平常會議壹次。在必需的情況下,由理事會可隨時召開特別會議。並至少要提前八天通知。

第十條——會員大會之職權:

甲)批准及修改章程及內部規章;

乙)選出及罷免理事會及監事會;

丙)通過理事會提交每年的工作計劃及財政預算並制訂本會工作方針;

丁)審查及核准理事會所提交每年會務報告及帳目結算。

第五章

理事會

第十一條——理事會由七名至十五名單數成員組成,由會員大會選舉產生。設理事長壹名,副理事長壹至五名,秘書長壹名,財務長壹名及常務理事三至十一名,每兩年改選壹次,連選可連任。

第十二條——理事會通常每三個月召開例會壹次,討論會務;如有必要,可由理事長隨時召開特別會議。

第十三條——理事會之職權為:

甲)執行大會所有決議;

乙)研究和制定本會的工作計劃;

丙)領導及維持本會之日常會務,行政管理,財務運作及按時向大會提交每年會務報告及帳目結算;

丁)召開會員大會。

第六章

監事會

第十四條——監事會由三至五名單數成員組成,由會員大會選舉產生,設監事長壹名,副監事長壹名至兩名,監事壹名至三名,每兩年改選壹次,連選可連任。

第十五條——監事會之職權為:

甲)監督理事會一切行政決策及工作活動;

乙)審核本會財政狀況和賬目;

丙)提出改善會務及財政運作之建議。

第七章

經費、內部規章及修改會章

第十六條——本會為不牟利社團,有關經費來源主要由會員繳交之會費及各界熱心人士之捐贈或公共實體之贊助。

第十七條——本會設內部規章,規範領導機構轄下的個別組織,行政管理及財務運作細則等事項,有關條文由會員大會通過後公佈執行。

第十八條——本會章程由會員大會通過之日生效,若有未盡善處,由會員大會討論修訂。

Está conforme.

Primeiro Cartório Notarial de Macau, aos trinta e um de Maio de dois mil. — A Primeira-Ajudante, Ivone Maria Osório Bastos Yee.


CARTÓRIO PRIVADO MACAU

CERTIFICADO

Associação dos Empregados de Escritório de Macau

Certifico, para efeitos de publicação, que se encontra depositado, neste Cartório, em vinte e seis de Maio de dois mil, sob o número um barra dois mil, a alteração parcial dos estatutos da «Associação dos Empregados de Escritório de Macau», com sede em Macau, na Avenida de D. João IV, número trinta e oito, quarto andar, «F», do teor se-guinte:

Artigo décimo quinto

O Conselho Fiscal é composto por um número ímpar de membros, não inferior a três nem superior a cinco, sendo um deles presidente e dois vice-presidentes, eleitos bienal-mente pela Assembleia Geral, podendo ser reeleitos.

Está conforme.

Cartório Privado, em Macau, aos vinte e nove de Maio de dois mil. — O Notário, Pedro Branco.


1.º CARTÓRIO NOTARIAL DE MACAU

CERTIFICADO

Associação de Ópera Chinesa Lok Meng Macau

Certifico, para efeitos de publicação, que se encontra arquivado, neste Cartório, desde trinta e um de Maio de dois mil, sob o número vinte e seis barra dois mil do maço número um, um exemplar dos estatutos da «Associação de Ópera Chinesa Lok Meng Macau», do teor seguinte:

第一章

總則

第一條——本會訂定之中文為“澳門樂鳴曲藝會”,葡文為“Associação de Ópera Chinesa Lok Meng Macau”。

第二條——本會地址設於澳門新口岸新安花園第三期四樓N室。

第三條——本會以聯絡本澳各業餘粵曲唱家和粵曲愛好者,利用業餘時間推廣粵曲藝術文化,娛己娛人為宗旨。

第二章

組織及職權

第一條——會員大會為曲藝會之最高權力機構,其職權為:

a)批准及修改本會會章;

b)決定及檢討本會一切會務;

c)推選理事會領導成員五人。

第二條——會長負責領導及協調理事會處理本會一切工作。

第三條——會員大會每年進行一次。

第四條——由理事會成員互選出理事長一名,副理事長兩名,秘書一名,財務一名。

第五條——理事會之職權為「負責處理日常會務,開展各項曲藝活動。」

第六條——理事會每月舉行例會一次。

第七條——本會為推廣會務得聘請社會賢達擔任本會名譽會長及名譽顧問,另聘請曲藝賢達為本會藝術顧問。

第三章

權利與義務

第一條——凡本會會員有權參加本會舉辦之一切活動及享有本會一切福利之權力。

第二條——凡本會會員有遵守本會會章之義務並應於每月初繳交會費。

第四章

入會及退會

第一條——凡申請加入本會者,須依手續填寫表格,自由加入或退出。

第二條——凡會員因不遵守會章,取消其會員資格。

第五章

經費

第一條——本會之經濟收入來源及其他:

a)會員月費;

b)任何對本會的贊助及捐贈。

第二條——本章程未盡善之處由會員大會修訂。

Está conforme.

Primeiro Cartório Notarial de Macau, aos trinta e um de Maio de dois mil. — A Primeira-Ajudante, Ivone Maria Osório Bastos Yee.


FINIBANCO (MACAU), S.A.R.L.

Balancete do razão em 31 de Dezembro de 1999

(Rectificação)

O Responsável pela Contabilidade,
Lio Kuok Keong
O Administrador,
Júlio Ceirão

FINIBANCO (MACAU), S.A.R.L.

(Publicações ao abrigo do artigo 75.º do RJSF, aprovado pelo Decreto-Lei n.º 32/93/M, de 5 de Julho)

Balanço anual em 31 de Dezembro de 1999

MOP

MOP

Demonstração de resultados do exercício de 1999

Conta de exploração

MOP

Conta de lucros e perdas

MOP

O Administrador,
Júlio Ceirão
O Responsável pela Contabilidade,
Lio Kuok Keong

Macau, aos 8 de Fevereiro de 2000.

Nota: O balanço anual e a demonstração de resultados do exercício foram preparados a partir dos registos contabilísticos auditados.

Relatório do Conselho de Administração

O ano de 1999 continuou a ser marcado pelos efeitos da grave crise económica que atingiu a generalidade dos países asiáticos e, também, no que a Macau diz respeito, das medidas adoptadas pelo Governo da República Popular da China visando a reestruturação e saneamento do seu sector financeiro.

Como consequência e não obstante o «cash-flow» de 1999 se ter cifrado em 5,6 milhões de patacas, o Finibanco (Macau), registou um resultado líquido negativo de 12,7 milhões de patacas. Este resultado reflete, pois, o volume de provisões constituídas, as quais serão reforçadas, de acordo com o n.º 8 do Aviso n.º 18/93AMCM, no segundo trimestre do ano 2000.

Em resultado das medidas entretanto tomadas como consequência de uma nova orientação estratégica, o Finibanco (Macau) encara com optimismo uma significativa melhoria dos resultados já em 2000.

O Conselho de Administração deseja ainda apresentar os seus agradecimentos a todos os seus clientes e amigos, bem como a todo o pessoal ao seu serviço.

Macau, aos 19 de Abril de 2000.

O Conselho de Administração.

Parecer do Conselho Fiscal

O Conselho Fiscal acompanhou atentamente, ao longo de 1999, a actividade desenvolvida pela Sociedade mantendo um contacto regular e frequente com o Conselho de Administração do qual recebeu a melhor colaboração e os esclarecimentos necessários ao adequado exercício das sua atribuições e competências.

Apreciados e analisados os documentos submetidos a parecer, constata o Conselho Fiscal que os mesmos traduzem com clareza e verdade a situação patrimonial, económica e financeira da Empresa.

Nessa conformidade, entende o Conselho Fiscal que o relatório, balanço e contas apresentados pelo Conselho de Administração merecem ser aprovados em Assembleia Geral de Accionistas.

Macau, aos 19 de Abril de 1999.

Manuel A. de Oliveira Correia da Silva
Presidente do Conselho Fiscal.

Relatório dos auditores

aos accionistas do Finibanco (Macau), S.A.R.L.
(constituída em Macau)

Examinámos as contas financeiras do Banco de acordo com os princípios contabilísticos geralmente aceites em Macau, excepto o mencionado a seguir.

As respectivas responsabilidades dos directores e dos auditores

Os directores da Sociedade são responsáveis pela preparação das contas financeiras que apresentam, de forma verdadeira e apropriada, a situação da Empresa. Na preparação das contas financeiras que apresentam, de forma verdadeira e apropriada, a situação da Empresa, é fundamental que apropriadas normas contabilísticas sejam seleccionadas e aplicadas com consistência.

É da nossa responsabilidade dar uma opinião independente, baseada na nossa auditoria, naquelas contas e dar-vos uma opinião.

Bases da opinião

Efectuámos a auditoria de acordo com as Normas Internacionais de Auditoria. Uma auditoria inclui o exame por teste, de valores considerados relevantes e evidenciados nas contas financeiras. Inclui também uma ponderação das estimativas e juízos significativos efectuados pelos directores da Empresa, em que consideram mais relevantes na preparação das contas financeiras, e se as normas contabilísticas são apropriadas para a Sociedade, aplicadas consistentemente e evidenciadas adequadamente.

Planeámos e executámos a auditoria, assim como obtivemos as informações e explicações que considerámos necessárias, com vista a fornecer-nos evidências suficientes, para obtermos uma segurança razoável em como as contas financeiras estão isentas de significativas distorções. Na formação da nossa opinião, considerámos as formas adequadas da apresentação de informações nas contas financeiras. Acreditamos que a auditoria efectuada nos dá uma razoável base para formularmos a nossa opinião.

Opinião com reservas resultante de desacordo com tratamento contabilístico

Em créditos concedidos relevados no balanço anual inclui o montante aproximadamente MOP 16 735 000, devido por um cliente que se encontra em liquidação. Uma provisão de MOP 13 400 000, foi constituída de acordo com o n.º 8 do Aviso n.º 18/93AMCM. Na nossa opinião, uma provisão adicional de MOP 2 500 000, deve ser efectuada para o ano findo em 31 de Dezembro de 1999, reduzindo os fundos em 31 de Dezembro de 1999 e aumentando os prejuízos antes dos impostos do ano por MOP 2 500 000.

Excepto a ausência desta provisão, na nossa opinião, as demonstrações financeiras apresentam, de forma verdadeira e apropriada, a situação financeira do Banco em 31 de Dezembro de 1999, bem como os resultados do ano findo naquela data.

Deloitte Touche Tohmatsu.

Macau, aos 30 de Março 2000.

As presentes demonstrações financeiras não têm o propósito de apresentar a situação financeira e o resultado da actividade de acordo com os princípios contabilísticos e a prática geralmente aceites em países e jurisdições que não seja a de Macau.

Instituições em que detêm participação superior a 5% do respectivo capital ou superior a 5% dos seus fundos próprios:

Nenhuma

Accionistas qualificados:
Finigest — SGPS, S.A. (constituída em Portugal)
Wong Kon Kei
Nomes dos titulares dos órgãos sociais:
Mesa da Assembleia Geral Conselho de Administração
Presidente: Humberto da Costa Leite Presidente: Álvaro Pinho da Costa Leite
Secretário: Henrique Miguel de Pedro Saldanha Administrador: Manuel Carlos de Carvalho Fernandes
  Teresa Maria Lopes Taveira   Jorge Manuel de Carvalho Pereira
    Wong Kon Kei
    Júlio do Nascimento Ceirão
Conselho Fiscal Comissão Executiva
Presidente: Manuel Alexandre Correia da Silva Presidente: Manuel Carlos de Carvalho Fernandes
Vogal: Albano Silvério de Freitas Martins Vogal: Jorge Manuel de Carvalho Pereira
  Serafim Vieira Marques   Júlio do Nascimento Ceirão

Macau, aos 19 de Abril de 2000.


廣東發展銀行——澳門分行
BANCO DE DESENVOLVIMENTO DE CANTÃO — SUCURSAL DE MACAU

(Publicações ao abrigo do artigo 76.º do EJSF, aprovado pelo Decreto-Lei n.º 32/93/M, de 5 de Julho)

Balanço anual em 31 de Dezembro de 1999

貨幣單位:澳門幣MOP

貨幣單位:澳門幣MOP

Demonstração de resultados do exercício de 1999

Conta de exploração

貨幣單位:澳門幣MOP

Conta de lucros e perdas

貨幣單位:澳門幣MOP

O Vice-Gerente Geral,
Hao Jianping

O Chefe da Contabilidade,
Lucia Cheang

Macau, aos 19 de Maio de 2000.

Nota: O balanço anual e a demonstração de resultados do exercício foram preparados a partir dos registos contabilísticos auditados.

Síntese do relatório de actividade

Embora a economia de Macau esteja fraca durante o ano de 1999, e mais as competições intensas existentes entre os bancos em Macau, as actividades do Banco ainda foram desenvolvidas. Por isso, apresento os meus sinceros agradecimentos aos apoios dos nossos clientes e esforços dos nossos chefes na sede e dos colegas do Banco.

A perda verificada é devida às provisões para crédito vencido. No ano 2000, o Banco vai oferecer serviços electrónicos bancários e introduzir produtos novos aos seus clientes. Além disso, o Banco vai continuar a consolidar a operação e gestão. Em princípio, vamos operar moderadamente e melhorar a organização dos bens para que a perda se transforme em ganho com a maior brevidade possível.

Vice-Gerente Geral
Hao Jianping

Macau, aos 19 de Maio de 2000.

Relatório dos auditores

Para os directores do Banco de Desenvolvimento de Cantão
Referente ao
Banco de Desenvolvimento de Cantão — Sucursal de Macau

Examinámos, de acordo com as Normas Internacionais de Auditoria, as contas do Banco de Desenvolvimento de Cantão — Sucursal de Macau, referentes ao exercício que terminou em 31 de Dezembro de 1999 e a nossa opinião sobre as contas está expressa, sem reservas, no nosso relatório datado de 19 de Maio de 2000.

Em nossa opinião, as contas resumidas estão de acordo com as contas atrás referidas das quais elas resultaram.

Para uma melhor compreensão da posição financeira e dos resultados das operações da Sucursal, durante o exercício, as contas resumidas devem ser analisadas em conjunto com as correspondentes contas auditadas do ano.

KPMG

Macau, aos 19 de Maio de 2000.


廖創興銀行有限公司澳門分行
LIU CHONG HING BANK LTD., MACAU BRANCH

Balanço anual em 31 de Dezembro de 1999

Demonstração de resultados do exercício de 1999

Conta de exploração

Conta de lucros e perdas

O Gerente,
Lam Man King
O Chefe da Contabilidade,
Ho Choi San, Carol

Síntese do relatório das actividades desenvolvidas em 1999

O banco é uma sucursal do Banco Liu Chong Hing, Lda, estabelecido desde 1997 em Macau. O objectivo da nossa Sucursal é fornecer toda a espécie de serviços bancários às empresas e residentes de Macau e actuar como um agente dos investimentos cotados na Bolsa de Valores de Hong Kong. Desde o primeiro dia de actividade, a Sucursal tem vindo a efectuar esforços no sentido de expandir a sua actividade e obter a confiança dos seus clientes executando-a dentro dos planos traçados.

No último ano, a economia de Macau tem vindo a sofrer da recessão económica, a indústria, o turismo, a restauração e o comércio a retalho têm sido exercidos com moderação e a taxa de desemprego tem sido alta. Apesar da economia asiática ter sido instável, a actividade do Banco tem sido regular. Os proveitos do ano atingiram MOP 5 360 000, representando um aumento de 66,8% em relação ao ano anterior. O capital é de MOP 385 000 000, representando um aumento de 60,2% em relação ao ano anterior. Apesar dos custos operacionais terem diminuído, a Sucursal depreendeu com um prejuízo de MOP 1 025 000, representando um decréscimo de 63% em relação ao ano anterior.

Desde a crise financeira asiática que se abateu por altura que a Sucursal começou a sua actividade, em Agosto de 1997, a economia de Macau está sob uma depressão o que tornou mais difícil a actividade bancária. Desta forma os resultados de exploração estão dentro das expectativas.

Depois da transferência de administração de Macau à China, com o estabelecimento da Região Administrativa Especial de Macau da República Popular da China representa uma completa situação nova.

No novo milénio, o novo Governo já planeou a implementação de uma série de estratégias para melhorar a economia. A segurança pública está cada vez melhor e o turismo está em crescimento. Devido aos sinais encorajadores da economia doméstica, prevemos como optimística a economia de Macau e trará mais lucros à nossa Sucursal.

O Gerente,
Lam Man King.

Síntese do parecer dos auditores aos directores do Liu Chong Hing Bank Limited

Examinámos as contas financeiras do Liu Chong Hing Bank Limited — Sucursal de Macau, adiante designado por «Sucursal», de acordo com as Normas Internacionais de Auditoria.

Na nossa opinião as contas financeiras apresentam, de forma verdadeira e apropriada, a situação financeira da Sucursal em 31 de Dezembro de 1999, bem como os resultados e os fluxos de caixa do exercício findo.

Deloitte Touche Tohmatsu,

Macau, aos 14 de Março de 2000.


葡萄牙商業銀行(澳門分行)
BANCO COMERCIAL PORTUGUÊS, S.A., SUCURSAL DE MACAU

Balanço anual em 31 de Dezembro de 1999

Demonstração de resultados do exercício de 1999

Conta de exploração

Conta de lucros e perdas

O Director-Geral,
Manuel Marecos Duarte
O Técnico de Contas,
Antonio Lau

Relatório da actividade em 1999

A Sucursal de Macau do Banco Comercial Português S.A. continuou, em 1999, a prosseguir a estratégia definida para o Território no âmbito do Grupo BCP/Atlântico.

Com uma actividade centrada basicamente na captação de recursos e na prestação de serviços a clientes da Sede residentes em Macau, a manutenção dos elevados níveis de qualidade dos serviços prestados, a par de um rigoroso controlo dos custos operativos, constituíram as pedras basilares da actuação da Sucursal no exercício.

Os activos do Banco atingiram, em finais do exercício, os 6 biliões de patacas, sendo constituídos, fundamentalmente, por aplicações junto de outras instituições financeiras e crédito concedido.

Muito embora a margem financeira tivesse decrescido relativamente ao ano anterior, o resultado líquido ascendeu aos 5,8 milhões de patacas graças a um bom desempenho noutras operações financeiras e uma efectiva redução dos custos de funcionamento.

Finalmente uma palavra de agradecimento, reconhecimento e apreço pela reafirmada confiança dos nossos clientes, pela prestimosa colaboração das autoridades de Macau e pela continuada dedicação dos colaboradores.

A Direcção da Sucursal,
Manuel Marecos Duarte
António Lau

Relatório dos auditores

Para os accionistas do Banco Comercial Português, S.A.
referente ao
Banco Comercial Português — Sucursal Off-Shore (Macau)

Examinámos, de acordo com as Normas Internacionais de Auditoria, as demonstrações financeiras do Banco Comercial Português —Sucursal Off-Shore (Macau), referentes aos exercícios que terminaram em 31 de Dezembro de 1999 e 1998, e a nossa opinião sobre as demonstrações financeiras está expressa, sem reservas, no nosso relatório datado de 25 de Janeiro de 2000.

Em nossa opinião, as contas resumidas estão de acordo com as demonstrações financeiras atrás referidas das quais elas resultaram.

Para uma melhor compreensão da posição financeira e dos resultados das operações da Sucursal, durante o exercício que terminou em 31 de Dezembro de 1999, as contas resumidas devem ser analisadas em conjunto com as correspondentes demonstrações financeiras auditadas do ano.

KPMG

Macau, aos 25 de Janeiro de 2000.


    

Versão PDF optimizada para Adobe Reader 7.0 ou superior.
Get Adobe Reader